SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
O solo: formação
e tipos
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
• Durante a formação da terra,
que ocorreu há bilhões de
anos, a superfície não tinha o
aspecto atual. Ao longo de
milhões de anos, sofreram a
ação de agentes naturais,
essas alterações, que ainda
Introdução
•Choque térmico
•Água
•Seres vivos
Agentes naturais
responsáveis pela
alteração das rochas:
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
Magmáticas ou ígneas
Sedimentares
Metamórficas
TIPOS DE ROCHAS
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
O solo é a camada
mais superficial (mais
externa) da crosta, é
composto por sais
minerais dissolvidos,
seres vivos e rochas em
decomposição.
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
COMPONENTES DO
SOLO
• Partículas minerais como:
• Areia
• Silte
• Argila
• Água e ar
• Material orgânico Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
O solo
O solo
O solo
TIPOS DE SOLOS
• Arenoso
• Argiloso
• Humífero
• Calcário
Tipos de solo
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
ARENOSO
Solo com 70% de areia. É muito
seco, pois é muito permeável à água
(retém pouca água).
ARGILOSO
Solo com mais de 30% de argila
em sua composição. Também
conhecido como barro. É pouco
permeável (retém muita água).
HUMÍFERO
Também conhecido como “terra
preta” ou “terra roxa”. É rico em húmus
(matéria orgânica em decomposição) e
por isso, é muito fértil.
CALCÁRIO
Solo rico em calcário.
Utilizado na fabricação de giz,
cal, cimento e na fertilização de
solos.
CALAGEM
Adicionar cal em solos muito
ácidos.
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
ALTERAÇÃO DAS ROCHAS
Existem formações rochosas que, com o decorrer dos
tempos, vão adquirindo formas invulgares, mais pare –
cendo estranhas esculturas.
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
OS AGENTES EROSIVOS
As rochas, embora sejam bastante resistentes, sofrem
a acção de diversos factores do meio, o que lhes provo –
ca muitas alterações.
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
As alterações das rochas demoram
muito anos a ocorrer, por isso é mui-
to difícil apercebermo-nos delas.
Ao conjunto de alterações e
destruição das rochas damos
o nome de erosão.
Agentes erosivos
 a água
 o vento
 a temperatura
 os seres vivos
 À medida que o tempo passa, vai sendo acrescentado ao solo
jovem restos de plantas e animais mortos. Estes restos, tam-
bém chamados matéria orgânica, vão-se misturando com o so-
lo jovem, que vai sofrendo diversas transformações até se tor-
nar num solo maduro.
Rocha
MÃE
Horizonte
C
Horizonte
B
Horizonte
A
Ho ri zon te OO solo maduro
apresenta normalmente,
diversas camadas a que chamamos
Horizontes.
A-- Tem cor escura devido à
presença de Húmus.
O-- Formado por restos de
plantas e de animais.
B-- Tem uma cor mais clara.
Formado por fragmentos
pequenos de rocha.
C-- Formado por fragmentos
de rocha não alterada.
AR
ÁGUA
MATÉRIA
MINERAL
MATÉRIA
ORGÂNICA
25%
25%
46%
4%
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
As minhocas, caracóis, toupeiras,
formigas e outros seres macros –
cópicos abrem galerias que per –
mitem uma melhor penetração do
ar e da água.
 Os seres vivos microscópicos de-
compõem os restos de animais e
plantas, originando o húmus, que
é a matéria orgânica muito trans-
formada.
Muito lentamente, as bactérias ao
alimentarem-se do húmus, trans –
formam-no em sais minerais que
são o alimento das plantas verdes.
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
Já sabes que num solo existe uma parte orgânica e
uma parte mineral.
Os principais constituintes da
parte mineral são:
 a areia
 a argila
 o calcário
Solo arenoso
Solo argiloso
Solo calcário
TIPOS DE SOLOTIPOS DE SOLO
PROPRIEDADES DOS SOLOS
Os solos não são todos iguais. A diversidade dos solos depende
dos materiais que os constituem, dando-lhes, assim, diferentes
propriedades.
Uma importante propriedade dos solos
é a permeabilidade.
Permeabilidade
Maior ou menor capacidade que os solos
têm de se deixarem atravessar pela água.
Solo permeável Solo impermeável
CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS
Solo arenoso Formado por grande quantidade de areia,
muito leve e permeável. Não servem para
a agricultura.
Formado por argila. Esta retém muita
água, encharcando o solo e tornando-o impermeável.
Muito difíceis de traba–
lhar, abrindo fendas quando secam.
Solo argiloso
Rosa Maria Vieira Silva Pereira
CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS
Solo calcário Formado essencialmente por calcário,
e muito pobres em matéria orgânica.
Solo muito permeável e, por isso fá–
ceis de trabalhar.
Solo francoFormado por uma mistura de areia, argila e
matéria orgânica. Retém bem a água, sem
ficarem encharcados. É considerado um solo
semipermeável e muito bom para a agricul –
tura.
 Quando o solo é pobre em substâncias minerais
e orgânicas, deve-se fazer a adubação com pro-
dutos químicos ou com estrume.
Adubos químicos
Estrume
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
 Quando o solo é muito compacto, é necessário me-
lhorá-lo, através da cava, da sacha e da lavra.
Lavra
Lavra
Sacha
Quando o solo não tem a água necessária para o de-
senvolvimento das culturas ou, pelo contrário, a tem
em excesso, melhora-se a produtividade recorrendo,
respectivamente, à irrigação e à drenagem.
Irrigação
Drenagem
Os solos são indispensáveis à vida na Terra, mas correm
inúmeros riscos.
Além da erosão, provocada pelos
agentes naturais, o solo é, tam-
bém, constantemente agredido
pela acção humana.
Fendas provocadas pela erosão
O fogo
Lançamento de pesticidas
O abate de árvores conduz à desflores-
tação e facilita a erosão do solo.
Os lixos contribuem para
a degradação dos solos.
CONSERVAÇÃO DO SOLO
Ao ter-se consciência dos perigos da destruição do solo,
começam a tomar-se medidas para o conservar.
EVITAR A POLUIÇÃO DO SOLO
A–Impedir a formação de lixeiras
Actualmente, já existem fábri-
cas de tratamento de lixos que
os transformam em fertilizan –
tes.
CONSERVAÇÃO DO SOLO
B-Evitar o uso excessivo de pesticidas
A agricultura biológica pre-
tende manter a fertilidade
dos solos, por meios natu –
rais.
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
CONSERVAÇÃO DO SOLO
EVITAR A EROSÃO DO SOLO
A- Cultivar em socalcos
Os socalcos são degraus feitos
nas encostas e evitam que o so-
lo seja facilmente arrastado pe–
las águas.
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
CONSERVAÇÃO DO SOLO
B- Plantar árvores
As raízes das plantas fi-
xam as partículas do solo,
evitando que sejam arras-
tadas.
C- Adequar as culturas ao tipo de solo
Cada tipo de planta tem exigências
próprias, devendo, por isso,ser cul-
tivada num terreno adequado.
CONSERVAÇÃO DO SOLO
A rotação de culturas consiste em
alternar, no mesmo terreno, dife-
rentes culturas numa sequência
adequada.
D-Adaptar as culturas ao tipo de solo
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas
Prof. Romualdo Caetano
Ciências Biológicas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Corretores da acidez superficial do solo
Corretores da acidez superficial do solo Corretores da acidez superficial do solo
Corretores da acidez superficial do solo
Geagra UFG
 
Estruturas das plantas
Estruturas das plantasEstruturas das plantas
Estruturas das plantas
Grazi Grazi
 
Solos
SolosSolos
ABC Como produzir melancia
ABC Como produzir melanciaABC Como produzir melancia
ABC Como produzir melancia
Lenildo Araujo
 
O solo: formação e tipos
O solo: formação e tiposO solo: formação e tipos
O solo: formação e tipos
Regina Oliveira
 
Gladyston carvalho Tecnologias Aplicadas à Sustentabilidade da Cafeicultura
Gladyston  carvalho Tecnologias Aplicadas à Sustentabilidade da Cafeicultura Gladyston  carvalho Tecnologias Aplicadas à Sustentabilidade da Cafeicultura
Gladyston carvalho Tecnologias Aplicadas à Sustentabilidade da Cafeicultura
Revista Cafeicultura
 
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCAApresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Marcos Fontes
 
Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)
Mario Rui Almeida
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
Leandro Araujo
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
Fabíola Mello
 
Cilclo do cálcio
Cilclo do cálcioCilclo do cálcio
Cilclo do cálcio
Aldo Henrique
 
Propriedades do Solo
Propriedades do SoloPropriedades do Solo
Propriedades do Solo
Alfredo Cossa
 
Fase clara da fotossíntese
Fase clara da fotossíntese Fase clara da fotossíntese
Fase clara da fotossíntese
Matheus Trevisan
 
A Fonte Energética da Vida - O Sol e a Fotossíntese
A Fonte Energética da Vida - O Sol e a FotossínteseA Fonte Energética da Vida - O Sol e a Fotossíntese
A Fonte Energética da Vida - O Sol e a Fotossíntese
paulotmo
 
FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.
FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.
FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.
GETA - UFG
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
Elton Mendes
 
Atividade Ciências.docx
Atividade Ciências.docxAtividade Ciências.docx
Atividade Ciências.docx
MarcosGomesPereira
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
Geagra UFG
 
Calagem
CalagemCalagem
Reserva mineral do solo
Reserva mineral do soloReserva mineral do solo
Reserva mineral do solo
Sabrina Nascimento
 

Mais procurados (20)

Corretores da acidez superficial do solo
Corretores da acidez superficial do solo Corretores da acidez superficial do solo
Corretores da acidez superficial do solo
 
Estruturas das plantas
Estruturas das plantasEstruturas das plantas
Estruturas das plantas
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
ABC Como produzir melancia
ABC Como produzir melanciaABC Como produzir melancia
ABC Como produzir melancia
 
O solo: formação e tipos
O solo: formação e tiposO solo: formação e tipos
O solo: formação e tipos
 
Gladyston carvalho Tecnologias Aplicadas à Sustentabilidade da Cafeicultura
Gladyston  carvalho Tecnologias Aplicadas à Sustentabilidade da Cafeicultura Gladyston  carvalho Tecnologias Aplicadas à Sustentabilidade da Cafeicultura
Gladyston carvalho Tecnologias Aplicadas à Sustentabilidade da Cafeicultura
 
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCAApresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
 
Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Cilclo do cálcio
Cilclo do cálcioCilclo do cálcio
Cilclo do cálcio
 
Propriedades do Solo
Propriedades do SoloPropriedades do Solo
Propriedades do Solo
 
Fase clara da fotossíntese
Fase clara da fotossíntese Fase clara da fotossíntese
Fase clara da fotossíntese
 
A Fonte Energética da Vida - O Sol e a Fotossíntese
A Fonte Energética da Vida - O Sol e a FotossínteseA Fonte Energética da Vida - O Sol e a Fotossíntese
A Fonte Energética da Vida - O Sol e a Fotossíntese
 
FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.
FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.
FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
 
Atividade Ciências.docx
Atividade Ciências.docxAtividade Ciências.docx
Atividade Ciências.docx
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
Calagem
CalagemCalagem
Calagem
 
Reserva mineral do solo
Reserva mineral do soloReserva mineral do solo
Reserva mineral do solo
 

Semelhante a O solo

powerpoint-solo-100405103213-phpapp01.ppt
powerpoint-solo-100405103213-phpapp01.pptpowerpoint-solo-100405103213-phpapp01.ppt
powerpoint-solo-100405103213-phpapp01.ppt
RhuanPablo26
 
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º AnoOs solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
Fellipe Prado
 
Solo
SoloSolo
Solos
SolosSolos
Solos
genarui
 
Solo
SoloSolo
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
dela28
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Rodrigo Pavesi
 
Modulo 02 - O uso dos solos
Modulo 02 - O uso dos solosModulo 02 - O uso dos solos
Modulo 02 - O uso dos solos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Apresentação horta
Apresentação hortaApresentação horta
Apresentação horta
Carlaensino
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
Gilson Nachtigall
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Gilson Nachtigall
 
Solos
SolosSolos
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
AnaClaudiaHonorio
 
6 - Solos.pptx
6 - Solos.pptx6 - Solos.pptx
6 - Solos.pptx
Pedro681200
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Tipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas característicasTipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas características
philipe8
 
Solo...
Solo...Solo...
Solo...
Tânia Maria
 
Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011
UFES
 
Formação dos solos.docx
Formação dos solos.docxFormação dos solos.docx
Formação dos solos.docx
LUISDONIZETIDASILVA
 

Semelhante a O solo (20)

powerpoint-solo-100405103213-phpapp01.ppt
powerpoint-solo-100405103213-phpapp01.pptpowerpoint-solo-100405103213-phpapp01.ppt
powerpoint-solo-100405103213-phpapp01.ppt
 
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º AnoOs solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
 
Modulo 02 - O uso dos solos
Modulo 02 - O uso dos solosModulo 02 - O uso dos solos
Modulo 02 - O uso dos solos
 
Apresentação horta
Apresentação hortaApresentação horta
Apresentação horta
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
 
6 - Solos.pptx
6 - Solos.pptx6 - Solos.pptx
6 - Solos.pptx
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Tipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas característicasTipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas características
 
Solo...
Solo...Solo...
Solo...
 
Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011
 
Formação dos solos.docx
Formação dos solos.docxFormação dos solos.docx
Formação dos solos.docx
 

Mais de Romualdo Caetano Barros

Grandezas nas ciencias_da_natureza
Grandezas nas ciencias_da_naturezaGrandezas nas ciencias_da_natureza
Grandezas nas ciencias_da_natureza
Romualdo Caetano Barros
 
Identidade biologica cap_2
Identidade biologica cap_2Identidade biologica cap_2
Identidade biologica cap_2
Romualdo Caetano Barros
 
A natureza humana
A natureza humanaA natureza humana
A natureza humana
Romualdo Caetano Barros
 
Metodo cientifico (romualdo_caetano)
Metodo cientifico (romualdo_caetano)Metodo cientifico (romualdo_caetano)
Metodo cientifico (romualdo_caetano)
Romualdo Caetano Barros
 
Metodo cientifico (romualdo_caetano)_mazza
Metodo cientifico (romualdo_caetano)_mazzaMetodo cientifico (romualdo_caetano)_mazza
Metodo cientifico (romualdo_caetano)_mazza
Romualdo Caetano Barros
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)
Romualdo Caetano Barros
 
Planeta água (mazza)
Planeta água (mazza)Planeta água (mazza)
Planeta água (mazza)
Romualdo Caetano Barros
 
Orientações para avaliação livre cdb 2014
Orientações para avaliação livre cdb 2014Orientações para avaliação livre cdb 2014
Orientações para avaliação livre cdb 2014
Romualdo Caetano Barros
 
Orientações para avaliação livre cdb 2014
Orientações para avaliação livre cdb 2014Orientações para avaliação livre cdb 2014
Orientações para avaliação livre cdb 2014
Romualdo Caetano Barros
 
Energia termonuclear (c)
Energia  termonuclear (c)Energia  termonuclear (c)
Energia termonuclear (c)
Romualdo Caetano Barros
 
Hipocondria
HipocondriaHipocondria
Velocidade da luz
Velocidade da luzVelocidade da luz
Velocidade da luz
Romualdo Caetano Barros
 
A infinita variedade da vida
A infinita variedade da vidaA infinita variedade da vida
A infinita variedade da vida
Romualdo Caetano Barros
 
O que é um ser vivo
O que é um ser vivoO que é um ser vivo
O que é um ser vivo
Romualdo Caetano Barros
 
Eletrização de corpos (cap 1)
Eletrização de corpos (cap 1)Eletrização de corpos (cap 1)
Eletrização de corpos (cap 1)
Romualdo Caetano Barros
 
Material de apoio de ciências 8º Anos
Material de apoio de ciências 8º AnosMaterial de apoio de ciências 8º Anos
Material de apoio de ciências 8º Anos
Romualdo Caetano Barros
 
Capítulo 3
Capítulo 3Capítulo 3

Mais de Romualdo Caetano Barros (18)

Grandezas nas ciencias_da_natureza
Grandezas nas ciencias_da_naturezaGrandezas nas ciencias_da_natureza
Grandezas nas ciencias_da_natureza
 
Identidade biologica cap_2
Identidade biologica cap_2Identidade biologica cap_2
Identidade biologica cap_2
 
A natureza humana
A natureza humanaA natureza humana
A natureza humana
 
Metodo cientifico (romualdo_caetano)
Metodo cientifico (romualdo_caetano)Metodo cientifico (romualdo_caetano)
Metodo cientifico (romualdo_caetano)
 
Metodo cientifico (romualdo_caetano)_mazza
Metodo cientifico (romualdo_caetano)_mazzaMetodo cientifico (romualdo_caetano)_mazza
Metodo cientifico (romualdo_caetano)_mazza
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)
 
Planeta água (mazza)
Planeta água (mazza)Planeta água (mazza)
Planeta água (mazza)
 
Orientações para avaliação livre cdb 2014
Orientações para avaliação livre cdb 2014Orientações para avaliação livre cdb 2014
Orientações para avaliação livre cdb 2014
 
Orientações para avaliação livre cdb 2014
Orientações para avaliação livre cdb 2014Orientações para avaliação livre cdb 2014
Orientações para avaliação livre cdb 2014
 
Energia termonuclear (c)
Energia  termonuclear (c)Energia  termonuclear (c)
Energia termonuclear (c)
 
Hipocondria
HipocondriaHipocondria
Hipocondria
 
Velocidade da luz
Velocidade da luzVelocidade da luz
Velocidade da luz
 
A infinita variedade da vida
A infinita variedade da vidaA infinita variedade da vida
A infinita variedade da vida
 
O que é um ser vivo
O que é um ser vivoO que é um ser vivo
O que é um ser vivo
 
Eletrização de corpos (cap 1)
Eletrização de corpos (cap 1)Eletrização de corpos (cap 1)
Eletrização de corpos (cap 1)
 
Material de apoio de ciências 8º Anos
Material de apoio de ciências 8º AnosMaterial de apoio de ciências 8º Anos
Material de apoio de ciências 8º Anos
 
Capítulo 3
Capítulo 3Capítulo 3
Capítulo 3
 

Último

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

O solo

  • 2. O solo: formação e tipos Prof. Romualdo Caetano Ciências Biológicas
  • 3. • Durante a formação da terra, que ocorreu há bilhões de anos, a superfície não tinha o aspecto atual. Ao longo de milhões de anos, sofreram a ação de agentes naturais, essas alterações, que ainda Introdução
  • 4. •Choque térmico •Água •Seres vivos Agentes naturais responsáveis pela alteração das rochas: Prof. Romualdo Caetano Ciências Biológicas
  • 5. Magmáticas ou ígneas Sedimentares Metamórficas TIPOS DE ROCHAS Prof. Romualdo Caetano Ciências Biológicas
  • 7. O solo é a camada mais superficial (mais externa) da crosta, é composto por sais minerais dissolvidos, seres vivos e rochas em decomposição. Prof. Romualdo Caetano Ciências Biológicas
  • 8. COMPONENTES DO SOLO • Partículas minerais como: • Areia • Silte • Argila • Água e ar • Material orgânico Prof. Romualdo Caetano Ciências Biológicas
  • 12. TIPOS DE SOLOS • Arenoso • Argiloso • Humífero • Calcário Tipos de solo Prof. Romualdo Caetano Ciências Biológicas
  • 13. ARENOSO Solo com 70% de areia. É muito seco, pois é muito permeável à água (retém pouca água).
  • 14. ARGILOSO Solo com mais de 30% de argila em sua composição. Também conhecido como barro. É pouco permeável (retém muita água).
  • 15. HUMÍFERO Também conhecido como “terra preta” ou “terra roxa”. É rico em húmus (matéria orgânica em decomposição) e por isso, é muito fértil.
  • 16. CALCÁRIO Solo rico em calcário. Utilizado na fabricação de giz, cal, cimento e na fertilização de solos.
  • 17. CALAGEM Adicionar cal em solos muito ácidos.
  • 19. ALTERAÇÃO DAS ROCHAS Existem formações rochosas que, com o decorrer dos tempos, vão adquirindo formas invulgares, mais pare – cendo estranhas esculturas. Prof. Romualdo Caetano Ciências Biológicas
  • 20. OS AGENTES EROSIVOS As rochas, embora sejam bastante resistentes, sofrem a acção de diversos factores do meio, o que lhes provo – ca muitas alterações. Prof. Romualdo Caetano Ciências Biológicas
  • 21. As alterações das rochas demoram muito anos a ocorrer, por isso é mui- to difícil apercebermo-nos delas. Ao conjunto de alterações e destruição das rochas damos o nome de erosão.
  • 22. Agentes erosivos  a água  o vento  a temperatura  os seres vivos
  • 23.  À medida que o tempo passa, vai sendo acrescentado ao solo jovem restos de plantas e animais mortos. Estes restos, tam- bém chamados matéria orgânica, vão-se misturando com o so- lo jovem, que vai sofrendo diversas transformações até se tor- nar num solo maduro.
  • 24. Rocha MÃE Horizonte C Horizonte B Horizonte A Ho ri zon te OO solo maduro apresenta normalmente, diversas camadas a que chamamos Horizontes. A-- Tem cor escura devido à presença de Húmus. O-- Formado por restos de plantas e de animais. B-- Tem uma cor mais clara. Formado por fragmentos pequenos de rocha. C-- Formado por fragmentos de rocha não alterada.
  • 26. As minhocas, caracóis, toupeiras, formigas e outros seres macros – cópicos abrem galerias que per – mitem uma melhor penetração do ar e da água.  Os seres vivos microscópicos de- compõem os restos de animais e plantas, originando o húmus, que é a matéria orgânica muito trans- formada. Muito lentamente, as bactérias ao alimentarem-se do húmus, trans – formam-no em sais minerais que são o alimento das plantas verdes. Prof. Romualdo Caetano Ciências Biológicas
  • 27. Já sabes que num solo existe uma parte orgânica e uma parte mineral. Os principais constituintes da parte mineral são:  a areia  a argila  o calcário Solo arenoso Solo argiloso Solo calcário TIPOS DE SOLOTIPOS DE SOLO
  • 28. PROPRIEDADES DOS SOLOS Os solos não são todos iguais. A diversidade dos solos depende dos materiais que os constituem, dando-lhes, assim, diferentes propriedades. Uma importante propriedade dos solos é a permeabilidade. Permeabilidade Maior ou menor capacidade que os solos têm de se deixarem atravessar pela água. Solo permeável Solo impermeável
  • 29. CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Solo arenoso Formado por grande quantidade de areia, muito leve e permeável. Não servem para a agricultura. Formado por argila. Esta retém muita água, encharcando o solo e tornando-o impermeável. Muito difíceis de traba– lhar, abrindo fendas quando secam. Solo argiloso
  • 30. Rosa Maria Vieira Silva Pereira CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Solo calcário Formado essencialmente por calcário, e muito pobres em matéria orgânica. Solo muito permeável e, por isso fá– ceis de trabalhar. Solo francoFormado por uma mistura de areia, argila e matéria orgânica. Retém bem a água, sem ficarem encharcados. É considerado um solo semipermeável e muito bom para a agricul – tura.
  • 31.  Quando o solo é pobre em substâncias minerais e orgânicas, deve-se fazer a adubação com pro- dutos químicos ou com estrume. Adubos químicos Estrume Prof. Romualdo Caetano Ciências Biológicas
  • 32.  Quando o solo é muito compacto, é necessário me- lhorá-lo, através da cava, da sacha e da lavra. Lavra Lavra Sacha
  • 33. Quando o solo não tem a água necessária para o de- senvolvimento das culturas ou, pelo contrário, a tem em excesso, melhora-se a produtividade recorrendo, respectivamente, à irrigação e à drenagem. Irrigação Drenagem
  • 34. Os solos são indispensáveis à vida na Terra, mas correm inúmeros riscos. Além da erosão, provocada pelos agentes naturais, o solo é, tam- bém, constantemente agredido pela acção humana. Fendas provocadas pela erosão O fogo Lançamento de pesticidas
  • 35. O abate de árvores conduz à desflores- tação e facilita a erosão do solo. Os lixos contribuem para a degradação dos solos.
  • 36. CONSERVAÇÃO DO SOLO Ao ter-se consciência dos perigos da destruição do solo, começam a tomar-se medidas para o conservar. EVITAR A POLUIÇÃO DO SOLO A–Impedir a formação de lixeiras Actualmente, já existem fábri- cas de tratamento de lixos que os transformam em fertilizan – tes.
  • 37. CONSERVAÇÃO DO SOLO B-Evitar o uso excessivo de pesticidas A agricultura biológica pre- tende manter a fertilidade dos solos, por meios natu – rais. Prof. Romualdo Caetano Ciências Biológicas
  • 38. CONSERVAÇÃO DO SOLO EVITAR A EROSÃO DO SOLO A- Cultivar em socalcos Os socalcos são degraus feitos nas encostas e evitam que o so- lo seja facilmente arrastado pe– las águas. Prof. Romualdo Caetano Ciências Biológicas
  • 39. CONSERVAÇÃO DO SOLO B- Plantar árvores As raízes das plantas fi- xam as partículas do solo, evitando que sejam arras- tadas. C- Adequar as culturas ao tipo de solo Cada tipo de planta tem exigências próprias, devendo, por isso,ser cul- tivada num terreno adequado.
  • 40. CONSERVAÇÃO DO SOLO A rotação de culturas consiste em alternar, no mesmo terreno, dife- rentes culturas numa sequência adequada. D-Adaptar as culturas ao tipo de solo Prof. Romualdo Caetano Ciências Biológicas