SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
B IA S O L I Pelve Ó ssea (Bacia) e M embros Inferiores
Figura 15.107
Posicionamento
do paciente para
a radiografia da
coxa em perfil
interno com raios
horizontais
1. Espinha ilíaca ântero-superior
2. Trocanter maior
a A espinha ilíaca ântero-superior pode ser pal­
pada anteriorm ente em cada lado da pelve óssea
(bacia). A articulação do quadril (coxofemoral) está
localizada entre a espinha ilíaca ântero-superior e o
trocanter m aior.
Regras gerais para o estudo
radiográfico da articulação do
quadril (coxofemoral)
D evem ser observadas as regras citadas no C apítulo 10.
Parâm etros radiográficos
■Tipos de incidências e/ou posicionamentos
Antero-posterior (AP), perfil extemo (PExc), perfil ex-
tem o (PExt) —variante 1 (posição de rã), perfil exter-
no (PExt) —variante 2, antero-posterior (AP) bilateral
com rotação externa, antero-posterior (AP) bilate­
ral com rotação interna, antero-posterior (AP) bila­
teral com rotação interna e abdução, axiolateral ínfe-
ro-superior (perfil cirúrgico) e oblíquas posteriores
(Alar e Obturatriz).
■Rotina radiográfica básica A rotina para o es­
tudo radiográfico da articulação do quadril (coxo­
femoral) consiste em: antero-posterior (AP) e perfil
externo (PExt).
Filme radiográfico (tamanho) Pode ser usado para
cada incidência o tam anho 24cm x 30cm ou 30cm x
40cm.
Figura 15.108b
Fatores radiográficos
São os mesmos utilizados para a incidência em perfil
m édio-lateral da coxa.
ES T U D O R A D IO G R Á FIC O D A
A R T IC U L A Ç Ã O DO Q U A D R IL
(C O X O FEM O R A L)
Pontos anatômicos de referência
superficial da articulação do quadril
(coxofemoral)
São úteis para a identificação de estruturas anatômicas,
facilitando a realização do exame radiográfico. Os prin­
cipais são (Fig. 15.108a e 15.108b):
B O trocanter m aior pode ser palpado lateralm en­
te no 1/3 proxim al, servindo com o referência para
a sínfise púbica e cabeça do fêmur;
Figuras 15.108a e 108b
Principais pontos
anatômicos de referência
superficial da articulação do
quadril (coxofemoral)
1 '
r!
Pelve Ó ssea (Bacia) e M embros Inferiores
Parâm etros gerais de avaliação técnica das
incidências para o exame radiográfico da
articulação do quadril (coxofemoral)
■ A im agem radiográfica deve estar nítida;
■ A escala de contraste adequado é representada
pela visualização do trabeculado ósseo nítido e das
partes moles;
■ A identificação deve estar legível na radiografia
sem superpor nenhum a parte da região anatôm ica
em estudo, seguindo rigorosam ente os parâm etros
convencionados. O m arcador de lado “D ” (di­
reito) ou “E ” (esquerdo) deve estar presente na ra­
diografia.
Incidências e posicionamentos para o
estudo radiográfico da articulação do
quadril (coxofemoral)
Ântero-posterior (AP) unilateral
Essa incidência é usada na rotina do estudo radiográfico
da articulação do quadril (coxofem oral).
O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­
lização da incidência.
Posição do paciente (Fig. 15.109) O paciente deve es­
tar deitado em decúbito dorsal na mesa bucky com o m em ­
bro inferior do lado a ser radiografado estendido e sem ro­
tação, com a região posterior em contato com a mesa.
Figura 15.109
Posicionamento do
paciente para a
radiografia da
articulação do quadril
(coxofemoral) em
ântero-posterior (AP)
Posição da articulação do quadril (coxofemoral) do
paciente O m em bro inferior do lado a ser radiografado
deve estar na posição anatômica (ausência de rotação).
A coxa e a articulação do quadril devem estar ali­
nhados com a linha central da mesa.
Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra­
diográfico, entrando na topografia da borda superior
do trocanter m aior do lado a ser radiografado.
Fatores radiográficos
kV = 2e + K: aproxim ado na faixa de 75kV ± 5kV
mAs: aproxim ado na faixa de 30mAs ± 5mAs
distância foco-film e (dFoFi): lm
foco/grade: foco fino com grade m óvel (bucky)
Figura 15.110a
Radiografia da
articulação do quadril
(coxofemoral) em
ântero-posterior (AP)
Figura 15.110b
Anatomia radiográfica
da articulação do quadril
(coxofemoral) na
incidência em
ântero-posterior (AP)
1. Ilio
2. Cabeça do fêmur
3. Colo do fêmur
4. Trocanter maior
5. Trocanter menor
6. Fóvea da cabeça do fêmur
7. Lágrima de Kõler (projeção do
soaiho do acetábulo)
8. Borda lateral do teto do acetábulo
9. Teto do acetábulo
10. Borda acetabular posterior
369
Técnicas Radiográficas BIASOLI Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores
Parâm etros de avaliação técnica da incidência
em ântero-posterior da articulação do quadril
(coxofemoral) (Fig. 15.110a e 15.110b)
b O espaço articular do quadril deve aparecer bem
visível;
■ D eve constar na radiografia o 1/3 proxim al do fê­
m ur, o acetábulo e partes adjacentes do ílio, ísquio
e púbis.
Ântero-posterior (AP) bilateral
Essa incidência é usada na rotina do estudo radiográfico
das articulações dos quadris (coxofemorais).
O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­
lização da incidência.
Posição do paciente (Fig. 15.111) O paciente deve
estar em decúbito dorsal na mesa bucky com os m em ­
bros inferiores estendidos e posicionados com a região
posterior apoiada na mesa. Os m em bros inferiores de­
vem estar na posição anatôm ica (ausência de rotação).
Figura 15.111
Posicionamento do
paciente para a
radiografia das
articulações dos
quadris
(coxofemorais) em
ântero-posterior (AP)
Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra­
diográfico, entrando na região anterior, na m etade da
distância entre as bordas superiores dos trocanteres
maiores.
Fatores radiográficos (Fig. 15.112)
São os mesmos utilizados para a incidência em ântero-
posterior da articulação do quadril (coxofem oral).
Perfil externo (PExt)
Incidência denom inada perfil m édio-lateral ou perfil
uretral que é usada na rotina do estudo radiográfico da
articulação do quadril (coxofemoral).
O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­
lização da incidência.
Posição do paciente (Fig. 15.113) O paciente deve
estar posicionado na mesa bucky em ligeira oblíqua pos­
terior, do lado a ser radiografado.
Figura 15.113
Posicionamento
do paciente para a
radiografia da
articulação do quadril
(coxofemoral) em perfil
externo
O m em bro inferior do lado a ser radiografado deve
estar em contato com a mesa, em perfil e flexionado de
maneira que a perna forme um ângulo de 90° com a coxa.
O m em bro inferior contralateral deve estar estendido.
Posição da coxa do paciente O colo do fêm ur a ser
radiografado deve estar alinhado com a linha central da
mesa bucky.
Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra­
diográfico, entrando no colo do fêmur.
Fatores radiográficos
kV = 2e + K: aproxim ado na faixa de 75kV ± 5kV
mAs: aproxim ado na faixa de 20mAs ± 4mAs
distância foco-film e (dFoFi): lm
foco/grade: foco fino com grade m óvel (bucky)
Parâm etros de avaliação técnica da incidência
em perfil externo da articulação do quadril
(coxofemoral) (Fig. 15.114a e 15.114b)
Figura 15.112
Radiografia das articulações dos quadris (coxofemorais)
em ântero-posterior
b O trocanter m aior parecerá superposto à m aior
parte do colo do fêm ur;
b A cabeça do fêm ur assim com o a articulação do
quadril são bem visualizadas.
370
V
Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores a r t i c u l a ç ã o d o q u a d r i l (c o x o f e m o r a l )
Figura 15.114a
Radiografia da
articulação do
quadril
(coxofemoral)
em perfil
médio-lateral
Figura 15.114b
Anatomia
radiográfica da
articulação do quadril
(coxofemoral) na
incidência em perfil
médio-lateral
1. ilio
2. Cabeça do fêmur
3. Trocanter maior
4. Trocanter menor
5. Teto do acetábulo
6. Espinha isquiática
Perfil externo (PExt) - variante 1 - unilateral
Tam bém denom inada incidência de Low enstein, D u-
croquet, ou de rã, é utilizada com o uma opção ao perfil
externo da articulação do quadril (coxofemoral).
O paciente deve perm anecer imóvel durante a rea­
lização da incidência.
Posição do paciente (Fig. 15.115) O paciente deve
estar posicionado em decúbito dorsal na mesa bucky.
O m em bro inferior do lado a ser radiografado deve
ser flexionado de m aneira que a perna forme um ângulo
de 90° com a coxa. Abduzir (rodar lateralm ente) o
m em bro inferior a ser radiografado, de maneira que a
coxa form e um ângulo de aproxim adam ente 45° com a
Figura 15.115
Posicionamento do
paciente para a
radiografia da
articulação do quadril
(coxofemoral) em
perfil externo
(Lowenstein)
superfície da mesa. O m em bro inferior contralateral
deve estar estendido.
Posição da coxa do paciente O colo do fêm ur a ser
radiografado deve estar alinhado com a linha central da
mesa bucky.
Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra-
diográfico, entrando no colo do fêm ur.
Fatores radiográficos
São os mesmos utilizados na incidência em perfil exter­
no da articulação do quadril (coxofemoral).
Perfil externo (PExt) - variante 1 - bilateral
T am bém denom inada incidência de Lowenstein, D u-
croquet ou de rã, bilateral.
O paciente deve perm anecer imóvel durante a rea­
lização da incidência.
Posição do paciente (Fig. 15.116) O paciente deve
estar posicionado em decúbito dorsal na mesa bucky,
com o plano m édio sagital alinhado com a linha central
da mesa.
Os m em bros inferiores devem ser flexionados de
m aneira que as pernas form em um ângulo de 90° com
as respectivas coxas. A bduzir (rodar lateralm ente) os
m em bros inferiores, de m aneira que as coxas form em
um ângulo de aproxim adam ente 45° com a superfície
da mesa.
L
371
T écnicas Radiográficas B I A S O L I Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores
Figura 15.116
Posicionamento do
paciente para a
radiografia das
articulações dos
quadris
(coxofemorais) em
perfil externo
(Lowenstein)
Raio central (RC) Incide perpendicular ao filme radio-
gráfico, entrando na topografia dos colos femorais.
Fatores radiográficos (Fig. 15.117)
São os mesmos utilizados na incidência em perfil exter­
no da articulação do quadril (coxofemoral).
Figura 15.117
Radiografia das
articulações dos
quadris
(coxofemorais) em
perfil externo
(Lowenstein)
Perfil externo (PExt) - variante 2
É utilizada com o um a opção ao perfil externo da articu­
lação do quadril (coxofemoral).
O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­
lização da incidência.
O m em bro inferior do lado a ser radiografado deve
estar estendido e apoiado com a sua superfície lateral
externa na mesa. O m em bro inferior do lado oposto
deve ser posicionado de m aneira a não superpor a re­
gião a ser radiografada.
Posição da coxa do paciente O colo do fêm ur a ser
radiografado deve estar alinhado com a linha central da
mesa bucky.
Raio central (RC) Incide com inclinação cefálica de
aproxim adam ente 20° no centro do períneo (colo fe-
m oral).
Fatores radiográficos
São os mesmos utilizados na incidência em perfil m é-
dio-lateral da articulação do quadril (coxofem oral).
Ântero-posterior (AP) bilateral com rotação
externa
Essa incidência é usada com o com plem entar no estudo
radiográfico das articulações dos quadris (coxofemorais).
O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­
lização da incidência.
Posição do paciente (Fig. 15.119) O paciente deve
estar em decúbito dorsal na mesa bucky com os m em ­
bros inferiores estendidos e posicionados com a região
posterior apoiada na mesa. O plano m édio sagital do pa­
ciente deve estar alinhado com a linha central da mesa.
Posição das coxas do paciente Os m em bros inferio­
res devem ser rodados externam ente (rotação lateral),
sem abdução.
Posição do paciente (Fig. 15.118) O paciente deve
estar posicionado em decúbito lateral (do lado a ser ra­
diografado) na mesa bucky.
Figura 15.118
Posicionamento do
paciente para a
radiografia da
articulação do
quadril
(coxofemoral) em
perfil externo -
variante 2
Figura 15.119
Posicionamento do
paciente para a
radiografia das
articulações dos
quadris
(coxofemorais) em
ântero-posterior com
rotação externa
372
Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores a r t i c u l a ç ã o d o q u a d r i l (c o x o f e m o r a l )
)
ó
ío
Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra-
diográfico, entrando na região anterior, na m etade da
distância entre as bordas superiores dos trocanteres
maiores.
Fatores radiográficos (Fig. 15.120)
São os mesmos utilizados para a incidência em ântero-
posterior da articulação do quadril (coxofemoral).
Figura 15.120
Radiografia das
articulações dos quadris
(coxofemorais) com
rotação externa em
ântero-posterior
Àntero-posterior (AP) bilateral com rotação
interna
Essa incidência é usada com o com plem entar no estudo
radiográfico das articulações dos quadris (coxofemorais).
O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­
lização da incidência.
Posição do paciente (Fig. 15.121) O paciente deve
estar em decúbito dorsal na mesa bucky com os mem bros
inferiores estendidos e posicionados com a região poste­
rior apoiada na mesa. O plano médio-sagital do paciente
deve estar alinhado com a linha central da mesa.
Posição das coxas do paciente Os m em bros inferio­
res devem ser rodados internam ente (rotação medial),
sem abdução.
Figura 15.121
Posicionamento do
paciente para a
radiografia das
articulações dos quadris
(coxofemorais) com
rotação interna em
ântero-posterior
Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra­
diográfico, entrando na região anterior, na m etade da
distância entre as bordas superiores dos trocanteres
m aiores.
Fatores radiográficos (Fig. 15.122)
São os mesmos utilizados para a incidência em ântero-
posterior da articulação do quadril (coxofem oral).
Figura 15.122
Radiografia das
articulações dos quadris
(coxofemorais) com
rotação interna em
ântero-posterior
Ântero-posterior (AP) bilateral com rotação
interna e abdução
T am bém denom inada incidência de Van R osen, é usa­
da com o com plem entar no estudo radiográfico das arti­
culações dos quadris (coxofemorais).
O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­
lização da incidência.
Posição do paciente (Fig. 15.123) O paciente deve
estar ein decúbito dorsal na mesa bucky com os m em ­
bros inferiores estendidos e posicionados com a região
posterior apoiada na mesa. O plano m édio sagital do pa­
ciente deve estar alinhado com a linha central da mesa.
Posição das coxas do paciente Os m em bros inferio­
res devem ser rodados internam ente (rotação medial) e
abduzidos (afastados) sim etricam ente de maneira que
form em um ângulo aproxim ado de 45°.
Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra­
diográfico, entrando na região anterior, na topografia
das bordas superiores dos trocanteres maiores.
Figura 15.123
Posicionamento do
paciente para a radiografia
das articulações dos
quadris (coxofemorais)
com rotação interna e
abdução em
ântero-posterior
373
L l
T écnicas Radiográficas E8ASDLS Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores
Fatores radiográficos
São os mesmos utilizados para a incidência em ântero-
posterior da articulação do quadril (coxofemoral).
Axiolateral ínfero-superior
Tam bém denom inada incidência de perfil cirúrgico,
ou de Danelius M iller, é usada com o com plem entar no
estudo radiográfico das articulações dos quadris (coxo­
femorais); geralm ente no centro cirúrgico, nas cirurgias
de colo do fêmur.
O paciente deve perm anecer imóvel durante a rea­
lização da incidência.
Posição do paciente (Fig. 15.124) O paciente deve
estar em decúbito dorsal na mesa bucky (ou mesa cirúr­
gica), com o m em bro inferior do lado a ser radiografado
estendido e apoiado na mesa. O m em bro inferior do
lado oposto deve ser posicionado de maneira a não su­
perpor a região a ser radiografada, geralm ente mais ele­
vado. O chassi deve ser posicionado na crista ilíaca do
lado a ser exam inado, de m aneira que fique perpendi­
cular ao raio central.
Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra­
diográfico, entrando no centro do períneo.
Fatores radiográficos
kV = 2e + K: aproxim ado na faixa de 70kV ± 5kV
mAs: aproxim ado na faixa de 40mAs ± 5mAs
distância foco-film e (dFoFi): lm
foco/grade: foco fino sem grade m óvel (bucky)
Parâmetro de avaliação técnica da incidência
em axiolateral ínfero-superior da articulação
do quadril (coxofemoral) (Fig. 15.125a e 15.125b)
■ A cabeça e o colo do fêm ur apresentam boa defi­
nição.
Oblíqua posterior - Alar
Tam bém denom inada incidência d eju d et, oblíqua ân­
tero-posterior, ou alar, é usada com o com plem entar no
estudo radiográfico da articulação do quadril (coxofe­
moral).
O paciente deve perm anecer imóvel durante a rea­
lização da incidência.
Figura 15.124
Posicionamento do paciente para a radiografia da
articulação do quadril (coxofemoral) em axiolateral
ínfero-superior
Figura 15.125a
Radiografia da
articulação do
quadril
(coxofemoral) em
axiolateral
ínfero-superior
Posição do paciente (Fig. 15.126) O paciente deve
estar deitado em decúbito dorsal na mesa bucky.
R odar o paciente para o lado a ser radiografado de
m aneira que a região dorsal form e um ângulo de apro­
xim adam ente 45° com a superfície da mesa (oblíqua
posterior). O m em bro in ferio r do lado a ser ra d io ­
grafado deve estar flexionado e o contralateral es­
tendido.
Posição da coxa do paciente O colo do fêm ur do
lado a ser radiografado deve estar alinhado com a linha
central da mesa bucky.
Figura 15.125b
Anatomia
radiográfica da
articulação do
quadril
(coxofemoral) na
incidência em
axiolateral
ínfero-superior
1. Cabeça do fêmur
2. Colo do fêmur
374
pb
>
r
f )
i ( )
( )
O
n
)
Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores a r t i c u l a ç ã o d o q u a d r i l
ÍO
o
o
( )
(.)
)
!< )
)
í< )
)
)
jO
jo
;{ )
O
 )
O
o
o
( )
(_>
<)
o
o
o
o
o
o
{ )
o
o
(.)
(.)
o
Figura 15.126
Posicionamento do
paciente para a
radiografia da articulação
do quadril (coxofemoral)
em oblíqua posterior
-A la r
Raio central (RC) Incide p erp en d icu lar ao film e ra­
diográfico en tran d o cerca de 5cm adiante e abaixo
da espinha ilíaca â n te ro -su p e rio r do lado oposto (le­
vantado).
Figura 15.127a
Radiografia da articulação
do quadril (coxofemoral)
em oblíqua
ântero-posterior - Alar
Figura 15.127b
Anatomia radiográfica da
articulação do quadril
(coxofemoral) na
incidência em oblíqua
ântero-posterior - Alar
1. Ili0
2. Cabeça do fêmur
3. Trocanter maior
4. Trocanter menor
5. Teto do acetábulo
6. Espinha isquiática
Fatores radiográficos
kV — 2e + K: aproxim ado na faixa de 75kV ± 5kV
mAs: aproxim ado na faixa de 30mAs ± SniAs
distância foco-film e (dFoFi): lm
foco/grade: foco fino com grade móvel (bucky)
Parâm etros de avaliação técnica da incidência
em oblíqua ântero-posterior-A lar da articulação do
quadril (coxofemoral) (Fig. 15.127a e 15.127b)
■ O ílio aparece bem dem onstrado na radiografia;
■ A porção inferior e a borda anterior do acetábulo
aparecem bem dem onstrados na radiografia.
Oblíqua posterior - Obturatriz
Tam bém denom inada incidência de Judet, oblíqua
ântero-posterior, ou obturatriz, é usada com o com ple­
m entar no estudo radiográfico da articulação do quadril
(coxofemoral).
O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­
lização da incidência.
Posição do paciente (Fig. 15.128) O paciente deve
estar deitado em decúbito dorsal na mesa bucky com os
m em bros inferiores estendidos e posicionados com a
região posterior apoiada na mesa.
R odar o paciente para o lado oposto a ser exam ina­
do de m aneira que a região dorsal forme um ângulo de
aproxim adam ente 45° com a superfície da mesa (oblí­
qua posterior). O lado a ser exam inado fica mais afas­
tado da superfície da mesa.
O m em bro inferior do lado a ser exam inado deve
ficar estendido e o contralateral, flexionado.
Figura 15.128
Posicionamento do
paciente para a
radiografia da
articulação do quadril
(coxofemoral) em
oblíqua posterior -
Obturatriz
375
(COXOFEMORAL)
Técnicas Radiográficas B I A S O L I Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores
Figura 15.129a
Radiografia da
articulação do
quadril
(coxofemoral)
em oblíqua
ântero-posterior -
Obturatriz
Figura 15.129b
Anatomia
radiográfica da
articulação do
quadril
(coxofemoral) na
incidência em
oblíqua
ântero-posterior -
Obturatriz
1. ílio
2. Ramo superior do púbis
3. Ramo do ísquio
4. Forame obturado
5. Cabeça do fêmur
6. Colo do fêmur
7. Trocanter maior
8. Teto do acetábulo
Raio central (RC) Incide perpendicular ao filme radio-
gráfico, entrando cerca de 5cm abaixo da espinha ilíaca
ântero-superior do lado a ser radiografado (levantado).
Fatores radiográficos
kV = 2e + K: aproxim ado na faixa de 75kV ± 5kV
mAs: aproxim ado na faixa de 30mAs ± 5mAs
distância foco-film e (dFoFi): lm
foco/grade: foco fino com grade m óvel (bucky)
Parâm etros de avaliação técnica da incidência
em oblíqua ântero-posterior - Obturatriz da
articulação do quadril (coxofemoral) (Fig. 15.129a
e 15.129b)
■ A porção superior e a borda posterior do acetábu­
lo aparecem bem dem onstrados na radiografia;
a O forame obturado aparece bem aberto, sem su­
perposições.
Figuras 15.130a e
15.130b
Principais pontos
anatômicos de referência
superficial da pelve óssea
(bacia)
1. Espinha ilíaca ântero-superior
2. Trocanter maior
E S T U D O R A D IO G R Á FIC O D A
P E L V E Ó S S E A (BA CIA )
Pontos anatôm icos de referência
superficial da pelve óssea (bacia)
São úteis para a identificação de estruturas anatômicas,
facilitando a realização do exame radiográfico. Os p rin­
cipais são (Fig. 15.130a e 15.130b):
■O trocanter m aior pode ser palpado lateralm en­
te no 1/3 proxim al, servindo com o referência para
a sínfise púbica e cabeça do fêmur;
■A espinha ilíaca ântero-superior pode ser pal­
pada anteriorm ente em cada lado da pelve óssea
(bacia). A articulação do quadril (coxofemoral) está
localizada entre a espinha ilíaca ântero-superior e o
trocanter maior.
Figura 15.130b

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

01 posicionamento de esterno e costelas
01 posicionamento de esterno e costelas01 posicionamento de esterno e costelas
01 posicionamento de esterno e costelasErica Inacio
 
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...Robson Rocha
 
Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica Cristiane Dias
 
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico   tórax rotina e complementaresPosicionamento radiológico   tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementaresMagno Cavalheiro
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranCristiane Dias
 
Apostila sobre a aula de incidências do ombro
Apostila sobre a aula de incidências do ombroApostila sobre a aula de incidências do ombro
Apostila sobre a aula de incidências do ombroRobson Rocha
 
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios X
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios XAula sobre ATM e Mandíbula - raios X
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios XRobson Rocha
 
Posicionamento radiológico punho - carpo - rotina e especiais
Posicionamento radiológico   punho - carpo - rotina e especiaisPosicionamento radiológico   punho - carpo - rotina e especiais
Posicionamento radiológico punho - carpo - rotina e especiaisMagno Cavalheiro Faria
 
Técnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânioTécnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânioSandro Molter
 
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio  tabalho faculdade unigTecnicas de cranio  tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unigRenata Cristina
 
Tc3a9cnicas radiolc3b3gicas
Tc3a9cnicas radiolc3b3gicasTc3a9cnicas radiolc3b3gicas
Tc3a9cnicas radiolc3b3gicasrafael severin
 
Aula 8 incidencias
Aula 8  incidenciasAula 8  incidencias
Aula 8 incidenciasrsmbarros
 

Mais procurados (20)

Crânio
CrânioCrânio
Crânio
 
01 posicionamento de esterno e costelas
01 posicionamento de esterno e costelas01 posicionamento de esterno e costelas
01 posicionamento de esterno e costelas
 
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
 
Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica
 
Posicionamento radiológico calcâneo
Posicionamento radiológico   calcâneoPosicionamento radiológico   calcâneo
Posicionamento radiológico calcâneo
 
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico   tórax rotina e complementaresPosicionamento radiológico   tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementares
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
 
Apostila sobre a aula de incidências do ombro
Apostila sobre a aula de incidências do ombroApostila sobre a aula de incidências do ombro
Apostila sobre a aula de incidências do ombro
 
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios X
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios XAula sobre ATM e Mandíbula - raios X
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios X
 
Posicionamento radiologico123
Posicionamento radiologico123Posicionamento radiologico123
Posicionamento radiologico123
 
Apostilaposicionamento1
Apostilaposicionamento1Apostilaposicionamento1
Apostilaposicionamento1
 
Lequesne e ducroquet
Lequesne e ducroquetLequesne e ducroquet
Lequesne e ducroquet
 
Posicionamento radiológico punho - carpo - rotina e especiais
Posicionamento radiológico   punho - carpo - rotina e especiaisPosicionamento radiológico   punho - carpo - rotina e especiais
Posicionamento radiológico punho - carpo - rotina e especiais
 
Posicionamento do membros superiores
Posicionamento do membros superioresPosicionamento do membros superiores
Posicionamento do membros superiores
 
Radiologia do tórax
Radiologia do tóraxRadiologia do tórax
Radiologia do tórax
 
13 liv rx s.p. mast oss temp 415 a 440
13  liv rx s.p. mast oss temp 415 a 44013  liv rx s.p. mast oss temp 415 a 440
13 liv rx s.p. mast oss temp 415 a 440
 
Técnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânioTécnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânio
 
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio  tabalho faculdade unigTecnicas de cranio  tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unig
 
Tc3a9cnicas radiolc3b3gicas
Tc3a9cnicas radiolc3b3gicasTc3a9cnicas radiolc3b3gicas
Tc3a9cnicas radiolc3b3gicas
 
Aula 8 incidencias
Aula 8  incidenciasAula 8  incidencias
Aula 8 incidencias
 

Semelhante a Radiografia da Bacia e Membros Inferiores

Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabularAula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabularRobson Rocha
 
Neurorradiologia anatomia e AVCI
Neurorradiologia anatomia e AVCINeurorradiologia anatomia e AVCI
Neurorradiologia anatomia e AVCIBruna Cesário
 
Seminario mmii camp coventry
Seminario mmii   camp coventrySeminario mmii   camp coventry
Seminario mmii camp coventryCristiane Dias
 
introducao atecnicas.pdf
introducao atecnicas.pdfintroducao atecnicas.pdf
introducao atecnicas.pdfWellyson Rocha
 
Avaliação Radiologica do Quadril Doloroso
Avaliação Radiologica do Quadril DolorosoAvaliação Radiologica do Quadril Doloroso
Avaliação Radiologica do Quadril DolorosoKleber Rangel
 
Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologiaBruna Silva
 
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do PunhoRotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do PunhoRobson Rocha
 
Seminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaSeminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaCristiane Dias
 
Bonumero, ombro, cingulos superiores
Bonumero, ombro, cingulos superioresBonumero, ombro, cingulos superiores
Bonumero, ombro, cingulos superioresAdilsonRibeiro30
 
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...DborahVictoy
 
Ressonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactadoRessonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactadoJiga Jose
 
Avaliação mmss apontamentos
Avaliação mmss   apontamentosAvaliação mmss   apontamentos
Avaliação mmss apontamentosRosana
 

Semelhante a Radiografia da Bacia e Membros Inferiores (20)

Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabularAula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
 
Joelho anatomia e radiologia
Joelho   anatomia e radiologiaJoelho   anatomia e radiologia
Joelho anatomia e radiologia
 
Neurorradiologia anatomia e AVCI
Neurorradiologia anatomia e AVCINeurorradiologia anatomia e AVCI
Neurorradiologia anatomia e AVCI
 
Espondilolise
EspondiloliseEspondilolise
Espondilolise
 
Listese
ListeseListese
Listese
 
Seminario mmii camp coventry
Seminario mmii   camp coventrySeminario mmii   camp coventry
Seminario mmii camp coventry
 
introducao atecnicas.pdf
introducao atecnicas.pdfintroducao atecnicas.pdf
introducao atecnicas.pdf
 
Avaliação Radiologica do Quadril Doloroso
Avaliação Radiologica do Quadril DolorosoAvaliação Radiologica do Quadril Doloroso
Avaliação Radiologica do Quadril Doloroso
 
Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologia
 
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do PunhoRotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
 
Seminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaSeminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de Escápula
 
Fracturas
FracturasFracturas
Fracturas
 
Bonumero, ombro, cingulos superiores
Bonumero, ombro, cingulos superioresBonumero, ombro, cingulos superiores
Bonumero, ombro, cingulos superiores
 
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
 
Ultrassom do manguito rotador
Ultrassom do manguito rotadorUltrassom do manguito rotador
Ultrassom do manguito rotador
 
Ressonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactadoRessonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactado
 
Avaliação mmss apontamentos
Avaliação mmss   apontamentosAvaliação mmss   apontamentos
Avaliação mmss apontamentos
 
Lesão do lcp
Lesão do lcpLesão do lcp
Lesão do lcp
 
Terminologia Radiográfica
Terminologia RadiográficaTerminologia Radiográfica
Terminologia Radiográfica
 
Terminologia Radiográfica
Terminologia RadiográficaTerminologia Radiográfica
Terminologia Radiográfica
 

Último

PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 

Radiografia da Bacia e Membros Inferiores

  • 1. B IA S O L I Pelve Ó ssea (Bacia) e M embros Inferiores Figura 15.107 Posicionamento do paciente para a radiografia da coxa em perfil interno com raios horizontais 1. Espinha ilíaca ântero-superior 2. Trocanter maior a A espinha ilíaca ântero-superior pode ser pal­ pada anteriorm ente em cada lado da pelve óssea (bacia). A articulação do quadril (coxofemoral) está localizada entre a espinha ilíaca ântero-superior e o trocanter m aior. Regras gerais para o estudo radiográfico da articulação do quadril (coxofemoral) D evem ser observadas as regras citadas no C apítulo 10. Parâm etros radiográficos ■Tipos de incidências e/ou posicionamentos Antero-posterior (AP), perfil extemo (PExc), perfil ex- tem o (PExt) —variante 1 (posição de rã), perfil exter- no (PExt) —variante 2, antero-posterior (AP) bilateral com rotação externa, antero-posterior (AP) bilate­ ral com rotação interna, antero-posterior (AP) bila­ teral com rotação interna e abdução, axiolateral ínfe- ro-superior (perfil cirúrgico) e oblíquas posteriores (Alar e Obturatriz). ■Rotina radiográfica básica A rotina para o es­ tudo radiográfico da articulação do quadril (coxo­ femoral) consiste em: antero-posterior (AP) e perfil externo (PExt). Filme radiográfico (tamanho) Pode ser usado para cada incidência o tam anho 24cm x 30cm ou 30cm x 40cm. Figura 15.108b Fatores radiográficos São os mesmos utilizados para a incidência em perfil m édio-lateral da coxa. ES T U D O R A D IO G R Á FIC O D A A R T IC U L A Ç Ã O DO Q U A D R IL (C O X O FEM O R A L) Pontos anatômicos de referência superficial da articulação do quadril (coxofemoral) São úteis para a identificação de estruturas anatômicas, facilitando a realização do exame radiográfico. Os prin­ cipais são (Fig. 15.108a e 15.108b): B O trocanter m aior pode ser palpado lateralm en­ te no 1/3 proxim al, servindo com o referência para a sínfise púbica e cabeça do fêmur; Figuras 15.108a e 108b Principais pontos anatômicos de referência superficial da articulação do quadril (coxofemoral)
  • 2. 1 ' r! Pelve Ó ssea (Bacia) e M embros Inferiores Parâm etros gerais de avaliação técnica das incidências para o exame radiográfico da articulação do quadril (coxofemoral) ■ A im agem radiográfica deve estar nítida; ■ A escala de contraste adequado é representada pela visualização do trabeculado ósseo nítido e das partes moles; ■ A identificação deve estar legível na radiografia sem superpor nenhum a parte da região anatôm ica em estudo, seguindo rigorosam ente os parâm etros convencionados. O m arcador de lado “D ” (di­ reito) ou “E ” (esquerdo) deve estar presente na ra­ diografia. Incidências e posicionamentos para o estudo radiográfico da articulação do quadril (coxofemoral) Ântero-posterior (AP) unilateral Essa incidência é usada na rotina do estudo radiográfico da articulação do quadril (coxofem oral). O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­ lização da incidência. Posição do paciente (Fig. 15.109) O paciente deve es­ tar deitado em decúbito dorsal na mesa bucky com o m em ­ bro inferior do lado a ser radiografado estendido e sem ro­ tação, com a região posterior em contato com a mesa. Figura 15.109 Posicionamento do paciente para a radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em ântero-posterior (AP) Posição da articulação do quadril (coxofemoral) do paciente O m em bro inferior do lado a ser radiografado deve estar na posição anatômica (ausência de rotação). A coxa e a articulação do quadril devem estar ali­ nhados com a linha central da mesa. Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra­ diográfico, entrando na topografia da borda superior do trocanter m aior do lado a ser radiografado. Fatores radiográficos kV = 2e + K: aproxim ado na faixa de 75kV ± 5kV mAs: aproxim ado na faixa de 30mAs ± 5mAs distância foco-film e (dFoFi): lm foco/grade: foco fino com grade m óvel (bucky) Figura 15.110a Radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em ântero-posterior (AP) Figura 15.110b Anatomia radiográfica da articulação do quadril (coxofemoral) na incidência em ântero-posterior (AP) 1. Ilio 2. Cabeça do fêmur 3. Colo do fêmur 4. Trocanter maior 5. Trocanter menor 6. Fóvea da cabeça do fêmur 7. Lágrima de Kõler (projeção do soaiho do acetábulo) 8. Borda lateral do teto do acetábulo 9. Teto do acetábulo 10. Borda acetabular posterior 369
  • 3. Técnicas Radiográficas BIASOLI Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores Parâm etros de avaliação técnica da incidência em ântero-posterior da articulação do quadril (coxofemoral) (Fig. 15.110a e 15.110b) b O espaço articular do quadril deve aparecer bem visível; ■ D eve constar na radiografia o 1/3 proxim al do fê­ m ur, o acetábulo e partes adjacentes do ílio, ísquio e púbis. Ântero-posterior (AP) bilateral Essa incidência é usada na rotina do estudo radiográfico das articulações dos quadris (coxofemorais). O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­ lização da incidência. Posição do paciente (Fig. 15.111) O paciente deve estar em decúbito dorsal na mesa bucky com os m em ­ bros inferiores estendidos e posicionados com a região posterior apoiada na mesa. Os m em bros inferiores de­ vem estar na posição anatôm ica (ausência de rotação). Figura 15.111 Posicionamento do paciente para a radiografia das articulações dos quadris (coxofemorais) em ântero-posterior (AP) Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra­ diográfico, entrando na região anterior, na m etade da distância entre as bordas superiores dos trocanteres maiores. Fatores radiográficos (Fig. 15.112) São os mesmos utilizados para a incidência em ântero- posterior da articulação do quadril (coxofem oral). Perfil externo (PExt) Incidência denom inada perfil m édio-lateral ou perfil uretral que é usada na rotina do estudo radiográfico da articulação do quadril (coxofemoral). O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­ lização da incidência. Posição do paciente (Fig. 15.113) O paciente deve estar posicionado na mesa bucky em ligeira oblíqua pos­ terior, do lado a ser radiografado. Figura 15.113 Posicionamento do paciente para a radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em perfil externo O m em bro inferior do lado a ser radiografado deve estar em contato com a mesa, em perfil e flexionado de maneira que a perna forme um ângulo de 90° com a coxa. O m em bro inferior contralateral deve estar estendido. Posição da coxa do paciente O colo do fêm ur a ser radiografado deve estar alinhado com a linha central da mesa bucky. Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra­ diográfico, entrando no colo do fêmur. Fatores radiográficos kV = 2e + K: aproxim ado na faixa de 75kV ± 5kV mAs: aproxim ado na faixa de 20mAs ± 4mAs distância foco-film e (dFoFi): lm foco/grade: foco fino com grade m óvel (bucky) Parâm etros de avaliação técnica da incidência em perfil externo da articulação do quadril (coxofemoral) (Fig. 15.114a e 15.114b) Figura 15.112 Radiografia das articulações dos quadris (coxofemorais) em ântero-posterior b O trocanter m aior parecerá superposto à m aior parte do colo do fêm ur; b A cabeça do fêm ur assim com o a articulação do quadril são bem visualizadas. 370
  • 4. V Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores a r t i c u l a ç ã o d o q u a d r i l (c o x o f e m o r a l ) Figura 15.114a Radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em perfil médio-lateral Figura 15.114b Anatomia radiográfica da articulação do quadril (coxofemoral) na incidência em perfil médio-lateral 1. ilio 2. Cabeça do fêmur 3. Trocanter maior 4. Trocanter menor 5. Teto do acetábulo 6. Espinha isquiática Perfil externo (PExt) - variante 1 - unilateral Tam bém denom inada incidência de Low enstein, D u- croquet, ou de rã, é utilizada com o uma opção ao perfil externo da articulação do quadril (coxofemoral). O paciente deve perm anecer imóvel durante a rea­ lização da incidência. Posição do paciente (Fig. 15.115) O paciente deve estar posicionado em decúbito dorsal na mesa bucky. O m em bro inferior do lado a ser radiografado deve ser flexionado de m aneira que a perna forme um ângulo de 90° com a coxa. Abduzir (rodar lateralm ente) o m em bro inferior a ser radiografado, de maneira que a coxa form e um ângulo de aproxim adam ente 45° com a Figura 15.115 Posicionamento do paciente para a radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em perfil externo (Lowenstein) superfície da mesa. O m em bro inferior contralateral deve estar estendido. Posição da coxa do paciente O colo do fêm ur a ser radiografado deve estar alinhado com a linha central da mesa bucky. Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra- diográfico, entrando no colo do fêm ur. Fatores radiográficos São os mesmos utilizados na incidência em perfil exter­ no da articulação do quadril (coxofemoral). Perfil externo (PExt) - variante 1 - bilateral T am bém denom inada incidência de Lowenstein, D u- croquet ou de rã, bilateral. O paciente deve perm anecer imóvel durante a rea­ lização da incidência. Posição do paciente (Fig. 15.116) O paciente deve estar posicionado em decúbito dorsal na mesa bucky, com o plano m édio sagital alinhado com a linha central da mesa. Os m em bros inferiores devem ser flexionados de m aneira que as pernas form em um ângulo de 90° com as respectivas coxas. A bduzir (rodar lateralm ente) os m em bros inferiores, de m aneira que as coxas form em um ângulo de aproxim adam ente 45° com a superfície da mesa. L 371
  • 5. T écnicas Radiográficas B I A S O L I Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores Figura 15.116 Posicionamento do paciente para a radiografia das articulações dos quadris (coxofemorais) em perfil externo (Lowenstein) Raio central (RC) Incide perpendicular ao filme radio- gráfico, entrando na topografia dos colos femorais. Fatores radiográficos (Fig. 15.117) São os mesmos utilizados na incidência em perfil exter­ no da articulação do quadril (coxofemoral). Figura 15.117 Radiografia das articulações dos quadris (coxofemorais) em perfil externo (Lowenstein) Perfil externo (PExt) - variante 2 É utilizada com o um a opção ao perfil externo da articu­ lação do quadril (coxofemoral). O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­ lização da incidência. O m em bro inferior do lado a ser radiografado deve estar estendido e apoiado com a sua superfície lateral externa na mesa. O m em bro inferior do lado oposto deve ser posicionado de m aneira a não superpor a re­ gião a ser radiografada. Posição da coxa do paciente O colo do fêm ur a ser radiografado deve estar alinhado com a linha central da mesa bucky. Raio central (RC) Incide com inclinação cefálica de aproxim adam ente 20° no centro do períneo (colo fe- m oral). Fatores radiográficos São os mesmos utilizados na incidência em perfil m é- dio-lateral da articulação do quadril (coxofem oral). Ântero-posterior (AP) bilateral com rotação externa Essa incidência é usada com o com plem entar no estudo radiográfico das articulações dos quadris (coxofemorais). O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­ lização da incidência. Posição do paciente (Fig. 15.119) O paciente deve estar em decúbito dorsal na mesa bucky com os m em ­ bros inferiores estendidos e posicionados com a região posterior apoiada na mesa. O plano m édio sagital do pa­ ciente deve estar alinhado com a linha central da mesa. Posição das coxas do paciente Os m em bros inferio­ res devem ser rodados externam ente (rotação lateral), sem abdução. Posição do paciente (Fig. 15.118) O paciente deve estar posicionado em decúbito lateral (do lado a ser ra­ diografado) na mesa bucky. Figura 15.118 Posicionamento do paciente para a radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em perfil externo - variante 2 Figura 15.119 Posicionamento do paciente para a radiografia das articulações dos quadris (coxofemorais) em ântero-posterior com rotação externa 372
  • 6. Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores a r t i c u l a ç ã o d o q u a d r i l (c o x o f e m o r a l ) ) ó ío Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra- diográfico, entrando na região anterior, na m etade da distância entre as bordas superiores dos trocanteres maiores. Fatores radiográficos (Fig. 15.120) São os mesmos utilizados para a incidência em ântero- posterior da articulação do quadril (coxofemoral). Figura 15.120 Radiografia das articulações dos quadris (coxofemorais) com rotação externa em ântero-posterior Àntero-posterior (AP) bilateral com rotação interna Essa incidência é usada com o com plem entar no estudo radiográfico das articulações dos quadris (coxofemorais). O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­ lização da incidência. Posição do paciente (Fig. 15.121) O paciente deve estar em decúbito dorsal na mesa bucky com os mem bros inferiores estendidos e posicionados com a região poste­ rior apoiada na mesa. O plano médio-sagital do paciente deve estar alinhado com a linha central da mesa. Posição das coxas do paciente Os m em bros inferio­ res devem ser rodados internam ente (rotação medial), sem abdução. Figura 15.121 Posicionamento do paciente para a radiografia das articulações dos quadris (coxofemorais) com rotação interna em ântero-posterior Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra­ diográfico, entrando na região anterior, na m etade da distância entre as bordas superiores dos trocanteres m aiores. Fatores radiográficos (Fig. 15.122) São os mesmos utilizados para a incidência em ântero- posterior da articulação do quadril (coxofem oral). Figura 15.122 Radiografia das articulações dos quadris (coxofemorais) com rotação interna em ântero-posterior Ântero-posterior (AP) bilateral com rotação interna e abdução T am bém denom inada incidência de Van R osen, é usa­ da com o com plem entar no estudo radiográfico das arti­ culações dos quadris (coxofemorais). O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­ lização da incidência. Posição do paciente (Fig. 15.123) O paciente deve estar ein decúbito dorsal na mesa bucky com os m em ­ bros inferiores estendidos e posicionados com a região posterior apoiada na mesa. O plano m édio sagital do pa­ ciente deve estar alinhado com a linha central da mesa. Posição das coxas do paciente Os m em bros inferio­ res devem ser rodados internam ente (rotação medial) e abduzidos (afastados) sim etricam ente de maneira que form em um ângulo aproxim ado de 45°. Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra­ diográfico, entrando na região anterior, na topografia das bordas superiores dos trocanteres maiores. Figura 15.123 Posicionamento do paciente para a radiografia das articulações dos quadris (coxofemorais) com rotação interna e abdução em ântero-posterior 373 L l
  • 7. T écnicas Radiográficas E8ASDLS Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores Fatores radiográficos São os mesmos utilizados para a incidência em ântero- posterior da articulação do quadril (coxofemoral). Axiolateral ínfero-superior Tam bém denom inada incidência de perfil cirúrgico, ou de Danelius M iller, é usada com o com plem entar no estudo radiográfico das articulações dos quadris (coxo­ femorais); geralm ente no centro cirúrgico, nas cirurgias de colo do fêmur. O paciente deve perm anecer imóvel durante a rea­ lização da incidência. Posição do paciente (Fig. 15.124) O paciente deve estar em decúbito dorsal na mesa bucky (ou mesa cirúr­ gica), com o m em bro inferior do lado a ser radiografado estendido e apoiado na mesa. O m em bro inferior do lado oposto deve ser posicionado de maneira a não su­ perpor a região a ser radiografada, geralm ente mais ele­ vado. O chassi deve ser posicionado na crista ilíaca do lado a ser exam inado, de m aneira que fique perpendi­ cular ao raio central. Raio central (RC) Incide perpendicular ao film e ra­ diográfico, entrando no centro do períneo. Fatores radiográficos kV = 2e + K: aproxim ado na faixa de 70kV ± 5kV mAs: aproxim ado na faixa de 40mAs ± 5mAs distância foco-film e (dFoFi): lm foco/grade: foco fino sem grade m óvel (bucky) Parâmetro de avaliação técnica da incidência em axiolateral ínfero-superior da articulação do quadril (coxofemoral) (Fig. 15.125a e 15.125b) ■ A cabeça e o colo do fêm ur apresentam boa defi­ nição. Oblíqua posterior - Alar Tam bém denom inada incidência d eju d et, oblíqua ân­ tero-posterior, ou alar, é usada com o com plem entar no estudo radiográfico da articulação do quadril (coxofe­ moral). O paciente deve perm anecer imóvel durante a rea­ lização da incidência. Figura 15.124 Posicionamento do paciente para a radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em axiolateral ínfero-superior Figura 15.125a Radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em axiolateral ínfero-superior Posição do paciente (Fig. 15.126) O paciente deve estar deitado em decúbito dorsal na mesa bucky. R odar o paciente para o lado a ser radiografado de m aneira que a região dorsal form e um ângulo de apro­ xim adam ente 45° com a superfície da mesa (oblíqua posterior). O m em bro in ferio r do lado a ser ra d io ­ grafado deve estar flexionado e o contralateral es­ tendido. Posição da coxa do paciente O colo do fêm ur do lado a ser radiografado deve estar alinhado com a linha central da mesa bucky. Figura 15.125b Anatomia radiográfica da articulação do quadril (coxofemoral) na incidência em axiolateral ínfero-superior 1. Cabeça do fêmur 2. Colo do fêmur 374
  • 8. pb > r f ) i ( ) ( ) O n ) Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores a r t i c u l a ç ã o d o q u a d r i l ÍO o o ( ) (.) ) !< ) ) í< ) ) ) jO jo ;{ ) O ) O o o ( ) (_> <) o o o o o o { ) o o (.) (.) o Figura 15.126 Posicionamento do paciente para a radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em oblíqua posterior -A la r Raio central (RC) Incide p erp en d icu lar ao film e ra­ diográfico en tran d o cerca de 5cm adiante e abaixo da espinha ilíaca â n te ro -su p e rio r do lado oposto (le­ vantado). Figura 15.127a Radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em oblíqua ântero-posterior - Alar Figura 15.127b Anatomia radiográfica da articulação do quadril (coxofemoral) na incidência em oblíqua ântero-posterior - Alar 1. Ili0 2. Cabeça do fêmur 3. Trocanter maior 4. Trocanter menor 5. Teto do acetábulo 6. Espinha isquiática Fatores radiográficos kV — 2e + K: aproxim ado na faixa de 75kV ± 5kV mAs: aproxim ado na faixa de 30mAs ± SniAs distância foco-film e (dFoFi): lm foco/grade: foco fino com grade móvel (bucky) Parâm etros de avaliação técnica da incidência em oblíqua ântero-posterior-A lar da articulação do quadril (coxofemoral) (Fig. 15.127a e 15.127b) ■ O ílio aparece bem dem onstrado na radiografia; ■ A porção inferior e a borda anterior do acetábulo aparecem bem dem onstrados na radiografia. Oblíqua posterior - Obturatriz Tam bém denom inada incidência de Judet, oblíqua ântero-posterior, ou obturatriz, é usada com o com ple­ m entar no estudo radiográfico da articulação do quadril (coxofemoral). O paciente deve perm anecer im óvel durante a rea­ lização da incidência. Posição do paciente (Fig. 15.128) O paciente deve estar deitado em decúbito dorsal na mesa bucky com os m em bros inferiores estendidos e posicionados com a região posterior apoiada na mesa. R odar o paciente para o lado oposto a ser exam ina­ do de m aneira que a região dorsal forme um ângulo de aproxim adam ente 45° com a superfície da mesa (oblí­ qua posterior). O lado a ser exam inado fica mais afas­ tado da superfície da mesa. O m em bro inferior do lado a ser exam inado deve ficar estendido e o contralateral, flexionado. Figura 15.128 Posicionamento do paciente para a radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em oblíqua posterior - Obturatriz 375 (COXOFEMORAL)
  • 9. Técnicas Radiográficas B I A S O L I Pelve Óssea (Bacia) e Membros Inferiores Figura 15.129a Radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em oblíqua ântero-posterior - Obturatriz Figura 15.129b Anatomia radiográfica da articulação do quadril (coxofemoral) na incidência em oblíqua ântero-posterior - Obturatriz 1. ílio 2. Ramo superior do púbis 3. Ramo do ísquio 4. Forame obturado 5. Cabeça do fêmur 6. Colo do fêmur 7. Trocanter maior 8. Teto do acetábulo Raio central (RC) Incide perpendicular ao filme radio- gráfico, entrando cerca de 5cm abaixo da espinha ilíaca ântero-superior do lado a ser radiografado (levantado). Fatores radiográficos kV = 2e + K: aproxim ado na faixa de 75kV ± 5kV mAs: aproxim ado na faixa de 30mAs ± 5mAs distância foco-film e (dFoFi): lm foco/grade: foco fino com grade m óvel (bucky) Parâm etros de avaliação técnica da incidência em oblíqua ântero-posterior - Obturatriz da articulação do quadril (coxofemoral) (Fig. 15.129a e 15.129b) ■ A porção superior e a borda posterior do acetábu­ lo aparecem bem dem onstrados na radiografia; a O forame obturado aparece bem aberto, sem su­ perposições. Figuras 15.130a e 15.130b Principais pontos anatômicos de referência superficial da pelve óssea (bacia) 1. Espinha ilíaca ântero-superior 2. Trocanter maior E S T U D O R A D IO G R Á FIC O D A P E L V E Ó S S E A (BA CIA ) Pontos anatôm icos de referência superficial da pelve óssea (bacia) São úteis para a identificação de estruturas anatômicas, facilitando a realização do exame radiográfico. Os p rin­ cipais são (Fig. 15.130a e 15.130b): ■O trocanter m aior pode ser palpado lateralm en­ te no 1/3 proxim al, servindo com o referência para a sínfise púbica e cabeça do fêmur; ■A espinha ilíaca ântero-superior pode ser pal­ pada anteriorm ente em cada lado da pelve óssea (bacia). A articulação do quadril (coxofemoral) está localizada entre a espinha ilíaca ântero-superior e o trocanter maior. Figura 15.130b