SlideShare uma empresa Scribd logo
Biologia 12
Carla Carrasco
1
Problemas de Genética
1. O albinismo tipo I na espécie humana tem herança autossómica, sendo condicionado por um alelo recessivo. O
daltonismo tem herança ligada ao cromossomo X.
No heredograma a seguir, os indivíduos de uma família estão representados divididos em duas metades; a da esquerda
indica o fenótipo para a pigmentação da pele (normal ou albino), e a da direita, o fenótipo para a visão em cores
(normal ou daltônico).
Analise a genealogia e responda:
a) Qual é a probabilidade de uma criança filha do casal III-1 X III-2 vir a ter albinismo e não ser daltônica?
b) Sabendo-se que o casal III-1 X III-2 já tem um filho homem albino que não é daltônico, qual é a probabilidade de
um próximo filho homem do casal ser albino e daltônico?
Biologia 12
Carla Carrasco
2
2. Em Drosophila melanogaster, asa selvagem é dominante sobre asa em miniatura; olho selvagem (marrom-
avermelhado) é dominante sobre olho vermelho. Fêmeas selvagens puras foram cruzadas com machos de asa
miniatura e olhos vermelhos. As fêmeas da geração F1 foram cruzadas com machos recessivos, produzindo a seguinte
descendência:
• 48.5% asa selvagem e olho selvagem;
• 48.5% asa miniatura e olho vermelho;
• 1.5% asa selvagem e olho vermelho;
• 1.5% asa miniatura e olho selvagem.
Pergunta-se:
a) Qual é a evidência de que se trata de ligação gênica?
3. Quais as estruturas que permitem diferenciar os dois sexos em diversas espécies?
4. Como são denominados os cromossomas que não variam entre os sexos?
5. Como se denomina o sexo que forma dois tipos diferentes de gameta quanto aos cromossomas sexuais?
6. Como se denomina o sexo que forma apenas um tipo de gameta quanto aos cromossomas sexuais?
7. Cromatina sexual refere-se
a) ao cromossoma Y condensado no espermatozoide.
b) ao cromossoma X condensado no óvulo.
c) ao cromossoma X dos machos condensado durante a interfase.
d) a um dos cromossomas X das fêmeas condensado durante a interfase.
8. Uma espécie com sistema de determinação do sexo do tipo XY produz que tipos de gameta?
9. Uma espécie com sistema de determinação do sexo do tipo X0 produz que tipos de gameta?
10. Uma espécie com sistema de determinação do sexo do tipo ZW produz que tipos de gameta?
Biologia 12
Carla Carrasco
3
11. Em uma espécie de gafanhoto, as fêmeas possuem 20 cromossomos nas células dos gânglios nervosos. Sabendo-
se que nessa espécie o sistema de determinação do sexo é do tipo X0, espera-se que
a) 100% dos óvulos tenham 10 cromossomas e que 100% dos espermatozoides tenham 9 cromossomas.
b) 100% dos óvulos e 100% dos espermatozoides tenham 10 cromossomas.
c) 100% dos óvulos e 50% dos espermatozoides tenham 10 cromossomas, e que 50% dos espermatozoides tenham 9
cromossomas.
d) 100% dos espermatozoides e 50% dos óvulos tenham 10 cromossomas, e que 50% dos óvulos tenham 9
cromossomas.
12. Considere duas espécies, uma com sistema de determinação do sexo do tipo XY e outra com sistema do tipo ZW.
Quem determina o sexo da prole é
a) a fêmea em ambos os casos.
b) a fêmea no primeiro caso e o macho no segundo.
c) o macho em ambos os casos.
d) o macho no primeiro caso e a fêmea no segundo.
13. Um homem é heterozigótico para um gene autossómico (Bb) e portador de um alelo recessivo d ligado ao
cromossomo X. Que proporção de seus espermatozoides será bd?
a) zero
b) 1/2
c) 1/4
d) 1/8
e) 1/16
14. Que alternativa expressa a unidade de distância entre os locos génicos no cromossoma?
15. Como se denomina o fenômeno de trocas de pedaços entre cromatídeos-irmãos na meiose?
16. Como se denomina a propriedade de produzir gâmetas com combinações de alelos diferentes das recebidas dos
pais?
17. Como se denomina a representação gráfica das posições relativas dos genes e suas distâncias relativas em um
cromossoma?
18. Qual é o termo utilizado para designar os genes localizados em um mesmo cromossoma?
Biologia 12
Carla Carrasco
4
19. Em um cruzamento genético, verificou-se que um indivíduo duplo-heterozigótico AaBb formou4 tipos de gametas
na proporção de 40% AB : 40% ab : 10% Ab : 10% aB.
Trata-se de um caso de
a) interação gênica.
b) ligação gênica completa.
c) ligação gênica incompleta.
d) segregação independente.
20. No exemplo mencionado no exercício anterior, a distância entre os dois locos gênicos no cromossoma é estimada
em
a) 10 centimorgans.
b) 20 centimorgans.
c) 40 centimorgans.
d) 80 centimorgans.
21. Em uma espécie de animal, fêmeas de coloração preta provenientes de uma linhagem pura foram cruzadas com
machos de coloração cinza também puros, produzindo, em F1, machos e fêmeas de coloração preta. Quando os
indivíduos F1 foram cruzados entre si, todas as fêmeas F2 apresentaram coloração preta, enquanto os machos eram
de dois tipos: 50% pretos e 50% cinza. Explique como se pode determinar qual dos sexos é heterogamético e qual é
homogamético.
22. Considere o sistema XY de determinação do sexo para a espécie humana. Qual é a probabilidade de uma criança
do sexo masculino apresentar simultaneamente um cromossomo X proveniente da avó materna e um cromossomo Y
proveniente do avô paterno?
Biologia 12
Carla Carrasco
5
23. A hemofilia A é uma doença que se caracteriza pelo retardo no tempo de coagulação do sangue. Essa doença está
presente nos cães (e também na espécie humana) e é condicionada por um alelo recessivo (h), localizado no
cromossomo X.
a) Se um cão macho hemofílico for cruzado com uma fêmea homozigótica não hemofílica, qual é a proporção esperada
de machos e fêmeas normais e hemofílicos, na prole, e quais são os diferentes genótipos apresentados por esses
indivíduos?
b) Se uma das fêmeas produzidas nesse cruzamento for cruzada com um cão normal, qual será a proporção esperada
de indivíduos normais e hemofílicos entre machos e fêmeas da prole e quais serão os diferentes genótipos desses
indivíduos?
Observação: A determinação do sexo em cães é semelhante à da espécie humana (sistema XY).
24. O daltonismo (cegueira para cores) é condicionado por um alelo recessivo ligado ao sexo. Uma mulher normal
cujo pai era daltônico casa-se com um homem daltônico. Pergunta-se:
a) Quais são os possíveis genótipos da mãe da mulher? E da mãe do homem?
b) Qual é a probabilidade de que um filho homem do casal seja daltônico?
Biologia 12
Carla Carrasco
6
c) Que percentagem de mulheres daltônicas pode ser prevista entre as filhas desse casal?
d) Que percentagem de filhos (homens e mulheres) normais pode ser prevista entre os descendentes desse casal?
25. A distrofia muscular Duchenne é ligada ao cromossoma X e geralmente só afeta os homens. A doença manifesta-
se na infância; as vítimas enfraquecem progressivamente e morrem antes da adolescência.
a) Qual é a probabilidade de uma mulher cujo irmão sofre de Duchenne ter um descendente do sexo masculino
afetado?
b) Supondo que um tio materno (irmão da mãe) de uma mulher teve Duchenne, qual é a probabilidade de a mulher ter
recebido o alelo?
Biologia 12
Carla Carrasco
7
26. Em galináceos, o sistema de determinação de sexo é ZW. O alelo dominante B, localizado no cromossomo sexual,
produz penas com padrão barrado. Seu alelo recessivo b produz penas de cor uniforme, quando em condição
homozigótica. O alelo autossómico dominante R produz crista com forma rosa, e seu alelo recessivo r produz crista
com forma simples, quando em condição homozigótica. Uma fêmea de penas barradas, homozigótica para crista com
forma rosa, é cruzada com um macho de penas de cor uniforme e crista com forma simples. Qual é a proporção
fenotípica esperada na geração F1?
27. Drosófilas com genótipo AaBb cruzadas com outras com genótipo aabb geralmente produzem descendentes na
seguinte proporção genotípica: 9 AaBb : 9 aabb : 1 Aabb : 1 aaBb. Entretanto, de um cruzamento-teste de uma fêmea
duplo-heterozigótica nasceram descendentes na seguinte proporção genotípica: 1 AaBb : 1 aabb : 9 Aabb : 9 aaBb.
Proponha uma hipótese para explicar o resultado do primeiro cruzamento e outra para explicar o resultado obtido no
cruzamento com a última fêmea.
28. Em coelhos, o alelo B que condiciona pelagem malhada é dominante sobre o alelo b que condiciona pelagem de
coloração homogênea. Da mesma forma, o alelo A que condiciona pelo curto é dominante sobre o alelo a que
condiciona pelo longo (tipo angorá). Coelhos de uma linhagem pura apresentando pelagem malhada e pelos curtos
(AABB) foram cruzados com indivíduos de uma linhagem pura de pelagem tipo angorá e coloração homogénea (aabb).
Os F1 produzidos, apresentando todos pelagem malhada e pelos curtos, foram cruzados com indivíduos de linhagem
angorá e coloração homogénea. Nesse cruzamento foi obtido o seguinte resultado:
Biologia 12
Carla Carrasco
8
Com base nesses resultados, responda:
a) Os genes em questão têm segregação independente? Justifique.
b) Qual a percentagem de recombinação entre os dois locos génicos?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista  2 exercicios_genetica_ com respostaLista  2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Ionara Urrutia Moura
 
Ficha de trabalho codigo genetico2
Ficha de trabalho codigo genetico2Ficha de trabalho codigo genetico2
Ficha de trabalho codigo genetico2
gracindabento
 
Património Genético´- Trabalhos de Mendel
Património Genético´- Trabalhos de MendelPatrimónio Genético´- Trabalhos de Mendel
Património Genético´- Trabalhos de Mendel
Isabel Lopes
 
Exercícios complementares genética 2012
Exercícios complementares genética 2012Exercícios complementares genética 2012
Exercícios complementares genética 2012
colegioitatiba
 
Mutacões
MutacõesMutacões
Mutacões
Catir
 
2a lei de mendel
2a lei de mendel2a lei de mendel
2a lei de mendel
paulogrillo
 
Exercícios de genética
Exercícios de genéticaExercícios de genética
Exercícios de genética
Carla Carrasco
 
Ficha de trabalho hereditariedade
Ficha de trabalho hereditariedadeFicha de trabalho hereditariedade
Ficha de trabalho hereditariedade
joseeira
 
Exercícios de genética – 1ª lei de mendel
Exercícios de genética – 1ª lei de mendelExercícios de genética – 1ª lei de mendel
Exercícios de genética – 1ª lei de mendel
Carla Carrasco
 
Genética Humana
Genética HumanaGenética Humana
Genética Humana
Vitor Manuel de Carvalho
 
Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)
Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)
Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)
Colégio Batista de Mantena
 
Hereditariedade da cor dos olhos
Hereditariedade da cor dos olhosHereditariedade da cor dos olhos
Hereditariedade da cor dos olhos
isabelourenco
 
Linkage exercícios propostos
Linkage exercícios propostosLinkage exercícios propostos
Linkage exercícios propostos
Carlos Magno Braga
 
Interação genica
Interação genicaInteração genica
Interação genica
Adila Trubat
 
Bio 12 regulação do material genético
Bio 12   regulação do material genéticoBio 12   regulação do material genético
Bio 12 regulação do material genético
Nuno Correia
 
Lista exercicios genética maio_2012
Lista  exercicios  genética maio_2012Lista  exercicios  genética maio_2012
Lista exercicios genética maio_2012
Ionara Urrutia Moura
 
Lista exercicios genética maio_respondida
Lista  exercicios  genética maio_respondidaLista  exercicios  genética maio_respondida
Lista exercicios genética maio_respondida
Ionara Urrutia Moura
 
Genética exercícios 2
Genética exercícios 2Genética exercícios 2
Genética exercícios 2
Carla Carrasco
 
Caracteristicas Hereditárias
Caracteristicas HereditáriasCaracteristicas Hereditárias
Caracteristicas Hereditárias
Francisco Pinheiro
 
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
Ionara Urrutia Moura
 

Mais procurados (20)

Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista  2 exercicios_genetica_ com respostaLista  2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
 
Ficha de trabalho codigo genetico2
Ficha de trabalho codigo genetico2Ficha de trabalho codigo genetico2
Ficha de trabalho codigo genetico2
 
Património Genético´- Trabalhos de Mendel
Património Genético´- Trabalhos de MendelPatrimónio Genético´- Trabalhos de Mendel
Património Genético´- Trabalhos de Mendel
 
Exercícios complementares genética 2012
Exercícios complementares genética 2012Exercícios complementares genética 2012
Exercícios complementares genética 2012
 
Mutacões
MutacõesMutacões
Mutacões
 
2a lei de mendel
2a lei de mendel2a lei de mendel
2a lei de mendel
 
Exercícios de genética
Exercícios de genéticaExercícios de genética
Exercícios de genética
 
Ficha de trabalho hereditariedade
Ficha de trabalho hereditariedadeFicha de trabalho hereditariedade
Ficha de trabalho hereditariedade
 
Exercícios de genética – 1ª lei de mendel
Exercícios de genética – 1ª lei de mendelExercícios de genética – 1ª lei de mendel
Exercícios de genética – 1ª lei de mendel
 
Genética Humana
Genética HumanaGenética Humana
Genética Humana
 
Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)
Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)
Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)
 
Hereditariedade da cor dos olhos
Hereditariedade da cor dos olhosHereditariedade da cor dos olhos
Hereditariedade da cor dos olhos
 
Linkage exercícios propostos
Linkage exercícios propostosLinkage exercícios propostos
Linkage exercícios propostos
 
Interação genica
Interação genicaInteração genica
Interação genica
 
Bio 12 regulação do material genético
Bio 12   regulação do material genéticoBio 12   regulação do material genético
Bio 12 regulação do material genético
 
Lista exercicios genética maio_2012
Lista  exercicios  genética maio_2012Lista  exercicios  genética maio_2012
Lista exercicios genética maio_2012
 
Lista exercicios genética maio_respondida
Lista  exercicios  genética maio_respondidaLista  exercicios  genética maio_respondida
Lista exercicios genética maio_respondida
 
Genética exercícios 2
Genética exercícios 2Genética exercícios 2
Genética exercícios 2
 
Caracteristicas Hereditárias
Caracteristicas HereditáriasCaracteristicas Hereditárias
Caracteristicas Hereditárias
 
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
 

Semelhante a Exercícios genética 6

Exercícios genética 7
Exercícios genética 7Exercícios genética 7
Exercícios genética 7
Carla Carrasco
 
Lista2exerciciosgeneticacomresposta
Lista2exerciciosgeneticacomresposta Lista2exerciciosgeneticacomresposta
Lista2exerciciosgeneticacomresposta
CotucaAmbiental
 
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista  2 exercicios_genetica_ com respostaLista  2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
CotucaAmbiental
 
3S_ exercicios genetica com resposta
3S_ exercicios genetica  com resposta3S_ exercicios genetica  com resposta
3S_ exercicios genetica com resposta
Ionara Urrutia Moura
 
PARA 3S_ LISTA COMPLETA DE EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTA
PARA 3S_ LISTA COMPLETA DE  EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTAPARA 3S_ LISTA COMPLETA DE  EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTA
PARA 3S_ LISTA COMPLETA DE EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTA
Ionara Urrutia Moura
 
Testes de genética prof. poty
Testes de genética   prof. potyTestes de genética   prof. poty
Testes de genética prof. poty
Poty Ribeiro Tubino
 
8 ano exercicio fundamentos_de_genetica
8 ano exercicio fundamentos_de_genetica8 ano exercicio fundamentos_de_genetica
8 ano exercicio fundamentos_de_genetica
Nathalia Pietrani
 
Exercicios resolucoes gabarito_genetica_cromossomos_anomalias
Exercicios resolucoes gabarito_genetica_cromossomos_anomaliasExercicios resolucoes gabarito_genetica_cromossomos_anomalias
Exercicios resolucoes gabarito_genetica_cromossomos_anomalias
Renan Rodrigues
 
Lista de genética
Lista de genéticaLista de genética
Lista de genética
Caio Augusto
 
Lista de exercícios - GENÉTICA II 3º ano 2º bim 2016- prof.james martins
Lista de exercícios - GENÉTICA II  3º ano 2º bim 2016- prof.james martinsLista de exercícios - GENÉTICA II  3º ano 2º bim 2016- prof.james martins
Lista de exercícios - GENÉTICA II 3º ano 2º bim 2016- prof.james martins
James Martins
 
Exercícios genética 5
Exercícios genética 5Exercícios genética 5
Exercícios genética 5
Carla Carrasco
 
Heranca e sexo
Heranca e sexoHeranca e sexo
Heranca e sexo
URCA
 
Plano itihane x
Plano itihane xPlano itihane x
Plano itihane x
itihane
 
Lista maio2012 sem respostas final
Lista maio2012 sem respostas finalLista maio2012 sem respostas final
Lista maio2012 sem respostas final
Ionara Urrutia Moura
 
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
James Martins
 
Lista de exercícios 1°bim 2014
Lista de exercícios 1°bim 2014Lista de exercícios 1°bim 2014
Lista de exercícios 1°bim 2014
Ionara Urrutia Moura
 
Herança sexual e linkage
Herança sexual e linkageHerança sexual e linkage
Herança sexual e linkage
Maira Silva
 
Lista de exercícios respondida 1°bim 2014
Lista de exercícios respondida 1°bim 2014Lista de exercícios respondida 1°bim 2014
Lista de exercícios respondida 1°bim 2014
Ionara Urrutia Moura
 
Lista heranca-sexual
Lista heranca-sexualLista heranca-sexual
Lista heranca-sexual
Ionara Urrutia Moura
 
Exercícios genética 4
Exercícios genética 4Exercícios genética 4
Exercícios genética 4
Carla Carrasco
 

Semelhante a Exercícios genética 6 (20)

Exercícios genética 7
Exercícios genética 7Exercícios genética 7
Exercícios genética 7
 
Lista2exerciciosgeneticacomresposta
Lista2exerciciosgeneticacomresposta Lista2exerciciosgeneticacomresposta
Lista2exerciciosgeneticacomresposta
 
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista  2 exercicios_genetica_ com respostaLista  2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
 
3S_ exercicios genetica com resposta
3S_ exercicios genetica  com resposta3S_ exercicios genetica  com resposta
3S_ exercicios genetica com resposta
 
PARA 3S_ LISTA COMPLETA DE EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTA
PARA 3S_ LISTA COMPLETA DE  EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTAPARA 3S_ LISTA COMPLETA DE  EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTA
PARA 3S_ LISTA COMPLETA DE EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTA
 
Testes de genética prof. poty
Testes de genética   prof. potyTestes de genética   prof. poty
Testes de genética prof. poty
 
8 ano exercicio fundamentos_de_genetica
8 ano exercicio fundamentos_de_genetica8 ano exercicio fundamentos_de_genetica
8 ano exercicio fundamentos_de_genetica
 
Exercicios resolucoes gabarito_genetica_cromossomos_anomalias
Exercicios resolucoes gabarito_genetica_cromossomos_anomaliasExercicios resolucoes gabarito_genetica_cromossomos_anomalias
Exercicios resolucoes gabarito_genetica_cromossomos_anomalias
 
Lista de genética
Lista de genéticaLista de genética
Lista de genética
 
Lista de exercícios - GENÉTICA II 3º ano 2º bim 2016- prof.james martins
Lista de exercícios - GENÉTICA II  3º ano 2º bim 2016- prof.james martinsLista de exercícios - GENÉTICA II  3º ano 2º bim 2016- prof.james martins
Lista de exercícios - GENÉTICA II 3º ano 2º bim 2016- prof.james martins
 
Exercícios genética 5
Exercícios genética 5Exercícios genética 5
Exercícios genética 5
 
Heranca e sexo
Heranca e sexoHeranca e sexo
Heranca e sexo
 
Plano itihane x
Plano itihane xPlano itihane x
Plano itihane x
 
Lista maio2012 sem respostas final
Lista maio2012 sem respostas finalLista maio2012 sem respostas final
Lista maio2012 sem respostas final
 
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
 
Lista de exercícios 1°bim 2014
Lista de exercícios 1°bim 2014Lista de exercícios 1°bim 2014
Lista de exercícios 1°bim 2014
 
Herança sexual e linkage
Herança sexual e linkageHerança sexual e linkage
Herança sexual e linkage
 
Lista de exercícios respondida 1°bim 2014
Lista de exercícios respondida 1°bim 2014Lista de exercícios respondida 1°bim 2014
Lista de exercícios respondida 1°bim 2014
 
Lista heranca-sexual
Lista heranca-sexualLista heranca-sexual
Lista heranca-sexual
 
Exercícios genética 4
Exercícios genética 4Exercícios genética 4
Exercícios genética 4
 

Mais de Carla Carrasco

3) Obtenção de Matéria pelos Seres Heterotróficos e Autotróficos.pdf
3) Obtenção de Matéria pelos Seres Heterotróficos e Autotróficos.pdf3) Obtenção de Matéria pelos Seres Heterotróficos e Autotróficos.pdf
3) Obtenção de Matéria pelos Seres Heterotróficos e Autotróficos.pdf
Carla Carrasco
 
2)A célula-Estrutura e Função.pdf
2)A célula-Estrutura e Função.pdf2)A célula-Estrutura e Função.pdf
2)A célula-Estrutura e Função.pdf
Carla Carrasco
 
1)Diversidade na Biosfera.pdf
1)Diversidade na Biosfera.pdf1)Diversidade na Biosfera.pdf
1)Diversidade na Biosfera.pdf
Carla Carrasco
 
Regulação e alteração do material genético. fundamentos de engenharia genética
Regulação e alteração do material genético. fundamentos de engenharia genéticaRegulação e alteração do material genético. fundamentos de engenharia genética
Regulação e alteração do material genético. fundamentos de engenharia genética
Carla Carrasco
 
Exercícios de genética – 2ª lei de mendel
Exercícios de genética – 2ª lei de mendelExercícios de genética – 2ª lei de mendel
Exercícios de genética – 2ª lei de mendel
Carla Carrasco
 
Biologia 12
Biologia 12Biologia 12
Biologia 12
Carla Carrasco
 

Mais de Carla Carrasco (6)

3) Obtenção de Matéria pelos Seres Heterotróficos e Autotróficos.pdf
3) Obtenção de Matéria pelos Seres Heterotróficos e Autotróficos.pdf3) Obtenção de Matéria pelos Seres Heterotróficos e Autotróficos.pdf
3) Obtenção de Matéria pelos Seres Heterotróficos e Autotróficos.pdf
 
2)A célula-Estrutura e Função.pdf
2)A célula-Estrutura e Função.pdf2)A célula-Estrutura e Função.pdf
2)A célula-Estrutura e Função.pdf
 
1)Diversidade na Biosfera.pdf
1)Diversidade na Biosfera.pdf1)Diversidade na Biosfera.pdf
1)Diversidade na Biosfera.pdf
 
Regulação e alteração do material genético. fundamentos de engenharia genética
Regulação e alteração do material genético. fundamentos de engenharia genéticaRegulação e alteração do material genético. fundamentos de engenharia genética
Regulação e alteração do material genético. fundamentos de engenharia genética
 
Exercícios de genética – 2ª lei de mendel
Exercícios de genética – 2ª lei de mendelExercícios de genética – 2ª lei de mendel
Exercícios de genética – 2ª lei de mendel
 
Biologia 12
Biologia 12Biologia 12
Biologia 12
 

Último

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 

Exercícios genética 6

  • 1. Biologia 12 Carla Carrasco 1 Problemas de Genética 1. O albinismo tipo I na espécie humana tem herança autossómica, sendo condicionado por um alelo recessivo. O daltonismo tem herança ligada ao cromossomo X. No heredograma a seguir, os indivíduos de uma família estão representados divididos em duas metades; a da esquerda indica o fenótipo para a pigmentação da pele (normal ou albino), e a da direita, o fenótipo para a visão em cores (normal ou daltônico). Analise a genealogia e responda: a) Qual é a probabilidade de uma criança filha do casal III-1 X III-2 vir a ter albinismo e não ser daltônica? b) Sabendo-se que o casal III-1 X III-2 já tem um filho homem albino que não é daltônico, qual é a probabilidade de um próximo filho homem do casal ser albino e daltônico?
  • 2. Biologia 12 Carla Carrasco 2 2. Em Drosophila melanogaster, asa selvagem é dominante sobre asa em miniatura; olho selvagem (marrom- avermelhado) é dominante sobre olho vermelho. Fêmeas selvagens puras foram cruzadas com machos de asa miniatura e olhos vermelhos. As fêmeas da geração F1 foram cruzadas com machos recessivos, produzindo a seguinte descendência: • 48.5% asa selvagem e olho selvagem; • 48.5% asa miniatura e olho vermelho; • 1.5% asa selvagem e olho vermelho; • 1.5% asa miniatura e olho selvagem. Pergunta-se: a) Qual é a evidência de que se trata de ligação gênica? 3. Quais as estruturas que permitem diferenciar os dois sexos em diversas espécies? 4. Como são denominados os cromossomas que não variam entre os sexos? 5. Como se denomina o sexo que forma dois tipos diferentes de gameta quanto aos cromossomas sexuais? 6. Como se denomina o sexo que forma apenas um tipo de gameta quanto aos cromossomas sexuais? 7. Cromatina sexual refere-se a) ao cromossoma Y condensado no espermatozoide. b) ao cromossoma X condensado no óvulo. c) ao cromossoma X dos machos condensado durante a interfase. d) a um dos cromossomas X das fêmeas condensado durante a interfase. 8. Uma espécie com sistema de determinação do sexo do tipo XY produz que tipos de gameta? 9. Uma espécie com sistema de determinação do sexo do tipo X0 produz que tipos de gameta? 10. Uma espécie com sistema de determinação do sexo do tipo ZW produz que tipos de gameta?
  • 3. Biologia 12 Carla Carrasco 3 11. Em uma espécie de gafanhoto, as fêmeas possuem 20 cromossomos nas células dos gânglios nervosos. Sabendo- se que nessa espécie o sistema de determinação do sexo é do tipo X0, espera-se que a) 100% dos óvulos tenham 10 cromossomas e que 100% dos espermatozoides tenham 9 cromossomas. b) 100% dos óvulos e 100% dos espermatozoides tenham 10 cromossomas. c) 100% dos óvulos e 50% dos espermatozoides tenham 10 cromossomas, e que 50% dos espermatozoides tenham 9 cromossomas. d) 100% dos espermatozoides e 50% dos óvulos tenham 10 cromossomas, e que 50% dos óvulos tenham 9 cromossomas. 12. Considere duas espécies, uma com sistema de determinação do sexo do tipo XY e outra com sistema do tipo ZW. Quem determina o sexo da prole é a) a fêmea em ambos os casos. b) a fêmea no primeiro caso e o macho no segundo. c) o macho em ambos os casos. d) o macho no primeiro caso e a fêmea no segundo. 13. Um homem é heterozigótico para um gene autossómico (Bb) e portador de um alelo recessivo d ligado ao cromossomo X. Que proporção de seus espermatozoides será bd? a) zero b) 1/2 c) 1/4 d) 1/8 e) 1/16 14. Que alternativa expressa a unidade de distância entre os locos génicos no cromossoma? 15. Como se denomina o fenômeno de trocas de pedaços entre cromatídeos-irmãos na meiose? 16. Como se denomina a propriedade de produzir gâmetas com combinações de alelos diferentes das recebidas dos pais? 17. Como se denomina a representação gráfica das posições relativas dos genes e suas distâncias relativas em um cromossoma? 18. Qual é o termo utilizado para designar os genes localizados em um mesmo cromossoma?
  • 4. Biologia 12 Carla Carrasco 4 19. Em um cruzamento genético, verificou-se que um indivíduo duplo-heterozigótico AaBb formou4 tipos de gametas na proporção de 40% AB : 40% ab : 10% Ab : 10% aB. Trata-se de um caso de a) interação gênica. b) ligação gênica completa. c) ligação gênica incompleta. d) segregação independente. 20. No exemplo mencionado no exercício anterior, a distância entre os dois locos gênicos no cromossoma é estimada em a) 10 centimorgans. b) 20 centimorgans. c) 40 centimorgans. d) 80 centimorgans. 21. Em uma espécie de animal, fêmeas de coloração preta provenientes de uma linhagem pura foram cruzadas com machos de coloração cinza também puros, produzindo, em F1, machos e fêmeas de coloração preta. Quando os indivíduos F1 foram cruzados entre si, todas as fêmeas F2 apresentaram coloração preta, enquanto os machos eram de dois tipos: 50% pretos e 50% cinza. Explique como se pode determinar qual dos sexos é heterogamético e qual é homogamético. 22. Considere o sistema XY de determinação do sexo para a espécie humana. Qual é a probabilidade de uma criança do sexo masculino apresentar simultaneamente um cromossomo X proveniente da avó materna e um cromossomo Y proveniente do avô paterno?
  • 5. Biologia 12 Carla Carrasco 5 23. A hemofilia A é uma doença que se caracteriza pelo retardo no tempo de coagulação do sangue. Essa doença está presente nos cães (e também na espécie humana) e é condicionada por um alelo recessivo (h), localizado no cromossomo X. a) Se um cão macho hemofílico for cruzado com uma fêmea homozigótica não hemofílica, qual é a proporção esperada de machos e fêmeas normais e hemofílicos, na prole, e quais são os diferentes genótipos apresentados por esses indivíduos? b) Se uma das fêmeas produzidas nesse cruzamento for cruzada com um cão normal, qual será a proporção esperada de indivíduos normais e hemofílicos entre machos e fêmeas da prole e quais serão os diferentes genótipos desses indivíduos? Observação: A determinação do sexo em cães é semelhante à da espécie humana (sistema XY). 24. O daltonismo (cegueira para cores) é condicionado por um alelo recessivo ligado ao sexo. Uma mulher normal cujo pai era daltônico casa-se com um homem daltônico. Pergunta-se: a) Quais são os possíveis genótipos da mãe da mulher? E da mãe do homem? b) Qual é a probabilidade de que um filho homem do casal seja daltônico?
  • 6. Biologia 12 Carla Carrasco 6 c) Que percentagem de mulheres daltônicas pode ser prevista entre as filhas desse casal? d) Que percentagem de filhos (homens e mulheres) normais pode ser prevista entre os descendentes desse casal? 25. A distrofia muscular Duchenne é ligada ao cromossoma X e geralmente só afeta os homens. A doença manifesta- se na infância; as vítimas enfraquecem progressivamente e morrem antes da adolescência. a) Qual é a probabilidade de uma mulher cujo irmão sofre de Duchenne ter um descendente do sexo masculino afetado? b) Supondo que um tio materno (irmão da mãe) de uma mulher teve Duchenne, qual é a probabilidade de a mulher ter recebido o alelo?
  • 7. Biologia 12 Carla Carrasco 7 26. Em galináceos, o sistema de determinação de sexo é ZW. O alelo dominante B, localizado no cromossomo sexual, produz penas com padrão barrado. Seu alelo recessivo b produz penas de cor uniforme, quando em condição homozigótica. O alelo autossómico dominante R produz crista com forma rosa, e seu alelo recessivo r produz crista com forma simples, quando em condição homozigótica. Uma fêmea de penas barradas, homozigótica para crista com forma rosa, é cruzada com um macho de penas de cor uniforme e crista com forma simples. Qual é a proporção fenotípica esperada na geração F1? 27. Drosófilas com genótipo AaBb cruzadas com outras com genótipo aabb geralmente produzem descendentes na seguinte proporção genotípica: 9 AaBb : 9 aabb : 1 Aabb : 1 aaBb. Entretanto, de um cruzamento-teste de uma fêmea duplo-heterozigótica nasceram descendentes na seguinte proporção genotípica: 1 AaBb : 1 aabb : 9 Aabb : 9 aaBb. Proponha uma hipótese para explicar o resultado do primeiro cruzamento e outra para explicar o resultado obtido no cruzamento com a última fêmea. 28. Em coelhos, o alelo B que condiciona pelagem malhada é dominante sobre o alelo b que condiciona pelagem de coloração homogênea. Da mesma forma, o alelo A que condiciona pelo curto é dominante sobre o alelo a que condiciona pelo longo (tipo angorá). Coelhos de uma linhagem pura apresentando pelagem malhada e pelos curtos (AABB) foram cruzados com indivíduos de uma linhagem pura de pelagem tipo angorá e coloração homogénea (aabb). Os F1 produzidos, apresentando todos pelagem malhada e pelos curtos, foram cruzados com indivíduos de linhagem angorá e coloração homogénea. Nesse cruzamento foi obtido o seguinte resultado:
  • 8. Biologia 12 Carla Carrasco 8 Com base nesses resultados, responda: a) Os genes em questão têm segregação independente? Justifique. b) Qual a percentagem de recombinação entre os dois locos génicos?