SlideShare uma empresa Scribd logo
MODERNISMO DE 22
Bienal
Composição: Zeca Baleiro / Zé
Ramalho
Desmaterializando a obra de arte do
fim do milênio
Faço um quadro com moléculas de
hidrogênio
Fios de pentelho de um velho armênio
Cuspe de mosca, pão dormido, asa de
barata torta
Teu conceito parece, à primeira vista,
Um barrococó figurativo neo-
expressionista
Com pitadas de arte nouveau pós-
MODERNISMO DE 22
Minha mãe certa vez disse-me um dia,
Vendo minha obra exposta na galeria,
"Meu filho, isso é mais estranho que o cu
da gia
E muito mais feio que um hipopótamo
insone"

Pra entender um trabalho tão moderno
É preciso ler o segundo caderno,
Calcular o produto bruto interno,
Multiplicar pelo valor das contas de
água, luz e telefone,
Rodopiando na fúria do ciclone,
MODERNISMO DE 22
Minha mãe não entendeu o subtexto
Da arte desmaterializada no presente
contexto
Reciclando o lixo lá do cesto
Chego a um resultado estético bacana

Com a graça de Deus e Basquiá
Nova York, me espere que eu vou já
Picharei com dendê de vatapá
Uma psicodélica baiana
MODERNISMO DE 22
Misturarei anáguas de viúva
Com tampinhas de pepsi e fanta uva
Um penico com água da última chuva,
Ampolas de injeção de penicilina


Desmaterializando a matéria
Com a arte pulsando na artéria
Boto fogo no gelo da Sibéria
Faço até cair neve em Teresina
Com o clarão do raio da siribrina
Desintegro o poder da bactéria

Com o clarão do raio da siribrina
Desintegro o poder da bactéria
Conceito                    Modernismo de
                                    22
Manifestado especialmente
pela arte, mas manchando
 também com violência os
    costumes sociais e
   políticos, o movimento
      modernista foi o
      prenunciador, o
 preparador e, por muitas
  partes, o criador de um
estado de espírito nacional.
                       Mário de Andrade
As
Vanguardas
 Européias
Futurismo
Dadaísmo
Cubismo
Expressionismo
Surrealismo
Semana de Arte Moderna de 1922
       A Semana não foi o
      Modernismo, mas ela
   aglutinou as insatisfações
    estéticas e extrapolou as
        novas concepções
     artísticas. Na poesia, a
     métrica e a rima foram
   questionadas em nome da
      liberdade criativa; na
    pintura, o academicismo
    da tradição renascentista
        deu lugar às novas
   formas, cores e temas; na
      música a tonalidade e
       melodia tradicionais
        sofreram abalos. A
     Semana representa um
Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007
AS PROPOSTAS MODERNISTAS
1. Adaptar a arte nacional ao momento
1. Adaptar a arte nacional ao momento
   futurista e tecnológico:
    futurista e tecnológico:
“Queremos luz, ar, ventiladores, aeroplanos,
motores, chaminés de fabrica, velocidade...
E que o rufo do automóvel, nos trilhos de
dois versos, espante da poesia o último deus
homérico...”.

“Aqui de cima destes edifícios, nós olhamos
 “Aqui de cima destes edifícios, nós olhamos
para o passado e contemplamos sua
para o passado e contemplamos sua
nulidade.”
nulidade.”
2. Combater a cultura formal, gabinetista,
2. Combater a cultura formal, gabinetista,
   acadêmica, livresca:
   acadêmica, livresca:

 Ó poetas de gabinete.
 Que da vida sabeis apenas a lição dos livros,
 Vossa poesia é um jogo de palavras.
 Vossa poesia é toda feita de habilidades de estilo,
 Sem a marca um pouco suja de experiências
 vividas.
 Não sabeis de nenhuma espécie de sofrimento,
 De nenhum dos aspectos sedutores do mal,
 Não sabeis de nada que está realmente na vida.
Não vos inquieta o desejo de quebrar a
monotonia,
A exasperada fadiga das coisas iguais,
A saborosa audácia do mau gosto.
Tudo em vós é correto, frio, sem surpresas.
Ah, tudo que sabeis é através dos livros
Não sofreis a curiosidade viciosa das
aventuras,
Nem a mágoa dos meses vividos à toa,
Nem o bocejo que a mulher tão desejada
provocará
     [um dia.
Não conheceis o remorso das devassidões
E a desvairada esperança que há num
amanhecer
                         [depois da noite perdida.
Para vós não existe a vida : existem os temas
poéticos.
                                (Ribeiro Couto)
3. Destruir os modelos artísticos do
3. Destruir os modelos artísticos do
   Parnasianismo
   Parnasianismo
Estou fardo do lirismo comedido.
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com
 livros de ponto expediente protocolo e
 manifestações de apreço ao sr.diretor.
Estou farto do lirismo que pára e vai
 averiguar no dicionário o cunho
 vernáculo de um vocábulo
Abaixo os puristas
Todas as palavras sobretudo os
 barbarismos universais
Todas as construções sobretudo as
 sintaxes de exceção
Todos os ritmos sobretudo os
 inumeráveis

           (. . .)
Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbados
O lirismo difícil e pungente dos bêbados
O lirismo dos clowns de Shakespeare
 - Não quero mais saber do lirismo que
  não é libertaçao
                              (M. Bandeira)
4. Linguagem espontânea, coloquial:
4. Linguagem espontânea, coloquial:


  “Irene preta
 Irene boa
 Irene sempre de bom humor
 Imagino Irene entrando no céu:
 -Licença , meu branco!
 E São Pedro bonachão:
 -Entra, Irene, você não precisa pedir
   licença.”
5. Desprezo pelas normas gramaticais ::
5. Desprezo pelas normas gramaticais



  “Dê-me um cigarro
  Diz a gramatica
  Do professor e do aluno
  E do mulato sabido
  Mas o bom negro e o bom branco
  Da nação brasileira
  Dizem todos os dias
  Deixa disso camarada
  Me dá um cigarro”
6. Uso da paródia como elemento
6. Uso da paródia como elemento
   desmitificador:
   desmitificador:
Minha terra tem palmares
Onde gorjeia o mar
Os passarinhos daqui
Não cantam como os de lá.

Minha terra tem mais rosas
E quase que mais amores
Minha terra tem mais ouro
Minha terra tem mais terra.
Ouro terra amor e rosas
Eu quero tudo de lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá.

Não permita Deus que eu morra
Sem que volte pra São Paulo
Sem que veja a rua 15
E o progresso de São Paulo.
7. Emprego da ironia e do poema–piada:
7. Emprego da ironia e do poema–piada:

           Moça linda bem tratada,
           Três séculos de família,
           Burra como uma porta:
                    Um amor.
            Grã-fino do despudor,
          Esporte, ignorância e sexo
              Burro como porta:
                    Um coió.
             Mulher gordaça, filó
         De ouro por todos os poros
           Burra como uma porta:
                 Paciência...
Plutocrata sem consciência,
   Nada porta, terremoto
Que a porta do pobre arromba:
          Um bomba.

             (Mário de Andrade)
DESDOBRAMENTO

EUROPEIZAÇÃO
EUROPEIZAÇÃO              NACIONALIZAÇÃO
                          NACIONALIZAÇÃO


                 1924
                 1924


 VANGUARDAS
 VANGUARDAS                 UM OLHAR
                            UM OLHAR
  EUROPÉIAS
  EUROPÉIAS               PARA O BRASIL
                          PARA O BRASIL

     CUBISMO     GRUPOS
                 GRUPOS
     FUTURISMO            PAU-BRASIL
     DADAÍSMO
                          VERDE-AMARELO
     EXPRESSIONISM
     O                    ANTROPOFÁGICO
     SURREALISMO
                          REGIONALISTA
Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007
Enquanto você se      Este caminho que eu
esforça pra ser       mesmo escolhi
um sujeito normal     É tão fácil seguir
e fazer tudo igual    por não ter onde ir
Eu do meu lado,       Controlando a minha
aprendendo a ser      maluquez
louco                 misturada com minha
Um maluco total       lucidez
na loucura real
                      Vou ficar
Controlando a minha   ficar com certeza
maluquez              maluco beleza
misturada com minha   Eu vou ficar.....
lucidez
Vou ficar
ficar com certeza
maluco beleza

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
Jonatas Carlos
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
CrisBiagio
 
Poetas parnasianos e simbolistas
Poetas parnasianos e simbolistasPoetas parnasianos e simbolistas
Poetas parnasianos e simbolistas
José Alexandre Dos Santos
 
A catedral – alphonsus de guimaraens
A catedral – alphonsus de guimaraensA catedral – alphonsus de guimaraens
A catedral – alphonsus de guimaraens
Beatriz Rodrigues
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
profconrad
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
William Ferraz
 
2.º tempo modernista no brasil (poesia)
2.º tempo modernista no brasil (poesia)2.º tempo modernista no brasil (poesia)
2.º tempo modernista no brasil (poesia)
rafabebum
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Simbolismo - Cruz e Souza
Simbolismo -  Cruz e SouzaSimbolismo -  Cruz e Souza
Simbolismo - Cruz e Souza
Odiariodecristianet
 
Carlos Drummond de Andrade A rosa do povo
Carlos Drummond de Andrade  A rosa do povoCarlos Drummond de Andrade  A rosa do povo
Carlos Drummond de Andrade A rosa do povo
Zanah
 
Simbolismo SemináRio
Simbolismo   SemináRioSimbolismo   SemináRio
Simbolismo SemináRio
mrbo
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
gustavogeo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Anjo da Luz
 
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
Cynthia Funchal
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Walace Cestari
 
Romantismo poesia - 2ª geração
Romantismo   poesia -  2ª geraçãoRomantismo   poesia -  2ª geração
Romantismo poesia - 2ª geração
Luciene Gomes
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Cláudia Heloísa
 

Mais procurados (20)

Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
 
Poetas parnasianos e simbolistas
Poetas parnasianos e simbolistasPoetas parnasianos e simbolistas
Poetas parnasianos e simbolistas
 
A catedral – alphonsus de guimaraens
A catedral – alphonsus de guimaraensA catedral – alphonsus de guimaraens
A catedral – alphonsus de guimaraens
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
 
2.º tempo modernista no brasil (poesia)
2.º tempo modernista no brasil (poesia)2.º tempo modernista no brasil (poesia)
2.º tempo modernista no brasil (poesia)
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Simbolismo - Cruz e Souza
Simbolismo -  Cruz e SouzaSimbolismo -  Cruz e Souza
Simbolismo - Cruz e Souza
 
Carlos Drummond de Andrade A rosa do povo
Carlos Drummond de Andrade  A rosa do povoCarlos Drummond de Andrade  A rosa do povo
Carlos Drummond de Andrade A rosa do povo
 
Simbolismo SemináRio
Simbolismo   SemináRioSimbolismo   SemináRio
Simbolismo SemináRio
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Romantismo poesia - 2ª geração
Romantismo   poesia -  2ª geraçãoRomantismo   poesia -  2ª geração
Romantismo poesia - 2ª geração
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 

Semelhante a Modernismosetembro2007

Modernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - LiteraturaModernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - Literatura
Carlos Eduardo
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
Cynthia Funchal
 
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
MichaelMorais12
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
Kevin Mattos Mariano
 
Modernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhj
Modernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhjModernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhj
Modernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhj
LisandraSouza21
 
Poesia e modernismo
Poesia e modernismoPoesia e modernismo
Poesia e modernismo
Universidade das Quebradas
 
20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre
Paulo Klein
 
semana de arte moderna.pptx
semana de arte moderna.pptxsemana de arte moderna.pptx
semana de arte moderna.pptx
ROSIANERODRIGUESALVE1
 
Vanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURA
Vanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURAVanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURA
Vanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURA
SarahAkaida
 
Vanguardas modernismo artes visuais.....
Vanguardas  modernismo artes visuais.....Vanguardas  modernismo artes visuais.....
Vanguardas modernismo artes visuais.....
LuanyChristina2
 
Vanguardas.ppt
Vanguardas.pptVanguardas.ppt
Vanguardas.ppt
WILLYSONMELO
 
Vanguardas Europeias e o modernismo como movimento artístico
Vanguardas Europeias e o modernismo como movimento artísticoVanguardas Europeias e o modernismo como movimento artístico
Vanguardas Europeias e o modernismo como movimento artístico
YuriGonalves20
 
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃOSEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
Sérgio Pitaki
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
Seduc/AM
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
Carolina Loçasso Pereira
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Blog Estudo
 
Semana de Arte Moderna
Semana de Arte Moderna Semana de Arte Moderna
Semana de Arte Moderna
Entrelinhas Curso
 
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
Fernando Pereira
 
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de AndradeA Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
vestibular
 
Carlos drumond de andrade
Carlos drumond de andradeCarlos drumond de andrade
Carlos drumond de andrade
Rita Santana
 

Semelhante a Modernismosetembro2007 (20)

Modernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - LiteraturaModernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - Literatura
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
 
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
 
Modernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhj
Modernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhjModernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhj
Modernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhj
 
Poesia e modernismo
Poesia e modernismoPoesia e modernismo
Poesia e modernismo
 
20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre20 questões de literatura segundo trimestre
20 questões de literatura segundo trimestre
 
semana de arte moderna.pptx
semana de arte moderna.pptxsemana de arte moderna.pptx
semana de arte moderna.pptx
 
Vanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURA
Vanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURAVanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURA
Vanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURA
 
Vanguardas modernismo artes visuais.....
Vanguardas  modernismo artes visuais.....Vanguardas  modernismo artes visuais.....
Vanguardas modernismo artes visuais.....
 
Vanguardas.ppt
Vanguardas.pptVanguardas.ppt
Vanguardas.ppt
 
Vanguardas Europeias e o modernismo como movimento artístico
Vanguardas Europeias e o modernismo como movimento artísticoVanguardas Europeias e o modernismo como movimento artístico
Vanguardas Europeias e o modernismo como movimento artístico
 
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃOSEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
 
Semana de Arte Moderna
Semana de Arte Moderna Semana de Arte Moderna
Semana de Arte Moderna
 
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
 
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de AndradeA Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
 
Carlos drumond de andrade
Carlos drumond de andradeCarlos drumond de andrade
Carlos drumond de andrade
 

Modernismosetembro2007

  • 1. MODERNISMO DE 22 Bienal Composição: Zeca Baleiro / Zé Ramalho Desmaterializando a obra de arte do fim do milênio Faço um quadro com moléculas de hidrogênio Fios de pentelho de um velho armênio Cuspe de mosca, pão dormido, asa de barata torta Teu conceito parece, à primeira vista, Um barrococó figurativo neo- expressionista Com pitadas de arte nouveau pós-
  • 2. MODERNISMO DE 22 Minha mãe certa vez disse-me um dia, Vendo minha obra exposta na galeria, "Meu filho, isso é mais estranho que o cu da gia E muito mais feio que um hipopótamo insone" Pra entender um trabalho tão moderno É preciso ler o segundo caderno, Calcular o produto bruto interno, Multiplicar pelo valor das contas de água, luz e telefone, Rodopiando na fúria do ciclone,
  • 3. MODERNISMO DE 22 Minha mãe não entendeu o subtexto Da arte desmaterializada no presente contexto Reciclando o lixo lá do cesto Chego a um resultado estético bacana Com a graça de Deus e Basquiá Nova York, me espere que eu vou já Picharei com dendê de vatapá Uma psicodélica baiana
  • 4. MODERNISMO DE 22 Misturarei anáguas de viúva Com tampinhas de pepsi e fanta uva Um penico com água da última chuva, Ampolas de injeção de penicilina Desmaterializando a matéria Com a arte pulsando na artéria Boto fogo no gelo da Sibéria Faço até cair neve em Teresina Com o clarão do raio da siribrina Desintegro o poder da bactéria Com o clarão do raio da siribrina Desintegro o poder da bactéria
  • 5. Conceito Modernismo de 22 Manifestado especialmente pela arte, mas manchando também com violência os costumes sociais e políticos, o movimento modernista foi o prenunciador, o preparador e, por muitas partes, o criador de um estado de espírito nacional. Mário de Andrade
  • 12. Semana de Arte Moderna de 1922 A Semana não foi o Modernismo, mas ela aglutinou as insatisfações estéticas e extrapolou as novas concepções artísticas. Na poesia, a métrica e a rima foram questionadas em nome da liberdade criativa; na pintura, o academicismo da tradição renascentista deu lugar às novas formas, cores e temas; na música a tonalidade e melodia tradicionais sofreram abalos. A Semana representa um
  • 15. AS PROPOSTAS MODERNISTAS 1. Adaptar a arte nacional ao momento 1. Adaptar a arte nacional ao momento futurista e tecnológico: futurista e tecnológico: “Queremos luz, ar, ventiladores, aeroplanos, motores, chaminés de fabrica, velocidade... E que o rufo do automóvel, nos trilhos de dois versos, espante da poesia o último deus homérico...”. “Aqui de cima destes edifícios, nós olhamos “Aqui de cima destes edifícios, nós olhamos para o passado e contemplamos sua para o passado e contemplamos sua nulidade.” nulidade.”
  • 16. 2. Combater a cultura formal, gabinetista, 2. Combater a cultura formal, gabinetista, acadêmica, livresca: acadêmica, livresca: Ó poetas de gabinete. Que da vida sabeis apenas a lição dos livros, Vossa poesia é um jogo de palavras. Vossa poesia é toda feita de habilidades de estilo, Sem a marca um pouco suja de experiências vividas. Não sabeis de nenhuma espécie de sofrimento, De nenhum dos aspectos sedutores do mal, Não sabeis de nada que está realmente na vida.
  • 17. Não vos inquieta o desejo de quebrar a monotonia, A exasperada fadiga das coisas iguais, A saborosa audácia do mau gosto. Tudo em vós é correto, frio, sem surpresas. Ah, tudo que sabeis é através dos livros Não sofreis a curiosidade viciosa das aventuras, Nem a mágoa dos meses vividos à toa,
  • 18. Nem o bocejo que a mulher tão desejada provocará [um dia. Não conheceis o remorso das devassidões E a desvairada esperança que há num amanhecer [depois da noite perdida. Para vós não existe a vida : existem os temas poéticos. (Ribeiro Couto)
  • 19. 3. Destruir os modelos artísticos do 3. Destruir os modelos artísticos do Parnasianismo Parnasianismo Estou fardo do lirismo comedido. Do lirismo bem comportado Do lirismo funcionário público com livros de ponto expediente protocolo e manifestações de apreço ao sr.diretor. Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o cunho vernáculo de um vocábulo
  • 20. Abaixo os puristas Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis (. . .)
  • 21. Quero antes o lirismo dos loucos O lirismo dos bêbados O lirismo difícil e pungente dos bêbados O lirismo dos clowns de Shakespeare - Não quero mais saber do lirismo que não é libertaçao (M. Bandeira)
  • 22. 4. Linguagem espontânea, coloquial: 4. Linguagem espontânea, coloquial: “Irene preta Irene boa Irene sempre de bom humor Imagino Irene entrando no céu: -Licença , meu branco! E São Pedro bonachão: -Entra, Irene, você não precisa pedir licença.”
  • 23. 5. Desprezo pelas normas gramaticais :: 5. Desprezo pelas normas gramaticais “Dê-me um cigarro Diz a gramatica Do professor e do aluno E do mulato sabido Mas o bom negro e o bom branco Da nação brasileira Dizem todos os dias Deixa disso camarada Me dá um cigarro”
  • 24. 6. Uso da paródia como elemento 6. Uso da paródia como elemento desmitificador: desmitificador: Minha terra tem palmares Onde gorjeia o mar Os passarinhos daqui Não cantam como os de lá. Minha terra tem mais rosas E quase que mais amores Minha terra tem mais ouro Minha terra tem mais terra.
  • 25. Ouro terra amor e rosas Eu quero tudo de lá Não permita Deus que eu morra Sem que volte para lá. Não permita Deus que eu morra Sem que volte pra São Paulo Sem que veja a rua 15 E o progresso de São Paulo.
  • 26. 7. Emprego da ironia e do poema–piada: 7. Emprego da ironia e do poema–piada: Moça linda bem tratada, Três séculos de família, Burra como uma porta: Um amor. Grã-fino do despudor, Esporte, ignorância e sexo Burro como porta: Um coió. Mulher gordaça, filó De ouro por todos os poros Burra como uma porta: Paciência...
  • 27. Plutocrata sem consciência, Nada porta, terremoto Que a porta do pobre arromba: Um bomba. (Mário de Andrade)
  • 28. DESDOBRAMENTO EUROPEIZAÇÃO EUROPEIZAÇÃO NACIONALIZAÇÃO NACIONALIZAÇÃO 1924 1924 VANGUARDAS VANGUARDAS UM OLHAR UM OLHAR EUROPÉIAS EUROPÉIAS PARA O BRASIL PARA O BRASIL CUBISMO GRUPOS GRUPOS FUTURISMO PAU-BRASIL DADAÍSMO VERDE-AMARELO EXPRESSIONISM O ANTROPOFÁGICO SURREALISMO REGIONALISTA
  • 38. Enquanto você se Este caminho que eu esforça pra ser mesmo escolhi um sujeito normal É tão fácil seguir e fazer tudo igual por não ter onde ir Eu do meu lado, Controlando a minha aprendendo a ser maluquez louco misturada com minha Um maluco total lucidez na loucura real Vou ficar Controlando a minha ficar com certeza maluquez maluco beleza misturada com minha Eu vou ficar..... lucidez Vou ficar ficar com certeza maluco beleza