SlideShare uma empresa Scribd logo
Geografia para o Ensino Fundamental (séries
iniciais) a partir dos Parâmetros Curriculares
Nacionais
Éderson Dias de Oliveira
BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: História, Geografia, ensino
de primeira à quarta série, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília:
MEC/SEF, 1997. 166p.
PCN de Geografia
 Os PCN de 1997, permitem uma visão da realidade local e
global - percepção ampliada que nos leva a refletir e
intervir nos espaços e tempos diferenciados;
 É um documento auxiliar para a ação pedagógica na
formação de cidadãos conscientes partícipes da sociedade;
 Dada a complexidade da prática educativa esse documento
visa auxiliar os professores na prática do seu papel;
A Geografia e suas divergências
• A produção acadêmica em torno da Geografia apresentou
diferentes concepções históricas, sendo que a nível de Brasil,
em 1934 foi instalado o primeiro curso de Geografia na USP –
Escola francesa - La Blache;
• Esse ensino, focou em explicações objetivas e quantitativas –
não-politizada - neutralidade do discurso científico;
• Essa tendência da Geografia e as
correntes que dela se desdobraram
foram chamadas de Geografia
Tradicional.
• Por exemplo, estudava-se a população,
mas não a sociedade; as técnicas e os
instrumentos de trabalho, mas não o
processo de produção.
 Ou seja, não se discutiam as relações intrínsecas à
sociedade, abstraindo assim o homem de seu caráter social.
 Relação homem x meio com abordagem objetiva – leis gerais;
 Geografia Tradicional – priorização da relação homem x meio
/ secundarização das relações sociais;
 Não se discutiam as relações intrínsecas à sociedade,
abstraindo assim o homem de seu caráter social - viés
naturalizante;
 Estudo descritivo das paisagens naturais e humanizadas, de
forma dissociada do espaço vivido;
 Os procedimentos didáticos promoviam a descrição e a
memorização dos elementos que compõem as paisagens sem,
contudo, esperar que os alunos estabelecessem relações,
analogias ou generalizações;
 Descrição e memorização dos elementos que compõem as
paisagens - Geografia neutra;
 Influência nos livros
didáticos até meados da
década de 1970;
Quebra de paradigmas na análise do Espaço Geográfico
• Mudanças nas dinâmicas tempôro-espacial da 2ª metade do
séc. XX - No pós-guerra, a realidade tornou-se mais
complexa:
• O desenvolvimento do capitalismo afastou-se da fase concor-
rencial e penetrou na fase monopolista do grande capital;
• A urbanização acentuou-se e megalópoles começaram a se
constituir;
• O espaço agrário sofreu as modificações estruturais
comandadas pela Revolução Verde, em função da
industrialização e da mecanização das atividades agrícolas em
várias partes do mundo;
• Os métodos e as teorias da Geografia Tradicional tornaram-
se insuficientes para apreender e explicar essa
complexidade;
• Demanda por estudos voltados para a análise das relações
mundiais, de ordem econômica, social, política e ideológica;
• Emprego do meio técnico e científico - tecnologias
aeroespaciais, tais como o sensoriamento remoto, as fotos de
satélite e o computador;
• Nos anos de 1960,
emergem as influência
das teorias marxistas
- preocupações do
relacional sociedade-
trabalho-natureza na
produção do espaço
geográfico político;
 Essa nova perspectiva considera que não basta explicar o
mundo, é preciso transformá-lo;
 Assim a Geografia ganha conteúdos políticos que são
significativos na formação do cidadão;
 Surge uma nova forma de se interpretar as categorias de
espaço geográfico, território e paisagem – influencia nas
propostas curriculares do EF;
 Todavia essas propostas, foram centradas em questões
econômicas e as relações de trabalho, com um alto grau de
complexidade para os alunos;
 Há ainda professores e livros didáticos que conservam a
linha tradicional, descritiva e desconexa herdada da GT;
 Tanto a GT quanto a GM ortodoxa negligenciaram a relação
do homem e da sociedade com a natureza em sua dimensão
sensível de percepção do mundo;
 O cientificismo da GT, por negar ao homem a possibilidade
de um conhecimento que passasse pela subjetividade do
imaginário;
 O marxismo ortodoxo, por tachar de idealismo alienante
qualquer explicação subjetiva e afetiva da relação da
sociedade com a natureza;
 Uma das características da produção acadêmica da Geografia
nos últimos anos são as abordagens com dimensões subjetivas
- singularidades que o homem estabelece com a natureza.
 São dimensões socialmente elaboradas, fruto das
experiências individuais na cultura das quais se inserem -
resultando em diferentes percepções do espaço geográfico;
 Necessidade de explicações mais plurais, que promovam a
interseção da Geografia com outros campos do saber
(Antropologia, Sociologia, Biologia, Ciências Políticas e etc);
 Busca da superação da Geografia apenas centrada na
descrição empírica das paisagens, tampouco na interpretação
política e econômica do mundo;
 Demanda de uma Geografia que trabalhe as múltiplas
interações estabelecidas entre os elementos socioculturais e
os físicos - biológicos, na constituição do espaço geográfico
 As sucessivas mudanças e debates em torno do objeto e
método da Geografia favoreceram novos modelos didáticos;
 Nota-se também pouco apoio técnico e teórico, aos
professores – ensino apenas na descrição dos fatos e
embasados quase que exclusivamente no livro didático;
 Segundo análise feita pela Fundação Carlos Chagas, nota-se
também problemas, nas propostas curriculares produzidas
nos últimos anos, de ordem epistêmica e teóricas como:
• abandono de conteúdos fundamentais como as categorias de
análise bem como do estudo dos elementos físicos e
biológicos;
• Existência de modismos que buscam sensibilizar os alunos
para temáticas atuais, sem uma preocupação em
compreender os múltiplos fatores delas decorrentes. Ex.
sustentabilidade - pouca compreensão processual -
aprendizagem de slogans;
 Noção de escala espaço-temporal por vezes confusa –
necessidade de relacionar o local no global e vice-versa, e
como o espaço materializa diferentes tempos (soc. e da nat.);
 Propostas pedagógicas dicotomizadas GH x GF: ou a
abordagem é somente social e a natureza é um apêndice, ou
então se trabalha os fenômenos naturais de forma pura – isso
em detrimento de uma abordagem socioambiental;
 Zelo pela memorização - o que se avalia é se o aluno
memorizou ou não os conteúdos trabalhados e não aquilo que
pôde compreender das múltiplas relações existentes -
capacidade de problematizar e resolver realidades distintas;
 O ensino de Geografia pode levar os alunos a
compreenderem de forma mais ampla a realidade –
possibilidade de intervenção mais consciente e propositiva;
 Para tanto, é preciso que eles adquiram conhecimentos,
dominem categorias, conceitos e procedimentos básicos com
os quais este campo do conhecimento opera;
 Portanto é preciso
compreender as relações
socioambientais às quais
historicamente pertence –
execução de uma forma
singular de pensar
realidade: o conhecimento
geográfico;
Objetivo da Geografia -> explicar e compreender as relações
entre a sociedade e a natureza -> diferentes noções espaciais
e temporais -> fenômenos sociais, culturais e naturais.
 A geografia deve mostrar ao aluno o que é cidadania e o
sentimento de pertencer a uma realidade -> e sentir-se
membro participante e afetivamente ligado, responsável e
comprometido historicamente.
Conhecimento geográfico: característica/importância social
• A Geografia estuda as relações entre o processo histórico
das sociedades e o funcionamento da natureza, por meio da
leitura do espaço/paisagem;
 O espaço geográfico é produzido pelo
homem enquanto organiza econômica e
socialmente sua sociedade em épocas
distintas.
• A G. se divide em estudos da sociedade/natureza possibilitan-
do um aprofundamento temático de seus objetos de estudo;
• Essa divisão é um recurso didático, para distinguir os
elementos sociais ou naturais;
• Porém, o objetivo é compreender as relações sociedade -
natureza, e como ocorre a apropriação desta por aquela;
• Identificar e relacionar aquilo que na paisagem representa as
heranças das sucessivas relações no tempo entre a sociedade
e a natureza é um de seus objetivos.
• Dessa forma, a análise da
paisagem deve focar as
dinâmicas de suas
transformações e não a
descrição de um mundo
estático;
• A compreensão dessas dinâmicas
requer movimentos constantes
entre os processos sociais e os
físicos/biológicos , inseridos em
contextos particulares ou gerais.
• Para tanto, é preciso buscar
explicações para aquilo que, numa
paisagem, podendo ser
compreendido mediante a análise
do processo de produção/
organização do espaço.
• O espaço geográfico é
historicamente produzido pelo
homem enquanto organiza
socioeconomicamente sua
sociedade.
 Assim, o estudo da paisagem como síntese (totalidade) de
múltiplos espaços e tempos deve considerar o espaço
vivido/percebido e o espaço produzido/concreto;
 A percepção espacial de
cada indivíduo/sociedade
é também marcada por
laços afetivos e
referências
socioculturais.
 Nessa perspectiva, a
historicidade enfoca o
homem como sujeito
construtor, que imprime
seus valores no processo
de construção de seu
espaço.
 Pensar sobre essas noções de espaço demanda a compreensão
subjetiva da paisagem como lugar: a mesma ganhando
significados para aqueles que a vivem e a constroem;
 No EF, é importante considerar quais são as categorias da G.
mais adequadas para os alunos em relação às capacidades que
se espera que eles desenvolvam - espaço geográfico central;
 O conceito de território é bastante amplo, sendo que se
define também pelo espaço identificada pela posse.
 Na geopolítica, é o espaço nacional ou
área controlada por um Estado
nacional;
 Entretanto, território não é apenas a
configuração política de um Estado-
Nação, mas sim o espaço construído
pela formação social;
• Território implica também compreender a complexidade da
convivência no espaço, nem sempre harmônica - diversidade
de tendências, ideias, crenças, sistemas de pensamento e
tradições de diferentes povos e etnias;
• Coexistência de múltiplas identidades que se influenciam
reciprocamente, definindo e redefinindo aquilo que poderia
ser chamado de uma identidade nacional;
• Há o sentimento de pertencimento que envolve a compreensão
da várias culturas – busca do reconhecimento de suas
especificidades, daquilo que lhes é próprio.
• O território possui uma relação
estreita com a paisagem.
• Pode até mesmo ser considerada
como o conjunto de paisagens
polarizado por um poder central;
• A paisagem, é definida como sendo uma unidade visual,
caracterizada por fatores de ordem social, cultural e natural,
contendo espaços e tempos distintos; o passado e o presente
- é o velho no novo e o novo no velho!
• É nela que estão expressas as marcas da história de uma
sociedade, fazendo assim, da paisagem uma soma de tempos
desiguais - combinação de espaços geográficos.
• A paisagem, por sua vez, está relacionada ao lugar. Pertencer
a um território e sua paisagem significa fazer dele o seu lugar
de vida e estabelecer uma identidade;
• Portanto, o lugar traduz os espaços com os
quais temos vínculos mais afetivos e
subjetivos que racionais e objetivos:
• Ex. uma praça, onde se brinca desde
menino, a janela de onde se vê a rua, o alto
de uma colina, de onde se avista a cidade;
• O lugar é onde estão as referências pessoais e o sistema de
valores que direcionam as diferentes formas de perceber e
constituir a paisagem e o espaço geográfico.
(SEED – 2013) É o espaço onde o particular, o histórico, o
cultural e a identidade permanecem presentes, revelando
especificidades, subjetividades e racionalidades. Por outro
lado, é no espaço local que as empresas negociam seus
interesses, definem onde querem se instalar ou de onde vão se
retirar. DCE - Geografia. PR, 2008. O conceito geográfico em
destaque no fragmento é:
A) paisagem.
B) região.
C) território.
D) lugar.
E) natureza.
*Suertegaray (2003) imagina o girar de um disco no qual estão
grafados com diversidade de cores os conceitos da Geografia.
*Dessa maneira território, região, lugar e paisagem se
condensam no girar do disco, e no mosaico de cores compondo
o espaço geográfico, que é a união das outras categorias;
*O homem em toda sua complexidade e totalidade é quem
anima tais categorias, é a força motriz de seu movimento, é o
grande produtor de espaço geográfico.
*Não fosse sua presença no planeta haveria apenas paisagens,
deixando de haver, portanto;
* território, porque não haveria uso,
territorialização;
* regiões, porque não haveria
funcionalidade, integração, articulação,
distinção;
*lugar, porque não haveria apropriação; e,
*por fim, espaço geográfico, porque não haveria produção,
ações e objetos animados.
*Para Santos (2004), existiria apenas paisagem porque
restariam as formas, mas uma paisagem inanimada, estática,
cuja única dinâmica seria aquela das forças escultoras
internas e externas, contudo, não existiria espaço
geográfico porque não existiria ação humana;
Aprender e ensinar geografia no EF
 A maneira mais comum de se ensinar Geografia tem sido pelo
discurso do professor ou pelo livro didático, de forma
memorativa e desconexa da realidade do aluno;
 É preciso que eles desenvolvam a capacidade de identificar e
refletir sobre diferentes aspectos da realidade,
compreendendo a relação sociedade-natureza.
 A paisagem local, o espaço vivido pelos alunos deve ser o
objeto de estudo ao longo dos dois primeiros ciclos.
 Para tanto, o estudo da sociedade e da
natureza deve ser realizado de forma
conjunta.
 Nessa professores/alunos devem
entender que a sociedade e a natureza
constituem a base material/física sobre a
qual o espaço geográfico é construído.
 A compreensão de como a realidade local relaciona-se com o
contexto global, deve ser desenvolvido durante toda a
escolaridade, desde os ciclos iniciais.
 Além disso, o estudo da paisagem local não deve se restringir
à mera constatação e descrição dos fenômenos que a
constituem.
 Deve-se também buscar as relações entre a sociedade e a
natureza que aí se encontram presentes, situando-as em
diferentes escalas espaciais e temporais, comparando-as,
conferindo-lhes significados, compreendendo-as;
 A Geografia, ao pretender o estudo
dos lugares, suas paisagens e
território, tem buscado um trabalho
interdisciplinar, lançando mão de
outras fontes de informação. Ex.
Geografia x Literatura;
 Também a música, a fotografia e o cinema são fontes
utilizadas para obter informações e para interpretar as
paisagens, construindo conhecimentos do espaço geográfico;
 Na escola, fotos comuns, aéreas, filmes, gravuras e vídeos
também podem ser usados como fontes de interpretação do
espaço/paisagem - as imagens são produtos do trabalho
humano, localizáveis no tempo e no espaço;
 O estudo da linguagem cartográfica, por sua vez, contribui
para compreensão/utilização dos mapas, e também a
capacidade de representação do espaço;
 É fundamental a aquisição dos conhecimentos geográficos
básicos para a vida em sociedade, em particular para o
desempenho das funções de cidadania;
 O cidadão, ao conhecer as características sociais, culturais e
naturais do lugar, pode comparar, explicar, compreender e
espacializar as múltiplas relações que diferentes sociedades
em épocas variadas estabelecem na construção do espaço;
 Esses conhecimentos permite uma maior consciência dos
limites e responsabilidades da ação individual e coletiva com
relação ao local e o global;
 Os conteúdos devem permitir o pleno desenvolvimento do
papel de cada um na construção de uma identidade –
valorização dos aspectos socioambientais que caracterizam
seu patrimônio;
 Trabalhar as categorias essenciais: EG; P; T e L sintetizam
aspectos da organização espacial e possibilita interpretar os
fenômenos que a constituem em múltiplos espaços e tempos.
 Trabalhar com a espacialidade dos fenômenos em sua
temporalidade – estudar a extensão de uma paisagem e o
papel histórico de sua posição geográfica, além dos aspectos
locacional – multidisciplinaridade;
 Necessidade de reflexão sobre diferentes aspectos da
realidade;
• A atitude problematizadora permite a observação, o registro
e a relação desses conteúdos com a realidade do aluno;
• A participação do aluno nos conteúdos favorece sua mudança
na prática social – a memorização e abstração frente aos
conteúdos os torna “passageiros” - necessidade de
experiência;
• Enfim a Geografia no início da escolarização é poder fazer
uma relação com o espaço vivido – é trazer para sala de aula a
compreensão deste espaço;
• Ensinar Geografia nesse período é inserir o cotidiano dos
alunos nas atividades de sala de aula;
• É transformar as dúvidas dos alunos sobre os fenômenos e
dinâmicas socioambientais em objetos de estudos;
• Concretizar a Geografia é:
conseguir com que o aluno se
compreenda como parte
integrante da relações
sociedade e natureza;
• Um texto teórico “chato” se
torna deslocado frente as
experiências de vida do aluno –
suas demandas diferem do
conteúdo engessado;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MPEHG AULA 10: Aula 10: Geografia na BNCC: introdução + competências específicas
MPEHG AULA 10: Aula 10: Geografia na BNCC: introdução + competências específicasMPEHG AULA 10: Aula 10: Geografia na BNCC: introdução + competências específicas
MPEHG AULA 10: Aula 10: Geografia na BNCC: introdução + competências específicas
profamiriamnavarro
 
Geografia nos anos iniciais
Geografia nos anos iniciaisGeografia nos anos iniciais
Geografia nos anos iniciais
Ana Selma Sena Santos
 
Plano de aula urbanização.doc2
Plano de aula urbanização.doc2Plano de aula urbanização.doc2
Plano de aula urbanização.doc2
Luciana Souza
 
EducaçãO Do Campo
EducaçãO Do CampoEducaçãO Do Campo
EducaçãO Do Campo
culturaafro
 
Cartografia completa
Cartografia completaCartografia completa
Cartografia completa
Artur Lara
 
Milton Santos: concepções de geografia, espaço e território
Milton Santos: concepções de geografia, espaço e territórioMilton Santos: concepções de geografia, espaço e território
Milton Santos: concepções de geografia, espaço e território
Poliana Tavares
 
Orientação e localização
Orientação e localizaçãoOrientação e localização
Orientação e localização
Uilson Pereira da Silva
 
RESENHA Região e organização espacial
RESENHA Região e organização espacialRESENHA Região e organização espacial
RESENHA Região e organização espacial
Hemily Sued
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
Suely Takahashi
 
Geografia, o que é
Geografia, o que éGeografia, o que é
Geografia, o que é
Uilson Pereira da Silva
 
1º Trimestre - Cartografia
1º Trimestre - Cartografia1º Trimestre - Cartografia
1º Trimestre - Cartografia
Catarina Troiano
 
Geomorfologia do Maranhão
Geomorfologia do MaranhãoGeomorfologia do Maranhão
Geomorfologia do Maranhão
Pedro Wallace
 
Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1
Palloma Luana
 
Curvas de nível
Curvas de nívelCurvas de nível
Pcn geografia nas séries iniciais
Pcn   geografia nas séries iniciaisPcn   geografia nas séries iniciais
Pcn geografia nas séries iniciais
Charles Alexandre
 
Coordenadas Geograficas
Coordenadas GeograficasCoordenadas Geograficas
Coordenadas Geograficas
Luciano Pessanha
 
MPEHG AULA 11: Geografia na BNCC: unidades temáticas, objetos de conhecimento...
MPEHG AULA 11: Geografia na BNCC: unidades temáticas, objetos de conhecimento...MPEHG AULA 11: Geografia na BNCC: unidades temáticas, objetos de conhecimento...
MPEHG AULA 11: Geografia na BNCC: unidades temáticas, objetos de conhecimento...
profamiriamnavarro
 
Ensino de Geografia nas series inciciais
Ensino de Geografia nas series inciciaisEnsino de Geografia nas series inciciais
Ensino de Geografia nas series inciciais
Patrícia Éderson Dias
 
Educação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidadeEducação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidade
Vitor Vieira Vasconcelos
 
A abordagem dos conceitos de geografia na sala de aula tmg
A abordagem dos conceitos de geografia na sala de aula   tmgA abordagem dos conceitos de geografia na sala de aula   tmg
A abordagem dos conceitos de geografia na sala de aula tmg
Rodrigo Sousa
 

Mais procurados (20)

MPEHG AULA 10: Aula 10: Geografia na BNCC: introdução + competências específicas
MPEHG AULA 10: Aula 10: Geografia na BNCC: introdução + competências específicasMPEHG AULA 10: Aula 10: Geografia na BNCC: introdução + competências específicas
MPEHG AULA 10: Aula 10: Geografia na BNCC: introdução + competências específicas
 
Geografia nos anos iniciais
Geografia nos anos iniciaisGeografia nos anos iniciais
Geografia nos anos iniciais
 
Plano de aula urbanização.doc2
Plano de aula urbanização.doc2Plano de aula urbanização.doc2
Plano de aula urbanização.doc2
 
EducaçãO Do Campo
EducaçãO Do CampoEducaçãO Do Campo
EducaçãO Do Campo
 
Cartografia completa
Cartografia completaCartografia completa
Cartografia completa
 
Milton Santos: concepções de geografia, espaço e território
Milton Santos: concepções de geografia, espaço e territórioMilton Santos: concepções de geografia, espaço e território
Milton Santos: concepções de geografia, espaço e território
 
Orientação e localização
Orientação e localizaçãoOrientação e localização
Orientação e localização
 
RESENHA Região e organização espacial
RESENHA Região e organização espacialRESENHA Região e organização espacial
RESENHA Região e organização espacial
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Geografia, o que é
Geografia, o que éGeografia, o que é
Geografia, o que é
 
1º Trimestre - Cartografia
1º Trimestre - Cartografia1º Trimestre - Cartografia
1º Trimestre - Cartografia
 
Geomorfologia do Maranhão
Geomorfologia do MaranhãoGeomorfologia do Maranhão
Geomorfologia do Maranhão
 
Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1
 
Curvas de nível
Curvas de nívelCurvas de nível
Curvas de nível
 
Pcn geografia nas séries iniciais
Pcn   geografia nas séries iniciaisPcn   geografia nas séries iniciais
Pcn geografia nas séries iniciais
 
Coordenadas Geograficas
Coordenadas GeograficasCoordenadas Geograficas
Coordenadas Geograficas
 
MPEHG AULA 11: Geografia na BNCC: unidades temáticas, objetos de conhecimento...
MPEHG AULA 11: Geografia na BNCC: unidades temáticas, objetos de conhecimento...MPEHG AULA 11: Geografia na BNCC: unidades temáticas, objetos de conhecimento...
MPEHG AULA 11: Geografia na BNCC: unidades temáticas, objetos de conhecimento...
 
Ensino de Geografia nas series inciciais
Ensino de Geografia nas series inciciaisEnsino de Geografia nas series inciciais
Ensino de Geografia nas series inciciais
 
Educação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidadeEducação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidade
 
A abordagem dos conceitos de geografia na sala de aula tmg
A abordagem dos conceitos de geografia na sala de aula   tmgA abordagem dos conceitos de geografia na sala de aula   tmg
A abordagem dos conceitos de geografia na sala de aula tmg
 

Semelhante a Geografia para o ensino fundamental partir dos PCN

Pcn de geografia 1997
Pcn de geografia 1997Pcn de geografia 1997
Pcn de geografia 1997
Wesclay Oliveira
 
Pcn 1997 livro052
Pcn 1997 livro052Pcn 1997 livro052
Pcn 1997 livro052
Wesclay Oliveira
 
05.2 história e geografia
05.2 história e geografia05.2 história e geografia
05.2 história e geografia
celikennedy
 
05.2 história e geografia
05.2 história e geografia05.2 história e geografia
05.2 história e geografia
celikennedy
 
Livro05 2-historia-geografia (30 fls 6 reais)
Livro05 2-historia-geografia (30 fls 6 reais)Livro05 2-historia-geografia (30 fls 6 reais)
Livro05 2-historia-geografia (30 fls 6 reais)
Manim Edições
 
Produção inicial proposta eja 2012
Produção inicial    proposta eja 2012Produção inicial    proposta eja 2012
Produção inicial proposta eja 2012
josivaldopassos
 
Currículo referência geohgrafia 6º ao 9º ano
Currículo referência geohgrafia 6º ao 9º anoCurrículo referência geohgrafia 6º ao 9º ano
Currículo referência geohgrafia 6º ao 9º ano
tecnicossme
 
Reflexão sobre a BNCC e o Componente Curricular de Geografia
Reflexão sobre a BNCC e o Componente Curricular de GeografiaReflexão sobre a BNCC e o Componente Curricular de Geografia
Reflexão sobre a BNCC e o Componente Curricular de Geografia
Murilo Rebecchi
 
Pcngeografia 110626080451-phpapp01
Pcngeografia 110626080451-phpapp01Pcngeografia 110626080451-phpapp01
Pcngeografia 110626080451-phpapp01
Cicefran Souza de carvalho
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
GeografiaGeografia
Vol2 geografia
Vol2 geografiaVol2 geografia
Vol2 geografia
Barto Freitas
 
Slide Conceitual 01.pdf
Slide Conceitual 01.pdfSlide Conceitual 01.pdf
Slide Conceitual 01.pdf
ProfessorThiagoLuiz
 
ENSINO DE GEOGRAFIA AULA BNCC1 (2).pptx
ENSINO DE GEOGRAFIA AULA BNCC1 (2).pptxENSINO DE GEOGRAFIA AULA BNCC1 (2).pptx
ENSINO DE GEOGRAFIA AULA BNCC1 (2).pptx
Cleber Gonçalves
 
GEOGRAFIA(4).pdf
GEOGRAFIA(4).pdfGEOGRAFIA(4).pdf
GEOGRAFIA(4).pdf
AndresaMarquetto1
 
1º slide texto 1 da apostila
1º slide texto 1 da apostila1º slide texto 1 da apostila
1º slide texto 1 da apostila
Ius 95
 
PCN de Geografia - Prof. Amábile
PCN de Geografia - Prof. AmábilePCN de Geografia - Prof. Amábile
PCN de Geografia - Prof. Amábile
Carmina Monteiro
 
Guia de aprendizagem 2ºbimestre copia
Guia de aprendizagem 2ºbimestre   copiaGuia de aprendizagem 2ºbimestre   copia
Guia de aprendizagem 2ºbimestre copia
Eduardo Oliveira
 
MPEHG AULA 12: Ciências Humanas, Geografia e BNCC
MPEHG AULA 12: Ciências Humanas, Geografia e BNCC MPEHG AULA 12: Ciências Humanas, Geografia e BNCC
MPEHG AULA 12: Ciências Humanas, Geografia e BNCC
profamiriamnavarro
 
Fichamento do livro Para ensinar e aprender geografia.
Fichamento do livro Para ensinar e aprender geografia.Fichamento do livro Para ensinar e aprender geografia.
Fichamento do livro Para ensinar e aprender geografia.
readna ribeiro
 

Semelhante a Geografia para o ensino fundamental partir dos PCN (20)

Pcn de geografia 1997
Pcn de geografia 1997Pcn de geografia 1997
Pcn de geografia 1997
 
Pcn 1997 livro052
Pcn 1997 livro052Pcn 1997 livro052
Pcn 1997 livro052
 
05.2 história e geografia
05.2 história e geografia05.2 história e geografia
05.2 história e geografia
 
05.2 história e geografia
05.2 história e geografia05.2 história e geografia
05.2 história e geografia
 
Livro05 2-historia-geografia (30 fls 6 reais)
Livro05 2-historia-geografia (30 fls 6 reais)Livro05 2-historia-geografia (30 fls 6 reais)
Livro05 2-historia-geografia (30 fls 6 reais)
 
Produção inicial proposta eja 2012
Produção inicial    proposta eja 2012Produção inicial    proposta eja 2012
Produção inicial proposta eja 2012
 
Currículo referência geohgrafia 6º ao 9º ano
Currículo referência geohgrafia 6º ao 9º anoCurrículo referência geohgrafia 6º ao 9º ano
Currículo referência geohgrafia 6º ao 9º ano
 
Reflexão sobre a BNCC e o Componente Curricular de Geografia
Reflexão sobre a BNCC e o Componente Curricular de GeografiaReflexão sobre a BNCC e o Componente Curricular de Geografia
Reflexão sobre a BNCC e o Componente Curricular de Geografia
 
Pcngeografia 110626080451-phpapp01
Pcngeografia 110626080451-phpapp01Pcngeografia 110626080451-phpapp01
Pcngeografia 110626080451-phpapp01
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Vol2 geografia
Vol2 geografiaVol2 geografia
Vol2 geografia
 
Slide Conceitual 01.pdf
Slide Conceitual 01.pdfSlide Conceitual 01.pdf
Slide Conceitual 01.pdf
 
ENSINO DE GEOGRAFIA AULA BNCC1 (2).pptx
ENSINO DE GEOGRAFIA AULA BNCC1 (2).pptxENSINO DE GEOGRAFIA AULA BNCC1 (2).pptx
ENSINO DE GEOGRAFIA AULA BNCC1 (2).pptx
 
GEOGRAFIA(4).pdf
GEOGRAFIA(4).pdfGEOGRAFIA(4).pdf
GEOGRAFIA(4).pdf
 
1º slide texto 1 da apostila
1º slide texto 1 da apostila1º slide texto 1 da apostila
1º slide texto 1 da apostila
 
PCN de Geografia - Prof. Amábile
PCN de Geografia - Prof. AmábilePCN de Geografia - Prof. Amábile
PCN de Geografia - Prof. Amábile
 
Guia de aprendizagem 2ºbimestre copia
Guia de aprendizagem 2ºbimestre   copiaGuia de aprendizagem 2ºbimestre   copia
Guia de aprendizagem 2ºbimestre copia
 
MPEHG AULA 12: Ciências Humanas, Geografia e BNCC
MPEHG AULA 12: Ciências Humanas, Geografia e BNCC MPEHG AULA 12: Ciências Humanas, Geografia e BNCC
MPEHG AULA 12: Ciências Humanas, Geografia e BNCC
 
Fichamento do livro Para ensinar e aprender geografia.
Fichamento do livro Para ensinar e aprender geografia.Fichamento do livro Para ensinar e aprender geografia.
Fichamento do livro Para ensinar e aprender geografia.
 

Mais de Patrícia Éderson Dias

Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosProcessos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Patrícia Éderson Dias
 
Geografia economica i
Geografia economica iGeografia economica i
Geografia economica i
Patrícia Éderson Dias
 
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico iConhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Patrícia Éderson Dias
 
Climatologia ii
Climatologia iiClimatologia ii
Climatologia ii
Patrícia Éderson Dias
 
Climatologia i
Climatologia iClimatologia i
Climatologia i
Patrícia Éderson Dias
 
Cartografia ii
Cartografia iiCartografia ii
Cartografia ii
Patrícia Éderson Dias
 
Cartografia i
Cartografia iCartografia i
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação  interlocuções e possibilidadesPsicologia e educação  interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Patrícia Éderson Dias
 
Política educacional
Política educacional Política educacional
Política educacional
Patrícia Éderson Dias
 
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Patrícia Éderson Dias
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
Patrícia Éderson Dias
 
Linguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetizaçãoLinguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetização
Patrícia Éderson Dias
 
Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto
Patrícia Éderson Dias
 
Historia da Educação Brasileira
Historia da Educação BrasileiraHistoria da Educação Brasileira
Historia da Educação Brasileira
Patrícia Éderson Dias
 
Livro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação InfantilLivro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação Infantil
Patrícia Éderson Dias
 
Fosolofia na Educação
Fosolofia na EducaçãoFosolofia na Educação
Fosolofia na Educação
Patrícia Éderson Dias
 
Livro de Didatica
Livro de DidaticaLivro de Didatica
Livro de Didatica
Patrícia Éderson Dias
 
Divisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da HistóriaDivisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da História
Patrícia Éderson Dias
 
Tendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de históriaTendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de história
Patrícia Éderson Dias
 
Introdução ao estudo da história
Introdução ao estudo da históriaIntrodução ao estudo da história
Introdução ao estudo da história
Patrícia Éderson Dias
 

Mais de Patrícia Éderson Dias (20)

Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosProcessos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
 
Geografia economica i
Geografia economica iGeografia economica i
Geografia economica i
 
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico iConhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
 
Climatologia ii
Climatologia iiClimatologia ii
Climatologia ii
 
Climatologia i
Climatologia iClimatologia i
Climatologia i
 
Cartografia ii
Cartografia iiCartografia ii
Cartografia ii
 
Cartografia i
Cartografia iCartografia i
Cartografia i
 
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação  interlocuções e possibilidadesPsicologia e educação  interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
 
Política educacional
Política educacional Política educacional
Política educacional
 
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
Linguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetizaçãoLinguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetização
 
Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto
 
Historia da Educação Brasileira
Historia da Educação BrasileiraHistoria da Educação Brasileira
Historia da Educação Brasileira
 
Livro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação InfantilLivro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação Infantil
 
Fosolofia na Educação
Fosolofia na EducaçãoFosolofia na Educação
Fosolofia na Educação
 
Livro de Didatica
Livro de DidaticaLivro de Didatica
Livro de Didatica
 
Divisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da HistóriaDivisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da História
 
Tendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de históriaTendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de história
 
Introdução ao estudo da história
Introdução ao estudo da históriaIntrodução ao estudo da história
Introdução ao estudo da história
 

Último

Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 

Último (20)

Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 

Geografia para o ensino fundamental partir dos PCN

  • 1. Geografia para o Ensino Fundamental (séries iniciais) a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais Éderson Dias de Oliveira BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: História, Geografia, ensino de primeira à quarta série, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997. 166p.
  • 2. PCN de Geografia  Os PCN de 1997, permitem uma visão da realidade local e global - percepção ampliada que nos leva a refletir e intervir nos espaços e tempos diferenciados;  É um documento auxiliar para a ação pedagógica na formação de cidadãos conscientes partícipes da sociedade;  Dada a complexidade da prática educativa esse documento visa auxiliar os professores na prática do seu papel;
  • 3. A Geografia e suas divergências • A produção acadêmica em torno da Geografia apresentou diferentes concepções históricas, sendo que a nível de Brasil, em 1934 foi instalado o primeiro curso de Geografia na USP – Escola francesa - La Blache; • Esse ensino, focou em explicações objetivas e quantitativas – não-politizada - neutralidade do discurso científico; • Essa tendência da Geografia e as correntes que dela se desdobraram foram chamadas de Geografia Tradicional. • Por exemplo, estudava-se a população, mas não a sociedade; as técnicas e os instrumentos de trabalho, mas não o processo de produção.
  • 4.  Ou seja, não se discutiam as relações intrínsecas à sociedade, abstraindo assim o homem de seu caráter social.  Relação homem x meio com abordagem objetiva – leis gerais;  Geografia Tradicional – priorização da relação homem x meio / secundarização das relações sociais;  Não se discutiam as relações intrínsecas à sociedade, abstraindo assim o homem de seu caráter social - viés naturalizante;
  • 5.  Estudo descritivo das paisagens naturais e humanizadas, de forma dissociada do espaço vivido;  Os procedimentos didáticos promoviam a descrição e a memorização dos elementos que compõem as paisagens sem, contudo, esperar que os alunos estabelecessem relações, analogias ou generalizações;  Descrição e memorização dos elementos que compõem as paisagens - Geografia neutra;  Influência nos livros didáticos até meados da década de 1970;
  • 6. Quebra de paradigmas na análise do Espaço Geográfico • Mudanças nas dinâmicas tempôro-espacial da 2ª metade do séc. XX - No pós-guerra, a realidade tornou-se mais complexa: • O desenvolvimento do capitalismo afastou-se da fase concor- rencial e penetrou na fase monopolista do grande capital; • A urbanização acentuou-se e megalópoles começaram a se constituir; • O espaço agrário sofreu as modificações estruturais comandadas pela Revolução Verde, em função da industrialização e da mecanização das atividades agrícolas em várias partes do mundo;
  • 7. • Os métodos e as teorias da Geografia Tradicional tornaram- se insuficientes para apreender e explicar essa complexidade; • Demanda por estudos voltados para a análise das relações mundiais, de ordem econômica, social, política e ideológica; • Emprego do meio técnico e científico - tecnologias aeroespaciais, tais como o sensoriamento remoto, as fotos de satélite e o computador; • Nos anos de 1960, emergem as influência das teorias marxistas - preocupações do relacional sociedade- trabalho-natureza na produção do espaço geográfico político;
  • 8.  Essa nova perspectiva considera que não basta explicar o mundo, é preciso transformá-lo;  Assim a Geografia ganha conteúdos políticos que são significativos na formação do cidadão;  Surge uma nova forma de se interpretar as categorias de espaço geográfico, território e paisagem – influencia nas propostas curriculares do EF;  Todavia essas propostas, foram centradas em questões econômicas e as relações de trabalho, com um alto grau de complexidade para os alunos;
  • 9.  Há ainda professores e livros didáticos que conservam a linha tradicional, descritiva e desconexa herdada da GT;  Tanto a GT quanto a GM ortodoxa negligenciaram a relação do homem e da sociedade com a natureza em sua dimensão sensível de percepção do mundo;  O cientificismo da GT, por negar ao homem a possibilidade de um conhecimento que passasse pela subjetividade do imaginário;  O marxismo ortodoxo, por tachar de idealismo alienante qualquer explicação subjetiva e afetiva da relação da sociedade com a natureza;
  • 10.  Uma das características da produção acadêmica da Geografia nos últimos anos são as abordagens com dimensões subjetivas - singularidades que o homem estabelece com a natureza.  São dimensões socialmente elaboradas, fruto das experiências individuais na cultura das quais se inserem - resultando em diferentes percepções do espaço geográfico;  Necessidade de explicações mais plurais, que promovam a interseção da Geografia com outros campos do saber (Antropologia, Sociologia, Biologia, Ciências Políticas e etc);
  • 11.  Busca da superação da Geografia apenas centrada na descrição empírica das paisagens, tampouco na interpretação política e econômica do mundo;  Demanda de uma Geografia que trabalhe as múltiplas interações estabelecidas entre os elementos socioculturais e os físicos - biológicos, na constituição do espaço geográfico  As sucessivas mudanças e debates em torno do objeto e método da Geografia favoreceram novos modelos didáticos;  Nota-se também pouco apoio técnico e teórico, aos professores – ensino apenas na descrição dos fatos e embasados quase que exclusivamente no livro didático;
  • 12.  Segundo análise feita pela Fundação Carlos Chagas, nota-se também problemas, nas propostas curriculares produzidas nos últimos anos, de ordem epistêmica e teóricas como: • abandono de conteúdos fundamentais como as categorias de análise bem como do estudo dos elementos físicos e biológicos; • Existência de modismos que buscam sensibilizar os alunos para temáticas atuais, sem uma preocupação em compreender os múltiplos fatores delas decorrentes. Ex. sustentabilidade - pouca compreensão processual - aprendizagem de slogans;
  • 13.  Noção de escala espaço-temporal por vezes confusa – necessidade de relacionar o local no global e vice-versa, e como o espaço materializa diferentes tempos (soc. e da nat.);  Propostas pedagógicas dicotomizadas GH x GF: ou a abordagem é somente social e a natureza é um apêndice, ou então se trabalha os fenômenos naturais de forma pura – isso em detrimento de uma abordagem socioambiental;  Zelo pela memorização - o que se avalia é se o aluno memorizou ou não os conteúdos trabalhados e não aquilo que pôde compreender das múltiplas relações existentes - capacidade de problematizar e resolver realidades distintas;
  • 14.  O ensino de Geografia pode levar os alunos a compreenderem de forma mais ampla a realidade – possibilidade de intervenção mais consciente e propositiva;  Para tanto, é preciso que eles adquiram conhecimentos, dominem categorias, conceitos e procedimentos básicos com os quais este campo do conhecimento opera;  Portanto é preciso compreender as relações socioambientais às quais historicamente pertence – execução de uma forma singular de pensar realidade: o conhecimento geográfico;
  • 15. Objetivo da Geografia -> explicar e compreender as relações entre a sociedade e a natureza -> diferentes noções espaciais e temporais -> fenômenos sociais, culturais e naturais.  A geografia deve mostrar ao aluno o que é cidadania e o sentimento de pertencer a uma realidade -> e sentir-se membro participante e afetivamente ligado, responsável e comprometido historicamente. Conhecimento geográfico: característica/importância social • A Geografia estuda as relações entre o processo histórico das sociedades e o funcionamento da natureza, por meio da leitura do espaço/paisagem;  O espaço geográfico é produzido pelo homem enquanto organiza econômica e socialmente sua sociedade em épocas distintas.
  • 16. • A G. se divide em estudos da sociedade/natureza possibilitan- do um aprofundamento temático de seus objetos de estudo; • Essa divisão é um recurso didático, para distinguir os elementos sociais ou naturais; • Porém, o objetivo é compreender as relações sociedade - natureza, e como ocorre a apropriação desta por aquela; • Identificar e relacionar aquilo que na paisagem representa as heranças das sucessivas relações no tempo entre a sociedade e a natureza é um de seus objetivos. • Dessa forma, a análise da paisagem deve focar as dinâmicas de suas transformações e não a descrição de um mundo estático;
  • 17. • A compreensão dessas dinâmicas requer movimentos constantes entre os processos sociais e os físicos/biológicos , inseridos em contextos particulares ou gerais. • Para tanto, é preciso buscar explicações para aquilo que, numa paisagem, podendo ser compreendido mediante a análise do processo de produção/ organização do espaço. • O espaço geográfico é historicamente produzido pelo homem enquanto organiza socioeconomicamente sua sociedade.
  • 18.  Assim, o estudo da paisagem como síntese (totalidade) de múltiplos espaços e tempos deve considerar o espaço vivido/percebido e o espaço produzido/concreto;  A percepção espacial de cada indivíduo/sociedade é também marcada por laços afetivos e referências socioculturais.  Nessa perspectiva, a historicidade enfoca o homem como sujeito construtor, que imprime seus valores no processo de construção de seu espaço.
  • 19.  Pensar sobre essas noções de espaço demanda a compreensão subjetiva da paisagem como lugar: a mesma ganhando significados para aqueles que a vivem e a constroem;  No EF, é importante considerar quais são as categorias da G. mais adequadas para os alunos em relação às capacidades que se espera que eles desenvolvam - espaço geográfico central;  O conceito de território é bastante amplo, sendo que se define também pelo espaço identificada pela posse.  Na geopolítica, é o espaço nacional ou área controlada por um Estado nacional;  Entretanto, território não é apenas a configuração política de um Estado- Nação, mas sim o espaço construído pela formação social;
  • 20. • Território implica também compreender a complexidade da convivência no espaço, nem sempre harmônica - diversidade de tendências, ideias, crenças, sistemas de pensamento e tradições de diferentes povos e etnias; • Coexistência de múltiplas identidades que se influenciam reciprocamente, definindo e redefinindo aquilo que poderia ser chamado de uma identidade nacional; • Há o sentimento de pertencimento que envolve a compreensão da várias culturas – busca do reconhecimento de suas especificidades, daquilo que lhes é próprio. • O território possui uma relação estreita com a paisagem. • Pode até mesmo ser considerada como o conjunto de paisagens polarizado por um poder central;
  • 21. • A paisagem, é definida como sendo uma unidade visual, caracterizada por fatores de ordem social, cultural e natural, contendo espaços e tempos distintos; o passado e o presente - é o velho no novo e o novo no velho! • É nela que estão expressas as marcas da história de uma sociedade, fazendo assim, da paisagem uma soma de tempos desiguais - combinação de espaços geográficos. • A paisagem, por sua vez, está relacionada ao lugar. Pertencer a um território e sua paisagem significa fazer dele o seu lugar de vida e estabelecer uma identidade; • Portanto, o lugar traduz os espaços com os quais temos vínculos mais afetivos e subjetivos que racionais e objetivos: • Ex. uma praça, onde se brinca desde menino, a janela de onde se vê a rua, o alto de uma colina, de onde se avista a cidade;
  • 22. • O lugar é onde estão as referências pessoais e o sistema de valores que direcionam as diferentes formas de perceber e constituir a paisagem e o espaço geográfico. (SEED – 2013) É o espaço onde o particular, o histórico, o cultural e a identidade permanecem presentes, revelando especificidades, subjetividades e racionalidades. Por outro lado, é no espaço local que as empresas negociam seus interesses, definem onde querem se instalar ou de onde vão se retirar. DCE - Geografia. PR, 2008. O conceito geográfico em destaque no fragmento é: A) paisagem. B) região. C) território. D) lugar. E) natureza.
  • 23. *Suertegaray (2003) imagina o girar de um disco no qual estão grafados com diversidade de cores os conceitos da Geografia. *Dessa maneira território, região, lugar e paisagem se condensam no girar do disco, e no mosaico de cores compondo o espaço geográfico, que é a união das outras categorias; *O homem em toda sua complexidade e totalidade é quem anima tais categorias, é a força motriz de seu movimento, é o grande produtor de espaço geográfico. *Não fosse sua presença no planeta haveria apenas paisagens, deixando de haver, portanto; * território, porque não haveria uso, territorialização; * regiões, porque não haveria funcionalidade, integração, articulação, distinção;
  • 24. *lugar, porque não haveria apropriação; e, *por fim, espaço geográfico, porque não haveria produção, ações e objetos animados. *Para Santos (2004), existiria apenas paisagem porque restariam as formas, mas uma paisagem inanimada, estática, cuja única dinâmica seria aquela das forças escultoras internas e externas, contudo, não existiria espaço geográfico porque não existiria ação humana;
  • 25. Aprender e ensinar geografia no EF  A maneira mais comum de se ensinar Geografia tem sido pelo discurso do professor ou pelo livro didático, de forma memorativa e desconexa da realidade do aluno;  É preciso que eles desenvolvam a capacidade de identificar e refletir sobre diferentes aspectos da realidade, compreendendo a relação sociedade-natureza.  A paisagem local, o espaço vivido pelos alunos deve ser o objeto de estudo ao longo dos dois primeiros ciclos.  Para tanto, o estudo da sociedade e da natureza deve ser realizado de forma conjunta.  Nessa professores/alunos devem entender que a sociedade e a natureza constituem a base material/física sobre a qual o espaço geográfico é construído.
  • 26.  A compreensão de como a realidade local relaciona-se com o contexto global, deve ser desenvolvido durante toda a escolaridade, desde os ciclos iniciais.  Além disso, o estudo da paisagem local não deve se restringir à mera constatação e descrição dos fenômenos que a constituem.  Deve-se também buscar as relações entre a sociedade e a natureza que aí se encontram presentes, situando-as em diferentes escalas espaciais e temporais, comparando-as, conferindo-lhes significados, compreendendo-as;  A Geografia, ao pretender o estudo dos lugares, suas paisagens e território, tem buscado um trabalho interdisciplinar, lançando mão de outras fontes de informação. Ex. Geografia x Literatura;
  • 27.  Também a música, a fotografia e o cinema são fontes utilizadas para obter informações e para interpretar as paisagens, construindo conhecimentos do espaço geográfico;  Na escola, fotos comuns, aéreas, filmes, gravuras e vídeos também podem ser usados como fontes de interpretação do espaço/paisagem - as imagens são produtos do trabalho humano, localizáveis no tempo e no espaço;  O estudo da linguagem cartográfica, por sua vez, contribui para compreensão/utilização dos mapas, e também a capacidade de representação do espaço;  É fundamental a aquisição dos conhecimentos geográficos básicos para a vida em sociedade, em particular para o desempenho das funções de cidadania;
  • 28.  O cidadão, ao conhecer as características sociais, culturais e naturais do lugar, pode comparar, explicar, compreender e espacializar as múltiplas relações que diferentes sociedades em épocas variadas estabelecem na construção do espaço;  Esses conhecimentos permite uma maior consciência dos limites e responsabilidades da ação individual e coletiva com relação ao local e o global;  Os conteúdos devem permitir o pleno desenvolvimento do papel de cada um na construção de uma identidade – valorização dos aspectos socioambientais que caracterizam seu patrimônio;
  • 29.  Trabalhar as categorias essenciais: EG; P; T e L sintetizam aspectos da organização espacial e possibilita interpretar os fenômenos que a constituem em múltiplos espaços e tempos.  Trabalhar com a espacialidade dos fenômenos em sua temporalidade – estudar a extensão de uma paisagem e o papel histórico de sua posição geográfica, além dos aspectos locacional – multidisciplinaridade;  Necessidade de reflexão sobre diferentes aspectos da realidade;
  • 30. • A atitude problematizadora permite a observação, o registro e a relação desses conteúdos com a realidade do aluno; • A participação do aluno nos conteúdos favorece sua mudança na prática social – a memorização e abstração frente aos conteúdos os torna “passageiros” - necessidade de experiência; • Enfim a Geografia no início da escolarização é poder fazer uma relação com o espaço vivido – é trazer para sala de aula a compreensão deste espaço;
  • 31. • Ensinar Geografia nesse período é inserir o cotidiano dos alunos nas atividades de sala de aula; • É transformar as dúvidas dos alunos sobre os fenômenos e dinâmicas socioambientais em objetos de estudos; • Concretizar a Geografia é: conseguir com que o aluno se compreenda como parte integrante da relações sociedade e natureza; • Um texto teórico “chato” se torna deslocado frente as experiências de vida do aluno – suas demandas diferem do conteúdo engessado;