SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Interno: Edson Luiz Gomes Matias
Preceptora: Enf. Margarete Dias
INTRODUÇÃO
• A febre amarela é uma arbovirose (doença transmitida por inseto),
sendo uma causa importante de morbidade e alta letalidade em
vastas zonas das regiões tropicais da África e das Américas. A partir
do século XVII, essa doença dizimou vidas em extensas epidemias
nesses dois continentes. No início deste século, o desenvolvimento de
vacinas eficazes e a erradicação do vetor urbano, Aedes aegypti,
alentaram por algum tempo a esperança de que a doença
desapareceria, pelo menos no Novo Mundo. No entanto, apesar dos
trabalhos realizados durante várias décadas, continuaram sendo
registrados casos esporádicos em populações rurais não imunes, em
decorrência do ciclo silvestre de transmissão da febre amarela.
AGENTE ETIOLÓGICO
• A febre amarela é causada por um arbovírus (transmitido por
mosquitos) do gênero Flavivírus fabricis da família Flaviviridae.
VETORES DA FEBRE AMARELA
EPIDEMIOLOGIA
• A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por
um vírus transmitido por mosquitos vetores fêmeas, não havendo
transmissão direta de pessoa a pessoa e possui dois ciclos de
transmissão: silvestre (quando há transmissão em área rural ou de
floresta) e urbano.
Atualmente, a febre amarela silvestre (FA) é uma doença endêmica no
Brasil (região amazônica). Na região extra-amazônica, apresenta
períodos epidêmicos, que são registrados ocasionalmente.
• O Aedes aegypti foi eliminado do Brasil duas vezes (1955 e 1973).
• Foi novamente reintroduzido em 1976, através do porto de Salvador,
na Bahia.
IMPORTANTE
• Os macacos não transmitem a febre amarela! Eles são importantes
sentinelas para alerta em regiões onde o vírus da Febre Amarela está
circulando. Macacos mortos são analisados em exames específicos
para detectar se a causa morte foi Febre Amarela, o que aciona o
alerta de cuidado com as pessoas.
SINTOMATOLOGIA
A pessoa apresenta os sintomas iniciais da febre amarela de 3 a 6 dias após
ter sido infectada.
Os sintomas iniciais da febre amarela são:
• início súbito de febre;
• calafrios;
• dor de cabeça intensa;
• dores nas costas;
• dores no corpo em geral;
• náuseas e vômitos;
• fadiga e fraqueza.
SINTOMATOLOGIA
• A maioria das pessoas melhora após estes sintomas iniciais. No
entanto, cerca de 15% apresentam um breve período de até 24 horas
sem sintomas e, então, desenvolvem uma forma mais grave da
doença.
• IMPORTANTE: O ciclo da doença atualmente é silvestre e o último
caso de febre amarela urbana foi registrado no Brasil em 1942, onde
todos os casos confirmados desde então decorrem do ciclo silvestre
de transmissão.
COMPLICAÇÕES DA FEBRE AMARELA.
Em casos graves, a pessoa infectada por febre amarela pode desenvolver
algumas complicações, como:
• Febre alta;
• Hepatopatia;
• Icterícia;
• Colúria:
• Hemorragia (especialmente a partir do trato gastrointestinal);
• Eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos.
IMPORTANTE: Cerca de 20% a 50% das pessoas que desenvolvem febre
amarela grave podem morrer, portanto assim que surgirem os primeiros
sinais e sintomas, é fundamental buscar ajuda médica imediata.
DIAGNÓSTICO
CLÍNICO.
• Observando-se os sinais e sintomas.
LABORATORIAL.
• FASE AGUDA - PCR em tempo real para a detecção do material
genético do vírus a partir de fluidos e tecidos.
• FASE Pós 6°dia de infecção - Testes sorológicos, que identificam a
presença de anticorpos contra o vírus produzidos pelo organismo do
paciente em resposta à infecção.
TRATAMENTO
• O tratamento da febre amarela é apenas sintomático, com cuidados e
assistência ao paciente que, sob hospitalização, deve permanecer em
repouso, com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando
indicado.
• Nas formas graves, o paciente deve ser atendido em Unidade de
Terapia Intensiva (UTI), para reduzir as complicações e o risco de
óbito. Medicamentos salicilatos devem ser evitados (AAS e Aspirina),
já que o uso pode favorecer o aparecimento de manifestações
hemorrágicas.
PREVENÇÃO
• A vacina é a principal ferramenta de prevenção e controle da febre
amarela. O Sistema Único de Saúde (SUS) oferta vacina contra febre
amarela para a população desde abril de 2017.
PREVENÇÃO / VACINAÇÃO
Quantas doses da vacina são indicadas? A OMS recomenda que crianças de 9 meses até adultos de
59 anos de idade, tome apenas 01 dose de vacina contra a Febre Amarela ao longo da vida (Pessoas
com 60 anos ou mais só poderão receber a vacina após avaliação do risco/benefício por profissional
médico, apresentando prescrição médica com a indicação da vacina).
Quem deve tomar a vacina? As recomendações são apenas para as pessoas que vivem ou viajem
para áreas endêmicas (A vacina deve ser realizada pelo menos 10 dias antes da viagem).
Quais são as contraindicações?
• Crianças menores de 9 meses de idade.
• Mulheres amamentando crianças menores de 6 meses de idade.
• Pessoas com alergia grave ao ovo.
• Pessoas que vivem com HIV e que tem contagem de células CD4 menor que 350.
• Pessoas em tratamento com quimioterapia/ radioterapia.
• Pessoas portadoras de doenças autoimunes.
• Pessoas submetidas a tratamento com imunossupressores.
Doação de sangue após a vacinação
• Após 28 dias
PREVENÇÃO
• Em áreas de maior risco de exposição
como matas, florestas, rios,
cachoeiras, parques e o meio rural,
utilizar roupas não coladas e que
cubram maior parte do corpo, assim
como calçados fechados.
• Usar repelente de insetos de acordo
com as indicações do produto.
• Evitar na medida do possível o
deslocamento para áreas rurais e,
principalmente, adentrar em matas,
seja a trabalho ou turismo.
• Passar o maior tempo possível em
ambientes refrigerados, uso de
mosquiteiros e telas nas janelas.
NOTIFICAÇÃO
• É uma doença de notificação compulsória imediata, ou seja, todo
evento suspeito (tanto morte de primatas não humanos, quanto
casos humanos com sintomatologia compatível) deve ser
prontamente comunicado, em até 24 horas após a suspeita inicial, às
autoridades locais competentes pela via mais rápida (telefone, fax,
email, etc).
• Cabe as autoridades estaduais de saúde notificar os eventos de febre
amarela suspeitos ao Ministério da Saúde.
BIBLIOGRAFIA
• https://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/febre-amarela-sintomas-transmissao-e-
prevencao
• https://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-da-saude/tudo-sobre-febre-amarela/
• https://www.cecom.unicamp.br/wp-content/uploads/2017/05/folder-febre-
amarela.pdf
• https://portal.fiocruz.br/noticia/febre-amarela-ioc-atua-no-diagnostico-
laboratorial-de-casos
• https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_epidemiologica_f
ebre_amarela.pdf
• https://www.bing.com/images/search?q=FEBRE%20AMARELA&qs=n&form=QBIR
&sp=-1&pq=febre%20amarela&sc=8-
13&cvid=77BFC88204814B47A4CCB37AE104DFEE&first=1&tsc=ImageBasicHover

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
HIV vs. AIDS
HIV vs. AIDSHIV vs. AIDS
HIV vs. AIDS
 
Sarampo aula
Sarampo aulaSarampo aula
Sarampo aula
 
Vacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdadesVacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdades
 
Aula 2 - A luta contra a febre amarela
Aula 2 -  A luta contra a febre amarelaAula 2 -  A luta contra a febre amarela
Aula 2 - A luta contra a febre amarela
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Febre Amarela
Febre AmarelaFebre Amarela
Febre Amarela
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Sarampo e catapora
Sarampo e cataporaSarampo e catapora
Sarampo e catapora
 
04 aula cólera
04 aula   cólera04 aula   cólera
04 aula cólera
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
FEBRE TIFÓIDE
FEBRE TIFÓIDEFEBRE TIFÓIDE
FEBRE TIFÓIDE
 
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
 
Hepatites a, b e c
Hepatites a, b e cHepatites a, b e c
Hepatites a, b e c
 
Dst/aids
Dst/aidsDst/aids
Dst/aids
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
HIV / AIDS
HIV / AIDSHIV / AIDS
HIV / AIDS
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungos
 

Semelhante a FEBRE AMARELA

Dengue 2008
Dengue 2008Dengue 2008
Dengue 2008
J. C.
 
Dengue 2008
Dengue 2008Dengue 2008
Dengue 2008
J. C.
 
Risco+biologico+hc[1]
Risco+biologico+hc[1]Risco+biologico+hc[1]
Risco+biologico+hc[1]
itsufpr
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
bhbiohorrores
 

Semelhante a FEBRE AMARELA (20)

Varicela.pptx
Varicela.pptxVaricela.pptx
Varicela.pptx
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
Viroses
VirosesViroses
Viroses
 
ace conteudo.pptx
ace conteudo.pptxace conteudo.pptx
ace conteudo.pptx
 
Seminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: MaláriaSeminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: Malária
 
Dengue 2008
Dengue 2008Dengue 2008
Dengue 2008
 
Dengue 2008
Dengue 2008Dengue 2008
Dengue 2008
 
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.pptFEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
 
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.pptFEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
 
Risco+biologico+hc[1]
Risco+biologico+hc[1]Risco+biologico+hc[1]
Risco+biologico+hc[1]
 
Cachumba
Cachumba Cachumba
Cachumba
 
Cachumba
CachumbaCachumba
Cachumba
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
Sintomas da dengue
Sintomas da dengueSintomas da dengue
Sintomas da dengue
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
 
Dssms Gripe SuíNa
Dssms   Gripe SuíNaDssms   Gripe SuíNa
Dssms Gripe SuíNa
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (8)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 

FEBRE AMARELA

  • 1. Interno: Edson Luiz Gomes Matias Preceptora: Enf. Margarete Dias
  • 2. INTRODUÇÃO • A febre amarela é uma arbovirose (doença transmitida por inseto), sendo uma causa importante de morbidade e alta letalidade em vastas zonas das regiões tropicais da África e das Américas. A partir do século XVII, essa doença dizimou vidas em extensas epidemias nesses dois continentes. No início deste século, o desenvolvimento de vacinas eficazes e a erradicação do vetor urbano, Aedes aegypti, alentaram por algum tempo a esperança de que a doença desapareceria, pelo menos no Novo Mundo. No entanto, apesar dos trabalhos realizados durante várias décadas, continuaram sendo registrados casos esporádicos em populações rurais não imunes, em decorrência do ciclo silvestre de transmissão da febre amarela.
  • 3. AGENTE ETIOLÓGICO • A febre amarela é causada por um arbovírus (transmitido por mosquitos) do gênero Flavivírus fabricis da família Flaviviridae.
  • 5. EPIDEMIOLOGIA • A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido por mosquitos vetores fêmeas, não havendo transmissão direta de pessoa a pessoa e possui dois ciclos de transmissão: silvestre (quando há transmissão em área rural ou de floresta) e urbano. Atualmente, a febre amarela silvestre (FA) é uma doença endêmica no Brasil (região amazônica). Na região extra-amazônica, apresenta períodos epidêmicos, que são registrados ocasionalmente. • O Aedes aegypti foi eliminado do Brasil duas vezes (1955 e 1973). • Foi novamente reintroduzido em 1976, através do porto de Salvador, na Bahia.
  • 6.
  • 7.
  • 8. IMPORTANTE • Os macacos não transmitem a febre amarela! Eles são importantes sentinelas para alerta em regiões onde o vírus da Febre Amarela está circulando. Macacos mortos são analisados em exames específicos para detectar se a causa morte foi Febre Amarela, o que aciona o alerta de cuidado com as pessoas.
  • 9. SINTOMATOLOGIA A pessoa apresenta os sintomas iniciais da febre amarela de 3 a 6 dias após ter sido infectada. Os sintomas iniciais da febre amarela são: • início súbito de febre; • calafrios; • dor de cabeça intensa; • dores nas costas; • dores no corpo em geral; • náuseas e vômitos; • fadiga e fraqueza.
  • 10. SINTOMATOLOGIA • A maioria das pessoas melhora após estes sintomas iniciais. No entanto, cerca de 15% apresentam um breve período de até 24 horas sem sintomas e, então, desenvolvem uma forma mais grave da doença. • IMPORTANTE: O ciclo da doença atualmente é silvestre e o último caso de febre amarela urbana foi registrado no Brasil em 1942, onde todos os casos confirmados desde então decorrem do ciclo silvestre de transmissão.
  • 11. COMPLICAÇÕES DA FEBRE AMARELA. Em casos graves, a pessoa infectada por febre amarela pode desenvolver algumas complicações, como: • Febre alta; • Hepatopatia; • Icterícia; • Colúria: • Hemorragia (especialmente a partir do trato gastrointestinal); • Eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. IMPORTANTE: Cerca de 20% a 50% das pessoas que desenvolvem febre amarela grave podem morrer, portanto assim que surgirem os primeiros sinais e sintomas, é fundamental buscar ajuda médica imediata.
  • 12. DIAGNÓSTICO CLÍNICO. • Observando-se os sinais e sintomas. LABORATORIAL. • FASE AGUDA - PCR em tempo real para a detecção do material genético do vírus a partir de fluidos e tecidos. • FASE Pós 6°dia de infecção - Testes sorológicos, que identificam a presença de anticorpos contra o vírus produzidos pelo organismo do paciente em resposta à infecção.
  • 13. TRATAMENTO • O tratamento da febre amarela é apenas sintomático, com cuidados e assistência ao paciente que, sob hospitalização, deve permanecer em repouso, com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando indicado. • Nas formas graves, o paciente deve ser atendido em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), para reduzir as complicações e o risco de óbito. Medicamentos salicilatos devem ser evitados (AAS e Aspirina), já que o uso pode favorecer o aparecimento de manifestações hemorrágicas.
  • 14. PREVENÇÃO • A vacina é a principal ferramenta de prevenção e controle da febre amarela. O Sistema Único de Saúde (SUS) oferta vacina contra febre amarela para a população desde abril de 2017.
  • 15. PREVENÇÃO / VACINAÇÃO Quantas doses da vacina são indicadas? A OMS recomenda que crianças de 9 meses até adultos de 59 anos de idade, tome apenas 01 dose de vacina contra a Febre Amarela ao longo da vida (Pessoas com 60 anos ou mais só poderão receber a vacina após avaliação do risco/benefício por profissional médico, apresentando prescrição médica com a indicação da vacina). Quem deve tomar a vacina? As recomendações são apenas para as pessoas que vivem ou viajem para áreas endêmicas (A vacina deve ser realizada pelo menos 10 dias antes da viagem). Quais são as contraindicações? • Crianças menores de 9 meses de idade. • Mulheres amamentando crianças menores de 6 meses de idade. • Pessoas com alergia grave ao ovo. • Pessoas que vivem com HIV e que tem contagem de células CD4 menor que 350. • Pessoas em tratamento com quimioterapia/ radioterapia. • Pessoas portadoras de doenças autoimunes. • Pessoas submetidas a tratamento com imunossupressores. Doação de sangue após a vacinação • Após 28 dias
  • 16.
  • 17. PREVENÇÃO • Em áreas de maior risco de exposição como matas, florestas, rios, cachoeiras, parques e o meio rural, utilizar roupas não coladas e que cubram maior parte do corpo, assim como calçados fechados. • Usar repelente de insetos de acordo com as indicações do produto. • Evitar na medida do possível o deslocamento para áreas rurais e, principalmente, adentrar em matas, seja a trabalho ou turismo. • Passar o maior tempo possível em ambientes refrigerados, uso de mosquiteiros e telas nas janelas.
  • 18. NOTIFICAÇÃO • É uma doença de notificação compulsória imediata, ou seja, todo evento suspeito (tanto morte de primatas não humanos, quanto casos humanos com sintomatologia compatível) deve ser prontamente comunicado, em até 24 horas após a suspeita inicial, às autoridades locais competentes pela via mais rápida (telefone, fax, email, etc). • Cabe as autoridades estaduais de saúde notificar os eventos de febre amarela suspeitos ao Ministério da Saúde.
  • 19. BIBLIOGRAFIA • https://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/febre-amarela-sintomas-transmissao-e- prevencao • https://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-da-saude/tudo-sobre-febre-amarela/ • https://www.cecom.unicamp.br/wp-content/uploads/2017/05/folder-febre- amarela.pdf • https://portal.fiocruz.br/noticia/febre-amarela-ioc-atua-no-diagnostico- laboratorial-de-casos • https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_epidemiologica_f ebre_amarela.pdf • https://www.bing.com/images/search?q=FEBRE%20AMARELA&qs=n&form=QBIR &sp=-1&pq=febre%20amarela&sc=8- 13&cvid=77BFC88204814B47A4CCB37AE104DFEE&first=1&tsc=ImageBasicHover