SlideShare uma empresa Scribd logo
Arbovírus e arboviroses
Arbovírus (de “arthropod borne virus”) são vírus que podem ser
transmitidos ao homem por vetores artrópodos.
Os arbovírus pertencem a três famílias:
1- Togaviridae: Chikungunya, Encefalites equinas (Leste, Oeste,
Venezuelana)
2- Bunyaviridae: Febre da Sandfly (mosquito pólvora), Febre do
Vale Rift, Febre hemorrágica da Criméia-Congo
3- Flaviviridae: Febre amarela, Dengue, Zika
Ciclos de Transmissão
 Homem - artrópodo - homem
 e.g. Dengue, Chikungunya, Zika, Febre amarela urbana.
 Reservatório pode ser ou o homem ou o vetor artrópodo.
 Pode haver transmissão transovariana.
 Animal - artrópodo - homem
 e.g. Encefalites equinas Leste e Oeste, Febre amarela silvática.
 O reservatório é um animal.
 O vírus é mantido na natureza em um ciclo de transmissão Emvolvendo o
vetor artópodo e um animal. O homem se infecta incidentalmente.
 Ambos ciclos podem ocorrer com alguns arbovírus, como a Febre
amarela.
Vírus Chikungunya
Homem-Artrópodo- Homem
Animal-artrópodo-Homem
Vetores artrópodos
Mosquitos
Chikungunya, Encefalite japonesa, Oeste do Nilo, Dengue, Febre
amarela, Encefalites St. Louis, Equinas Leste, Oeste, Venezuelana.
Carrapatos
Febre da Criméia-Congo.
Sandflies (mosquito pólvora)
Febre da sandlfly siciliana, Febre do Vale Rift.
Exemplos de vetores artrópodos
Aedes Aegyti
Alguns Carrapatos
Phlebotomíneo (Sandfly,
mosquito pólvora)
Culex Mosquito
Reservatórios Animais
Em muitos casos, o reservatório verdadeiro não é conhecido.
os seguintes animais podem ser reservatórios:
Aves Encefalites Japonesa, St Louis, Oeste do Nilo,
Equinas Leste, Oeste
Suínos Encefalite Japonesa
Macacos Febre amarela, Zika
Roedores Encef. Venezuelana, Russian Spring-Summer
Doenças associadas
 Febre e eritema - usualmente inespecífico, lembrando
influenza, rubéola, ou infecções por enterovírus.
 Encefalites
 Febre hemorrágicas
Diagnóstico
 Sorologia - comumente usada para o diagnóstico de
arboviroses.
 Cultivo - em camundongos ou várias linhagens de células
podem ser usadas, incluindo células de mosquitos.
Raramente usado, pois podem ser perigosos (patógenos de
cat. 3 ou 4).
 Testes de detecção direta: detecção de antígenos e ácidos
nucléicos possíveis.
Prevenção
 Vigilância - da enfermidade e de vetores
 Controle de vetores- pesticidas, eliminação de locais de
procriação.
 Proteção pessoal - triagem de casas, redes de dormir,
repelentes
 Vacinação - disponível para algumas como Febre amarela,
encefalites Japonesa e Russa (carrapato)
Família Flaviviridae, Gênero Flavivirus
 Causa Dengue clássico (DC) e febre
hemorrágica do Dengue (FHD)
 É um arbovírus (transmitidos por mosquitos)
 Possui 4 sorotipos distintos (DENV-1, 2, 3, 4)
Vírus da Dengue
Flavivírus - Organização do vírion
RNA fita simples (+)
prM
Bicamada
Lipídica
E
Nucleocapsídeo
3 prots estruturais 7 prots não- estruturais
30-50nm
 Cada sorotipo confere imunidade sorotipo específica permanente e contra
outros sorotipos, por curto período
 Todos os sorotipos podem causar doença grave e fatal
 Variação genética dentro dos sorotipos (Genótipos)
 Alguns genótipos parecem ser mais virulentos e com maior potencial epidêmico
 Novas infecções com outro sorotipo, entre 3 -15 mêses após a primeira
infecção podem levar a dengue hemorrágico por desencadeamento de processo
de hipersensibilidade.
Vírus da Dengue
 Mosquitos do gênero Aedes.
Nas Américas: Aedes aegypti .
Na Ásia: Aedes albopictus.
Aedes aegypti Aedes albopictus
Vetores Hospedeiros
 O vírus Dengue é transmitido por fêmeas do mosquito
infectado
 Principalmente se alimenta durante o dia
 Possui hábitos domésticos
 Coloca os ovos e gera larvas preferencialmente em
recipientes artificiais.
Aedes aegypti
Manifestações
Clínicas
(OMS,1997)
Manifestações do Dengue
Assintomática Sintomática
Febre Indiferenciada
Dengue Clássica
(DC)
Febre do Dengue
Hemorrágico (FDH)
com manifestações
hemorrágicas
Infecção por Dengue
Sem
Choque
Com choque
(SCD)
sem manifestações
hemorrágicas
 Febre
 Prostração
 Cefaléia
 Dor retro-orbital
 Artralgia e mialgia
 Náuseas/vômito
 Anorexia
 Rash
 Manifestações hemorrágicas
Rash
Manifestações Clínicas do
Dengue Clássico (DC)
99% das pessoas apresentam febre durante cerca de sete dias com
início abrupto.
60% têm dor de cabeça frontal severa, dores nas articulações e
músculos.
50% têm dor atrás dos olhos (retro-orbital);
50% têm prostação, indisposição, perda de apetite, náusea e vômitos.
25% têm manchas vermelhas no tórax e braços.
IMPORTANTE: A Dengue se diferencia de resfriados e gripes por não
apresentar sintomas respiratórios.
Dengue clássica - manifestações
 Hemorragias na pele (ex: petéquias)
 Gengivorragia
 Sangramento nasal
 Sangramento gastrointestinal
 Hematúria
 Fluxo menstrual aumentado
Petéquias
Manifestações Hemorrágicas do Dengue
Clássico (DC)
 Febre ou história recente de febre de até 7 dias
 Trombocitopenia: plaquetas ≤100,000/mm3
 Manifestações hemorrágicas
 Evidências de permeabilidade vascular
 Confirmação laboratorial durante períodos epidêmicos ou
interepidêmicos
O paciente deverá apresentar os seguintes critérios:
A
B
PEI = A/B
x 100
Efusão pleural
Febre Hemorrágica do Dengue
(FHD)
(OMS,1997)
 Choque: ocorre entre o 3º e 7º dia de doença, precedido por um ou mais sinais
de alerta.
 Decorrente do aumento da permeabilidade vascular seguido de
hemoconcentração e falência circulatória.
 É de curta duração e pode levar ao óbito em 12 a 24 horas ou à recuperação
rápida após terapia anti-choque apropriada.
Síndrome do Choque da
Dengue (SCD)
Segundo a OMS:
 ~50 milhões de pessoas contraem a
doença
500 mil são hospitalizadas (90% crianças)
24 mil óbitos
 Cerca de 2,5 – 3 bilhões de pessoas vivem
em risco de contrair a doença nos países
onde o dengue é endêmico.
Epidemiologia
Dengue
Distribuição global dos
sorotipos de vírus dengue,
1970
Distribuição global dos sorotipos de
vírus dengue, 2004
Mackenzie et al., 2004
Mudança na distribuição dos sorotipos
de dengue nos últimos 30 anos
http://www.paho.org/English/AD/DPC/CD/dengue.htm * Até a 25ª Semana Epidemiológica
BRASIL
(560,000)
~90%
630,000
2007
BRASIL
(734.384)
865.697
2008
~85%
BRASIL
(332.083)
480.909
2009*
~69%
1.015.420
BRASIL
(780,644)
~80%
2002
741,865
BRASIL
(535,388)
~73%
1998
Casos de Dengue Clássico nas Américas,
1980–2009*
Vacina contra a dengue?
Dificuldades para o desenvolvimento de uma vacina
 Vacinas: somente em 2016/2017
 Falta de um modelo animal adequado que reproduza as formas clínicas da
infecção
 Presença de 4 sorotipos
 Questionamentos quanto à eficácia e custo das vacinas oferecidas
 Maior Desafio:
Desenvolver vacina quádrupla combinada em uma única (tetravalente)
Induza proteção permanente contra os 4 sorotipos
Não pode induzir SDH se o vacinado for exposto!
Não deve causar reações de hipersensibilidade.
vírus Chikungunya
Infecção pelo vírus Chikungunya
Os primeiros casos no Brasil => 2010 apresentaram os sintomas depois de
uma viagem à Indonésia. A terceira paciente, uma paulista de 25 anos,
esteve na Índia.
Em junho de 2014 => seis casos no Brasil de soldados que retornaram de
uma missão no Haiti.
Em 15 de outubro de 2014, foram confirmados 337 casos no país, sendo
274 apenas na cidade de Feira de Santana, na Bahia.
Em 2015 ocorreu um surto na América do sul nos primeiros quatro meses
deste ano com estimativa de 10 mil casos e 113 mortes.
Estima-se que 2.500 desses casos foram no Brasil, a maioria dos casos na
Bahia, Minas Gerais e São Paulo.
vírus Chikungunya – epidemiologia
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya
Chikungunya aguda – sinais
Febre
Poliartralgias (pode haver inchaço)
Dor de cabeça
Dores musculares
Dor nas costas
Náusea
Vômito
Eritema
Poliartrite
Conjuntivite
Calafrios
Em crianças=> tende a ser mais grave.
Chikungunya crônica – sinais
 Poliartralgia => pode durar semanas a anos.
 Dores articulares até 2 anos
 95% dos adultos são assintomáticos
 Porém, a maioria se torna desabilitado por meses ou semanas => destreza
reduzida, perda de mobilidade, reações atrasadas.
 Dor articular recorrente ocorre em 30–40% dos infectados.
 Complicações raras: miocardite, meningoencefalite, hemorragias leves, uveite,
retinite.
 Morte rara.
 However, increases in crude death rates have been reported during the 2004–
2008 epidemics. More than half of patients who suffer from severe chikungunya
fever are over 65 years old, and more than 33% of them die. Most of these
adults have underlying medical conditions and appear to be more likely to suffer
complications.
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya
Chikungunya - sinais
Chikungunya – sinais
Chikungunya – diagnóstico
- Isolamento viral
- RT-PCR
- Sorologia (IgM e IgG)
- Coletar sangue na primeira semana
- IgM + ou aumento de títulos IgG ≥4 x
entre amostras coletadas nas fases
aguda e convalescente
Site recomendado:
http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_content&view=article&id=9722:chikungunya-photo-story&Itemid=41027&lang=en
O primeiro caso bem documentado do vírus Zika foi em 1964,
começando com uma leve dor de cabeça que progrediu para um
exantema máculo-papular, febre e dor nas costas.
Com dois dias, a erupção começou a desaparecer, e com 3 dias,
a febre desapareceu permanecendo apenas a erupção.
Sinais
- dor de cabeça leve
- exantema maculopapular,
- febre,
- mal estar,
- conjuntivite,
- artralgia.
Vírus Zika - é mais um Flavivírus !
Zikavírus – distribuição até 2007
Zikavírus – distribuição até 2015
Transmissão
É transmitida por mosquitos e foi isolado de um número de
espécies do gênero Aedes - Aedes aegypti, Aedes
africanus, Aedes apicoargenteus, Aedes furcifer, Aedes
luteocephalus e Aedes vitattus.
Patogenia
período de incubação extrínseca (em mosquitos) ~10 dias.
Os hospedeiros vertebrados=> macacos e humanos.
Acredita-se que infecte células dendríticas próximas ao lugar de
inoculação => nódulos linfáticos => na corrente sanguínea.
Tratamento/prevenção
Não há vacina.
Tratamento sintomático:
anti-inflamatórios não-esteróides
analgésicos não-salicílicos.
Diagnóstico diferencial de Zoster: atenção!
Vírus Zika
Infecção por vírus Zika
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AIDS e HIV
AIDS e HIVAIDS e HIV
AIDS e HIV
Paulo Tavares
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Caroline Landim
 
Rubeóla
RubeólaRubeóla
Rubeóla
Caio Sanches
 
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYADengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Nicole Gouveia
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Enfº Ícaro Araújo
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Nathy Oliveira
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Imunização
Marina Bernal
 
Ist 01
Ist 01Ist 01
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
letosgirl
 
Toxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e RúbeolaToxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e Rúbeola
Jonathan Sampaio
 
CHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYACHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYA
Gessica Chaves
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Guida Abreu
 
Aids
AidsAids
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Mariinazorzi
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
connect2009
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
Patricia Nunes
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
Marcos Moraes
 
Aula 2 - A luta contra a febre amarela
Aula 2 -  A luta contra a febre amarelaAula 2 -  A luta contra a febre amarela
Aula 2 - A luta contra a febre amarela
Isabela Espíndola
 

Mais procurados (20)

AIDS e HIV
AIDS e HIVAIDS e HIV
AIDS e HIV
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Rubeóla
RubeólaRubeóla
Rubeóla
 
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYADengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYA
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Imunização
 
Ist 01
Ist 01Ist 01
Ist 01
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Toxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e RúbeolaToxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e Rúbeola
 
CHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYACHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYA
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Aula 2 - A luta contra a febre amarela
Aula 2 -  A luta contra a febre amarelaAula 2 -  A luta contra a febre amarela
Aula 2 - A luta contra a febre amarela
 

Destaque

Dengue, Zika Vírus, Chikungunya
Dengue, Zika Vírus, ChikungunyaDengue, Zika Vírus, Chikungunya
Dengue, Zika Vírus, Chikungunya
Balduino Júnior
 
10 minutos contra a dengue
10 minutos contra a dengue10 minutos contra a dengue
10 minutos contra a dengue
muni2014
 
Informativo do aluno 4ª etapa 2016
Informativo do aluno 4ª etapa  2016Informativo do aluno 4ª etapa  2016
Informativo do aluno 4ª etapa 2016
Muni2015
 
2016 projeto folclore educação física
2016   projeto folclore educação física2016   projeto folclore educação física
2016 projeto folclore educação física
Muni2015
 
Palestra povos indigenas
Palestra povos indigenasPalestra povos indigenas
Palestra povos indigenas
muni2014
 
Tiradentes 21 de abril
Tiradentes 21 de abrilTiradentes 21 de abril
Tiradentes 21 de abril
Muni2015
 
Resultado simave 2015
Resultado simave 2015Resultado simave 2015
Resultado simave 2015
Muni2015
 
Aula1 imuno clínica revisional
Aula1 imuno clínica  revisionalAula1 imuno clínica  revisional
Aula1 imuno clínica revisional
Aline Garcia
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Ricardo Alexandre
 

Destaque (9)

Dengue, Zika Vírus, Chikungunya
Dengue, Zika Vírus, ChikungunyaDengue, Zika Vírus, Chikungunya
Dengue, Zika Vírus, Chikungunya
 
10 minutos contra a dengue
10 minutos contra a dengue10 minutos contra a dengue
10 minutos contra a dengue
 
Informativo do aluno 4ª etapa 2016
Informativo do aluno 4ª etapa  2016Informativo do aluno 4ª etapa  2016
Informativo do aluno 4ª etapa 2016
 
2016 projeto folclore educação física
2016   projeto folclore educação física2016   projeto folclore educação física
2016 projeto folclore educação física
 
Palestra povos indigenas
Palestra povos indigenasPalestra povos indigenas
Palestra povos indigenas
 
Tiradentes 21 de abril
Tiradentes 21 de abrilTiradentes 21 de abril
Tiradentes 21 de abril
 
Resultado simave 2015
Resultado simave 2015Resultado simave 2015
Resultado simave 2015
 
Aula1 imuno clínica revisional
Aula1 imuno clínica  revisionalAula1 imuno clínica  revisional
Aula1 imuno clínica revisional
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
 

Semelhante a Apres. dengue zica, chikungunya

13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika
Damblya Vilas Boas
 
13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika
Roberto de Paula Souza
 
13 aulamedicinadenguechikzika (1)
13 aulamedicinadenguechikzika (1)13 aulamedicinadenguechikzika (1)
13 aulamedicinadenguechikzika (1)
andrime tapajós tapajós
 
Curso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptxCurso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptx
milena235441
 
Com que Vírus eu vou? Chikungunya - Dengue - Febre Amarela - Zika
Com que Vírus eu vou?  Chikungunya - Dengue - Febre Amarela - ZikaCom que Vírus eu vou?  Chikungunya - Dengue - Febre Amarela - Zika
Com que Vírus eu vou? Chikungunya - Dengue - Febre Amarela - Zika
Alexandre Naime Barbosa
 
Gripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviariaGripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviaria
Guilherme Gehlen
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
Jayranne Mara Santana
 
Chikungunya apresentacao padrao
Chikungunya apresentacao padraoChikungunya apresentacao padrao
Chikungunya apresentacao padrao
jose carlos silva cruz
 
Principais Zoonoses fiocruz
Principais Zoonoses  fiocruzPrincipais Zoonoses  fiocruz
Principais Zoonoses fiocruz
Socorro Carneiro
 
Curso ACE - Arboviroses(1).pdf
Curso ACE - Arboviroses(1).pdfCurso ACE - Arboviroses(1).pdf
Curso ACE - Arboviroses(1).pdf
MarcosOntonio
 
Arbovírus e arboviruses prof. Clovis Gurski - Biólogo
Arbovírus e arboviruses   prof. Clovis Gurski - BiólogoArbovírus e arboviruses   prof. Clovis Gurski - Biólogo
Arbovírus e arboviruses prof. Clovis Gurski - Biólogo
Clovis Gurski
 
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza  Desmistificando e EsclarecendoArboviroses e Influenza  Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
Alexandre Naime Barbosa
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
bhbiohorrores
 
Microrganismo e doenças emergentes .pptx
Microrganismo e doenças emergentes .pptxMicrorganismo e doenças emergentes .pptx
Microrganismo e doenças emergentes .pptx
RicardoGabriel55
 
Aula 2 virus
Aula 2   virusAula 2   virus
Aula 2 virus
Grupo UNIASSELVI
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
Hugo Costa
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
Hugo Costa
 
Trabalho sobre dengue
Trabalho sobre dengueTrabalho sobre dengue
Trabalho sobre dengue
Wagner Oliveira
 
O Risco das Arboviroses e das DSTs: Comportamento, Atitudes, Conhecimento e ...
O Risco das Arboviroses e das DSTs:  Comportamento, Atitudes, Conhecimento e ...O Risco das Arboviroses e das DSTs:  Comportamento, Atitudes, Conhecimento e ...
O Risco das Arboviroses e das DSTs: Comportamento, Atitudes, Conhecimento e ...
Alexandre Naime Barbosa
 
Dengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael CostaDengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael Costa
Ismael Costa
 

Semelhante a Apres. dengue zica, chikungunya (20)

13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika
 
13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika
 
13 aulamedicinadenguechikzika (1)
13 aulamedicinadenguechikzika (1)13 aulamedicinadenguechikzika (1)
13 aulamedicinadenguechikzika (1)
 
Curso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptxCurso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptx
 
Com que Vírus eu vou? Chikungunya - Dengue - Febre Amarela - Zika
Com que Vírus eu vou?  Chikungunya - Dengue - Febre Amarela - ZikaCom que Vírus eu vou?  Chikungunya - Dengue - Febre Amarela - Zika
Com que Vírus eu vou? Chikungunya - Dengue - Febre Amarela - Zika
 
Gripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviariaGripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviaria
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Chikungunya apresentacao padrao
Chikungunya apresentacao padraoChikungunya apresentacao padrao
Chikungunya apresentacao padrao
 
Principais Zoonoses fiocruz
Principais Zoonoses  fiocruzPrincipais Zoonoses  fiocruz
Principais Zoonoses fiocruz
 
Curso ACE - Arboviroses(1).pdf
Curso ACE - Arboviroses(1).pdfCurso ACE - Arboviroses(1).pdf
Curso ACE - Arboviroses(1).pdf
 
Arbovírus e arboviruses prof. Clovis Gurski - Biólogo
Arbovírus e arboviruses   prof. Clovis Gurski - BiólogoArbovírus e arboviruses   prof. Clovis Gurski - Biólogo
Arbovírus e arboviruses prof. Clovis Gurski - Biólogo
 
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza  Desmistificando e EsclarecendoArboviroses e Influenza  Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
Microrganismo e doenças emergentes .pptx
Microrganismo e doenças emergentes .pptxMicrorganismo e doenças emergentes .pptx
Microrganismo e doenças emergentes .pptx
 
Aula 2 virus
Aula 2   virusAula 2   virus
Aula 2 virus
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
Trabalho sobre dengue
Trabalho sobre dengueTrabalho sobre dengue
Trabalho sobre dengue
 
O Risco das Arboviroses e das DSTs: Comportamento, Atitudes, Conhecimento e ...
O Risco das Arboviroses e das DSTs:  Comportamento, Atitudes, Conhecimento e ...O Risco das Arboviroses e das DSTs:  Comportamento, Atitudes, Conhecimento e ...
O Risco das Arboviroses e das DSTs: Comportamento, Atitudes, Conhecimento e ...
 
Dengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael CostaDengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael Costa
 

Último

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 

Apres. dengue zica, chikungunya

  • 1. Arbovírus e arboviroses Arbovírus (de “arthropod borne virus”) são vírus que podem ser transmitidos ao homem por vetores artrópodos. Os arbovírus pertencem a três famílias: 1- Togaviridae: Chikungunya, Encefalites equinas (Leste, Oeste, Venezuelana) 2- Bunyaviridae: Febre da Sandfly (mosquito pólvora), Febre do Vale Rift, Febre hemorrágica da Criméia-Congo 3- Flaviviridae: Febre amarela, Dengue, Zika
  • 2. Ciclos de Transmissão  Homem - artrópodo - homem  e.g. Dengue, Chikungunya, Zika, Febre amarela urbana.  Reservatório pode ser ou o homem ou o vetor artrópodo.  Pode haver transmissão transovariana.  Animal - artrópodo - homem  e.g. Encefalites equinas Leste e Oeste, Febre amarela silvática.  O reservatório é um animal.  O vírus é mantido na natureza em um ciclo de transmissão Emvolvendo o vetor artópodo e um animal. O homem se infecta incidentalmente.  Ambos ciclos podem ocorrer com alguns arbovírus, como a Febre amarela. Vírus Chikungunya
  • 5. Vetores artrópodos Mosquitos Chikungunya, Encefalite japonesa, Oeste do Nilo, Dengue, Febre amarela, Encefalites St. Louis, Equinas Leste, Oeste, Venezuelana. Carrapatos Febre da Criméia-Congo. Sandflies (mosquito pólvora) Febre da sandlfly siciliana, Febre do Vale Rift.
  • 6. Exemplos de vetores artrópodos Aedes Aegyti Alguns Carrapatos Phlebotomíneo (Sandfly, mosquito pólvora) Culex Mosquito
  • 7. Reservatórios Animais Em muitos casos, o reservatório verdadeiro não é conhecido. os seguintes animais podem ser reservatórios: Aves Encefalites Japonesa, St Louis, Oeste do Nilo, Equinas Leste, Oeste Suínos Encefalite Japonesa Macacos Febre amarela, Zika Roedores Encef. Venezuelana, Russian Spring-Summer
  • 8. Doenças associadas  Febre e eritema - usualmente inespecífico, lembrando influenza, rubéola, ou infecções por enterovírus.  Encefalites  Febre hemorrágicas
  • 9. Diagnóstico  Sorologia - comumente usada para o diagnóstico de arboviroses.  Cultivo - em camundongos ou várias linhagens de células podem ser usadas, incluindo células de mosquitos. Raramente usado, pois podem ser perigosos (patógenos de cat. 3 ou 4).  Testes de detecção direta: detecção de antígenos e ácidos nucléicos possíveis.
  • 10. Prevenção  Vigilância - da enfermidade e de vetores  Controle de vetores- pesticidas, eliminação de locais de procriação.  Proteção pessoal - triagem de casas, redes de dormir, repelentes  Vacinação - disponível para algumas como Febre amarela, encefalites Japonesa e Russa (carrapato)
  • 11. Família Flaviviridae, Gênero Flavivirus  Causa Dengue clássico (DC) e febre hemorrágica do Dengue (FHD)  É um arbovírus (transmitidos por mosquitos)  Possui 4 sorotipos distintos (DENV-1, 2, 3, 4) Vírus da Dengue
  • 12. Flavivírus - Organização do vírion RNA fita simples (+) prM Bicamada Lipídica E Nucleocapsídeo 3 prots estruturais 7 prots não- estruturais 30-50nm
  • 13.  Cada sorotipo confere imunidade sorotipo específica permanente e contra outros sorotipos, por curto período  Todos os sorotipos podem causar doença grave e fatal  Variação genética dentro dos sorotipos (Genótipos)  Alguns genótipos parecem ser mais virulentos e com maior potencial epidêmico  Novas infecções com outro sorotipo, entre 3 -15 mêses após a primeira infecção podem levar a dengue hemorrágico por desencadeamento de processo de hipersensibilidade. Vírus da Dengue
  • 14.  Mosquitos do gênero Aedes. Nas Américas: Aedes aegypti . Na Ásia: Aedes albopictus. Aedes aegypti Aedes albopictus Vetores Hospedeiros
  • 15.  O vírus Dengue é transmitido por fêmeas do mosquito infectado  Principalmente se alimenta durante o dia  Possui hábitos domésticos  Coloca os ovos e gera larvas preferencialmente em recipientes artificiais. Aedes aegypti
  • 17. (OMS,1997) Manifestações do Dengue Assintomática Sintomática Febre Indiferenciada Dengue Clássica (DC) Febre do Dengue Hemorrágico (FDH) com manifestações hemorrágicas Infecção por Dengue Sem Choque Com choque (SCD) sem manifestações hemorrágicas
  • 18.  Febre  Prostração  Cefaléia  Dor retro-orbital  Artralgia e mialgia  Náuseas/vômito  Anorexia  Rash  Manifestações hemorrágicas Rash Manifestações Clínicas do Dengue Clássico (DC)
  • 19. 99% das pessoas apresentam febre durante cerca de sete dias com início abrupto. 60% têm dor de cabeça frontal severa, dores nas articulações e músculos. 50% têm dor atrás dos olhos (retro-orbital); 50% têm prostação, indisposição, perda de apetite, náusea e vômitos. 25% têm manchas vermelhas no tórax e braços. IMPORTANTE: A Dengue se diferencia de resfriados e gripes por não apresentar sintomas respiratórios. Dengue clássica - manifestações
  • 20.  Hemorragias na pele (ex: petéquias)  Gengivorragia  Sangramento nasal  Sangramento gastrointestinal  Hematúria  Fluxo menstrual aumentado Petéquias Manifestações Hemorrágicas do Dengue Clássico (DC)
  • 21.  Febre ou história recente de febre de até 7 dias  Trombocitopenia: plaquetas ≤100,000/mm3  Manifestações hemorrágicas  Evidências de permeabilidade vascular  Confirmação laboratorial durante períodos epidêmicos ou interepidêmicos O paciente deverá apresentar os seguintes critérios: A B PEI = A/B x 100 Efusão pleural Febre Hemorrágica do Dengue (FHD) (OMS,1997)
  • 22.  Choque: ocorre entre o 3º e 7º dia de doença, precedido por um ou mais sinais de alerta.  Decorrente do aumento da permeabilidade vascular seguido de hemoconcentração e falência circulatória.  É de curta duração e pode levar ao óbito em 12 a 24 horas ou à recuperação rápida após terapia anti-choque apropriada. Síndrome do Choque da Dengue (SCD)
  • 23. Segundo a OMS:  ~50 milhões de pessoas contraem a doença 500 mil são hospitalizadas (90% crianças) 24 mil óbitos  Cerca de 2,5 – 3 bilhões de pessoas vivem em risco de contrair a doença nos países onde o dengue é endêmico. Epidemiologia Dengue
  • 24. Distribuição global dos sorotipos de vírus dengue, 1970 Distribuição global dos sorotipos de vírus dengue, 2004 Mackenzie et al., 2004 Mudança na distribuição dos sorotipos de dengue nos últimos 30 anos
  • 25. http://www.paho.org/English/AD/DPC/CD/dengue.htm * Até a 25ª Semana Epidemiológica BRASIL (560,000) ~90% 630,000 2007 BRASIL (734.384) 865.697 2008 ~85% BRASIL (332.083) 480.909 2009* ~69% 1.015.420 BRASIL (780,644) ~80% 2002 741,865 BRASIL (535,388) ~73% 1998 Casos de Dengue Clássico nas Américas, 1980–2009*
  • 26. Vacina contra a dengue? Dificuldades para o desenvolvimento de uma vacina  Vacinas: somente em 2016/2017  Falta de um modelo animal adequado que reproduza as formas clínicas da infecção  Presença de 4 sorotipos  Questionamentos quanto à eficácia e custo das vacinas oferecidas  Maior Desafio: Desenvolver vacina quádrupla combinada em uma única (tetravalente) Induza proteção permanente contra os 4 sorotipos Não pode induzir SDH se o vacinado for exposto! Não deve causar reações de hipersensibilidade.
  • 28. Infecção pelo vírus Chikungunya
  • 29. Os primeiros casos no Brasil => 2010 apresentaram os sintomas depois de uma viagem à Indonésia. A terceira paciente, uma paulista de 25 anos, esteve na Índia. Em junho de 2014 => seis casos no Brasil de soldados que retornaram de uma missão no Haiti. Em 15 de outubro de 2014, foram confirmados 337 casos no país, sendo 274 apenas na cidade de Feira de Santana, na Bahia. Em 2015 ocorreu um surto na América do sul nos primeiros quatro meses deste ano com estimativa de 10 mil casos e 113 mortes. Estima-se que 2.500 desses casos foram no Brasil, a maioria dos casos na Bahia, Minas Gerais e São Paulo. vírus Chikungunya – epidemiologia
  • 32. Chikungunya aguda – sinais Febre Poliartralgias (pode haver inchaço) Dor de cabeça Dores musculares Dor nas costas Náusea Vômito Eritema Poliartrite Conjuntivite Calafrios Em crianças=> tende a ser mais grave.
  • 33. Chikungunya crônica – sinais  Poliartralgia => pode durar semanas a anos.  Dores articulares até 2 anos  95% dos adultos são assintomáticos  Porém, a maioria se torna desabilitado por meses ou semanas => destreza reduzida, perda de mobilidade, reações atrasadas.  Dor articular recorrente ocorre em 30–40% dos infectados.  Complicações raras: miocardite, meningoencefalite, hemorragias leves, uveite, retinite.  Morte rara.  However, increases in crude death rates have been reported during the 2004– 2008 epidemics. More than half of patients who suffer from severe chikungunya fever are over 65 years old, and more than 33% of them die. Most of these adults have underlying medical conditions and appear to be more likely to suffer complications.
  • 38. Chikungunya – diagnóstico - Isolamento viral - RT-PCR - Sorologia (IgM e IgG) - Coletar sangue na primeira semana - IgM + ou aumento de títulos IgG ≥4 x entre amostras coletadas nas fases aguda e convalescente Site recomendado: http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_content&view=article&id=9722:chikungunya-photo-story&Itemid=41027&lang=en
  • 39. O primeiro caso bem documentado do vírus Zika foi em 1964, começando com uma leve dor de cabeça que progrediu para um exantema máculo-papular, febre e dor nas costas. Com dois dias, a erupção começou a desaparecer, e com 3 dias, a febre desapareceu permanecendo apenas a erupção. Sinais - dor de cabeça leve - exantema maculopapular, - febre, - mal estar, - conjuntivite, - artralgia. Vírus Zika - é mais um Flavivírus !
  • 42. Transmissão É transmitida por mosquitos e foi isolado de um número de espécies do gênero Aedes - Aedes aegypti, Aedes africanus, Aedes apicoargenteus, Aedes furcifer, Aedes luteocephalus e Aedes vitattus. Patogenia período de incubação extrínseca (em mosquitos) ~10 dias. Os hospedeiros vertebrados=> macacos e humanos. Acredita-se que infecte células dendríticas próximas ao lugar de inoculação => nódulos linfáticos => na corrente sanguínea. Tratamento/prevenção Não há vacina. Tratamento sintomático: anti-inflamatórios não-esteróides analgésicos não-salicílicos. Diagnóstico diferencial de Zoster: atenção! Vírus Zika