SlideShare uma empresa Scribd logo
IGREJA MODERNA
Introdução
O último período da história da igreja que estudaremos é o período dos nossos dias. Desde 1648 até hoje. A Igreja
enfrentou neste período vários “inimigos” que desejaram enfraquecê-la, ou desvirtuá-la do caminho fiel ao Senhor.
Contudo, o Senhor a esteve preservando em todo o tempo, e lhe concedendo sempre um remanescente fiel. Para nossos
objetivos aqui nós estudaremos quatro assuntos que se destacaram durante este período, os quais de certa forma
rivalizaram contra as doutrinas sadias das Escrituras. São eles: Liberalismo Teológico, Pentecostalismo,
Neopentecostalismo e Ecumenismo.
Liberalismo Teológico
Com a chegada do iluminismo o homem começou a uma jornada ininterrupta ao progresso científico e filosófico.
Infelizmente, este progresso que poderia ser útil à igreja, tornou-se contrária à religião cristã. Vejamos os pensamentos
dos teólogos liberais:
1. Ressaltava a mensagem ética de um Cristo humanizado;
2. A experiência era mais normativa do que a Bíblia;
3. Empregaram grandemente o método científico e a lei natural para explicar os milagres, não aceitando o
sobrenaturalismo, o pecado original e o sacrifício vicário de Cristo;
4. A Bíblia, de acordo com os liberais, continha somente o registro subjetivo da consciência humana de Deus;1
5. A característica principal é o desejo de adaptar as idéias religiosas à cultura e formas de pensar modernas. Os
liberais insistem em que o mundo se alterou desde os tempos em que o cristianismo foi fundado, de modo que as
terminologias da Bíblia e dos credos são incompreensíveis às pessoas hoje... Eles procuram repensar a fé e
transmiti-la em termos que possam ser compreendidos hoje;
6. Visto que a Bíblia é a obra de escritores limitados pelos seus tempos, ela não é sobrenatural nem um registro
infalível da revelação divina e, portanto, não possui autoridade absoluta;
7. O pecado ou o mal é visto como imperfeição, ignorância, desajustamento e imaturidade, e não como a falha
fundamental no universo. Estes empecilhos ao desdobrar da natureza interior podem ser vencidos pela persuasão e
pela educação, e a salvação ou regeneração é a remoção deles;
8. A igreja deve desviar sua atenção da salvação dos indivíduos pecadores para a ação coletiva de salvar a sociedade.
Conseguir uma vida melhor na terra havia substituído a preocupação com a vida no além.2
Pentecostalismo
Apesar de o movimento pentecostal não ser totalmente contrário às Escrituras, ele acabou por desprezar as boas
regras de hermenêutica bíblica, e aceitaram algumas doutrinas no mínimo equivocadas. A Igreja Reformada, apesar de
continuar Confessional e fiel às doutrinas da Reforma, tem sido alvo da influencia deste movimento. Daí a importância de
estudá-lo. Primeiramente devemos compreender um pouco da história deste movimento:
Um importante pioneiro foi Charles Fox Parham (1873-1929), que fora criado em igrejas metodistas e
“holiness,” e passou a ensinar aos seus alunos no Kansas e no Texas que os crentes deviam esperar um
batismo “com o Espírito Santo e com fogo”... Finalmente, o evento decisivo ocorreu em um reavivamento
iniciado em 1906 na Missão Fé Apostólica, na Rua Azusa, em Los Angeles, onde um ex-aluno de Parham, o
pregador negro William J. Seymour (1870-1922) iniciou uma longa série de reuniões que enfatizavam o
falar em línguas como evidência do batismo com o Espírito Santo, a marca registrada do pentecostalismo.
Logo, o movimento difundiu-se para outras cidades norte-americanas (especialmente Chicago) e para outros
países.3
E ainda:
1
CAIRNS, Earle E. O Cristianismo Através dos Séculos: Uma história da Igreja cristã. São Paulo, Vida Nova, 1995, p 406, 420.
2
PIERARD, R. V. “Liberalismo Teológico” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. Walter A. Elwell, editor. São Paulo, Vida Nova,
2009, p 425, 428.
3
MATOS, Alderi Souza de. O Desafio do Neopentecostalismo e as Igrejas Reformadas. Fonte: Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew
Jumper. Acessado em 28.07.2007.
Um movimento de reforma carismática evangélica que usualmente acha suas raízes num irrompimento do
falar em outras línguas em Topeka, Kansas, em 1901, sob a liderança de Charles Fox Parham, que tinha
sido um pregador metodista. Foi Parham quem forneceu a doutrina pentecostal básica da “evidência inicial”
depois de uma estudante na sua Escola Bíblica de Betel, Agnes Ozman, ter experimentado a glossolalia em
janeiro de 1901... Embora o falar em outras línguas tivesse aparecido no século XIX, tanto na Inglaterra
quanto na América do norte, nunca tinha assumido a importância a ele atribuída pelos pentecostais
posteriores. Por exemplo, a glossolalia ocorreu em fins da década de 1830, sob o ministério do presbiteriano
Edward Irving em Londres... Os pentecostais, no entanto, foram os primeiros que deram primazia
doutrinária à prática.4
Este movimento possui como característica peculiar duas doutrinas básicas - Batismo com o Espírito Santo e o
falar em línguas estranhas:
Basicamente, os pentecostais acreditam que a experiência dos 120 no dia do Pentecoste, conhecida como o
“batismo no Espírito Santo”, deve ser normativa para todos os cristãos. A maioria dos pentecostais acredita,
ainda, que o primeiro sinal da “evidência inicial” desse segundo batismo é o falar numa língua
desconhecida para quem fala.5
Entretanto, podemos visualizar outras doutrinas que fazem parte de seu arcabouço de fé: “ênfase nos dons
espirituais, especialmente os mais extraordinários (línguas, profecias, curas); forte emotividade, especialmente nos cultos;
ênfase à pessoa e atividade do Espírito Santo; valorização da figura do líder (o “ungido do Senhor”); preocupação
constante com as forças do mal; e grande ênfase ao conceito de „poder.‟”6
Neopentecostalismo
O movimento pentecostal se espalhou muitíssimo desde o seu início. Contudo, eles não podiam imaginar que o
movimento se tornasse tão amplo a ponto de dar luz a um outro movimento – o neopentecostalismo – que mesmo
semelhante, possui características peculiares:
O neopentecostalismo, entretanto, ao transcender as barreiras denominacionais que o continham em
identificação segura, abraçou, além de todo o corpo de idéias abrigadas no pentecostalismo, vários
ensinamentos próprios – esses nem sempre com respaldo ou analogia bíblica. No neopentecostalismo, é
básica a adesão ao espetacular e extraordinário, como sendo características inerentes ao próprio exercício da
fé cristã, mas essa jornada transdenominacional do neopentecostalismo registra a agregação de outras
peculiaridades doutrinárias, tais como: O culto à prosperidade e a busca ávida dessa, como norma de vida;
A operação de maravilhas que não têm valor intrínseco ou lógico em si (como o riso desenfreado, o cair
pela passagem de um paletó ou o aparecimento de dentes de ouro); A necessidade de identificação das
entidades demoníacas que controlam a vida e os afazeres de uma determinada localidade ou setor
geográfico, como condição básica para se ganhar a batalha espiritual que resultará no crescimento da igreja;
A utilização de formas lingüísticas e chavões que implicitamente possuiriam valor espiritual inerente,
devendo ser utilizados de maneira declaratória, nos cultos e concentrações públicas, como parte desta
batalha espiritual (“eu o amarro!” “declaro esta cidade liberta!”, etc), muitas vezes acompanhadas de
orações pré-fabricadas, apresentadas como poderosas em si; a identificação de doenças e problemas
psicológicos como formas veladas de possessão demoníaca. Nessa visão, todo crente é conclamado a ver
como fenômeno especial sobrenatural problemas que a Igreja sempre tratou como conseqüências naturais
do pecado.7
E também:
Todavia, os grupos neopentecostais distinguem-se da sua matriz ou por darem uma ênfase incomum a
determinados aspectos da herança pentecostal (por exemplo, curas, revelações e exorcismo), ou por
adotarem novas idéias e práticas, muitas delas provindas dos Estados Unidos (como batalha espiritual, o
4
SYNAN, V., “Pentecostalismo” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. Walter A. Elwell, editor. São Paulo, Vida Nova, 2009,
p 131.
5
Ibid., p 131.
6
MATOS, Alderi Souza de. O Desafio do Neopentecostalismo e as Igrejas Reformadas. Fonte: Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew
Jumper. Acessado em 28.07.2007.
7
MATOS, Alderi Souza de.; e outros. Fé Cristã e Misticismo – Uma avaliação bíblica de tendências doutrinárias atuais. São Paulo, Cultura
Cristã, 2000, p 33, 34.
“evangelho” da prosperidade, maldição hereditária e assim por diante). Aliás, um dos traços mais marcantes
do neopentecostalismo é sua criatividade, sua capacidade de inovação.8
Além destas doutrinas típicas o neopentecostalismo contém dentro de seu arcabouço doutrinário:
1. “Maldição hereditária: essa é outra área de sérias distorções. Toma-se um texto isolado como Êxodo 20.5, onde
Deus afirma que castiga a maldade dos pais nos filhos até a terceira e quarta gerações, e se constrói toda uma
doutrina a partir daí, uma doutrina que nunca foi ensinada por Cristo e pelos apóstolos. Para a libertação ou
quebra da maldição seria necessário fazer uma árvore genealógica da família, identificar as pragas, maldições,
pecados e pactos com demônios feitos pelos antepassados e anulá-los, quebrando-os e rejeitando-os em nome de
Jesus Cristo.”9
2. “Exorcismos: a maneira como a expulsão de demônios é praticada em muitas igrejas ou mesmo em programas de
televisão soa muito estranha à luz do ensino bíblico sobre a matéria. Jesus ocasionalmente expulsou demônios e o
mesmo fizeram os apóstolos. Em igrejas como a IURD e outras, os exorcismos são parte regular dos cultos,
recebendo uma ênfase totalmente desproporcional à sua importância.”10
3. “Questões éticas: outra área que tem gerado preocupação quanto a algumas igrejas e líderes neopentecostais
refere-se ao aspecto ético. É claro que todo e qualquer cristão está sujeito a cair, a cometer erros de maior ou
menor gravidade. Todavia, certas práticas são difíceis de justificar à luz dos padrões bíblicos. Alguns exemplos:
(1) Área financeira: existem igrejas e ministérios que não são transparentes quanto à maneira como recolhem e
gastam as contribuições dos fiéis... (2) Área política: o crescente envolvimento dos neopentecostais com a política
partidária não tem sido salutar para o testemunho evangélico em nosso país... (3) Área moral: o culto à
personalidade que caracteriza certos movimentos e a noção de que não se pode tocar no “ungido do Senhor,” abre
as portas para que certos líderes caiam em pecado e continuem a encontrar seguidores.”11
4. “Profecias: outra prática comum de certos grupos neopentecostais são as profecias, supostamente recebidas
mediante revelações. Com freqüência, tais profecias expressam meros desejos ou expectativas do “profeta” em
relação a uma pessoa ou grupo, mas são proferidas em tom dogmático, como se fossem tão inspiradas quanto a
Bíblia.”12
Todavia, o erro mais grave que podemos constatar no neopentecostalismo é sua deficiência quanto ao tratamento
das Escrituras Sagradas. Eles cometem erros com relação às Escrituras, os quais minam completamente um cristianismo
saudável:
A questão básica, da qual decorrem todas as demais, tem a ver com o lugar ocupado pelas Escrituras na
teologia das igrejas neopentecostais. Três fatores, entre outros, contribuem para tornar relativo o valor das
Escrituras em muitas igrejas: (a) A ênfase na experiência: quando a experiência pessoal se torna um critério
de verdade, a Escritura tende a ficar em segundo plano; se, por exemplo, uma determinada prática produz
resultados ou faz a pessoa sentir-se bem, isso é o que importa. (b) O apelo a revelações: obviamente, se
alguém acredita que Deus continua a revelar-se de maneira direta, imediata, isso tende a relativizar as
Escrituras; elas não mais são a revelação final de Deus, a única regra de fé e prática para o crente. Quando
um pregador diz “o Senhor me revelou ou o Senhor me mostrou isso ou aquilo”, tudo pode acontecer, e é
proibido questionar, pois é palavra do Senhor. (c) Uso questionável das Escrituras: quando as Escrituras
são utilizadas, muitas vezes isso é acompanhado de interpretações tendenciosas, uso seletivo de certas
passagens ou ênfases inadequadas. Muitos ensinos e práticas neopentecostais têm alguma fundamentação
bíblica, mas recebem uma ênfase muito maior do que se vê nas próprias Escrituras, no ensino de Cristo e
dos apóstolos ou na prática da igreja primitiva. Veremos adiante alguns exemplos disso.13
8
MATOS, Alderi Souza de. O Desafio do Neopentecostalismo e as Igrejas Reformadas. Fonte: Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew
Jumper. Acessado em 28.07.2007.
9
Ibid.
10
Ibid.
11
Ibid.
12
Ibid.
13
Ibid.
Ecumenismo
Um movimento religioso, que é perigoso em seus efeitos e danoso por ser contrário às Escrituras, mas que ao
mesmo tempo passa despercebido por muitos, é o ecumenismo. Muitos religiosos de nosso tempo proclamam uma suposta
união entre as pessoas mesmo diante das diferenças de fé. Isto pode ser bom se levado a efeito com pessoas genuinamente
cristãs que possuam diferenças secundárias. Entretanto, unir-se a outras religiões ou denominações cristãs que possuem
heresias gritantes não é um procedimento saudável. Vejamos a baixo os três tipos de ecumenismo,14
e logo após
reflitamos em qual tipo de ecumenismo podemos nos envolver.
1. Ecumenismo Religioso: É a tentativa de aproximar as grandes e diferentes religiões do mundo. Essa aproximação
vai desde cooperação em missões e ação social e política, até união e fusão de credos. A iniciativa tem sido
principalmente de órgãos protestantes. O maior deles é o Concílio Mundial de Igrejas (CMI). A filosofia que
permite o CMI fazer esta tentativa é o pluralismo. Como o nome já indica, essa filosofia defende a pluralidade da
verdade, ou seja, que não existe uma verdade absoluta, mas sim verdades diferentes para cada pessoa. Esse
conceito é ambíguo, mas definitivamente já faz parte integrante da nossa cultura presente. Ele acredita que seja
possível o relacionamento de pessoas com crenças e ideologias diferentes, sem que um tenha de sujeitar suas
convicções ao domínio do outro. A idéia de converter alguém às suas próprias convicções é politicamente
incorreto. A chave está na valorização da negociação e da cooperação em lugar de se tentar provar que se está
certo ou errado... Uma consulta teológica sobre a salvação na Suíça patrocinada pelo CMI, composta por 25
teólogos, trouxe as seguintes conclusões: 1) Através da história, pessoas tem encontrado a Deus no contexto de
várias religiões e culturas diferentes. 2) Todas as tradições religiosas são ambíguas (inclusive o cristianismo), isto
é, uma combinação do que é bom e do que é ruim. 3) É necessário progredir além de uma teologia que confina a
salvação a um compromisso pessoal explícito com Jesus Cristo.
2. Ecumenismo Cristão: Este tipo de ecumenismo tenta a aproximação entre os grandes ramos da cristandade, ou
seja, a Igreja Católica, a Igreja protestante, e a Ortodoxa, e entre os diversos ramos protestantes entre si.
3. Ecumenismo Evangélico: É a tentativa de aproximação entre igrejas evangélicas, a nível de cooperação em
atividades evangelísticas e sócio-políticas, e mesmo de fusão organizacional.
14
LOPES, Augustus Nicodemus. Ecumenismo. 08/01/2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
Sérgio Miguel
 
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - IntroduçãoSeitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Luan Almeida
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
ESTUDANTETEOLOGIA
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisasLições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Ravena B
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolosAtos dos apostolos
Atos dos apostolos
Marcos Masini
 
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de FéSete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Raniere Menezes
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Adriano Pascoa
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Éder Tomé
 
Lição 5 - grupos religiosos da época de jesus - 2º quadrimestre 2012 - ebd - ...
Lição 5 - grupos religiosos da época de jesus - 2º quadrimestre 2012 - ebd - ...Lição 5 - grupos religiosos da época de jesus - 2º quadrimestre 2012 - ebd - ...
Lição 5 - grupos religiosos da época de jesus - 2º quadrimestre 2012 - ebd - ...
Sergio Silva
 
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano IIHistória da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
Andre Nascimento
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Adriano Pascoa
 
História dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
História dos Protestantes e Evangélicos até o BrasilHistória dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
História dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
Djalma C. Filho
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
Lisanro Cronje
 
Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2
Lisanro Cronje
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
Respirando Deus
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
Glauco Gonçalves
 
Introdução 1 cristologia
Introdução 1 cristologiaIntrodução 1 cristologia
Introdução 1 cristologia
frpoverello
 

Mais procurados (20)

História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
 
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - IntroduçãoSeitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
 
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisasLições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolosAtos dos apostolos
Atos dos apostolos
 
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de FéSete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
 
Lição 5 - grupos religiosos da época de jesus - 2º quadrimestre 2012 - ebd - ...
Lição 5 - grupos religiosos da época de jesus - 2º quadrimestre 2012 - ebd - ...Lição 5 - grupos religiosos da época de jesus - 2º quadrimestre 2012 - ebd - ...
Lição 5 - grupos religiosos da época de jesus - 2º quadrimestre 2012 - ebd - ...
 
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano IIHistória da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
 
História dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
História dos Protestantes e Evangélicos até o BrasilHistória dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
História dos Protestantes e Evangélicos até o Brasil
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
 
Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
 
Introdução 1 cristologia
Introdução 1 cristologiaIntrodução 1 cristologia
Introdução 1 cristologia
 

Semelhante a História da Igreja Moderna

Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)
Andréia Eufrazio
 
Teologia da Prosperidade (O Falso Evangelho)
Teologia da Prosperidade (O Falso Evangelho) Teologia da Prosperidade (O Falso Evangelho)
Teologia da Prosperidade (O Falso Evangelho)
Carlos Silva
 
O evangelho da prosperidade alan b. pieratt
O evangelho da prosperidade   alan b. pierattO evangelho da prosperidade   alan b. pieratt
O evangelho da prosperidade alan b. pieratt
Alex Martins
 
A secularizacao da igreja
A secularizacao da igrejaA secularizacao da igreja
A secularizacao da igreja
IPB706Sul
 
Genio e espirito_do_metodismo_wesleyano
Genio e espirito_do_metodismo_wesleyanoGenio e espirito_do_metodismo_wesleyano
Genio e espirito_do_metodismo_wesleyano
Paulo Dias Nogueira
 
Movimento Pentecostal - Seitas e Heresias
Movimento Pentecostal - Seitas e HeresiasMovimento Pentecostal - Seitas e Heresias
Movimento Pentecostal - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
O anti intelectualismo-entre_os_pentecostais
O anti intelectualismo-entre_os_pentecostaisO anti intelectualismo-entre_os_pentecostais
O anti intelectualismo-entre_os_pentecostais
Rodrigo Soares
 
O evangelho da prosperidade alan b. pieratt
O evangelho da prosperidade   alan b. pierattO evangelho da prosperidade   alan b. pieratt
O evangelho da prosperidade alan b. pieratt
Cristina Nico
 
Identidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas BrasileirosIdentidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas Brasileiros
usr_isaltino
 
O movimento pentecostal
O movimento pentecostalO movimento pentecostal
O movimento pentecostal
joabs
 
Cristianismo (1)
Cristianismo (1)Cristianismo (1)
Cristianismo (1)
Iran Teixeira
 
STNB-SMR - M1
STNB-SMR - M1STNB-SMR - M1
STNB-SMR - M1
Milton JB Sobreiro
 
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestanteLBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
Natalino das Neves Neves
 
O Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
O Fundamentalismo Cristão Norte - AmericanoO Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
O Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
Yury Fontão
 
Catequese jmc
Catequese jmcCatequese jmc
Catequese jmc
SeminarioJMC
 
Resumo Seitas e heresias.docx
Resumo Seitas e heresias.docxResumo Seitas e heresias.docx
Resumo Seitas e heresias.docx
JosMriodasilva1
 
IBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptx
IBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptxIBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptx
IBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptx
Rubens Sohn
 
Amos r binney-compendio_de_teologia (4)
Amos r binney-compendio_de_teologia (4)Amos r binney-compendio_de_teologia (4)
Amos r binney-compendio_de_teologia (4)
Luiza Dayana
 
Amos r binney-compendio_de_teologia (5)
Amos r binney-compendio_de_teologia (5)Amos r binney-compendio_de_teologia (5)
Amos r binney-compendio_de_teologia (5)
Luiza Dayana
 
Amos r binney-compendio_de_teologia
Amos r binney-compendio_de_teologiaAmos r binney-compendio_de_teologia
Amos r binney-compendio_de_teologia
Luiza Dayana
 

Semelhante a História da Igreja Moderna (20)

Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)
 
Teologia da Prosperidade (O Falso Evangelho)
Teologia da Prosperidade (O Falso Evangelho) Teologia da Prosperidade (O Falso Evangelho)
Teologia da Prosperidade (O Falso Evangelho)
 
O evangelho da prosperidade alan b. pieratt
O evangelho da prosperidade   alan b. pierattO evangelho da prosperidade   alan b. pieratt
O evangelho da prosperidade alan b. pieratt
 
A secularizacao da igreja
A secularizacao da igrejaA secularizacao da igreja
A secularizacao da igreja
 
Genio e espirito_do_metodismo_wesleyano
Genio e espirito_do_metodismo_wesleyanoGenio e espirito_do_metodismo_wesleyano
Genio e espirito_do_metodismo_wesleyano
 
Movimento Pentecostal - Seitas e Heresias
Movimento Pentecostal - Seitas e HeresiasMovimento Pentecostal - Seitas e Heresias
Movimento Pentecostal - Seitas e Heresias
 
O anti intelectualismo-entre_os_pentecostais
O anti intelectualismo-entre_os_pentecostaisO anti intelectualismo-entre_os_pentecostais
O anti intelectualismo-entre_os_pentecostais
 
O evangelho da prosperidade alan b. pieratt
O evangelho da prosperidade   alan b. pierattO evangelho da prosperidade   alan b. pieratt
O evangelho da prosperidade alan b. pieratt
 
Identidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas BrasileirosIdentidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas Brasileiros
 
O movimento pentecostal
O movimento pentecostalO movimento pentecostal
O movimento pentecostal
 
Cristianismo (1)
Cristianismo (1)Cristianismo (1)
Cristianismo (1)
 
STNB-SMR - M1
STNB-SMR - M1STNB-SMR - M1
STNB-SMR - M1
 
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestanteLBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
 
O Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
O Fundamentalismo Cristão Norte - AmericanoO Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
O Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
 
Catequese jmc
Catequese jmcCatequese jmc
Catequese jmc
 
Resumo Seitas e heresias.docx
Resumo Seitas e heresias.docxResumo Seitas e heresias.docx
Resumo Seitas e heresias.docx
 
IBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptx
IBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptxIBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptx
IBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptx
 
Amos r binney-compendio_de_teologia (4)
Amos r binney-compendio_de_teologia (4)Amos r binney-compendio_de_teologia (4)
Amos r binney-compendio_de_teologia (4)
 
Amos r binney-compendio_de_teologia (5)
Amos r binney-compendio_de_teologia (5)Amos r binney-compendio_de_teologia (5)
Amos r binney-compendio_de_teologia (5)
 
Amos r binney-compendio_de_teologia
Amos r binney-compendio_de_teologiaAmos r binney-compendio_de_teologia
Amos r binney-compendio_de_teologia
 

Mais de Alberto Simonton

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
Alberto Simonton
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
Alberto Simonton
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
Alberto Simonton
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
Alberto Simonton
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Alberto Simonton
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
Alberto Simonton
 
Propósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãsPropósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãs
Alberto Simonton
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
Alberto Simonton
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Alberto Simonton
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
Alberto Simonton
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
Alberto Simonton
 
Tirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missõesTirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missões
Alberto Simonton
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
Alberto Simonton
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
Alberto Simonton
 
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Estudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldiçãoEstudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldição
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Alberto Simonton
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
Alberto Simonton
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
Alberto Simonton
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Alberto Simonton
 

Mais de Alberto Simonton (20)

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
 
Propósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãsPropósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãs
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
 
Tirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missõesTirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missões
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
 
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Estudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldiçãoEstudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldição
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
 

Último

Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 

Último (10)

Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 

História da Igreja Moderna

  • 1. IGREJA MODERNA Introdução O último período da história da igreja que estudaremos é o período dos nossos dias. Desde 1648 até hoje. A Igreja enfrentou neste período vários “inimigos” que desejaram enfraquecê-la, ou desvirtuá-la do caminho fiel ao Senhor. Contudo, o Senhor a esteve preservando em todo o tempo, e lhe concedendo sempre um remanescente fiel. Para nossos objetivos aqui nós estudaremos quatro assuntos que se destacaram durante este período, os quais de certa forma rivalizaram contra as doutrinas sadias das Escrituras. São eles: Liberalismo Teológico, Pentecostalismo, Neopentecostalismo e Ecumenismo. Liberalismo Teológico Com a chegada do iluminismo o homem começou a uma jornada ininterrupta ao progresso científico e filosófico. Infelizmente, este progresso que poderia ser útil à igreja, tornou-se contrária à religião cristã. Vejamos os pensamentos dos teólogos liberais: 1. Ressaltava a mensagem ética de um Cristo humanizado; 2. A experiência era mais normativa do que a Bíblia; 3. Empregaram grandemente o método científico e a lei natural para explicar os milagres, não aceitando o sobrenaturalismo, o pecado original e o sacrifício vicário de Cristo; 4. A Bíblia, de acordo com os liberais, continha somente o registro subjetivo da consciência humana de Deus;1 5. A característica principal é o desejo de adaptar as idéias religiosas à cultura e formas de pensar modernas. Os liberais insistem em que o mundo se alterou desde os tempos em que o cristianismo foi fundado, de modo que as terminologias da Bíblia e dos credos são incompreensíveis às pessoas hoje... Eles procuram repensar a fé e transmiti-la em termos que possam ser compreendidos hoje; 6. Visto que a Bíblia é a obra de escritores limitados pelos seus tempos, ela não é sobrenatural nem um registro infalível da revelação divina e, portanto, não possui autoridade absoluta; 7. O pecado ou o mal é visto como imperfeição, ignorância, desajustamento e imaturidade, e não como a falha fundamental no universo. Estes empecilhos ao desdobrar da natureza interior podem ser vencidos pela persuasão e pela educação, e a salvação ou regeneração é a remoção deles; 8. A igreja deve desviar sua atenção da salvação dos indivíduos pecadores para a ação coletiva de salvar a sociedade. Conseguir uma vida melhor na terra havia substituído a preocupação com a vida no além.2 Pentecostalismo Apesar de o movimento pentecostal não ser totalmente contrário às Escrituras, ele acabou por desprezar as boas regras de hermenêutica bíblica, e aceitaram algumas doutrinas no mínimo equivocadas. A Igreja Reformada, apesar de continuar Confessional e fiel às doutrinas da Reforma, tem sido alvo da influencia deste movimento. Daí a importância de estudá-lo. Primeiramente devemos compreender um pouco da história deste movimento: Um importante pioneiro foi Charles Fox Parham (1873-1929), que fora criado em igrejas metodistas e “holiness,” e passou a ensinar aos seus alunos no Kansas e no Texas que os crentes deviam esperar um batismo “com o Espírito Santo e com fogo”... Finalmente, o evento decisivo ocorreu em um reavivamento iniciado em 1906 na Missão Fé Apostólica, na Rua Azusa, em Los Angeles, onde um ex-aluno de Parham, o pregador negro William J. Seymour (1870-1922) iniciou uma longa série de reuniões que enfatizavam o falar em línguas como evidência do batismo com o Espírito Santo, a marca registrada do pentecostalismo. Logo, o movimento difundiu-se para outras cidades norte-americanas (especialmente Chicago) e para outros países.3 E ainda: 1 CAIRNS, Earle E. O Cristianismo Através dos Séculos: Uma história da Igreja cristã. São Paulo, Vida Nova, 1995, p 406, 420. 2 PIERARD, R. V. “Liberalismo Teológico” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. Walter A. Elwell, editor. São Paulo, Vida Nova, 2009, p 425, 428. 3 MATOS, Alderi Souza de. O Desafio do Neopentecostalismo e as Igrejas Reformadas. Fonte: Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Acessado em 28.07.2007.
  • 2. Um movimento de reforma carismática evangélica que usualmente acha suas raízes num irrompimento do falar em outras línguas em Topeka, Kansas, em 1901, sob a liderança de Charles Fox Parham, que tinha sido um pregador metodista. Foi Parham quem forneceu a doutrina pentecostal básica da “evidência inicial” depois de uma estudante na sua Escola Bíblica de Betel, Agnes Ozman, ter experimentado a glossolalia em janeiro de 1901... Embora o falar em outras línguas tivesse aparecido no século XIX, tanto na Inglaterra quanto na América do norte, nunca tinha assumido a importância a ele atribuída pelos pentecostais posteriores. Por exemplo, a glossolalia ocorreu em fins da década de 1830, sob o ministério do presbiteriano Edward Irving em Londres... Os pentecostais, no entanto, foram os primeiros que deram primazia doutrinária à prática.4 Este movimento possui como característica peculiar duas doutrinas básicas - Batismo com o Espírito Santo e o falar em línguas estranhas: Basicamente, os pentecostais acreditam que a experiência dos 120 no dia do Pentecoste, conhecida como o “batismo no Espírito Santo”, deve ser normativa para todos os cristãos. A maioria dos pentecostais acredita, ainda, que o primeiro sinal da “evidência inicial” desse segundo batismo é o falar numa língua desconhecida para quem fala.5 Entretanto, podemos visualizar outras doutrinas que fazem parte de seu arcabouço de fé: “ênfase nos dons espirituais, especialmente os mais extraordinários (línguas, profecias, curas); forte emotividade, especialmente nos cultos; ênfase à pessoa e atividade do Espírito Santo; valorização da figura do líder (o “ungido do Senhor”); preocupação constante com as forças do mal; e grande ênfase ao conceito de „poder.‟”6 Neopentecostalismo O movimento pentecostal se espalhou muitíssimo desde o seu início. Contudo, eles não podiam imaginar que o movimento se tornasse tão amplo a ponto de dar luz a um outro movimento – o neopentecostalismo – que mesmo semelhante, possui características peculiares: O neopentecostalismo, entretanto, ao transcender as barreiras denominacionais que o continham em identificação segura, abraçou, além de todo o corpo de idéias abrigadas no pentecostalismo, vários ensinamentos próprios – esses nem sempre com respaldo ou analogia bíblica. No neopentecostalismo, é básica a adesão ao espetacular e extraordinário, como sendo características inerentes ao próprio exercício da fé cristã, mas essa jornada transdenominacional do neopentecostalismo registra a agregação de outras peculiaridades doutrinárias, tais como: O culto à prosperidade e a busca ávida dessa, como norma de vida; A operação de maravilhas que não têm valor intrínseco ou lógico em si (como o riso desenfreado, o cair pela passagem de um paletó ou o aparecimento de dentes de ouro); A necessidade de identificação das entidades demoníacas que controlam a vida e os afazeres de uma determinada localidade ou setor geográfico, como condição básica para se ganhar a batalha espiritual que resultará no crescimento da igreja; A utilização de formas lingüísticas e chavões que implicitamente possuiriam valor espiritual inerente, devendo ser utilizados de maneira declaratória, nos cultos e concentrações públicas, como parte desta batalha espiritual (“eu o amarro!” “declaro esta cidade liberta!”, etc), muitas vezes acompanhadas de orações pré-fabricadas, apresentadas como poderosas em si; a identificação de doenças e problemas psicológicos como formas veladas de possessão demoníaca. Nessa visão, todo crente é conclamado a ver como fenômeno especial sobrenatural problemas que a Igreja sempre tratou como conseqüências naturais do pecado.7 E também: Todavia, os grupos neopentecostais distinguem-se da sua matriz ou por darem uma ênfase incomum a determinados aspectos da herança pentecostal (por exemplo, curas, revelações e exorcismo), ou por adotarem novas idéias e práticas, muitas delas provindas dos Estados Unidos (como batalha espiritual, o 4 SYNAN, V., “Pentecostalismo” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. Walter A. Elwell, editor. São Paulo, Vida Nova, 2009, p 131. 5 Ibid., p 131. 6 MATOS, Alderi Souza de. O Desafio do Neopentecostalismo e as Igrejas Reformadas. Fonte: Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Acessado em 28.07.2007. 7 MATOS, Alderi Souza de.; e outros. Fé Cristã e Misticismo – Uma avaliação bíblica de tendências doutrinárias atuais. São Paulo, Cultura Cristã, 2000, p 33, 34.
  • 3. “evangelho” da prosperidade, maldição hereditária e assim por diante). Aliás, um dos traços mais marcantes do neopentecostalismo é sua criatividade, sua capacidade de inovação.8 Além destas doutrinas típicas o neopentecostalismo contém dentro de seu arcabouço doutrinário: 1. “Maldição hereditária: essa é outra área de sérias distorções. Toma-se um texto isolado como Êxodo 20.5, onde Deus afirma que castiga a maldade dos pais nos filhos até a terceira e quarta gerações, e se constrói toda uma doutrina a partir daí, uma doutrina que nunca foi ensinada por Cristo e pelos apóstolos. Para a libertação ou quebra da maldição seria necessário fazer uma árvore genealógica da família, identificar as pragas, maldições, pecados e pactos com demônios feitos pelos antepassados e anulá-los, quebrando-os e rejeitando-os em nome de Jesus Cristo.”9 2. “Exorcismos: a maneira como a expulsão de demônios é praticada em muitas igrejas ou mesmo em programas de televisão soa muito estranha à luz do ensino bíblico sobre a matéria. Jesus ocasionalmente expulsou demônios e o mesmo fizeram os apóstolos. Em igrejas como a IURD e outras, os exorcismos são parte regular dos cultos, recebendo uma ênfase totalmente desproporcional à sua importância.”10 3. “Questões éticas: outra área que tem gerado preocupação quanto a algumas igrejas e líderes neopentecostais refere-se ao aspecto ético. É claro que todo e qualquer cristão está sujeito a cair, a cometer erros de maior ou menor gravidade. Todavia, certas práticas são difíceis de justificar à luz dos padrões bíblicos. Alguns exemplos: (1) Área financeira: existem igrejas e ministérios que não são transparentes quanto à maneira como recolhem e gastam as contribuições dos fiéis... (2) Área política: o crescente envolvimento dos neopentecostais com a política partidária não tem sido salutar para o testemunho evangélico em nosso país... (3) Área moral: o culto à personalidade que caracteriza certos movimentos e a noção de que não se pode tocar no “ungido do Senhor,” abre as portas para que certos líderes caiam em pecado e continuem a encontrar seguidores.”11 4. “Profecias: outra prática comum de certos grupos neopentecostais são as profecias, supostamente recebidas mediante revelações. Com freqüência, tais profecias expressam meros desejos ou expectativas do “profeta” em relação a uma pessoa ou grupo, mas são proferidas em tom dogmático, como se fossem tão inspiradas quanto a Bíblia.”12 Todavia, o erro mais grave que podemos constatar no neopentecostalismo é sua deficiência quanto ao tratamento das Escrituras Sagradas. Eles cometem erros com relação às Escrituras, os quais minam completamente um cristianismo saudável: A questão básica, da qual decorrem todas as demais, tem a ver com o lugar ocupado pelas Escrituras na teologia das igrejas neopentecostais. Três fatores, entre outros, contribuem para tornar relativo o valor das Escrituras em muitas igrejas: (a) A ênfase na experiência: quando a experiência pessoal se torna um critério de verdade, a Escritura tende a ficar em segundo plano; se, por exemplo, uma determinada prática produz resultados ou faz a pessoa sentir-se bem, isso é o que importa. (b) O apelo a revelações: obviamente, se alguém acredita que Deus continua a revelar-se de maneira direta, imediata, isso tende a relativizar as Escrituras; elas não mais são a revelação final de Deus, a única regra de fé e prática para o crente. Quando um pregador diz “o Senhor me revelou ou o Senhor me mostrou isso ou aquilo”, tudo pode acontecer, e é proibido questionar, pois é palavra do Senhor. (c) Uso questionável das Escrituras: quando as Escrituras são utilizadas, muitas vezes isso é acompanhado de interpretações tendenciosas, uso seletivo de certas passagens ou ênfases inadequadas. Muitos ensinos e práticas neopentecostais têm alguma fundamentação bíblica, mas recebem uma ênfase muito maior do que se vê nas próprias Escrituras, no ensino de Cristo e dos apóstolos ou na prática da igreja primitiva. Veremos adiante alguns exemplos disso.13 8 MATOS, Alderi Souza de. O Desafio do Neopentecostalismo e as Igrejas Reformadas. Fonte: Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Acessado em 28.07.2007. 9 Ibid. 10 Ibid. 11 Ibid. 12 Ibid. 13 Ibid.
  • 4. Ecumenismo Um movimento religioso, que é perigoso em seus efeitos e danoso por ser contrário às Escrituras, mas que ao mesmo tempo passa despercebido por muitos, é o ecumenismo. Muitos religiosos de nosso tempo proclamam uma suposta união entre as pessoas mesmo diante das diferenças de fé. Isto pode ser bom se levado a efeito com pessoas genuinamente cristãs que possuam diferenças secundárias. Entretanto, unir-se a outras religiões ou denominações cristãs que possuem heresias gritantes não é um procedimento saudável. Vejamos a baixo os três tipos de ecumenismo,14 e logo após reflitamos em qual tipo de ecumenismo podemos nos envolver. 1. Ecumenismo Religioso: É a tentativa de aproximar as grandes e diferentes religiões do mundo. Essa aproximação vai desde cooperação em missões e ação social e política, até união e fusão de credos. A iniciativa tem sido principalmente de órgãos protestantes. O maior deles é o Concílio Mundial de Igrejas (CMI). A filosofia que permite o CMI fazer esta tentativa é o pluralismo. Como o nome já indica, essa filosofia defende a pluralidade da verdade, ou seja, que não existe uma verdade absoluta, mas sim verdades diferentes para cada pessoa. Esse conceito é ambíguo, mas definitivamente já faz parte integrante da nossa cultura presente. Ele acredita que seja possível o relacionamento de pessoas com crenças e ideologias diferentes, sem que um tenha de sujeitar suas convicções ao domínio do outro. A idéia de converter alguém às suas próprias convicções é politicamente incorreto. A chave está na valorização da negociação e da cooperação em lugar de se tentar provar que se está certo ou errado... Uma consulta teológica sobre a salvação na Suíça patrocinada pelo CMI, composta por 25 teólogos, trouxe as seguintes conclusões: 1) Através da história, pessoas tem encontrado a Deus no contexto de várias religiões e culturas diferentes. 2) Todas as tradições religiosas são ambíguas (inclusive o cristianismo), isto é, uma combinação do que é bom e do que é ruim. 3) É necessário progredir além de uma teologia que confina a salvação a um compromisso pessoal explícito com Jesus Cristo. 2. Ecumenismo Cristão: Este tipo de ecumenismo tenta a aproximação entre os grandes ramos da cristandade, ou seja, a Igreja Católica, a Igreja protestante, e a Ortodoxa, e entre os diversos ramos protestantes entre si. 3. Ecumenismo Evangélico: É a tentativa de aproximação entre igrejas evangélicas, a nível de cooperação em atividades evangelísticas e sócio-políticas, e mesmo de fusão organizacional. 14 LOPES, Augustus Nicodemus. Ecumenismo. 08/01/2006.