SlideShare uma empresa Scribd logo
Guia De Redação
Guia             de         Redação

                                                             Sumário
QUALIDADES E CARACTERÍSTICAS DE UMA REDAÇÃO ...............................................................3
   Objetividade .........................................................................................................................3
   Concisão ...............................................................................................................................3
   Clareza ..................................................................................................................................3
   Precisão ................................................................................................................................3
   Polidez ..................................................................................................................................3
   Harmonia ..............................................................................................................................4
CORREÇÃO DE UM TEXTO .........................................................................................................4
   Correção ...............................................................................................................................4
   Revisão .................................................................................................................................4
       Roteiro para a revisão do texto .........................................................................................4
   CONSTRUÇÃO DA FRASE E DO PARÁGRAFO...........................................................................5
       A frase...............................................................................................................................5
   O parágrafo ...........................................................................................................................5
Dicas gerais para uma boa redação: ..........................................................................................6
RELATÓRIO ...............................................................................................................................6
   Partes: ..................................................................................................................................6
   Complemento de Apoio ........................................................................................................7
   ORTOGRAFIA.........................................................................................................................7
   Emprego de Vogais ...............................................................................................................7
   Emprego de Consoantes........................................................................................................9
   ALGUMAS REGRAS BÁSICAS DE CONCORDÂNCIA ................................................................ 10
CRASE ..................................................................................................................................... 11
EMPREGO DOS PORQUÊS ....................................................................................................... 13
SUBSTANTIVOS COMPOSTOS .................................................................................................. 14
ACENTUAÇÃO GRÁFICA........................................................................................................... 15
ADJETIVOS COMPOSTOS ......................................................................................................... 16
PRONOMES DEMONSTRATIVOS .............................................................................................. 16
DIFICULDADES MAIS FREQÜENTES NO USO DA LÍNGUA .......................................................... 17
USO DE SINAIS ........................................................................................................................ 28
SINTAXE .................................................................................................................................. 33
BIBLIOGRAFIA ......................................................................................................................... 39




Projeto APE                                                                                                                     Página 2
Guia        de      Redação




        QUALIDADES E CARACTERÍSTICAS DE UMA REDAÇÃO

Objetividade
   A objetividade consiste no uso de palavras adequadas para que o pensamento seja expresso e
   entendido imediatamente pelo leitor. É necessário que se coloque uma idéia após a outra,
   hierarquizando as informações. Termos supérfluos, excesso de adjetivos, idéias e vocábulos
   repetidos devem ser eliminados, pois comprometem a eficácia do documento.
   ü Use linguagem objetiva e clara.
   ü Seja preciso.
   ü Evite palavras desgastadas pelo uso.
   ü Amplie o vocábulo ativo.


Concisão
   O texto conciso é aquele que transmite o máximo de informações com o mínimo de palavras.
   Resulta de um trabalho de reflexão (o que escrever?) e de elaboração (como escrever?),
   concentrando-se na essência da mensagem.
   ü Empregue frases curtas.
   ü Evite acúmulo de idéias em um só parágrafo.
   ü Exercite-se na recomposição do texto.
   ü Deixe passar algum tempo depois de ter escrito: reflita, descanse suas idéias.
   ü Retorne o que escreveu, procurando melhorar a forma.
   ü Refaça o texto até encontrar um resultado agradável.


Clareza
   O texto claro possibilita a imediata compreensão pelo leitor. O autor fará uso de língua padrão,
   de entendimento geral, com formalidade e padronização, para a uniformidade dos textos.
   ü Ordene as idéias e as palavras.
   ü Escolha vocabulário de entendimento geral.
   ü Refaça as frases depois de escrita.
   ü Evite, no texto, o acúmulo de fatos e opiniões.


Precisão
   Consiste em empregar a palavra exata para expressar uma idéia, com conotações próprias, que
   melhor se ajuste àquilo que desejamos e precisamos exprimir.
   ü Escreva parágrafos curtos e sem muitos pormenores.
   ü Escreva somente sobre aquilo que conhece bem.
   ü Ajuste as mensagens ao leitor.
   ü Consulte o dicionário sempre que necessário.


Polidez
   A polidez consiste no emprego de expressões respeitosas e tratamento apropriado àqueles a
   quem se reporta ou a quem me refiro. As expressões vulgares provocam mal-estar, assim como
   os tratamentos irreverentes, a intimidade, a gíria, a banalidade, a ironia e as leviandades.

Projeto APE                                                                              Página 3
Guia        de     Redação

   ü   Empregue, sem abuso, os adjetivos.
   ü   Use termo técnico, (jargão) somente quando se justificar pelo assunto.
   ü   Evite o excesso de interjeições e exclamações.
   ü   Seja conciso.


Harmonia
   O ajuste das palavras na frase e das frases no período resulta em combinações harmônicas,
   que predispõem o leitor à proposta apresentada. São prejudiciais à harmonia: os cacófatos
   (palavras obscenas ou inconvenientes resultantes do encontro de sílabas finais com sílabas
   iniciais), as assonâncias (semelhança ou igualdade de sons na frase ou no período) e os ecos
   (repetição sucessiva de finais idênticos).
        ü Evite a repetição dos auxiliares ter, ser, haver, permanecer.
        ü Procure a palavra adequada para evitar locuções verbais.
        ü Evite as expressões: efetivamente, certamente, além disso, tanto mais, então, por um
        ü lado, por outro lado, definitivamente, a dizer a verdade, a verdade é a seguinte, por
             sua parte, por seu outro lado.
        ü Use um parágrafo para cada idéia.
        ü Não esconda demasiadamente o sujeito de suas frases.
        ü Evite palavras complexas e jargão técnico.




                            CORREÇÃO DE UM TEXTO

Correção
   A correção consiste no respeito às normas e princípios do idioma e às regras gramaticais e
   ortográficas.
   Devem ser evitados: erros de sintaxe, erros na forma das palavras, a troca de palavras
   parecidas, emprego abusivo de palavras e expressões estrangeiras, emprego de palavras e
   expressões antiquadas e as palavras novas, cujo sentido é ainda instável.
   ü Preocupe-se com a clareza da mensagem.
   ü Evite períodos longos.
   ü Use a ordem direta para facilitar o entendimento.
   ü Seja criativo.
   ü Aproveite as variantes lingüísticas realmente expressivas.


Revisão
   A versão definitiva de um texto se obtém após uma leitura minuciosa, adequando a forma ao
   conteúdo e respeitando ponderadamente a estética, o estilo (clareza e precisão), a estrutura
   (seqüência, ordenação, coesão e coerência) e a gramática (ortografia, acentuação,
   concordância, regência, crase e pontuação).


       Roteiro para a revisão do texto
       ü A composição é lida com facilidade? Está bem equilibrada?
       ü Os pontos principais foram devidamente enfatizados? Faltou alguma coisa essencial?
       ü Existem erros de coerência lógica ou erros de ortografia?
       ü O significado de cada sentença está claro?
       ü As sentenças longas estão bem organizadas?


Projeto APE                                                                          Página 4
Guia         de      Redação

       ü Deixe de lado a composição por algum tempo antes de revisá-la. (1BARRASS, 1979,
         p.52)




CONSTRUÇÃO DA FRASE E DO PARÁGRAFO

       A frase
   Segundo 2GARCIA (1985, p. 6), frase é todo enunciado suficiente por si mesmo para
   estabelecer comunicação. Pode expressar um juízo, indicar uma ação, estado ou fenômeno,
   transmitir um apelo, uma ordem ou exteriorizar emoções. As frases, geralmente, integram dois
   termos, o sujeito e o predicado.

           ü Escreva sempre obedecendo a um raciocínio lógico.
           ü Não faça muitas alterações na ordem das palavras dentro do período. A inversão
             muito forte provoca desentendimento e gera incompreensão.
           ü Não acumule numa só frase pensamentos que não tem muita relação entre si e
             com os quais se possam formar algumas frases separadas.
           ü As idéias de um texto devem ser ligadas de forma que o leitor não possa fugir
             delas, abandoná-las, encontrar buracos ou redundâncias.


       O parágrafo
   Garcia (31985, p. 203) define parágrafo uma unidade de composição, constituída por um ou
   mais de um período, em que se desenvolve ou se explana determinada idéia central a que
   geralmente se agregam outras secundárias, intimamente relacionadas pelo sentido e
   logicamente decorrentes dela .
   Cada parágrafo do texto deve, corresponder uma idéia central a ser desenvolvida. O texto,
   portanto deverá conter, em princípio, tantos parágrafos quantas forem as idéias centrais. O
   parágrafo comporta, no seu desenvolvimento, idéias secundárias, que deverão estar
   intimamente relacionadas entre si e com a idéia central.
       Em sua estrutura, o parágrafo geralmente apresenta três partes:
       a) tópico frasal consiste, geralmente, na frase inicial, que expressa, de maneira sucinta, a
       idéia central do parágrafo;
       b) desenvolvimento é formado pelas frases que esclarecem essa idéia central, discutindo-
       a em detalhes;
       c) conclusão esta contida em uma frase final. Que enuncia a parte mais interessante ou o
       clímax do parágrafo, ou ainda, que sintetiza o conteúdo.

       Exemplo:

       Tópico frasal
       A eletricidade, desde o início da civilização industrial, esteve associada ao progresso.

       Desenvolvimento
       O cidadão medianamente informado percebe a conexão entre a atividade econômica de
       uma comunidade ou país e a disponibilidade de energia. Já na primeira metade deste
       século analistas alertavam para a razão, praticamente constante, que existe entre o
       consumo de energia e o produto interno bruto em cada país.

       Conclusão



Projeto APE                                                                                 Página 5
Guia        de      Redação

        Todavia, a eletricidade sempre mereceu um destaque especial, pois está, objetivamente ou
        não, ligada a uma aspiração de modernidade e de poder.




Dicas gerais para uma boa redação:
    ü reúna todos os dados necessários antes de escrever;
    ü vá direto ao assunto;
    ü seja conciso;
    ü evite as duplas negações como não improvável (no lugar de possível) e não injustificável;
    ü não use metáforas (ex.: no coração do governo municipal), analogias ou outras figuras de
      estilo;
    ü não empregue a voz passiva se for possível usar a voz ativa;
    ü evite locuções estrangeiras, termos técnicos ou jargão, usá-los somente se imprescindível;
    ü para idéias novas, utilize parágrafo novo;
    ü coloque-se no lugar do leitor; observe o nível da linguagem;
    ü redija com precisão vocabular;
    ü seja claro: não deixe margem a interpretação ambígua;
    ü atente para a pontuação;
    ü trate todas as pessoas com a máxima cortesia;
    ü responda sem demora à correspondência recebida;
    ü se é preciso apresentar queixas, evite o tom ofensivo, que pode resultar em reações
      indesejáveis e prejudiciais;
    ü em vez de censurar, peça explicações.




RELATÓRIO
É uma descrição de fatos passados, analisados com o objetivo de orientar o serviço interessado ou
superior imediato para determinada ação. Do ponto de vista do Projeto APE, relatório é um
documento oficial no qual o Monitor Educacional expõe as atividades de uma Unidade
Administrativa, ou presta conta de seus atos à Coordenação do Projeto.
O relatório não é um ofício desenvolvido. Ele é exposição ou narração de atividades ou fatos, com a
discriminação de todos os seus aspectos ou elementos.


Partes:
        a) título: denominação do documento (relatório);
        b) invocação: tratamento e cargo ou função da autoridade a quem é dirigido, seguidos,
        preferencialmente, de dois-pontos;
        c) textos: exposição do assunto. O texto do relatório deve obedecer à seguinte seqüência:
                  ü introdução: referência à disposição legal ou à ordem superior que motivou ou
                      determinou a apresentação do relatório e breve menção ao assunto ou
                      objeto;
                  ü análise: apreciação do assunto, com informações e esclarecimentos que se
                      façam necessários à sua perfeita compreensão. A análise deve ser objetiva e
                      imparcial. O relator deve registrar os fatos de que tenha conhecimento direto,
                      ou através de fontes seguras, abstendo-se de divagações ou apreciações de
                      natureza subjetiva sobre fatos desconhecidos ou pouco conhecidos. Quando
                      se fizer necessário, o relatório poderá ser acompanhado de tabelas, gráficos,
                      fotografia e outros elementos que possam contribuir para o perfeito
                      esclarecimento dos fatos e sua melhor compreensão por parte da autoridade

Projeto APE                                                                               Página 6
Guia       de      Redação

                      a quem se destina o documento. Esses elementos podem ser colocados no
                      corpo do relatório ou, se muito extensos, reunidos a ele em forma de anexo;
                 ü conclusão: determinados os fatos e feita sua apreciação, chega o momento de
                      se tirarem as conclusões. Não podem ir além da análise feita, o que as tornaria
                      insubsistentes e, por isso mesmo, despidas de qualquer valor;
                 ü sugestões ou recomendações: muitas vezes, além de tirar conclusões, o
                      relator em decorrência do que constatou e concluiu, também apresenta
                      sugestões ou recomendações sobre medidas a serem tomadas. Essas
                      sugestões ou recomendações devem ser precisas, práticas e concretas,
                      devendo relacionar-se com a análise anteriormente feita.
        d) fecho: fórmula de cortesia. Trata-se de parte dispensável;
        e) local e data;
        f) assinatura: nome e cargo ou função da(s) autoridade(s) ou servidor(es) que apresenta(m)
        o relatório.


Complemento de Apoio
O conhecimento das regras gramaticais não é suficiente para se escrever bem. Porém o domínio do
vocabulário, da ortografia, da estrutura das frases, dos períodos simples e compostos, contribui
para uma melhor redação.


ORTOGRAFIA
(do grego orthos direito, correto e graphein escrever )
        A correção ortográfica é requisito elementar de qualquer texto, e ainda mais importante
quando se trata relatórios técnicos. Muitas vezes, uma simples troca de letras pode alterar não só o
sentido da palavra, mas de toda uma frase. O que na correspondência particular seria apenas um
lapso de digitação pode ter repercussões indesejáveis em relatórios técnicos causando desde a
impressão de desleixo à de incapacidade técnica do profissional que relata. Assim, toda revisão
que se faça em um relatório deve sempre levar em conta a correção ortográfica.
        Com relação aos erros de grafia, pode-se dizer que são de dois tipos: os que decorrem do
emprego inadequado de determinada letra por desconhecimento de como escrever uma palavra, e
aqueles causados por lapso datilográfico. As seções seguintes visam dirimir as dúvidas relativas aos
erros do primeiro tipo; as do segundo, só a revisão atenta pode resolver.



Emprego de Vogais
        As vogais na língua portuguesa admitem certa variedade de pronúncia, dependendo de sua
intensidade (i. é, se são tônicas ou átonas). Com essa variação na pronúncia, nem sempre a
memória, baseada na audição, retém a forma correta da grafia. A lista a seguir não é exaustiva, mas
procura incluir as dificuldades mais correntes.


   o   Palavras com E, e não I                     acarear
                                                   acreano (ou acriano)
                                                   aéreo
   o   Palavras com I, e não E                     Aborígine
                                                   acrimônia
   o   Palavras com O, e não U                     Abolir
                                                   agrícola
   o   Palavras com U, e não O                     Acudir
                                                   bônus


Projeto APE                                                                                Página 7
Guia          de    Redação

  o    Palavras com EI, e não E                  Aleijado
                                                 alqueire
   o   Palavras com E, e não EI                  adrede
                                                 alameda
   o   Palavras com OU, e não O                  agourar

   o   Palavras com O, e não OU                  alcova
                                                 ampola
                                                 anchova (ou enchova)
   o   Emprego do H: com H ou sem o H?           Haiti
                                                 Halo
                                                 Havaí
                                                 Hangar
                                                 Harmonia
   o   Palavras com G, e não J                   Adágio
                                                 Agenda
                                                 Agiota
                                                 Algema
                                                 Algibeira
   o   Palavras com J, e não G                   Ajeitar
                                                 Encoraje
                                                 Enjeitar
                                                 enrijecer
   o   Palavras com C, Ç e não S ou SS nem       À beça
       SC                                        Absorção
                                                 Abstenção
                                                 Cem (cento)
                                                 Cemitério
                                                 coação
   o   Palavras com S, e não C ou SC, nem X      Adensar
                                                 Adversário
                                                 Amanuense
                                                 apreeensão
   o   Palavras com SS, e não C, Ç               Abissínia
                                                 acessível
                                                 admissão
                                                 aerossol
                                                 agressão
   o   Palavras com SC, e não C, Ç, S, SS        abscesso
                                                 abscissa
                                                 acrescentar
                                                 acrescer, acréscimo
   o   Palavras com X, e não S, SS               apoplexia
                                                 aproximar
                                                 auxílio
                                                 contexto
                                                 exclusivo
   o   Palavras com S, e não X                   adestrar
                                                 contestar
                                                 destreza
                                                 destro
   o   Palavras com XC (entre vogais), com       exceção
       valor de /s/                              excedente


Projeto APE                                                             Página 8
Guia        de      Redação

                                                  exceder
                                                  excedível
                                                  excelência
    o   Palavras com Z, e não S                   abalizado
                                                  abalizar
                                                  acidez
                                                  aduzir
                                                  agilizar
    o   Palavras com S, e não Z                   aburguesar
                                                  abusar, abuso
                                                  aceso
                                                  acusar, acusativo
                                                  adesão, adesivo
                                                  afrancesar
                                                  agasalhar
    o   Palavras com X, e não Z ou S              exagero
                                                  exalar
                                                  exaltar
                                                  exame, examinar
                                                  exangue
    o   Palavras com X, e não CH                  abacaxi
                                                  afrouxar
                                                  almoxarife, almoxarifado
                                                  ameixa
    o   Palavras com CH, e não X                  achacar, achaque
                                                  achincalhar
                                                  ancho
                                                  anchova, ou enchova
    o   Palavras com X, e não CC ou CÇ            afluxo
                                                  amplexo
                                                  anexar, anexo
                                                  asfixia(r)
                                                  axila(r)
    o   Palavras com CC, CÇ, e não X              cocção
                                                  cóccix (ou coccige)
                                                  confecção


Emprego de Consoantes

    Assim como emprego de vogais provoca dúvidas, há algumas consoantes especialmente as
que formam dígrafos (duas letras para representar um som), ou a muda (h), ou, ainda, as diferentes
consoantes que representam um mesmo som constituem dificuldade adicional à correta grafia.
Se houver hesitação quanto ao emprego de determinada consoante, consulte a lista que segue.
Lembre-se de que a grafia das palavras tem estreita relação com sua história. Vocábulos derivados
de outras línguas, por exemplo, mantêm certa uniformidade nas adaptações que sofrem ao serem
incorporados ao português (do francês garage ao port. garagem; do latim actione, fractione ao
port. ação, fração; etc.). Palavras que provêm de outras palavras quase sempre mantêm a grafia do
radical de origem (granjear: granja; gasoso: gás, analisar: análise). Há, ainda, certas terminações
que mantêm uniformidade de grafia (-aça, -aço, -ecer, -ês, -esia, -izar, etc.).




Projeto APE                                                                              Página 9
Guia        de     Redação




              ALGUMAS REGRAS BÁSICAS DE CONCORDÂNCIA

   ü O sujeito seguido de tudo , nada , ninguém , nenhum , cada um verbo no singular.
     Ex.: Desvios, fraudes, roubos, tudo acontecia naquele país. (núcleo resumido por tudo ,
     verbo no singular)
   ü Ação reflexiva = verbo no plural.
     Ex.: Deram-se as mãos virtude e formosura (Bocage). (Verbo no plural com ação reflexiva,
     sujeito composto proposto)
   ü Quando a ação verbal se referir a todos os elementos do sujeito = verbo no plural.
     Ex.: Laranja ou mamão fazem bem à saúde.
   ü Nem = verbo no plural (concordância usual).
     Ex.: Nem Ana nem Paula são bem-vindas.
   ü Numa retificação = verbo concorda com o último elemento.
     Ex.: O ladrão ou os ladrões não deixaram vestígio.
   ü Quando a ação verbal se aplicar a um dos elementos, com exclusão dos demais = verbo no
     singular.
     Ex.: João ou Antônio chegará em primeiro lugar.
   ü Elementos sinônimos = verbo no singular.
     Ex.: A lingüística ou a glatologia é uma ciência recente.
   ü Nem um, nem outro = verbo no singular.
     Ex.: Nem um, nem outro respondeu à questão
   ü Mais de , menos de , cerca de , obra de + numeral = verbo concordando com o
     numeral.
     Ex.: Mais de um aluno se retirou.
   ü Mais de dois alunos se retiraram. Mais de repetido ou indicando reciprocidade = verbo
     no plural.
     Ex.: Mais de um aluno, mais de um professor estavam presentes. Mais de um aluno se
     abraçaram.
   ü Verbo intransitivo + se (índice de indeterminação do sujeito) = verbo no singular.
     Ex.: Riu-se muito.
   ü Verbo transitivo indireto + se (índice de indeterminação do sujeito) = verbo no singular.
     Ex.: Precisa-se de ferramentas.
   ü Verbo transitivo direto + se (pronome apassivador) = verbo concordando com o
     substantivo (=sujeito), a frase pode ser transformada na voz passiva analítica.
     Ex.: Cometeram-se os mesmos erros. (Os mesmos erros foram cometidos).
   ü Verbo Haver (= existir ou = ocorrer) = verbo no singular.
     Ex.: Havia muitas cadeiras vazias na sala.
     Houve brigas na saída.
   ü Verbos que fazem referência a tempo (haver, fazer, ir, estar, ser) = verbo no singular.
     Ex.: Há cinco meses que ela não aparece.
     Faz cinco meses que ela não aparece.
     É tarde.
     Faz muito calor.
   ü Nas locuções verbais, os verbos impessoais transmitem sua impessoalidade ao verbo
     anterior, chamado de auxiliar.
     Ex.: Vai fazer cinco anos que...
     Pode haver outras alternativas.


Projeto APE                                                                         Página 10
Guia         de     Redação

     ü  É muito , é pouco , é mais de , é menos de , etc + preço, peso, quantidade = verbo no
       singular.
       Ex.: Duas horas é muito. Dois é bom, três é demais.
     ü Em datas = existem três possibilidades de construção:
       Ex.: Hoje são 14 de abril
       Hoje é dia 14 de abril
       Hoje é 14 de abril (verbo concorda com a idéia implícita de dia)
     ü Em horas = verbo concorda com o predicativo (= horas).
     ü Ex.: Que horas são?
       É uma hora.
       São duas horas.


                                              CRASE

 Designa a contração da preposição a com o artigo a(s) ou com os pronomes demonstrativos
  aquele(s) , aquela(s) , aquilo .

 Dicas

     ü Substitua a palavra feminina por uma masculina. Se resultar ao , haverá acento.
       Ex.: Fomos à praia (ao porto).
     ü Substitua o a por para ou para a(s). Se resultar na expressão para a(s) , a crase é
       confirmada.
       Ex.: Voltar à feira (voltar para a feira).
     ü Substitua o verbo ir pelo verbo voltar. Se resultar na expressão voltar da , então ocorre a
       crase.
       Ex.: Devia ir à praia (devia voltar da praia).
     ü Acento nas locuções femininas:
       locuções adverbiais: à beça, à direita, à luz, à moda, à vontade, etc.;
       locuções prepositivas: à cata de, à espera de, à força de, à procura de, etc.;
       locuções conjuntivas: à proporção que, à medida que, etc.

         CASO               USO OBRIGATÓRIO           USO PROIBIDO            USO FACULTATIVO
Aquele, aqueles, aquilo,     Poucos chegaram
   aquela, aquelas                  àquele                   -                         -
                                     cargo
 Com o demonstrativo        As nossas tentativas
         a                          foram                    -                         -
                             inferiores à dela
   Antes de palavras           Quando estiver
      Masculinas              subentendido à         TV a cabo, carro a
                                 moda de :                 álcool,                     -
                           cabelos à Elvis; termo       traje a rigor
                               feminino: vou à
                                   (praça)
                                   Zacarias
   Antes de verbos                     -              Disposto a falar                -
  Antes de pronomes        Antes de senhora e       Antes da maior parte     Antes de pronomes
     indefinidos,                 senhorita                 deles:         possessivos no singular:
  demonstrativos, de                                    Falou a ela...     relatou a(à) sua família
   tratamento, etc                                    Solicitei a Vossa

 Projeto APE                                                                           Página 11
Guia         de       Redação

                                                           Senhoria...
Quando a vem antes
        de                            -                   Foi a reuniões                    -
       Plural
 Palavras repetidas                                       Frente a frente                   -
                                      -                     Cara a cara
  Depois de para ,                                    A reunião foi marcada
      perante ,                       -                        para                         -
com , contra e outras                                         as 16h
    preposições
  Antes de cidades,       Foi à Itália (voltou da);   Foi a Roma (voltou de)
      estados               chegou à Roma do           Foi a Curitiba (voltou               -
      e países                      Papa                        de)
                                (chegou da)
 Locuções femininas       Às pressas; à vontade;                                 Locuções femininas de
adverbiais, conjuntivas   à                                                                meio
          ou              noite; à procura de; à                                    ou instrumento:
     prepositivas         toa;                                   -                   à vela / a vela
                                   às 10h                                            à vista / a vista
                                                                                Para evitar ambigüidade,
                                                                                           use
                                                                                   o acento de crase:
                                                                                        receber à
                                                                                           bala
   Antes do artigo        Exceções: gritar à uma        Refiro-me a uma
     indefinido                    (ao                 possibilidade maior                  -
        uma                  mesmo tempo);
                                chegar à
                            uma hora da tarde
 Antes dos pronomes                                   Esta é a pessoa a cuja
 relativos cuja(s) e                                           filha
        quem                          -                     me referi                       -
                                                      Esta é a professora a
                                                              quem
                                                        devo meu estudo
  Antes de nomes de
  mulheres, o artigo                  -                          -                Dei o recado à Maria
        denota
    intimidade ou
     popularidade
   Diante de Nossa                                     Devo essa graça a                    -
       Senhora                        -                     Nossa
  e nomes de santos                                    Senhora Aparecida
 Depois da preposição                                                            O fogo queimou até a
          até                                                                             porta
                                      -                          -              do escritório (a porta foi
                                                                                   queimada); O fogo
                                                                                        queimou
                                                                                até à porta do...(a porta
                                                                                           não
                                                                                     foi queimada)
Antes da palavra casa      Não se referindo ao          Voltei a casa para
          no                    próprio                      almoçar                        -

 Projeto APE                                                                                Página 12
Guia        de      Redação

  sentido de lar ,          lar, escreve-se:        Chegaram exaustos a
     domicílio             Fui à casa de um                casa
                                  amigo
 Antes da palavra         Quando a distância                                  Educação a (à) distância
     distância                     está                        -                Obs.: a maioria dos
                         determinada: a casa                                     gramáticos não
                                  ficava                                          recomenda o
                          à distância de 10m                                          acento
Não ocorre acento indicativo de crase:

        a) quando se fizer referência a dois elementos (substantivos ou numerais) ligados por
        "de...a", não ocorrerá acento grave antes do segundo elemento:

        Ex.: De segunda a sábado ...
        De hoje a domingo ...
        De 1 a 5 ...
        De 1ª a 4ª série ...
        No entanto, quando se define o primeiro elemento mediante o emprego de "do" / "da", o
        segundo inicia com "à" (ou "ao"). É uma questão de paralelismo.
        Ex.: As turmas da 1ª à 4ª série foram convidadas.
        Estivemos fora do ar da meia-noite às duas da manhã.
        A sala ficará aberta desta terça à sexta-feira.

        b) diante de substantivo feminino usado em sentido geral, indeterminado, porque, nesse
        caso, não ocorre o artigo definido "a(s)".

        Ex.: Ele tem aversão a mulher (...a mulher em geral)
        Crédito sujeito a aprovação.
        Paciente submetido a intervenção cirúrgica.
        Presidente responde a denúncia hoje.
        Denúncia pode levar o presidente a condenação.
        Se, no entanto, a expressão vier determinada, ocorrerá acento indicativo de crase.
        Ex.: Ele tem aversão a mulher. (Ele tem aversão a (uma) mulher (qualquer)).
        Ele tem aversão à mulher de João. (É uma mulher determinada, definida).
        Tráfico em frente a escola. (Tráfico em frente a (uma) escola (qualquer)).
        Tráfico em frente à escola Clementina. (É uma escola determinada, definida).

        c) diante de "terra", significando "chão firme", "solo", sem especificação.

        Ex: Os marinheiros voltaram a terra.
        Diante de "terra", significando "chão firme", "solo", com especificação, ocorre acento.
        Ex: Irei à terra de meus pais.
        A palavra "terra , significando planeta, é substantivo próprio e admite artigo.
        Conseqüentemente, quando houver também a preposição, ocorrerá o fenômeno da crase.
        Ex: Os astronautas voltaram à Terra.



                               EMPREGO DOS PORQUÊS

A palavra porquê aparece escrita de quatro maneiras diferentes, de acordo com sua posição e seu
significado na frase.


Projeto APE                                                                              Página 13
Guia      de      Redação

   ·    Por que: função de advérbio interrogativo, ficando subentendidas as palavras: razão,
        motivo o pronome relativo pelo qual, pela qual, pelos quais, pelas quais.
       Ex.: Por que você está triste?
       Essa é a razão por que não me calo.
   ·    Por quê: usado antes de ponto-e-vírgula ou dois-pontos, ou no final de frase.
       Ex.: Você chorou, por quê? Eu chorava sem saber por quê; ou no fundo eu talvez soubesse.
   ·    Porque: função de conjunção, que introduz uma explicação, causa ou conseqüência.
       Ex.: Tem-nos consideração porque o serviço que lhe prestaram foi enorme.
       Venha porque precisamos de você.
   ·    Porquê: precedido do artigo o ou pronome adjetivo, tem a função de substantivo.
        Equivale a motivo ou indagação.
       Ex.: Não me interessa o porquê de sua tristeza.
       Descobri o porquê de tanto choro.




                           SUBSTANT IVOS COMPOSTOS
   Os substantivos formam o plural de acordo com as seguintes regras:

           REGRA                           CASOS                           EXEMPLOS
                                  Substantivo + substantivo     Licença-prêmio, licenças-
                                                                prêmios
                                                                Salário-família, salários-
                                                                famílias
Os dois elementos pluralizam                                    Obs.: o segundo termo
quando acontecer:                                               também pode ficar
                                                                no singular.
                                    Substantivo + adjetivo      Cachorro-quente, cachorros-
                                                                quentes
                                                                Guarda-municipal, guardas-
                                                                municipais
                                                                Obra-prima, obras-primas
                                   Adjetivo + substantivo       Curta-metragem, curtas-
                                                                metragens, málíngua,
                                                                más-línguas,
                                                                meio-termo, meios-termos
                                   Numeral + substantivo        Segunda-feira, segundas-feiras
Varia somente o primeiro         Substantivo + preposição +     Pé-de-moleque, pés-de-
elemento                                substantivo             moleque
                                                                Pôr-do-sol, pores-do-sol
                                 Elementos unidos sem hífen     Os passatempos
                                                                Os pontapés
                                                                Os vaivéns
                                     Verbo + substantivo        Os guarda-roupas
Varia somente o segundo                                         Os guarda-vidas
elemento quando acontecer:                                      Os salva-vidas
                                Elemento invariável + palavra   Os alto-falantes
                                          variável              Os abaixo-assinados
                                                                (documento)
                                    Palavras repetidas ou       Os reco-recos
                                       onomatopaicas            Os corre-corres

Projeto APE                                                                         Página 14
Guia         de      Redação

                                                                       Os bem-te-vis

Observação
      Se os dois elementos são formados por verbos, os dois podem ir para o plural.
      Ex.: Os corres-corres.




                                 ACENTUAÇÃO GRÁFICA

    A acentuação é um fenômeno que se manifesta tanto na língua falada quanto na escrita. No
    âmbito da fala, marcamos a acentuação das palavras de forma automática, com uma sutil
    elevação de voz. Eventualmente, ocorrem dúvidas quanto à pronúncia que são na verdade
    dúvidas quanto à acentuação de determinada palavra, como nos exemplos: rubrica ou
    */rúbrica/, Nobel ou */Nóbel/.
    Na língua escrita, a acentuação das palavras decorre basicamente da necessidade de marcar
    aqueles vocábulos que, sem acento, poderiam ser lidos ou interpretados de outra forma .8
    A acentuação gráfica compreende o uso de quatro sinais:
    a) o agudo (´), para marcar a tonicidade das vogais a (paráfrase, táxi, já), i (xícara, cível, aí) e u
    (cúpula, júri, miúdo); e a tonicidade das vogais abertas e (exército, série, fé) e o (incólume,
    dólar, só);
    b) o grave (`), exclusivamente para indicar a ocorrência de crase, i. é, a coocorrência da
    preposição a com o artigo feminino a ou os demonstrativos a, aquele(s), aquela(s), aquilo (v.
    anteriormente em crase. Casos Especiais).
    c) o circunflexo (^), para marcar a tonicidade da vogal a nasal ou nasalada (lâmpada, câncer,
    espontâneo), e das vogais fechadas e (gênero, tênue, português) e o (trôpego, bônus, robô);
    d) e acessoriamente o til (~), para indicar a nasalidade (e em geral a simultânea tonicidade) em
    a e o (cristã, cristão, pães, cãibra; corações, põe(s), põem)


Regras de Acentuação Gráfica

    ü Quanto à Tonicidade

   Proparoxítonos: todas as palavras em que a antepenúltima sílaba é a mais forte são acentuadas
graficamente:
câmara, estereótipo, falávamos, discutíamos, América, África. Seguem, ainda, esta regra os
proparoxítonos eventuais ou relativos, i. é, os terminados em ditongo crescente: ministério, ofício,
previdência, homogêneo, ambíguo, Ásia, Rondônia.
   Paroxítonos: as palavras em que a penúltima sílaba é a mais forte são acentuadas graficamente
quando terminam em:
- i(s): júri(s), táxi(s), lápis, tênis;
- us: bônus, vírus, Vênus;
- ã(s), -ão(s): órfã, ímã, órfãs, órgão, órgãos, bênção, bênçãos;
-om, -ons: rádom (ou radônio), iâmdom, nêutron, elétron, nêutrons;
-um, -uns: fórum, álbum, fóruns, álbuns;
-l: estável, estéril, difícil, cônsul, útil;
-n: hífen, pólen, líquen;
-r: açúcar, éter, mártir, fêmur;
-x: látex, fênix, sílex, tórax;
-ps: bíceps, fórceps.

Observações:

Projeto APE                                                                                   Página 15
Guia         de     Redação

a) A regra de acentuar paroxítonos terminados em i ou r não se aplica aos prefixos terminados
nessas letras: anti-, semi-, hemi-, arqui-, super-, hiper-, alter-, inter-, etc.
b) Atente para o fato de que a regra dos paroxítonos terminados em -en não se aplica ao plural
dessas palavras nem a outras com a terminação -ens: liquens, hifens, itens, homens, nuvens, etc.
  Oxítonos: as palavras em que a sílaba mais forte é a última são acentuadas quando terminadas
em:
-a(s): guaraná, atrás, (ele) será, (tu) serás, Amapá, Pará;
-e(s): tevê, clichê, cortês, português, pajé, convés;
-o(s): complô, robô, avô, avós, após, qüiproquó(s);
-em, -ens: armazém, armazéns, também, (ele) provém (eles) detêm.

Observação:

As palavras tônicas que possuem apenas uma sílaba (monossílabos) terminadas em a, e e o seguem
também esta regra: pá, pé pó, (tu) dás, três, mês, (ele) pôs, má, más; assim também os
monossílabos verbais seguidos de pronome: dá-la, tê-lo, pô-la, etc.



                               ADJETIVOS COMPOSTOS
Os adjetivos compostos formam o plural de acordo com as seguintes regras:

Adjetivo + adjetivo                               Somente o último elemento forma a flexão do
                                                  Plural.
                                                  Ex.: ciências político-sociais; conflitos russo-
                                                  americanos;
                                                  Somente se flexiona o último elemento.
                                                  Ex.: crianças recém-nascidas; esforços sobre-
                                                  humanos;
                                                  pessoas mal-educadas.



   Observações
Escritores modernos usam os dois elementos no plural, sem hifenizar.
Ex.: Papéis verdes claros.

Locuções adjetivas formadas de cor + de +         Os elementos ficam invariáveis.
substantivo                                       Ex.: livros cor-de-rosa; cortinas cor de vinho.
Adjetivo + substantivo                            Os elementos ficam invariáveis.
                                                  Ex.: olhos verde-esmeralda; canetas azul-
                                                  petróleo; pastas amarelo-canário.

   Observação
Exceção: palavras invariáveis
Ex.: surdo-mudo, surdos-mudos.
Ternos azul-marinho.




                          PRONOMES DEMONSTRATIVOS
São pronomes que situam o ser no espaço e no tempo, tomando como ponto de referência as

Projeto APE                                                                               Página 16
Guia         de      Redação

pessoas gramaticais.
Este esta isto: indicam que o ser está perto do falante.
Ex.: Esta Secretaria (perto do falante) solicita a esse Instituto (perto do ouvinte) um mapa de
Vitória.
 Esse essa isso: indicam que o ser está perto do ouvinte. Também são empregados com
segunda referência a pessoa ou coisa.
Ex.: Antonio Moraes foi contratado em 1990 para o setor de RH. Esse funcionário...
Aquele aquela aquilo: indicam que o ser está afastado do falante e do ouvinte.
Ex.: Feche aquela porta (aquela lá).




         DIFICULDADES MAIS FREQÜENTES NO USO DA LÍNGUA

ü Tráfego / tráfico

Tráfego fluxo de mercadorias ou veículos.
Ex.: O tráfego melhorou após a construção da Rodovia Norte-Sul.
Tráfico comércio de escravos, drogas; negócio ilícito.
Ex.: O tráfico de entorpecentes cresce assustadoramente.

ü Geminado / germinado

Geminado que se apresenta ligado; duplicado.
Ex.: Na 2ª-feira, as aulas de português são geminadas.
Germinado que germinou (desenvolveu-se, brotou, evoluiu).
Ex.: O feijão germinava.

ü A princípio / em princípio

A princípio significa no início, no começo.
Ex.: A princípio, tudo foi maravilhoso, mas não tardaram a surgir problemas.
Em princípio significa em tese, teoricamente.
Ex.: Em princípio, sua proposta nos interessa, mas só o secretário pode aceitá-la.

ü Ambos os dois redundância que deve ser evitada.
Ex.: Ambos trabalham na mesma secretaria.

ü Concerto / conserto

Concerto harmonia de vozes ou de instrumentos; acordo; pacto.
Ex.: O concerto para violoncelo e orquestra foi excepcional.
Conserto ato de consertar, restaurar, remendar.
Ex.: O conserto do carro durou duas semanas.

ü Flagrante / fragrante

Flagrante como substantivo, significa ato que se observa e registra no momento em que
acontece; acontecimento.
Ex.: O ladrão foi pego em flagrante.
Os fotógrafos registraram o flagrante da vida urbana.
Como adjetivo, significa evidente, indiscutível.
Ex.: O erro do juiz é flagrante.

Projeto APE                                                                                Página 17
Guia        de      Redação

Fragrante que exala bom odor; aromático; cheiroso.
Ex.: As rosas são fragrantes.

ü   Infligir / infringir

Infligir aplicar pena ou punição.
Ex.: O juiz infligiu duas penas aos ladrões.
Infringir cometer uma infração, transgredir.
Ex.: Ele não pode infringir os termos da Portaria.

ü   Onde / aonde

Onde - indica lugar fixo.
Aonde - expressa a idéia de movimento (para onde). Para indicar procedência, emprega-se de
onde ou donde.
Ex.: De onde (ou donde) provinham os recursos financeiros?
Onde você deixou a minuta da carta?
Aonde você vai?

ü   Afim / a fim

A fim de - para
Afim - parente por afinidade, semelhante, análogo.
Ex.: Estou aqui a fim de ajudá-lo a concluir o trabalho.
Marketing e comunicação são assuntos afins.

ü   A par / ao par

A par - ciente, ao lado, junto.
Ao par - de acordo com a convenção legal, sem ágio (câmbio); sem qualquer desconto ou
abatimento (títulos, ações).
Ex.: O chefe da seção de pessoal não tomou as providências necessárias porque não estava
a par do ocorrido.
O câmbio estava ao par.

ü Há / a - usa-se há quando for possível substituir por faz.
Ex.: Há (faz) dez dias que espero o fechamento do negócio.
O relatório técnico foi encaminhado ao departamento de vendas há duas semanas.
Não sendo possível a substituição, emprega-se a:
Ex.: Pretendo ir a São Paulo daqui a três dias.
Eles estavam a dez minutos de Curitiba.

ü Para eu encaminhar / para mim encaminhar - mim é pronome pessoal oblíquo, razão pela
qual não pode ser usado como sujeito, função esta que cabe ao pronome pessoal do caso reto
eu. Observe que após o pronome mim há um verbo no infinitivo (encaminhar).
Ex.: No início do expediente, deixaram sobre a minha mesa os prospectos para eu encaminhar
aos clientes.

ü Difícil para mim / difícil para eu - para mim é complemento de difícil. Nada tem a ver com o
verbo.
Ex.: Não foi fácil para mim conquistar essa vaga.
Será impossível para mim realizar esse trabalho.
É difícil para mim entender esse plano, pois ele contém muitas informações técnicas.

Projeto APE                                                                           Página 18
Guia        de      Redação


ü   Acerca de / a cerca de

Acerca de - a respeito de, sobre.
A cerca de - a uma distância aproximada de.
Ex.: Falamos acerca de treinamento. Moro a cerca de cem metros da empresa em que
trabalho.
Existe, ainda, a expressão há cerca de = faz aproximadamente:
Ex.: Trabalho nesta firma há cerca de dez anos.


ü   De encontro a / ao encontro de

Ao encontro de - para junto de, favorável.
De encontro a - contra, em prejuízo de.
Ex.: Se as medidas econômicas tivessem contrariado o desejo de quem formulou a frase,
esta seria escrita assim: Não gostei das novas medidas econômicas, pois elas vieram de
encontro aos meus desejos.
Observe que no exemplo a seguir, as preposições de e a, estão contraídas com artigos.
Ex.: Gostei das novas medidas econômicas, pois elas vieram ao encontro do meu desejo.

ü Há / tem - não se deve empregar o verbo ter em lugar de haver impessoal (existir).
Ex.: Há secretárias que não se preocupam com o aperfeiçoamento profissional.
Paralisamos a produção porque não há matéria-prima.

ü De o / do - não se combina preposição (de, em) com sujeito ou termo que a ele se refira.
Ex.: Chegou o momento de ela mostrar a sua competência profissional.
Apesar de o datilógrafo ter pouca experiência, o documento ficou bem digitado.
Está na hora de o malote chegar.

ü   Se não / senão

     Se não = caso não, quando não. Caso contrário, usa-se senão (quando
puder ser substituído por: a não ser, do contrário, mas sim, sem que, exceto).
Ex.: Se não revisarmos o texto, a publicação sairá com erros.
Não faz outra coisa senão estudar.

ü Menos / menas - menos é invariável; portanto, não existe a forma menas.
Ex.: Queremos menos conversa e mais ação.
Havia menos pessoas na reunião desta semana.

ü Meio / meia - meio, quando modifica adjetivo (= um tanto), fica invariável.
Ex.: Os candidatos estavam meio nervosos.
Quando se refere a um substantivo (claro ou subentendido), concorda em gênero e número.
Ex.: Nosso diretor não é homem de adotar meias medidas.
Apresse-se, porque já é meio-dia e meia (meia hora).
Quando o selecionador perguntou-lhe sobre o seu último emprego, a candidata ficou meio
preocupada.

ü Haja vista / haja visto - a expressão haja vista é invariável. Porém, haja (verbo) pode
concordar em número com o substantivo que o segue.
Ex.: Haja(m) vista as últimas recomendações do presidente da empresa.
Decidiu-se instaurar uma sindicância, haja vista o relatório da diretoria, que aponta

Projeto APE                                                                              Página 19
Guia        de      Redação

irregularidades.

ü   Em vez de / ao invés de

Ao invés de - ao contrário de.
Ex.: Ao invés de rir, ela chorou.
Em vez de - em lugar de.
Ex.: Em vez de contratar uma, o gerente contratou duas recepcionistas.
Paula, em vez de Márcia, foi indicada para o cargo de Secretária.

ü   Seção / sessão / cessão

Ex.: Durou apenas trinta minutos a sessão do teatro.
Seção ou secção - setor, subdivisão.
Ex.: Na seção de obras, há dois engenheiros.
O chefe da seção (ou secção) de compras encaminhou a proposta ao grupo de estudos.
Cessão - ato de ceder (cedência):
Ex.: Nem todos concordam com a cessão do auditório.

ü   Mal / mau

Mal é antônimo de bem - são advérbios e modificam o verbo, o adjetivo ou o próprio advérbio.
Ex.: Quem não lê, geralmente escreve mal.
Uma carta mal escrita causa péssima impressão.
Minha secretária redige muito bem.
Mau é antônimo de bom - são adjetivos e modificam substantivos:
Ex.: Todos dizem que ele é um bom funcionário.
Nesta empresa não há maus datilógrafos.

ü Decisões político- econômicas - nos adjetivos compostos ligados por hífen, só varia o último
elemento.
Ex.: Nossa biblioteca recebeu muitas obras técnico-científicas.

ü   Viagem / viajem

Viagem - substantivo.
Ex.: Fizemos ótima viagem.
Viajem - forma verbal (3ª pessoa do plural do presente do subjuntivo do verbo viajar).
Ex.: Se querem viajar, viajem.

ü Têm / tem - na 3ª pessoa do plural do presente do indicativo, o verbo ter recebe acento
circunflexo.
Ex.: Eles têm alguns privilégios.
ü Comunicamos-lhes - com o pronome lhe(s) nenhuma modificação sofre o verbo.
Ex.: Comunicamos-lhe que estamos devolvendo as mercadorias defeituosas.

ü Subscrevemo-nos - com o pronome reflexivo nos, elimina-se o s da forma verbal.
Ex.: Esperando uma resposta favorável, subscrevemo-nos...

ü Situada na rua ou situada à rua - por se tratar de verbo de quietação (lugar fixo), constrói-se
com a preposição em.
Ex.: A nova filial está situada na Rua Jerônimo Monteiro, nº 1010.
Resido na Av. Marechal Mascarenhas de Moraes, nº 510.

Projeto APE                                                                              Página 20
Guia         de      Redação


ü Vir / ver - trata-se do verbo ver no futuro do subjuntivo: vir, vires, vir, virmos, virdes, virem.
Ex.: Se você vir alguém sem o equipamento de proteção, avise a segurança.

ü Somos / somos em - a preposição em é desnecessária.
Ex.: Somos sete na seção.

ü Preço alto / preço caro - o preço da mercadoria pode ser alto ou baixo, nunca caro ou barato.
A mercadoria é que pode ser cara ou barata.
Ex.: Essa mercadoria é muito barata.

ü Consigo / com você - consigo é pronome reflexivo da 3ª pessoa.
Ex.: A balconista (ela) levou a caneta consigo.
Não deve ser usado em relação à segunda pessoa. Neste caso, em vez de consigo, usa-se
com você, com o senhor, com Vossa Senhoria.
Ex.: Presidente, há uma pessoa que deseja falar com o senhor.

ü A nível de - locução condenada pelos gramáticos. A legítima locução é ao nível de que
significa à mesma altura.
Ex.: A sala do diretor era ao nível da rua.
Se for necessário usar a referida expressão, utilize-a com a preposição em.
Ex.: Resolveu a questão tanto em nível de Município quanto de Estado.
Melhor: Resolveu a questão tanto no Estado quanto no Município.

ü Em face de - locução mais adequada.
Ex.: Encaminhei os documentos em face da competência.

ü Trata-se de - o verbo tratar concorda obrigatoriamente na 3ª pessoa do singular em frases
como.
Ex.: Trata-se de trabalhos atrasados.

ü   Por ora / por hora

Por ora - por agora, por enquanto, até o momento.
Ex.: Por ora é o que posso lhe dizer.
Por hora - pelo período de uma hora.
Ex.: O palestrante costuma cobrar por hora.

ü   Tampouco / tão pouco

Tampouco - equivale a também não.
Ex.: Ele não gostou do relatório e eu tampouco.
Tão pouco - significa tão pequena coisa, ou algo diminuto, escasso, curto.
Ex.: Ganhava tão pouco que mal podia viver.

ü   Retificar / ratificar

Retificar - corrigir.
Ex.: Retificar uma declaração feita por engano.
Ratificar confirmar.
Ex.: Ratificar uma declaração, mantendo o que foi dito anteriormente.

ü   Bem-vindo / Benvindo

Projeto APE                                                                                 Página 21
Guia        de      Redação


Bem-vindo - para expressar boa acolhida. Este composto escreve-se com hífen, flexionando
apenas o segundo elemento para estabelecer a concordância gramatical: bem-vindo, bemvinda,
bem-vindos, bem-vindas.
Benvindo - é nome próprio de pessoa.
Ex.: Está aí fora o senhor Benvindo.

ü   À medida que / na medida em que

À medida que (locução proporcional) - à proporção que, conforme.
Ex.: Os preços deveriam diminuir à medida que diminui a procura.
Na medida em que (locução causal) pelo fato de que, uma vez que.
Ex.: Na medida em que se esgotaram as possibilidades de negociação, o projeto foi
integralmente vetado.

ü Intervim / interveio intervir é derivado de vir e, portanto, conjuga-se como ele.
Ex.: Eu vim eu intervim.
Ele veio ele interveio.

ü   Há / atrás

Evite o uso do há e do atrás na mesma frase. Se alguém fez alguma coisa há tantos anos, só
pode ser atrás.
Ex.: Ele foi contratado há dez anos.
Ele foi contratado dez anos atrás.

ü   Despercebido / desapercebido

Despercebido - não percebido, que não foi notado.
Desapercebido - é o mesmo que desprevenido.
Ex.: Passou despercebido de Pedro que a taxa de juros baixou.
A casa estava desapercebida de alimentos.

ü   Vale-transporte plural

    Tratando-se de um composto de dois substantivos, ensinam os gramáticos que, quando o
segundo elemento limita ou determina o primeiro, varia apenas o primeiro: vales-transporte. A
tendência atual, porém, é a de pluralizar ambos os elementos: vales-transportes. Da mesma
forma: vales-creches, vales-mercados, vales-refeições, vales-cursos.

ü   Par de redes, saca de feijão

     São plurais os complementos de termos coletivos como: par, dúzia, grosa, álbum, etc. Assim:
par de redes, jogo de lençóis, caixa de fósforos. Ficará no singular o complemento, se
designarem substâncias contínuas ou constituídas de unidades miúdas: arroba de carne, saca
de feijão, pacote de sal. Mas se elas constituírem unidades contáveis, designando espécies ou
variedades, os complementos irão para o plural.
Ex.: casa de carnes, coleção de minerais, exposição de pinturas.

ü   Junto a

Significa perto de, ao lado de.
Ex.: O carro está estacionado junto ao portão.

Projeto APE                                                                            Página 22
Guia         de      Redação

Também significa adido a.
Ex.: Entrevistou o embaixador brasileiro junto ao Vaticano.
Portanto, são inadequadas as construções como: Conseguimos um empréstimo junto ao Banco
do Brasil. Solicitamos junto à Secretaria o encaminhamento dos documentos. Melhor será:
Conseguimos um empréstimo do Banco do Brasil. Solicitamos da Secretaria o encaminhamento
dos documentos.

ü   Perca / perda

Perca - presente do subjuntivo do verbo perder.
Ex.: Espero que ele não perca esta oportunidade.
Perda - substantivo feminino.
Ex.: A perda da mãe deixou-o desolado.

ü   Viger

Verbo intransitivo. Significa ter vigor, vigorar. É verbo defectivo. Só possui as formas em que ao
g se segue a vogal e.
Ex.: A Portaria passa a viger a partir da presente data.

ü   Entorno / em torno

Entorno - circunvizinhança.
Em torno - ao redor de.
Ex.: Em torno da Escola havia muitos comerciantes.
No entorno da Escola havia muitos terrenos baldios.

ü   Todo / todo o

Atribui-se a todo o significado de qualquer.
Ex.: Leu todo o livro. (o livro inteiro)
Lia todo livro que encontrasse. (qualquer livro)

ü   Fazer

Para expressar tempo decorrido, usa-se o verbo fazer sem sujeito, na 3ª pessoa do singular.
Ex.: Faz dois meses que inauguramos a escola.
Também o usamos no singular em expressões que traduzem fenômenos meteorológicos.
Ex.: Em Porto Alegre, faz invernos terríveis.

    ·     Expressões a Evitar e Expressões de Uso Recomendável

     Como mencionado na introdução deste capítulo, o sentido das palavras liga-se intimamente à
tradição e ao contexto de seu uso. Assim, temos vocábulos e expressões (locuções) que, por seu
continuado emprego com determinado sentido, passam a ser usados sempre em tal contexto e de
tal forma, tornando-se expressões de uso consagrado. Mais do que do sentido das palavras, trata-
se aqui também da regência de determinados verbos e nomes (v.9.2.3.Regência).
     O esforço de classificar expressões como de uso a ser evitado ou como de uso recomendável
atende, primordialmente, ao princípio da clareza e da transparência que deve nortear a elaboração
de todo texto oficial. Não se trata, pois, de mera preferência ou gosto por determinada forma.
     A linguagem dos textos dos relatórios deve sempre pautar-se pelo padrão culto formal da
língua. Não é aceitável, portanto, que desses textos constem coloquialismos ou expressões de uso
restrito a determinados grupos, que comprometeriam sua própria compreensão pelo público.

Projeto APE                                                                                Página 23
Guia        de      Redação

Acrescente-se que indesejável é também a repetição excessiva de uma mesma palavra quando há
outra que pode substituí-la sem prejuízo ou alteração de sentido.
     Quanto a determinadas expressões que devem ser evitadas, mencionem-se aquelas que
formam cacófatos, ou seja, o encontro de sílabas em que a malícia descobre um novo termo com
sentido torpe ou ridículo . Não há necessidade, no entanto, de estender a preocupação de evitar a
ocorrência de cacófatos a um sem-número de locuções que produzem terceiro sentido, como por
cada, vez passada, etc. Trata-se, sobretudo, de uma questão de estilo e da própria sensibilidade do
autor do texto. Não faz sentido eliminar da língua inúmeras locuções que só causam espanto ao
leitor que está à procura do duplo sentido.
     Essa recomendação vale também para os casos em que a partição silábica (translineação)
possa redundar em sentido torpe ou obsceno.
     Apresentamos, a seguir, lista de expressões cujo uso ou repetição deve ser evitado, indicando
com que sentido devem ser empregadas e sugerindo alternativas vocabulares a palavras que
costumam constar em relatórios com excesso.

à medida que/na medida em que

        À medida que (locução proporcional) à proporção que, ao passo que, conforme: Os
preços deveriam diminuir à medida que diminui a procura. Na medida em que (locução causal)
pelo fato de que, uma vez que: Na medida em que se esgotaram as possibilidades de negociação, o
projeto foi integralmente vetado. Evite os cruzamentos bisonhos, canhestros *à medida em
que, *na medida que...

a partir de

       A partir de deve ser empregado preferencialmente no sentido temporal: A cobrança do
imposto entra em vigor a partir do início do próximo ano. Evite repeti-la com o sentido de com
base em , preferindo considerando, tomando-se por base, fundando-se em, baseando-se em.

ambos/todos os dois

        Ambos significa os dois ou um e outro . Evite expressões pleonásticas como ambos dois,
ambos os dois, ambos de dois, ambos a dois. Quando for o caso de enfatizar a dualidade, empregue
todos os dois: Todos os dois Educadores Universitários desenvolveram a ação.

anexo/em anexo

        O adjetivo anexo concorda em gênero e número com o substantivo ao qual se refere:
Encaminho as fotos anexas. Dirigimos os anexos projetos à Coordenação. Use também junto,
apenso. A locução adverbial em anexo, como é próprio aos advérbios, é invariável: Encaminho as
minutas em anexo. Em anexo, dirigimos os projetos à Coordenação. Empregue também
conjuntamente, juntamente com.

ao nível de/em nível (de)

          A locução ao nível tem o sentido de à mesma altura de: Fortaleza localiza-se ao nível do
mar. Evite seu uso com o sentido de em nível, com relação a, no que se refere a. Em nível significa
nessa instância : A decisão foi tomada em nível de Supervisão APE; Em nível de planejamento, será
difícil chegar-se ao consenso junto à Coordenação Regional. A nível (de) constitui modismo que é
melhor evitar.

assim



Projeto APE                                                                             Página 24
Guia        de       Redação

        Use após a apresentação de alguma situação ou proposta para ligá -la à idéia seguinte.
Alterne com: dessa forma, desse modo, diante do exposto, diante disso, conseqüentemente,
portanto, por conseguinte, assim sendo, em conseqüência, em vista disso, em face disso.

através de/por intermédio de

        Através de quer dizer de lado a lado, por entre: A visita incluía deslocamentos através de
boa parte do parque. Evite o emprego com o sentido de meio ou instrumento; nesse caso
empregue por intermédio, por, mediante, por meio de, segundo, servindo-se de, valendo-se de: O
projeto foi apresentado por intermédio da Equipe APE regional. O assunto deve ser regulado por
meio de decreto. A comissão foi criada mediante portaria do Ministro de Estado.

bem como

       Evite repetir; alterne com e, como (também), igualmente, da mesma forma. Evite o uso,
polêmico para certos autores, da locução bem assim como equivalente. 18 SAID Ali, Manoel.
Gramática secundária da língua portuguesa . 3a ed. Brasília: Universidade de Brasília. p. 224.

cada

          Este pronome indefinido deve ser usado em função adjetiva: Quanto às famílias presentes,
foi distribuída uma cesta básica a cada uma. Evite a construção coloquial foi distribuída uma cesta
básica a cada.

causar

         Evite repetir. Use também originar, motivar, provocar, produzir, gerar, levar a, criar.

constatar

       Evite repetir. Alterne com atestar, apurar, averiguar, certificar-se, comprovar, evidenciar,
observar, notar, perceber, registrar, verificar.

dado/visto/haja vista

        Os particípios dado e visto têm valor passivo e concordam em gênero e número com o
substantivo a que se referem: Dados o interesse e o esforço demonstrados, optou-se pelo
desenvolvimento da ação como planejado. Dadas as circunstâncias... Vistas as contrapartidas
apresentadas, não houve consenso na efetivação da açõo. Já a expressão haja vista, com o sentido
de uma vez que ou seja considerado, veja-se, é invariável: O projeto tem qualidades, haja vista o
interesse e a necessidade da comunidade em questão. Haja visto (com -o) é inovação oral brasileira,
evidentemente descabida em redação oficial ou outra qualquer.


de forma que, de modo que/de forma a, de modo a

         De forma (ou maneira, modo) que nas orações desenvolvidas: Deu amplas explicações, de
forma que tudo ficou claro. De forma (maneira ou modo) a nas orações reduzidas de infinitivo: Deu
amplas explicações, de forma (maneira ou modo) a deixar tudo claro. São descabidas na língua
escrita as pluralizações orais vulgares *de formas (maneiras ou modos) que...

deste ponto de vista



Projeto APE                                                                                 Página 25
Guia         de      Redação

        Evite repetir; empregue também sob este ângulo, sob este aspecto, por este prisma, desse
prisma, deste modo, assim, destarte.

detalhar

          Evite repetir; alterne com particularizar, pormenorizar, delinear, minudenciar.

devido a

       Evite repetir; utilize igualmente em virtude de, por causa de, em razão de, graças a,
provocado por.

dirigir

       Quando empregado com o sentido de encaminhar, alterne com transmitir, mandar,
encaminhar, remeter, enviar, endereçar.

em face de

        Sempre que a expressão em face de equivaler a diante de, é preferível a regência com a
preposição de; evite, portanto, face a, frente a.

enquanto

        Conjunção proporcional equivalente a ao passo que, à medida que. Evitar a construção
coloquial enquanto que.

especialmente

        Use também principalmente, mormente, notadamente, sobretudo, nomeadamente, em
especial, em particular.

inclusive

Advérbio que indica inclusão; opõe-se a exclusive. Evite-se o seu abuso com o sentido de até ;
nesse caso utilize o próprio até ou ainda, igualmente, mesmo, também, ademais.

informar

Alterne com comunicar, avisar, noticiar, participar, inteirar, cientificar, instruir, confirmar, levar ao
conhecimento, dar conhecimento; ou perguntar, interrogar, inquirir, indagar.

nem

        Conjunção aditiva que significa e não , e tampouco , dispensando, portanto, a conjunção
e: Não foram feitos reparos à proposta inicial, nem à nova versão do projeto. Evite, ainda, a dupla
negação não nem, nem tampouco, etc. *Não pôde encaminhar o trabalho no prazo, nem não teve
tempo para revisá-lo. O correto é ...nem teve tempo para revisá-lo.

no sentido de

         Empregue também com vistas a, a fim de, com o fito (objetivo, intuito, fim) de, com a
finalidade de, tendo em vista ou mira, tendo por fim.

Projeto APE                                                                                  Página 26
Guia         de      Redação


objetivar/ter por objetivo

        Ter por objetivo pode ser alternado com pretender, ter por fim, ter em mira, ter como
propósito, no intuito de, com o fito de. Objetivar significa antes materializar , tornar objetivo
(objetivar idéias, planos, o abstrato), embora possa ser empregado também com o sentido de ter
por objetivo . Evite-se o emprego abusivo alternando-o com sinônimos como os referidos.

onde

        Como pronome relativo significa em que (lugar): A cidade onde nasceu. O país onde viveu.
Evite, pois, construções como a lei onde é fixada a pena ou o encontro onde o assunto foi
tratado . Nesses casos, substitua onde por em que, na qual, no qual, nas quais, nos quais. O correto
é, portanto: a lei na qual é fixada a pena, o encontro no qual (em que) o assunto foi tratado.

operacionalizar

        Neologismo verbal de que se tem abusado. Prefira realizar, fazer, executar, levar a cabo ou
a efeito, pôr em obra, praticar, cumprir, desempenhar, produzir, efetuar, construir, compor,
estabelecer. É da mesma família de agilizar, objetivar e outros cujo problema está antes no uso
excessivo do que na forma, pois o acréscimo dos sufixos -izar e -ar é uma das possibilidades
normais de criar novos verbos a partir de adjetivos (ágil + izar = agilizar; objetivo + ar = objetivar).
Evite, pois, a repetição, que pode sugerir indigência vocabular ou ignorância dos recursos do
idioma.

opinião/ opinamento
       Como sinônimo de parecer, prefira opinião a opinamento. Alterne com parecer, juízo,
julgamento, voto, entendimento, percepção.

pertinente/pertencer

        Pertinente (derivado do verbo latino pertinere) significa pertencente ou oportuno.
Pertencer se originou do latim pertinescere, derivado sufixal de pertinere. Esta forma não
sobreviveu em português; não empregue, pois, formas inexistentes como no que pertine ao
projeto ; nesse contexto uso no que diz respeito, no que respeita, no tocante, com relação.

posição/posicionamento

        Posição pode ser alterado com postura, ponto de vista, atitude, maneira, modo.
Posicionamento significa disposição, arranjo , e não deve ser confundido com posição.

relativo a

Empregue também referente a, concernente a, tocante a, atinente a, pertencente a, que diz
respeito a, que trata de, que respeita.

ressaltar

Varie com destacar, sublinhar, salientar, relevar, distinguir, sobressair.

pronome se




Projeto APE                                                                                 Página 27
Guia          de   Redação

        Evite abusar de seu emprego como indeterminador do sujeito. O simples emprego da
forma infinitiva já confere a almejada impessoalidade: Para atingir esse objetivo há que evitar o
uso de coloquialismo (e não: Para atingir-se... Há que se evitar...). É cacoete em certo registro da
língua escrita no Brasil, dispensável porque inútil.

tratar (de)

        Empregue também contemplar, discutir, debater, discorrer, cuidar, versar, referir-se,
ocupar-se de.

viger

       Significa vigorar, ter vigor, funcionar. Verbo defectivo, sem forma para a primeira pessoa
do singular do presente do indicativo, nem para qualquer pessoa do presente do subjuntivo,
portanto. O decreto prossegue vigendo. A portaria vige. A orientação vigente naquele ano




                                         USO DE SINAIS

                 Hífen

O hífen ou traço-de-união é um sinal usado para ligar os elementos de palavras compostas: couve-
flor, vice-ministro; para unir pronomes átonos a verbos: agradeceu-lhe, dar-se-ia; e para, no final
de uma linha, indicar a separação das sílabas de uma palavra em duas partes (a chamada
translineação): com-/parar, gover-/no. Analisamos, a seguir, o uso do hífen em alguns casos
principais.

              Hífen entre Vocábulos

                a) na composição de palavras em que os elementos constitutivos mantêm sua
        acentuação própria, compondo, porém, novo sentido:
        abaixo-assinado (abaixo assinado, sem hífen, com o sentido de (aquele) que assina o
        documento em seu final : João Alves, abaixo assinado, requer... )

        decreto-lei
l       icença-prêmio
        mão-de-obra
        matéria-prima
        oficial-de-gabinete
        papel-moeda
        processo-crime
        salário-família
        testa-de-ferro (testa de ferro, sem hífen, significa testa dura como ferro )

                b) na composição de palavras em que o primeiro elemento representa forma
        reduzida:

        infanto-juvenil (infanto = infantil)
        nipo-brasileiro (nipo = nipônico)
        sócio-político (sócio = social)



Projeto APE                                                                              Página 28
Guia       de      Redação

              c) nos adjetivos gentílicos (que indicam nacionalidade, pátria, país, lugar ou região
      de procedência) quando derivados de nomes de lugar (topônimos) compostos:

      belo-horizontino
      norte-americano
      porto-riquenho
      rio-grandense-do-norte

               d) nas palavras compostas em que o adjetivo geral é acoplado a substantivo que
      indica função, lugar de trabalho ou órgão:

      diretor-geral
      inspetoria-geral
      procurador-geral
      secretaria-geral
               e) a preposição sem liga-se com hífen a alguns substantivos para indicar unidade
      semântica (adquire, assim, valor de prefixo):

      sem-fim
      sem-número
      sem-terra
      sem-sal
      sem-vergonha
      sem-par

              f) o advérbio de negação não liga-se com hífen a alguns substantivos ou adjetivos
      para indicar unidade semântica (adquire, assim, valor de prefixo):

      não-agressão
      não-eu, não-metal
      não-ser
      não-ferroso
      não-participante
      não-linear
      não-alinhado

              Hífen e Prefixos

               Os prefixos utilizados na Língua Portuguesa provieram do latim e do grego, línguas
      em que funcionavam como preposições ou advérbios, isto é, como vocábulos autônomos.
      Por essa razão, os prefixos têm significação precisa e exprimem, em regra, circunstâncias
      de lugar, modo, tempo, etc. Grande parte das palavras de nossa língua é formada a partir
      da utilização de um prefixo associado a outra palavra. Em muitos desses casos, é de rigor o
      emprego do hífen, seja para preservar a acentuação própria (tônica) do prefixo ou sua
      evidência semântica, seja para evitar pronúncia incorreta do vocábulo derivado.

             a) os seguintes prefixos nunca vêm seguidos de hífen (ligam-se, portanto,
      diretamente ao vocábulo com o qual compõem uma unidade):

      aer(o), aerotransporte                                audio, audiovisual
      agro, agroindústria                                   bi, bicentenário
      ambi, ambidestro                                      bio, biogenético
      anfi, anfiteatro                                      cardio, cardiovascular

Projeto APE                                                                            Página 29
Guia       de      Redação

      cis, cisplatino                                         macro, macroeconomia
      de(s), desserviço                                       micr(o), microrregião
      di(s), dissociação                                      mono, monoteísmo
      ele(c)tro, eletroímã                                    moto, motociclo
      fil(o), filogenético                                    multi, multinacional
      fisio, fisioterapia                                     para, parapsicologia
      fon(o), fonoaudiólogo                                   penta, pentacampeão
      fot(o), fotolito                                        per, perclorato
      gastr(o),                                               pluri, plurianual
      gastr(o)enterologia                                     poli, polivalente
      ge(o), geotécnica                                       psic(o), psicossocial
      hemi, hemicírculo                                       radi(o), radioamador
      hepta, heptassílabo                                     re, reversão
      hexa, hexafluoreno                                      retro, retroativo
      hidr(o), hidr(o)elétrica                                tele, teledinâmica
      hipo, hipotensão                                        term(o), term(o)elétrica
      homo, homossexual                                       trans, transalpino
      in, inapto                                              tri, tricelular
      intro, introversão                                      uni, unidimensional
      justa, justaposição

                b) o prefixo ex exige hífen quando indica estado anterior , que foi :

      ex-deputado
      ex-ministro
      ex-mulher
      ex-secretário

                c) o prefixo vice exige sempre o hífen:

      vice-almirante
      vice-diretor
      vice-presidente
      vice-versa

                d) os prefixos pós, pré, pró   assim, tônicos e de timbre aberto    requerem hífen
      sempre:

      pós-escrito
      pós-guerra
      pós-moderno
      pós-natal
      pré-aviso
      pré-nupcial
      pró-republicano

      mas sem hífen quando átonos (e, normalmente, fechados):

      posfácio
      pospor
      predeterminar
      predizer
      preestabelecer

Projeto APE                                                                              Página 30
Guia         de      Redação

      preestipulado
      preexistir
      prejulgar

              e) os seguintes prefixos exigem hífen quando combinados com palavras iniciadas
      por vogal, h, r ou s:

      auto (auto-estima, auto-retrato, etc.)
      contra (contra-ataque, contra-oferta, etc.)
      extra (extra-oficial, extra-humano, extra-sensível; extraordinário é a única exceção que,
      no entanto, é lícito distinguir de extra-ordinário não ordinário, não rotineiro; imprevisto )
      infra (infra-estrutura, infra-hepático, infra-renal, etc.)
      intra (intra-ocular, intra-hepático, intra-renal, etc.)
      neo (neo-escolástico, neo-hegeliano, neo-realismo, etc.)
      proto (proto-história, proto-revolução, etc.)
      pseudo (pseudo-esfera, pseudo-humano, pseudo-sigla, etc.)
      semi (semi-anual, semi-úmido, semi-selvagem, semi-humano, etc.)
      supra (supra-renal, supra-sumo, etc.)
      ultra (ultra-romântico, ultra-sensível, etc.)

               f) os seguintes prefixos exigem hífen quando combinados com palavras iniciadas
      por h, r ou s:

      ante (ante-histórico, ante-sala, etc.)
      anti (anti-humano, anti-herói, anti-regimental, etc.)
      arqui (arqui-histórico, etc.)
      sobre (sobre-humano, sobre-saia; exceções: sobressair, sobressalto)
      hiper (hiper-humano, hiper-realismo, etc.)
      inter (inter-hemisférico, inter-regional, etc.)
      super (super-homem, super-requintado, etc.)

              g) os seguintes prefixos exigem hífen quando combinados com palavras iniciadas
      por vogal ou h:

      circum (circum-ambiente, circum-hospitalar, etc.)
      mal (mal-entendido, mal-humorado, etc.)
      pan (pan-americano, pan-helênico, etc.)
      h) os seguintes prefixos exigem hífen quando combinados com palavras iniciadas por r:
      ab (ab-rogar: anular, suprimir)
      ad (ad-rogar: adotar ou tomar por adoção)
      ob (ob-rogar: contrapor-se)
      sob (sob-roda: saliência capaz de estorvar o deslocamento de um veículo)
      sub (sub-reitor, sub-região, etc.; no caso de sub também separamos por hífen as palavras
      iniciadas por b: subbloco, sub-bibliotecário)
      Observação: Hífen de composição vocabular ou de ênclise e mesóclise é repetido quando
      coincide com translineação:
      decreto-/-lei, exigem-/-lhe, far-/-se-á.

        Aspas

      As aspas têm os seguintes empregos:

      a) usam-se antes e depois de uma citação textual:

Projeto APE                                                                            Página 31
Guia        de       Redação


        A Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988, no parágrafo único de seu artigo
1o afirma: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou
diretamente .

         b) dão destaque a nomes de publicações, obras de arte, intitulativos, apelidos, etc.:

         O artigo sobre o processo de desregulamentação foi publicado no Jornal do Brasil .
         A Secretaria da Educação está organizando uma apresentação das Bachianas , de Villa
Lobos.

         c) destacam termos estrangeiros:

       O processo da détente teve início com a Crise dos Mísseis em Cuba, em 1962.
 Mutatis mutandis , o novo projeto é idêntico ao anteriormente apresentado.

         d) nas citações de textos legais, as alíneas devem estar entre aspas:

         O tema é tratado na alínea a do artigo 146 da Constituição.

        Atualmente, no entanto, tem sido tolerado o uso de itálico como forma de dispensar o uso
de aspas, exceto na hipótese de citação textual.
        A pontuação do trecho que figura entre aspas seguirá as regras gramaticais correntes.
Caso, por exemplo, o trecho transcrito entre aspas terminar por ponto-final, este deverá figurar
antes do sinal de aspas que encerra a transcrição.

       Exemplo: O art. 2o da Constituição Federal            São Poderes da União, independentes e
harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário. já figurava na Carta anterior.

          Parênteses

         Os parênteses são empregados nas orações ou expressões intercaladas. Observe que o
ponto-final vem antes do último parêntese quando a frase inteira se acha contida entre parêntese:
 Quanto menos a ciência nos consola, mais adquire condições de nos servir. (José Guilherme
Merquior)
O Estado de Direito (Constituição Federal, art. 1o) define-se pela submissão de todas as relações ao
Direito.

          Travessão

         O travessão, que é um hífen prolongado ( ), é empregado nos seguintes casos:

         a) substitui parênteses, vírgulas, dois-pontos:

         O controle a dengue meta prioritária do Governo será ainda mais rigoroso.
         As restrições ao livre mercado especialmente o de produtos tecnologicamente avançados
          podem ser muito prejudiciais para a sociedade.

         b) indica a introdução de enunciados no diálogo:

         Indagado pela comissão de inquérito sobre a procedência de suas declarações, o
         funcionário respondeu:
           Nada tenho a declarar a esse respeito.

Projeto APE                                                                                Página 32
Guia         de      Redação


        c) indica a substituição de um termo, para evitar repetições:

        O verbo fazer (vide sintaxe do verbo ), no sentido de tempo transcorrido, é utilizado
        sempre na 3a pessoa do
        singular: faz dois anos que isso aconteceu.

        d) dá ênfase a determinada palavra ou pensamento que segue:

        Não há outro meio de resolver o problema promova-se o funcionário.
        Ele reiterou sua idéias e convicções energicamente.




                                           SINTAXE
                              (do grego syntáxis arranjo, disposição )

         É a parte da Gramática que estuda a palavra, não em si, mas em relação às outras, que com
ela se unem para exprimir o pensamento. É o capítulo mais importante da Gramática, porque, ao
disciplinar as relações entre as palavras, contribui de modo fundamental para a clareza da
exposição e para a ordenação do pensamento.
         É importante destacar que o conhecimento das regras gramaticais, sobretudo neste
capítulo da sintaxe, é condição necessária para a boa redação, mas não constitui condição
suficiente. A concisão, clareza, formalidade e precisão, elementos essenciais da redação oficial,
somente serão alcançadas mediante a prática da escrita e a leitura de textos escritos em bom
português.
         Dominar bem o idioma, seja na forma falada, seja na forma escrita, não significa apenas
conhecer exceções gramaticais: é imprescindível, isso sim, conhecer em profundidade as
regularidades da língua. No entanto, como interessa aqui aplicar princípios gramaticais à redação
de relatórios, trataremos, forçosamente, das referidas exceções e dos problemas sintáticos que
com mais freqüência são encontrados nos relatórios enviados.

    ·    Problemas de Construção de Frases

    A clareza e a concisão na forma escrita são alcançadas principalmente pela construção
adequada da frase, a menor unidade autônoma da comunicação , na definição de Celso Pedro
Luft.
    A função essencial da frase é desempenhada pelo predicado, que para Adriano da Gama Kury
pode ser entendido como a enunciação pura de um fato qualquer . Sempre que a frase possuir
pelo menos um verbo, recebe o nome de período, que terá tantas orações quantos forem os verbos
não auxiliares que o constituem.
    Outra função relevante é a do sujeito mas não indispensável, pois há orações sem sujeito,
ditas impessoais , de quem se diz algo, cujo núcleo é sempre um substantivo. Sempre que o verbo
o exigir, teremos nas orações substantivos (nomes ou pronomes) que desempenham a função de
complementos (objetos direto e indireto, predicativo e complemento adverbial). Função acessória
desempenham os adjuntos adverbiais, que vêm geralmente ao final da oração, mas que podem ser
ou intercalados aos elementos que desempenham as outras funções, ou deslocados para o início
da oração.
    Temos, assim, a seguinte ordem de colocação dos elementos que compõem uma oração (os
parênteses indicam os elementos que podem não ocorrer): (sujeito) - verbo - (complementos) -
(adjunto adverbial).

Projeto APE                                                                            Página 33
Guia         de        Redação

    Podem ser identificados seis padrões básicos para as orações pessoais (i. é, com sujeito) na
língua portuguesa (a função que vem entre parênteses é facultativa e pode ocorrer em ordem
diversa):

1. Sujeito - verbo intransitivo - (Adjunto Adverbial)
O PCOP - regressou - (ontem).

2. Sujeito - verbo transitivo direto - objeto direto - (adjunto adverbial)
O Chefe da Divisão - assinou - o termo de posse - (na manhã de terça-feira).

3. Sujeito - verbo transitivo indireto - objeto indireto - (adjunto adverbial).
O Brasil - precisa - de gente honesta - (em todos os setores).

4. Sujeito - verbo transitivo direto e indireto - obj. direto - obj. indireto - (adj. Adv.)
Os desempregados - entregaram - suas reivindicações - ao Deputado - (no Congresso).

5. Sujeito - verbo transitivo indireto - complemento adverbial - (adjunto adverbial)
A reunião do Grupo de Trabalho - ocorrerá - em São Paulo - (na próxima semana).
O Presidente - voltou - da Europa - (na sexta-feira)

6. Sujeito - verbo de ligação - predicativo - (adjunto adverbial)
O problema - será - resolvido - prontamente.

        Esses seriam os padrões básicos para as orações, ou seja as frases que possuem apenas um
verbo conjugado.
        Na construção de períodos, as várias funções podem ocorrer em ordem inversa à
mencionada, misturando-se e confundindo-se. Não interessa aqui análise exaustiva de todos os
padrões existentes na língua portuguesa. O que importa é fixar a ordem normal dos elementos
nesses seis padrões básicos. Acrescente-se que períodos mais complexos, compostos por duas ou
mais orações, em geral podem ser reduzidos aos padrões básicos (de que derivam).
        Os problemas mais freqüentemente encontrados na construção de frases dizem respeito à
má pontuação, à ambigüidade da idéia expressa, à elaboração de falsos paralelismos, erros de
comparação, etc. Decorrem, em geral, do desconhecimento da ordem das palavras na frase.
Indicam-se, a seguir, alguns desses defeitos mais comuns e recorrentes na construção de frases,
registrados em relatórios.


    ·     Sujeito

        Como dito, o sujeito é o ser de quem se fala ou que executa a ação enunciada na oração.
Ele pode ter complemento, mas não ser complemento. Devem ser evitadas, portanto, construções
como:

Errado: É tempo da equipe elaborar o projeto.
Certo: É tempo de a equipe elaborar o projeto.

Errado: Apesar das relações entre os pais estarem cortadas, (...).
Certo: Apesar de as relações entre os pais estarem cortadas, (...).

Errado: Não vejo mal no Educador proceder assim.
Certo: Não vejo mal em o Educador proceder assim.

Errado: Antes destes requisitos serem cumpridos, (...).

Projeto APE                                                                                   Página 34
Guia        de      Redação

Certo: Antes de estes requisitos serem cumpridos, (...).

Errado: Apesar da Assessoria ter informado em tempo, (...).
Certo: Apesar de a Assessoria ter informado em tempo, (...).



    ·     Frases Fragmentadas

    A fragmentação de frases consiste em pontuar uma oração subordinada ou uma simples
locução como se fosse uma frase completa . Decorre da pontuação errada de uma frase simples.
Embora seja usada como recurso estilístico na literatura, a fragmentação de frases devem ser
evitada nos textos oficiais, pois muitas vezes dificulta a compreensão. Ex.:

Errado: O programa recebeu a aprovação da Diretoria de Ensino. Depois de ser longamente
debatido.
Certo: O programa recebeu a aprovação da Diretoria de Ensino, depois de ser longamente
debatido.
Certo: Depois de ser longamente debatido, o programa recebeu a aprovação da diretoria de
Ensino.

Errado: O projeto de Convenção foi oportunamente submetido ao Presidente da República, que o
aprovou. Consultadas as áreas envolvidas na elaboração do texto legal.
Certo: O projeto de Convenção foi oportunamente submetido ao Presidente da República, que o
aprovou, consultadas as áreas envolvidas na elaboração do texto legal.




    ·     Ambigüidade

     A ambigüidade é um dos problemas que podem ser evitados na redação. Ela surge quando algo
que está sendo dito admite mais de um sentido, comprometendo a compreensão do conteúdo.
Isso pode suscitar dúvidas no leitor e levá-lo a conclusões equivocadas na interpretação do texto.
     A inadequação ou a má colocação de elementos como pronomes, adjuntos adverbiais,
expressões e até mesmo enunciados inteiros podem acarretar em duplo sentido, comprometendo
a clareza do texto. Observe os exemplos que seguem:

    a) "O professor falou com o aluno parado na sala"

    Neste caso, a ambigüidade decorre da má construção sintática deste enunciado. Quem estava
parado na sala? O aluno ou o professor? A solução é, mais uma vez, colocar "parado na sala" logo
ao lado do termo a que se refere: "Parado na sala, o professor falou com o aluno"; ou "O professor
falou com o aluno, que estava parado na sala".

    b) "A polícia cercou o ladrão do banco na rua Santos."

    O banco ficava na rua Santos, ou a polícia cercou o ladrão nessa rua? A ambigüidade resulta da
má colocação do adjunto adverbial. Para evitar isso, coloque "na rua Santos" mais perto do núcleo
de sentido a que se refere: Na rua Santos, a polícia cercou o ladrão; ou A polícia cercou o ladrão do
banco que localiza-se na rua Santos"




Projeto APE                                                                              Página 35
Guia        de      Redação

     c) "Pessoas que consomem bebidas alcoólicas com freqüência apresentam sintomas de
        irritabilidade e depressão."

    Mais uma vez a duplicidade de sentido é provocada pela má colocação do adjunto adverbial.
Assim, pode-se entender que "As pessoas que, com freqüência, consomem bebidas alcoólicas
apresentam sintomas de irritabilidade e depressão" ou que "As pessoas que consomem bebidas
alcoólicas apresentam, com freqüência, sintomas de irritabilidade e depressão".
    Uma das estratégias para evitar esses problemas é revisar os textos. Uma redação de boa
qualidade depende muito do domínio dos mecanismos de construção da textualidade e da
capacidade de se colocar na posição do leitor.



2.   Pontuação

     Os sinais de pontuação, ligados à estrutura sintática, têm as seguintes finalidades:
a) assinalar as pausas e as inflexões da voz (a entoação) na leitura;
b) separar palavras, expressões e orações que, segundo o autor, devem merecer destaque;
c) esclarecer o sentido da frase, eliminando ambigüidades.

     ·    Vírgula

    A vírgula serve para marcar as separações breves de sentido entre termos vizinhos, as
inversões e as
intercalações, quer na oração, quer no período.
         A seguir, indicam-se alguns casos principais de emprego da vírgula:

         a) para separar palavras ou orações paralelas justapostas, i. é, não ligadas por conjunção:

         Chegou a Diretoria, procurou o PCOP, levou seu planejamento à Coordenação Regional
(Supervisor), voltou ao PCOP e discutiu ratificação do planejamento.
         Simplicidade, clareza, objetividade, concisão são qualidades a serem observadas no
relatório mensal.

         b) as intercalações, por cortarem o que está sintaticamente ligado, devem ser colocadas
entre vírgulas:

         O processo, creio eu, deverá ir logo a julgamento.
         A democracia, embora (ou mesmo) imperfeita, ainda é o melhor sistema de governo.

        c) expressões corretivas, explicativas, escusativas, tais como isto é, ou melhor, quer dizer,
data venia, ou seja, por exemplo, etc., devem ser colocadas entre vírgulas:

      O político, a meu ver, deve sempre usar uma linguagem clara, ou seja, de fácil
compreensão.
      As Nações Unidas decidiram intervir no conflito, ou por outra, iniciaram as tratativas de
paz.

         d) Conjunções coordenativas intercaladas ou pospostas devem ser colocadas entre vírgula:

         Dedicava-se ao trabalho com afinco; não obtinha, contudo, resultados.
         O ano foi difícil; não me queixo, porém.
         Era mister, pois, levar o projeto às últimas conseqüências.


Projeto APE                                                                                 Página 36
Guia De Redação
Guia De Redação
Guia De Redação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

10 passos para uma boa redação
10 passos para uma boa redação10 passos para uma boa redação
10 passos para uma boa redação
Valdemir Lopes Valdermir
 
Vest 2012 apostila 1 redação usp unesp enem o estudo do parágrafo
Vest 2012   apostila 1 redação usp unesp enem o estudo do parágrafoVest 2012   apostila 1 redação usp unesp enem o estudo do parágrafo
Vest 2012 apostila 1 redação usp unesp enem o estudo do parágrafo
Katcavenum
 
Pecados mortais em dissertação
Pecados mortais em dissertaçãoPecados mortais em dissertação
Pecados mortais em dissertação
Fátima Lima
 
Redação 1: Orientações para produção de texto
Redação 1: Orientações para produção de textoRedação 1: Orientações para produção de texto
Redação 1: Orientações para produção de texto
Gilberto Ulissys
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
Cleber Pereira de Sousa
 
Lp Slides Aula 2
Lp   Slides   Aula 2Lp   Slides   Aula 2
Lp Slides Aula 2
annave
 
Resumão portugues2
Resumão portugues2Resumão portugues2
Resumão portugues2
Kelin Cristina
 
50 dicas-professor-mateus-gustavo
50 dicas-professor-mateus-gustavo50 dicas-professor-mateus-gustavo
50 dicas-professor-mateus-gustavo
Rosenilda Batista
 
Aula 01 redação
Aula 01 redaçãoAula 01 redação
Aula 01 redação
Homero Alves de Lima
 
Gestão temporal do programa anual português 15 16
Gestão temporal do programa anual português 15 16Gestão temporal do programa anual português 15 16
Gestão temporal do programa anual português 15 16
Ministry of Education (Brazil)
 
Curso básico de redação Aula 2
Curso básico de redação   Aula 2Curso básico de redação   Aula 2
Curso básico de redação Aula 2
ProfFernandaBraga
 
O resumo
O resumoO resumo
O resumo
cnlx
 
Para escrever bem
Para escrever bemPara escrever bem
Para escrever bem
Elis Lima Escapacherri
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
Sinara Lustosa
 
Enemem100dias apostila-redacao
Enemem100dias apostila-redacaoEnemem100dias apostila-redacao
Enemem100dias apostila-redacao
José De Oliveira
 
Understanding discourse
Understanding discourseUnderstanding discourse
Understanding discourse
Thaís Amaral
 
Roteiro de estudos independentes 2014 1
Roteiro de estudos independentes 2014 1Roteiro de estudos independentes 2014 1
Roteiro de estudos independentes 2014 1
Débora Martins
 
Sinais de pontuação - ENEM
Sinais de pontuação - ENEM Sinais de pontuação - ENEM
Sinais de pontuação - ENEM
Cyntia Borges
 

Mais procurados (18)

10 passos para uma boa redação
10 passos para uma boa redação10 passos para uma boa redação
10 passos para uma boa redação
 
Vest 2012 apostila 1 redação usp unesp enem o estudo do parágrafo
Vest 2012   apostila 1 redação usp unesp enem o estudo do parágrafoVest 2012   apostila 1 redação usp unesp enem o estudo do parágrafo
Vest 2012 apostila 1 redação usp unesp enem o estudo do parágrafo
 
Pecados mortais em dissertação
Pecados mortais em dissertaçãoPecados mortais em dissertação
Pecados mortais em dissertação
 
Redação 1: Orientações para produção de texto
Redação 1: Orientações para produção de textoRedação 1: Orientações para produção de texto
Redação 1: Orientações para produção de texto
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
 
Lp Slides Aula 2
Lp   Slides   Aula 2Lp   Slides   Aula 2
Lp Slides Aula 2
 
Resumão portugues2
Resumão portugues2Resumão portugues2
Resumão portugues2
 
50 dicas-professor-mateus-gustavo
50 dicas-professor-mateus-gustavo50 dicas-professor-mateus-gustavo
50 dicas-professor-mateus-gustavo
 
Aula 01 redação
Aula 01 redaçãoAula 01 redação
Aula 01 redação
 
Gestão temporal do programa anual português 15 16
Gestão temporal do programa anual português 15 16Gestão temporal do programa anual português 15 16
Gestão temporal do programa anual português 15 16
 
Curso básico de redação Aula 2
Curso básico de redação   Aula 2Curso básico de redação   Aula 2
Curso básico de redação Aula 2
 
O resumo
O resumoO resumo
O resumo
 
Para escrever bem
Para escrever bemPara escrever bem
Para escrever bem
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Enemem100dias apostila-redacao
Enemem100dias apostila-redacaoEnemem100dias apostila-redacao
Enemem100dias apostila-redacao
 
Understanding discourse
Understanding discourseUnderstanding discourse
Understanding discourse
 
Roteiro de estudos independentes 2014 1
Roteiro de estudos independentes 2014 1Roteiro de estudos independentes 2014 1
Roteiro de estudos independentes 2014 1
 
Sinais de pontuação - ENEM
Sinais de pontuação - ENEM Sinais de pontuação - ENEM
Sinais de pontuação - ENEM
 

Semelhante a Guia De Redação

Manual redação Oficial.pdf
Manual redação Oficial.pdfManual redação Oficial.pdf
Manual redação Oficial.pdf
AnaPaulaRodriguesAma1
 
Manual oficial
Manual oficialManual oficial
Manual oficial
Lorena Cristina
 
PDF PORTUGUÊS.pdfportuguesconcursoespeci
PDF PORTUGUÊS.pdfportuguesconcursoespeciPDF PORTUGUÊS.pdfportuguesconcursoespeci
PDF PORTUGUÊS.pdfportuguesconcursoespeci
MarkusIsraelDurski1
 
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdfPDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
SelmaViana4
 
Produção de texto
Produção de textoProdução de texto
Produção de texto
eebhomago
 
Orientações sobre uma Boa Redação SildoRodriguesJR
Orientações sobre uma Boa Redação  SildoRodriguesJROrientações sobre uma Boa Redação  SildoRodriguesJR
Orientações sobre uma Boa Redação SildoRodriguesJR
Sildo Junior
 
produção textual, enem, vestibular .pptx
produção textual, enem, vestibular .pptxprodução textual, enem, vestibular .pptx
produção textual, enem, vestibular .pptx
almeidaluana280
 
A redaç o cient fica
A redaç o cient ficaA redaç o cient fica
A redaç o cient fica
Mirilena Daltro
 
Curso de Redação - Parte 3/4
Curso de Redação - Parte 3/4Curso de Redação - Parte 3/4
Curso de Redação - Parte 3/4
ABCursos OnLine
 
Texto dissertativo.pptx
Texto dissertativo.pptxTexto dissertativo.pptx
Texto dissertativo.pptx
Paulo Ricardo Dias Fernandes
 
Redação
RedaçãoRedação
Redação
janekenia
 
01 lingua portuguesa
01 lingua portuguesa01 lingua portuguesa
01 lingua portuguesa
Rafael Cajazeira
 
Coesao e corencia
Coesao e corenciaCoesao e corencia
Coesao e corencia
Dior FG
 
Curso de Redação - Parte 1/4
Curso de Redação - Parte 1/4Curso de Redação - Parte 1/4
Curso de Redação - Parte 1/4
ABCursos OnLine
 
Apostila de correspondëncia
Apostila de correspondënciaApostila de correspondëncia
Apostila de correspondëncia
Shirlene Gonçalves
 
1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa
Flavio Jose Fereira José
 
Curso de Português para Concurso TJ AM
Curso de Português para Concurso TJ AMCurso de Português para Concurso TJ AM
Curso de Português para Concurso TJ AM
Estratégia Concursos
 
O que é o texto dissertativo
O que é o texto dissertativoO que é o texto dissertativo
O que é o texto dissertativo
Bernadete Carrijo Oliveira
 
Apostila inss
Apostila inssApostila inss
Apostila inss
Débora Lemos
 
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxDissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
BerlaPaiva
 

Semelhante a Guia De Redação (20)

Manual redação Oficial.pdf
Manual redação Oficial.pdfManual redação Oficial.pdf
Manual redação Oficial.pdf
 
Manual oficial
Manual oficialManual oficial
Manual oficial
 
PDF PORTUGUÊS.pdfportuguesconcursoespeci
PDF PORTUGUÊS.pdfportuguesconcursoespeciPDF PORTUGUÊS.pdfportuguesconcursoespeci
PDF PORTUGUÊS.pdfportuguesconcursoespeci
 
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdfPDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
 
Produção de texto
Produção de textoProdução de texto
Produção de texto
 
Orientações sobre uma Boa Redação SildoRodriguesJR
Orientações sobre uma Boa Redação  SildoRodriguesJROrientações sobre uma Boa Redação  SildoRodriguesJR
Orientações sobre uma Boa Redação SildoRodriguesJR
 
produção textual, enem, vestibular .pptx
produção textual, enem, vestibular .pptxprodução textual, enem, vestibular .pptx
produção textual, enem, vestibular .pptx
 
A redaç o cient fica
A redaç o cient ficaA redaç o cient fica
A redaç o cient fica
 
Curso de Redação - Parte 3/4
Curso de Redação - Parte 3/4Curso de Redação - Parte 3/4
Curso de Redação - Parte 3/4
 
Texto dissertativo.pptx
Texto dissertativo.pptxTexto dissertativo.pptx
Texto dissertativo.pptx
 
Redação
RedaçãoRedação
Redação
 
01 lingua portuguesa
01 lingua portuguesa01 lingua portuguesa
01 lingua portuguesa
 
Coesao e corencia
Coesao e corenciaCoesao e corencia
Coesao e corencia
 
Curso de Redação - Parte 1/4
Curso de Redação - Parte 1/4Curso de Redação - Parte 1/4
Curso de Redação - Parte 1/4
 
Apostila de correspondëncia
Apostila de correspondënciaApostila de correspondëncia
Apostila de correspondëncia
 
1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa
 
Curso de Português para Concurso TJ AM
Curso de Português para Concurso TJ AMCurso de Português para Concurso TJ AM
Curso de Português para Concurso TJ AM
 
O que é o texto dissertativo
O que é o texto dissertativoO que é o texto dissertativo
O que é o texto dissertativo
 
Apostila inss
Apostila inssApostila inss
Apostila inss
 
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxDissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
 

Mais de Projeto Ações Preventivas na Escola

Slides da Palestra sobre Sexualidade - Instituto Kaplan
Slides da Palestra sobre Sexualidade - Instituto KaplanSlides da Palestra sobre Sexualidade - Instituto Kaplan
Slides da Palestra sobre Sexualidade - Instituto Kaplan
Projeto Ações Preventivas na Escola
 
Projeto Ações Preventivas - Apresentação para Diretorias de Ensino
Projeto Ações Preventivas - Apresentação para Diretorias de EnsinoProjeto Ações Preventivas - Apresentação para Diretorias de Ensino
Projeto Ações Preventivas - Apresentação para Diretorias de Ensino
Projeto Ações Preventivas na Escola
 
Projeto Ações Preventivas Na Escola
Projeto Ações Preventivas Na EscolaProjeto Ações Preventivas Na Escola
Projeto Ações Preventivas Na Escola
Projeto Ações Preventivas na Escola
 
A importância da boa comunicação
A importância da boa comunicaçãoA importância da boa comunicação
A importância da boa comunicação
Projeto Ações Preventivas na Escola
 
Conceito de Competências
Conceito de CompetênciasConceito de Competências
Conceito de Competências
Projeto Ações Preventivas na Escola
 
Slides Vc Epilepsia Sintomas ,Causas E Condutas
Slides Vc Epilepsia Sintomas ,Causas E CondutasSlides Vc Epilepsia Sintomas ,Causas E Condutas
Slides Vc Epilepsia Sintomas ,Causas E Condutas
Projeto Ações Preventivas na Escola
 

Mais de Projeto Ações Preventivas na Escola (6)

Slides da Palestra sobre Sexualidade - Instituto Kaplan
Slides da Palestra sobre Sexualidade - Instituto KaplanSlides da Palestra sobre Sexualidade - Instituto Kaplan
Slides da Palestra sobre Sexualidade - Instituto Kaplan
 
Projeto Ações Preventivas - Apresentação para Diretorias de Ensino
Projeto Ações Preventivas - Apresentação para Diretorias de EnsinoProjeto Ações Preventivas - Apresentação para Diretorias de Ensino
Projeto Ações Preventivas - Apresentação para Diretorias de Ensino
 
Projeto Ações Preventivas Na Escola
Projeto Ações Preventivas Na EscolaProjeto Ações Preventivas Na Escola
Projeto Ações Preventivas Na Escola
 
A importância da boa comunicação
A importância da boa comunicaçãoA importância da boa comunicação
A importância da boa comunicação
 
Conceito de Competências
Conceito de CompetênciasConceito de Competências
Conceito de Competências
 
Slides Vc Epilepsia Sintomas ,Causas E Condutas
Slides Vc Epilepsia Sintomas ,Causas E CondutasSlides Vc Epilepsia Sintomas ,Causas E Condutas
Slides Vc Epilepsia Sintomas ,Causas E Condutas
 

Último

Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Guia De Redação

  • 2. Guia de Redação Sumário QUALIDADES E CARACTERÍSTICAS DE UMA REDAÇÃO ...............................................................3 Objetividade .........................................................................................................................3 Concisão ...............................................................................................................................3 Clareza ..................................................................................................................................3 Precisão ................................................................................................................................3 Polidez ..................................................................................................................................3 Harmonia ..............................................................................................................................4 CORREÇÃO DE UM TEXTO .........................................................................................................4 Correção ...............................................................................................................................4 Revisão .................................................................................................................................4 Roteiro para a revisão do texto .........................................................................................4 CONSTRUÇÃO DA FRASE E DO PARÁGRAFO...........................................................................5 A frase...............................................................................................................................5 O parágrafo ...........................................................................................................................5 Dicas gerais para uma boa redação: ..........................................................................................6 RELATÓRIO ...............................................................................................................................6 Partes: ..................................................................................................................................6 Complemento de Apoio ........................................................................................................7 ORTOGRAFIA.........................................................................................................................7 Emprego de Vogais ...............................................................................................................7 Emprego de Consoantes........................................................................................................9 ALGUMAS REGRAS BÁSICAS DE CONCORDÂNCIA ................................................................ 10 CRASE ..................................................................................................................................... 11 EMPREGO DOS PORQUÊS ....................................................................................................... 13 SUBSTANTIVOS COMPOSTOS .................................................................................................. 14 ACENTUAÇÃO GRÁFICA........................................................................................................... 15 ADJETIVOS COMPOSTOS ......................................................................................................... 16 PRONOMES DEMONSTRATIVOS .............................................................................................. 16 DIFICULDADES MAIS FREQÜENTES NO USO DA LÍNGUA .......................................................... 17 USO DE SINAIS ........................................................................................................................ 28 SINTAXE .................................................................................................................................. 33 BIBLIOGRAFIA ......................................................................................................................... 39 Projeto APE Página 2
  • 3. Guia de Redação QUALIDADES E CARACTERÍSTICAS DE UMA REDAÇÃO Objetividade A objetividade consiste no uso de palavras adequadas para que o pensamento seja expresso e entendido imediatamente pelo leitor. É necessário que se coloque uma idéia após a outra, hierarquizando as informações. Termos supérfluos, excesso de adjetivos, idéias e vocábulos repetidos devem ser eliminados, pois comprometem a eficácia do documento. ü Use linguagem objetiva e clara. ü Seja preciso. ü Evite palavras desgastadas pelo uso. ü Amplie o vocábulo ativo. Concisão O texto conciso é aquele que transmite o máximo de informações com o mínimo de palavras. Resulta de um trabalho de reflexão (o que escrever?) e de elaboração (como escrever?), concentrando-se na essência da mensagem. ü Empregue frases curtas. ü Evite acúmulo de idéias em um só parágrafo. ü Exercite-se na recomposição do texto. ü Deixe passar algum tempo depois de ter escrito: reflita, descanse suas idéias. ü Retorne o que escreveu, procurando melhorar a forma. ü Refaça o texto até encontrar um resultado agradável. Clareza O texto claro possibilita a imediata compreensão pelo leitor. O autor fará uso de língua padrão, de entendimento geral, com formalidade e padronização, para a uniformidade dos textos. ü Ordene as idéias e as palavras. ü Escolha vocabulário de entendimento geral. ü Refaça as frases depois de escrita. ü Evite, no texto, o acúmulo de fatos e opiniões. Precisão Consiste em empregar a palavra exata para expressar uma idéia, com conotações próprias, que melhor se ajuste àquilo que desejamos e precisamos exprimir. ü Escreva parágrafos curtos e sem muitos pormenores. ü Escreva somente sobre aquilo que conhece bem. ü Ajuste as mensagens ao leitor. ü Consulte o dicionário sempre que necessário. Polidez A polidez consiste no emprego de expressões respeitosas e tratamento apropriado àqueles a quem se reporta ou a quem me refiro. As expressões vulgares provocam mal-estar, assim como os tratamentos irreverentes, a intimidade, a gíria, a banalidade, a ironia e as leviandades. Projeto APE Página 3
  • 4. Guia de Redação ü Empregue, sem abuso, os adjetivos. ü Use termo técnico, (jargão) somente quando se justificar pelo assunto. ü Evite o excesso de interjeições e exclamações. ü Seja conciso. Harmonia O ajuste das palavras na frase e das frases no período resulta em combinações harmônicas, que predispõem o leitor à proposta apresentada. São prejudiciais à harmonia: os cacófatos (palavras obscenas ou inconvenientes resultantes do encontro de sílabas finais com sílabas iniciais), as assonâncias (semelhança ou igualdade de sons na frase ou no período) e os ecos (repetição sucessiva de finais idênticos). ü Evite a repetição dos auxiliares ter, ser, haver, permanecer. ü Procure a palavra adequada para evitar locuções verbais. ü Evite as expressões: efetivamente, certamente, além disso, tanto mais, então, por um ü lado, por outro lado, definitivamente, a dizer a verdade, a verdade é a seguinte, por sua parte, por seu outro lado. ü Use um parágrafo para cada idéia. ü Não esconda demasiadamente o sujeito de suas frases. ü Evite palavras complexas e jargão técnico. CORREÇÃO DE UM TEXTO Correção A correção consiste no respeito às normas e princípios do idioma e às regras gramaticais e ortográficas. Devem ser evitados: erros de sintaxe, erros na forma das palavras, a troca de palavras parecidas, emprego abusivo de palavras e expressões estrangeiras, emprego de palavras e expressões antiquadas e as palavras novas, cujo sentido é ainda instável. ü Preocupe-se com a clareza da mensagem. ü Evite períodos longos. ü Use a ordem direta para facilitar o entendimento. ü Seja criativo. ü Aproveite as variantes lingüísticas realmente expressivas. Revisão A versão definitiva de um texto se obtém após uma leitura minuciosa, adequando a forma ao conteúdo e respeitando ponderadamente a estética, o estilo (clareza e precisão), a estrutura (seqüência, ordenação, coesão e coerência) e a gramática (ortografia, acentuação, concordância, regência, crase e pontuação). Roteiro para a revisão do texto ü A composição é lida com facilidade? Está bem equilibrada? ü Os pontos principais foram devidamente enfatizados? Faltou alguma coisa essencial? ü Existem erros de coerência lógica ou erros de ortografia? ü O significado de cada sentença está claro? ü As sentenças longas estão bem organizadas? Projeto APE Página 4
  • 5. Guia de Redação ü Deixe de lado a composição por algum tempo antes de revisá-la. (1BARRASS, 1979, p.52) CONSTRUÇÃO DA FRASE E DO PARÁGRAFO A frase Segundo 2GARCIA (1985, p. 6), frase é todo enunciado suficiente por si mesmo para estabelecer comunicação. Pode expressar um juízo, indicar uma ação, estado ou fenômeno, transmitir um apelo, uma ordem ou exteriorizar emoções. As frases, geralmente, integram dois termos, o sujeito e o predicado. ü Escreva sempre obedecendo a um raciocínio lógico. ü Não faça muitas alterações na ordem das palavras dentro do período. A inversão muito forte provoca desentendimento e gera incompreensão. ü Não acumule numa só frase pensamentos que não tem muita relação entre si e com os quais se possam formar algumas frases separadas. ü As idéias de um texto devem ser ligadas de forma que o leitor não possa fugir delas, abandoná-las, encontrar buracos ou redundâncias. O parágrafo Garcia (31985, p. 203) define parágrafo uma unidade de composição, constituída por um ou mais de um período, em que se desenvolve ou se explana determinada idéia central a que geralmente se agregam outras secundárias, intimamente relacionadas pelo sentido e logicamente decorrentes dela . Cada parágrafo do texto deve, corresponder uma idéia central a ser desenvolvida. O texto, portanto deverá conter, em princípio, tantos parágrafos quantas forem as idéias centrais. O parágrafo comporta, no seu desenvolvimento, idéias secundárias, que deverão estar intimamente relacionadas entre si e com a idéia central. Em sua estrutura, o parágrafo geralmente apresenta três partes: a) tópico frasal consiste, geralmente, na frase inicial, que expressa, de maneira sucinta, a idéia central do parágrafo; b) desenvolvimento é formado pelas frases que esclarecem essa idéia central, discutindo- a em detalhes; c) conclusão esta contida em uma frase final. Que enuncia a parte mais interessante ou o clímax do parágrafo, ou ainda, que sintetiza o conteúdo. Exemplo: Tópico frasal A eletricidade, desde o início da civilização industrial, esteve associada ao progresso. Desenvolvimento O cidadão medianamente informado percebe a conexão entre a atividade econômica de uma comunidade ou país e a disponibilidade de energia. Já na primeira metade deste século analistas alertavam para a razão, praticamente constante, que existe entre o consumo de energia e o produto interno bruto em cada país. Conclusão Projeto APE Página 5
  • 6. Guia de Redação Todavia, a eletricidade sempre mereceu um destaque especial, pois está, objetivamente ou não, ligada a uma aspiração de modernidade e de poder. Dicas gerais para uma boa redação: ü reúna todos os dados necessários antes de escrever; ü vá direto ao assunto; ü seja conciso; ü evite as duplas negações como não improvável (no lugar de possível) e não injustificável; ü não use metáforas (ex.: no coração do governo municipal), analogias ou outras figuras de estilo; ü não empregue a voz passiva se for possível usar a voz ativa; ü evite locuções estrangeiras, termos técnicos ou jargão, usá-los somente se imprescindível; ü para idéias novas, utilize parágrafo novo; ü coloque-se no lugar do leitor; observe o nível da linguagem; ü redija com precisão vocabular; ü seja claro: não deixe margem a interpretação ambígua; ü atente para a pontuação; ü trate todas as pessoas com a máxima cortesia; ü responda sem demora à correspondência recebida; ü se é preciso apresentar queixas, evite o tom ofensivo, que pode resultar em reações indesejáveis e prejudiciais; ü em vez de censurar, peça explicações. RELATÓRIO É uma descrição de fatos passados, analisados com o objetivo de orientar o serviço interessado ou superior imediato para determinada ação. Do ponto de vista do Projeto APE, relatório é um documento oficial no qual o Monitor Educacional expõe as atividades de uma Unidade Administrativa, ou presta conta de seus atos à Coordenação do Projeto. O relatório não é um ofício desenvolvido. Ele é exposição ou narração de atividades ou fatos, com a discriminação de todos os seus aspectos ou elementos. Partes: a) título: denominação do documento (relatório); b) invocação: tratamento e cargo ou função da autoridade a quem é dirigido, seguidos, preferencialmente, de dois-pontos; c) textos: exposição do assunto. O texto do relatório deve obedecer à seguinte seqüência: ü introdução: referência à disposição legal ou à ordem superior que motivou ou determinou a apresentação do relatório e breve menção ao assunto ou objeto; ü análise: apreciação do assunto, com informações e esclarecimentos que se façam necessários à sua perfeita compreensão. A análise deve ser objetiva e imparcial. O relator deve registrar os fatos de que tenha conhecimento direto, ou através de fontes seguras, abstendo-se de divagações ou apreciações de natureza subjetiva sobre fatos desconhecidos ou pouco conhecidos. Quando se fizer necessário, o relatório poderá ser acompanhado de tabelas, gráficos, fotografia e outros elementos que possam contribuir para o perfeito esclarecimento dos fatos e sua melhor compreensão por parte da autoridade Projeto APE Página 6
  • 7. Guia de Redação a quem se destina o documento. Esses elementos podem ser colocados no corpo do relatório ou, se muito extensos, reunidos a ele em forma de anexo; ü conclusão: determinados os fatos e feita sua apreciação, chega o momento de se tirarem as conclusões. Não podem ir além da análise feita, o que as tornaria insubsistentes e, por isso mesmo, despidas de qualquer valor; ü sugestões ou recomendações: muitas vezes, além de tirar conclusões, o relator em decorrência do que constatou e concluiu, também apresenta sugestões ou recomendações sobre medidas a serem tomadas. Essas sugestões ou recomendações devem ser precisas, práticas e concretas, devendo relacionar-se com a análise anteriormente feita. d) fecho: fórmula de cortesia. Trata-se de parte dispensável; e) local e data; f) assinatura: nome e cargo ou função da(s) autoridade(s) ou servidor(es) que apresenta(m) o relatório. Complemento de Apoio O conhecimento das regras gramaticais não é suficiente para se escrever bem. Porém o domínio do vocabulário, da ortografia, da estrutura das frases, dos períodos simples e compostos, contribui para uma melhor redação. ORTOGRAFIA (do grego orthos direito, correto e graphein escrever ) A correção ortográfica é requisito elementar de qualquer texto, e ainda mais importante quando se trata relatórios técnicos. Muitas vezes, uma simples troca de letras pode alterar não só o sentido da palavra, mas de toda uma frase. O que na correspondência particular seria apenas um lapso de digitação pode ter repercussões indesejáveis em relatórios técnicos causando desde a impressão de desleixo à de incapacidade técnica do profissional que relata. Assim, toda revisão que se faça em um relatório deve sempre levar em conta a correção ortográfica. Com relação aos erros de grafia, pode-se dizer que são de dois tipos: os que decorrem do emprego inadequado de determinada letra por desconhecimento de como escrever uma palavra, e aqueles causados por lapso datilográfico. As seções seguintes visam dirimir as dúvidas relativas aos erros do primeiro tipo; as do segundo, só a revisão atenta pode resolver. Emprego de Vogais As vogais na língua portuguesa admitem certa variedade de pronúncia, dependendo de sua intensidade (i. é, se são tônicas ou átonas). Com essa variação na pronúncia, nem sempre a memória, baseada na audição, retém a forma correta da grafia. A lista a seguir não é exaustiva, mas procura incluir as dificuldades mais correntes. o Palavras com E, e não I acarear acreano (ou acriano) aéreo o Palavras com I, e não E Aborígine acrimônia o Palavras com O, e não U Abolir agrícola o Palavras com U, e não O Acudir bônus Projeto APE Página 7
  • 8. Guia de Redação o Palavras com EI, e não E Aleijado alqueire o Palavras com E, e não EI adrede alameda o Palavras com OU, e não O agourar o Palavras com O, e não OU alcova ampola anchova (ou enchova) o Emprego do H: com H ou sem o H? Haiti Halo Havaí Hangar Harmonia o Palavras com G, e não J Adágio Agenda Agiota Algema Algibeira o Palavras com J, e não G Ajeitar Encoraje Enjeitar enrijecer o Palavras com C, Ç e não S ou SS nem À beça SC Absorção Abstenção Cem (cento) Cemitério coação o Palavras com S, e não C ou SC, nem X Adensar Adversário Amanuense apreeensão o Palavras com SS, e não C, Ç Abissínia acessível admissão aerossol agressão o Palavras com SC, e não C, Ç, S, SS abscesso abscissa acrescentar acrescer, acréscimo o Palavras com X, e não S, SS apoplexia aproximar auxílio contexto exclusivo o Palavras com S, e não X adestrar contestar destreza destro o Palavras com XC (entre vogais), com exceção valor de /s/ excedente Projeto APE Página 8
  • 9. Guia de Redação exceder excedível excelência o Palavras com Z, e não S abalizado abalizar acidez aduzir agilizar o Palavras com S, e não Z aburguesar abusar, abuso aceso acusar, acusativo adesão, adesivo afrancesar agasalhar o Palavras com X, e não Z ou S exagero exalar exaltar exame, examinar exangue o Palavras com X, e não CH abacaxi afrouxar almoxarife, almoxarifado ameixa o Palavras com CH, e não X achacar, achaque achincalhar ancho anchova, ou enchova o Palavras com X, e não CC ou CÇ afluxo amplexo anexar, anexo asfixia(r) axila(r) o Palavras com CC, CÇ, e não X cocção cóccix (ou coccige) confecção Emprego de Consoantes Assim como emprego de vogais provoca dúvidas, há algumas consoantes especialmente as que formam dígrafos (duas letras para representar um som), ou a muda (h), ou, ainda, as diferentes consoantes que representam um mesmo som constituem dificuldade adicional à correta grafia. Se houver hesitação quanto ao emprego de determinada consoante, consulte a lista que segue. Lembre-se de que a grafia das palavras tem estreita relação com sua história. Vocábulos derivados de outras línguas, por exemplo, mantêm certa uniformidade nas adaptações que sofrem ao serem incorporados ao português (do francês garage ao port. garagem; do latim actione, fractione ao port. ação, fração; etc.). Palavras que provêm de outras palavras quase sempre mantêm a grafia do radical de origem (granjear: granja; gasoso: gás, analisar: análise). Há, ainda, certas terminações que mantêm uniformidade de grafia (-aça, -aço, -ecer, -ês, -esia, -izar, etc.). Projeto APE Página 9
  • 10. Guia de Redação ALGUMAS REGRAS BÁSICAS DE CONCORDÂNCIA ü O sujeito seguido de tudo , nada , ninguém , nenhum , cada um verbo no singular. Ex.: Desvios, fraudes, roubos, tudo acontecia naquele país. (núcleo resumido por tudo , verbo no singular) ü Ação reflexiva = verbo no plural. Ex.: Deram-se as mãos virtude e formosura (Bocage). (Verbo no plural com ação reflexiva, sujeito composto proposto) ü Quando a ação verbal se referir a todos os elementos do sujeito = verbo no plural. Ex.: Laranja ou mamão fazem bem à saúde. ü Nem = verbo no plural (concordância usual). Ex.: Nem Ana nem Paula são bem-vindas. ü Numa retificação = verbo concorda com o último elemento. Ex.: O ladrão ou os ladrões não deixaram vestígio. ü Quando a ação verbal se aplicar a um dos elementos, com exclusão dos demais = verbo no singular. Ex.: João ou Antônio chegará em primeiro lugar. ü Elementos sinônimos = verbo no singular. Ex.: A lingüística ou a glatologia é uma ciência recente. ü Nem um, nem outro = verbo no singular. Ex.: Nem um, nem outro respondeu à questão ü Mais de , menos de , cerca de , obra de + numeral = verbo concordando com o numeral. Ex.: Mais de um aluno se retirou. ü Mais de dois alunos se retiraram. Mais de repetido ou indicando reciprocidade = verbo no plural. Ex.: Mais de um aluno, mais de um professor estavam presentes. Mais de um aluno se abraçaram. ü Verbo intransitivo + se (índice de indeterminação do sujeito) = verbo no singular. Ex.: Riu-se muito. ü Verbo transitivo indireto + se (índice de indeterminação do sujeito) = verbo no singular. Ex.: Precisa-se de ferramentas. ü Verbo transitivo direto + se (pronome apassivador) = verbo concordando com o substantivo (=sujeito), a frase pode ser transformada na voz passiva analítica. Ex.: Cometeram-se os mesmos erros. (Os mesmos erros foram cometidos). ü Verbo Haver (= existir ou = ocorrer) = verbo no singular. Ex.: Havia muitas cadeiras vazias na sala. Houve brigas na saída. ü Verbos que fazem referência a tempo (haver, fazer, ir, estar, ser) = verbo no singular. Ex.: Há cinco meses que ela não aparece. Faz cinco meses que ela não aparece. É tarde. Faz muito calor. ü Nas locuções verbais, os verbos impessoais transmitem sua impessoalidade ao verbo anterior, chamado de auxiliar. Ex.: Vai fazer cinco anos que... Pode haver outras alternativas. Projeto APE Página 10
  • 11. Guia de Redação ü É muito , é pouco , é mais de , é menos de , etc + preço, peso, quantidade = verbo no singular. Ex.: Duas horas é muito. Dois é bom, três é demais. ü Em datas = existem três possibilidades de construção: Ex.: Hoje são 14 de abril Hoje é dia 14 de abril Hoje é 14 de abril (verbo concorda com a idéia implícita de dia) ü Em horas = verbo concorda com o predicativo (= horas). ü Ex.: Que horas são? É uma hora. São duas horas. CRASE Designa a contração da preposição a com o artigo a(s) ou com os pronomes demonstrativos aquele(s) , aquela(s) , aquilo . Dicas ü Substitua a palavra feminina por uma masculina. Se resultar ao , haverá acento. Ex.: Fomos à praia (ao porto). ü Substitua o a por para ou para a(s). Se resultar na expressão para a(s) , a crase é confirmada. Ex.: Voltar à feira (voltar para a feira). ü Substitua o verbo ir pelo verbo voltar. Se resultar na expressão voltar da , então ocorre a crase. Ex.: Devia ir à praia (devia voltar da praia). ü Acento nas locuções femininas: locuções adverbiais: à beça, à direita, à luz, à moda, à vontade, etc.; locuções prepositivas: à cata de, à espera de, à força de, à procura de, etc.; locuções conjuntivas: à proporção que, à medida que, etc. CASO USO OBRIGATÓRIO USO PROIBIDO USO FACULTATIVO Aquele, aqueles, aquilo, Poucos chegaram aquela, aquelas àquele - - cargo Com o demonstrativo As nossas tentativas a foram - - inferiores à dela Antes de palavras Quando estiver Masculinas subentendido à TV a cabo, carro a moda de : álcool, - cabelos à Elvis; termo traje a rigor feminino: vou à (praça) Zacarias Antes de verbos - Disposto a falar - Antes de pronomes Antes de senhora e Antes da maior parte Antes de pronomes indefinidos, senhorita deles: possessivos no singular: demonstrativos, de Falou a ela... relatou a(à) sua família tratamento, etc Solicitei a Vossa Projeto APE Página 11
  • 12. Guia de Redação Senhoria... Quando a vem antes de - Foi a reuniões - Plural Palavras repetidas Frente a frente - - Cara a cara Depois de para , A reunião foi marcada perante , - para - com , contra e outras as 16h preposições Antes de cidades, Foi à Itália (voltou da); Foi a Roma (voltou de) estados chegou à Roma do Foi a Curitiba (voltou - e países Papa de) (chegou da) Locuções femininas Às pressas; à vontade; Locuções femininas de adverbiais, conjuntivas à meio ou noite; à procura de; à ou instrumento: prepositivas toa; - à vela / a vela às 10h à vista / a vista Para evitar ambigüidade, use o acento de crase: receber à bala Antes do artigo Exceções: gritar à uma Refiro-me a uma indefinido (ao possibilidade maior - uma mesmo tempo); chegar à uma hora da tarde Antes dos pronomes Esta é a pessoa a cuja relativos cuja(s) e filha quem - me referi - Esta é a professora a quem devo meu estudo Antes de nomes de mulheres, o artigo - - Dei o recado à Maria denota intimidade ou popularidade Diante de Nossa Devo essa graça a - Senhora - Nossa e nomes de santos Senhora Aparecida Depois da preposição O fogo queimou até a até porta - - do escritório (a porta foi queimada); O fogo queimou até à porta do...(a porta não foi queimada) Antes da palavra casa Não se referindo ao Voltei a casa para no próprio almoçar - Projeto APE Página 12
  • 13. Guia de Redação sentido de lar , lar, escreve-se: Chegaram exaustos a domicílio Fui à casa de um casa amigo Antes da palavra Quando a distância Educação a (à) distância distância está - Obs.: a maioria dos determinada: a casa gramáticos não ficava recomenda o à distância de 10m acento Não ocorre acento indicativo de crase: a) quando se fizer referência a dois elementos (substantivos ou numerais) ligados por "de...a", não ocorrerá acento grave antes do segundo elemento: Ex.: De segunda a sábado ... De hoje a domingo ... De 1 a 5 ... De 1ª a 4ª série ... No entanto, quando se define o primeiro elemento mediante o emprego de "do" / "da", o segundo inicia com "à" (ou "ao"). É uma questão de paralelismo. Ex.: As turmas da 1ª à 4ª série foram convidadas. Estivemos fora do ar da meia-noite às duas da manhã. A sala ficará aberta desta terça à sexta-feira. b) diante de substantivo feminino usado em sentido geral, indeterminado, porque, nesse caso, não ocorre o artigo definido "a(s)". Ex.: Ele tem aversão a mulher (...a mulher em geral) Crédito sujeito a aprovação. Paciente submetido a intervenção cirúrgica. Presidente responde a denúncia hoje. Denúncia pode levar o presidente a condenação. Se, no entanto, a expressão vier determinada, ocorrerá acento indicativo de crase. Ex.: Ele tem aversão a mulher. (Ele tem aversão a (uma) mulher (qualquer)). Ele tem aversão à mulher de João. (É uma mulher determinada, definida). Tráfico em frente a escola. (Tráfico em frente a (uma) escola (qualquer)). Tráfico em frente à escola Clementina. (É uma escola determinada, definida). c) diante de "terra", significando "chão firme", "solo", sem especificação. Ex: Os marinheiros voltaram a terra. Diante de "terra", significando "chão firme", "solo", com especificação, ocorre acento. Ex: Irei à terra de meus pais. A palavra "terra , significando planeta, é substantivo próprio e admite artigo. Conseqüentemente, quando houver também a preposição, ocorrerá o fenômeno da crase. Ex: Os astronautas voltaram à Terra. EMPREGO DOS PORQUÊS A palavra porquê aparece escrita de quatro maneiras diferentes, de acordo com sua posição e seu significado na frase. Projeto APE Página 13
  • 14. Guia de Redação · Por que: função de advérbio interrogativo, ficando subentendidas as palavras: razão, motivo o pronome relativo pelo qual, pela qual, pelos quais, pelas quais. Ex.: Por que você está triste? Essa é a razão por que não me calo. · Por quê: usado antes de ponto-e-vírgula ou dois-pontos, ou no final de frase. Ex.: Você chorou, por quê? Eu chorava sem saber por quê; ou no fundo eu talvez soubesse. · Porque: função de conjunção, que introduz uma explicação, causa ou conseqüência. Ex.: Tem-nos consideração porque o serviço que lhe prestaram foi enorme. Venha porque precisamos de você. · Porquê: precedido do artigo o ou pronome adjetivo, tem a função de substantivo. Equivale a motivo ou indagação. Ex.: Não me interessa o porquê de sua tristeza. Descobri o porquê de tanto choro. SUBSTANT IVOS COMPOSTOS Os substantivos formam o plural de acordo com as seguintes regras: REGRA CASOS EXEMPLOS Substantivo + substantivo Licença-prêmio, licenças- prêmios Salário-família, salários- famílias Os dois elementos pluralizam Obs.: o segundo termo quando acontecer: também pode ficar no singular. Substantivo + adjetivo Cachorro-quente, cachorros- quentes Guarda-municipal, guardas- municipais Obra-prima, obras-primas Adjetivo + substantivo Curta-metragem, curtas- metragens, málíngua, más-línguas, meio-termo, meios-termos Numeral + substantivo Segunda-feira, segundas-feiras Varia somente o primeiro Substantivo + preposição + Pé-de-moleque, pés-de- elemento substantivo moleque Pôr-do-sol, pores-do-sol Elementos unidos sem hífen Os passatempos Os pontapés Os vaivéns Verbo + substantivo Os guarda-roupas Varia somente o segundo Os guarda-vidas elemento quando acontecer: Os salva-vidas Elemento invariável + palavra Os alto-falantes variável Os abaixo-assinados (documento) Palavras repetidas ou Os reco-recos onomatopaicas Os corre-corres Projeto APE Página 14
  • 15. Guia de Redação Os bem-te-vis Observação Se os dois elementos são formados por verbos, os dois podem ir para o plural. Ex.: Os corres-corres. ACENTUAÇÃO GRÁFICA A acentuação é um fenômeno que se manifesta tanto na língua falada quanto na escrita. No âmbito da fala, marcamos a acentuação das palavras de forma automática, com uma sutil elevação de voz. Eventualmente, ocorrem dúvidas quanto à pronúncia que são na verdade dúvidas quanto à acentuação de determinada palavra, como nos exemplos: rubrica ou */rúbrica/, Nobel ou */Nóbel/. Na língua escrita, a acentuação das palavras decorre basicamente da necessidade de marcar aqueles vocábulos que, sem acento, poderiam ser lidos ou interpretados de outra forma .8 A acentuação gráfica compreende o uso de quatro sinais: a) o agudo (´), para marcar a tonicidade das vogais a (paráfrase, táxi, já), i (xícara, cível, aí) e u (cúpula, júri, miúdo); e a tonicidade das vogais abertas e (exército, série, fé) e o (incólume, dólar, só); b) o grave (`), exclusivamente para indicar a ocorrência de crase, i. é, a coocorrência da preposição a com o artigo feminino a ou os demonstrativos a, aquele(s), aquela(s), aquilo (v. anteriormente em crase. Casos Especiais). c) o circunflexo (^), para marcar a tonicidade da vogal a nasal ou nasalada (lâmpada, câncer, espontâneo), e das vogais fechadas e (gênero, tênue, português) e o (trôpego, bônus, robô); d) e acessoriamente o til (~), para indicar a nasalidade (e em geral a simultânea tonicidade) em a e o (cristã, cristão, pães, cãibra; corações, põe(s), põem) Regras de Acentuação Gráfica ü Quanto à Tonicidade Proparoxítonos: todas as palavras em que a antepenúltima sílaba é a mais forte são acentuadas graficamente: câmara, estereótipo, falávamos, discutíamos, América, África. Seguem, ainda, esta regra os proparoxítonos eventuais ou relativos, i. é, os terminados em ditongo crescente: ministério, ofício, previdência, homogêneo, ambíguo, Ásia, Rondônia. Paroxítonos: as palavras em que a penúltima sílaba é a mais forte são acentuadas graficamente quando terminam em: - i(s): júri(s), táxi(s), lápis, tênis; - us: bônus, vírus, Vênus; - ã(s), -ão(s): órfã, ímã, órfãs, órgão, órgãos, bênção, bênçãos; -om, -ons: rádom (ou radônio), iâmdom, nêutron, elétron, nêutrons; -um, -uns: fórum, álbum, fóruns, álbuns; -l: estável, estéril, difícil, cônsul, útil; -n: hífen, pólen, líquen; -r: açúcar, éter, mártir, fêmur; -x: látex, fênix, sílex, tórax; -ps: bíceps, fórceps. Observações: Projeto APE Página 15
  • 16. Guia de Redação a) A regra de acentuar paroxítonos terminados em i ou r não se aplica aos prefixos terminados nessas letras: anti-, semi-, hemi-, arqui-, super-, hiper-, alter-, inter-, etc. b) Atente para o fato de que a regra dos paroxítonos terminados em -en não se aplica ao plural dessas palavras nem a outras com a terminação -ens: liquens, hifens, itens, homens, nuvens, etc. Oxítonos: as palavras em que a sílaba mais forte é a última são acentuadas quando terminadas em: -a(s): guaraná, atrás, (ele) será, (tu) serás, Amapá, Pará; -e(s): tevê, clichê, cortês, português, pajé, convés; -o(s): complô, robô, avô, avós, após, qüiproquó(s); -em, -ens: armazém, armazéns, também, (ele) provém (eles) detêm. Observação: As palavras tônicas que possuem apenas uma sílaba (monossílabos) terminadas em a, e e o seguem também esta regra: pá, pé pó, (tu) dás, três, mês, (ele) pôs, má, más; assim também os monossílabos verbais seguidos de pronome: dá-la, tê-lo, pô-la, etc. ADJETIVOS COMPOSTOS Os adjetivos compostos formam o plural de acordo com as seguintes regras: Adjetivo + adjetivo Somente o último elemento forma a flexão do Plural. Ex.: ciências político-sociais; conflitos russo- americanos; Somente se flexiona o último elemento. Ex.: crianças recém-nascidas; esforços sobre- humanos; pessoas mal-educadas. Observações Escritores modernos usam os dois elementos no plural, sem hifenizar. Ex.: Papéis verdes claros. Locuções adjetivas formadas de cor + de + Os elementos ficam invariáveis. substantivo Ex.: livros cor-de-rosa; cortinas cor de vinho. Adjetivo + substantivo Os elementos ficam invariáveis. Ex.: olhos verde-esmeralda; canetas azul- petróleo; pastas amarelo-canário. Observação Exceção: palavras invariáveis Ex.: surdo-mudo, surdos-mudos. Ternos azul-marinho. PRONOMES DEMONSTRATIVOS São pronomes que situam o ser no espaço e no tempo, tomando como ponto de referência as Projeto APE Página 16
  • 17. Guia de Redação pessoas gramaticais. Este esta isto: indicam que o ser está perto do falante. Ex.: Esta Secretaria (perto do falante) solicita a esse Instituto (perto do ouvinte) um mapa de Vitória. Esse essa isso: indicam que o ser está perto do ouvinte. Também são empregados com segunda referência a pessoa ou coisa. Ex.: Antonio Moraes foi contratado em 1990 para o setor de RH. Esse funcionário... Aquele aquela aquilo: indicam que o ser está afastado do falante e do ouvinte. Ex.: Feche aquela porta (aquela lá). DIFICULDADES MAIS FREQÜENTES NO USO DA LÍNGUA ü Tráfego / tráfico Tráfego fluxo de mercadorias ou veículos. Ex.: O tráfego melhorou após a construção da Rodovia Norte-Sul. Tráfico comércio de escravos, drogas; negócio ilícito. Ex.: O tráfico de entorpecentes cresce assustadoramente. ü Geminado / germinado Geminado que se apresenta ligado; duplicado. Ex.: Na 2ª-feira, as aulas de português são geminadas. Germinado que germinou (desenvolveu-se, brotou, evoluiu). Ex.: O feijão germinava. ü A princípio / em princípio A princípio significa no início, no começo. Ex.: A princípio, tudo foi maravilhoso, mas não tardaram a surgir problemas. Em princípio significa em tese, teoricamente. Ex.: Em princípio, sua proposta nos interessa, mas só o secretário pode aceitá-la. ü Ambos os dois redundância que deve ser evitada. Ex.: Ambos trabalham na mesma secretaria. ü Concerto / conserto Concerto harmonia de vozes ou de instrumentos; acordo; pacto. Ex.: O concerto para violoncelo e orquestra foi excepcional. Conserto ato de consertar, restaurar, remendar. Ex.: O conserto do carro durou duas semanas. ü Flagrante / fragrante Flagrante como substantivo, significa ato que se observa e registra no momento em que acontece; acontecimento. Ex.: O ladrão foi pego em flagrante. Os fotógrafos registraram o flagrante da vida urbana. Como adjetivo, significa evidente, indiscutível. Ex.: O erro do juiz é flagrante. Projeto APE Página 17
  • 18. Guia de Redação Fragrante que exala bom odor; aromático; cheiroso. Ex.: As rosas são fragrantes. ü Infligir / infringir Infligir aplicar pena ou punição. Ex.: O juiz infligiu duas penas aos ladrões. Infringir cometer uma infração, transgredir. Ex.: Ele não pode infringir os termos da Portaria. ü Onde / aonde Onde - indica lugar fixo. Aonde - expressa a idéia de movimento (para onde). Para indicar procedência, emprega-se de onde ou donde. Ex.: De onde (ou donde) provinham os recursos financeiros? Onde você deixou a minuta da carta? Aonde você vai? ü Afim / a fim A fim de - para Afim - parente por afinidade, semelhante, análogo. Ex.: Estou aqui a fim de ajudá-lo a concluir o trabalho. Marketing e comunicação são assuntos afins. ü A par / ao par A par - ciente, ao lado, junto. Ao par - de acordo com a convenção legal, sem ágio (câmbio); sem qualquer desconto ou abatimento (títulos, ações). Ex.: O chefe da seção de pessoal não tomou as providências necessárias porque não estava a par do ocorrido. O câmbio estava ao par. ü Há / a - usa-se há quando for possível substituir por faz. Ex.: Há (faz) dez dias que espero o fechamento do negócio. O relatório técnico foi encaminhado ao departamento de vendas há duas semanas. Não sendo possível a substituição, emprega-se a: Ex.: Pretendo ir a São Paulo daqui a três dias. Eles estavam a dez minutos de Curitiba. ü Para eu encaminhar / para mim encaminhar - mim é pronome pessoal oblíquo, razão pela qual não pode ser usado como sujeito, função esta que cabe ao pronome pessoal do caso reto eu. Observe que após o pronome mim há um verbo no infinitivo (encaminhar). Ex.: No início do expediente, deixaram sobre a minha mesa os prospectos para eu encaminhar aos clientes. ü Difícil para mim / difícil para eu - para mim é complemento de difícil. Nada tem a ver com o verbo. Ex.: Não foi fácil para mim conquistar essa vaga. Será impossível para mim realizar esse trabalho. É difícil para mim entender esse plano, pois ele contém muitas informações técnicas. Projeto APE Página 18
  • 19. Guia de Redação ü Acerca de / a cerca de Acerca de - a respeito de, sobre. A cerca de - a uma distância aproximada de. Ex.: Falamos acerca de treinamento. Moro a cerca de cem metros da empresa em que trabalho. Existe, ainda, a expressão há cerca de = faz aproximadamente: Ex.: Trabalho nesta firma há cerca de dez anos. ü De encontro a / ao encontro de Ao encontro de - para junto de, favorável. De encontro a - contra, em prejuízo de. Ex.: Se as medidas econômicas tivessem contrariado o desejo de quem formulou a frase, esta seria escrita assim: Não gostei das novas medidas econômicas, pois elas vieram de encontro aos meus desejos. Observe que no exemplo a seguir, as preposições de e a, estão contraídas com artigos. Ex.: Gostei das novas medidas econômicas, pois elas vieram ao encontro do meu desejo. ü Há / tem - não se deve empregar o verbo ter em lugar de haver impessoal (existir). Ex.: Há secretárias que não se preocupam com o aperfeiçoamento profissional. Paralisamos a produção porque não há matéria-prima. ü De o / do - não se combina preposição (de, em) com sujeito ou termo que a ele se refira. Ex.: Chegou o momento de ela mostrar a sua competência profissional. Apesar de o datilógrafo ter pouca experiência, o documento ficou bem digitado. Está na hora de o malote chegar. ü Se não / senão Se não = caso não, quando não. Caso contrário, usa-se senão (quando puder ser substituído por: a não ser, do contrário, mas sim, sem que, exceto). Ex.: Se não revisarmos o texto, a publicação sairá com erros. Não faz outra coisa senão estudar. ü Menos / menas - menos é invariável; portanto, não existe a forma menas. Ex.: Queremos menos conversa e mais ação. Havia menos pessoas na reunião desta semana. ü Meio / meia - meio, quando modifica adjetivo (= um tanto), fica invariável. Ex.: Os candidatos estavam meio nervosos. Quando se refere a um substantivo (claro ou subentendido), concorda em gênero e número. Ex.: Nosso diretor não é homem de adotar meias medidas. Apresse-se, porque já é meio-dia e meia (meia hora). Quando o selecionador perguntou-lhe sobre o seu último emprego, a candidata ficou meio preocupada. ü Haja vista / haja visto - a expressão haja vista é invariável. Porém, haja (verbo) pode concordar em número com o substantivo que o segue. Ex.: Haja(m) vista as últimas recomendações do presidente da empresa. Decidiu-se instaurar uma sindicância, haja vista o relatório da diretoria, que aponta Projeto APE Página 19
  • 20. Guia de Redação irregularidades. ü Em vez de / ao invés de Ao invés de - ao contrário de. Ex.: Ao invés de rir, ela chorou. Em vez de - em lugar de. Ex.: Em vez de contratar uma, o gerente contratou duas recepcionistas. Paula, em vez de Márcia, foi indicada para o cargo de Secretária. ü Seção / sessão / cessão Ex.: Durou apenas trinta minutos a sessão do teatro. Seção ou secção - setor, subdivisão. Ex.: Na seção de obras, há dois engenheiros. O chefe da seção (ou secção) de compras encaminhou a proposta ao grupo de estudos. Cessão - ato de ceder (cedência): Ex.: Nem todos concordam com a cessão do auditório. ü Mal / mau Mal é antônimo de bem - são advérbios e modificam o verbo, o adjetivo ou o próprio advérbio. Ex.: Quem não lê, geralmente escreve mal. Uma carta mal escrita causa péssima impressão. Minha secretária redige muito bem. Mau é antônimo de bom - são adjetivos e modificam substantivos: Ex.: Todos dizem que ele é um bom funcionário. Nesta empresa não há maus datilógrafos. ü Decisões político- econômicas - nos adjetivos compostos ligados por hífen, só varia o último elemento. Ex.: Nossa biblioteca recebeu muitas obras técnico-científicas. ü Viagem / viajem Viagem - substantivo. Ex.: Fizemos ótima viagem. Viajem - forma verbal (3ª pessoa do plural do presente do subjuntivo do verbo viajar). Ex.: Se querem viajar, viajem. ü Têm / tem - na 3ª pessoa do plural do presente do indicativo, o verbo ter recebe acento circunflexo. Ex.: Eles têm alguns privilégios. ü Comunicamos-lhes - com o pronome lhe(s) nenhuma modificação sofre o verbo. Ex.: Comunicamos-lhe que estamos devolvendo as mercadorias defeituosas. ü Subscrevemo-nos - com o pronome reflexivo nos, elimina-se o s da forma verbal. Ex.: Esperando uma resposta favorável, subscrevemo-nos... ü Situada na rua ou situada à rua - por se tratar de verbo de quietação (lugar fixo), constrói-se com a preposição em. Ex.: A nova filial está situada na Rua Jerônimo Monteiro, nº 1010. Resido na Av. Marechal Mascarenhas de Moraes, nº 510. Projeto APE Página 20
  • 21. Guia de Redação ü Vir / ver - trata-se do verbo ver no futuro do subjuntivo: vir, vires, vir, virmos, virdes, virem. Ex.: Se você vir alguém sem o equipamento de proteção, avise a segurança. ü Somos / somos em - a preposição em é desnecessária. Ex.: Somos sete na seção. ü Preço alto / preço caro - o preço da mercadoria pode ser alto ou baixo, nunca caro ou barato. A mercadoria é que pode ser cara ou barata. Ex.: Essa mercadoria é muito barata. ü Consigo / com você - consigo é pronome reflexivo da 3ª pessoa. Ex.: A balconista (ela) levou a caneta consigo. Não deve ser usado em relação à segunda pessoa. Neste caso, em vez de consigo, usa-se com você, com o senhor, com Vossa Senhoria. Ex.: Presidente, há uma pessoa que deseja falar com o senhor. ü A nível de - locução condenada pelos gramáticos. A legítima locução é ao nível de que significa à mesma altura. Ex.: A sala do diretor era ao nível da rua. Se for necessário usar a referida expressão, utilize-a com a preposição em. Ex.: Resolveu a questão tanto em nível de Município quanto de Estado. Melhor: Resolveu a questão tanto no Estado quanto no Município. ü Em face de - locução mais adequada. Ex.: Encaminhei os documentos em face da competência. ü Trata-se de - o verbo tratar concorda obrigatoriamente na 3ª pessoa do singular em frases como. Ex.: Trata-se de trabalhos atrasados. ü Por ora / por hora Por ora - por agora, por enquanto, até o momento. Ex.: Por ora é o que posso lhe dizer. Por hora - pelo período de uma hora. Ex.: O palestrante costuma cobrar por hora. ü Tampouco / tão pouco Tampouco - equivale a também não. Ex.: Ele não gostou do relatório e eu tampouco. Tão pouco - significa tão pequena coisa, ou algo diminuto, escasso, curto. Ex.: Ganhava tão pouco que mal podia viver. ü Retificar / ratificar Retificar - corrigir. Ex.: Retificar uma declaração feita por engano. Ratificar confirmar. Ex.: Ratificar uma declaração, mantendo o que foi dito anteriormente. ü Bem-vindo / Benvindo Projeto APE Página 21
  • 22. Guia de Redação Bem-vindo - para expressar boa acolhida. Este composto escreve-se com hífen, flexionando apenas o segundo elemento para estabelecer a concordância gramatical: bem-vindo, bemvinda, bem-vindos, bem-vindas. Benvindo - é nome próprio de pessoa. Ex.: Está aí fora o senhor Benvindo. ü À medida que / na medida em que À medida que (locução proporcional) - à proporção que, conforme. Ex.: Os preços deveriam diminuir à medida que diminui a procura. Na medida em que (locução causal) pelo fato de que, uma vez que. Ex.: Na medida em que se esgotaram as possibilidades de negociação, o projeto foi integralmente vetado. ü Intervim / interveio intervir é derivado de vir e, portanto, conjuga-se como ele. Ex.: Eu vim eu intervim. Ele veio ele interveio. ü Há / atrás Evite o uso do há e do atrás na mesma frase. Se alguém fez alguma coisa há tantos anos, só pode ser atrás. Ex.: Ele foi contratado há dez anos. Ele foi contratado dez anos atrás. ü Despercebido / desapercebido Despercebido - não percebido, que não foi notado. Desapercebido - é o mesmo que desprevenido. Ex.: Passou despercebido de Pedro que a taxa de juros baixou. A casa estava desapercebida de alimentos. ü Vale-transporte plural Tratando-se de um composto de dois substantivos, ensinam os gramáticos que, quando o segundo elemento limita ou determina o primeiro, varia apenas o primeiro: vales-transporte. A tendência atual, porém, é a de pluralizar ambos os elementos: vales-transportes. Da mesma forma: vales-creches, vales-mercados, vales-refeições, vales-cursos. ü Par de redes, saca de feijão São plurais os complementos de termos coletivos como: par, dúzia, grosa, álbum, etc. Assim: par de redes, jogo de lençóis, caixa de fósforos. Ficará no singular o complemento, se designarem substâncias contínuas ou constituídas de unidades miúdas: arroba de carne, saca de feijão, pacote de sal. Mas se elas constituírem unidades contáveis, designando espécies ou variedades, os complementos irão para o plural. Ex.: casa de carnes, coleção de minerais, exposição de pinturas. ü Junto a Significa perto de, ao lado de. Ex.: O carro está estacionado junto ao portão. Projeto APE Página 22
  • 23. Guia de Redação Também significa adido a. Ex.: Entrevistou o embaixador brasileiro junto ao Vaticano. Portanto, são inadequadas as construções como: Conseguimos um empréstimo junto ao Banco do Brasil. Solicitamos junto à Secretaria o encaminhamento dos documentos. Melhor será: Conseguimos um empréstimo do Banco do Brasil. Solicitamos da Secretaria o encaminhamento dos documentos. ü Perca / perda Perca - presente do subjuntivo do verbo perder. Ex.: Espero que ele não perca esta oportunidade. Perda - substantivo feminino. Ex.: A perda da mãe deixou-o desolado. ü Viger Verbo intransitivo. Significa ter vigor, vigorar. É verbo defectivo. Só possui as formas em que ao g se segue a vogal e. Ex.: A Portaria passa a viger a partir da presente data. ü Entorno / em torno Entorno - circunvizinhança. Em torno - ao redor de. Ex.: Em torno da Escola havia muitos comerciantes. No entorno da Escola havia muitos terrenos baldios. ü Todo / todo o Atribui-se a todo o significado de qualquer. Ex.: Leu todo o livro. (o livro inteiro) Lia todo livro que encontrasse. (qualquer livro) ü Fazer Para expressar tempo decorrido, usa-se o verbo fazer sem sujeito, na 3ª pessoa do singular. Ex.: Faz dois meses que inauguramos a escola. Também o usamos no singular em expressões que traduzem fenômenos meteorológicos. Ex.: Em Porto Alegre, faz invernos terríveis. · Expressões a Evitar e Expressões de Uso Recomendável Como mencionado na introdução deste capítulo, o sentido das palavras liga-se intimamente à tradição e ao contexto de seu uso. Assim, temos vocábulos e expressões (locuções) que, por seu continuado emprego com determinado sentido, passam a ser usados sempre em tal contexto e de tal forma, tornando-se expressões de uso consagrado. Mais do que do sentido das palavras, trata- se aqui também da regência de determinados verbos e nomes (v.9.2.3.Regência). O esforço de classificar expressões como de uso a ser evitado ou como de uso recomendável atende, primordialmente, ao princípio da clareza e da transparência que deve nortear a elaboração de todo texto oficial. Não se trata, pois, de mera preferência ou gosto por determinada forma. A linguagem dos textos dos relatórios deve sempre pautar-se pelo padrão culto formal da língua. Não é aceitável, portanto, que desses textos constem coloquialismos ou expressões de uso restrito a determinados grupos, que comprometeriam sua própria compreensão pelo público. Projeto APE Página 23
  • 24. Guia de Redação Acrescente-se que indesejável é também a repetição excessiva de uma mesma palavra quando há outra que pode substituí-la sem prejuízo ou alteração de sentido. Quanto a determinadas expressões que devem ser evitadas, mencionem-se aquelas que formam cacófatos, ou seja, o encontro de sílabas em que a malícia descobre um novo termo com sentido torpe ou ridículo . Não há necessidade, no entanto, de estender a preocupação de evitar a ocorrência de cacófatos a um sem-número de locuções que produzem terceiro sentido, como por cada, vez passada, etc. Trata-se, sobretudo, de uma questão de estilo e da própria sensibilidade do autor do texto. Não faz sentido eliminar da língua inúmeras locuções que só causam espanto ao leitor que está à procura do duplo sentido. Essa recomendação vale também para os casos em que a partição silábica (translineação) possa redundar em sentido torpe ou obsceno. Apresentamos, a seguir, lista de expressões cujo uso ou repetição deve ser evitado, indicando com que sentido devem ser empregadas e sugerindo alternativas vocabulares a palavras que costumam constar em relatórios com excesso. à medida que/na medida em que À medida que (locução proporcional) à proporção que, ao passo que, conforme: Os preços deveriam diminuir à medida que diminui a procura. Na medida em que (locução causal) pelo fato de que, uma vez que: Na medida em que se esgotaram as possibilidades de negociação, o projeto foi integralmente vetado. Evite os cruzamentos bisonhos, canhestros *à medida em que, *na medida que... a partir de A partir de deve ser empregado preferencialmente no sentido temporal: A cobrança do imposto entra em vigor a partir do início do próximo ano. Evite repeti-la com o sentido de com base em , preferindo considerando, tomando-se por base, fundando-se em, baseando-se em. ambos/todos os dois Ambos significa os dois ou um e outro . Evite expressões pleonásticas como ambos dois, ambos os dois, ambos de dois, ambos a dois. Quando for o caso de enfatizar a dualidade, empregue todos os dois: Todos os dois Educadores Universitários desenvolveram a ação. anexo/em anexo O adjetivo anexo concorda em gênero e número com o substantivo ao qual se refere: Encaminho as fotos anexas. Dirigimos os anexos projetos à Coordenação. Use também junto, apenso. A locução adverbial em anexo, como é próprio aos advérbios, é invariável: Encaminho as minutas em anexo. Em anexo, dirigimos os projetos à Coordenação. Empregue também conjuntamente, juntamente com. ao nível de/em nível (de) A locução ao nível tem o sentido de à mesma altura de: Fortaleza localiza-se ao nível do mar. Evite seu uso com o sentido de em nível, com relação a, no que se refere a. Em nível significa nessa instância : A decisão foi tomada em nível de Supervisão APE; Em nível de planejamento, será difícil chegar-se ao consenso junto à Coordenação Regional. A nível (de) constitui modismo que é melhor evitar. assim Projeto APE Página 24
  • 25. Guia de Redação Use após a apresentação de alguma situação ou proposta para ligá -la à idéia seguinte. Alterne com: dessa forma, desse modo, diante do exposto, diante disso, conseqüentemente, portanto, por conseguinte, assim sendo, em conseqüência, em vista disso, em face disso. através de/por intermédio de Através de quer dizer de lado a lado, por entre: A visita incluía deslocamentos através de boa parte do parque. Evite o emprego com o sentido de meio ou instrumento; nesse caso empregue por intermédio, por, mediante, por meio de, segundo, servindo-se de, valendo-se de: O projeto foi apresentado por intermédio da Equipe APE regional. O assunto deve ser regulado por meio de decreto. A comissão foi criada mediante portaria do Ministro de Estado. bem como Evite repetir; alterne com e, como (também), igualmente, da mesma forma. Evite o uso, polêmico para certos autores, da locução bem assim como equivalente. 18 SAID Ali, Manoel. Gramática secundária da língua portuguesa . 3a ed. Brasília: Universidade de Brasília. p. 224. cada Este pronome indefinido deve ser usado em função adjetiva: Quanto às famílias presentes, foi distribuída uma cesta básica a cada uma. Evite a construção coloquial foi distribuída uma cesta básica a cada. causar Evite repetir. Use também originar, motivar, provocar, produzir, gerar, levar a, criar. constatar Evite repetir. Alterne com atestar, apurar, averiguar, certificar-se, comprovar, evidenciar, observar, notar, perceber, registrar, verificar. dado/visto/haja vista Os particípios dado e visto têm valor passivo e concordam em gênero e número com o substantivo a que se referem: Dados o interesse e o esforço demonstrados, optou-se pelo desenvolvimento da ação como planejado. Dadas as circunstâncias... Vistas as contrapartidas apresentadas, não houve consenso na efetivação da açõo. Já a expressão haja vista, com o sentido de uma vez que ou seja considerado, veja-se, é invariável: O projeto tem qualidades, haja vista o interesse e a necessidade da comunidade em questão. Haja visto (com -o) é inovação oral brasileira, evidentemente descabida em redação oficial ou outra qualquer. de forma que, de modo que/de forma a, de modo a De forma (ou maneira, modo) que nas orações desenvolvidas: Deu amplas explicações, de forma que tudo ficou claro. De forma (maneira ou modo) a nas orações reduzidas de infinitivo: Deu amplas explicações, de forma (maneira ou modo) a deixar tudo claro. São descabidas na língua escrita as pluralizações orais vulgares *de formas (maneiras ou modos) que... deste ponto de vista Projeto APE Página 25
  • 26. Guia de Redação Evite repetir; empregue também sob este ângulo, sob este aspecto, por este prisma, desse prisma, deste modo, assim, destarte. detalhar Evite repetir; alterne com particularizar, pormenorizar, delinear, minudenciar. devido a Evite repetir; utilize igualmente em virtude de, por causa de, em razão de, graças a, provocado por. dirigir Quando empregado com o sentido de encaminhar, alterne com transmitir, mandar, encaminhar, remeter, enviar, endereçar. em face de Sempre que a expressão em face de equivaler a diante de, é preferível a regência com a preposição de; evite, portanto, face a, frente a. enquanto Conjunção proporcional equivalente a ao passo que, à medida que. Evitar a construção coloquial enquanto que. especialmente Use também principalmente, mormente, notadamente, sobretudo, nomeadamente, em especial, em particular. inclusive Advérbio que indica inclusão; opõe-se a exclusive. Evite-se o seu abuso com o sentido de até ; nesse caso utilize o próprio até ou ainda, igualmente, mesmo, também, ademais. informar Alterne com comunicar, avisar, noticiar, participar, inteirar, cientificar, instruir, confirmar, levar ao conhecimento, dar conhecimento; ou perguntar, interrogar, inquirir, indagar. nem Conjunção aditiva que significa e não , e tampouco , dispensando, portanto, a conjunção e: Não foram feitos reparos à proposta inicial, nem à nova versão do projeto. Evite, ainda, a dupla negação não nem, nem tampouco, etc. *Não pôde encaminhar o trabalho no prazo, nem não teve tempo para revisá-lo. O correto é ...nem teve tempo para revisá-lo. no sentido de Empregue também com vistas a, a fim de, com o fito (objetivo, intuito, fim) de, com a finalidade de, tendo em vista ou mira, tendo por fim. Projeto APE Página 26
  • 27. Guia de Redação objetivar/ter por objetivo Ter por objetivo pode ser alternado com pretender, ter por fim, ter em mira, ter como propósito, no intuito de, com o fito de. Objetivar significa antes materializar , tornar objetivo (objetivar idéias, planos, o abstrato), embora possa ser empregado também com o sentido de ter por objetivo . Evite-se o emprego abusivo alternando-o com sinônimos como os referidos. onde Como pronome relativo significa em que (lugar): A cidade onde nasceu. O país onde viveu. Evite, pois, construções como a lei onde é fixada a pena ou o encontro onde o assunto foi tratado . Nesses casos, substitua onde por em que, na qual, no qual, nas quais, nos quais. O correto é, portanto: a lei na qual é fixada a pena, o encontro no qual (em que) o assunto foi tratado. operacionalizar Neologismo verbal de que se tem abusado. Prefira realizar, fazer, executar, levar a cabo ou a efeito, pôr em obra, praticar, cumprir, desempenhar, produzir, efetuar, construir, compor, estabelecer. É da mesma família de agilizar, objetivar e outros cujo problema está antes no uso excessivo do que na forma, pois o acréscimo dos sufixos -izar e -ar é uma das possibilidades normais de criar novos verbos a partir de adjetivos (ágil + izar = agilizar; objetivo + ar = objetivar). Evite, pois, a repetição, que pode sugerir indigência vocabular ou ignorância dos recursos do idioma. opinião/ opinamento Como sinônimo de parecer, prefira opinião a opinamento. Alterne com parecer, juízo, julgamento, voto, entendimento, percepção. pertinente/pertencer Pertinente (derivado do verbo latino pertinere) significa pertencente ou oportuno. Pertencer se originou do latim pertinescere, derivado sufixal de pertinere. Esta forma não sobreviveu em português; não empregue, pois, formas inexistentes como no que pertine ao projeto ; nesse contexto uso no que diz respeito, no que respeita, no tocante, com relação. posição/posicionamento Posição pode ser alterado com postura, ponto de vista, atitude, maneira, modo. Posicionamento significa disposição, arranjo , e não deve ser confundido com posição. relativo a Empregue também referente a, concernente a, tocante a, atinente a, pertencente a, que diz respeito a, que trata de, que respeita. ressaltar Varie com destacar, sublinhar, salientar, relevar, distinguir, sobressair. pronome se Projeto APE Página 27
  • 28. Guia de Redação Evite abusar de seu emprego como indeterminador do sujeito. O simples emprego da forma infinitiva já confere a almejada impessoalidade: Para atingir esse objetivo há que evitar o uso de coloquialismo (e não: Para atingir-se... Há que se evitar...). É cacoete em certo registro da língua escrita no Brasil, dispensável porque inútil. tratar (de) Empregue também contemplar, discutir, debater, discorrer, cuidar, versar, referir-se, ocupar-se de. viger Significa vigorar, ter vigor, funcionar. Verbo defectivo, sem forma para a primeira pessoa do singular do presente do indicativo, nem para qualquer pessoa do presente do subjuntivo, portanto. O decreto prossegue vigendo. A portaria vige. A orientação vigente naquele ano USO DE SINAIS Hífen O hífen ou traço-de-união é um sinal usado para ligar os elementos de palavras compostas: couve- flor, vice-ministro; para unir pronomes átonos a verbos: agradeceu-lhe, dar-se-ia; e para, no final de uma linha, indicar a separação das sílabas de uma palavra em duas partes (a chamada translineação): com-/parar, gover-/no. Analisamos, a seguir, o uso do hífen em alguns casos principais. Hífen entre Vocábulos a) na composição de palavras em que os elementos constitutivos mantêm sua acentuação própria, compondo, porém, novo sentido: abaixo-assinado (abaixo assinado, sem hífen, com o sentido de (aquele) que assina o documento em seu final : João Alves, abaixo assinado, requer... ) decreto-lei l icença-prêmio mão-de-obra matéria-prima oficial-de-gabinete papel-moeda processo-crime salário-família testa-de-ferro (testa de ferro, sem hífen, significa testa dura como ferro ) b) na composição de palavras em que o primeiro elemento representa forma reduzida: infanto-juvenil (infanto = infantil) nipo-brasileiro (nipo = nipônico) sócio-político (sócio = social) Projeto APE Página 28
  • 29. Guia de Redação c) nos adjetivos gentílicos (que indicam nacionalidade, pátria, país, lugar ou região de procedência) quando derivados de nomes de lugar (topônimos) compostos: belo-horizontino norte-americano porto-riquenho rio-grandense-do-norte d) nas palavras compostas em que o adjetivo geral é acoplado a substantivo que indica função, lugar de trabalho ou órgão: diretor-geral inspetoria-geral procurador-geral secretaria-geral e) a preposição sem liga-se com hífen a alguns substantivos para indicar unidade semântica (adquire, assim, valor de prefixo): sem-fim sem-número sem-terra sem-sal sem-vergonha sem-par f) o advérbio de negação não liga-se com hífen a alguns substantivos ou adjetivos para indicar unidade semântica (adquire, assim, valor de prefixo): não-agressão não-eu, não-metal não-ser não-ferroso não-participante não-linear não-alinhado Hífen e Prefixos Os prefixos utilizados na Língua Portuguesa provieram do latim e do grego, línguas em que funcionavam como preposições ou advérbios, isto é, como vocábulos autônomos. Por essa razão, os prefixos têm significação precisa e exprimem, em regra, circunstâncias de lugar, modo, tempo, etc. Grande parte das palavras de nossa língua é formada a partir da utilização de um prefixo associado a outra palavra. Em muitos desses casos, é de rigor o emprego do hífen, seja para preservar a acentuação própria (tônica) do prefixo ou sua evidência semântica, seja para evitar pronúncia incorreta do vocábulo derivado. a) os seguintes prefixos nunca vêm seguidos de hífen (ligam-se, portanto, diretamente ao vocábulo com o qual compõem uma unidade): aer(o), aerotransporte audio, audiovisual agro, agroindústria bi, bicentenário ambi, ambidestro bio, biogenético anfi, anfiteatro cardio, cardiovascular Projeto APE Página 29
  • 30. Guia de Redação cis, cisplatino macro, macroeconomia de(s), desserviço micr(o), microrregião di(s), dissociação mono, monoteísmo ele(c)tro, eletroímã moto, motociclo fil(o), filogenético multi, multinacional fisio, fisioterapia para, parapsicologia fon(o), fonoaudiólogo penta, pentacampeão fot(o), fotolito per, perclorato gastr(o), pluri, plurianual gastr(o)enterologia poli, polivalente ge(o), geotécnica psic(o), psicossocial hemi, hemicírculo radi(o), radioamador hepta, heptassílabo re, reversão hexa, hexafluoreno retro, retroativo hidr(o), hidr(o)elétrica tele, teledinâmica hipo, hipotensão term(o), term(o)elétrica homo, homossexual trans, transalpino in, inapto tri, tricelular intro, introversão uni, unidimensional justa, justaposição b) o prefixo ex exige hífen quando indica estado anterior , que foi : ex-deputado ex-ministro ex-mulher ex-secretário c) o prefixo vice exige sempre o hífen: vice-almirante vice-diretor vice-presidente vice-versa d) os prefixos pós, pré, pró assim, tônicos e de timbre aberto requerem hífen sempre: pós-escrito pós-guerra pós-moderno pós-natal pré-aviso pré-nupcial pró-republicano mas sem hífen quando átonos (e, normalmente, fechados): posfácio pospor predeterminar predizer preestabelecer Projeto APE Página 30
  • 31. Guia de Redação preestipulado preexistir prejulgar e) os seguintes prefixos exigem hífen quando combinados com palavras iniciadas por vogal, h, r ou s: auto (auto-estima, auto-retrato, etc.) contra (contra-ataque, contra-oferta, etc.) extra (extra-oficial, extra-humano, extra-sensível; extraordinário é a única exceção que, no entanto, é lícito distinguir de extra-ordinário não ordinário, não rotineiro; imprevisto ) infra (infra-estrutura, infra-hepático, infra-renal, etc.) intra (intra-ocular, intra-hepático, intra-renal, etc.) neo (neo-escolástico, neo-hegeliano, neo-realismo, etc.) proto (proto-história, proto-revolução, etc.) pseudo (pseudo-esfera, pseudo-humano, pseudo-sigla, etc.) semi (semi-anual, semi-úmido, semi-selvagem, semi-humano, etc.) supra (supra-renal, supra-sumo, etc.) ultra (ultra-romântico, ultra-sensível, etc.) f) os seguintes prefixos exigem hífen quando combinados com palavras iniciadas por h, r ou s: ante (ante-histórico, ante-sala, etc.) anti (anti-humano, anti-herói, anti-regimental, etc.) arqui (arqui-histórico, etc.) sobre (sobre-humano, sobre-saia; exceções: sobressair, sobressalto) hiper (hiper-humano, hiper-realismo, etc.) inter (inter-hemisférico, inter-regional, etc.) super (super-homem, super-requintado, etc.) g) os seguintes prefixos exigem hífen quando combinados com palavras iniciadas por vogal ou h: circum (circum-ambiente, circum-hospitalar, etc.) mal (mal-entendido, mal-humorado, etc.) pan (pan-americano, pan-helênico, etc.) h) os seguintes prefixos exigem hífen quando combinados com palavras iniciadas por r: ab (ab-rogar: anular, suprimir) ad (ad-rogar: adotar ou tomar por adoção) ob (ob-rogar: contrapor-se) sob (sob-roda: saliência capaz de estorvar o deslocamento de um veículo) sub (sub-reitor, sub-região, etc.; no caso de sub também separamos por hífen as palavras iniciadas por b: subbloco, sub-bibliotecário) Observação: Hífen de composição vocabular ou de ênclise e mesóclise é repetido quando coincide com translineação: decreto-/-lei, exigem-/-lhe, far-/-se-á. Aspas As aspas têm os seguintes empregos: a) usam-se antes e depois de uma citação textual: Projeto APE Página 31
  • 32. Guia de Redação A Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988, no parágrafo único de seu artigo 1o afirma: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente . b) dão destaque a nomes de publicações, obras de arte, intitulativos, apelidos, etc.: O artigo sobre o processo de desregulamentação foi publicado no Jornal do Brasil . A Secretaria da Educação está organizando uma apresentação das Bachianas , de Villa Lobos. c) destacam termos estrangeiros: O processo da détente teve início com a Crise dos Mísseis em Cuba, em 1962. Mutatis mutandis , o novo projeto é idêntico ao anteriormente apresentado. d) nas citações de textos legais, as alíneas devem estar entre aspas: O tema é tratado na alínea a do artigo 146 da Constituição. Atualmente, no entanto, tem sido tolerado o uso de itálico como forma de dispensar o uso de aspas, exceto na hipótese de citação textual. A pontuação do trecho que figura entre aspas seguirá as regras gramaticais correntes. Caso, por exemplo, o trecho transcrito entre aspas terminar por ponto-final, este deverá figurar antes do sinal de aspas que encerra a transcrição. Exemplo: O art. 2o da Constituição Federal São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário. já figurava na Carta anterior. Parênteses Os parênteses são empregados nas orações ou expressões intercaladas. Observe que o ponto-final vem antes do último parêntese quando a frase inteira se acha contida entre parêntese: Quanto menos a ciência nos consola, mais adquire condições de nos servir. (José Guilherme Merquior) O Estado de Direito (Constituição Federal, art. 1o) define-se pela submissão de todas as relações ao Direito. Travessão O travessão, que é um hífen prolongado ( ), é empregado nos seguintes casos: a) substitui parênteses, vírgulas, dois-pontos: O controle a dengue meta prioritária do Governo será ainda mais rigoroso. As restrições ao livre mercado especialmente o de produtos tecnologicamente avançados podem ser muito prejudiciais para a sociedade. b) indica a introdução de enunciados no diálogo: Indagado pela comissão de inquérito sobre a procedência de suas declarações, o funcionário respondeu: Nada tenho a declarar a esse respeito. Projeto APE Página 32
  • 33. Guia de Redação c) indica a substituição de um termo, para evitar repetições: O verbo fazer (vide sintaxe do verbo ), no sentido de tempo transcorrido, é utilizado sempre na 3a pessoa do singular: faz dois anos que isso aconteceu. d) dá ênfase a determinada palavra ou pensamento que segue: Não há outro meio de resolver o problema promova-se o funcionário. Ele reiterou sua idéias e convicções energicamente. SINTAXE (do grego syntáxis arranjo, disposição ) É a parte da Gramática que estuda a palavra, não em si, mas em relação às outras, que com ela se unem para exprimir o pensamento. É o capítulo mais importante da Gramática, porque, ao disciplinar as relações entre as palavras, contribui de modo fundamental para a clareza da exposição e para a ordenação do pensamento. É importante destacar que o conhecimento das regras gramaticais, sobretudo neste capítulo da sintaxe, é condição necessária para a boa redação, mas não constitui condição suficiente. A concisão, clareza, formalidade e precisão, elementos essenciais da redação oficial, somente serão alcançadas mediante a prática da escrita e a leitura de textos escritos em bom português. Dominar bem o idioma, seja na forma falada, seja na forma escrita, não significa apenas conhecer exceções gramaticais: é imprescindível, isso sim, conhecer em profundidade as regularidades da língua. No entanto, como interessa aqui aplicar princípios gramaticais à redação de relatórios, trataremos, forçosamente, das referidas exceções e dos problemas sintáticos que com mais freqüência são encontrados nos relatórios enviados. · Problemas de Construção de Frases A clareza e a concisão na forma escrita são alcançadas principalmente pela construção adequada da frase, a menor unidade autônoma da comunicação , na definição de Celso Pedro Luft. A função essencial da frase é desempenhada pelo predicado, que para Adriano da Gama Kury pode ser entendido como a enunciação pura de um fato qualquer . Sempre que a frase possuir pelo menos um verbo, recebe o nome de período, que terá tantas orações quantos forem os verbos não auxiliares que o constituem. Outra função relevante é a do sujeito mas não indispensável, pois há orações sem sujeito, ditas impessoais , de quem se diz algo, cujo núcleo é sempre um substantivo. Sempre que o verbo o exigir, teremos nas orações substantivos (nomes ou pronomes) que desempenham a função de complementos (objetos direto e indireto, predicativo e complemento adverbial). Função acessória desempenham os adjuntos adverbiais, que vêm geralmente ao final da oração, mas que podem ser ou intercalados aos elementos que desempenham as outras funções, ou deslocados para o início da oração. Temos, assim, a seguinte ordem de colocação dos elementos que compõem uma oração (os parênteses indicam os elementos que podem não ocorrer): (sujeito) - verbo - (complementos) - (adjunto adverbial). Projeto APE Página 33
  • 34. Guia de Redação Podem ser identificados seis padrões básicos para as orações pessoais (i. é, com sujeito) na língua portuguesa (a função que vem entre parênteses é facultativa e pode ocorrer em ordem diversa): 1. Sujeito - verbo intransitivo - (Adjunto Adverbial) O PCOP - regressou - (ontem). 2. Sujeito - verbo transitivo direto - objeto direto - (adjunto adverbial) O Chefe da Divisão - assinou - o termo de posse - (na manhã de terça-feira). 3. Sujeito - verbo transitivo indireto - objeto indireto - (adjunto adverbial). O Brasil - precisa - de gente honesta - (em todos os setores). 4. Sujeito - verbo transitivo direto e indireto - obj. direto - obj. indireto - (adj. Adv.) Os desempregados - entregaram - suas reivindicações - ao Deputado - (no Congresso). 5. Sujeito - verbo transitivo indireto - complemento adverbial - (adjunto adverbial) A reunião do Grupo de Trabalho - ocorrerá - em São Paulo - (na próxima semana). O Presidente - voltou - da Europa - (na sexta-feira) 6. Sujeito - verbo de ligação - predicativo - (adjunto adverbial) O problema - será - resolvido - prontamente. Esses seriam os padrões básicos para as orações, ou seja as frases que possuem apenas um verbo conjugado. Na construção de períodos, as várias funções podem ocorrer em ordem inversa à mencionada, misturando-se e confundindo-se. Não interessa aqui análise exaustiva de todos os padrões existentes na língua portuguesa. O que importa é fixar a ordem normal dos elementos nesses seis padrões básicos. Acrescente-se que períodos mais complexos, compostos por duas ou mais orações, em geral podem ser reduzidos aos padrões básicos (de que derivam). Os problemas mais freqüentemente encontrados na construção de frases dizem respeito à má pontuação, à ambigüidade da idéia expressa, à elaboração de falsos paralelismos, erros de comparação, etc. Decorrem, em geral, do desconhecimento da ordem das palavras na frase. Indicam-se, a seguir, alguns desses defeitos mais comuns e recorrentes na construção de frases, registrados em relatórios. · Sujeito Como dito, o sujeito é o ser de quem se fala ou que executa a ação enunciada na oração. Ele pode ter complemento, mas não ser complemento. Devem ser evitadas, portanto, construções como: Errado: É tempo da equipe elaborar o projeto. Certo: É tempo de a equipe elaborar o projeto. Errado: Apesar das relações entre os pais estarem cortadas, (...). Certo: Apesar de as relações entre os pais estarem cortadas, (...). Errado: Não vejo mal no Educador proceder assim. Certo: Não vejo mal em o Educador proceder assim. Errado: Antes destes requisitos serem cumpridos, (...). Projeto APE Página 34
  • 35. Guia de Redação Certo: Antes de estes requisitos serem cumpridos, (...). Errado: Apesar da Assessoria ter informado em tempo, (...). Certo: Apesar de a Assessoria ter informado em tempo, (...). · Frases Fragmentadas A fragmentação de frases consiste em pontuar uma oração subordinada ou uma simples locução como se fosse uma frase completa . Decorre da pontuação errada de uma frase simples. Embora seja usada como recurso estilístico na literatura, a fragmentação de frases devem ser evitada nos textos oficiais, pois muitas vezes dificulta a compreensão. Ex.: Errado: O programa recebeu a aprovação da Diretoria de Ensino. Depois de ser longamente debatido. Certo: O programa recebeu a aprovação da Diretoria de Ensino, depois de ser longamente debatido. Certo: Depois de ser longamente debatido, o programa recebeu a aprovação da diretoria de Ensino. Errado: O projeto de Convenção foi oportunamente submetido ao Presidente da República, que o aprovou. Consultadas as áreas envolvidas na elaboração do texto legal. Certo: O projeto de Convenção foi oportunamente submetido ao Presidente da República, que o aprovou, consultadas as áreas envolvidas na elaboração do texto legal. · Ambigüidade A ambigüidade é um dos problemas que podem ser evitados na redação. Ela surge quando algo que está sendo dito admite mais de um sentido, comprometendo a compreensão do conteúdo. Isso pode suscitar dúvidas no leitor e levá-lo a conclusões equivocadas na interpretação do texto. A inadequação ou a má colocação de elementos como pronomes, adjuntos adverbiais, expressões e até mesmo enunciados inteiros podem acarretar em duplo sentido, comprometendo a clareza do texto. Observe os exemplos que seguem: a) "O professor falou com o aluno parado na sala" Neste caso, a ambigüidade decorre da má construção sintática deste enunciado. Quem estava parado na sala? O aluno ou o professor? A solução é, mais uma vez, colocar "parado na sala" logo ao lado do termo a que se refere: "Parado na sala, o professor falou com o aluno"; ou "O professor falou com o aluno, que estava parado na sala". b) "A polícia cercou o ladrão do banco na rua Santos." O banco ficava na rua Santos, ou a polícia cercou o ladrão nessa rua? A ambigüidade resulta da má colocação do adjunto adverbial. Para evitar isso, coloque "na rua Santos" mais perto do núcleo de sentido a que se refere: Na rua Santos, a polícia cercou o ladrão; ou A polícia cercou o ladrão do banco que localiza-se na rua Santos" Projeto APE Página 35
  • 36. Guia de Redação c) "Pessoas que consomem bebidas alcoólicas com freqüência apresentam sintomas de irritabilidade e depressão." Mais uma vez a duplicidade de sentido é provocada pela má colocação do adjunto adverbial. Assim, pode-se entender que "As pessoas que, com freqüência, consomem bebidas alcoólicas apresentam sintomas de irritabilidade e depressão" ou que "As pessoas que consomem bebidas alcoólicas apresentam, com freqüência, sintomas de irritabilidade e depressão". Uma das estratégias para evitar esses problemas é revisar os textos. Uma redação de boa qualidade depende muito do domínio dos mecanismos de construção da textualidade e da capacidade de se colocar na posição do leitor. 2. Pontuação Os sinais de pontuação, ligados à estrutura sintática, têm as seguintes finalidades: a) assinalar as pausas e as inflexões da voz (a entoação) na leitura; b) separar palavras, expressões e orações que, segundo o autor, devem merecer destaque; c) esclarecer o sentido da frase, eliminando ambigüidades. · Vírgula A vírgula serve para marcar as separações breves de sentido entre termos vizinhos, as inversões e as intercalações, quer na oração, quer no período. A seguir, indicam-se alguns casos principais de emprego da vírgula: a) para separar palavras ou orações paralelas justapostas, i. é, não ligadas por conjunção: Chegou a Diretoria, procurou o PCOP, levou seu planejamento à Coordenação Regional (Supervisor), voltou ao PCOP e discutiu ratificação do planejamento. Simplicidade, clareza, objetividade, concisão são qualidades a serem observadas no relatório mensal. b) as intercalações, por cortarem o que está sintaticamente ligado, devem ser colocadas entre vírgulas: O processo, creio eu, deverá ir logo a julgamento. A democracia, embora (ou mesmo) imperfeita, ainda é o melhor sistema de governo. c) expressões corretivas, explicativas, escusativas, tais como isto é, ou melhor, quer dizer, data venia, ou seja, por exemplo, etc., devem ser colocadas entre vírgulas: O político, a meu ver, deve sempre usar uma linguagem clara, ou seja, de fácil compreensão. As Nações Unidas decidiram intervir no conflito, ou por outra, iniciaram as tratativas de paz. d) Conjunções coordenativas intercaladas ou pospostas devem ser colocadas entre vírgula: Dedicava-se ao trabalho com afinco; não obtinha, contudo, resultados. O ano foi difícil; não me queixo, porém. Era mister, pois, levar o projeto às últimas conseqüências. Projeto APE Página 36