SlideShare uma empresa Scribd logo
Como o solo se
formou
O que existe no solo
Os tipos de solo
Preparando o solo
A erosão do solo
As queimadas
Agrotóxicos
O solo e a nossa
saúde
6
Capítulo
COMO O SOLO SE
FORMOU
• A camada de rochas na superfície daA camada de rochas na superfície da
Terra está há milhões de anos, expostaTerra está há milhões de anos, exposta
aa variações de temperaturavariações de temperatura e ae a ação daação da
chuvachuva,, do ventodo vento,, do gelodo gelo,, da água dosda água dos
riosrios ee das ondas do mardas ondas do mar..
COMO O SOLO SE
FORMOU
• Tudo isso aos poucos fragmenta asTudo isso aos poucos fragmenta as
rochas e provoca vários tipos derochas e provoca vários tipos de
transformação. Foi assim pelatransformação. Foi assim pela ação doação do
intemperismointemperismo, que, lentamente o solo se, que, lentamente o solo se
formou.formou.
COMO O SOLO SE
FORMOU
O QUE EXISTE NO
SOLO
• No solo háNo solo há grãos mineraisgrãos minerais,, águaágua,, arar,,
organismos vivos e restos de plantasorganismos vivos e restos de plantas
(folhas, galhos, raízes),(folhas, galhos, raízes), de animaisde animais ee
de outrosde outros organismos mortosorganismos mortos..
O QUE EXISTE NO
SOLO
ROCHA
MÃE
MISTO
HÚMUS
MANTA
MORTA
Solo fértil – solo bom para a agricultura.
Quanto mais húmus tem o solo mais fértil será.
Solo estéril – solo que não é bom para a
agricultura.
Solo permeável – solo que se deixa atravessar
pela água, quer dizer que este solo apresenta
espaços que podem ser ocupados por ar ou água.
Ex. solo arenoso e humososolo arenoso e humoso
Solo impermeável –solo que não se deixa
atravessar pela água, quer dizer que este solo não
apresenta espaços nem para o ar nem para a água.
Ex. solo argiloso.solo argiloso.
OS TIPOS DE SOLO
OS TIPOS DE SOLO
OS TIPOS DE SOLO
OS TIPOS DE SOLO
PREPARANDO O SOLOPREPARANDO O SOLO
CURIOSIDADES
• O AGRONOMO É A PESSOA
ESPECIALISTA EM AGRONOMIA
Arando a terraArando a terra
• Em certos casos quando o soloEm certos casos quando o solo
está muito compactado e duro, éestá muito compactado e duro, é
preciso arar à terra.preciso arar à terra.
• A terra é removida até que o soloA terra é removida até que o solo
fique fofo e poroso permitindo afique fofo e poroso permitindo a
entrada do ar e da agua.entrada do ar e da agua.
Neutralizando a acidezNeutralizando a acidez
• Quando o solo é muito ácido paraQuando o solo é muito ácido para
as plantas tem que se aplicaras plantas tem que se aplicar
calcário moído para reduzir acalcário moído para reduzir a
acidez.acidez.
• A essa técnica é dada o nome deA essa técnica é dada o nome de
calagem.calagem.
A adubaçãoA adubação
• É a técnica de acrescentar saisÉ a técnica de acrescentar sais
minerais que estão faltando nominerais que estão faltando no
solo.solo.
• A adubação é necessária apósA adubação é necessária após
muitas colheitas, para repor osmuitas colheitas, para repor os
minerais que as plantas retiram dominerais que as plantas retiram do
solo.solo.
A adubação mineralA adubação mineral
• A adubação pode ser feita comA adubação pode ser feita com
fertilizantes químicos, que sãofertilizantes químicos, que são
substâncias químicas extraídas desubstâncias químicas extraídas de
minerais ou produzidosminerais ou produzidos
industrialmente.industrialmente.
A adubação orgânicaA adubação orgânica
• É a adubação feita com restos deÉ a adubação feita com restos de
vegetais, farinha de ossos e estrumevegetais, farinha de ossos e estrume
de animais, que se transformam emde animais, que se transformam em
humus.humus.
A adubação verdeA adubação verde
• É quando as folhas e ramosÉ quando as folhas e ramos
das leguminosas que foramdas leguminosas que foram
usadas para devolver ousadas para devolver o
nitrogênio ao solo, sãonitrogênio ao solo, são
enterrados para servir deenterrados para servir de
adubo natural enriquecendo oadubo natural enriquecendo o
solo como compostossolo como compostos
nitrogênio.nitrogênio.
IrrigaçãoIrrigação
• Em regiões secas, onde não háEm regiões secas, onde não há
chuva suficiente para manter ochuva suficiente para manter o
solo úmido, muitas vezes ésolo úmido, muitas vezes é
necessário regular onecessário regular o
suprimento de água por meiosuprimento de água por meio
de canaletas, esguichos oude canaletas, esguichos ou
outros recursos.outros recursos.
A erosão do soloA erosão do solo
• O solo sofre ação de diversosO solo sofre ação de diversos
fatores (chuvas, ventos efatores (chuvas, ventos e
variações de temperaturas),variações de temperaturas),
que provocam sua degradação.que provocam sua degradação.
Suas partículas são entãoSuas partículas são então
removidas e transportadas pararemovidas e transportadas para
outros lugares, como rios,outros lugares, como rios,
lagos, vales e oceanos.lagos, vales e oceanos.
Livro projeto telaris capitulo 6 ciencias 6º ano
Terraceamento ou Cultura emTerraceamento ou Cultura em
TerraçosTerraços
Curva de nívelCurva de nível
Cultura em faixas ou RotaçãoCultura em faixas ou Rotação
de Culturasde Culturas
As queimadasAs queimadas
• Quando o desmatamento é efeitoQuando o desmatamento é efeito
por queimadas, ocorre outropor queimadas, ocorre outro
problema o fogo acaba destruindoproblema o fogo acaba destruindo
também microrganismos quetambém microrganismos que
realizam a decomposição darealizam a decomposição da
matéria orgânica.matéria orgânica.
• A queimada também libera naA queimada também libera na
atmosfera gases que poluem o ar eatmosfera gases que poluem o ar e
prejudicam a saúde humana.prejudicam a saúde humana.
AgrotóxicosAgrotóxicos
• As plantações são em geral maisAs plantações são em geral mais
vulneráveis a um ataque de insetosvulneráveis a um ataque de insetos
(pragas) do que a vegetação(pragas) do que a vegetação
natural.natural.
• Uma das maneiras de combater asUma das maneiras de combater as
pragas consiste em usarpragas consiste em usar
agrotóxicosagrotóxicos ou defensivosou defensivos
agrícolas.agrícolas.
O solo e a nossa saúdeO solo e a nossa saúde
• O solo pode ficar contaminado deO solo pode ficar contaminado de
diversas formas principalmente emdiversas formas principalmente em
regiões onde não há tratamento deregiões onde não há tratamento de
água ou coleta adequada deágua ou coleta adequada de
esgoto e de lixo. Nesses locais, oesgoto e de lixo. Nesses locais, o
lixo ou as fezes humanas carregamlixo ou as fezes humanas carregam
consigo organismos causadoresconsigo organismos causadores
dede doenças.doenças.
TétanoTétano
• A bactéria pode entrar noA bactéria pode entrar no
organismo humano pela peleorganismo humano pela pele
quando uma pessoa é ferida comquando uma pessoa é ferida com
objetos contaminados- geralmenteobjetos contaminados- geralmente
em contato com terra, fezes,em contato com terra, fezes,
sujeira, etc. Para se prevenir dessasujeira, etc. Para se prevenir dessa
doença há uma vacina (BCG)doença há uma vacina (BCG)
aplicada em crianças e adultos deaplicada em crianças e adultos de
a cada dez anos.a cada dez anos.
ToxoplasmoseToxoplasmose
• Em alguns casos são as fezes dosEm alguns casos são as fezes dos
cães e gatos que contaminam ocães e gatos que contaminam o
solo ou os alimentos e transmitemsolo ou os alimentos e transmitem
doenças.doenças.
• Para se prevenir deve-se evitar oPara se prevenir deve-se evitar o
contato com fezes de gatos, alémcontato com fezes de gatos, além
de comer carne bem cozida e lavarde comer carne bem cozida e lavar
bem frutas, verduras e legumes.bem frutas, verduras e legumes.
VerminoseVerminose
• Há ainda uma doença causadaHá ainda uma doença causada
por vermes conhecidos comopor vermes conhecidos como
lombrigas que vivem nolombrigas que vivem no
intestino humano e libera ovos.intestino humano e libera ovos.
• Para se prevenir deve se lavarPara se prevenir deve se lavar
as mãos antes de comer eas mãos antes de comer e
beber somente água filtrada.beber somente água filtrada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
CBH Rio das Velhas
 
Apresentação horta
Apresentação hortaApresentação horta
Apresentação horta
Carlaensino
 
Gessagem
GessagemGessagem
Gessagem
Geagra UFG
 
Agroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas MedicinaisAgroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas Medicinais
Bruno Anacleto
 
Agrário
AgrárioAgrário
Agrário
Ivanildo Silva
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
AM Placas Ltda. Placas
 
Outorga da Água
Outorga da ÁguaOutorga da Água
Outorga da Água
FabioRibeiro129
 
Lixo
LixoLixo
Latossolo
Latossolo Latossolo
Latossolo
Girlene Virginia
 
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino MédioAnatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Camila Rossi
 
Ecossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileirosEcossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileiros
Edna Uliana
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
andreresende22051997
 
Prof Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos Socioambientais
Prof Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos SocioambientaisProf Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos Socioambientais
Prof Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos Socioambientais
Deto - Geografia
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Energia meio ambiente
Energia meio ambienteEnergia meio ambiente
Energia meio ambiente
marco ferreira
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
Jadson Belem de Moura
 
11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Aula 01 noções de cartografia e geoprocessamento
Aula 01   noções de cartografia e geoprocessamentoAula 01   noções de cartografia e geoprocessamento
Aula 01 noções de cartografia e geoprocessamento
42549299272
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
Gustavo Avila
 

Mais procurados (20)

Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
 
Apresentação horta
Apresentação hortaApresentação horta
Apresentação horta
 
Gessagem
GessagemGessagem
Gessagem
 
Agroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas MedicinaisAgroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas Medicinais
 
Agrário
AgrárioAgrário
Agrário
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
 
Outorga da Água
Outorga da ÁguaOutorga da Água
Outorga da Água
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Latossolo
Latossolo Latossolo
Latossolo
 
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino MédioAnatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
 
Ecossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileirosEcossistemas brasileiros
Ecossistemas brasileiros
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
 
Prof Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos Socioambientais
Prof Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos SocioambientaisProf Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos Socioambientais
Prof Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos Socioambientais
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
 
Energia meio ambiente
Energia meio ambienteEnergia meio ambiente
Energia meio ambiente
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
 
11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
 
Aula 01 noções de cartografia e geoprocessamento
Aula 01   noções de cartografia e geoprocessamentoAula 01   noções de cartografia e geoprocessamento
Aula 01 noções de cartografia e geoprocessamento
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
 

Destaque

A importância dos solos
A importância dos solosA importância dos solos
A importância dos solos
Simone Roese Allgayer
 
Sistema respiratório 8º ano
Sistema respiratório 8º anoSistema respiratório 8º ano
Sistema respiratório 8º ano
rdsantos
 
Tipos de-solo-6º-ano (1)
Tipos de-solo-6º-ano (1)Tipos de-solo-6º-ano (1)
Tipos de-solo-6º-ano (1)
Francieuda Oliveira
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
StephanyChaiben
 
Solos
SolosSolos
Uso do Solo
Uso do SoloUso do Solo
Uso do Solo
vallmachado
 
Homem natureza
Homem naturezaHomem natureza
Homem natureza
Telmo Santos
 
O uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 anoO uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 ano
Professor
 
o sistema respiratório
o sistema respiratórioo sistema respiratório
o sistema respiratório
Catir
 
Geografia os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Geografia   os tipos de solo e as formas de ocupação humanaGeografia   os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Geografia os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Gustavo Soares
 
Uso e ocupação do solo
Uso e ocupação do soloUso e ocupação do solo
Uso e ocupação do solo
Adriano Valoto de Andrade
 
3 sistema respiratorio-pdf
3 sistema respiratorio-pdf3 sistema respiratorio-pdf
3 sistema respiratorio-pdf
marcommendes
 
Solo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Solo e subsolo erosão prof Ivanise MeyerSolo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Solo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Ivanise Meyer
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Adeilsa Ferreira
 
Livro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 ano
Livro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 anoLivro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 ano
Livro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 ano
Renan Silva
 
Formação e composição do solo
Formação e composição do soloFormação e composição do solo
Formação e composição do solo
Nute Jpa
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Rodrigo Pavesi
 
O homem e o meio ambiente
O homem e o meio ambienteO homem e o meio ambiente
O homem e o meio ambiente
Paulo Gomes
 
I.2 O ser humano no ambiente
I.2 O ser humano no ambienteI.2 O ser humano no ambiente
I.2 O ser humano no ambiente
Rebeca Vale
 

Destaque (20)

A importância dos solos
A importância dos solosA importância dos solos
A importância dos solos
 
Sistema respiratório 8º ano
Sistema respiratório 8º anoSistema respiratório 8º ano
Sistema respiratório 8º ano
 
Tipos de-solo-6º-ano (1)
Tipos de-solo-6º-ano (1)Tipos de-solo-6º-ano (1)
Tipos de-solo-6º-ano (1)
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Uso do Solo
Uso do SoloUso do Solo
Uso do Solo
 
Homem natureza
Homem naturezaHomem natureza
Homem natureza
 
O uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 anoO uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 ano
 
o sistema respiratório
o sistema respiratórioo sistema respiratório
o sistema respiratório
 
Geografia os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Geografia   os tipos de solo e as formas de ocupação humanaGeografia   os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Geografia os tipos de solo e as formas de ocupação humana
 
Uso e ocupação do solo
Uso e ocupação do soloUso e ocupação do solo
Uso e ocupação do solo
 
3 sistema respiratorio-pdf
3 sistema respiratorio-pdf3 sistema respiratorio-pdf
3 sistema respiratorio-pdf
 
Solo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Solo e subsolo erosão prof Ivanise MeyerSolo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Solo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Livro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 ano
Livro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 anoLivro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 ano
Livro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 ano
 
Formação e composição do solo
Formação e composição do soloFormação e composição do solo
Formação e composição do solo
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
 
O homem e o meio ambiente
O homem e o meio ambienteO homem e o meio ambiente
O homem e o meio ambiente
 
I.2 O ser humano no ambiente
I.2 O ser humano no ambienteI.2 O ser humano no ambiente
I.2 O ser humano no ambiente
 

Semelhante a Livro projeto telaris capitulo 6 ciencias 6º ano

Solo...
Solo...Solo...
Solo...
Tânia Maria
 
Capítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do soloCapítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do solo
Igor Brant
 
Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)
Mario Rui Almeida
 
Decomposição
DecomposiçãoDecomposição
Decomposição
Teresa Monteiro
 
Tipo de solos
Tipo de solosTipo de solos
O solo
O soloO solo
Lixo!
Lixo!Lixo!
Solo II
Solo IISolo II
Solo II
SitioEscola
 
As plantas ppt
As plantas pptAs plantas ppt
As plantas ppt
Maria Ferreira
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
Rosa Pereira
 
Solo
SoloSolo
Solos
SolosSolos
Caderno de resumos CN 5º ano.pdf
Caderno de resumos CN 5º ano.pdfCaderno de resumos CN 5º ano.pdf
Caderno de resumos CN 5º ano.pdf
AnaVasconcellosdeQue
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Gilson Nachtigall
 
adubo.pptx
adubo.pptxadubo.pptx
adubo.pptx
Eliana Hambrusch
 
Problemas Ambientais.97ppt
Problemas Ambientais.97pptProblemas Ambientais.97ppt
Problemas Ambientais.97ppt
amendorins
 
Alteracoes biosfera 2
Alteracoes biosfera 2Alteracoes biosfera 2
Alteracoes biosfera 2
Salome Ribeiro
 
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º AnoOs solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
Fellipe Prado
 
Rochas solo tr
Rochas solo trRochas solo tr
Rochas solo tr
Tânia Reis
 
Programa de Meio Ambiente e Reciclagem nas escolas
Programa de Meio Ambiente e Reciclagem nas escolasPrograma de Meio Ambiente e Reciclagem nas escolas
Programa de Meio Ambiente e Reciclagem nas escolas
Jorge Aguirre
 

Semelhante a Livro projeto telaris capitulo 6 ciencias 6º ano (20)

Solo...
Solo...Solo...
Solo...
 
Capítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do soloCapítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do solo
 
Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)
 
Decomposição
DecomposiçãoDecomposição
Decomposição
 
Tipo de solos
Tipo de solosTipo de solos
Tipo de solos
 
O solo
O soloO solo
O solo
 
Lixo!
Lixo!Lixo!
Lixo!
 
Solo II
Solo IISolo II
Solo II
 
As plantas ppt
As plantas pptAs plantas ppt
As plantas ppt
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Caderno de resumos CN 5º ano.pdf
Caderno de resumos CN 5º ano.pdfCaderno de resumos CN 5º ano.pdf
Caderno de resumos CN 5º ano.pdf
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
 
adubo.pptx
adubo.pptxadubo.pptx
adubo.pptx
 
Problemas Ambientais.97ppt
Problemas Ambientais.97pptProblemas Ambientais.97ppt
Problemas Ambientais.97ppt
 
Alteracoes biosfera 2
Alteracoes biosfera 2Alteracoes biosfera 2
Alteracoes biosfera 2
 
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º AnoOs solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
 
Rochas solo tr
Rochas solo trRochas solo tr
Rochas solo tr
 
Programa de Meio Ambiente e Reciclagem nas escolas
Programa de Meio Ambiente e Reciclagem nas escolasPrograma de Meio Ambiente e Reciclagem nas escolas
Programa de Meio Ambiente e Reciclagem nas escolas
 

Mais de Renan Silva

Avaliação de matemática 8º ano 05 4º período
Avaliação de matemática 8º ano 05 4º períodoAvaliação de matemática 8º ano 05 4º período
Avaliação de matemática 8º ano 05 4º período
Renan Silva
 
Testes e trabalho 7º ano 4º periodo
Testes e trabalho 7º ano 4º periodoTestes e trabalho 7º ano 4º periodo
Testes e trabalho 7º ano 4º periodo
Renan Silva
 
Avaliação de física 9° ano 3º periodo
Avaliação de física 9° ano 3º periodoAvaliação de física 9° ano 3º periodo
Avaliação de física 9° ano 3º periodo
Renan Silva
 
Avaliação de matemática 7º ano 04 3º periodo
Avaliação de matemática 7º ano 04 3º periodoAvaliação de matemática 7º ano 04 3º periodo
Avaliação de matemática 7º ano 04 3º periodo
Renan Silva
 
Avaliação de matemática 8º ano 05 3º período
Avaliação de matemática 8º ano 05 3º períodoAvaliação de matemática 8º ano 05 3º período
Avaliação de matemática 8º ano 05 3º período
Renan Silva
 
Avaliação de matemática 2° ano matutino sala 3 3º bimestre
Avaliação de matemática 2° ano matutino sala 3 3º bimestreAvaliação de matemática 2° ano matutino sala 3 3º bimestre
Avaliação de matemática 2° ano matutino sala 3 3º bimestre
Renan Silva
 
Avaliação de matemática 1° ano matutino sala 1 e 2 3º bimestre
Avaliação de matemática 1° ano matutino sala 1 e 2 3º bimestreAvaliação de matemática 1° ano matutino sala 1 e 2 3º bimestre
Avaliação de matemática 1° ano matutino sala 1 e 2 3º bimestre
Renan Silva
 
Simulado 2º ano mais ideb
Simulado 2º ano mais idebSimulado 2º ano mais ideb
Simulado 2º ano mais ideb
Renan Silva
 
Simulado 1º an0 mais ideb
Simulado 1º an0 mais idebSimulado 1º an0 mais ideb
Simulado 1º an0 mais ideb
Renan Silva
 
Avaliação de matematica 7 ano 04 2° periodo
Avaliação de matematica 7 ano 04  2° periodoAvaliação de matematica 7 ano 04  2° periodo
Avaliação de matematica 7 ano 04 2° periodo
Renan Silva
 
Recuperação de física 9º ano 2º período
Recuperação de física 9º ano  2º períodoRecuperação de física 9º ano  2º período
Recuperação de física 9º ano 2º período
Renan Silva
 
Testes de fisica 9 ano 2º periodo
Testes de fisica 9 ano 2º periodoTestes de fisica 9 ano 2º periodo
Testes de fisica 9 ano 2º periodo
Renan Silva
 
Testese trabalho de matematica 2 periodo
Testese trabalho de matematica 2 periodoTestese trabalho de matematica 2 periodo
Testese trabalho de matematica 2 periodo
Renan Silva
 
Trabalho de física 2 º período
Trabalho de física 2 º períodoTrabalho de física 2 º período
Trabalho de física 2 º período
Renan Silva
 
Trabalho de matematica 3º periodo 2017
Trabalho de matematica 3º periodo 2017Trabalho de matematica 3º periodo 2017
Trabalho de matematica 3º periodo 2017
Renan Silva
 
Capitulo 19 gravitação universal
Capitulo 19 gravitação universalCapitulo 19 gravitação universal
Capitulo 19 gravitação universal
Renan Silva
 
Capítulo 17 leis de newton
Capítulo 17 leis de newtonCapítulo 17 leis de newton
Capítulo 17 leis de newton
Renan Silva
 
Avaliação de física 9º ano 07 e 08 1º periodo
Avaliação de física 9º ano 07 e 08   1º periodoAvaliação de física 9º ano 07 e 08   1º periodo
Avaliação de física 9º ano 07 e 08 1º periodo
Renan Silva
 
Avaliação de geografia 6 ano 01 e 02 2º período
Avaliação de geografia 6 ano 01 e 02  2º períodoAvaliação de geografia 6 ano 01 e 02  2º período
Avaliação de geografia 6 ano 01 e 02 2º período
Renan Silva
 
Avaliação de geografia 6º ano 01 e 02 1 º periodo
Avaliação de geografia 6º ano 01 e 02 1 º periodoAvaliação de geografia 6º ano 01 e 02 1 º periodo
Avaliação de geografia 6º ano 01 e 02 1 º periodo
Renan Silva
 

Mais de Renan Silva (20)

Avaliação de matemática 8º ano 05 4º período
Avaliação de matemática 8º ano 05 4º períodoAvaliação de matemática 8º ano 05 4º período
Avaliação de matemática 8º ano 05 4º período
 
Testes e trabalho 7º ano 4º periodo
Testes e trabalho 7º ano 4º periodoTestes e trabalho 7º ano 4º periodo
Testes e trabalho 7º ano 4º periodo
 
Avaliação de física 9° ano 3º periodo
Avaliação de física 9° ano 3º periodoAvaliação de física 9° ano 3º periodo
Avaliação de física 9° ano 3º periodo
 
Avaliação de matemática 7º ano 04 3º periodo
Avaliação de matemática 7º ano 04 3º periodoAvaliação de matemática 7º ano 04 3º periodo
Avaliação de matemática 7º ano 04 3º periodo
 
Avaliação de matemática 8º ano 05 3º período
Avaliação de matemática 8º ano 05 3º períodoAvaliação de matemática 8º ano 05 3º período
Avaliação de matemática 8º ano 05 3º período
 
Avaliação de matemática 2° ano matutino sala 3 3º bimestre
Avaliação de matemática 2° ano matutino sala 3 3º bimestreAvaliação de matemática 2° ano matutino sala 3 3º bimestre
Avaliação de matemática 2° ano matutino sala 3 3º bimestre
 
Avaliação de matemática 1° ano matutino sala 1 e 2 3º bimestre
Avaliação de matemática 1° ano matutino sala 1 e 2 3º bimestreAvaliação de matemática 1° ano matutino sala 1 e 2 3º bimestre
Avaliação de matemática 1° ano matutino sala 1 e 2 3º bimestre
 
Simulado 2º ano mais ideb
Simulado 2º ano mais idebSimulado 2º ano mais ideb
Simulado 2º ano mais ideb
 
Simulado 1º an0 mais ideb
Simulado 1º an0 mais idebSimulado 1º an0 mais ideb
Simulado 1º an0 mais ideb
 
Avaliação de matematica 7 ano 04 2° periodo
Avaliação de matematica 7 ano 04  2° periodoAvaliação de matematica 7 ano 04  2° periodo
Avaliação de matematica 7 ano 04 2° periodo
 
Recuperação de física 9º ano 2º período
Recuperação de física 9º ano  2º períodoRecuperação de física 9º ano  2º período
Recuperação de física 9º ano 2º período
 
Testes de fisica 9 ano 2º periodo
Testes de fisica 9 ano 2º periodoTestes de fisica 9 ano 2º periodo
Testes de fisica 9 ano 2º periodo
 
Testese trabalho de matematica 2 periodo
Testese trabalho de matematica 2 periodoTestese trabalho de matematica 2 periodo
Testese trabalho de matematica 2 periodo
 
Trabalho de física 2 º período
Trabalho de física 2 º períodoTrabalho de física 2 º período
Trabalho de física 2 º período
 
Trabalho de matematica 3º periodo 2017
Trabalho de matematica 3º periodo 2017Trabalho de matematica 3º periodo 2017
Trabalho de matematica 3º periodo 2017
 
Capitulo 19 gravitação universal
Capitulo 19 gravitação universalCapitulo 19 gravitação universal
Capitulo 19 gravitação universal
 
Capítulo 17 leis de newton
Capítulo 17 leis de newtonCapítulo 17 leis de newton
Capítulo 17 leis de newton
 
Avaliação de física 9º ano 07 e 08 1º periodo
Avaliação de física 9º ano 07 e 08   1º periodoAvaliação de física 9º ano 07 e 08   1º periodo
Avaliação de física 9º ano 07 e 08 1º periodo
 
Avaliação de geografia 6 ano 01 e 02 2º período
Avaliação de geografia 6 ano 01 e 02  2º períodoAvaliação de geografia 6 ano 01 e 02  2º período
Avaliação de geografia 6 ano 01 e 02 2º período
 
Avaliação de geografia 6º ano 01 e 02 1 º periodo
Avaliação de geografia 6º ano 01 e 02 1 º periodoAvaliação de geografia 6º ano 01 e 02 1 º periodo
Avaliação de geografia 6º ano 01 e 02 1 º periodo
 

Último

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 

Livro projeto telaris capitulo 6 ciencias 6º ano

  • 1. Como o solo se formou O que existe no solo Os tipos de solo Preparando o solo A erosão do solo As queimadas Agrotóxicos O solo e a nossa saúde 6 Capítulo
  • 2. COMO O SOLO SE FORMOU • A camada de rochas na superfície daA camada de rochas na superfície da Terra está há milhões de anos, expostaTerra está há milhões de anos, exposta aa variações de temperaturavariações de temperatura e ae a ação daação da chuvachuva,, do ventodo vento,, do gelodo gelo,, da água dosda água dos riosrios ee das ondas do mardas ondas do mar..
  • 3. COMO O SOLO SE FORMOU • Tudo isso aos poucos fragmenta asTudo isso aos poucos fragmenta as rochas e provoca vários tipos derochas e provoca vários tipos de transformação. Foi assim pelatransformação. Foi assim pela ação doação do intemperismointemperismo, que, lentamente o solo se, que, lentamente o solo se formou.formou.
  • 4. COMO O SOLO SE FORMOU
  • 5. O QUE EXISTE NO SOLO • No solo háNo solo há grãos mineraisgrãos minerais,, águaágua,, arar,, organismos vivos e restos de plantasorganismos vivos e restos de plantas (folhas, galhos, raízes),(folhas, galhos, raízes), de animaisde animais ee de outrosde outros organismos mortosorganismos mortos..
  • 6. O QUE EXISTE NO SOLO
  • 8. Solo fértil – solo bom para a agricultura. Quanto mais húmus tem o solo mais fértil será. Solo estéril – solo que não é bom para a agricultura. Solo permeável – solo que se deixa atravessar pela água, quer dizer que este solo apresenta espaços que podem ser ocupados por ar ou água. Ex. solo arenoso e humososolo arenoso e humoso Solo impermeável –solo que não se deixa atravessar pela água, quer dizer que este solo não apresenta espaços nem para o ar nem para a água. Ex. solo argiloso.solo argiloso. OS TIPOS DE SOLO
  • 9. OS TIPOS DE SOLO
  • 10. OS TIPOS DE SOLO
  • 11. OS TIPOS DE SOLO
  • 13. CURIOSIDADES • O AGRONOMO É A PESSOA ESPECIALISTA EM AGRONOMIA
  • 14. Arando a terraArando a terra • Em certos casos quando o soloEm certos casos quando o solo está muito compactado e duro, éestá muito compactado e duro, é preciso arar à terra.preciso arar à terra. • A terra é removida até que o soloA terra é removida até que o solo fique fofo e poroso permitindo afique fofo e poroso permitindo a entrada do ar e da agua.entrada do ar e da agua.
  • 15. Neutralizando a acidezNeutralizando a acidez • Quando o solo é muito ácido paraQuando o solo é muito ácido para as plantas tem que se aplicaras plantas tem que se aplicar calcário moído para reduzir acalcário moído para reduzir a acidez.acidez. • A essa técnica é dada o nome deA essa técnica é dada o nome de calagem.calagem.
  • 16. A adubaçãoA adubação • É a técnica de acrescentar saisÉ a técnica de acrescentar sais minerais que estão faltando nominerais que estão faltando no solo.solo. • A adubação é necessária apósA adubação é necessária após muitas colheitas, para repor osmuitas colheitas, para repor os minerais que as plantas retiram dominerais que as plantas retiram do solo.solo.
  • 17. A adubação mineralA adubação mineral • A adubação pode ser feita comA adubação pode ser feita com fertilizantes químicos, que sãofertilizantes químicos, que são substâncias químicas extraídas desubstâncias químicas extraídas de minerais ou produzidosminerais ou produzidos industrialmente.industrialmente.
  • 18. A adubação orgânicaA adubação orgânica • É a adubação feita com restos deÉ a adubação feita com restos de vegetais, farinha de ossos e estrumevegetais, farinha de ossos e estrume de animais, que se transformam emde animais, que se transformam em humus.humus.
  • 19. A adubação verdeA adubação verde • É quando as folhas e ramosÉ quando as folhas e ramos das leguminosas que foramdas leguminosas que foram usadas para devolver ousadas para devolver o nitrogênio ao solo, sãonitrogênio ao solo, são enterrados para servir deenterrados para servir de adubo natural enriquecendo oadubo natural enriquecendo o solo como compostossolo como compostos nitrogênio.nitrogênio.
  • 20. IrrigaçãoIrrigação • Em regiões secas, onde não háEm regiões secas, onde não há chuva suficiente para manter ochuva suficiente para manter o solo úmido, muitas vezes ésolo úmido, muitas vezes é necessário regular onecessário regular o suprimento de água por meiosuprimento de água por meio de canaletas, esguichos oude canaletas, esguichos ou outros recursos.outros recursos.
  • 21. A erosão do soloA erosão do solo • O solo sofre ação de diversosO solo sofre ação de diversos fatores (chuvas, ventos efatores (chuvas, ventos e variações de temperaturas),variações de temperaturas), que provocam sua degradação.que provocam sua degradação. Suas partículas são entãoSuas partículas são então removidas e transportadas pararemovidas e transportadas para outros lugares, como rios,outros lugares, como rios, lagos, vales e oceanos.lagos, vales e oceanos.
  • 23. Terraceamento ou Cultura emTerraceamento ou Cultura em TerraçosTerraços
  • 24. Curva de nívelCurva de nível
  • 25. Cultura em faixas ou RotaçãoCultura em faixas ou Rotação de Culturasde Culturas
  • 26. As queimadasAs queimadas • Quando o desmatamento é efeitoQuando o desmatamento é efeito por queimadas, ocorre outropor queimadas, ocorre outro problema o fogo acaba destruindoproblema o fogo acaba destruindo também microrganismos quetambém microrganismos que realizam a decomposição darealizam a decomposição da matéria orgânica.matéria orgânica. • A queimada também libera naA queimada também libera na atmosfera gases que poluem o ar eatmosfera gases que poluem o ar e prejudicam a saúde humana.prejudicam a saúde humana.
  • 27. AgrotóxicosAgrotóxicos • As plantações são em geral maisAs plantações são em geral mais vulneráveis a um ataque de insetosvulneráveis a um ataque de insetos (pragas) do que a vegetação(pragas) do que a vegetação natural.natural. • Uma das maneiras de combater asUma das maneiras de combater as pragas consiste em usarpragas consiste em usar agrotóxicosagrotóxicos ou defensivosou defensivos agrícolas.agrícolas.
  • 28. O solo e a nossa saúdeO solo e a nossa saúde • O solo pode ficar contaminado deO solo pode ficar contaminado de diversas formas principalmente emdiversas formas principalmente em regiões onde não há tratamento deregiões onde não há tratamento de água ou coleta adequada deágua ou coleta adequada de esgoto e de lixo. Nesses locais, oesgoto e de lixo. Nesses locais, o lixo ou as fezes humanas carregamlixo ou as fezes humanas carregam consigo organismos causadoresconsigo organismos causadores dede doenças.doenças.
  • 29. TétanoTétano • A bactéria pode entrar noA bactéria pode entrar no organismo humano pela peleorganismo humano pela pele quando uma pessoa é ferida comquando uma pessoa é ferida com objetos contaminados- geralmenteobjetos contaminados- geralmente em contato com terra, fezes,em contato com terra, fezes, sujeira, etc. Para se prevenir dessasujeira, etc. Para se prevenir dessa doença há uma vacina (BCG)doença há uma vacina (BCG) aplicada em crianças e adultos deaplicada em crianças e adultos de a cada dez anos.a cada dez anos.
  • 30. ToxoplasmoseToxoplasmose • Em alguns casos são as fezes dosEm alguns casos são as fezes dos cães e gatos que contaminam ocães e gatos que contaminam o solo ou os alimentos e transmitemsolo ou os alimentos e transmitem doenças.doenças. • Para se prevenir deve-se evitar oPara se prevenir deve-se evitar o contato com fezes de gatos, alémcontato com fezes de gatos, além de comer carne bem cozida e lavarde comer carne bem cozida e lavar bem frutas, verduras e legumes.bem frutas, verduras e legumes.
  • 31. VerminoseVerminose • Há ainda uma doença causadaHá ainda uma doença causada por vermes conhecidos comopor vermes conhecidos como lombrigas que vivem nolombrigas que vivem no intestino humano e libera ovos.intestino humano e libera ovos. • Para se prevenir deve se lavarPara se prevenir deve se lavar as mãos antes de comer eas mãos antes de comer e beber somente água filtrada.beber somente água filtrada.