SlideShare uma empresa Scribd logo
1.Obtenção de
matéria pelos
seres
heterotróficos
Professor : Filipe Marinho
Turma: 10º D
Vila Real,13 de Fevereiro de 2015
Evoluçãodoconhecimento
Evoluçãodoconhecimento
O modelo de mosaico fluido é usado até hoje, apesar de experimentos
posteriores, terem deixado claro que a liberdade de movimentação das
proteínas transmembranas e extrínsecas, não representa a realidade
observada (Vereb et al., 2004).
Uma das características da membrana celular, não previstas no modelo de
mosaico fluido, é que as proteínas apresentam uma distribuição não aleatória,
há uma concentração de proteínas em regiões definidas na membrana,
conhecidas como balsas lipídicas.
Essas balsas lipídicas são pequenas da membrana, onde alguns lipídios
(normalmente esfingolipídeos e colesterol) e proteínas estão concentrados.
A membrana é constituída por uma bicamada fosfolipídica
Glícido
Proteína
Bicamada
fosfolipídica
60 a 70% (em massa) de proteínas;
25 a 40% (em massa) de lípidos;
 10% (em massa) de glícidos;
Colesterol – encontra-se no meio dos fosfolípidos
modelo do mosaico fluido Singer e Nicholson
em 1972
Na bicamada lipídica, as cadeias hidrofóbicas dos
fosfolípidos estão voltadas umas para as outras e as
cabeças polares para o meio extracelular e
intracelular, respetivamente.
A bicamada lipídica tem um papel
essencialmente estrutural e é dotada de
mobilidade, permitindo às moléculas de
fosfolípidos executarem movimentos
laterais e de flip-flop.
Troca
rápida e
comum
Troca lenta
e pouco
comum
Podem ter uma função estrutural ou intervir
no transporte de substâncias através da
membrana.
integradas ou intrínsecas:
Se penetram na bicamada lipídica
periféricas ou extrínsecas:
Se se encontram ligadas à superfície da
membrana
Também funcionam como recetores de
estímulos químicos vindos do meio
extracelular ou como enzimas catalisando
reações que ocorrem na superfície da célula
Os glícidos membranares situam-se na parte
exterior da membrana plasmática.
Podem ligar-se a proteínas (glicoproteínas)
ou a lípidos (glicolípidos)
Têm um papel importante
no reconhecimento de
certas substâncias
Os glicolípidos e
glicoproteínas formam a
chamada Glicocálix.
1.Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Vila Real,13 de Fevereiro de 2015
Professor : Filipe Marinho
Turma: 10º D
Transporte de materiais através da célula
A membrana plasmática representa a fronteira entre o meio
externo e o meio interno permitindo a passagem de substâncias
entre os dois meios.
Permeável
No entanto nem todas as substâncias conseguem atravessar a
membrana e algumas só atravessam em circunstâncias especiais.
Permeabilidade
seletiva
© Moléculas de reduzidas dimensões e sem carga elétrica
atravessam a bicamada fosfolipídica mais facilmente que os
compostos de maiores dimensões ou carregados eletricamente.
©Os compostos solúveis em lípidos também atravessam com
facilidade.
Transporte depende
de:
 Dimensão
 Carga elétrica do
composto
 Solubilidade em
lípidos
Conclusões:
O movimento de substâncias
através da membrana pode
ocorrer sem intervenção de
moléculas transportadoras –
transporte não mediado – ou
com a intervenção dessas
moléculas – transporte mediado.
Como entram na célula os diferentes
compostos que não conseguem
atravessar a bicamada fosfolipídica?
Transportedepequenas
moléculaseiões
Transporte não
mediado
Osmose
Difusão simples
Transporte
mediado
Difusão facilitada
Transporte ativo
Conceitos importantes a relembrar:
Soluto: Solvente: Concentração:
Substância que se
pode dissolver
Substância na qual
se dissolve o soluto
(formando uma
solução)
Razão entre a massa
de uma substância e o
volume da solução
vs.
Meio “menos” concentrado
(menor quantidade de soluto)
Meio “mais” concentrado
(maior quantidade de soluto)
Osmose
É o movimento de água, por
difusão dos meios menos
concentrados (hipotónicos)
para os meios mais
concentrados (hipertónicas)
Não implica gastos de energia
pela célula.
Transporte passivo
Osmose (Passagem da água, através da membrana, entre dois meios, cujo controlo é
efetuado através da variação da concentração de solutos nesses dois meios)
Num meio
hipotónico
Num meio
hipertónico
Num meio
isotónico
a água sai da célula por
osmose, diminuindo o
volume celular – a célula
fica no estado de
plasmólise.
a concentração de
solutos é igual nas
duas soluções.
a água entra por osmose,
levando a um aumento do
volume celular – a célula
fica num estado de
turgescência.
A osmose é,
então,
provocada pela
pressão
osmótica
Pressão necessária
para contrariar a
tendência da água de
se mover de uma
solução hipotónica
para uma solução
hipertónica.
Esta pressão é tanto
maior quanto maior
for a concentração de
soluto numa solução.
Osmose
Osmose
Numa célula animal túrgida, quando a entrada de água ultrapassa a
capacidade elástica da membrana, ocorre lise (destruição) celular.
Célula animal
Osmose
Não ocorre lise nas células vegetais, por possuírem parede celular, que
devido à pressão de parede condiciona a quantidade de água que entra
na célula.
Célula vegetal
As moléculas movimentam-
se do meio onde a sua
concentração é mais
elevada para o meio onde a
sua concentração é mais
baixa, isto é, a favor de um
gradiente de concentração.
Difusão simples
A osmose e a difusão simples são processos de transporte
passivo, porque a sua ocorrência não implica gasto de energia
pela célula.
Osmose

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
Sheila Cassenotte
 
Transporte Ativo
Transporte Ativo Transporte Ativo
Transporte Ativo
Andrea Barreto
 
10ºano: A célula
10ºano: A célula10ºano: A célula
10ºano: A célula
RicardoNascimento0035
 
Distribuição de matéria
Distribuição de matériaDistribuição de matéria
Distribuição de matéria
Rita Pereira
 
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
Hugo Martins
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
margaridabt
 
Biologia 10º transporte nas plantas
Biologia 10º   transporte nas plantasBiologia 10º   transporte nas plantas
Biologia 10º transporte nas plantas
Nuno Correia
 
Membrana plasmática (plasmalema)
Membrana plasmática (plasmalema)Membrana plasmática (plasmalema)
Membrana plasmática (plasmalema)
Nilderlânia Paulino Sampaio
 
A Célula
A CélulaA Célula
Ciclo celular
Ciclo celularCiclo celular
Ciclo celular
margaridabt
 
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
InesTeixeiraDuarte
 
8 fotossíntese e quimiossíntese
8   fotossíntese e quimiossíntese8   fotossíntese e quimiossíntese
8 fotossíntese e quimiossíntese
margaridabt
 
Aula membrana e transporte celular
Aula membrana e transporte celular Aula membrana e transporte celular
Aula membrana e transporte celular
Andre Luiz Nascimento
 
Transportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambranaTransportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambrana
Luís Filipe Marinho
 
Digestao Extracelular
Digestao ExtracelularDigestao Extracelular
Digestao Extracelular
spondias
 
Transporte nos animais
Transporte nos animaisTransporte nos animais
Transporte nos animais
margaridabt
 
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficosObtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Luís Filipe Marinho
 
Teoria celular-
Teoria celular-Teoria celular-
Teoria celular-
stique
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
Rita Pereira
 
Biologia 11 diferenciação celular
Biologia 11   diferenciação celularBiologia 11   diferenciação celular
Biologia 11 diferenciação celular
Nuno Correia
 

Mais procurados (20)

Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Transporte Ativo
Transporte Ativo Transporte Ativo
Transporte Ativo
 
10ºano: A célula
10ºano: A célula10ºano: A célula
10ºano: A célula
 
Distribuição de matéria
Distribuição de matériaDistribuição de matéria
Distribuição de matéria
 
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
Biologia 10º transporte nas plantas
Biologia 10º   transporte nas plantasBiologia 10º   transporte nas plantas
Biologia 10º transporte nas plantas
 
Membrana plasmática (plasmalema)
Membrana plasmática (plasmalema)Membrana plasmática (plasmalema)
Membrana plasmática (plasmalema)
 
A Célula
A CélulaA Célula
A Célula
 
Ciclo celular
Ciclo celularCiclo celular
Ciclo celular
 
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
 
8 fotossíntese e quimiossíntese
8   fotossíntese e quimiossíntese8   fotossíntese e quimiossíntese
8 fotossíntese e quimiossíntese
 
Aula membrana e transporte celular
Aula membrana e transporte celular Aula membrana e transporte celular
Aula membrana e transporte celular
 
Transportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambranaTransportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambrana
 
Digestao Extracelular
Digestao ExtracelularDigestao Extracelular
Digestao Extracelular
 
Transporte nos animais
Transporte nos animaisTransporte nos animais
Transporte nos animais
 
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficosObtenção de matéria pelos seres heterotróficos
Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
 
Teoria celular-
Teoria celular-Teoria celular-
Teoria celular-
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
Biologia 11 diferenciação celular
Biologia 11   diferenciação celularBiologia 11   diferenciação celular
Biologia 11 diferenciação celular
 

Destaque

Transporte Transmembranar
Transporte TransmembranarTransporte Transmembranar
Transporte Transmembranar
Tânia Reis
 
B6 Movimentos Transmembranares 1
B6   Movimentos Transmembranares 1B6   Movimentos Transmembranares 1
B6 Movimentos Transmembranares 1
Nuno Correia
 
Transporte através da membrana
Transporte através da membranaTransporte através da membrana
Transporte através da membrana
Carlos Carvalho
 
Fotossíntese bioquímica
Fotossíntese bioquímicaFotossíntese bioquímica
Fotossíntese bioquímica
Felipe De Oliveira Florêncio
 
Membrana plasmática #1
Membrana plasmática #1Membrana plasmática #1
Membrana plasmática #1
Iris Callado Sanches
 
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Membrana Plasmática
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Membrana Plasmáticawww.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Membrana Plasmática
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Membrana Plasmática
Videoaulas De Biologia Apoio
 
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
Ionara Urrutia Moura
 
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamentalApostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
osatoas
 
Bg7 obtenção de matéria - heterotróficos (membrana plasmática)
Bg7   obtenção de matéria - heterotróficos (membrana plasmática)Bg7   obtenção de matéria - heterotróficos (membrana plasmática)
Bg7 obtenção de matéria - heterotróficos (membrana plasmática)
Nuno Correia
 
Ficha 1 membrana plasmasmática
Ficha 1   membrana plasmasmáticaFicha 1   membrana plasmasmática
Ficha 1 membrana plasmasmática
Luís Filipe Marinho
 
Transportes transmembrana #2
Transportes transmembrana #2Transportes transmembrana #2
Transportes transmembrana #2
icsanches
 
Módulo 2 - biologia- obtenção de matéria
Módulo 2 - biologia-  obtenção de matériaMódulo 2 - biologia-  obtenção de matéria
Módulo 2 - biologia- obtenção de matéria
Raquel Rodrigues
 
B6 Movimentos Transmembranares
B6   Movimentos TransmembranaresB6   Movimentos Transmembranares
B6 Movimentos Transmembranares
Nuno Correia
 
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
I.Braz Slideshares
 
5 membrana plasmática
5   membrana  plasmática5   membrana  plasmática
5 membrana plasmática
margaridabt
 
Lista exercicios genética maio_2012
Lista  exercicios  genética maio_2012Lista  exercicios  genética maio_2012
Lista exercicios genética maio_2012
Ionara Urrutia Moura
 
Fisiologia da Membrana
Fisiologia da MembranaFisiologia da Membrana
Fisiologia da Membrana
Caio Maximino
 
Fisiologia Questões Parte 1
Fisiologia Questões Parte 1Fisiologia Questões Parte 1
Fisiologia Questões Parte 1
delanievov
 
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da MembranaFisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Herbert Santana
 
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e águaProtocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
Luís Filipe Marinho
 

Destaque (20)

Transporte Transmembranar
Transporte TransmembranarTransporte Transmembranar
Transporte Transmembranar
 
B6 Movimentos Transmembranares 1
B6   Movimentos Transmembranares 1B6   Movimentos Transmembranares 1
B6 Movimentos Transmembranares 1
 
Transporte através da membrana
Transporte através da membranaTransporte através da membrana
Transporte através da membrana
 
Fotossíntese bioquímica
Fotossíntese bioquímicaFotossíntese bioquímica
Fotossíntese bioquímica
 
Membrana plasmática #1
Membrana plasmática #1Membrana plasmática #1
Membrana plasmática #1
 
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Membrana Plasmática
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Membrana Plasmáticawww.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Membrana Plasmática
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Membrana Plasmática
 
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
 
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamentalApostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
 
Bg7 obtenção de matéria - heterotróficos (membrana plasmática)
Bg7   obtenção de matéria - heterotróficos (membrana plasmática)Bg7   obtenção de matéria - heterotróficos (membrana plasmática)
Bg7 obtenção de matéria - heterotróficos (membrana plasmática)
 
Ficha 1 membrana plasmasmática
Ficha 1   membrana plasmasmáticaFicha 1   membrana plasmasmática
Ficha 1 membrana plasmasmática
 
Transportes transmembrana #2
Transportes transmembrana #2Transportes transmembrana #2
Transportes transmembrana #2
 
Módulo 2 - biologia- obtenção de matéria
Módulo 2 - biologia-  obtenção de matériaMódulo 2 - biologia-  obtenção de matéria
Módulo 2 - biologia- obtenção de matéria
 
B6 Movimentos Transmembranares
B6   Movimentos TransmembranaresB6   Movimentos Transmembranares
B6 Movimentos Transmembranares
 
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
 
5 membrana plasmática
5   membrana  plasmática5   membrana  plasmática
5 membrana plasmática
 
Lista exercicios genética maio_2012
Lista  exercicios  genética maio_2012Lista  exercicios  genética maio_2012
Lista exercicios genética maio_2012
 
Fisiologia da Membrana
Fisiologia da MembranaFisiologia da Membrana
Fisiologia da Membrana
 
Fisiologia Questões Parte 1
Fisiologia Questões Parte 1Fisiologia Questões Parte 1
Fisiologia Questões Parte 1
 
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da MembranaFisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
 
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e águaProtocolo do trabalho prático -  fatores abióticos luz e água
Protocolo do trabalho prático - fatores abióticos luz e água
 

Semelhante a Membrana celular

Power point sobre a membrana e transportes
Power point sobre a membrana e transportesPower point sobre a membrana e transportes
Power point sobre a membrana e transportes
mariacostasantos2008
 
Ae bg10 b_ppt_membrana
Ae bg10 b_ppt_membranaAe bg10 b_ppt_membrana
Ae bg10 b_ppt_membrana
Cláudia Matias
 
A membrana plasmática e a permeabilidade
A membrana plasmática e a permeabilidadeA membrana plasmática e a permeabilidade
A membrana plasmática e a permeabilidade
Alpha Colégio e Vestibulares
 
ObtençãO De MatéRia Tr
ObtençãO De MatéRia   TrObtençãO De MatéRia   Tr
ObtençãO De MatéRia Tr
Tânia Reis
 
Envoltórios da célula
Envoltórios da célulaEnvoltórios da célula
Envoltórios da célula
Joao Victor
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
andreepinto
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
andreepinto
 
Membrana E Transporte
Membrana E TransporteMembrana E Transporte
Membrana E Transporte
Nutricionista
 
Módulo a2.1 membrana.resumo
Módulo a2.1   membrana.resumoMódulo a2.1   membrana.resumo
Módulo a2.1 membrana.resumo
Leonor Vaz Pereira
 
Memb. E Transporte
Memb. E TransporteMemb. E Transporte
Memb. E Transporte
ClaraVinhas
 
Memb. e Transporte
Memb. e TransporteMemb. e Transporte
Memb. e Transporte
ClaraVinhas
 
Membrana Plasmática
Membrana PlasmáticaMembrana Plasmática
Membrana Plasmática
Pedro Oliveira
 
Citologia membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Citologia   membrana,citoplasma e núcleo (com textos)Citologia   membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Citologia membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Ressurrei
 
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Tatiana Faria
 
PPT13_Bio_D4_1_MembranaPlacccsmatica.pdf
PPT13_Bio_D4_1_MembranaPlacccsmatica.pdfPPT13_Bio_D4_1_MembranaPlacccsmatica.pdf
PPT13_Bio_D4_1_MembranaPlacccsmatica.pdf
MikeMicas
 
FI1 AutotrofiaVSHeterotrofiaA2.pdf
FI1 AutotrofiaVSHeterotrofiaA2.pdfFI1 AutotrofiaVSHeterotrofiaA2.pdf
FI1 AutotrofiaVSHeterotrofiaA2.pdf
mariagrave
 
10 biologia (2)
10 biologia (2)10 biologia (2)
10 biologia (2)
Adriana Cahongo
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
bradok157
 

Semelhante a Membrana celular (20)

Power point sobre a membrana e transportes
Power point sobre a membrana e transportesPower point sobre a membrana e transportes
Power point sobre a membrana e transportes
 
Ae bg10 b_ppt_membrana
Ae bg10 b_ppt_membranaAe bg10 b_ppt_membrana
Ae bg10 b_ppt_membrana
 
A membrana plasmática e a permeabilidade
A membrana plasmática e a permeabilidadeA membrana plasmática e a permeabilidade
A membrana plasmática e a permeabilidade
 
ObtençãO De MatéRia Tr
ObtençãO De MatéRia   TrObtençãO De MatéRia   Tr
ObtençãO De MatéRia Tr
 
Envoltórios da célula
Envoltórios da célulaEnvoltórios da célula
Envoltórios da célula
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Membrana E Transporte
Membrana E TransporteMembrana E Transporte
Membrana E Transporte
 
Módulo a2.1 membrana.resumo
Módulo a2.1   membrana.resumoMódulo a2.1   membrana.resumo
Módulo a2.1 membrana.resumo
 
Memb. E Transporte
Memb. E TransporteMemb. E Transporte
Memb. E Transporte
 
Memb. e Transporte
Memb. e TransporteMemb. e Transporte
Memb. e Transporte
 
Membrana Plasmática
Membrana PlasmáticaMembrana Plasmática
Membrana Plasmática
 
Citologia membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Citologia   membrana,citoplasma e núcleo (com textos)Citologia   membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
Citologia membrana,citoplasma e núcleo (com textos)
 
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
 
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
 
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
 
PPT13_Bio_D4_1_MembranaPlacccsmatica.pdf
PPT13_Bio_D4_1_MembranaPlacccsmatica.pdfPPT13_Bio_D4_1_MembranaPlacccsmatica.pdf
PPT13_Bio_D4_1_MembranaPlacccsmatica.pdf
 
FI1 AutotrofiaVSHeterotrofiaA2.pdf
FI1 AutotrofiaVSHeterotrofiaA2.pdfFI1 AutotrofiaVSHeterotrofiaA2.pdf
FI1 AutotrofiaVSHeterotrofiaA2.pdf
 
10 biologia (2)
10 biologia (2)10 biologia (2)
10 biologia (2)
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
 

Mais de Luís Filipe Marinho

Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Luís Filipe Marinho
 
Ingestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorçãoIngestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorção
Luís Filipe Marinho
 
J2 serviço dos ecossistemas
J2   serviço dos ecossistemasJ2   serviço dos ecossistemas
J2 serviço dos ecossistemas
Luís Filipe Marinho
 
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentávelJ1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
Luís Filipe Marinho
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
Luís Filipe Marinho
 
I1 sucessões ecológicas
I1   sucessões ecológicasI1   sucessões ecológicas
I1 sucessões ecológicas
Luís Filipe Marinho
 
Fatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e ventoFatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e vento
Luís Filipe Marinho
 
Fatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuaçãoFatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuação
Luís Filipe Marinho
 
Fatores abióticos - água e luz
Fatores abióticos - água e luzFatores abióticos - água e luz
Fatores abióticos - água e luz
Luís Filipe Marinho
 
Ficha 5 medidas de minimização
Ficha 5   medidas de minimizaçãoFicha 5   medidas de minimização
Ficha 5 medidas de minimização
Luís Filipe Marinho
 
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevençãoAula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Luís Filipe Marinho
 
Vulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placasVulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placas
Luís Filipe Marinho
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Ficha 3 tipo de erupções
Ficha 3  tipo de erupçõesFicha 3  tipo de erupções
Ficha 3 tipo de erupções
Luís Filipe Marinho
 
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3  tipos de erupções vulcãnicasAula 3  tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
Luís Filipe Marinho
 
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologiaFicha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Luís Filipe Marinho
 
introdução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismointrodução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismo
Luís Filipe Marinho
 
Ficha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Ficha de trabalho Vulcanismo nos AçoresFicha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Ficha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Luís Filipe Marinho
 
Vulcanismo em Portugal
Vulcanismo em PortugalVulcanismo em Portugal
Vulcanismo em Portugal
Luís Filipe Marinho
 
Aspetos geomorfológicos numa região granítica
Aspetos geomorfológicos numa região graníticaAspetos geomorfológicos numa região granítica
Aspetos geomorfológicos numa região granítica
Luís Filipe Marinho
 

Mais de Luís Filipe Marinho (20)

Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
Ingestão, digestão e absorção (parte 2)
 
Ingestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorçãoIngestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorção
 
J2 serviço dos ecossistemas
J2   serviço dos ecossistemasJ2   serviço dos ecossistemas
J2 serviço dos ecossistemas
 
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentávelJ1   gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
J1 gestão dos ecossitemas e desenvolvimento sustentável
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
 
I1 sucessões ecológicas
I1   sucessões ecológicasI1   sucessões ecológicas
I1 sucessões ecológicas
 
Fatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e ventoFatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e vento
 
Fatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuaçãoFatores abióticos - água e luz (continuação
Fatores abióticos - água e luz (continuação
 
Fatores abióticos - água e luz
Fatores abióticos - água e luzFatores abióticos - água e luz
Fatores abióticos - água e luz
 
Ficha 5 medidas de minimização
Ficha 5   medidas de minimizaçãoFicha 5   medidas de minimização
Ficha 5 medidas de minimização
 
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevençãoAula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
 
Vulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placasVulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placas
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Ficha 3 tipo de erupções
Ficha 3  tipo de erupçõesFicha 3  tipo de erupções
Ficha 3 tipo de erupções
 
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3  tipos de erupções vulcãnicasAula 3  tipos de erupções vulcãnicas
Aula 3 tipos de erupções vulcãnicas
 
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologiaFicha de trabalho - noções básicas vulcanologia
Ficha de trabalho - noções básicas vulcanologia
 
introdução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismointrodução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismo
 
Ficha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Ficha de trabalho Vulcanismo nos AçoresFicha de trabalho Vulcanismo nos Açores
Ficha de trabalho Vulcanismo nos Açores
 
Vulcanismo em Portugal
Vulcanismo em PortugalVulcanismo em Portugal
Vulcanismo em Portugal
 
Aspetos geomorfológicos numa região granítica
Aspetos geomorfológicos numa região graníticaAspetos geomorfológicos numa região granítica
Aspetos geomorfológicos numa região granítica
 

Último

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 

Último (20)

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 

Membrana celular

  • 1. 1.Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos Professor : Filipe Marinho Turma: 10º D Vila Real,13 de Fevereiro de 2015
  • 3. Evoluçãodoconhecimento O modelo de mosaico fluido é usado até hoje, apesar de experimentos posteriores, terem deixado claro que a liberdade de movimentação das proteínas transmembranas e extrínsecas, não representa a realidade observada (Vereb et al., 2004). Uma das características da membrana celular, não previstas no modelo de mosaico fluido, é que as proteínas apresentam uma distribuição não aleatória, há uma concentração de proteínas em regiões definidas na membrana, conhecidas como balsas lipídicas. Essas balsas lipídicas são pequenas da membrana, onde alguns lipídios (normalmente esfingolipídeos e colesterol) e proteínas estão concentrados.
  • 4. A membrana é constituída por uma bicamada fosfolipídica Glícido Proteína Bicamada fosfolipídica 60 a 70% (em massa) de proteínas; 25 a 40% (em massa) de lípidos;  10% (em massa) de glícidos; Colesterol – encontra-se no meio dos fosfolípidos modelo do mosaico fluido Singer e Nicholson em 1972
  • 5. Na bicamada lipídica, as cadeias hidrofóbicas dos fosfolípidos estão voltadas umas para as outras e as cabeças polares para o meio extracelular e intracelular, respetivamente. A bicamada lipídica tem um papel essencialmente estrutural e é dotada de mobilidade, permitindo às moléculas de fosfolípidos executarem movimentos laterais e de flip-flop. Troca rápida e comum Troca lenta e pouco comum
  • 6. Podem ter uma função estrutural ou intervir no transporte de substâncias através da membrana. integradas ou intrínsecas: Se penetram na bicamada lipídica periféricas ou extrínsecas: Se se encontram ligadas à superfície da membrana Também funcionam como recetores de estímulos químicos vindos do meio extracelular ou como enzimas catalisando reações que ocorrem na superfície da célula
  • 7. Os glícidos membranares situam-se na parte exterior da membrana plasmática. Podem ligar-se a proteínas (glicoproteínas) ou a lípidos (glicolípidos)
  • 8. Têm um papel importante no reconhecimento de certas substâncias Os glicolípidos e glicoproteínas formam a chamada Glicocálix.
  • 9.
  • 10. 1.Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos Vila Real,13 de Fevereiro de 2015 Professor : Filipe Marinho Turma: 10º D Transporte de materiais através da célula
  • 11. A membrana plasmática representa a fronteira entre o meio externo e o meio interno permitindo a passagem de substâncias entre os dois meios. Permeável No entanto nem todas as substâncias conseguem atravessar a membrana e algumas só atravessam em circunstâncias especiais. Permeabilidade seletiva
  • 12. © Moléculas de reduzidas dimensões e sem carga elétrica atravessam a bicamada fosfolipídica mais facilmente que os compostos de maiores dimensões ou carregados eletricamente. ©Os compostos solúveis em lípidos também atravessam com facilidade. Transporte depende de:  Dimensão  Carga elétrica do composto  Solubilidade em lípidos Conclusões:
  • 13. O movimento de substâncias através da membrana pode ocorrer sem intervenção de moléculas transportadoras – transporte não mediado – ou com a intervenção dessas moléculas – transporte mediado. Como entram na célula os diferentes compostos que não conseguem atravessar a bicamada fosfolipídica?
  • 15. Conceitos importantes a relembrar: Soluto: Solvente: Concentração: Substância que se pode dissolver Substância na qual se dissolve o soluto (formando uma solução) Razão entre a massa de uma substância e o volume da solução vs. Meio “menos” concentrado (menor quantidade de soluto) Meio “mais” concentrado (maior quantidade de soluto)
  • 16. Osmose É o movimento de água, por difusão dos meios menos concentrados (hipotónicos) para os meios mais concentrados (hipertónicas) Não implica gastos de energia pela célula. Transporte passivo
  • 17. Osmose (Passagem da água, através da membrana, entre dois meios, cujo controlo é efetuado através da variação da concentração de solutos nesses dois meios) Num meio hipotónico Num meio hipertónico Num meio isotónico a água sai da célula por osmose, diminuindo o volume celular – a célula fica no estado de plasmólise. a concentração de solutos é igual nas duas soluções. a água entra por osmose, levando a um aumento do volume celular – a célula fica num estado de turgescência.
  • 18. A osmose é, então, provocada pela pressão osmótica Pressão necessária para contrariar a tendência da água de se mover de uma solução hipotónica para uma solução hipertónica. Esta pressão é tanto maior quanto maior for a concentração de soluto numa solução. Osmose
  • 19. Osmose Numa célula animal túrgida, quando a entrada de água ultrapassa a capacidade elástica da membrana, ocorre lise (destruição) celular. Célula animal
  • 20. Osmose Não ocorre lise nas células vegetais, por possuírem parede celular, que devido à pressão de parede condiciona a quantidade de água que entra na célula. Célula vegetal
  • 21. As moléculas movimentam- se do meio onde a sua concentração é mais elevada para o meio onde a sua concentração é mais baixa, isto é, a favor de um gradiente de concentração. Difusão simples A osmose e a difusão simples são processos de transporte passivo, porque a sua ocorrência não implica gasto de energia pela célula.

Notas do Editor

  1. 60 a 70% (em massa) de proteínas; 25 a 40% (em massa) de lípidos; 10% (em massa) de glícidos;
  2. 60 a 70% (em massa) de proteínas; 25 a 40% (em massa) de lípidos; 10% (em massa) de glícidos;
  3. 60 a 70% (em massa) de proteínas; 25 a 40% (em massa) de lípidos; 10% (em massa) de glícidos;
  4. 60 a 70% (em massa) de proteínas; 25 a 40% (em massa) de lípidos; 10% (em massa) de glícidos;
  5. 60 a 70% (em massa) de proteínas; 25 a 40% (em massa) de lípidos; 10% (em massa) de glícidos;
  6. 60 a 70% (em massa) de proteínas; 25 a 40% (em massa) de lípidos; 10% (em massa) de glícidos;
  7. 60 a 70% (em massa) de proteínas; 25 a 40% (em massa) de lípidos; 10% (em massa) de glícidos;
  8. Terão de existir mecanismos que permitam a entrada na célula de substâncias vitais mas que, pelas suas características, apresentam uma reduzida permeabilidade face à membrana
  9. Muitas outras substâncias além da água, tais como iões e pequenas moléculas, atravessam a membrana plasmática de locais onde se encontram em maior concentração para locais de menor concentração