SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Baixar para ler offline
SISTEMA DE CURA DE
POLÍMEROS ETILÊNICOS
POR HIDRÓLISE
V.J.G. Primavera 2018
1
Breve Histórico dos Polímeros
Etilênicos
Ao que se sabe, o primeiro Polímero Etilênico
produzido industrialmente foi o Polietileno “PEBD”,
em 1933 pela Imperial Chemical Industrie “ICI”,
atualmente AKZO Nobel.
Já em meados dos anos 1950, com a descoberta dos
catalisadores Ziegler & Natta deram origem a
outros Polímeros e Co-Polímeros Etilênicos como, o
EVA, EPM, EPDM, EVOH, POE, POB, entre outros.
2
Principais Características Oferecidas
pelos Polímeros Etilênicos
• Custo relativamente baixo;
• Fácil Processabilidade;
• Ótima resistência Química a Líquidos Polares;
• Excelente Isolamento Elétrico;
• Boa Tenacidade e Flexibilidade à temper. Ambiente;
• Boa Transparência em filmes;
• Não Tóxico e quase não tem cheiro;
• Baixa Permeabilidade a Vapor d’Água
3
Limitação de Uso
• Temperaturas de trabalho limitada a máx.~ 70°C;
• Resistência Mecânica Limitada;
• Tendência a Propagar Trincas ( os termoplásticos );
• Opacidade em alguns tipos;
• Alta permeabilidade a gases;
• Baixa Resistência a derivados de Petróleo;
• Suscetibilidade de Oxidação;
• Regular Resistência aos Raios UV
4
Constituição Estrutural
• Basicamente, estruturação hidrocarbônicas,
apresentado regiões amorfas combinadas a
outras mais cristalinas, onde as suas longas
cadeias moleculares principais mostram-se
singelas, deslizando-se facilmente umas
sobres as outras, deformando o material
quando aquecido acima de 70°C, sendo essa
temperatura um dos principais limitantes do
emprego desta família de polímeros muitas
aplicações.
5
Melhores Propriedades Técnicas
• Estudos que se iniciaram e meados de 1950,
por pesquisadores de diversas Universidades
e companhias interessadas, buscavam
tecnologias que possibilitasse melhorar as
propriedades técnicas dos Polímeros
Etilênicos, principalmente incrementar a
resistência à mais elevadas temperaturas,
sem prejudicar as características típicas e de
processamento destes materiais.
6
Propriedades Melhoradas Através do
Crosslinking
• No final dos anos de 1960, as empresas já
dispunham de diversas bases tecnológicas,
em que, as principais, são empregadas até os
dias de hoje, sejam:-
• Radiação, por Bombardeio de Elétrons,
• Crosslinking por Peróxidos Orgânicos, “PEX”
• Graftização de Silanos para Hidrolização.
• Vulcanização por Enxofre, para os EPDMs
7
Crosslinking
• Qualquer das Tecnologias conduz a um único
resultado, seja, a ligação de duas ou mais
cadeias moleculares estruturais poliméricas,
formando uma rede tridimensional
interligada, o que comumente pode ser
chamado de:-
• Crosslinking, Reticulação, Cura, Vulcanização
( no caso de EPDM usando Enxofre ), entre outros termos
diversos.
• Ver figura ilustrativa a seguir mostra o caso para Polietileno:
8
9
Melhoria das Propriedades Técnicas
• Então, com o tratamento dado à estrutura
polimérica promovendo o Crosslinking,
transforma-se o Polímero Etilênico, de
Termoplástico para TERMOFÍXO, e assim
consegue-se incrementar a resistência
térmica de 70°C para 90°C, ( em alguns casos
para até 125°C ). Obtendo-se daí maiores
propriedades mecânicas, melhores
resistências químicas e ao intemperismo,
etc...
10
Crosslinking por Hidrólise
• No final dos anos de 1960 a empresa Midland
Silicones, ( atual Dow Corning ), descobriu certos
tipos de Alkoxys Silanos que enxertados às Cadeias
Poliméricas Etilênicas e posteriormente submetidas
à umidade resultava em Crosslinking.
• Porém, foi em meados de 1980 que o denominado
XLPE, Reticulado via Hidrólise, efetivamente tornou-
se de largo interesse industrial.
11
Crosslinking por Hidrólise
• Esta nova tecnologia de Crosslinking foi logo
assimilada pelas indústrias produtoras de
diversos tipos de artefatos poliméricos,
principalmente os processados por extrusão
como, por exemplo, em revestimentos de
condutores elétricos, onde é largamente usado o
Polietileno, ( convencionou-se chamar de XLPE ).
• Não obstante, outros Polímeros Etilênicos, bem
como seus compostos, devidamente preparados
assimilam perfeitamente o mesmo sistema de
Cura.
12
Sequência da Reação para Crosslinking por
Hidrólise
13
Sequência da Reação para Crosslinking por
Hidrólise – “ Ação do Iniciador”
14
Sequência da Reação para Crosslinking por
Hidrólise – “Graftização”
15
Sequência da Reação para Crosslinking por
Hidrólise – “Cadeia Graftizada”
16
Sequência da Reação para Crosslinking por
Hidrólise –”Hidrolização”
17
Sequência da Reação para Crosslinking por
Hidrólise – “Hidrólise Concluida”
18
Sequência da Reação para Crosslinking por
Hidrólise – “Condensação e Reticulação”
19
Preparação do Composto
• A preparação do composto demanda cuidados
específicos e singulares.
• Praticamente são reações termo-químcas iniciais
que proporcionam o enxerto das moléculas dos
Alkoxys Silanos nas cadeias estruturais poliméricas
resultando em um pré composto.
• Numa segunda fase, adiciona-se ao pré composto,
Master Batches contendo, aditivos químicos
sensíveis à umidade, os quais ativam e aceleram a
formação do Crosslinking.
20
Esquema Básico da Preparação Pré Composto
Etilênico e dos Master Batches de Cura
21
Descrição Geral do Processo de Preparação do
Pré Composto
• Alimentação da Resina Polimérica Etilênica;
• Pré Secagem e Aquecimento da Resina Etilênica ;
• Alimentação do pré misturador de aditivos;
• Pré-mix e homogeneização em Atmosfera Inerte;
• Alimentação da Extrusora reatora ( Atm. Inerte ),
• Plastificação, Reação de Enxertia, Gramulação;
• Resfriamento, Secagem, Homogeneização;
• Pesagem e Adição de Master Batches
22
Descrição Geral do Processo de Preparação dos
Master Batch dos Outros Aditivos
• Alimentação do Polímero Carrier;
• Pré secagem do Polímero Carrier;
• Alimentação do Pré Misturador
• Pré Mix do Polímero Carrier + Aditivos;
• Alimentação da Extrusora Misturadora;
• Plastificação, Fusão, Mistura, Granulação;
• Secagem, Resfriamento e Armazenamento;
• Pesagem e Adição ao Pré Composto Enxertado.
23
Compostos Final, Misturado e Pronto para
Produção do Artefato
• Importante que o Composto Final seja
acondicionado em embalagens apropriadas
que ofereça total proteção contra umidade,
luz e contaminantes.
• A forma física do Compostos Final Pronto,
normalmente são pequenos grãos.
• O tempo Shelf Life é relativamente curto,
aprox. 180 dias, desde que devidamente
armazenado.
24
Processamento Para Conformação do Artefato
• Para conformação do Artefato normalmente utiliza-
se os métodos de Extrusão, ou Injeção
25
Processamento Para Conformação do Artefato
• Extrusão:-
• Para fabricação de perfis com secção transversal
regular e contínua, como por exemplo; tubos,
mangueiras, perfis para esquadrias, revestimento
de substratos, tipo, condutores elétricos arames,
etc...
• A figura 1, esquemática abaixo, ( capturada da Internet e aqui usada
para fins didáticos ), ilustra e auxilia o entendimento deste processo de
conformação.
26
Ilustração Esquemática da Máquina Extrusora
Fig. 1
27
Características Gerais da Extrusora
• Extrusora apropriada para processamento de
materiais termoplásticos etilênicos;
• Extrusoras mono rosca com relação L / D > 22 / 1;
• Taxa de compressão da Rosca 2,5:1 a 3,0:1;
• Rosca com refrigeração interna;
• Extrusoras com mínimo 5 zonas de aquecimento.
• Máquina deverá estar perfeitamente limpa e livre
de qualquer contaminação e ou umidade;
28
Ajustes Primários da Extrusora
• Calibragem de Temperaturas:-
• Barril :- Zona 1 ~ 170°C; Zona 2 ~ 180°C;
Zona 3 ~ 190°C; Zona 4 ~ 190°C; Zona 5 ~ 195°C,
• Colar de montagem do Cabeçote ~ 195°C,
• Cabeçote e Matriz ~ 190°C,
• Resfriamento interno na rosca, água ~ 70°C,
• Importante uso de telas de filtragem #60, #80, # 60,
• Nota:- A aplicação de uma pequena chama, ( fogo ), em
contato com a matriz e o perfil extrusado garante um
acabamento mais alisado e brilhante
29
Ilustração da Aplicação da Chama
( fotografia gentilmente cedida por um processador de artefatos extrusados )
30
Resfriamento do Artefato Extrusado
• Após o artefato, “Perfil”, extrusado vazar pela
matriz conformadora, este deverá entrar na Calha
de Resfriamento, nas seguintes condições:
• Primeiro trecho da Calha de Resfriamento, (próximo
à matriz), por aproximadamente 3 metros,
contendo água aquecida à ~ 65°C, adicionada de
mínima quantidade de emulsuficante.
• O restante da Calha de Resfriamento, (aprox. 30 m.)
contendo água à temperatura ambiente.
31
Características Gerais da Injetora
• Injeção:-
• Para fabricação de artefatos moldados das
mais diversas formas geométricas.
• A figura 2, esquemática abaixo, ( capturada da Internet e aqui usada
para fins didáticos ), ilustra e auxilia o entendimento deste processo de
conformação.
32
Ilustração Esquemática da Máquina Injetora
Fig. 2
33
Características Gerais da Injetora
• Injetora apropriada para processamento de
materiais termoplásticos etilênicos;
• Injetora de rosca com relação L / D > 10 / 1;
• Taxa de compressão da Rosca 2,5:1 a 3,0:1;
• Injetora com mínimo 3 zonas de
aquecimento.
• Importante trabalhar com Molde Aquecido à
temperatura entre 50°C a 60°C;
34
Ajustes Primários da Injetora
• Calibragem de Temperaturas:-
• Barril :- Zona 1 ~ 170°C; Zona 2 ~ 185°C;
Zona 3 ~ 195°C; Bico ~ 195°C ,
• Molde ~ 50°C a 60°C,
• Nota:- Pressões e Ciclos de Injeção, dependem do
tamanho e forma geométrica da peça.
35
Crosslinking
• A reação de Crosslinking ocorre quando o composto
ou o artefato conformado é submetido ao contato
com H2O ( umidade ).
• O Crosslinking satisfatório demanda certo período
de tempo, ( de algumas horas até dias ), pois,
depende a permeação da umidade pelos espaços
intermoleculares nas cadeias poliméricas até
atingirem as moléculas silícicas promovendo nelas a
reação de hidrólise, seguida da condensação
36
Crosslinking
• Num primeiro estágio, as moléculas de H2O
inicialmente reagem com os sais metálicos
catalíticos integrantes no composto disparando e
acelerando a hidrólise dos grupos alkoxy-silanos
enxertados nas cadeias poliméricas etilênicas
capturando grupos OH pendentes gerando
moléculas de Alcool.
• Em um segundo estágio, quase instantâneo,
novamente as H2O provoca a condensação e nessa
são geradas outras H2O que disparam a reação em
cadeia, e assim sucessivamente.
37
Medição da Taxa de Crosslinking
38
• A taxa de Crosslinking poderá ser medida através
do teor de Gel obtido por meio de extração por
solventes.
• Teor de Gel em valores entre 65% a 75% resultam
em propriedades técnicas finais de excelentes
performances.
• A Norma ABNT NBR 15939-1, apresenta o Método
de Ensaio específico para identificação do Teor de
Gel
Medição da Taxa de Crosslinking
• Outros métodos para medição e verificação do
Crosslinking.
• Medição do Alongamento a Quente ( Hot Set ),
normalizado pelo método de ensaio ABNT NBR NM
IEC 60811-2-1
• Medição do inchamento em solvente Xileno à
110°C, chamado de método de ensaio
“CATERPILLAR”
39
40
OBRIGADO
FIQUEM COM DEUS
Mais Informações :-
www.slideshare.net/borrachas/documents
41
CONCLUSÃO
• Além dos métodos e sistemas mais convencionais de
Crosslinking, a cura por hidrólise também permite
obter resultados técnicos bastante satisfatórios e
perfeitamente aplicáveis em artefatos Etilênicos
Reticulados, produzindo-os pelos métodos
tradicionais de processamentos de termoplásticos .
• MUITO OBRIGADO - GRANDE ABRAÇO
• FIQUEM COM DEUS AYEL 2018
42

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Adesão aplicada indústria da borracha
Adesão aplicada indústria da borrachaAdesão aplicada indústria da borracha
Adesão aplicada indústria da borracha
Borrachas
 
Materiais poliméricos renault
Materiais poliméricos renaultMateriais poliméricos renault
Materiais poliméricos renault
Lidiane Nobre
 

Mais procurados (20)

Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular (PEUAPM)
Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular (PEUAPM)Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular (PEUAPM)
Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular (PEUAPM)
 
Ibp1108 05. sobre mantas termocontrateis.
Ibp1108 05.  sobre mantas termocontrateis.Ibp1108 05.  sobre mantas termocontrateis.
Ibp1108 05. sobre mantas termocontrateis.
 
Artigo ptfe-teflon
Artigo ptfe-teflonArtigo ptfe-teflon
Artigo ptfe-teflon
 
Xlpe
XlpeXlpe
Xlpe
 
Blendas
BlendasBlendas
Blendas
 
polióxido de metileno
polióxido de metilenopolióxido de metileno
polióxido de metileno
 
Adesão aplicada indústria da borracha
Adesão aplicada indústria da borrachaAdesão aplicada indústria da borracha
Adesão aplicada indústria da borracha
 
Escolha da borracha
Escolha da borrachaEscolha da borracha
Escolha da borracha
 
16 xlpe, artigo tecnico
16   xlpe, artigo tecnico16   xlpe, artigo tecnico
16 xlpe, artigo tecnico
 
Polimeros de adição
Polimeros de adiçãoPolimeros de adição
Polimeros de adição
 
Aula 7 cargas e reforços
Aula 7  cargas  e reforçosAula 7  cargas  e reforços
Aula 7 cargas e reforços
 
Apostila:Fibra de polipropileno
Apostila:Fibra de polipropilenoApostila:Fibra de polipropileno
Apostila:Fibra de polipropileno
 
Química: Propriedades dos Polímeros.
Química: Propriedades dos Polímeros.Química: Propriedades dos Polímeros.
Química: Propriedades dos Polímeros.
 
Polimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais PropriedadesPolimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais Propriedades
 
Ozônio
OzônioOzônio
Ozônio
 
Materiais poliméricos renault
Materiais poliméricos renaultMateriais poliméricos renault
Materiais poliméricos renault
 
1202991902 betuminosos
1202991902 betuminosos1202991902 betuminosos
1202991902 betuminosos
 
Polimeros 3
Polimeros 3Polimeros 3
Polimeros 3
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Reações de polimerização
Reações de polimerização Reações de polimerização
Reações de polimerização
 

Semelhante a Hidrolise

Aula 21 - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdf
Aula 21  - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdfAula 21  - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdf
Aula 21 - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdf
andrielledomingos08
 
Problemasde injeção osdezmais
Problemasde injeção osdezmaisProblemasde injeção osdezmais
Problemasde injeção osdezmais
paulo2915
 

Semelhante a Hidrolise (20)

Grupo3_ProjetoFinal.pptx
Grupo3_ProjetoFinal.pptxGrupo3_ProjetoFinal.pptx
Grupo3_ProjetoFinal.pptx
 
CAPL - LINHA DE RECOZIMENTO CONTÍNUO
CAPL - LINHA DE RECOZIMENTO CONTÍNUOCAPL - LINHA DE RECOZIMENTO CONTÍNUO
CAPL - LINHA DE RECOZIMENTO CONTÍNUO
 
Manutenção dos transformadores e tratamento de óleos isolantes
Manutenção dos transformadores e tratamento de óleos isolantesManutenção dos transformadores e tratamento de óleos isolantes
Manutenção dos transformadores e tratamento de óleos isolantes
 
Seminário 1 daniel paiva
Seminário 1   daniel paivaSeminário 1   daniel paiva
Seminário 1 daniel paiva
 
Intro SWS-UET - Rev. 1
Intro SWS-UET  - Rev. 1Intro SWS-UET  - Rev. 1
Intro SWS-UET - Rev. 1
 
Polímeros.pptx.pdf
Polímeros.pptx.pdfPolímeros.pptx.pdf
Polímeros.pptx.pdf
 
Termorrígidos
TermorrígidosTermorrígidos
Termorrígidos
 
Trefilacão
TrefilacãoTrefilacão
Trefilacão
 
Aula 21 - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdf
Aula 21  - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdfAula 21  - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdf
Aula 21 - PROCESSO DE INJECAO SOB PRESSAO.ppt.pdf
 
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracaoAshra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
 
Manual Placalor Sibrape
Manual Placalor SibrapeManual Placalor Sibrape
Manual Placalor Sibrape
 
Tratamento agua para caldeiras de alta pressão
Tratamento agua   para caldeiras de alta pressãoTratamento agua   para caldeiras de alta pressão
Tratamento agua para caldeiras de alta pressão
 
Curso de refrigeração doméstica.pptx
Curso de refrigeração doméstica.pptxCurso de refrigeração doméstica.pptx
Curso de refrigeração doméstica.pptx
 
07 Nelsão Ruão - DONAUER
07 Nelsão Ruão - DONAUER07 Nelsão Ruão - DONAUER
07 Nelsão Ruão - DONAUER
 
Ceramica
CeramicaCeramica
Ceramica
 
Ceramica 140621192036-phpapp01
Ceramica 140621192036-phpapp01Ceramica 140621192036-phpapp01
Ceramica 140621192036-phpapp01
 
Problemasde injeção osdezmais
Problemasde injeção osdezmaisProblemasde injeção osdezmais
Problemasde injeção osdezmais
 
Fet termodinamica
Fet termodinamicaFet termodinamica
Fet termodinamica
 
Comport termico concreto
Comport termico concretoComport termico concreto
Comport termico concreto
 
Oxicorte
OxicorteOxicorte
Oxicorte
 

Mais de Borrachas

COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICASCOMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
Borrachas
 
Vulcanização
VulcanizaçãoVulcanização
Vulcanização
Borrachas
 
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachasTabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Borrachas
 
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachasTabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Borrachas
 
Reciclagem da borracha
Reciclagem da borrachaReciclagem da borracha
Reciclagem da borracha
Borrachas
 
Molas e coxins - Elastômeros mais usados
Molas e coxins - Elastômeros mais usadosMolas e coxins - Elastômeros mais usados
Molas e coxins - Elastômeros mais usados
Borrachas
 
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento EstáticoMolas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Borrachas
 
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmicoMolas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Borrachas
 
Molas coxins - Cálculos
Molas coxins - CálculosMolas coxins - Cálculos
Molas coxins - Cálculos
Borrachas
 
Molas coxins
Molas coxinsMolas coxins
Molas coxins
Borrachas
 
Eficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silanoEficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silano
Borrachas
 
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borrachaCustos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Borrachas
 
Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4
Borrachas
 

Mais de Borrachas (20)

Moldagem de borracha
Moldagem de borrachaMoldagem de borracha
Moldagem de borracha
 
tratamento de cargas inorgânicas
tratamento de cargas inorgânicastratamento de cargas inorgânicas
tratamento de cargas inorgânicas
 
11 mistura em banbury
11   mistura em banbury11   mistura em banbury
11 mistura em banbury
 
09 iniciador para poliolefinas
09   iniciador para poliolefinas09   iniciador para poliolefinas
09 iniciador para poliolefinas
 
08 escolha da borracha
08   escolha da borracha08   escolha da borracha
08 escolha da borracha
 
07 normas astm d 2000
07   normas astm d 200007   normas astm d 2000
07 normas astm d 2000
 
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICASCOMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
 
Vulcanização
VulcanizaçãoVulcanização
Vulcanização
 
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachasTabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
 
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachasTabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
 
Reciclagem da borracha
Reciclagem da borrachaReciclagem da borracha
Reciclagem da borracha
 
Neoprene
NeopreneNeoprene
Neoprene
 
Molas e coxins - Elastômeros mais usados
Molas e coxins - Elastômeros mais usadosMolas e coxins - Elastômeros mais usados
Molas e coxins - Elastômeros mais usados
 
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento EstáticoMolas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento Estático
 
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmicoMolas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
 
Molas coxins - Cálculos
Molas coxins - CálculosMolas coxins - Cálculos
Molas coxins - Cálculos
 
Molas coxins
Molas coxinsMolas coxins
Molas coxins
 
Eficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silanoEficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silano
 
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borrachaCustos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
 
Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4
 

Último

NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptxNR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
MarceloLeoSanttana
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
avaseg
 

Último (9)

NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptxNR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
 
treinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticatreinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plástica
 
Integração_de__Segurança do Trabalho.pdf
Integração_de__Segurança do Trabalho.pdfIntegração_de__Segurança do Trabalho.pdf
Integração_de__Segurança do Trabalho.pdf
 
Ateliê de costura trabalho final apresentação.pdf
Ateliê de costura trabalho final apresentação.pdfAteliê de costura trabalho final apresentação.pdf
Ateliê de costura trabalho final apresentação.pdf
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptxProposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
 
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slidesAula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
 
pdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdf
pdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdfpdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdf
pdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdf
 

Hidrolise

  • 1. SISTEMA DE CURA DE POLÍMEROS ETILÊNICOS POR HIDRÓLISE V.J.G. Primavera 2018 1
  • 2. Breve Histórico dos Polímeros Etilênicos Ao que se sabe, o primeiro Polímero Etilênico produzido industrialmente foi o Polietileno “PEBD”, em 1933 pela Imperial Chemical Industrie “ICI”, atualmente AKZO Nobel. Já em meados dos anos 1950, com a descoberta dos catalisadores Ziegler & Natta deram origem a outros Polímeros e Co-Polímeros Etilênicos como, o EVA, EPM, EPDM, EVOH, POE, POB, entre outros. 2
  • 3. Principais Características Oferecidas pelos Polímeros Etilênicos • Custo relativamente baixo; • Fácil Processabilidade; • Ótima resistência Química a Líquidos Polares; • Excelente Isolamento Elétrico; • Boa Tenacidade e Flexibilidade à temper. Ambiente; • Boa Transparência em filmes; • Não Tóxico e quase não tem cheiro; • Baixa Permeabilidade a Vapor d’Água 3
  • 4. Limitação de Uso • Temperaturas de trabalho limitada a máx.~ 70°C; • Resistência Mecânica Limitada; • Tendência a Propagar Trincas ( os termoplásticos ); • Opacidade em alguns tipos; • Alta permeabilidade a gases; • Baixa Resistência a derivados de Petróleo; • Suscetibilidade de Oxidação; • Regular Resistência aos Raios UV 4
  • 5. Constituição Estrutural • Basicamente, estruturação hidrocarbônicas, apresentado regiões amorfas combinadas a outras mais cristalinas, onde as suas longas cadeias moleculares principais mostram-se singelas, deslizando-se facilmente umas sobres as outras, deformando o material quando aquecido acima de 70°C, sendo essa temperatura um dos principais limitantes do emprego desta família de polímeros muitas aplicações. 5
  • 6. Melhores Propriedades Técnicas • Estudos que se iniciaram e meados de 1950, por pesquisadores de diversas Universidades e companhias interessadas, buscavam tecnologias que possibilitasse melhorar as propriedades técnicas dos Polímeros Etilênicos, principalmente incrementar a resistência à mais elevadas temperaturas, sem prejudicar as características típicas e de processamento destes materiais. 6
  • 7. Propriedades Melhoradas Através do Crosslinking • No final dos anos de 1960, as empresas já dispunham de diversas bases tecnológicas, em que, as principais, são empregadas até os dias de hoje, sejam:- • Radiação, por Bombardeio de Elétrons, • Crosslinking por Peróxidos Orgânicos, “PEX” • Graftização de Silanos para Hidrolização. • Vulcanização por Enxofre, para os EPDMs 7
  • 8. Crosslinking • Qualquer das Tecnologias conduz a um único resultado, seja, a ligação de duas ou mais cadeias moleculares estruturais poliméricas, formando uma rede tridimensional interligada, o que comumente pode ser chamado de:- • Crosslinking, Reticulação, Cura, Vulcanização ( no caso de EPDM usando Enxofre ), entre outros termos diversos. • Ver figura ilustrativa a seguir mostra o caso para Polietileno: 8
  • 9. 9
  • 10. Melhoria das Propriedades Técnicas • Então, com o tratamento dado à estrutura polimérica promovendo o Crosslinking, transforma-se o Polímero Etilênico, de Termoplástico para TERMOFÍXO, e assim consegue-se incrementar a resistência térmica de 70°C para 90°C, ( em alguns casos para até 125°C ). Obtendo-se daí maiores propriedades mecânicas, melhores resistências químicas e ao intemperismo, etc... 10
  • 11. Crosslinking por Hidrólise • No final dos anos de 1960 a empresa Midland Silicones, ( atual Dow Corning ), descobriu certos tipos de Alkoxys Silanos que enxertados às Cadeias Poliméricas Etilênicas e posteriormente submetidas à umidade resultava em Crosslinking. • Porém, foi em meados de 1980 que o denominado XLPE, Reticulado via Hidrólise, efetivamente tornou- se de largo interesse industrial. 11
  • 12. Crosslinking por Hidrólise • Esta nova tecnologia de Crosslinking foi logo assimilada pelas indústrias produtoras de diversos tipos de artefatos poliméricos, principalmente os processados por extrusão como, por exemplo, em revestimentos de condutores elétricos, onde é largamente usado o Polietileno, ( convencionou-se chamar de XLPE ). • Não obstante, outros Polímeros Etilênicos, bem como seus compostos, devidamente preparados assimilam perfeitamente o mesmo sistema de Cura. 12
  • 13. Sequência da Reação para Crosslinking por Hidrólise 13
  • 14. Sequência da Reação para Crosslinking por Hidrólise – “ Ação do Iniciador” 14
  • 15. Sequência da Reação para Crosslinking por Hidrólise – “Graftização” 15
  • 16. Sequência da Reação para Crosslinking por Hidrólise – “Cadeia Graftizada” 16
  • 17. Sequência da Reação para Crosslinking por Hidrólise –”Hidrolização” 17
  • 18. Sequência da Reação para Crosslinking por Hidrólise – “Hidrólise Concluida” 18
  • 19. Sequência da Reação para Crosslinking por Hidrólise – “Condensação e Reticulação” 19
  • 20. Preparação do Composto • A preparação do composto demanda cuidados específicos e singulares. • Praticamente são reações termo-químcas iniciais que proporcionam o enxerto das moléculas dos Alkoxys Silanos nas cadeias estruturais poliméricas resultando em um pré composto. • Numa segunda fase, adiciona-se ao pré composto, Master Batches contendo, aditivos químicos sensíveis à umidade, os quais ativam e aceleram a formação do Crosslinking. 20
  • 21. Esquema Básico da Preparação Pré Composto Etilênico e dos Master Batches de Cura 21
  • 22. Descrição Geral do Processo de Preparação do Pré Composto • Alimentação da Resina Polimérica Etilênica; • Pré Secagem e Aquecimento da Resina Etilênica ; • Alimentação do pré misturador de aditivos; • Pré-mix e homogeneização em Atmosfera Inerte; • Alimentação da Extrusora reatora ( Atm. Inerte ), • Plastificação, Reação de Enxertia, Gramulação; • Resfriamento, Secagem, Homogeneização; • Pesagem e Adição de Master Batches 22
  • 23. Descrição Geral do Processo de Preparação dos Master Batch dos Outros Aditivos • Alimentação do Polímero Carrier; • Pré secagem do Polímero Carrier; • Alimentação do Pré Misturador • Pré Mix do Polímero Carrier + Aditivos; • Alimentação da Extrusora Misturadora; • Plastificação, Fusão, Mistura, Granulação; • Secagem, Resfriamento e Armazenamento; • Pesagem e Adição ao Pré Composto Enxertado. 23
  • 24. Compostos Final, Misturado e Pronto para Produção do Artefato • Importante que o Composto Final seja acondicionado em embalagens apropriadas que ofereça total proteção contra umidade, luz e contaminantes. • A forma física do Compostos Final Pronto, normalmente são pequenos grãos. • O tempo Shelf Life é relativamente curto, aprox. 180 dias, desde que devidamente armazenado. 24
  • 25. Processamento Para Conformação do Artefato • Para conformação do Artefato normalmente utiliza- se os métodos de Extrusão, ou Injeção 25
  • 26. Processamento Para Conformação do Artefato • Extrusão:- • Para fabricação de perfis com secção transversal regular e contínua, como por exemplo; tubos, mangueiras, perfis para esquadrias, revestimento de substratos, tipo, condutores elétricos arames, etc... • A figura 1, esquemática abaixo, ( capturada da Internet e aqui usada para fins didáticos ), ilustra e auxilia o entendimento deste processo de conformação. 26
  • 27. Ilustração Esquemática da Máquina Extrusora Fig. 1 27
  • 28. Características Gerais da Extrusora • Extrusora apropriada para processamento de materiais termoplásticos etilênicos; • Extrusoras mono rosca com relação L / D > 22 / 1; • Taxa de compressão da Rosca 2,5:1 a 3,0:1; • Rosca com refrigeração interna; • Extrusoras com mínimo 5 zonas de aquecimento. • Máquina deverá estar perfeitamente limpa e livre de qualquer contaminação e ou umidade; 28
  • 29. Ajustes Primários da Extrusora • Calibragem de Temperaturas:- • Barril :- Zona 1 ~ 170°C; Zona 2 ~ 180°C; Zona 3 ~ 190°C; Zona 4 ~ 190°C; Zona 5 ~ 195°C, • Colar de montagem do Cabeçote ~ 195°C, • Cabeçote e Matriz ~ 190°C, • Resfriamento interno na rosca, água ~ 70°C, • Importante uso de telas de filtragem #60, #80, # 60, • Nota:- A aplicação de uma pequena chama, ( fogo ), em contato com a matriz e o perfil extrusado garante um acabamento mais alisado e brilhante 29
  • 30. Ilustração da Aplicação da Chama ( fotografia gentilmente cedida por um processador de artefatos extrusados ) 30
  • 31. Resfriamento do Artefato Extrusado • Após o artefato, “Perfil”, extrusado vazar pela matriz conformadora, este deverá entrar na Calha de Resfriamento, nas seguintes condições: • Primeiro trecho da Calha de Resfriamento, (próximo à matriz), por aproximadamente 3 metros, contendo água aquecida à ~ 65°C, adicionada de mínima quantidade de emulsuficante. • O restante da Calha de Resfriamento, (aprox. 30 m.) contendo água à temperatura ambiente. 31
  • 32. Características Gerais da Injetora • Injeção:- • Para fabricação de artefatos moldados das mais diversas formas geométricas. • A figura 2, esquemática abaixo, ( capturada da Internet e aqui usada para fins didáticos ), ilustra e auxilia o entendimento deste processo de conformação. 32
  • 33. Ilustração Esquemática da Máquina Injetora Fig. 2 33
  • 34. Características Gerais da Injetora • Injetora apropriada para processamento de materiais termoplásticos etilênicos; • Injetora de rosca com relação L / D > 10 / 1; • Taxa de compressão da Rosca 2,5:1 a 3,0:1; • Injetora com mínimo 3 zonas de aquecimento. • Importante trabalhar com Molde Aquecido à temperatura entre 50°C a 60°C; 34
  • 35. Ajustes Primários da Injetora • Calibragem de Temperaturas:- • Barril :- Zona 1 ~ 170°C; Zona 2 ~ 185°C; Zona 3 ~ 195°C; Bico ~ 195°C , • Molde ~ 50°C a 60°C, • Nota:- Pressões e Ciclos de Injeção, dependem do tamanho e forma geométrica da peça. 35
  • 36. Crosslinking • A reação de Crosslinking ocorre quando o composto ou o artefato conformado é submetido ao contato com H2O ( umidade ). • O Crosslinking satisfatório demanda certo período de tempo, ( de algumas horas até dias ), pois, depende a permeação da umidade pelos espaços intermoleculares nas cadeias poliméricas até atingirem as moléculas silícicas promovendo nelas a reação de hidrólise, seguida da condensação 36
  • 37. Crosslinking • Num primeiro estágio, as moléculas de H2O inicialmente reagem com os sais metálicos catalíticos integrantes no composto disparando e acelerando a hidrólise dos grupos alkoxy-silanos enxertados nas cadeias poliméricas etilênicas capturando grupos OH pendentes gerando moléculas de Alcool. • Em um segundo estágio, quase instantâneo, novamente as H2O provoca a condensação e nessa são geradas outras H2O que disparam a reação em cadeia, e assim sucessivamente. 37
  • 38. Medição da Taxa de Crosslinking 38 • A taxa de Crosslinking poderá ser medida através do teor de Gel obtido por meio de extração por solventes. • Teor de Gel em valores entre 65% a 75% resultam em propriedades técnicas finais de excelentes performances. • A Norma ABNT NBR 15939-1, apresenta o Método de Ensaio específico para identificação do Teor de Gel
  • 39. Medição da Taxa de Crosslinking • Outros métodos para medição e verificação do Crosslinking. • Medição do Alongamento a Quente ( Hot Set ), normalizado pelo método de ensaio ABNT NBR NM IEC 60811-2-1 • Medição do inchamento em solvente Xileno à 110°C, chamado de método de ensaio “CATERPILLAR” 39
  • 40. 40
  • 41. OBRIGADO FIQUEM COM DEUS Mais Informações :- www.slideshare.net/borrachas/documents 41
  • 42. CONCLUSÃO • Além dos métodos e sistemas mais convencionais de Crosslinking, a cura por hidrólise também permite obter resultados técnicos bastante satisfatórios e perfeitamente aplicáveis em artefatos Etilênicos Reticulados, produzindo-os pelos métodos tradicionais de processamentos de termoplásticos . • MUITO OBRIGADO - GRANDE ABRAÇO • FIQUEM COM DEUS AYEL 2018 42