SlideShare uma empresa Scribd logo
ARTHUR BRAGA ARANHA
REGULADORES DE CRESCIMENTO,
DESFOLHANTES E MATURADORES
2
• Hormônios vegetais;
• Morfologia, fatores climáticos e ambientais;
• Crescimento excessivo;
• Efeito dos reguladores;
• Doses, monitoramento e aplicações;
• Desfolhadores;
• Maturadores.
SUMÁRIO
3
HORMÔNIOS VEGETAIS
 É importante entender, pois cada um desses processos é baseado em inibir ou mimetizar
a função de algum desses hormônios, cancelando ou imitando o papel deles sobre a
planta.
Fonte: pngwin, acesso em 2021
4
HORMÔNIOS VEGETAIS
Fonte: Revista Campo & Negócios 2016.
Substâncias químicas, biologicamente
ativas;
Produzida em baixa concentração;
Regula processos fisiológicos;
Determina alguns processos
bioquímicos.
5
HORMÔNIOS VEGETAIS
Hormônio Principais Funções
Auxinas Alongamento celular, desenvolvimento radicular e apical, atua no fototropismo e
geotropismo e desenvolvimento de frutos.
Citocininas Divisão e alongamento celular, inibe a senescência, estimula a mobilização de nutrientes,
libera gemas de dominância apical (Crescimento lateral).
Giberelinas Germinação de sementes, alongamento da parte aérea, quebra de dormências,
formação de frutos patenocarpos.
Ácido Abscísico Abscisão de folhas, induz a dormência de gemas e sementes, inibição de auxinas,
fechamento de estômatos, aumento do sistema radicular, diminui o crescimento foliar,
etc.
Etileno Amadurecimento de frutos, abscisão foliar, epinastia, inibe o crescimento de plântulas,
quebra de dormência de sementes.
Fonte: Arthur Aranha, 2021
6
MORFOLOGIA DO ALGODOEIRO
 Crescimento indeterminado, helicoidal;
 Ciclo de vida perene.
Fonte: J&H sementes, acesso em 2021;
7
PROBLEMÁTICA
Por ser uma planta de crescimento indeterminado, perene;
Em condições ambientais favoráveis (Temperatura, umidade, pluviometria, excesso de N,
etc.) haverá um crescimento excessivo da planta.
Fonte: pngwin, acesso em 2021
8
CRESCIMENTO EXCESSIVO
Redução de micro clima favorável para fitopatógenos;
Equilíbrio entre partes vegetativas e reprodutivas;
Redução no apodrecimento a abscisão de estruturas
reprodutivas;
Facilitação da colheita;
Redução de impurezas;
Fonte: Alexandre Cunha de Barcellos Ferreira (Embrapa), 2014.
Maior penetração de luz, mais arejamento e menos
umidade.
9
EQUILÍBRIO VEGETATIVO E REPRODUTIVO
Fonte GEPE, acesso 2021.
Regulação da relação fonte-dreno;
Queda de produtividade.
10
ABSCISÃO E APODRECIMENTO DE ESTRUTURAS REPRODUTIVAS
Fonte: Alexandre Cunha de Barcellos Ferreira (Embrapa), 2014.
Diversos momentos fisiológicos diferentes;
Menor penetração de luz solar;
Mais umidade;
Queda de produtividade.
11
UNIDORMIDADE DE ALTURA DE PLANTAS
Facilita a colheita;
Evita perdas;
Melhor rendimento na colheita da fibra.
Fonte: Luan Dias Avelino Lima, 2019.
Fonte: Grupo cultivar, acesso 2021.
12
Quanto mais impurezas, mais processo de beneficiamento.
REDUÇÃO DE IMPUREZAS
Fonte: Embrapa, acesso em 2021;
13
REDUÇÃO DE IMPUREZAS
(Fonte: Anea, 2019. http://www.aneacotton.com.br/pt-br/servicos/agio-e-desagio
14
AVALIAÇÃO DE CRESCIMENTO
• A partir da emissão do 1° botão floral avaliar taxa de
crescimento diariamente;
• Aplicação no momento recomendado;
• Reavaliar a taxa de crescimento dentro de 5 à 7 dias;
• Manter a taxa de crescimento diário entre 1,3 e 1,5cm/dia.
Fonte: Alexandre Cunha de Barcellos Ferreira (Embrapa), 2014.
Fonte: J&H sementes, acesso em 2021;
15
AVALIAÇÃO DE CRESCIMENTO
• Razão altura por nº de nós;
• Entrenós ≥ 7cm, crescimento excessivo;
• Entrenós entre 4 e 5cm, tamanho ideal;
• Entrenós < 4cm, crescimento reduzido.
Fonte: Manual de boas práticas de manejo do algodoeiro, 2020;
16
AVALIAÇÃO DE CRESCIMENTO
• Avaliação do comprimento médio dos últimos 5 nós do
ponteiro;
• Produção de giberelina;
• Média > 3,5cm, crescimento excessivo;
• Entrenós entre 3 e 3,5cm, tamanho ideal;
• Entrenós < 3cm, crescimento reduzido.
Fonte: Alexandre Cunha de Barcellos Ferreira (Embrapa), 2014.
17
ENCERRAMENTO
• Presença de flor aberta do terceiro nó pra cima;
• Redução do crescimento intenso;
• Plantas entre 110cm e 130cm;
• Interrupção das aplicações ou;
• Capamento;
Fonte: Alexandre Cunha de Barcellos Ferreira (Embrapa), 2014.
• Dose mais vigorosa do regulador de crescimento;
• Doses de 0 à 250g de i.a/ha;
• Condições ideais de crescimento vigoroso;
• Cultivares de ciclo mais curto entre 90 e 100 dias;
• Cultivares de ciclo médio e precoce entre 120 e 130 dias.
18
• Dose de acordo com a cultivar (Vigor, Porte);
• Aplicar quando as plantas estiverem com 8 a 10 flores abertas por metro linear.
MOMENTO DA 1ª APLICAÇÃO
1ª aplicação Momento (Altura)
Cultivares de porte alto 30 – 35cm
Cultivares de porte médio 35 – 40cm
Cultivares de porte baixo 40 – 45cm
Fonte: Agroinsight, 2021.
19
INFLUENCIA DO PORTE DA CULTIVAR
Dose recomendada segundo o porte da cultivar
Porte da Cultivar Dose (g/ha) Cloreto de mepiquat ou clormequat
Porte alto 85 à 100g/ha.
Porte médio 60 à 85g/ha.
Porte baixo ≤ 50g/ha.
Fonte: Agroinsight, 2021
20
DOSE DO CLORETO DE MEPIQUAT
Fonte: Agrofit, acesso em 2021.
21
DOSE DO CLORETO DE CLOMEQUAT
Fonte: Agrofit, acesso em 2021.
22
Parcelamento da aplicação
• A dose do regulador sempre deve ser parcelada;
• Normalmente os melhores efeitos, ocorrem com o parcelamento em quatro aplicações;
• Caso seja necessário uma quinta aplicação, repetir a dose da ultima.
Fonte: Agrofit, acesso em 2021.
23
AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS
• Horário da aplicação, melhor horário, matutino
(Porém ter cuidado com o orvalho) ou final de
tarde após as 16h;
• Evitar temperaturas acima de 30ºC;
• Se chove em até 4h após a aplicação, reaplicar;
Fonte: Agroolhar, acesso em 2021.
24
Exemplo
Cultivar Porte
Algodão Branco – BRS 416 Porte Baixo
Algodão Branco – BRS 293 Porte Médio
Produto Dose
Legend 250 SL 200ml/ha.
Tuval 250ml/ha.
Fonte: Embrapa, 2020.
Fonte: Agrofit, acesso em 2021.
25
• BRS – 416 Entrada com 42cm de altura;
• Aplicar Legend 250 SL (10% da dose) (20ml/ha.);
• Entrar 5 dias depois para avaliação;
• 5 dias após a aplicação, 50cm de altura;
• Avaliação de crescimento = 1,6cm/dia;
• Decisão = aplicar novamente;
• Aplicar Legend 250 SL (20% da dose) (40ml/ha.);
• 5 dias após a 2ª aplicação, 59cm de altura;
• Avaliação de crescimento = 1,8cm/dia;
• Decisão = aplicar novamente;
• Aplicar Legend 250 SL (30% da dose) (60ml/ha.);
• 5 dias após a 3ª aplicação, 67cm de altura;
• Avaliação de crecimento = 1,6cm/ dia;
• Decisão = aplicar novamente;
• Aplciar Legend 250 SL (40% da dose) (80ml/ha.).
Exemplo 1
• Capamento;
• Aplicar Legend 250 SL (250g i.a/L);
• 1L/ha de produto.
26
Exemplo BRS-416 (Legend 250 SL)
Fonte: J&H sementes, acesso em 2021;
1ª aplicação 20ml/ha de Legend 250 SL aos 35 dias;
2ª aplicação 40ml/ha de Legend 250 SL aos 40 dias;
3ª aplicação 60ml/há de Legend 250 SL aos 45 dias;
3ª aplicação 80ml/ha de Legend 250 SL aos 50 dias;
Capamento 1L/ha de Legend 250 Sl aos 90 dias;
27
• BRS – 293 Entrada com 37cm de altura;
• Aplicar Tuval (10% da dose) (25ml/ha.);
• Entrar 7 dias depois para avaliação;
• 7 dias após a aplicação, 50cm de altura;
• Avaliação de crescimento = 1,85cm/dia;
• Decisão = aplicar novamente;
• Aplicar Tuval (20% da dose) (50ml/ha.);
• 7 dias após a 2ª aplicação, 59cm de
altura;
• Avaliação de crescimento = 1,28cm/dia;
• Decisão = não aplicar.
Exemplo 2
• Capamento;
• Aplicar Tuval(100g i.a/L);
• 2,5L/ha de produto.
28
Exemplo BRS-293 (Tuval)
Fonte: J&H sementes, acesso em 2021;
1ª aplicação 20ml/ha de Tuval 250 SL aos 30 dias;
2ª aplicação 40ml/ha de Tuval aos 37 dias;
Não aplicar aos 44 dias;
Capamento 2,5L/ha de Tuval aos 120 dias.
29
• Processo natural;
• Produtos de ação hormonal que por objetivo tem
a queda de folhas verdes, e acelerar o processo de
abertura do capulho ;
• Aumenta a concentração de etileno e ácido
abscísico;
• Melhorar a eficiência da colheita e qualidade de
fibra através da redução de impurezas e massa
verde;
• Promove a abertura dos últimos capulhos já
maduros.
DESFOLHA E MATURAÇÃO
• O que são desfolhantes e maturadores, e qual hormônio estão induzindo o aumento?
Fonte: Bayer, acesso em 2021;
30
MODO DE AÇÃO
• O que são desfolhantes e maturadores, e qual hormônio estão induzindo o aumento?
Fonte: Luan Dias Avelino Lima, 2019.
31
DESFOLHA E MATURAÇÃO
• Momento de aplicação;
• Identificação do ultimo capulho maduro que
compensa ser colhido;
• Frutos resistentes ao corte do canivete;
• Caroço com tegumento preto;
• Fisiologicamente é o ponto que o capulho,
não precisa depender mais de folhas verdes,
por isso a desfolha.
Fonte: Embrapa, acesso em 2021;
32
• Tomar cuidado com as recomendações de
percentual de capulhos abertos;
• Última maçã madura 4 nós acima do ultimo
capulho aberto;
• Só considerar quando a sanidade de folhas
estiver muito boa, sem ataques de lagartas e
danos por doenças.
OUTRAS RECOMENDAÇÕES
Fonte: Manual de boas práticas de manejo do algodoeiro, 2020;
33
• Temperaturas máximas acima de 32ºC, pode se reduzir a dose;
• Temperaturas máximas entre 23ºC e 32ºC, utilizar a dose padrão;
• Temperaturas máximas abaixo de 23ºC não realizar aplição.
APLICAÇÕES
Fonte: Manual de boas práticas de manejo do algodoeiro, 2020;
34
• AGROINSIGHT. Uso de reguladores de crescimento no algodão. In: AGROINSIGHT. Uso de
reguladores de crescimento no algodão. [S. l.], 2021. Disponível em:
https://agroinsight.com.br/reguladores-de-crescimento-na-cultura-do-algodoeiro/.
Acesso em: 2 out. 2021.
• AVELINO, Luan. Regulação hormonal do algodoeiro. Goiânia, GO, 2019. Slide. Disponível
em: https://geagraufg.wordpress.com/2019/06/09/regulacao-hormonal-do-algodoeiro/.
Acesso em: 2 out. 2021.
• DESFOLHANDO, colha melhor o algodão. In: BELTRÃO, Napoleão. APOSTILA DE AULAS
TEÓRICAS DE FISIOLOGIA VEGETAL. [S. l.]: Embrapa, 1999. Disponível em:
https://www.grupocultivar.com.br/artigos/desfolhando-colha-melhor-o-algodao. Acesso
em: 2 out. 2021.
REFERÊNCIAS
35
• FERREIRA, Alexandre. Fitorreguladores de Crescimento em Algodoeiro. In: FERREIRA,
Alexandre. Fitorreguladores de Crescimento em Algodoeiro. [S. l.]: Embrapa, 2014.
Disponível em:
https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/110869/1/COT373.pdf. Acesso em: 2
out. 2021.
• MAIS SOJA. Desfolha e abertura dos capulhos. In: MAIS SOJA. Desfolha e abertura dos
capulhos. Goiânia, GO, 2020. Disponível em: https://maissoja.com.br/desfolha-e-abertura-
dos-capulhos/. Acesso em: 2 out. 2021.
• MANOEL, Carlos. VIDEO AULA CONTROLE HORMONAL EM ALGODOEIRO. In: MANOEL,
Carlos. VIDEO AULA CONTROLE HORMONAL EM ALGODOEIRO. [S. l.], 21 set. 2020.
Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=eftmVyvu0i0&ab_channel=ProfessorCarlosManoel.
Acesso em: 2 out. 2021.
REFERÊNCIAS
36
• MANUAL de boas práticas de manejo do algodoeiro. 4. ed. Cuiabá, MT: [s. n.], 2020. 462 p.
Disponível em:
http://www.casadoalgodao.com.br/images/publicacoes/manualdeboaspraticas2020-4ed-
vf-web.pdf. Acesso em: 2 out. 2021.
• SALAMONI, Adriana. APOSTILA DE AULAS TEÓRICAS DE FISIOLOGIA VEGETAL. Santa
Maria, RS: [s. n.], 2008. Apostila. Disponível em:
https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4086253/mod_resource/content/1/Apostila%20-
%20Fisiologia%20Vegetal.pdf. Acesso em: 2 out. 2021.
REFERÊNCIAS
Entre em contato conosco:
www.geagra.com
geagracontato@gmail.com
GEAGRA UFG
@geagraufg
UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA!
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
arthuraranha.agro@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
Geagra UFG
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
Geagra UFG
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
David Rodrigues
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
Geagra UFG
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Geagra UFG
 
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
Geagra UFG
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURAINTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
Geagra UFG
 
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJANUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
Geagra UFG
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
Geagra UFG
 
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Geagra UFG
 
COLHEITA E PÓS-COLHEITA DE SOJA
COLHEITA E PÓS-COLHEITA DE SOJACOLHEITA E PÓS-COLHEITA DE SOJA
COLHEITA E PÓS-COLHEITA DE SOJA
Geagra UFG
 
CULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJACULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJA
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
Geagra UFG
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
 
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURAINTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJANUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
 
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
 
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
 
COLHEITA E PÓS-COLHEITA DE SOJA
COLHEITA E PÓS-COLHEITA DE SOJACOLHEITA E PÓS-COLHEITA DE SOJA
COLHEITA E PÓS-COLHEITA DE SOJA
 
CULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJACULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJA
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
 

Semelhante a Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores

Regulação hormonal do algodoeiro
Regulação hormonal do algodoeiro Regulação hormonal do algodoeiro
Regulação hormonal do algodoeiro
Geagra UFG
 
Revista aprendiz
Revista aprendizRevista aprendiz
Revista aprendiz
AprendizRuralPardinho
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
Geagra UFG
 
Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012
AprendizRuralPardinho
 
Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012
AprendizRuralPardinho
 
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado MineiroManual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Revista Cafeicultura
 
Manual combate a broca rcm
Manual combate a broca rcmManual combate a broca rcm
Manual combate a broca rcm
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Slide da cultura de alho e Cebola
Slide da cultura de alho e CebolaSlide da cultura de alho e Cebola
Slide da cultura de alho e Cebola
Marcelo99858999
 
Sistemas de cultivo
Sistemas de cultivoSistemas de cultivo
Sistemas de cultivo
Wilian Dias
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
CETEP, FTC, FASA..
 
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
HeribertoRodrigues2
 
CARTILHA-Folder_Horto_Plantas_Medicinais_jul2021.pdf
CARTILHA-Folder_Horto_Plantas_Medicinais_jul2021.pdfCARTILHA-Folder_Horto_Plantas_Medicinais_jul2021.pdf
CARTILHA-Folder_Horto_Plantas_Medicinais_jul2021.pdf
susanesilvacosta
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
Geagra UFG
 
Uso de fitorregladores em fruteiras temperadas
Uso de fitorregladores em fruteiras temperadasUso de fitorregladores em fruteiras temperadas
Uso de fitorregladores em fruteiras temperadas
Maristela Dias
 
Estratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BR
Estratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BREstratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BR
Estratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BR
IRAC-BR
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Oxya Agro e Biociências
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
Geagra UFG
 
Sistema de plantio direto de hortaliças.pdf
Sistema de plantio direto de hortaliças.pdfSistema de plantio direto de hortaliças.pdf
Sistema de plantio direto de hortaliças.pdf
RebecaVecchi
 
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da sojaSistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Rural Pecuária
 
Herbicidas - 2ª safra
Herbicidas - 2ª safraHerbicidas - 2ª safra
Herbicidas - 2ª safra
AM Placas Ltda. Placas
 

Semelhante a Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores (20)

Regulação hormonal do algodoeiro
Regulação hormonal do algodoeiro Regulação hormonal do algodoeiro
Regulação hormonal do algodoeiro
 
Revista aprendiz
Revista aprendizRevista aprendiz
Revista aprendiz
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
 
Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012
 
Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012
 
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado MineiroManual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
 
Manual combate a broca rcm
Manual combate a broca rcmManual combate a broca rcm
Manual combate a broca rcm
 
Slide da cultura de alho e Cebola
Slide da cultura de alho e CebolaSlide da cultura de alho e Cebola
Slide da cultura de alho e Cebola
 
Sistemas de cultivo
Sistemas de cultivoSistemas de cultivo
Sistemas de cultivo
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
 
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
 
CARTILHA-Folder_Horto_Plantas_Medicinais_jul2021.pdf
CARTILHA-Folder_Horto_Plantas_Medicinais_jul2021.pdfCARTILHA-Folder_Horto_Plantas_Medicinais_jul2021.pdf
CARTILHA-Folder_Horto_Plantas_Medicinais_jul2021.pdf
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Uso de fitorregladores em fruteiras temperadas
Uso de fitorregladores em fruteiras temperadasUso de fitorregladores em fruteiras temperadas
Uso de fitorregladores em fruteiras temperadas
 
Estratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BR
Estratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BREstratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BR
Estratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BR
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Sistema de plantio direto de hortaliças.pdf
Sistema de plantio direto de hortaliças.pdfSistema de plantio direto de hortaliças.pdf
Sistema de plantio direto de hortaliças.pdf
 
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da sojaSistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
 
Herbicidas - 2ª safra
Herbicidas - 2ª safraHerbicidas - 2ª safra
Herbicidas - 2ª safra
 

Mais de Geagra UFG

Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
Geagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
Geagra UFG
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
 

Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores

  • 1. ARTHUR BRAGA ARANHA REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
  • 2. 2 • Hormônios vegetais; • Morfologia, fatores climáticos e ambientais; • Crescimento excessivo; • Efeito dos reguladores; • Doses, monitoramento e aplicações; • Desfolhadores; • Maturadores. SUMÁRIO
  • 3. 3 HORMÔNIOS VEGETAIS  É importante entender, pois cada um desses processos é baseado em inibir ou mimetizar a função de algum desses hormônios, cancelando ou imitando o papel deles sobre a planta. Fonte: pngwin, acesso em 2021
  • 4. 4 HORMÔNIOS VEGETAIS Fonte: Revista Campo & Negócios 2016. Substâncias químicas, biologicamente ativas; Produzida em baixa concentração; Regula processos fisiológicos; Determina alguns processos bioquímicos.
  • 5. 5 HORMÔNIOS VEGETAIS Hormônio Principais Funções Auxinas Alongamento celular, desenvolvimento radicular e apical, atua no fototropismo e geotropismo e desenvolvimento de frutos. Citocininas Divisão e alongamento celular, inibe a senescência, estimula a mobilização de nutrientes, libera gemas de dominância apical (Crescimento lateral). Giberelinas Germinação de sementes, alongamento da parte aérea, quebra de dormências, formação de frutos patenocarpos. Ácido Abscísico Abscisão de folhas, induz a dormência de gemas e sementes, inibição de auxinas, fechamento de estômatos, aumento do sistema radicular, diminui o crescimento foliar, etc. Etileno Amadurecimento de frutos, abscisão foliar, epinastia, inibe o crescimento de plântulas, quebra de dormência de sementes. Fonte: Arthur Aranha, 2021
  • 6. 6 MORFOLOGIA DO ALGODOEIRO  Crescimento indeterminado, helicoidal;  Ciclo de vida perene. Fonte: J&H sementes, acesso em 2021;
  • 7. 7 PROBLEMÁTICA Por ser uma planta de crescimento indeterminado, perene; Em condições ambientais favoráveis (Temperatura, umidade, pluviometria, excesso de N, etc.) haverá um crescimento excessivo da planta. Fonte: pngwin, acesso em 2021
  • 8. 8 CRESCIMENTO EXCESSIVO Redução de micro clima favorável para fitopatógenos; Equilíbrio entre partes vegetativas e reprodutivas; Redução no apodrecimento a abscisão de estruturas reprodutivas; Facilitação da colheita; Redução de impurezas; Fonte: Alexandre Cunha de Barcellos Ferreira (Embrapa), 2014. Maior penetração de luz, mais arejamento e menos umidade.
  • 9. 9 EQUILÍBRIO VEGETATIVO E REPRODUTIVO Fonte GEPE, acesso 2021. Regulação da relação fonte-dreno; Queda de produtividade.
  • 10. 10 ABSCISÃO E APODRECIMENTO DE ESTRUTURAS REPRODUTIVAS Fonte: Alexandre Cunha de Barcellos Ferreira (Embrapa), 2014. Diversos momentos fisiológicos diferentes; Menor penetração de luz solar; Mais umidade; Queda de produtividade.
  • 11. 11 UNIDORMIDADE DE ALTURA DE PLANTAS Facilita a colheita; Evita perdas; Melhor rendimento na colheita da fibra. Fonte: Luan Dias Avelino Lima, 2019. Fonte: Grupo cultivar, acesso 2021.
  • 12. 12 Quanto mais impurezas, mais processo de beneficiamento. REDUÇÃO DE IMPUREZAS Fonte: Embrapa, acesso em 2021;
  • 13. 13 REDUÇÃO DE IMPUREZAS (Fonte: Anea, 2019. http://www.aneacotton.com.br/pt-br/servicos/agio-e-desagio
  • 14. 14 AVALIAÇÃO DE CRESCIMENTO • A partir da emissão do 1° botão floral avaliar taxa de crescimento diariamente; • Aplicação no momento recomendado; • Reavaliar a taxa de crescimento dentro de 5 à 7 dias; • Manter a taxa de crescimento diário entre 1,3 e 1,5cm/dia. Fonte: Alexandre Cunha de Barcellos Ferreira (Embrapa), 2014. Fonte: J&H sementes, acesso em 2021;
  • 15. 15 AVALIAÇÃO DE CRESCIMENTO • Razão altura por nº de nós; • Entrenós ≥ 7cm, crescimento excessivo; • Entrenós entre 4 e 5cm, tamanho ideal; • Entrenós < 4cm, crescimento reduzido. Fonte: Manual de boas práticas de manejo do algodoeiro, 2020;
  • 16. 16 AVALIAÇÃO DE CRESCIMENTO • Avaliação do comprimento médio dos últimos 5 nós do ponteiro; • Produção de giberelina; • Média > 3,5cm, crescimento excessivo; • Entrenós entre 3 e 3,5cm, tamanho ideal; • Entrenós < 3cm, crescimento reduzido. Fonte: Alexandre Cunha de Barcellos Ferreira (Embrapa), 2014.
  • 17. 17 ENCERRAMENTO • Presença de flor aberta do terceiro nó pra cima; • Redução do crescimento intenso; • Plantas entre 110cm e 130cm; • Interrupção das aplicações ou; • Capamento; Fonte: Alexandre Cunha de Barcellos Ferreira (Embrapa), 2014. • Dose mais vigorosa do regulador de crescimento; • Doses de 0 à 250g de i.a/ha; • Condições ideais de crescimento vigoroso; • Cultivares de ciclo mais curto entre 90 e 100 dias; • Cultivares de ciclo médio e precoce entre 120 e 130 dias.
  • 18. 18 • Dose de acordo com a cultivar (Vigor, Porte); • Aplicar quando as plantas estiverem com 8 a 10 flores abertas por metro linear. MOMENTO DA 1ª APLICAÇÃO 1ª aplicação Momento (Altura) Cultivares de porte alto 30 – 35cm Cultivares de porte médio 35 – 40cm Cultivares de porte baixo 40 – 45cm Fonte: Agroinsight, 2021.
  • 19. 19 INFLUENCIA DO PORTE DA CULTIVAR Dose recomendada segundo o porte da cultivar Porte da Cultivar Dose (g/ha) Cloreto de mepiquat ou clormequat Porte alto 85 à 100g/ha. Porte médio 60 à 85g/ha. Porte baixo ≤ 50g/ha. Fonte: Agroinsight, 2021
  • 20. 20 DOSE DO CLORETO DE MEPIQUAT Fonte: Agrofit, acesso em 2021.
  • 21. 21 DOSE DO CLORETO DE CLOMEQUAT Fonte: Agrofit, acesso em 2021.
  • 22. 22 Parcelamento da aplicação • A dose do regulador sempre deve ser parcelada; • Normalmente os melhores efeitos, ocorrem com o parcelamento em quatro aplicações; • Caso seja necessário uma quinta aplicação, repetir a dose da ultima. Fonte: Agrofit, acesso em 2021.
  • 23. 23 AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS • Horário da aplicação, melhor horário, matutino (Porém ter cuidado com o orvalho) ou final de tarde após as 16h; • Evitar temperaturas acima de 30ºC; • Se chove em até 4h após a aplicação, reaplicar; Fonte: Agroolhar, acesso em 2021.
  • 24. 24 Exemplo Cultivar Porte Algodão Branco – BRS 416 Porte Baixo Algodão Branco – BRS 293 Porte Médio Produto Dose Legend 250 SL 200ml/ha. Tuval 250ml/ha. Fonte: Embrapa, 2020. Fonte: Agrofit, acesso em 2021.
  • 25. 25 • BRS – 416 Entrada com 42cm de altura; • Aplicar Legend 250 SL (10% da dose) (20ml/ha.); • Entrar 5 dias depois para avaliação; • 5 dias após a aplicação, 50cm de altura; • Avaliação de crescimento = 1,6cm/dia; • Decisão = aplicar novamente; • Aplicar Legend 250 SL (20% da dose) (40ml/ha.); • 5 dias após a 2ª aplicação, 59cm de altura; • Avaliação de crescimento = 1,8cm/dia; • Decisão = aplicar novamente; • Aplicar Legend 250 SL (30% da dose) (60ml/ha.); • 5 dias após a 3ª aplicação, 67cm de altura; • Avaliação de crecimento = 1,6cm/ dia; • Decisão = aplicar novamente; • Aplciar Legend 250 SL (40% da dose) (80ml/ha.). Exemplo 1 • Capamento; • Aplicar Legend 250 SL (250g i.a/L); • 1L/ha de produto.
  • 26. 26 Exemplo BRS-416 (Legend 250 SL) Fonte: J&H sementes, acesso em 2021; 1ª aplicação 20ml/ha de Legend 250 SL aos 35 dias; 2ª aplicação 40ml/ha de Legend 250 SL aos 40 dias; 3ª aplicação 60ml/há de Legend 250 SL aos 45 dias; 3ª aplicação 80ml/ha de Legend 250 SL aos 50 dias; Capamento 1L/ha de Legend 250 Sl aos 90 dias;
  • 27. 27 • BRS – 293 Entrada com 37cm de altura; • Aplicar Tuval (10% da dose) (25ml/ha.); • Entrar 7 dias depois para avaliação; • 7 dias após a aplicação, 50cm de altura; • Avaliação de crescimento = 1,85cm/dia; • Decisão = aplicar novamente; • Aplicar Tuval (20% da dose) (50ml/ha.); • 7 dias após a 2ª aplicação, 59cm de altura; • Avaliação de crescimento = 1,28cm/dia; • Decisão = não aplicar. Exemplo 2 • Capamento; • Aplicar Tuval(100g i.a/L); • 2,5L/ha de produto.
  • 28. 28 Exemplo BRS-293 (Tuval) Fonte: J&H sementes, acesso em 2021; 1ª aplicação 20ml/ha de Tuval 250 SL aos 30 dias; 2ª aplicação 40ml/ha de Tuval aos 37 dias; Não aplicar aos 44 dias; Capamento 2,5L/ha de Tuval aos 120 dias.
  • 29. 29 • Processo natural; • Produtos de ação hormonal que por objetivo tem a queda de folhas verdes, e acelerar o processo de abertura do capulho ; • Aumenta a concentração de etileno e ácido abscísico; • Melhorar a eficiência da colheita e qualidade de fibra através da redução de impurezas e massa verde; • Promove a abertura dos últimos capulhos já maduros. DESFOLHA E MATURAÇÃO • O que são desfolhantes e maturadores, e qual hormônio estão induzindo o aumento? Fonte: Bayer, acesso em 2021;
  • 30. 30 MODO DE AÇÃO • O que são desfolhantes e maturadores, e qual hormônio estão induzindo o aumento? Fonte: Luan Dias Avelino Lima, 2019.
  • 31. 31 DESFOLHA E MATURAÇÃO • Momento de aplicação; • Identificação do ultimo capulho maduro que compensa ser colhido; • Frutos resistentes ao corte do canivete; • Caroço com tegumento preto; • Fisiologicamente é o ponto que o capulho, não precisa depender mais de folhas verdes, por isso a desfolha. Fonte: Embrapa, acesso em 2021;
  • 32. 32 • Tomar cuidado com as recomendações de percentual de capulhos abertos; • Última maçã madura 4 nós acima do ultimo capulho aberto; • Só considerar quando a sanidade de folhas estiver muito boa, sem ataques de lagartas e danos por doenças. OUTRAS RECOMENDAÇÕES Fonte: Manual de boas práticas de manejo do algodoeiro, 2020;
  • 33. 33 • Temperaturas máximas acima de 32ºC, pode se reduzir a dose; • Temperaturas máximas entre 23ºC e 32ºC, utilizar a dose padrão; • Temperaturas máximas abaixo de 23ºC não realizar aplição. APLICAÇÕES Fonte: Manual de boas práticas de manejo do algodoeiro, 2020;
  • 34. 34 • AGROINSIGHT. Uso de reguladores de crescimento no algodão. In: AGROINSIGHT. Uso de reguladores de crescimento no algodão. [S. l.], 2021. Disponível em: https://agroinsight.com.br/reguladores-de-crescimento-na-cultura-do-algodoeiro/. Acesso em: 2 out. 2021. • AVELINO, Luan. Regulação hormonal do algodoeiro. Goiânia, GO, 2019. Slide. Disponível em: https://geagraufg.wordpress.com/2019/06/09/regulacao-hormonal-do-algodoeiro/. Acesso em: 2 out. 2021. • DESFOLHANDO, colha melhor o algodão. In: BELTRÃO, Napoleão. APOSTILA DE AULAS TEÓRICAS DE FISIOLOGIA VEGETAL. [S. l.]: Embrapa, 1999. Disponível em: https://www.grupocultivar.com.br/artigos/desfolhando-colha-melhor-o-algodao. Acesso em: 2 out. 2021. REFERÊNCIAS
  • 35. 35 • FERREIRA, Alexandre. Fitorreguladores de Crescimento em Algodoeiro. In: FERREIRA, Alexandre. Fitorreguladores de Crescimento em Algodoeiro. [S. l.]: Embrapa, 2014. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/110869/1/COT373.pdf. Acesso em: 2 out. 2021. • MAIS SOJA. Desfolha e abertura dos capulhos. In: MAIS SOJA. Desfolha e abertura dos capulhos. Goiânia, GO, 2020. Disponível em: https://maissoja.com.br/desfolha-e-abertura- dos-capulhos/. Acesso em: 2 out. 2021. • MANOEL, Carlos. VIDEO AULA CONTROLE HORMONAL EM ALGODOEIRO. In: MANOEL, Carlos. VIDEO AULA CONTROLE HORMONAL EM ALGODOEIRO. [S. l.], 21 set. 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=eftmVyvu0i0&ab_channel=ProfessorCarlosManoel. Acesso em: 2 out. 2021. REFERÊNCIAS
  • 36. 36 • MANUAL de boas práticas de manejo do algodoeiro. 4. ed. Cuiabá, MT: [s. n.], 2020. 462 p. Disponível em: http://www.casadoalgodao.com.br/images/publicacoes/manualdeboaspraticas2020-4ed- vf-web.pdf. Acesso em: 2 out. 2021. • SALAMONI, Adriana. APOSTILA DE AULAS TEÓRICAS DE FISIOLOGIA VEGETAL. Santa Maria, RS: [s. n.], 2008. Apostila. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4086253/mod_resource/content/1/Apostila%20- %20Fisiologia%20Vegetal.pdf. Acesso em: 2 out. 2021. REFERÊNCIAS
  • 37. Entre em contato conosco: www.geagra.com geagracontato@gmail.com GEAGRA UFG @geagraufg UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA! REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES arthuraranha.agro@gmail.com