SlideShare uma empresa Scribd logo
Cleide de Jesus Gonçalves
Fernanda Cristina Arruda Rodrigues
Jeane Tereza Cotanilla Borges
Jéssica Bouret Dias da Silva
Mª Maria Evilasa Ximenes
Falha na resolução do
                              complexo de
                              Édipo.gerando
                              sentimentos de
Renegação da                  inadequação sexual e
castração,substituindo por    necessidade de ser
um fetiche (a criança), dá-   dominante.
se origem a perversão.
   A perversão - digamos que ela parece
    caracteriza-se por uma espécie de inversão dos
    termos, resultando numa equivalência
    particular entre objeto de prazer e sujeito do
    desejo,o prazer que se tornaria a qualquer
    preço o único referente possível.(Clavreul,
    Jean.1990)
   As perversões chegam à conclusão de que as
    pulsões sofrem a força das resistências (entre
    elas destacam-se a vergonha a moralidade, e os
    ascos e construções sociais da autoridade) que
    as circunscrevem dentro dos limites normais.
    (Freud. S, 1905)
   Freud afirma que a criança é polimorfa, já que a
    vergonha e o asco e as moral ainda não se
    instalaram. Além das zonas erógenas, existem
    elementos que envolvem não só o corpo da
    criança, mas também, outras pessoas como objetos
    sexuais. Assim, as pulsões de olhar, de exibir, de
    crueldade aparecem já na infância e mais tarde se
    associam à vida genital.
      O protagonista do abuso sexual é considerado
    pelo viés psicanalítico como perverso que o
    desiguina como o indivíduo não aceitou a
    castração da fase fálica, ele renega o fato
    inconscientemente e imediatamente busca um
    objeto para encobrir o que para ele não existe,
    dando origem ao fetiche que no caso do pedófilo é
    a criança. “O fetichismo só é patológico quando se
    torna único objeto sexual.”
O psicólogo também afirma que
existem dois perfis de
pedófilos: os abusadores e os
molestadores.
Porem não é necessário chegar
ao ato sexual para ser
considerado como pedófilo, por
isso se utiliza três critério
básicos.
O Brasil já esteve no topo
do pódio em relação a
pedofilia.
A PEDOFILIA PARA A
    PSIQUIATRIA.

A imprensa, por sua vez, gosta de
chamar este crime de pedofilia.


Pedofilia, em Psiquiatria, é o
desejo preferencial por sexo com
crianças. Mas não existe um crime
com este nome. Logo, em termos
técnicos, pedofilia não é crime. É
apenas um transtorno mental.
O conceito de pedofilia se refere a um
transtorno mental em que a pessoa sente
prazer sexual quando tem estímulos que
envolvam crianças ou se necessariamente
precisa delas para se excitar. Trata-se de
uma doença, de acordo com a CID-10 .

Um pedófilo está predisposto a agir como tal
por estar sujeito a intensos impulsos mas,
se não for louco – em algum nível – tem a
capacidade de evitar as tentações, ou pelo
menos buscar ajuda para evitá-las.
• Não há um perfil padrão de um
pedófilo .
• Nem todas pessoas que
sofreram de maus tratos ou até
mesmo abusos sexuais na
infância tem maior propensão de
se tornar pedófilos.
• Estudos médicos apontam para
mais de um fator causador do
problema: predisposição
genética e cerebral, além de
estímulos ambientais. O desafio
a ser desvendado é o peso que
cada uma dessas prováveis
causas tem para determinar o
desenvolvimento da doença.
•Estudos admitem que nenhum psiquiatra na história foi capaz
de apontar uma razão sólida que leva um homem a ter atração
sexual por crianças. Mas isso não significa, no entanto, que
os casos sejam sem solução: existem avançadas psicoterapias.

•Hoje, a abordagem mais indicada é a de empatia entre
psiquiatra e paciente. Os psiquiatrias explicam que a
pedofilia, em geral, está ligada a distúrbios de limitação e
violência interpessoal do portador do problema. Combater esse
problema, pela raiz, pode ajudá-lo a inibir a própria atração
sexual por crianças.

•E em casos mais graves existem o tratamento da castração
clinica, a castração quimica.
Um bom tratamento pode fazer o pedófilo
direcionar suas atrações sexuais apenas para
adultos e afastar o objeto infantil da
estrutura psicológica.

Para complementar os efeitos da terapia, os
psiquiatras ainda recomendam certos
medicamentos. Alguns andrógenos (geralmente,
esteróides ligados a características
masculinas mais visíveis), por exemplo, podem
ser ministrados em algumas ocasiões.

Nem todos os pedófilos agem da mesma maneira e
os perfis psicológicos variam, por isso é
necessário estudar caso por caso e avaliar da
melhor forma possivel para que possa aplicar o
melhor tratamento.
Na ordem da ilegalidade, o incesto e a
pedofilia possuem características comuns, o
genitor no primeiro caso e o abusador no
segundo são perversos, ou seja, infringi a
lei, sendo o seu desejo a sua própria lei e
constituição.
Uma pesquisa realizada
no IML ( Instituto Médico
Legal), onde as vítimas de
violência sexual forma
questionadas a respeito de sua
relação com o agressor, teve
como resultado a percentual
de 49,64%, agressores
conhecidos e 22,50%, onde o
agressor era algum parente.
Sendo que 18,75% delas
convivem com o agressor na
mesma residência. (COHEN &
MATSUDA, 1990).
CLAVEUL, Jean. et AL .O DESEJO E A PERVERSÃO.Campinas. Papirus,1990.225 p.
  FREUD, Sigmund. TRÊS ENSAIOS SOBRE A TEORIA DA SEXUALIDADE E OUTROS TRABALHOS.
                         v.7.Rio de Janeiro:Imago1996,2006.
          HUFFMAN, Karen ET al. Psicologia. São Paulo: Atlas, 2003, 816 p.
 KAPLAN, Harold I.; SADOCK, Benjamin J.; GREBB, Jack A. COMPÊNDIO DE PSIQUIATRIA:
      ciências do comportamento e psiquiatria clínica.7.ed.Porto Alegre:Artes
                                    Médicas,1997.
   MARQUES, Heloisa Maria de Vivo. A VOZ DO ABUSADOR: aspectos psicológicos dos
     protagonistas de incesto. Dissertação de Mestrado. Cap.1.2005. Disponível
           em:www.bdtd.ucb.br/tede/tde_arquivos/5/TDE-2007-11-12T152640Z-
                            524/publico/textocompleto.pdf
PEREIRA, Rodrigo. FAMÍLIA E DIGNIDADE: anais do V congresso brasileiro de direito
                  de família. São Paulo: IOB Thomson, 2006. 923 p.
     PORTAL Ciência e Vida Psique: MONSTRO OU DOENTE?. Revista Cientifica. 81.
                                  ed.Disponível em:
        http://www.revistafilosofia.com.br/ESPS/Edicoes/27/imprime77880.asp.
VOLNOVICH, Jorge. ABUSO SEXUAL NA INFÂNCIA. Rio de Janeiro: Lacerda, 2005, 208 p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Parafilias
Parafilias  Parafilias
Abuso sexual contra crianças e adolescentes
Abuso sexual contra crianças e adolescentesAbuso sexual contra crianças e adolescentes
Abuso sexual contra crianças e adolescentes
paulocesarlopes05
 
Violencia domestica
Violencia domesticaViolencia domestica
Violencia domestica
sapococasdgebu
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
Alinebrauna Brauna
 
Homossexualidade
HomossexualidadeHomossexualidade
Homossexualidade
Rodrigo Araujo
 
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-laViolência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Thiago de Almeida
 
Violencia no namoro
Violencia no namoroViolencia no namoro
Violencia no namoro
sapococasdgebu
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
Alinebrauna Brauna
 
Palestra sobre abuso sexual na Infância
Palestra sobre abuso sexual na InfânciaPalestra sobre abuso sexual na Infância
Palestra sobre abuso sexual na Infância
Psicólogo - Vilson da Mata
 
Doenças do foro psicológico
Doenças do foro psicológicoDoenças do foro psicológico
Doenças do foro psicológico
Vera Lucia Lourenço
 
Abuso sexual.01
Abuso sexual.01Abuso sexual.01
Abuso sexual.01
Artemosfera Cia de Artes
 
Família
FamíliaFamília
Família
mluisavalente
 
Violencia no namoro
Violencia no namoroViolencia no namoro
Violencia no namoro
Paula Lopes
 
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha  Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Vyttorya Marcenio
 
Doenças do foro psicologico(1)
Doenças do foro psicologico(1)Doenças do foro psicologico(1)
Doenças do foro psicologico(1)
softgirl1617
 
Abuso infantil
Abuso infantilAbuso infantil
Abuso infantil
milenecristina17
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
Liliana Queirós Fonseca
 
Adriananunancom abuso sexual
Adriananunancom abuso sexualAdriananunancom abuso sexual
Adriananunancom abuso sexual
ana311982
 
Violência sexual infantil
Violência sexual infantilViolência sexual infantil
Violência sexual infantil
Emanuel Oliveira
 
Homossexualidade
HomossexualidadeHomossexualidade
Homossexualidade
Daniele Santos
 

Mais procurados (20)

Parafilias
Parafilias  Parafilias
Parafilias
 
Abuso sexual contra crianças e adolescentes
Abuso sexual contra crianças e adolescentesAbuso sexual contra crianças e adolescentes
Abuso sexual contra crianças e adolescentes
 
Violencia domestica
Violencia domesticaViolencia domestica
Violencia domestica
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 
Homossexualidade
HomossexualidadeHomossexualidade
Homossexualidade
 
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-laViolência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
 
Violencia no namoro
Violencia no namoroViolencia no namoro
Violencia no namoro
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 
Palestra sobre abuso sexual na Infância
Palestra sobre abuso sexual na InfânciaPalestra sobre abuso sexual na Infância
Palestra sobre abuso sexual na Infância
 
Doenças do foro psicológico
Doenças do foro psicológicoDoenças do foro psicológico
Doenças do foro psicológico
 
Abuso sexual.01
Abuso sexual.01Abuso sexual.01
Abuso sexual.01
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
Violencia no namoro
Violencia no namoroViolencia no namoro
Violencia no namoro
 
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha  Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
 
Doenças do foro psicologico(1)
Doenças do foro psicologico(1)Doenças do foro psicologico(1)
Doenças do foro psicologico(1)
 
Abuso infantil
Abuso infantilAbuso infantil
Abuso infantil
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 
Adriananunancom abuso sexual
Adriananunancom abuso sexualAdriananunancom abuso sexual
Adriananunancom abuso sexual
 
Violência sexual infantil
Violência sexual infantilViolência sexual infantil
Violência sexual infantil
 
Homossexualidade
HomossexualidadeHomossexualidade
Homossexualidade
 

Semelhante a Incesto e pedofilia

Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocial
Lu1zFern4nando
 
Aula de Sexualidade
Aula de Sexualidade Aula de Sexualidade
Aula de Sexualidade
jakelyne Alvez
 
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e criticaEnfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Isis Bezerra
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
09108303
 
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
Fernanda Rezende Pedroza
 
Freud. slide
Freud. slideFreud. slide
Freud. slide
silvanacastellan
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
Dandara Cunha
 
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.110   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
E.E Profª Laurentina Lorena Correa da Silva e Professor Edson Batista
 
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Laura Reis
 
Freud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método PsicanalíticoFreud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método Psicanalítico
John Wainwright
 
Disforia de gênero - guia prático de atualização SBP
Disforia de gênero - guia prático de atualização SBP Disforia de gênero - guia prático de atualização SBP
Disforia de gênero - guia prático de atualização SBP
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
233 693-1-pb
233 693-1-pb233 693-1-pb
233 693-1-pb
Ketley Bicalho
 
Perfil psico e comportamental de agressores sexuais de crianas (1)
Perfil psico e comportamental de agressores sexuais de crianas (1)Perfil psico e comportamental de agressores sexuais de crianas (1)
Perfil psico e comportamental de agressores sexuais de crianas (1)
tlvp
 
Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud
Jamile Santos Dias DE Almeida
 
Trab estudo de caso Psicopatologia
Trab estudo de caso PsicopatologiaTrab estudo de caso Psicopatologia
Trab estudo de caso Psicopatologia
halinedias
 
PSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptx
PSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptxPSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptx
PSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptx
MaysaCarlaDaConceioS
 
12 07-2012 apresentação transexual1
12 07-2012  apresentação transexual112 07-2012  apresentação transexual1
12 07-2012 apresentação transexual1
Instituto de Saúde Social - ISSO
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Isabella Ruas
 
Freud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimentoFreud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimento
psicologiaazambuja
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Deisiane Cazaroto
 

Semelhante a Incesto e pedofilia (20)

Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocial
 
Aula de Sexualidade
Aula de Sexualidade Aula de Sexualidade
Aula de Sexualidade
 
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e criticaEnfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
 
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
 
Freud. slide
Freud. slideFreud. slide
Freud. slide
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
 
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.110   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
 
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
 
Freud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método PsicanalíticoFreud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método Psicanalítico
 
Disforia de gênero - guia prático de atualização SBP
Disforia de gênero - guia prático de atualização SBP Disforia de gênero - guia prático de atualização SBP
Disforia de gênero - guia prático de atualização SBP
 
233 693-1-pb
233 693-1-pb233 693-1-pb
233 693-1-pb
 
Perfil psico e comportamental de agressores sexuais de crianas (1)
Perfil psico e comportamental de agressores sexuais de crianas (1)Perfil psico e comportamental de agressores sexuais de crianas (1)
Perfil psico e comportamental de agressores sexuais de crianas (1)
 
Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud
 
Trab estudo de caso Psicopatologia
Trab estudo de caso PsicopatologiaTrab estudo de caso Psicopatologia
Trab estudo de caso Psicopatologia
 
PSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptx
PSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptxPSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptx
PSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptx
 
12 07-2012 apresentação transexual1
12 07-2012  apresentação transexual112 07-2012  apresentação transexual1
12 07-2012 apresentação transexual1
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Freud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimentoFreud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimento
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 

Incesto e pedofilia

  • 1. Cleide de Jesus Gonçalves Fernanda Cristina Arruda Rodrigues Jeane Tereza Cotanilla Borges Jéssica Bouret Dias da Silva Mª Maria Evilasa Ximenes
  • 2.
  • 3. Falha na resolução do complexo de Édipo.gerando sentimentos de Renegação da inadequação sexual e castração,substituindo por necessidade de ser um fetiche (a criança), dá- dominante. se origem a perversão.
  • 4. A perversão - digamos que ela parece caracteriza-se por uma espécie de inversão dos termos, resultando numa equivalência particular entre objeto de prazer e sujeito do desejo,o prazer que se tornaria a qualquer preço o único referente possível.(Clavreul, Jean.1990)  As perversões chegam à conclusão de que as pulsões sofrem a força das resistências (entre elas destacam-se a vergonha a moralidade, e os ascos e construções sociais da autoridade) que as circunscrevem dentro dos limites normais. (Freud. S, 1905)
  • 5. Freud afirma que a criança é polimorfa, já que a vergonha e o asco e as moral ainda não se instalaram. Além das zonas erógenas, existem elementos que envolvem não só o corpo da criança, mas também, outras pessoas como objetos sexuais. Assim, as pulsões de olhar, de exibir, de crueldade aparecem já na infância e mais tarde se associam à vida genital.  O protagonista do abuso sexual é considerado pelo viés psicanalítico como perverso que o desiguina como o indivíduo não aceitou a castração da fase fálica, ele renega o fato inconscientemente e imediatamente busca um objeto para encobrir o que para ele não existe, dando origem ao fetiche que no caso do pedófilo é a criança. “O fetichismo só é patológico quando se torna único objeto sexual.”
  • 6.
  • 7. O psicólogo também afirma que existem dois perfis de pedófilos: os abusadores e os molestadores. Porem não é necessário chegar ao ato sexual para ser considerado como pedófilo, por isso se utiliza três critério básicos. O Brasil já esteve no topo do pódio em relação a pedofilia.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13. A PEDOFILIA PARA A PSIQUIATRIA. A imprensa, por sua vez, gosta de chamar este crime de pedofilia. Pedofilia, em Psiquiatria, é o desejo preferencial por sexo com crianças. Mas não existe um crime com este nome. Logo, em termos técnicos, pedofilia não é crime. É apenas um transtorno mental.
  • 14. O conceito de pedofilia se refere a um transtorno mental em que a pessoa sente prazer sexual quando tem estímulos que envolvam crianças ou se necessariamente precisa delas para se excitar. Trata-se de uma doença, de acordo com a CID-10 . Um pedófilo está predisposto a agir como tal por estar sujeito a intensos impulsos mas, se não for louco – em algum nível – tem a capacidade de evitar as tentações, ou pelo menos buscar ajuda para evitá-las.
  • 15. • Não há um perfil padrão de um pedófilo . • Nem todas pessoas que sofreram de maus tratos ou até mesmo abusos sexuais na infância tem maior propensão de se tornar pedófilos. • Estudos médicos apontam para mais de um fator causador do problema: predisposição genética e cerebral, além de estímulos ambientais. O desafio a ser desvendado é o peso que cada uma dessas prováveis causas tem para determinar o desenvolvimento da doença.
  • 16. •Estudos admitem que nenhum psiquiatra na história foi capaz de apontar uma razão sólida que leva um homem a ter atração sexual por crianças. Mas isso não significa, no entanto, que os casos sejam sem solução: existem avançadas psicoterapias. •Hoje, a abordagem mais indicada é a de empatia entre psiquiatra e paciente. Os psiquiatrias explicam que a pedofilia, em geral, está ligada a distúrbios de limitação e violência interpessoal do portador do problema. Combater esse problema, pela raiz, pode ajudá-lo a inibir a própria atração sexual por crianças. •E em casos mais graves existem o tratamento da castração clinica, a castração quimica.
  • 17. Um bom tratamento pode fazer o pedófilo direcionar suas atrações sexuais apenas para adultos e afastar o objeto infantil da estrutura psicológica. Para complementar os efeitos da terapia, os psiquiatras ainda recomendam certos medicamentos. Alguns andrógenos (geralmente, esteróides ligados a características masculinas mais visíveis), por exemplo, podem ser ministrados em algumas ocasiões. Nem todos os pedófilos agem da mesma maneira e os perfis psicológicos variam, por isso é necessário estudar caso por caso e avaliar da melhor forma possivel para que possa aplicar o melhor tratamento.
  • 18. Na ordem da ilegalidade, o incesto e a pedofilia possuem características comuns, o genitor no primeiro caso e o abusador no segundo são perversos, ou seja, infringi a lei, sendo o seu desejo a sua própria lei e constituição.
  • 19.
  • 20. Uma pesquisa realizada no IML ( Instituto Médico Legal), onde as vítimas de violência sexual forma questionadas a respeito de sua relação com o agressor, teve como resultado a percentual de 49,64%, agressores conhecidos e 22,50%, onde o agressor era algum parente. Sendo que 18,75% delas convivem com o agressor na mesma residência. (COHEN & MATSUDA, 1990).
  • 21.
  • 22. CLAVEUL, Jean. et AL .O DESEJO E A PERVERSÃO.Campinas. Papirus,1990.225 p. FREUD, Sigmund. TRÊS ENSAIOS SOBRE A TEORIA DA SEXUALIDADE E OUTROS TRABALHOS. v.7.Rio de Janeiro:Imago1996,2006. HUFFMAN, Karen ET al. Psicologia. São Paulo: Atlas, 2003, 816 p. KAPLAN, Harold I.; SADOCK, Benjamin J.; GREBB, Jack A. COMPÊNDIO DE PSIQUIATRIA: ciências do comportamento e psiquiatria clínica.7.ed.Porto Alegre:Artes Médicas,1997. MARQUES, Heloisa Maria de Vivo. A VOZ DO ABUSADOR: aspectos psicológicos dos protagonistas de incesto. Dissertação de Mestrado. Cap.1.2005. Disponível em:www.bdtd.ucb.br/tede/tde_arquivos/5/TDE-2007-11-12T152640Z- 524/publico/textocompleto.pdf PEREIRA, Rodrigo. FAMÍLIA E DIGNIDADE: anais do V congresso brasileiro de direito de família. São Paulo: IOB Thomson, 2006. 923 p. PORTAL Ciência e Vida Psique: MONSTRO OU DOENTE?. Revista Cientifica. 81. ed.Disponível em: http://www.revistafilosofia.com.br/ESPS/Edicoes/27/imprime77880.asp. VOLNOVICH, Jorge. ABUSO SEXUAL NA INFÂNCIA. Rio de Janeiro: Lacerda, 2005, 208 p.