SlideShare uma empresa Scribd logo
Seminário
HIV
Alunas:
Berenice R. Damasceno
Isabella Moreira
Jéssica Carvalho
Maria de Jesus Torres
Simone Lucena
Turma: Enfermagem ENF2 M1
Disciplina: Microbiologia Clinica e Parasitologia Humana
Professor: Daniel Freire
Seminário - HIV
É o vírus causador da AIDS, também uma sigla que vem do inglês
(Acquired Immune Deficiency Syndrome) e que em português quer
dizer Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.
HIV é a sigla em inglês para Human Immunodeficiency Virus, que em
português significa Vírus da Imunodeficiência Humana.
Introdução
A ação do vírus é no sistema imunológico e as células mais
atingidas são os linfócitos T CD4+. O vírus altera o DNA destes
linfócitos fazendo cópias de si mesmo.
Depois de se multiplicar, o HIV rompe os linfócitos em busca de
outros para continuar a infecção.
A pessoa infectada pelo HIV fica
sujeita a adquirir outras doenças
que são chamadas oportunistas, e
são na maioria das vezes, essas
doenças que acabam causando a
morte do paciente.
Renato Russo faleceu devido as complicações causadas pelo HIV
Ter o HIV não é a mesma coisa que ter a Aids. Há muitos soropositivos que
vivem anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver a doença, mais
podem transmitir o vírus.
Magic Johnson
Origem do HIV
O HIV surgiu a partir do vírus SIV (Vírus da Imunodeficiência Símia),
encontrado no sistema imunológico dos chimpanzés e do macaco-verde
africano. O SIV não causa danos consideráveis aos macacos, porém ao
ser transmitido para o homem, o vírus que é altamente mutante ,deu
origem ao HIV.
Acredita-se que os primeiros seres humanos contaminados, foram
caçadores que entraram em contato com o sangue contaminado dos
animais no momento da caça.
O SIV transmitido pelo chimpanzé deu origem ao
HIV1, a forma mais mortal e transmissível do vírus.
O SIV transmitido pelo macaco-verde deu origem
ao HIV2, uma versão menos agressiva, que demora
mais tempo para provocar a AIDS.
Inicio da Epidemia e Agente Causador
1981 – Surgem os primeiros casos da doença em homossexuais
masculinos nos Estados Unidos, seguidos de relatos da doença
em hemofílicos, hemotransfundidos, usuários de drogas e outros.
Porém não se sabia a causa.
1983 – Cientistas isolam um vírus com atividade de transcriptase
reversa, a partir do linfonodo de um paciente com aids.
Surge à primeira indicação que a aids seria causada por um
retrovírus.Inicialmente chamado de LAV e posteriormente de HIV1
1986 – Outro retrovírus diferente foi isolado de dois pacientes com
aids, originários da África Ocidental, e foi chamado de HIV 2
Cientista
Desde o início da década de 1980, o cientista Luc Montagnier, do Instituto
Pasteur, na França e o americano Robert Gallo, então ligado ao Instituto
Nacional do Câncer dos EUA. Mergulharam em estudos para descobrir o
causador da Aids. Luc Montagnier, na França, isolou pela primeira vez o HIV.
Alguns meses após o relato do cientista francês, em abril de 1984, os EUA
divulgaram que Gallo havia descoberto o vírus da Aids, e que ele seria
diferente do identificado pelos pesquisadores franceses. Descobriu-se, mais
tarde, que o americano estava trabalhando com uma amostra que tinha sido
contaminada no laboratório de Montagnier. No final, o mérito da descoberta
acabou dividido entre os dois Instituto.
Luc Montagnier.
Ganhador do Nobel em 2008
Robert Gallo
Tipificação Viral
Classificação:
Retrovírus.
Família: Retroviridae
Subfamília Orthoretrovirinae
Gênero: Lentivirus
Tipo:Retrovírus VI
RNA simples ,fita de senso positivo com
um ciclo intermediário de replicação DNA.
RNA com transcriptase reversa.
Constituição:
2 Copias de RNA
3 Enzimas
Protease
Transcriptase reversa
Integrase
P24 capsideo, Agente
mais facilmente detectável
no diagnostico.
P17 proteína da matriz
que rodeia o core.
Gp 120 (externa) e GP 41 (transmembranar) involucro - fundamental
para a infecção.
Estrutura
O HIV é uma partícula esférica,
que mede de 100 a 120 nm de
diâmetro.
HIV
HIV 1
Grupo M
SUBGRUPOS
A ( A1-A2-A3-A4)
B
C
D
E
F (f1-f2)
G
H
k
Grupo N
Grupo O
HIV 2
Grupo A
Subgrupo
HIV 2 ST
ALI
BEN
Grupo B
Subgrupo
EHO
D 205
ABT 96
Tipos e subtipos
Características:
Apresenta dois tipos antigênicos, HIV-1 e HIV-2
O HIV 1 é o tipo mais virulento e disseminado pelo mundo.
Grande capacidade de mutação;
Infecta células do sistema imune;
Preferência por linfócitos T CD 4;
É bastante lábil em meio externo;
Inativado por agentes químicos e físicos;
Não sobrevivendo fora de células vivas.
Formas de Transmissão do HIV
Há três vias principais de transmissão do HIV, sendo:
Transmissão horizontal – Através do contato sexual e exposição a
fluidos ou tecidos corporais contaminados.
Transmissão vertical - Da mãe infectada para o filho durante a
gestação, parto ou a amamentação.
A maior parte das infecções por HIV é via relações sexual sem
proteção. A transmissão ocorre no contato com secreções sexuais nas
genitais, reto e mucosa da boca. O sexo anal apresenta mais risco que
os demais, seguido do sexo vaginal. O sexo oral é considerado de
menor risco, porém, o risco aumenta se há ejaculação na boca por
causa da exposição ao sêmen.
Transmissão do HIV
pelo contato sexual
Essa via de transmissão é maior entre usuários de drogas injetáveis,
devido ao compartilhamento e reutilização de seringas.
O risco de contaminação por HIV em transfusões de sangue é
extremamente pequeno em países onde são feitos a seleção do
doador e testes. Se encaixa aqui também o acidente ocupacional, por
exemplo, os profissionais de saúde, que podem contrair o vírus ao se
ferir manipulando material contaminado.
Transmissão por exposição a fluidos corporais infectados.
Transmissão por meio da
mãe infectada para o filho.
Na falta de tratamento, a taxa de transmissão da mãe para filho durante
a gravidez, parto e amamentação, é de 25%.
Porém, quando a mãe tem acesso à terapia antirretroviral e o parto é por
cesariana, a taxa de transmissão é de apenas 1%.
Denominada transmissão
vertical a infecção passa
da mãe para o filho no
útero durante a gravidez,
no momento do parto e
na amamentação.
Replicação Viral
Células de tropismo
O HIV ataca todo o sistema imunológico (Linfócitos, macrófagos, células
de Langerhans), porém, o tropismo mais intenso e nos linfócitos T CD4+.
Após infectar a célula, o vírus usa o
próprio maquinário celular para se
reproduzir.
A transcriptase reversa produz uma
cadeia única de DNA a partir do RNA
viral enganando a célula, que passa a
fazer copias do vírus.
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
Patogênese do Vírus
Após se infectar com o HIV o individuo passa por diferentes estágios
clínicos da infecção até chegar ao estágio de AIDS.
Ao ser contaminado a pessoa e classificado como soro positivo.
A AIDS, por sua vez, representa o estágio mais avançado da infecção,
quando o sistema imunológico já se encontra bastante comprometido.
Assim que o HIV entra no organismo, atacam as células do sistema
imunológico, preferindo os linfócitos T CD4. Quando o vírus entra na
célula, ele a transforma em uma fábrica de vírus, alterando a função dessa
célula, que, ao invés de vigiar o nosso corpo, passa a fabricar mais HIV.
Dessa maneira, o vírus vai destruindo grande parte de nossas células
CD4, acabando com as defesas do nosso organismo.
A evolução da AIDS pode ser descritas por fases distintas da infecção.
Infecção aguda:. Surge logo após a contaminação e o portador
apresenta sintomas como febre alta, cefaléia, dor na garganta e
crescimento dos gânglios linfáticos, que desaparecem após alguns
dias.
Fase assintomática: marcada pela forte interação entre as células de
defesa e as constantes e rápidas mutações do vírus. O portador não
apresenta nenhum sintoma da doença. Essa fase tem duração
variável.
Fase sintomática inicial: ocorre a alta redução dos linfócitos T CD4
que chegam a ficar abaixo de 200 unidades por mm³ de sangue.
Fase AIDS: Nesta fase as infecções provenientes da AIDS aparecem,
porém são as infecções por doenças oportunistas que põem em risco
a vida.
Ao desenvolver a AIDS propriamente, o sistema imunológico começa a ser
atacado de forma mais intensa pelo vírus e a pessoa começa a apresentar
os seguintes sintomas:
Febre alta persistente
Tosse seca prolongada
Suor noturno
Crescimento dos
gânglios linfáticos
Dor de cabeça
Dor em todo o corpo
Cansaço fácil
Perda de peso
Candidíase oral ou
genital freqüente
 Diarréia constante.
Além das infecções que debilita o individuo, o ataque de doenças
oportunistas degrada ainda mais o organismo do doente de AIDS.
Essas doenças oportunistas representam a maior causa morte no
estagio terminal da doença. São elas:
Infecções Bacterianas
Diarréia Bactérica
Pneumonia Bacteriana
Complexo da Micobactéria
Avieum (MAC)
Micobactéria Kansassi
Sífilis & Neurosífilis
Tuberculose (TB)
Doenças Malignas
(canceres)
Câncer/Displasia Anal
Câncer/Displasia
Cervical
Sarcoma de Kaposi (SK)
Linfomas
Linfoma de Burkit
Infecções Fúngicas
Aspergilose
Candidiasise (Infecção
oral ou vaginal)
Micose Cocidioido
Meningite Criptocócica
Histoplasmose
Infecções por Protozoários
Criptosporidíase
Isosporíase
Microsporidioses
Pneumocistose (PCP)
Toxoplasmose
Infecções Virais
Citomegalovírus( CMV)
Hepatite C
Herpes Simplex (Herpes oral & genital)
Herpes Zoster ou Cobreiro
HPV,verrugas genitais, anais, cervicais,
displasia,câncer.
Molúsculo Contagioso
Leucoplasia Pilosa (oral)
Leucoencefalopatia Progressiva
Multifocal (PML)
Condições Neurológicas e Outras
Condições e Complicações
Demência/Complexo Relacionado à AIDS
Neuropatia periférica
Aftas e feridas orais
Síndrome de Wasting
Trombocitopenia (Baixa de plaquetas)
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
Profilaxia
A principal forma de prevenção da AIDS é o uso do preservativo em
todas as relações sexuais, no entanto, existem outras formas
importantes de prevenção, como o uso de seringas e agulhas
descartáveis, uso de EPIs para profissionais de saúde, o
tratamento da AIDS durante a gravidez, em mães soro positivo para
evitar a contaminação do bebê e não amamentar o bebê.
Essas são formas de prevenir o contato com o vírus.
Esses medicamentos precisam ser tomados por 28 dias, sem parar,
para impedir a infecção pelo vírus, sempre com orientação médica.
Essa forma de prevenção já é usada com sucesso nos casos de
violência sexual e de profissionais de saúde que se acidentam com
agulhas e outros objetos cortantes contaminados.
Profilaxia Pós-Exposição ( PEP).
O PEP é uma forma de prevenção da
infecção pelo HIV usando os medicamentos
que fazem parte do coquetel utilizado no
tratamento da Aids, para pessoas que
possam ter entrado em contato com o vírus
recentemente, pelo sexo sem camisinha.
Diagnósticos
O diagnóstico da infecção pelo HIV é feito em laboratórios, a partir da
realização de testes sorológicos e moleculares.
Os testes sorológicos baseiam-se na detecção de anticorpos e/ou antígenos
do HIV presentes ou não na amostra do paciente. Em adultos, esses
anticorpos aparecem no sangue dos indivíduos infectados, em média de
quatro a 12 semanas após a infecção.
Anticorpos maternos passam via placenta para o bebê, principalmente no
terceiro trimestre de gestação, e podem persistir até os 18 meses de idade,
interferindo no diagnóstico sorológico da infecção vertical. Portanto, os
métodos que realizam a detecção de anticorpos não são recomendados para
o diagnóstico de crianças menores de 18 meses, sendo necessária a
realização de testes moleculares, como a quantificação do RNA viral (carga
viral).
Os testes sorológicos utilizados no diagnóstico da infecção pelo HIV
são o Elisa, a imunofluorescência indireta, o western blot, o imunoblot
e o imunoblot rápido.
Tratamentos
O tratamento da AIDS é feito com medicamentos antirretrovirais.
Estes medicamentos combatem o vírus e fortalecem o sistema
imune, mas não curam a doença.
É muito importante seguir corretamente
o tratamento para diminuir a carga
viral, aumentando o tempo de vida, e
também para diminuir o risco de
desenvolver as doenças relacionadas a
AIDS como por exemplo, Tuberculose
e Pneumonia.
O tratamento da AIDS deve ser iniciado imediatamente nas pacientes
grávidas ou quando o indivíduo apresentar no exame de sangue:
Carga viral maior que 100.000/ml
Taxa de CD4 menor que 500mm³ de sangue
Se o tratamento antirretroviral for iniciado quando o paciente encontra-se
numa fase mais avançada da doença é possível que haja uma inflamação
chamada Síndrome inflamatória de reconstituição imune (SIR).
O tratamento da AIDS pode ser feito no SUS, onde a pessoa recebe os
medicamentos e tem acesso ao teste de HIV, que deve ser realizado cerca
de três vezes ao ano, para o controle da doença.
O tratamento medicamentoso da AIDS é feito com o uso de um coquetel
de medicamentos composto por:
AZT - Zidovudina
DDI - Didanosina
DDC - Zalcitabina
3 TC - Lamivudina
D4T - Estavudina
O tratamento da AIDS na gravidez deve ser orientado pelo
obstetra e pode ser diferente porque alguns remédios para
AIDS podem causar má formações no bebê.
Cuidados de Enfermagem
Um paciente portador do vírus HIV possui uma imunidade muito baixa,
portanto, a probabilidade do desenvolvimento de doenças oportunistas e
infecções se tornam muito maior. Diante de tais fatores é imprescindível
que a enfermagem integre os cuidados específicos da rotina médica com a
prevenção de doenças oportunista tanto em ambiente hospitalar como na
atenção básica.
As possibilidades de intervenções da
enfermagem a pacientes portadores
de HIV/AIDS são vastas e têm como
propósito o prolongamento da vida,
uma vez que o curar não representa
uma alternativa no cenário atual.
O amar ao próximo como a ti mesmo, faz
toda diferença nesse cenário, podendo
prolongar ou diminuir os dia e a qualidade
desses dias.
Dada a importância de uma assistência especializada ao paciente portador
do HIV, tornam se indispensáveis os seguintes cuidados de enfermagem.
Promover um bom estado nutricional.
Histórico alimentar do paciente;
Fatores como, anorexia, vômitos, dificuldade para deglutição;
Pesar e medir o paciente regularmente (medidas antropométricas).
Realizar a inspeção na pele e mucosas.
Observar a pele e mucosas do paciente e instruí-lo para que faça o
mesmo em casa diariamente;
Inspecionando quanto à presença de vermelhidão, ulcerações e
infecções;
Observar e avaliar a região perianal quanto à presença de lesões e
ulcerações advindas da diarréia.
Avaliar estado respiratório.
Observar presença de tosse produtiva, respiração curta, ortopneia,
taquipneia e dor torácica.
aspirar paciente quando necessário.
Avaliar estado hidroeletrolítico.
 Observar turgor e ressecamento da pele;
 Sede aumentada, débito urinário reduzido;
 Pressão arterial baixa ou redução pressão arterial sistólica com aumento
da freqüência respiratória, pulso rápido e fraco.
Avaliar sinais e sintomas de depleção de eletrólitos.
Estado mental reduzido, contração muscular involuntária, câimbras, pulso
irregular, náuseas e vômito, respirações superficiais;
Manter integridade da pele:
Os pacientes que não têm possibilidade de movimentação, mudar de
decúbito a cada duas horas;
Realizar curativos nas áreas lesionadas conforme prescrição médica;
Manter sempre a área perianal limpa e seca após cada evacuação;
Considerações finais
Trinta e três anos após a descoberta do agente causador da AIDS
ainda não foi descoberta a cura.
Cerca de 2,5 milhões de pessoas no mundo ainda são infectadas
por HIV todos os anos, e apesar da eficiência do tratamento com
antiretrovirais, o índice de mortes chegam perto de 1,5 milhões de
pessoas em todo o mundo.
A informação e a prevenção ainda é o remédio mais eficaz na luta
contra a AIDS.
A AIDS não é mortal, mortais somos todos nós.
Herbert de Souza,
o Betinho.
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
Bibliografia
Veronesi: Tratado de infectologia 3° edição / Editor científico Roberto Focaccia.
São Paulo: Editora Atheneu, 2005.
Portal da saúde, SUS: O QUE É HIV?
Brasilia: 28 Janeiro 2014 .
http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/links-de-interesse/286-aids/9053-o-que-e-hiv
Brasil Escola: Origem da epidemia de HIV.
Sem data de postagem.
http://brasilescola.uol.com.br/doencas/origem-epidemia-de-hiv.htm
Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais: Protocolo
clínico e diretrizes terapêuticas para manejo da infecção pelo HIV em adultos. Brasília - 2013
http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2013/55308/protocolo_final_31_7_2015_pdf_30707.pdf
Replicação do vírus HIV / Vídeo do trabalho sobre AIDS do curso de enfermagem do Centro Universitário São Camilo.
Mostra o processo de replicação do vírus HIV. Adaptado do site: http://rufusrajadurai.wetpaint.com.
Editado e traduzido por Sara Costa. Enviado para youtube em 19 de mai de 2010
Portal educação: Assistência de enfermagem ao paciente com HIV/AIDS.
Artigo por colunista portal - educação - terça-feira, 29 de janeiro de 2013
HTTPS://WWW.PORTALEDUCACAO.COM.BR/EDUCACAO/ARTIGOS/30621/ASSISTENCIA-DE-ENFERMAGEM-
AO-PACIENTE-COM-HIV-AIDS
CAVALHEIRO, Ana Paula Pfitscher - SPRINZ, Eduardo - LARENTIS, Daniela Z.: MedicinaNET, HIV.
17 de março 2014
http://www.medicinanet.com.br/conteudos/revisoes/5728/hiv.htm
Schechter, Mauro e Rachid, Marcia: Manual de Hiv / Aids - 6ª Edição: Revista e Ampliada.
Editora: Revinter, 2001.
FRAZÃO, Arthur - Clínico gera: Tratamento da AIDS. Última atualização da página: 12/09/2016
https://www.tuasaude.com/tratamento-da-aids/
Imagens da internet: Créditos desconhecidos.
Obrigada pela atenção.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ist 01
Ist 01Ist 01
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
Alinebrauna Brauna
 
Ists
IstsIsts
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Ricardo Alanís
 
Hepatite
HepatiteHepatite
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
António Matias
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
Alinebrauna Brauna
 
Dezembro Vermelho
Dezembro VermelhoDezembro Vermelho
Dezembro Vermelho
Iniciativa Mais Cidadão
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
Pibid Biologia Cejad
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
Géssica Freire
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Eduarda Medeiros
 
Apresentação dst
Apresentação dstApresentação dst
Apresentação dst
Robson Peixoto
 
Hepatites Virais
Hepatites ViraisHepatites Virais
Doenças emergentes
Doenças emergentesDoenças emergentes
Doenças emergentes
Cintia da Cruz Silva
 
Hpv
HpvHpv
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoPrevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Alexandre Naime Barbosa
 
HIV/AIDS
HIV/AIDSHIV/AIDS
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
WAGNER OLIVEIRA
 

Mais procurados (20)

Ist 01
Ist 01Ist 01
Ist 01
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 
Ists
IstsIsts
Ists
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
 
Dezembro Vermelho
Dezembro VermelhoDezembro Vermelho
Dezembro Vermelho
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
 
Apresentação dst
Apresentação dstApresentação dst
Apresentação dst
 
Hepatites Virais
Hepatites ViraisHepatites Virais
Hepatites Virais
 
Doenças emergentes
Doenças emergentesDoenças emergentes
Doenças emergentes
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoPrevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
 
HIV/AIDS
HIV/AIDSHIV/AIDS
HIV/AIDS
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
 

Semelhante a O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?

Virologia
VirologiaVirologia
Vírus
VírusVírus
Texto de imuno iii
Texto de imuno iiiTexto de imuno iii
Texto de imuno iii
Salminhacoimbra
 
aids
 aids aids
1 vírus
1 vírus1 vírus
1 vírus
JessicaGondran
 
Transmissão do HIV e sintomas da AIDS
Transmissão do HIV e sintomas da AIDSTransmissão do HIV e sintomas da AIDS
Transmissão do HIV e sintomas da AIDS
Clécio Bubela
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
Vitória Regina
 
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais HumanasDoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
CIVEC
 
Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
Elizabete Costa
 
Trabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialTrabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficial
guestfced19
 
Doenlas Infecciosas
Doenlas InfecciosasDoenlas Infecciosas
Doenlas Infecciosas
unesp
 
ApresentaçãO
ApresentaçãOApresentaçãO
ApresentaçãO
catinha28
 
Aids texto e exercicio dim
Aids texto e exercicio   dimAids texto e exercicio   dim
Aids texto e exercicio dim
Suzy De Abreu Santana
 
Aids (6)
Aids (6)Aids (6)
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º anoTrabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
FilipaFonseca
 
Aula virus e doenças viróticas
Aula virus e doenças viróticasAula virus e doenças viróticas
Aula virus e doenças viróticas
biologiajr
 
Sida nascimento
Sida nascimentoSida nascimento
Sida nascimento
rosacristinapalma
 
Aids
AidsAids
Aids ane (2)
Aids ane (2)Aids ane (2)
Aids ane (2)
Altair Hoepers
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
Isabel Lopes
 

Semelhante a O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS? (20)

Virologia
VirologiaVirologia
Virologia
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Texto de imuno iii
Texto de imuno iiiTexto de imuno iii
Texto de imuno iii
 
aids
 aids aids
aids
 
1 vírus
1 vírus1 vírus
1 vírus
 
Transmissão do HIV e sintomas da AIDS
Transmissão do HIV e sintomas da AIDSTransmissão do HIV e sintomas da AIDS
Transmissão do HIV e sintomas da AIDS
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais HumanasDoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
 
Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
 
Trabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialTrabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficial
 
Doenlas Infecciosas
Doenlas InfecciosasDoenlas Infecciosas
Doenlas Infecciosas
 
ApresentaçãO
ApresentaçãOApresentaçãO
ApresentaçãO
 
Aids texto e exercicio dim
Aids texto e exercicio   dimAids texto e exercicio   dim
Aids texto e exercicio dim
 
Aids (6)
Aids (6)Aids (6)
Aids (6)
 
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º anoTrabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
 
Aula virus e doenças viróticas
Aula virus e doenças viróticasAula virus e doenças viróticas
Aula virus e doenças viróticas
 
Sida nascimento
Sida nascimentoSida nascimento
Sida nascimento
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Aids ane (2)
Aids ane (2)Aids ane (2)
Aids ane (2)
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
 

Último

Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptxtccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
DvilaSoares1
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
LasAraujo12
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
danielecarvalho75
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 

Último (9)

Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptxtccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 

O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?

  • 2. Alunas: Berenice R. Damasceno Isabella Moreira Jéssica Carvalho Maria de Jesus Torres Simone Lucena Turma: Enfermagem ENF2 M1 Disciplina: Microbiologia Clinica e Parasitologia Humana Professor: Daniel Freire Seminário - HIV
  • 3. É o vírus causador da AIDS, também uma sigla que vem do inglês (Acquired Immune Deficiency Syndrome) e que em português quer dizer Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. HIV é a sigla em inglês para Human Immunodeficiency Virus, que em português significa Vírus da Imunodeficiência Humana. Introdução
  • 4. A ação do vírus é no sistema imunológico e as células mais atingidas são os linfócitos T CD4+. O vírus altera o DNA destes linfócitos fazendo cópias de si mesmo. Depois de se multiplicar, o HIV rompe os linfócitos em busca de outros para continuar a infecção. A pessoa infectada pelo HIV fica sujeita a adquirir outras doenças que são chamadas oportunistas, e são na maioria das vezes, essas doenças que acabam causando a morte do paciente. Renato Russo faleceu devido as complicações causadas pelo HIV
  • 5. Ter o HIV não é a mesma coisa que ter a Aids. Há muitos soropositivos que vivem anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver a doença, mais podem transmitir o vírus. Magic Johnson
  • 6. Origem do HIV O HIV surgiu a partir do vírus SIV (Vírus da Imunodeficiência Símia), encontrado no sistema imunológico dos chimpanzés e do macaco-verde africano. O SIV não causa danos consideráveis aos macacos, porém ao ser transmitido para o homem, o vírus que é altamente mutante ,deu origem ao HIV. Acredita-se que os primeiros seres humanos contaminados, foram caçadores que entraram em contato com o sangue contaminado dos animais no momento da caça. O SIV transmitido pelo chimpanzé deu origem ao HIV1, a forma mais mortal e transmissível do vírus. O SIV transmitido pelo macaco-verde deu origem ao HIV2, uma versão menos agressiva, que demora mais tempo para provocar a AIDS.
  • 7. Inicio da Epidemia e Agente Causador 1981 – Surgem os primeiros casos da doença em homossexuais masculinos nos Estados Unidos, seguidos de relatos da doença em hemofílicos, hemotransfundidos, usuários de drogas e outros. Porém não se sabia a causa. 1983 – Cientistas isolam um vírus com atividade de transcriptase reversa, a partir do linfonodo de um paciente com aids. Surge à primeira indicação que a aids seria causada por um retrovírus.Inicialmente chamado de LAV e posteriormente de HIV1 1986 – Outro retrovírus diferente foi isolado de dois pacientes com aids, originários da África Ocidental, e foi chamado de HIV 2
  • 8. Cientista Desde o início da década de 1980, o cientista Luc Montagnier, do Instituto Pasteur, na França e o americano Robert Gallo, então ligado ao Instituto Nacional do Câncer dos EUA. Mergulharam em estudos para descobrir o causador da Aids. Luc Montagnier, na França, isolou pela primeira vez o HIV. Alguns meses após o relato do cientista francês, em abril de 1984, os EUA divulgaram que Gallo havia descoberto o vírus da Aids, e que ele seria diferente do identificado pelos pesquisadores franceses. Descobriu-se, mais tarde, que o americano estava trabalhando com uma amostra que tinha sido contaminada no laboratório de Montagnier. No final, o mérito da descoberta acabou dividido entre os dois Instituto. Luc Montagnier. Ganhador do Nobel em 2008 Robert Gallo
  • 9. Tipificação Viral Classificação: Retrovírus. Família: Retroviridae Subfamília Orthoretrovirinae Gênero: Lentivirus Tipo:Retrovírus VI RNA simples ,fita de senso positivo com um ciclo intermediário de replicação DNA. RNA com transcriptase reversa.
  • 10. Constituição: 2 Copias de RNA 3 Enzimas Protease Transcriptase reversa Integrase P24 capsideo, Agente mais facilmente detectável no diagnostico. P17 proteína da matriz que rodeia o core. Gp 120 (externa) e GP 41 (transmembranar) involucro - fundamental para a infecção. Estrutura O HIV é uma partícula esférica, que mede de 100 a 120 nm de diâmetro.
  • 11. HIV HIV 1 Grupo M SUBGRUPOS A ( A1-A2-A3-A4) B C D E F (f1-f2) G H k Grupo N Grupo O HIV 2 Grupo A Subgrupo HIV 2 ST ALI BEN Grupo B Subgrupo EHO D 205 ABT 96 Tipos e subtipos
  • 12. Características: Apresenta dois tipos antigênicos, HIV-1 e HIV-2 O HIV 1 é o tipo mais virulento e disseminado pelo mundo. Grande capacidade de mutação; Infecta células do sistema imune; Preferência por linfócitos T CD 4; É bastante lábil em meio externo; Inativado por agentes químicos e físicos; Não sobrevivendo fora de células vivas.
  • 13. Formas de Transmissão do HIV Há três vias principais de transmissão do HIV, sendo: Transmissão horizontal – Através do contato sexual e exposição a fluidos ou tecidos corporais contaminados. Transmissão vertical - Da mãe infectada para o filho durante a gestação, parto ou a amamentação.
  • 14. A maior parte das infecções por HIV é via relações sexual sem proteção. A transmissão ocorre no contato com secreções sexuais nas genitais, reto e mucosa da boca. O sexo anal apresenta mais risco que os demais, seguido do sexo vaginal. O sexo oral é considerado de menor risco, porém, o risco aumenta se há ejaculação na boca por causa da exposição ao sêmen. Transmissão do HIV pelo contato sexual
  • 15. Essa via de transmissão é maior entre usuários de drogas injetáveis, devido ao compartilhamento e reutilização de seringas. O risco de contaminação por HIV em transfusões de sangue é extremamente pequeno em países onde são feitos a seleção do doador e testes. Se encaixa aqui também o acidente ocupacional, por exemplo, os profissionais de saúde, que podem contrair o vírus ao se ferir manipulando material contaminado. Transmissão por exposição a fluidos corporais infectados.
  • 16. Transmissão por meio da mãe infectada para o filho. Na falta de tratamento, a taxa de transmissão da mãe para filho durante a gravidez, parto e amamentação, é de 25%. Porém, quando a mãe tem acesso à terapia antirretroviral e o parto é por cesariana, a taxa de transmissão é de apenas 1%. Denominada transmissão vertical a infecção passa da mãe para o filho no útero durante a gravidez, no momento do parto e na amamentação.
  • 17. Replicação Viral Células de tropismo O HIV ataca todo o sistema imunológico (Linfócitos, macrófagos, células de Langerhans), porém, o tropismo mais intenso e nos linfócitos T CD4+. Após infectar a célula, o vírus usa o próprio maquinário celular para se reproduzir. A transcriptase reversa produz uma cadeia única de DNA a partir do RNA viral enganando a célula, que passa a fazer copias do vírus.
  • 19. Patogênese do Vírus Após se infectar com o HIV o individuo passa por diferentes estágios clínicos da infecção até chegar ao estágio de AIDS. Ao ser contaminado a pessoa e classificado como soro positivo. A AIDS, por sua vez, representa o estágio mais avançado da infecção, quando o sistema imunológico já se encontra bastante comprometido. Assim que o HIV entra no organismo, atacam as células do sistema imunológico, preferindo os linfócitos T CD4. Quando o vírus entra na célula, ele a transforma em uma fábrica de vírus, alterando a função dessa célula, que, ao invés de vigiar o nosso corpo, passa a fabricar mais HIV. Dessa maneira, o vírus vai destruindo grande parte de nossas células CD4, acabando com as defesas do nosso organismo.
  • 20. A evolução da AIDS pode ser descritas por fases distintas da infecção. Infecção aguda:. Surge logo após a contaminação e o portador apresenta sintomas como febre alta, cefaléia, dor na garganta e crescimento dos gânglios linfáticos, que desaparecem após alguns dias. Fase assintomática: marcada pela forte interação entre as células de defesa e as constantes e rápidas mutações do vírus. O portador não apresenta nenhum sintoma da doença. Essa fase tem duração variável. Fase sintomática inicial: ocorre a alta redução dos linfócitos T CD4 que chegam a ficar abaixo de 200 unidades por mm³ de sangue. Fase AIDS: Nesta fase as infecções provenientes da AIDS aparecem, porém são as infecções por doenças oportunistas que põem em risco a vida.
  • 21. Ao desenvolver a AIDS propriamente, o sistema imunológico começa a ser atacado de forma mais intensa pelo vírus e a pessoa começa a apresentar os seguintes sintomas: Febre alta persistente Tosse seca prolongada Suor noturno Crescimento dos gânglios linfáticos Dor de cabeça Dor em todo o corpo Cansaço fácil Perda de peso Candidíase oral ou genital freqüente  Diarréia constante.
  • 22. Além das infecções que debilita o individuo, o ataque de doenças oportunistas degrada ainda mais o organismo do doente de AIDS. Essas doenças oportunistas representam a maior causa morte no estagio terminal da doença. São elas: Infecções Bacterianas Diarréia Bactérica Pneumonia Bacteriana Complexo da Micobactéria Avieum (MAC) Micobactéria Kansassi Sífilis & Neurosífilis Tuberculose (TB) Doenças Malignas (canceres) Câncer/Displasia Anal Câncer/Displasia Cervical Sarcoma de Kaposi (SK) Linfomas Linfoma de Burkit Infecções Fúngicas Aspergilose Candidiasise (Infecção oral ou vaginal) Micose Cocidioido Meningite Criptocócica Histoplasmose
  • 23. Infecções por Protozoários Criptosporidíase Isosporíase Microsporidioses Pneumocistose (PCP) Toxoplasmose Infecções Virais Citomegalovírus( CMV) Hepatite C Herpes Simplex (Herpes oral & genital) Herpes Zoster ou Cobreiro HPV,verrugas genitais, anais, cervicais, displasia,câncer. Molúsculo Contagioso Leucoplasia Pilosa (oral) Leucoencefalopatia Progressiva Multifocal (PML) Condições Neurológicas e Outras Condições e Complicações Demência/Complexo Relacionado à AIDS Neuropatia periférica Aftas e feridas orais Síndrome de Wasting Trombocitopenia (Baixa de plaquetas)
  • 27. Profilaxia A principal forma de prevenção da AIDS é o uso do preservativo em todas as relações sexuais, no entanto, existem outras formas importantes de prevenção, como o uso de seringas e agulhas descartáveis, uso de EPIs para profissionais de saúde, o tratamento da AIDS durante a gravidez, em mães soro positivo para evitar a contaminação do bebê e não amamentar o bebê. Essas são formas de prevenir o contato com o vírus.
  • 28. Esses medicamentos precisam ser tomados por 28 dias, sem parar, para impedir a infecção pelo vírus, sempre com orientação médica. Essa forma de prevenção já é usada com sucesso nos casos de violência sexual e de profissionais de saúde que se acidentam com agulhas e outros objetos cortantes contaminados. Profilaxia Pós-Exposição ( PEP). O PEP é uma forma de prevenção da infecção pelo HIV usando os medicamentos que fazem parte do coquetel utilizado no tratamento da Aids, para pessoas que possam ter entrado em contato com o vírus recentemente, pelo sexo sem camisinha.
  • 29. Diagnósticos O diagnóstico da infecção pelo HIV é feito em laboratórios, a partir da realização de testes sorológicos e moleculares. Os testes sorológicos baseiam-se na detecção de anticorpos e/ou antígenos do HIV presentes ou não na amostra do paciente. Em adultos, esses anticorpos aparecem no sangue dos indivíduos infectados, em média de quatro a 12 semanas após a infecção. Anticorpos maternos passam via placenta para o bebê, principalmente no terceiro trimestre de gestação, e podem persistir até os 18 meses de idade, interferindo no diagnóstico sorológico da infecção vertical. Portanto, os métodos que realizam a detecção de anticorpos não são recomendados para o diagnóstico de crianças menores de 18 meses, sendo necessária a realização de testes moleculares, como a quantificação do RNA viral (carga viral). Os testes sorológicos utilizados no diagnóstico da infecção pelo HIV são o Elisa, a imunofluorescência indireta, o western blot, o imunoblot e o imunoblot rápido.
  • 30. Tratamentos O tratamento da AIDS é feito com medicamentos antirretrovirais. Estes medicamentos combatem o vírus e fortalecem o sistema imune, mas não curam a doença. É muito importante seguir corretamente o tratamento para diminuir a carga viral, aumentando o tempo de vida, e também para diminuir o risco de desenvolver as doenças relacionadas a AIDS como por exemplo, Tuberculose e Pneumonia. O tratamento da AIDS deve ser iniciado imediatamente nas pacientes grávidas ou quando o indivíduo apresentar no exame de sangue: Carga viral maior que 100.000/ml Taxa de CD4 menor que 500mm³ de sangue
  • 31. Se o tratamento antirretroviral for iniciado quando o paciente encontra-se numa fase mais avançada da doença é possível que haja uma inflamação chamada Síndrome inflamatória de reconstituição imune (SIR). O tratamento da AIDS pode ser feito no SUS, onde a pessoa recebe os medicamentos e tem acesso ao teste de HIV, que deve ser realizado cerca de três vezes ao ano, para o controle da doença. O tratamento medicamentoso da AIDS é feito com o uso de um coquetel de medicamentos composto por: AZT - Zidovudina DDI - Didanosina DDC - Zalcitabina 3 TC - Lamivudina D4T - Estavudina O tratamento da AIDS na gravidez deve ser orientado pelo obstetra e pode ser diferente porque alguns remédios para AIDS podem causar má formações no bebê.
  • 33. Um paciente portador do vírus HIV possui uma imunidade muito baixa, portanto, a probabilidade do desenvolvimento de doenças oportunistas e infecções se tornam muito maior. Diante de tais fatores é imprescindível que a enfermagem integre os cuidados específicos da rotina médica com a prevenção de doenças oportunista tanto em ambiente hospitalar como na atenção básica. As possibilidades de intervenções da enfermagem a pacientes portadores de HIV/AIDS são vastas e têm como propósito o prolongamento da vida, uma vez que o curar não representa uma alternativa no cenário atual. O amar ao próximo como a ti mesmo, faz toda diferença nesse cenário, podendo prolongar ou diminuir os dia e a qualidade desses dias.
  • 34. Dada a importância de uma assistência especializada ao paciente portador do HIV, tornam se indispensáveis os seguintes cuidados de enfermagem. Promover um bom estado nutricional. Histórico alimentar do paciente; Fatores como, anorexia, vômitos, dificuldade para deglutição; Pesar e medir o paciente regularmente (medidas antropométricas). Realizar a inspeção na pele e mucosas. Observar a pele e mucosas do paciente e instruí-lo para que faça o mesmo em casa diariamente; Inspecionando quanto à presença de vermelhidão, ulcerações e infecções; Observar e avaliar a região perianal quanto à presença de lesões e ulcerações advindas da diarréia.
  • 35. Avaliar estado respiratório. Observar presença de tosse produtiva, respiração curta, ortopneia, taquipneia e dor torácica. aspirar paciente quando necessário. Avaliar estado hidroeletrolítico.  Observar turgor e ressecamento da pele;  Sede aumentada, débito urinário reduzido;  Pressão arterial baixa ou redução pressão arterial sistólica com aumento da freqüência respiratória, pulso rápido e fraco. Avaliar sinais e sintomas de depleção de eletrólitos. Estado mental reduzido, contração muscular involuntária, câimbras, pulso irregular, náuseas e vômito, respirações superficiais; Manter integridade da pele: Os pacientes que não têm possibilidade de movimentação, mudar de decúbito a cada duas horas; Realizar curativos nas áreas lesionadas conforme prescrição médica; Manter sempre a área perianal limpa e seca após cada evacuação;
  • 36. Considerações finais Trinta e três anos após a descoberta do agente causador da AIDS ainda não foi descoberta a cura. Cerca de 2,5 milhões de pessoas no mundo ainda são infectadas por HIV todos os anos, e apesar da eficiência do tratamento com antiretrovirais, o índice de mortes chegam perto de 1,5 milhões de pessoas em todo o mundo. A informação e a prevenção ainda é o remédio mais eficaz na luta contra a AIDS. A AIDS não é mortal, mortais somos todos nós. Herbert de Souza, o Betinho.
  • 38. Bibliografia Veronesi: Tratado de infectologia 3° edição / Editor científico Roberto Focaccia. São Paulo: Editora Atheneu, 2005. Portal da saúde, SUS: O QUE É HIV? Brasilia: 28 Janeiro 2014 . http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/links-de-interesse/286-aids/9053-o-que-e-hiv Brasil Escola: Origem da epidemia de HIV. Sem data de postagem. http://brasilescola.uol.com.br/doencas/origem-epidemia-de-hiv.htm Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais: Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para manejo da infecção pelo HIV em adultos. Brasília - 2013 http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2013/55308/protocolo_final_31_7_2015_pdf_30707.pdf Replicação do vírus HIV / Vídeo do trabalho sobre AIDS do curso de enfermagem do Centro Universitário São Camilo. Mostra o processo de replicação do vírus HIV. Adaptado do site: http://rufusrajadurai.wetpaint.com. Editado e traduzido por Sara Costa. Enviado para youtube em 19 de mai de 2010 Portal educação: Assistência de enfermagem ao paciente com HIV/AIDS. Artigo por colunista portal - educação - terça-feira, 29 de janeiro de 2013 HTTPS://WWW.PORTALEDUCACAO.COM.BR/EDUCACAO/ARTIGOS/30621/ASSISTENCIA-DE-ENFERMAGEM- AO-PACIENTE-COM-HIV-AIDS
  • 39. CAVALHEIRO, Ana Paula Pfitscher - SPRINZ, Eduardo - LARENTIS, Daniela Z.: MedicinaNET, HIV. 17 de março 2014 http://www.medicinanet.com.br/conteudos/revisoes/5728/hiv.htm Schechter, Mauro e Rachid, Marcia: Manual de Hiv / Aids - 6ª Edição: Revista e Ampliada. Editora: Revinter, 2001. FRAZÃO, Arthur - Clínico gera: Tratamento da AIDS. Última atualização da página: 12/09/2016 https://www.tuasaude.com/tratamento-da-aids/ Imagens da internet: Créditos desconhecidos.