SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Gênero Textual:




        Prof. Kleber Brito
Artigo de opinião
Texto argumentativo que visa
expressar o ponto de vista ou
opinião do autor sobre
determinado     assunto     e
convencer     o   leitor   da
pertinência dessa opinião.
Estrutura Básica
                                 CONTEXTUALIZAÇÃO




         INTRODUÇÃO          PROBLEMATIZAÇÃO




                               TESE


                                Argumentos
TÍTULO
          DESENVOLVIMENTO

                                  Justificativas

                             Fechar o raciocínio
                               argumentativo.
         CONCLUSÃO
                            Fechar o texto (com frase de
                            efeito, citação, provérbio, sol
                                        ução etc.
TIPOS DE ARGUMENTOS

                                               ARGUMENTO POR
 ARGUMENTO DE           ARGUMENTO POR
                                                COMPARAÇÃO
  AUTORIDADE              EVIDÊNCIA
                                                 (ANALOGIA)

• O leitor é levado a   • O leitor é           • O argumentador
  aceitar a validade      persuadido a           pretende levar o
  da tese                 admitir que a tese     leitor a aderir à
  defendida, pela         é válida por           tese com base em
  credibilidade           intermédio das         fatores de
  atribuída à palavra     evidências.            semelhança ou
  de alguém                                      analogia
  publicamente                                   mostrados pelos
  considerado                                    dados
  autoridade na                                  apresentados.
  área.
ARGUMENTO POR
ARGUMENTO POR            ARGUMENTO DE
                                                       CAUSA E
EXEMPLIFICAÇÃO             PRINCÍPIO
                                                    CONSEQUÊNCIA

• A base desse tipo     • Uma crença               • A tese é aceita
  de argumento são        pessoal baseada            justamente por ser
  os exemplos             numa constatação           uma causa ou
  representativos, qu     (lógica, científica, é     consequência dos
  e, por si sós, já       tica, estética etc.)       dados.
  são suficientes         aceita como
  para justificar a       verdade.
  tese.




    DOWNLOAD DE ARTIGOS
OBSERVAÇÕES:
Na elaboração do texto argumentativo, a ordem
dos elementos altera o produto, porém não elimina
a argumentação; apenas produz efeitos diferentes
sobre o leitor.
Nem sempre os componentes de um argumento
aparecem escritos “com todas as letras”, podem
estar subentendidos. É interessante o articulista
omitir determinados componentes, sugerindo que o
leitor acrescente de sua própria experiência. Mas
cuidado ao fazê-lo, para não suprimir uma
informação relevante.
Estratégias argumentativas
 Recursos de que o autor dispõe para construir a
 credibilidade, a aceitabilidade e a identificação
 com o leitor do texto.

                   • Literatura, história, medicina, tecnologia, g
  CONHECIMENTOS      eografia, filosofia, psicologia, jornalismo, p
                     olítica, sociologia etc.



  ARTICULAÇÃO DE   • Apresentação de conceitos de diferentes
    CONCEITOS        áreas.



     TÉCNICAS      • Silogismo, citações, oposições, refutação
  ARGUMENTATIVAS     de ponto de vista adversário etc.
Sou contra a redução da maioridade penal

                       Renato Roseno




 Renato Roseno é advogado, coordenador do Centro de Defesa da
 Criança e do Adolescente (Cedeca — Ceará) e da Associação
 Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente (Anced)
CONTEXTUALIZAÇÃO



                   A brutalidade cometida contra dois
             jovens em São Paulo reacendeu a fogueira
INTRODUÇÃO




             da redução da idade penal. A violência seria
             resultado das penas que temos previstas em
             lei ou do sistema de aplicação das leis? É
             necessário também pensar nos porquês da
             violência, já que não há um único tipo de
             crime.
                                                PROBLEMATIZAÇÃO

                                               “Questão polêmica”
ARGUMENTO DE PRINCÍPIO


      De qualquer forma, um sistema
socioeconômico historicamente desigual e
violento só pode gerar mais violência.
Então, medidas mais repressivas nos dão a
falsa sensação de que algo está sendo
feito, mas o problema só piora. Por
isso, temos que fazer as opções mais
eficientes e mais condizentes com os valores
                                      ARGUMENTO
que defendemos.                       POR CAUSA
                                      E CONSEQUENCIA
ARGUMENTO
              ARGUMENTO DE PRINCÍPIO   POR COMPARAÇÃO


      Defendo uma sociedade que cometa
menos crimes e não que puna mais. Em
nenhum lugar do mundo houve experiência
positiva de adolescentes e adultos juntos no
mesmo sistema penal. Fazer isso não diminuirá
a violência e formará mais quadros para o
crime. Além disso, nosso sistema penal como
está    não    melhora     as    pessoas, ao
contrário, aumenta sua violência.
                                       ARGUMENTO
                                       POR CAUSA
                                       E CONSQUÊNCIA
                ARGUMENTO
ARGUMENTO POR EVIDÊNCIA

                                 O Brasil tem 500 mil trabalhadores na segurança
                          pública e 1,5 milhão na segurança privada para uma
                          população que supera 171 milhões de pessoas. O
ARGUMENTOS DE PRINCÍPIO




                          problema não está só na lei, mas na capacidade para
                          aplicá-la. Sou contra a redução da idade penal porque
                          tenho certeza que ficaremos mais inseguros e mais
                          violentos. Sou contra porque sei que se há
                          possibilidade de sobrevivência e transformação
                          destes adolescentes, está na correta aplicação do
                          ECA. Lá estão previstas seis medidas diferentes para a
                          responsabilização de adolescentes que violaram a lei.
                          Agora não podemos esperar que adolescentes sejam
                          capturados pelo crime para, então, querer fazer mau
                          uso da lei. Para fazer o bom uso do ECA é necessário
                          dinheiro, competência e vontade.
ARGUMENTO
                                        POR PRINCÍPIO


      Sou contra toda e qualquer forma de
impunidade. Quem fere a lei deve ser
responsabilizado. Mas reduzir a idade penal,
além de ineficiente para atacar o problema,
desqualifica a discussão. Isso é muito comum
quando acontecem crimes que chocam a
opinião pública, o que não respeita a dor das
vítimas e não reflete o tema seriamente.
Problemas complexos não serão
            superados por abordagens simplórias e
            imediatistas.
                 Precisamos de inteligência, orçamento     SOLUÇÃO
                                                           POSSÍVEL
            e, sobretudo, um projeto ético e político de
            sociedade que valorize a vida em todas as
CONCLUSÃO




            suas formas. Nossos jovens não precisam ir
                                                            FRASES
            para a cadeia. Precisam sair do caminho que        DE
            os leva lá. A decisão agora é nossa: se          EFEITO

            queremos construir um país com mais prisões
            ou com mais parques e escolas.
Artigo de Opinião

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
aulasdejornalismo
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 

Mais procurados (20)

Genero resenha
Genero resenhaGenero resenha
Genero resenha
 
1.3 ortografia
1.3   ortografia1.3   ortografia
1.3 ortografia
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
 
Editorial gênero
Editorial gêneroEditorial gênero
Editorial gênero
 
Oficina de Redação
Oficina de RedaçãoOficina de Redação
Oficina de Redação
 
Modalizadores
ModalizadoresModalizadores
Modalizadores
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
Slides argumentação
Slides argumentaçãoSlides argumentação
Slides argumentação
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
 
Anúncio publicitário
Anúncio publicitárioAnúncio publicitário
Anúncio publicitário
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 

Destaque

Slides sobre artigo de opinião
Slides sobre artigo de opiniãoSlides sobre artigo de opinião
Slides sobre artigo de opinião
Pibid Letras UEA
 
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORESLINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
PEDAGOGIADILA
 

Destaque (20)

Slides sobre artigo de opinião
Slides sobre artigo de opiniãoSlides sobre artigo de opinião
Slides sobre artigo de opinião
 
História do dia dos namorados
História do dia dos namoradosHistória do dia dos namorados
História do dia dos namorados
 
Felicidade clandestina
Felicidade clandestina Felicidade clandestina
Felicidade clandestina
 
Crônicas no saresp profª
Crônicas no saresp    profªCrônicas no saresp    profª
Crônicas no saresp profª
 
Texto informativo - O avestruz
Texto informativo - O avestruzTexto informativo - O avestruz
Texto informativo - O avestruz
 
A arte de ser feliz ppt
A arte de ser feliz pptA arte de ser feliz ppt
A arte de ser feliz ppt
 
Redação ENEM 2015
Redação ENEM 2015Redação ENEM 2015
Redação ENEM 2015
 
Prova da etec
Prova da etecProva da etec
Prova da etec
 
Emergência
EmergênciaEmergência
Emergência
 
Vanguardas europeias simplificado
Vanguardas europeias simplificadoVanguardas europeias simplificado
Vanguardas europeias simplificado
 
Humanismo - Gil Vicente
Humanismo  - Gil VicenteHumanismo  - Gil Vicente
Humanismo - Gil Vicente
 
O artigo de opinião
O artigo de opiniãoO artigo de opinião
O artigo de opinião
 
Gênero textual - Editoria
Gênero textual - EditoriaGênero textual - Editoria
Gênero textual - Editoria
 
Artigo de opiniao
Artigo de opiniaoArtigo de opiniao
Artigo de opiniao
 
Como envolver o aluno surdo em uma sequência didática sobre artigo de opinião.
Como envolver o aluno surdo em uma sequência didática sobre artigo de opinião.Como envolver o aluno surdo em uma sequência didática sobre artigo de opinião.
Como envolver o aluno surdo em uma sequência didática sobre artigo de opinião.
 
Matriz Comentada de Língua Portuguesa SPAECE
Matriz Comentada de Língua Portuguesa SPAECEMatriz Comentada de Língua Portuguesa SPAECE
Matriz Comentada de Língua Portuguesa SPAECE
 
Pronomes ensino médio
Pronomes ensino médioPronomes ensino médio
Pronomes ensino médio
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Simulado Enem
Simulado EnemSimulado Enem
Simulado Enem
 
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORESLINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
 

Semelhante a Artigo de Opinião

Artigo de opinião @profkbrito
Artigo de opinião   @profkbritoArtigo de opinião   @profkbrito
Artigo de opinião @profkbrito
Kleber Brito
 
Curso básico de redação aula 3
Curso básico de redação   aula 3Curso básico de redação   aula 3
Curso básico de redação aula 3
ProfFernandaBraga
 
07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf
07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf
07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf
waltermoreira
 
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdfAlmossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
VIEIRA RESENDE
 

Semelhante a Artigo de Opinião (20)

Artigo de opinião @profkbrito
Artigo de opinião   @profkbritoArtigo de opinião   @profkbrito
Artigo de opinião @profkbrito
 
Maioridade penal
Maioridade penalMaioridade penal
Maioridade penal
 
Desenvolvimento nos textos dissertativos - 2ª parte
Desenvolvimento nos textos dissertativos - 2ª parte Desenvolvimento nos textos dissertativos - 2ª parte
Desenvolvimento nos textos dissertativos - 2ª parte
 
Do assunto à tese
Do assunto à teseDo assunto à tese
Do assunto à tese
 
Argumentos
ArgumentosArgumentos
Argumentos
 
Curso básico de redação aula 3
Curso básico de redação   aula 3Curso básico de redação   aula 3
Curso básico de redação aula 3
 
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opiniãoUnicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
 
Falácias lógicas.pptx
Falácias lógicas.pptxFalácias lógicas.pptx
Falácias lógicas.pptx
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 
Redação-aula-2-1.pdf
Redação-aula-2-1.pdfRedação-aula-2-1.pdf
Redação-aula-2-1.pdf
 
Dissertação esquema básico 2014
Dissertação esquema básico 2014Dissertação esquema básico 2014
Dissertação esquema básico 2014
 
Aula dissertação
Aula dissertaçãoAula dissertação
Aula dissertação
 
REVISÃO PAS - AULA 02 .ppt
REVISÃO PAS - AULA 02 .pptREVISÃO PAS - AULA 02 .ppt
REVISÃO PAS - AULA 02 .ppt
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
 
O poder da introdução na dissertação
O poder da introdução na  dissertaçãoO poder da introdução na  dissertação
O poder da introdução na dissertação
 
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
 
Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015
 
07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf
07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf
07_Prova_Discursiva_Redacao.pdf
 
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdfAlmossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
 
TIPOS DE ARGUMENTAÇÃO.pdf
TIPOS DE ARGUMENTAÇÃO.pdfTIPOS DE ARGUMENTAÇÃO.pdf
TIPOS DE ARGUMENTAÇÃO.pdf
 

Mais de Kleber Brito

O texto tipos de texto
O texto   tipos de textoO texto   tipos de texto
O texto tipos de texto
Kleber Brito
 
Figuras de linguagem versos drummondianos
Figuras de linguagem   versos drummondianosFiguras de linguagem   versos drummondianos
Figuras de linguagem versos drummondianos
Kleber Brito
 
Deuses brasileiros
Deuses brasileirosDeuses brasileiros
Deuses brasileiros
Kleber Brito
 
Memórias literárias 2 ano
Memórias literárias 2 anoMemórias literárias 2 ano
Memórias literárias 2 ano
Kleber Brito
 
Artigo De OpiniãO E Editorial
Artigo De OpiniãO E EditorialArtigo De OpiniãO E Editorial
Artigo De OpiniãO E Editorial
Kleber Brito
 

Mais de Kleber Brito (16)

A Negra - Poema de Carlos Drummond de Andrade
A Negra - Poema de Carlos Drummond de AndradeA Negra - Poema de Carlos Drummond de Andrade
A Negra - Poema de Carlos Drummond de Andrade
 
Renascimento e Classicismo
Renascimento e ClassicismoRenascimento e Classicismo
Renascimento e Classicismo
 
Cordel peleja da carta com o email - capa
Cordel   peleja da carta com o email - capaCordel   peleja da carta com o email - capa
Cordel peleja da carta com o email - capa
 
Cordel peleja da carta com o email
Cordel   peleja da carta com o emailCordel   peleja da carta com o email
Cordel peleja da carta com o email
 
Redação no enem 2013
Redação no enem 2013Redação no enem 2013
Redação no enem 2013
 
Quem é o cantor?
Quem é o cantor?Quem é o cantor?
Quem é o cantor?
 
O texto tipos de texto
O texto   tipos de textoO texto   tipos de texto
O texto tipos de texto
 
Editorial
EditorialEditorial
Editorial
 
Figuras de linguagem versos drummondianos
Figuras de linguagem   versos drummondianosFiguras de linguagem   versos drummondianos
Figuras de linguagem versos drummondianos
 
Deuses brasileiros
Deuses brasileirosDeuses brasileiros
Deuses brasileiros
 
Quem é o escritor?
Quem é o escritor?Quem é o escritor?
Quem é o escritor?
 
Palavra secreta - literatura - @profkbrito
Palavra secreta - literatura - @profkbritoPalavra secreta - literatura - @profkbrito
Palavra secreta - literatura - @profkbrito
 
Plano Diretor Boqueirão 2012
Plano Diretor Boqueirão   2012Plano Diretor Boqueirão   2012
Plano Diretor Boqueirão 2012
 
Navio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro AlvesNavio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro Alves
 
Memórias literárias 2 ano
Memórias literárias 2 anoMemórias literárias 2 ano
Memórias literárias 2 ano
 
Artigo De OpiniãO E Editorial
Artigo De OpiniãO E EditorialArtigo De OpiniãO E Editorial
Artigo De OpiniãO E Editorial
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 

Artigo de Opinião

  • 1. Gênero Textual: Prof. Kleber Brito
  • 2. Artigo de opinião Texto argumentativo que visa expressar o ponto de vista ou opinião do autor sobre determinado assunto e convencer o leitor da pertinência dessa opinião.
  • 3. Estrutura Básica CONTEXTUALIZAÇÃO INTRODUÇÃO PROBLEMATIZAÇÃO TESE Argumentos TÍTULO DESENVOLVIMENTO Justificativas Fechar o raciocínio argumentativo. CONCLUSÃO Fechar o texto (com frase de efeito, citação, provérbio, sol ução etc.
  • 4. TIPOS DE ARGUMENTOS ARGUMENTO POR ARGUMENTO DE ARGUMENTO POR COMPARAÇÃO AUTORIDADE EVIDÊNCIA (ANALOGIA) • O leitor é levado a • O leitor é • O argumentador aceitar a validade persuadido a pretende levar o da tese admitir que a tese leitor a aderir à defendida, pela é válida por tese com base em credibilidade intermédio das fatores de atribuída à palavra evidências. semelhança ou de alguém analogia publicamente mostrados pelos considerado dados autoridade na apresentados. área.
  • 5. ARGUMENTO POR ARGUMENTO POR ARGUMENTO DE CAUSA E EXEMPLIFICAÇÃO PRINCÍPIO CONSEQUÊNCIA • A base desse tipo • Uma crença • A tese é aceita de argumento são pessoal baseada justamente por ser os exemplos numa constatação uma causa ou representativos, qu (lógica, científica, é consequência dos e, por si sós, já tica, estética etc.) dados. são suficientes aceita como para justificar a verdade. tese. DOWNLOAD DE ARTIGOS
  • 6. OBSERVAÇÕES: Na elaboração do texto argumentativo, a ordem dos elementos altera o produto, porém não elimina a argumentação; apenas produz efeitos diferentes sobre o leitor. Nem sempre os componentes de um argumento aparecem escritos “com todas as letras”, podem estar subentendidos. É interessante o articulista omitir determinados componentes, sugerindo que o leitor acrescente de sua própria experiência. Mas cuidado ao fazê-lo, para não suprimir uma informação relevante.
  • 7. Estratégias argumentativas Recursos de que o autor dispõe para construir a credibilidade, a aceitabilidade e a identificação com o leitor do texto. • Literatura, história, medicina, tecnologia, g CONHECIMENTOS eografia, filosofia, psicologia, jornalismo, p olítica, sociologia etc. ARTICULAÇÃO DE • Apresentação de conceitos de diferentes CONCEITOS áreas. TÉCNICAS • Silogismo, citações, oposições, refutação ARGUMENTATIVAS de ponto de vista adversário etc.
  • 8. Sou contra a redução da maioridade penal Renato Roseno Renato Roseno é advogado, coordenador do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca — Ceará) e da Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente (Anced)
  • 9. CONTEXTUALIZAÇÃO A brutalidade cometida contra dois jovens em São Paulo reacendeu a fogueira INTRODUÇÃO da redução da idade penal. A violência seria resultado das penas que temos previstas em lei ou do sistema de aplicação das leis? É necessário também pensar nos porquês da violência, já que não há um único tipo de crime. PROBLEMATIZAÇÃO “Questão polêmica”
  • 10. ARGUMENTO DE PRINCÍPIO De qualquer forma, um sistema socioeconômico historicamente desigual e violento só pode gerar mais violência. Então, medidas mais repressivas nos dão a falsa sensação de que algo está sendo feito, mas o problema só piora. Por isso, temos que fazer as opções mais eficientes e mais condizentes com os valores ARGUMENTO que defendemos. POR CAUSA E CONSEQUENCIA
  • 11. ARGUMENTO ARGUMENTO DE PRINCÍPIO POR COMPARAÇÃO Defendo uma sociedade que cometa menos crimes e não que puna mais. Em nenhum lugar do mundo houve experiência positiva de adolescentes e adultos juntos no mesmo sistema penal. Fazer isso não diminuirá a violência e formará mais quadros para o crime. Além disso, nosso sistema penal como está não melhora as pessoas, ao contrário, aumenta sua violência. ARGUMENTO POR CAUSA E CONSQUÊNCIA ARGUMENTO
  • 12. ARGUMENTO POR EVIDÊNCIA O Brasil tem 500 mil trabalhadores na segurança pública e 1,5 milhão na segurança privada para uma população que supera 171 milhões de pessoas. O ARGUMENTOS DE PRINCÍPIO problema não está só na lei, mas na capacidade para aplicá-la. Sou contra a redução da idade penal porque tenho certeza que ficaremos mais inseguros e mais violentos. Sou contra porque sei que se há possibilidade de sobrevivência e transformação destes adolescentes, está na correta aplicação do ECA. Lá estão previstas seis medidas diferentes para a responsabilização de adolescentes que violaram a lei. Agora não podemos esperar que adolescentes sejam capturados pelo crime para, então, querer fazer mau uso da lei. Para fazer o bom uso do ECA é necessário dinheiro, competência e vontade.
  • 13. ARGUMENTO POR PRINCÍPIO Sou contra toda e qualquer forma de impunidade. Quem fere a lei deve ser responsabilizado. Mas reduzir a idade penal, além de ineficiente para atacar o problema, desqualifica a discussão. Isso é muito comum quando acontecem crimes que chocam a opinião pública, o que não respeita a dor das vítimas e não reflete o tema seriamente.
  • 14. Problemas complexos não serão superados por abordagens simplórias e imediatistas. Precisamos de inteligência, orçamento SOLUÇÃO POSSÍVEL e, sobretudo, um projeto ético e político de sociedade que valorize a vida em todas as CONCLUSÃO suas formas. Nossos jovens não precisam ir FRASES para a cadeia. Precisam sair do caminho que DE os leva lá. A decisão agora é nossa: se EFEITO queremos construir um país com mais prisões ou com mais parques e escolas.