SlideShare uma empresa Scribd logo

A imagem da cidade e a boa forma da cidade

Kevin Lynch estudou a percepção da imagem da cidade em três cidades norte-americanas. Ele identificou cinco elementos que estruturam a imagem da cidade para as pessoas: caminhos, limites, bairros, pontos nodais e marcos. Lynch também definiu conceitos como legibilidade e imageabilidade para entender como as pessoas se orientam e se percebem no espaço urbano.

1 de 33
Baixar para ler offline
A Imagem da Cidade e a Boa Forma da Cidade
Kevin Lynch
Andressa Franco Hettiene Raissa Janaína Bandeira Jessica Rodrigues
Tainayra Santana Denis Gomes
Alunos:
A imagem da cidade e a boa forma da cidade
Kevin Lynch fez uma pesquisa em três cidades norte americanas:
Boston, Massachusetts.
Nova Jersey, Trenton.
Los Angeles,
Califórnia.
As Pessoas eram questionadas em seu trabalho de pesquisa sobre:
• Sua percepção da cidade
• Como estruturavam a imagem que tinha
• Como se localizavam naquele espaço
Caminhos;
Limites;
Bairros;
Pontos Nodais;
Marcos.
Conceitos:
Legibilidade
Facilidade com que cada uma das partes [da cidade] pode ser
reconhecida e organizada em um padrão coerente” (LYNCH, 1960,
p.2).
 Legibilidade visual
Percepção Ambiental dividida em três componentes:
Estrutura, Identidade e Significado.

Recomendados

Kevin lynch e a imagem da cidade
Kevin lynch e a imagem da cidadeKevin lynch e a imagem da cidade
Kevin lynch e a imagem da cidadeSafra Brasileira
 
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppf
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppfPracas-brasileiras-fabio-robba-ppf
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppfUrban Acabamentos
 
Morfologia Urbana e Desenho da Cidade
Morfologia Urbana e Desenho da CidadeMorfologia Urbana e Desenho da Cidade
Morfologia Urbana e Desenho da CidadeARQ210AN
 
Aula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbanaAula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbanaCaliandra Desenhos
 
Tony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrialTony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrialMarcia Rodrigues
 
Análise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaAnálise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaViviane Marques
 
Arquitetura moderna e contemporanea parte 2
Arquitetura moderna e contemporanea parte 2Arquitetura moderna e contemporanea parte 2
Arquitetura moderna e contemporanea parte 2denise lugli
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Princípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interioresPrincípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interioresMariana Azevedo
 
Pracas-brasileiras-fabio-robba
Pracas-brasileiras-fabio-robbaPracas-brasileiras-fabio-robba
Pracas-brasileiras-fabio-robbaUrban Acabamentos
 
Etapas de-um projeto-de-design-de-interiores
Etapas de-um projeto-de-design-de-interioresEtapas de-um projeto-de-design-de-interiores
Etapas de-um projeto-de-design-de-interioresWellington Cristovao
 
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos TeóricosPlanejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos TeóricosMarcos
 
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.Lila Donato
 
Morte e Vida das Grandes Cidades
Morte e Vida das Grandes CidadesMorte e Vida das Grandes Cidades
Morte e Vida das Grandes CidadesIsabella Rodrigues
 
A cidade e a escala do pedestre
A cidade e a escala do pedestreA cidade e a escala do pedestre
A cidade e a escala do pedestreBruna Stefani
 
O processo criativo em arquitetura e interiores
O processo criativo em arquitetura e interioresO processo criativo em arquitetura e interiores
O processo criativo em arquitetura e interioresMariana Azevedo
 
Um breve histórico do planejamento urbano no brasil
Um breve histórico do planejamento urbano no brasilUm breve histórico do planejamento urbano no brasil
Um breve histórico do planejamento urbano no brasilPaulo Orlando
 
Qto a forma e espaço arquitetonico
Qto a forma e espaço arquitetonicoQto a forma e espaço arquitetonico
Qto a forma e espaço arquitetonicoRodrigo Pessoa
 
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS Mariana Mincarone
 
Estudo preliminar terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar   terreno e seus condicionantesEstudo preliminar   terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar terreno e seus condicionantesRômulo Marques
 
Arquitetura Contemporânea
Arquitetura ContemporâneaArquitetura Contemporânea
Arquitetura ContemporâneaCarlos Pinheiro
 

Mais procurados (20)

Morfologia-urbana-conceitos
Morfologia-urbana-conceitosMorfologia-urbana-conceitos
Morfologia-urbana-conceitos
 
05 planejamento e desenho urbano
05 planejamento e desenho urbano05 planejamento e desenho urbano
05 planejamento e desenho urbano
 
Aula2 cartas patrimoniais
Aula2 cartas patrimoniaisAula2 cartas patrimoniais
Aula2 cartas patrimoniais
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidades
 
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interioresPrincípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
 
Pracas-brasileiras-fabio-robba
Pracas-brasileiras-fabio-robbaPracas-brasileiras-fabio-robba
Pracas-brasileiras-fabio-robba
 
Etapas de-um projeto-de-design-de-interiores
Etapas de-um projeto-de-design-de-interioresEtapas de-um projeto-de-design-de-interiores
Etapas de-um projeto-de-design-de-interiores
 
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos TeóricosPlanejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
 
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
 
Morte e Vida das Grandes Cidades
Morte e Vida das Grandes CidadesMorte e Vida das Grandes Cidades
Morte e Vida das Grandes Cidades
 
A cidade e a escala do pedestre
A cidade e a escala do pedestreA cidade e a escala do pedestre
A cidade e a escala do pedestre
 
Aula02 formacidade
Aula02 formacidadeAula02 formacidade
Aula02 formacidade
 
O processo criativo em arquitetura e interiores
O processo criativo em arquitetura e interioresO processo criativo em arquitetura e interiores
O processo criativo em arquitetura e interiores
 
Jardim Contemporâneo
Jardim ContemporâneoJardim Contemporâneo
Jardim Contemporâneo
 
Aula 4 reform urbanas barcelona
Aula 4   reform urbanas barcelonaAula 4   reform urbanas barcelona
Aula 4 reform urbanas barcelona
 
Um breve histórico do planejamento urbano no brasil
Um breve histórico do planejamento urbano no brasilUm breve histórico do planejamento urbano no brasil
Um breve histórico do planejamento urbano no brasil
 
Qto a forma e espaço arquitetonico
Qto a forma e espaço arquitetonicoQto a forma e espaço arquitetonico
Qto a forma e espaço arquitetonico
 
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
 
Estudo preliminar terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar   terreno e seus condicionantesEstudo preliminar   terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar terreno e seus condicionantes
 
Arquitetura Contemporânea
Arquitetura ContemporâneaArquitetura Contemporânea
Arquitetura Contemporânea
 

Semelhante a A imagem da cidade e a boa forma da cidade

Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...Safra Brasileira
 
Nirce Saffer Medvedovski aula Kevin_Lynch
Nirce Saffer Medvedovski aula Kevin_LynchNirce Saffer Medvedovski aula Kevin_Lynch
Nirce Saffer Medvedovski aula Kevin_LynchNirce Medvedovski
 
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp0253302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02Brunna Pereira
 
Aula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gisAula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gisLucy Donegan
 
A cidade no jornalismo actual
A cidade no jornalismo actual A cidade no jornalismo actual
A cidade no jornalismo actual RuiMelo33
 
Apresentação aula 15052013
Apresentação aula 15052013Apresentação aula 15052013
Apresentação aula 15052013Guy Júnior
 
Funcionalismo e-rico-lins joaquim-redig
Funcionalismo e-rico-lins joaquim-redigFuncionalismo e-rico-lins joaquim-redig
Funcionalismo e-rico-lins joaquim-redig+ Aloisio Magalhães
 
Como fomentar a função estar na praça
Como fomentar a função estar na praçaComo fomentar a função estar na praça
Como fomentar a função estar na praçaJoana Lopes
 
AULA_8_leitura nao verbal da cidade.pdf
AULA_8_leitura nao verbal da cidade.pdfAULA_8_leitura nao verbal da cidade.pdf
AULA_8_leitura nao verbal da cidade.pdfMariadoSocorrodaSilv17
 
CONSIDERAÇÕES DE: SEMIÓTICA, ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA E MELHORIAS URBANAS.
CONSIDERAÇÕES DE: SEMIÓTICA, ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA E MELHORIAS URBANAS.CONSIDERAÇÕES DE: SEMIÓTICA, ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA E MELHORIAS URBANAS.
CONSIDERAÇÕES DE: SEMIÓTICA, ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA E MELHORIAS URBANAS.nilton assis
 
Espaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobatoEspaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobatoJuliana Costa
 
Construindo o conhecimento em e. sociais
Construindo o conhecimento em e. sociaisConstruindo o conhecimento em e. sociais
Construindo o conhecimento em e. sociaisMara Salvucci
 
Construindo o conhecimento em e. sociais
Construindo o conhecimento em e. sociaisConstruindo o conhecimento em e. sociais
Construindo o conhecimento em e. sociaisMara Salvucci
 
Comunicacao turistica
Comunicacao turisticaComunicacao turistica
Comunicacao turisticaDelma Andrade
 

Semelhante a A imagem da cidade e a boa forma da cidade (20)

Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
 
Nirce Saffer Medvedovski aula Kevin_Lynch
Nirce Saffer Medvedovski aula Kevin_LynchNirce Saffer Medvedovski aula Kevin_Lynch
Nirce Saffer Medvedovski aula Kevin_Lynch
 
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp0253302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
 
Imaginários urbanos
Imaginários urbanosImaginários urbanos
Imaginários urbanos
 
Aula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gisAula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gis
 
Amanda farias
Amanda fariasAmanda farias
Amanda farias
 
A cidade no jornalismo actual
A cidade no jornalismo actual A cidade no jornalismo actual
A cidade no jornalismo actual
 
Apresentação aula 15052013
Apresentação aula 15052013Apresentação aula 15052013
Apresentação aula 15052013
 
Funcionalismo e-rico-lins joaquim-redig
Funcionalismo e-rico-lins joaquim-redigFuncionalismo e-rico-lins joaquim-redig
Funcionalismo e-rico-lins joaquim-redig
 
Como fomentar a função estar na praça
Como fomentar a função estar na praçaComo fomentar a função estar na praça
Como fomentar a função estar na praça
 
Aula01 imagemcidade
Aula01 imagemcidadeAula01 imagemcidade
Aula01 imagemcidade
 
Centros urbanos
Centros urbanosCentros urbanos
Centros urbanos
 
Urbanismo
UrbanismoUrbanismo
Urbanismo
 
AULA_8_leitura nao verbal da cidade.pdf
AULA_8_leitura nao verbal da cidade.pdfAULA_8_leitura nao verbal da cidade.pdf
AULA_8_leitura nao verbal da cidade.pdf
 
CONSIDERAÇÕES DE: SEMIÓTICA, ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA E MELHORIAS URBANAS.
CONSIDERAÇÕES DE: SEMIÓTICA, ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA E MELHORIAS URBANAS.CONSIDERAÇÕES DE: SEMIÓTICA, ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA E MELHORIAS URBANAS.
CONSIDERAÇÕES DE: SEMIÓTICA, ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA E MELHORIAS URBANAS.
 
Espaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobatoEspaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobato
 
Construindo o conhecimento em e. sociais
Construindo o conhecimento em e. sociaisConstruindo o conhecimento em e. sociais
Construindo o conhecimento em e. sociais
 
Construindo o conhecimento em e. sociais
Construindo o conhecimento em e. sociaisConstruindo o conhecimento em e. sociais
Construindo o conhecimento em e. sociais
 
Comunicacao turistica
Comunicacao turisticaComunicacao turistica
Comunicacao turistica
 
Drielle cerri
Drielle cerriDrielle cerri
Drielle cerri
 

Mais de Janaína Bandeira

Neuroarquitetura aplicado em uma sala estar / sala de jantar.
Neuroarquitetura aplicado em uma sala estar / sala de jantar.Neuroarquitetura aplicado em uma sala estar / sala de jantar.
Neuroarquitetura aplicado em uma sala estar / sala de jantar.Janaína Bandeira
 
Centro cultural les quinconches
Centro cultural   les quinconchesCentro cultural   les quinconches
Centro cultural les quinconchesJanaína Bandeira
 
Urbanismo I - Intervenção centro de Mogi Mirim-SP
Urbanismo I - Intervenção centro de Mogi Mirim-SPUrbanismo I - Intervenção centro de Mogi Mirim-SP
Urbanismo I - Intervenção centro de Mogi Mirim-SPJanaína Bandeira
 
Espaço público como objeto de transformação e formação social
Espaço público como objeto de transformação e formação socialEspaço público como objeto de transformação e formação social
Espaço público como objeto de transformação e formação socialJanaína Bandeira
 
Paulo Mendes da Rocha - Apresentação
Paulo Mendes da Rocha -  ApresentaçãoPaulo Mendes da Rocha -  Apresentação
Paulo Mendes da Rocha - ApresentaçãoJanaína Bandeira
 
Plano de Barcelona - Ildefons Cérda
Plano de Barcelona - Ildefons Cérda Plano de Barcelona - Ildefons Cérda
Plano de Barcelona - Ildefons Cérda Janaína Bandeira
 
Infraestrutura levantamento _janaína_
Infraestrutura   levantamento _janaína_Infraestrutura   levantamento _janaína_
Infraestrutura levantamento _janaína_Janaína Bandeira
 

Mais de Janaína Bandeira (13)

Neuroarquitetura aplicado em uma sala estar / sala de jantar.
Neuroarquitetura aplicado em uma sala estar / sala de jantar.Neuroarquitetura aplicado em uma sala estar / sala de jantar.
Neuroarquitetura aplicado em uma sala estar / sala de jantar.
 
Centro cultural les quinconches
Centro cultural   les quinconchesCentro cultural   les quinconches
Centro cultural les quinconches
 
Loja richards
Loja richardsLoja richards
Loja richards
 
Urbanismo I - Intervenção centro de Mogi Mirim-SP
Urbanismo I - Intervenção centro de Mogi Mirim-SPUrbanismo I - Intervenção centro de Mogi Mirim-SP
Urbanismo I - Intervenção centro de Mogi Mirim-SP
 
Espaço público como objeto de transformação e formação social
Espaço público como objeto de transformação e formação socialEspaço público como objeto de transformação e formação social
Espaço público como objeto de transformação e formação social
 
Ubs alto dos Ipes
Ubs alto dos IpesUbs alto dos Ipes
Ubs alto dos Ipes
 
Luiz Carlos Orsini
Luiz Carlos OrsiniLuiz Carlos Orsini
Luiz Carlos Orsini
 
Ricardo Bofill
Ricardo BofillRicardo Bofill
Ricardo Bofill
 
Paulo Mendes da Rocha - Apresentação
Paulo Mendes da Rocha -  ApresentaçãoPaulo Mendes da Rocha -  Apresentação
Paulo Mendes da Rocha - Apresentação
 
Plano de Barcelona - Ildefons Cérda
Plano de Barcelona - Ildefons Cérda Plano de Barcelona - Ildefons Cérda
Plano de Barcelona - Ildefons Cérda
 
Infraestrutura levantamento _janaína_
Infraestrutura   levantamento _janaína_Infraestrutura   levantamento _janaína_
Infraestrutura levantamento _janaína_
 
Morfologia da arquitetura
Morfologia da arquiteturaMorfologia da arquitetura
Morfologia da arquitetura
 
Trabalho Reurbanização
Trabalho Reurbanização Trabalho Reurbanização
Trabalho Reurbanização
 

Último

ATIVIDADE 1 - IFPC - PERÍCIA TOXICOLÓGICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - PERÍCIA TOXICOLÓGICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - IFPC - PERÍCIA TOXICOLÓGICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - PERÍCIA TOXICOLÓGICA - 51/2024AcademiaDlassessoria
 
MAPA - EDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSINO MÉDIO...
MAPA - EDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSINO MÉDIO...MAPA - EDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSINO MÉDIO...
MAPA - EDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSINO MÉDIO...DL assessoria s4
 
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...Dl assessoria 20
 
Todo ser vivo gasta energia a todo o momento para manter as diversas atividad...
Todo ser vivo gasta energia a todo o momento para manter as diversas atividad...Todo ser vivo gasta energia a todo o momento para manter as diversas atividad...
Todo ser vivo gasta energia a todo o momento para manter as diversas atividad...DL assessoria 28
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...dl assessoria9
 
A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...
A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...
A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...dl assessoria 8
 
A Sociologia e a Antropologia são campos de conhecimentos que se especializar...
A Sociologia e a Antropologia são campos de conhecimentos que se especializar...A Sociologia e a Antropologia são campos de conhecimentos que se especializar...
A Sociologia e a Antropologia são campos de conhecimentos que se especializar...DL assessoria 27
 
Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...
Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...
Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...assessoria dl 10
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...dl assessoria9
 
ATIVIDADE 1 - SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 512023.pdf
ATIVIDADE 1 - SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 512023.pdfATIVIDADE 1 - SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 512023.pdf
ATIVIDADE 1 - SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 512023.pdfassedlsam
 
manual de aprendizagem comercial senac pr
manual de aprendizagem comercial senac prmanual de aprendizagem comercial senac pr
manual de aprendizagem comercial senac prSergio Augusto da Luz
 
Cresce número de empreendedores no Brasil Empreendedorismo nacional registrou...
Cresce número de empreendedores no Brasil Empreendedorismo nacional registrou...Cresce número de empreendedores no Brasil Empreendedorismo nacional registrou...
Cresce número de empreendedores no Brasil Empreendedorismo nacional registrou...dl assessoria 8
 
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...DL assessoria 29
 
Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...
Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...
Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...DassessoriaAa
 
A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...
A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...
A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...DlAssessoriaacadmica2
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...DL assessoria 31
 
PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...
PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...
PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...sdl192405
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024DL assessoria 27
 
Será que nos falta humanidade? Estamos à volta com uma crise de identidade hu...
Será que nos falta humanidade? Estamos à volta com uma crise de identidade hu...Será que nos falta humanidade? Estamos à volta com uma crise de identidade hu...
Será que nos falta humanidade? Estamos à volta com uma crise de identidade hu...Dl assessoria 20
 
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...Dl assessoria 20
 

Último (20)

ATIVIDADE 1 - IFPC - PERÍCIA TOXICOLÓGICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - PERÍCIA TOXICOLÓGICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - IFPC - PERÍCIA TOXICOLÓGICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - PERÍCIA TOXICOLÓGICA - 51/2024
 
MAPA - EDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSINO MÉDIO...
MAPA - EDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSINO MÉDIO...MAPA - EDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSINO MÉDIO...
MAPA - EDU - EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS E ENSINO MÉDIO...
 
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
 
Todo ser vivo gasta energia a todo o momento para manter as diversas atividad...
Todo ser vivo gasta energia a todo o momento para manter as diversas atividad...Todo ser vivo gasta energia a todo o momento para manter as diversas atividad...
Todo ser vivo gasta energia a todo o momento para manter as diversas atividad...
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
 
A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...
A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...
A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...
 
A Sociologia e a Antropologia são campos de conhecimentos que se especializar...
A Sociologia e a Antropologia são campos de conhecimentos que se especializar...A Sociologia e a Antropologia são campos de conhecimentos que se especializar...
A Sociologia e a Antropologia são campos de conhecimentos que se especializar...
 
Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...
Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...
Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
 
ATIVIDADE 1 - SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 512023.pdf
ATIVIDADE 1 - SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 512023.pdfATIVIDADE 1 - SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 512023.pdf
ATIVIDADE 1 - SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 512023.pdf
 
manual de aprendizagem comercial senac pr
manual de aprendizagem comercial senac prmanual de aprendizagem comercial senac pr
manual de aprendizagem comercial senac pr
 
Cresce número de empreendedores no Brasil Empreendedorismo nacional registrou...
Cresce número de empreendedores no Brasil Empreendedorismo nacional registrou...Cresce número de empreendedores no Brasil Empreendedorismo nacional registrou...
Cresce número de empreendedores no Brasil Empreendedorismo nacional registrou...
 
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
 
Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...
Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...
Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...
 
A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...
A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...
A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
 
PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...
PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...
PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
 
Será que nos falta humanidade? Estamos à volta com uma crise de identidade hu...
Será que nos falta humanidade? Estamos à volta com uma crise de identidade hu...Será que nos falta humanidade? Estamos à volta com uma crise de identidade hu...
Será que nos falta humanidade? Estamos à volta com uma crise de identidade hu...
 
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
 

A imagem da cidade e a boa forma da cidade

  • 1. A Imagem da Cidade e a Boa Forma da Cidade Kevin Lynch Andressa Franco Hettiene Raissa Janaína Bandeira Jessica Rodrigues Tainayra Santana Denis Gomes Alunos:
  • 3. Kevin Lynch fez uma pesquisa em três cidades norte americanas: Boston, Massachusetts. Nova Jersey, Trenton. Los Angeles, Califórnia.
  • 4. As Pessoas eram questionadas em seu trabalho de pesquisa sobre: • Sua percepção da cidade • Como estruturavam a imagem que tinha • Como se localizavam naquele espaço
  • 6. Conceitos: Legibilidade Facilidade com que cada uma das partes [da cidade] pode ser reconhecida e organizada em um padrão coerente” (LYNCH, 1960, p.2).  Legibilidade visual Percepção Ambiental dividida em três componentes: Estrutura, Identidade e Significado.
  • 7. Outro conceito importante de Lynch é a imageabilidade, entendida como a Qualidade de um objeto físico que lhe dá uma alta probabilidade de evocar uma imagem forte em qualquer observador. Refere-se à forma, cor ou arranjo que facilitam a formação de imagens mentais do ambiente fortemente identificadas, poderosamente estruturadas e altamente úteis. (LYNCH, 1960, p. 9) O conceito de imageabilidade, portanto, está ligado ao conceito de legibilidade, uma vez que imagens “fortes” aumentam a probabilidade de construir uma visão clara e estruturada da cidade. Uma cidade com imageabilidade (aparente, legível, ou visível), nesse sentido, seria bem formada, distinta, memorável; convidaria os olhos e ouvidos a uma maior atenção e participação. (LYNCH, 1960, p. 10) Imageabilidade
  • 8. Percepção Ambiental A identificação de um objeto implica na sua distinção em relação a outras coisas, seu reconhecimento como uma entidade separada, ou seja, sua identidade. Além disso, a imagem da cidade deve incluir o padrão espacial ou a relação do objeto com o observador e com os outros objetos, o que Lynch chamou de estrutura. Com relação ao significado, Lynch é mais cauteloso, não se aprofundando muito no conceito nem no seu estudo. A ênfase é, portanto, na identidade e na estrutura. Apesar disso, o autor argumenta que o objeto deve ter algum significado para o observador, seja prático ou emocional, e que isso está intimamente ligado à sua identidade e seu papel dentro de uma estrutura mais ampla.
  • 9. Os 5 elementos identificados por Lynch: 1. Caminhos Os caminhos foram considerados como os principais elementos estruturadores da percepção ambiental para a maioria das pessoas entrevistadas. Pelo fato de as pessoas perceberem a cidade enquanto se deslocam pelos caminhos, estes não apenas estruturam a sua experiência mas também estruturam os outros elementos da imagem da cidade.
  • 10. “São canais ao longo dos quais o observador costumeiramente, ocasionalmente, ou potencialmente se move. Podem ser ruas, calçadas, linhas de trânsito, canais, estradas-de-ferro” (LYNCH, 1960, p. 47).
  • 11. Alguns caminhos específicos podem adquirir especial relevância na medida em que: Concentram um tipo especial de uso (ruas intensamente comerciais, por exemplo) Rua: 25 de março, São Paulo - SP Vila Madalena, São Paulo - SP Benedito Calixto, São Paulo - SP
  • 12. Alguns caminhos específicos podem adquirir especial relevância na medida em que: Apresentam qualidades espaciais diferenciadas (muito largo ou muito estreito, por exemplo) Ouro Preto, Minas Gerais Bairro Morumbi, São Paulo
  • 13. Alguns caminhos específicos podem adquirir especial relevância na medida em que: Apresentam um tratamento intenso de vegetação; Apresentam continuidade; rua arborizada Porto Alegre, RS Continuidade Av. Paulista, SP
  • 14. Alguns caminhos específicos podem adquirir especial relevância na medida em que: São visíveis de outras partes da cidade, ou possibilitam amplos visuais para outras partes da cidade. Rua 23 de Maio, São Paulo Visualiza a região do Ibirapuera, da Paulista e a Serra da Cantareira ao fundo Vista da Serra da Cantareira sobre a cidade de São Paulo
  • 15. Alguns caminhos específicos podem adquirir especial relevância na medida em que: Apresentam origem e destino bem claros. Santos, SP Destino de clara percepção a praia
  • 16. Quando os principais caminhos não apresentam identidade, a imagem global da cidade é prejudicada. As esquinas são pontos importantes na estrutura da cidade, já que representam uma decisão, uma escolha. Nesses pontos a atenção do observador tende a ser redobrada, e por isso elementos posicionados junto a essas intersecções tendem a ser mais facilmente notados e utilizados como referenciais.
  • 17. São elementos lineares constituídos pelas bordas de duas regiões distintas, configurando quebras lineares na continuidade. Os limites mais fortemente percebidos são aqueles não apenas proeminentes visualmente, mas também contínuos na sua forma e sem permeabilidade à circulação. Podem ser considerados barreiras (rios, estradas, viadutos, etc.) ou como elementos de ligação (praças lineares, ruas de pedestres, etc.). Podem ter qualidades direcionais, assim como os caminhos. Ao longo de um rio, por exemplo, sempre tem-se a noção de que direção se está percorrendo, uma vez que o lado do rio fornece essa orientação. Outra característica dos limites é que eles podem ter um efeito de segregação nas cidades. Limites numerosos e que atuam mais como barreiras do que como elementos de ligação acabam separando excessivamente as partes da cidade, e prejudicando uma visão do todo. 2. Limites
  • 19. 3. Bairros Na concepção de Lynch, bairros são partes razoavelmente grandes da cidade na qual o observador “entra”, e que são percebidas como possuindo alguma característica comum, identificadora. (LYNCH, 1960, p. 66). Nesse ponto, é importante esclarecer que a tradução para bairros, ou mesmo para distritos, pode gerar confusão. O conceito de Lynch refere-se a uma área percebida como relativamente homogênea em relação ao resto da cidade ou, ao menos, como possuindo uma certa característica em comum que permite diferenciá-la do resto do tecido urbano. É, portanto, um critério visual, perceptivo, ao contrário do critério administrativo que define o conceito tradicional de bairro no Brasil. As considerações a seguir referem-se ao conceito adotado por Lynch.
  • 20. Os “Bairros” de Lynch não são limites administrativos. As características que determinam os bairros podem ser das mais variadas naturezas: texturas, espaços, formas, detalhes, símbolos, tipos de edificação, usos, atividades, habitantes, grau de conservação, topografia, etc. Beacon Hill, em Boston, por exemplo (Fotos), foi reconhecida pelas ruas estreitas e inclinadas; casas antigas, de tijolos, em fita e de escala intimista; portas brancas; ruas e calçadas de paralelepípedo e tijolo; bom estado de conservação; e pedestres de classes sociais altas.
  • 21. Os bairros desempenham papel importante na legibilidade da cidade, não apenas em termos de orientação, mas também como partes importantes do viver na cidade, e podem apresentar diferentes tipos de limites. Alguns são precisos, bem definidos. Outros são mais suaves, indefinidos. Da mesma forma, alguns podem ser “introvertidos”; outros, “extrovertidos”. Lapa, Zona Oeste São Paulo Mooca, Zona Leste São Paulo Vila Olímpia, Zona Sul São Paulo
  • 22. 4. Pontos Nodais São pontos estratégicos na cidade, onde o observador pode entrar, e que são importantes focos para onde se vai e de onde se vem. Variam em função da escala em que se está analisando a imagem da cidade: podem ser esquinas, praças, bairros, ou mesmo uma cidade inteira, caso a análise seja feita em nível regional. Pontos de confluência do sistema de transporte são nós em potencial, tais como estações de metrô e terminais de ônibus. Interseção de viadutos na China.
  • 23. Outro tipo de nós que apareceram freqüentemente nas entrevistas são as “concentrações temáticas”, tais como os centros puramente comerciais. Tais locais atuam como nós porque atraem muitas pessoas e são utilizadas como referenciais. A Pershing Square, em Los Angeles, também é um exemplo de nó, percebido como um local com características distintas, tais como a vegetação e as atividades que lá se realizam. Pershing Square Lynch também concluiu que a forma espacial não é essencial para um nó, mas pode dotá-lo de maior relevância.
  • 24. 5. Marcos São elementos pontuais nos quais o observador não entra. Podem ser de diversas escalas, tais como torres, domos, edifícios, esculturas, etc. Sua principal característica é a singularidade, algum aspecto que é único ou memorável no contexto. Isso pode ser alcançado de duas maneiras: sendo visto a partir de muitos lugares, ou estabelecendo um contraste local com os elementos mais próximos.
  • 25. Parecem ser mais usados pelas pessoas mais acostumadas à cidade, especialmente aqueles marcos menos proeminentes, menores, mais comuns. À medida que as pessoas se tornam mais conhecedoras da cidade, estas passam a se basear em elementos diferenciados, ao invés de se guiar pelas semelhanças, utilizando-se de pequenos elementos referenciais. A localização em esquinas maximiza sua importância. Santa Maria Del Fiore, Florença - Itália Obelisco, Ibirapuera – São Paulo Ponte Estaiada – São Paulo
  • 26. Kevin Lynch associa a vitalidade de um ambiente à sua capacidade de suportar a saúde (inclusive mental) e o bom funcionamento biológico dos indivíduos, assim como a sobrevivência da espécie. A noção de que a qualidade do espaço (no sentido da forma) pode influenciar diretamente a saúde física e mental das pessoas exige uma definição do que consiste a qualidade desta saúde, limitando-se às interpretações de saúde e bem estar apontados pelo conjunto de autores estudados. Lynch sugere cinco “dimensões de performance” para a avaliação de espaços urbanos, no sentido do melhor atendimento às necessidades humanas.
  • 27. Vitalidade, o grau no qual a forma do assentamento suporta suas funções vitais, necessidades biológicas e, sobretudo, garante a sobrevivência da espécie. Este é um critério antropocêntrico, ainda que se possa admitir que o ambiente oferece suporte para outras espécies e que o bem estar humano muitas vezes depende desta relação e da presença de uma diversidade de espécies animais e vegetais. As 5 dimensões de performance por Lynch: 1. Vitalidade
  • 28. 2. Sentido Sentido, a medida na qual um assentamento pode ser claramente percebido e mentalmente diferenciado e estruturado no tempo e espaço por seus residentes. A medida na qual esta estrutura mental se conecta com seus valores e conceitos – adequação entre o ambiente, as capacidades sensoriais e mentais da população e sua construção cultural.
  • 29. 3. Adequação à escala Adequação à escala, a compatibilidade das formas e capacidades dos espaços, canais e equipamentos, com o padrão e quantidade de ações que as pessoas usualmente realizam. Bairros de Brasília DF Moema São Paulo Higienópolis São Paulo
  • 30. 4. Acesso Acesso, a capacidade de acessar outras pessoas, atividades, recursos, serviços, informação ou lugares, incluindo a quantidade e diversidade de elementos que podem ser acessados. Exemplo: imagem de stand de vendas de imobiliária que mostram os benefícios do bairro com todos os seus serviços da aproximidade.
  • 31. Controle, o grau no qual o uso e o acesso aos espaços e atividades, e a sua criação, reparo, modificação e administração é controlado por aqueles que usam, trabalham ou residem no local. 5. Controle Ex: Praça descuidada pelos usuários/ freqüentadores Praça cuidada por uma empresa privada no intuito de melhorar a qualidade do espaço para seus usuários, o mesmo poderia ter sido por moradores. Praça cuidada exclusivamente pela administração pública.
  • 32. As definições apontadas por Lynch estabelecem parâmetros gerais para interpretação e julgamento da qualidade dos espaços urbanos do ponto de vista de sua apropriação e uso. Por outro lado, a complexidade crescente dos assentamentos contemporâneos, muitas vezes faz emergir necessidades e interesses contraditórios, assim como interpretações destoantes em relação ao mesmo espaço.
  • 33. Referências bibliográficas: •BENÉVOLO, Leonardo. História da Cidade . São Paulo: Perspectiva, 1999. •LYNCH, Kevin. The image of the city. Cambridge: The M.I.T. Press, 1960. • LYNCH, Kevin. A boa forma da cidade. Lisboa, Edições 70, 1981 • http://urbanidades.arq.br/2008/03/kevin-lynch-e-a-imagem-da-cidade/ • http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/15.179/5520