SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Ester Priscila da Silva Santos
Larissa Gonçalves Silva
Manejo
Integrado de
Pragas no Arroz
Conhecer o hábito da praga;
Saber a fase de desenvolvimento da planta e a
preferência do inseto no ataque;
Ter conhecimento dos métodos de controle;
Identificar a praga.
INTRODUÇÃO
Fonte: Cultivo do Arroz de Terras Altas -
Sistemas de Produção – Embrapa 2003
Fig. 1. Relação entre
espécie praga e fases de
desenvolvimento do arroz.
O Arroz de terras altas e o arroz irrigado possuem as
mesmas pragas, mas algumas são específicas do
mecanismo de cultivos.
Sendo dividido em dois grupos:
- Pragas de solos;
- Pragas de partes aéreas.
Arroz de terras altas
PRAGAS DE
SOLO
Fonte: Sistema de produção de
arroz de terras altas 2008
Isoptera;
Procornitermes triacifer e Syntermes molestus
Burmeister.
São pragas típicas de arroz de terras altas.
Causam bastante prejuízo na fase inicial da cultura.
Danos: destruição parcial ou total das raízes das plantas.
Enfraquecimento das plantas atacadas, favorecendo as
plantas daninhas.
CUPIM
Fonte: Manual de identificação de
pragas do Arroz – Embrapa
Fonte: Embrapa Arroz e Feijão.
“Broca-do-colo” (Elasmopalpus lignosellus).
Uma das principais pragas que ataca o arroz de terras
altas na fase inicial das plantas.
Frequente em solos arenosos.
Danos: As lagartas broqueiam o colmo na sua base,
próxima da superfície do solo. Provocando “coração
morto”.
Lagarta Elasmo
Fonte: Manual de identificação de
pragas do arrroz – Embrapa 1998.
Coleoptera;
As posturas são feitas no solo o período larval pode
chegar a 20 meses.
Adultos surgem após as primeiras chuvas.
Danos: As larvas alimentam-se de raízes, causando
amarelecimento e definhamento das plantas, que
podem morrer, ocasionando falhas na lavouras.
Bicho Bolo ou Pão de Galinha
Fonte: Manual de insetos associados à cultura
do arroz – IRGA 2010
Fonte: Manual de insetos associados à cultura
do arroz – IRGA 2010
Arroz Irrigado por Inundação
PRAGAS DE
SOLO
Bicheira-do-arroz Oryzophagus oryzae;
Fêmeas põem os ovos nas folhas e colmos, larvas se
alimentam no local da postura, e após 1 a 2 dias
chegam as raízes.
As larvas preferem as raízes novas, que servem para
absorção dos nutrientes.
Gorgulho-aquático
Fonte: Manual de identificação de
pragas do arrroz – Embrapa 1998.
Danos: Podem provocar a destruição total das raízes.
As plantas atacadas ficam menores, amareladas e as
folhas, com as extremidades murchas.
Fonte: Manual de insetos associados à cultura do arroz – IRGA 2010
Arroz de terras altas e irrigado por inundação.
PRAGAS DE PARTE AÉREA
Lagarta-dos-arrozais (Spodoptera frugiperda);
Curuquerê-dos-capinzais (Mocis latipes).
Lagartas desfolhadoras
Fonte: Manual de insetos associados à cultura
do arroz – IRGA 2010
Em áreas de sequeiro, chegam a consumir até no nível
do solo, destruindo totalmente a cultura. Em lavoura
irrigada, pode haver redução da área foliar das plantas;
Lagartas alimentam-se das
folhas do arroz e também dos
colmos das plantas jovens.
Fonte: Manual de insetos associados à cultura
do arroz – IRGA 2010
Lagartas do primeiro ínstar alimentam-se sob a
bainha das folhas, causando amarelecimento da parte
externa;
Penetram nos colmos, provocando, os sintomas de
“coração morto” e “panícula branca”;
Transformam-se em pupas no interior dos colmos.
Diatraea saccharalis
Fonte: Manual de identificação de pragas do arrroz – Embrapa 1998.
Pseudaletia sequax e P. adultera;
Nos primeiros estágios as lagartas se alimentam das
folhas, nos últimos atacam as panículas;
Após a emissão da panícula, realizar amostragens
diárias. A cada lagarta/m2 ocorre redução de 3% da
produtividade.
Lagarta-da-panícula
Fonte: Manual de insetos associados à cultura do arroz – IRGA
2010
Nymphula indomitalis;
Lagartas, cortam as folhas devido os primeiros
“banhos” do arroz, protegem-se no interior dos
cartuchos feito com essa folha cortada, que flutuam
na água e espalham-se pela cultura;
Seu ataque é percebido pelas manchas
esbranquiçadas nas folhas cortadas, flutuando na
água.
Lagarta-boiadeira
Fonte: Manual de insetos associados à cultura
do arroz – IRGA 2010
Hemiptera - Tibraca limbativentris;
Introduz o estilete nos colmos e injetam na planta sua
toxina;
Fase vegetativa: Secamento das folhas centrais,
“coração morto”;
Fase reprodutiva: “Panícula branca” ou a esterilidade
parcial dos grãos .
Percevejo do colmo
Fonte: Manual de insetos associados à cultura do
arroz – IRGA 2010
Hemiptera Deois flavopicta;
Ocorre em áreas próximas às pastagens,
principalmente de braquiária;
Danos: introduzem toxinas que resultam no
aparecimento de folhas amarelas com faixas brancas e
pontas murchas. Infestações severas resultam na seca
das folhas, seguida pela morte da planta.
Cigarrinha-das-pastagens
Fonte: Manual de insetos associados à cultura do arroz – IRGA 2010
Percevejos das panículas (Hemiptera) - Oebalus
poecilus e O. ypsilongriseus;
São vetores de várias espécies de fungos causadores
de
manchas nos grãos de arroz;
Migram para os arrozais quando aparecem as
primeiras espiguetas na fase leitosa, provocando
“chochamento” e não formação das sementes.
Percevejo-do-grão
Espiguetas com conteúdo pastoso atacadas
apresentam:
- Menor poder germinativo
- São mais leves
- Quebram mais facilmente durante o beneficiamento
- E depois de beneficiados apresentam manchas
escuras.
Fonte: Sistema de produção de
arroz de terras altas 2008
Fonte: Manual de identificação de
pragas do Arroz – Embrapa
Insetos-pragas do
arroz armazenado
Na América Latina os prejuízos devido as pragas de
grãos armazenados chegam a 10% da produção total
de grãos;
No Brasil 20% do total de grãos;
A infestação inicial ocorre no campo, sendo trazido
na forma de ovo para o armazém;
Altos teores de substâncias exóticas (cairomônios)
atraem insetos para os armazéns.
Lepidoptera - Sitotroga cerealella;
As lagartas furam o grão, escavando uma câmara de
forma cilíndrica, que é alargada à medida que
crescem.
Traça dos cereais
Fonte: Manual de identificação de
pragas do Arroz – Embrapa
As fêmeas adultas fazem pequenas cavidades no grão
para inserção dos ovos;
As larvas desenvolvem dentro do grão, escavando-o à
medida que crescem;
Todas as fases de desenvolvimento do inseto ocorre
no interior dos grãos, que os usam como alimento e
abrigo.
Gorgulhos Sitophilus zeamais
Fonte: Manual de identificação de
pragas do Arroz – Embrapa
Rhyzopertha dominica;
Cada fêmea pode colocar de 300 a 500 ovos;
As perfurações feitas por esse inseto são diferentes
das anteriores.
Furador Pequeno dos Grãos
Fonte: Manual de identificação de
pragas do Arroz – Embrapa
Alicerces para tomada de decisões:
- Identificação da Praga;
- Amostragens periódicas;
- Níveis de controle;
- Mortalidade natural no Agroecossistema.
Caracterização do MIP
Manipulação do Ambiente;
Cultivares Resistentes;
Controle Biológico;
Controle Químico.
Medidas de Controle
Redução das plantas daninhas;
Rotação de culturas;
Incorporação dos restos culturais após a colheita;
Gradagem do solo;
Adubação;
Manejo de água;
Área armadilha;
Evitar a queima.
Práticas Culturais
Nível de Controle
INIMIGO NATURAL PRAGA CONTROLADA
Predadores
Pássaros Insetos em geral
Carabidae (Coleoptera) Lagartas desfolhadoras e de solo
Tesourinhas (Dermaptera) Lagartas desfolhadoras e ovos
Reduviidae (Heteroptera) Lagartas desfolhadoras e percevejo do grão
Vespidae (Hynenoptera) Lagartas desfolhadoras
Parasitóides
Tachinidae (Diptera)
Lagarta elasmo, lagartas desfolhadoras e ninfas de
percevejo do grão
Encyrtidae (Hynenoptera) Ovos de percevejo do grão e percevejo do colmo
Trichogrammatidae (Hymenoptera) Ovos de lagarta elasmo
Braconidae (Hymenoptera) Lagarta elasmo
Ichneumonodae (Hymenoptera) Lagarta elasmo
Fungos entomopatogênicos
Beauveria bassiana
Lagarta elasmo, percevejo do grão e percevejo do
colmo
Metarhizium anisopliae Lagarta elasmo e percevejo do colmo
Bactéria entomopatogênica Bacillus thuringiensis Lagartas
Vírus entomopatogênicos Baculovirus spodoptera Lagarta do cartucho do milho
Controle Biológico
Controle Químico - TS
Produtos químicos registrados para controle das
pragas do arroz.
Controle Químico
Texto ou subtópicos.
Controle Químico – Arroz armazenado
Ester Priscila da Silva Santos
Ester Priscila da Silva Santos
ester-pr@hotmail.com
Larissa Gonçalves Silva
Laririzzie@gmail.com
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Geagra UFG
 
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuaisPragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
natalia machado
 

Mais procurados (20)

Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
 
Pulverização
PulverizaçãoPulverização
Pulverização
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiroManejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
 
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuaisPragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
 
Brassicaceae
BrassicaceaeBrassicaceae
Brassicaceae
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIROMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
 
Manejo de pragas no algodoeiro
Manejo de pragas no algodoeiroManejo de pragas no algodoeiro
Manejo de pragas no algodoeiro
 
Herbicidas
HerbicidasHerbicidas
Herbicidas
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
 
Plantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassolPlantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassol
 
Classificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNewClassificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNew
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 

Destaque

Destaque (20)

Pós-colheita e Beneficiamento do Arroz
Pós-colheita e Beneficiamento do ArrozPós-colheita e Beneficiamento do Arroz
Pós-colheita e Beneficiamento do Arroz
 
Colheita do Arroz
Colheita do ArrozColheita do Arroz
Colheita do Arroz
 
Tecnologia utilizada no feijão irrigado
Tecnologia utilizada no feijão irrigadoTecnologia utilizada no feijão irrigado
Tecnologia utilizada no feijão irrigado
 
Manejo do Solo no Arroz de Terras Altas
Manejo do Solo no Arroz de Terras AltasManejo do Solo no Arroz de Terras Altas
Manejo do Solo no Arroz de Terras Altas
 
Sistemas de Irrigação no Arroz
Sistemas de Irrigação no ArrozSistemas de Irrigação no Arroz
Sistemas de Irrigação no Arroz
 
Mercado e Comercialização do Feijão
Mercado e Comercialização do FeijãoMercado e Comercialização do Feijão
Mercado e Comercialização do Feijão
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
 
CULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJACULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJA
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
 
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃOMANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
 
COMERCIALIZAÇÃO DA SOJA
COMERCIALIZAÇÃO DA SOJACOMERCIALIZAÇÃO DA SOJA
COMERCIALIZAÇÃO DA SOJA
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
 
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA SOJAFIXAÇÃO BIOLÓGICA NA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA SOJA
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
 
Herbicidas - 2ª safra
Herbicidas - 2ª safraHerbicidas - 2ª safra
Herbicidas - 2ª safra
 
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO FEIJÃOMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO FEIJÃO
 
Fungicida no Milho
Fungicida no MilhoFungicida no Milho
Fungicida no Milho
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
 

Semelhante a Manejo Integrado de Pragas no Arroz

Controle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragasControle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragas
Alexandre Panerai
 
Aula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas pdf (1).pdf
Aula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas  pdf (1).pdfAula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas  pdf (1).pdf
Aula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas pdf (1).pdf
GilsonRibeiroNachtig
 

Semelhante a Manejo Integrado de Pragas no Arroz (20)

Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
 
Pragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docxPragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docx
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃO
 
Poster pragas em hortaliças ok
Poster pragas em hortaliças okPoster pragas em hortaliças ok
Poster pragas em hortaliças ok
 
MANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDESMANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDES
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
 
Pragas e doencas
Pragas e doencasPragas e doencas
Pragas e doencas
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
pragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdfpragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdf
 
Poster castanea sativa ok
Poster castanea sativa okPoster castanea sativa ok
Poster castanea sativa ok
 
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para florestaPopula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
 
Controle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragasControle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragas
 
Controle biológico de pragas
Controle biológico de pragasControle biológico de pragas
Controle biológico de pragas
 
Controle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragasControle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragas
 
Aula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas pdf (1).pdf
Aula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas  pdf (1).pdfAula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas  pdf (1).pdf
Aula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas pdf (1).pdf
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
 
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptxTrabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no Algodoeiro
 
P oaceae aula 5jj
P oaceae   aula 5jjP oaceae   aula 5jj
P oaceae aula 5jj
 

Mais de Geagra UFG

Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 

Manejo Integrado de Pragas no Arroz

  • 1. Ester Priscila da Silva Santos Larissa Gonçalves Silva Manejo Integrado de Pragas no Arroz
  • 2. Conhecer o hábito da praga; Saber a fase de desenvolvimento da planta e a preferência do inseto no ataque; Ter conhecimento dos métodos de controle; Identificar a praga. INTRODUÇÃO
  • 3. Fonte: Cultivo do Arroz de Terras Altas - Sistemas de Produção – Embrapa 2003 Fig. 1. Relação entre espécie praga e fases de desenvolvimento do arroz.
  • 4. O Arroz de terras altas e o arroz irrigado possuem as mesmas pragas, mas algumas são específicas do mecanismo de cultivos. Sendo dividido em dois grupos: - Pragas de solos; - Pragas de partes aéreas.
  • 5. Arroz de terras altas PRAGAS DE SOLO Fonte: Sistema de produção de arroz de terras altas 2008
  • 6. Isoptera; Procornitermes triacifer e Syntermes molestus Burmeister. São pragas típicas de arroz de terras altas. Causam bastante prejuízo na fase inicial da cultura. Danos: destruição parcial ou total das raízes das plantas. Enfraquecimento das plantas atacadas, favorecendo as plantas daninhas. CUPIM
  • 7. Fonte: Manual de identificação de pragas do Arroz – Embrapa
  • 8. Fonte: Embrapa Arroz e Feijão.
  • 9. “Broca-do-colo” (Elasmopalpus lignosellus). Uma das principais pragas que ataca o arroz de terras altas na fase inicial das plantas. Frequente em solos arenosos. Danos: As lagartas broqueiam o colmo na sua base, próxima da superfície do solo. Provocando “coração morto”. Lagarta Elasmo
  • 10. Fonte: Manual de identificação de pragas do arrroz – Embrapa 1998.
  • 11. Coleoptera; As posturas são feitas no solo o período larval pode chegar a 20 meses. Adultos surgem após as primeiras chuvas. Danos: As larvas alimentam-se de raízes, causando amarelecimento e definhamento das plantas, que podem morrer, ocasionando falhas na lavouras. Bicho Bolo ou Pão de Galinha
  • 12. Fonte: Manual de insetos associados à cultura do arroz – IRGA 2010 Fonte: Manual de insetos associados à cultura do arroz – IRGA 2010
  • 13. Arroz Irrigado por Inundação PRAGAS DE SOLO
  • 14. Bicheira-do-arroz Oryzophagus oryzae; Fêmeas põem os ovos nas folhas e colmos, larvas se alimentam no local da postura, e após 1 a 2 dias chegam as raízes. As larvas preferem as raízes novas, que servem para absorção dos nutrientes. Gorgulho-aquático Fonte: Manual de identificação de pragas do arrroz – Embrapa 1998.
  • 15. Danos: Podem provocar a destruição total das raízes. As plantas atacadas ficam menores, amareladas e as folhas, com as extremidades murchas. Fonte: Manual de insetos associados à cultura do arroz – IRGA 2010
  • 16. Arroz de terras altas e irrigado por inundação. PRAGAS DE PARTE AÉREA
  • 17. Lagarta-dos-arrozais (Spodoptera frugiperda); Curuquerê-dos-capinzais (Mocis latipes). Lagartas desfolhadoras Fonte: Manual de insetos associados à cultura do arroz – IRGA 2010
  • 18. Em áreas de sequeiro, chegam a consumir até no nível do solo, destruindo totalmente a cultura. Em lavoura irrigada, pode haver redução da área foliar das plantas; Lagartas alimentam-se das folhas do arroz e também dos colmos das plantas jovens. Fonte: Manual de insetos associados à cultura do arroz – IRGA 2010
  • 19. Lagartas do primeiro ínstar alimentam-se sob a bainha das folhas, causando amarelecimento da parte externa; Penetram nos colmos, provocando, os sintomas de “coração morto” e “panícula branca”; Transformam-se em pupas no interior dos colmos. Diatraea saccharalis
  • 20. Fonte: Manual de identificação de pragas do arrroz – Embrapa 1998.
  • 21. Pseudaletia sequax e P. adultera; Nos primeiros estágios as lagartas se alimentam das folhas, nos últimos atacam as panículas; Após a emissão da panícula, realizar amostragens diárias. A cada lagarta/m2 ocorre redução de 3% da produtividade. Lagarta-da-panícula
  • 22. Fonte: Manual de insetos associados à cultura do arroz – IRGA 2010
  • 23. Nymphula indomitalis; Lagartas, cortam as folhas devido os primeiros “banhos” do arroz, protegem-se no interior dos cartuchos feito com essa folha cortada, que flutuam na água e espalham-se pela cultura; Seu ataque é percebido pelas manchas esbranquiçadas nas folhas cortadas, flutuando na água. Lagarta-boiadeira
  • 24. Fonte: Manual de insetos associados à cultura do arroz – IRGA 2010
  • 25. Hemiptera - Tibraca limbativentris; Introduz o estilete nos colmos e injetam na planta sua toxina; Fase vegetativa: Secamento das folhas centrais, “coração morto”; Fase reprodutiva: “Panícula branca” ou a esterilidade parcial dos grãos . Percevejo do colmo
  • 26. Fonte: Manual de insetos associados à cultura do arroz – IRGA 2010
  • 27. Hemiptera Deois flavopicta; Ocorre em áreas próximas às pastagens, principalmente de braquiária; Danos: introduzem toxinas que resultam no aparecimento de folhas amarelas com faixas brancas e pontas murchas. Infestações severas resultam na seca das folhas, seguida pela morte da planta. Cigarrinha-das-pastagens
  • 28. Fonte: Manual de insetos associados à cultura do arroz – IRGA 2010
  • 29. Percevejos das panículas (Hemiptera) - Oebalus poecilus e O. ypsilongriseus; São vetores de várias espécies de fungos causadores de manchas nos grãos de arroz; Migram para os arrozais quando aparecem as primeiras espiguetas na fase leitosa, provocando “chochamento” e não formação das sementes. Percevejo-do-grão
  • 30. Espiguetas com conteúdo pastoso atacadas apresentam: - Menor poder germinativo - São mais leves - Quebram mais facilmente durante o beneficiamento - E depois de beneficiados apresentam manchas escuras.
  • 31. Fonte: Sistema de produção de arroz de terras altas 2008
  • 32. Fonte: Manual de identificação de pragas do Arroz – Embrapa
  • 34. Na América Latina os prejuízos devido as pragas de grãos armazenados chegam a 10% da produção total de grãos; No Brasil 20% do total de grãos; A infestação inicial ocorre no campo, sendo trazido na forma de ovo para o armazém; Altos teores de substâncias exóticas (cairomônios) atraem insetos para os armazéns.
  • 35. Lepidoptera - Sitotroga cerealella; As lagartas furam o grão, escavando uma câmara de forma cilíndrica, que é alargada à medida que crescem. Traça dos cereais Fonte: Manual de identificação de pragas do Arroz – Embrapa
  • 36. As fêmeas adultas fazem pequenas cavidades no grão para inserção dos ovos; As larvas desenvolvem dentro do grão, escavando-o à medida que crescem; Todas as fases de desenvolvimento do inseto ocorre no interior dos grãos, que os usam como alimento e abrigo. Gorgulhos Sitophilus zeamais
  • 37. Fonte: Manual de identificação de pragas do Arroz – Embrapa
  • 38. Rhyzopertha dominica; Cada fêmea pode colocar de 300 a 500 ovos; As perfurações feitas por esse inseto são diferentes das anteriores. Furador Pequeno dos Grãos Fonte: Manual de identificação de pragas do Arroz – Embrapa
  • 39. Alicerces para tomada de decisões: - Identificação da Praga; - Amostragens periódicas; - Níveis de controle; - Mortalidade natural no Agroecossistema. Caracterização do MIP
  • 40. Manipulação do Ambiente; Cultivares Resistentes; Controle Biológico; Controle Químico. Medidas de Controle
  • 41. Redução das plantas daninhas; Rotação de culturas; Incorporação dos restos culturais após a colheita; Gradagem do solo; Adubação; Manejo de água; Área armadilha; Evitar a queima. Práticas Culturais
  • 43. INIMIGO NATURAL PRAGA CONTROLADA Predadores Pássaros Insetos em geral Carabidae (Coleoptera) Lagartas desfolhadoras e de solo Tesourinhas (Dermaptera) Lagartas desfolhadoras e ovos Reduviidae (Heteroptera) Lagartas desfolhadoras e percevejo do grão Vespidae (Hynenoptera) Lagartas desfolhadoras Parasitóides Tachinidae (Diptera) Lagarta elasmo, lagartas desfolhadoras e ninfas de percevejo do grão Encyrtidae (Hynenoptera) Ovos de percevejo do grão e percevejo do colmo Trichogrammatidae (Hymenoptera) Ovos de lagarta elasmo Braconidae (Hymenoptera) Lagarta elasmo Ichneumonodae (Hymenoptera) Lagarta elasmo Fungos entomopatogênicos Beauveria bassiana Lagarta elasmo, percevejo do grão e percevejo do colmo Metarhizium anisopliae Lagarta elasmo e percevejo do colmo Bactéria entomopatogênica Bacillus thuringiensis Lagartas Vírus entomopatogênicos Baculovirus spodoptera Lagarta do cartucho do milho Controle Biológico
  • 45.
  • 46. Produtos químicos registrados para controle das pragas do arroz. Controle Químico
  • 47.
  • 48.
  • 49. Texto ou subtópicos. Controle Químico – Arroz armazenado
  • 50. Ester Priscila da Silva Santos Ester Priscila da Silva Santos ester-pr@hotmail.com Larissa Gonçalves Silva Laririzzie@gmail.com Obrigado!