SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Universidade Federal do Ceará
Departamento de Arquitetura e Urbanismo
Projeto Urbanístico 3
Aluna: Luana Duarte Vieira 0275728
Professora: Vera Mamede
FICHA DE LEITURA
Referência Bibliográfica
DEL RIO, Vicente. Introdução ao desenho Urbano no processo de planejamento. Sao
Paulo: Pini, 1990.
Sobre o autor
Vicente del Rio é arquiteto e urbanista, mestre em Desenho Urbano pela Universidade
de Oxford e doutor em Arquitetura e Urbanismo pela (USP). Recebeu diversos prêmios
por este trabalho e de publicações no Brasil e nos Estados Unidos, além de publicações
de mais de cinquenta títulos no Brasil e no exterior. Escreveu cinco livros, incluindo o
melhor Best-seller Introdução ao Desenho Urbano. Atualmente é professor titular da
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRJ.
FICHA DE LEITURA
5. Uma Proposta Metodológica
Ao admitir as mais diversas teorias e propostas metodológicas existentes para o
desenho urbano, o autor propõe uma metodologia que considere todos esses estudos,
de forma a se completarem sendo utilizados, cada um, conforme a especificidade de
cada problema.
Nessa busca por uma metodologia, ele destaca alguns trabalhos que considera mais
importantes como os de Trancik, Rapoport, Lynch, Norberg-Schulz, entre outros.
Também apóia-se nos estudos do psicólogo-ambiental David Canter, que sugere o
“sentido do lugar” gerado em três esferas: atividades ou usos, atributos físicos
propriamente ditos e as concepções e imagens. Daí, o autor sugere uma nova
metodologia para o desenho urbano em quatro esferas: morfologia urbana,
comportamento ambiental, análise visual e percepção do meio ambiente.
Aprofundando a esfera da análise visual constatamos que essa categoria de análise
sugere nos anos 50 e 60 com o crescente interesse em ambientes históricos e
vernaculares. Ele cita os estudos de Wolfe e Cullen como “marcos fundamentais
para a aceitação da teoria da paisagem urbana para análise e projetos,
principalmente em áreas historicamente sensíveis”. Para Cullen, tratamentos
diferenciados da paisagem urbana geram percepções, sentimentos e posturas
diferenciados.
“Uma edificação isolada é uma obra de arquitetura, mas um grupo delas já
conforma uma outra arte diferente de arquitetura, uma arte de
relacionamento” (Cullen, 1961)

Segundo Cullen há três maneiras pelas quais o meio ambiente pode gerar respostas
emocionais.
1- Ótica – Diz respeito a reações a partir de novas experiências visuais e estéticas
dos percursos e espaços. Ressalta o conceito de visão serial, que é como
percebemos visualmente um ambiente considerando os deslocamentos. Observase que percursos sinuosos ou com rompimentos de direção em pequenas
distâncias se tornam mais interessantes aos usuários. São temáticas que
influenciam na experiência visual: deflexão (desvio angular da visada), incidente
(atrai o olhar), estreitamentos (converge o olhar), antecipação (desperta
curiosidade) e outros.
2- Lugar- “Ao relacionar-se a si próprio com o que nos rodeia é um hábito
institivo do corpo humano, não é possível ignorar esse sentido posicional.”
(Cullen, 1961:10). Sensações de pertencer, de proteção, de territorialidade, de
domínio. São temáticas analisadas por Cullen: possessão, ponto focal, recintos,
vista, aqui/ali, interno/externo, espaço definidor, etc.
3- Conteúdo – Percepção dos espaços através de elementos como cor, escala,
textura, estilo, caráter e unidade. Uma composição com variedades de
mensagens provocam significados e sugestões de comportamento que empolga o
usuário. São temáticas de análise: intimidade, multiplicidade de usos, escala,
confusão, complexidade e antropomorfia.
Aliado a isso, o autor considera a gestalt que fixa algumas leis que regem a
percepção visual. Para TRIEB, “Uma imagem urbana vital seria, então, facilidade
pela continuidade do desenho urbano e alterações na arquitetura”.
A percepção das configurações urbanas também estaria sujeita a certas leis
de conformação, como de proximidade, de semelhança, de coesão, de
pregnância, e outras, que condicionariam conceitos “gestalticos”estáticos e
dinâmicos (envolvimento, alargamento, acentuação, emolduramento, etc.),
dependentes da seqüência de movimento, como subsídios para o
projeto.”(Kohlsdorf 1975, 1979, 1984)

Concluindo, “A análise visual busca a lógica das qualidades
estéticas urbanas. [...] É uma categoria de análise subjetiva que
depende da capacidade de observação e interpretação do
pesquisador consequentemente permeada por seus próprios
sistemas de valores.”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 6 planejamento urbano e amb
Aula 6   planejamento urbano e ambAula 6   planejamento urbano e amb
Aula 6 planejamento urbano e ambGiovanna Ortiz
 
Aula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbanaAula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbanaCaliandra Desenhos
 
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1  aula 1 - principios arquitetura modernaThau arq 1  aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura modernaCristiane Kröhling Bernardi
 
URBANISMO TÁTICO 1 - Introdução ao Conceito
URBANISMO TÁTICO 1 - Introdução ao ConceitoURBANISMO TÁTICO 1 - Introdução ao Conceito
URBANISMO TÁTICO 1 - Introdução ao ConceitoAndre Moraes
 
Resenha "Quadro da Arquitetura no Brasil"
Resenha "Quadro da Arquitetura no Brasil"Resenha "Quadro da Arquitetura no Brasil"
Resenha "Quadro da Arquitetura no Brasil"Rafael Gomes
 
Camillo sitte e a praça da estação
Camillo sitte e a praça da estaçãoCamillo sitte e a praça da estação
Camillo sitte e a praça da estaçãoSteves Rocha
 
Mobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
Mobilidade  Urbana Sustentável - UnipalmaresMobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
Mobilidade  Urbana Sustentável - UnipalmaresChico Macena
 
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...Development Workshop Angola
 
Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!
Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!
Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!Gustavo de Melo
 
Fichamento jane jacobs carlos eduardo silva
Fichamento jane jacobs   carlos eduardo silvaFichamento jane jacobs   carlos eduardo silva
Fichamento jane jacobs carlos eduardo silvaCalinho Silva
 
A cidade e a escala do pedestre
A cidade e a escala do pedestreA cidade e a escala do pedestre
A cidade e a escala do pedestreBruna Stefani
 
Planejamento Urbano - Nível Federal
Planejamento Urbano - Nível FederalPlanejamento Urbano - Nível Federal
Planejamento Urbano - Nível FederalChawana Bastos
 
Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015
Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015
Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015Clovis Gurski
 

Mais procurados (20)

Aula 6 planejamento urbano e amb
Aula 6   planejamento urbano e ambAula 6   planejamento urbano e amb
Aula 6 planejamento urbano e amb
 
Equipamentos urbanos
Equipamentos urbanosEquipamentos urbanos
Equipamentos urbanos
 
Aula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbanaAula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbana
 
A Forma Urbana
A Forma UrbanaA Forma Urbana
A Forma Urbana
 
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1  aula 1 - principios arquitetura modernaThau arq 1  aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura moderna
 
URBANISMO TÁTICO 1 - Introdução ao Conceito
URBANISMO TÁTICO 1 - Introdução ao ConceitoURBANISMO TÁTICO 1 - Introdução ao Conceito
URBANISMO TÁTICO 1 - Introdução ao Conceito
 
Resenha "Quadro da Arquitetura no Brasil"
Resenha "Quadro da Arquitetura no Brasil"Resenha "Quadro da Arquitetura no Brasil"
Resenha "Quadro da Arquitetura no Brasil"
 
Camillo sitte e a praça da estação
Camillo sitte e a praça da estaçãoCamillo sitte e a praça da estação
Camillo sitte e a praça da estação
 
Mobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
Mobilidade  Urbana Sustentável - UnipalmaresMobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
Mobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
 
T4 g6 - mudar a cidade
T4   g6 - mudar a cidadeT4   g6 - mudar a cidade
T4 g6 - mudar a cidade
 
Apresentação CBD0282 - Moderno e pós moderno
Apresentação CBD0282 - Moderno e pós modernoApresentação CBD0282 - Moderno e pós moderno
Apresentação CBD0282 - Moderno e pós moderno
 
Analise urbana
Analise urbanaAnalise urbana
Analise urbana
 
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
 
Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!
Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!
Adeus Mundo velho, bem vindo robôs!
 
Fichamento jane jacobs carlos eduardo silva
Fichamento jane jacobs   carlos eduardo silvaFichamento jane jacobs   carlos eduardo silva
Fichamento jane jacobs carlos eduardo silva
 
A cidade e a escala do pedestre
A cidade e a escala do pedestreA cidade e a escala do pedestre
A cidade e a escala do pedestre
 
Planejamento Urbano - Nível Federal
Planejamento Urbano - Nível FederalPlanejamento Urbano - Nível Federal
Planejamento Urbano - Nível Federal
 
Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015
Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015
Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015
 
Dte perspectiva quadricula
Dte perspectiva quadriculaDte perspectiva quadricula
Dte perspectiva quadricula
 
Aula 6 reform urbanas rio
Aula 6   reform urbanas rioAula 6   reform urbanas rio
Aula 6 reform urbanas rio
 

Destaque

A Imagem da Cidade
A Imagem da CidadeA Imagem da Cidade
A Imagem da CidadeARQ210AN
 
10. planejamento urbano
10. planejamento urbano10. planejamento urbano
10. planejamento urbanoAna Cunha
 
A imagem-da-cidade-kevin-lynch
A imagem-da-cidade-kevin-lynchA imagem-da-cidade-kevin-lynch
A imagem-da-cidade-kevin-lynchPaulinha Silva
 
Kevin lynch e a imagem da cidade
Kevin lynch e a imagem da cidadeKevin lynch e a imagem da cidade
Kevin lynch e a imagem da cidadeSafra Brasileira
 
Urbanização e Desenvolvimento Municipal em Moçambique - June 2008
Urbanização e Desenvolvimento Municipal em Moçambique - June 2008Urbanização e Desenvolvimento Municipal em Moçambique - June 2008
Urbanização e Desenvolvimento Municipal em Moçambique - June 2008Development Workshop Angola
 
Estatuto da cidade
Estatuto da cidadeEstatuto da cidade
Estatuto da cidadePablo Pessoa
 
Plano de Estructura Urbano Moçambique
Plano de Estructura Urbano MoçambiquePlano de Estructura Urbano Moçambique
Plano de Estructura Urbano Moçambiquemargaritaschetter
 
Apresentação Ordenamento Territorial
Apresentação Ordenamento TerritorialApresentação Ordenamento Territorial
Apresentação Ordenamento TerritorialPDDI RMVA
 
Ordenamento do Território
Ordenamento do TerritórioOrdenamento do Território
Ordenamento do TerritórioMagda Oliveira
 
Apresentação - Desenho urbano e arquitetura para habitação de interesse social
Apresentação - Desenho urbano e arquitetura para habitação de interesse socialApresentação - Desenho urbano e arquitetura para habitação de interesse social
Apresentação - Desenho urbano e arquitetura para habitação de interesse socialInstituto_Arquitetos
 
Resenha do livro a arte de fazer um jornal diário - ricardo noblat (2)
Resenha do livro   a arte de fazer um jornal diário - ricardo noblat (2)Resenha do livro   a arte de fazer um jornal diário - ricardo noblat (2)
Resenha do livro a arte de fazer um jornal diário - ricardo noblat (2)jessicasilvasantos
 
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...UNICAMP/SP
 
Morfología urbana. Tipos de planos
Morfología urbana. Tipos de planosMorfología urbana. Tipos de planos
Morfología urbana. Tipos de planosgsanfer
 
Ordenamento do Território
Ordenamento do TerritórioOrdenamento do Território
Ordenamento do TerritórioSuéli d'Avó
 

Destaque (20)

A Imagem da Cidade
A Imagem da CidadeA Imagem da Cidade
A Imagem da Cidade
 
10. planejamento urbano
10. planejamento urbano10. planejamento urbano
10. planejamento urbano
 
A imagem-da-cidade-kevin-lynch
A imagem-da-cidade-kevin-lynchA imagem-da-cidade-kevin-lynch
A imagem-da-cidade-kevin-lynch
 
MDT UFSM
MDT UFSMMDT UFSM
MDT UFSM
 
Kevin lynch e a imagem da cidade
Kevin lynch e a imagem da cidadeKevin lynch e a imagem da cidade
Kevin lynch e a imagem da cidade
 
T4 g1 - mudar a cidade
T4   g1 - mudar a cidadeT4   g1 - mudar a cidade
T4 g1 - mudar a cidade
 
Urbanização e Desenvolvimento Municipal em Moçambique - June 2008
Urbanização e Desenvolvimento Municipal em Moçambique - June 2008Urbanização e Desenvolvimento Municipal em Moçambique - June 2008
Urbanização e Desenvolvimento Municipal em Moçambique - June 2008
 
Estatuto da cidade
Estatuto da cidadeEstatuto da cidade
Estatuto da cidade
 
Plano de Estructura Urbano Moçambique
Plano de Estructura Urbano MoçambiquePlano de Estructura Urbano Moçambique
Plano de Estructura Urbano Moçambique
 
Apresentação Ordenamento Territorial
Apresentação Ordenamento TerritorialApresentação Ordenamento Territorial
Apresentação Ordenamento Territorial
 
Apostila brises
Apostila brisesApostila brises
Apostila brises
 
Ventilacao natural
Ventilacao naturalVentilacao natural
Ventilacao natural
 
Ordenamento do Território
Ordenamento do TerritórioOrdenamento do Território
Ordenamento do Território
 
Apresentação - Desenho urbano e arquitetura para habitação de interesse social
Apresentação - Desenho urbano e arquitetura para habitação de interesse socialApresentação - Desenho urbano e arquitetura para habitação de interesse social
Apresentação - Desenho urbano e arquitetura para habitação de interesse social
 
Resenha do livro a arte de fazer um jornal diário - ricardo noblat (2)
Resenha do livro   a arte de fazer um jornal diário - ricardo noblat (2)Resenha do livro   a arte de fazer um jornal diário - ricardo noblat (2)
Resenha do livro a arte de fazer um jornal diário - ricardo noblat (2)
 
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
 
Morfología urbana. Tipos de planos
Morfología urbana. Tipos de planosMorfología urbana. Tipos de planos
Morfología urbana. Tipos de planos
 
Uso e ocupação do solo
Uso e ocupação do soloUso e ocupação do solo
Uso e ocupação do solo
 
Ordenamento Territorial
Ordenamento TerritorialOrdenamento Territorial
Ordenamento Territorial
 
Ordenamento do Território
Ordenamento do TerritórioOrdenamento do Território
Ordenamento do Território
 

Semelhante a Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano no processo de planejamento. sao paulo pini, 1990

Qto a forma e espaço arquitetonico
Qto a forma e espaço arquitetonicoQto a forma e espaço arquitetonico
Qto a forma e espaço arquitetonicoRodrigo Lages
 
Qto a forma e espaço arquitetonico
Qto a forma e espaço arquitetonicoQto a forma e espaço arquitetonico
Qto a forma e espaço arquitetonicoRodrigo Pessoa
 
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfCOIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfladraoalmas11
 
Alvetti hummell-imaginarios-urbanos
Alvetti hummell-imaginarios-urbanosAlvetti hummell-imaginarios-urbanos
Alvetti hummell-imaginarios-urbanosSafra Brasileira
 
Plano de Ensino de Projeto Arquitetônico III – Habitação Coletiv
Plano de Ensino de Projeto	Arquitetônico III – Habitação ColetivPlano de Ensino de Projeto	Arquitetônico III – Habitação Coletiv
Plano de Ensino de Projeto Arquitetônico III – Habitação Coletivalunip
 
Pa3–hc noturno-r2
Pa3–hc noturno-r2Pa3–hc noturno-r2
Pa3–hc noturno-r2pedrofagu2
 
Aba2012zoyanastassakis 130723112405-phpapp02
Aba2012zoyanastassakis 130723112405-phpapp02Aba2012zoyanastassakis 130723112405-phpapp02
Aba2012zoyanastassakis 130723112405-phpapp02Douglas Evangelista
 
ABA2012 Zoy Anastassakis
ABA2012 Zoy AnastassakisABA2012 Zoy Anastassakis
ABA2012 Zoy AnastassakisCarol Hoffmann
 
Avaliação arquivística
Avaliação arquivísticaAvaliação arquivística
Avaliação arquivísticaArquiveros
 
Processo de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificaçãoProcesso de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificaçãohelio vaz
 
Mapas do Encontro - Heloisa Neves
Mapas do Encontro - Heloisa NevesMapas do Encontro - Heloisa Neves
Mapas do Encontro - Heloisa NevesHeloisa Neves
 
Aula 3 antropologia urbana e metodo etnografico
Aula 3 antropologia urbana e metodo etnograficoAula 3 antropologia urbana e metodo etnografico
Aula 3 antropologia urbana e metodo etnograficoglauci coelho
 
Bacelar linguagem
Bacelar linguagemBacelar linguagem
Bacelar linguagemVenise Melo
 

Semelhante a Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano no processo de planejamento. sao paulo pini, 1990 (20)

Qto a forma e espaço arquitetonico
Qto a forma e espaço arquitetonicoQto a forma e espaço arquitetonico
Qto a forma e espaço arquitetonico
 
Qto a forma e espaço arquitetonico
Qto a forma e espaço arquitetonicoQto a forma e espaço arquitetonico
Qto a forma e espaço arquitetonico
 
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfCOIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
 
Alvetti hummell-imaginarios-urbanos
Alvetti hummell-imaginarios-urbanosAlvetti hummell-imaginarios-urbanos
Alvetti hummell-imaginarios-urbanos
 
Plano de Ensino de Projeto Arquitetônico III – Habitação Coletiv
Plano de Ensino de Projeto	Arquitetônico III – Habitação ColetivPlano de Ensino de Projeto	Arquitetônico III – Habitação Coletiv
Plano de Ensino de Projeto Arquitetônico III – Habitação Coletiv
 
Plano de ensino de p.a 3
Plano de ensino de p.a 3Plano de ensino de p.a 3
Plano de ensino de p.a 3
 
Pa3–hc noturno-r2
Pa3–hc noturno-r2Pa3–hc noturno-r2
Pa3–hc noturno-r2
 
Aba2012zoyanastassakis 130723112405-phpapp02
Aba2012zoyanastassakis 130723112405-phpapp02Aba2012zoyanastassakis 130723112405-phpapp02
Aba2012zoyanastassakis 130723112405-phpapp02
 
ABA2012 Zoy Anastassakis
ABA2012 Zoy AnastassakisABA2012 Zoy Anastassakis
ABA2012 Zoy Anastassakis
 
Avaliação arquivística
Avaliação arquivísticaAvaliação arquivística
Avaliação arquivística
 
Urbanismo
UrbanismoUrbanismo
Urbanismo
 
Revista Scena
Revista ScenaRevista Scena
Revista Scena
 
Arquitetura da cidade
Arquitetura da cidadeArquitetura da cidade
Arquitetura da cidade
 
Camila Refineti
Camila RefinetiCamila Refineti
Camila Refineti
 
Processo de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificaçãoProcesso de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificação
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Cor na arquitectura
Cor na arquitecturaCor na arquitectura
Cor na arquitectura
 
Mapas do Encontro - Heloisa Neves
Mapas do Encontro - Heloisa NevesMapas do Encontro - Heloisa Neves
Mapas do Encontro - Heloisa Neves
 
Aula 3 antropologia urbana e metodo etnografico
Aula 3 antropologia urbana e metodo etnograficoAula 3 antropologia urbana e metodo etnografico
Aula 3 antropologia urbana e metodo etnografico
 
Bacelar linguagem
Bacelar linguagemBacelar linguagem
Bacelar linguagem
 

Mais de Safra Brasileira

119026269 manifiesto-del-tercer-paisaje
119026269 manifiesto-del-tercer-paisaje119026269 manifiesto-del-tercer-paisaje
119026269 manifiesto-del-tercer-paisajeSafra Brasileira
 
Análise formal da casa gerassi
Análise formal da casa gerassiAnálise formal da casa gerassi
Análise formal da casa gerassiSafra Brasileira
 
Os direitos intelectuais do arquiteto
Os direitos intelectuais do arquitetoOs direitos intelectuais do arquiteto
Os direitos intelectuais do arquitetoSafra Brasileira
 
Vícios do projeto edilício e suas consequências jurídicas
Vícios do projeto edilício e suas consequências jurídicasVícios do projeto edilício e suas consequências jurídicas
Vícios do projeto edilício e suas consequências jurídicasSafra Brasileira
 
História da arte ii profª sônia pardim (11) movimentos de arte moderna
História da arte ii   profª sônia pardim (11) movimentos de arte modernaHistória da arte ii   profª sônia pardim (11) movimentos de arte moderna
História da arte ii profª sônia pardim (11) movimentos de arte modernaSafra Brasileira
 
Relatórios vanguardas européias
Relatórios vanguardas européiasRelatórios vanguardas européias
Relatórios vanguardas européiasSafra Brasileira
 

Mais de Safra Brasileira (10)

119026269 manifiesto-del-tercer-paisaje
119026269 manifiesto-del-tercer-paisaje119026269 manifiesto-del-tercer-paisaje
119026269 manifiesto-del-tercer-paisaje
 
Tecnicas construtivas
Tecnicas construtivasTecnicas construtivas
Tecnicas construtivas
 
Análise formal da casa gerassi
Análise formal da casa gerassiAnálise formal da casa gerassi
Análise formal da casa gerassi
 
Apostila solos
Apostila solosApostila solos
Apostila solos
 
Os direitos intelectuais do arquiteto
Os direitos intelectuais do arquitetoOs direitos intelectuais do arquiteto
Os direitos intelectuais do arquiteto
 
Vícios do projeto edilício e suas consequências jurídicas
Vícios do projeto edilício e suas consequências jurídicasVícios do projeto edilício e suas consequências jurídicas
Vícios do projeto edilício e suas consequências jurídicas
 
Estatuto da cidade
Estatuto da cidadeEstatuto da cidade
Estatuto da cidade
 
História da arte ii profª sônia pardim (11) movimentos de arte moderna
História da arte ii   profª sônia pardim (11) movimentos de arte modernaHistória da arte ii   profª sônia pardim (11) movimentos de arte moderna
História da arte ii profª sônia pardim (11) movimentos de arte moderna
 
Belo e sublime
Belo e sublimeBelo e sublime
Belo e sublime
 
Relatórios vanguardas européias
Relatórios vanguardas européiasRelatórios vanguardas européias
Relatórios vanguardas européias
 

Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano no processo de planejamento. sao paulo pini, 1990

  • 1. Universidade Federal do Ceará Departamento de Arquitetura e Urbanismo Projeto Urbanístico 3 Aluna: Luana Duarte Vieira 0275728 Professora: Vera Mamede FICHA DE LEITURA Referência Bibliográfica DEL RIO, Vicente. Introdução ao desenho Urbano no processo de planejamento. Sao Paulo: Pini, 1990. Sobre o autor Vicente del Rio é arquiteto e urbanista, mestre em Desenho Urbano pela Universidade de Oxford e doutor em Arquitetura e Urbanismo pela (USP). Recebeu diversos prêmios por este trabalho e de publicações no Brasil e nos Estados Unidos, além de publicações de mais de cinquenta títulos no Brasil e no exterior. Escreveu cinco livros, incluindo o melhor Best-seller Introdução ao Desenho Urbano. Atualmente é professor titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRJ. FICHA DE LEITURA 5. Uma Proposta Metodológica Ao admitir as mais diversas teorias e propostas metodológicas existentes para o desenho urbano, o autor propõe uma metodologia que considere todos esses estudos, de forma a se completarem sendo utilizados, cada um, conforme a especificidade de cada problema. Nessa busca por uma metodologia, ele destaca alguns trabalhos que considera mais importantes como os de Trancik, Rapoport, Lynch, Norberg-Schulz, entre outros. Também apóia-se nos estudos do psicólogo-ambiental David Canter, que sugere o “sentido do lugar” gerado em três esferas: atividades ou usos, atributos físicos propriamente ditos e as concepções e imagens. Daí, o autor sugere uma nova
  • 2. metodologia para o desenho urbano em quatro esferas: morfologia urbana, comportamento ambiental, análise visual e percepção do meio ambiente. Aprofundando a esfera da análise visual constatamos que essa categoria de análise sugere nos anos 50 e 60 com o crescente interesse em ambientes históricos e vernaculares. Ele cita os estudos de Wolfe e Cullen como “marcos fundamentais para a aceitação da teoria da paisagem urbana para análise e projetos, principalmente em áreas historicamente sensíveis”. Para Cullen, tratamentos diferenciados da paisagem urbana geram percepções, sentimentos e posturas diferenciados. “Uma edificação isolada é uma obra de arquitetura, mas um grupo delas já conforma uma outra arte diferente de arquitetura, uma arte de relacionamento” (Cullen, 1961) Segundo Cullen há três maneiras pelas quais o meio ambiente pode gerar respostas emocionais. 1- Ótica – Diz respeito a reações a partir de novas experiências visuais e estéticas dos percursos e espaços. Ressalta o conceito de visão serial, que é como percebemos visualmente um ambiente considerando os deslocamentos. Observase que percursos sinuosos ou com rompimentos de direção em pequenas distâncias se tornam mais interessantes aos usuários. São temáticas que influenciam na experiência visual: deflexão (desvio angular da visada), incidente (atrai o olhar), estreitamentos (converge o olhar), antecipação (desperta curiosidade) e outros. 2- Lugar- “Ao relacionar-se a si próprio com o que nos rodeia é um hábito institivo do corpo humano, não é possível ignorar esse sentido posicional.” (Cullen, 1961:10). Sensações de pertencer, de proteção, de territorialidade, de domínio. São temáticas analisadas por Cullen: possessão, ponto focal, recintos, vista, aqui/ali, interno/externo, espaço definidor, etc. 3- Conteúdo – Percepção dos espaços através de elementos como cor, escala, textura, estilo, caráter e unidade. Uma composição com variedades de mensagens provocam significados e sugestões de comportamento que empolga o usuário. São temáticas de análise: intimidade, multiplicidade de usos, escala, confusão, complexidade e antropomorfia.
  • 3. Aliado a isso, o autor considera a gestalt que fixa algumas leis que regem a percepção visual. Para TRIEB, “Uma imagem urbana vital seria, então, facilidade pela continuidade do desenho urbano e alterações na arquitetura”. A percepção das configurações urbanas também estaria sujeita a certas leis de conformação, como de proximidade, de semelhança, de coesão, de pregnância, e outras, que condicionariam conceitos “gestalticos”estáticos e dinâmicos (envolvimento, alargamento, acentuação, emolduramento, etc.), dependentes da seqüência de movimento, como subsídios para o projeto.”(Kohlsdorf 1975, 1979, 1984) Concluindo, “A análise visual busca a lógica das qualidades estéticas urbanas. [...] É uma categoria de análise subjetiva que depende da capacidade de observação e interpretação do pesquisador consequentemente permeada por seus próprios sistemas de valores.”