SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 64
Baixar para ler offline
PLANO CONCEITUAL 
Professora: LILA DONATO 
Aula 04
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
São esquemas conceituais, que: 
-mostram muitas informações com poucos elementos 
-formam instrumentos de comunicação interessantes 
Objetivo: 
-auxiliar durante o processo de projeto a organizar as idéias
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
Na etapa de análise: 
-Sintetizam os aspectos considerados mais importantes para o projeto: 
•mostram direção dos ventos predominantes, 
•localização de elementos pré-existentes, 
•as vias mais interessantes a serem levadas em consideração, 
•relações com os vizinhos, 
•áreas planas passíveis de serem aproveitadas, vegetação existente, etc.
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
Também pode ser chamado de 
zoneamento: 
O zoneamento é a fase onde se experimentamas diversas possibilidades de locação dos elementos do programa (inclusive a vegetação) sobre o plano do terreno existente. 
Essa localização deve considerar todos os elementos analisados e diagnosticados na etapa de análise, incluindo as relações de acessibilidade, harmonia e funcionalidade entre os espaços propostos, o usuário (observador) e a paisagem circundante.
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
zoneamento das funções: 
O zoneamento, às vezes é confundido com as distribuições das funções no terreno. 
As funções existem e precisam ser especificadas, porém o zoneamento não se refere apenas à compatibilidade espacial necessária para o pleno desenvolvimento das funções: 
•a piscina estar em local ensolarado; 
•locais de sombras nas áreas de estar; 
•locais relativamente amplos para a prática de jogos; 
•etc.
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
zoneamento das funções: 
Mas deve-se enfatizar que entre o local da atividade e o usuário deve existir uma relação de escala que proporcione bem estare sugira a sensação adequada para seu uso específico: 
•aconchego na área da piscina; 
•intimidade na área de estar; 
•proteção nas áreas de recreação infantil; 
•etc.
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
zoneamento dos espaços: 
O dimensionamento das áreas zoneadas deve prever as extensões necessárias para a locação dos volumes vegetais que delimitarão o espaço pretendido. 
O zoneamento dos espaços não deve se prender ao zoneamento das funções, mesmo porque nem toda a superfície do terreno precisa ser fisicamente utilizada. 
Desbalanceado... 
Balanceado...
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
Em paisagismo, a ordem é criada quando os elementos são agrupados. Disposições aleatórias e espaçadas não traduzem ordem nem aconchego. 
Sim! 
Não! 
zoneamento dos espaços:
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
Plantas e materiais devem ser agrupados para gerar ordem. 
Não! As plantas estão separadas e espalhadas. 
Sim! As plantas estão agrupadas em moitas. 
zoneamento dos espaços:
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
As diferentes espécies devem ser agrupadas na mesma moita. 
Não! Plantas similares estão agrupadas em moitas diferentes. 
Sim! Plantas similares estão agrupadas na mesma moita. 
zoneamento dos espaços:
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
A dominância deve ser incorporada na composição do projeto. 
Não! Falta um elemento dominante na composição. 
Sim! O elemento dominante chama a atenção como um ponto focal. 
zoneamento dos espaços:
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
A dominância pode ser estabelecida por contraste de tamanho, forma, cor e/ou textura. 
TAMANHO 
zoneamento dos espaços: 
FORMA 
COR 
TEXTURA
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
Assim como os elementos paisagísticos, também deve haver um espaço dominante. 
zoneamento dos espaços: 
Não! Não existe espaço dominante. 
Sim! O gramado (lawn)funciona como espaço dominante.
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
O hall de entrada externo trabalhado como o espaço dominante do arranjo paisagístico. 
zoneamento dos espaços: 
O espaço de lazer é o espaço dominante na composição paisagística.
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
zoneamento dos espaços: 
Para se criar unidadedevem usar-se elementos (vegetais ou não) com aparência similar. 
Todos os elementos da composição são diferentes. Não tem unidade. 
Todos os elementos da composição são similares. Cria unidade.
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
zoneamento dos espaços: 
A composição paisagística deve encontrar um equilíbrioentre variedade e repetição!
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
zoneamento dos espaços: 
A repetição do tijolinho nas paredes da casa, na mureta e no piso proporciona unidade visual.
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
zoneamento dos espaços: 
Agrupamentos de tipos vegetais podem ser repetidos numa mesma área visual, criando unidade.
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
zoneamento dos espaços: 
Os diferentes espaços e diferentes elementos do espaço paisagístico devem ser inter-relacionados para criar unidade. 
Não existe conexão entre os 
Espaços, logo não há unidade. 
Os diferentes espaços conectados proporcionam unidade ao conjunto.
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
zoneamento dos espaços: 
Uma “cama” de forração pode ser o elemento que conecta os demais elementos da composição, conferindo unidadeao conjunto.
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
zoneamento dos espaços: 
Plantas rasteiras podem ser utilizadas como elemento de conexão visual entre a moita de arbustos e a árvore. 
Arbustos e árvore não estão visualmente relacionados. 
Arbustos e árvore se inter- relacionam visualmente por intermédio da vegetação rasteira que as conecta.
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
zoneamento dos espaços: 
O conjunto de plantas rasteiras e cerca é utilizado como elemento de conexão visual entre a moita de arbustos e a árvore. 
Arbustos e árvore não estão visualmente relacionados. 
As plantas rasteiras e a cerca estabelecem uma conexão.
O que é o Plano Conceitual 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
1 
zoneamento dos espaços: Elementos de referência visual e paisagísticaElementos de transição entreespaços utilitáriosÁreas para receber a vegetaçãoque vai compor o cenário 
1 
2 
3 
No Plano Conceitual deve-se estabelecer a estrutura geral das árvores, moitas, forrações, áreas ensolaradas e áreas sombreadas. 
Num segundo momento, podem ser diferenciados os tipos de árvores, e dar mais definição aos tipos de moitas e forrações.
Como elaborar? 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
2 
Equivale ao estudo de manchas no início do processo de projeto. 
Os desenhos conceituais são representados por bolhas, setase rabiscosusados para explorar as relações funcionais: 
•locais de atividades; 
•padrões de circulação. 
Obs.: Nenhuma tentativa é feita para transmitir formas exatas de texturas, materiais ou formatos. 
O plano conceitual é utilizado para obter respostas na fase inicial do projeto. 
Sim! 
Não!
Como elaborar? 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
2 
O paisagista deve explorar variadas relações funcionais entre os espaços.
Como elaborar? 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
2 
Um diagrama que tem todos os espaços desenhados em forma de círculo, é como uma casa em que todos os cômodos são de forma quadrada...
Como elaborar? 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
2 
•Espaços destinados a funções e atividades específicas: pode ser um espaço aberto conformado para uma atividade específica, etc. 
•Relações entre espaços e funções: esses espaços devem estar diretamente conectados? Ou devem estar separados por uma barreira? Ou ainda devem ser mantidos distantes um do outro? 
•Fluxos: de veículos, de pedestres, pontos de acesso, movimentos em geral. 
•Direções: visuais, direção do vento, direção do sol (da manhã e da tarde), etc. 
o que mostrar?
Como elaborar? 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
2 
•Limites e barreiras: barreiras vegetais, rios, muros, limitações aos visuais, etc. 
•Pontos focais: pontos que definem áreas de interesse especial, seja por sua forma ou pelo valor simbólico ou ainda pela posição especial que ocupa dentro da estrutura, tais como obeliscos, chafarizes, árvores especiais, etc. 
o que mostrar?
Como elaborar? 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
2 
A utilização de símbolos serve para a elaboração do plano conceitual e ajuda a organizar o desenho. 
Normalmente os símbolos indicam: 
•localização aproximada de edifícios ou construções 
•atividades e zonas de uso 
•circulação de pedestres e automóveis 
•barreiras e pontos de interesse ou de conflito 
A uniformizaçãodo uso de símbolos facilita a leitura e a compreensão do plano. 
utilização de símbolos:
Como elaborar? 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
2 
utilização de símbolos: 
Circulação de automóvel 
Circulação de pedestres 
Os pontos de acesso, saídas, entradas 
Orientação 
Direção do vento 
Movimento da água 
ou Circulação de qualquer tipo
Como elaborar? 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
2 
utilização de símbolos: 
Representação gráfica para caminhos secundários. 
Representação gráfica para caminhos principais. 
Representação gráfica para caminhos com escadas.
Como elaborar? 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
2 
Diferentes estudos de circulação para um mesmo espaço. 
Circulação cortando o espaço ao meio. 
Circulação passando por uma lateral. 
Circulação em diagonal. 
Circulação permeando-se no espaço.
Como elaborar? 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
2 
utilização de símbolos: 
Barreiras 
Telas 
Paredes 
Corredores de ruídos 
Ecológicos e paisagísticos, tais como bordas falésias, aterros, bordas da floresta, etc
Como elaborar? 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
2 
utilização de símbolos: 
Áreas de atividades, zonas de uso, espaços funcionais, Wildflowers(jardim selvagem), gramíneas. 
Estrutura sombra (lugar abrigado do sol) Jardim de rocha, pedra, rochoso. 
Edifícios e estruturas.
Como elaborar? 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
2 
utilização de símbolos: 
•as áreas focais; 
•pontos de interesse; 
•zonas de conflito; 
•nós de circulação.
Exemplos 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
3
Exemplos 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
3
Exemplos 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
3
Exemplos 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
3
Exemplos 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
3
Exemplos 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
3 
zoneamento espacial
Composições 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
4 
À direita: 
A partir de um diagrama funcional foram geradas seis diferentes formas de composição paisagística. 
Acima: 
Diferentes temas visuais que podem ser criadas durante a composição paisagística.
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
4 
Um tema visual constante deve ser usado para estabelecer ordem. 
Um tema visual constanteproporciona ordem visual. 
Um tema visual inconstantedivide a composição em áreas não relacionadas. 
Composições
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
As linhas devem cruzar o centro da circunferência a 90o. 
Ligaçãofraca entre os elementos e a circunferência. 
Ligação forte entre os elementos e a circunferência. 
As linhas compositivas devem se relacionar com o círculo a partir do seu centro, para gerar uma composição visualmente forte. 
Inter-relacionamento fraco. 
Inter-relacionamento forte. 
Composições 
4
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
Os temas ondulados e curvos não são adequados para espaços longilíneos e/ou estreitos. 
Composições 
4 
Os temas retangularese quadrados sãoadequados para espaços longilíneos e/ou estreitos.
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
A forma circular, quando usada como espaço dominante, permite fazer inúmeras composições paisagísticas. 
Composições 
4
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
Também é possível criar várias composições a partir da forma do quadrado. 
Composições 
4
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
Se considerarmos o quadrado como uma unidade modular, pode-se criar uma grade que serve de base para a composição paisagística. 
Composições 
4
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
Sobreposição de formas são um importante recurso que permite estabelecer composições visuais atrativas. 
É importante criaralinhamentos, entre os diferentes elementos, não apenas para manter ordem e coesão, mas também porque quando as formas estão relacionadas entre si, elas proporcionam força compositiva. 
Composições 
4
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
Os ângulos agudos(acuteangle) devem ser evitados. 
Composições 
4
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
Ângulos agudos nos pavimentos geram áreas que muito facilmente criam rachaduras e quebram. 
Ângulos agudos nos espaços externos resultam em áreas desperdiçadas e inutilizáveis. 
Ângulos agudos nos canteiros formam áreas pequenas demais para receber plantio. 
Composições 
4
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
Exemplos de composições onde as formas individuais se confundem umas nas outras. Conjuntos fracos. 
Exemplos de composições onde as formas individuais se identificam com clareza e podem ser lidas. Conjuntos fortes. 
Composições 
4
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
Numa composição de formas deve haver sempre uma que é dominante. 
Todo o conjunto é uma forma nova. 
O círculo é dominante. 
O quadrado é dominante. 
Todo o conjunto é uma forma nova. 
O círculo é dominante. 
O retângulo é dominante. 
Composições 
4
A localização e os arranjos das plantas devem estar relacionadas com a forma de composição com a qual se trabalhou. 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
Composições 
4
A localização e os arranjos das plantas devem estar relacionadas com a forma de composição com a qual se trabalhou. 
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
Composições 
4
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
Uma composição com o desenho em diagonalpode estabelecer um forte ângulo de orientação da vista, em direção a uma paisagem desejável. 
Composições 
4 
ângulos de visão:
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
Uma composição em diagonalajuda a ampliar visualmente um lugar que não é muito espaçoso. A diagonal enfatiza a maior dimensão possível. 
Composições 
4 
ângulos de visão:
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
ângulos de visão: 
Suaves aterros que criam elevações no jardim podem ser utilizados para proporcionar maior privaci- dadeao espaço, e também para direcionar o ângulo de visão. 
O espelho de água com a fonte é o ponto focal da composição. 
Composições 
4
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
ângulos de visão: 
A escolha das espécies deve seguir uma composição em três níveis de visão. 
Composições 
4 
meio 
fundo 
frente
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
ângulos de visão: 
Trabalhar com os três níveis de visão ou não irá variar de acordo com os diferentes efeitos espaciasdesejados. 
Composições 
4 
Sem plantas rasteiras na frente: 
o espaço aparenta ser mais confinado. 
Sem plantas arbustivas no meio: 
o espaço aparenta ser mais amplo.
Aula 04 
Prof. Lila Donato 
PLANO CONCEITUAL 
Composição fraca de uma habitação ortogonal com um tema paisagístico em diagonal. 
Composições 
4 
Boa composição de uma habitação ortogonal com um tema paisagístico orgânico. 
Os temas dos jardins frontal e traseiro podem ser diferentes.
Bibliografia 
ABBUD, Benedito. Criando paisagens. São Paulo: Senac, 2006. 
REID FASLA, Grant W. LandscapeGraphics. New York: Watson Guptill, 2002. 
BOOTH, Norman K. Residentiallandscapearchitecture: design processfor theprivateresidence. 6thed. Ohio: Pearson, 2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos vegetais aplicados ao paisagismo
Tipos vegetais aplicados ao paisagismoTipos vegetais aplicados ao paisagismo
Tipos vegetais aplicados ao paisagismoAngélica Vidal
 
Estudo preliminar terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar   terreno e seus condicionantesEstudo preliminar   terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar terreno e seus condicionantesRômulo Marques
 
Análise do terreno e do entorno urbano
Análise do terreno e do entorno urbanoAnálise do terreno e do entorno urbano
Análise do terreno e do entorno urbanoAna Leticia Cunha
 
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIALESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIALAna Helena Rodrigues Alves
 
2. paisagismo evol hist
2. paisagismo   evol hist2. paisagismo   evol hist
2. paisagismo evol histAna Cunha
 
Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08
Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08
Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08vagno junior
 
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppf
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppfPracas-brasileiras-fabio-robba-ppf
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppfUrban Acabamentos
 
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interioresPrincípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interioresMariana Azevedo
 
Apostila técnica projeto executivo
Apostila técnica   projeto executivoApostila técnica   projeto executivo
Apostila técnica projeto executivoRafael Andrade
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidadesTakayfau
 
Morfologia Urbana e Desenho da Cidade
Morfologia Urbana e Desenho da CidadeMorfologia Urbana e Desenho da Cidade
Morfologia Urbana e Desenho da CidadeARQ210AN
 
Projeto de Interiores Comerciais - Proporções entre Lojas
Projeto de Interiores Comerciais - Proporções entre LojasProjeto de Interiores Comerciais - Proporções entre Lojas
Projeto de Interiores Comerciais - Proporções entre Lojasdanilosaccomori
 

Mais procurados (20)

Tipos vegetais aplicados ao paisagismo
Tipos vegetais aplicados ao paisagismoTipos vegetais aplicados ao paisagismo
Tipos vegetais aplicados ao paisagismo
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidades
 
Jardim Contemporâneo
Jardim ContemporâneoJardim Contemporâneo
Jardim Contemporâneo
 
Topografia para arquitetos
Topografia para arquitetosTopografia para arquitetos
Topografia para arquitetos
 
Estudo preliminar terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar   terreno e seus condicionantesEstudo preliminar   terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar terreno e seus condicionantes
 
Desenho Arquitetônico.
Desenho Arquitetônico.Desenho Arquitetônico.
Desenho Arquitetônico.
 
Análise do terreno e do entorno urbano
Análise do terreno e do entorno urbanoAnálise do terreno e do entorno urbano
Análise do terreno e do entorno urbano
 
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIALESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
 
Apostila brises
Apostila brisesApostila brises
Apostila brises
 
2. paisagismo evol hist
2. paisagismo   evol hist2. paisagismo   evol hist
2. paisagismo evol hist
 
Aula 2 2020 2
Aula 2 2020 2 Aula 2 2020 2
Aula 2 2020 2
 
Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08
Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08
Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08
 
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppf
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppfPracas-brasileiras-fabio-robba-ppf
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppf
 
Jardins renascentistas
Jardins renascentistasJardins renascentistas
Jardins renascentistas
 
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interioresPrincípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
 
Apostila técnica projeto executivo
Apostila técnica   projeto executivoApostila técnica   projeto executivo
Apostila técnica projeto executivo
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidades
 
Morfologia Urbana e Desenho da Cidade
Morfologia Urbana e Desenho da CidadeMorfologia Urbana e Desenho da Cidade
Morfologia Urbana e Desenho da Cidade
 
Projeto de Interiores Comerciais - Proporções entre Lojas
Projeto de Interiores Comerciais - Proporções entre LojasProjeto de Interiores Comerciais - Proporções entre Lojas
Projeto de Interiores Comerciais - Proporções entre Lojas
 
Aula da escadas
Aula da escadasAula da escadas
Aula da escadas
 

Destaque

História do porto jardins do porto - parque de serralves
História do porto   jardins do porto - parque de serralvesHistória do porto   jardins do porto - parque de serralves
História do porto jardins do porto - parque de serralvesArtur Filipe dos Santos
 
6. comunicando através da paisagem 2
6. comunicando através da paisagem 26. comunicando através da paisagem 2
6. comunicando através da paisagem 2Ana Cunha
 
Apresentação Jardinagem EcolóGica
Apresentação Jardinagem EcolóGicaApresentação Jardinagem EcolóGica
Apresentação Jardinagem EcolóGicaPGA Itamambuca
 
Jardim Minimalista
Jardim MinimalistaJardim Minimalista
Jardim MinimalistaARQ210AN
 
8. comunicando através da paisagem 4
8. comunicando através da paisagem 48. comunicando através da paisagem 4
8. comunicando através da paisagem 4Ana Cunha
 
Comunicando através da paisagem
Comunicando através da paisagemComunicando através da paisagem
Comunicando através da paisagemAna Cunha
 
Luciana meireles paisagismo resid para publicar
Luciana meireles paisagismo resid   para publicarLuciana meireles paisagismo resid   para publicar
Luciana meireles paisagismo resid para publicarAna Cunha
 

Destaque (9)

História do porto jardins do porto - parque de serralves
História do porto   jardins do porto - parque de serralvesHistória do porto   jardins do porto - parque de serralves
História do porto jardins do porto - parque de serralves
 
6. comunicando através da paisagem 2
6. comunicando através da paisagem 26. comunicando através da paisagem 2
6. comunicando através da paisagem 2
 
Apresentação Jardinagem EcolóGica
Apresentação Jardinagem EcolóGicaApresentação Jardinagem EcolóGica
Apresentação Jardinagem EcolóGica
 
Jardim Minimalista
Jardim MinimalistaJardim Minimalista
Jardim Minimalista
 
8. comunicando através da paisagem 4
8. comunicando através da paisagem 48. comunicando através da paisagem 4
8. comunicando através da paisagem 4
 
Música minimalista
Música minimalistaMúsica minimalista
Música minimalista
 
Comunicando através da paisagem
Comunicando através da paisagemComunicando através da paisagem
Comunicando através da paisagem
 
Jardim ecológico
Jardim ecológicoJardim ecológico
Jardim ecológico
 
Luciana meireles paisagismo resid para publicar
Luciana meireles paisagismo resid   para publicarLuciana meireles paisagismo resid   para publicar
Luciana meireles paisagismo resid para publicar
 

Semelhante a Plano conceitual aula

Pacto 6º encontro- 1 ANO
Pacto 6º encontro- 1 ANOPacto 6º encontro- 1 ANO
Pacto 6º encontro- 1 ANOmichelly
 
Laboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Desenho e Composição
Laboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Desenho e ComposiçãoLaboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Desenho e Composição
Laboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Desenho e ComposiçãoRicardo Pereira Rodrigues
 
Processo de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificaçãoProcesso de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificaçãohelio vaz
 
Objetosdafloresta workshop
Objetosdafloresta workshopObjetosdafloresta workshop
Objetosdafloresta workshoprevistaamazonia
 
Comunicação Publicitárias
Comunicação PublicitáriasComunicação Publicitárias
Comunicação PublicitáriasAlexS65898
 

Semelhante a Plano conceitual aula (7)

Ergonometria
ErgonometriaErgonometria
Ergonometria
 
Pacto 6º encontro- 1 ANO
Pacto 6º encontro- 1 ANOPacto 6º encontro- 1 ANO
Pacto 6º encontro- 1 ANO
 
Laboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Desenho e Composição
Laboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Desenho e ComposiçãoLaboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Desenho e Composição
Laboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Desenho e Composição
 
Processo de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificaçãoProcesso de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificação
 
Objetosdafloresta workshop
Objetosdafloresta workshopObjetosdafloresta workshop
Objetosdafloresta workshop
 
Cláusulas contratuais
Cláusulas contratuaisCláusulas contratuais
Cláusulas contratuais
 
Comunicação Publicitárias
Comunicação PublicitáriasComunicação Publicitárias
Comunicação Publicitárias
 

Mais de Lila Donato

Aula 05 arquitetura gótica
Aula 05 arquitetura góticaAula 05 arquitetura gótica
Aula 05 arquitetura góticaLila Donato
 
Aula 04 arquitetura românica parte 2
Aula 04 arquitetura românica parte 2Aula 04 arquitetura românica parte 2
Aula 04 arquitetura românica parte 2Lila Donato
 
Aula 04 arquitetura românica parte 1
Aula 04 arquitetura românica parte 1Aula 04 arquitetura românica parte 1
Aula 04 arquitetura românica parte 1Lila Donato
 
Aula 03 arquitetura e arte bizantina
Aula 03 arquitetura e arte bizantinaAula 03 arquitetura e arte bizantina
Aula 03 arquitetura e arte bizantinaLila Donato
 
Aula 02 arquitetura e arte paleocristã
Aula 02 arquitetura e arte paleocristãAula 02 arquitetura e arte paleocristã
Aula 02 arquitetura e arte paleocristãLila Donato
 
Aula 01 revisão e contextualização
Aula 01 revisão e contextualizaçãoAula 01 revisão e contextualização
Aula 01 revisão e contextualizaçãoLila Donato
 
Aula 05 o mundo egeu
Aula 05   o mundo egeuAula 05   o mundo egeu
Aula 05 o mundo egeuLila Donato
 
Aula 02 a pré-história
Aula 02   a pré-históriaAula 02   a pré-história
Aula 02 a pré-históriaLila Donato
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2b
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2bAula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2b
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2bLila Donato
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 4
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 4Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 4
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 4Lila Donato
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 3
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 3Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 3
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 3Lila Donato
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2a
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2aAula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2a
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2aLila Donato
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 1
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 1Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 1
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 1Lila Donato
 
Aula 06 os engenhos de açúcar
Aula 06 os engenhos de açúcarAula 06 os engenhos de açúcar
Aula 06 os engenhos de açúcarLila Donato
 
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.Lila Donato
 
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.Lila Donato
 
Aula História da Arte_Introdução à história da arte segundo Gombrich
Aula História da Arte_Introdução à história da arte segundo GombrichAula História da Arte_Introdução à história da arte segundo Gombrich
Aula História da Arte_Introdução à história da arte segundo GombrichLila Donato
 
Aula História da Arte_As funções da arte
Aula História da Arte_As funções da arteAula História da Arte_As funções da arte
Aula História da Arte_As funções da arteLila Donato
 

Mais de Lila Donato (19)

Aula 05 arquitetura gótica
Aula 05 arquitetura góticaAula 05 arquitetura gótica
Aula 05 arquitetura gótica
 
Aula 04 arquitetura românica parte 2
Aula 04 arquitetura românica parte 2Aula 04 arquitetura românica parte 2
Aula 04 arquitetura românica parte 2
 
Aula 04 arquitetura românica parte 1
Aula 04 arquitetura românica parte 1Aula 04 arquitetura românica parte 1
Aula 04 arquitetura românica parte 1
 
Aula 03 arquitetura e arte bizantina
Aula 03 arquitetura e arte bizantinaAula 03 arquitetura e arte bizantina
Aula 03 arquitetura e arte bizantina
 
Aula 02 arquitetura e arte paleocristã
Aula 02 arquitetura e arte paleocristãAula 02 arquitetura e arte paleocristã
Aula 02 arquitetura e arte paleocristã
 
Aula 01 revisão e contextualização
Aula 01 revisão e contextualizaçãoAula 01 revisão e contextualização
Aula 01 revisão e contextualização
 
Aula 05 o mundo egeu
Aula 05   o mundo egeuAula 05   o mundo egeu
Aula 05 o mundo egeu
 
Aula 03 o egito
Aula 03   o egitoAula 03   o egito
Aula 03 o egito
 
Aula 02 a pré-história
Aula 02   a pré-históriaAula 02   a pré-história
Aula 02 a pré-história
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2b
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2bAula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2b
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2b
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 4
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 4Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 4
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 4
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 3
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 3Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 3
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 3
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2a
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2aAula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2a
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2a
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 1
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 1Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 1
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 1
 
Aula 06 os engenhos de açúcar
Aula 06 os engenhos de açúcarAula 06 os engenhos de açúcar
Aula 06 os engenhos de açúcar
 
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
 
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
 
Aula História da Arte_Introdução à história da arte segundo Gombrich
Aula História da Arte_Introdução à história da arte segundo GombrichAula História da Arte_Introdução à história da arte segundo Gombrich
Aula História da Arte_Introdução à história da arte segundo Gombrich
 
Aula História da Arte_As funções da arte
Aula História da Arte_As funções da arteAula História da Arte_As funções da arte
Aula História da Arte_As funções da arte
 

Plano conceitual aula

  • 1. PLANO CONCEITUAL Professora: LILA DONATO Aula 04
  • 2. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 São esquemas conceituais, que: -mostram muitas informações com poucos elementos -formam instrumentos de comunicação interessantes Objetivo: -auxiliar durante o processo de projeto a organizar as idéias
  • 3. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 Na etapa de análise: -Sintetizam os aspectos considerados mais importantes para o projeto: •mostram direção dos ventos predominantes, •localização de elementos pré-existentes, •as vias mais interessantes a serem levadas em consideração, •relações com os vizinhos, •áreas planas passíveis de serem aproveitadas, vegetação existente, etc.
  • 4. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 Também pode ser chamado de zoneamento: O zoneamento é a fase onde se experimentamas diversas possibilidades de locação dos elementos do programa (inclusive a vegetação) sobre o plano do terreno existente. Essa localização deve considerar todos os elementos analisados e diagnosticados na etapa de análise, incluindo as relações de acessibilidade, harmonia e funcionalidade entre os espaços propostos, o usuário (observador) e a paisagem circundante.
  • 5. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 zoneamento das funções: O zoneamento, às vezes é confundido com as distribuições das funções no terreno. As funções existem e precisam ser especificadas, porém o zoneamento não se refere apenas à compatibilidade espacial necessária para o pleno desenvolvimento das funções: •a piscina estar em local ensolarado; •locais de sombras nas áreas de estar; •locais relativamente amplos para a prática de jogos; •etc.
  • 6. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1
  • 7. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1
  • 8. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 zoneamento das funções: Mas deve-se enfatizar que entre o local da atividade e o usuário deve existir uma relação de escala que proporcione bem estare sugira a sensação adequada para seu uso específico: •aconchego na área da piscina; •intimidade na área de estar; •proteção nas áreas de recreação infantil; •etc.
  • 9. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 zoneamento dos espaços: O dimensionamento das áreas zoneadas deve prever as extensões necessárias para a locação dos volumes vegetais que delimitarão o espaço pretendido. O zoneamento dos espaços não deve se prender ao zoneamento das funções, mesmo porque nem toda a superfície do terreno precisa ser fisicamente utilizada. Desbalanceado... Balanceado...
  • 10. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 Em paisagismo, a ordem é criada quando os elementos são agrupados. Disposições aleatórias e espaçadas não traduzem ordem nem aconchego. Sim! Não! zoneamento dos espaços:
  • 11. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 Plantas e materiais devem ser agrupados para gerar ordem. Não! As plantas estão separadas e espalhadas. Sim! As plantas estão agrupadas em moitas. zoneamento dos espaços:
  • 12. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 As diferentes espécies devem ser agrupadas na mesma moita. Não! Plantas similares estão agrupadas em moitas diferentes. Sim! Plantas similares estão agrupadas na mesma moita. zoneamento dos espaços:
  • 13. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 A dominância deve ser incorporada na composição do projeto. Não! Falta um elemento dominante na composição. Sim! O elemento dominante chama a atenção como um ponto focal. zoneamento dos espaços:
  • 14. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 A dominância pode ser estabelecida por contraste de tamanho, forma, cor e/ou textura. TAMANHO zoneamento dos espaços: FORMA COR TEXTURA
  • 15. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 Assim como os elementos paisagísticos, também deve haver um espaço dominante. zoneamento dos espaços: Não! Não existe espaço dominante. Sim! O gramado (lawn)funciona como espaço dominante.
  • 16. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 O hall de entrada externo trabalhado como o espaço dominante do arranjo paisagístico. zoneamento dos espaços: O espaço de lazer é o espaço dominante na composição paisagística.
  • 17. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 zoneamento dos espaços: Para se criar unidadedevem usar-se elementos (vegetais ou não) com aparência similar. Todos os elementos da composição são diferentes. Não tem unidade. Todos os elementos da composição são similares. Cria unidade.
  • 18. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 zoneamento dos espaços: A composição paisagística deve encontrar um equilíbrioentre variedade e repetição!
  • 19. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 zoneamento dos espaços: A repetição do tijolinho nas paredes da casa, na mureta e no piso proporciona unidade visual.
  • 20. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 zoneamento dos espaços: Agrupamentos de tipos vegetais podem ser repetidos numa mesma área visual, criando unidade.
  • 21. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 zoneamento dos espaços: Os diferentes espaços e diferentes elementos do espaço paisagístico devem ser inter-relacionados para criar unidade. Não existe conexão entre os Espaços, logo não há unidade. Os diferentes espaços conectados proporcionam unidade ao conjunto.
  • 22. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 zoneamento dos espaços: Uma “cama” de forração pode ser o elemento que conecta os demais elementos da composição, conferindo unidadeao conjunto.
  • 23. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 zoneamento dos espaços: Plantas rasteiras podem ser utilizadas como elemento de conexão visual entre a moita de arbustos e a árvore. Arbustos e árvore não estão visualmente relacionados. Arbustos e árvore se inter- relacionam visualmente por intermédio da vegetação rasteira que as conecta.
  • 24. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 zoneamento dos espaços: O conjunto de plantas rasteiras e cerca é utilizado como elemento de conexão visual entre a moita de arbustos e a árvore. Arbustos e árvore não estão visualmente relacionados. As plantas rasteiras e a cerca estabelecem uma conexão.
  • 25. O que é o Plano Conceitual Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 1 zoneamento dos espaços: Elementos de referência visual e paisagísticaElementos de transição entreespaços utilitáriosÁreas para receber a vegetaçãoque vai compor o cenário 1 2 3 No Plano Conceitual deve-se estabelecer a estrutura geral das árvores, moitas, forrações, áreas ensolaradas e áreas sombreadas. Num segundo momento, podem ser diferenciados os tipos de árvores, e dar mais definição aos tipos de moitas e forrações.
  • 26. Como elaborar? Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 2 Equivale ao estudo de manchas no início do processo de projeto. Os desenhos conceituais são representados por bolhas, setase rabiscosusados para explorar as relações funcionais: •locais de atividades; •padrões de circulação. Obs.: Nenhuma tentativa é feita para transmitir formas exatas de texturas, materiais ou formatos. O plano conceitual é utilizado para obter respostas na fase inicial do projeto. Sim! Não!
  • 27. Como elaborar? Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 2 O paisagista deve explorar variadas relações funcionais entre os espaços.
  • 28. Como elaborar? Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 2 Um diagrama que tem todos os espaços desenhados em forma de círculo, é como uma casa em que todos os cômodos são de forma quadrada...
  • 29. Como elaborar? Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 2 •Espaços destinados a funções e atividades específicas: pode ser um espaço aberto conformado para uma atividade específica, etc. •Relações entre espaços e funções: esses espaços devem estar diretamente conectados? Ou devem estar separados por uma barreira? Ou ainda devem ser mantidos distantes um do outro? •Fluxos: de veículos, de pedestres, pontos de acesso, movimentos em geral. •Direções: visuais, direção do vento, direção do sol (da manhã e da tarde), etc. o que mostrar?
  • 30. Como elaborar? Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 2 •Limites e barreiras: barreiras vegetais, rios, muros, limitações aos visuais, etc. •Pontos focais: pontos que definem áreas de interesse especial, seja por sua forma ou pelo valor simbólico ou ainda pela posição especial que ocupa dentro da estrutura, tais como obeliscos, chafarizes, árvores especiais, etc. o que mostrar?
  • 31. Como elaborar? Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 2 A utilização de símbolos serve para a elaboração do plano conceitual e ajuda a organizar o desenho. Normalmente os símbolos indicam: •localização aproximada de edifícios ou construções •atividades e zonas de uso •circulação de pedestres e automóveis •barreiras e pontos de interesse ou de conflito A uniformizaçãodo uso de símbolos facilita a leitura e a compreensão do plano. utilização de símbolos:
  • 32. Como elaborar? Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 2 utilização de símbolos: Circulação de automóvel Circulação de pedestres Os pontos de acesso, saídas, entradas Orientação Direção do vento Movimento da água ou Circulação de qualquer tipo
  • 33. Como elaborar? Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 2 utilização de símbolos: Representação gráfica para caminhos secundários. Representação gráfica para caminhos principais. Representação gráfica para caminhos com escadas.
  • 34. Como elaborar? Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 2 Diferentes estudos de circulação para um mesmo espaço. Circulação cortando o espaço ao meio. Circulação passando por uma lateral. Circulação em diagonal. Circulação permeando-se no espaço.
  • 35. Como elaborar? Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 2 utilização de símbolos: Barreiras Telas Paredes Corredores de ruídos Ecológicos e paisagísticos, tais como bordas falésias, aterros, bordas da floresta, etc
  • 36. Como elaborar? Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 2 utilização de símbolos: Áreas de atividades, zonas de uso, espaços funcionais, Wildflowers(jardim selvagem), gramíneas. Estrutura sombra (lugar abrigado do sol) Jardim de rocha, pedra, rochoso. Edifícios e estruturas.
  • 37. Como elaborar? Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 2 utilização de símbolos: •as áreas focais; •pontos de interesse; •zonas de conflito; •nós de circulação.
  • 38. Exemplos Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 3
  • 39. Exemplos Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 3
  • 40. Exemplos Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 3
  • 41. Exemplos Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 3
  • 42. Exemplos Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 3
  • 43. Exemplos Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 3 zoneamento espacial
  • 44. Composições Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 4 À direita: A partir de um diagrama funcional foram geradas seis diferentes formas de composição paisagística. Acima: Diferentes temas visuais que podem ser criadas durante a composição paisagística.
  • 45. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL 4 Um tema visual constante deve ser usado para estabelecer ordem. Um tema visual constanteproporciona ordem visual. Um tema visual inconstantedivide a composição em áreas não relacionadas. Composições
  • 46. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL As linhas devem cruzar o centro da circunferência a 90o. Ligaçãofraca entre os elementos e a circunferência. Ligação forte entre os elementos e a circunferência. As linhas compositivas devem se relacionar com o círculo a partir do seu centro, para gerar uma composição visualmente forte. Inter-relacionamento fraco. Inter-relacionamento forte. Composições 4
  • 47. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL Os temas ondulados e curvos não são adequados para espaços longilíneos e/ou estreitos. Composições 4 Os temas retangularese quadrados sãoadequados para espaços longilíneos e/ou estreitos.
  • 48. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL A forma circular, quando usada como espaço dominante, permite fazer inúmeras composições paisagísticas. Composições 4
  • 49. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL Também é possível criar várias composições a partir da forma do quadrado. Composições 4
  • 50. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL Se considerarmos o quadrado como uma unidade modular, pode-se criar uma grade que serve de base para a composição paisagística. Composições 4
  • 51. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL Sobreposição de formas são um importante recurso que permite estabelecer composições visuais atrativas. É importante criaralinhamentos, entre os diferentes elementos, não apenas para manter ordem e coesão, mas também porque quando as formas estão relacionadas entre si, elas proporcionam força compositiva. Composições 4
  • 52. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL Os ângulos agudos(acuteangle) devem ser evitados. Composições 4
  • 53. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL Ângulos agudos nos pavimentos geram áreas que muito facilmente criam rachaduras e quebram. Ângulos agudos nos espaços externos resultam em áreas desperdiçadas e inutilizáveis. Ângulos agudos nos canteiros formam áreas pequenas demais para receber plantio. Composições 4
  • 54. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL Exemplos de composições onde as formas individuais se confundem umas nas outras. Conjuntos fracos. Exemplos de composições onde as formas individuais se identificam com clareza e podem ser lidas. Conjuntos fortes. Composições 4
  • 55. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL Numa composição de formas deve haver sempre uma que é dominante. Todo o conjunto é uma forma nova. O círculo é dominante. O quadrado é dominante. Todo o conjunto é uma forma nova. O círculo é dominante. O retângulo é dominante. Composições 4
  • 56. A localização e os arranjos das plantas devem estar relacionadas com a forma de composição com a qual se trabalhou. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL Composições 4
  • 57. A localização e os arranjos das plantas devem estar relacionadas com a forma de composição com a qual se trabalhou. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL Composições 4
  • 58. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL Uma composição com o desenho em diagonalpode estabelecer um forte ângulo de orientação da vista, em direção a uma paisagem desejável. Composições 4 ângulos de visão:
  • 59. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL Uma composição em diagonalajuda a ampliar visualmente um lugar que não é muito espaçoso. A diagonal enfatiza a maior dimensão possível. Composições 4 ângulos de visão:
  • 60. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL ângulos de visão: Suaves aterros que criam elevações no jardim podem ser utilizados para proporcionar maior privaci- dadeao espaço, e também para direcionar o ângulo de visão. O espelho de água com a fonte é o ponto focal da composição. Composições 4
  • 61. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL ângulos de visão: A escolha das espécies deve seguir uma composição em três níveis de visão. Composições 4 meio fundo frente
  • 62. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL ângulos de visão: Trabalhar com os três níveis de visão ou não irá variar de acordo com os diferentes efeitos espaciasdesejados. Composições 4 Sem plantas rasteiras na frente: o espaço aparenta ser mais confinado. Sem plantas arbustivas no meio: o espaço aparenta ser mais amplo.
  • 63. Aula 04 Prof. Lila Donato PLANO CONCEITUAL Composição fraca de uma habitação ortogonal com um tema paisagístico em diagonal. Composições 4 Boa composição de uma habitação ortogonal com um tema paisagístico orgânico. Os temas dos jardins frontal e traseiro podem ser diferentes.
  • 64. Bibliografia ABBUD, Benedito. Criando paisagens. São Paulo: Senac, 2006. REID FASLA, Grant W. LandscapeGraphics. New York: Watson Guptill, 2002. BOOTH, Norman K. Residentiallandscapearchitecture: design processfor theprivateresidence. 6thed. Ohio: Pearson, 2012.