SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
TRATAMENTO
DE CARGAS
INORGÂNICAS
V.J.GARBIM 07 / 11 / 17
1
CARGAS INORGÂNICAS
• Compostos poliméricos muitas vezes são produzidos através da
combinação de polímeros elastoméricos ou plastoméricos contendo
cargas minerais inorgânicas.
• As cargas minerais, na maioria das vezes são consideradas nos
compostos como de enchimento ou inertes, seja, não atribuem
melhoria nas propriedades técnicas dos artefatos finais produzidos
com tais compostos.
• Exceto o Bióxido de Silício Precipitado e devidamente preparado, as
demais cargas inorgânicas tendem a reduzir as propriedades
técnicas. Isso é provocado principalmente devido a
incompatibilidade natural entre os polímeros orgânicos e as cargas
inorgânicas.
2
CARGAS INORGÂNICAS
• Diversas famílias de cargas inorgânicas prestam-se como aditivos
inertes ou de enchimento em compostos poliméricos, entre elas,
podemos destacar as oriundas de óxidos e sais metálicos como:-
• Silicatos de Alumínio; - Caulins,
• Silicatos de Magnésio; - Talcos,
• Aluminas Hidratadas; - ATH,
• Hidróxido de Magnésio; - MgH;
• Fibra de Vidro,
• Mica,
• Dióxido de Silício, ( reforçante )
3
POLÍMEROS / CARGAS INORGÂNICAS
• Podemos dividir em duas categorias os Polímeros que poderão ser
combinados com as Cargas Minerais, são eles, os classificados
como Polímeros com tendência mais Polares e os Polímeros com
tendência mais Apolares:-
• Alguns principais Polímeros mais Polares, são:-
• EVAs, PAs. NBRs, CRs, EVMs, BRs, SBRs,...
• Alguns principais Polímeros mais Apolares, são:-
• PEs, PPs, EPRs, EPDMs, POEs, PBEs,...
4
POLÍMEROS / CARGAS INORGÂNICAS
• Polímeros com tendência mais Polar, devido a eletro-negatividade
nas superfícies moleculares apresentam melhor compatibilidade
com as partículas de Cargas Minerais, comparativamente aos
PolÍmeros com tendência Apolar.
• De qualquer maneira, para haver uma melhor compatibilidade entre
Polímero e Carga Mineral, sempre é importante melhorar a atividade
superficial de forma a promover melhor interação entre os materiais,
podendo conseguir até certo poder reforçante, nas propriedades
técnicas do artefato final.
5
POLÍMEROS / CARGAS INORGÂNICAS
• O melhor efeito de acoplamento entre Polímeros e Cargas Minerais
poderá ser obtido através de:-
• Associação ao Polímero Matriz de um Aditivo Polimérico
Funcionalizado,
• Ou,
• Aplicando tratamentos por Silanização às Cargas Minerais ( * )
• ( * ) – vejamos este.
6
POLÍMERO + CARGA NÃO SILANIZADA
( Figura capturada do folheto técnico da Shin-Etsu )
7
POLÍMERO + CARGA SILANIZADA
Figura capturada do folheto técnico da Shin-Etsu
8
ESTRUTURA DO SILANO
• Silanos apresentam moléculas híbridas, seja, numa de suas extremidades
oferece compatibilidade com materiais orgânicos e na outra, com materiais
inorgânicos, conforme esquema abaixo.
X = representa os grupos funcionais que reagem
com os materiais orgânicos como por exemplo os
Polímeros.
OR = representa os grupos hidrolisáveis que reagem
com os materiais inorgânicos, como as cargas minerais
Famílias de Silanos:-
Vinilsilano, Epoxisilano, Aminosilano,
Metacrilsilano; Mercaptosilano, entre outros;
9
PROCESSO PARA SILANIZAÇÃO DAS CARGAS
• Nota:- Nesta apresentação nos restringiremos somente ao
tratamento de silanizalção de algumas Cargas Minerais as quais
serão combinadas com Polímeros Poliolefínicos Apolares, como
abaixo:-
• Cargas Minerais:
• Caulim, ATH, MgH, Talco, Pó de Fibra de Vidro.
• Polímeros Poliolefinicos Apolares:
• PE, EVA, EPM, EPDM, POE, PBE.
10
PROCESSO PARA SILANIZAÇÃO DAS CARGAS
• Para este exemplo trataremos a ATH ( Alumina Tri-Hidratada ) que
será empregada em combinação com PEBD + EVA 28% em um
composto Retardante a Chama e Livre de Halógenos.
• Utilizaremos o Silano = Viniltris ( 2-metoxietoxi ) silano na proporção
de 1,1% sobre a quantidade de ATH
• Utilizaremos também, combinado com o Silano, o Peróxido de
Dicumila 99% na proporção de 0,03% sobre a quantidade de ATH.
11
PROCESSO PARA SILANIZAÇÃO DAS CARGAS
• Etapa 1:-
• Em um misturador de hélices, ( fig. Abaixo ), girando a aproximadamente 500 rpm,
alimentar o Silano + o Peróxido e misturar por 5 minutos, até total dissolução do
Peróxido no Silano e a perfeita homogeneização entre os materiais.
12
PROCESSO PARA SILANIZAÇÃO DAS CARGAS
• Etapa 2:-
• a-) Em um misturador de alto cisalhamento, ( tipo Mecanoplast, fig. a seguir ), alimentar a
Carga Mineral, ( ATH ).
• b-) Fechar a tampa do misturador e aciona-lo girando com rotação de aproximadamente 800
rpm.
• c-) Manter sob funcionamento até a temperatura da Carga Mineral atingir aprox. 40°C a 45°C.
• d-) Reduzir a rotação do misturador para aprox. 100 rpm, abrir a tampa da boca de
alimentação e adicionar lentamente o Silano + Peróxido preparado na Etapa 1.
• e-) Fechar a tampa da boca de alimentação do misturador, elevar a rotação para aprox. 1000
rpm mantendo assim até observar que a temperatura do composto sob agitação atingiu
entre 75°C a 80°C
• f-) Manter nestas condições por mais 10 minutos.
• g-) Em seguida, abrir os furos de respiro na tampa do misturador durante aprox. 10 minutos
de maneira a permitir que todos os vapores e voláteis sejam drenados.
• h-) Descarregar a Carga Silanizada e acondiciona-la em embalagem que ofereça perfeita
proteção contra umidade e contaminações.
13
PROCESSO PARA SILANIZAÇÃO DAS CARGAS
• Misturador de alto cisalhamento:
14
CARGA SILANIZADA - TRATADA
• A Carga assim Tratada já poderá ser misturada e incorporada ao
Polímero, produzindo o composto.
• O resultado é um excelente acoplamento de interação junto às
cadeias poliméricas apresentado por superior dispersão, melhor
processabilidade e algum poder de reforçamento das propriedades
técnicas no artefato acabado.
15
SILANOS / POLÍMEROS
• A tabela abaixo orienta sobre alguns tipos de Silanos que são mais compatíveis
para tratamento de Cargas Minerais indicadas a serem aplicadas em alguns
Polímeros específicos:-
POLÍMERO SILANO INDICADO
POLIPROPILENO - Hidrolisado de 3-Aminopropiltrietoxisilano
PE / EVA - Aminopropiltrietoxisilano
- Hidrolisado de 3-Aminopropiltrietoxisilano
POLIAMIDA ( Nylon ) - Aminopropiltrietoxisilano
- Hidrolisado de 3-Aminopropiltrietoxisilano
EPDM, EPM, POE, PBE,
EVA e, Borrachas
curadas por Peróxidos
- Viniltris ( 2-metoxietoxi ) silano
16
OBRIGADO
FIQUEM COM DEUS
Mais Informações :- www.slideshare.net/borrachas/documents
17
CONCLUSÃO
NOSSO OBJETIVO COM ESTA PEQUENA APRESENTAÇÃO FOI TRANFERIR
UMAS POUCAS INFORMAÇÕES SOBRE TRATAMENTO E PREPARAÇÃO DAS
PRINCIPAIS CARGAS INORGÂNICAS, DE MANEIRA A OBTER DESTAS
SUPERIORES RESULTADOS DE PROCESSABILIDADE E MELHORIAS DE
ALGUMAS PROPRIEDADES TÉCNICAS EM ARTEFATOS FINAIS, PRODUZIDOS
À PARTIR DOS COMPOSTOS POLÍMERICOS ADITIVADOS COM ESTAS CARGAS.
MUITO LONGE DE QUERER ESGOTAR O ASSUNTO, NOSSA INTENSÃO FOI TÃO
SOMENTE TENTAR ABORDAR UM CONCEITO TÉCNOLÓGICO QUE PODERÁ
ESTAR AO ALCANCE DE INÚMEROS PRODUTORES DE ARTEFATOS TÉCNICOS
ELASTOMÉRICOS OU PLASTOMÉRICOS.
V.J.GARBIM – JUNHO 20171818
17
Tratamento de Cargas
Inorgânicas
V. J Garbim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aceleradores para a indústria da borracha
Aceleradores para a indústria da borrachaAceleradores para a indústria da borracha
Aceleradores para a indústria da borracha
Borrachas
 
Borracha butilica
Borracha butilicaBorracha butilica
Borracha butilica
Borrachas
 
Copolímeros butadieno acrilonitrila - NBR
Copolímeros butadieno acrilonitrila - NBRCopolímeros butadieno acrilonitrila - NBR
Copolímeros butadieno acrilonitrila - NBR
Borrachas
 
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Borrachas
 
Vulcanizacao teoria metodos
Vulcanizacao teoria metodosVulcanizacao teoria metodos
Vulcanizacao teoria metodos
Borrachas
 
Borrachas etileno propileno
Borrachas etileno propilenoBorrachas etileno propileno
Borrachas etileno propileno
Borrachas
 
Aditivos de compatibilidade e agentes de acoplamento
Aditivos de compatibilidade e agentes de acoplamentoAditivos de compatibilidade e agentes de acoplamento
Aditivos de compatibilidade e agentes de acoplamento
Borrachas
 
Cargas aplicadas à indústria da borracha
Cargas aplicadas à indústria da borrachaCargas aplicadas à indústria da borracha
Cargas aplicadas à indústria da borracha
Borrachas
 
Vulcanização
VulcanizaçãoVulcanização
Vulcanização
Borrachas
 
Introdução aos artefatos de borracha
Introdução aos artefatos de borrachaIntrodução aos artefatos de borracha
Introdução aos artefatos de borracha
Borrachas
 
Elastomeros alta performance
Elastomeros alta performanceElastomeros alta performance
Elastomeros alta performance
Borrachas
 
Curso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da BorrachaCurso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da Borracha
CENNE
 
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICASCOMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
Borrachas
 
Borracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borracha de polietileno cloro sulfonado - HypalonBorracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borrachas
 
Molas e coxins - Elastômeros mais usados
Molas e coxins - Elastômeros mais usadosMolas e coxins - Elastômeros mais usados
Molas e coxins - Elastômeros mais usados
Borrachas
 

Mais procurados (20)

Aceleradores para a indústria da borracha
Aceleradores para a indústria da borrachaAceleradores para a indústria da borracha
Aceleradores para a indústria da borracha
 
Borracha butilica
Borracha butilicaBorracha butilica
Borracha butilica
 
Copolímeros butadieno acrilonitrila - NBR
Copolímeros butadieno acrilonitrila - NBRCopolímeros butadieno acrilonitrila - NBR
Copolímeros butadieno acrilonitrila - NBR
 
Blooming
BloomingBlooming
Blooming
 
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
 
Vulcanizacao teoria metodos
Vulcanizacao teoria metodosVulcanizacao teoria metodos
Vulcanizacao teoria metodos
 
Borrachas etileno propileno
Borrachas etileno propilenoBorrachas etileno propileno
Borrachas etileno propileno
 
Aditivos de compatibilidade e agentes de acoplamento
Aditivos de compatibilidade e agentes de acoplamentoAditivos de compatibilidade e agentes de acoplamento
Aditivos de compatibilidade e agentes de acoplamento
 
Cargas aplicadas à indústria da borracha
Cargas aplicadas à indústria da borrachaCargas aplicadas à indústria da borracha
Cargas aplicadas à indústria da borracha
 
Vulcanização
VulcanizaçãoVulcanização
Vulcanização
 
Introdução aos artefatos de borracha
Introdução aos artefatos de borrachaIntrodução aos artefatos de borracha
Introdução aos artefatos de borracha
 
Elastomeros alta performance
Elastomeros alta performanceElastomeros alta performance
Elastomeros alta performance
 
Curso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da BorrachaCurso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da Borracha
 
Aula 7 cargas e reforços
Aula 7  cargas  e reforçosAula 7  cargas  e reforços
Aula 7 cargas e reforços
 
Polímeros termoplasticas
Polímeros termoplasticasPolímeros termoplasticas
Polímeros termoplasticas
 
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICASCOMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
 
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
 
Neoprene
NeopreneNeoprene
Neoprene
 
Borracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borracha de polietileno cloro sulfonado - HypalonBorracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
 
Molas e coxins - Elastômeros mais usados
Molas e coxins - Elastômeros mais usadosMolas e coxins - Elastômeros mais usados
Molas e coxins - Elastômeros mais usados
 

Mais de Borrachas

Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachasTabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Borrachas
 
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachasTabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Borrachas
 
Reciclagem da borracha
Reciclagem da borrachaReciclagem da borracha
Reciclagem da borracha
Borrachas
 
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento EstáticoMolas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Borrachas
 
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmicoMolas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Borrachas
 
Molas coxins - Cálculos
Molas coxins - CálculosMolas coxins - Cálculos
Molas coxins - Cálculos
Borrachas
 
Molas coxins
Molas coxinsMolas coxins
Molas coxins
Borrachas
 
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borrachaCustos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Borrachas
 
Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4
Borrachas
 
Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3
Borrachas
 

Mais de Borrachas (20)

Polietileno
PolietilenoPolietileno
Polietileno
 
Escolha da borracha
Escolha da borrachaEscolha da borracha
Escolha da borracha
 
Performance
PerformancePerformance
Performance
 
Moldagem de borracha
Moldagem de borrachaMoldagem de borracha
Moldagem de borracha
 
Hidrolise
HidroliseHidrolise
Hidrolise
 
09 iniciador para poliolefinas
09   iniciador para poliolefinas09   iniciador para poliolefinas
09 iniciador para poliolefinas
 
08 escolha da borracha
08   escolha da borracha08   escolha da borracha
08 escolha da borracha
 
07 normas astm d 2000
07   normas astm d 200007   normas astm d 2000
07 normas astm d 2000
 
Modificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
Modificação de Polipropileno com Peróxidos OrgânicosModificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
Modificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
 
XLPE em condutores elétricos
XLPE em condutores elétricosXLPE em condutores elétricos
XLPE em condutores elétricos
 
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachasTabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
 
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachasTabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
 
Reciclagem da borracha
Reciclagem da borrachaReciclagem da borracha
Reciclagem da borracha
 
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento EstáticoMolas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento Estático
 
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmicoMolas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
 
Molas coxins - Cálculos
Molas coxins - CálculosMolas coxins - Cálculos
Molas coxins - Cálculos
 
Molas coxins
Molas coxinsMolas coxins
Molas coxins
 
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borrachaCustos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
 
Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4
 
Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3
 

tratamento de cargas inorgânicas

  • 2. CARGAS INORGÂNICAS • Compostos poliméricos muitas vezes são produzidos através da combinação de polímeros elastoméricos ou plastoméricos contendo cargas minerais inorgânicas. • As cargas minerais, na maioria das vezes são consideradas nos compostos como de enchimento ou inertes, seja, não atribuem melhoria nas propriedades técnicas dos artefatos finais produzidos com tais compostos. • Exceto o Bióxido de Silício Precipitado e devidamente preparado, as demais cargas inorgânicas tendem a reduzir as propriedades técnicas. Isso é provocado principalmente devido a incompatibilidade natural entre os polímeros orgânicos e as cargas inorgânicas. 2
  • 3. CARGAS INORGÂNICAS • Diversas famílias de cargas inorgânicas prestam-se como aditivos inertes ou de enchimento em compostos poliméricos, entre elas, podemos destacar as oriundas de óxidos e sais metálicos como:- • Silicatos de Alumínio; - Caulins, • Silicatos de Magnésio; - Talcos, • Aluminas Hidratadas; - ATH, • Hidróxido de Magnésio; - MgH; • Fibra de Vidro, • Mica, • Dióxido de Silício, ( reforçante ) 3
  • 4. POLÍMEROS / CARGAS INORGÂNICAS • Podemos dividir em duas categorias os Polímeros que poderão ser combinados com as Cargas Minerais, são eles, os classificados como Polímeros com tendência mais Polares e os Polímeros com tendência mais Apolares:- • Alguns principais Polímeros mais Polares, são:- • EVAs, PAs. NBRs, CRs, EVMs, BRs, SBRs,... • Alguns principais Polímeros mais Apolares, são:- • PEs, PPs, EPRs, EPDMs, POEs, PBEs,... 4
  • 5. POLÍMEROS / CARGAS INORGÂNICAS • Polímeros com tendência mais Polar, devido a eletro-negatividade nas superfícies moleculares apresentam melhor compatibilidade com as partículas de Cargas Minerais, comparativamente aos PolÍmeros com tendência Apolar. • De qualquer maneira, para haver uma melhor compatibilidade entre Polímero e Carga Mineral, sempre é importante melhorar a atividade superficial de forma a promover melhor interação entre os materiais, podendo conseguir até certo poder reforçante, nas propriedades técnicas do artefato final. 5
  • 6. POLÍMEROS / CARGAS INORGÂNICAS • O melhor efeito de acoplamento entre Polímeros e Cargas Minerais poderá ser obtido através de:- • Associação ao Polímero Matriz de um Aditivo Polimérico Funcionalizado, • Ou, • Aplicando tratamentos por Silanização às Cargas Minerais ( * ) • ( * ) – vejamos este. 6
  • 7. POLÍMERO + CARGA NÃO SILANIZADA ( Figura capturada do folheto técnico da Shin-Etsu ) 7
  • 8. POLÍMERO + CARGA SILANIZADA Figura capturada do folheto técnico da Shin-Etsu 8
  • 9. ESTRUTURA DO SILANO • Silanos apresentam moléculas híbridas, seja, numa de suas extremidades oferece compatibilidade com materiais orgânicos e na outra, com materiais inorgânicos, conforme esquema abaixo. X = representa os grupos funcionais que reagem com os materiais orgânicos como por exemplo os Polímeros. OR = representa os grupos hidrolisáveis que reagem com os materiais inorgânicos, como as cargas minerais Famílias de Silanos:- Vinilsilano, Epoxisilano, Aminosilano, Metacrilsilano; Mercaptosilano, entre outros; 9
  • 10. PROCESSO PARA SILANIZAÇÃO DAS CARGAS • Nota:- Nesta apresentação nos restringiremos somente ao tratamento de silanizalção de algumas Cargas Minerais as quais serão combinadas com Polímeros Poliolefínicos Apolares, como abaixo:- • Cargas Minerais: • Caulim, ATH, MgH, Talco, Pó de Fibra de Vidro. • Polímeros Poliolefinicos Apolares: • PE, EVA, EPM, EPDM, POE, PBE. 10
  • 11. PROCESSO PARA SILANIZAÇÃO DAS CARGAS • Para este exemplo trataremos a ATH ( Alumina Tri-Hidratada ) que será empregada em combinação com PEBD + EVA 28% em um composto Retardante a Chama e Livre de Halógenos. • Utilizaremos o Silano = Viniltris ( 2-metoxietoxi ) silano na proporção de 1,1% sobre a quantidade de ATH • Utilizaremos também, combinado com o Silano, o Peróxido de Dicumila 99% na proporção de 0,03% sobre a quantidade de ATH. 11
  • 12. PROCESSO PARA SILANIZAÇÃO DAS CARGAS • Etapa 1:- • Em um misturador de hélices, ( fig. Abaixo ), girando a aproximadamente 500 rpm, alimentar o Silano + o Peróxido e misturar por 5 minutos, até total dissolução do Peróxido no Silano e a perfeita homogeneização entre os materiais. 12
  • 13. PROCESSO PARA SILANIZAÇÃO DAS CARGAS • Etapa 2:- • a-) Em um misturador de alto cisalhamento, ( tipo Mecanoplast, fig. a seguir ), alimentar a Carga Mineral, ( ATH ). • b-) Fechar a tampa do misturador e aciona-lo girando com rotação de aproximadamente 800 rpm. • c-) Manter sob funcionamento até a temperatura da Carga Mineral atingir aprox. 40°C a 45°C. • d-) Reduzir a rotação do misturador para aprox. 100 rpm, abrir a tampa da boca de alimentação e adicionar lentamente o Silano + Peróxido preparado na Etapa 1. • e-) Fechar a tampa da boca de alimentação do misturador, elevar a rotação para aprox. 1000 rpm mantendo assim até observar que a temperatura do composto sob agitação atingiu entre 75°C a 80°C • f-) Manter nestas condições por mais 10 minutos. • g-) Em seguida, abrir os furos de respiro na tampa do misturador durante aprox. 10 minutos de maneira a permitir que todos os vapores e voláteis sejam drenados. • h-) Descarregar a Carga Silanizada e acondiciona-la em embalagem que ofereça perfeita proteção contra umidade e contaminações. 13
  • 14. PROCESSO PARA SILANIZAÇÃO DAS CARGAS • Misturador de alto cisalhamento: 14
  • 15. CARGA SILANIZADA - TRATADA • A Carga assim Tratada já poderá ser misturada e incorporada ao Polímero, produzindo o composto. • O resultado é um excelente acoplamento de interação junto às cadeias poliméricas apresentado por superior dispersão, melhor processabilidade e algum poder de reforçamento das propriedades técnicas no artefato acabado. 15
  • 16. SILANOS / POLÍMEROS • A tabela abaixo orienta sobre alguns tipos de Silanos que são mais compatíveis para tratamento de Cargas Minerais indicadas a serem aplicadas em alguns Polímeros específicos:- POLÍMERO SILANO INDICADO POLIPROPILENO - Hidrolisado de 3-Aminopropiltrietoxisilano PE / EVA - Aminopropiltrietoxisilano - Hidrolisado de 3-Aminopropiltrietoxisilano POLIAMIDA ( Nylon ) - Aminopropiltrietoxisilano - Hidrolisado de 3-Aminopropiltrietoxisilano EPDM, EPM, POE, PBE, EVA e, Borrachas curadas por Peróxidos - Viniltris ( 2-metoxietoxi ) silano 16
  • 17. OBRIGADO FIQUEM COM DEUS Mais Informações :- www.slideshare.net/borrachas/documents 17
  • 18. CONCLUSÃO NOSSO OBJETIVO COM ESTA PEQUENA APRESENTAÇÃO FOI TRANFERIR UMAS POUCAS INFORMAÇÕES SOBRE TRATAMENTO E PREPARAÇÃO DAS PRINCIPAIS CARGAS INORGÂNICAS, DE MANEIRA A OBTER DESTAS SUPERIORES RESULTADOS DE PROCESSABILIDADE E MELHORIAS DE ALGUMAS PROPRIEDADES TÉCNICAS EM ARTEFATOS FINAIS, PRODUZIDOS À PARTIR DOS COMPOSTOS POLÍMERICOS ADITIVADOS COM ESTAS CARGAS. MUITO LONGE DE QUERER ESGOTAR O ASSUNTO, NOSSA INTENSÃO FOI TÃO SOMENTE TENTAR ABORDAR UM CONCEITO TÉCNOLÓGICO QUE PODERÁ ESTAR AO ALCANCE DE INÚMEROS PRODUTORES DE ARTEFATOS TÉCNICOS ELASTOMÉRICOS OU PLASTOMÉRICOS. V.J.GARBIM – JUNHO 20171818 17