SlideShare uma empresa Scribd logo
“O sonho
  pelo qual
 brigo exige
   que eu
 invente em
    mim a
 coragem de
lutar ao lado
 da coragem
  de amar”.
   Paulo Freire
Produção Textual
 na Educação Escolar
Histórico da Comunicação

 • Aristóteles ( 320 a.C) – Homem Político -
         vida gregária    comunicação

    Comunicação – dependeu da invenção da
                  linguagem

• Linguagem – gestual, oral e escrita (4000 a.
                    C.).
Texto
  Texto é a manifestação lingüística produzida por
   alguém, numa situação concreta(contexto), com
   intenção determinada; sua produção pressupõe,
  sempre, a existência de um interlocutor, a quem o
                   autor se dirige.
Para começarmos a pôr em prática o conceito de texto,
  trataremos, nesta unidade, de uma das funções mais
  importantes da escrita: Contar os eventos marcantes
         da existência do indivíduo, sua história.
             Existe várias maneiras – cartas, diários e livros.
Memorial
É a memória de todos os trabalhos realizados
 pelos estudantes durantes uma disciplina ou
        mesmo durante todo um curso.

A produção de um memorial auxilia o cursista
  a refletir sobre o seu próprio aprendizado e
    avaliação de seu trabalho, bem como na
     demonstração de suas competências,
               habilidades e valores.
Clareza e Coerência na
        Produção Textual
   Clareza e Coerência de idéias são duas qualidades
        indispensáveis à produção de um bom texto.

Clareza: consiste na expressão da idéia de forma que possa
           ser rapidamente compreendida pelo leitor.
               Ser claro é, não confundir o leitor
Evitar: frases ambíguas, emprego de palavras desconhecidas.
                  Ex. O cachorro do vizinho faz muito barulho.
 (Refere-se ao animal de estimação do vizinho ou está chamando o vizinho de cachorro?)


 Elaborar um pequeno roteiro antes de redigir ajuda muito!!!
Clareza e Coerência na Produção Textual
Coerência: É a conexão lógica, a ligação harmônica dos fatos,
      dos acontecimentos. É a ausência de contradições.
  É a continuidade de sentido entre um parágrafo e outro.
  Na dúvida vale a velha lição: o texto precisa ter começo,
                                meio e fim..
A releitura é crucial – auxilia no ganho da qualidade da mensagem.
Texto Claro e Coerente
Texto Claro e Coerente – Retrato de um
              Libertador
Qualidades do Texto

             Texto          Tecido
Podemos dizer que o texto é um tecido, porque é uma
  estrutura construída de tal forma que as frases (ou
  fios) que o compõem mantém uma relação intima
                       entre si.

Portanto, a elaboração de textos demanda certa dose
     de atenção a alguns aspectos que auxiliam na
     compreensão da mensagem que se pretende
  transmitir, ou melhor, no entrelaçamento dos fios
                 que gerarão o tecido.
Dois elementos são importantes
 para se tecer um bom texto:
      Precisão e Concisão

  Precisão: É a objetividade, a rapidez na exposição do
   pensamento, dinamismo e a simplicidade das palavras.

Para ser preciso, evite palavras vagas, compridas, difíceis, e
                         desnecessárias.




         Ler e revisar o texto é um santo remédio
Concisão: É a capacidade de expressar o máximo de
   informações empregando o mínimo possível de palavras.

O texto conciso não deve ser muito extenso, nem tão resumido,
            de forma a prejudicar sua compreensão.

                                 Evite:
       Uso excessivo de pronomes pessoais (eu, nós) e conjunções;
                        repetições desnecessárias;
                       redundâncias e pleonasmos
                ( subir pra cima, entrar para dentro etc. )




    Um texto conciso é, enfim, um texto enxuto!
Qualidades do texto:
objetividade, coesão e criatividade

   Objetividade: É a capacidade de transmitir idéias
      relevantes, retirando do texto as informações
                      desnecessárias.

  Separa o que é importante do que é supérfluo
Qualidades do texto:
objetividade, coesão e criatividade
 • Coesão: É a articulação gramatical entre as palavras,
   orações, frases e parágrafos ou, ainda, uma maneira de
  se recuperar em uma segunda frase, um termo citado em
                        uma primeira.
    As palavras responsáveis pela coesão, em geral são:
                         os pronomes
                      Pessoais – ela, ele, nós, o, a, lhe
                     Possessivos – seu, teu, meu, nosso
                  Demonstrativos – aquele, aquilo, esse, este

               os advérbios de lugar – ali, lá, aqui
                os artigos definidos – a/as, o/os
             conectivos – mas, porque, portanto, pois, e etc.
Qualidades do texto:
objetividade, coesão e criatividade
 Criatividade: É a capacidade de captar a atenção do leitor
    para o texto, evitando o emprego de expressões óbvias,
            desgastadas, repetições desnecessárias.



                                Um texto criativo capta a
                                atenção do leitor pelo estilo
                                       diferenciado



                           EXECUTAR O PRATIQUE DA PAG. 20
Redação Oficial


É a forma pela qual o Poder Público redige
 normas, atos e comunicações. Caracteriza-
 se pelo uso da norma culta da linguagem,
    pela formalidade, clareza e concisão.
A eficácia de um texto

    A eficácia diz respeito a realizar a tarefa certa, no
    momento oportuno, de modo que seja alcançado o
                           objetivo.

A eficácia de um texto é medida pela resposta dada. Se for
   transmitida uma informação e rapidamente a resposta
   decodificada, compreendida, é sinal que o objetivo foi
                          atingido.

Quanto mais conciso e facilmente compreendido,
              mais eficaz é o texto.
A carta como meio eficaz de
         comunicação

A carta é um dos meios mais antigos de comunicação. Não
    foi por acaso que as primeiras notícias de nossa terra
         chegaram ao rei de Portugal por esse meio.

Desde o surgimento da escrita, as pessoas escrevem cartas
  para informar acontecimentos, expressar sentimentos,
                    fazer solicitações.
Independente de assunto, a elaboração de uma carta deve
                atender algumas normas.
                     • São elas:

 Cabeçalho, contendo local e data do remetente;

 Cumprimentos iniciais ou vocativo, como o nome da
 pessoa para quem se escreve(destinatário);

 Mensagem;

 Saudações finais ou fecho, com a assinatura de quem
 escreve.

 Outro elemento importante na correspondência é o
 preenchimento correto do envelope. (frente e verso)
Não se esqueça
EXECUTAR
    O
PRATIQUE
DA PAG. 39
 Individual
Ofício:
Solicitações e Requerimentos

Esse tipo de cartas inclui toda espécie de documentos
ligados a transações comercias, industriais, financeiras e
   profissionais. Serve par informar, solicitar, requerer,
                   encaminhar, convidar.
Solicitações

 O ofício de solicitação será lido por pessoas da sua relação
    profissional. Por isso, devem ser escritas em linguagem
  formal, distantes, que transmitam de forma clara, direta e
   precisa a mensagem pretendida. Não se trata de escrever
     muito ou pouco, mas, tão somente, de apresentar as
                    informações necessárias.

A forma de tratamento deve ser adequada ao cargo que ocupa
     o destinatário, usando os pronomes de acordo com as
            normas recomendadas e abreviando-os
                    ( Ilmo. Sr., V. Sa., V. Exa.)
Solicitações
Nos fechos, frequentemente, são utilizados expressões,
       como Atenciosamente, Respeitosamente,
                     Cordialmente.
               Dispensa o traço para a assinatura
Requerimentos
Esse tipo de ofício é utilizado quando se faz um pedido
 dirigido a uma autoridade do serviço público no qual se
solicita algo, tanto sob o amparo da lei ( férias, benefícios,
 pagamentos retroativos, etc.), quanto sem certeza de tal
    amparo ou sem segurança quanto ao deferimento.

No corpo do texto, deverá ser exposto, em apenas um
    parágrafo, o objeto do requerimento, citando a
 identificação do requerente(nome completo, função,
matrícula, local de trabalho) e a justificativa, se possível,
   com a fundamentação legal que garante o pedido.
Requerimentos
    O fecho, em geral, emprega dizeres como:
Espera deferimento
Pede deferimento,
Nestes termos, pede deferimento.
          Em seguida, local, data e assinatura.
O Memorável Memorando
O Memorando é uma comunicação escrita de circulação
        interna, somente para funcionários.

   Sua principal característica é a agilidade, sendo sua
    tramitação pautada pela rapidez e simplicidade de
 procedimentos burocráticos. Quando se destinam a mais
    de um setor ou escola pode ser transmitido por fax.
( acompanha o logotipo da instituição ou órgão público)
Circular: A mesma informação,
        vários destinatários
 Uma comunicação endereçada a diversos destinatários

De caráter multidirecional, a circular é reproduzida em vias
      ou cópias de igual teor, podendo transmitir avisos,
   ordens, instruções, convites, para um público que pode
     ser misto, interno e externo - este último em menor
    escala. O endereçamento é feito apenas no envelope.

 Seu texto é direto, dispensando-se as formalidades, mas
                     nunca a norma culta.
A estrutura de uma circular é similar à do memorando:

Cabeçalho: Nome da empresa que envia ou logotipo,
número da circular;
Vocativo;
Mensagem;
Local e data;
Assinatura.
Correio Eletrônico: O avanço
   tecnológico nas comunicações
               oficiais
  e-mail:
  É ágil na
 transmissão
      de
documentos e
   facilita a
comunicação.
Ata: Vale o que está escrito

Normalmente escrita à mão, em livros próprios, com folhas
   numeradas, a ata é um resumo escrito, com clareza e
    precisão, das deliberações, resoluções, assembléias,
                  reuniões ou solenidades.

Este documento é redigido por um secretário, que poderá
 ser uma pessoa presente no evento, desde que designado
   pelo coordenador ou presidente a exercer tal função.

  Deve ser redigida de tal maneira que não seja possível
       qualquer alteração ou modificação posterior.
Assim, a ata deve ser escrita:
   Sem parágrafos ou alíneas;
   Sem abreviaturas;
   Sem rasuras nem emendas;
   Sem uso de corretivos;
   Com números escritos, preferencialmente, por extenso;
   Com verbos no pretérito perfeito do indicativo( solicitou,
   foi,encaminhou, proclamou etc.)

O fecho ou encerramento, convencionalmente, emprega
  dizeres como:
“ Nada mais havendo a tratar, o senhor presidente encerrou a sessão...”.
  Ao final são necessárias as assinaturas do presidente, do
             secretário e dos demais participantes.
Relatório
   É um documento que apresenta informações; descreve e
   analisa fatos a serem investigados, com objetivo de orientar
    as decisões a serem tomadas, facilitando o gerenciamento
                              das ações.
• A produção de um relatório deve atender a uma estrutura
  básica.
                  1- Apresentação ou abertura
                          2- Introdução
                       3- Desenvolvimento
                           4- Conclusão        EXECUTAR
                             5- Fecho                O
                            6- Anexos          PRATIQUE
                            Pag.57/58          DA PAG. 61
                                                   Grupo
Construindo gráficos e tabelas

Embora necessário à organização administrativa de uma
escola ou de qualquer setor público ou privado, gráficos e
 tabelas não costumam fazer parte da rotina de leitura e
 da produção da escrita da grande maioria dos cidadãos.

   Esse tipo de texto são comuns no nosso cotidiano:
                 Tabela nutricional nos rótulos
            Histórico de consumo de energia elétrica
Tabelas

É um registro ordenado de dados numéricos, indicando os
         resultados de cálculos feitos anteriormente.
A tabela é a melhor maneira de organizar os resultados de
  uma pesquisa estatística, apresentando a informação em
  linhas e colunas, o que facilita a análise inicial dos dados.
EXECUTAR O PRATIQUE DA
       PAG. 66
Gráficos

  São utilizados na representação de dados estatísticos ,
  frequentemente nos deparamos com esta linguagem em
                      nosso cotidiano.

A capacidade de ler e produzir gráficos aguça o raciocínio,
   potencializa a percepção, contribuindo para uma maior
     compreensão do contexto e análise mais crítica da
                          realidade.

             Tipos de gráficos mais comuns:
Gráficos de barras
Gráficos de setoriais ou pizza
Gráficos de linhas
Para resumir um texto

O resumo é a reprodução, em poucas palavras, das idéias,
   das palavras expressas pelo autor, uma abreviação do
 assunto tratado. Seu principal objetivo é o de possibilitar
   ao leitor saber se irá consultar o texto original ou não.
             É extrair do texto a idéia central.
Memorial - Profuncionário
Com o estudo do Módulo 3 pude aprender muitas
                       coisas.
 Aprendi um novo conceito para humano e para
  cultura. Aprendi palavras que nunca tinha visto
 ou ouvido antes como Devir Humano e com isso
     descobri que não nascemos humanos, nos
            fazemos humanos a cada dia.
 Esse devir humano acontece a cada dia, a cada
  instante de nossas vidas, com nossos sucessos e
    também é claro, com os nossos insucessos.
   Participamos deste devir humano com nossas
        escolhas, nossos projetos e sonhos.
Antes eu pensava que ter cultura era só quem freqüentava
   grandes teatros ou shows de artistas famosos ou quem
 tinha uma boa faculdade. Hoje sei que tudo é cultura, que
    cultura na verdade é o conhecimento de um povo, é o
     modo de viver de um povo, são os seus valores, suas
   crenças e práticas sociais em uma determinada época.

E que a cultura está totalmente ligada ao devir Humano,
  pois nos tornamos o que somos quando produzimos e
                    adquirimos cultura.
  Aprendi sobre etnocentrismo e diversidade cultural.
   Podemos dizer que existem diferentes culturas, pois
  existe uma pluralidade de comportamentos e práticas
  sociais. E para conseguirmos viver bem com toda esta
pluralidade devemos ter muito respeito uns pelos outros.
 Não deixar que a supervalorização do meu modo de vida
   considere o maneira de viver de outras pessoas como
                         incorretas
Tive a oportunidade de observar por alguns dias um grupo
    de ciganos que ficou acampado perto de minha casa.
   Como são diferentes no seu modo de viver. A começar
    pela não moradia fixa, são praticamente nômades; as
  roupas são tão diferentes, as mulheres sempre de longo,
    muitas colares e pulseiras, unhas pintadas sempre de
    cores fortes. Até as mais jovens se vestem assim. Os
  homens usam calças compridas, cinto fivelão, chapéu na
                   cabeça e ouro no dente.
  Ficam amontoados em barracas sem qualquer infra –
    estrutura ou conforto, sem a presença de coisas que
    para mim são consideradas essenciais como energia
  elétrica. O que mais me chamou a atenção foi a forma de
  entretenimento: as crianças, lideradas por algumas mais
     velhas, se reuniam na “ilha” da avenida para contar
  histórias, contos populares, brincadeiras de rodas, passa
                      anel, entre outras.
Os adultos à noite se reuniam para conversar em volta
                    de uma fogueira.
Confesso que senti saudades da minha infância, época
    que não tinha os vídeos - games e nem ficávamos
    horas em frente a um computador navegando na
                         internet.
 É, o ser humano está sempre em transformação e o
  meu papel na educação, é aceitar o outro como ele é
  e ser agente de transformação, para que o processo
   do saber se transforme, atinja um nível de melhor
                        qualidade.
Bons Estudos e Boas Férias!!!
    Espero vocês em Agosto!!!
Estudo profuncionário

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
Netosaimon Silva
 
Produção de textos para concursos públicos
Produção de textos para concursos públicosProdução de textos para concursos públicos
Produção de textos para concursos públicos
Renan Silva
 
Apostila texto vnia_arajo
Apostila texto vnia_arajoApostila texto vnia_arajo
Apostila texto vnia_arajo
Araujo Silva
 
Noção de Texto
Noção de TextoNoção de Texto
Noção de Texto
Adriana Ramirez Meira
 
VÍCIOS DA LINGUAGEM JURÍDICA OK
VÍCIOS DA LINGUAGEM JURÍDICA OKVÍCIOS DA LINGUAGEM JURÍDICA OK
VÍCIOS DA LINGUAGEM JURÍDICA OK
Yureruy
 
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Jader Windson
 
Leitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escritoLeitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escrito
AFMO35
 
LINGUAGEM JURÍDICA E JURIDIQUÊS.
LINGUAGEM JURÍDICA E JURIDIQUÊS.LINGUAGEM JURÍDICA E JURIDIQUÊS.
LINGUAGEM JURÍDICA E JURIDIQUÊS.
Antoniowatson
 
Linguagem Jurídica e Juridiquês
Linguagem Jurídica e JuridiquêsLinguagem Jurídica e Juridiquês
Linguagem Jurídica e Juridiquês
rafilos23
 
Tecnica redacaoforense
Tecnica redacaoforenseTecnica redacaoforense
Tecnica redacaoforense
Daniel Tinoco
 
Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10
Janair E Edvonaldo
 
Translation
TranslationTranslation
Translation
nadiarivero
 
ComunicaçãO E ExpressãO
ComunicaçãO E ExpressãOComunicaçãO E ExpressãO
ComunicaçãO E ExpressãO
danilosestario
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
Antônio Fernandes
 
Carta
CartaCarta
Aula 02 redação
Aula 02 redaçãoAula 02 redação
Aula 02 redação
Homero Alves de Lima
 
Linguagem forense aula 4 direito 20122
Linguagem forense aula 4 direito 20122Linguagem forense aula 4 direito 20122
Linguagem forense aula 4 direito 20122
Agassis Rodrigues
 
Aula 1 de interpretação textual (PISA)
Aula 1 de interpretação textual (PISA)Aula 1 de interpretação textual (PISA)
Aula 1 de interpretação textual (PISA)
Seduc/AM
 
Leitura e producao de sentido
Leitura e producao de sentidoLeitura e producao de sentido
Leitura e producao de sentido
Ronhely Pereira
 

Mais procurados (19)

Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
 
Produção de textos para concursos públicos
Produção de textos para concursos públicosProdução de textos para concursos públicos
Produção de textos para concursos públicos
 
Apostila texto vnia_arajo
Apostila texto vnia_arajoApostila texto vnia_arajo
Apostila texto vnia_arajo
 
Noção de Texto
Noção de TextoNoção de Texto
Noção de Texto
 
VÍCIOS DA LINGUAGEM JURÍDICA OK
VÍCIOS DA LINGUAGEM JURÍDICA OKVÍCIOS DA LINGUAGEM JURÍDICA OK
VÍCIOS DA LINGUAGEM JURÍDICA OK
 
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
 
Leitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escritoLeitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escrito
 
LINGUAGEM JURÍDICA E JURIDIQUÊS.
LINGUAGEM JURÍDICA E JURIDIQUÊS.LINGUAGEM JURÍDICA E JURIDIQUÊS.
LINGUAGEM JURÍDICA E JURIDIQUÊS.
 
Linguagem Jurídica e Juridiquês
Linguagem Jurídica e JuridiquêsLinguagem Jurídica e Juridiquês
Linguagem Jurídica e Juridiquês
 
Tecnica redacaoforense
Tecnica redacaoforenseTecnica redacaoforense
Tecnica redacaoforense
 
Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10
 
Translation
TranslationTranslation
Translation
 
ComunicaçãO E ExpressãO
ComunicaçãO E ExpressãOComunicaçãO E ExpressãO
ComunicaçãO E ExpressãO
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
Aula 02 redação
Aula 02 redaçãoAula 02 redação
Aula 02 redação
 
Linguagem forense aula 4 direito 20122
Linguagem forense aula 4 direito 20122Linguagem forense aula 4 direito 20122
Linguagem forense aula 4 direito 20122
 
Aula 1 de interpretação textual (PISA)
Aula 1 de interpretação textual (PISA)Aula 1 de interpretação textual (PISA)
Aula 1 de interpretação textual (PISA)
 
Leitura e producao de sentido
Leitura e producao de sentidoLeitura e producao de sentido
Leitura e producao de sentido
 

Destaque

Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009
Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009
Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009
JUCILANA
 
25 03 2011 slides versão final
25 03 2011 slides versão final25 03 2011 slides versão final
25 03 2011 slides versão final
Silviardeloreto
 
InspeçãO Escolar Em Foco
InspeçãO Escolar Em FocoInspeçãO Escolar Em Foco
InspeçãO Escolar Em Foco
mmelomacedo
 
Profuncionario oldemar
Profuncionario   oldemarProfuncionario   oldemar
Profuncionario oldemar
Sara Cristina
 
Profuncionario
ProfuncionarioProfuncionario
Profuncionario
marcilene1311
 
Trabalho sobre gêneros textuais
Trabalho sobre gêneros textuaisTrabalho sobre gêneros textuais
Trabalho sobre gêneros textuais
enecol
 
Profuncionário 2
Profuncionário 2Profuncionário 2
Profuncionário 2
Rúbia Marques
 
Profuncionario modulo1
Profuncionario modulo1Profuncionario modulo1
Profuncionario modulo1
mcflarson
 
Projeto pps- caderno 01
Projeto pps- caderno 01Projeto pps- caderno 01
Projeto pps- caderno 01
Ðouglas Rocha
 
Profuncionario
ProfuncionarioProfuncionario
Profuncionario
marcilene1311
 
Orientaço..[1] pro 2012 2013
Orientaço..[1] pro 2012 2013Orientaço..[1] pro 2012 2013
Orientaço..[1] pro 2012 2013
Tania Mara Carlos Custódio
 
Apresentação profuncionario
Apresentação profuncionarioApresentação profuncionario
Apresentação profuncionario
Rose Miranda Das Chagas
 
Apresentação do ProFuncionário
Apresentação do ProFuncionárioApresentação do ProFuncionário
Apresentação do ProFuncionário
Rafael Delmonego
 
Profuncionário memorial
Profuncionário memorialProfuncionário memorial
Profuncionário memorial
marcilene1311
 
Apresentação do Profuncionário
Apresentação do Profuncionário Apresentação do Profuncionário
Apresentação do Profuncionário
marcilene1311
 
Cartilha de redacao e correspondencias oficiais 1
Cartilha de redacao e correspondencias oficiais 1Cartilha de redacao e correspondencias oficiais 1
Cartilha de redacao e correspondencias oficiais 1
Kenia Samara
 
profuncionario biblioteca
profuncionario bibliotecaprofuncionario biblioteca
profuncionario biblioteca
Fatima Lima
 
Manual secretaria escolar 2
Manual secretaria escolar 2Manual secretaria escolar 2
Manual secretaria escolar 2
Samuel Costa
 
Redação oficial
Redação oficialRedação oficial
Redação oficial
marciaribeiro71
 
Memorial - Flávia
Memorial - FláviaMemorial - Flávia
Memorial - Flávia
Felipe Rosa
 

Destaque (20)

Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009
Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009
Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009
 
25 03 2011 slides versão final
25 03 2011 slides versão final25 03 2011 slides versão final
25 03 2011 slides versão final
 
InspeçãO Escolar Em Foco
InspeçãO Escolar Em FocoInspeçãO Escolar Em Foco
InspeçãO Escolar Em Foco
 
Profuncionario oldemar
Profuncionario   oldemarProfuncionario   oldemar
Profuncionario oldemar
 
Profuncionario
ProfuncionarioProfuncionario
Profuncionario
 
Trabalho sobre gêneros textuais
Trabalho sobre gêneros textuaisTrabalho sobre gêneros textuais
Trabalho sobre gêneros textuais
 
Profuncionário 2
Profuncionário 2Profuncionário 2
Profuncionário 2
 
Profuncionario modulo1
Profuncionario modulo1Profuncionario modulo1
Profuncionario modulo1
 
Projeto pps- caderno 01
Projeto pps- caderno 01Projeto pps- caderno 01
Projeto pps- caderno 01
 
Profuncionario
ProfuncionarioProfuncionario
Profuncionario
 
Orientaço..[1] pro 2012 2013
Orientaço..[1] pro 2012 2013Orientaço..[1] pro 2012 2013
Orientaço..[1] pro 2012 2013
 
Apresentação profuncionario
Apresentação profuncionarioApresentação profuncionario
Apresentação profuncionario
 
Apresentação do ProFuncionário
Apresentação do ProFuncionárioApresentação do ProFuncionário
Apresentação do ProFuncionário
 
Profuncionário memorial
Profuncionário memorialProfuncionário memorial
Profuncionário memorial
 
Apresentação do Profuncionário
Apresentação do Profuncionário Apresentação do Profuncionário
Apresentação do Profuncionário
 
Cartilha de redacao e correspondencias oficiais 1
Cartilha de redacao e correspondencias oficiais 1Cartilha de redacao e correspondencias oficiais 1
Cartilha de redacao e correspondencias oficiais 1
 
profuncionario biblioteca
profuncionario bibliotecaprofuncionario biblioteca
profuncionario biblioteca
 
Manual secretaria escolar 2
Manual secretaria escolar 2Manual secretaria escolar 2
Manual secretaria escolar 2
 
Redação oficial
Redação oficialRedação oficial
Redação oficial
 
Memorial - Flávia
Memorial - FláviaMemorial - Flávia
Memorial - Flávia
 

Semelhante a Estudo profuncionário

01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx
01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx
01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx
FillipeNolascoFrana
 
Comunicação escrita
Comunicação escritaComunicação escrita
Comunicação escrita
Dragodragons
 
Plano de Aula 1
Plano de Aula 1Plano de Aula 1
Plano de Aula 1
CristineMK
 
APOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docx
APOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docxAPOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docx
APOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docx
gildadesousa1
 
O texto
O textoO texto
O texto
Josué Brazil
 
Como fazer uma boa redação
Como fazer uma boa redaçãoComo fazer uma boa redação
Como fazer uma boa redação
Sheila Sheilinha
 
Exercício de revisão comunicação empresarial
Exercício de revisão comunicação empresarialExercício de revisão comunicação empresarial
Exercício de revisão comunicação empresarial
Marcelo Lieuthier
 
Identificação das especificidades dos vários textos
Identificação das especificidades dos vários textosIdentificação das especificidades dos vários textos
Identificação das especificidades dos vários textos
PedroCabral97
 
Curso de redação
Curso de redaçãoCurso de redação
Curso de redação
teleestacao
 
Processo de raciocínio e processo de comunicação
Processo de raciocínio e processo de comunicaçãoProcesso de raciocínio e processo de comunicação
Processo de raciocínio e processo de comunicação
Camila Paulino
 
Aula - gênero carta.pdf
Aula - gênero carta.pdfAula - gênero carta.pdf
Aula - gênero carta.pdf
LuanAguiar9
 
PARTE 1- 1 - 153.pdf
PARTE 1- 1 - 153.pdfPARTE 1- 1 - 153.pdf
PARTE 1- 1 - 153.pdf
Janice Ferreira Ferreira
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
Clarice Escouto Santos
 
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduoComunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Pedro Alves
 
Apresentação cetam 2023.pptx
Apresentação cetam 2023.pptxApresentação cetam 2023.pptx
Apresentação cetam 2023.pptx
joicisilva4
 
Teste teca 1º ano 1º periodo
Teste teca 1º ano   1º periodoTeste teca 1º ano   1º periodo
Teste teca 1º ano 1º periodo
Leonor Alves
 
Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1
Universal.org.mx
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
Marcx Winchester
 
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveiraInterpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Elzimar Oliveira
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textual
littlevic4
 

Semelhante a Estudo profuncionário (20)

01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx
01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx
01 - Aulas Fundamentos da Comunicação e informação.pptx
 
Comunicação escrita
Comunicação escritaComunicação escrita
Comunicação escrita
 
Plano de Aula 1
Plano de Aula 1Plano de Aula 1
Plano de Aula 1
 
APOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docx
APOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docxAPOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docx
APOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docx
 
O texto
O textoO texto
O texto
 
Como fazer uma boa redação
Como fazer uma boa redaçãoComo fazer uma boa redação
Como fazer uma boa redação
 
Exercício de revisão comunicação empresarial
Exercício de revisão comunicação empresarialExercício de revisão comunicação empresarial
Exercício de revisão comunicação empresarial
 
Identificação das especificidades dos vários textos
Identificação das especificidades dos vários textosIdentificação das especificidades dos vários textos
Identificação das especificidades dos vários textos
 
Curso de redação
Curso de redaçãoCurso de redação
Curso de redação
 
Processo de raciocínio e processo de comunicação
Processo de raciocínio e processo de comunicaçãoProcesso de raciocínio e processo de comunicação
Processo de raciocínio e processo de comunicação
 
Aula - gênero carta.pdf
Aula - gênero carta.pdfAula - gênero carta.pdf
Aula - gênero carta.pdf
 
PARTE 1- 1 - 153.pdf
PARTE 1- 1 - 153.pdfPARTE 1- 1 - 153.pdf
PARTE 1- 1 - 153.pdf
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduoComunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
 
Apresentação cetam 2023.pptx
Apresentação cetam 2023.pptxApresentação cetam 2023.pptx
Apresentação cetam 2023.pptx
 
Teste teca 1º ano 1º periodo
Teste teca 1º ano   1º periodoTeste teca 1º ano   1º periodo
Teste teca 1º ano 1º periodo
 
Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveiraInterpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textual
 

Mais de marcilene1311

Apresentacao internet andre
Apresentacao internet   andreApresentacao internet   andre
Apresentacao internet andre
marcilene1311
 
Apresentacao internet
Apresentacao internetApresentacao internet
Apresentacao internet
marcilene1311
 
Escola monte moriá
Escola monte moriáEscola monte moriá
Escola monte moriá
marcilene1311
 
Agenda
Agenda Agenda
Agenda
marcilene1311
 
Apresentação do modulo de gestão e alimentaçao
Apresentação do modulo de gestão e alimentaçaoApresentação do modulo de gestão e alimentaçao
Apresentação do modulo de gestão e alimentaçao
marcilene1311
 
Agenda
Agenda Agenda
Agenda
marcilene1311
 
Uma antiga lenda
Uma antiga lendaUma antiga lenda
Uma antiga lenda
marcilene1311
 
Agenda
Agenda Agenda
Agenda
marcilene1311
 
Módulo 12
Módulo 12Módulo 12
Módulo 12
marcilene1311
 
O carvalho e o eucalipto
O carvalho e o eucaliptoO carvalho e o eucalipto
O carvalho e o eucalipto
marcilene1311
 
Agenda
AgendaAgenda
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
marcilene1311
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
marcilene1311
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
marcilene1311
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
marcilene1311
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
marcilene1311
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
marcilene1311
 
A bolacha teste
A bolacha testeA bolacha teste
A bolacha teste
marcilene1311
 
Alimentação [modo de compatibilidade]
Alimentação [modo de compatibilidade]Alimentação [modo de compatibilidade]
Alimentação [modo de compatibilidade]
marcilene1311
 
Perfil alimentação, gestao e meio ambiente [modo de compatibilidade]
Perfil   alimentação, gestao e meio ambiente [modo de compatibilidade]Perfil   alimentação, gestao e meio ambiente [modo de compatibilidade]
Perfil alimentação, gestao e meio ambiente [modo de compatibilidade]
marcilene1311
 

Mais de marcilene1311 (20)

Apresentacao internet andre
Apresentacao internet   andreApresentacao internet   andre
Apresentacao internet andre
 
Apresentacao internet
Apresentacao internetApresentacao internet
Apresentacao internet
 
Escola monte moriá
Escola monte moriáEscola monte moriá
Escola monte moriá
 
Agenda
Agenda Agenda
Agenda
 
Apresentação do modulo de gestão e alimentaçao
Apresentação do modulo de gestão e alimentaçaoApresentação do modulo de gestão e alimentaçao
Apresentação do modulo de gestão e alimentaçao
 
Agenda
Agenda Agenda
Agenda
 
Uma antiga lenda
Uma antiga lendaUma antiga lenda
Uma antiga lenda
 
Agenda
Agenda Agenda
Agenda
 
Módulo 12
Módulo 12Módulo 12
Módulo 12
 
O carvalho e o eucalipto
O carvalho e o eucaliptoO carvalho e o eucalipto
O carvalho e o eucalipto
 
Agenda
AgendaAgenda
Agenda
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
 
Agenda 2
Agenda 2Agenda 2
Agenda 2
 
A bolacha teste
A bolacha testeA bolacha teste
A bolacha teste
 
Alimentação [modo de compatibilidade]
Alimentação [modo de compatibilidade]Alimentação [modo de compatibilidade]
Alimentação [modo de compatibilidade]
 
Perfil alimentação, gestao e meio ambiente [modo de compatibilidade]
Perfil   alimentação, gestao e meio ambiente [modo de compatibilidade]Perfil   alimentação, gestao e meio ambiente [modo de compatibilidade]
Perfil alimentação, gestao e meio ambiente [modo de compatibilidade]
 

Estudo profuncionário

  • 1. “O sonho pelo qual brigo exige que eu invente em mim a coragem de lutar ao lado da coragem de amar”. Paulo Freire
  • 2. Produção Textual na Educação Escolar
  • 3.
  • 4. Histórico da Comunicação • Aristóteles ( 320 a.C) – Homem Político - vida gregária comunicação Comunicação – dependeu da invenção da linguagem • Linguagem – gestual, oral e escrita (4000 a. C.).
  • 5. Texto Texto é a manifestação lingüística produzida por alguém, numa situação concreta(contexto), com intenção determinada; sua produção pressupõe, sempre, a existência de um interlocutor, a quem o autor se dirige. Para começarmos a pôr em prática o conceito de texto, trataremos, nesta unidade, de uma das funções mais importantes da escrita: Contar os eventos marcantes da existência do indivíduo, sua história. Existe várias maneiras – cartas, diários e livros.
  • 6. Memorial É a memória de todos os trabalhos realizados pelos estudantes durantes uma disciplina ou mesmo durante todo um curso. A produção de um memorial auxilia o cursista a refletir sobre o seu próprio aprendizado e avaliação de seu trabalho, bem como na demonstração de suas competências, habilidades e valores.
  • 7. Clareza e Coerência na Produção Textual Clareza e Coerência de idéias são duas qualidades indispensáveis à produção de um bom texto. Clareza: consiste na expressão da idéia de forma que possa ser rapidamente compreendida pelo leitor. Ser claro é, não confundir o leitor Evitar: frases ambíguas, emprego de palavras desconhecidas. Ex. O cachorro do vizinho faz muito barulho. (Refere-se ao animal de estimação do vizinho ou está chamando o vizinho de cachorro?) Elaborar um pequeno roteiro antes de redigir ajuda muito!!!
  • 8. Clareza e Coerência na Produção Textual Coerência: É a conexão lógica, a ligação harmônica dos fatos, dos acontecimentos. É a ausência de contradições. É a continuidade de sentido entre um parágrafo e outro. Na dúvida vale a velha lição: o texto precisa ter começo, meio e fim.. A releitura é crucial – auxilia no ganho da qualidade da mensagem.
  • 9. Texto Claro e Coerente
  • 10. Texto Claro e Coerente – Retrato de um Libertador
  • 11. Qualidades do Texto Texto Tecido Podemos dizer que o texto é um tecido, porque é uma estrutura construída de tal forma que as frases (ou fios) que o compõem mantém uma relação intima entre si. Portanto, a elaboração de textos demanda certa dose de atenção a alguns aspectos que auxiliam na compreensão da mensagem que se pretende transmitir, ou melhor, no entrelaçamento dos fios que gerarão o tecido.
  • 12. Dois elementos são importantes para se tecer um bom texto: Precisão e Concisão Precisão: É a objetividade, a rapidez na exposição do pensamento, dinamismo e a simplicidade das palavras. Para ser preciso, evite palavras vagas, compridas, difíceis, e desnecessárias. Ler e revisar o texto é um santo remédio
  • 13. Concisão: É a capacidade de expressar o máximo de informações empregando o mínimo possível de palavras. O texto conciso não deve ser muito extenso, nem tão resumido, de forma a prejudicar sua compreensão. Evite: Uso excessivo de pronomes pessoais (eu, nós) e conjunções; repetições desnecessárias; redundâncias e pleonasmos ( subir pra cima, entrar para dentro etc. ) Um texto conciso é, enfim, um texto enxuto!
  • 14. Qualidades do texto: objetividade, coesão e criatividade Objetividade: É a capacidade de transmitir idéias relevantes, retirando do texto as informações desnecessárias. Separa o que é importante do que é supérfluo
  • 15. Qualidades do texto: objetividade, coesão e criatividade • Coesão: É a articulação gramatical entre as palavras, orações, frases e parágrafos ou, ainda, uma maneira de se recuperar em uma segunda frase, um termo citado em uma primeira. As palavras responsáveis pela coesão, em geral são: os pronomes Pessoais – ela, ele, nós, o, a, lhe Possessivos – seu, teu, meu, nosso Demonstrativos – aquele, aquilo, esse, este os advérbios de lugar – ali, lá, aqui os artigos definidos – a/as, o/os conectivos – mas, porque, portanto, pois, e etc.
  • 16. Qualidades do texto: objetividade, coesão e criatividade Criatividade: É a capacidade de captar a atenção do leitor para o texto, evitando o emprego de expressões óbvias, desgastadas, repetições desnecessárias. Um texto criativo capta a atenção do leitor pelo estilo diferenciado EXECUTAR O PRATIQUE DA PAG. 20
  • 17.
  • 18. Redação Oficial É a forma pela qual o Poder Público redige normas, atos e comunicações. Caracteriza- se pelo uso da norma culta da linguagem, pela formalidade, clareza e concisão.
  • 19. A eficácia de um texto A eficácia diz respeito a realizar a tarefa certa, no momento oportuno, de modo que seja alcançado o objetivo. A eficácia de um texto é medida pela resposta dada. Se for transmitida uma informação e rapidamente a resposta decodificada, compreendida, é sinal que o objetivo foi atingido. Quanto mais conciso e facilmente compreendido, mais eficaz é o texto.
  • 20. A carta como meio eficaz de comunicação A carta é um dos meios mais antigos de comunicação. Não foi por acaso que as primeiras notícias de nossa terra chegaram ao rei de Portugal por esse meio. Desde o surgimento da escrita, as pessoas escrevem cartas para informar acontecimentos, expressar sentimentos, fazer solicitações.
  • 21. Independente de assunto, a elaboração de uma carta deve atender algumas normas. • São elas: Cabeçalho, contendo local e data do remetente; Cumprimentos iniciais ou vocativo, como o nome da pessoa para quem se escreve(destinatário); Mensagem; Saudações finais ou fecho, com a assinatura de quem escreve. Outro elemento importante na correspondência é o preenchimento correto do envelope. (frente e verso)
  • 22.
  • 24. EXECUTAR O PRATIQUE DA PAG. 39 Individual
  • 25. Ofício: Solicitações e Requerimentos Esse tipo de cartas inclui toda espécie de documentos ligados a transações comercias, industriais, financeiras e profissionais. Serve par informar, solicitar, requerer, encaminhar, convidar.
  • 26. Solicitações O ofício de solicitação será lido por pessoas da sua relação profissional. Por isso, devem ser escritas em linguagem formal, distantes, que transmitam de forma clara, direta e precisa a mensagem pretendida. Não se trata de escrever muito ou pouco, mas, tão somente, de apresentar as informações necessárias. A forma de tratamento deve ser adequada ao cargo que ocupa o destinatário, usando os pronomes de acordo com as normas recomendadas e abreviando-os ( Ilmo. Sr., V. Sa., V. Exa.)
  • 27. Solicitações Nos fechos, frequentemente, são utilizados expressões, como Atenciosamente, Respeitosamente, Cordialmente. Dispensa o traço para a assinatura
  • 28. Requerimentos Esse tipo de ofício é utilizado quando se faz um pedido dirigido a uma autoridade do serviço público no qual se solicita algo, tanto sob o amparo da lei ( férias, benefícios, pagamentos retroativos, etc.), quanto sem certeza de tal amparo ou sem segurança quanto ao deferimento. No corpo do texto, deverá ser exposto, em apenas um parágrafo, o objeto do requerimento, citando a identificação do requerente(nome completo, função, matrícula, local de trabalho) e a justificativa, se possível, com a fundamentação legal que garante o pedido.
  • 29. Requerimentos O fecho, em geral, emprega dizeres como: Espera deferimento Pede deferimento, Nestes termos, pede deferimento. Em seguida, local, data e assinatura.
  • 30.
  • 31. O Memorável Memorando O Memorando é uma comunicação escrita de circulação interna, somente para funcionários. Sua principal característica é a agilidade, sendo sua tramitação pautada pela rapidez e simplicidade de procedimentos burocráticos. Quando se destinam a mais de um setor ou escola pode ser transmitido por fax. ( acompanha o logotipo da instituição ou órgão público)
  • 32. Circular: A mesma informação, vários destinatários Uma comunicação endereçada a diversos destinatários De caráter multidirecional, a circular é reproduzida em vias ou cópias de igual teor, podendo transmitir avisos, ordens, instruções, convites, para um público que pode ser misto, interno e externo - este último em menor escala. O endereçamento é feito apenas no envelope. Seu texto é direto, dispensando-se as formalidades, mas nunca a norma culta.
  • 33. A estrutura de uma circular é similar à do memorando: Cabeçalho: Nome da empresa que envia ou logotipo, número da circular; Vocativo; Mensagem; Local e data; Assinatura.
  • 34. Correio Eletrônico: O avanço tecnológico nas comunicações oficiais e-mail: É ágil na transmissão de documentos e facilita a comunicação.
  • 35.
  • 36. Ata: Vale o que está escrito Normalmente escrita à mão, em livros próprios, com folhas numeradas, a ata é um resumo escrito, com clareza e precisão, das deliberações, resoluções, assembléias, reuniões ou solenidades. Este documento é redigido por um secretário, que poderá ser uma pessoa presente no evento, desde que designado pelo coordenador ou presidente a exercer tal função. Deve ser redigida de tal maneira que não seja possível qualquer alteração ou modificação posterior.
  • 37. Assim, a ata deve ser escrita: Sem parágrafos ou alíneas; Sem abreviaturas; Sem rasuras nem emendas; Sem uso de corretivos; Com números escritos, preferencialmente, por extenso; Com verbos no pretérito perfeito do indicativo( solicitou, foi,encaminhou, proclamou etc.) O fecho ou encerramento, convencionalmente, emprega dizeres como: “ Nada mais havendo a tratar, o senhor presidente encerrou a sessão...”. Ao final são necessárias as assinaturas do presidente, do secretário e dos demais participantes.
  • 38. Relatório É um documento que apresenta informações; descreve e analisa fatos a serem investigados, com objetivo de orientar as decisões a serem tomadas, facilitando o gerenciamento das ações. • A produção de um relatório deve atender a uma estrutura básica. 1- Apresentação ou abertura 2- Introdução 3- Desenvolvimento 4- Conclusão EXECUTAR 5- Fecho O 6- Anexos PRATIQUE Pag.57/58 DA PAG. 61 Grupo
  • 39.
  • 40. Construindo gráficos e tabelas Embora necessário à organização administrativa de uma escola ou de qualquer setor público ou privado, gráficos e tabelas não costumam fazer parte da rotina de leitura e da produção da escrita da grande maioria dos cidadãos. Esse tipo de texto são comuns no nosso cotidiano: Tabela nutricional nos rótulos Histórico de consumo de energia elétrica
  • 41. Tabelas É um registro ordenado de dados numéricos, indicando os resultados de cálculos feitos anteriormente. A tabela é a melhor maneira de organizar os resultados de uma pesquisa estatística, apresentando a informação em linhas e colunas, o que facilita a análise inicial dos dados.
  • 42. EXECUTAR O PRATIQUE DA PAG. 66
  • 43. Gráficos São utilizados na representação de dados estatísticos , frequentemente nos deparamos com esta linguagem em nosso cotidiano. A capacidade de ler e produzir gráficos aguça o raciocínio, potencializa a percepção, contribuindo para uma maior compreensão do contexto e análise mais crítica da realidade. Tipos de gráficos mais comuns:
  • 47. Para resumir um texto O resumo é a reprodução, em poucas palavras, das idéias, das palavras expressas pelo autor, uma abreviação do assunto tratado. Seu principal objetivo é o de possibilitar ao leitor saber se irá consultar o texto original ou não. É extrair do texto a idéia central.
  • 48. Memorial - Profuncionário Com o estudo do Módulo 3 pude aprender muitas coisas. Aprendi um novo conceito para humano e para cultura. Aprendi palavras que nunca tinha visto ou ouvido antes como Devir Humano e com isso descobri que não nascemos humanos, nos fazemos humanos a cada dia. Esse devir humano acontece a cada dia, a cada instante de nossas vidas, com nossos sucessos e também é claro, com os nossos insucessos. Participamos deste devir humano com nossas escolhas, nossos projetos e sonhos.
  • 49. Antes eu pensava que ter cultura era só quem freqüentava grandes teatros ou shows de artistas famosos ou quem tinha uma boa faculdade. Hoje sei que tudo é cultura, que cultura na verdade é o conhecimento de um povo, é o modo de viver de um povo, são os seus valores, suas crenças e práticas sociais em uma determinada época. E que a cultura está totalmente ligada ao devir Humano, pois nos tornamos o que somos quando produzimos e adquirimos cultura. Aprendi sobre etnocentrismo e diversidade cultural. Podemos dizer que existem diferentes culturas, pois existe uma pluralidade de comportamentos e práticas sociais. E para conseguirmos viver bem com toda esta pluralidade devemos ter muito respeito uns pelos outros. Não deixar que a supervalorização do meu modo de vida considere o maneira de viver de outras pessoas como incorretas
  • 50. Tive a oportunidade de observar por alguns dias um grupo de ciganos que ficou acampado perto de minha casa. Como são diferentes no seu modo de viver. A começar pela não moradia fixa, são praticamente nômades; as roupas são tão diferentes, as mulheres sempre de longo, muitas colares e pulseiras, unhas pintadas sempre de cores fortes. Até as mais jovens se vestem assim. Os homens usam calças compridas, cinto fivelão, chapéu na cabeça e ouro no dente. Ficam amontoados em barracas sem qualquer infra – estrutura ou conforto, sem a presença de coisas que para mim são consideradas essenciais como energia elétrica. O que mais me chamou a atenção foi a forma de entretenimento: as crianças, lideradas por algumas mais velhas, se reuniam na “ilha” da avenida para contar histórias, contos populares, brincadeiras de rodas, passa anel, entre outras.
  • 51. Os adultos à noite se reuniam para conversar em volta de uma fogueira. Confesso que senti saudades da minha infância, época que não tinha os vídeos - games e nem ficávamos horas em frente a um computador navegando na internet. É, o ser humano está sempre em transformação e o meu papel na educação, é aceitar o outro como ele é e ser agente de transformação, para que o processo do saber se transforme, atinja um nível de melhor qualidade.
  • 52. Bons Estudos e Boas Férias!!! Espero vocês em Agosto!!!