SlideShare uma empresa Scribd logo
Enfa. Esp. Janaína Lassala
Atuações do enfermeiro em Oncologia
• Ensino
• Pesquisas Clínicas
• Assistência
• Coordenando Serviços
• Auditorias
• Planejamento, Supervisão, Execução e Avaliação de
todas as atividades de enfermagem.
Atuações do enfermeiro em Oncologia
 Na promoção da melhoria da qualidade de vida dos clientes;
 Nas informações dadas em vários momentos pertinentes ao
tratamento;
 Nas orientações para o autocuidado, desde o pré-operatório até a
fase de reabilitação;
 No estímulo para que ocorra a adesão ao tratamento proposto;
 No cuidado humanizado, construindo uma relação interpessoal de
confiança;
 Educação do cliente e do familiar
Monitorização de Complicações
 Infecções
 Hemorragia
 Tromboflebite
 Deiscência da Ferida
 Desequilíbrio Hidroeletrolítico
O impacto emocional
de uma lesão que
cresce
desordenadamente e,
na maioria das vezes,
desfigura a pessoa,
promove o isolamento
e vem associada a
desconfortos físicos
que requerem
condutas diferenciadas
daquelas utilizadas em
outras lesões.
Impactos das lesões neoplásicas
 Sensação de multilação
 Rejeição de si mesma e social
 Perda da autoestima
 Medo e perda de esperança
 Diminuição da libido
 Discriminação(nojo, humilhação,pena)
 “Sentir podre por dentro”
Definição
 Ferida neoplásica, maligna ou tumoral lesão que apresenta
uma quebra na integridade epidérmica causada pela infiltração
de células malignas, em decorrência da proliferação celular
descontrolada, que é provocado pelo processo de oncogênese.
 Podem ser reconhecidas pela semelhança com infecções
dérmicas por fungos, podendo, inicialmente, apresentar-se
com a forma de nódulos ou como uma lesão ulcerativa.
Classificação quanto ao aspecto
Ferida Ulcerativa
Maligna
Ferida Fungosa
Proliferativa
 lesão mista Aspecto de couve -
flor
 Lesão em forma
de cratera
Ferida Fungoide
Ulcerada
Características
 Geralmente proveniente de neoplasias: cabeça e pescoço,
mama, sarcoma de tecidos moles
 Invasivas
 Entumecimento
 Presença de tecido friável
 Sangramento
 Constante presença de infecção fúngica
 Odor fétido
 Exsudação abundante
Estágios
Estágio 1 Estágio 1N
 Pele íntegra
 Tecido de coloração
avermelhada e/ou violácea
 Nódulo visível e delimitado
 Assintomático
 Ferida fechada ou com
abertura superficial – orifício
 Drenagem de secreção
límpida, amarelada ou com
aspecto purulento
 Tecido avermelhado ou
violáceo
 Pode haver dor ou prurido
 Não apresenta odor
Estágios
Estágio 2 Estágio 3
 Feridas abertas (epiderme e
derme)
 Ulceração geralmente friável
 Sensível à manipulação
 Intenso processo inflamatório
 Tecido avermelhado ou
violáceo
 Feridas com áreas secas e
úmidas
 Pode ter odor e dor
 Não ultrapassa tec subcutâneo
 Lesão envolve
epiderme, derme e
subcutâneo
 Profundidade regular, com
saliências e formação
irregular
 Friáveis
 Ulcerações com tec necrótico
liquefeito ou sólido e aderido
 Fétida, secretiva, aspecto
vegetativo
 Lesões satélites
Estágios
Estágio 4
 Feridas invadindo profundas
estruturas anatômicas
 Profundidade expressiva
 Secreção abundante
 Odor fétido e dor
 Tecido ao redor: avermelhada
e violácea
 Leito: predominantemente
amarelada
Feridas fungosas malignasFeridas neoplásica vegetantes
Soco
rro!
Biópsia
 Quem faz?
 Como faz?
 Coleta de material para
cultura X biópsia
 Mesmo após a ressecção do
tumor, a ferida pode não
cicatrizar – alto risco de
descência
DOR
“Experiência sensitiva e emocional desagradável, associada a dano
real ou potencial dos tecidos ,ou descrita em termos de tais
lesões”
É uma experiência única e individual!
Causas:
 Relacionadas ao tumor;
 Relacionadas ao tratamento;
 Ao surgimento de síndromes paraneoplásicas;
 Não relacionadas ao tumor;
“Impõe limitações no estilo de vida, na mobilidade, paciência,
resignação, podendo ser interpretada como um “saldo” da
doença que progride” Cecily Saunders.
Controle da dor
 Administrar pré-analgesia 30 minutos antes de proceder ao
curativo se a via de administração for VO ou SC; 5 minutos se for
injetável.
 Utilizar opióide como dose de resgate ou anestésicos tópicos.
 Registrar o procedimento.
 Avaliar a dor mensurada pela escala da dor.
 Ponderar necessidade de revisão do esquema analgésico
prescrito junto à equipe médica.
Classificação da Dor
 Aguda ou Crônica
 Somática e Visceral
 Neuropática
 Orientações da OMS
 Avaliar a intensidade da dor (ESCALAS);
 Doses individualizadas;
 Medicações em intervalos regulares;
 Disponibilizar de doses de resgate;
 Utilizar a via oral sempre que possível;
 Controlar os efeitos adversos;
Controle do odor
 Odor grau I (sentido ao abrir o curativo) -Hidróxido de Alumínio
após higienização com S.F. 0,9% ou água tratada (fervida e filtrada)
irrigando a ferida e deixando gazes embebidas com Hidróxido de
Alumínio no leito ulceral.
 Odor grau II (sentido no ambiente próximo ao paciente, sem abrir o
curativo) - Metronidazol gel 0,8% , sobre o leito ulceral, após
higienização da ferida com água tratada ou S.F. 0,9%.
 Odor grau III (sentido no ambiente, sem abrir o curativo é
caracteristicamente forte e/ou nauseante) – Clorohexedine,
Metronidazol gel 0,8% tópico e considerar possibilidade de uso
sistêmico por 15 dias
Condições a serem reportadas à equipe médica
 Exsudato, mau cheiro, prurido persistente e presença de celulite
 Piora ou mudança na característica da dor
 Sangramento severo e Estresse emocional
 Febre (pois será indicativo da necessidade de antibioticoterapia
sistêmica a critério médico)
 Mudanças não usuais na ferida (miíases, fístulas e
comprometimento de outros órgãos).
Resultados esperados com o uso do protocolo para
feridas
 Que ele saiba usar intervenções para o cuidado da ferida em
domicílio de acordo com as necessidades específicas
 Que ele saiba identificar e reportar as condições de maneira
apropriada;
 Que ele tenha conforto, bem-estar físico e psicológico,
autoestima e reintegração no meio social nos últimos dias de
vida;
Atenção!
 As metas do tratamento da ferida neoplásica é paliativa
- Redução da dor
- Redução do odor Melhor qualidade de vida
- Redução do desconforto
Não utilizar produtos que estimulem a neovascularização!
Cuidados Paliativos: Definição
São uma abordagem que melhora a qualidade de vida de
pacientes e suas famílias enfrentando problemas associados com
doenças que ameaçam a vida, através da prevenção e alívio do
sofrimento por meio da identificação precoce, avaliação
impecável e tratamento da dor e outros problemas físicos,
psicossociais e espirituais.
QUANDO INICIAR?
OMS/2002
“De preferência a partir
do diagnóstico de uma
doença potencialmente
letal”.
O mais precoce possível!
CUIDADOS PALIATIVOS
•Discutir os desejos finais do paciente
•Afirmar a VIDA e considerar a MORTE como um processo
natural;
•Não pretendem acelerar nem adiar a morte;
•Preparar a família para o luto
•Alertar para incapacidades irreversíveis
•Identificar necessidades e oferecer suporte ao paciente e à
família
•Discutir as opções terapêuticas
•Evitar intervenções inapropriadas
Morte:
-Perda
-irreversibili
dade
“Qualquer que seja a doença, não
importa quão avançada esteja ou quais
tratamentos já tenham sido
recebidos,haverá sempre alguma coisa
que pode ser feita para promover a
qualidade de vida que resta para o
paciente”.
(Kubbler- Ross)
Janaína
Lassala

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
Rafaela Amanso
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Janaína Lassala
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Proqualis
 
Cuidados de enfermagem feridas oncológicas
Cuidados de enfermagem feridas oncológicasCuidados de enfermagem feridas oncológicas
Cuidados de enfermagem feridas oncológicas
Adriana Dettmann
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
Edilaine Torrecilha
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Heberth Macedo
 
Cuidados com feridas
Cuidados com feridasCuidados com feridas
Cuidados com feridas
Rodrigo Abreu
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
SMS - Petrópolis
 
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
Joseir Saturnino
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativos
Luh Soares
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
Janaína Lassala
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
Centro Universitário Ages
 
Atualização em curativos
Atualização em curativosAtualização em curativos
Atualização em curativos
Jocasta Bonmann
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
Janaína Lassala
 
Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
Elayne Nunes
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
ISCISA
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
Katia Pontes Remijo
 

Mais procurados (20)

CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Cuidados de enfermagem feridas oncológicas
Cuidados de enfermagem feridas oncológicasCuidados de enfermagem feridas oncológicas
Cuidados de enfermagem feridas oncológicas
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
 
Cuidados com feridas
Cuidados com feridasCuidados com feridas
Cuidados com feridas
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativos
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 
Atualização em curativos
Atualização em curativosAtualização em curativos
Atualização em curativos
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 

Destaque

Assistência de enfermagem na radioterapia
Assistência de enfermagem na radioterapiaAssistência de enfermagem na radioterapia
Assistência de enfermagem na radioterapia
Aretusa Delfino
 
Manual cuidados oncologicos
Manual cuidados oncologicosManual cuidados oncologicos
Manual cuidados oncologicos
Laryssasampaio
 
Enfermagem em Quimioterapia
Enfermagem em QuimioterapiaEnfermagem em Quimioterapia
Enfermagem em Quimioterapia
Mara Aissélc
 
Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
Carlos Frederico Pinto
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
Jonathan Sampaio
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
universitária
 
Abc do cancer
Abc do cancerAbc do cancer
Abc do cancer
Juliana Vasconcelos
 
Neoplasias carcinogenese sequencial
Neoplasias   carcinogenese sequencialNeoplasias   carcinogenese sequencial
Neoplasias carcinogenese sequencial
uc3med
 
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia SampaioInfraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Oncoguia
 
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Lucas Fontes
 
Fisioterapia OncolóGica Uninorte
Fisioterapia OncolóGica UninorteFisioterapia OncolóGica Uninorte
Fisioterapia OncolóGica Uninorte
Daniel Xavier
 
Neo e carcino
Neo e carcinoNeo e carcino
Neo e carcino
LarissaComparini
 
Lesões mamárias benignas - aspecto histopatológico
Lesões mamárias benignas - aspecto histopatológicoLesões mamárias benignas - aspecto histopatológico
Lesões mamárias benignas - aspecto histopatológico
Hospital Universitário - Universidade Federal do Rio de Janeiro
 
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases  Moleculares Da OncologiaCarcinogenese e Bases  Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
Carlos Frederico Pinto
 
Quimioterápicos
QuimioterápicosQuimioterápicos
Quimioterápicos
rodrigobauer3
 
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICAQUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
Eliezer Farias de Mello
 
O doente oncológico em fase terminal
O doente oncológico em fase terminalO doente oncológico em fase terminal
O doente oncológico em fase terminal
Pelo Siro
 
Paciente terminal
Paciente terminalPaciente terminal
Oncologia básica
Oncologia básicaOncologia básica
Oncologia básica
Letícia Spina Tapia
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
Andressawm
 

Destaque (20)

Assistência de enfermagem na radioterapia
Assistência de enfermagem na radioterapiaAssistência de enfermagem na radioterapia
Assistência de enfermagem na radioterapia
 
Manual cuidados oncologicos
Manual cuidados oncologicosManual cuidados oncologicos
Manual cuidados oncologicos
 
Enfermagem em Quimioterapia
Enfermagem em QuimioterapiaEnfermagem em Quimioterapia
Enfermagem em Quimioterapia
 
Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Abc do cancer
Abc do cancerAbc do cancer
Abc do cancer
 
Neoplasias carcinogenese sequencial
Neoplasias   carcinogenese sequencialNeoplasias   carcinogenese sequencial
Neoplasias carcinogenese sequencial
 
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia SampaioInfraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
 
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Fisioterapia OncolóGica Uninorte
Fisioterapia OncolóGica UninorteFisioterapia OncolóGica Uninorte
Fisioterapia OncolóGica Uninorte
 
Neo e carcino
Neo e carcinoNeo e carcino
Neo e carcino
 
Lesões mamárias benignas - aspecto histopatológico
Lesões mamárias benignas - aspecto histopatológicoLesões mamárias benignas - aspecto histopatológico
Lesões mamárias benignas - aspecto histopatológico
 
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases  Moleculares Da OncologiaCarcinogenese e Bases  Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
 
Quimioterápicos
QuimioterápicosQuimioterápicos
Quimioterápicos
 
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICAQUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
 
O doente oncológico em fase terminal
O doente oncológico em fase terminalO doente oncológico em fase terminal
O doente oncológico em fase terminal
 
Paciente terminal
Paciente terminalPaciente terminal
Paciente terminal
 
Oncologia básica
Oncologia básicaOncologia básica
Oncologia básica
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 

Semelhante a Feridas neoplásicas

Manual
ManualManual
Enfermeiro na atenção à dor e luto
Enfermeiro na atenção à dor e lutoEnfermeiro na atenção à dor e luto
Enfermeiro na atenção à dor e luto
Rodrigo Bastos
 
Administrar terapeutica em_cuidados_paliativos
Administrar terapeutica em_cuidados_paliativosAdministrar terapeutica em_cuidados_paliativos
Administrar terapeutica em_cuidados_paliativos
nokas2009
 
CLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdf
CLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdfCLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdf
CLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdf
joseigor7
 
Sequencia da anotação
Sequencia da anotaçãoSequencia da anotação
Sequencia da anotação
Carol Melo
 
1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf
1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf
1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf
ThatyMicaelly
 
Treinamentos enfermagem_All Family_Home Care
Treinamentos enfermagem_All Family_Home CareTreinamentos enfermagem_All Family_Home Care
Treinamentos enfermagem_All Family_Home Care
Mariana Richter Reis/ MRR Consultoria em Saúde
 
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdfAula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
CarlaMarcelaFaedda
 
Aula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptxAula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptx
lvaroCosta22
 
Sedacao analgesia oncologia_dr_marcos_bicca
Sedacao analgesia oncologia_dr_marcos_biccaSedacao analgesia oncologia_dr_marcos_bicca
Sedacao analgesia oncologia_dr_marcos_bicca
Kaká Quadros
 
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADECUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
Márcio Borges
 
Uerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabaritoUerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabarito
tatysants
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
leiafrocha
 
Assistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Assistencia de Enfermagem ao Cliente TerminalAssistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Assistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Karla Ntz
 
Sae pronto unic
Sae pronto unicSae pronto unic
Sae pronto unic
Gabriela Severo Minghelli
 
CARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdf
CARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdfCARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdf
CARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdf
AndrLoboEstraiotto
 
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIAESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
Ivanilson Gomes
 
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxapresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
enfermeiraelainnechr
 
Cuidado enfermagem na terapia subcutanea
Cuidado enfermagem na terapia subcutaneaCuidado enfermagem na terapia subcutanea
Cuidado enfermagem na terapia subcutanea
Andréa Dantas
 
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Isabela Ribeiro
 

Semelhante a Feridas neoplásicas (20)

Manual
ManualManual
Manual
 
Enfermeiro na atenção à dor e luto
Enfermeiro na atenção à dor e lutoEnfermeiro na atenção à dor e luto
Enfermeiro na atenção à dor e luto
 
Administrar terapeutica em_cuidados_paliativos
Administrar terapeutica em_cuidados_paliativosAdministrar terapeutica em_cuidados_paliativos
Administrar terapeutica em_cuidados_paliativos
 
CLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdf
CLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdfCLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdf
CLINICA MEDICA- INTRODUÇÃO.pdf
 
Sequencia da anotação
Sequencia da anotaçãoSequencia da anotação
Sequencia da anotação
 
1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf
1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf
1-INTRODUÇÃO AO EXAME FÍSICO.pdf
 
Treinamentos enfermagem_All Family_Home Care
Treinamentos enfermagem_All Family_Home CareTreinamentos enfermagem_All Family_Home Care
Treinamentos enfermagem_All Family_Home Care
 
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdfAula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
 
Aula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptxAula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptx
 
Sedacao analgesia oncologia_dr_marcos_bicca
Sedacao analgesia oncologia_dr_marcos_biccaSedacao analgesia oncologia_dr_marcos_bicca
Sedacao analgesia oncologia_dr_marcos_bicca
 
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADECUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
 
Uerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabaritoUerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabarito
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
Assistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Assistencia de Enfermagem ao Cliente TerminalAssistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Assistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
 
Sae pronto unic
Sae pronto unicSae pronto unic
Sae pronto unic
 
CARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdf
CARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdfCARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdf
CARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdf
 
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIAESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
 
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxapresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
 
Cuidado enfermagem na terapia subcutanea
Cuidado enfermagem na terapia subcutaneaCuidado enfermagem na terapia subcutanea
Cuidado enfermagem na terapia subcutanea
 
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
 

Mais de Janaína Lassala

Monitoramento da Esterilização
Monitoramento da EsterilizaçãoMonitoramento da Esterilização
Monitoramento da Esterilização
Janaína Lassala
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Janaína Lassala
 
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Janaína Lassala
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
Janaína Lassala
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
Janaína Lassala
 
Úlceras Vasculogênicas
Úlceras VasculogênicasÚlceras Vasculogênicas
Úlceras Vasculogênicas
Janaína Lassala
 

Mais de Janaína Lassala (6)

Monitoramento da Esterilização
Monitoramento da EsterilizaçãoMonitoramento da Esterilização
Monitoramento da Esterilização
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande Queimado
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
Úlceras Vasculogênicas
Úlceras VasculogênicasÚlceras Vasculogênicas
Úlceras Vasculogênicas
 

Último

História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
FeridoZitoJonas
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 

Último (9)

História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 

Feridas neoplásicas

  • 2. Atuações do enfermeiro em Oncologia • Ensino • Pesquisas Clínicas • Assistência • Coordenando Serviços • Auditorias • Planejamento, Supervisão, Execução e Avaliação de todas as atividades de enfermagem.
  • 3. Atuações do enfermeiro em Oncologia  Na promoção da melhoria da qualidade de vida dos clientes;  Nas informações dadas em vários momentos pertinentes ao tratamento;  Nas orientações para o autocuidado, desde o pré-operatório até a fase de reabilitação;  No estímulo para que ocorra a adesão ao tratamento proposto;  No cuidado humanizado, construindo uma relação interpessoal de confiança;  Educação do cliente e do familiar
  • 4. Monitorização de Complicações  Infecções  Hemorragia  Tromboflebite  Deiscência da Ferida  Desequilíbrio Hidroeletrolítico
  • 5. O impacto emocional de uma lesão que cresce desordenadamente e, na maioria das vezes, desfigura a pessoa, promove o isolamento e vem associada a desconfortos físicos que requerem condutas diferenciadas daquelas utilizadas em outras lesões.
  • 6. Impactos das lesões neoplásicas  Sensação de multilação  Rejeição de si mesma e social  Perda da autoestima  Medo e perda de esperança  Diminuição da libido  Discriminação(nojo, humilhação,pena)  “Sentir podre por dentro”
  • 7. Definição  Ferida neoplásica, maligna ou tumoral lesão que apresenta uma quebra na integridade epidérmica causada pela infiltração de células malignas, em decorrência da proliferação celular descontrolada, que é provocado pelo processo de oncogênese.  Podem ser reconhecidas pela semelhança com infecções dérmicas por fungos, podendo, inicialmente, apresentar-se com a forma de nódulos ou como uma lesão ulcerativa.
  • 8. Classificação quanto ao aspecto Ferida Ulcerativa Maligna Ferida Fungosa Proliferativa  lesão mista Aspecto de couve - flor  Lesão em forma de cratera Ferida Fungoide Ulcerada
  • 9. Características  Geralmente proveniente de neoplasias: cabeça e pescoço, mama, sarcoma de tecidos moles  Invasivas  Entumecimento  Presença de tecido friável  Sangramento  Constante presença de infecção fúngica  Odor fétido  Exsudação abundante
  • 10. Estágios Estágio 1 Estágio 1N  Pele íntegra  Tecido de coloração avermelhada e/ou violácea  Nódulo visível e delimitado  Assintomático  Ferida fechada ou com abertura superficial – orifício  Drenagem de secreção límpida, amarelada ou com aspecto purulento  Tecido avermelhado ou violáceo  Pode haver dor ou prurido  Não apresenta odor
  • 11. Estágios Estágio 2 Estágio 3  Feridas abertas (epiderme e derme)  Ulceração geralmente friável  Sensível à manipulação  Intenso processo inflamatório  Tecido avermelhado ou violáceo  Feridas com áreas secas e úmidas  Pode ter odor e dor  Não ultrapassa tec subcutâneo  Lesão envolve epiderme, derme e subcutâneo  Profundidade regular, com saliências e formação irregular  Friáveis  Ulcerações com tec necrótico liquefeito ou sólido e aderido  Fétida, secretiva, aspecto vegetativo  Lesões satélites
  • 12. Estágios Estágio 4  Feridas invadindo profundas estruturas anatômicas  Profundidade expressiva  Secreção abundante  Odor fétido e dor  Tecido ao redor: avermelhada e violácea  Leito: predominantemente amarelada
  • 13. Feridas fungosas malignasFeridas neoplásica vegetantes
  • 14.
  • 15.
  • 17. Biópsia  Quem faz?  Como faz?  Coleta de material para cultura X biópsia  Mesmo após a ressecção do tumor, a ferida pode não cicatrizar – alto risco de descência
  • 18. DOR “Experiência sensitiva e emocional desagradável, associada a dano real ou potencial dos tecidos ,ou descrita em termos de tais lesões” É uma experiência única e individual! Causas:  Relacionadas ao tumor;  Relacionadas ao tratamento;  Ao surgimento de síndromes paraneoplásicas;  Não relacionadas ao tumor; “Impõe limitações no estilo de vida, na mobilidade, paciência, resignação, podendo ser interpretada como um “saldo” da doença que progride” Cecily Saunders.
  • 19. Controle da dor  Administrar pré-analgesia 30 minutos antes de proceder ao curativo se a via de administração for VO ou SC; 5 minutos se for injetável.  Utilizar opióide como dose de resgate ou anestésicos tópicos.  Registrar o procedimento.  Avaliar a dor mensurada pela escala da dor.  Ponderar necessidade de revisão do esquema analgésico prescrito junto à equipe médica.
  • 20.
  • 21. Classificação da Dor  Aguda ou Crônica  Somática e Visceral  Neuropática  Orientações da OMS  Avaliar a intensidade da dor (ESCALAS);  Doses individualizadas;  Medicações em intervalos regulares;  Disponibilizar de doses de resgate;  Utilizar a via oral sempre que possível;  Controlar os efeitos adversos;
  • 22. Controle do odor  Odor grau I (sentido ao abrir o curativo) -Hidróxido de Alumínio após higienização com S.F. 0,9% ou água tratada (fervida e filtrada) irrigando a ferida e deixando gazes embebidas com Hidróxido de Alumínio no leito ulceral.  Odor grau II (sentido no ambiente próximo ao paciente, sem abrir o curativo) - Metronidazol gel 0,8% , sobre o leito ulceral, após higienização da ferida com água tratada ou S.F. 0,9%.  Odor grau III (sentido no ambiente, sem abrir o curativo é caracteristicamente forte e/ou nauseante) – Clorohexedine, Metronidazol gel 0,8% tópico e considerar possibilidade de uso sistêmico por 15 dias
  • 23. Condições a serem reportadas à equipe médica  Exsudato, mau cheiro, prurido persistente e presença de celulite  Piora ou mudança na característica da dor  Sangramento severo e Estresse emocional  Febre (pois será indicativo da necessidade de antibioticoterapia sistêmica a critério médico)  Mudanças não usuais na ferida (miíases, fístulas e comprometimento de outros órgãos).
  • 24. Resultados esperados com o uso do protocolo para feridas  Que ele saiba usar intervenções para o cuidado da ferida em domicílio de acordo com as necessidades específicas  Que ele saiba identificar e reportar as condições de maneira apropriada;  Que ele tenha conforto, bem-estar físico e psicológico, autoestima e reintegração no meio social nos últimos dias de vida;
  • 25. Atenção!  As metas do tratamento da ferida neoplásica é paliativa - Redução da dor - Redução do odor Melhor qualidade de vida - Redução do desconforto Não utilizar produtos que estimulem a neovascularização!
  • 26. Cuidados Paliativos: Definição São uma abordagem que melhora a qualidade de vida de pacientes e suas famílias enfrentando problemas associados com doenças que ameaçam a vida, através da prevenção e alívio do sofrimento por meio da identificação precoce, avaliação impecável e tratamento da dor e outros problemas físicos, psicossociais e espirituais.
  • 27. QUANDO INICIAR? OMS/2002 “De preferência a partir do diagnóstico de uma doença potencialmente letal”. O mais precoce possível!
  • 28. CUIDADOS PALIATIVOS •Discutir os desejos finais do paciente •Afirmar a VIDA e considerar a MORTE como um processo natural; •Não pretendem acelerar nem adiar a morte; •Preparar a família para o luto •Alertar para incapacidades irreversíveis •Identificar necessidades e oferecer suporte ao paciente e à família •Discutir as opções terapêuticas •Evitar intervenções inapropriadas
  • 30. “Qualquer que seja a doença, não importa quão avançada esteja ou quais tratamentos já tenham sido recebidos,haverá sempre alguma coisa que pode ser feita para promover a qualidade de vida que resta para o paciente”. (Kubbler- Ross)