SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
2º DISC.: Saúde Coletiva 12º DISC.: Saúde Coletiva 1
Professora: Alice Maria PedrosaProfessora: Alice Maria Pedrosa

DescriçãoDescrição
 A Malária é uma doença infecciosa febril aguda ou crônica,
cujos agentes etiológicos são protozoários transmitidos por
vetores. Reveste-se de importância epidemiológica, atualmente,
pela sua elevada incidência na região amazônica e potencial
gravidade clínica. Causa de consideráveis perdas sociais e
econômicas na população em sob-risco, principalmente aquela
que vive em condições precárias de habitação e saneamento.
 A Malária é uma doença infecciosa febril aguda ou crônica,
cujos agentes etiológicos são protozoários transmitidos por
vetores. Reveste-se de importância epidemiológica, atualmente,
pela sua elevada incidência na região amazônica e potencial
gravidade clínica. Causa de consideráveis perdas sociais e
econômicas na população em sob-risco, principalmente aquela
que vive em condições precárias de habitação e saneamento.

Agente EtiológicoAgente Etiológico
 O agente etiológico da malária, isto é, o agente causador da
malária é o mosquito Anopheles fêmea, que pode estar
contaminado com 4 tipos de parasitas diferentes São eles:
 Plasmodium falciparum: causa malária malígna;
 Plasmodium vivax: causa malária benígna;
 Plasmodium malariae: causa malária benígna;
 Plasmodium ovale: causa malária benígna.
 Os parasitas presentes no mosquito instalam-se no fígado
humano após a picada e amadurecem em 2 a 4 semanas. Após
esse período invadem e destroem as células vermelhas do
sangue causando os sintomas típicos da doença.
 O agente etiológico da malária, isto é, o agente causador da
malária é o mosquito Anopheles fêmea, que pode estar
contaminado com 4 tipos de parasitas diferentes São eles:
 Plasmodium falciparum: causa malária malígna;
 Plasmodium vivax: causa malária benígna;
 Plasmodium malariae: causa malária benígna;
 Plasmodium ovale: causa malária benígna.
 Os parasitas presentes no mosquito instalam-se no fígado
humano após a picada e amadurecem em 2 a 4 semanas. Após
esse período invadem e destroem as células vermelhas do
sangue causando os sintomas típicos da doença.

SintomasSintomas
 Saber identificar os sintomas da malária é importante para iniciar o
tratamento precocemente e assim diminuir o risco de complicações que a
doença pode trazer. São sintomas da malária:
 Febre alta;
 Dor de cabeça;
 Dor no corpo;
 Fraqueza;
 Dores musculares;
 Calafrios;
 Mal-estar generalizado;
 Dor abdominal;
 Tontura;
 Tremores forte que podem durar de 15 minutos a 1 hora;
 Náuseas e
 Vômitos.
 Saber identificar os sintomas da malária é importante para iniciar o
tratamento precocemente e assim diminuir o risco de complicações que a
doença pode trazer. São sintomas da malária:
 Febre alta;
 Dor de cabeça;
 Dor no corpo;
 Fraqueza;
 Dores musculares;
 Calafrios;
 Mal-estar generalizado;
 Dor abdominal;
 Tontura;
 Tremores forte que podem durar de 15 minutos a 1 hora;
 Náuseas e
 Vômitos.

 Em caso de infecção pelo P. falciparum, pode haver ainda sintomas
como:
 Choque circulatório;
 Desmaio;
 Delírios;
 Convulsões;
 Urina escura;
 Dificuldade em respirar;
 Hipoglicemia;
 Inchaço e dor abdominal.
 Estes sintomas podem iniciar de 8 a 17 dias após a picada do
mosquito, mas em alguns casos podem demorar meses para se
manifestar.
 Em caso de infecção pelo P. falciparum, pode haver ainda sintomas
como:
 Choque circulatório;
 Desmaio;
 Delírios;
 Convulsões;
 Urina escura;
 Dificuldade em respirar;
 Hipoglicemia;
 Inchaço e dor abdominal.
 Estes sintomas podem iniciar de 8 a 17 dias após a picada do
mosquito, mas em alguns casos podem demorar meses para se
manifestar.

 Os sintomas da malária surgem em forma de surtos. O
indivíduo pode apresentar alguns destes sintomas num
determinado momento do dia, e depois sente-se bem, até que
surja uma nova crise de 2 a 3 dias depois.
 Os episódios podem iniciar de repente com calafrios e
tremores, acompanhados por sudorese e febre intermitente.
Esses sintomas seguem sempre um padrão semelhante,
podendo ser acompanhados de um período de cefaléia ou de
mal-estar, calafrios com tremores e febre que dura de 1 a 8
horas.
 Dependendo do tipo de malária os sintomas podem voltar a
cada 2, 3 ou 4 dias. Os padrões da doença variam de acordo
com o tipo de malária (malária malígna ou não) e as
complicações podem ser fatais.
 Os sintomas da malária surgem em forma de surtos. O
indivíduo pode apresentar alguns destes sintomas num
determinado momento do dia, e depois sente-se bem, até que
surja uma nova crise de 2 a 3 dias depois.
 Os episódios podem iniciar de repente com calafrios e
tremores, acompanhados por sudorese e febre intermitente.
Esses sintomas seguem sempre um padrão semelhante,
podendo ser acompanhados de um período de cefaléia ou de
mal-estar, calafrios com tremores e febre que dura de 1 a 8
horas.
 Dependendo do tipo de malária os sintomas podem voltar a
cada 2, 3 ou 4 dias. Os padrões da doença variam de acordo
com o tipo de malária (malária malígna ou não) e as
complicações podem ser fatais.

Complicações
 São complicações da malária:
 Comprometimento cerebral;
 Dificuldade na aprendizagem;
 Danos nos rins;
 Danos no fígado;
 Coma e
 Morte.
 A malária é transmitida pela picada das fêmeas de mosquitos
do gênero Anopheles. A transmissão geralmente ocorre em
regiões rurais e semi-rurais, mas pode ocorrer em
áreas urbanas, principalmente em periferias. Em cidades
situadas em locais cuja altitude seja superior a 1500 metros, no
entanto, o risco de aquisição de malária é pequeno. Os
mosquitos têm maior atividade durante o período da noite, do
crepúsculo ao amanhecer. Contaminam-se ao picar os
portadores da doença, tornando-se o principal vetor de
transmissão desta para outras pessoas.
 O período de incubação da malária varia de acordo com a
espécie de plasmódio. Para P. falciparum, de 8 a 12 dias; P.
vivax, 13 a 17; e P. malariae, 18 a 30 dias.
 A malária é transmitida pela picada das fêmeas de mosquitos
do gênero Anopheles. A transmissão geralmente ocorre em
regiões rurais e semi-rurais, mas pode ocorrer em
áreas urbanas, principalmente em periferias. Em cidades
situadas em locais cuja altitude seja superior a 1500 metros, no
entanto, o risco de aquisição de malária é pequeno. Os
mosquitos têm maior atividade durante o período da noite, do
crepúsculo ao amanhecer. Contaminam-se ao picar os
portadores da doença, tornando-se o principal vetor de
transmissão desta para outras pessoas.
 O período de incubação da malária varia de acordo com a
espécie de plasmódio. Para P. falciparum, de 8 a 12 dias; P.
vivax, 13 a 17; e P. malariae, 18 a 30 dias.
TransmissãoTransmissão
 Os métodos usado para prevenir a dispersão da malária ou proteger as
pessoas em áreas endêmicas incluem: erradicação do mosquito, drogas
profiláticas, e prevenção de picadas de mosquitos.
Para prevenir a contaminação com a Malária, deve-se:
 • Evitar os locais endêmicos;
 • Usar repelentes de insetos diariamente;
 • Usar mosquiteiro, telas nas janelas e portas e
 • Usar roupas de manga comprida.
 Evitar o acúmulo de água parada a fim de impedir a ovoposição e
nascimento de novos mosquitos é outra forma de evitar a malária.
* Viajantes devem ser orientados sobre as formas de prevenção contra as
picadas dos mosquitos antes de realizar a viagem e alertados que devem
procurar ajuda médica imediata se notarem os sintomas relacionados à
doença.
 A quimioprofilaxia consiste na toma de medicamentos como forma de
prevenção da malária. Os medicamentos utilizados são os anti-maláricos
sob orientação médica, que devem ser tomados antes, durante e depois da
viagem.
 Os métodos usado para prevenir a dispersão da malária ou proteger as
pessoas em áreas endêmicas incluem: erradicação do mosquito, drogas
profiláticas, e prevenção de picadas de mosquitos.
Para prevenir a contaminação com a Malária, deve-se:
 • Evitar os locais endêmicos;
 • Usar repelentes de insetos diariamente;
 • Usar mosquiteiro, telas nas janelas e portas e
 • Usar roupas de manga comprida.
 Evitar o acúmulo de água parada a fim de impedir a ovoposição e
nascimento de novos mosquitos é outra forma de evitar a malária.
* Viajantes devem ser orientados sobre as formas de prevenção contra as
picadas dos mosquitos antes de realizar a viagem e alertados que devem
procurar ajuda médica imediata se notarem os sintomas relacionados à
doença.
 A quimioprofilaxia consiste na toma de medicamentos como forma de
prevenção da malária. Os medicamentos utilizados são os anti-maláricos
sob orientação médica, que devem ser tomados antes, durante e depois da
viagem.
PrevençãoPrevenção
 O elemento fundamental no diagnóstico clínico da
malária, tanto nas áreas endêmicas como não-endêmicas, é
sempre pensar na possibilidade da doença. Como a
distribuição geográfica da malária não é homogênea, nem
mesmo nos países onde a transmissão é elevada, torna-se
importante, durante o exame clínico, resgatar informações
sobre a área de residência ou relato de viagens de
exposição ao parasita como nas áreas endêmicas
(tropicais).
 Além disso, informações sobre transfusão de sangue,
compartilhamento de agulhas em usuários de drogas
injetáveis, transplante de órgãos podem sugerir a
possibilidade de malária induzida.
 O elemento fundamental no diagnóstico clínico da
malária, tanto nas áreas endêmicas como não-endêmicas, é
sempre pensar na possibilidade da doença. Como a
distribuição geográfica da malária não é homogênea, nem
mesmo nos países onde a transmissão é elevada, torna-se
importante, durante o exame clínico, resgatar informações
sobre a área de residência ou relato de viagens de
exposição ao parasita como nas áreas endêmicas
(tropicais).
 Além disso, informações sobre transfusão de sangue,
compartilhamento de agulhas em usuários de drogas
injetáveis, transplante de órgãos podem sugerir a
possibilidade de malária induzida.
DiagnósticoDiagnóstico

 O diagnóstico de certeza da infecção malárica só é possível pela
demonstração do parasito, ou de antígenos relacionados, no sangue
periférico do paciente, através dos métodos diagnósticos especificados a
seguir:
 Gota espessa - É o método adotado oficialmente no Brasil para o
diagnóstico da malária. Mesmo após o avanço de técnicas diagnósticas, este
exame continua sendo um método simples, eficaz, de baixo custo e fácil
realização. Sua técnica baseia-se na visualização do parasito através de
microscopia ótica, após coloração com corante vital (azul de metileno e
Giemsa), permitindo a diferenciação específica dos parasitos a partir da
análise da sua morfologia, e pelos estágios de desenvolvimento do parasito
encontrados no sangue periférico.
 Esfregaço delgado - Possui baixa sensibilidade (estima-se que, a gota
espessa é cerca de 30 vezes mais eficiente que o esfregaço delgado na
detecção da infecção malárica). Porém, o esfregaço delgado é o único
método que permite, com facilidade e segurança, a diferenciação específica
dos parasitos, a partir da análise da sua morfologia e das alterações
provocadas no eritrócito infectado.
 Testes rápidos para detecção de componentes antigênicos de plasmódio -
Testes imunocromatográficos representam novos métodos de diagnóstico
rápido de malária. Realizados em fitas de nitrocelulose contendo anticorpo
monoclonal contra antígenos específicos do parasito. Apresentam
sensibilidade superior a 95% quando comparado à gota espessa, e com
parasitemia superior a 100 parasitos/μL.
 O diagnóstico de certeza da infecção malárica só é possível pela
demonstração do parasito, ou de antígenos relacionados, no sangue
periférico do paciente, através dos métodos diagnósticos especificados a
seguir:
 Gota espessa - É o método adotado oficialmente no Brasil para o
diagnóstico da malária. Mesmo após o avanço de técnicas diagnósticas, este
exame continua sendo um método simples, eficaz, de baixo custo e fácil
realização. Sua técnica baseia-se na visualização do parasito através de
microscopia ótica, após coloração com corante vital (azul de metileno e
Giemsa), permitindo a diferenciação específica dos parasitos a partir da
análise da sua morfologia, e pelos estágios de desenvolvimento do parasito
encontrados no sangue periférico.
 Esfregaço delgado - Possui baixa sensibilidade (estima-se que, a gota
espessa é cerca de 30 vezes mais eficiente que o esfregaço delgado na
detecção da infecção malárica). Porém, o esfregaço delgado é o único
método que permite, com facilidade e segurança, a diferenciação específica
dos parasitos, a partir da análise da sua morfologia e das alterações
provocadas no eritrócito infectado.
 Testes rápidos para detecção de componentes antigênicos de plasmódio -
Testes imunocromatográficos representam novos métodos de diagnóstico
rápido de malária. Realizados em fitas de nitrocelulose contendo anticorpo
monoclonal contra antígenos específicos do parasito. Apresentam
sensibilidade superior a 95% quando comparado à gota espessa, e com
parasitemia superior a 100 parasitos/μL.
 O tratamento da malária é feito com a toma de medicamentos antimaláricos,
como a Cloroquina por 3 dias e a Primaquina por 7 ou 14 dias fornecidos
gratuitamente pelo SUS. Estes medicamentos são de dose única diária e
devem ser ingeridos junto de uma refeição para evitar dor de estômago. A
dose do medicamento varia conforme a idade e o peso do indivíduo, e os
casos mais graves necessitam de internamento hospitalar.
 Recomenda-se ainda: Alimentar-se normalmente; Não consumir bebidas
alcoólicas; Não parar o tratamento antes do conselho médico, mesmo se os
sintomas desaparecem antes, pelo risco de recidiva e complicações da
doença.
A quinina (ou o seu isómero quinidina), um medicamento antigamente
extraído da casca da Cinchona, é ainda usada no seu tratamento. No entanto,
a maioria dos parasitas já é resistente às suas acções. Foi suplantada por
drogas sintéticas mais eficientes, como quinacrina, cloroquina, e primaquina
. É frequente serem usados cocktails (misturas) de vários destes fármacos,
pois há parasitas resistentes a qualquer um deles por si só. A resistência
torna a cura difícil e cara.
 O tratamento da malária é feito com a toma de medicamentos antimaláricos,
como a Cloroquina por 3 dias e a Primaquina por 7 ou 14 dias fornecidos
gratuitamente pelo SUS. Estes medicamentos são de dose única diária e
devem ser ingeridos junto de uma refeição para evitar dor de estômago. A
dose do medicamento varia conforme a idade e o peso do indivíduo, e os
casos mais graves necessitam de internamento hospitalar.
 Recomenda-se ainda: Alimentar-se normalmente; Não consumir bebidas
alcoólicas; Não parar o tratamento antes do conselho médico, mesmo se os
sintomas desaparecem antes, pelo risco de recidiva e complicações da
doença.
A quinina (ou o seu isómero quinidina), um medicamento antigamente
extraído da casca da Cinchona, é ainda usada no seu tratamento. No entanto,
a maioria dos parasitas já é resistente às suas acções. Foi suplantada por
drogas sintéticas mais eficientes, como quinacrina, cloroquina, e primaquina
. É frequente serem usados cocktails (misturas) de vários destes fármacos,
pois há parasitas resistentes a qualquer um deles por si só. A resistência
torna a cura difícil e cara.
TratamentoTratamento
Cinchona contendo Quinina, o
primeiro antimalárico



Goleiro Danilo
 Contratado atualmente pelo
Alecrim, de Natal (do Rio Grande
do Norte), o goleiro Danilo, de 31
anos, está internado em estado
grave, desde a última quinta-feira
(4), no Hospital Giselda Trigueiro,
na capital potiguar. Ele foi
diagnosticado com malária. Danilo
já foi goleiro do Treze (de
Campina Grande, na Paraíba) em
2012.

 Danilo foi naturalizado na Guiné-Equatorial, localizado no
oeste africano, onde defendeu a seleção de futebol do país
nas eliminatórias da Copa do Mundo 2014, no mês passado.
Ele atuou nas partidas contra Cabo Verde e Tunísia. As
suspeitas são de que pode ter contraído a doença no país
africano, que já matou outro jogador brasileiro, seu
companheiro de seleção.
• De acordo com o boletim médico divulgado na última
segunda-feira (8), Danilo mostra reações à medicação e pode
deixar a respiração mecânica. “Apesar de ainda cursar com
falência de múltiplos órgãos, esboça sinais que apontam para
uma saída do respirador artificial nos próximos dias. Seu
nível de consciência ainda é muito baixo, entretanto
desenvolve atividades que nos fazem crer que, em breve
acordará. Não podemos prever ainda como será esta
apresentação de atividade cerebral.
• Fonte: http://portalcorreio.uol.com.br/ em 09 de Julho de 2013

 https://pt.wikipedia.org/wiki/Mal%C3%A1ria
 http://www.brasilescola.com/doencas/malaria.htm
 http://www.suapesquisa.com/pesquisa/malaria.htm
 http://drauziovarella.com.br/letras/m/malaria/
 http://www.minhavida.com.br/saude/temas/malaria
 http://www.tuasaude.com/malaria/
 http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/recursos/10130/malaria.
swf
 http://www.cives.ufrj.br/informacao/malaria/mal-iv.html
 http://www.infoescola.com/doencas/malaria/
 http://www.dndi.org.br/pt/doencas-negligenciadas/malaria.html
 http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/malaria/
Referências
Bibliográficas

ABNER ZAQUEL
E
VITORIA ARAUJO
Professora: ALICE MARIA PEDROSA
ABNER ZAQUEL
E
VITORIA ARAUJO
Professora: ALICE MARIA PEDROSA
Trabalho realizado por:Trabalho realizado por:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Febre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologiaFebre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologia
 
Malaria aula
Malaria aulaMalaria aula
Malaria aula
 
Doenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospiroseDoenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospirose
 
Perguntas Malária
Perguntas MaláriaPerguntas Malária
Perguntas Malária
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
àcaros e Carrapatos
àcaros e Carrapatosàcaros e Carrapatos
àcaros e Carrapatos
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Informativo leptospirose zoonose
Informativo leptospirose   zoonoseInformativo leptospirose   zoonose
Informativo leptospirose zoonose
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
 
Aula 05 bacterias
Aula   05  bacteriasAula   05  bacterias
Aula 05 bacterias
 
Raiva.
Raiva.Raiva.
Raiva.
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Malária apresentação
Malária apresentaçãoMalária apresentação
Malária apresentação
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 

Semelhante a Malária 40 (20)

ace conteudo.pptx
ace conteudo.pptxace conteudo.pptx
ace conteudo.pptx
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Parasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariaParasitologia - Malaria
Parasitologia - Malaria
 
A malária
A maláriaA malária
A malária
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
A malária - por Marco A. M. Menezes
A malária - por Marco A. M. MenezesA malária - por Marco A. M. Menezes
A malária - por Marco A. M. Menezes
 
FEBRE AMARELA
FEBRE AMARELAFEBRE AMARELA
FEBRE AMARELA
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
 
Malaria
Malaria Malaria
Malaria
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
MALÁRIA - CINCO INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA VIAJANTES.
MALÁRIA - CINCO INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA VIAJANTES.MALÁRIA - CINCO INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA VIAJANTES.
MALÁRIA - CINCO INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA VIAJANTES.
 
Malária 3 c -
Malária  3 c -Malária  3 c -
Malária 3 c -
 
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.pptFEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
 
ebola
 ebola ebola
ebola
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
Viroses
VirosesViroses
Viroses
 

Último

Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 

Último (20)

Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 

Malária 40

  • 1. 2º DISC.: Saúde Coletiva 12º DISC.: Saúde Coletiva 1 Professora: Alice Maria PedrosaProfessora: Alice Maria Pedrosa
  • 2.
  • 3.  DescriçãoDescrição  A Malária é uma doença infecciosa febril aguda ou crônica, cujos agentes etiológicos são protozoários transmitidos por vetores. Reveste-se de importância epidemiológica, atualmente, pela sua elevada incidência na região amazônica e potencial gravidade clínica. Causa de consideráveis perdas sociais e econômicas na população em sob-risco, principalmente aquela que vive em condições precárias de habitação e saneamento.  A Malária é uma doença infecciosa febril aguda ou crônica, cujos agentes etiológicos são protozoários transmitidos por vetores. Reveste-se de importância epidemiológica, atualmente, pela sua elevada incidência na região amazônica e potencial gravidade clínica. Causa de consideráveis perdas sociais e econômicas na população em sob-risco, principalmente aquela que vive em condições precárias de habitação e saneamento.
  • 4.  Agente EtiológicoAgente Etiológico  O agente etiológico da malária, isto é, o agente causador da malária é o mosquito Anopheles fêmea, que pode estar contaminado com 4 tipos de parasitas diferentes São eles:  Plasmodium falciparum: causa malária malígna;  Plasmodium vivax: causa malária benígna;  Plasmodium malariae: causa malária benígna;  Plasmodium ovale: causa malária benígna.  Os parasitas presentes no mosquito instalam-se no fígado humano após a picada e amadurecem em 2 a 4 semanas. Após esse período invadem e destroem as células vermelhas do sangue causando os sintomas típicos da doença.  O agente etiológico da malária, isto é, o agente causador da malária é o mosquito Anopheles fêmea, que pode estar contaminado com 4 tipos de parasitas diferentes São eles:  Plasmodium falciparum: causa malária malígna;  Plasmodium vivax: causa malária benígna;  Plasmodium malariae: causa malária benígna;  Plasmodium ovale: causa malária benígna.  Os parasitas presentes no mosquito instalam-se no fígado humano após a picada e amadurecem em 2 a 4 semanas. Após esse período invadem e destroem as células vermelhas do sangue causando os sintomas típicos da doença.
  • 5.
  • 6.  SintomasSintomas  Saber identificar os sintomas da malária é importante para iniciar o tratamento precocemente e assim diminuir o risco de complicações que a doença pode trazer. São sintomas da malária:  Febre alta;  Dor de cabeça;  Dor no corpo;  Fraqueza;  Dores musculares;  Calafrios;  Mal-estar generalizado;  Dor abdominal;  Tontura;  Tremores forte que podem durar de 15 minutos a 1 hora;  Náuseas e  Vômitos.  Saber identificar os sintomas da malária é importante para iniciar o tratamento precocemente e assim diminuir o risco de complicações que a doença pode trazer. São sintomas da malária:  Febre alta;  Dor de cabeça;  Dor no corpo;  Fraqueza;  Dores musculares;  Calafrios;  Mal-estar generalizado;  Dor abdominal;  Tontura;  Tremores forte que podem durar de 15 minutos a 1 hora;  Náuseas e  Vômitos.
  • 7.   Em caso de infecção pelo P. falciparum, pode haver ainda sintomas como:  Choque circulatório;  Desmaio;  Delírios;  Convulsões;  Urina escura;  Dificuldade em respirar;  Hipoglicemia;  Inchaço e dor abdominal.  Estes sintomas podem iniciar de 8 a 17 dias após a picada do mosquito, mas em alguns casos podem demorar meses para se manifestar.  Em caso de infecção pelo P. falciparum, pode haver ainda sintomas como:  Choque circulatório;  Desmaio;  Delírios;  Convulsões;  Urina escura;  Dificuldade em respirar;  Hipoglicemia;  Inchaço e dor abdominal.  Estes sintomas podem iniciar de 8 a 17 dias após a picada do mosquito, mas em alguns casos podem demorar meses para se manifestar.
  • 8.   Os sintomas da malária surgem em forma de surtos. O indivíduo pode apresentar alguns destes sintomas num determinado momento do dia, e depois sente-se bem, até que surja uma nova crise de 2 a 3 dias depois.  Os episódios podem iniciar de repente com calafrios e tremores, acompanhados por sudorese e febre intermitente. Esses sintomas seguem sempre um padrão semelhante, podendo ser acompanhados de um período de cefaléia ou de mal-estar, calafrios com tremores e febre que dura de 1 a 8 horas.  Dependendo do tipo de malária os sintomas podem voltar a cada 2, 3 ou 4 dias. Os padrões da doença variam de acordo com o tipo de malária (malária malígna ou não) e as complicações podem ser fatais.  Os sintomas da malária surgem em forma de surtos. O indivíduo pode apresentar alguns destes sintomas num determinado momento do dia, e depois sente-se bem, até que surja uma nova crise de 2 a 3 dias depois.  Os episódios podem iniciar de repente com calafrios e tremores, acompanhados por sudorese e febre intermitente. Esses sintomas seguem sempre um padrão semelhante, podendo ser acompanhados de um período de cefaléia ou de mal-estar, calafrios com tremores e febre que dura de 1 a 8 horas.  Dependendo do tipo de malária os sintomas podem voltar a cada 2, 3 ou 4 dias. Os padrões da doença variam de acordo com o tipo de malária (malária malígna ou não) e as complicações podem ser fatais.
  • 9.  Complicações  São complicações da malária:  Comprometimento cerebral;  Dificuldade na aprendizagem;  Danos nos rins;  Danos no fígado;  Coma e  Morte.
  • 10.  A malária é transmitida pela picada das fêmeas de mosquitos do gênero Anopheles. A transmissão geralmente ocorre em regiões rurais e semi-rurais, mas pode ocorrer em áreas urbanas, principalmente em periferias. Em cidades situadas em locais cuja altitude seja superior a 1500 metros, no entanto, o risco de aquisição de malária é pequeno. Os mosquitos têm maior atividade durante o período da noite, do crepúsculo ao amanhecer. Contaminam-se ao picar os portadores da doença, tornando-se o principal vetor de transmissão desta para outras pessoas.  O período de incubação da malária varia de acordo com a espécie de plasmódio. Para P. falciparum, de 8 a 12 dias; P. vivax, 13 a 17; e P. malariae, 18 a 30 dias.  A malária é transmitida pela picada das fêmeas de mosquitos do gênero Anopheles. A transmissão geralmente ocorre em regiões rurais e semi-rurais, mas pode ocorrer em áreas urbanas, principalmente em periferias. Em cidades situadas em locais cuja altitude seja superior a 1500 metros, no entanto, o risco de aquisição de malária é pequeno. Os mosquitos têm maior atividade durante o período da noite, do crepúsculo ao amanhecer. Contaminam-se ao picar os portadores da doença, tornando-se o principal vetor de transmissão desta para outras pessoas.  O período de incubação da malária varia de acordo com a espécie de plasmódio. Para P. falciparum, de 8 a 12 dias; P. vivax, 13 a 17; e P. malariae, 18 a 30 dias. TransmissãoTransmissão
  • 11.  Os métodos usado para prevenir a dispersão da malária ou proteger as pessoas em áreas endêmicas incluem: erradicação do mosquito, drogas profiláticas, e prevenção de picadas de mosquitos. Para prevenir a contaminação com a Malária, deve-se:  • Evitar os locais endêmicos;  • Usar repelentes de insetos diariamente;  • Usar mosquiteiro, telas nas janelas e portas e  • Usar roupas de manga comprida.  Evitar o acúmulo de água parada a fim de impedir a ovoposição e nascimento de novos mosquitos é outra forma de evitar a malária. * Viajantes devem ser orientados sobre as formas de prevenção contra as picadas dos mosquitos antes de realizar a viagem e alertados que devem procurar ajuda médica imediata se notarem os sintomas relacionados à doença.  A quimioprofilaxia consiste na toma de medicamentos como forma de prevenção da malária. Os medicamentos utilizados são os anti-maláricos sob orientação médica, que devem ser tomados antes, durante e depois da viagem.  Os métodos usado para prevenir a dispersão da malária ou proteger as pessoas em áreas endêmicas incluem: erradicação do mosquito, drogas profiláticas, e prevenção de picadas de mosquitos. Para prevenir a contaminação com a Malária, deve-se:  • Evitar os locais endêmicos;  • Usar repelentes de insetos diariamente;  • Usar mosquiteiro, telas nas janelas e portas e  • Usar roupas de manga comprida.  Evitar o acúmulo de água parada a fim de impedir a ovoposição e nascimento de novos mosquitos é outra forma de evitar a malária. * Viajantes devem ser orientados sobre as formas de prevenção contra as picadas dos mosquitos antes de realizar a viagem e alertados que devem procurar ajuda médica imediata se notarem os sintomas relacionados à doença.  A quimioprofilaxia consiste na toma de medicamentos como forma de prevenção da malária. Os medicamentos utilizados são os anti-maláricos sob orientação médica, que devem ser tomados antes, durante e depois da viagem. PrevençãoPrevenção
  • 12.  O elemento fundamental no diagnóstico clínico da malária, tanto nas áreas endêmicas como não-endêmicas, é sempre pensar na possibilidade da doença. Como a distribuição geográfica da malária não é homogênea, nem mesmo nos países onde a transmissão é elevada, torna-se importante, durante o exame clínico, resgatar informações sobre a área de residência ou relato de viagens de exposição ao parasita como nas áreas endêmicas (tropicais).  Além disso, informações sobre transfusão de sangue, compartilhamento de agulhas em usuários de drogas injetáveis, transplante de órgãos podem sugerir a possibilidade de malária induzida.  O elemento fundamental no diagnóstico clínico da malária, tanto nas áreas endêmicas como não-endêmicas, é sempre pensar na possibilidade da doença. Como a distribuição geográfica da malária não é homogênea, nem mesmo nos países onde a transmissão é elevada, torna-se importante, durante o exame clínico, resgatar informações sobre a área de residência ou relato de viagens de exposição ao parasita como nas áreas endêmicas (tropicais).  Além disso, informações sobre transfusão de sangue, compartilhamento de agulhas em usuários de drogas injetáveis, transplante de órgãos podem sugerir a possibilidade de malária induzida. DiagnósticoDiagnóstico
  • 13.   O diagnóstico de certeza da infecção malárica só é possível pela demonstração do parasito, ou de antígenos relacionados, no sangue periférico do paciente, através dos métodos diagnósticos especificados a seguir:  Gota espessa - É o método adotado oficialmente no Brasil para o diagnóstico da malária. Mesmo após o avanço de técnicas diagnósticas, este exame continua sendo um método simples, eficaz, de baixo custo e fácil realização. Sua técnica baseia-se na visualização do parasito através de microscopia ótica, após coloração com corante vital (azul de metileno e Giemsa), permitindo a diferenciação específica dos parasitos a partir da análise da sua morfologia, e pelos estágios de desenvolvimento do parasito encontrados no sangue periférico.  Esfregaço delgado - Possui baixa sensibilidade (estima-se que, a gota espessa é cerca de 30 vezes mais eficiente que o esfregaço delgado na detecção da infecção malárica). Porém, o esfregaço delgado é o único método que permite, com facilidade e segurança, a diferenciação específica dos parasitos, a partir da análise da sua morfologia e das alterações provocadas no eritrócito infectado.  Testes rápidos para detecção de componentes antigênicos de plasmódio - Testes imunocromatográficos representam novos métodos de diagnóstico rápido de malária. Realizados em fitas de nitrocelulose contendo anticorpo monoclonal contra antígenos específicos do parasito. Apresentam sensibilidade superior a 95% quando comparado à gota espessa, e com parasitemia superior a 100 parasitos/μL.  O diagnóstico de certeza da infecção malárica só é possível pela demonstração do parasito, ou de antígenos relacionados, no sangue periférico do paciente, através dos métodos diagnósticos especificados a seguir:  Gota espessa - É o método adotado oficialmente no Brasil para o diagnóstico da malária. Mesmo após o avanço de técnicas diagnósticas, este exame continua sendo um método simples, eficaz, de baixo custo e fácil realização. Sua técnica baseia-se na visualização do parasito através de microscopia ótica, após coloração com corante vital (azul de metileno e Giemsa), permitindo a diferenciação específica dos parasitos a partir da análise da sua morfologia, e pelos estágios de desenvolvimento do parasito encontrados no sangue periférico.  Esfregaço delgado - Possui baixa sensibilidade (estima-se que, a gota espessa é cerca de 30 vezes mais eficiente que o esfregaço delgado na detecção da infecção malárica). Porém, o esfregaço delgado é o único método que permite, com facilidade e segurança, a diferenciação específica dos parasitos, a partir da análise da sua morfologia e das alterações provocadas no eritrócito infectado.  Testes rápidos para detecção de componentes antigênicos de plasmódio - Testes imunocromatográficos representam novos métodos de diagnóstico rápido de malária. Realizados em fitas de nitrocelulose contendo anticorpo monoclonal contra antígenos específicos do parasito. Apresentam sensibilidade superior a 95% quando comparado à gota espessa, e com parasitemia superior a 100 parasitos/μL.
  • 14.  O tratamento da malária é feito com a toma de medicamentos antimaláricos, como a Cloroquina por 3 dias e a Primaquina por 7 ou 14 dias fornecidos gratuitamente pelo SUS. Estes medicamentos são de dose única diária e devem ser ingeridos junto de uma refeição para evitar dor de estômago. A dose do medicamento varia conforme a idade e o peso do indivíduo, e os casos mais graves necessitam de internamento hospitalar.  Recomenda-se ainda: Alimentar-se normalmente; Não consumir bebidas alcoólicas; Não parar o tratamento antes do conselho médico, mesmo se os sintomas desaparecem antes, pelo risco de recidiva e complicações da doença. A quinina (ou o seu isómero quinidina), um medicamento antigamente extraído da casca da Cinchona, é ainda usada no seu tratamento. No entanto, a maioria dos parasitas já é resistente às suas acções. Foi suplantada por drogas sintéticas mais eficientes, como quinacrina, cloroquina, e primaquina . É frequente serem usados cocktails (misturas) de vários destes fármacos, pois há parasitas resistentes a qualquer um deles por si só. A resistência torna a cura difícil e cara.  O tratamento da malária é feito com a toma de medicamentos antimaláricos, como a Cloroquina por 3 dias e a Primaquina por 7 ou 14 dias fornecidos gratuitamente pelo SUS. Estes medicamentos são de dose única diária e devem ser ingeridos junto de uma refeição para evitar dor de estômago. A dose do medicamento varia conforme a idade e o peso do indivíduo, e os casos mais graves necessitam de internamento hospitalar.  Recomenda-se ainda: Alimentar-se normalmente; Não consumir bebidas alcoólicas; Não parar o tratamento antes do conselho médico, mesmo se os sintomas desaparecem antes, pelo risco de recidiva e complicações da doença. A quinina (ou o seu isómero quinidina), um medicamento antigamente extraído da casca da Cinchona, é ainda usada no seu tratamento. No entanto, a maioria dos parasitas já é resistente às suas acções. Foi suplantada por drogas sintéticas mais eficientes, como quinacrina, cloroquina, e primaquina . É frequente serem usados cocktails (misturas) de vários destes fármacos, pois há parasitas resistentes a qualquer um deles por si só. A resistência torna a cura difícil e cara. TratamentoTratamento
  • 15. Cinchona contendo Quinina, o primeiro antimalárico
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.  Goleiro Danilo  Contratado atualmente pelo Alecrim, de Natal (do Rio Grande do Norte), o goleiro Danilo, de 31 anos, está internado em estado grave, desde a última quinta-feira (4), no Hospital Giselda Trigueiro, na capital potiguar. Ele foi diagnosticado com malária. Danilo já foi goleiro do Treze (de Campina Grande, na Paraíba) em 2012.
  • 20.   Danilo foi naturalizado na Guiné-Equatorial, localizado no oeste africano, onde defendeu a seleção de futebol do país nas eliminatórias da Copa do Mundo 2014, no mês passado. Ele atuou nas partidas contra Cabo Verde e Tunísia. As suspeitas são de que pode ter contraído a doença no país africano, que já matou outro jogador brasileiro, seu companheiro de seleção. • De acordo com o boletim médico divulgado na última segunda-feira (8), Danilo mostra reações à medicação e pode deixar a respiração mecânica. “Apesar de ainda cursar com falência de múltiplos órgãos, esboça sinais que apontam para uma saída do respirador artificial nos próximos dias. Seu nível de consciência ainda é muito baixo, entretanto desenvolve atividades que nos fazem crer que, em breve acordará. Não podemos prever ainda como será esta apresentação de atividade cerebral. • Fonte: http://portalcorreio.uol.com.br/ em 09 de Julho de 2013
  • 21.   https://pt.wikipedia.org/wiki/Mal%C3%A1ria  http://www.brasilescola.com/doencas/malaria.htm  http://www.suapesquisa.com/pesquisa/malaria.htm  http://drauziovarella.com.br/letras/m/malaria/  http://www.minhavida.com.br/saude/temas/malaria  http://www.tuasaude.com/malaria/  http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/recursos/10130/malaria. swf  http://www.cives.ufrj.br/informacao/malaria/mal-iv.html  http://www.infoescola.com/doencas/malaria/  http://www.dndi.org.br/pt/doencas-negligenciadas/malaria.html  http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/malaria/ Referências Bibliográficas
  • 22.  ABNER ZAQUEL E VITORIA ARAUJO Professora: ALICE MARIA PEDROSA ABNER ZAQUEL E VITORIA ARAUJO Professora: ALICE MARIA PEDROSA Trabalho realizado por:Trabalho realizado por: