SlideShare uma empresa Scribd logo
Discente: José Leandro Silva de Araújo
Universidade Federal Rural da Amazônia
Campus Capitão Poço
Contato:
Fone: (091) 98036-3885
E-mail: agro_leandro17@hotmail.com
Características morfológicas dos
solos; importância agrícola e fatores
limitantes dos solos, relacionados
com as principais características
morfológicas dos solos.
1
Slide
Introdução
 As modificações ocorridas pelo fatores de formação
são responsáveis pelas características morfológicas
que o solo ocorre, isso devidos os processos
químicos, físicos e biológicos
2
Slide
Introdução
 Com a passar do tempo, e a rochas sob pressão destes processos, elas vão
se degranado e decompondo, formando os “REGOLITOS”.
 Sendo os regolitos um material de origem do solos, pois vão ser
acumulando em varias camadas de solos, formando o perfil do solo,
formando as características do solo conforme o processos e os fatores que
ele é exposto.
Sedimentos
5
Slide
Formas de avaliar a morfologia do solo
Figura: Trincheira aberta no solo.
Sonda Trado Holandês Enchada
6
Slide
Formas de avaliar a morfologia do solo
6
Slide
Formas de avaliar a morfologia do solo
7
Slide
Avaliando....
 Cor
 Textura
 Estrutura
 Porosidade
 Profundidade
 CTC
 pH
 Complexo coloidal
 Etc....
Cor do solo
8
Slide
Coloração do solo
 A cor é a característica mais
fácil percebida!!!
 As diferentes coloração
permite em algum caso
diferenciar os horizontes e
que material é formado.
8
Slide
Coloração do solo
 São três fatores que podem determinar a expressão da
cor de um solo:
 Matéria Orgânica: Cores escuras, por causa do húmus.
 Conteúdo de sílica: Cores claras.
 Composto de ferro: Cores vermelhas e Amarelas 
Oxidação do ferro.
8
Slide
Coloração do solo
Cor escura
Matéria orgânica
Composto de Mn
(Manganês)
Argilas 2:1
Geralmente encontrado nas
primeiras camadas: Horizonte O
Suprimento matéria orgânica , que ajuda na
formação do complexo coloidal do solo.
Morfologia do solo
8
Slide
Coloração do solo
Solo com bastante quartoz
Solo com bastante Calcita (Caco3)
Solo com bastante Gibisita (CaSo4)
Sais solúveis (Sílica)
Morfologia do solo
8
Slide
Coloração do solo
Cor vermelha
Hematita (presença de FeO não hidrato ou seja
sem H+ )
Cores vermelhas indicam boa oxidação do Ferro
e boa drenagem do solo.
Cor vermelha
Morfologia do solo
8
Slide
Coloração do solo
Geotita (presença de Ferro
hidratado  Região com índice
pluviométrico muito alto
(Amazônia)
Morfologia do solo
8
Slide
Coloração do solo
Perda de ferro em regiões
de solo saturados de água
(Solos hidromorficos ou
gleizado)  Elevação do
lençol freático ou ciclo
alternado de cheias.
Morfologia do solo
8
Slide
Coloração do solo
Coleção de cores do livro munsell (munsell book of color).
8
Slide
Coloração do solo
Morfologia do solo
Textura do solo
8
Slide
Textura do solo
A textura do solo estar relacionado a proporção de:
 Areia
 Silte
 Argila
Sendo caracterizado através de analise granulométrica ou
sua concentração no solo.
Tabela1: Analise granulométrica do solo (escala de Atterberg)
Tabela2: Analise granulométrica do solo (escala IBGE)
Para as frações com diâmetro superior a 2mm (frações grosseiras) presentes no solo, são
adotadas as seguintes denominações:
Areia
Silte
Argila
Toer de argila Interpretação
< 15% Textura Arenosa
16 - 35% Textura média ou franca
36 -60% Textura Argilosa
> 60% Textura muito Argilosa
Tabela 3: concentração no solo de argila
8
Slide
Textura do solo
Pelo fato das várias frações ocorrerem no solo, sempre em combinações
as mais diversas possíveis, necessário se faz o seu agrupamento em
classes texturais
Figura: - Triângulo textural: classes
texturais da fração terra.
Morfologia do solo
Morfologia do solo
8
Slide
Textura do solo
Aspereza  Solo com textura Arenosa.
Sedosidade Solo com textura Siltioso
Pegajosidade  Solo com textura Argilosa
8
Slide
Importância agronômica da Textura
 Conforme a textura do solo pode ser manejado o solo em diferente
formas, pois um solo com textura:
 Argilosa:
 Maior CTC em relação ao solo arenoso  maior retenção de cátions e
água  menor lixiviação dos elementos  mais fértil!!!
 Menor parcelamento na hora de aplicação de corretivo e adubos.
 Menor horas de irrigação ou seja turno de rega  Maior porosidade e
menor condutividade hídrica.
 Maior Aeração do solo  respiração das raízes e absorção ativa.
8
Slide
Importância agronômica da Textura
 Conforme a textura do solo pode ser manejado o solo em diferente
formas, pois um solo com textura:
 Argilosa:
 Maior potencia das máquinas (Trator) por apresenta as estrutura mais
unidas ou ligadas.
 Grande problema pela alta fixação do Fosforo (P)
Morfologia do solo
Estrutura do solo
8
Slide
Estrutura do solo
É o modo de arranjamento das partículas areia, silte e argila
no solo, formando ou não agregados, separados por
superfícies de fraqueza.
Tipos de estrutura:
 Laminar
 Blocos
 Prismática
 Granular etc....
 E ausência de estrutura (Grão simples e Maciça)
8
Slide
Estrutura do solo
Fonte: Adaptado de
Schoeneberger e outros
(2002).
Morfologia do solo
 Prismática - Estrutura onde as partículas se arranjam em forma de prisma (com faces e arestas), sendo
sua distribuição preferencialmente ao longo de um eixo vertical e os limites laterais entre as unidades são
relativamente planos. Portanto, as dimensões verticais são maiores que as horizontais.
8
Slide
Estrutura do solo
Laminar - aquela onde as partículas do solo estão arranjadas em torno de uma linha horizontal, configurando lâminas de
espessura variável, ou seja, figuras geométricas regulares onde as dimensões horizontais são sempre maiores que as
verticais.
8
Slide
Estrutura do solo
Não favorece a
penetração de
água e raizes
8
Slide
Estrutura do solo
 Granular - as partículas estão arranjadas em torno de um ponto,
formando agregados arredondados, cujo contato entre as unidades não
se dá através de faces e sim de pontos.
 São também reconhecidos dois subtipos: granular e grumos, que se
diferenciam pela porosidade, sendo que os grumos são mais porosos.
8
Slide
Estrutura do solo
8
Slide
Estrutura do solo
Blocos angulares - tem as faces planas, formando arestas e ângulos aguçados.
8
Slide
Estrutura do solo
8
Slide
Estrutura do solo
8
Slide
Estrutura do solo
 Ausência de formação de agregado/solo sem estrutura
 Grão simples: Quando não existe ATRAÇÃO entre as partículas do solo,
ausência completa de COESÃO entre as partículas do solo.
Exemplo: Areia da praia.
 Maciça: Quando as partículas ocorrem reunidas formando uma massa
coesa e uniforme.
EXEMPLO: Horizonte B latossolicos.
8
Slide
Estrutura do solo
8
Slide
Importância agronômica da Textura
 Proteção contra agente erosivo.
 Influencia na profundidade do crescimento radicular.
 Capacidade de armazenamento de água e ar no solo  Porosidade.
 Refere-se ao volume do solo ocupado pela água e pelo ar.
 Deverão ser considerados todos os poros existentes no material, inclusive os
resultantes de atividades de animais e os produzidos pelas raízes.
8
Slide
Porosidade do solo
Figura: Macro porosidade.
Na descrição morfológica NÃO É
POSSIVEL DE OBSERVAR A POROSIDADE
TOTAL DO SOLO.
8
Slide
Porosidade do solo
8
Slide
Porosidade do solo
8
Slide
Porosidade do solo
Tipos de porosidade:
 Porosidade textural: É formado pela e textura.
Exemplo: Areia, silte a argila.
 Porosidade estrutural: É representado pelo tipo de
arranjo entre as partículas que formam o solo
 Porosidade biológica: Formado ou gerando apartir
da atividade biológica.
Ex: Cupim, minhoca, raizes e matéria
8
Slide
Porosidade do solo
Microporos < 30 um
Mesoporos 30 - 100 um
Macroporos 100um
Classificação quanto ao tamanho do Poros
Fonte: Embrapa, 2009
8
Slide
Importância agronômica da Porosidade
 Os microporos são os poros que tem maior capacidade de reter
ÁGUA e AR em seus poros, sendo mais encontrado em solos
argilosos.
 Porém são mais fácil de ser compactados  Uso racional de
maquinas e implementos agrícolas.
 Uso correto da irrigação  Menor infiltração da água  Não
alagar o solo  Drenagem x Lamina de água.
8
Slide
Consistência do solo
Termo usado para designar as manifestações das forças físicas de
coesão e adesão verificadas no solo, conforme variação dos teores
de umidade.
 COESÃO: Força de atração entre partículas de mesma natureza.
 ADESÃO: Força de atração entre partículas de natureza diferente.
A terminologia para a consistência inclui especificações distintas para a descrição em três
estados de umidade padronizados: solo seco, úmido e molhado.
8
Slide
Consistência do solo
Deve ser determinada com o solo seco (dureza), úmido
(friabilidade) e molhado (plasticidade e pegajosidade).
Seco Umido Molhado Muito Molhado
Dureza Friabilidade Plasticidade Pegagosidade
Tabela: Representação da constencia conforme o teor de água no solo
8
Slide
Importância agronômica da Consistência
 Conforme a umidade do solo, deve-se utilizar a mecanização agrícola:
 Solo muito seco não deve ser manejado com maquinas, pois pode
levantar muita poeira ou formar torrões, desagregando o solo, tornando
ele mais fácil de ser erodido pela chuvas e os ventos.
 Nem muito úmido, pois pode haver a compactação de solo e maior
potencia da trator, ou seja, maior gasto de combustível, também o
atolamento e patinhagem do trator.
 Penetração de raiz.
Morfologia do solo
Morfologia do solo
Morfologia do solo
8
Slide
Densidade do solo
8
Slide
Densidade do solo
8
Slide
Densidade do solo
 Quanto menos denso, mais leve é o solo
 Quanto mais denso, mais compactado é o solo
8
Slide
Densidade do solo
8
Slide
Densidade do solo
Figura: Plantio de Eucalipto
8
Slide
Profundidade do solo
 As classes de profundidade do solo são qualificadas pelos termos raso, pouco
profundo, profundo e muito profundo.
 Estes termos são empregados para designar condições de solos em que um contato
lítico ocorra conforme limites especificados a seguir:
8
Slide
Importância agronômica Profundidade
 Maior espaço para desenvolvimento do sistema radicular das
plantas  Maior área de exploração de água, ar e nutrientes.
 Mecanização
 A fertilidade natural é influenciada pela profundidade 
intemperismo da rocha e dos minerais.
A-C-A-B-O-U !!!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Rodrigo Pavesi
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
Carolina Corrêa
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
Elton Mendes
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Aula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funçõesAula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funções
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Movimento de agua no solo
Movimento de agua no soloMovimento de agua no solo
Movimento de agua no solo
Elvio Giasson
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
Alfredo Cossa
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Jadson Belem de Moura
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Aula 05 matéria orgânica do solo
Aula 05  matéria orgânica do soloAula 05  matéria orgânica do solo
Aula 05 matéria orgânica do solo
Jadson Belem de Moura
 
Características físicas gerais dos solos
Características físicas gerais dos solosCaracterísticas físicas gerais dos solos
Características físicas gerais dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
daianeagricola
 
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Aula 1   ciencia do solo na agronomiaAula 1   ciencia do solo na agronomia
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Jadson Belem de Moura
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
Ruana Viana
 
Solos
SolosSolos

Mais procurados (20)

Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 4
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 2
 
Aula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funçõesAula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funções
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Movimento de agua no solo
Movimento de agua no soloMovimento de agua no solo
Movimento de agua no solo
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Aula 05 matéria orgânica do solo
Aula 05  matéria orgânica do soloAula 05  matéria orgânica do solo
Aula 05 matéria orgânica do solo
 
Características físicas gerais dos solos
Características físicas gerais dos solosCaracterísticas físicas gerais dos solos
Características físicas gerais dos solos
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
 
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Aula 1   ciencia do solo na agronomiaAula 1   ciencia do solo na agronomia
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Solos
SolosSolos
Solos
 

Destaque

11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Solos
SolosSolos
Solos
ceama
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
Rosa Pereira
 
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGSAula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Elvio Giasson
 
Fatores de formação do solo
Fatores de formação do soloFatores de formação do solo
Fatores de formação do solo
Leandro Araujo
 
Solo
SoloSolo
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
Leandro Araujo
 
Solos
SolosSolos
Formação de solos
Formação de solosFormação de solos
Formação de solos
Leandro Oliveira
 
Solos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do SulSolos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do Sul
Alessandro Samuel-Rosa
 
6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo
Carolina Suisso
 
V.1 Solo e subsolo
V.1 Solo e subsoloV.1 Solo e subsolo
V.1 Solo e subsolo
Rebeca Vale
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
dela28
 
Powerpoint 1 Vulcanologia (Vulcanismo PrimáRio Tipos De Materiais Liberta...
Powerpoint 1   Vulcanologia (Vulcanismo PrimáRio   Tipos De Materiais Liberta...Powerpoint 1   Vulcanologia (Vulcanismo PrimáRio   Tipos De Materiais Liberta...
Powerpoint 1 Vulcanologia (Vulcanismo PrimáRio Tipos De Materiais Liberta...
Nuno Correia
 
Recursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu Rodrigues
Recursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu RodriguesRecursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu Rodrigues
Recursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu Rodrigues
ANCP Ribeirão Preto
 
Mecânica dos solos – aula 5
Mecânica dos solos – aula 5Mecânica dos solos – aula 5
Mecânica dos solos – aula 5
Daniela Moreira Lima Santos
 
Água no subsolo
Água no subsoloÁgua no subsolo
Água no subsolo
Armanda Borges
 
metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.
metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.
metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.
Leandro Araujo
 
Lineu rodrigues - Praticas conservacionistas e sua importância para os recurs...
Lineu rodrigues - Praticas conservacionistas e sua importância para os recurs...Lineu rodrigues - Praticas conservacionistas e sua importância para os recurs...
Lineu rodrigues - Praticas conservacionistas e sua importância para os recurs...
Revista Cafeicultura
 

Destaque (20)

11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
 
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
 
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGSAula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
 
Fatores de formação do solo
Fatores de formação do soloFatores de formação do solo
Fatores de formação do solo
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Formação de solos
Formação de solosFormação de solos
Formação de solos
 
Solos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do SulSolos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do Sul
 
6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo
 
V.1 Solo e subsolo
V.1 Solo e subsoloV.1 Solo e subsolo
V.1 Solo e subsolo
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Powerpoint 1 Vulcanologia (Vulcanismo PrimáRio Tipos De Materiais Liberta...
Powerpoint 1   Vulcanologia (Vulcanismo PrimáRio   Tipos De Materiais Liberta...Powerpoint 1   Vulcanologia (Vulcanismo PrimáRio   Tipos De Materiais Liberta...
Powerpoint 1 Vulcanologia (Vulcanismo PrimáRio Tipos De Materiais Liberta...
 
Recursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu Rodrigues
Recursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu RodriguesRecursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu Rodrigues
Recursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu Rodrigues
 
Mecânica dos solos – aula 5
Mecânica dos solos – aula 5Mecânica dos solos – aula 5
Mecânica dos solos – aula 5
 
Água no subsolo
Água no subsoloÁgua no subsolo
Água no subsolo
 
metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.
metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.
metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.
 
Lineu rodrigues - Praticas conservacionistas e sua importância para os recurs...
Lineu rodrigues - Praticas conservacionistas e sua importância para os recurs...Lineu rodrigues - Praticas conservacionistas e sua importância para os recurs...
Lineu rodrigues - Praticas conservacionistas e sua importância para os recurs...
 

Semelhante a Morfologia do solo

Apostila 2006 completa
Apostila 2006 completaApostila 2006 completa
Apostila 2006 completa
IF Baiano - Campus Catu
 
Trabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do soloTrabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do solo
engenhar
 
Aula classificação
Aula classificaçãoAula classificação
Aula classificação
Carolina Corrêa
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
karolpoa
 
Formação do solo mjr
Formação do solo   mjrFormação do solo   mjr
Formação do solo mjr
fcanico
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
karolpoa
 
Aula propriedades morfológicas
Aula  propriedades morfológicasAula  propriedades morfológicas
Aula propriedades morfológicas
Carolina Corrêa
 
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
OliveiraAMOliveira
 
atributos do solo.pptx
atributos do solo.pptxatributos do solo.pptx
atributos do solo.pptx
YasserClrio
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Solo
Solo Solo
Apostila de Física do Solo e Tensiometria
Apostila de Física do Solo e TensiometriaApostila de Física do Solo e Tensiometria
Apostila de Física do Solo e Tensiometria
IF Baiano - Campus Catu
 
Compactação do solo.
Compactação do solo. Compactação do solo.
Compactação do solo.
matheusaline
 
Solos
SolosSolos
Propriedades das particulas sólidas
Propriedades das particulas sólidasPropriedades das particulas sólidas
Propriedades das particulas sólidas
engenhar
 
Formação das rochas e tipos de solo trabalho 5ºano
Formação das rochas e tipos de solo trabalho 5ºanoFormação das rochas e tipos de solo trabalho 5ºano
Formação das rochas e tipos de solo trabalho 5ºano
Hus Juky
 
Mec solo ms
Mec solo msMec solo ms
Mec solo ms
Carlos Elson Cunha
 
1geo15
1geo151geo15
1geo15
NTE_Itaocara
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
AnaClaudiaHonorio
 
Tensoes no solo (recuperado)
Tensoes no solo (recuperado)Tensoes no solo (recuperado)
Tensoes no solo (recuperado)
Ronei Gonçalves
 

Semelhante a Morfologia do solo (20)

Apostila 2006 completa
Apostila 2006 completaApostila 2006 completa
Apostila 2006 completa
 
Trabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do soloTrabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do solo
 
Aula classificação
Aula classificaçãoAula classificação
Aula classificação
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Formação do solo mjr
Formação do solo   mjrFormação do solo   mjr
Formação do solo mjr
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
 
Aula propriedades morfológicas
Aula  propriedades morfológicasAula  propriedades morfológicas
Aula propriedades morfológicas
 
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
 
atributos do solo.pptx
atributos do solo.pptxatributos do solo.pptx
atributos do solo.pptx
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Solo
Solo Solo
Solo
 
Apostila de Física do Solo e Tensiometria
Apostila de Física do Solo e TensiometriaApostila de Física do Solo e Tensiometria
Apostila de Física do Solo e Tensiometria
 
Compactação do solo.
Compactação do solo. Compactação do solo.
Compactação do solo.
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Propriedades das particulas sólidas
Propriedades das particulas sólidasPropriedades das particulas sólidas
Propriedades das particulas sólidas
 
Formação das rochas e tipos de solo trabalho 5ºano
Formação das rochas e tipos de solo trabalho 5ºanoFormação das rochas e tipos de solo trabalho 5ºano
Formação das rochas e tipos de solo trabalho 5ºano
 
Mec solo ms
Mec solo msMec solo ms
Mec solo ms
 
1geo15
1geo151geo15
1geo15
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
 
Tensoes no solo (recuperado)
Tensoes no solo (recuperado)Tensoes no solo (recuperado)
Tensoes no solo (recuperado)
 

Mais de Leandro Araujo

ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.
ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.
ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.
Leandro Araujo
 
Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas
Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas
Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas
Leandro Araujo
 
Importância dos adubos e dos nutrientes
Importância dos adubos e dos nutrientesImportância dos adubos e dos nutrientes
Importância dos adubos e dos nutrientes
Leandro Araujo
 
Respiração celular de vegetais
Respiração celular de vegetaisRespiração celular de vegetais
Respiração celular de vegetais
Leandro Araujo
 
Fisiologia Vegetal e Ecofisiologia: Fotossíntese
Fisiologia Vegetal e Ecofisiologia: Fotossíntese Fisiologia Vegetal e Ecofisiologia: Fotossíntese
Fisiologia Vegetal e Ecofisiologia: Fotossíntese
Leandro Araujo
 
Estresse térmico e a produção de leite
Estresse térmico e a produção de leiteEstresse térmico e a produção de leite
Estresse térmico e a produção de leite
Leandro Araujo
 
Adubação nitrogenada
Adubação nitrogenadaAdubação nitrogenada
Adubação nitrogenada
Leandro Araujo
 
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROSUSO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
Leandro Araujo
 
MERCADO, PRODUTOS, SUBPRODUTOS, PRAGAS E DOENÇAS do dendezeiro (Elaeis guinee...
MERCADO, PRODUTOS, SUBPRODUTOS, PRAGAS E DOENÇAS do dendezeiro (Elaeis guinee...MERCADO, PRODUTOS, SUBPRODUTOS, PRAGAS E DOENÇAS do dendezeiro (Elaeis guinee...
MERCADO, PRODUTOS, SUBPRODUTOS, PRAGAS E DOENÇAS do dendezeiro (Elaeis guinee...
Leandro Araujo
 
Abubação do abacaxi
Abubação do abacaxiAbubação do abacaxi
Abubação do abacaxi
Leandro Araujo
 
Adubação no Dendêzeiro
Adubação no DendêzeiroAdubação no Dendêzeiro
Adubação no Dendêzeiro
Leandro Araujo
 

Mais de Leandro Araujo (11)

ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.
ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.
ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.
 
Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas
Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas
Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas
 
Importância dos adubos e dos nutrientes
Importância dos adubos e dos nutrientesImportância dos adubos e dos nutrientes
Importância dos adubos e dos nutrientes
 
Respiração celular de vegetais
Respiração celular de vegetaisRespiração celular de vegetais
Respiração celular de vegetais
 
Fisiologia Vegetal e Ecofisiologia: Fotossíntese
Fisiologia Vegetal e Ecofisiologia: Fotossíntese Fisiologia Vegetal e Ecofisiologia: Fotossíntese
Fisiologia Vegetal e Ecofisiologia: Fotossíntese
 
Estresse térmico e a produção de leite
Estresse térmico e a produção de leiteEstresse térmico e a produção de leite
Estresse térmico e a produção de leite
 
Adubação nitrogenada
Adubação nitrogenadaAdubação nitrogenada
Adubação nitrogenada
 
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROSUSO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
 
MERCADO, PRODUTOS, SUBPRODUTOS, PRAGAS E DOENÇAS do dendezeiro (Elaeis guinee...
MERCADO, PRODUTOS, SUBPRODUTOS, PRAGAS E DOENÇAS do dendezeiro (Elaeis guinee...MERCADO, PRODUTOS, SUBPRODUTOS, PRAGAS E DOENÇAS do dendezeiro (Elaeis guinee...
MERCADO, PRODUTOS, SUBPRODUTOS, PRAGAS E DOENÇAS do dendezeiro (Elaeis guinee...
 
Abubação do abacaxi
Abubação do abacaxiAbubação do abacaxi
Abubação do abacaxi
 
Adubação no Dendêzeiro
Adubação no DendêzeiroAdubação no Dendêzeiro
Adubação no Dendêzeiro
 

Morfologia do solo

  • 1. Discente: José Leandro Silva de Araújo Universidade Federal Rural da Amazônia Campus Capitão Poço Contato: Fone: (091) 98036-3885 E-mail: agro_leandro17@hotmail.com
  • 2. Características morfológicas dos solos; importância agrícola e fatores limitantes dos solos, relacionados com as principais características morfológicas dos solos.
  • 3. 1 Slide Introdução  As modificações ocorridas pelo fatores de formação são responsáveis pelas características morfológicas que o solo ocorre, isso devidos os processos químicos, físicos e biológicos
  • 4. 2 Slide Introdução  Com a passar do tempo, e a rochas sob pressão destes processos, elas vão se degranado e decompondo, formando os “REGOLITOS”.  Sendo os regolitos um material de origem do solos, pois vão ser acumulando em varias camadas de solos, formando o perfil do solo, formando as características do solo conforme o processos e os fatores que ele é exposto.
  • 6. 5 Slide Formas de avaliar a morfologia do solo Figura: Trincheira aberta no solo.
  • 7. Sonda Trado Holandês Enchada 6 Slide Formas de avaliar a morfologia do solo
  • 8. 6 Slide Formas de avaliar a morfologia do solo
  • 9. 7 Slide Avaliando....  Cor  Textura  Estrutura  Porosidade  Profundidade  CTC  pH  Complexo coloidal  Etc....
  • 11. 8 Slide Coloração do solo  A cor é a característica mais fácil percebida!!!  As diferentes coloração permite em algum caso diferenciar os horizontes e que material é formado.
  • 12. 8 Slide Coloração do solo  São três fatores que podem determinar a expressão da cor de um solo:  Matéria Orgânica: Cores escuras, por causa do húmus.  Conteúdo de sílica: Cores claras.  Composto de ferro: Cores vermelhas e Amarelas  Oxidação do ferro.
  • 13. 8 Slide Coloração do solo Cor escura Matéria orgânica Composto de Mn (Manganês) Argilas 2:1 Geralmente encontrado nas primeiras camadas: Horizonte O Suprimento matéria orgânica , que ajuda na formação do complexo coloidal do solo.
  • 15. 8 Slide Coloração do solo Solo com bastante quartoz Solo com bastante Calcita (Caco3) Solo com bastante Gibisita (CaSo4) Sais solúveis (Sílica)
  • 17. 8 Slide Coloração do solo Cor vermelha Hematita (presença de FeO não hidrato ou seja sem H+ ) Cores vermelhas indicam boa oxidação do Ferro e boa drenagem do solo.
  • 20. 8 Slide Coloração do solo Geotita (presença de Ferro hidratado  Região com índice pluviométrico muito alto (Amazônia)
  • 22. 8 Slide Coloração do solo Perda de ferro em regiões de solo saturados de água (Solos hidromorficos ou gleizado)  Elevação do lençol freático ou ciclo alternado de cheias.
  • 24. 8 Slide Coloração do solo Coleção de cores do livro munsell (munsell book of color).
  • 28. 8 Slide Textura do solo A textura do solo estar relacionado a proporção de:  Areia  Silte  Argila Sendo caracterizado através de analise granulométrica ou sua concentração no solo.
  • 29. Tabela1: Analise granulométrica do solo (escala de Atterberg)
  • 30. Tabela2: Analise granulométrica do solo (escala IBGE)
  • 31. Para as frações com diâmetro superior a 2mm (frações grosseiras) presentes no solo, são adotadas as seguintes denominações:
  • 33. Toer de argila Interpretação < 15% Textura Arenosa 16 - 35% Textura média ou franca 36 -60% Textura Argilosa > 60% Textura muito Argilosa Tabela 3: concentração no solo de argila
  • 34. 8 Slide Textura do solo Pelo fato das várias frações ocorrerem no solo, sempre em combinações as mais diversas possíveis, necessário se faz o seu agrupamento em classes texturais Figura: - Triângulo textural: classes texturais da fração terra.
  • 37. 8 Slide Textura do solo Aspereza  Solo com textura Arenosa. Sedosidade Solo com textura Siltioso Pegajosidade  Solo com textura Argilosa
  • 38. 8 Slide Importância agronômica da Textura  Conforme a textura do solo pode ser manejado o solo em diferente formas, pois um solo com textura:  Argilosa:  Maior CTC em relação ao solo arenoso  maior retenção de cátions e água  menor lixiviação dos elementos  mais fértil!!!  Menor parcelamento na hora de aplicação de corretivo e adubos.  Menor horas de irrigação ou seja turno de rega  Maior porosidade e menor condutividade hídrica.  Maior Aeração do solo  respiração das raízes e absorção ativa.
  • 39. 8 Slide Importância agronômica da Textura  Conforme a textura do solo pode ser manejado o solo em diferente formas, pois um solo com textura:  Argilosa:  Maior potencia das máquinas (Trator) por apresenta as estrutura mais unidas ou ligadas.  Grande problema pela alta fixação do Fosforo (P)
  • 42. 8 Slide Estrutura do solo É o modo de arranjamento das partículas areia, silte e argila no solo, formando ou não agregados, separados por superfícies de fraqueza. Tipos de estrutura:  Laminar  Blocos  Prismática  Granular etc....  E ausência de estrutura (Grão simples e Maciça)
  • 43. 8 Slide Estrutura do solo Fonte: Adaptado de Schoeneberger e outros (2002).
  • 45.  Prismática - Estrutura onde as partículas se arranjam em forma de prisma (com faces e arestas), sendo sua distribuição preferencialmente ao longo de um eixo vertical e os limites laterais entre as unidades são relativamente planos. Portanto, as dimensões verticais são maiores que as horizontais. 8 Slide Estrutura do solo
  • 46. Laminar - aquela onde as partículas do solo estão arranjadas em torno de uma linha horizontal, configurando lâminas de espessura variável, ou seja, figuras geométricas regulares onde as dimensões horizontais são sempre maiores que as verticais. 8 Slide Estrutura do solo Não favorece a penetração de água e raizes
  • 48.  Granular - as partículas estão arranjadas em torno de um ponto, formando agregados arredondados, cujo contato entre as unidades não se dá através de faces e sim de pontos.  São também reconhecidos dois subtipos: granular e grumos, que se diferenciam pela porosidade, sendo que os grumos são mais porosos. 8 Slide Estrutura do solo
  • 50. Blocos angulares - tem as faces planas, formando arestas e ângulos aguçados. 8 Slide Estrutura do solo
  • 52. 8 Slide Estrutura do solo  Ausência de formação de agregado/solo sem estrutura  Grão simples: Quando não existe ATRAÇÃO entre as partículas do solo, ausência completa de COESÃO entre as partículas do solo. Exemplo: Areia da praia.  Maciça: Quando as partículas ocorrem reunidas formando uma massa coesa e uniforme. EXEMPLO: Horizonte B latossolicos.
  • 54. 8 Slide Importância agronômica da Textura  Proteção contra agente erosivo.  Influencia na profundidade do crescimento radicular.  Capacidade de armazenamento de água e ar no solo  Porosidade.
  • 55.  Refere-se ao volume do solo ocupado pela água e pelo ar.  Deverão ser considerados todos os poros existentes no material, inclusive os resultantes de atividades de animais e os produzidos pelas raízes. 8 Slide Porosidade do solo Figura: Macro porosidade. Na descrição morfológica NÃO É POSSIVEL DE OBSERVAR A POROSIDADE TOTAL DO SOLO.
  • 58. 8 Slide Porosidade do solo Tipos de porosidade:  Porosidade textural: É formado pela e textura. Exemplo: Areia, silte a argila.  Porosidade estrutural: É representado pelo tipo de arranjo entre as partículas que formam o solo  Porosidade biológica: Formado ou gerando apartir da atividade biológica. Ex: Cupim, minhoca, raizes e matéria
  • 59. 8 Slide Porosidade do solo Microporos < 30 um Mesoporos 30 - 100 um Macroporos 100um Classificação quanto ao tamanho do Poros Fonte: Embrapa, 2009
  • 60. 8 Slide Importância agronômica da Porosidade  Os microporos são os poros que tem maior capacidade de reter ÁGUA e AR em seus poros, sendo mais encontrado em solos argilosos.  Porém são mais fácil de ser compactados  Uso racional de maquinas e implementos agrícolas.  Uso correto da irrigação  Menor infiltração da água  Não alagar o solo  Drenagem x Lamina de água.
  • 61. 8 Slide Consistência do solo Termo usado para designar as manifestações das forças físicas de coesão e adesão verificadas no solo, conforme variação dos teores de umidade.  COESÃO: Força de atração entre partículas de mesma natureza.  ADESÃO: Força de atração entre partículas de natureza diferente. A terminologia para a consistência inclui especificações distintas para a descrição em três estados de umidade padronizados: solo seco, úmido e molhado.
  • 62. 8 Slide Consistência do solo Deve ser determinada com o solo seco (dureza), úmido (friabilidade) e molhado (plasticidade e pegajosidade). Seco Umido Molhado Muito Molhado Dureza Friabilidade Plasticidade Pegagosidade Tabela: Representação da constencia conforme o teor de água no solo
  • 63. 8 Slide Importância agronômica da Consistência  Conforme a umidade do solo, deve-se utilizar a mecanização agrícola:  Solo muito seco não deve ser manejado com maquinas, pois pode levantar muita poeira ou formar torrões, desagregando o solo, tornando ele mais fácil de ser erodido pela chuvas e os ventos.  Nem muito úmido, pois pode haver a compactação de solo e maior potencia da trator, ou seja, maior gasto de combustível, também o atolamento e patinhagem do trator.  Penetração de raiz.
  • 69. 8 Slide Densidade do solo  Quanto menos denso, mais leve é o solo  Quanto mais denso, mais compactado é o solo
  • 71. 8 Slide Densidade do solo Figura: Plantio de Eucalipto
  • 72. 8 Slide Profundidade do solo  As classes de profundidade do solo são qualificadas pelos termos raso, pouco profundo, profundo e muito profundo.  Estes termos são empregados para designar condições de solos em que um contato lítico ocorra conforme limites especificados a seguir:
  • 73. 8 Slide Importância agronômica Profundidade  Maior espaço para desenvolvimento do sistema radicular das plantas  Maior área de exploração de água, ar e nutrientes.  Mecanização  A fertilidade natural é influenciada pela profundidade  intemperismo da rocha e dos minerais.