SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
NORMAS PARA
CLASSIFICAÇÃO DE
BORRACHA
VULCANIZADA
ASTM D 2000
GERAL
• As respostas das características técnicas em
artefatos de Borracha Vulcanizada regimentadas
pelo sistema Normativo “ASTM D 2000” cobre com
bastante segurança não somente peças para fins
automotivos, que fundamentam esta Norma, como
também oferece grande respaldo de embasamento
nas propriedades técnicas para uma infinidade de
artigos industriais, e outros, quando estes não
estão cobertos por especificações próprias.
INFORMAÇÕES
- Importante:-
- Um projeto de novo artefato ou verificação das
propriedades técnicas de peças existentes devem
principalmente estar coberto três bases
fundamenteis que são:-
INFORMAÇÕES – Analise Crítica
• - Máximo de dados possíveis ( técnicos e outros )
sobre o artefato;
• - Capacidade tecnológica para analisar com
precisão os dados;
• - Bom senso de assumir ou não o compromisso com
o empenho e qualidade necessários.
QUESTIONÁRIO TÉCNICO
• - Elaborar um questionário técnico de maneira que
o máximo de informações importantes e
necessárias, sejam colhidas;
• - Profissionais que irão buscar as informações
devem estar perfeitamente treinados e hábeis a
coletar eficazmente os dados com precisão.
INFORMAÇÕES Principais
• A Norma ASTM D 2000, orienta sobre diversos
testes e métodos de ensaios os quais poderão
oferecer dados importantes que sevem como
referência na elaboração do “Questionário”, sejam
eles:-
DADOS
• - Deformação Permanente à Compressão ----------------------( ASTM D 395 )
• - Tensão e Alongamento à Ruptura -------------------------------- ( ASTM D 412 )
• - Adesão a Substratos Rígidos --------------------------------------- ( ASTM D 429 )
• - Degeneração por Fadiga Dinâmica ------------------------------ ( ASTM D 430 )
• - Efeito de Ensaio em Líquidos -------------------------------------- ( ASTM D 471 )
• - Deterioração em Ar Quente ----------------------------------------- ( ASTM D 573 )
• - Propriedades sob Compressão ------------------------------------ ( ASTM D 575 )
• - Rasgamento sob Tração ---------------------------------------------- ( ASTM D 624 )
• - Manchamento em Superfícies ------------------------------------- ( ASTM D 925 )
• - Flexibilidade em Baixas Temperaturas ---------------------- ( ASTM D 1053 )
DADOS
• - Deterioração ao Ataque do Ozônio / intempéries --------- ( ASTM D 1149 )
• - Deterioração ao Ozônio em perfis triangulares ------------ ( ASTM D 1171 )
• - TR –Temperatura de Retração --------------------------------------- ( ASTM D 1329 )
• - Temperatura de Transição Vítrea ---------------------------------- ( ASTM D 2137 )
• - Dureza ---------------------------------------------------------------------------- ( ASTM D 2240 )
• - Imersão e Óleo IRM 901, IMR 902, IMR 903 ----------------- ( ASTM D 5964 )
• Outros em particular
ASTM D 2000 . SAE J 200
• As especificações destas Normativas foram
elaboradas conjuntamente entre o Comitê D 11 da
ASTM ( American Society for Testing and
Materials ) e a SAE ( Society Automotive
Engineers ).
• Estas Normativas são atualizadas anualmente
NORMA ASTM D 2000
• Este sistema de classificação normativo se baseia
em duas fundamentações, que são:-
• “TIPO” = Resistência que o artefato vulcanizado
oferece ao envelhecimento pelo calor; ( Tabela 1 )
• “ CLASSE” = Resistência que o artefato vulcanizado
oferece ao inchamento em óleo IMR 903;
( Tabela 2 )
TABELA 1 = “TIPO”
REQUISITOS PARA ESTABELECER O “TIPO” EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA
• TIPO TEMPERATURA DE TESTE °C
A ------------------------------------------------------------------------------- 70
B ------------------------------------------------------------------------------- 100
C ------------------------------------------------------------------------------- 125
D ------------------------------------------------------------------------------- 150
E ------------------------------------------------------------------------------- 175
F ------------------------------------------------------------------------------- 200
G ------------------------------------------------------------------------------- 225
H ------------------------------------------------------------------------------- 250
J -------------------------------------------------------------------------------- 275
K -------------------------------------------------------------------------------- 300
TABELA 2 = “CLASSE”
REQUISITOS PARA ESTABELECER A“CLASSE” EM FUNÇÃO DO INCHAMENTO
VOLUMÉTRICO MÁXIMO APÓS IMERSÃO EM ÓLEOS IMR 903
• CLASSE VOLUME DE INCHAMENTO MÁX. %
A -------------------------------------------------------------------- NÃO REQUERIDO
B -------------------------------------------------------------------- 140
C -------------------------------------------------------------------- 120
D -------------------------------------------------------------------- 100
E -------------------------------------------------------------------- 80
F -------------------------------------------------------------------- 60
G -------------------------------------------------------------------- 40
H -------------------------------------------------------------------- 30
J -------------------------------------------------------------------- 20
K -------------------------------------------------------------------- 10
TABELA X1.1 = TIPO e CLASSE
ALGUMAS BORRACHAS QUE REUNEM PROPRIEDADES DESIGNADAS
Classificação ASTM D 2000
SAE J 200 ( Tipo e Classe
Borrachas Muitas Vezes Indicadas ( A )
AA NR, IR, SBR, IIR, EPDM, BR
AK T ( Polisulfeto )
BA EPDM alta temperatura, SBR, IIR
BC CR ( Policloropreno )
BE CR ( Policloropreno )
BF NBR, ( Borracha Nitrílica )
BG NBR, AU, EU ( Poliur. Poliéster e Poliur. Polieter )
BK NBR, T
CA EPDM
CE CSM ( Polietileno Clorossulfonado )
CH NBR, ECO ( Epicloridrina )
DA EPDM
( A ) = Conforme ASTM D 1418
TABELA X1.1 = TIPO e CLASSE
ALGUMAS BORRACHAS QUE REUNEM PROPRIEDADES DESIGNADAS
Classificação ASTM D 2000
SAE J 200 ( Tipo e Classe
Borrachas Muitas Vezes Indicadas ( A )
DE CM, CSM
DF BorrachasPoliacrílicas ( tipo butil-acrilato )
DH Polímeros Poliacrílicos HNBR
EE AEM ( Etileno Metil Acrilato )
EH ACM
EK FZ ( Borracha c/ Fosforo + Nitrogênio )
FC Silicones ( alta tensão de ruptura )
FE Silicones
FK Fluor Silicones
GE Borracha da Silicone
HK Fluorelastoneros ( Viton; Fluorel )
KK Polifluorelastomeros ( Kaurez )
( A ) = Conforme ASTM D 1418
CLASSIFICAÇÃO “EXEMPLO”
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
• Explicando
• Norma de Referência, Organização e Numeração
de Documento
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
• Explicando:-
• M = Sistema Métrico = Requerimento e Unidades
dos Valores Conforme SI – Unidades, ( Sistema
Internacional de Unidades ).
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
• Explicando:-
• 2 = Grau de Sulfixo = Este número define o Grau de
Performance técnica em função da aplicabilidade
do artefato ( Tabela 6 do Livro de Normas ASTM volume 09.02 )
• Ver Exemplo resumido na Tabela 6 abaixo.
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
TABELA 6 do Livro ASTM D 2000 ( Grau de Performance Técnica Exigida ).
Nota:- Somente as Propriedades Básicas, não existe o requerimento de Prefíxos e Sulfixos no Grau 1
BC ( material Policloropreno )
Prefixos
Sulfixos
Exigências Dos Prefixos e Sulfixos Grau
1(A)
Grau
2
Grau
3
Grau
4
Grau
5
Grau
6
Grau
7
Grau
8
A 14
Resistência ao Calor, Método de Teste D 573, durante 70
horas à 100°C.
- Máxima variação na dureza ( pontos ) -----------------------
- Máxima variação na Tensão de Ruptura ( % ) --------------
- Máxima variação no Alongamento à Ruptura ( % ) -------
***
***
***
+ 15
- 15
- 40
+ 15
- 15
- 40
+ 15
- 15
- 40
+ 15
- 15
- 40
+ 15
- 15
- 40
B 14 Deformação Permanente à Compressão, Método de Teste D
395, Método B, durante 22 horas à 100°C. ( Máxima DPC % ) *** 35 35 35 35 35
EO 34 Resistência a Fluidos, Método de Teste D 471, óleo IRM 903,
durante 70 horas à 100°C
- Máxima variação na Tensão de Ruptura ( % ) -------------------
- Máxima variação no Alongamento à Ruptura ( % ) ------------
- Variação de volume ( % ) ----------------------------------------------
***
***
***
- 70
- 55
+ 120
- 60
- 50
+ 100
- 45
- 30
+ 80
- 60
- 60
+ 100
- 60
- 60
+ 100
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
• Explicando:-
• B = “Tipo” em Função da Resistência à
Temperatura em °C , ( Tabela 1, acima )
• ( Ver Tabela 1 no Livro de Normas ASTM Volume 09.02 )
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
• Explicando:-
• C = “Classe” = Em função da Resistência ao
Inchamento Volumétrico em % após imersão em
Óleo IRM 903 ( Tabela 2 acima ).
• ( Ver Tabela 2 no Livro de Normas ASTM Volume 09.02 )
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
• Explicação:-
• BC = Conforme visto pela Tabela X1.1 acima, já
indica o tipo de Elastômero possível de ser usado
• Nota:- Ver no Tabela X1.1 no Livro de Normas ASTM Volume 09.02
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
• Explicando:-
• 5 = 5 x 10 = 50 → Dureza tipo A ( Shore A )
• Nota:- Conforme a Norma ASTM D 2240 permite variação de Dureza
entre + 5 ou – 5 pontos da escala de referência do tipo A
• Logo temos:- 50 ± 5 ( Shore A )
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
• Explicando:-
• 10 = Tensão de Ruptura = 10 Mpa
• Nota:- Nas Tabelas 6 do Livro de Normas ASTM Volume 09.02 poderá ser
observada certa correlação entre Dureza; Tensão de Ruptura e
Alongamento à Ruptura.
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
• Explicação:- Sufixos e seus Requisitos Especiais;
• A = Conforme Tabela 3, abaixo, esta letra
determina que o composto elastomérico deverá
apresentar requisito especial, “ Sufixo A” ,neste
caso, resistência à Temperatura.
• Ver Tabela 3 no Livro de Normas ASTM Volume 09.02
Tabela 3, Significado das Letras Sufixos
Z = é indicado quando algum requisito especial deve ser observado ou algum
detalhe específico for recomendado.
Letra
Sufixo
Teste
Requerido
Letra
Sufixo
Teste
Requerido
A Resistência ao Calor G Resistência ao Rasgamento
B Deformação Permanente
à Compressão
H Resistência à Flexão
C Resistência ao Ozônio ou
Intemperismo
J Resistência a Abrasão
D Resistência à
Compressão Deflexão
K Força de Adesão
EA Resistência a Fluidos
Aquosos
M Resistência à Flamabilidade
EF Resistência a Fluidos
Combustíveis
N Resistência ao Impacto
EO Resistência a Óleos e
Lubrificantes
P Resistência ao
Manchamento
F Resistência a Baixas
Temperaturas
R Resiliência
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
• Explicação:- Sufixos e seus Requisitos Especiais.
• 1 = Método do Ensaio e duração do Ensaio, Tabela
5, abaixo. ( Neste caso em exemplo o Método de ensaio será o
ASTM D 573 e a duração do ensaio será de 70 horas ).
• Ver Tabela 5 no Livro de Normas ASTM Volume 09.02
Tabela 5 Métodos de Ensaio e Duração
Requisitos Básicos e Nº do Primeiro
Sufixo Básico 1 2 3 4 5 6 7 8 9
Requisito ou Letra do Sufixo
Tensão e Alongamento à Ruptura D 412
C.P “C”
........... .......... ............ ............. ............ ............ ............ ............ ...........
Dureza Tipo A ( Shore A ) D 2240 ........... .......... ............ ............ ............ ............. ............ ............. ...........
“Sufixo A”
Resistência ao Calor
............. D 573
70 hs.
D 865
70 hs.
D 865
168 hs.
D 573
168 hs
D 573
1000 hs.
D 865
1000 hs.
............ ............. ...........
“Sufixo B”
Deformação Permanente à
Compressão, Corpo de Prova espesso
...........
D 395
22 hs.
Mét. B
Sólido
D 395
70 hs.
Mét. B
Sólido
D 395
22 hs.
Mét. B
empilh.
D 395
70 hs.
Mét. B
empilh.
D 395
1000 hs.
Mét. B
Sólido
D 395
1000 hs.
Mét. B
empilh.
............. ............. ...........
“Sufixo C”
Resistência ao ozônio ou ao
Intemperismo
ao Tempo
.............
D 1171
OzônioA
Expos.
Mét. A
D 1171B
ao
Tempo
D 1171
OzônioC
Expos.
Mét. B
............. ............. ............ ............. ............. ............
“Sufixo D”
Resistência à Compressão - Deflexão .............
D 575
Mét. A
D 575
Mét. B ............. ............. .............. ............. ............. ............. ...........
“Sufixo EO”
Resistência ao Óleo
.............
D 471
óleoD;E
IRM901
70 hs.
D 471
óleoD;E
IRM902
70 hs.
D 471
óleoD;E
IRM903
70 hs.
D 471
óleoD;E
IRM901
168 hs.
D 471
óleoD;E
IRM902
168 hs.
D 471
óleoD;E
IRM903
168 hs.
D 471
Flúido de
Serviço nº
101E,F
70 hs.
D 471
óleo
especial
Tabela 6
ASTM
70 hs
...........
“Sufixo EF”
Resistência a Combustíveis
............. D 471
Fuel A
70 hs.
D 471
Fuel B
70 hs.
D 471
Fuel C
70 hs.
D 471
Fuel D
70 hs.
D 471
70 hs.
Obs. 1
............. ............. ............. ...........
Tabela 5 Método de Ensaio e Duração
Requisitos Básicos e Nº do Primeiro
Sufixo Básico 1 2 3 4 5 6 7 8 9
Requisito ou Letra do Sufixo
“Sufixo EA”
Resistência a Fluidos Aquosos
........... D 471
Água
Destilada
70 hs.
D 471
50%
Água
Destil. +
50%
Etileno
Glicol
70 hs.
.
........... ............. ............ ............ ............ ............ ...........
“Sufixo F”
Resistência a Baixas Temperaturas ............
D 2137
Mét. A
9.3.2,
3 min.
D 1053
5 min.
T2; T5; T10
T50 / T100
D 2137
Mét. A
9.3.2,
22 hs.
D 1329
38 min.
C.P. 50%
along.
Retração
10%
mínimo
D 1329
38 min.
C.P. 50%
along.
Retração
50%
mínimo
D 1053
5 min.
T5 ; T10 e
T10 – T5
Graus de
Separação
Máx.
D 1329
38 min.
C.P. 50%
along.
Retração
70%
mínimo
................ ...........
“Sufixo G”
Resistência ao Rasgamento
............. D 624
C.P. “B”
D 624
C.P. “C”
............... .............. ............. ............. ............ ............. ...........
“Sufixo H”
Resistência à Flexão
.............. D 430
Mét. A
D 430
Mét. B
D 430
Mét. C
.............. .............. ............. ............... ............... .............
“Sufixo J”
Resistência a Abrasão
............... ............. ............. ............. ............... ............... ............... ............... ............... ............
“Sufixo K”
Resistência a Adesão .................
D 429
Mét. A
D 429
Mét. B
Colado
após
Vulcaniz.
............. .............. ............. ............. ............. ...........
“Sufixo M”
Resistência à Flamabilidade
................ ............... ............... .............. .............. ............... .............. .............. .............. ............
“Sufixo N”
Resistência ao Impacto
............. .............. .............. .............. .............. .............. .............. .............. ............. ............
“Sufixo P”
Resistência ao Manchamento
................ D 925
Mét. A
D 925
Mét. B
.............. .............. ............. ............... ............... ................ .............
“Sufixo R”
Ensaio de Resiliência
................ ............... .............. ............... ............... ............... ................. ............... ................ .............
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
• Explicação:- Sufixos e seus Requisitos Especiais.
• 4 = Temperatura do Ensaio , Tabela 4, abaixo. ( Neste
caso em exemplo o Método de ensaio será o ASTM D 573 e a duração do
ensaio será de 70 horas e a “Temperatura de ensaio será de 100°C “).
• Ver Tabela 4 no Livro de Normas ASTM Volume 09.02
Tabela 4 Temperatura de Ensaio
Segundo Número do Sufixo ( ex. A14 )
Requisitos Aplicável para as
Letras Sulfixos
Segundo
Número
Sufixo
Temperat.
de Teste
°C (A)
Requisitos Aplicável para as Letras
Sulfixos
Segundo
Número
Sufixo
Temperat.
de Teste
°C (A)
A, B, C, EA, EF, EO, G, K
11 275
F
1 23
10 250 2 0
9 225 3 - 10
8 200 4 - 18
7 175 5 - 25
6 150 6 - 35
5 125 7 - 40
4 100 8 - 50
3 70 9 - 55
2 38 10 - 65
1 23 11 - 75
0 Obs. 1 12 - 80
( A )
Temperaturas de Testes são baseadas na Prático conforme ASTM D 1349
Obs. Temperatura ambiente no caso de teste em intemperismo
ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
• Resumindo temos:-
• - Especificações conforme ASTM D 2000;
• - M = Sistema métrico internacional ( SI );
• - 2 = Aplicável ensaios conforme sufixos Grau 2;
• - BC = Borracha de Policloropreno;
• - 5 = 5x10 = 50 ± 5 = Dureza tipo A ( Shore A );
• - 10 = Tensão de Ruptura = 10 Mpa e Alongamento = 350% mín.;
• - A = Ensaio de Resistência ao Calor;
• - 1 = Método de Ensaio conforme ASTM D 573 durante 70 hs.;
• - 4 = Temperatura do Ensaio 100°C.
INFORMAÇÕES ADICIONAIS
• As “Tabelas 6” mostradas no Livro de Normas
ASTM, Volume 09.02, referente as Requerimentos
ASTM D 2000, apresentam grande quantidade de
resultados de testes que poderão servir como
dados comparativos e orientações em novos
desenvolvimentos de artefatos em Borracha.
OBRIGADO
FIQUEM COM DEUS
Mais Informações :- www.slideshare.net/borrachas/documents
35
CONCLUSÃO
ESPERAMOS TER PODIDO ATINGIR AS ESPECTATIVAS
DESTES TANTOS AMIGOS QUE COMO NÓS OUTROS
DESPREENDE DE HORAS A FIO NA BUSCA E TROCAS DE
INFORMAÇÕES SOBRE ESTA ATRAENTE CIÊNCIA QUE É O
MUNDO DE BORRACHA
A:.G:.D:.G:.A:.D:.U:. V.J.GARBIM – Setembro 2016

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Borracha butilica
Borracha butilicaBorracha butilica
Borracha butilica
Borrachas
 
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachasTabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Borrachas
 
Vulcanizacao teoria metodos
Vulcanizacao teoria metodosVulcanizacao teoria metodos
Vulcanizacao teoria metodos
Borrachas
 
Elastomeros alta performance
Elastomeros alta performanceElastomeros alta performance
Elastomeros alta performance
Borrachas
 
Guia de resistência química de alguns tipos de borrachas
Guia de resistência química de alguns tipos de borrachasGuia de resistência química de alguns tipos de borrachas
Guia de resistência química de alguns tipos de borrachas
Borrachas
 
Borrachas de silicone
Borrachas de siliconeBorrachas de silicone
Borrachas de silicone
Borrachas
 
Eficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silanoEficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silano
Borrachas
 
Tabelas de ingredientes diversos para compostos de borracha
Tabelas de ingredientes diversos para compostos de borrachaTabelas de ingredientes diversos para compostos de borracha
Tabelas de ingredientes diversos para compostos de borracha
Borrachas
 
Borracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borracha de polietileno cloro sulfonado - HypalonBorracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borrachas
 
Borrachas nitrílicas
Borrachas nitrílicasBorrachas nitrílicas
Borrachas nitrílicas
Borrachas
 
Policloropreno
PolicloroprenoPolicloropreno
Policloropreno
Borrachas
 
Borrachas de estireno
Borrachas de estirenoBorrachas de estireno
Borrachas de estireno
Borrachas
 
Reciclagem da borracha
Reciclagem da borrachaReciclagem da borracha
Reciclagem da borracha
Borrachas
 
Vulcanização
VulcanizaçãoVulcanização
Vulcanização
Borrachas
 
Questionario 2 materiais
Questionario 2 materiaisQuestionario 2 materiais
Questionario 2 materiais
Joilson Pinho
 

Mais procurados (20)

Borracha butilica
Borracha butilicaBorracha butilica
Borracha butilica
 
08 escolha da borracha
08   escolha da borracha08   escolha da borracha
08 escolha da borracha
 
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachasTabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
 
Vulcanizacao teoria metodos
Vulcanizacao teoria metodosVulcanizacao teoria metodos
Vulcanizacao teoria metodos
 
Elastomeros alta performance
Elastomeros alta performanceElastomeros alta performance
Elastomeros alta performance
 
Guia de resistência química de alguns tipos de borrachas
Guia de resistência química de alguns tipos de borrachasGuia de resistência química de alguns tipos de borrachas
Guia de resistência química de alguns tipos de borrachas
 
Borrachas de silicone
Borrachas de siliconeBorrachas de silicone
Borrachas de silicone
 
Eficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silanoEficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silano
 
Tabelas de ingredientes diversos para compostos de borracha
Tabelas de ingredientes diversos para compostos de borrachaTabelas de ingredientes diversos para compostos de borracha
Tabelas de ingredientes diversos para compostos de borracha
 
Borracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borracha de polietileno cloro sulfonado - HypalonBorracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
 
Borrachas nitrílicas
Borrachas nitrílicasBorrachas nitrílicas
Borrachas nitrílicas
 
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
 
Policloropreno
PolicloroprenoPolicloropreno
Policloropreno
 
Borrachas de estireno
Borrachas de estirenoBorrachas de estireno
Borrachas de estireno
 
Performance
PerformancePerformance
Performance
 
11 mistura em banbury
11   mistura em banbury11   mistura em banbury
11 mistura em banbury
 
Neoprene
NeopreneNeoprene
Neoprene
 
Reciclagem da borracha
Reciclagem da borrachaReciclagem da borracha
Reciclagem da borracha
 
Vulcanização
VulcanizaçãoVulcanização
Vulcanização
 
Questionario 2 materiais
Questionario 2 materiaisQuestionario 2 materiais
Questionario 2 materiais
 

Semelhante a 07 normas astm d 2000

Semelhante a 07 normas astm d 2000 (20)

Nbr 8855 eb 168 propriedades mecanicas de elementos de fixacao parafusos e pr...
Nbr 8855 eb 168 propriedades mecanicas de elementos de fixacao parafusos e pr...Nbr 8855 eb 168 propriedades mecanicas de elementos de fixacao parafusos e pr...
Nbr 8855 eb 168 propriedades mecanicas de elementos de fixacao parafusos e pr...
 
APOSTILA AULA 3.pdf
APOSTILA AULA 3.pdfAPOSTILA AULA 3.pdf
APOSTILA AULA 3.pdf
 
[000625]
[000625][000625]
[000625]
 
Seminário i
Seminário iSeminário i
Seminário i
 
Rot e
Rot eRot e
Rot e
 
Manual sobre tubos
Manual sobre tubosManual sobre tubos
Manual sobre tubos
 
Aluminio
AluminioAluminio
Aluminio
 
Nbr 13279 2005
Nbr 13279 2005Nbr 13279 2005
Nbr 13279 2005
 
Docslide.com.br nbr 5440-1999-transformadores-para-redes-aereas-de-distribuic...
Docslide.com.br nbr 5440-1999-transformadores-para-redes-aereas-de-distribuic...Docslide.com.br nbr 5440-1999-transformadores-para-redes-aereas-de-distribuic...
Docslide.com.br nbr 5440-1999-transformadores-para-redes-aereas-de-distribuic...
 
Astm a 516 & a-20
Astm a 516 & a-20Astm a 516 & a-20
Astm a 516 & a-20
 
Bcca para alvenaria sem função estrutural
Bcca para alvenaria sem função estruturalBcca para alvenaria sem função estrutural
Bcca para alvenaria sem função estrutural
 
Elementos de Concreto Armado - Armaduras
Elementos de Concreto Armado - ArmadurasElementos de Concreto Armado - Armaduras
Elementos de Concreto Armado - Armaduras
 
Ntc03
Ntc03Ntc03
Ntc03
 
Catalogo ksb 01
Catalogo ksb 01Catalogo ksb 01
Catalogo ksb 01
 
Noções basicas tubos com costura
Noções basicas tubos com costura Noções basicas tubos com costura
Noções basicas tubos com costura
 
Ntc 910100 2013 - caixas para equipamentos de medição
Ntc 910100 2013 - caixas para equipamentos de mediçãoNtc 910100 2013 - caixas para equipamentos de medição
Ntc 910100 2013 - caixas para equipamentos de medição
 
Estudo_Cabo_de_Aco_Esticamento_RC2092KS_Rev_1.pdf
Estudo_Cabo_de_Aco_Esticamento_RC2092KS_Rev_1.pdfEstudo_Cabo_de_Aco_Esticamento_RC2092KS_Rev_1.pdf
Estudo_Cabo_de_Aco_Esticamento_RC2092KS_Rev_1.pdf
 
Arquivo 3[1] (3)
Arquivo 3[1] (3)Arquivo 3[1] (3)
Arquivo 3[1] (3)
 
Elaboração projetos pr-75-174-cpg-002
Elaboração projetos   pr-75-174-cpg-002Elaboração projetos   pr-75-174-cpg-002
Elaboração projetos pr-75-174-cpg-002
 
Conexões galvanizadas.pdf
Conexões galvanizadas.pdfConexões galvanizadas.pdf
Conexões galvanizadas.pdf
 

Mais de Borrachas

COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICASCOMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
Borrachas
 
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamacElastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Borrachas
 
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachasTabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Borrachas
 
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento EstáticoMolas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Borrachas
 
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmicoMolas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Borrachas
 
Molas coxins - Cálculos
Molas coxins - CálculosMolas coxins - Cálculos
Molas coxins - Cálculos
Borrachas
 
Molas coxins
Molas coxinsMolas coxins
Molas coxins
Borrachas
 
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borrachaCustos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Borrachas
 
Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4
Borrachas
 
Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3
Borrachas
 
Correias transportadoras - Parte 2
Correias transportadoras - Parte 2Correias transportadoras - Parte 2
Correias transportadoras - Parte 2
Borrachas
 

Mais de Borrachas (18)

Polietileno
PolietilenoPolietileno
Polietileno
 
Moldagem de borracha
Moldagem de borrachaMoldagem de borracha
Moldagem de borracha
 
Hidrolise
HidroliseHidrolise
Hidrolise
 
tratamento de cargas inorgânicas
tratamento de cargas inorgânicastratamento de cargas inorgânicas
tratamento de cargas inorgânicas
 
09 iniciador para poliolefinas
09   iniciador para poliolefinas09   iniciador para poliolefinas
09 iniciador para poliolefinas
 
Modificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
Modificação de Polipropileno com Peróxidos OrgânicosModificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
Modificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
 
XLPE em condutores elétricos
XLPE em condutores elétricosXLPE em condutores elétricos
XLPE em condutores elétricos
 
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICASCOMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
 
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamacElastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamac
 
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachasTabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
 
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento EstáticoMolas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento Estático
 
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmicoMolas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
 
Molas coxins - Cálculos
Molas coxins - CálculosMolas coxins - Cálculos
Molas coxins - Cálculos
 
Molas coxins
Molas coxinsMolas coxins
Molas coxins
 
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borrachaCustos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
 
Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4
 
Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3
 
Correias transportadoras - Parte 2
Correias transportadoras - Parte 2Correias transportadoras - Parte 2
Correias transportadoras - Parte 2
 

Último

NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptxNR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
MarceloLeoSanttana
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
avaseg
 

Último (9)

Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slidesAula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
 
Ateliê de costura trabalho final apresentação.pdf
Ateliê de costura trabalho final apresentação.pdfAteliê de costura trabalho final apresentação.pdf
Ateliê de costura trabalho final apresentação.pdf
 
NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptxNR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
 
pdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdf
pdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdfpdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdf
pdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdf
 
treinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticatreinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plástica
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptxProposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
 
Integração_de__Segurança do Trabalho.pdf
Integração_de__Segurança do Trabalho.pdfIntegração_de__Segurança do Trabalho.pdf
Integração_de__Segurança do Trabalho.pdf
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 

07 normas astm d 2000

  • 2. GERAL • As respostas das características técnicas em artefatos de Borracha Vulcanizada regimentadas pelo sistema Normativo “ASTM D 2000” cobre com bastante segurança não somente peças para fins automotivos, que fundamentam esta Norma, como também oferece grande respaldo de embasamento nas propriedades técnicas para uma infinidade de artigos industriais, e outros, quando estes não estão cobertos por especificações próprias.
  • 3. INFORMAÇÕES - Importante:- - Um projeto de novo artefato ou verificação das propriedades técnicas de peças existentes devem principalmente estar coberto três bases fundamenteis que são:-
  • 4. INFORMAÇÕES – Analise Crítica • - Máximo de dados possíveis ( técnicos e outros ) sobre o artefato; • - Capacidade tecnológica para analisar com precisão os dados; • - Bom senso de assumir ou não o compromisso com o empenho e qualidade necessários.
  • 5. QUESTIONÁRIO TÉCNICO • - Elaborar um questionário técnico de maneira que o máximo de informações importantes e necessárias, sejam colhidas; • - Profissionais que irão buscar as informações devem estar perfeitamente treinados e hábeis a coletar eficazmente os dados com precisão.
  • 6. INFORMAÇÕES Principais • A Norma ASTM D 2000, orienta sobre diversos testes e métodos de ensaios os quais poderão oferecer dados importantes que sevem como referência na elaboração do “Questionário”, sejam eles:-
  • 7. DADOS • - Deformação Permanente à Compressão ----------------------( ASTM D 395 ) • - Tensão e Alongamento à Ruptura -------------------------------- ( ASTM D 412 ) • - Adesão a Substratos Rígidos --------------------------------------- ( ASTM D 429 ) • - Degeneração por Fadiga Dinâmica ------------------------------ ( ASTM D 430 ) • - Efeito de Ensaio em Líquidos -------------------------------------- ( ASTM D 471 ) • - Deterioração em Ar Quente ----------------------------------------- ( ASTM D 573 ) • - Propriedades sob Compressão ------------------------------------ ( ASTM D 575 ) • - Rasgamento sob Tração ---------------------------------------------- ( ASTM D 624 ) • - Manchamento em Superfícies ------------------------------------- ( ASTM D 925 ) • - Flexibilidade em Baixas Temperaturas ---------------------- ( ASTM D 1053 )
  • 8. DADOS • - Deterioração ao Ataque do Ozônio / intempéries --------- ( ASTM D 1149 ) • - Deterioração ao Ozônio em perfis triangulares ------------ ( ASTM D 1171 ) • - TR –Temperatura de Retração --------------------------------------- ( ASTM D 1329 ) • - Temperatura de Transição Vítrea ---------------------------------- ( ASTM D 2137 ) • - Dureza ---------------------------------------------------------------------------- ( ASTM D 2240 ) • - Imersão e Óleo IRM 901, IMR 902, IMR 903 ----------------- ( ASTM D 5964 ) • Outros em particular
  • 9. ASTM D 2000 . SAE J 200 • As especificações destas Normativas foram elaboradas conjuntamente entre o Comitê D 11 da ASTM ( American Society for Testing and Materials ) e a SAE ( Society Automotive Engineers ). • Estas Normativas são atualizadas anualmente
  • 10. NORMA ASTM D 2000 • Este sistema de classificação normativo se baseia em duas fundamentações, que são:- • “TIPO” = Resistência que o artefato vulcanizado oferece ao envelhecimento pelo calor; ( Tabela 1 ) • “ CLASSE” = Resistência que o artefato vulcanizado oferece ao inchamento em óleo IMR 903; ( Tabela 2 )
  • 11. TABELA 1 = “TIPO” REQUISITOS PARA ESTABELECER O “TIPO” EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA • TIPO TEMPERATURA DE TESTE °C A ------------------------------------------------------------------------------- 70 B ------------------------------------------------------------------------------- 100 C ------------------------------------------------------------------------------- 125 D ------------------------------------------------------------------------------- 150 E ------------------------------------------------------------------------------- 175 F ------------------------------------------------------------------------------- 200 G ------------------------------------------------------------------------------- 225 H ------------------------------------------------------------------------------- 250 J -------------------------------------------------------------------------------- 275 K -------------------------------------------------------------------------------- 300
  • 12. TABELA 2 = “CLASSE” REQUISITOS PARA ESTABELECER A“CLASSE” EM FUNÇÃO DO INCHAMENTO VOLUMÉTRICO MÁXIMO APÓS IMERSÃO EM ÓLEOS IMR 903 • CLASSE VOLUME DE INCHAMENTO MÁX. % A -------------------------------------------------------------------- NÃO REQUERIDO B -------------------------------------------------------------------- 140 C -------------------------------------------------------------------- 120 D -------------------------------------------------------------------- 100 E -------------------------------------------------------------------- 80 F -------------------------------------------------------------------- 60 G -------------------------------------------------------------------- 40 H -------------------------------------------------------------------- 30 J -------------------------------------------------------------------- 20 K -------------------------------------------------------------------- 10
  • 13. TABELA X1.1 = TIPO e CLASSE ALGUMAS BORRACHAS QUE REUNEM PROPRIEDADES DESIGNADAS Classificação ASTM D 2000 SAE J 200 ( Tipo e Classe Borrachas Muitas Vezes Indicadas ( A ) AA NR, IR, SBR, IIR, EPDM, BR AK T ( Polisulfeto ) BA EPDM alta temperatura, SBR, IIR BC CR ( Policloropreno ) BE CR ( Policloropreno ) BF NBR, ( Borracha Nitrílica ) BG NBR, AU, EU ( Poliur. Poliéster e Poliur. Polieter ) BK NBR, T CA EPDM CE CSM ( Polietileno Clorossulfonado ) CH NBR, ECO ( Epicloridrina ) DA EPDM ( A ) = Conforme ASTM D 1418
  • 14. TABELA X1.1 = TIPO e CLASSE ALGUMAS BORRACHAS QUE REUNEM PROPRIEDADES DESIGNADAS Classificação ASTM D 2000 SAE J 200 ( Tipo e Classe Borrachas Muitas Vezes Indicadas ( A ) DE CM, CSM DF BorrachasPoliacrílicas ( tipo butil-acrilato ) DH Polímeros Poliacrílicos HNBR EE AEM ( Etileno Metil Acrilato ) EH ACM EK FZ ( Borracha c/ Fosforo + Nitrogênio ) FC Silicones ( alta tensão de ruptura ) FE Silicones FK Fluor Silicones GE Borracha da Silicone HK Fluorelastoneros ( Viton; Fluorel ) KK Polifluorelastomeros ( Kaurez ) ( A ) = Conforme ASTM D 1418
  • 15. CLASSIFICAÇÃO “EXEMPLO” ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34
  • 16. ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34 • Explicando • Norma de Referência, Organização e Numeração de Documento
  • 17. ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34 • Explicando:- • M = Sistema Métrico = Requerimento e Unidades dos Valores Conforme SI – Unidades, ( Sistema Internacional de Unidades ).
  • 18. ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34 • Explicando:- • 2 = Grau de Sulfixo = Este número define o Grau de Performance técnica em função da aplicabilidade do artefato ( Tabela 6 do Livro de Normas ASTM volume 09.02 ) • Ver Exemplo resumido na Tabela 6 abaixo.
  • 19. ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34 TABELA 6 do Livro ASTM D 2000 ( Grau de Performance Técnica Exigida ). Nota:- Somente as Propriedades Básicas, não existe o requerimento de Prefíxos e Sulfixos no Grau 1 BC ( material Policloropreno ) Prefixos Sulfixos Exigências Dos Prefixos e Sulfixos Grau 1(A) Grau 2 Grau 3 Grau 4 Grau 5 Grau 6 Grau 7 Grau 8 A 14 Resistência ao Calor, Método de Teste D 573, durante 70 horas à 100°C. - Máxima variação na dureza ( pontos ) ----------------------- - Máxima variação na Tensão de Ruptura ( % ) -------------- - Máxima variação no Alongamento à Ruptura ( % ) ------- *** *** *** + 15 - 15 - 40 + 15 - 15 - 40 + 15 - 15 - 40 + 15 - 15 - 40 + 15 - 15 - 40 B 14 Deformação Permanente à Compressão, Método de Teste D 395, Método B, durante 22 horas à 100°C. ( Máxima DPC % ) *** 35 35 35 35 35 EO 34 Resistência a Fluidos, Método de Teste D 471, óleo IRM 903, durante 70 horas à 100°C - Máxima variação na Tensão de Ruptura ( % ) ------------------- - Máxima variação no Alongamento à Ruptura ( % ) ------------ - Variação de volume ( % ) ---------------------------------------------- *** *** *** - 70 - 55 + 120 - 60 - 50 + 100 - 45 - 30 + 80 - 60 - 60 + 100 - 60 - 60 + 100
  • 20. ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34 • Explicando:- • B = “Tipo” em Função da Resistência à Temperatura em °C , ( Tabela 1, acima ) • ( Ver Tabela 1 no Livro de Normas ASTM Volume 09.02 )
  • 21. ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34 • Explicando:- • C = “Classe” = Em função da Resistência ao Inchamento Volumétrico em % após imersão em Óleo IRM 903 ( Tabela 2 acima ). • ( Ver Tabela 2 no Livro de Normas ASTM Volume 09.02 )
  • 22. ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34 • Explicação:- • BC = Conforme visto pela Tabela X1.1 acima, já indica o tipo de Elastômero possível de ser usado • Nota:- Ver no Tabela X1.1 no Livro de Normas ASTM Volume 09.02
  • 23. ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34 • Explicando:- • 5 = 5 x 10 = 50 → Dureza tipo A ( Shore A ) • Nota:- Conforme a Norma ASTM D 2240 permite variação de Dureza entre + 5 ou – 5 pontos da escala de referência do tipo A • Logo temos:- 50 ± 5 ( Shore A )
  • 24. ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34 • Explicando:- • 10 = Tensão de Ruptura = 10 Mpa • Nota:- Nas Tabelas 6 do Livro de Normas ASTM Volume 09.02 poderá ser observada certa correlação entre Dureza; Tensão de Ruptura e Alongamento à Ruptura.
  • 25. ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34 • Explicação:- Sufixos e seus Requisitos Especiais; • A = Conforme Tabela 3, abaixo, esta letra determina que o composto elastomérico deverá apresentar requisito especial, “ Sufixo A” ,neste caso, resistência à Temperatura. • Ver Tabela 3 no Livro de Normas ASTM Volume 09.02
  • 26. Tabela 3, Significado das Letras Sufixos Z = é indicado quando algum requisito especial deve ser observado ou algum detalhe específico for recomendado. Letra Sufixo Teste Requerido Letra Sufixo Teste Requerido A Resistência ao Calor G Resistência ao Rasgamento B Deformação Permanente à Compressão H Resistência à Flexão C Resistência ao Ozônio ou Intemperismo J Resistência a Abrasão D Resistência à Compressão Deflexão K Força de Adesão EA Resistência a Fluidos Aquosos M Resistência à Flamabilidade EF Resistência a Fluidos Combustíveis N Resistência ao Impacto EO Resistência a Óleos e Lubrificantes P Resistência ao Manchamento F Resistência a Baixas Temperaturas R Resiliência
  • 27. ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34 • Explicação:- Sufixos e seus Requisitos Especiais. • 1 = Método do Ensaio e duração do Ensaio, Tabela 5, abaixo. ( Neste caso em exemplo o Método de ensaio será o ASTM D 573 e a duração do ensaio será de 70 horas ). • Ver Tabela 5 no Livro de Normas ASTM Volume 09.02
  • 28. Tabela 5 Métodos de Ensaio e Duração Requisitos Básicos e Nº do Primeiro Sufixo Básico 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Requisito ou Letra do Sufixo Tensão e Alongamento à Ruptura D 412 C.P “C” ........... .......... ............ ............. ............ ............ ............ ............ ........... Dureza Tipo A ( Shore A ) D 2240 ........... .......... ............ ............ ............ ............. ............ ............. ........... “Sufixo A” Resistência ao Calor ............. D 573 70 hs. D 865 70 hs. D 865 168 hs. D 573 168 hs D 573 1000 hs. D 865 1000 hs. ............ ............. ........... “Sufixo B” Deformação Permanente à Compressão, Corpo de Prova espesso ........... D 395 22 hs. Mét. B Sólido D 395 70 hs. Mét. B Sólido D 395 22 hs. Mét. B empilh. D 395 70 hs. Mét. B empilh. D 395 1000 hs. Mét. B Sólido D 395 1000 hs. Mét. B empilh. ............. ............. ........... “Sufixo C” Resistência ao ozônio ou ao Intemperismo ao Tempo ............. D 1171 OzônioA Expos. Mét. A D 1171B ao Tempo D 1171 OzônioC Expos. Mét. B ............. ............. ............ ............. ............. ............ “Sufixo D” Resistência à Compressão - Deflexão ............. D 575 Mét. A D 575 Mét. B ............. ............. .............. ............. ............. ............. ........... “Sufixo EO” Resistência ao Óleo ............. D 471 óleoD;E IRM901 70 hs. D 471 óleoD;E IRM902 70 hs. D 471 óleoD;E IRM903 70 hs. D 471 óleoD;E IRM901 168 hs. D 471 óleoD;E IRM902 168 hs. D 471 óleoD;E IRM903 168 hs. D 471 Flúido de Serviço nº 101E,F 70 hs. D 471 óleo especial Tabela 6 ASTM 70 hs ........... “Sufixo EF” Resistência a Combustíveis ............. D 471 Fuel A 70 hs. D 471 Fuel B 70 hs. D 471 Fuel C 70 hs. D 471 Fuel D 70 hs. D 471 70 hs. Obs. 1 ............. ............. ............. ...........
  • 29. Tabela 5 Método de Ensaio e Duração Requisitos Básicos e Nº do Primeiro Sufixo Básico 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Requisito ou Letra do Sufixo “Sufixo EA” Resistência a Fluidos Aquosos ........... D 471 Água Destilada 70 hs. D 471 50% Água Destil. + 50% Etileno Glicol 70 hs. . ........... ............. ............ ............ ............ ............ ........... “Sufixo F” Resistência a Baixas Temperaturas ............ D 2137 Mét. A 9.3.2, 3 min. D 1053 5 min. T2; T5; T10 T50 / T100 D 2137 Mét. A 9.3.2, 22 hs. D 1329 38 min. C.P. 50% along. Retração 10% mínimo D 1329 38 min. C.P. 50% along. Retração 50% mínimo D 1053 5 min. T5 ; T10 e T10 – T5 Graus de Separação Máx. D 1329 38 min. C.P. 50% along. Retração 70% mínimo ................ ........... “Sufixo G” Resistência ao Rasgamento ............. D 624 C.P. “B” D 624 C.P. “C” ............... .............. ............. ............. ............ ............. ........... “Sufixo H” Resistência à Flexão .............. D 430 Mét. A D 430 Mét. B D 430 Mét. C .............. .............. ............. ............... ............... ............. “Sufixo J” Resistência a Abrasão ............... ............. ............. ............. ............... ............... ............... ............... ............... ............ “Sufixo K” Resistência a Adesão ................. D 429 Mét. A D 429 Mét. B Colado após Vulcaniz. ............. .............. ............. ............. ............. ........... “Sufixo M” Resistência à Flamabilidade ................ ............... ............... .............. .............. ............... .............. .............. .............. ............ “Sufixo N” Resistência ao Impacto ............. .............. .............. .............. .............. .............. .............. .............. ............. ............ “Sufixo P” Resistência ao Manchamento ................ D 925 Mét. A D 925 Mét. B .............. .............. ............. ............... ............... ................ ............. “Sufixo R” Ensaio de Resiliência ................ ............... .............. ............... ............... ............... ................. ............... ................ .............
  • 30. ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34 • Explicação:- Sufixos e seus Requisitos Especiais. • 4 = Temperatura do Ensaio , Tabela 4, abaixo. ( Neste caso em exemplo o Método de ensaio será o ASTM D 573 e a duração do ensaio será de 70 horas e a “Temperatura de ensaio será de 100°C “). • Ver Tabela 4 no Livro de Normas ASTM Volume 09.02
  • 31. Tabela 4 Temperatura de Ensaio Segundo Número do Sufixo ( ex. A14 ) Requisitos Aplicável para as Letras Sulfixos Segundo Número Sufixo Temperat. de Teste °C (A) Requisitos Aplicável para as Letras Sulfixos Segundo Número Sufixo Temperat. de Teste °C (A) A, B, C, EA, EF, EO, G, K 11 275 F 1 23 10 250 2 0 9 225 3 - 10 8 200 4 - 18 7 175 5 - 25 6 150 6 - 35 5 125 7 - 40 4 100 8 - 50 3 70 9 - 55 2 38 10 - 65 1 23 11 - 75 0 Obs. 1 12 - 80 ( A ) Temperaturas de Testes são baseadas na Prático conforme ASTM D 1349 Obs. Temperatura ambiente no caso de teste em intemperismo
  • 32. ASTM D 2000 M 2 BC 510 A14 B14 EO34 • Resumindo temos:- • - Especificações conforme ASTM D 2000; • - M = Sistema métrico internacional ( SI ); • - 2 = Aplicável ensaios conforme sufixos Grau 2; • - BC = Borracha de Policloropreno; • - 5 = 5x10 = 50 ± 5 = Dureza tipo A ( Shore A ); • - 10 = Tensão de Ruptura = 10 Mpa e Alongamento = 350% mín.; • - A = Ensaio de Resistência ao Calor; • - 1 = Método de Ensaio conforme ASTM D 573 durante 70 hs.; • - 4 = Temperatura do Ensaio 100°C.
  • 33. INFORMAÇÕES ADICIONAIS • As “Tabelas 6” mostradas no Livro de Normas ASTM, Volume 09.02, referente as Requerimentos ASTM D 2000, apresentam grande quantidade de resultados de testes que poderão servir como dados comparativos e orientações em novos desenvolvimentos de artefatos em Borracha.
  • 34.
  • 35. OBRIGADO FIQUEM COM DEUS Mais Informações :- www.slideshare.net/borrachas/documents 35
  • 36. CONCLUSÃO ESPERAMOS TER PODIDO ATINGIR AS ESPECTATIVAS DESTES TANTOS AMIGOS QUE COMO NÓS OUTROS DESPREENDE DE HORAS A FIO NA BUSCA E TROCAS DE INFORMAÇÕES SOBRE ESTA ATRAENTE CIÊNCIA QUE É O MUNDO DE BORRACHA A:.G:.D:.G:.A:.D:.U:. V.J.GARBIM – Setembro 2016