SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Baixar para ler offline
Introdução ao SIG para estudo da
Forma Arquitetônica e Urbana
Lucy Donegan
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
CENTRO DE TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO
SIG APLICADO À ARQUITETURA E URBANISMO
João Pessoa,
2020
“Urban Design” só aparece depois de 1913
Recorrência menções temas de estudo sobre forma da
arquitetura e urbanismo (1800-2008)
Pesquisa feita no Ngram google (Agosto, 2020)
A cidade: um organismo em desenvolvimento (BATTY, 2008)
Urbanismo, paisagismo, planejamento urbano e regional: a pesquisa,
diagnóstico e projeto devem considerar variáveis inter-relacionadas para
estudar cidades:
- Mensuração e análise de aspectos socioespaciais. Sociais: densidades
demográficas, IDH (IBGE); Infraestrutura, equipamentos;
- De ordem física, como qualidade da infraestrutura, características das
edificações. Formas do quarteirão, lote, etc.
- De fluxos e dinâmicas (p. ex. movimento de pedestres, carros, tipos de
usos do espaço público e participação).
A cidade pode ser considerada
como um organismo complexo
A forma e arquitetônica e urbana são
(algumas das) variáveis que
interferem na vida urbana e em
modos de apropriação dos espaços.
Alguns elementos de análise da forma
urbana:
O solo
Os edifícios – o elemento mínimo
O lote – a parcela fundiária
O quarteirão
A fachada, o plano marginal
O logradouro
O traçado / a rua
A praça
O monumento
A vegetação
O mobiliário urbano
Uma calçada na cidade por si só é nada. É uma abstração. Significa algo
somente em conjunção com os edifícios e outros usos que a ladeiam, ou
que ladeiam outras calçadas muito próximas. A mesma coisa pode ser
dita de ruas, no sentido que elas servem a outros propósitos além de
carregar tráfico sobre rodas no seu meio. Ruas e suas calçadas, os
espaços públicos principais da cidade, são seus órgãos mais vitais.
(JACOBS, 1992, p.39)
“A city sidewalk by itself is nothing. It is an abstraction. It means something only in conjunction with the
buildings and other uses that border it, or border other sidewalks very near it. The same might be said of
streets, in the sense that they serve other purposes besides carrying wheeled traffic in their middles.
Streets and their sidewalks, the main public places of a city, are its most vital organs.”
.”
Pensando na sustentabilidade na cidade: Usos do solo indicador de
economias, atividades, fluxos e perfis de pessoas em determinadas áreas
da cidade, de complementaridade (ou não) de funções.
Escalas de atividades que priorizam o pedestre facilitam:
menor dependência do veículo automotor,
 esferas de copresença (reconhecimento mútuo) entre pessoas
vigilância natural
Outras características da forma urbana e da edificação – como tamanho
de quadras, tipos de interfaces entre espaços públicos e privados,
distância entre edificações e equipamentos, altura das edificações -
impactam na paisagem e na vivência do espaço urbano, e na
possibilidade de encontros e esquivanças (HOLANDA, 2002; NETTO &
SABOYA)
No centro de Fortaleza.
No centro de Fortaleza.
Área de expansão
Sudeste de Fortaleza
Área de expansão
Sudeste de Fortaleza
Críticas ao pensamento moderno e a rígida separação de funções.
A cidade deve ser interpretada como um sistema:
- onde diferentes lógicas de movimento estão imbricadas (a cidade
não é uma árvore, ALEXANDER, 1965);
- em complexidade organizada: várias funções combinadas
interagem para a vida urbana: (JACOBS, 1992, primeira edição
1961);
Christopher Alexander
A cidade não é uma árvore, 1965;
Atividades humanas, e vivência da
cidade normalmente não são mono-
funcionais.
Aproveitar uma viagem para mais que
uma função.
A cidade é um sistema onde
diferentes lógicas de movimento
estão imbricadas.
Crítica à cidade modernista com rígida
separação de funções
Estrutura em árvore: funções não se sobrepõem.
Estrutura em semi-trama: funções se sobrepõem e se inter-
relacionam
Fonte das imagens: http://www.cronologiadourbanismo.ufba.br/
Londres:
uma lógica orgânica
(aparentemente caótica).
Interdependência entre diferentes
tipos de funções na city de Londres
(Hanson, 1989)
Atividades e pessoas interligadas
por uma estrutura de vias com
diferentes hierarquias.
Fonte da imagem: Frederico Holanda, acessível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/10.117/3399
Brasília: Formalidade (versus Urbanidade, Holanda, 2002)
Um espaço de exceção, uma lógica monumental, com menor possibilidade de
encontro entre diferentes atividades (separadas em setores) e pessoas.
Fonte da imagem:
https://en.wikipedia.org/wiki/The_Death_and
Life_of_Great_American_Cities
Críticas à visão simplificada com separação de funções do pensamento moderno.
Jane Jacobs,Vida e morte de grandes cidades americanas (JACOBS, 1992, 1a edição 1961)
Variáveis que interagem promovendo vida urbana.
(i) Usos principais combinados: certa quantidade de pessoas
nas ruas em diversos horários do dia;
(ii) Necessidade de quadras curtas: muitas oportunidades
de dobras esquinas e combinar caminhos diferentes
(maior capilaridade);
(iii) A importância de combinar prédios de idades e estados
de conservação variados, provavelmente variando no seu
campo econômico e função;
(iv) Concentração de atividades, certa densidade é vista
como positiva, permite maior intensidade de usos;
- Dinâmicas Urbanas e de Expansão espacial
- Atratores de movimento em diferentes áreas;
- Segurança e vigilância natural
- Vitalidade e economia na cidade, bairros e partes da cidade;
- Qualificar perfis sócio-econômicos (áreas industriais, de recreação,
turismo, etc);
- Relacionar pessoas, fluxos e equipamentos
Estudos sobre usos do solo e tipos de atividade
pode ser revelador, ajudam a caracterizar:
Numa análise dos usos do solo,
primeiramente deve se considerar a
escala de análise.
Categorias serão mais ou menos
específicas dependendo da escala de
análise.
De classificações mais genéricas
(por exemplo, a diferenciação entre
usos urbanos e rurais) até mais
detalhadas (como diferenciação
entre residencial unifamiliar e
multifamiliar).
Fonte: Renato Saboya 2007, disponível em
http://urbanidades.arq.br/2007/08/analisando-os-usos-do-solo/
A American Planning Association criou 5
dimensões ou categorias de análise,
classificando os usos do solo segundo:
• atividades desempenhadas
(residencial, comercial, industrial,
etc.);
• função (econômica) a que servem;
• tipo de estrutura da edificação;
• estado de utilização do lote ou gleba
(ocupado, não ocupado, etc.);
• propriedade (público, privado, etc);
As categorias mais úteis são de
atividades, utilização do lote ou gleba, e
propriedade.
Todavia, as outras duas são parecidas
com a dimensão Atividade;
Fonte da imagem: https://gis.lic.wisc.edu/coastalweb/www/urpl969-spring07/
Ferraz (2008) Turismo cultural na ZEPH-Ribeira: possibilidades e
limitações
Fonte: Ferraz (2008, p. 158).
Mapeando “esquisitices” no
centro antigo de Natal.
Tipos de usos do solo e
interfaces público/privado
no bairro da Ribeira, Natal.
Ferraz (2008) Turismo cultural na ZEPH-Ribeira: possibilidades e
limitações
Fonte da imagem: Ferraz (2008,
p. 159).
Mapeando “esquisitices” no
centro antigo de Natal.
Tipos de usos do solo e
interfaces público/privado
no bairro da Ribeira, Natal.
Ferraz (2008) Turismo cultural na ZEPH-Ribeira: possibilidades e
limitações
Fonte da imagem: Ferraz (2008, p. 166).
Mapeando “esquisitices” no centro
antigo de Natal (Ribeira).
Tipos de usos do solo com tipos
diferentes de interfaces
público/privado em horários
diferentes.
no período diurno
Interfaces público/privado:
no período noturno
Diminuição de importância na
hierarquia viária da cidade de João
Pessoa (menos acessibilidade
global), ajudou na descaracterização
e degradação do patrimônio
edificado, com imóveis vazios e
subutilizados, esvaziamento do uso
residencial, sensação de
insegurança, entre outros.
Silva, Eudes Raony (2016) Centro antigo de João Pessoa: forma,
uso e patrimônio edificado.
Silva (2016). p.68 e 94
Silva, Eudes Raony (2016) Centro antigo de João Pessoa: forma,
uso e patrimônio edificado. (p.67)
Silva, Eudes Raony (2016) Centro antigo de João Pessoa: forma,
uso e patrimônio edificado. (p.67)
Silva, Eudes Raony (2016) Centro
antigo de João Pessoa: forma, uso
e patrimônio edificado. (p.91)
GIS-based time model of
Gotenburg (1960-2015)
Na Suécia
Representações para estudos
diacrônicos da cidade, entender
melhor dinâmicas urbanas.
Sobre:
- Rede de ruas
- Lotes
- Edifícios
Fonte: DONEGAN;ALVES,
2019
Três praias em
João Pessoa:
Caracterizando
diferentes
economias
ligadas a
diferentes
paisagens e
vidas urbanas.
Fonte: DONEGAN;ALVES,
2019
Tipos de interfaces
BESSA
TAMBAÚ
SEIXAS
CEGO VISUAL FÍSICO CONSTITUÍDO
Experiências DU1
(semestre 2019.2)
Alunas:
NÍVEA MARIA DE SOUZAVIEIRA
RAPHAELA SIQUEIRA SANTOS BARBOSA DEOLIVEIRA
VANESSA HOLANDA FERREIRA MAMEDE
Turma da Profa. MARCELETRIGUEIRO, disciplina dada em
conjunto (com Lucy)
Experiências DU1 (semestre 2019.1)
Alunos:
ALYSSONTEÓFILO
ISABELLA PEREIRA
LARISSA PEREIRA
Encontros x forma x pandemia
• Ver é bom, proteger para sair?
• Densidade é bom?
• Caminhos de entrada e saída de prédios
multifamiliares afunilam a circulação
(elevadores) e também podem ser
perigosos...?
Recorrência menções de sistemas de representação e
análise da arquitetura e urbanismo (1750-2008)
Pesquisa feita no Ngram google (maio, 2020)
Recorrência menções sistemas de representação e
análise da arquitetura e urbanismo (1950-2008)
GIS* – Georeferenced Information System
CAD * – Computer Aided Design
CIM * – City Information Modelling
BIM * – Building Information Modelling
*Pode ser que essas siglas também assumam outros significados
Pesquisa feita no Ngram google (maio, 2020)
Plataformas de informações georeferenciadas
(GIS, SIG) são sistemas que permitem uma
análise multivariada relacionada à localização e
forma arquitetônica
Camadas vetoriais dos tipos: ponto, linha e polígono.
Localização no mundo baseado em coordenadas
(latitude e longitude), a partir de diferentes tipos de
Sistemas de Referência de Coordenadas, SRC (ou
Coordinate Reference System, CRS)
+ camadas rasterizadas (imagens)
Programa de fonte aberta QuantumGIS
Recomendável a versão “StandaloneVersion”, do long term release
version, most stable, versão mais recente ou a 2.18.
https://qgis.org/pt_BR/site/ https://qgis.org/downloads/Outras versões em:
Ver possíveis complementos de interesse também.
Aula Data Conteúdo
1 12/06/2020 Apresentação curso, aula teórico-metodológica, indicação
bibliografia.
2 19/06/2020 Prática: Apresentação QGIS, análise de quadras e seleção estudos de
caso.
3 26/06/2020 Prática QGIS: Lotes e usos do solo.
4 03/07/2020 Prática QGIS: Edificações, verticalização e paradas de ônibus /
mobiliários urbanos.
5 10/07/2020 Prática QGIS: Sobre Interfaces público-privados/ acessos, imprimir
mapas temáticos.
6 17/07/2020 Orientação / recursos extras QGIS
7 24/07/2020 Apresentação mapas – discussão i
Referências Curso
A Gentle Introduction to GIS — QGIS Documentation documentation. Disponível em:
<https://docs.qgis.org/3.4/en/docs/gentle_gis_introduction/index.html>. Acesso em: 25 maio. 2020.
BATTY, M. Design as a Growth Process RepresentedThrough GIS. Spatial Concepts in GIS and Design, 2008.
Disponível em: <http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.482.9215&rep=rep1&type=pdf>.
Acesso em: 5 dez. 2016.
DE SMITH, M. J.; GOODCHILD, M. F.; LONGLEY, P. A. Geospatial Analysis: A Comprehensive Guide to
Principles,Techniques and SoftwareTools. Leicester: Troubador Publishing ltd, 2007.
GANDHI, U. Tutoriais e dicas para QGIS — QGISTutorials and Tips. Disponível em:
<http://www.qgistutorials.com/pt_BR/>. Acesso em: 24 jul. 2017.
JACOBS, A.; APPLEYARD, D.Toward an urban design manifesto. Journal of the American Planning Association,
v. 53, n. 2, p. 112–120, 1987.
JACOBS, J. The Death and Life of Great American Cities. 2000. ed. London, UK: Pimlico, 1961.
NETTO, V. M. Pesquisa urbana no Brasil: uma leitura inicial. [s.d.]Disponível em:
<https://www.academia.edu/33175421/Pesquisa_urbana_no_Brasil_uma_leitura_inicial>. Acesso em: 24 maio.
2017.
NETTO, V. M.;VARGAS, J. C.; SABOYA, R.T. (Buscando) Os efeitos sociais da morfologia arquitetônica. urbe.
Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. v.4, n.2, p. 261–282, 2012.
PEREIRA, G. C. Representações socioespaciais e urbanismo contemporâneo. Anais: Encontros Nacionais da
ANPUR, v. 15, 2013. Disponível em:
<http://unuhospedagem.com.br/revista/rbeur/index.php/anais/article/view/4448>. Acesso em: 3 dez. 2016.
SPECK, J. Cidade Caminhável. 1. ed. São Paulo: Perspectiva, 2017.
Referências dessa aula (complementares ao curso)
• ALEXANDER, C. A City is not aTree. Architectural Forum, 1965.
• BATTY, M. Design as a Growth Process Represented Through GIS. Spatial Concepts in GIS and Design,
2008. Disponível em:
<http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.482.9215&rep=rep1&type=pdf>. Acesso
em: 5 dez. 2016.
• DONEGAN, L.; ALVES, S. D. de S. AnotherTale ofThree Beaches: Profiling seaside neighbourhoods in
João Pessoa, Brazil. In: Proceedings of the 12th Space Syntax Symposium, Pequim. Anais... In: 12TH
INTERNATIONAL SPACE SYNTAX SYMPOSIUM. Pequim: Beijing Jiaotong University, 2019.
• FERRAZ, V. de S. Turismo Cultural na ZEPH-Ribeira: Possibilidades e Limitações. 2008. UFRN, Natal,
2008. . Acesso em: 4 nov. 2013.
• HANSON, J. Order and structure in urban design: the plans for the rebuilding of London after the Great
Fire of 1666. Ekistics, v. 56 (334-335), p. 22–42, 1989.
• HOLANDA, F. O espaço de exceção. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2002.
• JACOBS, J. The Death and Life of Great American Cities. 2000. ed. London, UK: Pimlico, 1961.
• RAONY SILVA, E. R. Centro antigo de João Pessoa: forma, uso e patrimônio edificado. 2016. UFRN,
Natal, 2016.
• STAVROULAKI, I.; MARCUS, L.; PONT, M. B. GIS-Based Time Model. Urban Development in
Gothenburg, 1960 to Present. 2019. Disponível em:
<https://research.chalmers.se/en/publication/514518>. Acesso em: 6 maio. 2020.
RECORTE ESTUDO
Escolher um recorte urbano seis quadras ou mais.
Podem “bater o martelo” nessa escolha na aula #2, onde iremos
primeiro ver uma análise de quadras).
Procurar recortes que você acreditam que permitem comparar áreas
com algum tipo de contraste.
Recortes serão individuais*
Analytical process — Mitchell
After Mitchell (2005)
Apud LONGLEY et al, 2020
Figure 3-2 Analytical process — Draper
After Draper et al. (2005)
https://www.spatialanalysisonline.com/HTML/index.html, acesso em maio, 2020

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fabrica de criação do modelo europeu ao contexto brasileiro
Fabrica de criação do modelo europeu ao contexto brasileiroFabrica de criação do modelo europeu ao contexto brasileiro
Fabrica de criação do modelo europeu ao contexto brasileiro
Luis Alencar
 
Aula do eugenio espaço livre público 2010
Aula do eugenio espaço livre público 2010Aula do eugenio espaço livre público 2010
Aula do eugenio espaço livre público 2010
De Janks
 
Espaços livres urbanos paisagismo iii fau-mack
Espaços livres urbanos   paisagismo iii fau-mackEspaços livres urbanos   paisagismo iii fau-mack
Espaços livres urbanos paisagismo iii fau-mack
Carlos Elson Cunha
 
Como fomentar a função estar na praça
Como fomentar a função estar na praçaComo fomentar a função estar na praça
Como fomentar a função estar na praça
Joana Lopes
 
Conceito cidade
Conceito cidadeConceito cidade
Conceito cidade
ManoelaR
 
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Safra Brasileira
 

Mais procurados (18)

Aula 06082007
Aula 06082007Aula 06082007
Aula 06082007
 
Revista Scena
Revista ScenaRevista Scena
Revista Scena
 
Dispersão Urbana no DF
Dispersão Urbana no DFDispersão Urbana no DF
Dispersão Urbana no DF
 
Urbanismo
UrbanismoUrbanismo
Urbanismo
 
Fabrica de criação do modelo europeu ao contexto brasileiro
Fabrica de criação do modelo europeu ao contexto brasileiroFabrica de criação do modelo europeu ao contexto brasileiro
Fabrica de criação do modelo europeu ao contexto brasileiro
 
Aula do eugenio espaço livre público 2010
Aula do eugenio espaço livre público 2010Aula do eugenio espaço livre público 2010
Aula do eugenio espaço livre público 2010
 
Espaços livres urbanos paisagismo iii fau-mack
Espaços livres urbanos   paisagismo iii fau-mackEspaços livres urbanos   paisagismo iii fau-mack
Espaços livres urbanos paisagismo iii fau-mack
 
Rua Dr. Assis: um percurso sobre os fragmentos do patrimônio histórico
Rua Dr. Assis: um percurso sobre os fragmentos do patrimônio históricoRua Dr. Assis: um percurso sobre os fragmentos do patrimônio histórico
Rua Dr. Assis: um percurso sobre os fragmentos do patrimônio histórico
 
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
 
Como fomentar a função estar na praça
Como fomentar a função estar na praçaComo fomentar a função estar na praça
Como fomentar a função estar na praça
 
Rio Santa Maria da Vitória, patrimônio protagonista do desenvolvimento region...
Rio Santa Maria da Vitória, patrimônio protagonista do desenvolvimento region...Rio Santa Maria da Vitória, patrimônio protagonista do desenvolvimento region...
Rio Santa Maria da Vitória, patrimônio protagonista do desenvolvimento region...
 
Conceito cidade
Conceito cidadeConceito cidade
Conceito cidade
 
O urbanismo (Resumo)
O urbanismo (Resumo)O urbanismo (Resumo)
O urbanismo (Resumo)
 
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
 
Mobilidade urbana o caminhar pela cidade de são paulo
Mobilidade urbana o caminhar pela cidade de são pauloMobilidade urbana o caminhar pela cidade de são paulo
Mobilidade urbana o caminhar pela cidade de são paulo
 
Morfologia Urbana e Desenho da Cidade
Morfologia Urbana e Desenho da CidadeMorfologia Urbana e Desenho da Cidade
Morfologia Urbana e Desenho da Cidade
 
Debora de almeida
Debora de almeidaDebora de almeida
Debora de almeida
 
A fachada 2 menor
A  fachada 2 menorA  fachada 2 menor
A fachada 2 menor
 

Semelhante a Aula1 forma arq_gis

Geo Urb 8.pptx
Geo Urb 8.pptxGeo Urb 8.pptx
Geo Urb 8.pptx
vpcsilva
 
ApresentaçãO Ana 7 1 09 Redux
ApresentaçãO Ana 7 1 09  ReduxApresentaçãO Ana 7 1 09  Redux
ApresentaçãO Ana 7 1 09 Redux
tfernandes
 
Geo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptxGeo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptx
vpcsilva
 
Mapas colaborativos: Subversão de vigilância e poder
Mapas colaborativos: Subversão de vigilância e poderMapas colaborativos: Subversão de vigilância e poder
Mapas colaborativos: Subversão de vigilância e poder
Paulo Victor Sousa
 
Planejamento urbano isaferreira modulo ii
Planejamento urbano isaferreira modulo iiPlanejamento urbano isaferreira modulo ii
Planejamento urbano isaferreira modulo ii
Isa Guerreiro
 

Semelhante a Aula1 forma arq_gis (20)

Artigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismoArtigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismo
 
Geo Urb 8.pptx
Geo Urb 8.pptxGeo Urb 8.pptx
Geo Urb 8.pptx
 
Sistemas de Informação Geográfica (SIG) na identificação de padrões e modelos...
Sistemas de Informação Geográfica (SIG) na identificação de padrões e modelos...Sistemas de Informação Geográfica (SIG) na identificação de padrões e modelos...
Sistemas de Informação Geográfica (SIG) na identificação de padrões e modelos...
 
Formigas no mapa
Formigas no mapaFormigas no mapa
Formigas no mapa
 
Capitulo 11- Territorialidade dos modos de transporte ativos
Capitulo 11-  Territorialidade dos modos de transporte ativosCapitulo 11-  Territorialidade dos modos de transporte ativos
Capitulo 11- Territorialidade dos modos de transporte ativos
 
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
 
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp0253302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
 
Apresentação PPG-AU
Apresentação PPG-AUApresentação PPG-AU
Apresentação PPG-AU
 
T1 ad alunamayramartinssilva
T1 ad alunamayramartinssilvaT1 ad alunamayramartinssilva
T1 ad alunamayramartinssilva
 
ApresentaçãO Ana 7 1 09 Redux
ApresentaçãO Ana 7 1 09  ReduxApresentaçãO Ana 7 1 09  Redux
ApresentaçãO Ana 7 1 09 Redux
 
Geo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptxGeo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptx
 
Mobilidade urbana leandro e jaciara
Mobilidade urbana leandro e jaciaraMobilidade urbana leandro e jaciara
Mobilidade urbana leandro e jaciara
 
Espaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobatoEspaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobato
 
Suelton morte e vida de grandes cidades- jane jacobs
Suelton  morte e vida de grandes cidades- jane jacobsSuelton  morte e vida de grandes cidades- jane jacobs
Suelton morte e vida de grandes cidades- jane jacobs
 
Organização interna das cidades
Organização interna das cidadesOrganização interna das cidades
Organização interna das cidades
 
Mapas colaborativos: Subversão de vigilância e poder
Mapas colaborativos: Subversão de vigilância e poderMapas colaborativos: Subversão de vigilância e poder
Mapas colaborativos: Subversão de vigilância e poder
 
Planejamento urbano isaferreira modulo ii
Planejamento urbano isaferreira modulo iiPlanejamento urbano isaferreira modulo ii
Planejamento urbano isaferreira modulo ii
 
Jose Castro - Circulação e transportes urbana de Luanda, DW Debate 2014/05/...
Jose Castro - Circulação e transportes urbana de Luanda, DW Debate 2014/05/...Jose Castro - Circulação e transportes urbana de Luanda, DW Debate 2014/05/...
Jose Castro - Circulação e transportes urbana de Luanda, DW Debate 2014/05/...
 
Caderno de TFG -Cidade para Pessoas Projeto de Urbanismo Visando a Caminhabil...
Caderno de TFG -Cidade para Pessoas Projeto de Urbanismo Visando a Caminhabil...Caderno de TFG -Cidade para Pessoas Projeto de Urbanismo Visando a Caminhabil...
Caderno de TFG -Cidade para Pessoas Projeto de Urbanismo Visando a Caminhabil...
 
Imaginários urbanos
Imaginários urbanosImaginários urbanos
Imaginários urbanos
 

Último

Último (8)

COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 

Aula1 forma arq_gis

  • 1. Introdução ao SIG para estudo da Forma Arquitetônica e Urbana Lucy Donegan UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO SIG APLICADO À ARQUITETURA E URBANISMO João Pessoa, 2020
  • 2. “Urban Design” só aparece depois de 1913 Recorrência menções temas de estudo sobre forma da arquitetura e urbanismo (1800-2008) Pesquisa feita no Ngram google (Agosto, 2020)
  • 3.
  • 4. A cidade: um organismo em desenvolvimento (BATTY, 2008) Urbanismo, paisagismo, planejamento urbano e regional: a pesquisa, diagnóstico e projeto devem considerar variáveis inter-relacionadas para estudar cidades: - Mensuração e análise de aspectos socioespaciais. Sociais: densidades demográficas, IDH (IBGE); Infraestrutura, equipamentos; - De ordem física, como qualidade da infraestrutura, características das edificações. Formas do quarteirão, lote, etc. - De fluxos e dinâmicas (p. ex. movimento de pedestres, carros, tipos de usos do espaço público e participação).
  • 5. A cidade pode ser considerada como um organismo complexo A forma e arquitetônica e urbana são (algumas das) variáveis que interferem na vida urbana e em modos de apropriação dos espaços.
  • 6. Alguns elementos de análise da forma urbana: O solo Os edifícios – o elemento mínimo O lote – a parcela fundiária O quarteirão A fachada, o plano marginal O logradouro O traçado / a rua A praça O monumento A vegetação O mobiliário urbano
  • 7. Uma calçada na cidade por si só é nada. É uma abstração. Significa algo somente em conjunção com os edifícios e outros usos que a ladeiam, ou que ladeiam outras calçadas muito próximas. A mesma coisa pode ser dita de ruas, no sentido que elas servem a outros propósitos além de carregar tráfico sobre rodas no seu meio. Ruas e suas calçadas, os espaços públicos principais da cidade, são seus órgãos mais vitais. (JACOBS, 1992, p.39) “A city sidewalk by itself is nothing. It is an abstraction. It means something only in conjunction with the buildings and other uses that border it, or border other sidewalks very near it. The same might be said of streets, in the sense that they serve other purposes besides carrying wheeled traffic in their middles. Streets and their sidewalks, the main public places of a city, are its most vital organs.” .”
  • 8. Pensando na sustentabilidade na cidade: Usos do solo indicador de economias, atividades, fluxos e perfis de pessoas em determinadas áreas da cidade, de complementaridade (ou não) de funções. Escalas de atividades que priorizam o pedestre facilitam: menor dependência do veículo automotor,  esferas de copresença (reconhecimento mútuo) entre pessoas vigilância natural Outras características da forma urbana e da edificação – como tamanho de quadras, tipos de interfaces entre espaços públicos e privados, distância entre edificações e equipamentos, altura das edificações - impactam na paisagem e na vivência do espaço urbano, e na possibilidade de encontros e esquivanças (HOLANDA, 2002; NETTO & SABOYA)
  • 9. No centro de Fortaleza.
  • 10. No centro de Fortaleza.
  • 13. Críticas ao pensamento moderno e a rígida separação de funções. A cidade deve ser interpretada como um sistema: - onde diferentes lógicas de movimento estão imbricadas (a cidade não é uma árvore, ALEXANDER, 1965); - em complexidade organizada: várias funções combinadas interagem para a vida urbana: (JACOBS, 1992, primeira edição 1961);
  • 14. Christopher Alexander A cidade não é uma árvore, 1965; Atividades humanas, e vivência da cidade normalmente não são mono- funcionais. Aproveitar uma viagem para mais que uma função. A cidade é um sistema onde diferentes lógicas de movimento estão imbricadas. Crítica à cidade modernista com rígida separação de funções Estrutura em árvore: funções não se sobrepõem. Estrutura em semi-trama: funções se sobrepõem e se inter- relacionam Fonte das imagens: http://www.cronologiadourbanismo.ufba.br/
  • 15. Londres: uma lógica orgânica (aparentemente caótica). Interdependência entre diferentes tipos de funções na city de Londres (Hanson, 1989) Atividades e pessoas interligadas por uma estrutura de vias com diferentes hierarquias.
  • 16. Fonte da imagem: Frederico Holanda, acessível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/10.117/3399 Brasília: Formalidade (versus Urbanidade, Holanda, 2002) Um espaço de exceção, uma lógica monumental, com menor possibilidade de encontro entre diferentes atividades (separadas em setores) e pessoas.
  • 17. Fonte da imagem: https://en.wikipedia.org/wiki/The_Death_and Life_of_Great_American_Cities Críticas à visão simplificada com separação de funções do pensamento moderno. Jane Jacobs,Vida e morte de grandes cidades americanas (JACOBS, 1992, 1a edição 1961) Variáveis que interagem promovendo vida urbana. (i) Usos principais combinados: certa quantidade de pessoas nas ruas em diversos horários do dia; (ii) Necessidade de quadras curtas: muitas oportunidades de dobras esquinas e combinar caminhos diferentes (maior capilaridade); (iii) A importância de combinar prédios de idades e estados de conservação variados, provavelmente variando no seu campo econômico e função; (iv) Concentração de atividades, certa densidade é vista como positiva, permite maior intensidade de usos;
  • 18. - Dinâmicas Urbanas e de Expansão espacial - Atratores de movimento em diferentes áreas; - Segurança e vigilância natural - Vitalidade e economia na cidade, bairros e partes da cidade; - Qualificar perfis sócio-econômicos (áreas industriais, de recreação, turismo, etc); - Relacionar pessoas, fluxos e equipamentos Estudos sobre usos do solo e tipos de atividade pode ser revelador, ajudam a caracterizar:
  • 19. Numa análise dos usos do solo, primeiramente deve se considerar a escala de análise. Categorias serão mais ou menos específicas dependendo da escala de análise. De classificações mais genéricas (por exemplo, a diferenciação entre usos urbanos e rurais) até mais detalhadas (como diferenciação entre residencial unifamiliar e multifamiliar). Fonte: Renato Saboya 2007, disponível em http://urbanidades.arq.br/2007/08/analisando-os-usos-do-solo/
  • 20. A American Planning Association criou 5 dimensões ou categorias de análise, classificando os usos do solo segundo: • atividades desempenhadas (residencial, comercial, industrial, etc.); • função (econômica) a que servem; • tipo de estrutura da edificação; • estado de utilização do lote ou gleba (ocupado, não ocupado, etc.); • propriedade (público, privado, etc); As categorias mais úteis são de atividades, utilização do lote ou gleba, e propriedade. Todavia, as outras duas são parecidas com a dimensão Atividade; Fonte da imagem: https://gis.lic.wisc.edu/coastalweb/www/urpl969-spring07/
  • 21. Ferraz (2008) Turismo cultural na ZEPH-Ribeira: possibilidades e limitações Fonte: Ferraz (2008, p. 158). Mapeando “esquisitices” no centro antigo de Natal. Tipos de usos do solo e interfaces público/privado no bairro da Ribeira, Natal.
  • 22. Ferraz (2008) Turismo cultural na ZEPH-Ribeira: possibilidades e limitações Fonte da imagem: Ferraz (2008, p. 159). Mapeando “esquisitices” no centro antigo de Natal. Tipos de usos do solo e interfaces público/privado no bairro da Ribeira, Natal.
  • 23. Ferraz (2008) Turismo cultural na ZEPH-Ribeira: possibilidades e limitações Fonte da imagem: Ferraz (2008, p. 166). Mapeando “esquisitices” no centro antigo de Natal (Ribeira). Tipos de usos do solo com tipos diferentes de interfaces público/privado em horários diferentes. no período diurno Interfaces público/privado: no período noturno
  • 24. Diminuição de importância na hierarquia viária da cidade de João Pessoa (menos acessibilidade global), ajudou na descaracterização e degradação do patrimônio edificado, com imóveis vazios e subutilizados, esvaziamento do uso residencial, sensação de insegurança, entre outros. Silva, Eudes Raony (2016) Centro antigo de João Pessoa: forma, uso e patrimônio edificado.
  • 26. Silva, Eudes Raony (2016) Centro antigo de João Pessoa: forma, uso e patrimônio edificado. (p.67)
  • 27. Silva, Eudes Raony (2016) Centro antigo de João Pessoa: forma, uso e patrimônio edificado. (p.67)
  • 28. Silva, Eudes Raony (2016) Centro antigo de João Pessoa: forma, uso e patrimônio edificado. (p.91)
  • 29. GIS-based time model of Gotenburg (1960-2015) Na Suécia Representações para estudos diacrônicos da cidade, entender melhor dinâmicas urbanas. Sobre: - Rede de ruas - Lotes - Edifícios
  • 30.
  • 31. Fonte: DONEGAN;ALVES, 2019 Três praias em João Pessoa: Caracterizando diferentes economias ligadas a diferentes paisagens e vidas urbanas.
  • 33. Tipos de interfaces BESSA TAMBAÚ SEIXAS CEGO VISUAL FÍSICO CONSTITUÍDO
  • 34. Experiências DU1 (semestre 2019.2) Alunas: NÍVEA MARIA DE SOUZAVIEIRA RAPHAELA SIQUEIRA SANTOS BARBOSA DEOLIVEIRA VANESSA HOLANDA FERREIRA MAMEDE Turma da Profa. MARCELETRIGUEIRO, disciplina dada em conjunto (com Lucy)
  • 35. Experiências DU1 (semestre 2019.1) Alunos: ALYSSONTEÓFILO ISABELLA PEREIRA LARISSA PEREIRA
  • 36. Encontros x forma x pandemia • Ver é bom, proteger para sair? • Densidade é bom? • Caminhos de entrada e saída de prédios multifamiliares afunilam a circulação (elevadores) e também podem ser perigosos...?
  • 37. Recorrência menções de sistemas de representação e análise da arquitetura e urbanismo (1750-2008) Pesquisa feita no Ngram google (maio, 2020)
  • 38. Recorrência menções sistemas de representação e análise da arquitetura e urbanismo (1950-2008) GIS* – Georeferenced Information System CAD * – Computer Aided Design CIM * – City Information Modelling BIM * – Building Information Modelling *Pode ser que essas siglas também assumam outros significados Pesquisa feita no Ngram google (maio, 2020)
  • 39. Plataformas de informações georeferenciadas (GIS, SIG) são sistemas que permitem uma análise multivariada relacionada à localização e forma arquitetônica Camadas vetoriais dos tipos: ponto, linha e polígono. Localização no mundo baseado em coordenadas (latitude e longitude), a partir de diferentes tipos de Sistemas de Referência de Coordenadas, SRC (ou Coordinate Reference System, CRS) + camadas rasterizadas (imagens)
  • 40. Programa de fonte aberta QuantumGIS Recomendável a versão “StandaloneVersion”, do long term release version, most stable, versão mais recente ou a 2.18. https://qgis.org/pt_BR/site/ https://qgis.org/downloads/Outras versões em: Ver possíveis complementos de interesse também. Aula Data Conteúdo 1 12/06/2020 Apresentação curso, aula teórico-metodológica, indicação bibliografia. 2 19/06/2020 Prática: Apresentação QGIS, análise de quadras e seleção estudos de caso. 3 26/06/2020 Prática QGIS: Lotes e usos do solo. 4 03/07/2020 Prática QGIS: Edificações, verticalização e paradas de ônibus / mobiliários urbanos. 5 10/07/2020 Prática QGIS: Sobre Interfaces público-privados/ acessos, imprimir mapas temáticos. 6 17/07/2020 Orientação / recursos extras QGIS 7 24/07/2020 Apresentação mapas – discussão i
  • 41. Referências Curso A Gentle Introduction to GIS — QGIS Documentation documentation. Disponível em: <https://docs.qgis.org/3.4/en/docs/gentle_gis_introduction/index.html>. Acesso em: 25 maio. 2020. BATTY, M. Design as a Growth Process RepresentedThrough GIS. Spatial Concepts in GIS and Design, 2008. Disponível em: <http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.482.9215&rep=rep1&type=pdf>. Acesso em: 5 dez. 2016. DE SMITH, M. J.; GOODCHILD, M. F.; LONGLEY, P. A. Geospatial Analysis: A Comprehensive Guide to Principles,Techniques and SoftwareTools. Leicester: Troubador Publishing ltd, 2007. GANDHI, U. Tutoriais e dicas para QGIS — QGISTutorials and Tips. Disponível em: <http://www.qgistutorials.com/pt_BR/>. Acesso em: 24 jul. 2017. JACOBS, A.; APPLEYARD, D.Toward an urban design manifesto. Journal of the American Planning Association, v. 53, n. 2, p. 112–120, 1987. JACOBS, J. The Death and Life of Great American Cities. 2000. ed. London, UK: Pimlico, 1961. NETTO, V. M. Pesquisa urbana no Brasil: uma leitura inicial. [s.d.]Disponível em: <https://www.academia.edu/33175421/Pesquisa_urbana_no_Brasil_uma_leitura_inicial>. Acesso em: 24 maio. 2017. NETTO, V. M.;VARGAS, J. C.; SABOYA, R.T. (Buscando) Os efeitos sociais da morfologia arquitetônica. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. v.4, n.2, p. 261–282, 2012. PEREIRA, G. C. Representações socioespaciais e urbanismo contemporâneo. Anais: Encontros Nacionais da ANPUR, v. 15, 2013. Disponível em: <http://unuhospedagem.com.br/revista/rbeur/index.php/anais/article/view/4448>. Acesso em: 3 dez. 2016. SPECK, J. Cidade Caminhável. 1. ed. São Paulo: Perspectiva, 2017.
  • 42. Referências dessa aula (complementares ao curso) • ALEXANDER, C. A City is not aTree. Architectural Forum, 1965. • BATTY, M. Design as a Growth Process Represented Through GIS. Spatial Concepts in GIS and Design, 2008. Disponível em: <http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.482.9215&rep=rep1&type=pdf>. Acesso em: 5 dez. 2016. • DONEGAN, L.; ALVES, S. D. de S. AnotherTale ofThree Beaches: Profiling seaside neighbourhoods in João Pessoa, Brazil. In: Proceedings of the 12th Space Syntax Symposium, Pequim. Anais... In: 12TH INTERNATIONAL SPACE SYNTAX SYMPOSIUM. Pequim: Beijing Jiaotong University, 2019. • FERRAZ, V. de S. Turismo Cultural na ZEPH-Ribeira: Possibilidades e Limitações. 2008. UFRN, Natal, 2008. . Acesso em: 4 nov. 2013. • HANSON, J. Order and structure in urban design: the plans for the rebuilding of London after the Great Fire of 1666. Ekistics, v. 56 (334-335), p. 22–42, 1989. • HOLANDA, F. O espaço de exceção. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2002. • JACOBS, J. The Death and Life of Great American Cities. 2000. ed. London, UK: Pimlico, 1961. • RAONY SILVA, E. R. Centro antigo de João Pessoa: forma, uso e patrimônio edificado. 2016. UFRN, Natal, 2016. • STAVROULAKI, I.; MARCUS, L.; PONT, M. B. GIS-Based Time Model. Urban Development in Gothenburg, 1960 to Present. 2019. Disponível em: <https://research.chalmers.se/en/publication/514518>. Acesso em: 6 maio. 2020.
  • 43. RECORTE ESTUDO Escolher um recorte urbano seis quadras ou mais. Podem “bater o martelo” nessa escolha na aula #2, onde iremos primeiro ver uma análise de quadras). Procurar recortes que você acreditam que permitem comparar áreas com algum tipo de contraste. Recortes serão individuais*
  • 44. Analytical process — Mitchell After Mitchell (2005) Apud LONGLEY et al, 2020 Figure 3-2 Analytical process — Draper After Draper et al. (2005) https://www.spatialanalysisonline.com/HTML/index.html, acesso em maio, 2020