SlideShare uma empresa Scribd logo
RACIONALISMO, ILUMINISMO E EMPIRISMO
Augusto de Souza
Cassiano Soares
Dener Duarte
25TP
RACIONALISMO
 O racionalismo é a corrente filosófica que
iniciou com a definição do raciocínio como
uma operação mental, discursiva
e lógica que usa uma ou
mais proposições para extrair conclusões, ou
seja, se uma ou outra proposição é
verdadeira, falsa ou provável.
 Essa era a ideia central comum ao conjunto
de doutrinas conhecidas tradicionalmente
como racionalismo. O racionalismo é em
parte, a base da Filosofia, ao priorizar
a razão como o caminho para se alcançar a
Verdade
 O racionalismo afirma que tudo o que existe
tem uma causa inteligível, mesmo que
essa causa não possa ser demonstrada
empiricamente, tal como a causa da origem
do Universo. Privilegia a razão em
detrimento da experiência do mundo
sensível como via de acesso
ao conhecimento. Considera
a dedução como o método superior de
investigação filosófica.
 O racionalismo é baseado nos princípios da
busca da certeza, pela
demonstração e análise, sustentados,
segundo Kant, pelo conhecimento a priori,
ou seja o conhecimento que não é inato nem
decorre da experiência sensível mas é
produzido somente pela razão.
 Essa corrente surgiu como doutrina no
século I antes de Cristo para enfatizar que
tudo que é existente é decorrente de uma
causa. Muito tempo depois, já na Idade
Moderna, os filósofos racionalistas adotaram
a matemática como elemento para expandir
a ideia de razão e a explicação da realidade.
 Tradicionalmente, o Racionalismo era
definido pelo raciocínio como operação
mental, discursiva e lógica para extrair
conclusões. As inovações humanas
apresentadas com o advento do
Renascimento consolidaram o Racionalismo
com o acréscimo de elaborações e
verificações matemáticas.
MATERIALISMO
 Materialismo é a “corrente de pensamento
que afirma a precedência da matéria sobre o
espírito ou a mente, e que constitui a base
de várias escolas filosóficas, desde os
antigos gregos até a época atual" ou "no
pensamento marxista, aquilo que é
necessário à sobrevivência do homem em
sociedade e que fundamenta a estrutura
econômica da sociedade organizada".
 É um sistema que admite que as chamadas
condições concretas materiais, são
suficientes para explicar todos os fenômenos
que se apresentam à investigação, inclusive
os fenômenos mentais, sociais e históricos.
MATERIALISMO HISTÓRICO
 Visa explicar as mudanças e o desenvolvimento
da história, utilizando-se de fatores práticos,
tecnológicos e o modo de produção. As
mudanças tecnológicas e do modo de produção
são os dois fatores principais de mudança
social, política e jurídica. É associado ao
marxismo e muitos acreditam que foi Karl Marx
que desenvolveu esta teoria. Porém, o
desenvolvimento desta teoria esta presente na
história da sociologia e antropologia.
ILUMINISMO
 O Iluminismo foi um movimento intelectual que
surgiu durante o século XVIII na Europa, que
defendia o uso da razão contra o antigo regime
e pregava maior liberdade econômica e política.
Este movimento promoveu mudanças políticas,
econômicas e sociais, baseadas nos ideais de
liberdade, igualdade e fraternidade.
 A burguesia apoiava o iluminismo, pois tinham
interesses comuns.
 As críticas do movimento ao Antigo Regime
eram em vários aspectos como, por
exemplo:
 - O Mercantilismo;
 - O Absolutismo monárquico;
 - Poder da igreja e as verdades reveladas
pela fé.
 E defendiam:
 - A liberdade econômica, sem o estado
intervir na economia;
 - O Antropocentrismo (o homem no centro do
universo), o avanço da ciência e da razão.
 - O predomínio da burguesia e seus ideais.
 As ideias liberais do Iluminismo se
espalharam rapidamente pela população.
Alguns reis absolutistas, com medo de
perder o governo - ou mesmo a cabeça -,
passaram a aceitar algumas ideias
iluministas. Estes reis eram denominados
Déspotas Esclarecidos, pois conciliavam o
jeito de governar absolutista com as ideias
de progresso iluministas.
CONTRATO SOCIAL
 O contrato social foi um acordo entre os membros da
sociedade, que reconhecem a autoridade,
igualmente a todos, com um conjunto de regras, de
um regime político ou de um governante. Jean-
Jacques Rousseau foi o autor da obra “O contrato
social”, onde afirma que o soberano deveria dirigir o
Estado conforme a vontade do povo. Apenas um
Estado com bases democráticas teria condições de
oferecer igualdade jurídica para todos cidadãos.
 Principais filósofos do iluminismo:
 Voltaire (1694-1778)
François Marie Arouet Voltaire destacou-
se pela sua defesa a liberdade do
pensamento, as críticas feitas ao clero,
à prepotência dos poderosos e a
inflexibilidade religiosa. Ele nasceu na
cidade de Paris em 1694, morrendo na
mesmo em 1778. Foi um importante
ensaísta, escritos e filósofo iluminista
francês. Exemplos de suas obras:
- Édipo – 1718;
- Brutus – 1730.
 Montesquieu (1689-1755)
Charles de Montesquieu foi um
importante filósofo, político e escritor
francês. Nasceu em 1689, na cidade de
Bordeaux, na França. É considerado um
dos grandes filósofos do iluminismo. Era
contra o absolutismo (forma de governo
que concentrava todo poder do país nas
mãos do rei). Criticava o clero católico,
principalmente, sobre seu poder e
interferência política. Defendia aspectos
democráticos de governo e o respeito às
leis. Na obra “O espírito das leis”
defendeu a tripartição de poderes:
Legislativo, Executivo e Judiciário.
EMPIRISMO
 O empirismo significa experiência, é uma corrente de
pensamento basicamente inglesa, em uma Inglaterra
peculiar com respeito ao resto da Europa. As
revoluções burguesas contra o absolutismo de 1640-
1650, comuns a toda Europa, só conseguiram
triunfar na Inglaterra, onde ao poder econômico
da burguesia se somou o poder político da nobreza.
Depois de um período de graves crises políticas e
guerras civis, instaura-se em 1688 a monarquia
parlamentar, triunfando assim os interesses
econômicos, políticos e culturais da burguesia.
 A partir de agora será a Inglaterra a potência a
imitar, e entre os inspiradores da Ilustração
destacarão dois ingleses: Locke (teórico do
liberalismo político) e Newton. Coincide com o
racionalismo em considerar o problema do
conhecimento como e assunto central da
filosofia, mas as respostas são, de modo geral,
opostas. Por outra parte, tanto racionalismo
como o empirismo toma como modelo a ciência
moderna mas enquanto os primeiros o fazem
em seu aspeto matemático, os segundos
recolhem a importância da experiência.
 As características principais do empirismo são:
 1. A origem do conhecimento é a experiência. A
mente é uma "Tabela rasa" que tem de ser recheada
de conteúdo empírico. Negam-se por tanto as ideias
inatas que defendia o racionalismo.
 2. O conhecimento humano tem um limite: a própria
experiência. Todo conhecimento que pretenda ir para
além da experiência é ou meramente provável ou
duvidoso. O ceticismo de Hume será o mais claro
exemplo de desavença com a pretensão racionalista
de um conhecimento absoluto.
CRITICA AO ABSOLUTISMO
 Os pensadores iluministas daquela época como:
Voltaire, Diderot, Montesquieu, John Locke,
Rousseau, Adam Smith foram os responsáveis pelo
pensamento moderno, a defesa do racionalismo,
defesa da livre circulação de ideias.
As principais ideias desses pensadores eram:
Criação de três poderes (Executivo, Legislativo e
Judiciário), descrença de ideias inatas, todos os
pensamentos são baseados em sentidos, Criticavam
a intolerância, defendiam a liberdade de expressão,
religião e comércio, Rousseau dizia que o homem
era puro em seu estado de natureza e que era a
sociedade que o corrompia.
CONTRATO SOCIAL
 A questão que se colocava era a seguinte: como
preservar a liberdade natural do homem e ao mesmo
tempo garantir a segurança e o bem-estar da vida
em sociedade? Segundo Rousseau, isso seria
possível através de um contrato social, por meio do
qual prevaleceria a soberania da sociedade, a
soberania política da vontade coletiva.
 Rousseau percebeu que a busca pelo bem-estar
seria o único móvel das ações humanas e, da
mesma, em determinados momentos o interesse
comum poderia fazer o indivíduo contar com a
assistência de seus semelhantes.
 Por outro lado, em outros momentos, a
concorrência faria com que todos
desconfiassem de todos. Dessa forma, nesse
contrato social seria preciso definir a questão
da igualdade entre todos, do comprometimento
entre todos. Se por um lado a vontade
individual diria respeito à vontade particular, a
vontade do cidadão (daquele que vive em
sociedade e tem consciência disso) deveria ser
coletiva, deveria haver um interesse no bem
comum.
 Este pensador acreditava que seria preciso
instituir a justiça e a paz para submeter
igualmente o poderoso e o fraco, buscando a
concórdia eterna entre as pessoas que
viviam em sociedade. Um ponto fundamental
em sua obra está na afirmação de que a
propriedade privada seria a origem da
desigualdade entre os homens, sendo que
alguns teriam usurpado outros.
 Daí a importância do contrato social, pois os
homens, depois de terem perdido sua liberdade
natural (quando o coração ainda não havia
corrompido, existindo uma piedade natural),
necessitariam ganhar em troca a liberdade civil,
sendo tal contrato um mecanismo para isso. O
povo seria ao mesmo tempo parte ativa e
passiva deste contrato, isto é, agente do
processo de elaboração das leis e de
cumprimento destas, compreendendo que
obedecer a lei que se escreve para si mesmo
seria um ato de liberdade.
CONCEITO DE LIBERDADE
 Liberdade significa o direito de agir segundo o
seu livre arbítrio, de acordo com a própria vontade,
desde que não prejudique outra pessoa, é a
sensação de estar livre e não depender de ninguém.
Liberdade é também um conjunto de ideias liberais e
dos direitos de cada cidadão.
 Thomas Hobbes entende a liberdade como, “ a
ausência de impedimentos externos”, o homem age
conforme seu julgamento e razão e realiza suas
próprias ações, sejam elas para o seu bem ou para
preservar sua natureza.
CONCEITO DE IGUALDADE
 Igualdade é a falta de diferenças entre duas
coisas, que possuem o mesmo valor ou são
interpretadas a partir do mesmo ponto de
vista, em comparação a
outra coisa ou pessoa.
CONCEITO DE DEMOCRACIA
 Democracia é a forma de governo em que a
soberania é exercida pelo povo.
CONCEITO DE DIREITOS UNIVERSAIS DO
HOMEM E DO CIDADÃO
 A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão
foi anunciada ao público em 26 de agosto de 1789,
na França. "Ela está intimamente relacionada com a
Revolução Francesa. Para ter uma ideia da
importância que os revolucionários atribuíam ao tema
dos direitos, basta constatar que os deputados
passaram cerca de 10 dias reunidos na Assembleia
Nacional francesa debatendo os artigos que
compõem o texto da declaração. Isso com o país
ainda a ferro e a fogo após a tomada da Bastilha em
14 de julho do mesmo ano".
 A importância desse documento nos dias de
hoje é ter sido a primeira declaração de
direitos e fonte de inspiração para outras que
vieram posteriormente, como a Declaração
Universal dos Direitos Humanos aprovada
pela ONU (Organização das Nações
Unidas), em 1948. Prova disso é a
comparação dos primeiros artigos de ambas:
 • O Artigo primeiro da Declaração de Direitos do
Homem e do Cidadão, de 1789, diz: "Os
homens nascem e permanecem livres e iguais
em direitos. As distinções sociais só podem
fundar-se na utilidade comum".
 • O Artigo primeiro da Declaração Universal dos
Direitos Humanos de 1948: "Todos os homens
nascem livres e iguais em dignidade e direitos.
São dotados de razão e consciência e devem
agir em relação uns aos outros com espírito de
fraternidade".
HISTÓRICO DE FILÓSOFOS
 John Locke: Foi um filósofo inglês e ideólogo do
liberalismo, sendo considerado o principal
representante do empirismo britânico e um dos
principais teóricos do contrato social.
 Nascimento: 29 de agosto de 1632, Wrington, Reino
Unido;
 Falecimento: 28 de outubro de 1704, High Laver,
Reino Unido;
 Nacionalidade: Inglês;
 Educação: Westminster School, Christ Church;
 Influências: Thomas Hobbes, René Descartes,
Aristóteles, Platão.
 Thomas Hobbes: Foi um matemático, teórico
político, e filósofo inglês, autor de Leviatã e Do
cidadão. Na obra Leviatã, explanou os seus pontos
de vista sobre a natureza humana e sobre a
necessidade de um enorme governo e de uma
enorme sociedade.
 Nascimento: 5 de abril de 1588, Westport;
 Falecimento: 4 de dezembro de 1679, Derbyshire,
Reino Unido;
 Nacionalidade: Inglês;
 Filiação: Thomas Hobbes Sr;
 Irmão: Edmund Hobbes.
 David Hume: Foi um filósofo, historiador e ensaísta britânico
nascido na Escócia que se tornou célebre por seu empirismo radical
e seu ceticismo filosófico.
 Nascimento: 7 de maio de 1711, Edimburgo, Reino Unido;
 Falecimento: 25 de agosto de 1776, Edimburgo, Reino Unido;
 Nacionalidade: Escocês;
 Influências: René Descartes, John Locke, George Berkeley;
 Filiação: Joseph Home, Katherine Falconer.
 Jean-Jacques Rousseau: Foi um importante filósofo, teórico
político, escritor e compositor autodidata suíço. É considerado
um dos principais filósofos do iluminismo e um precursor do
romantismo.
 Nascimento: 28 de junho de 1712, Genebra, Suíça;
 Falecimento: 2 de julho de 1778, Ermenonville, França;
 Nacionalidade: Suíço;
 Peças: Pigmalião;
 Irmão: François Rousseau.
 Charles-Louis de Secondat: Barão de La Brède e de
Montesquieu, conhecido como Montesquieu, foi um político,
filósofo e escritor francês.
 Nascimento: 18 de janeiro de 1689, Brède, França;
 Falecimento: 10 de fevereiro de 1755, Paris, França;
 Nacionalidade: Francês;
 Local Do Casamento: Bordéus, França;
 Influências: John Locke, Thomas Hobbes, Aristóteles, Adam
Smith,René Descartes, Jean Bodin, Cícero, Nicolas
Malebranche.
 François Marie Arouet: Mais conhecido como Voltaire, foi um
escritor, ensaísta, deísta e filósofo iluminista francês. Conhecido
pela sua perspicácia e espiritualidade na defesa das liberdades
civis, inclusive liberdade religiosa e livre comércio.
 Nascimento: 21 de novembro de 1694, Paris, França;
 Falecimento: 30 de maio de 1778, Paris, França;
 Nacionalidade: Francês;
 Educação: Lycée Louis-le-Grand (1704–1711);
 Peças: Oedipus, O Fanatismo ou Maomé.
 Immanuel Kant: Foi um filósofo prussiano, geralmente
considerado como o último grande filósofo da era
moderna.
 Nascimento: 22 de abril de 1724, Königsberg, Alemanha;
 Falecimento: 12 de fevereiro de 1804, Königsberg,
Alemanha;
 Nacionalidade: Prussiano;
 Educação: Universidade de Königsberg (1740–1746);
 Influências: René Descartes, Aristóteles, David Hume,
Platão.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fundamentos de Sociologia Unidade II
Fundamentos de Sociologia Unidade IIFundamentos de Sociologia Unidade II
Fundamentos de Sociologia Unidade II
Harutchy
 
iluminismo
 iluminismo iluminismo
iluminismo
Suelen Andreatti
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Felipe B. Vianna
 
Filosofia para-o-enem-8ª-semana
Filosofia para-o-enem-8ª-semanaFilosofia para-o-enem-8ª-semana
Filosofia para-o-enem-8ª-semana
brunojmrezende
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Ana Barreiros
 
O iluminismo slide (apresentação)
O iluminismo   slide (apresentação)O iluminismo   slide (apresentação)
O iluminismo slide (apresentação)
Cirlene Ferreira Silva Lima
 
Os Utopistas
Os UtopistasOs Utopistas
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismoFELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
Luciano Florit
 
Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333
Alexandre Misturini
 
Racionalismo lelícia 25 tp
Racionalismo lelícia 25 tpRacionalismo lelícia 25 tp
Racionalismo lelícia 25 tp
alemisturini
 
Iluminismo II
Iluminismo IIIluminismo II
Iluminismo II
Maria Barroso
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Maria Gomes
 
Slide iluminismo
Slide iluminismoSlide iluminismo
Slide iluminismo
Isabel Aguiar
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo (1) duda 22 mp
Iluminismo (1) duda 22 mpIluminismo (1) duda 22 mp
Iluminismo (1) duda 22 mp
alemisturini
 
Monografia de como a felicidade não pode ser critério moral em kant
Monografia de como a felicidade não pode ser critério moral em kantMonografia de como a felicidade não pode ser critério moral em kant
Monografia de como a felicidade não pode ser critério moral em kant
Anderson Balbinot
 
Filosofia moderna original
Filosofia moderna originalFilosofia moderna original
Filosofia moderna original
Alexandre Misturini
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
Alexandre Misturini
 
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficasUnidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
Lucilaine Ignacio da Silva
 
Capitulo 10
Capitulo 10Capitulo 10
Capitulo 10
Lídia Barreto
 

Mais procurados (20)

Fundamentos de Sociologia Unidade II
Fundamentos de Sociologia Unidade IIFundamentos de Sociologia Unidade II
Fundamentos de Sociologia Unidade II
 
iluminismo
 iluminismo iluminismo
iluminismo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Filosofia para-o-enem-8ª-semana
Filosofia para-o-enem-8ª-semanaFilosofia para-o-enem-8ª-semana
Filosofia para-o-enem-8ª-semana
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
O iluminismo slide (apresentação)
O iluminismo   slide (apresentação)O iluminismo   slide (apresentação)
O iluminismo slide (apresentação)
 
Os Utopistas
Os UtopistasOs Utopistas
Os Utopistas
 
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismoFELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
FELIPE, Sônia T. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo
 
Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333
 
Racionalismo lelícia 25 tp
Racionalismo lelícia 25 tpRacionalismo lelícia 25 tp
Racionalismo lelícia 25 tp
 
Iluminismo II
Iluminismo IIIluminismo II
Iluminismo II
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Slide iluminismo
Slide iluminismoSlide iluminismo
Slide iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo (1) duda 22 mp
Iluminismo (1) duda 22 mpIluminismo (1) duda 22 mp
Iluminismo (1) duda 22 mp
 
Monografia de como a felicidade não pode ser critério moral em kant
Monografia de como a felicidade não pode ser critério moral em kantMonografia de como a felicidade não pode ser critério moral em kant
Monografia de como a felicidade não pode ser critério moral em kant
 
Filosofia moderna original
Filosofia moderna originalFilosofia moderna original
Filosofia moderna original
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficasUnidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
 
Capitulo 10
Capitulo 10Capitulo 10
Capitulo 10
 

Destaque

Conceitos filosofia (1) 14t 02
Conceitos filosofia (1) 14t 02Conceitos filosofia (1) 14t 02
Conceitos filosofia (1) 14t 02
Alexandre Misturini
 
Newton
NewtonNewton
A angústia e o desespero como fundamento ontológico
A angústia e o desespero como fundamento ontológicoA angústia e o desespero como fundamento ontológico
A angústia e o desespero como fundamento ontológico
Simone Cristina
 
Modernidade
ModernidadeModernidade
2° ano Filosofia Política - Revisão
2° ano Filosofia Política - Revisão2° ano Filosofia Política - Revisão
2° ano Filosofia Política - Revisão
Arlindo Picoli
 
Trabalho e Sociedade
Trabalho e SociedadeTrabalho e Sociedade
Trabalho e Sociedade
Portal do Vestibulando
 
Filosofia política 2º ano
Filosofia política   2º anoFilosofia política   2º ano
Filosofia política 2º ano
Edirlene Fraga
 
Ciência política [1o gq] Locke, Montesquieu & Rousseau
Ciência política [1o gq] Locke, Montesquieu & RousseauCiência política [1o gq] Locke, Montesquieu & Rousseau
Ciência política [1o gq] Locke, Montesquieu & Rousseau
Professor Juliano Domingues da Silva - Universidade Católica de Pernambuco (Unicap)
 
Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo
Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo
Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo
Pedro Duque
 
Teoria Geral do Estado - Aula 1
Teoria Geral do Estado - Aula 1 Teoria Geral do Estado - Aula 1
Teoria Geral do Estado - Aula 1
Carlagi Gi
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
Isaque Tomé
 
Sociologia introdução - o que é, principais pensamentos e pensadores
Sociologia   introdução - o que é, principais pensamentos e pensadoresSociologia   introdução - o que é, principais pensamentos e pensadores
Sociologia introdução - o que é, principais pensamentos e pensadores
Daniele Rubim
 
Sociologia - Principais teoricos da sociologia
Sociologia - Principais teoricos da sociologiaSociologia - Principais teoricos da sociologia
Sociologia - Principais teoricos da sociologia
Carson Souza
 
Apostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º anoApostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º ano
Duzg
 
Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia  Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia
Maira Conde
 
Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes
Edenilson Morais
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
Over Lane
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
guest6a86aa
 

Destaque (19)

Conceitos filosofia (1) 14t 02
Conceitos filosofia (1) 14t 02Conceitos filosofia (1) 14t 02
Conceitos filosofia (1) 14t 02
 
Newton
NewtonNewton
Newton
 
A angústia e o desespero como fundamento ontológico
A angústia e o desespero como fundamento ontológicoA angústia e o desespero como fundamento ontológico
A angústia e o desespero como fundamento ontológico
 
Modernidade
ModernidadeModernidade
Modernidade
 
2° ano Filosofia Política - Revisão
2° ano Filosofia Política - Revisão2° ano Filosofia Política - Revisão
2° ano Filosofia Política - Revisão
 
Trabalho e Sociedade
Trabalho e SociedadeTrabalho e Sociedade
Trabalho e Sociedade
 
Filosofia política 2º ano
Filosofia política   2º anoFilosofia política   2º ano
Filosofia política 2º ano
 
Ciência política [1o gq] Locke, Montesquieu & Rousseau
Ciência política [1o gq] Locke, Montesquieu & RousseauCiência política [1o gq] Locke, Montesquieu & Rousseau
Ciência política [1o gq] Locke, Montesquieu & Rousseau
 
Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo
Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo
Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo
 
Teoria Geral do Estado - Aula 1
Teoria Geral do Estado - Aula 1 Teoria Geral do Estado - Aula 1
Teoria Geral do Estado - Aula 1
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
 
Sociologia introdução - o que é, principais pensamentos e pensadores
Sociologia   introdução - o que é, principais pensamentos e pensadoresSociologia   introdução - o que é, principais pensamentos e pensadores
Sociologia introdução - o que é, principais pensamentos e pensadores
 
Sociologia - Principais teoricos da sociologia
Sociologia - Principais teoricos da sociologiaSociologia - Principais teoricos da sociologia
Sociologia - Principais teoricos da sociologia
 
Apostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º anoApostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º ano
 
Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia  Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia
 
Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
 

Semelhante a Filo 25 tp augusto

Renascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E LiberalismoRenascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Luci Bonini
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
eduardodemiranda
 
Trabalho de filo joice 21 mp
Trabalho de filo joice 21 mpTrabalho de filo joice 21 mp
Trabalho de filo joice 21 mp
alemisturini
 
FILOSOFIA MODERNA.pdf
FILOSOFIA MODERNA.pdfFILOSOFIA MODERNA.pdf
FILOSOFIA MODERNA.pdf
AneBrisckePrates
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mp
alemisturini
 
A filosofia das luzes resumo
A filosofia das luzes resumoA filosofia das luzes resumo
A filosofia das luzes resumo
Escoladocs
 
ILUMINISMO
ILUMINISMOILUMINISMO
ILUMINISMO
Nívia Sales
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Laboratório de História
 
Resumo oiluminismo
Resumo oiluminismoResumo oiluminismo
Resumo oiluminismo
Claudenilson da Silva
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
Vítor Santos
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
vitormbsantos
 
Iluminismo 2012
Iluminismo 2012Iluminismo 2012
Iluminismo 2012
ProfessoresColeguium
 
Resumo iluminismo
Resumo iluminismoResumo iluminismo
Resumo iluminismo
barbara martins
 
Iluminismo 2010
Iluminismo 2010Iluminismo 2010
Iluminismo 2010
BriefCase
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tp
Racionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tpRacionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tp
Racionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tp
alemisturini
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Valéria Shoujofan
 
4 04 construcao da modernidade europeia.pptx
4 04 construcao da modernidade europeia.pptx4 04 construcao da modernidade europeia.pptx
4 04 construcao da modernidade europeia.pptx
Vítor Santos
 
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdfSlides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
BrendaBorges35
 
História A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das LuzesHistória A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das Luzes
Daniela Paiva
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Janaína Tavares
 

Semelhante a Filo 25 tp augusto (20)

Renascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E LiberalismoRenascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
Renascimento, Iluminismo, Romantismo E Liberalismo
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
 
Trabalho de filo joice 21 mp
Trabalho de filo joice 21 mpTrabalho de filo joice 21 mp
Trabalho de filo joice 21 mp
 
FILOSOFIA MODERNA.pdf
FILOSOFIA MODERNA.pdfFILOSOFIA MODERNA.pdf
FILOSOFIA MODERNA.pdf
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo roberta elisa vicari 22 mp
 
A filosofia das luzes resumo
A filosofia das luzes resumoA filosofia das luzes resumo
A filosofia das luzes resumo
 
ILUMINISMO
ILUMINISMOILUMINISMO
ILUMINISMO
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Resumo oiluminismo
Resumo oiluminismoResumo oiluminismo
Resumo oiluminismo
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
 
Iluminismo 2012
Iluminismo 2012Iluminismo 2012
Iluminismo 2012
 
Resumo iluminismo
Resumo iluminismoResumo iluminismo
Resumo iluminismo
 
Iluminismo 2010
Iluminismo 2010Iluminismo 2010
Iluminismo 2010
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tp
Racionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tpRacionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tp
Racionalismo, empirismo e iluminismo rafalela 24 tp
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
4 04 construcao da modernidade europeia.pptx
4 04 construcao da modernidade europeia.pptx4 04 construcao da modernidade europeia.pptx
4 04 construcao da modernidade europeia.pptx
 
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdfSlides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
 
História A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das LuzesHistória A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das Luzes
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 

Mais de alemisturini

Tecnologias nas escolas by alexandre misturini 360 pro2018
Tecnologias nas escolas by alexandre misturini 360 pro2018Tecnologias nas escolas by alexandre misturini 360 pro2018
Tecnologias nas escolas by alexandre misturini 360 pro2018
alemisturini
 
Café filosofico2 .doc
Café filosofico2 .docCafé filosofico2 .doc
Café filosofico2 .doc
alemisturini
 
Café filosofico2 .doc
Café filosofico2 .docCafé filosofico2 .doc
Café filosofico2 .doc
alemisturini
 
Michii 24 tp
Michii 24 tpMichii 24 tp
Michii 24 tp
alemisturini
 
Projeto social milena paola 24 tp
Projeto social milena paola 24 tpProjeto social milena paola 24 tp
Projeto social milena paola 24 tp
alemisturini
 
Um minuto sem o celular alessandra 21 mp
Um minuto sem o celular alessandra 21 mpUm minuto sem o celular alessandra 21 mp
Um minuto sem o celular alessandra 21 mp
alemisturini
 
Trabalho mito a ciencias julia 14 tp
Trabalho mito a ciencias julia 14 tpTrabalho mito a ciencias julia 14 tp
Trabalho mito a ciencias julia 14 tp
alemisturini
 
Trabalho de filo kauane 26 tp
Trabalho de filo kauane 26 tpTrabalho de filo kauane 26 tp
Trabalho de filo kauane 26 tp
alemisturini
 
Projeto social alessandra f 25 tp
Projeto social alessandra f 25 tpProjeto social alessandra f 25 tp
Projeto social alessandra f 25 tp
alemisturini
 
Menos lixo mais vida! ashlei 24 tp
Menos lixo mais vida! ashlei 24 tpMenos lixo mais vida! ashlei 24 tp
Menos lixo mais vida! ashlei 24 tp
alemisturini
 
Kalita 26 tp
Kalita 26 tpKalita 26 tp
Kalita 26 tp
alemisturini
 
Apresentaçãooficinas nicoleto 22 mp
Apresentaçãooficinas nicoleto 22 mpApresentaçãooficinas nicoleto 22 mp
Apresentaçãooficinas nicoleto 22 mp
alemisturini
 
Apresentação do microsoft power point filosofia poletto 26tp
Apresentação do microsoft power point filosofia poletto 26tpApresentação do microsoft power point filosofia poletto 26tp
Apresentação do microsoft power point filosofia poletto 26tp
alemisturini
 
Do mito à ciência tumelero 12 mp
Do mito à ciência tumelero 12 mpDo mito à ciência tumelero 12 mp
Do mito à ciência tumelero 12 mp
alemisturini
 
Help 2 tumelero 12 mp
Help 2 tumelero 12 mpHelp 2 tumelero 12 mp
Help 2 tumelero 12 mp
alemisturini
 
Ong para mães solteiras gravidas araldi 12 mp
Ong para mães solteiras gravidas araldi 12 mpOng para mães solteiras gravidas araldi 12 mp
Ong para mães solteiras gravidas araldi 12 mp
alemisturini
 
Projeto social laura 32 mp
Projeto social laura 32 mpProjeto social laura 32 mp
Projeto social laura 32 mp
alemisturini
 
Do mito a ciência tainá 14 tp
Do mito a ciência tainá 14 tpDo mito a ciência tainá 14 tp
Do mito a ciência tainá 14 tp
alemisturini
 
Mito e ciencia 14 tp
Mito e ciencia 14 tpMito e ciencia 14 tp
Mito e ciencia 14 tp
alemisturini
 
Projeto social tainá 14 tp
Projeto social tainá 14 tpProjeto social tainá 14 tp
Projeto social tainá 14 tp
alemisturini
 

Mais de alemisturini (20)

Tecnologias nas escolas by alexandre misturini 360 pro2018
Tecnologias nas escolas by alexandre misturini 360 pro2018Tecnologias nas escolas by alexandre misturini 360 pro2018
Tecnologias nas escolas by alexandre misturini 360 pro2018
 
Café filosofico2 .doc
Café filosofico2 .docCafé filosofico2 .doc
Café filosofico2 .doc
 
Café filosofico2 .doc
Café filosofico2 .docCafé filosofico2 .doc
Café filosofico2 .doc
 
Michii 24 tp
Michii 24 tpMichii 24 tp
Michii 24 tp
 
Projeto social milena paola 24 tp
Projeto social milena paola 24 tpProjeto social milena paola 24 tp
Projeto social milena paola 24 tp
 
Um minuto sem o celular alessandra 21 mp
Um minuto sem o celular alessandra 21 mpUm minuto sem o celular alessandra 21 mp
Um minuto sem o celular alessandra 21 mp
 
Trabalho mito a ciencias julia 14 tp
Trabalho mito a ciencias julia 14 tpTrabalho mito a ciencias julia 14 tp
Trabalho mito a ciencias julia 14 tp
 
Trabalho de filo kauane 26 tp
Trabalho de filo kauane 26 tpTrabalho de filo kauane 26 tp
Trabalho de filo kauane 26 tp
 
Projeto social alessandra f 25 tp
Projeto social alessandra f 25 tpProjeto social alessandra f 25 tp
Projeto social alessandra f 25 tp
 
Menos lixo mais vida! ashlei 24 tp
Menos lixo mais vida! ashlei 24 tpMenos lixo mais vida! ashlei 24 tp
Menos lixo mais vida! ashlei 24 tp
 
Kalita 26 tp
Kalita 26 tpKalita 26 tp
Kalita 26 tp
 
Apresentaçãooficinas nicoleto 22 mp
Apresentaçãooficinas nicoleto 22 mpApresentaçãooficinas nicoleto 22 mp
Apresentaçãooficinas nicoleto 22 mp
 
Apresentação do microsoft power point filosofia poletto 26tp
Apresentação do microsoft power point filosofia poletto 26tpApresentação do microsoft power point filosofia poletto 26tp
Apresentação do microsoft power point filosofia poletto 26tp
 
Do mito à ciência tumelero 12 mp
Do mito à ciência tumelero 12 mpDo mito à ciência tumelero 12 mp
Do mito à ciência tumelero 12 mp
 
Help 2 tumelero 12 mp
Help 2 tumelero 12 mpHelp 2 tumelero 12 mp
Help 2 tumelero 12 mp
 
Ong para mães solteiras gravidas araldi 12 mp
Ong para mães solteiras gravidas araldi 12 mpOng para mães solteiras gravidas araldi 12 mp
Ong para mães solteiras gravidas araldi 12 mp
 
Projeto social laura 32 mp
Projeto social laura 32 mpProjeto social laura 32 mp
Projeto social laura 32 mp
 
Do mito a ciência tainá 14 tp
Do mito a ciência tainá 14 tpDo mito a ciência tainá 14 tp
Do mito a ciência tainá 14 tp
 
Mito e ciencia 14 tp
Mito e ciencia 14 tpMito e ciencia 14 tp
Mito e ciencia 14 tp
 
Projeto social tainá 14 tp
Projeto social tainá 14 tpProjeto social tainá 14 tp
Projeto social tainá 14 tp
 

Último

Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 

Filo 25 tp augusto

  • 1. RACIONALISMO, ILUMINISMO E EMPIRISMO Augusto de Souza Cassiano Soares Dener Duarte 25TP
  • 3.  O racionalismo é a corrente filosófica que iniciou com a definição do raciocínio como uma operação mental, discursiva e lógica que usa uma ou mais proposições para extrair conclusões, ou seja, se uma ou outra proposição é verdadeira, falsa ou provável.
  • 4.  Essa era a ideia central comum ao conjunto de doutrinas conhecidas tradicionalmente como racionalismo. O racionalismo é em parte, a base da Filosofia, ao priorizar a razão como o caminho para se alcançar a Verdade
  • 5.  O racionalismo afirma que tudo o que existe tem uma causa inteligível, mesmo que essa causa não possa ser demonstrada empiricamente, tal como a causa da origem do Universo. Privilegia a razão em detrimento da experiência do mundo sensível como via de acesso ao conhecimento. Considera a dedução como o método superior de investigação filosófica.
  • 6.  O racionalismo é baseado nos princípios da busca da certeza, pela demonstração e análise, sustentados, segundo Kant, pelo conhecimento a priori, ou seja o conhecimento que não é inato nem decorre da experiência sensível mas é produzido somente pela razão.
  • 7.  Essa corrente surgiu como doutrina no século I antes de Cristo para enfatizar que tudo que é existente é decorrente de uma causa. Muito tempo depois, já na Idade Moderna, os filósofos racionalistas adotaram a matemática como elemento para expandir a ideia de razão e a explicação da realidade.
  • 8.  Tradicionalmente, o Racionalismo era definido pelo raciocínio como operação mental, discursiva e lógica para extrair conclusões. As inovações humanas apresentadas com o advento do Renascimento consolidaram o Racionalismo com o acréscimo de elaborações e verificações matemáticas.
  • 10.  Materialismo é a “corrente de pensamento que afirma a precedência da matéria sobre o espírito ou a mente, e que constitui a base de várias escolas filosóficas, desde os antigos gregos até a época atual" ou "no pensamento marxista, aquilo que é necessário à sobrevivência do homem em sociedade e que fundamenta a estrutura econômica da sociedade organizada".
  • 11.  É um sistema que admite que as chamadas condições concretas materiais, são suficientes para explicar todos os fenômenos que se apresentam à investigação, inclusive os fenômenos mentais, sociais e históricos.
  • 12. MATERIALISMO HISTÓRICO  Visa explicar as mudanças e o desenvolvimento da história, utilizando-se de fatores práticos, tecnológicos e o modo de produção. As mudanças tecnológicas e do modo de produção são os dois fatores principais de mudança social, política e jurídica. É associado ao marxismo e muitos acreditam que foi Karl Marx que desenvolveu esta teoria. Porém, o desenvolvimento desta teoria esta presente na história da sociologia e antropologia.
  • 14.  O Iluminismo foi um movimento intelectual que surgiu durante o século XVIII na Europa, que defendia o uso da razão contra o antigo regime e pregava maior liberdade econômica e política. Este movimento promoveu mudanças políticas, econômicas e sociais, baseadas nos ideais de liberdade, igualdade e fraternidade.  A burguesia apoiava o iluminismo, pois tinham interesses comuns.
  • 15.  As críticas do movimento ao Antigo Regime eram em vários aspectos como, por exemplo:  - O Mercantilismo;  - O Absolutismo monárquico;  - Poder da igreja e as verdades reveladas pela fé.
  • 16.  E defendiam:  - A liberdade econômica, sem o estado intervir na economia;  - O Antropocentrismo (o homem no centro do universo), o avanço da ciência e da razão.  - O predomínio da burguesia e seus ideais.
  • 17.  As ideias liberais do Iluminismo se espalharam rapidamente pela população. Alguns reis absolutistas, com medo de perder o governo - ou mesmo a cabeça -, passaram a aceitar algumas ideias iluministas. Estes reis eram denominados Déspotas Esclarecidos, pois conciliavam o jeito de governar absolutista com as ideias de progresso iluministas.
  • 18. CONTRATO SOCIAL  O contrato social foi um acordo entre os membros da sociedade, que reconhecem a autoridade, igualmente a todos, com um conjunto de regras, de um regime político ou de um governante. Jean- Jacques Rousseau foi o autor da obra “O contrato social”, onde afirma que o soberano deveria dirigir o Estado conforme a vontade do povo. Apenas um Estado com bases democráticas teria condições de oferecer igualdade jurídica para todos cidadãos.
  • 19.  Principais filósofos do iluminismo:  Voltaire (1694-1778) François Marie Arouet Voltaire destacou- se pela sua defesa a liberdade do pensamento, as críticas feitas ao clero, à prepotência dos poderosos e a inflexibilidade religiosa. Ele nasceu na cidade de Paris em 1694, morrendo na mesmo em 1778. Foi um importante ensaísta, escritos e filósofo iluminista francês. Exemplos de suas obras: - Édipo – 1718; - Brutus – 1730.
  • 20.  Montesquieu (1689-1755) Charles de Montesquieu foi um importante filósofo, político e escritor francês. Nasceu em 1689, na cidade de Bordeaux, na França. É considerado um dos grandes filósofos do iluminismo. Era contra o absolutismo (forma de governo que concentrava todo poder do país nas mãos do rei). Criticava o clero católico, principalmente, sobre seu poder e interferência política. Defendia aspectos democráticos de governo e o respeito às leis. Na obra “O espírito das leis” defendeu a tripartição de poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário.
  • 22.  O empirismo significa experiência, é uma corrente de pensamento basicamente inglesa, em uma Inglaterra peculiar com respeito ao resto da Europa. As revoluções burguesas contra o absolutismo de 1640- 1650, comuns a toda Europa, só conseguiram triunfar na Inglaterra, onde ao poder econômico da burguesia se somou o poder político da nobreza. Depois de um período de graves crises políticas e guerras civis, instaura-se em 1688 a monarquia parlamentar, triunfando assim os interesses econômicos, políticos e culturais da burguesia.
  • 23.  A partir de agora será a Inglaterra a potência a imitar, e entre os inspiradores da Ilustração destacarão dois ingleses: Locke (teórico do liberalismo político) e Newton. Coincide com o racionalismo em considerar o problema do conhecimento como e assunto central da filosofia, mas as respostas são, de modo geral, opostas. Por outra parte, tanto racionalismo como o empirismo toma como modelo a ciência moderna mas enquanto os primeiros o fazem em seu aspeto matemático, os segundos recolhem a importância da experiência.
  • 24.  As características principais do empirismo são:  1. A origem do conhecimento é a experiência. A mente é uma "Tabela rasa" que tem de ser recheada de conteúdo empírico. Negam-se por tanto as ideias inatas que defendia o racionalismo.  2. O conhecimento humano tem um limite: a própria experiência. Todo conhecimento que pretenda ir para além da experiência é ou meramente provável ou duvidoso. O ceticismo de Hume será o mais claro exemplo de desavença com a pretensão racionalista de um conhecimento absoluto.
  • 25. CRITICA AO ABSOLUTISMO  Os pensadores iluministas daquela época como: Voltaire, Diderot, Montesquieu, John Locke, Rousseau, Adam Smith foram os responsáveis pelo pensamento moderno, a defesa do racionalismo, defesa da livre circulação de ideias. As principais ideias desses pensadores eram: Criação de três poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário), descrença de ideias inatas, todos os pensamentos são baseados em sentidos, Criticavam a intolerância, defendiam a liberdade de expressão, religião e comércio, Rousseau dizia que o homem era puro em seu estado de natureza e que era a sociedade que o corrompia.
  • 26. CONTRATO SOCIAL  A questão que se colocava era a seguinte: como preservar a liberdade natural do homem e ao mesmo tempo garantir a segurança e o bem-estar da vida em sociedade? Segundo Rousseau, isso seria possível através de um contrato social, por meio do qual prevaleceria a soberania da sociedade, a soberania política da vontade coletiva.  Rousseau percebeu que a busca pelo bem-estar seria o único móvel das ações humanas e, da mesma, em determinados momentos o interesse comum poderia fazer o indivíduo contar com a assistência de seus semelhantes.
  • 27.  Por outro lado, em outros momentos, a concorrência faria com que todos desconfiassem de todos. Dessa forma, nesse contrato social seria preciso definir a questão da igualdade entre todos, do comprometimento entre todos. Se por um lado a vontade individual diria respeito à vontade particular, a vontade do cidadão (daquele que vive em sociedade e tem consciência disso) deveria ser coletiva, deveria haver um interesse no bem comum.
  • 28.  Este pensador acreditava que seria preciso instituir a justiça e a paz para submeter igualmente o poderoso e o fraco, buscando a concórdia eterna entre as pessoas que viviam em sociedade. Um ponto fundamental em sua obra está na afirmação de que a propriedade privada seria a origem da desigualdade entre os homens, sendo que alguns teriam usurpado outros.
  • 29.  Daí a importância do contrato social, pois os homens, depois de terem perdido sua liberdade natural (quando o coração ainda não havia corrompido, existindo uma piedade natural), necessitariam ganhar em troca a liberdade civil, sendo tal contrato um mecanismo para isso. O povo seria ao mesmo tempo parte ativa e passiva deste contrato, isto é, agente do processo de elaboração das leis e de cumprimento destas, compreendendo que obedecer a lei que se escreve para si mesmo seria um ato de liberdade.
  • 30. CONCEITO DE LIBERDADE  Liberdade significa o direito de agir segundo o seu livre arbítrio, de acordo com a própria vontade, desde que não prejudique outra pessoa, é a sensação de estar livre e não depender de ninguém. Liberdade é também um conjunto de ideias liberais e dos direitos de cada cidadão.  Thomas Hobbes entende a liberdade como, “ a ausência de impedimentos externos”, o homem age conforme seu julgamento e razão e realiza suas próprias ações, sejam elas para o seu bem ou para preservar sua natureza.
  • 31. CONCEITO DE IGUALDADE  Igualdade é a falta de diferenças entre duas coisas, que possuem o mesmo valor ou são interpretadas a partir do mesmo ponto de vista, em comparação a outra coisa ou pessoa.
  • 32. CONCEITO DE DEMOCRACIA  Democracia é a forma de governo em que a soberania é exercida pelo povo.
  • 33. CONCEITO DE DIREITOS UNIVERSAIS DO HOMEM E DO CIDADÃO  A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão foi anunciada ao público em 26 de agosto de 1789, na França. "Ela está intimamente relacionada com a Revolução Francesa. Para ter uma ideia da importância que os revolucionários atribuíam ao tema dos direitos, basta constatar que os deputados passaram cerca de 10 dias reunidos na Assembleia Nacional francesa debatendo os artigos que compõem o texto da declaração. Isso com o país ainda a ferro e a fogo após a tomada da Bastilha em 14 de julho do mesmo ano".
  • 34.  A importância desse documento nos dias de hoje é ter sido a primeira declaração de direitos e fonte de inspiração para outras que vieram posteriormente, como a Declaração Universal dos Direitos Humanos aprovada pela ONU (Organização das Nações Unidas), em 1948. Prova disso é a comparação dos primeiros artigos de ambas:
  • 35.  • O Artigo primeiro da Declaração de Direitos do Homem e do Cidadão, de 1789, diz: "Os homens nascem e permanecem livres e iguais em direitos. As distinções sociais só podem fundar-se na utilidade comum".  • O Artigo primeiro da Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948: "Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade".
  • 36. HISTÓRICO DE FILÓSOFOS  John Locke: Foi um filósofo inglês e ideólogo do liberalismo, sendo considerado o principal representante do empirismo britânico e um dos principais teóricos do contrato social.  Nascimento: 29 de agosto de 1632, Wrington, Reino Unido;  Falecimento: 28 de outubro de 1704, High Laver, Reino Unido;  Nacionalidade: Inglês;  Educação: Westminster School, Christ Church;  Influências: Thomas Hobbes, René Descartes, Aristóteles, Platão.
  • 37.  Thomas Hobbes: Foi um matemático, teórico político, e filósofo inglês, autor de Leviatã e Do cidadão. Na obra Leviatã, explanou os seus pontos de vista sobre a natureza humana e sobre a necessidade de um enorme governo e de uma enorme sociedade.  Nascimento: 5 de abril de 1588, Westport;  Falecimento: 4 de dezembro de 1679, Derbyshire, Reino Unido;  Nacionalidade: Inglês;  Filiação: Thomas Hobbes Sr;  Irmão: Edmund Hobbes.
  • 38.  David Hume: Foi um filósofo, historiador e ensaísta britânico nascido na Escócia que se tornou célebre por seu empirismo radical e seu ceticismo filosófico.  Nascimento: 7 de maio de 1711, Edimburgo, Reino Unido;  Falecimento: 25 de agosto de 1776, Edimburgo, Reino Unido;  Nacionalidade: Escocês;  Influências: René Descartes, John Locke, George Berkeley;  Filiação: Joseph Home, Katherine Falconer.
  • 39.  Jean-Jacques Rousseau: Foi um importante filósofo, teórico político, escritor e compositor autodidata suíço. É considerado um dos principais filósofos do iluminismo e um precursor do romantismo.  Nascimento: 28 de junho de 1712, Genebra, Suíça;  Falecimento: 2 de julho de 1778, Ermenonville, França;  Nacionalidade: Suíço;  Peças: Pigmalião;  Irmão: François Rousseau.
  • 40.  Charles-Louis de Secondat: Barão de La Brède e de Montesquieu, conhecido como Montesquieu, foi um político, filósofo e escritor francês.  Nascimento: 18 de janeiro de 1689, Brède, França;  Falecimento: 10 de fevereiro de 1755, Paris, França;  Nacionalidade: Francês;  Local Do Casamento: Bordéus, França;  Influências: John Locke, Thomas Hobbes, Aristóteles, Adam Smith,René Descartes, Jean Bodin, Cícero, Nicolas Malebranche.
  • 41.  François Marie Arouet: Mais conhecido como Voltaire, foi um escritor, ensaísta, deísta e filósofo iluminista francês. Conhecido pela sua perspicácia e espiritualidade na defesa das liberdades civis, inclusive liberdade religiosa e livre comércio.  Nascimento: 21 de novembro de 1694, Paris, França;  Falecimento: 30 de maio de 1778, Paris, França;  Nacionalidade: Francês;  Educação: Lycée Louis-le-Grand (1704–1711);  Peças: Oedipus, O Fanatismo ou Maomé.
  • 42.  Immanuel Kant: Foi um filósofo prussiano, geralmente considerado como o último grande filósofo da era moderna.  Nascimento: 22 de abril de 1724, Königsberg, Alemanha;  Falecimento: 12 de fevereiro de 1804, Königsberg, Alemanha;  Nacionalidade: Prussiano;  Educação: Universidade de Königsberg (1740–1746);  Influências: René Descartes, Aristóteles, David Hume, Platão.