SlideShare uma empresa Scribd logo
FALÁCIAS LÓGICAS
QUE VOCÊ NÃO VAI MAIS COMETER Prof. Alan Eric Fonseca
Sociologia | Filosofia
Argumentos
A lógica faz parte da nossa vida (ou deveria fazer! 🤨)...
Toda vez que conversamos e defendemos uma ideia, ponto de vista ou opinião, usamos argumentos
para expor nosso raciocínio.
É sempre bom usar argumentos bem fundamentados e lógicos, para garantir que cheguemos a uma
boa conclusão.
Seja com amigos, com pais (e filhos também!), com namorados(as), no trabalho, na escola etc, usamos
argumentos e contra-argumentos diariamente, seja para assuntos corriqueiros ou mais profundos.
Falácias lógicas.pptx
Persuasão
No entanto, às vezes, desejamos também persuadir alguém a respeito das ideias que defendemos:
• um político faz promessas tendo em vista o voto do eleitor;
• um advogado quer convencer o juiz ou o júri da inocência do seu cliente;
• um vendedor quer mostrar a superioridade de seu produto ao comprador;
• uma mãe quer que o filho coma legumes...
• um professor quer que seus alunos leiam um pequeno texto de 6 páginas
Nesses casos, não se trata apenas de simples exposição de raciocínio, porque se apela também para a
emoção e subjetividade para convencer o interlocutor.
Essas técnicas são conhecidas como retórica, a arte do discurso persuasivo.
Falácias lógicas
Nosso interesse não é a persuasão, mas a lógica como instrumento rigoroso para organizar ideias, a
fim de chegar a conclusões adequadas e evitar o erro.
A lógica nos ajuda a distinguir uma conclusão correta da falsa, um argumento válido do não válido.
Falácias
São argumentos não válidos ou argumentos falaciosos. A palavra falácia vem do latim fallacia, e
significa “engano”, “trapaça”, “ardil”, “estratagema”.
Portanto, existe uma nuança entre “estar enganado” e “trapacear”:
• no primeiro caso, trata-se de um paralogismo, um raciocínio enganoso, em que o erro não é
intencional.
• no segundo caso, é um sofisma, porque há a intenção de enganar.
Alguns tipos de falácias
Vejamos a seguir alguns exemplos de argumentação que devemos evitar...
Argumento de
autoridade
argumentum magister dixit
Ainda que às vezes seja apropriado citar uma autoridade
para suportar uma opinião, o apelo à autoridade é
impróprio se:
• A pessoa não está qualificada para ter uma opinião
sobre o assunto.
• Não há acordo entre os peritos do campo em questão.
Argumento de
autoridade
A Angelina Jolie recomenda usar
o perfume Mon Guerlain. Como a
atriz é famosa e reconhecida,
logo o perfume é bom.
Contra-argumente que:
• A pessoa citada não é uma
autoridade no campo em
questão;
• Entre os especialistas não há
consenso sobre o assunto
discutido.
Argumento contra
a pessoa
argumentum ad hominen
Esse tipo de argumento é ofensivo, pois ataca-se a pessoa
que apresentou um argumento e não o argumento em si.
Ataca-se, por exemplo, o carácter, a nacionalidade, a etnia
ou a religião da pessoa.
Em outros casos, a falácia sugere que a pessoa tem algo a
ganhar com o argumento, é movida pelo interesse. A
pessoa pode ainda ser atacada por associação ou pelas
suas companhias.
Argumentum ad hominen
Desconsiderar o valor musical da obra de
Richard Wagner por causa de sua suposta
adesão aos movimentos antissemitas.
Desconsiderar a versão de um mendigo como
testemunha de um crime.
Contra-argumente que:
o carácter ou as circunstâncias da pessoa nada
tem a ver com a verdade ou falsidade da
proposição defendida.
Generalização
apressada
Consiste em chegar a conclusões tomando por base
apenas um ou poucos fatos.
Generalização
apressada
“Como vimos nos ataques terroristas de
2001, todos os muçulmanos são fanáticos
religiosos e violentos.”
“A polícia prendeu dez deputados por
corrupção. Logo, todos os políticos são
corruptos.”
Contra-argumente que:
as dimensões da amostra (fatos) e a
população em questão são insuficientes
para uma conclusão segura. Note-se
que uma prova formal requer cálculo
matemático porque está em jogo a
teoria das probabilidades. Mas em
muitas situações podemos confiar no
bom senso.
Falácia do
acidente
É aplicada a regra geral quando as circunstâncias sugerem
que se deve aplicar uma exceção à regra em casos
“acidentais” e particulares. Ocorre com pessoas
excessivamente legalistas, que aplicam as regras
independente das circunstâncias.
Falácia do acidente
“A lei diz que não se deve conduzir a mais de 50
km/h. Portanto, mesmo que o teu pai não
possa respirar, não deves passar o limite de
velocidade.”
“A regra diz que animais não podem entrar no
restaurante. Logo, Marta, que é cega e usa o
cão-guia, não pode almoçar aqui.”
Contra-argumente que:
a regra geral em questão não é uma regra geral
estrita. Depois mostre que as circunstâncias
deste caso sugerem que a regra não deve
aplicar-se.
Conclusão
irrelevante
ou
Ignorância da
questão
ignoratio elenchi
Um argumento prova uma coisa diferente da pretendida,
desviando da questão principal.
Conclusão irrelevante ou
Ignorância da questão
“Uma advogada habilidosa, não
tendo como negar o crime do
réu, enfatiza ao júri que ele é
bom filho, bom marido,
trabalhador e cristão.”
Contra-argumente que:
a conclusão apresentada pelo
argumentador, com a qual você
até pode concordar, não é a
relevante e desvia da questão.
Petição de
princípio
petitio principii
É um raciocínio circular. A verdade da conclusão é
pressuposta pelas premissas. Muitas vezes, a conclusão é
apenas reafirmada nas premissas de uma forma
ligeiramente diferente. Nos casos mais sutis, a premissa é
uma consequência da conclusão.
Petição de princípio
“Dado que não estou a mentir,
segue-se que estou a dizer a
verdade.”
“Tal ação é injusta porque é
condenável; e é condenável
porque é injusta.”
Contra-argumente que:
para acreditarmos nas premissas
já teríamos de aceitar a
conclusão.
Falácia do
espantalho
O argumentador, em vez de atacar o melhor argumento
do seu opositor, ataca um argumento diferente, mais fraco
ou tendenciosamente interpretado ou exagerado (ataca
um espantalho). Infelizmente é uma das “técnicas” de
argumentação mais usadas.
Falácia do espantalho
“As pessoas que querem legalizar o aborto,
querem prevenção irresponsável da gravidez.
Mas nós queremos uma sexualidade
responsável. Logo, o aborto não deve ser
legalizado.”
Contra-argumente que:
o argumento oposto foi mal representado,
mostrando que os opositores têm argumentos
mais fortes.
Falácia da
falsa causa
post hoc ergo propter hoc
Em latim significa: “depois disso, logo, por causa disso”.
Alguém comete a falácia quando pressupõe que, por uma
coisa acontecer a seguir da outra, então aquela teve de ser
causada por esta. É uma falsa conexão de causalidades.
Falsa causa
“Toda vez que vejo o jogo com o Robson, o
Palmeiras perde. Por isso ainda não temos
mundial.”
“Toda vez que o galo canta, o Sol nasce. Logo o
Sol nasce porque o galo canta.”
Contra-argumente que:
a correlação é coincidência, mostrando que o
“efeito” teria ocorrido mesmo sem a alegada
causa ocorrer; ou o efeito teve uma causa
diferente da que foi indicada.
O jornal Folha de S. Paulo divulgou matéria
sobre correlações estatísticas estranhas:
“[...] Veja a frequência com que argumentos
estatísticos questionáveis são utilizados por
políticos ou analistas. Após determinada lei, o
número de homicídios caiu. Tal governo fez o
desemprego ser mais baixo.
Vigen lembra que o mundo é muito mais
complexo. ‘Coincidências existem’, diz. ‘Para
estabelecer relações entre duas variáveis, temos
de analisar muito bem quais são as relações
causais entre elas.’ [...]”
Matéria completa em:
https://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2015/05/1626815-quando-
nicolas-cage-faz-filmes-mortes-sao-evitadas-veja-outras-correlacoes-
estatisticas-que-mentem.shtml
Falácias lógicas.pptx
Referências
ARANHA, M. L. A. & MARTINS, M. H. P. Filosofando:
introdução à filosofia. São Paulo; Moderna, 2016.
DOWNES, S. Guia das falácias. Tradução e adaptação de
Júlio Sameiro. Disponível em:
https://criticanarede.com/falacias.html. Acesso em:
Agosto de 2019.
acesse esse link para
saber mais
POSTER Falácias Lógicas. Disponível em:
https://yourlogicalfallacyis.com/br. Acesso em: Agosto de
2019.
Trabalho
Em grupo de 4 ou 5 integrantes, produza um cartaz com
duas falácias lógicas. O cartaz será exposto. Portanto, deve
ter linguagem escrita e visual clara e convidativa para os
leitores, além de um padrão mínimo de identificação
visual e estético.
FALÁCIAS LÓGICAS
NÃO COMETERÁS MAIS
nomes
turma
Texto, imagem,
desenho etc...
Pode-se utilizar os
recursos que acharem
válidos para passar a
mensagem.
título padrão
(local, letra e cor são livres,
mas deve ser visível)
local padrão para nomes
dos integrantes
e turma
conteúdo pode ser
disposto segundo a vontade do
grupo, privilegiando o
entendimento de quem vê
orientação
retrato

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Popper
PopperPopper
Filosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula PalestraFilosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula Palestra
Italo Colares
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
Paulo Gomes
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
Iga Almeida
 
Filosofia 10ºa
Filosofia 10ºaFilosofia 10ºa
Filosofia 10ºa
Rui Neto
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
Italo Colares
 
Karl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o FalsificacionismoKarl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o Falsificacionismo
guestbdb4ab6
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
Isabel Moura
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
Mendo Henriques
 
Apriorismo kantiano 1 23 mp
Apriorismo kantiano 1 23 mpApriorismo kantiano 1 23 mp
Apriorismo kantiano 1 23 mp
Alexandre Misturini
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
Isabel Moura
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
Elisama Lopes
 
O problema do mal texto de rachels em problemas da filosofia
O problema do mal   texto de rachels em problemas da filosofiaO problema do mal   texto de rachels em problemas da filosofia
O problema do mal texto de rachels em problemas da filosofia
Luis De Sousa Rodrigues
 
A falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palhaA falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palha
Luis De Sousa Rodrigues
 
Mito da Caverna de Platão
Mito da Caverna de PlatãoMito da Caverna de Platão
Mito da Caverna de Platão
UFMT Universidade Federal de Mato Grosso
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
AnaKlein1
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
norberto faria
 
Tipos de Argumentos
Tipos de ArgumentosTipos de Argumentos
Tipos de Argumentos
Joana Filipa Rodrigues
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Isabel Moura
 

Mais procurados (20)

Popper
PopperPopper
Popper
 
Filosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula PalestraFilosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula Palestra
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
Filosofia 10ºa
Filosofia 10ºaFilosofia 10ºa
Filosofia 10ºa
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
 
Karl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o FalsificacionismoKarl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o Falsificacionismo
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Apriorismo kantiano 1 23 mp
Apriorismo kantiano 1 23 mpApriorismo kantiano 1 23 mp
Apriorismo kantiano 1 23 mp
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
O problema do mal texto de rachels em problemas da filosofia
O problema do mal   texto de rachels em problemas da filosofiaO problema do mal   texto de rachels em problemas da filosofia
O problema do mal texto de rachels em problemas da filosofia
 
A falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palhaA falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palha
 
Mito da Caverna de Platão
Mito da Caverna de PlatãoMito da Caverna de Platão
Mito da Caverna de Platão
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Tipos de Argumentos
Tipos de ArgumentosTipos de Argumentos
Tipos de Argumentos
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
 

Semelhante a Falácias lógicas.pptx

1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
Karoline Rodrigues de Melo
 
Falácias e sofismas - quando o que você diz não é verdade, mas parece
Falácias e sofismas - quando o que você diz não é verdade, mas pareceFalácias e sofismas - quando o que você diz não é verdade, mas parece
Falácias e sofismas - quando o que você diz não é verdade, mas parece
Lucas Heber Mariano
 
Falácias e sofismas
Falácias e sofismasFalácias e sofismas
Falácias e sofismas
Lucas Heber Mariano
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
Helena Serrão
 
Falácias mais comuns3
Falácias mais comuns3Falácias mais comuns3
Falácias mais comuns3
Claudemir Barbosa
 
Argumentos falaciosos
Argumentos falaciososArgumentos falaciosos
Argumentos falaciosos
João Vieira
 
MéTodos De RaciocíNio
MéTodos De RaciocíNioMéTodos De RaciocíNio
MéTodos De RaciocíNio
Walace Cestari
 
Argumentos
ArgumentosArgumentos
Argumentos
professorakathia
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
Helena Serrão
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
Helena Serrão
 
Artigo de Opinião
Artigo de OpiniãoArtigo de Opinião
Artigo de Opinião
Kleber Brito
 
Como ganhar uma discussão
Como ganhar uma discussãoComo ganhar uma discussão
Como ganhar uma discussão
juliver2011
 
Artigo de opinião @profkbrito
Artigo de opinião   @profkbritoArtigo de opinião   @profkbrito
Artigo de opinião @profkbrito
Kleber Brito
 
AD argumentos e falácias.ppt
AD argumentos e falácias.pptAD argumentos e falácias.ppt
AD argumentos e falácias.ppt
ssuserf57e62
 
Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01
Mário Efatah
 
Erro - Comunicação e Expressão
Erro - Comunicação e ExpressãoErro - Comunicação e Expressão
Erro - Comunicação e Expressão
Marciano Machado
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
Solange Mendes
 
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdfAlmossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
VIEIRA RESENDE
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
Helena Serrão
 
Falácias Informais - Filosofia
Falácias Informais - FilosofiaFalácias Informais - Filosofia
Falácias Informais - Filosofia
Fernanda Clara
 

Semelhante a Falácias lógicas.pptx (20)

1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
 
Falácias e sofismas - quando o que você diz não é verdade, mas parece
Falácias e sofismas - quando o que você diz não é verdade, mas pareceFalácias e sofismas - quando o que você diz não é verdade, mas parece
Falácias e sofismas - quando o que você diz não é verdade, mas parece
 
Falácias e sofismas
Falácias e sofismasFalácias e sofismas
Falácias e sofismas
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 
Falácias mais comuns3
Falácias mais comuns3Falácias mais comuns3
Falácias mais comuns3
 
Argumentos falaciosos
Argumentos falaciososArgumentos falaciosos
Argumentos falaciosos
 
MéTodos De RaciocíNio
MéTodos De RaciocíNioMéTodos De RaciocíNio
MéTodos De RaciocíNio
 
Argumentos
ArgumentosArgumentos
Argumentos
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 
Artigo de Opinião
Artigo de OpiniãoArtigo de Opinião
Artigo de Opinião
 
Como ganhar uma discussão
Como ganhar uma discussãoComo ganhar uma discussão
Como ganhar uma discussão
 
Artigo de opinião @profkbrito
Artigo de opinião   @profkbritoArtigo de opinião   @profkbrito
Artigo de opinião @profkbrito
 
AD argumentos e falácias.ppt
AD argumentos e falácias.pptAD argumentos e falácias.ppt
AD argumentos e falácias.ppt
 
Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01
 
Erro - Comunicação e Expressão
Erro - Comunicação e ExpressãoErro - Comunicação e Expressão
Erro - Comunicação e Expressão
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
 
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdfAlmossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Falácias Informais - Filosofia
Falácias Informais - FilosofiaFalácias Informais - Filosofia
Falácias Informais - Filosofia
 

Último

28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

Falácias lógicas.pptx

  • 1. FALÁCIAS LÓGICAS QUE VOCÊ NÃO VAI MAIS COMETER Prof. Alan Eric Fonseca Sociologia | Filosofia
  • 2. Argumentos A lógica faz parte da nossa vida (ou deveria fazer! 🤨)... Toda vez que conversamos e defendemos uma ideia, ponto de vista ou opinião, usamos argumentos para expor nosso raciocínio. É sempre bom usar argumentos bem fundamentados e lógicos, para garantir que cheguemos a uma boa conclusão. Seja com amigos, com pais (e filhos também!), com namorados(as), no trabalho, na escola etc, usamos argumentos e contra-argumentos diariamente, seja para assuntos corriqueiros ou mais profundos.
  • 4. Persuasão No entanto, às vezes, desejamos também persuadir alguém a respeito das ideias que defendemos: • um político faz promessas tendo em vista o voto do eleitor; • um advogado quer convencer o juiz ou o júri da inocência do seu cliente; • um vendedor quer mostrar a superioridade de seu produto ao comprador; • uma mãe quer que o filho coma legumes... • um professor quer que seus alunos leiam um pequeno texto de 6 páginas Nesses casos, não se trata apenas de simples exposição de raciocínio, porque se apela também para a emoção e subjetividade para convencer o interlocutor. Essas técnicas são conhecidas como retórica, a arte do discurso persuasivo.
  • 5. Falácias lógicas Nosso interesse não é a persuasão, mas a lógica como instrumento rigoroso para organizar ideias, a fim de chegar a conclusões adequadas e evitar o erro. A lógica nos ajuda a distinguir uma conclusão correta da falsa, um argumento válido do não válido.
  • 6. Falácias São argumentos não válidos ou argumentos falaciosos. A palavra falácia vem do latim fallacia, e significa “engano”, “trapaça”, “ardil”, “estratagema”. Portanto, existe uma nuança entre “estar enganado” e “trapacear”: • no primeiro caso, trata-se de um paralogismo, um raciocínio enganoso, em que o erro não é intencional. • no segundo caso, é um sofisma, porque há a intenção de enganar.
  • 7. Alguns tipos de falácias Vejamos a seguir alguns exemplos de argumentação que devemos evitar...
  • 8. Argumento de autoridade argumentum magister dixit Ainda que às vezes seja apropriado citar uma autoridade para suportar uma opinião, o apelo à autoridade é impróprio se: • A pessoa não está qualificada para ter uma opinião sobre o assunto. • Não há acordo entre os peritos do campo em questão.
  • 9. Argumento de autoridade A Angelina Jolie recomenda usar o perfume Mon Guerlain. Como a atriz é famosa e reconhecida, logo o perfume é bom. Contra-argumente que: • A pessoa citada não é uma autoridade no campo em questão; • Entre os especialistas não há consenso sobre o assunto discutido.
  • 10. Argumento contra a pessoa argumentum ad hominen Esse tipo de argumento é ofensivo, pois ataca-se a pessoa que apresentou um argumento e não o argumento em si. Ataca-se, por exemplo, o carácter, a nacionalidade, a etnia ou a religião da pessoa. Em outros casos, a falácia sugere que a pessoa tem algo a ganhar com o argumento, é movida pelo interesse. A pessoa pode ainda ser atacada por associação ou pelas suas companhias.
  • 11. Argumentum ad hominen Desconsiderar o valor musical da obra de Richard Wagner por causa de sua suposta adesão aos movimentos antissemitas. Desconsiderar a versão de um mendigo como testemunha de um crime. Contra-argumente que: o carácter ou as circunstâncias da pessoa nada tem a ver com a verdade ou falsidade da proposição defendida.
  • 12. Generalização apressada Consiste em chegar a conclusões tomando por base apenas um ou poucos fatos.
  • 13. Generalização apressada “Como vimos nos ataques terroristas de 2001, todos os muçulmanos são fanáticos religiosos e violentos.” “A polícia prendeu dez deputados por corrupção. Logo, todos os políticos são corruptos.” Contra-argumente que: as dimensões da amostra (fatos) e a população em questão são insuficientes para uma conclusão segura. Note-se que uma prova formal requer cálculo matemático porque está em jogo a teoria das probabilidades. Mas em muitas situações podemos confiar no bom senso.
  • 14. Falácia do acidente É aplicada a regra geral quando as circunstâncias sugerem que se deve aplicar uma exceção à regra em casos “acidentais” e particulares. Ocorre com pessoas excessivamente legalistas, que aplicam as regras independente das circunstâncias.
  • 15. Falácia do acidente “A lei diz que não se deve conduzir a mais de 50 km/h. Portanto, mesmo que o teu pai não possa respirar, não deves passar o limite de velocidade.” “A regra diz que animais não podem entrar no restaurante. Logo, Marta, que é cega e usa o cão-guia, não pode almoçar aqui.” Contra-argumente que: a regra geral em questão não é uma regra geral estrita. Depois mostre que as circunstâncias deste caso sugerem que a regra não deve aplicar-se.
  • 16. Conclusão irrelevante ou Ignorância da questão ignoratio elenchi Um argumento prova uma coisa diferente da pretendida, desviando da questão principal.
  • 17. Conclusão irrelevante ou Ignorância da questão “Uma advogada habilidosa, não tendo como negar o crime do réu, enfatiza ao júri que ele é bom filho, bom marido, trabalhador e cristão.” Contra-argumente que: a conclusão apresentada pelo argumentador, com a qual você até pode concordar, não é a relevante e desvia da questão.
  • 18. Petição de princípio petitio principii É um raciocínio circular. A verdade da conclusão é pressuposta pelas premissas. Muitas vezes, a conclusão é apenas reafirmada nas premissas de uma forma ligeiramente diferente. Nos casos mais sutis, a premissa é uma consequência da conclusão.
  • 19. Petição de princípio “Dado que não estou a mentir, segue-se que estou a dizer a verdade.” “Tal ação é injusta porque é condenável; e é condenável porque é injusta.” Contra-argumente que: para acreditarmos nas premissas já teríamos de aceitar a conclusão.
  • 20. Falácia do espantalho O argumentador, em vez de atacar o melhor argumento do seu opositor, ataca um argumento diferente, mais fraco ou tendenciosamente interpretado ou exagerado (ataca um espantalho). Infelizmente é uma das “técnicas” de argumentação mais usadas.
  • 21. Falácia do espantalho “As pessoas que querem legalizar o aborto, querem prevenção irresponsável da gravidez. Mas nós queremos uma sexualidade responsável. Logo, o aborto não deve ser legalizado.” Contra-argumente que: o argumento oposto foi mal representado, mostrando que os opositores têm argumentos mais fortes.
  • 22. Falácia da falsa causa post hoc ergo propter hoc Em latim significa: “depois disso, logo, por causa disso”. Alguém comete a falácia quando pressupõe que, por uma coisa acontecer a seguir da outra, então aquela teve de ser causada por esta. É uma falsa conexão de causalidades.
  • 23. Falsa causa “Toda vez que vejo o jogo com o Robson, o Palmeiras perde. Por isso ainda não temos mundial.” “Toda vez que o galo canta, o Sol nasce. Logo o Sol nasce porque o galo canta.” Contra-argumente que: a correlação é coincidência, mostrando que o “efeito” teria ocorrido mesmo sem a alegada causa ocorrer; ou o efeito teve uma causa diferente da que foi indicada.
  • 24. O jornal Folha de S. Paulo divulgou matéria sobre correlações estatísticas estranhas: “[...] Veja a frequência com que argumentos estatísticos questionáveis são utilizados por políticos ou analistas. Após determinada lei, o número de homicídios caiu. Tal governo fez o desemprego ser mais baixo. Vigen lembra que o mundo é muito mais complexo. ‘Coincidências existem’, diz. ‘Para estabelecer relações entre duas variáveis, temos de analisar muito bem quais são as relações causais entre elas.’ [...]” Matéria completa em: https://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2015/05/1626815-quando- nicolas-cage-faz-filmes-mortes-sao-evitadas-veja-outras-correlacoes- estatisticas-que-mentem.shtml
  • 26. Referências ARANHA, M. L. A. & MARTINS, M. H. P. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo; Moderna, 2016. DOWNES, S. Guia das falácias. Tradução e adaptação de Júlio Sameiro. Disponível em: https://criticanarede.com/falacias.html. Acesso em: Agosto de 2019. acesse esse link para saber mais POSTER Falácias Lógicas. Disponível em: https://yourlogicalfallacyis.com/br. Acesso em: Agosto de 2019.
  • 27. Trabalho Em grupo de 4 ou 5 integrantes, produza um cartaz com duas falácias lógicas. O cartaz será exposto. Portanto, deve ter linguagem escrita e visual clara e convidativa para os leitores, além de um padrão mínimo de identificação visual e estético. FALÁCIAS LÓGICAS NÃO COMETERÁS MAIS nomes turma Texto, imagem, desenho etc... Pode-se utilizar os recursos que acharem válidos para passar a mensagem. título padrão (local, letra e cor são livres, mas deve ser visível) local padrão para nomes dos integrantes e turma conteúdo pode ser disposto segundo a vontade do grupo, privilegiando o entendimento de quem vê orientação retrato