SlideShare uma empresa Scribd logo
Gripe comum,
Suína &
Aviária
Aluno :
Guilherme Edgar
MAS O QUE É UMA
GRIPE?
A gripe é uma doença contagiosa
resultante da infecção pelo vírus
influenza. O vírus influenza infecta o
tacto respiratório (nariz, garganta,
pulmões, etc.) podendo atingir
diferentes espécies. Existe uma
variação do vírus para cada espécie,
isto é, o vírus que infectam as aves só
raramente infectam humanos. No
entanto, os vírus específicos de uma
espécie podem sofrer uma mutação
que lhes confere capacidade de
infectar outra espécie.
• Gênero da família Orthomyxoviridae, também conhecida como Myxovirus.
Vírus de RNA fita simples – polaridade negativa.
5 tipos distintos:
Influenzavirus A: capaz de infectar aves e mamíferos ;
Influenzavirus B: capaz de infectar apenas humanos e focas;
Influenzavirus C: capaz de infectar apenas humanos e porcos;
Thogotovirus: transmitido por carrapatos;
Isavirus: doença do “Salmão do Atlântico”.
Influenzavirus A
Existem dezesseis subtipos de
NA(neuraminidase) e nove HA(hemaglutinina)
atualmente conhecidos. Desses, seis subtipos
de HA (H1, H2, H3, H5, H7 e H9) e três de NA
(N1, N2 e N7) foram identificadas em cepas do
vírus da gripe humana causando infecção.
A presença dessas glicoproteínas determina a
sub-tipagem dos vírus.
Influenzavirus A
Composição básica:
-envelope;
-glicoproteínas de superfície: hemaglutinina (HA) e neuraminidase (NA), que
atuam no reconhecimento e infecção da célula;
-matriz: M1 (subjacente ao invólucro - confere rigidez) e M2 (canal de prótons);
-ribonucleoproteínas: RNP (divididas em 4 tipos, a NP, a qual está ligada ao
RNA e PB1, PB2 e PA, as quais constituem as polimerases virais P);
-proteínas não estruturais: NS1, NS2 (relacionadas com replicação e expressão
viral).
-8 fitas de ssRNA de tamanhos diferentes.
Replicação:
Entrada do vírus na célula hospedeira:
mecanismo de endocitose mediado por receptores
(ligação da HA aos receptores da membrana plasmática
da célula).
A replicação e transcrição necessárias à síntese do
RNA dos vírus influenza ocorrem no núcleo da célula
hospedeira.
RNA viral  mRNAs  proteínas estruturais e não estruturais
Núcleo Citoplasma
Os viriões saem da célula hospedeira por um processo
de"budding” (brotamento).
Transmição
• A transmissão de ambas as gripes ocorrem de
forma muito semelhantes se tratando de
humanos para humanos.
• A Gripe Suína é geralmente Transmitida para
pessoas com interação frequente com esses
animais, ou comendo carne infectada mas o
risco de pegar o vírus pela carne é
baixíssima.
• O vírus da gripe aviaria também é pego ao
contato com esses animais e não há infecção
pela carne.
Sintomas
Os três tipos de gripe tem sintomas muito
semelhantes, embora haja uma alteração de vírus
para vírus na proporção, intensidade e força com
que esses sintomas venham , os sintomas mais
frequentes são:
• Dores musculares;
• Febre;
• Tosses;
• Diarreia;
• Vomitos;
• Dor na garganta;
• Podendo se agravar ocaso a uma pneumonia ou
hemorragia pulmonar causando falta de ar;
• Em alguns casos é tão grave q leva a morte do
paciente;
Nova cepa encontrada em humanos?
SIM
NÃO
Presente em animais?
SIM
Ocorre transmissão humano-humano?
SIM
NÃO
Ocorre transmissão
para humano?
Pequenos focos
Focos maiores, mas ainda localizados
PANDEMIA
Epidemia de doença infecciosa que se espalha entre a população de
uma grande região geográfica como, por exemplo, um continente,
ou mesmo o planeta.
Pandemia de influenza  inicia-se
quando uma das muitas variantes da influenza
que circulam entre animais selvagens ou
domesticados, transforma-se numa forma que
também infecta as pessoas (novo, agressivo e
altamente contagioso).
O risco de uma nova pandemia levou a
OMS a criar uma classificação em 6 fases para
avaliar a evolução do vírus influenza.
Gripe asiática
(1957)
Gripe
Espanhola
1918
H1N1
Gripe
Asiática
1957
H2N2
Gripe de
Hong Kong
1968
H3N2
O vírus H5N1 não ultrapassou a fase 3 (não
transmissível entre humanos).
Planejamento estratégico
. Vigilância epidemiológica
. Desenvolvimento de vacinas
. Medidas de contenção
. Desenvolvimento de anti-virais
Vigilância
. 1ª fase de defesa  capacidade de prevê-las
. Agências internacionais responsáveis pelo
rastreamento do vírus: Organização Mundial da Saúde
(OMS); A Organização Mundial de Saúde Animal
(OMSA) e a Organização de Alimentação e Agricultura
(FAO)
. Detecção precoce
. Monitorar a disseminação de cada surto e a
evolução das habilidades do vírus, que determinam a
fase do ciclo pandêmico em que o mundo está
Vacinas
. Ameaça de pandemia impulso no financiamento de
pesquisas nessa área
. Novas vacinas (mais
compatíveis com o vírus, e
portanto, maior eficiência do
sistema imunológico contra
ele)
. Novas tecnologias: vacinação em massa através de
aerossóis e da água utilizada para consumo
Medidas de contenção
Devido aos avanços na vigilância da doença e nas
drogas anti-virais, a OMS identifica um período no
início da pandemia em que um vírus prestes a se
espalhar pelo mundo pode ser contido
Medidas que possibilitam essa
contenção:
. eliminação de aves infectadas,
.quarentena de humanos infectados,
.uso de máscaras cirúrgicas,
.durante o período de risco: evitar
locais com aglomeração de pessoas, não
compartilhar alimentos e objetos
pessoais, lavar as mãos frequentemente,
etc
Drogas anti-virais
Medicamentos anti-virais licenciados para profilaxia e
tratamento da gripe:
. Bloqueadores de canais M2 o qual é canal de prótons
fundamental para a replicação (derivados do adamantane, alta
resistência viral)
-Amantadina
-Rimantadina
. Inibidores de Neuraminidase, que impedem a liberação dos vírus
recém-produzidos pela célula hospedeira (menor resistência):
-Oseltamivir
-Zanamivir
. Anti-virais em desenvolvimento:
-Novo inibidor da neuramidase (ex: Peramivir);
-Classes de anti-virais com novos alvos moleculares (ex: inibidor da
RNA polimerase).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula streptococcus
Aula streptococcusAula streptococcus
Aula streptococcus
Antonio Carlos Stradiotto
 
Fisiologia d ruminantes, goteira esofagica
Fisiologia d ruminantes, goteira esofagicaFisiologia d ruminantes, goteira esofagica
Fisiologia d ruminantes, goteira esofagica
Adriano Silva
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
João Marcos
 
Microbiologia da silagem aula glaucia
Microbiologia da silagem  aula glauciaMicrobiologia da silagem  aula glaucia
Microbiologia da silagem aula glaucia
Glaucia Moraes
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
Brenda Bueno
 
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção? Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Carolina Trochmann
 
Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
Killer Max
 
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Lilian De Rezende Jordão
 
Exame fisico geral
Exame fisico geralExame fisico geral
Exame fisico geral
Jamile Vitória
 
Mormo.
Mormo.Mormo.
Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2
Marília Gomes
 
Doença de Gumboro
Doença de GumboroDoença de Gumboro
Doença de Gumboro
Joan Pablo Gonçalves
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - Parasitologia
Janaina Alves
 
Fisiologia animal
Fisiologia animalFisiologia animal
Fisiologia animal
Marília Gomes
 
Instalações para eqüinos
Instalações para eqüinosInstalações para eqüinos
Febre aftosa
Febre aftosaFebre aftosa
Febre aftosa
Maria Alice Sene
 
Leptospirose em cães
Leptospirose em cãesLeptospirose em cães
Leptospirose em cães
Michel Oliveira
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Renata Lara
 
Leite e derivados
Leite e derivadosLeite e derivados
Leite e derivados
Sandra Semedo
 

Mais procurados (20)

Aula streptococcus
Aula streptococcusAula streptococcus
Aula streptococcus
 
Fisiologia d ruminantes, goteira esofagica
Fisiologia d ruminantes, goteira esofagicaFisiologia d ruminantes, goteira esofagica
Fisiologia d ruminantes, goteira esofagica
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
 
Microbiologia da silagem aula glaucia
Microbiologia da silagem  aula glauciaMicrobiologia da silagem  aula glaucia
Microbiologia da silagem aula glaucia
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
 
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção? Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
 
Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
 
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
 
Exame fisico geral
Exame fisico geralExame fisico geral
Exame fisico geral
 
Mormo.
Mormo.Mormo.
Mormo.
 
Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2
 
Doença de Gumboro
Doença de GumboroDoença de Gumboro
Doença de Gumboro
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - Parasitologia
 
Fisiologia animal
Fisiologia animalFisiologia animal
Fisiologia animal
 
Instalações para eqüinos
Instalações para eqüinosInstalações para eqüinos
Instalações para eqüinos
 
Febre aftosa
Febre aftosaFebre aftosa
Febre aftosa
 
Leptospirose em cães
Leptospirose em cãesLeptospirose em cães
Leptospirose em cães
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
 
Leite e derivados
Leite e derivadosLeite e derivados
Leite e derivados
 

Destaque

Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
Ana Lascasas
 
Gripe
GripeGripe
A gripe aviária
A gripe aviáriaA gripe aviária
A gripe aviária
MarMoi
 
Influenza aviaria
Influenza aviariaInfluenza aviaria
Influenza aviaria
Dina Malgieri
 
H1N1
H1N1H1N1
Gripe e resfriado
Gripe e resfriadoGripe e resfriado
Gripe e resfriado
DeaaSouza
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
guest265e2b9
 
Gripe aviaria
Gripe aviariaGripe aviaria
Influenza (manual ms,2013)
Influenza (manual ms,2013)Influenza (manual ms,2013)
Influenza (manual ms,2013)
Mônica Firmida
 
VÍRUS
VÍRUSVÍRUS
Gripe aviária
Gripe aviáriaGripe aviária
Gripe aviária
anapaulamonteiro
 
Gripe h1 n1
Gripe h1 n1Gripe h1 n1
Gripe h1 n1
Marcus Corradini
 
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
8Aap
 
Slide gripe suína
Slide gripe suínaSlide gripe suína
Slide gripe suína
Karolina Peixoto
 
Influenza A H1 N1 2009
Influenza A H1 N1   2009Influenza A H1 N1   2009
Influenza A H1 N1 2009
liedmesquita
 
Gripe E Resfriado
Gripe E ResfriadoGripe E Resfriado
Gripe E Resfriado
ecsette
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
profatatiana
 
Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)
Aluisio Junior
 
influenza aviar presentacion
influenza aviar presentacioninfluenza aviar presentacion
influenza aviar presentacion
Byron Esteban Mosquera Galvis
 
Vírus 7º ano ab
Vírus 7º ano abVírus 7º ano ab
Vírus 7º ano ab
Rosana Cunha Bueno
 

Destaque (20)

Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
A gripe aviária
A gripe aviáriaA gripe aviária
A gripe aviária
 
Influenza aviaria
Influenza aviariaInfluenza aviaria
Influenza aviaria
 
H1N1
H1N1H1N1
H1N1
 
Gripe e resfriado
Gripe e resfriadoGripe e resfriado
Gripe e resfriado
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
 
Gripe aviaria
Gripe aviariaGripe aviaria
Gripe aviaria
 
Influenza (manual ms,2013)
Influenza (manual ms,2013)Influenza (manual ms,2013)
Influenza (manual ms,2013)
 
VÍRUS
VÍRUSVÍRUS
VÍRUS
 
Gripe aviária
Gripe aviáriaGripe aviária
Gripe aviária
 
Gripe h1 n1
Gripe h1 n1Gripe h1 n1
Gripe h1 n1
 
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
 
Slide gripe suína
Slide gripe suínaSlide gripe suína
Slide gripe suína
 
Influenza A H1 N1 2009
Influenza A H1 N1   2009Influenza A H1 N1   2009
Influenza A H1 N1 2009
 
Gripe E Resfriado
Gripe E ResfriadoGripe E Resfriado
Gripe E Resfriado
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)
 
influenza aviar presentacion
influenza aviar presentacioninfluenza aviar presentacion
influenza aviar presentacion
 
Vírus 7º ano ab
Vírus 7º ano abVírus 7º ano ab
Vírus 7º ano ab
 

Semelhante a Gripe comum, suina e aviaria

Gripe Virus H5 N1[1]
Gripe Virus H5 N1[1]Gripe Virus H5 N1[1]
Gripe Virus H5 N1[1]
guesta606d9
 
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya
Maria Tereza Neves
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
bhbiohorrores
 
Infecto contagiosas
Infecto contagiosasInfecto contagiosas
Infecto contagiosas
vicenarodriguesdegoi
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
.
..
H1N! -Gripe suino
H1N! -Gripe suinoH1N! -Gripe suino
H1N! -Gripe suino
unesp
 
Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.
Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.
Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.
Bruna Medeiros
 
Curso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptxCurso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptx
milena235441
 
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZAGRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
Clodomir Araújo
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
Augusto Mello
 
Dssms Gripe SuíNa
Dssms   Gripe SuíNaDssms   Gripe SuíNa
Dssms Gripe SuíNa
Milene Cristina
 
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela PetrobrasGripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Padua Carobrez
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
izabelfonseca
 
Principais Zoonoses fiocruz
Principais Zoonoses  fiocruzPrincipais Zoonoses  fiocruz
Principais Zoonoses fiocruz
Socorro Carneiro
 
Aula 2 virus
Aula 2   virusAula 2   virus
Aula 2 virus
Grupo UNIASSELVI
 
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
Berenice Damasceno
 
seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdfseminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
TiagoSantos74563
 
Peste Negra
Peste NegraPeste Negra
Peste Negra
André Botelho
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses

Semelhante a Gripe comum, suina e aviaria (20)

Gripe Virus H5 N1[1]
Gripe Virus H5 N1[1]Gripe Virus H5 N1[1]
Gripe Virus H5 N1[1]
 
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
Infecto contagiosas
Infecto contagiosasInfecto contagiosas
Infecto contagiosas
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
.
..
.
 
H1N! -Gripe suino
H1N! -Gripe suinoH1N! -Gripe suino
H1N! -Gripe suino
 
Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.
Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.
Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.
 
Curso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptxCurso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptx
 
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZAGRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
 
Dssms Gripe SuíNa
Dssms   Gripe SuíNaDssms   Gripe SuíNa
Dssms Gripe SuíNa
 
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela PetrobrasGripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
 
Principais Zoonoses fiocruz
Principais Zoonoses  fiocruzPrincipais Zoonoses  fiocruz
Principais Zoonoses fiocruz
 
Aula 2 virus
Aula 2   virusAula 2   virus
Aula 2 virus
 
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
 
seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdfseminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
 
Peste Negra
Peste NegraPeste Negra
Peste Negra
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 

Último

DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 

Último (8)

DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 

Gripe comum, suina e aviaria

  • 2. MAS O QUE É UMA GRIPE?
  • 3. A gripe é uma doença contagiosa resultante da infecção pelo vírus influenza. O vírus influenza infecta o tacto respiratório (nariz, garganta, pulmões, etc.) podendo atingir diferentes espécies. Existe uma variação do vírus para cada espécie, isto é, o vírus que infectam as aves só raramente infectam humanos. No entanto, os vírus específicos de uma espécie podem sofrer uma mutação que lhes confere capacidade de infectar outra espécie.
  • 4. • Gênero da família Orthomyxoviridae, também conhecida como Myxovirus. Vírus de RNA fita simples – polaridade negativa. 5 tipos distintos: Influenzavirus A: capaz de infectar aves e mamíferos ; Influenzavirus B: capaz de infectar apenas humanos e focas; Influenzavirus C: capaz de infectar apenas humanos e porcos; Thogotovirus: transmitido por carrapatos; Isavirus: doença do “Salmão do Atlântico”.
  • 5. Influenzavirus A Existem dezesseis subtipos de NA(neuraminidase) e nove HA(hemaglutinina) atualmente conhecidos. Desses, seis subtipos de HA (H1, H2, H3, H5, H7 e H9) e três de NA (N1, N2 e N7) foram identificadas em cepas do vírus da gripe humana causando infecção. A presença dessas glicoproteínas determina a sub-tipagem dos vírus.
  • 6. Influenzavirus A Composição básica: -envelope; -glicoproteínas de superfície: hemaglutinina (HA) e neuraminidase (NA), que atuam no reconhecimento e infecção da célula; -matriz: M1 (subjacente ao invólucro - confere rigidez) e M2 (canal de prótons); -ribonucleoproteínas: RNP (divididas em 4 tipos, a NP, a qual está ligada ao RNA e PB1, PB2 e PA, as quais constituem as polimerases virais P); -proteínas não estruturais: NS1, NS2 (relacionadas com replicação e expressão viral). -8 fitas de ssRNA de tamanhos diferentes.
  • 7. Replicação: Entrada do vírus na célula hospedeira: mecanismo de endocitose mediado por receptores (ligação da HA aos receptores da membrana plasmática da célula). A replicação e transcrição necessárias à síntese do RNA dos vírus influenza ocorrem no núcleo da célula hospedeira. RNA viral  mRNAs  proteínas estruturais e não estruturais Núcleo Citoplasma Os viriões saem da célula hospedeira por um processo de"budding” (brotamento).
  • 8.
  • 9. Transmição • A transmissão de ambas as gripes ocorrem de forma muito semelhantes se tratando de humanos para humanos. • A Gripe Suína é geralmente Transmitida para pessoas com interação frequente com esses animais, ou comendo carne infectada mas o risco de pegar o vírus pela carne é baixíssima. • O vírus da gripe aviaria também é pego ao contato com esses animais e não há infecção pela carne.
  • 10. Sintomas Os três tipos de gripe tem sintomas muito semelhantes, embora haja uma alteração de vírus para vírus na proporção, intensidade e força com que esses sintomas venham , os sintomas mais frequentes são: • Dores musculares; • Febre; • Tosses; • Diarreia; • Vomitos; • Dor na garganta; • Podendo se agravar ocaso a uma pneumonia ou hemorragia pulmonar causando falta de ar; • Em alguns casos é tão grave q leva a morte do paciente;
  • 11.
  • 12. Nova cepa encontrada em humanos? SIM NÃO Presente em animais? SIM Ocorre transmissão humano-humano? SIM NÃO Ocorre transmissão para humano? Pequenos focos Focos maiores, mas ainda localizados PANDEMIA
  • 13. Epidemia de doença infecciosa que se espalha entre a população de uma grande região geográfica como, por exemplo, um continente, ou mesmo o planeta. Pandemia de influenza  inicia-se quando uma das muitas variantes da influenza que circulam entre animais selvagens ou domesticados, transforma-se numa forma que também infecta as pessoas (novo, agressivo e altamente contagioso). O risco de uma nova pandemia levou a OMS a criar uma classificação em 6 fases para avaliar a evolução do vírus influenza. Gripe asiática (1957) Gripe Espanhola 1918 H1N1 Gripe Asiática 1957 H2N2 Gripe de Hong Kong 1968 H3N2
  • 14. O vírus H5N1 não ultrapassou a fase 3 (não transmissível entre humanos). Planejamento estratégico . Vigilância epidemiológica . Desenvolvimento de vacinas . Medidas de contenção . Desenvolvimento de anti-virais
  • 15. Vigilância . 1ª fase de defesa  capacidade de prevê-las . Agências internacionais responsáveis pelo rastreamento do vírus: Organização Mundial da Saúde (OMS); A Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA) e a Organização de Alimentação e Agricultura (FAO) . Detecção precoce . Monitorar a disseminação de cada surto e a evolução das habilidades do vírus, que determinam a fase do ciclo pandêmico em que o mundo está
  • 16. Vacinas . Ameaça de pandemia impulso no financiamento de pesquisas nessa área . Novas vacinas (mais compatíveis com o vírus, e portanto, maior eficiência do sistema imunológico contra ele) . Novas tecnologias: vacinação em massa através de aerossóis e da água utilizada para consumo
  • 17. Medidas de contenção Devido aos avanços na vigilância da doença e nas drogas anti-virais, a OMS identifica um período no início da pandemia em que um vírus prestes a se espalhar pelo mundo pode ser contido Medidas que possibilitam essa contenção: . eliminação de aves infectadas, .quarentena de humanos infectados, .uso de máscaras cirúrgicas, .durante o período de risco: evitar locais com aglomeração de pessoas, não compartilhar alimentos e objetos pessoais, lavar as mãos frequentemente, etc
  • 18. Drogas anti-virais Medicamentos anti-virais licenciados para profilaxia e tratamento da gripe: . Bloqueadores de canais M2 o qual é canal de prótons fundamental para a replicação (derivados do adamantane, alta resistência viral) -Amantadina -Rimantadina . Inibidores de Neuraminidase, que impedem a liberação dos vírus recém-produzidos pela célula hospedeira (menor resistência): -Oseltamivir -Zanamivir . Anti-virais em desenvolvimento: -Novo inibidor da neuramidase (ex: Peramivir); -Classes de anti-virais com novos alvos moleculares (ex: inibidor da RNA polimerase).