SlideShare uma empresa Scribd logo
DIAGRAMA
DE FASES
FERRO – CARBONO
DIAGRAMA DE FASES
 Fases – porção da matéria que se diferencia de outra
em termos de estrutura ou composição, é fisicamente
homogênea e perfeitamente distinguível.
 Diagramas de fases,
representações gráficas
das fases presentes em
um sistema em função
da temperatura, pressão
e composição.
DIAGRAMA DE FASES
SISTEMA FERRO-CARBONO
 Sistema de liga binário mais importante, sendo os materiais mais
utilizados pelo homem.
 O diagrama de equilíbrio Fe-C permite uma melhor compreensão
desses materiais e dos tratamentos térmicos a que são submetidos
normalmente.
 Os diagramas de equilíbrio mostram as estruturas que se formam sob
condições de resfriamento LENTO.
 Os diagramas de fases não indicam o tempo necessário para que uma
transformação ocorra
 As taxas de resfriamento encontradas na prática provocam o
SURGIMENTO DE ESTRUTURAS ADICIONAIS, não previstas nestes
diagramas.
DIAGRAMA FERRO - CARBONO (FexC)
O DIAGRAMA DE EQUILÍBRIO FERRO-CARBONO
 Representa ligas com teor de carbono de até 6,7%p.
 FASES SÓLIDAS PRESENTES:
 FERRITA: solução de carbono em FERRO- (CCC). Apresenta
solubilidade de 0,008%p de C a temperatura ambiente e de no máximo ,
0,02%p a 727 ºC, é estável até 912 ºC
 AUSTENITA: solução de carbono em FERRO-γ (CFC). Consegue
dissolver um teor de C muito mais alto do que a ferrita (até 2,11%p a
1148 ºC). Não-magnético.
 CEMENTITA: (Fe3C) composto intermediário, o CARBETO DE FERRO,
é representado por uma linha vertical passando pela composição de
6,7%p C. É muito DURO e FRÁGIL.
 FERRO-δ: solução de carbono em ferro com estrutura CCC, existente a
altas temperaturas.
 PERLITA: Consiste na mistura mecânica da das fases ferrítica
(88,5%) e cementita (11,5%) em peso, apresenta fases
intermediárias entre a ferrita e cementita.
DIAGRAMA FERRO - CARBONO (FexC)
As ligas ferrosas são, em princípio, divididas em três grupos:
1 FERRO COMERCIALMENTE PURO: %C < 0,008%p.
2 AÇOS, com teores de carbono até 2,11%;
3 FERRO FUNDIDO; com teores de carbono acima de 2,11%
e raramente superiores a 4,3%.
Considerando, entretanto, os elementos de liga que podem estar
presentes e as estruturas que caracterizam alguns tipos desses materiais.
Os aços compreende:
2.1 Aço-carbono: liga de ferro-carbono contendo geralmente de 0,008%
até cerca de 2,11% de carbono, além de certos elementos residuais,
resultantes dos processos de fabricação (Mn, Si, P e S);
22 Aço-liga: aço carbono que contém outros elementos de liga ou
apresentam os elementos residuais em teores acima do que são
considerados normais:
LIGAS FERROSAS
3.1 Ferro fundido cinzento: liga ferro-carbono-silício, com teores de
carbono acima de 2,11% e silício em teores de 1,2 a 3,0%; a quantidade
elevada de silício promovem a formação parcial de carbono livre, na
forma de lamelas ou “veios” de grafita. Nessas condições, o ferro fundido
apresenta fraturas de coloração escuras (dando origem a sua
denominação);
3.2 Ferro fundido branco: liga ferro-carbono-silício, com teores de
carbono menor que o cinzento e que, devido ao silício em menor
quantidade e as condições de fabricação, apresenta carvão quase que
inteiramente combinado resultando uma fraturas de coloração clara
(dando origem a sua denominação);
3.3 Ferro fundido mesclado: liga ferro-carbono-silício, caracterizado
pela composição e condições de fabricação de tal ordem que resulta em
uma fratura de coloração mista entre branca e cinzenta (dando origem a
sua denominação).
LIGAS FERROSAS
3.4 Ferro fundido maleável: liga ferro-carbono-silício caracterizado por
apresentar grafita na forma de “nódulos” (em vez de “veios”), devido a um
tratamento térmico especial (maleabilização) a que se submeteu um ferro
fundido branco;
3.5 Ferro fundido nodular: liga ferro-carbono-silício caracterizado por
apresentar grafita na forma de esferoidal, resultante de um tratamento
realizado no material ainda no estado líquido (“nodulização”).
A melhor compreensão das propriedades desses matérias e dos
tratamentos térmico a que comumente são submetidos, obtém-se com o
estudo do diagrama de equilíbrio ferro-carbono.
O diagrama é chamado de “equilíbrio metaestável” por que, na
realidade, ocorrem modificações ao longo do tempo.
LIGAS FERROSAS
O DIAGRAMA DE FASES FERRO - CARBETO DE FERRO
(Fe-Fe3C)
Temperatura,ºC
Composição, %p C
1 2 3 4 5 6 6,70
1600
1400
1200
1000
800
600
400
L
Fe3C
γ + L
L + Fe3C
 + Fe3C
γ + Fe3C
γ, austenita
 + γ

δ
4,302,14
0,76
912 ºC
1394 ºC
1538 ºC
727 ºC
A
B
C
D
E
1148 ºC
F
G
SP
N
J
K
Solidus
A1
A3
Q
0,022
AÇOS
0,08 ≤ %C ≤ 2,11
FERROS FUNDIDOS
%C ≥ 2,11
Fe
O diagrama deveria ser
Fe-Fe3C e quando se diz que ele
é metaestável é porque pode
ocorrer eventualmente
decomposição da Fe3C em ferro
e carbono, este último na forma
de grafita.
O diagrama abrange a
faixa completa das ligas FeC
comerciais: “aços”, entre 0 e
2,1% de carbono e ferro fundido,
com carbono acima de 2,11%.
Diagrama Metaestável
O diagrama abrange uma faixa de teor de carbono relativamente
estreita, de 0 a 6,7% , teor este último correspondente a composição do
carboneto de ferro (Fe3C).
O diagrama mostra um “eutético” – ponto C – a 1148o C que
corresponde a um teor de carbono de 4,3%.
Diagrama Metaestável
Por outro lado, na faixa
correspondente aos aços, o
ponto S – a 0,77%C e á
temperatura de 727oC – tem
características semelhantes ao
ponto C, eutético na faixa dos
ferros fundidos. Por essa razão,
o ponto S é chamado “eutetóide”.
Em função desses dois pontos, costuma-se agrupar, teoricamente,
os aços e ferros fundidos da seguinte maneira:
Aço eutetóide com teor de carbono correspondente ao ponto eutetóide
0,77%;
Aço hipoeutetóide com teor de carbono entre 0 e 0,77%;
Diagrama Metaestável
Aço hipereutetóide - com teor de
carbono entre 0,77 e 2,11%;
Ferro fundido eutético com teor de
carbono correspondente ao ponto
eutético 4,30%;
Ferro fundido hipoeutético com teor
de carbono entre 2,11% e 4,30%;
Ferro fundido hipereutético com teor
de carbono acima de 4,30%.
O ponto A correspondente ao ponto de fusão do ferro puro –
1538oC e o ponto D, impreciso, ao ponto de fusão do Fe3C;
Diagrama Metaestável
Na parte superior esquerda do
diagrama, numa parte estreita, ocorre
uma reação especial chamada
“peritética”, na passagem do estado
líquido para o sólido, em torno de
1495oC, que não apresenta
importância sob o ponto de vista
prático. Nesse trecho, ao solidificar, o
ferro adquire a estrutura cúbica
centrada – chamada de δ(delta),
passando pouco depois para a
estrutura cúbica de face centrada γ
(gama) que caracteriza o ferro a alta
temperatura.
A 912oC, há a passagem da forma cúbica de face centrada para cubo
de corpo centrado até a temperatura ambiente, na forma alotrópica α (alfa);
Na faixa de temperaturas em que o ferro está na forma alotrópica gama, ele
tem capacidade de dissolver o carbono presente;
Entretanto, essa solubilidade do
carbono do ferro gama não é
ilimitada; ela é máxima a 1148oC e
corresponde a um teor de carbono
no ferro gama decrescente; assim
a 727oC, a máxima quantidade de
carbono que pode ser mantido em
solução sólida no ferro gama é
0,77%, esse fato é indicado pelas
linhas JE e Acm, esta última
representando, portanto, a máxima
solubilidade do carbono ou do
Fe3C no ferro gama, nas condições
de equilíbrio;
Diagrama Metaestável
As linhas JE e ECF corresponde a linha “solidus” do diagrama ;
Diagrama Metaestável
- O carbono afeta, a temperatura
de transformação alotrópica gama-
alfa: a partir de 0% de carbono,
essa temperatura de saturação
decresce paulatinamente, até que
para 0,77% ela se situa a 727oC.
Abaixo de 727oC, não poderá
existir, sob qualquer hipótese, nas
condições de equilíbrio, ou seja em
resfriamento muito lento, ferro na
forma alotrópica gama; tal fato é
indicado pela linha PSK ou A1;
Entre teores de carbono de 0 a 0,77% ocorre não apenas o
abaixamento da temperatura de transformação alotrópica gama-alfa,
como esta transformação é paulatina, ou seja, se dá em duas etapas:
começa na linha GS ou A3 e termina na linha PS ou A1. Somente a 727oC
ela é instantânea;
Diagrama Metaestável
A solubilidade do carbono no ferro alfa não é nula; cerca de
0,008% de carbono dissolve-se a temperatura ambiente, e a 727oC, a
solubilidade aumenta para 0,02%; de 727oC para cima, decresce
novamente a solubilidade do carbono até que a 912oC torna-se nula.
Nesse instante, o ferro alfa
passa a gama, que pode
manter em solução sólida o
carbono em teores bem mais
elevados, como se viu; os
fatos acima estão indicados
pelas linhas QP e PG. Pode-
se chamar a liga Fe-C com
carbono até 0,008% no
máximo de ferro
comercialmente puro;
Diagrama Metaestável
Acima de 2,11% de carbono, na faixa dos ferros fundidos, duas
linhas predominam na fase sólida: a linha ECF “solidus” e a linha SK,
indicados por A1, abaixo do qual não pode existir ferro na forma alotrópica
gama;
A solução sólida do carbono no
ferro gama chama-se
“austenita”; portanto na zona
limitada pelas linhas JE, ES, SG
e GNJ só existe austenita; esta
zona é determinada
“austenítica”; esta austenita
(nome do metalurgico inglês
Roberts Austen) é uma
constituinte estrutural de boa
resistência mecânica e
apreciável tenacidade e não-
magnético;
Diagrama Metaestável
Na zona limitada pelas linhas SE (Acm), ECF e SK (A1) existe
simultaneamente austenita e carbono, este último na forma de Fe3C,
devido a solubilidade do carbono no ferro gama ser limitada;
O Fe3C é um carboneto
contendo 6,67% de carbono,
muito duro (na escala Mohs
ocuparia aproximadamente o
lugar do feldspato) é frágil,
esse constituinte é
denominado “cementita”.
As linhas que marcam
o início e o fim das
transformações chama-se
linhas e transformações e elas
limitam zonas chamadas zonas
críticas.
Diagrama Metaestável
O DIAGRAMA DE EQUILÍBRIO FERRO-CARBONO
Temperatura,ºC
Composição, %p C
1 2 3 4 5 6 6,70
1600
1400
1200
1000
800
600
400
C
D
E
F
S
P K
4,30
L
2,14 1148 ºCSolidus
γ + L L + Fe3C
0,7
6
A3
γ, austenita
, ferrita 0,022
727 ºCA1
Fe3C,
cementita
 + γ
γ + Fe3C
 + Fe3C
AUSTENITA
• CFC
• Não-magnética
CEMENTITA
• Frágil
• ResistenteFERRITA
• CCC
• Boa plasticidade
REAÇÃO EUTÉTICA (1148ºC)
L(4,3%p) (2,14%p) +
Fe3C(6,7%p)
%p C(Fe3C) = mC/(mC + mFe)
= 12(12 + 3 x 55,8) = 6,7
REAÇÃO EUTETÓIDE (727ºC)
(0,76%p) (0,022%p) +
Fe3C(6,7%p)
A
B
G
Q
1394 ºC
1538 ºC
912 ºC
Fe- (CCC)
Fe-γ (CFC)
Fe-δ (CCC)
Q
G
B
A
→
→
→L
(FUSÂO)
tempo
Temperatura,ºC
Transformações do Fe PURO
AÇO EUTETÓIDE
 + γ
γ
γ
γγ
γ + Fe3C
 + Fe3C

727 ºC
Fe3C

Temperatura(ºC)
1,0 2,0
400
500
600
700
800
900
1000
1100
Composição, %p C
AÇO EUTETÓIDE
(0,76%p C)
0,76
REAÇÃO
EUTETÓIDE
6,7
CFe3C = 6,7C = 0,022
PERLITA
AÇO EUTETÓIDE: PERLITA
PERLITA
Cementita
Ferrita
Desenvolvimento das microestruturas em ligas Fe-C
CC
Fe3C



C
C
C
C
C
γ
Direção do
crescimento da
perlita
Fe3C
 Mecanismo de formação da PERLITA a partir da AUSTENITA:
AÇO HIPOEUTETÓIDE
 + γ
γ
γ + Fe3C
 + Fe3C
 727 ºC
Temperatura(ºC)
1,0 2,0
400
500
600
700
800
900
1000
1100
Composição, %p C
AÇO
HIPOEUTETÓIDE
(<0,76%p C)
6,7
PERLITA = Fe3C +
-eutetóide
γγ
γ γ
γγ
γ γ
γ
γ
γ γ
γ
 pró-eutetóide
REAÇÃO
EUTETÓIDE
C0
AÇO HIPOEUTETÓIDE: PERLITA + FERRITA PRÓ-
EUTETÓIDE
Aço hipoeutetóide com 0,38 %C. Ferrita pró-eutetóide
(grãos claros) e perlita (grão lamelares)
PERLITA
FERRITA PRÓ-
EUTETÓIDE
AÇO HIPEREUTETÓIDE
 + γ
γ
γ + Fe3C
 + Fe3C
 727 ºC
Temperatura(ºC)
1,0 2,0
400
500
600
700
800
900
1000
1100
Composição, %p C
AÇO
HIPEREUTETÓIDE
(>0,76%p C)
0,76
6,7
PERLITA =  +
Fe3C-eutetóide
γγ
γ γ
REAÇÃO
EUTETÓIDE
C0
γ
γ
γ γ
γ
Fe3C pró-eutetóide
γγ
γ γ
AÇO HIPEREUTETÓIDE: PERLITA + CEMENTITA PRÓ-
EUTETÓIDE
Aço hipereutetóide com 1,4
%C. Perlita (grão lamelares)
e cementita pró-eutetóide
(rede clara nos contornos da
perlita)
Essa rede de cementita,
dura e frágil, REDUZ A
TENACIDADE material,
favorecendo a propagação
de trincas.
PERLITA
CEMENTITA
PRÓ-EUTETÓIDE
Desenvolvimento das microestruturas em ligas Fe-C
 Microconstituintes e fases formadas durante o resfriamento em CONDIÇÕES DE
EQUILÍBRIO
AÇO %p C Microconstituintes Fases
HIPOEUTETÓIDE < 0,76 FERRITA PRÓ-EUTETÓIDE +
PERLITA
FERRITA () e
CEMENTITA (Fe3C)
EUTETÓIDE = 0,76 PERLITA FERRITA () e
CEMENTITA (Fe3C)
HIPEREUTETÓIDE > 0,76 CEMENTITA PRÓ-EUTETÓIDE
+ PERLITA
FERRITA () e
CEMENTITA (Fe3C)
FIM
REAÇÕES NA FAIXA DE COMPOSIÇÃO DOS FERROS
FUNDIDOS
Fe3C, cementita
Temperatura,ºC
Composição, %p C
1 2 3 4 5 6 6,70
1600
1400
1200
1000
800
600
400
L
Fe3C
 + Fe3C
γ + Fe3C
γ + L
L + Fe3C
γ, austenita
 + γ

δ
4,302,14
0,76
0,022
912 ºC
1394 ºC
1538 ºC
727 ºC
γ + Fe3C
L + Fe3C
γ + L
L
1148 ºC 4,3 %p C
1148 ºC
resfriamento
aquecimento
L(4,30 %p C) γ(2,11 %p C) + Fe3C( 6,7 %p C)
REAÇÃO EUTÉTICA DOS FERROS FUNDIDOS (a 1148 ºC)
REAÇÕES NA FAIXA DE COMPOSIÇÃO DOS AÇOS
Fe3C, cementita
Temperatura,ºC
Composição, %p C
1 2 3 4 5 6 6,70
1600
1400
1200
1000
800
600
400
L
Fe3C
 + Fe3C
γ + Fe3C
γ + L
L + Fe3C
γ, austenita
 + γ

δ
4,302,14
0,76
0,022
912 ºC
1394 ºC
1538 ºC
727 ºC
 + Fe3C

0,76 727 ºC
γ + Fe3C
 + Fe3C
  + γ
γ
0,022
resfriamento
aquecimento
γ(0,76 %p C) (0,022 %p C) + Fe3C( 6,7 %p C)
REAÇÃO EUTETÓIDE DOS AÇOS (a 727 ºC)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tratamentos.térmicos
Tratamentos.térmicosTratamentos.térmicos
Tratamentos.térmicos
Isoflama Ind e Com Equips Ltda
 
Tecnologia dos Materiais
Tecnologia dos Materiais Tecnologia dos Materiais
Tecnologia dos Materiais
suzanoleao
 
Aula 7 ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
Aula 7   ensaios mecânicos e end - ensaio de impactoAula 7   ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
Aula 7 ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
Alex Leal
 
Aula 6 propriedades mecânicas , emgenharia
Aula 6 propriedades mecânicas  , emgenhariaAula 6 propriedades mecânicas  , emgenharia
Aula 6 propriedades mecânicas , emgenharia
Felipe Rosa
 
Aula 2 ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Aula 2   ensaios mecânicos e end - ensaio de traçãoAula 2   ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Aula 2 ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Alex Leal
 
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios ResolvidosResistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Moreira1972
 
Aula05 diagrama de fases ferro carbono
Aula05   diagrama de fases ferro carbonoAula05   diagrama de fases ferro carbono
Aula05 diagrama de fases ferro carbono
fdsm
 
Tubulações industriais
Tubulações industriais Tubulações industriais
Tubulações industriais
Claudeci Evaristo
 
Curso De Soldagem Mig Mag
Curso De Soldagem Mig MagCurso De Soldagem Mig Mag
Curso De Soldagem Mig Mag
wendelrocha
 
Diagrama de fases fe c
Diagrama de fases fe cDiagrama de fases fe c
Diagrama de fases fe c
alexpinto90
 
Diagramas De Fase
Diagramas De FaseDiagramas De Fase
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressãoAula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Alex Leal
 
Falha ou ruptura nos metais
Falha ou ruptura nos metaisFalha ou ruptura nos metais
Falha ou ruptura nos metais
edmarluis
 
Tabelas para ajustes de eixos e furos
Tabelas para ajustes de eixos e furosTabelas para ajustes de eixos e furos
Tabelas para ajustes de eixos e furos
alexcavichiolli
 
Estrutura cristalina
Estrutura cristalinaEstrutura cristalina
Estrutura cristalina
Guilherme Cuzzuol
 
Resistência dos Materiais - Torção
Resistência dos Materiais - TorçãoResistência dos Materiais - Torção
Resistência dos Materiais - Torção
Rodrigo Meireles
 
Metais propriedades mecânicas
Metais   propriedades mecânicasMetais   propriedades mecânicas
Metais propriedades mecânicas
damartini
 
TIPOS DE CORROSÃO-IFMA
TIPOS DE CORROSÃO-IFMATIPOS DE CORROSÃO-IFMA
TIPOS DE CORROSÃO-IFMA
Jhogenes Farias
 
Aula3 soldagem a arco elétrico
Aula3   soldagem a arco elétricoAula3   soldagem a arco elétrico
Aula3 soldagem a arco elétrico
João Paulo sousa
 
Grupo Discordâncias e deformação plástica
Grupo Discordâncias e deformação plásticaGrupo Discordâncias e deformação plástica
Grupo Discordâncias e deformação plástica
emc5714
 

Mais procurados (20)

Tratamentos.térmicos
Tratamentos.térmicosTratamentos.térmicos
Tratamentos.térmicos
 
Tecnologia dos Materiais
Tecnologia dos Materiais Tecnologia dos Materiais
Tecnologia dos Materiais
 
Aula 7 ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
Aula 7   ensaios mecânicos e end - ensaio de impactoAula 7   ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
Aula 7 ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
 
Aula 6 propriedades mecânicas , emgenharia
Aula 6 propriedades mecânicas  , emgenhariaAula 6 propriedades mecânicas  , emgenharia
Aula 6 propriedades mecânicas , emgenharia
 
Aula 2 ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Aula 2   ensaios mecânicos e end - ensaio de traçãoAula 2   ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Aula 2 ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
 
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios ResolvidosResistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
 
Aula05 diagrama de fases ferro carbono
Aula05   diagrama de fases ferro carbonoAula05   diagrama de fases ferro carbono
Aula05 diagrama de fases ferro carbono
 
Tubulações industriais
Tubulações industriais Tubulações industriais
Tubulações industriais
 
Curso De Soldagem Mig Mag
Curso De Soldagem Mig MagCurso De Soldagem Mig Mag
Curso De Soldagem Mig Mag
 
Diagrama de fases fe c
Diagrama de fases fe cDiagrama de fases fe c
Diagrama de fases fe c
 
Diagramas De Fase
Diagramas De FaseDiagramas De Fase
Diagramas De Fase
 
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressãoAula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
 
Falha ou ruptura nos metais
Falha ou ruptura nos metaisFalha ou ruptura nos metais
Falha ou ruptura nos metais
 
Tabelas para ajustes de eixos e furos
Tabelas para ajustes de eixos e furosTabelas para ajustes de eixos e furos
Tabelas para ajustes de eixos e furos
 
Estrutura cristalina
Estrutura cristalinaEstrutura cristalina
Estrutura cristalina
 
Resistência dos Materiais - Torção
Resistência dos Materiais - TorçãoResistência dos Materiais - Torção
Resistência dos Materiais - Torção
 
Metais propriedades mecânicas
Metais   propriedades mecânicasMetais   propriedades mecânicas
Metais propriedades mecânicas
 
TIPOS DE CORROSÃO-IFMA
TIPOS DE CORROSÃO-IFMATIPOS DE CORROSÃO-IFMA
TIPOS DE CORROSÃO-IFMA
 
Aula3 soldagem a arco elétrico
Aula3   soldagem a arco elétricoAula3   soldagem a arco elétrico
Aula3 soldagem a arco elétrico
 
Grupo Discordâncias e deformação plástica
Grupo Discordâncias e deformação plásticaGrupo Discordâncias e deformação plástica
Grupo Discordâncias e deformação plástica
 

Semelhante a 5 diagrama ferro carbono

1 apresentação tecnologia dos materiais
1  apresentação tecnologia dos materiais1  apresentação tecnologia dos materiais
1 apresentação tecnologia dos materiais
Ana Paulino
 
13 diagrama ferro carbono
13 diagrama ferro carbono13 diagrama ferro carbono
13 diagrama ferro carbono
fdsm
 
14MCM-B. mecanica dosmateriais de cinstruçãopptx
14MCM-B. mecanica dosmateriais de cinstruçãopptx14MCM-B. mecanica dosmateriais de cinstruçãopptx
14MCM-B. mecanica dosmateriais de cinstruçãopptx
WennerAssuntos
 
Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01
Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01
Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01
Iaf44
 
Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01
Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01
Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01
Marcio Martins
 
Ferro acoconceitos
Ferro acoconceitosFerro acoconceitos
Ferro acoconceitos
Robert Ximenes
 
Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13
restinho
 
Ferros Fundidos
Ferros FundidosFerros Fundidos
Ferros Fundidos
guesta4c93c
 
Ferro carbono
Ferro carbonoFerro carbono
Ferro carbono
Valdinei AmBev AmBev
 
Ferros fundidos sertemaq
Ferros fundidos sertemaqFerros fundidos sertemaq
Ferros fundidos sertemaq
Sidnei Rodrigues
 
Aula 8- Ferros Fundidos.pdf
Aula 8- Ferros Fundidos.pdfAula 8- Ferros Fundidos.pdf
Aula 8- Ferros Fundidos.pdf
HelosaVictorino
 
aula 9 tratamento termico.pptx
aula 9 tratamento termico.pptxaula 9 tratamento termico.pptx
aula 9 tratamento termico.pptx
Oswaldo Gonzales
 
Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...
Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...
Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...
Felipe Machado
 
Aços e ferros fundidos
Aços e ferros fundidosAços e ferros fundidos
Aços e ferros fundidos
Thiago de Freitas
 
Resumo fe c
Resumo fe cResumo fe c
Resumo fe c
oliveiracosmo
 
Fundição e processos siderúrgicos 2016
Fundição e processos siderúrgicos 2016Fundição e processos siderúrgicos 2016
Fundição e processos siderúrgicos 2016
Carlos Eduardo Ribeiro
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Aula 3-Diagrama Ferro Carbono.pdf
Aula 3-Diagrama Ferro Carbono.pdfAula 3-Diagrama Ferro Carbono.pdf
Aula 3-Diagrama Ferro Carbono.pdf
HernanGuimares
 
Aulas 04 a 06
Aulas 04 a  06Aulas 04 a  06
Aulas 04 a 06
MiltonQuintinoRios
 
2014.06 ih.vácuo.parte iii
2014.06 ih.vácuo.parte iii2014.06 ih.vácuo.parte iii
2014.06 ih.vácuo.parte iii
João Carmo Vendramim
 

Semelhante a 5 diagrama ferro carbono (20)

1 apresentação tecnologia dos materiais
1  apresentação tecnologia dos materiais1  apresentação tecnologia dos materiais
1 apresentação tecnologia dos materiais
 
13 diagrama ferro carbono
13 diagrama ferro carbono13 diagrama ferro carbono
13 diagrama ferro carbono
 
14MCM-B. mecanica dosmateriais de cinstruçãopptx
14MCM-B. mecanica dosmateriais de cinstruçãopptx14MCM-B. mecanica dosmateriais de cinstruçãopptx
14MCM-B. mecanica dosmateriais de cinstruçãopptx
 
Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01
Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01
Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01
 
Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01
Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01
Diagramadeferrocarbono 110711201409-phpapp01
 
Ferro acoconceitos
Ferro acoconceitosFerro acoconceitos
Ferro acoconceitos
 
Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13
 
Ferros Fundidos
Ferros FundidosFerros Fundidos
Ferros Fundidos
 
Ferro carbono
Ferro carbonoFerro carbono
Ferro carbono
 
Ferros fundidos sertemaq
Ferros fundidos sertemaqFerros fundidos sertemaq
Ferros fundidos sertemaq
 
Aula 8- Ferros Fundidos.pdf
Aula 8- Ferros Fundidos.pdfAula 8- Ferros Fundidos.pdf
Aula 8- Ferros Fundidos.pdf
 
aula 9 tratamento termico.pptx
aula 9 tratamento termico.pptxaula 9 tratamento termico.pptx
aula 9 tratamento termico.pptx
 
Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...
Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...
Ciências dos Materiais - Aula 17 - Apresentação dos Diagramas de fases (Conti...
 
Aços e ferros fundidos
Aços e ferros fundidosAços e ferros fundidos
Aços e ferros fundidos
 
Resumo fe c
Resumo fe cResumo fe c
Resumo fe c
 
Fundição e processos siderúrgicos 2016
Fundição e processos siderúrgicos 2016Fundição e processos siderúrgicos 2016
Fundição e processos siderúrgicos 2016
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Aula 3-Diagrama Ferro Carbono.pdf
Aula 3-Diagrama Ferro Carbono.pdfAula 3-Diagrama Ferro Carbono.pdf
Aula 3-Diagrama Ferro Carbono.pdf
 
Aulas 04 a 06
Aulas 04 a  06Aulas 04 a  06
Aulas 04 a 06
 
2014.06 ih.vácuo.parte iii
2014.06 ih.vácuo.parte iii2014.06 ih.vácuo.parte iii
2014.06 ih.vácuo.parte iii
 

Mais de Thulio Cesar

6ª lista de exercícios números complexos
6ª lista de exercícios   números complexos6ª lista de exercícios   números complexos
6ª lista de exercícios números complexos
Thulio Cesar
 
2 ee metrologia2012
2 ee metrologia20122 ee metrologia2012
2 ee metrologia2012
Thulio Cesar
 
2 estrutura cristalina
2 estrutura cristalina2 estrutura cristalina
2 estrutura cristalinaThulio Cesar
 
1 teste de teoria do navio ii
1  teste de teoria do navio ii1  teste de teoria do navio ii
1 teste de teoria do navio ii
Thulio Cesar
 
1 gestao da qualidade(1)
1 gestao da qualidade(1)1 gestao da qualidade(1)
1 gestao da qualidade(1)
Thulio Cesar
 
1 dinâmica
1   dinâmica1   dinâmica
1 dinâmica
Thulio Cesar
 
Regimento interno da polícia federal
Regimento interno da polícia federalRegimento interno da polícia federal
Regimento interno da polícia federal
Thulio Cesar
 
Noções de economia
Noções de economiaNoções de economia
Noções de economia
Thulio Cesar
 
Noções de administração
Noções de administraçãoNoções de administração
Noções de administração
Thulio Cesar
 
Legislação especial
Legislação especialLegislação especial
Legislação especial
Thulio Cesar
 
Informática
InformáticaInformática
Informática
Thulio Cesar
 
Direito constituicional
Direito constituicionalDireito constituicional
Direito constituicional
Thulio Cesar
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
Thulio Cesar
 
Atualidades
AtualidadesAtualidades
Atualidades
Thulio Cesar
 
Apostila matemática
Apostila matemáticaApostila matemática
Apostila matemática
Thulio Cesar
 
Apostila direito processo penal
Apostila direito processo penalApostila direito processo penal
Apostila direito processo penal
Thulio Cesar
 
Apostila direito penal
Apostila direito penalApostila direito penal
Apostila direito penal
Thulio Cesar
 
Apostila raciocínio lógico
Apostila raciocínio lógicoApostila raciocínio lógico
Apostila raciocínio lógico
Thulio Cesar
 
Direito
DireitoDireito
Direito
Thulio Cesar
 
Direito civil
Direito civilDireito civil
Direito civil
Thulio Cesar
 

Mais de Thulio Cesar (20)

6ª lista de exercícios números complexos
6ª lista de exercícios   números complexos6ª lista de exercícios   números complexos
6ª lista de exercícios números complexos
 
2 ee metrologia2012
2 ee metrologia20122 ee metrologia2012
2 ee metrologia2012
 
2 estrutura cristalina
2 estrutura cristalina2 estrutura cristalina
2 estrutura cristalina
 
1 teste de teoria do navio ii
1  teste de teoria do navio ii1  teste de teoria do navio ii
1 teste de teoria do navio ii
 
1 gestao da qualidade(1)
1 gestao da qualidade(1)1 gestao da qualidade(1)
1 gestao da qualidade(1)
 
1 dinâmica
1   dinâmica1   dinâmica
1 dinâmica
 
Regimento interno da polícia federal
Regimento interno da polícia federalRegimento interno da polícia federal
Regimento interno da polícia federal
 
Noções de economia
Noções de economiaNoções de economia
Noções de economia
 
Noções de administração
Noções de administraçãoNoções de administração
Noções de administração
 
Legislação especial
Legislação especialLegislação especial
Legislação especial
 
Informática
InformáticaInformática
Informática
 
Direito constituicional
Direito constituicionalDireito constituicional
Direito constituicional
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Atualidades
AtualidadesAtualidades
Atualidades
 
Apostila matemática
Apostila matemáticaApostila matemática
Apostila matemática
 
Apostila direito processo penal
Apostila direito processo penalApostila direito processo penal
Apostila direito processo penal
 
Apostila direito penal
Apostila direito penalApostila direito penal
Apostila direito penal
 
Apostila raciocínio lógico
Apostila raciocínio lógicoApostila raciocínio lógico
Apostila raciocínio lógico
 
Direito
DireitoDireito
Direito
 
Direito civil
Direito civilDireito civil
Direito civil
 

5 diagrama ferro carbono

  • 2. DIAGRAMA DE FASES  Fases – porção da matéria que se diferencia de outra em termos de estrutura ou composição, é fisicamente homogênea e perfeitamente distinguível.  Diagramas de fases, representações gráficas das fases presentes em um sistema em função da temperatura, pressão e composição.
  • 4. SISTEMA FERRO-CARBONO  Sistema de liga binário mais importante, sendo os materiais mais utilizados pelo homem.  O diagrama de equilíbrio Fe-C permite uma melhor compreensão desses materiais e dos tratamentos térmicos a que são submetidos normalmente.  Os diagramas de equilíbrio mostram as estruturas que se formam sob condições de resfriamento LENTO.  Os diagramas de fases não indicam o tempo necessário para que uma transformação ocorra  As taxas de resfriamento encontradas na prática provocam o SURGIMENTO DE ESTRUTURAS ADICIONAIS, não previstas nestes diagramas.
  • 5. DIAGRAMA FERRO - CARBONO (FexC)
  • 6. O DIAGRAMA DE EQUILÍBRIO FERRO-CARBONO  Representa ligas com teor de carbono de até 6,7%p.  FASES SÓLIDAS PRESENTES:  FERRITA: solução de carbono em FERRO- (CCC). Apresenta solubilidade de 0,008%p de C a temperatura ambiente e de no máximo , 0,02%p a 727 ºC, é estável até 912 ºC  AUSTENITA: solução de carbono em FERRO-γ (CFC). Consegue dissolver um teor de C muito mais alto do que a ferrita (até 2,11%p a 1148 ºC). Não-magnético.  CEMENTITA: (Fe3C) composto intermediário, o CARBETO DE FERRO, é representado por uma linha vertical passando pela composição de 6,7%p C. É muito DURO e FRÁGIL.  FERRO-δ: solução de carbono em ferro com estrutura CCC, existente a altas temperaturas.  PERLITA: Consiste na mistura mecânica da das fases ferrítica (88,5%) e cementita (11,5%) em peso, apresenta fases intermediárias entre a ferrita e cementita.
  • 7. DIAGRAMA FERRO - CARBONO (FexC)
  • 8. As ligas ferrosas são, em princípio, divididas em três grupos: 1 FERRO COMERCIALMENTE PURO: %C < 0,008%p. 2 AÇOS, com teores de carbono até 2,11%; 3 FERRO FUNDIDO; com teores de carbono acima de 2,11% e raramente superiores a 4,3%. Considerando, entretanto, os elementos de liga que podem estar presentes e as estruturas que caracterizam alguns tipos desses materiais. Os aços compreende: 2.1 Aço-carbono: liga de ferro-carbono contendo geralmente de 0,008% até cerca de 2,11% de carbono, além de certos elementos residuais, resultantes dos processos de fabricação (Mn, Si, P e S); 22 Aço-liga: aço carbono que contém outros elementos de liga ou apresentam os elementos residuais em teores acima do que são considerados normais: LIGAS FERROSAS
  • 9. 3.1 Ferro fundido cinzento: liga ferro-carbono-silício, com teores de carbono acima de 2,11% e silício em teores de 1,2 a 3,0%; a quantidade elevada de silício promovem a formação parcial de carbono livre, na forma de lamelas ou “veios” de grafita. Nessas condições, o ferro fundido apresenta fraturas de coloração escuras (dando origem a sua denominação); 3.2 Ferro fundido branco: liga ferro-carbono-silício, com teores de carbono menor que o cinzento e que, devido ao silício em menor quantidade e as condições de fabricação, apresenta carvão quase que inteiramente combinado resultando uma fraturas de coloração clara (dando origem a sua denominação); 3.3 Ferro fundido mesclado: liga ferro-carbono-silício, caracterizado pela composição e condições de fabricação de tal ordem que resulta em uma fratura de coloração mista entre branca e cinzenta (dando origem a sua denominação). LIGAS FERROSAS
  • 10. 3.4 Ferro fundido maleável: liga ferro-carbono-silício caracterizado por apresentar grafita na forma de “nódulos” (em vez de “veios”), devido a um tratamento térmico especial (maleabilização) a que se submeteu um ferro fundido branco; 3.5 Ferro fundido nodular: liga ferro-carbono-silício caracterizado por apresentar grafita na forma de esferoidal, resultante de um tratamento realizado no material ainda no estado líquido (“nodulização”). A melhor compreensão das propriedades desses matérias e dos tratamentos térmico a que comumente são submetidos, obtém-se com o estudo do diagrama de equilíbrio ferro-carbono. O diagrama é chamado de “equilíbrio metaestável” por que, na realidade, ocorrem modificações ao longo do tempo. LIGAS FERROSAS
  • 11. O DIAGRAMA DE FASES FERRO - CARBETO DE FERRO (Fe-Fe3C) Temperatura,ºC Composição, %p C 1 2 3 4 5 6 6,70 1600 1400 1200 1000 800 600 400 L Fe3C γ + L L + Fe3C  + Fe3C γ + Fe3C γ, austenita  + γ  δ 4,302,14 0,76 912 ºC 1394 ºC 1538 ºC 727 ºC A B C D E 1148 ºC F G SP N J K Solidus A1 A3 Q 0,022 AÇOS 0,08 ≤ %C ≤ 2,11 FERROS FUNDIDOS %C ≥ 2,11 Fe
  • 12. O diagrama deveria ser Fe-Fe3C e quando se diz que ele é metaestável é porque pode ocorrer eventualmente decomposição da Fe3C em ferro e carbono, este último na forma de grafita. O diagrama abrange a faixa completa das ligas FeC comerciais: “aços”, entre 0 e 2,1% de carbono e ferro fundido, com carbono acima de 2,11%. Diagrama Metaestável O diagrama abrange uma faixa de teor de carbono relativamente estreita, de 0 a 6,7% , teor este último correspondente a composição do carboneto de ferro (Fe3C).
  • 13. O diagrama mostra um “eutético” – ponto C – a 1148o C que corresponde a um teor de carbono de 4,3%. Diagrama Metaestável Por outro lado, na faixa correspondente aos aços, o ponto S – a 0,77%C e á temperatura de 727oC – tem características semelhantes ao ponto C, eutético na faixa dos ferros fundidos. Por essa razão, o ponto S é chamado “eutetóide”.
  • 14. Em função desses dois pontos, costuma-se agrupar, teoricamente, os aços e ferros fundidos da seguinte maneira: Aço eutetóide com teor de carbono correspondente ao ponto eutetóide 0,77%; Aço hipoeutetóide com teor de carbono entre 0 e 0,77%; Diagrama Metaestável Aço hipereutetóide - com teor de carbono entre 0,77 e 2,11%; Ferro fundido eutético com teor de carbono correspondente ao ponto eutético 4,30%; Ferro fundido hipoeutético com teor de carbono entre 2,11% e 4,30%; Ferro fundido hipereutético com teor de carbono acima de 4,30%.
  • 15. O ponto A correspondente ao ponto de fusão do ferro puro – 1538oC e o ponto D, impreciso, ao ponto de fusão do Fe3C; Diagrama Metaestável Na parte superior esquerda do diagrama, numa parte estreita, ocorre uma reação especial chamada “peritética”, na passagem do estado líquido para o sólido, em torno de 1495oC, que não apresenta importância sob o ponto de vista prático. Nesse trecho, ao solidificar, o ferro adquire a estrutura cúbica centrada – chamada de δ(delta), passando pouco depois para a estrutura cúbica de face centrada γ (gama) que caracteriza o ferro a alta temperatura.
  • 16. A 912oC, há a passagem da forma cúbica de face centrada para cubo de corpo centrado até a temperatura ambiente, na forma alotrópica α (alfa); Na faixa de temperaturas em que o ferro está na forma alotrópica gama, ele tem capacidade de dissolver o carbono presente; Entretanto, essa solubilidade do carbono do ferro gama não é ilimitada; ela é máxima a 1148oC e corresponde a um teor de carbono no ferro gama decrescente; assim a 727oC, a máxima quantidade de carbono que pode ser mantido em solução sólida no ferro gama é 0,77%, esse fato é indicado pelas linhas JE e Acm, esta última representando, portanto, a máxima solubilidade do carbono ou do Fe3C no ferro gama, nas condições de equilíbrio; Diagrama Metaestável
  • 17. As linhas JE e ECF corresponde a linha “solidus” do diagrama ; Diagrama Metaestável - O carbono afeta, a temperatura de transformação alotrópica gama- alfa: a partir de 0% de carbono, essa temperatura de saturação decresce paulatinamente, até que para 0,77% ela se situa a 727oC. Abaixo de 727oC, não poderá existir, sob qualquer hipótese, nas condições de equilíbrio, ou seja em resfriamento muito lento, ferro na forma alotrópica gama; tal fato é indicado pela linha PSK ou A1;
  • 18. Entre teores de carbono de 0 a 0,77% ocorre não apenas o abaixamento da temperatura de transformação alotrópica gama-alfa, como esta transformação é paulatina, ou seja, se dá em duas etapas: começa na linha GS ou A3 e termina na linha PS ou A1. Somente a 727oC ela é instantânea; Diagrama Metaestável
  • 19. A solubilidade do carbono no ferro alfa não é nula; cerca de 0,008% de carbono dissolve-se a temperatura ambiente, e a 727oC, a solubilidade aumenta para 0,02%; de 727oC para cima, decresce novamente a solubilidade do carbono até que a 912oC torna-se nula. Nesse instante, o ferro alfa passa a gama, que pode manter em solução sólida o carbono em teores bem mais elevados, como se viu; os fatos acima estão indicados pelas linhas QP e PG. Pode- se chamar a liga Fe-C com carbono até 0,008% no máximo de ferro comercialmente puro; Diagrama Metaestável
  • 20. Acima de 2,11% de carbono, na faixa dos ferros fundidos, duas linhas predominam na fase sólida: a linha ECF “solidus” e a linha SK, indicados por A1, abaixo do qual não pode existir ferro na forma alotrópica gama; A solução sólida do carbono no ferro gama chama-se “austenita”; portanto na zona limitada pelas linhas JE, ES, SG e GNJ só existe austenita; esta zona é determinada “austenítica”; esta austenita (nome do metalurgico inglês Roberts Austen) é uma constituinte estrutural de boa resistência mecânica e apreciável tenacidade e não- magnético; Diagrama Metaestável
  • 21. Na zona limitada pelas linhas SE (Acm), ECF e SK (A1) existe simultaneamente austenita e carbono, este último na forma de Fe3C, devido a solubilidade do carbono no ferro gama ser limitada; O Fe3C é um carboneto contendo 6,67% de carbono, muito duro (na escala Mohs ocuparia aproximadamente o lugar do feldspato) é frágil, esse constituinte é denominado “cementita”. As linhas que marcam o início e o fim das transformações chama-se linhas e transformações e elas limitam zonas chamadas zonas críticas. Diagrama Metaestável
  • 22. O DIAGRAMA DE EQUILÍBRIO FERRO-CARBONO Temperatura,ºC Composição, %p C 1 2 3 4 5 6 6,70 1600 1400 1200 1000 800 600 400 C D E F S P K 4,30 L 2,14 1148 ºCSolidus γ + L L + Fe3C 0,7 6 A3 γ, austenita , ferrita 0,022 727 ºCA1 Fe3C, cementita  + γ γ + Fe3C  + Fe3C AUSTENITA • CFC • Não-magnética CEMENTITA • Frágil • ResistenteFERRITA • CCC • Boa plasticidade REAÇÃO EUTÉTICA (1148ºC) L(4,3%p) (2,14%p) + Fe3C(6,7%p) %p C(Fe3C) = mC/(mC + mFe) = 12(12 + 3 x 55,8) = 6,7 REAÇÃO EUTETÓIDE (727ºC) (0,76%p) (0,022%p) + Fe3C(6,7%p) A B G Q 1394 ºC 1538 ºC 912 ºC Fe- (CCC) Fe-γ (CFC) Fe-δ (CCC) Q G B A → → →L (FUSÂO) tempo Temperatura,ºC Transformações do Fe PURO
  • 23. AÇO EUTETÓIDE  + γ γ γ γγ γ + Fe3C  + Fe3C  727 ºC Fe3C  Temperatura(ºC) 1,0 2,0 400 500 600 700 800 900 1000 1100 Composição, %p C AÇO EUTETÓIDE (0,76%p C) 0,76 REAÇÃO EUTETÓIDE 6,7 CFe3C = 6,7C = 0,022 PERLITA
  • 25. Desenvolvimento das microestruturas em ligas Fe-C CC Fe3C    C C C C C γ Direção do crescimento da perlita Fe3C  Mecanismo de formação da PERLITA a partir da AUSTENITA:
  • 26. AÇO HIPOEUTETÓIDE  + γ γ γ + Fe3C  + Fe3C  727 ºC Temperatura(ºC) 1,0 2,0 400 500 600 700 800 900 1000 1100 Composição, %p C AÇO HIPOEUTETÓIDE (<0,76%p C) 6,7 PERLITA = Fe3C + -eutetóide γγ γ γ γγ γ γ γ γ γ γ γ  pró-eutetóide REAÇÃO EUTETÓIDE C0
  • 27. AÇO HIPOEUTETÓIDE: PERLITA + FERRITA PRÓ- EUTETÓIDE Aço hipoeutetóide com 0,38 %C. Ferrita pró-eutetóide (grãos claros) e perlita (grão lamelares) PERLITA FERRITA PRÓ- EUTETÓIDE
  • 28. AÇO HIPEREUTETÓIDE  + γ γ γ + Fe3C  + Fe3C  727 ºC Temperatura(ºC) 1,0 2,0 400 500 600 700 800 900 1000 1100 Composição, %p C AÇO HIPEREUTETÓIDE (>0,76%p C) 0,76 6,7 PERLITA =  + Fe3C-eutetóide γγ γ γ REAÇÃO EUTETÓIDE C0 γ γ γ γ γ Fe3C pró-eutetóide γγ γ γ
  • 29. AÇO HIPEREUTETÓIDE: PERLITA + CEMENTITA PRÓ- EUTETÓIDE Aço hipereutetóide com 1,4 %C. Perlita (grão lamelares) e cementita pró-eutetóide (rede clara nos contornos da perlita) Essa rede de cementita, dura e frágil, REDUZ A TENACIDADE material, favorecendo a propagação de trincas. PERLITA CEMENTITA PRÓ-EUTETÓIDE
  • 30. Desenvolvimento das microestruturas em ligas Fe-C  Microconstituintes e fases formadas durante o resfriamento em CONDIÇÕES DE EQUILÍBRIO AÇO %p C Microconstituintes Fases HIPOEUTETÓIDE < 0,76 FERRITA PRÓ-EUTETÓIDE + PERLITA FERRITA () e CEMENTITA (Fe3C) EUTETÓIDE = 0,76 PERLITA FERRITA () e CEMENTITA (Fe3C) HIPEREUTETÓIDE > 0,76 CEMENTITA PRÓ-EUTETÓIDE + PERLITA FERRITA () e CEMENTITA (Fe3C)
  • 31. FIM
  • 32. REAÇÕES NA FAIXA DE COMPOSIÇÃO DOS FERROS FUNDIDOS Fe3C, cementita Temperatura,ºC Composição, %p C 1 2 3 4 5 6 6,70 1600 1400 1200 1000 800 600 400 L Fe3C  + Fe3C γ + Fe3C γ + L L + Fe3C γ, austenita  + γ  δ 4,302,14 0,76 0,022 912 ºC 1394 ºC 1538 ºC 727 ºC γ + Fe3C L + Fe3C γ + L L 1148 ºC 4,3 %p C 1148 ºC resfriamento aquecimento L(4,30 %p C) γ(2,11 %p C) + Fe3C( 6,7 %p C) REAÇÃO EUTÉTICA DOS FERROS FUNDIDOS (a 1148 ºC)
  • 33. REAÇÕES NA FAIXA DE COMPOSIÇÃO DOS AÇOS Fe3C, cementita Temperatura,ºC Composição, %p C 1 2 3 4 5 6 6,70 1600 1400 1200 1000 800 600 400 L Fe3C  + Fe3C γ + Fe3C γ + L L + Fe3C γ, austenita  + γ  δ 4,302,14 0,76 0,022 912 ºC 1394 ºC 1538 ºC 727 ºC  + Fe3C  0,76 727 ºC γ + Fe3C  + Fe3C   + γ γ 0,022 resfriamento aquecimento γ(0,76 %p C) (0,022 %p C) + Fe3C( 6,7 %p C) REAÇÃO EUTETÓIDE DOS AÇOS (a 727 ºC)