SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
TÉCNICAS E COMPOSTOS PARA
PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO
DO ARTEFATO EM BORRACHA
MOLDAGEM POR COMPRESSÃO,
TRANSFERÊNCIA E INJEÇÃO
GARBIM
1
Conformação dos Artefatos de
Borracha ( imagem capturada da Internet )
Conformação dos Artefatos de
Borracha
 Principais Métodos:-
 - Conformação por Moldagem de Compressão;
 - Conformação por Transferência;
 - Conformação por Injeção;
 - Conformação por Extrusão;
 - Conformação por Calandragem;
 - Especiais.
Conformação dos Artefatos de
Borracha
 Principais Considerações:-
 1 – Escolha do Método de Conformação;
 2 - Projeto do Composto;
 3 - Escolha da Máquina;
 4 - Determinação do Molde,
 5 - Determinação do Pré – Formado;
6 - Maneiras e Métodos de Acabamento;
 7 - Outros Requisitos Específicos.
Conformação dos Artefatos de
Borracha
 Escolha do Método de Conformação:-
 Peças tamanho médio a grande e de pouca quantidade de produção, melhor
escolher moldagem por Compressão Direta;
 Peças contendo insertos, ( metálicos ou outros ), melhor usar moldagem por
Transferência;
 Peças de tamanhos pequenos e com altas quantidades de produção, melhor
escolher moldagem por Injeção;
 Perfis contínuos e de secção transversal regular, melhor escolher moldagem
por Extrusão;
 Peças planas de secção transversal regular, ( tipo lençóis ), melhor escolher
moldagem por Calandragem.
Conformação dos Artefatos de
Borracha
 Projeto do Composto – “Conformação por Compressão”:
 - Melhor escolher polímero de Viscosidade Money mais elevada e distribuição de peso
molecular de médio a largo;
 - Melhor que o composto tenha Viscosidade Money mais elevada;
 - Todos os ingredientes devem estar perfeitamente dispersos no composto;
 - Baixos teores de Plastificantes são mais recomendáveis;
 - Auxiliares de processo que facilitam a desmoldagem é recomendável;
 - Peças de pequenos volumes, velocidade de vulcanização média a rápida;
 - Peças de grandes volumes melhor, velocidade de vulcanização lenta.
Conformação dos Artefatos de
Borracha
 Projeto do Composto – “Conformação por Transferência”:
 - Melhor escolher polímero de baixa Viscosidade Money e distribuição de peso molecular de médio;
 - Melhor que o composto tenha Viscosidade Money mais baixa;
 - Composto deve apresentar excelente segurança de processamento;
 - Todos os ingredientes devem estar perfeitamente dispersos no composto;
 - Médios teores de Plastificantes são mais recomendáveis;
 - Compostos, ( mais polares ), com aditivos que facilitem a adesão a substratos;
 - Auxiliares de processo que facilitam o processo de transferência e desmoldagem ;
 - Baixa a média velocidade de vulcanização;
 - Peças grandes melhor pré-aquecer os substratos metálicos antes de incerí-los no molde, melhor
que a velocidade de vulcanização seja lenta e em temperaturas moderadas.
Conformação dos Artefatos de
Borracha
 Projeto do Composto – Conformação por Injeção:
 - Melhor escolher polímero de baixa Viscosidade Money e com estreita
distribuição de peso molecular de médio;
 - Melhor que o composto tenha Viscosidade Money mais baixa;
 - Composto deve apresentar excelente segurança de processamento;
 - Todos os ingredientes devem estar perfeitamente dispersos no composto;
 - Médios a mais elevados teores de Plastificantes são mais recomendáveis;
 - Compostos contendo aditivos que facilitem a fluidez no interior do molde;
 - Auxiliares de processo que facilitam a desmoldagem ;
 - Velocidade de vulcanização rápida, porém, de partida retardada;
Conformação por Compressão
 Prensa para Moldagem:-
 - Escolher prensa com tamanho de platôs e vãos adequados;
 - Pressão de prensagem no artefato esteja entre 30 a 40 Kg/cm²;
 - A moldagem deverá ser lenta e constante;
 - Importante promover a desairação e degasagem;
 - Seguir rigorosamente o tempo e temperatura para vulcanização;
 - Abertura do molde deverá ser lenta;
 - Máquina deverá oferecer dimensões ergométricas adequada.
Conformação por Compressão
( Imagem capturada da Internet )
Conformação por Compressão
 Determinação do Molde:-
 - Verificar nº- de Cavidades necessárias e produtivas;
 - Observar linhas de corte de rebarbas adequadas;
 - Observar fixação, fechamento e abertura do molde;
 - Observar aplicação de desmoldantes adequados;
 - Maneira de alimentação do pré-formado no molde;
 - Observar métodos de abertura e extração da peça, seguros;
 - Cuidados especiais.
Conformação por Compressão
Conformação por Compressão
( Imagem capturada da Internet )
Conformação por Compressão
 Determinação do Pré Formado;
 Importante alimentar o molde com batoques pré-formados em tamanhos
aproximados aos da peça que será moldada por compressão;
 Considerar o volume do pré-formado em aproximadamente 8% a 10% maior
que o da peça que será conformada;
 Alimentar o batoque do pré-formado alojando-o adequadamente na cavidade
do molde de conformação.
Moldagem por Transferência
 Determinação do Molde;
 Molde adequadamente projetado com câmara econômica;
 Velocidade de fluxo inferior a 500mm/minuto.
 Fácil fixação do molde e colocação dos insertos em suas cavidades;
 Furos dos pontos de transferência com diâmetro máximo de 1,2 mm;
 Quantidades de furos que ofereçam transferência rápida e segura;
 Abertura do molde e placas intermediárias com mola, é preferível;
 Fácil desmoldagem e retirada dos excessos na câmara de transferência;
Conformação dos Artefatos de
Borracha
Moldagem por Injeção
 Determinação do Molde;
 Molde adequadamente projetado com canais curtos e polidos;
 Velocidade de fluxo nos canais de 500 a 800 mm/minuto.
 Fácil fixação na máquina e com colunas guias adequadas;
 Pontos de injeção por furos ou fendas tangenciais à linha de fechamento;
 Quantidades de pontos de injeção que ofereçam fluxo rápido e seguro;
 Abertura do molde e de forma rápida e de fácil extração das peças;
 Fácil desmoldagem e reinicio do ciclo.
Moldagem por Injeção
( Imagem capturada da Internet )
Conformação dos Artefatos de
Borracha
Acabamento dos Artefatos de
Borracha
 Maneiras e Métodos de Acabamento:
 Um molde adequadamente projetado, com linhas de corte otimizadas permite a
extração e destacamento da rebarba logo após a desmoldagem da peça, (ainda
quente), sem necessidade de tratamentos posteriores;
 Um perfeito fechamento do molde com paralelismo adequado das faces entre molde e
sua tampa promove mínimas formações de rebarba;
 Se necessário acabamento específicos poderão ser usados instrumentos como, tesouras,
estiletes, vazadores, facas especiais, etc...
 Emprego de rebarbação criogênica ou tamboreamento;
 Peças moldadas por injeção, normalmente não requer acabamentos posteriores.
Acabamento dos Artefatos de
Borracha
 Outros Requisitos Especiais;
 Pinturas típicas;
 Aplicação de camadas lubrificantes;
 Aplicação de líquidos protetores;
 Acondicionamento em embalagens especiais;
 Armazenamento das peças prontas longe de fontes de calor, luz, ou em
contato com superfícies que poderão danificar ou deformar as peças;
 Outras...
OBRIGADO
FIQUEM COM DEUS
Mais Informações :- www.slideshare.net/borrachas/documents 22
Encerramento
 Obrigado a todos Muito Sucesso.
 Fiquem com DEUS
 V.J.Garbim:. Maio 2019

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1Borrachas
 
Elastomeros alta performance
Elastomeros alta performanceElastomeros alta performance
Elastomeros alta performanceBorrachas
 
11 mistura em banbury
11   mistura em banbury11   mistura em banbury
11 mistura em banburyBorrachas
 
07 normas astm d 2000
07   normas astm d 200007   normas astm d 2000
07 normas astm d 2000Borrachas
 
Adesão aplicada indústria da borracha
Adesão aplicada indústria da borrachaAdesão aplicada indústria da borracha
Adesão aplicada indústria da borrachaBorrachas
 
Tabelas de ingredientes diversos para compostos de borracha
Tabelas de ingredientes diversos para compostos de borrachaTabelas de ingredientes diversos para compostos de borracha
Tabelas de ingredientes diversos para compostos de borrachaBorrachas
 
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)Gabriela Begalli
 
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachasTabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachasBorrachas
 
08 escolha da borracha
08   escolha da borracha08   escolha da borracha
08 escolha da borrachaBorrachas
 
Borrachas fluorcarbônicas
Borrachas fluorcarbônicasBorrachas fluorcarbônicas
Borrachas fluorcarbônicasBorrachas
 
Aceleradores para a indústria da borracha
Aceleradores para a indústria da borrachaAceleradores para a indústria da borracha
Aceleradores para a indústria da borrachaBorrachas
 
Catalogo borrachas
Catalogo borrachasCatalogo borrachas
Catalogo borrachasDiogo Zeni
 
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 2
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 2Auxiliares no processamento da borracha - Parte 2
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 2Borrachas
 
Catalogo parafusos allen tellep
Catalogo parafusos allen tellepCatalogo parafusos allen tellep
Catalogo parafusos allen tellepRodrigo Pacheco
 
Molas coxins
Molas coxinsMolas coxins
Molas coxinsBorrachas
 
Calculo de conicidade (1)
Calculo de conicidade (1)Calculo de conicidade (1)
Calculo de conicidade (1)Solange Ferrari
 

Mais procurados (20)

Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
 
Elastomeros alta performance
Elastomeros alta performanceElastomeros alta performance
Elastomeros alta performance
 
11 mistura em banbury
11   mistura em banbury11   mistura em banbury
11 mistura em banbury
 
07 normas astm d 2000
07   normas astm d 200007   normas astm d 2000
07 normas astm d 2000
 
Adesão aplicada indústria da borracha
Adesão aplicada indústria da borrachaAdesão aplicada indústria da borracha
Adesão aplicada indústria da borracha
 
Performance
PerformancePerformance
Performance
 
Neoprene
NeopreneNeoprene
Neoprene
 
Tabelas de ingredientes diversos para compostos de borracha
Tabelas de ingredientes diversos para compostos de borrachaTabelas de ingredientes diversos para compostos de borracha
Tabelas de ingredientes diversos para compostos de borracha
 
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
 
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachasTabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
 
08 escolha da borracha
08   escolha da borracha08   escolha da borracha
08 escolha da borracha
 
Borrachas fluorcarbônicas
Borrachas fluorcarbônicasBorrachas fluorcarbônicas
Borrachas fluorcarbônicas
 
Aceleradores para a indústria da borracha
Aceleradores para a indústria da borrachaAceleradores para a indústria da borracha
Aceleradores para a indústria da borracha
 
Catalogo borrachas
Catalogo borrachasCatalogo borrachas
Catalogo borrachas
 
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 2
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 2Auxiliares no processamento da borracha - Parte 2
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 2
 
Fundicao
FundicaoFundicao
Fundicao
 
Catalogo parafusos allen tellep
Catalogo parafusos allen tellepCatalogo parafusos allen tellep
Catalogo parafusos allen tellep
 
Blooming
BloomingBlooming
Blooming
 
Molas coxins
Molas coxinsMolas coxins
Molas coxins
 
Calculo de conicidade (1)
Calculo de conicidade (1)Calculo de conicidade (1)
Calculo de conicidade (1)
 

Semelhante a Moldagem de borracha

aula-4-forjamento-e-estampagem.pdf
aula-4-forjamento-e-estampagem.pdfaula-4-forjamento-e-estampagem.pdf
aula-4-forjamento-e-estampagem.pdfComprasVariedades
 
Tecnologia de Mecânica III Aula04.pdf
Tecnologia de Mecânica III    Aula04.pdfTecnologia de Mecânica III    Aula04.pdf
Tecnologia de Mecânica III Aula04.pdfmini1275e
 
C01-TEORIA GERAL DA USINAGEM-MANUFATURA.
C01-TEORIA GERAL DA USINAGEM-MANUFATURA.C01-TEORIA GERAL DA USINAGEM-MANUFATURA.
C01-TEORIA GERAL DA USINAGEM-MANUFATURA.Anselmo Fabris
 
Processos de fundição
Processos de fundiçãoProcessos de fundição
Processos de fundiçãoIsmar Garbazza
 
  Fabricação de protótipo miniatura de Tunnel Boring Machine, construção de b...
 Fabricação de protótipo miniatura de Tunnel Boring Machine, construção de b... Fabricação de protótipo miniatura de Tunnel Boring Machine, construção de b...
  Fabricação de protótipo miniatura de Tunnel Boring Machine, construção de b...Cesar Pinheiro
 
Aula 21 - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdf
Aula 21  - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdfAula 21  - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdf
Aula 21 - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdfandrielledomingos08
 
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa ligaOrigem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa ligaJorge Madias
 
Conforma o de polimeros
Conforma  o de polimerosConforma  o de polimeros
Conforma o de polimerosandreiafaion
 
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...Fernando Gindri
 
Processos de fabrico trabalho marina e rafael
Processos de fabrico trabalho marina e rafaelProcessos de fabrico trabalho marina e rafael
Processos de fabrico trabalho marina e rafaelAna Loreto
 

Semelhante a Moldagem de borracha (20)

aula-4-forjamento-e-estampagem.pdf
aula-4-forjamento-e-estampagem.pdfaula-4-forjamento-e-estampagem.pdf
aula-4-forjamento-e-estampagem.pdf
 
Tecnologia de Mecânica III Aula04.pdf
Tecnologia de Mecânica III    Aula04.pdfTecnologia de Mecânica III    Aula04.pdf
Tecnologia de Mecânica III Aula04.pdf
 
Processos para filmes tubulares 2
Processos para filmes tubulares 2Processos para filmes tubulares 2
Processos para filmes tubulares 2
 
3a lista
3a lista3a lista
3a lista
 
C01-TEORIA GERAL DA USINAGEM-MANUFATURA.
C01-TEORIA GERAL DA USINAGEM-MANUFATURA.C01-TEORIA GERAL DA USINAGEM-MANUFATURA.
C01-TEORIA GERAL DA USINAGEM-MANUFATURA.
 
Artigo sobre smt
Artigo sobre smtArtigo sobre smt
Artigo sobre smt
 
Turbinas pelton
Turbinas peltonTurbinas pelton
Turbinas pelton
 
Ensaio metal
Ensaio metalEnsaio metal
Ensaio metal
 
Processos de fundição
Processos de fundiçãoProcessos de fundição
Processos de fundição
 
  Fabricação de protótipo miniatura de Tunnel Boring Machine, construção de b...
 Fabricação de protótipo miniatura de Tunnel Boring Machine, construção de b... Fabricação de protótipo miniatura de Tunnel Boring Machine, construção de b...
  Fabricação de protótipo miniatura de Tunnel Boring Machine, construção de b...
 
Aula 21 - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdf
Aula 21  - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdfAula 21  - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdf
Aula 21 - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdf
 
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa ligaOrigem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
 
Extrusão
ExtrusãoExtrusão
Extrusão
 
Conforma o de polimeros
Conforma  o de polimerosConforma  o de polimeros
Conforma o de polimeros
 
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
 
Fundição
FundiçãoFundição
Fundição
 
Laminacao 3D3A
Laminacao  3D3ALaminacao  3D3A
Laminacao 3D3A
 
Caracteristicas do Processo de Fundição
Caracteristicas do Processo de FundiçãoCaracteristicas do Processo de Fundição
Caracteristicas do Processo de Fundição
 
2a lista 2014
2a lista 20142a lista 2014
2a lista 2014
 
Processos de fabrico trabalho marina e rafael
Processos de fabrico trabalho marina e rafaelProcessos de fabrico trabalho marina e rafael
Processos de fabrico trabalho marina e rafael
 

Mais de Borrachas

tratamento de cargas inorgânicas
tratamento de cargas inorgânicastratamento de cargas inorgânicas
tratamento de cargas inorgânicasBorrachas
 
09 iniciador para poliolefinas
09   iniciador para poliolefinas09   iniciador para poliolefinas
09 iniciador para poliolefinasBorrachas
 
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”Borrachas
 
Modificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
Modificação de Polipropileno com Peróxidos OrgânicosModificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
Modificação de Polipropileno com Peróxidos OrgânicosBorrachas
 
XLPE em condutores elétricos
XLPE em condutores elétricosXLPE em condutores elétricos
XLPE em condutores elétricosBorrachas
 
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICASCOMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICASBorrachas
 
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamacElastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamacBorrachas
 
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachasTabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachasBorrachas
 
Reciclagem da borracha
Reciclagem da borrachaReciclagem da borracha
Reciclagem da borrachaBorrachas
 
Molas e coxins - Elastômeros mais usados
Molas e coxins - Elastômeros mais usadosMolas e coxins - Elastômeros mais usados
Molas e coxins - Elastômeros mais usadosBorrachas
 
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento EstáticoMolas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento EstáticoBorrachas
 
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmicoMolas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmicoBorrachas
 
Molas coxins - Cálculos
Molas coxins - CálculosMolas coxins - Cálculos
Molas coxins - CálculosBorrachas
 
Eficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silanoEficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silanoBorrachas
 
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borrachaCustos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borrachaBorrachas
 
Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4Borrachas
 
Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3Borrachas
 
Correias transportadoras - Parte 2
Correias transportadoras - Parte 2Correias transportadoras - Parte 2
Correias transportadoras - Parte 2Borrachas
 

Mais de Borrachas (20)

Polietileno
PolietilenoPolietileno
Polietileno
 
Hidrolise
HidroliseHidrolise
Hidrolise
 
tratamento de cargas inorgânicas
tratamento de cargas inorgânicastratamento de cargas inorgânicas
tratamento de cargas inorgânicas
 
09 iniciador para poliolefinas
09   iniciador para poliolefinas09   iniciador para poliolefinas
09 iniciador para poliolefinas
 
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
 
Modificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
Modificação de Polipropileno com Peróxidos OrgânicosModificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
Modificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
 
XLPE em condutores elétricos
XLPE em condutores elétricosXLPE em condutores elétricos
XLPE em condutores elétricos
 
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICASCOMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
 
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamacElastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamac
 
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachasTabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
 
Reciclagem da borracha
Reciclagem da borrachaReciclagem da borracha
Reciclagem da borracha
 
Molas e coxins - Elastômeros mais usados
Molas e coxins - Elastômeros mais usadosMolas e coxins - Elastômeros mais usados
Molas e coxins - Elastômeros mais usados
 
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento EstáticoMolas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento Estático
 
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmicoMolas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
 
Molas coxins - Cálculos
Molas coxins - CálculosMolas coxins - Cálculos
Molas coxins - Cálculos
 
Eficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silanoEficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silano
 
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borrachaCustos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
 
Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4
 
Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3
 
Correias transportadoras - Parte 2
Correias transportadoras - Parte 2Correias transportadoras - Parte 2
Correias transportadoras - Parte 2
 

Moldagem de borracha

  • 1. TÉCNICAS E COMPOSTOS PARA PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO DO ARTEFATO EM BORRACHA MOLDAGEM POR COMPRESSÃO, TRANSFERÊNCIA E INJEÇÃO GARBIM 1
  • 2. Conformação dos Artefatos de Borracha ( imagem capturada da Internet )
  • 3. Conformação dos Artefatos de Borracha  Principais Métodos:-  - Conformação por Moldagem de Compressão;  - Conformação por Transferência;  - Conformação por Injeção;  - Conformação por Extrusão;  - Conformação por Calandragem;  - Especiais.
  • 4. Conformação dos Artefatos de Borracha  Principais Considerações:-  1 – Escolha do Método de Conformação;  2 - Projeto do Composto;  3 - Escolha da Máquina;  4 - Determinação do Molde,  5 - Determinação do Pré – Formado; 6 - Maneiras e Métodos de Acabamento;  7 - Outros Requisitos Específicos.
  • 5. Conformação dos Artefatos de Borracha  Escolha do Método de Conformação:-  Peças tamanho médio a grande e de pouca quantidade de produção, melhor escolher moldagem por Compressão Direta;  Peças contendo insertos, ( metálicos ou outros ), melhor usar moldagem por Transferência;  Peças de tamanhos pequenos e com altas quantidades de produção, melhor escolher moldagem por Injeção;  Perfis contínuos e de secção transversal regular, melhor escolher moldagem por Extrusão;  Peças planas de secção transversal regular, ( tipo lençóis ), melhor escolher moldagem por Calandragem.
  • 6. Conformação dos Artefatos de Borracha  Projeto do Composto – “Conformação por Compressão”:  - Melhor escolher polímero de Viscosidade Money mais elevada e distribuição de peso molecular de médio a largo;  - Melhor que o composto tenha Viscosidade Money mais elevada;  - Todos os ingredientes devem estar perfeitamente dispersos no composto;  - Baixos teores de Plastificantes são mais recomendáveis;  - Auxiliares de processo que facilitam a desmoldagem é recomendável;  - Peças de pequenos volumes, velocidade de vulcanização média a rápida;  - Peças de grandes volumes melhor, velocidade de vulcanização lenta.
  • 7. Conformação dos Artefatos de Borracha  Projeto do Composto – “Conformação por Transferência”:  - Melhor escolher polímero de baixa Viscosidade Money e distribuição de peso molecular de médio;  - Melhor que o composto tenha Viscosidade Money mais baixa;  - Composto deve apresentar excelente segurança de processamento;  - Todos os ingredientes devem estar perfeitamente dispersos no composto;  - Médios teores de Plastificantes são mais recomendáveis;  - Compostos, ( mais polares ), com aditivos que facilitem a adesão a substratos;  - Auxiliares de processo que facilitam o processo de transferência e desmoldagem ;  - Baixa a média velocidade de vulcanização;  - Peças grandes melhor pré-aquecer os substratos metálicos antes de incerí-los no molde, melhor que a velocidade de vulcanização seja lenta e em temperaturas moderadas.
  • 8. Conformação dos Artefatos de Borracha  Projeto do Composto – Conformação por Injeção:  - Melhor escolher polímero de baixa Viscosidade Money e com estreita distribuição de peso molecular de médio;  - Melhor que o composto tenha Viscosidade Money mais baixa;  - Composto deve apresentar excelente segurança de processamento;  - Todos os ingredientes devem estar perfeitamente dispersos no composto;  - Médios a mais elevados teores de Plastificantes são mais recomendáveis;  - Compostos contendo aditivos que facilitem a fluidez no interior do molde;  - Auxiliares de processo que facilitam a desmoldagem ;  - Velocidade de vulcanização rápida, porém, de partida retardada;
  • 9. Conformação por Compressão  Prensa para Moldagem:-  - Escolher prensa com tamanho de platôs e vãos adequados;  - Pressão de prensagem no artefato esteja entre 30 a 40 Kg/cm²;  - A moldagem deverá ser lenta e constante;  - Importante promover a desairação e degasagem;  - Seguir rigorosamente o tempo e temperatura para vulcanização;  - Abertura do molde deverá ser lenta;  - Máquina deverá oferecer dimensões ergométricas adequada.
  • 10. Conformação por Compressão ( Imagem capturada da Internet )
  • 11. Conformação por Compressão  Determinação do Molde:-  - Verificar nº- de Cavidades necessárias e produtivas;  - Observar linhas de corte de rebarbas adequadas;  - Observar fixação, fechamento e abertura do molde;  - Observar aplicação de desmoldantes adequados;  - Maneira de alimentação do pré-formado no molde;  - Observar métodos de abertura e extração da peça, seguros;  - Cuidados especiais.
  • 13. Conformação por Compressão ( Imagem capturada da Internet )
  • 14. Conformação por Compressão  Determinação do Pré Formado;  Importante alimentar o molde com batoques pré-formados em tamanhos aproximados aos da peça que será moldada por compressão;  Considerar o volume do pré-formado em aproximadamente 8% a 10% maior que o da peça que será conformada;  Alimentar o batoque do pré-formado alojando-o adequadamente na cavidade do molde de conformação.
  • 15. Moldagem por Transferência  Determinação do Molde;  Molde adequadamente projetado com câmara econômica;  Velocidade de fluxo inferior a 500mm/minuto.  Fácil fixação do molde e colocação dos insertos em suas cavidades;  Furos dos pontos de transferência com diâmetro máximo de 1,2 mm;  Quantidades de furos que ofereçam transferência rápida e segura;  Abertura do molde e placas intermediárias com mola, é preferível;  Fácil desmoldagem e retirada dos excessos na câmara de transferência;
  • 17. Moldagem por Injeção  Determinação do Molde;  Molde adequadamente projetado com canais curtos e polidos;  Velocidade de fluxo nos canais de 500 a 800 mm/minuto.  Fácil fixação na máquina e com colunas guias adequadas;  Pontos de injeção por furos ou fendas tangenciais à linha de fechamento;  Quantidades de pontos de injeção que ofereçam fluxo rápido e seguro;  Abertura do molde e de forma rápida e de fácil extração das peças;  Fácil desmoldagem e reinicio do ciclo.
  • 18. Moldagem por Injeção ( Imagem capturada da Internet )
  • 20. Acabamento dos Artefatos de Borracha  Maneiras e Métodos de Acabamento:  Um molde adequadamente projetado, com linhas de corte otimizadas permite a extração e destacamento da rebarba logo após a desmoldagem da peça, (ainda quente), sem necessidade de tratamentos posteriores;  Um perfeito fechamento do molde com paralelismo adequado das faces entre molde e sua tampa promove mínimas formações de rebarba;  Se necessário acabamento específicos poderão ser usados instrumentos como, tesouras, estiletes, vazadores, facas especiais, etc...  Emprego de rebarbação criogênica ou tamboreamento;  Peças moldadas por injeção, normalmente não requer acabamentos posteriores.
  • 21. Acabamento dos Artefatos de Borracha  Outros Requisitos Especiais;  Pinturas típicas;  Aplicação de camadas lubrificantes;  Aplicação de líquidos protetores;  Acondicionamento em embalagens especiais;  Armazenamento das peças prontas longe de fontes de calor, luz, ou em contato com superfícies que poderão danificar ou deformar as peças;  Outras...
  • 22. OBRIGADO FIQUEM COM DEUS Mais Informações :- www.slideshare.net/borrachas/documents 22
  • 23. Encerramento  Obrigado a todos Muito Sucesso.  Fiquem com DEUS  V.J.Garbim:. Maio 2019