Lubrificantes pt1

10.304 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • adorei esta matéria se poderem enviem me mais no meu email
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Lubrificantes pt1

  1. 1. LubrificantesParte 1Componentes:Thiago PereiraVictor HiromatsuProfessor:Costa Filho
  2. 2. Tópicos descritos • Lubrificantes - Conceito • Lubrificantes - Funções e aplicações • Tipos de Lubrificantes - Classificação • Características dos Óleos Lubrificantes
  3. 3. Recapitulando• O movimento relativo entre corpos sólidos, líquidos ou gasosos, ocasiona atrito.• O atrito excessivo e constante entre peças de um maquinário, pode provocar o desgaste prematuro das mesmas, resultando em paralisação da produção.• O atrito produz calor que representa perda direta de energia.• Para amenizar a ação do atrito podem ser utilizados lubrificantes.
  4. 4. Lubrificantes – Conceito• Os lubrificantes criam uma película fluida que impede o contato direto entre as superfícies de componentes mecânicos, transformando o atrito sólido em atrito fluido.• Elementos mecânicos que possuem superfície ajustadas entre si ou em contato direto constante necessitam de lubrificação.
  5. 5. Lubrificantes – Outras funções• Refrigeração – rouba calor entre as superfícies.• Vedação – impede a entrada de contaminantes externos.• Amortecimento ao choque – ajuda a absorver uma parte do impacto sofrido na junção.• Isolante Elétrico – devido a sua composição química• Remoção de Contaminantes – no motor a combustão o lubrificantes retira as partículas resultante da combustão
  6. 6. Lubrificantes – Algumas aplicações• Industria Automotiva: óleos minerais, compostos e sintéticos
  7. 7. Lubrificantes – Algumas aplicações• Engrenagens: Óleos lubrificantes de alta ou baixa viscosidade.
  8. 8. Lubrificantes – Algumas aplicações• Mancais: Óleos ou graxas
  9. 9. Classificação dos LubrificantesLubrificantes Gasosos• São lubrificantes de uso especial e muito restrito, reservado para aplicações onde o uso dos lubrificantes convencionais não é possível, difícil penetração.• Os mais comumente usados são o ar, o nitrogênio e gases halogenados.
  10. 10. Classificação dos LubrificantesLubrificantes SólidosSão lubrificantes indicados para serviços em que as partes sãosubmetidas à elevadas pressão e temperatura, ou à cargasintermitentes ou em meio de trabalho agressivo.Os lubrificantes sólidos mais comuns são o grafite, talco e mica.
  11. 11. Classificação dos LubrificantesLubrificantes Semi-SólidosA graxa é formada basicamente por:ÓLEO MINERAL + ADITIVOS + AGLUTINADOR = GRAXALogo estes são produtos obtidos a partir da dispersão de umagente aglutinante (sabão) no óleo mineral garantindo aconsistência. E aditivos que conferem propriedades à graxa.As graxas são indicadas para pontos que não possuem vedaçãoprópria.
  12. 12. Lubrificantes - ClassificaçãoLubrificantes LíquidosConsiderado um dos mais práticos, pode ser classificadoquanto a origem em:•Óleos Minerais;•Óleos Graxos (Animal ou Vegetal);• Óleos Compostos;•Óleos Sintéticos.
  13. 13. Características dos LubrificantesOs lubrificantes possuem certas características que lhe sãoconferidas com relação à sua composição química e aspectosfísicos:•Viscosidade•Densidade•Ponto de Fulgor e Inflamação•Ponto de Fluidez
  14. 14. Viscosidade• Propriedade inerente a todos os líquidos, podendo ser definida como a resistência que um liquido oferece ao seu fluxo.• A viscosidade de um fluido determina sua resistência ao cisalhamento.• Propriedade principal de um fluido, pois está relacionada com:  Capacidade de levar carga  Perda de potência  Calor produzido
  15. 15. Classificação dos óleosEntidades internacionais responsáveis pela classificação doslubrificantes:•SAE – classificação mais antiga para lubrificantes automotivos,definida pela faixa de viscosidade•API – classifica os óleos lubrificantes de acordo com o seu nívelde desempenho.•ACEA – classificação européia, utiliza critérios semelhantes aosda API.•JASO – classificação japonesa para lubrificantes de motoresdois tempos.•NMMA – classifica lubrificantes navais utilizados em motoresnavais.
  16. 16. Classificação dos óleos - SAESão classificados pela SAE que agrupa os óleos devido as suasviscosidades em determinadas temperaturas. Não é levada emconsideração desempenho nem qualidade do óleo.Quanto maior a numeração mais viscoso é o óleo.•Exemplo: SAE 40 é mais viscoso do que o SAE 20•Óleos em que a viscosidade é medida à baixas temperaturassão da série W (óleos de inverno).  Ideais para lubrificação durante partida de máquinas.•Óleos em que a viscosidade é medida à baixas temperaturassão os óleos de verão.  Evita o desgaste dos componentes a altas temperaturas.
  17. 17. Viscosidade x TemperaturaA viscosidade é influenciada pela atividade molecular. Assim,quanto maior a temperatura, menor será viscosidade.
  18. 18. Características dos LubrificantesÍndice de Viscosidade
  19. 19. Índice de Viscosidade• Óleos que possuem alto IV são poucos afetados pelas temperaturas, reunindo características de óleos de verão e inverno simultaneamente.• Estes são os chamados óleos multiviscosos, possuindo a duas numerações. Como exemplo temos o SAE 20W-50, que se comporta como SAE 20 em baixas temperaturas e SAE 50 a altas.
  20. 20. Classificação dos óleos - APIA classificação por este método, consiste em submeter o óleo auma série de testes específicos que levam em consideração:  Tipo de trabalho  Tipo de motor  Práticas de manutenção  Nível de proteção  Desgaste  LimpezaSéries:S: Agrupa os lubrificantes para motores ciclo OttoC: Reúne os lubrificantes para motores ciclo diesel
  21. 21. Classificação dos óleos - API Categoria Aplicação Motores de aspiração natural, operando CA em condições suaves ou moderadas, utilizando combustível de baixo teor de enxofre. de aspiração natural, operando Motores CB em condições suaves ou moderadas, utilizando combustível de alto teor de enxofre (1%). tempos operando em serviço Motores dois CD II severo. Motores quatro tempos de alta rotação. Supera a categoria CE quanto ao consumo CF.4 de lubrificante e formação de depósitos nos pistões.
  22. 22. Características dos LubrificantesDensidade • A densidade absoluta ou simplesmente densidade é conceituada como sendo a relação massa por unidade de volume. • A densidade relativa é definida como sendo um número adimensional obtido através da relação entre a densidade absoluta de uma substância e a densidade absoluta da água. • Como a densidade absoluta é função do volume e esse é influenciado pela temperatura, só tem sentido falar-se em densidade (absoluta ou relativa), quando a ela se refere a uma dada temperatura.
  23. 23. Características dos LubrificantesDensidade• No caso dos óleos lubrificantes utiliza-se em geral as temperaturas de 20ºC ou 60ºF como temperaturas de referência para determinação da sua densidade absoluta.• No caso da água, são utilizadas as temperaturas de 4º ou 60ºF como referência para determinação da densidade absoluta da água.• O calculo da densidade relativa se dá da seguinte maneira:  Densidade 20/4ºC = Densidade do óleo a 20ºC / Densidade da água a 4ºC  Densidade 60/60ºF = Densidade do óleo a 60ºF / Densidade da água a 60ºF
  24. 24. Características dos LubrificantesPonto de Fulgor• O Ponto de Fulgor ( Flash Point) é a temperatura na qual o óleo desprende os primeiros vapores que se inflamam quando em contato com uma chama.• São características importantes dos óleos lubrificantes, pois indicam as faixas de temperatura em que um óleo pode operar com total segurança.• Ter um ponto de fulgor alto, não significa que o óleo possua propriedades antioxidantes próprias para uma elevada temperatura.
  25. 25. Características dos LubrificantesPonto de InflamaçãoProsseguindo o aquecimento do óleo para temperaturassuperiores a do Ponto de Fulgor, haverá um determinado valorda temperatura (Fire Point) a partir do qual a combustão dosvapores por ele desprendidos passará a ser continua, resultandona combustão completa da superfície do óleo.
  26. 26. Características dos LubrificantesPonto de Fulgor e Ponto de InflamaçãoA característica que define a utilização e o manuseio dos óleoslubrificantes é o seu Ponto de Fulgor. Se por qualquer razão, atemperatura do óleo estiver próxima à dele, sua utilização oumanuseio não são recomendados.
  27. 27. Características dos LubrificantesPonto de Fluidez• O Ponto de Fluidez é a menor temperatura a que é submetido um óleo lubrificante, mantendo-se inalterada suas características de fluidez.• A perda da fluidez ocorre devido a formação de cristais no interior do óleo. Essa formação é mais fácil nos óleos que têm maiores teores de parafina.• Assim, os óleos de base parafínica têm Ponto de Fluidez maior que os de base naftênica e, por isso, esses são especificados, preferencialmente para baixas temperaturas.

×