SlideShare uma empresa Scribd logo
A Linguagem               do   Modernismo.
.A boba (1915-6), de Anita MalfattiCabeça de Cristo (1919-20), de Victor Brecheret      No início do século XX, uma verdadeira revolução começou a ocorrer nas artes em geral. Na literatura não foi diferente: envolvidos por um espírito demolidor, os escritores se voltaram contra o academicismo e romperam com os padrões estéticos vigentes. Avessos às regras, os modernistas propuseram as “palavras em liberdade”.
.   Muitos artistas brasileiros aderiam ao Modernismo e,em fevereiro de 1922,no Teatro Municipal de São Paulo,realizaram a Semana de Arte Moderna, eventoque contou com a participação de:Artistas plásticos: Vítor Brecheret, Anita Malfatti, Di Cavalcanti, Vicente de Rego Monteiro.Escritores: Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Ronald de Carvalho.Músicos: Villa-Lobos, Guiomar Novaes, Ernâni Braga, Frutuoso Viana.Arquitetos: Antônio Garcia Moya, Georg Pryzrembel.
   Observe a diferença entre acadêmicos e modernistas:Paisagem acadêmicaPaisagem modernista Gado na Montanha – Lasar SegallVista do Cavalão – George Grimm
   Observe a diferença entre acadêmicos e modernistas:Moisés e Jocabed – Pedro          Américo    Maternidade – Lasar SegallFigura humana acadêmicaFigura humana modernista
 Semana de arte moderna de 1922A 29 de janeiro de 1922, uma nota no Correio Paulistano anunciava a realização, entre 11 e 18 de fevereiro, de uma Semana de Arte no Teatro Municipal de São Paulo, com a participação de escritores, músicos, artistas e arquitetos de São Paulo e do Rio de Janeiro.
.De acordo com a notícia, a Semana , organizada por intelectuais das duas cidades, Graça Aranha à frente, tinha por objetivo dar ao público de São Paulo “a perfeita demonstração do que há em nosso meio em escultura, arquitetura, música e literatura sob o ponto de vista rigorosamente atual.”(...)Como diversos participantes  da Semana ocupavam cargos de destaque na redação de prestigiosos jornais da época, o evento.Teve desde o início grande divulgação, embora também não faltasse quem se opusesse à sua concretização.Na notícia do Correio Paulistano, Graça Aranha era apontado como autor da iniciativa; é mais provável, porém, que essa prioridade se deva a Di Cavalcanti, acatando uma sugestão de Marinette Prado(...).
.Seja  quem for o autor da ideia, objetivo da Semana era renovar o estagnado ambiente artístico e cultural de São Paulo e do país e descobrir  o Brasil, repensando-o de modo a desvinculá-lo, esteticamente, das  amarras que ainda o prendiam à Europa.É verdade que os jovens participantes da revolução estética de 1922 ainda se sentiam fracos sem a proteção benévola de Graça Aranha – espécie de avalista de sua seriedade, ou de carro-chefe capaz de impor respeito a setores menos abertos à modernidade.É verdade também  que a Semana descambou para um “ tom festivo irreconciliável talvez com o sentido de transformação social que para mim deveria estar no fundo de nossa revolução artística literária”, como escreveu próprio Di Cavalacanti.
.Contudo, não menos verdadeiro é o fato de que tudo somado e medido, a Semana foi um acontecimento cultural da maior significação, e abriu para o país perspectivas que, extrapolando do campo puramente cultural, teriam  repercussões na área política.(José Roberto Teixeira-Arte no Brasil,vol.2.)O Modernismo não parou na Semana de 22. Nas décadas de 30 e 40 surgiram muitos outros artistas mostrando suas novidades. Preocupados em relatar mudanças sócio-políticas e incentivando o nacionalismo ou criando novas tendências, eles serão responsáveis pela nova visão artística brasileira.
    Conheça alguns deles:Tarsila do Amaral (1890-1973):Pintora brasileira de renome internacional, com atuação marcante no panorama artístico brasileiro. Por sua obra ser muito ampla, destacamos  três fases: Fase Antropofágica: Caracterizada pela deformação  da figura retratadas e coloridos intensos(Abaporu); Abaporu - Tarsila do Amaral
.Fase Pau-Brasil: na qual Tarsila retrata aspectos da vida brasileira (paisagens, cidade grande, tipos regionais) usando um colorido forte com predominância de tons azuis e rosas.Fase Social: emque a maiorpreocupação é a retratação de temas sociais( operários, o povo e seu cotidiano) e as cores utilizadas são um pouco mais sóbrias.        São Paulo – Tarsila do Amaral
.Em 1926 Tarsila casou-se  com Oswald de Andrade. Um dia, em 1928, surgiu-lhe, sem premeditação, um quadro diferente, início da chamada fase “antropofágica”, na qual se situam seus quadros mais importantes. A própria Tarsila assim descreve o início dessa fase: “Eu quis fazer um quadro que assustasse o Oswald, uma coisa que ele não esperava.Aí é que vamos chegar no Abaporu. O Abaporu era uma figura monstruosa, a cabecinha, o bracinho fino, aquelas pernas compridas, enormes, e junto tinha um cacto, que dava a impressão de um sol, como se fosse também uma flor. Oswald ficou assustadíssimo e perguntou:”Mas o que é isso?”
Mário de Andrade (1893-1945)Um dos organizadores do Modernismo e da SAM, foi o que apresentou projeto mais consistente de renovação. Começou escrevendo críticas de arte e poesia (ainda parnasiana) com o pseudônimo de Mário Sobral. Rompeu com o Parnasianismo e o passado com Paulicéia Desvairada e a Semana, da qual participou ativamente.Injetou em tudo que fez um senso de problemático brasileirismo, daí sua investida no folclore. De jeito simples, sua coloquialidade desarticulou o espírito nacional de uma montanha de preconceitos arcaicos. Lutou sempre por uma literatura brasileira e com temas brasileiros.“O passado é lição para se meditar e não para se reproduzir” - afirmava assim a necessidade de um presente novo, inventivo. Acreditava na arte como instrumento de debate e de combate, comportamento evidenciado em Paulicéia Desvairada. Esta obra oferece uma panorâmica da cidade e de sua vida, ao criticar a mania obsessiva de posse, aqui também satiriza a incompetência dos administradores.
Oswald de Andrade (1890-1853)Foi poeta, romancista, ensaísta e teatrólogo. Figura de muito destaque no Modernismo Brasileiro, ele trouxe de sua viagem a Europa o Futurismo. Formado em Direito, Oswald era um playboy extravagante: usa luvas xadrez e tinha um Cadillac verde apenas porque este tinha cinzeiro, para citar apenas algumas de suas muitas extravagâncias. Amigo de Mário de Andrade, era seu oposto: milionário, extrovertido, mulherengo (casou-se 5 vezes, as mais célebres sendo as duas primeiras esposas: Tarsila do Amaral e Patrícia "Pagu" Galvão).  Foi um dos principais artistas da Semana de Arte Moderna e lançou o Movimento Pau-Brasil e a Antropofagia, corrente que pretendia devorar a cultura européia e brasileira da época e criar uma verdadeira cultura brasileira. Fazendeiro de café, perdeu tudo e foi à falência em 1929 com o crash da Bolsa de Valores. Militante esquerdista, passou a divulgar o Comunismo junto com Pagu em 1931, mas desligou-se do Partido em 1945.Sua obra é marcada por irreverência, coloquialismo, nacionalismo, exercício de demolição e crítica. Incomodar os acomodados, estimular o leitor através de palavras de coragem eram constantes preocupações desse autor.
Manuel Bandeira (1886-1968)É uma das figuras mais importantes da poesia brasileira e um dos iniciadores do Modernismo. Do penumbrismo pós-simbolista de A Cinza das Horas às experiências concretas da década de 60 de Composições e Ponteios, a poesia de Bandeira destaca-se pela consciência técnica com que manipulou o verso livre. Participa indiretamente da SAM, quando Ronald de Carvalho declama seu poema Sapos.Sempre pensando que morreria cedo (tuberculoso), acabou vivendo muito e marcando a literatura brasileira. Morte e infância são as molas propulsoras de sua obra. Ironizava o desânimo provocado pela doença, mas em Cinza das Horas apresenta melancolia e sofrimento por causa da “dama branca”. Além de ser um poeta fabuloso, também foi ensaísta, cronista e tradutor. O próprio autor define sua poesia como a do "gosto humilde da tristeza".
Alcântara Machado (1901-1935)Foi um importante escritor modernista da primeira fase, apesar de não ter participado da SAM, integrando o grupo somente em 25. Produziu prosa ficcional, renovando sua estrutura para construir histórias curtas e do cotidiano. Privilegia o imigrante, principalmente o italiano, e sua fusão, ampliando o universo cultural de São Paulo.Apesar de não ser tão radical como os outros modernistas contemporâneos seus, usava uma linguagem em seus contos que se aproximava muito do falado. Seus personagens do livro de contos Brás, Bexiga e Barra Funda falavam uma mistura de italiano e português. Retrata uma realidade citadina e realista, num tom divertido, enfatizando a vida difícil dos imigrantes e sua ascensão.Nunca chegou a completar seu romance Mana Maria, que foi publicado um ano depois de sua prematura morte. Pouco antes do fim da vida, rompeu relações com Oswald de Andrade por motivos ideológicos, ao mesmo tempo em que sua amizade com Mário de Andrade se estreitava.
Cassiano Ricardo (1895-1974)Paulista, Cassiano deixou uma obra marcada pelas tendências de seu tempo sem, entretanto, deixar um estilo próprio. Iniciou sua carreira com Dentro da Noite (1915) neo-simbolismta, passou por tendências parnasianas em A Frauta de Pã (1917, para integrar-se ao Verde-amarelismo com Vamos Caçar Papagaios (1926). Com o formalismo de 45, torna-se meditativo e melancólico. Em 1960, entra para a corrida vanguardista com experimentalismo e franca adesão ao Concretismo e à Poesia Praxis.
Guilherme de Almeida (1890-1969)Sempre se ajustou aos padrões e foi disciplinado, com mestria sobre a língua e seus dispositivos técnicos. Exímio poeta que pode ter sua obra dividida em três etapas: Pré-modernista - Nós (só de sonetos, 1917), A Dança das Horas (1919), Messidor (contendo os dois anteriores mais A Suave Colheita, 1919), Livro de Horas de Sóror Dolorosa (1920) e Era Uma Vez..., (1922) - influência parnasiano-simbolista, habilidoso artista do versoModernismo - A Frauta que Eu Perdi (subtítulo Canções Gregas, 1924) Meu (1925) e Raça (1925) - versos livres, sonoridade e ressurgir de algumas rimas. Raça (rapsódia da mestiçagem brasileira) pertence ao nacionalismo estético com nomeação metonímica (português = velho cavaleiro, índio reluz em cores e preto = samba), versos grandes, frases nominais e vocábulos mais raros.Pós-Modernismo - Você (1930), Acaso (1938), Poesia Vária (1947), Camoniana (1956) e Pequeno Cancioneiro (1956) - retorno ao ponto de origem: versos metrificados, rimas raras, sonetos e sentimentalismo. Apanágio da técnica, reconstitui a maneira de Camões e dos Cancioneiros
       Manifestos :Pau-Brasil (1924-5) :      - É uma resposta ao nacionalismo do Pau-Brasil. Criticavam o “nacionalismo afrancesado” de Oswald. Sua proposta era de um nacionalismo primitivista, ufanista, identificado com o fascismo, evoluindo para o Integralismo de Plínio Salgado. Idolatria do tupi e a anta são eleitas símbolo nacional. Em maio de 1929, o grupo verde-amarelista publica o manifesto “Nhengaçu Verde-Amarelo — Manifesto do Verde-Amarelismo ou da Escola da Anta”.
.Verde-Amarelismo (1926-1929) :É uma resposta ao nacionalismo do Pau-Brasil. Grupo formado por Plínio Salgado, Menotti delPicchia, Guilherme de Almeida e Cassiano Ricardo. Criticavam o “nacionalismo afrancesado” de Oswald. Sua proposta era de um nacionalismo primitivista, ufanista, identificado com o fascismo, evoluindo para o Integralismo de Plínio Salgado (década de 30). Idolatria do tupi e a anta é eleita símbolo nacional. Em maio de 1929, o grupo verde-amarelista publica o manifesto “Nhengaçu Verde-Amarelo — Manifesto do Verde-Amarelismo ou da Escola da Anta”.
.   Antropofagismo :O que é Antropofagismo? :      - Movimento iniciado no dos anos 20 que afirmava a necessidade de “devorar” tanto manifestações artísticas estrangeiras como a cultura popular brasileira, o que resultaria em arte moderna e genuína, ente nacional. Participaram desse movimento Oswald de Andrade, Tarsila do Amara, di Cavalcanti etc.A Antropofagia propunha a “devoração” de influências estrangeiras, como no ritual canibal (em que se devora o inimigo com a crença de poder-se absorver suas qualidades), para que a arte nacional ganhasse uma feição mais brasileira.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
Ana Batista
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
licss
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
A semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentaçãoA semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentação
Zenia Ferreira
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Edenilson Morais
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
GabrielaLimaPereira
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
profconrad
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
Priscila Hilária
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Blog Estudo
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
Ajudar Pessoas
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Andriane Cursino
 
Manuel Bandeira Vida e obras
Manuel Bandeira Vida e obras Manuel Bandeira Vida e obras
Manuel Bandeira Vida e obras
Sirleide Silva
 
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
blogdofernando
 
Barroco
Barroco Barroco
Marília de Dirceu
Marília de DirceuMarília de Dirceu
Romantismo Prosa
Romantismo ProsaRomantismo Prosa
Romantismo Prosa
Gabriella Lima
 
Literatura Contemporânea
Literatura  ContemporâneaLiteratura  Contemporânea
Literatura Contemporânea
clemildapetrolina
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Victor Said
 
Literatura de informação
Literatura de informaçãoLiteratura de informação
Literatura de informação
Elizabeth Vicente da Silva
 

Mais procurados (20)

Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
A semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentaçãoA semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentação
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Manuel Bandeira Vida e obras
Manuel Bandeira Vida e obras Manuel Bandeira Vida e obras
Manuel Bandeira Vida e obras
 
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Marília de Dirceu
Marília de DirceuMarília de Dirceu
Marília de Dirceu
 
Romantismo Prosa
Romantismo ProsaRomantismo Prosa
Romantismo Prosa
 
Literatura Contemporânea
Literatura  ContemporâneaLiteratura  Contemporânea
Literatura Contemporânea
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Literatura de informação
Literatura de informaçãoLiteratura de informação
Literatura de informação
 

Semelhante a Modernismo.

O modernismo no brasil
O modernismo no brasilO modernismo no brasil
O modernismo no brasil
Claudinei Jesus
 
Primeira geração
Primeira geraçãoPrimeira geração
Primeira geração
efraim01
 
Primeira geração
Primeira geraçãoPrimeira geração
Primeira geração
efraim01
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo Desdobramentos
Modernismo DesdobramentosModernismo Desdobramentos
Modernismo Desdobramentos
ISJ
 
Apresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptxApresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptx
EndelCosta1
 
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptxPré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
EndelCosta1
 
Modernismo2019
Modernismo2019Modernismo2019
Modernismo2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Juliana Oliveira
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
José Ricardo Lima
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
jasonrplima
 
Primeira Fase do Modernismo
Primeira Fase do ModernismoPrimeira Fase do Modernismo
Primeira Fase do Modernismo
Camila Jamyly
 
Literatura
Literatura Literatura
Literatura
Lariprieto
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
PATRICIA VIANA
 
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.pptsemana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
billieeilish3214553
 
M O D E R N I S M
M O D E R N I S MM O D E R N I S M
M O D E R N I S M
Prof Palmito Rocha
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 

Semelhante a Modernismo. (20)

O modernismo no brasil
O modernismo no brasilO modernismo no brasil
O modernismo no brasil
 
Primeira geração
Primeira geraçãoPrimeira geração
Primeira geração
 
Primeira geração
Primeira geraçãoPrimeira geração
Primeira geração
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo Desdobramentos
Modernismo DesdobramentosModernismo Desdobramentos
Modernismo Desdobramentos
 
Apresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptxApresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptx
 
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptxPré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
 
Modernismo2019
Modernismo2019Modernismo2019
Modernismo2019
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
 
Primeira Fase do Modernismo
Primeira Fase do ModernismoPrimeira Fase do Modernismo
Primeira Fase do Modernismo
 
Literatura
Literatura Literatura
Literatura
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.pptsemana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
 
M O D E R N I S M
M O D E R N I S MM O D E R N I S M
M O D E R N I S M
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 

Último

Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 

Modernismo.

  • 1. A Linguagem do Modernismo.
  • 2. .A boba (1915-6), de Anita MalfattiCabeça de Cristo (1919-20), de Victor Brecheret No início do século XX, uma verdadeira revolução começou a ocorrer nas artes em geral. Na literatura não foi diferente: envolvidos por um espírito demolidor, os escritores se voltaram contra o academicismo e romperam com os padrões estéticos vigentes. Avessos às regras, os modernistas propuseram as “palavras em liberdade”.
  • 3. . Muitos artistas brasileiros aderiam ao Modernismo e,em fevereiro de 1922,no Teatro Municipal de São Paulo,realizaram a Semana de Arte Moderna, eventoque contou com a participação de:Artistas plásticos: Vítor Brecheret, Anita Malfatti, Di Cavalcanti, Vicente de Rego Monteiro.Escritores: Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Ronald de Carvalho.Músicos: Villa-Lobos, Guiomar Novaes, Ernâni Braga, Frutuoso Viana.Arquitetos: Antônio Garcia Moya, Georg Pryzrembel.
  • 4. Observe a diferença entre acadêmicos e modernistas:Paisagem acadêmicaPaisagem modernista Gado na Montanha – Lasar SegallVista do Cavalão – George Grimm
  • 5. Observe a diferença entre acadêmicos e modernistas:Moisés e Jocabed – Pedro Américo Maternidade – Lasar SegallFigura humana acadêmicaFigura humana modernista
  • 6. Semana de arte moderna de 1922A 29 de janeiro de 1922, uma nota no Correio Paulistano anunciava a realização, entre 11 e 18 de fevereiro, de uma Semana de Arte no Teatro Municipal de São Paulo, com a participação de escritores, músicos, artistas e arquitetos de São Paulo e do Rio de Janeiro.
  • 7. .De acordo com a notícia, a Semana , organizada por intelectuais das duas cidades, Graça Aranha à frente, tinha por objetivo dar ao público de São Paulo “a perfeita demonstração do que há em nosso meio em escultura, arquitetura, música e literatura sob o ponto de vista rigorosamente atual.”(...)Como diversos participantes da Semana ocupavam cargos de destaque na redação de prestigiosos jornais da época, o evento.Teve desde o início grande divulgação, embora também não faltasse quem se opusesse à sua concretização.Na notícia do Correio Paulistano, Graça Aranha era apontado como autor da iniciativa; é mais provável, porém, que essa prioridade se deva a Di Cavalcanti, acatando uma sugestão de Marinette Prado(...).
  • 8. .Seja quem for o autor da ideia, objetivo da Semana era renovar o estagnado ambiente artístico e cultural de São Paulo e do país e descobrir o Brasil, repensando-o de modo a desvinculá-lo, esteticamente, das amarras que ainda o prendiam à Europa.É verdade que os jovens participantes da revolução estética de 1922 ainda se sentiam fracos sem a proteção benévola de Graça Aranha – espécie de avalista de sua seriedade, ou de carro-chefe capaz de impor respeito a setores menos abertos à modernidade.É verdade também que a Semana descambou para um “ tom festivo irreconciliável talvez com o sentido de transformação social que para mim deveria estar no fundo de nossa revolução artística literária”, como escreveu próprio Di Cavalacanti.
  • 9. .Contudo, não menos verdadeiro é o fato de que tudo somado e medido, a Semana foi um acontecimento cultural da maior significação, e abriu para o país perspectivas que, extrapolando do campo puramente cultural, teriam repercussões na área política.(José Roberto Teixeira-Arte no Brasil,vol.2.)O Modernismo não parou na Semana de 22. Nas décadas de 30 e 40 surgiram muitos outros artistas mostrando suas novidades. Preocupados em relatar mudanças sócio-políticas e incentivando o nacionalismo ou criando novas tendências, eles serão responsáveis pela nova visão artística brasileira.
  • 10. Conheça alguns deles:Tarsila do Amaral (1890-1973):Pintora brasileira de renome internacional, com atuação marcante no panorama artístico brasileiro. Por sua obra ser muito ampla, destacamos três fases: Fase Antropofágica: Caracterizada pela deformação da figura retratadas e coloridos intensos(Abaporu); Abaporu - Tarsila do Amaral
  • 11. .Fase Pau-Brasil: na qual Tarsila retrata aspectos da vida brasileira (paisagens, cidade grande, tipos regionais) usando um colorido forte com predominância de tons azuis e rosas.Fase Social: emque a maiorpreocupação é a retratação de temas sociais( operários, o povo e seu cotidiano) e as cores utilizadas são um pouco mais sóbrias. São Paulo – Tarsila do Amaral
  • 12. .Em 1926 Tarsila casou-se com Oswald de Andrade. Um dia, em 1928, surgiu-lhe, sem premeditação, um quadro diferente, início da chamada fase “antropofágica”, na qual se situam seus quadros mais importantes. A própria Tarsila assim descreve o início dessa fase: “Eu quis fazer um quadro que assustasse o Oswald, uma coisa que ele não esperava.Aí é que vamos chegar no Abaporu. O Abaporu era uma figura monstruosa, a cabecinha, o bracinho fino, aquelas pernas compridas, enormes, e junto tinha um cacto, que dava a impressão de um sol, como se fosse também uma flor. Oswald ficou assustadíssimo e perguntou:”Mas o que é isso?”
  • 13. Mário de Andrade (1893-1945)Um dos organizadores do Modernismo e da SAM, foi o que apresentou projeto mais consistente de renovação. Começou escrevendo críticas de arte e poesia (ainda parnasiana) com o pseudônimo de Mário Sobral. Rompeu com o Parnasianismo e o passado com Paulicéia Desvairada e a Semana, da qual participou ativamente.Injetou em tudo que fez um senso de problemático brasileirismo, daí sua investida no folclore. De jeito simples, sua coloquialidade desarticulou o espírito nacional de uma montanha de preconceitos arcaicos. Lutou sempre por uma literatura brasileira e com temas brasileiros.“O passado é lição para se meditar e não para se reproduzir” - afirmava assim a necessidade de um presente novo, inventivo. Acreditava na arte como instrumento de debate e de combate, comportamento evidenciado em Paulicéia Desvairada. Esta obra oferece uma panorâmica da cidade e de sua vida, ao criticar a mania obsessiva de posse, aqui também satiriza a incompetência dos administradores.
  • 14. Oswald de Andrade (1890-1853)Foi poeta, romancista, ensaísta e teatrólogo. Figura de muito destaque no Modernismo Brasileiro, ele trouxe de sua viagem a Europa o Futurismo. Formado em Direito, Oswald era um playboy extravagante: usa luvas xadrez e tinha um Cadillac verde apenas porque este tinha cinzeiro, para citar apenas algumas de suas muitas extravagâncias. Amigo de Mário de Andrade, era seu oposto: milionário, extrovertido, mulherengo (casou-se 5 vezes, as mais célebres sendo as duas primeiras esposas: Tarsila do Amaral e Patrícia "Pagu" Galvão).  Foi um dos principais artistas da Semana de Arte Moderna e lançou o Movimento Pau-Brasil e a Antropofagia, corrente que pretendia devorar a cultura européia e brasileira da época e criar uma verdadeira cultura brasileira. Fazendeiro de café, perdeu tudo e foi à falência em 1929 com o crash da Bolsa de Valores. Militante esquerdista, passou a divulgar o Comunismo junto com Pagu em 1931, mas desligou-se do Partido em 1945.Sua obra é marcada por irreverência, coloquialismo, nacionalismo, exercício de demolição e crítica. Incomodar os acomodados, estimular o leitor através de palavras de coragem eram constantes preocupações desse autor.
  • 15. Manuel Bandeira (1886-1968)É uma das figuras mais importantes da poesia brasileira e um dos iniciadores do Modernismo. Do penumbrismo pós-simbolista de A Cinza das Horas às experiências concretas da década de 60 de Composições e Ponteios, a poesia de Bandeira destaca-se pela consciência técnica com que manipulou o verso livre. Participa indiretamente da SAM, quando Ronald de Carvalho declama seu poema Sapos.Sempre pensando que morreria cedo (tuberculoso), acabou vivendo muito e marcando a literatura brasileira. Morte e infância são as molas propulsoras de sua obra. Ironizava o desânimo provocado pela doença, mas em Cinza das Horas apresenta melancolia e sofrimento por causa da “dama branca”. Além de ser um poeta fabuloso, também foi ensaísta, cronista e tradutor. O próprio autor define sua poesia como a do "gosto humilde da tristeza".
  • 16. Alcântara Machado (1901-1935)Foi um importante escritor modernista da primeira fase, apesar de não ter participado da SAM, integrando o grupo somente em 25. Produziu prosa ficcional, renovando sua estrutura para construir histórias curtas e do cotidiano. Privilegia o imigrante, principalmente o italiano, e sua fusão, ampliando o universo cultural de São Paulo.Apesar de não ser tão radical como os outros modernistas contemporâneos seus, usava uma linguagem em seus contos que se aproximava muito do falado. Seus personagens do livro de contos Brás, Bexiga e Barra Funda falavam uma mistura de italiano e português. Retrata uma realidade citadina e realista, num tom divertido, enfatizando a vida difícil dos imigrantes e sua ascensão.Nunca chegou a completar seu romance Mana Maria, que foi publicado um ano depois de sua prematura morte. Pouco antes do fim da vida, rompeu relações com Oswald de Andrade por motivos ideológicos, ao mesmo tempo em que sua amizade com Mário de Andrade se estreitava.
  • 17. Cassiano Ricardo (1895-1974)Paulista, Cassiano deixou uma obra marcada pelas tendências de seu tempo sem, entretanto, deixar um estilo próprio. Iniciou sua carreira com Dentro da Noite (1915) neo-simbolismta, passou por tendências parnasianas em A Frauta de Pã (1917, para integrar-se ao Verde-amarelismo com Vamos Caçar Papagaios (1926). Com o formalismo de 45, torna-se meditativo e melancólico. Em 1960, entra para a corrida vanguardista com experimentalismo e franca adesão ao Concretismo e à Poesia Praxis.
  • 18. Guilherme de Almeida (1890-1969)Sempre se ajustou aos padrões e foi disciplinado, com mestria sobre a língua e seus dispositivos técnicos. Exímio poeta que pode ter sua obra dividida em três etapas: Pré-modernista - Nós (só de sonetos, 1917), A Dança das Horas (1919), Messidor (contendo os dois anteriores mais A Suave Colheita, 1919), Livro de Horas de Sóror Dolorosa (1920) e Era Uma Vez..., (1922) - influência parnasiano-simbolista, habilidoso artista do versoModernismo - A Frauta que Eu Perdi (subtítulo Canções Gregas, 1924) Meu (1925) e Raça (1925) - versos livres, sonoridade e ressurgir de algumas rimas. Raça (rapsódia da mestiçagem brasileira) pertence ao nacionalismo estético com nomeação metonímica (português = velho cavaleiro, índio reluz em cores e preto = samba), versos grandes, frases nominais e vocábulos mais raros.Pós-Modernismo - Você (1930), Acaso (1938), Poesia Vária (1947), Camoniana (1956) e Pequeno Cancioneiro (1956) - retorno ao ponto de origem: versos metrificados, rimas raras, sonetos e sentimentalismo. Apanágio da técnica, reconstitui a maneira de Camões e dos Cancioneiros
  • 19. Manifestos :Pau-Brasil (1924-5) : - É uma resposta ao nacionalismo do Pau-Brasil. Criticavam o “nacionalismo afrancesado” de Oswald. Sua proposta era de um nacionalismo primitivista, ufanista, identificado com o fascismo, evoluindo para o Integralismo de Plínio Salgado. Idolatria do tupi e a anta são eleitas símbolo nacional. Em maio de 1929, o grupo verde-amarelista publica o manifesto “Nhengaçu Verde-Amarelo — Manifesto do Verde-Amarelismo ou da Escola da Anta”.
  • 20. .Verde-Amarelismo (1926-1929) :É uma resposta ao nacionalismo do Pau-Brasil. Grupo formado por Plínio Salgado, Menotti delPicchia, Guilherme de Almeida e Cassiano Ricardo. Criticavam o “nacionalismo afrancesado” de Oswald. Sua proposta era de um nacionalismo primitivista, ufanista, identificado com o fascismo, evoluindo para o Integralismo de Plínio Salgado (década de 30). Idolatria do tupi e a anta é eleita símbolo nacional. Em maio de 1929, o grupo verde-amarelista publica o manifesto “Nhengaçu Verde-Amarelo — Manifesto do Verde-Amarelismo ou da Escola da Anta”.
  • 21. . Antropofagismo :O que é Antropofagismo? : - Movimento iniciado no dos anos 20 que afirmava a necessidade de “devorar” tanto manifestações artísticas estrangeiras como a cultura popular brasileira, o que resultaria em arte moderna e genuína, ente nacional. Participaram desse movimento Oswald de Andrade, Tarsila do Amara, di Cavalcanti etc.A Antropofagia propunha a “devoração” de influências estrangeiras, como no ritual canibal (em que se devora o inimigo com a crença de poder-se absorver suas qualidades), para que a arte nacional ganhasse uma feição mais brasileira.