SlideShare uma empresa Scribd logo
Estrutura do planeta Terra, rochas
e solos
• Nos dias atuais, possuímos muitas informações
sobre o nosso planeta.
• Essas informações provêm de explorações,
investigações científicas, imagens de satélites,
entre outras fontes.
• A partir dessas informações, fomos capazes de
conhecer certas propriedades e características
do planeta Terra.
O planeta por dentro e por fora
Cientistas estudando a Terra
Geólogos Cientistas estudando os minerais
Vulcanólogos
Características da Terra
• É o único planeta conhecido que possui
atmosfera com boa quantidade de gás
oxigênio, uma temperatura média de 15ºC e
água no estado líquido, fatores que permitem
a existência de vida na forma como a
conhecemos.
• Atmosfera: camada de gases e partículas que circundam o
planeta
• A atmosfera da Terra é constituída principalmente pelos
gases nitrogênio e oxigênio, fundamentais para a existência
da vida.
• O nitrogênio está presente em diversas substâncias nos
organismos
• O gás oxigênio é indispensável no processo de respiração
de diversos seres vivos
Características da Terra
Características da Terra
• A temperatura média de 15ºC se deve à distância que a
Terra tem do Sol e à presença de gases na atmosfera que
promovem o efeito estufa.
• Essa temperatura e suas pequenas variações permitem que
a água ocorra nos estados sólido, líquido e gasoso,
possibilitando a ocorrência do ciclo da água.
Características da Terra
Temperaturas no planeta Terra ao longo dos meses
Efeito estufa, temperatura e estados
físicos da água
Temperatura e estados físicos da água
Temperatura: medida da
movimentação das moléculas
Quanto mais rápido as moléculas se movimentam, maior é a temperatura
Quanto mais devagar as moléculas se movimentam, menor é a temperatura
• Possui um satélite natural, a Lua,
relativamente grande se comparado com
o tamanho do planeta.
• A Lua é responsável pelo fenômeno das
marés nos oceanos.
Características da Terra
A Lua e as marés
• Por que acontecem terremotos e erupções vulcânicas?
O planeta por dentro e por fora
• O que existe dentro da Terra?
O vulcão Etna, no sul
da Itália, em
erupção.
ALESSANDROSAFFO/GRANDTOR/CORBIS/LATINSTOCK
14
INGERBORGASBACH/ARQUIVODAEDITORA
A Terra pode ser dividida em três partes: a crosta, o manto e o núcleo.
O interior da TerraGARYHINKS/SCIENCEPHOTOLIBRARY/LATINSTOCK
manto
(parte superior) (parte inferior)
núcleo
interno
núcleo
externo
crosta
fragmentos
derocha
solorochamatriz
15
O interior da Terra
Manto: formado por rochas derretidas (magma) em sua porção mais interna e
por uma porção superior mais rígida.
Núcleo: formado por uma parte líquida (núcleo externo) e uma parte sólida
(núcleo interno). É constituído principalmente por níquel e ferro.
ADILSONSECCO/ARQUIVODAEDITORA
crosta
manto
(parte
superior)
litosfera
núcleo externo
núcleo interno
crosta
manto
Crosta: camada superficial, formada principalmente pelo solo e por rochas.
17
Litosfera: camada superficial de rochas do planeta (100 km de espessura)
Astenosfera: abaixo da litosfera, é mais pastosa (se estende até 700 km)
Crosta continental e crosta oceânica
Crosta oceânica
Manto superior
Crosta
continental
Os continentes em movimento
• Fósseis idênticos já
foram encontrados em
continentes diferentes.
Ao longo da história da Terra, os continentes se movimentaram.
ADAPTADODE:THEREDISCOVERY
OFEARTH,L.MOTZ/INGEBORG
ASBACH/ARQUIVODAEDITORA
• Os contornos de alguns continentes parecem se encaixar, como em um
quebra-cabeça.
• Rochas encontradas nos
planaltos brasileiros e
africanos são muito
parecidas.
19
A ideia de que a crosta da Terra é formada por placas em movimento é
conhecida como tectônica global ou tectônica de placas.
A litosfera está dividida em várias placas de rocha sólida, chamadas de placas
tectônicas, sobre as quais estão os continentes e o fundo dos oceanos.
Placas tectônicas
Adaptadode:IBGE.Atlasgeograficoescolar.RiodeJaneiro,2009.
20
Placas tectônicas
Adaptadode:IBGE.Atlasgeograficoescolar.RiodeJaneiro,2009.
Os continentes acompanham esse movimento em um processo chamado de
deriva continental.
O calor que vem do núcleo esquenta o manto, criando correntes que
movimentam as placas tectônicas.
GARYHINCKS/SCIENCEPHOTOLIBRARY
ADILSONSECCO/
ARQUIVODAEDITORA
correntes
no manto
22
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Deriva continental
Será que a América do Sul e a África já
estiveram ligadas, formando um só bloco,
num passado distante?
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Formação da cordilheira
dos Andes:
colisão da Placa de
Nazca com a Placa
Sulamericana
Intensa atividade
vulcânica, formação da
dorsal Mesoatlântica e
separação das Placas
Sulamericana e Africana
Movimentos das placas tectônicas
ESQUEMACRIADOPELOAUTORCOMBASEEMFONTES
DIVERSAS/INGEBORGASBACH/ARQUIVODAEDITORA
placa
Euro-Asiática
placa Indo-Australiana
As placas se aproximam: a placa da Índia
penetra por baixo da placa da Ásia, empurra esta
última para cima e forma as montanhas do
Himalaia.
Quando duas placas se chocam, suas margens podem ser comprimidas e
erguidas, originando cadeias de montanhas (cordilheiras), como os Andes,
os Alpes e o Himalaia.
O choque entre as placas une a Índia e a Ásia. Nos
dias de hoje, as montanhas do Himalaia continuam
a aumentar cerca de 5 mm por ano, o que mostra
que as placas ainda estão em movimento.
Cadeia de montanhas
28
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Os terremotos
Geralmente ocorrem nos
pontos de contato entre duas
placas tectônicas: o contato
entre placas pode liberar
energia, desencadeando
ondas sísmicas.
Os tremores ou vibrações da superfície da Terra são chamados de terremotos.
GARYHINCKS/SCIENCEPHOTOLIBRARY
30
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
A velocidade das ondas diminui à medida que elas se aproximam da costa,
mas sua altura aumenta (podem atingir mais de 30 metros de altura).
Os movimentos da crosta sob os oceanos podem deslocar enormes massas de
água e provocar ondas gigantescas: os tsunamis ou maremotos.
ADILSOONSECCO/ARQUIVODAEDITORA
ondas a
800 km/h
ondas a
50 km/h
Ao se aproximar
da costa,
formam-se
ondas gigantes.
Um terremoto faz tremer o
fundo do mar.
ponto de encontro
das placas
Esse fenômeno desloca para a superfície
uma grande massa de água.
32
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Tsunamis
DAVIDA.HARDY/SCIENCEPHOTOLIBRARY
Os vulcões geralmente se formam quando
uma placa desliza sobre outra e o atrito
aquece e derrete a rocha.
Após ser expelido, o magma passa a ser
chamado de lava.
ADILSONSECCO/ARQUIVODAEDITORA
Os vulcões
Erupções:
A pressão no interior da Terra empurra o
magma, que é expelido junto com gases e
vapor de água através de rupturas na
crosta.
cratera
lava
rocha ígnea
(lava que esfriou)
vapores
e cinzas
saída de
magma
reservatório
de magma
35
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Compare os mapas com as regiões de ocorrência de terremotos e vulcões.
Por que há tantas regiões coincidentes entre eles?
Adaptadode:IBGE.Atlasgeográficoescolar.RiodeJaneiro,2009.
Regiões mais sujeitas a terremotos
39
Áreas com ocorrências de vulcões
Compare os mapas com as regiões de ocorrência de terremotos e vulcões.
Por que há tantas regiões coincidentes entre eles?
Adaptadode:IBGE.Atlasgeográficoescolar.RiodeJaneiro,2009.
40
Rochas e minerais
• Quantos tipos diferentes
de rochas existem?
A Taça, rocha
em Vila Velha
(PR).
• De que são feitas as
rochas? Como elas
se formaram?
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
41
É possível identificar um mineral por suas propriedades: cor, dureza,
transparência, brilho.
As rochas são formadas por minerais, substâncias químicas sólidas e,
geralmente, de origem inorgânica.
Os minerais são formados por cristais.
Cristais de galena.
JOSÉMANUELSANCHISCALVETE/CORBIS/LATINSTOCK 42
As rochas
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
quartzo feldspato mica
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
SCIENTIFICA/VISUALSUNLIMITED/
CORBIS/LATINSTOCK
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
A maioria das rochas é formada por vários tipos de minerais.
granito
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
44
Tabela com a proporção de alguns
minerais na crosta terrestre
Minérios
• Minérios são minerais dos quais se extrai alguma substância para uso
industrial.
• A mineração provoca intenso impacto ao
meio ambiente, porque desloca grandes
volumes de terra, altera o relevo, polui e
muda o traçado dos cursos de água, esgota
recursos naturais, ameaça plantas, animais e
até mesmo populações humanas.
Quando misturada com água, a argila
pode ser moldada e aquecida,
originando um material duro e resistente
ao calor: a cerâmica.
PHONPROM/OHOI/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES
A argila
A argila é um material resultante da
desintegração, por ação da água da chuva,
de algumas rochas que contêm feldspato.
HOMYDESIGN/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGESANTONBALAZH/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES
47
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
As rochas são agrupadas em três tipos, de acordo com a maneira como são
formadas na natureza:
Rochas sedimentares
Rochas magmáticas ou ígneas
Rochas metamórficas
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
48
Tipos de rochas
Rochas magmáticas
São formadas a partir da lava (proveniente das erupções de vulcões) que
esfria e se torna sólida, ou a partir do magma dentro da crosta terrestre.
Formam a maior parte da crosta terrestre, e se encontram geralmente abaixo
do solo ou de camadas de outros tipos de rochas.
Granito, usado
em esculturas e
bancadas de pia.
FABIOCOLOMBINI/ACERVO
DOFOTÓGRAFO
JOEGOUGH/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES
Basalto, usado
em calçadas e
construções.
FABIOCOLOMBINI/ACERVO
DOFOTÓGRAFO
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
Exemplos de rochas magmáticas:
49
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Solidificação da lava vulcânica ou do magma > rochas ígneas ou magmáticas
Rochas sedimentares
• Rochas sedimentares são formadas pelo acúmulo de sedimentos
de outros materiais.
Rochas sedimentares
Tudo isso leva
milhares ou até
milhões de anos para
acontecer e continua
ocorrendo enquanto a
rocha existir.
ADILSONSECCO/
ARQUIVODAEDITORA
Chuva, vento e outros agentes de intemperismo
desgastam as rochas e carregam os fragmentos...
... que se depositam em mares e
depressões de terrenos.
O peso das camadas de cima comprime as
de baixo, e a água transforma os minerais:
assim se formam as rochas sedimentares.
camada
de rocha
sedimentar
53
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Fases da formação de rochas sedimentares
• Intemperismo é a desintegração ou decomposição das
rochas devido à ação de agentes como a água e o vento,
que as enfraquecem e as fragmentam.
• Erosão é o processo pelo qual sedimentos criados a partir
das rochas que sofreram intemperismo são removidos e
transportados pelo vento, pelo fluxo de água ou pelo
movimento de geleiras.
• Deposição é o estágio em que as partículas erodidas cessam
sua migração e são depositadas na forma de camadas
horizontais, em regiões mais baixas, como as bacias
sedimentares ou o leito dos oceanos.
Fósseis
• Fósseis são formados por restos de organismos vivos ou vestígios
de sua passagem por um determinado local.
• As rochas sedimentares, devido ao modo como se formam,
constituem o suporte ideal para a formação de fósseis.
• A sedimentação precisa ser
rápida e sem a presença de gás
oxigênio para que o organismo não
seja destruído completamente pela
decomposição.
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
• Quando um animal morre e seu corpo (ou parte dele) afunda, os
sedimentos trazidos pela água se depositam rapidamente e enterram
o corpo.
• O fluxo contínuo de água trazendo minerais dissolvidos vai, aos
poucos, substituindo a matéria que formava o organismo por
minerais. Assim, o corpo fica mineralizado, com aspecto petrificado.
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
Exemplos de rochas sedimentares:
Arenito formado por grãos de quartzo.
Argilito formado pelo depósito de grãos de argila.
Calcário formado pelo depósito de sais de cálcio.
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
60
São formadas a partir da
transformação (metamorfose) de
rochas magmáticas ou sedimentares.
Intensas pressões ou elevadas
temperaturas levam a uma mudança na
organização dos minerais da rocha, ou a
uma transformação dos próprios minerais.
Rochas metamórficas
O mármore, usado na fabricação
de estátuas, pisos e pias, é uma
rocha metamórfica.
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
61
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
O gnaisse e a ardósia também são rochas metamórficas, formadas a partir do
granito e do argilito, respectivamente.
Amostras de ardósia.
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
Ardósia cortada em placas para
uso em revestimentos e pisos.
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
O Pão de Açúcar (RJ) é uma formação de gnaisse.
GENPRODUCTIONS/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES
63
O ciclo das rochas
Uma rocha, ao longo de muito tempo, pode se transformar em outra, que se
transforma em outra, que se transforma em outra...
ADILSONSECCO/
ARQUIVODAEDITORA
fusão
Alta temperatura
e pressão
Intemperismo
e compressão
Resfriamento
e solidificação
Alta
temperatura
e pressão
FABIOCOLOMBINI/ACERVO
DOFOTÓGRAFO
rocha sedimentar
FABIOCOLOMBINI/ACERVO
DOFOTÓGRAFO
rocha magmática
DIRKWIERSMA/SCIENCE
PHOTOLIBRARY/
LATINSTOCK
rocha metamórfica
64
Cuidando do solo
• Quais são os componentes do solo?
• Como ele deve ser preparado e cuidado para a agricultura?
SHESTAKOFF/SHUTTERSTOCK/
GLOWIMAGES
ECOPRINT/SHUTTERSTOCK/
GLOWIMAGES
JAKRITJIRARATWARO/SHUTTERSTOCK/
GLOWIMAGES
DARRYLVEST/SHUTTERSTOCK/
GLOWIMAGES
65
A formação do solo
As rochas expostas a variações de
temperatura, ação da chuva, do vento, do
gelo, das águas dos rios e das ondas do
mar são aos poucos fragmentadas e
transformadas em solo.
O solo se formou, lentamente, pela ação do
intemperismo.
INGERBORGASBACH/ARQUIVODAEDITORA
fragmentos
derocha
solorochamatriz
66
O que existe no solo?
Húmus: restos de organismos mortos
decompostos por bactérias e fungos.
Parte orgânica:
•Organismos vivos
•Restos de plantas e animais
•Outros organismos mortos
Parte mineral:
•Grãos minerais, classificados quanto
ao tamanho em argila, silte e areia
•Água e ar
KENNETHW.FINK/PHOTORESEARCHERS,INC./LATINSTOCK
67
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Por baixo da camada superficial do solo encontram-se fragmentos de rochas.
Abaixo dessas camadas de fragmentos encontra-se a rocha que deu origem ao
solo – a rocha matriz.
bactérias e outros organismos microscópicos
rocha matriz
HIROESASAKI/ARQUIVODAEDITORA 69
Etapas da formação de um solo
Etapas da formação de um solo
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Os tipos de solo
Fatores que determinam o tipo de solo:
•tipo de rocha matriz
•clima da região
•quantidade de matéria orgânica
•vegetação
•tempo de formação
•velocidade de escoamento da água
A velocidade de escoamento da água (permeabilidade) afeta a fertilidade do
solo porque influencia na quantidade de sais minerais disponíveis.
EFIRED/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES
73
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Camadas do solo de um ambiente úmido
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Horizontes do solo
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Solos arenosos
•Teor de areia igual ou superior a 70%
•Muito permeáveis
•Geralmente pobres em nutrientes
Classificação dos solos de acordo com a proporção entre as partículas de
areia, argila e silte:
Solos argilosos
•Contêm de 35% a 60% de argila
•Menos permeáveis que os solos arenosos
•Retêm mais nutrientes
KIM-IR-SEM/ARQUIVODAEDITORAFABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
80
Classificação dos solos de acordo com a sua composição:
Solos humosos ou humíferos
•Há predominância de material
orgânico
• Maior retenção de água
• Boa circulação de ar
• A decomposição de organismos
produz os sais minerais
necessários às plantas
Solos minerais
Há predominância de material mineral.
MAURITIUS/MAURITIUS/LATINSTOCK
81
Para preservar o solo e garantir boas colheitas são necessários certos
procedimentos:
Arando a terra
Arar significa remexer a terra até
que o solo fique fofo e poroso,
permitindo a entrada do ar e
da água.
Neutralizando a acidez
A calagem (aplicação de calcário)
reduz a acidez do solo e aumenta a
quantidade de cálcio e magnésio,
melhorando a qualidade do solo.
JOELROCHA/ARQUIVODAEDITORA
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
82
Adubação
Muitas vezes, a adubação inorgânica e a orgânica se complementam.
É necessária após muitas colheitas, para repor os minerais que as plantas
retiram do solo.
SAULOMAZZONI/ARQUIVODAEDITORA
Adubação orgânica: restos de vegetais, farinha de ossos e estrume de
animais, que se transformam em húmus.
Adubação mineral ou inorgânica: fertilizantes químicos.
83
As minhocas
Ao abrirem caminho, tornam o solo
mais poroso e arejado.
Suas fezes produzem uma parte do
húmus.
As leguminosas
Em suas raízes vivem bactérias
capazes de absorver nitrogênio do ar e
transformá-lo em sais de nitrogênio, que
podem ser absorvidos pelas plantas.
D.KUCHARSKI&K.KUCHARSKA/SHUTTERSTOCK/
GLOWIMAGES
ROBERTPICKETT/CORBIS/LATINSTOCK
84
A quantidade adequada de água
Cultivo de arroz em área irrigada. Canal de drenagem em área de várzea.
Em regiões secas, muitas vezes é necessário regular o suprimento de água
utilizando a irrigação.
ANAARAÚJO/ARQUIVODAEDITORA
JULIOBERNARDES/ARQUIVODAEDITORA
Outras vezes é preciso retirar a água que está em excesso por meio de valas
ou canais de drenagem.
85
A erosão do solo
A cobertura vegetal protege o solo contra a erosão:
• diminuição do impacto da água sobre a superfície do solo
• proteção contra o calor do Sol e contra os ventos
• raízes ajudam a segurar as partículas do solo
O impacto das chuvas e dos ventos, entre outros fatores, provoca a
desagregação do solo; partículas são removidas e transportadas para
outros lugares.
R-P/KINO.COM.BR
86
1. A vegetação natural protege o solo
contra a ação dos ventos, do sol e
das enxurradas.
2. O desmatamento facilita o início da erosão:
chuvas e ventos carregam a camada superficial
do solo, empobrecendo-o.
3. O solo é atingido pelos raios solares. Os
ventos e as chuvas intensificam a erosão.
4. O solo fica parecido com o de um deserto e,
portanto, não oferece condições para a agricultura.
HIROESASAKI/ARQUIVODA
EDITORA
Etapas do processo de erosão
87
Sem a cobertura vegetal, as encostas dos morros correm mais risco de
desmoronar, provocando desabamentos de terra com graves consequências.
Deslizamento de terra em Nova Friburgo, no Rio de Janeiro (2011).
MARCOSDEPAULA/AGÊNCIAESTADO
88
Existem técnicas de cultivo que diminuem a erosão do solo.
Rotação de culturas
ALFREDONAGIBFILHO/FOLHAPRESS
YUXIANGQUAN/XINHUAPRESS/
CORBIS/LATINSTOCK
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
Cultura em terraços Curvas de nível
89
Queimadas
• A perda de matéria orgânica deixa
o solo mais exposto à erosão
Além do problema do desmatamento,
o fogo destrói os microrganismos que
fazem a reciclagem do solo.
IMASTER/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES
• As queimadas liberam na
atmosfera gases que poluem o
ar e prejudicam a saúde humana
90
Agrotóxicos
Consequências negativas:
•Podem eliminar insetos úteis
•Podem surgir populações resistentes
ao agrotóxico
•Quando não aplicados na quantidade
e no tempo certos, podem causar problemas
à saúde humana
Alternativa: manejo integrado de pragas
Agrotóxicos ou defensivos agrícolas são
produtos utilizados para combater pragas
que atacam as plantações.
RICARDOAZOURY/PULSARIMAGENS
91
O solo e a nossa saúde
• tétano
• toxoplasmose
• lombriga
• ancilostomose
Higiene pessoal e saneamento básico são
fundamentais para evitar problemas de saúde!
O solo pode ser contaminado onde
não há tratamento de água ou coleta
adequada de esgoto e lixo.
Várias doenças são causadas por
bactérias e outros microrganismos
presentes no lixo e nas fezes
humanas, de cães e gatos.
Exemplos:
WILTONJUNIOR/AGÊNCIAESTADO
92
• Por que a reciclagem do lixo é importante?
O lixo
• Para onde vai o lixo recolhido das casas e das indústrias?
Lixo nas margens do rio Anil, em São Luís (MA).
BAÊTA/OIMP/D.A.PRESS
93
As prefeituras são responsáveis pela limpeza pública. Isso inclui:
transmissão de doenças e contaminação do ambiente por
produtos tóxicos.
O destino do lixo
Mas para onde vai o lixo?
• destinação do lixo• coleta e transporte do lixo
Lixões são terrenos onde o lixo fica amontoado ao ar livre sem
nenhum cuidado.
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
94
O aterro sanitário
• protege a água dos rios e o lençol freático
• impede a propagação do mau cheiro e a reprodução de ratos, insetos e
outros animais
• se for bem construído, não polui o ambiente
Vantagens:
trator argila e
concreto
camada
de lixo camada
de terra
entulho
LUÍSMOURA/ARQUIVODAEDITORA
95
O aterro sanitário é muito diferente do lixão, porém também apresenta
algumas desvantagens:
• necessita de áreas muito grandes
• sua capacidade é limitada:
vida útil de cerca de 20 anos
• custa mais caro que o lixão
SOFIACOLOMBINI/ACERVODA
FOTÓGRAFA
96
Incineração é a queima do lixo em
equipamentos que funcionam em alta
temperatura.
• porém, certos componentes do lixo
produzem gases tóxicos ao serem
queimados
Depois da queima do lixo, os resíduos
podem ser encaminhados para os
aterros sanitários ou para a reciclagem.
A incineração
• reduz o volume de resíduos
• destrói os organismos que causam
doenças
JOTACORREIA/ANGULAR
97
A compostagem
compostagem matéria orgânica
adubo
(composto)
Além do adubo, a decomposição do lixo
orgânico produz gases que podem ser
aproveitados como combustíveis.
O lixo orgânico é triturado e levado para
equipamentos que aceleram o processo
de decomposição.
ROOSEVELTCÁSSIO/FOLHAPRESS
98
Reciclagem é o processo de transformação química para o
reaproveitamento de certos materiais do lixo.
• gera trabalho formal e
informal
Cerca de 30% do lixo doméstico pode ser reciclado!
Vantagens
A reciclagem
• evita a poluição do solo
e da água
• diminui o volume de lixo
LUCASLACAZRUIZ/FOLHAPRESS
99
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Mesmo que a cidade onde você mora não tenha coleta seletiva, separe o lixo
em dois recipientes: os recicláveis (papéis, plásticos, vidros e metais) e os
não recicláveis (restos de comida).
A reciclagem não é suficiente para
resolver o problema do lixo: é preciso
também reduzir o consumo e evitar
o desperdício!
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
CASADETIPOS/ARQUIVODAEDITORA
101
Consciência e ação!
O acúmulo de lixo pode
causar problemas, como
as enchentes.
Não jogue fora roupas, brinquedos e utensílios que ainda possam ser
reaproveitados.
Evite produtos
descartáveis.
Não jogue lixo nas
praias e ruas.
Pequenas mudanças de atitude em nosso dia a dia podem fazer a diferença:
ALMEIDAROCHA/FOLHAPRESS
102
Reutilize papéis para rascunho e anotações.
Economize energia.
Procure informações sobre
programas de reciclagem
em sua cidade.
Pilhas e baterias usadas devem ser
entregues em postos de coleta
especializados ou aos fabricantes.
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
OLIVIERLEQUEINEC/
SHUTTERSTOCK/GLOW
IMAGES
SOFIACOLOMBINI/ACERVO
DAFOTÓGRAFA
FABIOCOLOMBINI/ACERVODO
FOTÓGRAFO
103
Nossos recursos naturais
Recursos naturais são recursos obtidos da natureza e usados para construir o
mundo ao nosso redor.
• Quais as fontes de energia que nossa
sociedade consome?
• O que são minérios e onde eles são
empregados?
ALIPIOZ.DASILVA/KINO.COM.BR
FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO
104
Os minerais a partir dos quais são produzidos os metais e outros produtos são
chamados de minérios.
Jazidas autorizadas pelo governo para
exploração são chamadas de minas, e a
atividade de exploração é a mineração.
Depósitos naturais de minérios são
chamados de jazidas.
Minerais e minérios
RICARDOAZOURY/PULSARIMAGENS
Hematita
FABIOCOLOMBINI/
ACERVODOFOTÓGRAFO
105
Os metais e seus produtos
minério metal
As indústrias metalúrgicas que
trabalham na produção do ferro
e do aço são chamadas de
indústrias siderúrgicas.
Os metais podem ser misturados, formando ligas, que têm propriedades
superiores às dos metais puros.
ANDRÉPENNER/ARQUIVODAEDITORA
106
• usado em construções,
ferramentas, carros,
navios, fogões, etc.
• usado na confecção de medalhas
e estátuas
Aço
• liga formada por ferro e carbono
Bronze
• liga formada por bronze e estanho
ANACAROLINAFERNANDES/FOLHAPRESS
RD/SHUTTERSTOCK/
GLOWIMAGES
OLGAUTLYAKOVA/
SHUTTERSTOCK/GLOW
IMAGES
SHOT2DESIGN/
SHUTTERSTOCK/GLOW
IMAGES
107
Cobre: bom condutor de
eletricidade, obtido de vários
minérios, como a calcopirita.
Estanho: obtido da cassiterita,
ajuda a prevenir a corrosão.
Chumbo: metal obtido
principalmente da galena.
Alumínio: metal leve e maleável
obtido da bauxita.
FABIOCOLOMBINI/ACERVODO
FOTÓGRAFO
CHARLESD.WINTERS/PHOTO
RESEARCHERS,INC./LATINSTOCK
FABIOCOLOMBINI/
ACERVODOFOTÓGRAFO
CLAUDIOPEDROSO/ANGULAR
INDIANSTOCKIMAGES/SHUTTERSTOCK/
GLOWIMAGES
108
Combustíveis fósseis se originam da transformação de corpos de organismos
que viveram há milhões de anos e são queimados para fornecer energia.
Partes de plantas foram soterradas e, ao longo de milhões de anos,
transformaram-se em carvão mineral.
Combustíveis fósseis
Pressãoetemperatura
Floresta soterrada
Carvão mineral
ESQUEMACRIADOPELOAUTORCOMBASEEMFONTESDIVERSAS/
INGEBORGASBACH/ARQUIVODAEDITORA
109
O petróleo origina-se da transformação de organismos microscópicos
depositados no leito dos mares.
Nesse processo também ocorre a formação de gás natural.
DOUGLASP.WILSON/FRANKPICTURE
AGENCY/CORBIS/LATINSTOCK
mar
leito
seres
microscópicos
ILUSTRAÇÕES:INGEBORGASBACH/
ARQUIVODAEDITORA
seres microscópicoslama
petróleo
110
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Pode ser usado
também como matéria-prima
para a fabricação de vários
produtos, como tinta,
plástico e detergentes.
Um dos problemas do uso de
combustíveis fósseis é a
liberação de gases que
poluem a atmosfera durante a
sua queima.
O petróleo extraído é transportado para refinarias, onde são feitas a separação
e a purificação de seus componentes.
torre de
extração
de gásreservatório
torre de
extração de
petróleo
gás natural petróleo
água
ADILSONSECCO/ARQUIVODAEDITORA
114
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Minerais, petróleo e carvão mineral levam milhões
de anos para se formar.
Devido à velocidade de consumo, esses recursos
correm o risco de acabar, sem a chance de
reposição pela natureza.
Plantas e animais consumidos pelo homem podem
ser repostos em seus ciclos naturais, possibilitando
seu uso permanente.
Ainda assim, seu consumo não deve ser mais
rápido do que a sua reposição.
Recursos naturais não renováveis
Recursos naturais renováveis
117
Energia hidrelétrica: principal fonte de energia elétrica no Brasil.
Usinas hidrelétricas podem
provocar muitas alterações
ambientais e contribuir para a
extinção de seres vivos.
As fontes renováveis de energia
Quedas-d’água são formadas
nas barragens construídas pelo
ser humano.
A água, ao cair, faz girar turbinas e
gera eletricidade.
DILERMANDOCABRALJR./ARQUIVODAEDITORA
Barragem da usina hidrelétrica
de Tucuruí (PA).
118
Energia de biomassa: queima de matéria
proveniente de organismos vivos, como lenha,
matéria orgânica do lixo, etc.
Energia eólica: produzida
pelos ventos, que fazem
girar hélices, gerando
energia elétrica.
Energia solar: a energia solar captada por
placas metálicas gera correntes elétricas.
RODRIGOBALEIA/FOLHAPRESS
RODRIGOBALEIA/FOLHAPRESS
O vento gira as pás
O gerador transforma
os movimentos das
pás em energia
elétrica
119
Energia geotérmica: o calor armazenado nas rochas subterrâneas e no
manto da Terra é utilizado na produção de energia.
Instalações na Islândia para o uso de energia geotérmica.
ARCTIC-IMAGES/CORBIS/LATINSTOCK
120
É a energia liberada por substâncias radioativas, gerada em usinas
nucleares.
Energia nuclear
Em um processo chamado
de fissão nuclear, o urânio
é transformado em outras
substâncias, liberando
grande quantidade de
energia.
Turbina da usina
de Angra II.
ZULMAIRROCHA/FOLHAPRESS
121
• acidentes nucleares podem trazer graves
consequências às pessoas expostas à
radioatividade, como o câncer.
• em toda usina é gerado
lixo radioativo, que
constitui uma ameaça ao
meio ambiente.
As usinas nucleares podem trazer alguns problemas:
KLNARTESGRÁFICAS/ARQUIVODAEDITORA
122

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

I.1 A origem do universo
I.1 A origem do universoI.1 A origem do universo
I.1 A origem do universo
Rebeca Vale
 
A estrutura da terra
A estrutura da terraA estrutura da terra
A estrutura da terra
Prof.Paulo/geografia
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
Professor
 
O solo 6o ano
O solo 6o anoO solo 6o ano
O solo 6o ano
Nahya Paola Souza
 
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema SolarAula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Leonardo Kaplan
 
Ciencias as camadas da terra e seus elementos
Ciencias   as camadas da terra e seus elementosCiencias   as camadas da terra e seus elementos
Ciencias as camadas da terra e seus elementos
Gustavo Soares
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Leandro A. Machado de Moura
 
Introdução à Astronomia
Introdução à AstronomiaIntrodução à Astronomia
Introdução à Astronomia
Colégio Espaço Aberto
 
O planeta terra
O planeta terraO planeta terra
O planeta terra
Prof. Francesco Torres
 
8 ano reprodução E sistema reprodutor
8 ano reprodução E  sistema reprodutor8 ano reprodução E  sistema reprodutor
8 ano reprodução E sistema reprodutor
Giselle Marques Goes
 
Reprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º anoReprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º ano
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
Simone Peixoto
 
Sistema Solar
Sistema SolarSistema Solar
Sistema Solar
Catir
 
Tipos de-solo-6º-ano (1)
Tipos de-solo-6º-ano (1)Tipos de-solo-6º-ano (1)
Tipos de-solo-6º-ano (1)
Francieuda Oliveira
 
Agua 6º ano
Agua 6º anoAgua 6º ano
Agua 6º ano
giovannimusetti
 
Movimentos das placas tectônicas
Movimentos das placas tectônicasMovimentos das placas tectônicas
Movimentos das placas tectônicas
Cadernizando
 
Materiais e Substâncias
Materiais e SubstânciasMateriais e Substâncias
Materiais e Substâncias
João Lopes
 
O Universo
O UniversoO Universo
O Universo
Alline Sa
 
AorigemdaTerra
AorigemdaTerraAorigemdaTerra
AorigemdaTerra
tia90nunes
 
Camadas da Terra
Camadas da TerraCamadas da Terra
Camadas da Terra
Ivaildo
 

Mais procurados (20)

I.1 A origem do universo
I.1 A origem do universoI.1 A origem do universo
I.1 A origem do universo
 
A estrutura da terra
A estrutura da terraA estrutura da terra
A estrutura da terra
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
 
O solo 6o ano
O solo 6o anoO solo 6o ano
O solo 6o ano
 
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema SolarAula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
 
Ciencias as camadas da terra e seus elementos
Ciencias   as camadas da terra e seus elementosCiencias   as camadas da terra e seus elementos
Ciencias as camadas da terra e seus elementos
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Introdução à Astronomia
Introdução à AstronomiaIntrodução à Astronomia
Introdução à Astronomia
 
O planeta terra
O planeta terraO planeta terra
O planeta terra
 
8 ano reprodução E sistema reprodutor
8 ano reprodução E  sistema reprodutor8 ano reprodução E  sistema reprodutor
8 ano reprodução E sistema reprodutor
 
Reprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º anoReprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º ano
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 
Sistema Solar
Sistema SolarSistema Solar
Sistema Solar
 
Tipos de-solo-6º-ano (1)
Tipos de-solo-6º-ano (1)Tipos de-solo-6º-ano (1)
Tipos de-solo-6º-ano (1)
 
Agua 6º ano
Agua 6º anoAgua 6º ano
Agua 6º ano
 
Movimentos das placas tectônicas
Movimentos das placas tectônicasMovimentos das placas tectônicas
Movimentos das placas tectônicas
 
Materiais e Substâncias
Materiais e SubstânciasMateriais e Substâncias
Materiais e Substâncias
 
O Universo
O UniversoO Universo
O Universo
 
AorigemdaTerra
AorigemdaTerraAorigemdaTerra
AorigemdaTerra
 
Camadas da Terra
Camadas da TerraCamadas da Terra
Camadas da Terra
 

Destaque

Planeta terra 6º ano 2013
Planeta terra 6º ano 2013Planeta terra 6º ano 2013
Planeta terra 6º ano 2013
Simoneprof
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
dela28
 
O solo: formação e tipos
O solo: formação e tiposO solo: formação e tipos
O solo: formação e tipos
Regina Oliveira
 
6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo
Carolina Suisso
 
Origem dos Solos
Origem dos SolosOrigem dos Solos
Origem dos Solos
Murilo Sierro
 
Solos
SolosSolos
Solos
SolosSolos
Solos
ceama
 
Solos
SolosSolos
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
Rosa Pereira
 
Quiz Estrutura Interna Da Terra
Quiz Estrutura Interna Da TerraQuiz Estrutura Interna Da Terra
Quiz Estrutura Interna Da Terra
marco :)
 
Rochas, solos e seres vivos
Rochas, solos e seres vivos Rochas, solos e seres vivos
Rochas, solos e seres vivos
Marjan Vos
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
DANUBIA ZANOTELLI
 
Litosfera terrestre
Litosfera terrestreLitosfera terrestre
Litosfera terrestre
Carlos A Tristtao
 
Ppt1 Estrutura Interna Da Terra
Ppt1   Estrutura Interna Da TerraPpt1   Estrutura Interna Da Terra
Ppt1 Estrutura Interna Da Terra
Nuno Correia
 
Agentes internos e externos
Agentes internos e externosAgentes internos e externos
Agentes internos e externos
Marcos Do Curso De Gestão
 
Litosfera
LitosferaLitosfera
Litosfera e relevo
Litosfera e relevoLitosfera e relevo
Litosfera e relevo
flaviocosac
 
Apresentacao litosfera e geologia2011
Apresentacao litosfera e geologia2011Apresentacao litosfera e geologia2011
Apresentacao litosfera e geologia2011
edsonluz
 
Litosfera
LitosferaLitosfera
Teste 9ºano 5.03.2013
Teste 9ºano 5.03.2013Teste 9ºano 5.03.2013
Teste 9ºano 5.03.2013
Patricia Rodrigues
 

Destaque (20)

Planeta terra 6º ano 2013
Planeta terra 6º ano 2013Planeta terra 6º ano 2013
Planeta terra 6º ano 2013
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
O solo: formação e tipos
O solo: formação e tiposO solo: formação e tipos
O solo: formação e tipos
 
6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo
 
Origem dos Solos
Origem dos SolosOrigem dos Solos
Origem dos Solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
 
Quiz Estrutura Interna Da Terra
Quiz Estrutura Interna Da TerraQuiz Estrutura Interna Da Terra
Quiz Estrutura Interna Da Terra
 
Rochas, solos e seres vivos
Rochas, solos e seres vivos Rochas, solos e seres vivos
Rochas, solos e seres vivos
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
 
Litosfera terrestre
Litosfera terrestreLitosfera terrestre
Litosfera terrestre
 
Ppt1 Estrutura Interna Da Terra
Ppt1   Estrutura Interna Da TerraPpt1   Estrutura Interna Da Terra
Ppt1 Estrutura Interna Da Terra
 
Agentes internos e externos
Agentes internos e externosAgentes internos e externos
Agentes internos e externos
 
Litosfera
LitosferaLitosfera
Litosfera
 
Litosfera e relevo
Litosfera e relevoLitosfera e relevo
Litosfera e relevo
 
Apresentacao litosfera e geologia2011
Apresentacao litosfera e geologia2011Apresentacao litosfera e geologia2011
Apresentacao litosfera e geologia2011
 
Litosfera
LitosferaLitosfera
Litosfera
 
Teste 9ºano 5.03.2013
Teste 9ºano 5.03.2013Teste 9ºano 5.03.2013
Teste 9ºano 5.03.2013
 

Semelhante a Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos

A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
Professor
 
A Formação da Terra
A Formação da TerraA Formação da Terra
A Formação da Terra
Letícia Maciel
 
Aformaodaterra 110321121503-phpapp01
Aformaodaterra 110321121503-phpapp01Aformaodaterra 110321121503-phpapp01
Aformaodaterra 110321121503-phpapp01
luiz moraais
 
Apresentação estrutura interna
Apresentação estrutura interna Apresentação estrutura interna
Apresentação estrutura interna
LUIS ABREU
 
aformaodaterra-110321121503-phpapp01.pptx
aformaodaterra-110321121503-phpapp01.pptxaformaodaterra-110321121503-phpapp01.pptx
aformaodaterra-110321121503-phpapp01.pptx
ssuser60b183
 
Ciências 6º As rochas e o solo .pptx
Ciências 6º As rochas  e  o solo   .pptxCiências 6º As rochas  e  o solo   .pptx
Ciências 6º As rochas e o solo .pptx
IoleRablo
 
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta TerraAula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
AndreaGama16
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da  crosta terrestreDinâmica da  crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
vitor moraes ribeiro
 
Trabalho Geologia geral [2]
Trabalho Geologia geral [2]Trabalho Geologia geral [2]
Trabalho Geologia geral [2]
Marcelo Lois
 
Apresentação estrutura interna
Apresentação estrutura interna Apresentação estrutura interna
Apresentação estrutura interna
LUIS ABREU
 
Apistila p1 a
Apistila p1 aApistila p1 a
Apistila p1 a
Jose Claudio
 
Estrutura geológica da terra
Estrutura geológica da terraEstrutura geológica da terra
Estrutura geológica da terra
Liz de Oliveira Mendes Francisco
 
Formação terra
Formação terraFormação terra
Formação terra
Prof. Francesco Torres
 
Formacao terra
Formacao terraFormacao terra
Formacao terra
Prof. Francesco Torres
 
Planeta terra Turmas (11 e 12)
Planeta terra Turmas (11 e 12)Planeta terra Turmas (11 e 12)
Planeta terra Turmas (11 e 12)
Jose Luiz de Oliveira
 
Estrutura geológica e relevo
Estrutura geológica e relevoEstrutura geológica e relevo
Estrutura geológica e relevo
Diana Lima
 
Noções de Geologia - Formação do planeta terra
Noções de Geologia - Formação do planeta terraNoções de Geologia - Formação do planeta terra
Noções de Geologia - Formação do planeta terra
AndreaGama16
 
43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx
43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx
43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx
alessandraoliveira324
 
6ºano aula (cap. 4)
6ºano aula (cap. 4)6ºano aula (cap. 4)
6ºano aula (cap. 4)
Alexandre Alves
 
43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx
43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx
43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx
Centro Educacional Nilton Oliveira Santos -CENOS
 

Semelhante a Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos (20)

A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
 
A Formação da Terra
A Formação da TerraA Formação da Terra
A Formação da Terra
 
Aformaodaterra 110321121503-phpapp01
Aformaodaterra 110321121503-phpapp01Aformaodaterra 110321121503-phpapp01
Aformaodaterra 110321121503-phpapp01
 
Apresentação estrutura interna
Apresentação estrutura interna Apresentação estrutura interna
Apresentação estrutura interna
 
aformaodaterra-110321121503-phpapp01.pptx
aformaodaterra-110321121503-phpapp01.pptxaformaodaterra-110321121503-phpapp01.pptx
aformaodaterra-110321121503-phpapp01.pptx
 
Ciências 6º As rochas e o solo .pptx
Ciências 6º As rochas  e  o solo   .pptxCiências 6º As rochas  e  o solo   .pptx
Ciências 6º As rochas e o solo .pptx
 
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta TerraAula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da  crosta terrestreDinâmica da  crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
 
Trabalho Geologia geral [2]
Trabalho Geologia geral [2]Trabalho Geologia geral [2]
Trabalho Geologia geral [2]
 
Apresentação estrutura interna
Apresentação estrutura interna Apresentação estrutura interna
Apresentação estrutura interna
 
Apistila p1 a
Apistila p1 aApistila p1 a
Apistila p1 a
 
Estrutura geológica da terra
Estrutura geológica da terraEstrutura geológica da terra
Estrutura geológica da terra
 
Formação terra
Formação terraFormação terra
Formação terra
 
Formacao terra
Formacao terraFormacao terra
Formacao terra
 
Planeta terra Turmas (11 e 12)
Planeta terra Turmas (11 e 12)Planeta terra Turmas (11 e 12)
Planeta terra Turmas (11 e 12)
 
Estrutura geológica e relevo
Estrutura geológica e relevoEstrutura geológica e relevo
Estrutura geológica e relevo
 
Noções de Geologia - Formação do planeta terra
Noções de Geologia - Formação do planeta terraNoções de Geologia - Formação do planeta terra
Noções de Geologia - Formação do planeta terra
 
43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx
43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx
43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx
 
6ºano aula (cap. 4)
6ºano aula (cap. 4)6ºano aula (cap. 4)
6ºano aula (cap. 4)
 
43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx
43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx
43573_5c3526cc1529b2e8bee27219542e606d (1).pptx
 

Mais de Leonardo Kaplan

Aula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médio
Aula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médioAula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médio
Aula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médio
Leonardo Kaplan
 
Aula O debate contemporâneo sobre os paradigmas
Aula O debate contemporâneo sobre os paradigmasAula O debate contemporâneo sobre os paradigmas
Aula O debate contemporâneo sobre os paradigmas
Leonardo Kaplan
 
Aula O método nas Ciências Sociais
Aula O método nas Ciências SociaisAula O método nas Ciências Sociais
Aula O método nas Ciências Sociais
Leonardo Kaplan
 
A "sociedade" no enfoque CTS - ressignificações sobre as atividades científic...
A "sociedade" no enfoque CTS - ressignificações sobre as atividades científic...A "sociedade" no enfoque CTS - ressignificações sobre as atividades científic...
A "sociedade" no enfoque CTS - ressignificações sobre as atividades científic...
Leonardo Kaplan
 
Aula a constituição da disciplina escolar ciências
Aula a constituição da disciplina escolar ciênciasAula a constituição da disciplina escolar ciências
Aula a constituição da disciplina escolar ciências
Leonardo Kaplan
 
Apresentação CESPEB Ensino de Ciências 2016 - Educação Ambiental Aula 3
Apresentação CESPEB Ensino de Ciências 2016 - Educação Ambiental Aula 3Apresentação CESPEB Ensino de Ciências 2016 - Educação Ambiental Aula 3
Apresentação CESPEB Ensino de Ciências 2016 - Educação Ambiental Aula 3
Leonardo Kaplan
 
Apresentação cespeb 2016 - A inserção da EA nas escolas e a tensão público-pr...
Apresentação cespeb 2016 - A inserção da EA nas escolas e a tensão público-pr...Apresentação cespeb 2016 - A inserção da EA nas escolas e a tensão público-pr...
Apresentação cespeb 2016 - A inserção da EA nas escolas e a tensão público-pr...
Leonardo Kaplan
 
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
Leonardo Kaplan
 
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 1
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 1Ciência e conhecimento cotidiano - parte 1
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 1
Leonardo Kaplan
 
Ciência natural: os pressupostos filosóficos
Ciência natural: os pressupostos filosóficosCiência natural: os pressupostos filosóficos
Ciência natural: os pressupostos filosóficos
Leonardo Kaplan
 
Aula 1 CESPEB 2016 - As macrotendências político-pedagógicas da educação ambi...
Aula 1 CESPEB 2016 - As macrotendências político-pedagógicas da educação ambi...Aula 1 CESPEB 2016 - As macrotendências político-pedagógicas da educação ambi...
Aula 1 CESPEB 2016 - As macrotendências político-pedagógicas da educação ambi...
Leonardo Kaplan
 
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º anoAula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Leonardo Kaplan
 
As macrotendências político pedagógicas da educação ambiental brasileira
As macrotendências político pedagógicas da educação ambiental brasileiraAs macrotendências político pedagógicas da educação ambiental brasileira
As macrotendências político pedagógicas da educação ambiental brasileira
Leonardo Kaplan
 
Aula 7º ano - Reino Monera
Aula 7º ano - Reino MoneraAula 7º ano - Reino Monera
Aula 7º ano - Reino Monera
Leonardo Kaplan
 
Aula 7º ano - Origem da vida na Terra
Aula 7º ano - Origem da vida na TerraAula 7º ano - Origem da vida na Terra
Aula 7º ano - Origem da vida na Terra
Leonardo Kaplan
 
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comumAula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Leonardo Kaplan
 
Aula 8º ano - O sistema nervoso
Aula 8º ano - O sistema nervosoAula 8º ano - O sistema nervoso
Aula 8º ano - O sistema nervoso
Leonardo Kaplan
 
Aula 8º ano - O sistema endócrino
Aula 8º ano - O sistema endócrinoAula 8º ano - O sistema endócrino
Aula 8º ano - O sistema endócrino
Leonardo Kaplan
 
Aula 8º ano - Saúde mental e drogas
Aula 8º ano - Saúde mental e drogasAula 8º ano - Saúde mental e drogas
Aula 8º ano - Saúde mental e drogas
Leonardo Kaplan
 
Aula 8º ano - O sistema nervoso
Aula 8º ano - O sistema nervosoAula 8º ano - O sistema nervoso
Aula 8º ano - O sistema nervoso
Leonardo Kaplan
 

Mais de Leonardo Kaplan (20)

Aula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médio
Aula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médioAula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médio
Aula Visões de ciências e sobre cientista entre estudantes do ensino médio
 
Aula O debate contemporâneo sobre os paradigmas
Aula O debate contemporâneo sobre os paradigmasAula O debate contemporâneo sobre os paradigmas
Aula O debate contemporâneo sobre os paradigmas
 
Aula O método nas Ciências Sociais
Aula O método nas Ciências SociaisAula O método nas Ciências Sociais
Aula O método nas Ciências Sociais
 
A "sociedade" no enfoque CTS - ressignificações sobre as atividades científic...
A "sociedade" no enfoque CTS - ressignificações sobre as atividades científic...A "sociedade" no enfoque CTS - ressignificações sobre as atividades científic...
A "sociedade" no enfoque CTS - ressignificações sobre as atividades científic...
 
Aula a constituição da disciplina escolar ciências
Aula a constituição da disciplina escolar ciênciasAula a constituição da disciplina escolar ciências
Aula a constituição da disciplina escolar ciências
 
Apresentação CESPEB Ensino de Ciências 2016 - Educação Ambiental Aula 3
Apresentação CESPEB Ensino de Ciências 2016 - Educação Ambiental Aula 3Apresentação CESPEB Ensino de Ciências 2016 - Educação Ambiental Aula 3
Apresentação CESPEB Ensino de Ciências 2016 - Educação Ambiental Aula 3
 
Apresentação cespeb 2016 - A inserção da EA nas escolas e a tensão público-pr...
Apresentação cespeb 2016 - A inserção da EA nas escolas e a tensão público-pr...Apresentação cespeb 2016 - A inserção da EA nas escolas e a tensão público-pr...
Apresentação cespeb 2016 - A inserção da EA nas escolas e a tensão público-pr...
 
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
 
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 1
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 1Ciência e conhecimento cotidiano - parte 1
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 1
 
Ciência natural: os pressupostos filosóficos
Ciência natural: os pressupostos filosóficosCiência natural: os pressupostos filosóficos
Ciência natural: os pressupostos filosóficos
 
Aula 1 CESPEB 2016 - As macrotendências político-pedagógicas da educação ambi...
Aula 1 CESPEB 2016 - As macrotendências político-pedagógicas da educação ambi...Aula 1 CESPEB 2016 - As macrotendências político-pedagógicas da educação ambi...
Aula 1 CESPEB 2016 - As macrotendências político-pedagógicas da educação ambi...
 
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º anoAula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
 
As macrotendências político pedagógicas da educação ambiental brasileira
As macrotendências político pedagógicas da educação ambiental brasileiraAs macrotendências político pedagógicas da educação ambiental brasileira
As macrotendências político pedagógicas da educação ambiental brasileira
 
Aula 7º ano - Reino Monera
Aula 7º ano - Reino MoneraAula 7º ano - Reino Monera
Aula 7º ano - Reino Monera
 
Aula 7º ano - Origem da vida na Terra
Aula 7º ano - Origem da vida na TerraAula 7º ano - Origem da vida na Terra
Aula 7º ano - Origem da vida na Terra
 
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comumAula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
 
Aula 8º ano - O sistema nervoso
Aula 8º ano - O sistema nervosoAula 8º ano - O sistema nervoso
Aula 8º ano - O sistema nervoso
 
Aula 8º ano - O sistema endócrino
Aula 8º ano - O sistema endócrinoAula 8º ano - O sistema endócrino
Aula 8º ano - O sistema endócrino
 
Aula 8º ano - Saúde mental e drogas
Aula 8º ano - Saúde mental e drogasAula 8º ano - Saúde mental e drogas
Aula 8º ano - Saúde mental e drogas
 
Aula 8º ano - O sistema nervoso
Aula 8º ano - O sistema nervosoAula 8º ano - O sistema nervoso
Aula 8º ano - O sistema nervoso
 

Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos

  • 1. Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
  • 2. • Nos dias atuais, possuímos muitas informações sobre o nosso planeta. • Essas informações provêm de explorações, investigações científicas, imagens de satélites, entre outras fontes. • A partir dessas informações, fomos capazes de conhecer certas propriedades e características do planeta Terra. O planeta por dentro e por fora
  • 3. Cientistas estudando a Terra Geólogos Cientistas estudando os minerais Vulcanólogos
  • 4. Características da Terra • É o único planeta conhecido que possui atmosfera com boa quantidade de gás oxigênio, uma temperatura média de 15ºC e água no estado líquido, fatores que permitem a existência de vida na forma como a conhecemos.
  • 5. • Atmosfera: camada de gases e partículas que circundam o planeta • A atmosfera da Terra é constituída principalmente pelos gases nitrogênio e oxigênio, fundamentais para a existência da vida. • O nitrogênio está presente em diversas substâncias nos organismos • O gás oxigênio é indispensável no processo de respiração de diversos seres vivos Características da Terra
  • 7. • A temperatura média de 15ºC se deve à distância que a Terra tem do Sol e à presença de gases na atmosfera que promovem o efeito estufa. • Essa temperatura e suas pequenas variações permitem que a água ocorra nos estados sólido, líquido e gasoso, possibilitando a ocorrência do ciclo da água. Características da Terra
  • 8. Temperaturas no planeta Terra ao longo dos meses
  • 9. Efeito estufa, temperatura e estados físicos da água
  • 10. Temperatura e estados físicos da água
  • 11. Temperatura: medida da movimentação das moléculas Quanto mais rápido as moléculas se movimentam, maior é a temperatura Quanto mais devagar as moléculas se movimentam, menor é a temperatura
  • 12. • Possui um satélite natural, a Lua, relativamente grande se comparado com o tamanho do planeta. • A Lua é responsável pelo fenômeno das marés nos oceanos. Características da Terra
  • 13. A Lua e as marés
  • 14. • Por que acontecem terremotos e erupções vulcânicas? O planeta por dentro e por fora • O que existe dentro da Terra? O vulcão Etna, no sul da Itália, em erupção. ALESSANDROSAFFO/GRANDTOR/CORBIS/LATINSTOCK 14
  • 15. INGERBORGASBACH/ARQUIVODAEDITORA A Terra pode ser dividida em três partes: a crosta, o manto e o núcleo. O interior da TerraGARYHINKS/SCIENCEPHOTOLIBRARY/LATINSTOCK manto (parte superior) (parte inferior) núcleo interno núcleo externo crosta fragmentos derocha solorochamatriz 15
  • 16. O interior da Terra
  • 17. Manto: formado por rochas derretidas (magma) em sua porção mais interna e por uma porção superior mais rígida. Núcleo: formado por uma parte líquida (núcleo externo) e uma parte sólida (núcleo interno). É constituído principalmente por níquel e ferro. ADILSONSECCO/ARQUIVODAEDITORA crosta manto (parte superior) litosfera núcleo externo núcleo interno crosta manto Crosta: camada superficial, formada principalmente pelo solo e por rochas. 17 Litosfera: camada superficial de rochas do planeta (100 km de espessura) Astenosfera: abaixo da litosfera, é mais pastosa (se estende até 700 km)
  • 18. Crosta continental e crosta oceânica Crosta oceânica Manto superior Crosta continental
  • 19. Os continentes em movimento • Fósseis idênticos já foram encontrados em continentes diferentes. Ao longo da história da Terra, os continentes se movimentaram. ADAPTADODE:THEREDISCOVERY OFEARTH,L.MOTZ/INGEBORG ASBACH/ARQUIVODAEDITORA • Os contornos de alguns continentes parecem se encaixar, como em um quebra-cabeça. • Rochas encontradas nos planaltos brasileiros e africanos são muito parecidas. 19
  • 20. A ideia de que a crosta da Terra é formada por placas em movimento é conhecida como tectônica global ou tectônica de placas. A litosfera está dividida em várias placas de rocha sólida, chamadas de placas tectônicas, sobre as quais estão os continentes e o fundo dos oceanos. Placas tectônicas Adaptadode:IBGE.Atlasgeograficoescolar.RiodeJaneiro,2009. 20
  • 22. Os continentes acompanham esse movimento em um processo chamado de deriva continental. O calor que vem do núcleo esquenta o manto, criando correntes que movimentam as placas tectônicas. GARYHINCKS/SCIENCEPHOTOLIBRARY ADILSONSECCO/ ARQUIVODAEDITORA correntes no manto 22
  • 24. Deriva continental Será que a América do Sul e a África já estiveram ligadas, formando um só bloco, num passado distante?
  • 27. Formação da cordilheira dos Andes: colisão da Placa de Nazca com a Placa Sulamericana Intensa atividade vulcânica, formação da dorsal Mesoatlântica e separação das Placas Sulamericana e Africana Movimentos das placas tectônicas
  • 28. ESQUEMACRIADOPELOAUTORCOMBASEEMFONTES DIVERSAS/INGEBORGASBACH/ARQUIVODAEDITORA placa Euro-Asiática placa Indo-Australiana As placas se aproximam: a placa da Índia penetra por baixo da placa da Ásia, empurra esta última para cima e forma as montanhas do Himalaia. Quando duas placas se chocam, suas margens podem ser comprimidas e erguidas, originando cadeias de montanhas (cordilheiras), como os Andes, os Alpes e o Himalaia. O choque entre as placas une a Índia e a Ásia. Nos dias de hoje, as montanhas do Himalaia continuam a aumentar cerca de 5 mm por ano, o que mostra que as placas ainda estão em movimento. Cadeia de montanhas 28
  • 30. Os terremotos Geralmente ocorrem nos pontos de contato entre duas placas tectônicas: o contato entre placas pode liberar energia, desencadeando ondas sísmicas. Os tremores ou vibrações da superfície da Terra são chamados de terremotos. GARYHINCKS/SCIENCEPHOTOLIBRARY 30
  • 32. A velocidade das ondas diminui à medida que elas se aproximam da costa, mas sua altura aumenta (podem atingir mais de 30 metros de altura). Os movimentos da crosta sob os oceanos podem deslocar enormes massas de água e provocar ondas gigantescas: os tsunamis ou maremotos. ADILSOONSECCO/ARQUIVODAEDITORA ondas a 800 km/h ondas a 50 km/h Ao se aproximar da costa, formam-se ondas gigantes. Um terremoto faz tremer o fundo do mar. ponto de encontro das placas Esse fenômeno desloca para a superfície uma grande massa de água. 32
  • 35. DAVIDA.HARDY/SCIENCEPHOTOLIBRARY Os vulcões geralmente se formam quando uma placa desliza sobre outra e o atrito aquece e derrete a rocha. Após ser expelido, o magma passa a ser chamado de lava. ADILSONSECCO/ARQUIVODAEDITORA Os vulcões Erupções: A pressão no interior da Terra empurra o magma, que é expelido junto com gases e vapor de água através de rupturas na crosta. cratera lava rocha ígnea (lava que esfriou) vapores e cinzas saída de magma reservatório de magma 35
  • 39. Compare os mapas com as regiões de ocorrência de terremotos e vulcões. Por que há tantas regiões coincidentes entre eles? Adaptadode:IBGE.Atlasgeográficoescolar.RiodeJaneiro,2009. Regiões mais sujeitas a terremotos 39
  • 40. Áreas com ocorrências de vulcões Compare os mapas com as regiões de ocorrência de terremotos e vulcões. Por que há tantas regiões coincidentes entre eles? Adaptadode:IBGE.Atlasgeográficoescolar.RiodeJaneiro,2009. 40
  • 41. Rochas e minerais • Quantos tipos diferentes de rochas existem? A Taça, rocha em Vila Velha (PR). • De que são feitas as rochas? Como elas se formaram? FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 41
  • 42. É possível identificar um mineral por suas propriedades: cor, dureza, transparência, brilho. As rochas são formadas por minerais, substâncias químicas sólidas e, geralmente, de origem inorgânica. Os minerais são formados por cristais. Cristais de galena. JOSÉMANUELSANCHISCALVETE/CORBIS/LATINSTOCK 42 As rochas
  • 44. quartzo feldspato mica FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO SCIENTIFICA/VISUALSUNLIMITED/ CORBIS/LATINSTOCK FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO A maioria das rochas é formada por vários tipos de minerais. granito FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 44
  • 45. Tabela com a proporção de alguns minerais na crosta terrestre
  • 46. Minérios • Minérios são minerais dos quais se extrai alguma substância para uso industrial. • A mineração provoca intenso impacto ao meio ambiente, porque desloca grandes volumes de terra, altera o relevo, polui e muda o traçado dos cursos de água, esgota recursos naturais, ameaça plantas, animais e até mesmo populações humanas.
  • 47. Quando misturada com água, a argila pode ser moldada e aquecida, originando um material duro e resistente ao calor: a cerâmica. PHONPROM/OHOI/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES A argila A argila é um material resultante da desintegração, por ação da água da chuva, de algumas rochas que contêm feldspato. HOMYDESIGN/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGESANTONBALAZH/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES 47
  • 48. FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO As rochas são agrupadas em três tipos, de acordo com a maneira como são formadas na natureza: Rochas sedimentares Rochas magmáticas ou ígneas Rochas metamórficas FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 48 Tipos de rochas
  • 49. Rochas magmáticas São formadas a partir da lava (proveniente das erupções de vulcões) que esfria e se torna sólida, ou a partir do magma dentro da crosta terrestre. Formam a maior parte da crosta terrestre, e se encontram geralmente abaixo do solo ou de camadas de outros tipos de rochas. Granito, usado em esculturas e bancadas de pia. FABIOCOLOMBINI/ACERVO DOFOTÓGRAFO JOEGOUGH/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES Basalto, usado em calçadas e construções. FABIOCOLOMBINI/ACERVO DOFOTÓGRAFO FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO Exemplos de rochas magmáticas: 49
  • 51. Solidificação da lava vulcânica ou do magma > rochas ígneas ou magmáticas
  • 52. Rochas sedimentares • Rochas sedimentares são formadas pelo acúmulo de sedimentos de outros materiais.
  • 53. Rochas sedimentares Tudo isso leva milhares ou até milhões de anos para acontecer e continua ocorrendo enquanto a rocha existir. ADILSONSECCO/ ARQUIVODAEDITORA Chuva, vento e outros agentes de intemperismo desgastam as rochas e carregam os fragmentos... ... que se depositam em mares e depressões de terrenos. O peso das camadas de cima comprime as de baixo, e a água transforma os minerais: assim se formam as rochas sedimentares. camada de rocha sedimentar 53
  • 56. Fases da formação de rochas sedimentares • Intemperismo é a desintegração ou decomposição das rochas devido à ação de agentes como a água e o vento, que as enfraquecem e as fragmentam. • Erosão é o processo pelo qual sedimentos criados a partir das rochas que sofreram intemperismo são removidos e transportados pelo vento, pelo fluxo de água ou pelo movimento de geleiras. • Deposição é o estágio em que as partículas erodidas cessam sua migração e são depositadas na forma de camadas horizontais, em regiões mais baixas, como as bacias sedimentares ou o leito dos oceanos.
  • 57. Fósseis • Fósseis são formados por restos de organismos vivos ou vestígios de sua passagem por um determinado local. • As rochas sedimentares, devido ao modo como se formam, constituem o suporte ideal para a formação de fósseis. • A sedimentação precisa ser rápida e sem a presença de gás oxigênio para que o organismo não seja destruído completamente pela decomposição.
  • 59. • Quando um animal morre e seu corpo (ou parte dele) afunda, os sedimentos trazidos pela água se depositam rapidamente e enterram o corpo. • O fluxo contínuo de água trazendo minerais dissolvidos vai, aos poucos, substituindo a matéria que formava o organismo por minerais. Assim, o corpo fica mineralizado, com aspecto petrificado.
  • 60. FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO Exemplos de rochas sedimentares: Arenito formado por grãos de quartzo. Argilito formado pelo depósito de grãos de argila. Calcário formado pelo depósito de sais de cálcio. FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 60
  • 61. São formadas a partir da transformação (metamorfose) de rochas magmáticas ou sedimentares. Intensas pressões ou elevadas temperaturas levam a uma mudança na organização dos minerais da rocha, ou a uma transformação dos próprios minerais. Rochas metamórficas O mármore, usado na fabricação de estátuas, pisos e pias, é uma rocha metamórfica. FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 61
  • 63. O gnaisse e a ardósia também são rochas metamórficas, formadas a partir do granito e do argilito, respectivamente. Amostras de ardósia. FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO Ardósia cortada em placas para uso em revestimentos e pisos. FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO O Pão de Açúcar (RJ) é uma formação de gnaisse. GENPRODUCTIONS/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES 63
  • 64. O ciclo das rochas Uma rocha, ao longo de muito tempo, pode se transformar em outra, que se transforma em outra, que se transforma em outra... ADILSONSECCO/ ARQUIVODAEDITORA fusão Alta temperatura e pressão Intemperismo e compressão Resfriamento e solidificação Alta temperatura e pressão FABIOCOLOMBINI/ACERVO DOFOTÓGRAFO rocha sedimentar FABIOCOLOMBINI/ACERVO DOFOTÓGRAFO rocha magmática DIRKWIERSMA/SCIENCE PHOTOLIBRARY/ LATINSTOCK rocha metamórfica 64
  • 65. Cuidando do solo • Quais são os componentes do solo? • Como ele deve ser preparado e cuidado para a agricultura? SHESTAKOFF/SHUTTERSTOCK/ GLOWIMAGES ECOPRINT/SHUTTERSTOCK/ GLOWIMAGES JAKRITJIRARATWARO/SHUTTERSTOCK/ GLOWIMAGES DARRYLVEST/SHUTTERSTOCK/ GLOWIMAGES 65
  • 66. A formação do solo As rochas expostas a variações de temperatura, ação da chuva, do vento, do gelo, das águas dos rios e das ondas do mar são aos poucos fragmentadas e transformadas em solo. O solo se formou, lentamente, pela ação do intemperismo. INGERBORGASBACH/ARQUIVODAEDITORA fragmentos derocha solorochamatriz 66
  • 67. O que existe no solo? Húmus: restos de organismos mortos decompostos por bactérias e fungos. Parte orgânica: •Organismos vivos •Restos de plantas e animais •Outros organismos mortos Parte mineral: •Grãos minerais, classificados quanto ao tamanho em argila, silte e areia •Água e ar KENNETHW.FINK/PHOTORESEARCHERS,INC./LATINSTOCK 67
  • 69. Por baixo da camada superficial do solo encontram-se fragmentos de rochas. Abaixo dessas camadas de fragmentos encontra-se a rocha que deu origem ao solo – a rocha matriz. bactérias e outros organismos microscópicos rocha matriz HIROESASAKI/ARQUIVODAEDITORA 69
  • 70. Etapas da formação de um solo
  • 71. Etapas da formação de um solo
  • 73. Os tipos de solo Fatores que determinam o tipo de solo: •tipo de rocha matriz •clima da região •quantidade de matéria orgânica •vegetação •tempo de formação •velocidade de escoamento da água A velocidade de escoamento da água (permeabilidade) afeta a fertilidade do solo porque influencia na quantidade de sais minerais disponíveis. EFIRED/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES 73
  • 75. Camadas do solo de um ambiente úmido
  • 80. Solos arenosos •Teor de areia igual ou superior a 70% •Muito permeáveis •Geralmente pobres em nutrientes Classificação dos solos de acordo com a proporção entre as partículas de areia, argila e silte: Solos argilosos •Contêm de 35% a 60% de argila •Menos permeáveis que os solos arenosos •Retêm mais nutrientes KIM-IR-SEM/ARQUIVODAEDITORAFABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 80
  • 81. Classificação dos solos de acordo com a sua composição: Solos humosos ou humíferos •Há predominância de material orgânico • Maior retenção de água • Boa circulação de ar • A decomposição de organismos produz os sais minerais necessários às plantas Solos minerais Há predominância de material mineral. MAURITIUS/MAURITIUS/LATINSTOCK 81
  • 82. Para preservar o solo e garantir boas colheitas são necessários certos procedimentos: Arando a terra Arar significa remexer a terra até que o solo fique fofo e poroso, permitindo a entrada do ar e da água. Neutralizando a acidez A calagem (aplicação de calcário) reduz a acidez do solo e aumenta a quantidade de cálcio e magnésio, melhorando a qualidade do solo. JOELROCHA/ARQUIVODAEDITORA FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 82
  • 83. Adubação Muitas vezes, a adubação inorgânica e a orgânica se complementam. É necessária após muitas colheitas, para repor os minerais que as plantas retiram do solo. SAULOMAZZONI/ARQUIVODAEDITORA Adubação orgânica: restos de vegetais, farinha de ossos e estrume de animais, que se transformam em húmus. Adubação mineral ou inorgânica: fertilizantes químicos. 83
  • 84. As minhocas Ao abrirem caminho, tornam o solo mais poroso e arejado. Suas fezes produzem uma parte do húmus. As leguminosas Em suas raízes vivem bactérias capazes de absorver nitrogênio do ar e transformá-lo em sais de nitrogênio, que podem ser absorvidos pelas plantas. D.KUCHARSKI&K.KUCHARSKA/SHUTTERSTOCK/ GLOWIMAGES ROBERTPICKETT/CORBIS/LATINSTOCK 84
  • 85. A quantidade adequada de água Cultivo de arroz em área irrigada. Canal de drenagem em área de várzea. Em regiões secas, muitas vezes é necessário regular o suprimento de água utilizando a irrigação. ANAARAÚJO/ARQUIVODAEDITORA JULIOBERNARDES/ARQUIVODAEDITORA Outras vezes é preciso retirar a água que está em excesso por meio de valas ou canais de drenagem. 85
  • 86. A erosão do solo A cobertura vegetal protege o solo contra a erosão: • diminuição do impacto da água sobre a superfície do solo • proteção contra o calor do Sol e contra os ventos • raízes ajudam a segurar as partículas do solo O impacto das chuvas e dos ventos, entre outros fatores, provoca a desagregação do solo; partículas são removidas e transportadas para outros lugares. R-P/KINO.COM.BR 86
  • 87. 1. A vegetação natural protege o solo contra a ação dos ventos, do sol e das enxurradas. 2. O desmatamento facilita o início da erosão: chuvas e ventos carregam a camada superficial do solo, empobrecendo-o. 3. O solo é atingido pelos raios solares. Os ventos e as chuvas intensificam a erosão. 4. O solo fica parecido com o de um deserto e, portanto, não oferece condições para a agricultura. HIROESASAKI/ARQUIVODA EDITORA Etapas do processo de erosão 87
  • 88. Sem a cobertura vegetal, as encostas dos morros correm mais risco de desmoronar, provocando desabamentos de terra com graves consequências. Deslizamento de terra em Nova Friburgo, no Rio de Janeiro (2011). MARCOSDEPAULA/AGÊNCIAESTADO 88
  • 89. Existem técnicas de cultivo que diminuem a erosão do solo. Rotação de culturas ALFREDONAGIBFILHO/FOLHAPRESS YUXIANGQUAN/XINHUAPRESS/ CORBIS/LATINSTOCK FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO Cultura em terraços Curvas de nível 89
  • 90. Queimadas • A perda de matéria orgânica deixa o solo mais exposto à erosão Além do problema do desmatamento, o fogo destrói os microrganismos que fazem a reciclagem do solo. IMASTER/SHUTTERSTOCK/GLOWIMAGES • As queimadas liberam na atmosfera gases que poluem o ar e prejudicam a saúde humana 90
  • 91. Agrotóxicos Consequências negativas: •Podem eliminar insetos úteis •Podem surgir populações resistentes ao agrotóxico •Quando não aplicados na quantidade e no tempo certos, podem causar problemas à saúde humana Alternativa: manejo integrado de pragas Agrotóxicos ou defensivos agrícolas são produtos utilizados para combater pragas que atacam as plantações. RICARDOAZOURY/PULSARIMAGENS 91
  • 92. O solo e a nossa saúde • tétano • toxoplasmose • lombriga • ancilostomose Higiene pessoal e saneamento básico são fundamentais para evitar problemas de saúde! O solo pode ser contaminado onde não há tratamento de água ou coleta adequada de esgoto e lixo. Várias doenças são causadas por bactérias e outros microrganismos presentes no lixo e nas fezes humanas, de cães e gatos. Exemplos: WILTONJUNIOR/AGÊNCIAESTADO 92
  • 93. • Por que a reciclagem do lixo é importante? O lixo • Para onde vai o lixo recolhido das casas e das indústrias? Lixo nas margens do rio Anil, em São Luís (MA). BAÊTA/OIMP/D.A.PRESS 93
  • 94. As prefeituras são responsáveis pela limpeza pública. Isso inclui: transmissão de doenças e contaminação do ambiente por produtos tóxicos. O destino do lixo Mas para onde vai o lixo? • destinação do lixo• coleta e transporte do lixo Lixões são terrenos onde o lixo fica amontoado ao ar livre sem nenhum cuidado. FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 94
  • 95. O aterro sanitário • protege a água dos rios e o lençol freático • impede a propagação do mau cheiro e a reprodução de ratos, insetos e outros animais • se for bem construído, não polui o ambiente Vantagens: trator argila e concreto camada de lixo camada de terra entulho LUÍSMOURA/ARQUIVODAEDITORA 95
  • 96. O aterro sanitário é muito diferente do lixão, porém também apresenta algumas desvantagens: • necessita de áreas muito grandes • sua capacidade é limitada: vida útil de cerca de 20 anos • custa mais caro que o lixão SOFIACOLOMBINI/ACERVODA FOTÓGRAFA 96
  • 97. Incineração é a queima do lixo em equipamentos que funcionam em alta temperatura. • porém, certos componentes do lixo produzem gases tóxicos ao serem queimados Depois da queima do lixo, os resíduos podem ser encaminhados para os aterros sanitários ou para a reciclagem. A incineração • reduz o volume de resíduos • destrói os organismos que causam doenças JOTACORREIA/ANGULAR 97
  • 98. A compostagem compostagem matéria orgânica adubo (composto) Além do adubo, a decomposição do lixo orgânico produz gases que podem ser aproveitados como combustíveis. O lixo orgânico é triturado e levado para equipamentos que aceleram o processo de decomposição. ROOSEVELTCÁSSIO/FOLHAPRESS 98
  • 99. Reciclagem é o processo de transformação química para o reaproveitamento de certos materiais do lixo. • gera trabalho formal e informal Cerca de 30% do lixo doméstico pode ser reciclado! Vantagens A reciclagem • evita a poluição do solo e da água • diminui o volume de lixo LUCASLACAZRUIZ/FOLHAPRESS 99
  • 101. Mesmo que a cidade onde você mora não tenha coleta seletiva, separe o lixo em dois recipientes: os recicláveis (papéis, plásticos, vidros e metais) e os não recicláveis (restos de comida). A reciclagem não é suficiente para resolver o problema do lixo: é preciso também reduzir o consumo e evitar o desperdício! FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO CASADETIPOS/ARQUIVODAEDITORA 101
  • 102. Consciência e ação! O acúmulo de lixo pode causar problemas, como as enchentes. Não jogue fora roupas, brinquedos e utensílios que ainda possam ser reaproveitados. Evite produtos descartáveis. Não jogue lixo nas praias e ruas. Pequenas mudanças de atitude em nosso dia a dia podem fazer a diferença: ALMEIDAROCHA/FOLHAPRESS 102
  • 103. Reutilize papéis para rascunho e anotações. Economize energia. Procure informações sobre programas de reciclagem em sua cidade. Pilhas e baterias usadas devem ser entregues em postos de coleta especializados ou aos fabricantes. FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO OLIVIERLEQUEINEC/ SHUTTERSTOCK/GLOW IMAGES SOFIACOLOMBINI/ACERVO DAFOTÓGRAFA FABIOCOLOMBINI/ACERVODO FOTÓGRAFO 103
  • 104. Nossos recursos naturais Recursos naturais são recursos obtidos da natureza e usados para construir o mundo ao nosso redor. • Quais as fontes de energia que nossa sociedade consome? • O que são minérios e onde eles são empregados? ALIPIOZ.DASILVA/KINO.COM.BR FABIOCOLOMBINI/ACERVODOFOTÓGRAFO 104
  • 105. Os minerais a partir dos quais são produzidos os metais e outros produtos são chamados de minérios. Jazidas autorizadas pelo governo para exploração são chamadas de minas, e a atividade de exploração é a mineração. Depósitos naturais de minérios são chamados de jazidas. Minerais e minérios RICARDOAZOURY/PULSARIMAGENS Hematita FABIOCOLOMBINI/ ACERVODOFOTÓGRAFO 105
  • 106. Os metais e seus produtos minério metal As indústrias metalúrgicas que trabalham na produção do ferro e do aço são chamadas de indústrias siderúrgicas. Os metais podem ser misturados, formando ligas, que têm propriedades superiores às dos metais puros. ANDRÉPENNER/ARQUIVODAEDITORA 106
  • 107. • usado em construções, ferramentas, carros, navios, fogões, etc. • usado na confecção de medalhas e estátuas Aço • liga formada por ferro e carbono Bronze • liga formada por bronze e estanho ANACAROLINAFERNANDES/FOLHAPRESS RD/SHUTTERSTOCK/ GLOWIMAGES OLGAUTLYAKOVA/ SHUTTERSTOCK/GLOW IMAGES SHOT2DESIGN/ SHUTTERSTOCK/GLOW IMAGES 107
  • 108. Cobre: bom condutor de eletricidade, obtido de vários minérios, como a calcopirita. Estanho: obtido da cassiterita, ajuda a prevenir a corrosão. Chumbo: metal obtido principalmente da galena. Alumínio: metal leve e maleável obtido da bauxita. FABIOCOLOMBINI/ACERVODO FOTÓGRAFO CHARLESD.WINTERS/PHOTO RESEARCHERS,INC./LATINSTOCK FABIOCOLOMBINI/ ACERVODOFOTÓGRAFO CLAUDIOPEDROSO/ANGULAR INDIANSTOCKIMAGES/SHUTTERSTOCK/ GLOWIMAGES 108
  • 109. Combustíveis fósseis se originam da transformação de corpos de organismos que viveram há milhões de anos e são queimados para fornecer energia. Partes de plantas foram soterradas e, ao longo de milhões de anos, transformaram-se em carvão mineral. Combustíveis fósseis Pressãoetemperatura Floresta soterrada Carvão mineral ESQUEMACRIADOPELOAUTORCOMBASEEMFONTESDIVERSAS/ INGEBORGASBACH/ARQUIVODAEDITORA 109
  • 110. O petróleo origina-se da transformação de organismos microscópicos depositados no leito dos mares. Nesse processo também ocorre a formação de gás natural. DOUGLASP.WILSON/FRANKPICTURE AGENCY/CORBIS/LATINSTOCK mar leito seres microscópicos ILUSTRAÇÕES:INGEBORGASBACH/ ARQUIVODAEDITORA seres microscópicoslama petróleo 110
  • 114. Pode ser usado também como matéria-prima para a fabricação de vários produtos, como tinta, plástico e detergentes. Um dos problemas do uso de combustíveis fósseis é a liberação de gases que poluem a atmosfera durante a sua queima. O petróleo extraído é transportado para refinarias, onde são feitas a separação e a purificação de seus componentes. torre de extração de gásreservatório torre de extração de petróleo gás natural petróleo água ADILSONSECCO/ARQUIVODAEDITORA 114
  • 117. Minerais, petróleo e carvão mineral levam milhões de anos para se formar. Devido à velocidade de consumo, esses recursos correm o risco de acabar, sem a chance de reposição pela natureza. Plantas e animais consumidos pelo homem podem ser repostos em seus ciclos naturais, possibilitando seu uso permanente. Ainda assim, seu consumo não deve ser mais rápido do que a sua reposição. Recursos naturais não renováveis Recursos naturais renováveis 117
  • 118. Energia hidrelétrica: principal fonte de energia elétrica no Brasil. Usinas hidrelétricas podem provocar muitas alterações ambientais e contribuir para a extinção de seres vivos. As fontes renováveis de energia Quedas-d’água são formadas nas barragens construídas pelo ser humano. A água, ao cair, faz girar turbinas e gera eletricidade. DILERMANDOCABRALJR./ARQUIVODAEDITORA Barragem da usina hidrelétrica de Tucuruí (PA). 118
  • 119. Energia de biomassa: queima de matéria proveniente de organismos vivos, como lenha, matéria orgânica do lixo, etc. Energia eólica: produzida pelos ventos, que fazem girar hélices, gerando energia elétrica. Energia solar: a energia solar captada por placas metálicas gera correntes elétricas. RODRIGOBALEIA/FOLHAPRESS RODRIGOBALEIA/FOLHAPRESS O vento gira as pás O gerador transforma os movimentos das pás em energia elétrica 119
  • 120. Energia geotérmica: o calor armazenado nas rochas subterrâneas e no manto da Terra é utilizado na produção de energia. Instalações na Islândia para o uso de energia geotérmica. ARCTIC-IMAGES/CORBIS/LATINSTOCK 120
  • 121. É a energia liberada por substâncias radioativas, gerada em usinas nucleares. Energia nuclear Em um processo chamado de fissão nuclear, o urânio é transformado em outras substâncias, liberando grande quantidade de energia. Turbina da usina de Angra II. ZULMAIRROCHA/FOLHAPRESS 121
  • 122. • acidentes nucleares podem trazer graves consequências às pessoas expostas à radioatividade, como o câncer. • em toda usina é gerado lixo radioativo, que constitui uma ameaça ao meio ambiente. As usinas nucleares podem trazer alguns problemas: KLNARTESGRÁFICAS/ARQUIVODAEDITORA 122