SlideShare uma empresa Scribd logo
Fernando Pessoa:
poemas fundamentais
Ortônimo e heterônimos
Fernando Pessoa
Ortônimo e heterônimos
• Poema em linha reta, do heterônimo Álvaro de Campos
• Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.
• E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das
etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante, (...)
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.
Fernando Pessoa
Ortônimo e heterônimos
• Lisbon revisited, do heterônimo Álvaro de Campos
• Não: não quero nada
Já disse que não quero nada.
• Não me venham com conclusões!
A única conclusão é morrer.
• Não me tragam estéticas!
Não me falem em moral!
Tirem-me daqui a metafísica!
Não me apregoem sistemas completos, não me enfileirem conquistas
Das ciências (das ciências, Deus meu, das ciências!) —
Das ciências, das artes, da civilização moderna!
• Que mal fiz eu aos deuses todos?
• Se têm a verdade, guardem-na!
Fernando Pessoa
Ortônimo e heterônimos
• Autopsicografia, de Fernando Pessoa
• O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
• E os que leem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.
• E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.
Fernando Pessoa
Ortônimo e heterônimos
• Tabacaria, do heterônimo Álvaro de Campos
• Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.
Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é
(E se soubessem quem é, o que saberiam?),
Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,
Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
Com a morte a pôr humidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.
Fernando Pessoa
Ortônimo e heterônimos
• Isto, de Fernando Pessoa
• Dizem que finjo ou minto
Tudo que escrevo. Não.
Eu simplesmente sinto
Com a imaginação.
Não uso o coração.
• Tudo o que sonho ou passo,
O que me falha ou finda,
É como que um terraço
Sobre outra coisa ainda.
Essa coisa é que é linda.
• Por isso escrevo em meio
Do que não está de pé,
Livre do meu enleio,
Sério do que não é.
Sentir? Sinta quem lê!
Fernando Pessoa
Ortônimo e heterônimos
• Ode triunfal, do heterônimo Álvaro de Campos
• Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos,
De vos ouvir demasiadamente de perto,
E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso
De expressão de todas as minhas sensações,
Com um excesso contemporâneo de vós, ó máquinas!
• Ah, poder exprimir-me todo como um motor se exprime!
Ser completo como uma máquina!
Poder ir na vida triunfante como um automóvel último-modelo!
Poder ao menos penetrar-me fisicamente de tudo isto,
Rasgar-me todo, abrir-me completamente, tornar-me passento
A todos os perfumes de óleos e calores e carvões
Desta flora estupenda, negra, artificial e insaciável!
Fernando Pessoa
Ortônimo e heterônimos
• Presságio, de Fernando
Pessoa
• O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.
Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...
Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!
Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!
Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...
Fernando Pessoa
Ortônimo e heterônimos
• Aniversário, do heterônimo Álvaro de Campos
• No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu era feliz e ninguém estava morto.
Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,
E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religião
qualquer.
• No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma,
De ser inteligente para entre a família,
E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a olhar para a vida, perdera o sentido da vida.
Fernando Pessoa
Ortônimo e heterônimos
• O guardador de rebanhos, do heterônimo Alberto Caeiro
• Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.
Fernando Pessoa
Ortônimo e heterônimos
• Não sei quantas almas tenho,
de Fernando Pessoa
• Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem achei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,
Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem,
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.
Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: «Fui eu?»
Deus sabe, porque o escreveu.
Fernando Pessoa
Ortônimo e heterônimos
• Mar português, de Fernando Pessoa
• Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
•
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor,
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Fernando Pessoa
Ortônimo e heterônimos
• Poema Todas as cartas de amor são
ridículas de Álvaro de Campos
(Fernando Pessoa)
• Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.
• Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.
• As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.
• Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.
• Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.
• A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.
• (Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)
Modernismo português
Florbela Espanca
• A poetisa Florbela Espanca (1894-1930) é dos
maiores nomes da literatura portuguesa.
• Com poemas relacionados as mais variadas
temáticas, Florbela passeou na forma fixa e livre
e compôs versos de amor, de elogio, de
desespero, experimentando cantar os mais
diversos sentimentos.
Modernismo português
Florbela Espanca
Modernismo português
Florbela Espanca
• Fanatismo
• Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és sequer a razão do meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!
Não vejo nada assim enlouquecida...
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!
"Tudo no mundo é frágil, tudo passa..."
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!
E, olhos postos em ti, digo de rastros:
"Ah! Podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus: Princípio e Fim!...“
• https://www.youtube.com/watch?v=3kKbsBBFJl8
Modernismo português
Florbela Espanca
• Eu
• Eu sou a que no mundo anda
perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
Sou a crucificada... a dolorida...
Sombra de névoa ténue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e
forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre
incompreendida!...
• Sou aquela que passa e ninguém
vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber por
quê ...
• Sou talvez a visão que Alguém
sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me
ver
E que nunca na vida me encontrou!
Modernismo português
Florbela Espanca
• Subi ao alto, à minha Torre
esguia,
Feita de fumo, névoas e luar,
E pus-me, comovida, a conversar
Com os poetas mortos, todo o dia.
• Contei-lhes os meus sonhos, a
alegria
Dos versos que são meus, do meu
sonhar,
E todos os poetas, a chorar,
Responderam-me então: “Que
fantasia,
• Criança doida e crente! Nós
também
Tivemos ilusões, como ninguém,
E tudo nos fugiu, tudo morreu!...”
• Calaram-se os poetas,
tristemente...
E é desde então que eu choro
amargamente
Na minha Torre esguia junto ao
Céu!...
Modernismo português
Florbela Espanca
• Vaidade
• Sonho que sou a Poetisa eleita,
Aquela que diz tudo e tudo sabe,
Que tem a inspiração pura e perfeita,
Que reúne num verso a imensidade!
• Sonho que um verso meu tem claridade
Para encher todo o mundo! E que deleita
Mesmo aqueles que morrem de saudade!
Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!
• Sonho que sou Alguém cá neste mundo...
Aquela de saber vasto e profundo,
Aos pés de quem a terra anda curvada!
• E quando mais no céu eu vou sonhando,
E quando mais no alto ando voando,
Acordo do meu sonho... E não sou nada!...
Recordando: Futurismo: o que foi e
principais obras
• O Futurismo foi um movimento artístico e literário
que surgiu no começo do século XX, representando
uma das vanguardas europeias que visavam quebrar
tradições e explorar outros modos de criação.
• No dia 20 de fevereiro de 1909, o poeta italiano
Filippo Marinetti publicou o Manifesto Futurista no
jornal francês Le Figaro, marcando o começo oficial
do movimento.
Recordando: Futurismo: o que foi e
principais obras
Recordando: Futurismo: o que foi e
principais obras
• Influenciado pelos tempos modernos e suas
transformações, o escritor rejeitava o passado
e exaltava as novas tecnologias, elogiando aspectos
como a sua energia e velocidade.
• Iconoclasta, Marinetti foi mais longe e se atreveu a
declarar que um simples carro poderia ser
esteticamente superior a uma das estátuas mais
famosas da Antiguidade Clássica:
• Iconoclasta – aquele que destrói imagens
Recordando: Futurismo: o que foi e
principais obras
• Nós afirmamos que a magnificência do mundo
enriqueceu-se de uma beleza nova: a beleza da
velocidade. Um automóvel de corrida com seu
cofre enfeitado com tubos grossos, semelhantes a
serpentes de hálito explosivo... um automóvel
rugidor, que correr sobre a metralha, é mais
bonito que a Vitória de Samotrácia.
• A Vitória de Samotrácia, também conhecida como Nice de Samotrácia, é uma escultura que representa a
deusa grega Nice.
Recordando: Futurismo: o que foi e
principais obras
• Características do Futurismo
• Valorização da tecnologia e das máquinas;
• Valorização da velocidade e do dinamismo;
• Representação da vida urbana e contemporânea;
• Rejeição do passado e do conservadorismo;
• Ruptura com as tradições e modelos artísticos;
• Busca daquilo que representa e simboliza o futuro;
• Temáticas como a violência, a guerra e a militarização;
• Aproximação entre a arte e o design;
• Posicionamentos de ideologia fascista;
Recordando: Futurismo: o que foi e
principais obras
• Na literatura, os futuristas se destacaram
pelo uso da tipografia, valorizando a
propaganda enquanto veículo de
comunicação. Nas obras, escritas em
linguagem vernácula, tipicamente nacional,
se destaca o uso de onomatopeias. A poesia
da época se caracteriza pelo verso livre, as
exclamações e a fragmentação das frases.
• linguagem vernácula - Diz-se da linguagem desprovida de estrangeirismos, que se apresenta com vocabulário e/ou construções
sintáticas originais e corretas; castiço, polido, purista.
Recordando: Futurismo: o que foi e
principais obras
• Arte visuais: principais obras futuristas
• O Dinamismo de um Automóvel
Recordando: Futurismo: o que foi e
principais obras
• Dinamismo de Um Cão na Coleira
Recordando: Futurismo: o que foi e
principais obras
• Hieróglifo dinâmico do Bal Tabarin
Recordando: Futurismo: o que foi e
principais obras
• Cavaleiro Vermelho
Recordando: Futurismo: o que foi e
principais obras
• Formas Únicas de Continuidade no Espaço
Recordando: Futurismo: o que foi e
principais obras
Retrato dos futuristas italianos (Luigi Russolo, Carlo Carrà, Filippo Marinetti, Umberto Boccioni e Gino Severini) em 1912.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
Paula Oliveira Cruz
 
Poemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto CaeiroPoemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto Caeiro
Leonardo C. Arinelli
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 
15
1515
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poemaNao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
João Teles
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
Naisha Br
 
O guardador de rebanhos
O guardador de rebanhosO guardador de rebanhos
O guardador de rebanhos
euequesei
 
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhosAlberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Bruno Meirim
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Ricardo Santos
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
guest432a8f
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando PessoaViajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Maria Rebelo
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Seduc/AM
 
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Ricardo Amaral
 
114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos
114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos
114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos
Elizabeth Simão Miguens
 
resumos
resumosresumos
resumos
Diogo Tavares
 
fernando pessoa
 fernando pessoa fernando pessoa
fernando pessoa
Vinicius Lutz
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Alexandra Canané
 
Farrapos de poesia e som com f.pessoa
Farrapos de poesia e som com f.pessoaFarrapos de poesia e som com f.pessoa
Farrapos de poesia e som com f.pessoa
archibald29
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
Margarida Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Poemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto CaeiroPoemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto Caeiro
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
15
1515
15
 
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poemaNao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
O guardador de rebanhos
O guardador de rebanhosO guardador de rebanhos
O guardador de rebanhos
 
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhosAlberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando PessoaViajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
 
114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos
114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos
114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos
 
resumos
resumosresumos
resumos
 
fernando pessoa
 fernando pessoa fernando pessoa
fernando pessoa
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Farrapos de poesia e som com f.pessoa
Farrapos de poesia e som com f.pessoaFarrapos de poesia e som com f.pessoa
Farrapos de poesia e som com f.pessoa
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
 

Semelhante a Fernando pessoa poemas fundamentais

Manuel antonio pina 18-11-2013
Manuel antonio pina 18-11-2013Manuel antonio pina 18-11-2013
Manuel antonio pina 18-11-2013
Maria Manuela Torres Paredes
 
Pinturas poesias
Pinturas poesiasPinturas poesias
Pinturas poesias
Ariana Martins
 
Pinturase Poesias
Pinturase PoesiasPinturase Poesias
Pinturase Poesias
taigua
 
PINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIASPINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIAS
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Imagens e Poesias
  Imagens e Poesias  Imagens e Poesias
Imagens e Poesias
Ivanete Oliveira
 
Imagens e poesias
Imagens e poesiasImagens e poesias
Imagens e poesias
Ivanete Oliveira
 
Pinturas E Poesias
Pinturas E  PoesiasPinturas E  Poesias
Pinturas E Poesias
guestbe4900
 
Entre flores e claustros as poéticas de Florbela Espanca e Rosalía de Castro
Entre flores e claustros as poéticas de Florbela Espanca e Rosalía de CastroEntre flores e claustros as poéticas de Florbela Espanca e Rosalía de Castro
Entre flores e claustros as poéticas de Florbela Espanca e Rosalía de Castro
Renata Bomfim
 
Toma lá poesia folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...
Toma lá poesia   folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...Toma lá poesia   folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...
Toma lá poesia folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...
São Ludovino
 
Pina 70 a poesia_nomundo
Pina 70 a poesia_nomundoPina 70 a poesia_nomundo
Pina 70 a poesia_nomundo
Anaigreja
 
Pinturas poesias
Pinturas poesiasPinturas poesias
Pinturas poesias
Atitude Profissional
 
Chuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdfChuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdf
VitorRibeiro261164
 
Antologia livro
Antologia   livroAntologia   livro
Antologia livro
Brendda Neves
 
Figuras de Linguagem
Figuras de Linguagem Figuras de Linguagem
Figuras de Linguagem
144porhora
 
Modernismo 1922
Modernismo   1922Modernismo   1922
Modernismo 1922
Andre Guerra
 
37
3737
20120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_320120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_3
bib2009
 
10
1010
95
9595
Florbela espanca oral de português
Florbela espanca   oral de portuguêsFlorbela espanca   oral de português
Florbela espanca oral de português
carol slides
 

Semelhante a Fernando pessoa poemas fundamentais (20)

Manuel antonio pina 18-11-2013
Manuel antonio pina 18-11-2013Manuel antonio pina 18-11-2013
Manuel antonio pina 18-11-2013
 
Pinturas poesias
Pinturas poesiasPinturas poesias
Pinturas poesias
 
Pinturase Poesias
Pinturase PoesiasPinturase Poesias
Pinturase Poesias
 
PINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIASPINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIAS
 
Imagens e Poesias
  Imagens e Poesias  Imagens e Poesias
Imagens e Poesias
 
Imagens e poesias
Imagens e poesiasImagens e poesias
Imagens e poesias
 
Pinturas E Poesias
Pinturas E  PoesiasPinturas E  Poesias
Pinturas E Poesias
 
Entre flores e claustros as poéticas de Florbela Espanca e Rosalía de Castro
Entre flores e claustros as poéticas de Florbela Espanca e Rosalía de CastroEntre flores e claustros as poéticas de Florbela Espanca e Rosalía de Castro
Entre flores e claustros as poéticas de Florbela Espanca e Rosalía de Castro
 
Toma lá poesia folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...
Toma lá poesia   folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...Toma lá poesia   folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...
Toma lá poesia folhetos de promoção do concurso literário 2008-2009 - escol...
 
Pina 70 a poesia_nomundo
Pina 70 a poesia_nomundoPina 70 a poesia_nomundo
Pina 70 a poesia_nomundo
 
Pinturas poesias
Pinturas poesiasPinturas poesias
Pinturas poesias
 
Chuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdfChuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdf
 
Antologia livro
Antologia   livroAntologia   livro
Antologia livro
 
Figuras de Linguagem
Figuras de Linguagem Figuras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Modernismo 1922
Modernismo   1922Modernismo   1922
Modernismo 1922
 
37
3737
37
 
20120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_320120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_3
 
10
1010
10
 
95
9595
95
 
Florbela espanca oral de português
Florbela espanca   oral de portuguêsFlorbela espanca   oral de português
Florbela espanca oral de português
 

Último

Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 

Último (20)

Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 

Fernando pessoa poemas fundamentais

  • 2. Fernando Pessoa Ortônimo e heterônimos • Poema em linha reta, do heterônimo Álvaro de Campos • Nunca conheci quem tivesse levado porrada. Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo. • E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil, Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita, Indesculpavelmente sujo, Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho, Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo, Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas, Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante, (...) Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas, Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.
  • 3. Fernando Pessoa Ortônimo e heterônimos • Lisbon revisited, do heterônimo Álvaro de Campos • Não: não quero nada Já disse que não quero nada. • Não me venham com conclusões! A única conclusão é morrer. • Não me tragam estéticas! Não me falem em moral! Tirem-me daqui a metafísica! Não me apregoem sistemas completos, não me enfileirem conquistas Das ciências (das ciências, Deus meu, das ciências!) — Das ciências, das artes, da civilização moderna! • Que mal fiz eu aos deuses todos? • Se têm a verdade, guardem-na!
  • 4. Fernando Pessoa Ortônimo e heterônimos • Autopsicografia, de Fernando Pessoa • O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. • E os que leem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm. • E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração.
  • 5. Fernando Pessoa Ortônimo e heterônimos • Tabacaria, do heterônimo Álvaro de Campos • Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. Janelas do meu quarto, Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é (E se soubessem quem é, o que saberiam?), Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente, Para uma rua inacessível a todos os pensamentos, Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa, Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres, Com a morte a pôr humidade nas paredes e cabelos brancos nos homens, Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.
  • 6. Fernando Pessoa Ortônimo e heterônimos • Isto, de Fernando Pessoa • Dizem que finjo ou minto Tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto Com a imaginação. Não uso o coração. • Tudo o que sonho ou passo, O que me falha ou finda, É como que um terraço Sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda. • Por isso escrevo em meio Do que não está de pé, Livre do meu enleio, Sério do que não é. Sentir? Sinta quem lê!
  • 7. Fernando Pessoa Ortônimo e heterônimos • Ode triunfal, do heterônimo Álvaro de Campos • Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos, De vos ouvir demasiadamente de perto, E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso De expressão de todas as minhas sensações, Com um excesso contemporâneo de vós, ó máquinas! • Ah, poder exprimir-me todo como um motor se exprime! Ser completo como uma máquina! Poder ir na vida triunfante como um automóvel último-modelo! Poder ao menos penetrar-me fisicamente de tudo isto, Rasgar-me todo, abrir-me completamente, tornar-me passento A todos os perfumes de óleos e calores e carvões Desta flora estupenda, negra, artificial e insaciável!
  • 8. Fernando Pessoa Ortônimo e heterônimos • Presságio, de Fernando Pessoa • O amor, quando se revela, Não se sabe revelar. Sabe bem olhar p'ra ela, Mas não lhe sabe falar. Quem quer dizer o que sente Não sabe o que há de dizer. Fala: parece que mente... Cala: parece esquecer... Ah, mas se ela adivinhasse, Se pudesse ouvir o olhar, E se um olhar lhe bastasse P'ra saber que a estão a amar! Mas quem sente muito, cala; Quem quer dizer quanto sente Fica sem alma nem fala, Fica só, inteiramente! Mas se isto puder contar-lhe O que não lhe ouso contar, Já não terei que falar-lhe Porque lhe estou a falar...
  • 9. Fernando Pessoa Ortônimo e heterônimos • Aniversário, do heterônimo Álvaro de Campos • No tempo em que festejavam o dia dos meus anos, Eu era feliz e ninguém estava morto. Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos, E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religião qualquer. • No tempo em que festejavam o dia dos meus anos, Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma, De ser inteligente para entre a família, E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim. Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças. Quando vim a olhar para a vida, perdera o sentido da vida.
  • 10. Fernando Pessoa Ortônimo e heterônimos • O guardador de rebanhos, do heterônimo Alberto Caeiro • Eu nunca guardei rebanhos, Mas é como se os guardasse. Minha alma é como um pastor, Conhece o vento e o sol E anda pela mão das Estações A seguir e a olhar. Toda a paz da Natureza sem gente Vem sentar-se a meu lado. Mas eu fico triste como um pôr de sol Para a nossa imaginação, Quando esfria no fundo da planície E se sente a noite entrada Como uma borboleta pela janela.
  • 11. Fernando Pessoa Ortônimo e heterônimos • Não sei quantas almas tenho, de Fernando Pessoa • Não sei quantas almas tenho. Cada momento mudei. Continuamente me estranho. Nunca me vi nem achei. De tanto ser, só tenho alma. Quem tem alma não tem calma. Quem vê é só o que vê, Quem sente não é quem é, Atento ao que sou e vejo, Torno-me eles e não eu. Cada meu sonho ou desejo É do que nasce e não meu. Sou minha própria paisagem, Assisto à minha passagem, Diverso, móbil e só, Não sei sentir-me onde estou. Por isso, alheio, vou lendo Como páginas, meu ser O que segue não prevendo, O que passou a esquecer. Noto à margem do que li O que julguei que senti. Releio e digo: «Fui eu?» Deus sabe, porque o escreveu.
  • 12. Fernando Pessoa Ortônimo e heterônimos • Mar português, de Fernando Pessoa • Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! • Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor, Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu.
  • 13. Fernando Pessoa Ortônimo e heterônimos • Poema Todas as cartas de amor são ridículas de Álvaro de Campos (Fernando Pessoa) • Todas as cartas de amor são Ridículas. Não seriam cartas de amor se não fossem Ridículas. • Também escrevi em meu tempo cartas de amor, Como as outras, Ridículas. • As cartas de amor, se há amor, Têm de ser Ridículas. • Mas, afinal, Só as criaturas que nunca escreveram Cartas de amor É que são Ridículas. • Quem me dera no tempo em que escrevia Sem dar por isso Cartas de amor Ridículas. • A verdade é que hoje As minhas memórias Dessas cartas de amor É que são Ridículas. • (Todas as palavras esdrúxulas, Como os sentimentos esdrúxulos, São naturalmente Ridículas.)
  • 14. Modernismo português Florbela Espanca • A poetisa Florbela Espanca (1894-1930) é dos maiores nomes da literatura portuguesa. • Com poemas relacionados as mais variadas temáticas, Florbela passeou na forma fixa e livre e compôs versos de amor, de elogio, de desespero, experimentando cantar os mais diversos sentimentos.
  • 16. Modernismo português Florbela Espanca • Fanatismo • Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida Meus olhos andam cegos de te ver! Não és sequer a razão do meu viver, Pois que tu és já toda a minha vida! Não vejo nada assim enlouquecida... Passo no mundo, meu Amor, a ler No misterioso livro do teu ser A mesma história tantas vezes lida! "Tudo no mundo é frágil, tudo passa..." Quando me dizem isto, toda a graça Duma boca divina fala em mim! E, olhos postos em ti, digo de rastros: "Ah! Podem voar mundos, morrer astros, Que tu és como Deus: Princípio e Fim!...“ • https://www.youtube.com/watch?v=3kKbsBBFJl8
  • 17. Modernismo português Florbela Espanca • Eu • Eu sou a que no mundo anda perdida, Eu sou a que na vida não tem norte, Sou a irmã do Sonho, e desta sorte Sou a crucificada... a dolorida... Sombra de névoa ténue e esvaecida, E que o destino amargo, triste e forte, Impele brutalmente para a morte! Alma de luto sempre incompreendida!... • Sou aquela que passa e ninguém vê... Sou a que chamam triste sem o ser... Sou a que chora sem saber por quê ... • Sou talvez a visão que Alguém sonhou, Alguém que veio ao mundo pra me ver E que nunca na vida me encontrou!
  • 18. Modernismo português Florbela Espanca • Subi ao alto, à minha Torre esguia, Feita de fumo, névoas e luar, E pus-me, comovida, a conversar Com os poetas mortos, todo o dia. • Contei-lhes os meus sonhos, a alegria Dos versos que são meus, do meu sonhar, E todos os poetas, a chorar, Responderam-me então: “Que fantasia, • Criança doida e crente! Nós também Tivemos ilusões, como ninguém, E tudo nos fugiu, tudo morreu!...” • Calaram-se os poetas, tristemente... E é desde então que eu choro amargamente Na minha Torre esguia junto ao Céu!...
  • 19. Modernismo português Florbela Espanca • Vaidade • Sonho que sou a Poetisa eleita, Aquela que diz tudo e tudo sabe, Que tem a inspiração pura e perfeita, Que reúne num verso a imensidade! • Sonho que um verso meu tem claridade Para encher todo o mundo! E que deleita Mesmo aqueles que morrem de saudade! Mesmo os de alma profunda e insatisfeita! • Sonho que sou Alguém cá neste mundo... Aquela de saber vasto e profundo, Aos pés de quem a terra anda curvada! • E quando mais no céu eu vou sonhando, E quando mais no alto ando voando, Acordo do meu sonho... E não sou nada!...
  • 20. Recordando: Futurismo: o que foi e principais obras • O Futurismo foi um movimento artístico e literário que surgiu no começo do século XX, representando uma das vanguardas europeias que visavam quebrar tradições e explorar outros modos de criação. • No dia 20 de fevereiro de 1909, o poeta italiano Filippo Marinetti publicou o Manifesto Futurista no jornal francês Le Figaro, marcando o começo oficial do movimento.
  • 21. Recordando: Futurismo: o que foi e principais obras
  • 22. Recordando: Futurismo: o que foi e principais obras • Influenciado pelos tempos modernos e suas transformações, o escritor rejeitava o passado e exaltava as novas tecnologias, elogiando aspectos como a sua energia e velocidade. • Iconoclasta, Marinetti foi mais longe e se atreveu a declarar que um simples carro poderia ser esteticamente superior a uma das estátuas mais famosas da Antiguidade Clássica: • Iconoclasta – aquele que destrói imagens
  • 23. Recordando: Futurismo: o que foi e principais obras • Nós afirmamos que a magnificência do mundo enriqueceu-se de uma beleza nova: a beleza da velocidade. Um automóvel de corrida com seu cofre enfeitado com tubos grossos, semelhantes a serpentes de hálito explosivo... um automóvel rugidor, que correr sobre a metralha, é mais bonito que a Vitória de Samotrácia. • A Vitória de Samotrácia, também conhecida como Nice de Samotrácia, é uma escultura que representa a deusa grega Nice.
  • 24. Recordando: Futurismo: o que foi e principais obras • Características do Futurismo • Valorização da tecnologia e das máquinas; • Valorização da velocidade e do dinamismo; • Representação da vida urbana e contemporânea; • Rejeição do passado e do conservadorismo; • Ruptura com as tradições e modelos artísticos; • Busca daquilo que representa e simboliza o futuro; • Temáticas como a violência, a guerra e a militarização; • Aproximação entre a arte e o design; • Posicionamentos de ideologia fascista;
  • 25. Recordando: Futurismo: o que foi e principais obras • Na literatura, os futuristas se destacaram pelo uso da tipografia, valorizando a propaganda enquanto veículo de comunicação. Nas obras, escritas em linguagem vernácula, tipicamente nacional, se destaca o uso de onomatopeias. A poesia da época se caracteriza pelo verso livre, as exclamações e a fragmentação das frases. • linguagem vernácula - Diz-se da linguagem desprovida de estrangeirismos, que se apresenta com vocabulário e/ou construções sintáticas originais e corretas; castiço, polido, purista.
  • 26. Recordando: Futurismo: o que foi e principais obras • Arte visuais: principais obras futuristas • O Dinamismo de um Automóvel
  • 27. Recordando: Futurismo: o que foi e principais obras • Dinamismo de Um Cão na Coleira
  • 28. Recordando: Futurismo: o que foi e principais obras • Hieróglifo dinâmico do Bal Tabarin
  • 29. Recordando: Futurismo: o que foi e principais obras • Cavaleiro Vermelho
  • 30. Recordando: Futurismo: o que foi e principais obras • Formas Únicas de Continuidade no Espaço
  • 31. Recordando: Futurismo: o que foi e principais obras Retrato dos futuristas italianos (Luigi Russolo, Carlo Carrà, Filippo Marinetti, Umberto Boccioni e Gino Severini) em 1912.