SlideShare uma empresa Scribd logo
Molas e Coxins de Borracha
Elastômeros mais utilizados
José Valdemir Garbim
www.cenne.com.br Página 1
Conteúdo
INTRODUÇÃO.................................................................................................................3
INFLUÊNCIA DO AMBIENTE .....................................................................................4
Temperatura.................................................................................................................4
Oxigênio.........................................................................................................................4
Ozônio............................................................................................................................4
Produtos Químicos.......................................................................................................4
Borracha Natural “NR”...................................................................................................5
Algumas Características da “NR”..............................................................................5
Exemplos de Aplicação ................................................................................................6
Estireno Butadieno SBR ..................................................................................................6
Algumas Características do “SBR”............................................................................6
Exemplos de Aplicação ................................................................................................6
Polibutadieno = BR ..........................................................................................................7
Borracha Butílica ou Butil “I IR”...................................................................................7
Algumas Características da “I IR”.............................................................................7
Exemplos de Aplicação ................................................................................................8
Borracha Etileno Propileno EPDM.................................................................................8
Algumas Características do “EPDM”........................................................................8
Exemplos de Aplicação ................................................................................................9
Policloropreno – Neoprene = CR (Neoprene Marca DuPont) ......................................9
Algumas Características do “CR”............................................................................10
www.cenne.com.br Página 2
Exemplos de Aplicação ..............................................................................................10
Polietileno Clorosulfonado = “Hypalon” ( Hypalon – Marca DuPont ) .....................11
Borracha Nitrílica = NBR..............................................................................................11
Algumas Características da NBR .............................................................................11
Exemplos de Aplicação ..............................................................................................12
Poliuretanos = PU ..........................................................................................................12
www.cenne.com.br Página 3
INTRODUÇÃO
Devido às características peculiares mostradas pela borracha, de não apresentar-se com a
fluidez de um líquido, e nem tampouco a rigidez de um sólido, é despertado na engenharia,
um grande interesse de aplicação deste material.
As propriedades físicas, como; resistência à abrasão, densidade, baixa dureza, constante de
elasticidade, etc., somadas às propriedades químicas extrínsecas, de, resistência ao ozônio,
luz, oxigênio, hidrocarbonetos, etc., dão vazão a um amplo campo de aplicação deste material
em projetos de engenharia, onde, determinados elementos de máquinas seriam impossíveis de
serem construídos se não existissem as borrachas.
Diversas são as famílias de polímeros básicos possíveis de serem usados, de forma a atender
em quase que cem por cento das mais específicas solicitações de trabalho dos elementos de
máquinas construídas com este material.
O comportamento particular da borracha, aparentemente distinto daquele dos materiais
estruturais convencionais de engenharia, dificulta sobremaneira a seleção de uma composição
de borracha adequada para um determinado artefato, pelo projetista, pois, é exigido deste
profissional um conhecimento mais profundo do material borracha. Outro aspecto
complicativo é principalmente a inexistência de manuais práticos com dados relativos às
múltiplas aplicações dos elastômeros, bem como, características técnicas dos mesmos.
Os sistemas de classificação de materiais elastoméricos, tais como: ABNT. EB 362, ASTM D
2000, SAE J 200 e outros, que especificam, normalizam e codificam tais materiais, podem
informar alguns quesitos básicos das borrachas, constituindo-se assim, uma importante fonte
de consulta, tanto para o Projetista, quanto para o Tecnologista de Borracha.
Quando se faz necessário a especificação de um tipo de borracha para atender a aplicação de
um elemento de máquina construído de tal material, um grande entrosamento técnico deve
existir entre o Projetista do elemento de máquina e o Tecnologista de Borracha, pois, toda e
qualquer informação é de fundamental importância.
www.cenne.com.br Página 4
INFLUÊNCIA DO AMBIENTE
Antes de falarmos especificamente dos tipos de elastômeros usados em molas, coxins e peças
técnicas, é importante frisar de maneira básica e elementar a interferência do ambiente de
trabalho na peça de borracha.
O ambiente de trabalho pode atuar de forma degenerativa sobre o elastômero da peça, cujos
mecanismos, são de natureza física ou química, ou ainda combinados, como mostrado abaixo.
Temperatura
A alta temperatura provoca degradação térmica na borracha, acelerando seu envelhecimento e
provocando o colapso da peça.
A baixa temperatura favorece o enrigecimento da estrutura molecular da borracha,
diminuindo sua mobilidade e sua flexibilidade.
Oxigênio
O oxigênio provoca a oxidação e rompimento das cadeias estruturais das borrachas
insaturadas, comprometendo suas propriedades físicas, contribuindo inclusive para o aumento
da fluência e da relaxação da tensão.
Ozônio
Este causa o fendilhamento orientado na superfície da borracha, normalmente na direção
transversal do eixo de deformação, quando a peça é solicitada à tração.
Produtos Químicos
Diversos são os fenômenos oriundos do ataque de produtos químicos na borracha, podendo
causar desde o inchamento com variação no volume e peso da peça, até a impossibilidade da
aplicação da borracha no projeto.
Convém frisar, porém, que diversos aditivos podem ser incorporados às composições de
borracha, de forma a protegê-la e permitir sua aplicação com certa segurança aos projetos a
que se destinam.
www.cenne.com.br Página 5
Abaixo, agora, é mostrado alguns tipos comuns e borracha, normalmente usadas na confecção
de peças técnicas em engenharia, permitindo ao Tecnologista de Borracha encontrar a que
melhor se adapte à condição de trabalho exigido.
Borracha Natural “NR”
A “Borracha Natural” é um polímero insaturado e, portanto, vulcaniza-se por meio de
enxofre, ou ingredientes doadores de enxofre.
A “Borracha Natural” cristaliza-se sob estiramento, resultando assim, numa alta tensão de
ruptura, no estado goma-pura, porém, cargas reforçantes são adicionadas em suas
composições para melhorar ainda mais suas características mecânicas e químicas.
Algumas Características da “NR”
 Alta tensão de ruptura
 Alto alongamento à ruptura
 Boa adesão à crua
 Alta resiliência
 Alta resistência à fadiga
 Excelente resistência à abrasão
 Alta resistência ao fendimento
 Resistente a alcoóis e glicóis
 Pouco resistente a ácidos, álcalis, solventes e óleos minerais.
 Pouco resistente a solventes clorados.
 Bom isolamento elétrico
 Boa variação da gama de dureza.
www.cenne.com.br Página 6
Exemplos de Aplicação
Banda de rodagem de pneus, coxins automotivos de alta resistência, revestimento anti-
abrasivo, peças sujeitas a choques e pancadas, artigos isolantes elétricos, etc.
Estireno Butadieno SBR
O “SBR” é um polímero insaturado, em que, a reação de vulcanização se dá por meio de
enxofre ou doadores de enxofre.
Suas propriedades físicas no estado goma-pura não são tão elevadas, necessitando assim, de
cargas reforçantes para melhorar suas características mecânicas.
Algumas Características do “SBR”
 Boa tensão de ruptura (pouco inferior as da “NR”)
 Alto alongamento à ruptura
 Boa adesão à crua (Inferior à “NR”)
 Boa resiliência
 Alta resistência à fadiga
 Boa resistência à abrasão
 Resistente a álcoois e glicóis
 Pouco resistente a ácidos, álcalis, solventes e fluídos orgânicos.
 Pouco resistente a solventes clorados
 Regular isolamento elétrico
 Boa variação na gama de dureza.
Exemplos de Aplicação
Borracha de uso geral em peças para operação a temperaturas de - 10 a 85 º C, Banda de
rodagem de veículos leves, peças sujeitas a fendilhamento, revestimento abrasivos, etc.
www.cenne.com.br Página 7
Polibutadieno = BR
O polibutadieno é um polímero insaturado, e, portanto vulcaniza-se por intermédio de
enxofre.
É comum a adição de “BR” à proporção de até 50 phr, em composições de “SBR”, pois, esta
prática melhora sensivelmente as propriedades de resistência a abrasão, baixa temperatura,
bem como características dinâmicas dos “SBRs”.
Normalmente o “BR” sempre esta combinado em composições NR, SBR, CR e NBR como
segundo Polímero.
Borracha Butílica ou Butil “I IR”
A “Borracha Butílica” é obtida a partir da copolimerização do isopreno e do isobutileno,
tendo um baixo grau de insaturação, porém, ainda permite a vulcanização com enxofre, sendo
necessário um sistema de aceleração mais energético que o das borrachas convencionais.
Este tipo de borracha possui uma alta resistência à ruptura no seu estado de goma-pura, e a
adição de cargas neste caso, reduz esta característica.
Algumas Características da “I IR”
 Alta tensão de ruptura
 Bom alongamento à ruptura
 Regular adesão à crua
 Baixa resiliência
 Regular resistência à abrasão
 Excelentes características para absorção de choques
 Boa resistência a temperaturas até 170 º C
 Alta resistência a oxigênio, ozônio e intempéries
 Alta resistência a produtos químicos, ácidos e alcalinos
www.cenne.com.br Página 8
 Alta resistência a óleos vegetais
 Alta resistência a solventes oxigenados e solventes polares
 Excelente impermeabilidade a gases
 Regular isolação elétrica (baixas voltagens)
 Péssima resistência a derivados de petróleo.
Exemplos de Aplicação
Batentes de suspensão de automóveis, impermeabilização de lajes em construção civil,
câmara de ar de automóveis, face interna de pneus sem câmara, mangueiras para vapor,
mangueira para fluídos ácidos ou alcalinos, coxins anti-choque, vibra stops, amortecedores de
vibração para máquinas, revestimentos anti-corrosivos, adesivos, correias transportadoras
para produtos aquecidos, bexiga para vulcanização de pneus, etc.
Borracha Etileno Propileno EPDM
O “EPDM” oferece tensão de ruptura regular em seu estado de goma-pura, necessitando
assim de cargas reforçantes para melhorar suas propriedades mecânicas.
O “EPDM” ainda apresenta uma pequena insaturação o que permite que se promova a reação
de vulcanização através do enxofre.
Algumas Características do “EPDM”
 Boa tensão de ruptura
 Regular alongamento à ruptura
 Má adesão à crua
 Boa resiliência
 Regular deformação permanente à compressão
 Excelente resistência às intempéries
www.cenne.com.br Página 9
 Excelente resistência à água e ao vapor d´água
 Excelente resistência ao envelhecimento térmico
 Excelente resistência ao oxigênio e ao ozônio
 Boa resistência a ácidos e álcalis em baixa concentração
 Boa resistência a altas temperaturas até 150o
. C.
 Péssima resistência a derivados de petróleo
 Excelentes propriedades de isolamento elétrico
Exemplos de Aplicação
Juntas de vedação para vapor d´água, cilindros e peças de máquinas têxteis, em contato com
ácidos ou álcalis, guarnição para vidros e portas de automóveis, peças que trabalham em
ambientes com alta concentração de ozônio, mangueiras de radiador e de freios automotivos,
etc.
Policloropreno – Neoprene = CR (Neoprene Marca
DuPont)
Neoprene é o nome genérico dado ao policloropreno.
O monômero de cloropreno é na realidade 2-clorobutadieno, isto é, butadieno com um átomo
de cloro no lugar de um dos de hidrogênio.
O policloropreno apresenta uma alta tensão de ruptura, no seu estado goma-pura, porém,
cargas reforçantes são ainda incorporadas às composições deste, sendo que, cargas de
partículas pequenas aumentam o módulo, dureza e resistência à abrasão, porém, o
alongamento e a deformação permanente, pioram.
No policloropreno é conseguido altas tensões de ruptura quando usado cargas de partículas
médias de negro de fumo.
www.cenne.com.br Página 10
A vulcanização do policloropreno comporta-se distintamente à dos outros elastômeros, pois,
este vulcaniza-se através de óxidos metálicos que reagem ativamente com residual de cloro
disposto de maneira alilica – lábil na estrutura polimérica.
Algumas Características do “CR”
 Alta tensão de ruptura
 Alto alongamento à ruptura
 Ótima adesão a tecidos e metais
 Boa resiliência
 Boa resistência à fadiga por flexão dinâmica
 Boa resistência a intempéries e ao envelhecimento
 Boa resistência a derivados de petróleo
 Boa resistência ao rasgamento
 Boa resistência ao ozônio, água salobra e ácidos diluídos
 Boas propriedades mecânicas até temperatura de 120O
C
 E anti-chama e atóxica.
Exemplos de Aplicação
Mangueiras para bombeiro, juntas e batentes de pontes e viadutos, correias de transmissão e
transportadoras, protetores de pó em automóveis, guarnições de tanques para água salobra,
vedações, retentores e peças que trabalham ao tempo, rolos e cilindros para siderúrgicas, etc.
www.cenne.com.br Página 11
Polietileno Clorosulfonado = “Hypalon” ( Hypalon –
Marca DuPont )
Há vários tipos de Hypalon, cuja principal diferença entre eles é o teor de cloro e enxofre
contido em suas estruturas moleculares, e viscosidade Mooney.
Compostos de Hypalon são vulcanizados por meio de óxidos metálicos, ou ainda, enxofre,
peróxidos ou resinas epóxi reativas.
Artigos em Hypalons apresentam excelente estabilidade a cores, boa resistência ao
intemperismo, é muito resistente a materiais corrosivos, e, também é resistente a ácidos e
álcalis diluídos.
Estes, são de grande utilização em produtos como: corrimão de escadas rolantes,
impermeabilização de tecidos para confecção de encerados e capas de chuva, barcos e tanques
inflamáveis, cilindros e peças para trabalho em ambientes úmidos e com altas temperaturas,
até 150 º C. e peças técnicas de alta performance.
Borracha Nitrílica = NBR
A Borracha Nitrílica é um copolímero composto por dois monômeros, o Butadieno e a
Acrilonitrila, sendo este último o responsável pela resistência desta borracha aos derivados de
petróleo.
As propriedades mecânicas das NBRs, em seu estado de goma-pura são fracas, necessitando
assim de cargas reforçantes, para melhorar suas qualidades físicas.
O fato das NBRs apresentarem cadeias insaturadas, permitem que a reação de vulcanização
ocorra por meio do enxofre, porém, a solubilidade deste nas borrachas nitrílicas é um tanto
difícil, sendo preferível utilizar-se baixos teores de enxofre.
Algumas Características da NBR
 Boa tensão de ruptura
 Bom alongamento à ruptura
www.cenne.com.br Página 12
 Boa resistência a baixas temperaturas até – 25o
C
 Boa resistência a altas temperaturas até 90o
C
 Boa adesão à crua
 Boa resistência ao rasgamento
 Regular deformação permanente à compressão
 Regular resiliência
 Boa resistência à água
 Baixa permeabilidade a gases
 Ótimas propriedades anti-estáticas
 Boa aderência a metais e tecidos
 Excelente resistência a derivados de petróleo
 Fraca resistência a álcalis e ácidos diluídos
Exemplos de Aplicação
Mangueiras para óleo, solventes e combustíveis derivados de petróleo; anéis, gaxetas e
retentores para vedação; solados industriais; rolos e cilindros para máquinas gráficas e de
processamento de madeira, revestimento de tanques para combustíveis; adesivos especiais;
artefatos têxteis; peças que entram em contato com alimentos; etc.
Poliuretanos = PU
Uma grande modificação no campo da polimerização é apresentada pela reação dos
Polímeros de Uretano.
Ao invés do processo convencional de polimerização de monômeros, por adição ou
condensação, neste caso é utilizado o método da extensão de cadeias, isto é, são sistemas
capazes de formar grandes macromoléculas a partir de pequenas macromoléculas, portanto,
uma grande variedade de polímeros podem ser sintetizados, variando do rígido ao plástico.
Os Poliuretanos geralmente se apresentam de dois tipos, seja, os Poliésteres e os Polieteres.
www.cenne.com.br Página 13
A transformação de um Polímero de Poliuretano para um elastômero de Poliuretano, é
provocada por um agente ativo, um di isocianato.
Os Poliuretanos admitem boas tensões de ruptura, altíssimos alongamentos, insuperável
resistência à abrasão, excelente resistência ao impacto e do fendilhamento, alta resistência ao
rasgamento, boa adesão a metais e tecidos, boa resistência a derivados de petróleo, e boa
resistência à água e a produtos químicos.
Normalmente emprega-se peças de poliuretanos em molas para estampos, gaxetas e retentores
de fluidos orgânicos, rolos e raspadores de alta abrasão, peças em contato com oxigênio e
ozônio, porém, com baixa umidade relativa.
Nota: Além das borrachas acima mostradas, muitos outros tipos ainda existem, tais como:
Acrílicas, Polissulfetos, Silicones, Fluorcarbonicas, etc.
Dia a dia novas combinações de compostos de borracha bem como novas aplicações são
desenvolvidas, ampliando cada vez mais o universo de emprego deste tipo de material.
Infelizmente, não há uma única borracha capaz de atender satisfatoriamente a todas as
exigências da engenharia, assim, por exemplo, uma borracha que apresenta superior
resistência ao calor, mostra-se inadequada para aplicação em contato com solventes
agressivos, e, da mesma forma, uma borracha que seja mais resistente a solventes, não possui
grande resistência a abrasão.
Ao lado das características inerentes ao polímero básico, o tipo e qualidade dos ingredientes a
ele misturados, numa composição, desempenham também um importante papel, nas
propriedades finais do artefato, como conseqüência disto, pode o Tecnologista contar com um
número quase ilimitado de formulações feitas com o mesmo polímero básico, e mesmos
ingredientes, o que permite, através de técnicas, algumas até primitivas, desenvolver
composições perfeitamente adequadas para atender os mais exigentes requisitos de um
artefato de borracha na engenharia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

tratamento de cargas inorgânicas
tratamento de cargas inorgânicastratamento de cargas inorgânicas
tratamento de cargas inorgânicas
Borrachas
 
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamacElastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Borrachas
 
Vulcanizacao teoria metodos
Vulcanizacao teoria metodosVulcanizacao teoria metodos
Vulcanizacao teoria metodos
Borrachas
 
11 mistura em banbury
11   mistura em banbury11   mistura em banbury
11 mistura em banbury
Borrachas
 
Cargas aplicadas à indústria da borracha
Cargas aplicadas à indústria da borrachaCargas aplicadas à indústria da borracha
Cargas aplicadas à indústria da borracha
Borrachas
 
Curso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da BorrachaCurso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da Borracha
CENNE
 
Eficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silanoEficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silano
Borrachas
 
Vulcanização
VulcanizaçãoVulcanização
Vulcanização
Borrachas
 
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachasTabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Borrachas
 
Neoprene
NeopreneNeoprene
Neoprene
Borrachas
 
Aditivos anti-degradantes para compostos elastoméricos
Aditivos anti-degradantes para compostos elastoméricosAditivos anti-degradantes para compostos elastoméricos
Aditivos anti-degradantes para compostos elastoméricos
Borrachas
 
Elastomeros alta performance
Elastomeros alta performanceElastomeros alta performance
Elastomeros alta performance
Borrachas
 
Borrachas etileno propileno
Borrachas etileno propilenoBorrachas etileno propileno
Borrachas etileno propileno
Borrachas
 
Performance
PerformancePerformance
Performance
Borrachas
 
Polietileno
PolietilenoPolietileno
Polietileno
Borrachas
 
Styrene butadiene rubbers
Styrene butadiene rubbersStyrene butadiene rubbers
Styrene butadiene rubbers
Sherin Peter
 
Aditivos de compatibilidade e agentes de acoplamento
Aditivos de compatibilidade e agentes de acoplamentoAditivos de compatibilidade e agentes de acoplamento
Aditivos de compatibilidade e agentes de acoplamento
Borrachas
 
Borrachas de silicone
Borrachas de siliconeBorrachas de silicone
Borrachas de silicone
Borrachas
 
Agentes anti-degradantes
Agentes anti-degradantesAgentes anti-degradantes
Agentes anti-degradantesBorrachas
 
Adesão aplicada indústria da borracha
Adesão aplicada indústria da borrachaAdesão aplicada indústria da borracha
Adesão aplicada indústria da borracha
Borrachas
 

Mais procurados (20)

tratamento de cargas inorgânicas
tratamento de cargas inorgânicastratamento de cargas inorgânicas
tratamento de cargas inorgânicas
 
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamacElastomeros etileno acrilato_metila_vamac
Elastomeros etileno acrilato_metila_vamac
 
Vulcanizacao teoria metodos
Vulcanizacao teoria metodosVulcanizacao teoria metodos
Vulcanizacao teoria metodos
 
11 mistura em banbury
11   mistura em banbury11   mistura em banbury
11 mistura em banbury
 
Cargas aplicadas à indústria da borracha
Cargas aplicadas à indústria da borrachaCargas aplicadas à indústria da borracha
Cargas aplicadas à indústria da borracha
 
Curso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da BorrachaCurso de Tecnologia da Borracha
Curso de Tecnologia da Borracha
 
Eficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silanoEficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silano
 
Vulcanização
VulcanizaçãoVulcanização
Vulcanização
 
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachasTabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
Tabela comparativa entre algumas propriedades de diversos tipos de borrachas
 
Neoprene
NeopreneNeoprene
Neoprene
 
Aditivos anti-degradantes para compostos elastoméricos
Aditivos anti-degradantes para compostos elastoméricosAditivos anti-degradantes para compostos elastoméricos
Aditivos anti-degradantes para compostos elastoméricos
 
Elastomeros alta performance
Elastomeros alta performanceElastomeros alta performance
Elastomeros alta performance
 
Borrachas etileno propileno
Borrachas etileno propilenoBorrachas etileno propileno
Borrachas etileno propileno
 
Performance
PerformancePerformance
Performance
 
Polietileno
PolietilenoPolietileno
Polietileno
 
Styrene butadiene rubbers
Styrene butadiene rubbersStyrene butadiene rubbers
Styrene butadiene rubbers
 
Aditivos de compatibilidade e agentes de acoplamento
Aditivos de compatibilidade e agentes de acoplamentoAditivos de compatibilidade e agentes de acoplamento
Aditivos de compatibilidade e agentes de acoplamento
 
Borrachas de silicone
Borrachas de siliconeBorrachas de silicone
Borrachas de silicone
 
Agentes anti-degradantes
Agentes anti-degradantesAgentes anti-degradantes
Agentes anti-degradantes
 
Adesão aplicada indústria da borracha
Adesão aplicada indústria da borrachaAdesão aplicada indústria da borracha
Adesão aplicada indústria da borracha
 

Semelhante a Molas e coxins - Elastômeros mais usados

Resumo de Aplicações Rijeza
Resumo de Aplicações RijezaResumo de Aplicações Rijeza
Resumo de Aplicações Rijeza
RIJEZA
 
Borracha Cenne.pdf
Borracha Cenne.pdfBorracha Cenne.pdf
Borracha Cenne.pdf
FranciscoRosario22
 
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Gabriela Begalli
 
Escolha da borracha
Escolha da borrachaEscolha da borracha
Escolha da borracha
Borrachas
 
08 escolha da borracha
08   escolha da borracha08   escolha da borracha
08 escolha da borracha
Borrachas
 
3
33
Propriedades inox
Propriedades inoxPropriedades inox
Propriedades inox
Rudiney Trombetta
 
Artigo metal duro2
Artigo metal duro2Artigo metal duro2
Artigo metal duro2
Alessandro Dal Zotto
 
Inf lubrificantes
Inf lubrificantesInf lubrificantes
Inf lubrificantes
Luis Gaspar
 
Acabamento superficial e pintura
Acabamento superficial e pinturaAcabamento superficial e pintura
Acabamento superficial e pintura
superleko2013
 
REVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIES
REVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIESREVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIES
REVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIES
Celina Martins
 
Placadur - As melhores soluções contra desgaste
Placadur - As melhores soluções contra desgastePlacadur - As melhores soluções contra desgaste
Placadur - As melhores soluções contra desgaste
Luciano Faria Lima
 
Chumbador fisher dados técnicos
Chumbador fisher dados técnicosChumbador fisher dados técnicos
Chumbador fisher dados técnicos
Aluizio Alves
 
Catalogo fischer chumbadores quimicos para concreto
Catalogo fischer   chumbadores quimicos para concretoCatalogo fischer   chumbadores quimicos para concreto
Catalogo fischer chumbadores quimicos para concreto
Márcio Paixão
 
Catalogo telha termoacústica.pdf
Catalogo telha termoacústica.pdfCatalogo telha termoacústica.pdf
Catalogo telha termoacústica.pdf
FlvioMaffiolettideSo
 
Limpeza superfície na adesão chapas inox cadmiadas em pré preg carbono
Limpeza superfície na adesão chapas inox cadmiadas em pré preg carbonoLimpeza superfície na adesão chapas inox cadmiadas em pré preg carbono
Limpeza superfície na adesão chapas inox cadmiadas em pré preg carbono
jcjaneiro
 
Cap.4-3-ATextura dos Catalisadores-6.pdf
Cap.4-3-ATextura dos Catalisadores-6.pdfCap.4-3-ATextura dos Catalisadores-6.pdf
Cap.4-3-ATextura dos Catalisadores-6.pdf
LabCat
 
Cerámicas
CerámicasCerámicas
Cerámicas
ssuser7c476d2
 
Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10
Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10
Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10
Moldes ABM
 
Lubrificantes Para Forja
Lubrificantes Para Forja Lubrificantes Para Forja
Lubrificantes Para Forja
Gustavo Schiuma
 

Semelhante a Molas e coxins - Elastômeros mais usados (20)

Resumo de Aplicações Rijeza
Resumo de Aplicações RijezaResumo de Aplicações Rijeza
Resumo de Aplicações Rijeza
 
Borracha Cenne.pdf
Borracha Cenne.pdfBorracha Cenne.pdf
Borracha Cenne.pdf
 
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
Trabalho de sobre a Borracha Butilica (IIR)
 
Escolha da borracha
Escolha da borrachaEscolha da borracha
Escolha da borracha
 
08 escolha da borracha
08   escolha da borracha08   escolha da borracha
08 escolha da borracha
 
3
33
3
 
Propriedades inox
Propriedades inoxPropriedades inox
Propriedades inox
 
Artigo metal duro2
Artigo metal duro2Artigo metal duro2
Artigo metal duro2
 
Inf lubrificantes
Inf lubrificantesInf lubrificantes
Inf lubrificantes
 
Acabamento superficial e pintura
Acabamento superficial e pinturaAcabamento superficial e pintura
Acabamento superficial e pintura
 
REVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIES
REVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIESREVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIES
REVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIES
 
Placadur - As melhores soluções contra desgaste
Placadur - As melhores soluções contra desgastePlacadur - As melhores soluções contra desgaste
Placadur - As melhores soluções contra desgaste
 
Chumbador fisher dados técnicos
Chumbador fisher dados técnicosChumbador fisher dados técnicos
Chumbador fisher dados técnicos
 
Catalogo fischer chumbadores quimicos para concreto
Catalogo fischer   chumbadores quimicos para concretoCatalogo fischer   chumbadores quimicos para concreto
Catalogo fischer chumbadores quimicos para concreto
 
Catalogo telha termoacústica.pdf
Catalogo telha termoacústica.pdfCatalogo telha termoacústica.pdf
Catalogo telha termoacústica.pdf
 
Limpeza superfície na adesão chapas inox cadmiadas em pré preg carbono
Limpeza superfície na adesão chapas inox cadmiadas em pré preg carbonoLimpeza superfície na adesão chapas inox cadmiadas em pré preg carbono
Limpeza superfície na adesão chapas inox cadmiadas em pré preg carbono
 
Cap.4-3-ATextura dos Catalisadores-6.pdf
Cap.4-3-ATextura dos Catalisadores-6.pdfCap.4-3-ATextura dos Catalisadores-6.pdf
Cap.4-3-ATextura dos Catalisadores-6.pdf
 
Cerámicas
CerámicasCerámicas
Cerámicas
 
Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10
Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10
Villares Metals Usinabilidade Aço Moldes abm mar10
 
Lubrificantes Para Forja
Lubrificantes Para Forja Lubrificantes Para Forja
Lubrificantes Para Forja
 

Mais de Borrachas

Moldagem de borracha
Moldagem de borrachaMoldagem de borracha
Moldagem de borracha
Borrachas
 
Hidrolise
HidroliseHidrolise
Hidrolise
Borrachas
 
09 iniciador para poliolefinas
09   iniciador para poliolefinas09   iniciador para poliolefinas
09 iniciador para poliolefinas
Borrachas
 
07 normas astm d 2000
07   normas astm d 200007   normas astm d 2000
07 normas astm d 2000
Borrachas
 
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
Borrachas
 
Modificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
Modificação de Polipropileno com Peróxidos OrgânicosModificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
Modificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
Borrachas
 
XLPE em condutores elétricos
XLPE em condutores elétricosXLPE em condutores elétricos
XLPE em condutores elétricos
Borrachas
 
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICASCOMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
Borrachas
 
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachasTabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Borrachas
 
Reciclagem da borracha
Reciclagem da borrachaReciclagem da borracha
Reciclagem da borracha
Borrachas
 
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento EstáticoMolas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Borrachas
 
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmicoMolas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Borrachas
 
Molas coxins - Cálculos
Molas coxins - CálculosMolas coxins - Cálculos
Molas coxins - Cálculos
Borrachas
 
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borrachaCustos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Borrachas
 
Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4
Borrachas
 
Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3
Borrachas
 
Correias transportadoras - Parte 2
Correias transportadoras - Parte 2Correias transportadoras - Parte 2
Correias transportadoras - Parte 2
Borrachas
 

Mais de Borrachas (17)

Moldagem de borracha
Moldagem de borrachaMoldagem de borracha
Moldagem de borracha
 
Hidrolise
HidroliseHidrolise
Hidrolise
 
09 iniciador para poliolefinas
09   iniciador para poliolefinas09   iniciador para poliolefinas
09 iniciador para poliolefinas
 
07 normas astm d 2000
07   normas astm d 200007   normas astm d 2000
07 normas astm d 2000
 
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
Introdução aos Polietilenos Reticulados – “XLPEs”
 
Modificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
Modificação de Polipropileno com Peróxidos OrgânicosModificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
Modificação de Polipropileno com Peróxidos Orgânicos
 
XLPE em condutores elétricos
XLPE em condutores elétricosXLPE em condutores elétricos
XLPE em condutores elétricos
 
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICASCOMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
COMPOSTOS POLIMÉRICOS CONTENDO CARGAS INORGÂNICAS
 
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachasTabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
Tabela de abreviaturas para compostos de plásticos e borrachas
 
Reciclagem da borracha
Reciclagem da borrachaReciclagem da borracha
Reciclagem da borracha
 
Molas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento EstáticoMolas coxins - Dimensionamento Estático
Molas coxins - Dimensionamento Estático
 
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmicoMolas coxins - Dimensionamento dinâmico
Molas coxins - Dimensionamento dinâmico
 
Molas coxins - Cálculos
Molas coxins - CálculosMolas coxins - Cálculos
Molas coxins - Cálculos
 
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borrachaCustos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
Custos e preço de vendas na indústria de artefatos de borracha
 
Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4Correias transportadoras - Parte 4
Correias transportadoras - Parte 4
 
Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3Correias transportadoras - Parte 3
Correias transportadoras - Parte 3
 
Correias transportadoras - Parte 2
Correias transportadoras - Parte 2Correias transportadoras - Parte 2
Correias transportadoras - Parte 2
 

Molas e coxins - Elastômeros mais usados

  • 1. Molas e Coxins de Borracha Elastômeros mais utilizados José Valdemir Garbim
  • 2. www.cenne.com.br Página 1 Conteúdo INTRODUÇÃO.................................................................................................................3 INFLUÊNCIA DO AMBIENTE .....................................................................................4 Temperatura.................................................................................................................4 Oxigênio.........................................................................................................................4 Ozônio............................................................................................................................4 Produtos Químicos.......................................................................................................4 Borracha Natural “NR”...................................................................................................5 Algumas Características da “NR”..............................................................................5 Exemplos de Aplicação ................................................................................................6 Estireno Butadieno SBR ..................................................................................................6 Algumas Características do “SBR”............................................................................6 Exemplos de Aplicação ................................................................................................6 Polibutadieno = BR ..........................................................................................................7 Borracha Butílica ou Butil “I IR”...................................................................................7 Algumas Características da “I IR”.............................................................................7 Exemplos de Aplicação ................................................................................................8 Borracha Etileno Propileno EPDM.................................................................................8 Algumas Características do “EPDM”........................................................................8 Exemplos de Aplicação ................................................................................................9 Policloropreno – Neoprene = CR (Neoprene Marca DuPont) ......................................9 Algumas Características do “CR”............................................................................10
  • 3. www.cenne.com.br Página 2 Exemplos de Aplicação ..............................................................................................10 Polietileno Clorosulfonado = “Hypalon” ( Hypalon – Marca DuPont ) .....................11 Borracha Nitrílica = NBR..............................................................................................11 Algumas Características da NBR .............................................................................11 Exemplos de Aplicação ..............................................................................................12 Poliuretanos = PU ..........................................................................................................12
  • 4. www.cenne.com.br Página 3 INTRODUÇÃO Devido às características peculiares mostradas pela borracha, de não apresentar-se com a fluidez de um líquido, e nem tampouco a rigidez de um sólido, é despertado na engenharia, um grande interesse de aplicação deste material. As propriedades físicas, como; resistência à abrasão, densidade, baixa dureza, constante de elasticidade, etc., somadas às propriedades químicas extrínsecas, de, resistência ao ozônio, luz, oxigênio, hidrocarbonetos, etc., dão vazão a um amplo campo de aplicação deste material em projetos de engenharia, onde, determinados elementos de máquinas seriam impossíveis de serem construídos se não existissem as borrachas. Diversas são as famílias de polímeros básicos possíveis de serem usados, de forma a atender em quase que cem por cento das mais específicas solicitações de trabalho dos elementos de máquinas construídas com este material. O comportamento particular da borracha, aparentemente distinto daquele dos materiais estruturais convencionais de engenharia, dificulta sobremaneira a seleção de uma composição de borracha adequada para um determinado artefato, pelo projetista, pois, é exigido deste profissional um conhecimento mais profundo do material borracha. Outro aspecto complicativo é principalmente a inexistência de manuais práticos com dados relativos às múltiplas aplicações dos elastômeros, bem como, características técnicas dos mesmos. Os sistemas de classificação de materiais elastoméricos, tais como: ABNT. EB 362, ASTM D 2000, SAE J 200 e outros, que especificam, normalizam e codificam tais materiais, podem informar alguns quesitos básicos das borrachas, constituindo-se assim, uma importante fonte de consulta, tanto para o Projetista, quanto para o Tecnologista de Borracha. Quando se faz necessário a especificação de um tipo de borracha para atender a aplicação de um elemento de máquina construído de tal material, um grande entrosamento técnico deve existir entre o Projetista do elemento de máquina e o Tecnologista de Borracha, pois, toda e qualquer informação é de fundamental importância.
  • 5. www.cenne.com.br Página 4 INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Antes de falarmos especificamente dos tipos de elastômeros usados em molas, coxins e peças técnicas, é importante frisar de maneira básica e elementar a interferência do ambiente de trabalho na peça de borracha. O ambiente de trabalho pode atuar de forma degenerativa sobre o elastômero da peça, cujos mecanismos, são de natureza física ou química, ou ainda combinados, como mostrado abaixo. Temperatura A alta temperatura provoca degradação térmica na borracha, acelerando seu envelhecimento e provocando o colapso da peça. A baixa temperatura favorece o enrigecimento da estrutura molecular da borracha, diminuindo sua mobilidade e sua flexibilidade. Oxigênio O oxigênio provoca a oxidação e rompimento das cadeias estruturais das borrachas insaturadas, comprometendo suas propriedades físicas, contribuindo inclusive para o aumento da fluência e da relaxação da tensão. Ozônio Este causa o fendilhamento orientado na superfície da borracha, normalmente na direção transversal do eixo de deformação, quando a peça é solicitada à tração. Produtos Químicos Diversos são os fenômenos oriundos do ataque de produtos químicos na borracha, podendo causar desde o inchamento com variação no volume e peso da peça, até a impossibilidade da aplicação da borracha no projeto. Convém frisar, porém, que diversos aditivos podem ser incorporados às composições de borracha, de forma a protegê-la e permitir sua aplicação com certa segurança aos projetos a que se destinam.
  • 6. www.cenne.com.br Página 5 Abaixo, agora, é mostrado alguns tipos comuns e borracha, normalmente usadas na confecção de peças técnicas em engenharia, permitindo ao Tecnologista de Borracha encontrar a que melhor se adapte à condição de trabalho exigido. Borracha Natural “NR” A “Borracha Natural” é um polímero insaturado e, portanto, vulcaniza-se por meio de enxofre, ou ingredientes doadores de enxofre. A “Borracha Natural” cristaliza-se sob estiramento, resultando assim, numa alta tensão de ruptura, no estado goma-pura, porém, cargas reforçantes são adicionadas em suas composições para melhorar ainda mais suas características mecânicas e químicas. Algumas Características da “NR”  Alta tensão de ruptura  Alto alongamento à ruptura  Boa adesão à crua  Alta resiliência  Alta resistência à fadiga  Excelente resistência à abrasão  Alta resistência ao fendimento  Resistente a alcoóis e glicóis  Pouco resistente a ácidos, álcalis, solventes e óleos minerais.  Pouco resistente a solventes clorados.  Bom isolamento elétrico  Boa variação da gama de dureza.
  • 7. www.cenne.com.br Página 6 Exemplos de Aplicação Banda de rodagem de pneus, coxins automotivos de alta resistência, revestimento anti- abrasivo, peças sujeitas a choques e pancadas, artigos isolantes elétricos, etc. Estireno Butadieno SBR O “SBR” é um polímero insaturado, em que, a reação de vulcanização se dá por meio de enxofre ou doadores de enxofre. Suas propriedades físicas no estado goma-pura não são tão elevadas, necessitando assim, de cargas reforçantes para melhorar suas características mecânicas. Algumas Características do “SBR”  Boa tensão de ruptura (pouco inferior as da “NR”)  Alto alongamento à ruptura  Boa adesão à crua (Inferior à “NR”)  Boa resiliência  Alta resistência à fadiga  Boa resistência à abrasão  Resistente a álcoois e glicóis  Pouco resistente a ácidos, álcalis, solventes e fluídos orgânicos.  Pouco resistente a solventes clorados  Regular isolamento elétrico  Boa variação na gama de dureza. Exemplos de Aplicação Borracha de uso geral em peças para operação a temperaturas de - 10 a 85 º C, Banda de rodagem de veículos leves, peças sujeitas a fendilhamento, revestimento abrasivos, etc.
  • 8. www.cenne.com.br Página 7 Polibutadieno = BR O polibutadieno é um polímero insaturado, e, portanto vulcaniza-se por intermédio de enxofre. É comum a adição de “BR” à proporção de até 50 phr, em composições de “SBR”, pois, esta prática melhora sensivelmente as propriedades de resistência a abrasão, baixa temperatura, bem como características dinâmicas dos “SBRs”. Normalmente o “BR” sempre esta combinado em composições NR, SBR, CR e NBR como segundo Polímero. Borracha Butílica ou Butil “I IR” A “Borracha Butílica” é obtida a partir da copolimerização do isopreno e do isobutileno, tendo um baixo grau de insaturação, porém, ainda permite a vulcanização com enxofre, sendo necessário um sistema de aceleração mais energético que o das borrachas convencionais. Este tipo de borracha possui uma alta resistência à ruptura no seu estado de goma-pura, e a adição de cargas neste caso, reduz esta característica. Algumas Características da “I IR”  Alta tensão de ruptura  Bom alongamento à ruptura  Regular adesão à crua  Baixa resiliência  Regular resistência à abrasão  Excelentes características para absorção de choques  Boa resistência a temperaturas até 170 º C  Alta resistência a oxigênio, ozônio e intempéries  Alta resistência a produtos químicos, ácidos e alcalinos
  • 9. www.cenne.com.br Página 8  Alta resistência a óleos vegetais  Alta resistência a solventes oxigenados e solventes polares  Excelente impermeabilidade a gases  Regular isolação elétrica (baixas voltagens)  Péssima resistência a derivados de petróleo. Exemplos de Aplicação Batentes de suspensão de automóveis, impermeabilização de lajes em construção civil, câmara de ar de automóveis, face interna de pneus sem câmara, mangueiras para vapor, mangueira para fluídos ácidos ou alcalinos, coxins anti-choque, vibra stops, amortecedores de vibração para máquinas, revestimentos anti-corrosivos, adesivos, correias transportadoras para produtos aquecidos, bexiga para vulcanização de pneus, etc. Borracha Etileno Propileno EPDM O “EPDM” oferece tensão de ruptura regular em seu estado de goma-pura, necessitando assim de cargas reforçantes para melhorar suas propriedades mecânicas. O “EPDM” ainda apresenta uma pequena insaturação o que permite que se promova a reação de vulcanização através do enxofre. Algumas Características do “EPDM”  Boa tensão de ruptura  Regular alongamento à ruptura  Má adesão à crua  Boa resiliência  Regular deformação permanente à compressão  Excelente resistência às intempéries
  • 10. www.cenne.com.br Página 9  Excelente resistência à água e ao vapor d´água  Excelente resistência ao envelhecimento térmico  Excelente resistência ao oxigênio e ao ozônio  Boa resistência a ácidos e álcalis em baixa concentração  Boa resistência a altas temperaturas até 150o . C.  Péssima resistência a derivados de petróleo  Excelentes propriedades de isolamento elétrico Exemplos de Aplicação Juntas de vedação para vapor d´água, cilindros e peças de máquinas têxteis, em contato com ácidos ou álcalis, guarnição para vidros e portas de automóveis, peças que trabalham em ambientes com alta concentração de ozônio, mangueiras de radiador e de freios automotivos, etc. Policloropreno – Neoprene = CR (Neoprene Marca DuPont) Neoprene é o nome genérico dado ao policloropreno. O monômero de cloropreno é na realidade 2-clorobutadieno, isto é, butadieno com um átomo de cloro no lugar de um dos de hidrogênio. O policloropreno apresenta uma alta tensão de ruptura, no seu estado goma-pura, porém, cargas reforçantes são ainda incorporadas às composições deste, sendo que, cargas de partículas pequenas aumentam o módulo, dureza e resistência à abrasão, porém, o alongamento e a deformação permanente, pioram. No policloropreno é conseguido altas tensões de ruptura quando usado cargas de partículas médias de negro de fumo.
  • 11. www.cenne.com.br Página 10 A vulcanização do policloropreno comporta-se distintamente à dos outros elastômeros, pois, este vulcaniza-se através de óxidos metálicos que reagem ativamente com residual de cloro disposto de maneira alilica – lábil na estrutura polimérica. Algumas Características do “CR”  Alta tensão de ruptura  Alto alongamento à ruptura  Ótima adesão a tecidos e metais  Boa resiliência  Boa resistência à fadiga por flexão dinâmica  Boa resistência a intempéries e ao envelhecimento  Boa resistência a derivados de petróleo  Boa resistência ao rasgamento  Boa resistência ao ozônio, água salobra e ácidos diluídos  Boas propriedades mecânicas até temperatura de 120O C  E anti-chama e atóxica. Exemplos de Aplicação Mangueiras para bombeiro, juntas e batentes de pontes e viadutos, correias de transmissão e transportadoras, protetores de pó em automóveis, guarnições de tanques para água salobra, vedações, retentores e peças que trabalham ao tempo, rolos e cilindros para siderúrgicas, etc.
  • 12. www.cenne.com.br Página 11 Polietileno Clorosulfonado = “Hypalon” ( Hypalon – Marca DuPont ) Há vários tipos de Hypalon, cuja principal diferença entre eles é o teor de cloro e enxofre contido em suas estruturas moleculares, e viscosidade Mooney. Compostos de Hypalon são vulcanizados por meio de óxidos metálicos, ou ainda, enxofre, peróxidos ou resinas epóxi reativas. Artigos em Hypalons apresentam excelente estabilidade a cores, boa resistência ao intemperismo, é muito resistente a materiais corrosivos, e, também é resistente a ácidos e álcalis diluídos. Estes, são de grande utilização em produtos como: corrimão de escadas rolantes, impermeabilização de tecidos para confecção de encerados e capas de chuva, barcos e tanques inflamáveis, cilindros e peças para trabalho em ambientes úmidos e com altas temperaturas, até 150 º C. e peças técnicas de alta performance. Borracha Nitrílica = NBR A Borracha Nitrílica é um copolímero composto por dois monômeros, o Butadieno e a Acrilonitrila, sendo este último o responsável pela resistência desta borracha aos derivados de petróleo. As propriedades mecânicas das NBRs, em seu estado de goma-pura são fracas, necessitando assim de cargas reforçantes, para melhorar suas qualidades físicas. O fato das NBRs apresentarem cadeias insaturadas, permitem que a reação de vulcanização ocorra por meio do enxofre, porém, a solubilidade deste nas borrachas nitrílicas é um tanto difícil, sendo preferível utilizar-se baixos teores de enxofre. Algumas Características da NBR  Boa tensão de ruptura  Bom alongamento à ruptura
  • 13. www.cenne.com.br Página 12  Boa resistência a baixas temperaturas até – 25o C  Boa resistência a altas temperaturas até 90o C  Boa adesão à crua  Boa resistência ao rasgamento  Regular deformação permanente à compressão  Regular resiliência  Boa resistência à água  Baixa permeabilidade a gases  Ótimas propriedades anti-estáticas  Boa aderência a metais e tecidos  Excelente resistência a derivados de petróleo  Fraca resistência a álcalis e ácidos diluídos Exemplos de Aplicação Mangueiras para óleo, solventes e combustíveis derivados de petróleo; anéis, gaxetas e retentores para vedação; solados industriais; rolos e cilindros para máquinas gráficas e de processamento de madeira, revestimento de tanques para combustíveis; adesivos especiais; artefatos têxteis; peças que entram em contato com alimentos; etc. Poliuretanos = PU Uma grande modificação no campo da polimerização é apresentada pela reação dos Polímeros de Uretano. Ao invés do processo convencional de polimerização de monômeros, por adição ou condensação, neste caso é utilizado o método da extensão de cadeias, isto é, são sistemas capazes de formar grandes macromoléculas a partir de pequenas macromoléculas, portanto, uma grande variedade de polímeros podem ser sintetizados, variando do rígido ao plástico. Os Poliuretanos geralmente se apresentam de dois tipos, seja, os Poliésteres e os Polieteres.
  • 14. www.cenne.com.br Página 13 A transformação de um Polímero de Poliuretano para um elastômero de Poliuretano, é provocada por um agente ativo, um di isocianato. Os Poliuretanos admitem boas tensões de ruptura, altíssimos alongamentos, insuperável resistência à abrasão, excelente resistência ao impacto e do fendilhamento, alta resistência ao rasgamento, boa adesão a metais e tecidos, boa resistência a derivados de petróleo, e boa resistência à água e a produtos químicos. Normalmente emprega-se peças de poliuretanos em molas para estampos, gaxetas e retentores de fluidos orgânicos, rolos e raspadores de alta abrasão, peças em contato com oxigênio e ozônio, porém, com baixa umidade relativa. Nota: Além das borrachas acima mostradas, muitos outros tipos ainda existem, tais como: Acrílicas, Polissulfetos, Silicones, Fluorcarbonicas, etc. Dia a dia novas combinações de compostos de borracha bem como novas aplicações são desenvolvidas, ampliando cada vez mais o universo de emprego deste tipo de material. Infelizmente, não há uma única borracha capaz de atender satisfatoriamente a todas as exigências da engenharia, assim, por exemplo, uma borracha que apresenta superior resistência ao calor, mostra-se inadequada para aplicação em contato com solventes agressivos, e, da mesma forma, uma borracha que seja mais resistente a solventes, não possui grande resistência a abrasão. Ao lado das características inerentes ao polímero básico, o tipo e qualidade dos ingredientes a ele misturados, numa composição, desempenham também um importante papel, nas propriedades finais do artefato, como conseqüência disto, pode o Tecnologista contar com um número quase ilimitado de formulações feitas com o mesmo polímero básico, e mesmos ingredientes, o que permite, através de técnicas, algumas até primitivas, desenvolver composições perfeitamente adequadas para atender os mais exigentes requisitos de um artefato de borracha na engenharia.