SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Desenvolvida por Docentes do Curso de Radiologia.
POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS DE
CRÂNIO E FACE
2
2 MÓDULO TURMA 14 A MANHA
Aula 2
Critérios de Avaliação SLIDES 2
Conteúdo desta aula
PROF. EDMILSON RODRIGUES PORCINE
3
4

Recomendado para você

Slides sobre o manuseio do arco em c.
Slides sobre o manuseio do arco em c.Slides sobre o manuseio do arco em c.
Slides sobre o manuseio do arco em c.

Apresentação feita com o intuito de auxiliar os profissionais que operam o Arco em C pelos hospitais do Brasil.

TC de tórax janela de mediastino
TC de tórax  janela de mediastinoTC de tórax  janela de mediastino
TC de tórax janela de mediastino

O documento discute a janela de mediastino em tomografia computadorizada de tórax, apresentando imagens das principais estruturas do mediastino como as artérias supra-aórticas, a aorta ascendente e descendente, e realizando identificação destas estruturas em imagens de exames de TC.

tomografia computadorizada de traxradiologiajanela de mediastino
Tomografia posicionamento
Tomografia posicionamentoTomografia posicionamento
Tomografia posicionamento

O documento descreve vários posicionamentos de pacientes para tomografia, incluindo posicionamento de crânio, coluna cervical, coluna dorsal e coluna lombar. Ele discute a importância de alinhar corretamente o paciente com as linhas de referência e evitar movimentos e artefatos durante o exame. Alternativas de posicionamento são fornecidas para pacientes com limitações físicas.

5
ABREVIATURAS OPERACIONAIS
AP Anteroposterior
CH Chassi
CAE CONDUTO AUDITIVO EXTERNO
DD Decúbito Dorsal
DFOFI Distância Foco-Filme
DFO Distância Foco-Objeto
DL Decúbito lateral
DV Decúbito ventral
EIAS Espinha ilíaca ântero superior
LAM Linha acantomeatal
LCE Linha central da estativa
LCM – Linha central da mesa
LGA – Linha glabeloalveolar
LGM – Linha glabelomeatal
LIOM – Linha infra-oritomeatal
LIP – Linha interpupilar
LLM - Linha lábio meatal
LMM – Linha mentomeatal
LOM – Linha orbitomeatal
MAE- Meato Acustico externo
MAI – Meato acústico interno
MID – Membro inferior direito
MIE – Membro inferior esquerdo
MIO – Margem infra – orbitária
MMII – Membros inferiores
MMSS – Membros superiores
MSE – Membros superiores esquerdo
MSD – Membros superiores direitos
MSO – Margem supra-orbitária
OAD – Oblíqua anterior direita
OAE – Oblíqua anterior esquerda
OPD – Oblíqua posterior direita
OPE – Oblíqua posterior esquerda
PA – Posterior Anterior
PMS – Plano médio sagital
PVO- plano vertical do ouvido
PHA- perpendicular ao plano da mesa
RC – Raio central
RE – Rotação externa
RI – Rotação interna
SSO – Sulco supra-orbital
TIO – Topo da inserção da orelha
6
PVO – Plano vertical do ouvido ou linha médio coronal: divide o crânio em partes anteriores e
posteriores;
LGM – Linha glabelo meatal: refere-se a uma linha entre a glabela e o meato acústico externo;
LOM – Linha orbito meatal: localiza-se entre o canto externo do olho e o MAE (meato acústico
externo)
LIOM – Linha infra-orbitomeatal ou linha da base de REID: Liga a parte inferior da órbita ao
meato acústico externo; MAE
LAM – Linha acântiomeatal: Liga o acântio ao meato acústico externo;MAE
LMM – Linha Mentomeatal: São linhas formadas pela conexão do ponto mentoniano ao meato
acústico externo; MAE
PMS – Plano médio sagital: Divide o crânio em duas partes esquerda e direita) É importante no
posicionamento preciso do crânio;
LIP – Linha interpupilar: É a linha que liga os dois canto dos olhos;
Chamberlain: É a linha que liga o palato duro a base do osso occipital;
LLM – Linha libiomeatal: É a linha da junção dos lábios com MAE;
LGA – Linha Glabeloaoveolar: É a linha que liga a glabela a um ponto na região anterior do
processo aoveolar do maxilar;
LSOM – Linha supero obitomeatal: É a linha que liga o teto da órbita ao meato acústico exte7rno;
CONSIDERAÇÕES SOBRE O POSICIONAMENTO
As incidências do crânio ou da face podem ser obtidas com o paciente em decúbito
dorsal ou ortostática, dependendo da condição do paciente e do interesse no exame.
A posição ortostática permite que o paciente seja rápido e facilmente posicionado e
faz com que um feixe horizontal possa ser usado. Um feixe horizontal é necessário
para visualizar quaisquer níveis hidroaéreos existentes nos seios da face.
A movimentação do paciente quase sempre resulta em uma imagem insatisfatória.
Durante a radiografia de crânio ou da face, a cabeça do paciente tem de ser colocada
nas posições precisas e mantida imóvel por tempo suficiente para obter uma
exposição.
Todo esforço deve ser feito para deixar o corpo do paciente o mais confortável
possível.
8

Recomendado para você

EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICAEXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

O documento fornece informações sobre exames de ressonância magnética, incluindo preparação para exames, posicionamento do paciente, programação dos exames, anatomia relevante e diferentes tipos de exames estruturais e funcionais.

rm
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do TóraxTomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax

O documento discute as aplicações e técnicas da tomografia computadorizada de tórax, incluindo a detecção de patologias pulmonares e mediastinais, o uso de meios de contraste e cortes axiais para exames de anatomia.

patologias do toraxtomografia do tóraxtomografia do pulmao
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio  tabalho faculdade unigTecnicas de cranio  tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unig

Este documento fornece uma revisão da anatomia do crânio e dos ossos da face para fins de radiografia. Ele discute pontos anatômicos importantes, incidências radiográficas comuns e possíveis achados em diferentes condições patológicas.

radiologiacranioincidencia de cranio
9
As radiografias de crânio e face são realizadas utilizando padrões de
posicionamento semelhantes, porém, específicos para cada região a ser
estudada. As indicações podem ser desde fraturas e luxação das ATMs até
avaliação das estruturas aeradas dos seios paranasais. Para um correto
posicionamento o profissional técnico em radiologia deve centralizar e
alinhar o usuário conforme a recomendação fornecida em cada uma das
incidências e posicionar o centro geométrico do feixe colimado (ou ponto
central) coincidindo com o centro do receptor de imagens (RI)
10
Abordagem ao Usuário
Após receber a requisição do exame, o técnico em radiologia deverá organizar
a sala e todos os objetos que serão utilizados para execução do mesmo. O
próximo passo será chamar o usuário, pelo nome completo e certificar-se de
que ele é realmente a pessoa que irá sofrer tal procedimento, pois, é
relativamente comum, situações de homônimos e trocas de exames. Todos os
usuários devem ser tratados de forma cordial e serem informados sobre os
procedimentos que serão realizados. A anamnese faz parte do processo inicial.
Ela consiste em um conjunto de perguntas predefinidas que permitirão ao
técnico e ao médico radiologista saber o motivo do exame, se o paciente já
sofreu alguma cirurgia na região de interesse, se teve alguma queda recente
ou algum trauma, se pratica algum esporte, entre outras questões relevantes
para o exame, que irão gerar informações importantes para os profissionais
envolvidos na execução do exame e laudo do mesmo.
11
•Exames Radiográficos de Crânio e Face:
As radiografias apresentam informações de objetos tridimensionais em um plano
bidimensional, portanto, é comum utilizar no mínimo duas incidências diferentes
para o estudo adequado da estrutura. Por exemplo, em posição anteroposterior e
em lateral. A escolha correta de tais incidências é feita pelo médico, de acordo
com protocolos de exames.
12
PLANOS
• Plano sagital: (lat. sagitta= flecha, seta) é o plano anatómico que divide o corpo humano em metades esquerda e direita. Passa por vários
pontos anatómicos entre os quais nariz, umbigo, centro de gravidade e sínfise púbica e cai num espaço livre entre calcanhares.
A partir do plano medial, qualquer plano paralelo à esquerda ou à direita - do medial - é considerado "plano sagital"
O corte sagital também pode ser chamado de corte vertical. Interpenetra o corte coronário, como uma flecha que trespassa o corpo.
O corte sagital é denominado assim devido à saggita (que significa seta) do crânio fetal. É representado pelos espaços suturais medianos de direção
anteroposterior
• Plano coronal: ou plano frontal é um dos tipos de planos anatômicos, dividindo o corpo com cortes verticais e perpendiculares ao plano
mediano. Assim é possível definir a parte ventral/anterior (frente) da parte dorsal/posterior (costas). É usado para dividir diversos órgãos e para
indicar a direção do ponto de vista de uma imagem (por exemplo, um plano frontal pode ser feito no hipotálamo para indicar qual parte fica em
direção ao rosto, rostral, e qual fica em direção a nuca, caudal.)
• Plano biauricular: plano frontal (coronal) mediano que passa pelos poros acústicos externos dividindo a cabeça nas partes anterior e
posterior.
•Plano infra-orbitomeatal: Também conhecido como plano horizontal alemão, plano antropológico, ou plano de Frankfurt. É um plano
horizontal perpendicular aos planos frontal (coronal) e sagital, que vai da borda inferior das órbitas ao teto dos poros acústicos externos,
dividindo a cabeça em partes superior e inferior.
•Plano orbitomeatal ou plano meatorbitária: Também denominado plano horizontal americano, é um plano que vai dos poros
acústicos externos às bordas externas das órbitas. Forma um ângulo aproximado de 12º com o plano infra-orbitomeatal (plano
horizontal alemão

Recomendado para você

protocolos de tomografia geral tc protocolos G E R A L CORPO TOO.pdf
protocolos de tomografia geral tc protocolos  G E R A L CORPO TOO.pdfprotocolos de tomografia geral tc protocolos  G E R A L CORPO TOO.pdf
protocolos de tomografia geral tc protocolos G E R A L CORPO TOO.pdf

O documento descreve os principais parâmetros técnicos de tomografia computadorizada, incluindo espessura de corte, incremento, kilovoltagem, mAs, algoritmos, campo de visão e janelas. Também aborda aspectos de segurança, cuidados pré-exame, uso de contraste e protocolos para exames de crânio rotineiro e com lesões cerebrais.

radiologia / pediatria
Técnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânioTécnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânio

Este documento fornece instruções sobre posicionamentos radiográficos para visualizar diferentes estruturas anatômicas do crânio e face. São descritos posicionamentos para visualizar a calota craniana, sela túrcica, ossos da face, mandíbula e seios da face. Fornece detalhes sobre a posição do paciente, ângulo do raio central e estruturas que podem ser visualizadas em cada incidência.

ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADAESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

Descreve o protocolo do "ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA", utilizado na maioria dos serviços do Estado do Rio Grande do Sul.

x-ray computed tomography
PLANOS
Introdução
anatômicas
ao estudo do crânio - considerações
Introdução
anatômicas
ao estudo do crânio – considerações
O crânio ósseo envolve o cérebro e é dividido em 8 ossos.
A base do crânio é a região mais complexa, e apresenta
problemas especiais para o tecnólogo, particularmente na
demonstração dos ossos temporais.
Os oito ossos cranianos são:
1. Frontal
2. Parietal direito
3. Parietal esquerdo
4. Occipital
5. Temporal direito
6. Temporal esquerdo
7. Esfenoide
8. Etmoide
Anatomia do crânio - vista frontal.
13
Articulações
O osso frontal articula-se com quatro ossos cranianos: parietais direito e esquerdo, esfenoide e
etmoide.
Cada osso parietal articula-se com cinco ossos cranianos: o frontal, o occipital, o temporal, o
esfenoide e o parietal oposto.
Cada osso temporal articula-se com três ossos cranianos: um parietal, o occipital e o esfenoide.
Devido à sua localização central, o esfenoide articula-se com todos os sete outros ossos cranianos.
O etmoide articula-se com dois ossos cranianos: o frontal e o esfenoide.
O occipital se articula com seis ossos: dois parietais, dois temporais, o esfenoide e o atlas.
A Sela Turca em uma posição lateral, tem aparência similar à uma sela (montaria de cavalo) *
15

Recomendado para você

Mielografia
MielografiaMielografia
Mielografia

- A Mielografia é um exame radiológico que utiliza um meio de contraste injetado na medula espinhal para visualizar possíveis patologias, como hérnias de disco ou tumores. - Originalmente, era um procedimento realizado apenas em casos especiais, mas atualmente é de rotina com o avanço tecnológico. Contudo, vem sendo substituído por tomografia computadorizada e ressonância magnética em muitos casos. - O documento descreve detalhadamente os equipamentos, procedimentos e técnic

APOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIAAPOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIA

A tomografia computadorizada funciona capturando múltiplas projeções de raios-X através do corpo de diferentes ângulos e usando um computador para combiná-las em imagens transversais de alta resolução sem sobreposição de estruturas. Ela fornece imagens detalhadas dos órgãos e tecidos que podem ajudar no diagnóstico de diversas doenças. Embora use radiação, a dose é baixa e controlada, tornando o exame seguro. A tomografia computadorizada é amplamente utilizada no mundo devido

tomografia
Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome

O documento fornece informações sobre tomografia computadorizada do abdome, incluindo preparo do paciente, protocolos de varredura, contraste, terminologia e achados comuns. Resume os principais pontos da técnica de TC do abdome como preparo do paciente, posicionamento, protocolos de varredura, contraste e achados patológicos.

abdome tomografiatc abdometc abdomen
Crânio: Articulações – Suturas
A sutura coronal: separa o osso frontal dos dois parietais.
A sutura sagital: separa os dois ossos parietais na linha média.
A sutura lambdoide: separa os dois parietais do osso occipital.
A sutura escamosa: é formada pela junção inferior de cada osso parietal com o respectivo osso temporal.
Cada terminação da sutura sagital é identificada como um ponto ou área com um nome específico.
A terminação anterior da sutura sagital é chamada bregma, e a posterior é chamada de lambdoide.
Suturas do crânio
16
Crânio Infantil
A ossificação dos ossos cranianos está incompleta ao nascimento.
As suturas são espaços cobertos por membranas que se preenchem logo após o nascimento. Existem certas
regiões onde as suturas se encontram são mais lentas em sua ossificação, e elas são denominadas fontanelas.
As próprias suturas cranianas geralmente não se fecham por completo antes dos 12 ou 13 anos, e algumas podem
não se fechar completamente até a idade adulta.
Fontanelas
Na fase precoce da vida, o bregma e o lambda são orifícios cobertos por membrana ou "pontos moles”,
denominados fontanelas (FIG. 5) anterior e posterior em uma criança pequena.
Suturas cranianas infantis e fontanelas Suturas cranianas infantis - vista lateral.
17
18
19

Recomendado para você

Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)

O documento fornece uma introdução à terminologia radiológica básica, incluindo termos de posicionamento, incidências, planos anatômicos e critérios de avaliação de qualidade de imagem. Ele descreve os procedimentos radiológicos simplificados e fornece detalhes sobre como identificar corretamente radiografias.

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)

O documento descreve a tomografia computadorizada e como funciona, incluindo suas aplicações na visualização anatômica não invasiva, estadiamento de câncer e biópsias guiadas. Explica os principais componentes de um tomógrafo computadorizado e como as imagens são adquiridas e reconstruídas em diferentes planos.

tomographytomografia computadorizadaangiografia por tc
Tomografia trabalho
Tomografia trabalhoTomografia trabalho
Tomografia trabalho

Obrigado por compartilhar esses detalhes técnicos importantes sobre tomografia de ouvido e crânio. Esses procedimentos requerem precisão para fornecer imagens diagnósticas valiosas.

20
CRÂNIO PA
Paciente Decúbito ventral, braços para cima com as mãos na altura da cabeça. Pode ser
realizado em Ortostático .
Apoiar (a fronte) e o nariz do paciente na mesa ou estativa .Flexionar o pescoço para alinhar a LOM
perpendicularmente ao filme.
Alinhar o plano mediossagital perpendicularmente ao filme para evitar rotação e inclinação da
cabeça.
RC:O raio central é perpendicular ao RI (paralelo à LOM) e é centralizado para sair na glabela.
DFR mínima − 102 cm
Tamanho do RI − 24 × 30 cm, longitudinal panorâmico.
Grade(Buck)
Analógico − alcance de 70 a 80 kV
Sistemas digitais − alcance de 80 a 85 Kv
identificação lado direito
Respiração Prender a respiração durante a exposição.
Anatomia Demonstrada
Osso frontal, crista galli, canais auditivos internos, seios frontal e etmoidal anterior, cristas
petrosas, asas maior e menor do esfenoide e dorso da sela.
CRÂNIO AP
Paciente em ortostática ou decúbito dorsal Inicia-se apoiando a região occipital contra o
tampo da mesa. Os braços devem estar ao lado do corpo.
Abaixar o queixo, trazendo a linha orbitomeatal (LOM) perpendicular ao
filme.
Alinhar o plano mediossagital perpendicular à mesa, evitando a rotação e/ou inclinação
da cabeça
RC:O raio central é perpendicular ao RI (paralelo à LOM) e é centralizado para entrar na glabela.
DFR mínima − 102 cm
Tamanho do RI − 24 × 30 cm, longitudinal panorâmico.
Grade(Buck)
Analógico − alcance de 70 a 80 kV
Sistemas digitais − alcance de 80 a 85 Kv
identificação lado direito
Respiração Prender a respiração durante a exposição.
Anatomia Demonstrada
Visualização : Osso Frontal e Calota craniana
CRANIO PERFIL
Paciente em ortostática ou decúbito ventral.
Colocar a cabeça em uma posição lateral verdadeira
com o lado de interesse mais próximo do chassi (RI), Conferir se o paciente não esta rodado
,verificando se a Glabela e a protuberância occipital estão na mesma distancia da mesa de exame ou
estativa .Ajustar o queixo para trazer a LIOM perpendicular à borda frontal do chassi
Para visualizar o lado direito coloque o braço esquerdo a frente do rosto, abaixar o braço direito junto
ao corpo e vice versa.
RC: perpendicular, entrando 5 cm acima do MAE (meato acústico interno ),saindo no centro do chassi.
Fatores técnicos
DFR mínima − 102 cm
Tamanho do RI − 24 × 30 cm, transversalmente
Grade(Buck)
Analógico − alcance de 60 a 70 kV
Sistemas digitais − alcance de 70 a 80 Kv
identificação lado direito
Respiração Prender a respiração durante a exposição
Obs: Instruir o paciente a interromper a respiração na hora do disparo.
Anatomia Demonstrada
Todo o crânio visualizado e ossos parietais do crânio sobrepostos. Toda a sela túrcica, incluindo os
processos clinoide anterior e posterior e o dorso da sela, também está

Recomendado para você

Aula 8 incidencias
Aula 8  incidenciasAula 8  incidencias
Aula 8 incidencias

O documento discute diferentes tipos de incidências radiológicas, incluindo incidências de rotina e complementares. Ele explica que as incidências de rotina são comumente usadas em todos os pacientes e incluem projeções como AP, PA e perfil, enquanto as incidências complementares são usadas para melhor visualizar áreas específicas ou patologias. Além disso, o documento fornece detalhes sobre as incidências apropriadas para diferentes partes do corpo como tórax, mãos, cotovelos e coluna.

Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoesAnatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes

Este documento fornece um resumo da anatomia radiológica e propedêutica por imagem das afecções cranianas. Ele discute os principais métodos de imagem como radiografia convencional, tomografia computadorizada, ressonância magnética e angiografia e fornece exemplos de patologias visualizadas por cada método.

Roteiro de Anatomia da UFJF
Roteiro de Anatomia da UFJFRoteiro de Anatomia da UFJF
Roteiro de Anatomia da UFJF

O documento descreve os principais ossos e estruturas do crânio humano, incluindo sua terminologia anatômica, partes do neurocrânio e viscerocrânio, ossos que formam a face, órbita ocular, base e calvária do crânio, mandíbula e pontos antropométricos.

anatomia ufjf roteiro
INCIDENCIA POSTEROANTERIOR AXIAL: SERIES CRANIAIS MÉTODO DE HAAS
Remover todos os objetos metálicos ou de plástico da cabeça e do pescoço do paciente. Realizar a
radiografia com o paciente na posição ereta ou prona.
• Apoiar o nariz do paciente e testar contra a superfície da mesa/dispositivo de imagem.
• Flexionar o pescoço, trazendo a LOM perpendicular ao RI.
• Alinhe o PSM ao RC e à linha média da grade ou mesa/superfície do dispositivo de imagem.
• Certifique-se da ausência de rotação ou inclinação (PSM perpendicular ao RI).
• RC: Angular o RC a 25° cefálicos para a LOM.
• Centralizar para o PSM para passar pelo nível do MAE e sair aproximadamente 4 cm superior ao násio.
• Centralizar RI ao RC projetado.
Fatores técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 24 × 30 cm, longitudinal
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 80 a 85 kV
Respiração Prender a respiração durante a exposição.
Anatomia Demonstrada
• Osso occipital, pirâmides petrosas e forame magno são demonstrados, com o dorso da sela e o
processos clinóides posteriores visualizados na sombra do forame magno.
INCIDENCIA PARA PROCESSO ESTILÓIDE DO TENPORAL 20º
Paciente em DD com o PMS perpendicular na LCM, PVO(Plano vertical do
ouvido) paralelo ao plano da mesa. RC: Angulado 20º Podálico , entrando
na Glabela .
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 18 × 24 ou 24x30 cm, longitudinalmente
• grade
• Analógico − alcance de 60 a 70 kV
• Sistemas digitais − alcance de 70 a 80 Kv
Identificaçao do lado direito
Obs: Instruir o paciente a interromper e respiração no disparo do raio x.
OBJETIVO: Avaliar, radiograficamente, a prevalência de alterações
morfológicas do processo estiloide em pacientes com desordens
temporomanibulares
INCIDENCIA ANTEROPOSTERIOR AXIAL:METODO DE TOWNE 30º/37º
Paciente em DD com os membros superiores estendidos ao longo do corpo, • Apoiar o crânio
posterior do paciente na mesa/superfície.
• Comprimir o queixo(abaixar o queixo), trazendo a LOM perpendicular ao RI, caso o paciente não seja
capaz de flexionar o pescoço a esse ponto, alinhar a LIOM perpendicularmente ao RI adicionar um
suporte radio transparente sob a cabeça, caso necessário
• Alinhar o plano sagital médio (PSM) perpendicular à linha média da grade ou mesa/superfície do
dispositivo de imagem vertical para impedir a rotação ou inclinação da cabeça.
•RC: Angular o RC entre 30° caudais em relação a LOM, ou a 37° caudais em relação a LIOM caudais.
centralizar RC no plano sagital médio 6 cm acima da glabela, para atravessar o forame magno ao nível da
base do crânio.
• Centralizar o RI ao RC.
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 24x30 cm, longitudinalmente
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV
Respiração Prender a respiração durante a exposição
Estruturas Visualizadas : Osso occipital, pirâmides petrosas e forame magno com o dorso da
sela turca e clinóides posteriores.
Paciente em DD com os membros superiores estendidos ao longo do corpo,
com o PMS perpendicular sobre a LCM
RC:angulado 35º caudal em relação à LOM, entrando no frontoparietal
(ou 6 cm acima da glabela) e saindo no occipital.
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 24x30 cm, longitudinalmente
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV
identificação lado direito
Obs: Instruir o pcte a interromper a respiração na hora do disparo de raio x.
* Esta Incidencia, é usada como complemento do crânio,
evidenciando o occipital, a base do crânio, o dorso da sela turca, os côndilos
mandibulares e arcos zigomático.
CRÂNIO WORM'S (35°)
29

Recomendado para você

Crânio
CrânioCrânio
Crânio

Algumas incidências do crânio e anatomia bem básica. Patologias: doença de Paget, neoplasias, fraturas do crânio.

13 liv rx s.p. mast oss temp 415 a 440
13  liv rx s.p. mast oss temp 415 a 44013  liv rx s.p. mast oss temp 415 a 440
13 liv rx s.p. mast oss temp 415 a 440

Este documento descreve a anatomia radiográfica dos seios paranasais, mastóides e osso temporal. Inclui detalhes sobre os seios maxilares, frontais, etmoidais e esfenoidais, bem como o complexo osteomeatal. Também fornece informações sobre posicionamentos radiográficos comuns para visualizar essas estruturas e revisões de anatomia com base em radiografias.

Estudo cranio
Estudo cranioEstudo cranio
Estudo cranio

Este documento fornece um resumo da anatomia da cabeça óssea e das principais incidências radiográficas utilizadas para estudá-la, incluindo o crânio em AP, perfil, Towne e Waters. Ele descreve os ossos do crânio e da face, pontos anatômicos-chave, e detalha a posição correta do paciente e configurações técnicas para vários exames de raios-X da cabeça.

Paciente em DD com os membros superiores estendidos ao longo do corpo,
com o PMS perpendicular sobre a LCM,
RC: angulado 40º caudal em relação à LOM, entrando no frontoparietal (ou 6
cm acima da glabela) e saindo no occipital.
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 24x30 cm, longitudinalmente
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV
Identificação do lado direito .Colimar a Area de interesse
Instruir o pcte a interromper a respiração na hora do disparo de raio x.
São vizualizados:o dorso da sela turca, osso occipital, pirâmides
petrosas, forame magno e clinóides
CRÂNIO ALSTCHULL (40°)
30
CRÂNIO BRETTON (45°)
Paciente em DD com os membros superiores estendidos ao longo do corpo, com o
PMS perpendicular sobre a LCM ,Comprimir o queixo(abaixar o queixo), trazendo a LOM
perpendicular ao RI.
RC: com ângulo de 45º caudal, orientado 6 cm acima da glabela, saindo no forame magno.
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 24x30 cm, longitudinalmente
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV
Respiração Prender a respiração durante a exposição
Identificação do lado direito
Estudo da base do Cranio ,dorso da sela turca, côndilos mandibulares e arcos
zigomático
32
INCIDENCIA AXIAL AP: DE SELA TURCA 30º/37º
Paciente em DD apoiar aparte posterior do crânio sobre a superfície da mesa flexionar o
pescoço de modo que a LIOM fique perpendicular ao RI, alinhar o plano mediossagital de
modo que fique perpendicular a linha media da grade ou da superfície da mesa
RC: Angular o RC a 37°no sentido caudal se o dorso da sela e os processos clinóides posteriores
forem as principais áreas de interesse
Angular o RC a 30° no sentido caudal se os clinóides anteriores forem as principais áreas de
interesse
Centralizar o RC 4 cm acima do arco superciliar(o RC sairá pelo forame magno)
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 18 × 24 ou 24x30 cm, longitudinalmente
• grade
• Analógico − alcance de 60 a 70 kV
• Sistemas digitais − alcance de 70 a 80 kV
• identificação lado direito
• Respiração Prender a respiração durante a exposição.
ESTRUTURAS MOSTRADAS: Dorso da sela, processos clinóides anteriores e
posteriores(dependendo do ângulo do RC) forame magno, cristas petrosas e do osso
occipital.

Recomendado para você

Semiologia 17 cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
Semiologia 17   cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdfSemiologia 17   cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
Semiologia 17 cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf

Este documento descreve aspectos fundamentais da anatomia e patologias da cabeça e pescoço relevantes para a cirurgia desta região. Apresenta detalhes sobre a anatomia da face, órbita, cavidade nasal, seios paranasais, cavidade oral, faringe e laringe. Destaca a importância do conhecimento anatômico para o diagnóstico e tratamento cirúrgico de tumores e outras patologias nestas estruturas.

11 liv rx crƒnio e oss crƒnio 353 a 378
11  liv rx crƒnio e oss crƒnio 353 a 37811  liv rx crƒnio e oss crƒnio 353 a 378
11 liv rx crƒnio e oss crƒnio 353 a 378

1) O documento descreve a anatomia radiográfica do crânio e dos ossos do crânio, incluindo sua morfologia, topografia e articulações. 2) São descritos os oito ossos cranianos - frontal, parietais, occipital, temporais, esfenóide e etmóide - assim como suas características e articulações. 3) Também são abordadas considerações sobre o posicionamento radiográfico do crânio, incidências básicas e especiais, e anatomia radiográfica de estrut

Apostila anatomia
Apostila anatomiaApostila anatomia
Apostila anatomia

O documento fornece uma introdução à anatomia animal, definindo anatomia e suas divisões. Apresenta os principais sistemas do corpo e termos de posição anatômica. Fornece detalhes sobre o sistema esquelético, incluindo classificação, funções e principais ossos do crânio.

Paciente em DD, PMS , com o pescoço flexionado formando a linha Orbitomeatal (
LOM), perpendicular a LCM, conferir se não há rotação da cabeça .
RC: angulado 35º caudal, entrando no frontal e saindo na
base do occipital,podendo usar cone de mastoide.
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 24x30 cm, longitudinalmente
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV
. Identificação do lado direito
OBs:instruir o pcte a interromper a respiração na hora do disparo de raio x.
Estruturas Mostradas: Dorso da sela, processos clinóides anteriores e posteriores
(dependendo da angulação do RC), forame magno,cristas petrosas e osso
occipital.
DORSO DE SELA TÚRCICA AP =WORM’S
(clinóides anteriores – 35°)
33
SELA TURCICA PERFIL
Paciente com a cabeça em uma posição lateral verdadeira; posicionar o
paciente obliquamente conforme necessário para dar-lhe conforto.
Alinhar a linha interpupilar perpendicularmente à mesa/superfície do Bucky.
Alinhar o plano mediossagital paralelamente à mesa/superfície do Bucky.
Situar a linha infra-orbitomeatal perpendicularmente à borda anterior da mesa.
Raio Central
Alinhar o RC perpendicularmente ao filme.
Colocar o RC 2cm superior ao meato acústico externo (MAE).
Centralizar o receptor de imagem (filme) com o RC
Fatores técnicos
DFR mínima − 102 cm
Tamanho do RI − 18x24 ou 24 × 30 cm, transversalmente ou longitudinal podendo usar cone.
Grade(Buck)
Analógico − alcance de 60 a 70 kV
Sistemas digitais − alcance de 70 a 80 Kv
. Identificação do lado direito
OBs: instruir o paciente a interromper a respiração na hora do disparo de
raio x.
Estruturas Mostradas: Sela turca, processos clinóides anteriores e posteriores,
dorso da sela e clivus
CRANIO AXIAL SUBMENTO VERTICE OU HIRTZ EM DECUBITO DORSAL
POSICIONAMENTO :Paciente em DD, com o pescoço em hiperextensão e o vértice do
crânio apoiado contra o chassi, mantendo a LIOM paralela ao filme e perpendicular ao
raio central, verificar se não tem rotação da cabeça
RC: angulado em sentido cefálico de acordo com a extensão da cabeça do paciente
incendido entre os ângulos da mandíbulas , 2 cm anterior ao nível do MAE
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI −24 × 30 cm, longitudinal
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 80 a 85 kV
Obs: Instruir o paciente a interromper a respiração na hora do disparo de raio x
Anatomia Demonstrada
• Forame oval e espinhoso, mandíbula, seios esfenoidais e etmoidais posteriores, processos
mastoideos, cristas petrosas, palato duro, forame magno e osso occipital.
CRÂNIO AXIAL SUBMENTOVÉRTICE / HIRTZ EM ORTOSTASE
Posicionamento do paciente : em ortostatico ou sentado, com o pescoço em
hiperextenção e o vertice do cranio apoiado no bucky vertical ate a LIOM esteja paralela
ao chassi . Conferir se não há rotação da cabeça.
RC:incindindo perpendicular entre os angulos da mandibulas e 2 cm anterior ao nivel
do Mae e no centro do chassi.
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI −24 × 30 cm, transversalmente
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 80 a 85 kV
Identificação lado direito
Obs:Instruir o pcte a interromper a respiração na
hora do disparo de raio x.
Estruturas visualizadas: Mandibula, seio esfeinoidal , celulas etmoidais, processo
mastoide, cristas petrosas , palato duro forame magno osso occipta
OBS:Logo após a realização desta incidência, o paciente deve ser conduzido
cuidadosamente a uma posição confortável.
26

Recomendado para você

Aula de coluna cervical
Aula de coluna cervicalAula de coluna cervical
Aula de coluna cervical

O documento discute técnicas radiológicas para exames da coluna cervical, incluindo posicionamento do paciente, centralização do raio-x e estruturas que devem ser visualizadas. São descritas incidências como perfil cervical, AP das vias aéreas superiores, métodos de Judd, Fuch e Ottomello para radiografias de Atlas e Axis. Conceitos anatômicos como divisões da coluna vertebral e marcos topográficos são explicados.

Anatomia radiológica
Anatomia radiológicaAnatomia radiológica
Anatomia radiológica

A radiologia estuda o uso da energia radiante no diagnóstico e tratamento de doenças, utilizando técnicas como raio-X, tomografia computadorizada, ultra-sonografia, ressonância magnética e medicina nuclear. Esses exames permitem identificar estruturas normais e anormais do corpo para reconhecer alterações causadas por doenças e lesões.

anatomyradiology
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e CavumAula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum

Os seios paranasais são cavidades vazias dentro dos ossos faciais que comunicam-se com a cavidade nasal através de pequenas aberturas. Os principais seios são os seios frontais, maxilares e etmoidais, variando em tamanho e forma entre indivíduos. O documento descreve as características anatômicas desses seios e fornece detalhes sobre posicionamentos radiográficos usados para visualizá-los.

Paciente em DV com o mento o mais estendido possível, PMS perpendicular
sobre a LCM, PVO(plano vertical do ouvido) o mais perpendicular possível .
RC: Paralelo ao PVO,2 cm adiante do memo entrando no bregma e
saindo no mento (4 cm atrás do mento).
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI −24 × 30 cm, longitudinal
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 80 a 85 kV
identificação lado direito
Obs:Instruir o pcte a interromper a
respiração na hora do disparo de raio x.
Estruturas visualizadas: Mandibula, seio esfeinoidal , celulas etmoidais,
processo mastoide, cristas petrosas , palato duro forame magno osso occiptal
OBS:Logo após a realização desta incidência, o paciente deve ser conduzido
cuidadosamente a uma posição confortável.
CRÂNIO AXIAL HIRTZ VÉRTICE/SUBMENTO
27
02-Introdução ao estudo da face - considerações anatômicas
Fornecer os conceitos, técnicas e posicionamentos para a aplicação em exames radiológicos
da Face.
Introdução ao estudo da face – considerações anatômicas
Encontramos quatorze ossos que dá o formato à face. As cavidades das órbitas, nariz e
boca são em grande parte constituídas pelos ossos da face. Apenas dois são ossos únicos.
Os doze restantes consistem em seis pares de ossos, com ossos semelhantes de cada lado
da face.
Ossos da Face:
2 Maxilas, ou ossos maxilares.
2 Zigoma, ou ossos zigomáticos.
2 Ossos lacrimais.
2 Ossos nasais.
2 Conchas nasais inferiores.
2 Ossos palatinos.
1 Vômer (não são visíveis em desenhos externos do esqueleto).
1 Mandíbula (maxilar inferior).
37
Maxila
O primeiro par de ossos faciais a ser estudado são as duas maxilas, ou ossos maxilares, que
são os maiores ossos imóveis da face. Todos os outros ossos da área facial superior estão
intimamente associados com as duas maxilas.
Os ossos maxilares, direito e esquerdo, são solidamente unidos na linha média abaixo do
septo nasal. Cada maxila auxilia na formação de três cavidades da face: (1) a boca, (2) a
cavidade nasal e (3) uma órbita.
Cada maxila se articula com dois ossos cranianos - o frontal e o etmoide e com sete ossos
faciais:
1. Um zigomático
2. Um lacrimal
3. Um nasal
4. Um palatino
5. Uma concha nasal inferior
6. O vômer
7. A maxila oposta
38
Ossos zigomáticos
Um zigoma, ou osso zigomático (FIG. 5), está
localizado lateralmente ao processo zigomático
de cada maxila. Formam a proeminência da
bochecha e constituem a porção inferior externa
de cada órbita.
Projetando-se posteriormente do osso
zigomático encontra-se um processo delgado
que se conecta com o processo zigomático do
osso temporal para formar o arco zigomático.
FIGURA 5. Osso Zigomático.
Palato Duro
Os dois processos palatinos formam a
porção anterior do teto da boca,
chamada de palato duro ou ósseo (FIG.
4). São unidos solidamente na linha
média para formar uma articulação
sinartrodial, ou imóvel.
FIGURA 4. Palato Duro. 39

Recomendado para você

Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axialIntrodução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial

O documento discute a anatomia óssea humana, dividindo-a em esqueleto axial e apendicular. Detalha as partes do crânio, incluindo os ossos do neurocrânio, viscerocrânio e as principais estruturas internas. Também descreve as características gerais da coluna vertebral e caixa torácica.

ANATOMIA-_Anatomia_Radiologica.pptx
ANATOMIA-_Anatomia_Radiologica.pptxANATOMIA-_Anatomia_Radiologica.pptx
ANATOMIA-_Anatomia_Radiologica.pptx

O documento descreve a anatomia da mão humana. Ele fornece detalhes sobre os ossos que compõem a mão, incluindo os metacarpos, carpais e falanges, e discute as articulações entre esses ossos. Além disso, apresenta radiografias da mão para ilustrar a posição e relação entre os ossos.

Apostila de enfermagem apostila anatomia e fisiologia humana
Apostila de enfermagem   apostila anatomia e fisiologia humanaApostila de enfermagem   apostila anatomia e fisiologia humana
Apostila de enfermagem apostila anatomia e fisiologia humana

Este documento fornece um resumo sobre anatomia e fisiologia humana. Ele discute conceitos básicos como anatomia, células, tecidos e sistemas como esqueleto, músculos, digestivo, circulatório, respiratório, nervoso, urinário e reprodutor. Também aborda posição anatômica, divisão do corpo humano e planos de delimitação.

Ossos lacrimal e nasal (FIG. 6 e 7)
São os ossos mais finos e mais frágeis em todo o
corpo. Os dois ossos lacrimais, pequenos e muito
delicados, repousam anteriormente no lado
medial de cada órbita, imediatamente posteriores
ao processo frontal da maxila. Estão intimamente
associados com os ductos lacrimais.
FIGURA 6 e 7. Ossos nasal e lacrimal - vista lateral.
Ossos Nasais (FIG. 8)
Os dois ossos nasais fundidos formam a ponte do nariz, e
são de tamanho um pouco variável. A maior parte do nariz
é constituída de cartilagem.
Os ossos nasais repousam imediatamente anterior e
superiormente ao processo frontal das maxilas e logo
inferiormente ao osso frontal.
FIGURA 8. Ossos nasal e lacrimal - vista frontal.
40
Conchas Nasais Inferiores Direita e Esquerda
Dentro da cavidade nasal, encontram-se dois ossos
faciais delgados e curvos, chamados de conchas
nasais inferiores (FIG. 9). Projetam-se das paredes
laterais da cavidade nasal em cada lado e se
estendem medialmente.
Há três pares de conchas nasais. Os pares
superiores e médio são partes do osso etmoide,
enquanto o par inferior são ossos faciais separados
Osso – Vômer
O osso ímpar vômer, é um osso delgado, de forma
triangular, que forma a parte ínfero-posterior do septo
nasal (FIG. 10). Suas superfícies são marcadas por
pequenas depressões para vasos sanguíneos, semelhantes
a sulcos, uma fonte de sangramento nasal nos traumas da
área nasal.
Um desvio do septo nasal descreve a condição clínica em
que o septo nasal é desviado ou deslocado lateralmente a
partir da linha média do nariz. Esse desvio geralmente
ocorre no local da junção entre a cartilagem septal e o
vômer.
Um desvio grave pode bloquear inteiramente a passagem
de ar, tornando impossível a respiração através do nariz.
FIGURA 10. Septo nasal ósseo e vômer.
FIGURA 9. Conchas nasais
41
Mandíbula
O último e maior dos ossos faciais é a mandíbula (FIG. 9). É o único osso móvel do crânio adulto. Origina-se de
dois ossos separados.
Vista Frontal:
O aspecto anterior da mandíbula do adulto é mais bem visualizado em uma vista frontal. O corpo é formado a
partir de cada metade lateral e se une na linha média anterior. Essa união é chamada de sínfise da mandíbula,
ou sínfise do mento. A área triangular plana abaixo da sínfise que se projeta para a frente como o queixo é
chamada de mento, ou protuberância mentoniana. O centro da protuberância mentoniana é descrito como o
ponto mentoniano.
O ponto mentoniano é um ponto específico do queixo, enquanto o mento é a área inteira. Localizados em cada
metade do corpo da mandíbula encontram-se os forames mentonianos. Esses forames servem como passagens
para nervos e vasos sanguíneos.
42
Vista Lateral:
O ângulo (gônio) da mandíbula divide cada
metade da mandíbula em duas partes principais.
A área anterior ao ângulo é chamada de corpo
da mandíbula, enquanto a área superior a cada
ângulo é chamada de ramo (FIG. 9).
Como a mandíbula é um osso ímpar, o corpo na
realidade se estende do ângulo esquerdo ao
ângulo direito.
Os dentes inferiores encontram-se enraizados na
mandíbula; logo, um processo alveolar, ou crista,
se estende ao longo de toda a porção superior
do corpo da mandíbula.
Ramos:
A porção superior de cada ramo termina em uma
incisura em forma de U denominada incisura mandibular.
Em cada extremidade da incisura mandibular encontra-
se um processo.
O processo na extremidade anterior da incisura
mandibular é chamado de processo coronóide, e não se
articula com outros ossos e não pode ser palpado
facilmente porque se encontra logo abaixo do arco
zigomático. Serve como um sítio para fixação muscular.
43

Recomendado para você

Apostila de enfermagem apostila anatomia e fisiologia humana
Apostila de enfermagem   apostila anatomia e fisiologia humanaApostila de enfermagem   apostila anatomia e fisiologia humana
Apostila de enfermagem apostila anatomia e fisiologia humana

Este documento fornece um resumo sobre anatomia e fisiologia humana, incluindo conceitos básicos, sistemas do corpo e terminologia. Ele discute a anatomia macroscópica e microscópica, bem como a posição anatômica padrão e a nomenclatura utilizada. O documento também descreve a divisão geral do corpo em cabeça, tronco e membros.

Introdução a anatomia Graduação 24.03.2020.pdf
Introdução a anatomia Graduação 24.03.2020.pdfIntrodução a anatomia Graduação 24.03.2020.pdf
Introdução a anatomia Graduação 24.03.2020.pdf

O documento introduz conceitos básicos de anatomia veterinária, incluindo divisões da anatomia, métodos de estudo, terminologia e unidades morfológicas do corpo dos vertebrados definidas por planos e eixos.

Modulo 08
Modulo 08Modulo 08
Modulo 08

O documento descreve um curso sobre semiologia ortopédica para médicos assistentes e peritos médicos, dividido em 25 módulos que cobrem tópicos como exame físico ortopédico, articulações específicas como temporomandibular, coluna vertebral, ombros e joelhos, além de radiologia e casos clínicos.

44
Cilindro para Mastóide Ou Cone de
Mastoide: adaptável a todos os
colimadores de raios x convencionais
existentes, são utilizados para realização de
exames colimados proporcionando assim
maior nitidez nos resultados. Cilindro
fabricado em aço cromado, com base em
aço inoxidável revestido com chumbo,
adaptável à qualquer equipamento de Raio-
X.
CRÂNIO E FACE-POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS  [Salvo automaticamente] (1) (1) (1) (1).pdf
45
INCIDÊNCIA AXIAL AP 35º/42º: ATM - Método de Towne Modificado
Posição do Paciente Tire todo metal, plástico e outros objetos removíveis da cabeça. Posicione
em decúbito dorsal PMSperpedincular a LCM.
Raio Central
Angule o RC 35° caudalmente a partir da linha orbitomeatal ou 42° a partir da LlOM. Dirija o RC
para passar 2,5 cm anteriormente ao nível das ATM, 5 cm anteriormente aos MAE. Centre o RI
para o RC projetado.
Fatores Técnicos
Tamanho do filme - 18 x 24ou 24x30 cm, sentido transversal
DFoFi mínima de 100 cm.
Respiração Prender a respiração durante a exposição.
Patologia Demonstrada
Fraturas e relação/amplitude de movimento alterada entre o côndilo e a fossa TM ( Observação
relacionada a comparações entre boca aberta e fechada.)
Estruturas Mostradas: Processos condilóides da mandíbula e fossas temporomandibulares.
INCIDENCIA AXIAL AP ATM METODO DE TAWNE MODIFICADO
Posição do Paciente Tire todo metal, plástico e outros objetos removíveis da cabeça.
Posicione em decúbito dorsal PMSperpedincular a LCM.
Raio Central
Angule o RC 35° caudalmente a partir da linha orbitomeatal ou 42° a partir da LlOM. Dirija
o RC para passar 2,5 cm anteriormente ao nível das ATM, 5 cm anteriormente aos MAE.
Centre o RI para o RC projetado.
Fatores Técnicos
Tamanho do filme - 18 x 24ou 24x30 cm, sentido transversal
DFoFi mínima de 100 cm.
Respiração Prender a respiração durante a exposição.
Patologia Demonstrada
Fraturas e relação/amplitude de movimento alterada entre o côndilo e a fossa TM (
Observação relacionada a comparações entre boca aberta e fechada.)
Estruturas Mostradas: Processos condilóides da mandíbula e fossas temporomandibulares.

Recomendado para você

Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologia

O documento apresenta uma introdução sobre terminologia radiológica, incluindo termos como posição anatômica, planos anatômicos, movimentos, posicionamento radiológico, incidência radiológica e projeção. Também discute qualidades da imagem, fatores de exposição, identificadores e marcadores em radiografias.

2-ossos-do-cranio-resumos-da-aula-2.pdf
2-ossos-do-cranio-resumos-da-aula-2.pdf2-ossos-do-cranio-resumos-da-aula-2.pdf
2-ossos-do-cranio-resumos-da-aula-2.pdf

O documento resume os principais ossos do crânio, incluindo o osso frontal, osso etmóide e osso esfenoide. Descreve suas localizações, orientações, relações anatômicas e características morfológicas de cada um destes ossos.

Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)

Obrigado pela atividade. Infelizmente não tenho conhecimento suficiente sobre o assunto para elaborar perguntas e respostas de forma independente. Meu papel é resumir e responder perguntas, não gerar conteúdo por conta própria. Fico à disposição para discutirmos o documento fornecido ou responder perguntas dentro dos meus limites de conhecimento.

INCIDENCIA LATERAL OBLIQUA: DE ATM METODO DE LAW MODIFICADO
Posição do Paciente A posição do paciente é de pé ou em decúbito ventral em nadador (de pé é preferível,
se a condição do paciente o permitir). Repouse o aspecto lateral da cabeça contra a superfície da
mesa/Bucky vertical, com o lado de interesse mais próximo ao filme.
Posição da Parte
Mova o corpo do paciente em uma direção oblíqua, conforme o necessário para o conforto do paciente.
Evite a inclinação mantendo a linha interpupilar perpendicular ao filme. Alinhe a linha infra-orbitomeatal
perpendicular à borda frontal do filme. (plano mediossagital da cabeça sendo rodado 15° a partir do plano
do filme).
Raio Central
Angule o RC 15º caudal mente, centrado para 4 cm acima da face superior do MAE para passar através da
face inferior da ATMentre o filme para o RC projetado.
Fatores Técnicos
Fatores técnicos
DFR mínima − 102 cm
Tamanho do RI − 18x24 ou 24 × 30 cm, transversalmente ou longitudinal podendo usar cone.
Grade(Buck)
Analógico − alcance de 60 a 70 kV
Sistemas digitais − alcance de 70 a 80 Kv
Respiração Prender a respiração durante a exposição.
Estruturas Mostradas: A articulação temporomanibulares mais próxima do filme é visível. A imagem com a
boca fechada mostra o côndilo dentro da fossa mandibular; o côndilo se move para a margem anterior da
fossa mandibular na posição com a boca aberta
47
INCIDÊNCIA AXIAL LATERAL: ATM – Método de Schüller
Posição do Paciente Posicione o paciente de pé ou em decúbito ventral em nadador. Repouse o
aspecto lateral da cabeça contra a superfície da mesa/ Bucky vertical, com o lado de interesse
mais próximo ao filme.
Posição da Parte
Ajuste a cabeça para uma posição lateral verdadeira e mova o corpo do paciente em uma
direção oblíqua, conforme o necessário para o conforto do paciente. Alinhe a linha interpu pilar
perpendicular ao filme. Alinhe o plano mediossagital paralelo à superfície da mesa/Bucky.
Posicione a linha infra- orbitomeatal perpendicular à borda frontal do filme.
Raio Central
Angule o RC 25 a 30° caudal mente, centrado para 1,3 cm anteriormente e 5 cm superiormente
à face superior do MAE. Centre o filme para a ATM projetada.
Fatores Técnicos
Tamanho do filme - 18 x 24 ou 24x30 cm, sentido longitudinal
DFoFi mínima de 100 cm.
Respiração Prender a respiração durante a exposição.
Estruturas Mostradas: A ATMmais próxima do filme é visível. A imagem de boca fechada mostra o côndilo
dentro da fossa mandibular; o côndilo se move para a margem anterior da fossa na posição de boca aberta.
CAVUM PERFIL
Paciente sempre que possível em ortostático e em perfil absoluto do crânio, PMS
paralelo a mesa ou estativa, PVO perpendicular 5 cm atrás da LCE ou LCM,
perpendicular a mesa.
RC: perpendicular, entrando na região da adenoide( gônio ) chassi: 18x24 longitudinal
panorâmico podendo usar o cilindro de extensão identificação lado direito
Estruturas visualizadas: A imagem de boca fechada mostra o côndilo dentro da fossa
mandibular , boca aberta o côndilo se move para a margem anterior da fossa .
Critérios de Avaliação: Visualiza-se a face em perfil com passagem de ar
pela região nasofaringe e (se possível) nenhuma passagem de ar pela boca.
O perfil verdadeiro é evidenciado pela sobreposição dos ramos
mandibulares e da sela túrcica
ROTINA DE SEIOS DA FACE
• INCIDÊNCIAS BÁSICAS DE SEIOS DA FACE: PAEM FRONTO-
NASO, PA EM PARIETO-ACANTIAL E PERFIL.
• Nessa rotina investiga-se processos inflamatórios como a
sinusite, osteomielite secundária, além de pólipos de seios
paranasais
49

Recomendado para você

Anatomia Cirúrgica da Face
Anatomia Cirúrgica da FaceAnatomia Cirúrgica da Face
Anatomia Cirúrgica da Face

O documento descreve aspectos anatômicos da face, incluindo os ossos que a compõem e suas características. Aborda as peculiaridades do esqueleto facial em diferentes faixas etárias, como criança, adulto e idoso. Também discute as órbitas, suas paredes e estruturas circundantes.

cirurgiaplastica facialanatomia face
50
INCIDÊNCIA PARIETOACANTIAL: SEIOS DA FACE
(Método de Waters)
Indicações Clínicas
• Condições inflamatórias (sinusite, osteomielite secundária).
• Pólipos ou cistos nos seios paranasais.
Posição da Parte
• Estender pescoço, apoiando o queixo contra a mesa/superfície vertical do dispositivo de imagem.
• Ajustar a cabeça até que a LMM esteja perpendicular ao plano do RI. A LOM forma um ângulo de
37° com a superfície da mesa/dispositivo de imagem.
• Posicionar o PSM perpendicularmente à linha média da superfície da grade ou mesa/dispositivo de
imagem, evitando rotação ou inclinação da cabeça. (Um meio de verificar a rotação é palpar os
processos mastoideos de cada lado e as margens orbitais laterais com o polegar e os dedos para
garantir que as linhas estejam equidistantes do topo da mesa.)
RC
• Alinhar o RC perpendicularmente ao RI, para sair no acanto.
• Centralizar o RI ao RC.
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 18 × 24 cm ou 24 × 30 cm, longitudinalmente
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV
Respiração
Suspender a respiração.
Anatomia Demonstrada
Os seios maxilares com o lado inferior visualizado livre da sobreposição de processos alveolares
e cristas petrosas, a margem orbital inferior e uma perspectiva oblíqua dos seios frontais.
INCIDENCIA PARIETOACANTIAL TRANSORAL:SEIOS MÉTODO DE WATERS BOCA ABERTA
Indicações clinicas
• Condições inflamatórias (sinusite, osteomielite secundária)
• Pólipos ou cistos nos seios.
Posição da parte
• Estender o pescoço, colocando o queixo e o nariz contra a mesa/superfície do dispositivo de imagem.
• Ajustar a cabeça até a LOM formar um ângulo de 37° com RI. (A LMM fica perpendicular com a
boca fechada.)
• Posicionar PSM perpendicularmente à linha média da grade ou mesa/superfície do dispositivo de
imagem e garantir a ausência de rotação ou inclinação.
• Instruir o paciente para abrir a boca, orientando-o a “soltar o queixo sem mover a cabeça”(a LMM já
não fica perpendicular.)
• Centralizar o RI ao RC e ao acanto.
RC Alinhar o RC horizontalmente, perpendicularmente ao RI.
• Centralizar o RC, para sair no acanto.
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 18 × 24 ou 24x30 cm, longitudinalmente
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV
Respiração
Suspender a respiração.
Anatomia Demonstrada
• Os seios maxilares com o lado inferior visualizado, livre de sobreposição dos processos
alveolares e cristas petrosas, a margem inferior orbital, uma perspectiva oblíqua dos seios frontais,
e os seios esfenoidais, visualizados através da boca aberta.
51
INCIDÊNCIA PA ORTOSTATICO: SEIOS PARA NASAIS (Método de Caldwell)
Indicações Clínicas
• Condições inflamatórias (sinusite, osteomielite secundária).
• Pólipos ou cistos nos seios.
Posição da Parte
Paciente em ortostático fazendo uma leve flexão em relação a coluna cervical, encostando a ponta do nariz
contra o buck da estativa e o fronto(testa) próximo a estativa. o queixo, colocando a LIOM perpendicular ao
filme. Alinhe o plano mediossagital perpendicular à linha média da grade ou superfície da mesa/Bucky.
Assegure-se de que não haja rotação ou inclinação da cabeça.
Raio Central • Alinhe o RC horizontalmente, paralelo ao assoalho.
• Centralizar o RC para sair no násio.
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 18 × 24 ou 24x 30 cm, longitudinalmente
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV
Respiração Prender a respiração.
Anatomia Demonstrada
• Seios frontais projetados acima da sutura frontonasal são demonstrados. • Células aéreas etmoidais
anteriores são visualizadas lateralmente a cada osso nasal, logo abaixo dos seios frontais.
POSIÇAO LATERAL- DIREITA OU ESQUERDA:SEIOS DA FACE
52
Posição do Paciente: Tirar todos os objetos de metal, plástico e outros removíveis da cabeça.
Paciente em posição ortostática (ver Observações).
Posição da Parte
Posicionar o lado lateral da cabeça contra a mesa / Bucky vertical, como lado de interesse mais
perto do filme. Ajustar a cabeça em uma posição lateral verdadeira, movendo o corpo em uma
direção oblíqua conforme necessário para o conforto do paciente (plano mediossagital paralelo ao
filme). (Alinhar a linha interpupilar perpendicularmente ao filme que não há inclinação). Ajustar o
queixo para alinhar LlOM perpendicular à margem anterior do filme.
Raio Central
Alinhar um RC horizontal perpendicular ao filme.
Centralizar o RC para um ponto médio entre o ângulo do olho e o MAE. Centralizar o filme em
relação ao RC
Fatores Técnicos
Tamanho do filme - 18 x 24 OU 24X30 cm, em sentido longitudinal.
DFoFi mínima de 100 cm.
Respiração Prender a respiração.
Estruturas Mostradas: Seios esfenóides, frontais superpostos, células etmoidais e seios maxilares,
sela turca e teto orbital

Recomendado para você

Paciente Decúbito ventral, braços para cima com as mãos na
altura da cabeça.
Apoiar (a fronte) e o nariz do paciente contra a mesa.
Flexionar o pescoço para alinhar a LOM perpendicularmente ao
filme.Alinhar o plano mediossagital perpendicularmente ao filme
para evitar rotação e/ou inclinação da cabeça.
RC:perpendicular, entrando no occipital e saindo no násion.
CHASSI: 18 x 24 transversal panorâmico com
bucky.identificação lado direito
DFF:1 metro, COLIMAR AAREA DE INTERESSE
INSTRUIR O PACIENTE E PARAR DE RESPIRAR
Esse estudo tem como objetivo avaliar anormalidades ósseas da
órbita e do forame óptico.
Critérios de Avaliação: Visualiza-se a borda orbital inferior,
maxilas, septo nasal, ossos zigomáticos e arcos zigomáticos.
ÓRBITAS FRENTE (PA)
53
(METODO DE RHESE)
54
Posição do Paciente Tire todo metal, plástico e outros objetos removíveis da cabeça. A posição
do paciente é de pé ou em decúbito dorsal.
Posição da Parte
Como uma referência inicial, posicione o queixo, a bochecha e o nariz do paciente contra a
superfície da mesa/Bucky vertical (veja Observações). Ajuste a cabeça conforme necessário, de
maneira que o plano mediossagital forme um ângulo de 53° com o filme. (Um indicador de
ângulo deve ser utilizado para obter um ângulo de 53° preciso a partir de uma posição lateral).
Posicione a linha acantiomeatal perpendicular ao plano do filme.
Raio Central
Alinhe o RC perpendicular ao filme, centrado na órbita voltada para baixo
Fatores Técnicos
Tamanho do filme - 18 x 24 cm, na longitudinal
Dfofi mínima de 100 cm.
Respiração Prender a respiração durante a exposição.
Estruturas Mostradas: Secção transversal de cada canal óptico e uma visão não distorcida do forame óptico.
Paciente na posição de nadador ou em perfil ortostática, com
o lado traumatizado, mas próximo da LCM ou LCE. PVO
perpendicular a mesa.
RC:perpendicular na vertical ou horizontal, entrando na
comissura da pálpebra não radiografada e saindo na órbita
mais próxima ao chassis acima do CAE.
CHASSI: 18x24 longitudinal com bucky.identificação lado
direito.
DFF: 1 m, Colimar a area de interesse
Instruir o pcte a parar de respirar
Estruturas visualizadas: osso faciais sobrepostos, teto das
orbitas,sela turca , zigoma e mandibula perfil .
ÓRBITAS PERFIL
.55
NARIZ SUPEROINFERIOR TANGENCIAL(AXIAL):OSSOA NASAIS
O paciente deve estar sentado ereto em uma cadeira na ponta da mesa ou em posição prona
sobre a mesa.
Estender e apoiar o queixo no RI. Colocar um apoio inclinado sob o RI, tal como
demonstrado, para que o RI esteja perpendicular à LGA.
Alinhar o PSM perpendicularmente ao raio central e à linha média do RI.
Centralizar o RC ao násio e angular, como necessário para garantir que esteja paralelo à LGA.
(O RC deve apenas encostar na glabela e nos dentes frontais anteriores superiores.)
DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 18 × 24 cm, transversalmente
• sem grade
• Analógico − alcance de 50 a 60 kV
• Sistemas digitais − alcance de 60 a 70 Kv
Respiração Prender a respiração durante a exposição
Anatomia Demonstrada
• Incidência tangencial dos ossos nasais médios e distais (com pouca sobreposição da glabela
ou da crista alveolar) e tecidos moles nasais. Cristas petrosas inferiores aos seios maxilares.

Recomendado para você

OSSOS PRORPIO DA FACE
Paciente na posição de nadador ou em perfil ortostática, com o lado de interesse mais próximo ao chassi .Conferir
se o paciente não esta com a cabeça obliquada e se a LIOM esta perpendicular ao filme .
RC: perpendicular na vertical ou horizontal, entrando no násion.
CHASSI:18x24 dividido transversal ou 13x18 longitudinal panorâmico com ou sem bucky. Identificação lado direito
DFF:1 m, Colimar a área de interesse ,Instruir o Paciente a parar de respirar.
Estrutura visualizada: osso nasal e espinha nasal anterior
58
INCIDÊNCIA PARA ARCO ZIGOMÁTICO
Paciente em decúbito dorsal, suas costas ficarão apoiada sobre o
travesseiro de modo que a sua cabeça obrigatóriamente fique fletida
para trás em hiperextensão, solicitar ainda que o paciente eleve o
queixo até que
a LIOM fique o mais paralelo possível ao filme, o chassi está apoiado
em um suporte, ficando em uma posição de aproximadamente 45°.
Raio Central: angular o raio no sentido cranial. Entrando entre os
ângulos da mandibula
DFF- 1m
chassi 18x24 ou 24x30 transversal ,sem buck ,
identificação lado direito
apoio para as costas do paciente (travesseiro por ex.)
apoio para o chassi (travesseiro ou lençóis por ex.)
Esta incidência radiografica tem por finalidade demonstrar os arcos
zigomáticos e o osso temporal.
Instruir o paciente e parar de respirar
59
OBLÍQUA DO ARCO ZIGOMÁTICO
Está incidência estuda separadamente cada arco zigomático. Para realizar
esta incidência o paciente poderá ficar em ortostático, decúbito dorsal, ou
até mesmo sentado. Isso vai depender das condições do aparelho e
principalmente do paciente. Centralizar o PMS (Plano médio sagital) sobre
a LCM ou LCE e hiperestender
o pescoço elevando o queixo até que a linha orbitomeatal fique paralela
ao filme girar a cabeça 15º para o lado de interesse. RC : perpendicular a
Linha infra orbitomeatal, incidindo no
meio do osso zigomático.
Obs: Solicitar ao paciente que prenda a respiração
durante a exposição.
Chassi : 18 x24 longitudinal , com Buck , identificação
lado direito .
DFoFil- 1m
INCIDENCIA POSTEROANTERIOR PA RC PERPENDICULAR (0º)OU POSTEROANTERIOR (PA AXIAL):MANDIBULA
Posição da Parte
• Apoiar a testa e o nariz do paciente na mesa/superfície do dispositivo de imagem vertical.
• Comprimir o queixo, trazendo a LOM perpendicularmente ao RI
• Alinhar o PSM perpendicularmente à linha média da grade, ou mesa/superfície do dispositivo
de imagem (garantindo que não haja rotação ou inclinação da cabeça).
• Centralizar RI projetado ao RC (na junção dos lábios).
• RC PA: Alinhar o RC perpendicularmente ao RI, centralizado para sair na junção dos lábios. Para
pacientes com traumatismo podendo fazer em PA prona, essa posição é mais bem executada
como supina.
• Opcional PA axial: Angular ao raio central de 20° a 25° cefálicos, centrado para sair no acanto.
Suspender a respiração durante a exposição.
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 18 × 24 ou 24x30 cm, longitudinalmente
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV
Anatomia Demonstrada
• PA: Ramos mandibulares e porção lateral do corpo são visíveis. • Opcional PA axial: Região da
ATM e as cabeças mandibulares são visíveis através de processos mastoides; processos
condiloides
são bem visualizados (ligeiramente alongados).

Recomendado para você

Paciente em DD ou Ortostatico corpo fazendo um ângulo de 45
graus sobre a LCM ficando em obliqua AP. Fará uma hiperextensão
da região da cervical de modo que a mandíbula fique posicionada
em Obliqua AP.
RC: angulado 25° cranial, entrando no corpo da
mandíbula e saindo no centro do chassis.
CHASSI:18x24 transversal panorâmico com bucky.DFF:1 m,
com Bucky, identificação lado direito .
Estruturas Mostradas: Ramos, processos condilares e
coronoides, corpo e mento da mandibula mais proximo do receptor
de imagem.
MANDÍBULA OBLÍQUAAP
Paciente
INCIDENCIA AXIAL EM AP :MASTOIDE MÉTODO DE TAWNE 30° OU 37°
Paciente em DD com os membros superiores estendidos ao longo do corpo, com o PMS
perpendicular sobre a LCM, com o pescoço flexionado ou (deprimir o queixo) trazendo a LOM ou a
LlOM perpendicular ao filme e a mesa. Conferir se não há rotação da cabeça.
RC:Angular o RC 30° caudalmente à LOM ou 37° à LlOM.
Centralizar o RC ao plano mediossagital, em um nível 6 cm acima da glabela, para passar através do nível
dos MAE.
Centralizar o RI ao RC projetado
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 24 × 30 cm, longitudinal
• grade(bucky.)
• Analógico − alcance de 60 a 70 kV
• Sistemas digitais − alcance de 70 a 80 kV
Respiração: Interromper a respiração durante a exposição.
Estruturas Mostradas: Dorso da sela e clinóides posteriores no
forame magno, pirâmides petrosas bilaterais, células aéreas mastóides e
labirinto ósseo.
Observação: Se o paciente é incapaz de deprimir o queixo suficientemente
para trazer a LOM perpendicular ao filme, a LlOM pode ser colocada
perpendicular e o ângulo do RC aumentado 37° caudal mente. Isso mantém
o ângulo de 30° entre a LOM e o RC e mostra as mesmas relações anatômicas.
INCIDENCIA AXIAL LATERAL OBLIQUA :MASTOIDE METODO DE LAW MODIFICADO
Posição do Paciente Tirar todos os metais, plásticos e outros objetos removíveis da cabeça.
Posicionar o paciente ereto ou pronado. Prenda cada aurícula à frente para evitar sobreposição
do mastoide
Posição da Parte
Colocar a face lateral da cabeça contra a superfície da mesa/Bucky vertical, com o lado de
interesse mais perto do filme; para o conforto do paciente é necessário que o corpo fique
oblíquo. Alinhar o plano mediossagital com a superfície da mesa/Bucky vertical. A partir da
posição lateral, rodar a face 15° em relação ao filme. Previna-se contra inclinação mantendo a
linha interpupilar perpendicular à superfície da mesa/Bucky vertical. Ajustar o queixo para trazer
a LIOM perpendicular à margem anterior do filme.
Raio Central
Angular o RC 15° caudal. Centralizar o RC para sair na ponta do mastoide inferior e para entrar
2,5 cm posterior e superior ao MAE superior. Centralizar o filme para o RC projetado.
Fatores Técnicos
Tamanho do filme - 18 x 24 OU 24X30 cm, em sentido longitudinal
DFoFi mínima de 100 cm.
Respiração Interromper a respiração durante a exposição.
Estruturas Mostradas: Perspectiva lateral das células aéreas mastóides e labirintos ósseos mais
próximos do filme.
OBLIQUA AXIOLATERAL DE MASTOIDE OU METODO DE STENVERS
Posição da Parte: Paciente em decúbito ventral(pronado)nadador invertido
Ajustar o queixo para trazer a LlOM perpendicular ao filme.
Rodar a cabeça 45° com o lado de interesse para baixo.
Alinhar a região inferior do mastóide ao RC e para a linha central do filme.
RC: Angular o RC 12° cranialmente, centralizado para entrar cerca de 7 a 10 cm
(3 a 4 polegadas) posterior e 1,25 cm (1/2 polegada) inferior ao
MAE do lado de cima, para sair pelo processo mastóide do lado de baixo.
Centralizar o RI ao RC projetado.
Fatores Técnicos
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 24× 30 cm, longitudinal
• Grade
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV
Respiração: Interromper a respiração durante a exposição.
Critérios Radiográficos
Estruturas Mostradas: Pirâmide petrosa em perfil, o labirinto ósseo, a cavidade
timpânica, o canal auditivo interno e as células aéreas mastóides
(com a ponta mastóide) evidenciados no osso occipital no lado examinado.

Recomendado para você

OBLIQUA AXIOLATERAL DE MASTOIDE OU METODO DE ARCELIN OU (STENVERS INVERTIDO)
Posicionamento: paciente em DD, com a cabeça rodada 45º, sendo que o lado
voltado para cima é o que será demonstrado
RC: angulado 10º caudal, entrando 2 cm posterior ao MAE que está voltado para
cima.
• DFR mínima − 102 cm
• Tamanho do RI − 18 × 24 OU 24X30 cm, sentido longitudinal
• Grade(BUCK)
• Analógico − alcance de 70 a 80 kV
• Sistemas digitais − alcance de 75 a 80 kV
identificação lado direito
poderá utilizar o cone da mastoide
Respiração Prender a respiração durante a exposição
Estruturas Mostradas: Visualiza o lado inferior da porção petrosa, Incluindo uma
visão de topo das células aéreas da mastoide e estruturas do labirinto ósseo.
QUEBRA CABEÇA
1-
2-
3-
4-
5-
6-
7-
8-
9-
10-
11-
12-
13-
14- 65
BIBLIOGRAFIAS:
BALLINGER, Philip W., FAERS, Frank. Pocket Guide to Radiography, 5ª Ed. Elsevier Health Sciences, 2003.
BONTRAGER, Kenneth L Tratado de Técnica Radiológica e Base Anatômica. Guanabara Koogan. 4ª Ed. 1999.
BONTRAGER, Kenneth L. Tratado de Técnica Radiológica e Base Anatômica. 5ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.
BONTRAGER, Kenneth L. e LAMPIGNANO, J. P.,Tratado de Posicionamento Radiográfico e Anatomia Associada. 8ª. ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.
NOVELLINE, R. A. Fundamentos de Radiologia de Squire. Artmed. 5ª ed. 1999.
BISOLI JÚNIOR, Antônio – Técnicas Radiográficas Ed. Rubio – 2006.
WEBGRAFIA
http://www.radioinmama.com.br/cranio.html
http://www.lucianosantarita.pro.br/Imaginologia.html
http://www.ebah.com.br/
http://radiologiaraiosx.blogspot.com
http://novomundoradiologico.blogspot.com.br/
http://store.bcltechnologies.com
http://www.radioinmama.com.br/cotovelo.htm
FONTES
66

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ANGIOTOMOGRAFIA
ANGIOTOMOGRAFIAANGIOTOMOGRAFIA
Técnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosTécnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicos
radiomed
 
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da PelveProtocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Alex Eduardo Ribeiro
 
Slides sobre o manuseio do arco em c.
Slides sobre o manuseio do arco em c.Slides sobre o manuseio do arco em c.
Slides sobre o manuseio do arco em c.
Ruan Macedo
 
TC de tórax janela de mediastino
TC de tórax  janela de mediastinoTC de tórax  janela de mediastino
TC de tórax janela de mediastino
Flávia Salame
 
Tomografia posicionamento
Tomografia posicionamentoTomografia posicionamento
Tomografia posicionamento
FLAVIO LOBATO
 
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICAEXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do TóraxTomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio  tabalho faculdade unigTecnicas de cranio  tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unig
Renata Cristina
 
protocolos de tomografia geral tc protocolos G E R A L CORPO TOO.pdf
protocolos de tomografia geral tc protocolos  G E R A L CORPO TOO.pdfprotocolos de tomografia geral tc protocolos  G E R A L CORPO TOO.pdf
protocolos de tomografia geral tc protocolos G E R A L CORPO TOO.pdf
Lazaro Fideles
 
Técnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânioTécnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânio
Sandro Molter
 
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADAESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
Adriano Silva
 
Mielografia
MielografiaMielografia
Mielografia
Priscila Ferro
 
APOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIAAPOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIA
Amanda Azevêdo
 
Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
Cristiane Dias
 
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Tomografia trabalho
Tomografia trabalhoTomografia trabalho
Tomografia trabalho
Profissão Professor
 
Aula 8 incidencias
Aula 8  incidenciasAula 8  incidencias
Aula 8 incidencias
rsmbarros
 
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoesAnatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Gabriel da Cruz
 

Mais procurados (20)

ANGIOTOMOGRAFIA
ANGIOTOMOGRAFIAANGIOTOMOGRAFIA
ANGIOTOMOGRAFIA
 
Técnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosTécnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicos
 
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da PelveProtocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
 
Slides sobre o manuseio do arco em c.
Slides sobre o manuseio do arco em c.Slides sobre o manuseio do arco em c.
Slides sobre o manuseio do arco em c.
 
TC de tórax janela de mediastino
TC de tórax  janela de mediastinoTC de tórax  janela de mediastino
TC de tórax janela de mediastino
 
Tomografia posicionamento
Tomografia posicionamentoTomografia posicionamento
Tomografia posicionamento
 
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICAEXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
 
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do TóraxTomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
 
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio  tabalho faculdade unigTecnicas de cranio  tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unig
 
protocolos de tomografia geral tc protocolos G E R A L CORPO TOO.pdf
protocolos de tomografia geral tc protocolos  G E R A L CORPO TOO.pdfprotocolos de tomografia geral tc protocolos  G E R A L CORPO TOO.pdf
protocolos de tomografia geral tc protocolos G E R A L CORPO TOO.pdf
 
Técnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânioTécnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânio
 
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADAESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
 
Mielografia
MielografiaMielografia
Mielografia
 
APOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIAAPOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIA
 
Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome
 
Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
 
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
 
Tomografia trabalho
Tomografia trabalhoTomografia trabalho
Tomografia trabalho
 
Aula 8 incidencias
Aula 8  incidenciasAula 8  incidencias
Aula 8 incidencias
 
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoesAnatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
 

Semelhante a CRÂNIO E FACE-POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS [Salvo automaticamente] (1) (1) (1) (1).pdf

Roteiro de Anatomia da UFJF
Roteiro de Anatomia da UFJFRoteiro de Anatomia da UFJF
Roteiro de Anatomia da UFJF
Davi Laurindo
 
Crânio
CrânioCrânio
13 liv rx s.p. mast oss temp 415 a 440
13  liv rx s.p. mast oss temp 415 a 44013  liv rx s.p. mast oss temp 415 a 440
13 liv rx s.p. mast oss temp 415 a 440
Escola Técnica Destake NI
 
Estudo cranio
Estudo cranioEstudo cranio
Estudo cranio
Vania Vilas Boas
 
Semiologia 17 cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
Semiologia 17   cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdfSemiologia 17   cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
Semiologia 17 cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
Jucie Vasconcelos
 
11 liv rx crƒnio e oss crƒnio 353 a 378
11  liv rx crƒnio e oss crƒnio 353 a 37811  liv rx crƒnio e oss crƒnio 353 a 378
11 liv rx crƒnio e oss crƒnio 353 a 378
Escola Técnica Destake NI
 
Apostila anatomia
Apostila anatomiaApostila anatomia
Apostila anatomia
Med. Veterinária 2011
 
Aula de coluna cervical
Aula de coluna cervicalAula de coluna cervical
Aula de coluna cervical
Douglas Henrique
 
Anatomia radiológica
Anatomia radiológicaAnatomia radiológica
Anatomia radiológica
Renato Almeida
 
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e CavumAula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Robson Rocha
 
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axialIntrodução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial
Thassiany Sarmento
 
ANATOMIA-_Anatomia_Radiologica.pptx
ANATOMIA-_Anatomia_Radiologica.pptxANATOMIA-_Anatomia_Radiologica.pptx
ANATOMIA-_Anatomia_Radiologica.pptx
Ednilson Silva
 
Apostila de enfermagem apostila anatomia e fisiologia humana
Apostila de enfermagem   apostila anatomia e fisiologia humanaApostila de enfermagem   apostila anatomia e fisiologia humana
Apostila de enfermagem apostila anatomia e fisiologia humana
ClaudinhaOliveira3
 
Apostila de enfermagem apostila anatomia e fisiologia humana
Apostila de enfermagem   apostila anatomia e fisiologia humanaApostila de enfermagem   apostila anatomia e fisiologia humana
Apostila de enfermagem apostila anatomia e fisiologia humana
luzenilotavionil
 
Introdução a anatomia Graduação 24.03.2020.pdf
Introdução a anatomia Graduação 24.03.2020.pdfIntrodução a anatomia Graduação 24.03.2020.pdf
Introdução a anatomia Graduação 24.03.2020.pdf
PeryFraga
 
Modulo 08
Modulo 08Modulo 08
Modulo 08
SemioOrto
 
Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologia
Bruna Silva
 
2-ossos-do-cranio-resumos-da-aula-2.pdf
2-ossos-do-cranio-resumos-da-aula-2.pdf2-ossos-do-cranio-resumos-da-aula-2.pdf
2-ossos-do-cranio-resumos-da-aula-2.pdf
RodolfoSilva395124
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Jean Carlos
 
Anatomia Cirúrgica da Face
Anatomia Cirúrgica da FaceAnatomia Cirúrgica da Face
Anatomia Cirúrgica da Face
Brunno Rosique
 

Semelhante a CRÂNIO E FACE-POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS [Salvo automaticamente] (1) (1) (1) (1).pdf (20)

Roteiro de Anatomia da UFJF
Roteiro de Anatomia da UFJFRoteiro de Anatomia da UFJF
Roteiro de Anatomia da UFJF
 
Crânio
CrânioCrânio
Crânio
 
13 liv rx s.p. mast oss temp 415 a 440
13  liv rx s.p. mast oss temp 415 a 44013  liv rx s.p. mast oss temp 415 a 440
13 liv rx s.p. mast oss temp 415 a 440
 
Estudo cranio
Estudo cranioEstudo cranio
Estudo cranio
 
Semiologia 17 cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
Semiologia 17   cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdfSemiologia 17   cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
Semiologia 17 cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
 
11 liv rx crƒnio e oss crƒnio 353 a 378
11  liv rx crƒnio e oss crƒnio 353 a 37811  liv rx crƒnio e oss crƒnio 353 a 378
11 liv rx crƒnio e oss crƒnio 353 a 378
 
Apostila anatomia
Apostila anatomiaApostila anatomia
Apostila anatomia
 
Aula de coluna cervical
Aula de coluna cervicalAula de coluna cervical
Aula de coluna cervical
 
Anatomia radiológica
Anatomia radiológicaAnatomia radiológica
Anatomia radiológica
 
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e CavumAula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
 
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axialIntrodução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial
Introdução ao estudo da Anatomia Óssea Humana: Esqueleto axial
 
ANATOMIA-_Anatomia_Radiologica.pptx
ANATOMIA-_Anatomia_Radiologica.pptxANATOMIA-_Anatomia_Radiologica.pptx
ANATOMIA-_Anatomia_Radiologica.pptx
 
Apostila de enfermagem apostila anatomia e fisiologia humana
Apostila de enfermagem   apostila anatomia e fisiologia humanaApostila de enfermagem   apostila anatomia e fisiologia humana
Apostila de enfermagem apostila anatomia e fisiologia humana
 
Apostila de enfermagem apostila anatomia e fisiologia humana
Apostila de enfermagem   apostila anatomia e fisiologia humanaApostila de enfermagem   apostila anatomia e fisiologia humana
Apostila de enfermagem apostila anatomia e fisiologia humana
 
Introdução a anatomia Graduação 24.03.2020.pdf
Introdução a anatomia Graduação 24.03.2020.pdfIntrodução a anatomia Graduação 24.03.2020.pdf
Introdução a anatomia Graduação 24.03.2020.pdf
 
Modulo 08
Modulo 08Modulo 08
Modulo 08
 
Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologia
 
2-ossos-do-cranio-resumos-da-aula-2.pdf
2-ossos-do-cranio-resumos-da-aula-2.pdf2-ossos-do-cranio-resumos-da-aula-2.pdf
2-ossos-do-cranio-resumos-da-aula-2.pdf
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
 
Anatomia Cirúrgica da Face
Anatomia Cirúrgica da FaceAnatomia Cirúrgica da Face
Anatomia Cirúrgica da Face
 

CRÂNIO E FACE-POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS [Salvo automaticamente] (1) (1) (1) (1).pdf

  • 1. 1 Desenvolvida por Docentes do Curso de Radiologia.
  • 2. POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS DE CRÂNIO E FACE 2 2 MÓDULO TURMA 14 A MANHA Aula 2 Critérios de Avaliação SLIDES 2 Conteúdo desta aula PROF. EDMILSON RODRIGUES PORCINE
  • 3. 3
  • 4. 4
  • 5. 5
  • 6. ABREVIATURAS OPERACIONAIS AP Anteroposterior CH Chassi CAE CONDUTO AUDITIVO EXTERNO DD Decúbito Dorsal DFOFI Distância Foco-Filme DFO Distância Foco-Objeto DL Decúbito lateral DV Decúbito ventral EIAS Espinha ilíaca ântero superior LAM Linha acantomeatal LCE Linha central da estativa LCM – Linha central da mesa LGA – Linha glabeloalveolar LGM – Linha glabelomeatal LIOM – Linha infra-oritomeatal LIP – Linha interpupilar LLM - Linha lábio meatal LMM – Linha mentomeatal LOM – Linha orbitomeatal MAE- Meato Acustico externo MAI – Meato acústico interno MID – Membro inferior direito MIE – Membro inferior esquerdo MIO – Margem infra – orbitária MMII – Membros inferiores MMSS – Membros superiores MSE – Membros superiores esquerdo MSD – Membros superiores direitos MSO – Margem supra-orbitária OAD – Oblíqua anterior direita OAE – Oblíqua anterior esquerda OPD – Oblíqua posterior direita OPE – Oblíqua posterior esquerda PA – Posterior Anterior PMS – Plano médio sagital PVO- plano vertical do ouvido PHA- perpendicular ao plano da mesa RC – Raio central RE – Rotação externa RI – Rotação interna SSO – Sulco supra-orbital TIO – Topo da inserção da orelha 6
  • 7. PVO – Plano vertical do ouvido ou linha médio coronal: divide o crânio em partes anteriores e posteriores; LGM – Linha glabelo meatal: refere-se a uma linha entre a glabela e o meato acústico externo; LOM – Linha orbito meatal: localiza-se entre o canto externo do olho e o MAE (meato acústico externo) LIOM – Linha infra-orbitomeatal ou linha da base de REID: Liga a parte inferior da órbita ao meato acústico externo; MAE LAM – Linha acântiomeatal: Liga o acântio ao meato acústico externo;MAE LMM – Linha Mentomeatal: São linhas formadas pela conexão do ponto mentoniano ao meato acústico externo; MAE PMS – Plano médio sagital: Divide o crânio em duas partes esquerda e direita) É importante no posicionamento preciso do crânio; LIP – Linha interpupilar: É a linha que liga os dois canto dos olhos; Chamberlain: É a linha que liga o palato duro a base do osso occipital; LLM – Linha libiomeatal: É a linha da junção dos lábios com MAE; LGA – Linha Glabeloaoveolar: É a linha que liga a glabela a um ponto na região anterior do processo aoveolar do maxilar; LSOM – Linha supero obitomeatal: É a linha que liga o teto da órbita ao meato acústico exte7rno;
  • 8. CONSIDERAÇÕES SOBRE O POSICIONAMENTO As incidências do crânio ou da face podem ser obtidas com o paciente em decúbito dorsal ou ortostática, dependendo da condição do paciente e do interesse no exame. A posição ortostática permite que o paciente seja rápido e facilmente posicionado e faz com que um feixe horizontal possa ser usado. Um feixe horizontal é necessário para visualizar quaisquer níveis hidroaéreos existentes nos seios da face. A movimentação do paciente quase sempre resulta em uma imagem insatisfatória. Durante a radiografia de crânio ou da face, a cabeça do paciente tem de ser colocada nas posições precisas e mantida imóvel por tempo suficiente para obter uma exposição. Todo esforço deve ser feito para deixar o corpo do paciente o mais confortável possível. 8
  • 9. 9 As radiografias de crânio e face são realizadas utilizando padrões de posicionamento semelhantes, porém, específicos para cada região a ser estudada. As indicações podem ser desde fraturas e luxação das ATMs até avaliação das estruturas aeradas dos seios paranasais. Para um correto posicionamento o profissional técnico em radiologia deve centralizar e alinhar o usuário conforme a recomendação fornecida em cada uma das incidências e posicionar o centro geométrico do feixe colimado (ou ponto central) coincidindo com o centro do receptor de imagens (RI)
  • 10. 10 Abordagem ao Usuário Após receber a requisição do exame, o técnico em radiologia deverá organizar a sala e todos os objetos que serão utilizados para execução do mesmo. O próximo passo será chamar o usuário, pelo nome completo e certificar-se de que ele é realmente a pessoa que irá sofrer tal procedimento, pois, é relativamente comum, situações de homônimos e trocas de exames. Todos os usuários devem ser tratados de forma cordial e serem informados sobre os procedimentos que serão realizados. A anamnese faz parte do processo inicial. Ela consiste em um conjunto de perguntas predefinidas que permitirão ao técnico e ao médico radiologista saber o motivo do exame, se o paciente já sofreu alguma cirurgia na região de interesse, se teve alguma queda recente ou algum trauma, se pratica algum esporte, entre outras questões relevantes para o exame, que irão gerar informações importantes para os profissionais envolvidos na execução do exame e laudo do mesmo.
  • 11. 11 •Exames Radiográficos de Crânio e Face: As radiografias apresentam informações de objetos tridimensionais em um plano bidimensional, portanto, é comum utilizar no mínimo duas incidências diferentes para o estudo adequado da estrutura. Por exemplo, em posição anteroposterior e em lateral. A escolha correta de tais incidências é feita pelo médico, de acordo com protocolos de exames.
  • 12. 12 PLANOS • Plano sagital: (lat. sagitta= flecha, seta) é o plano anatómico que divide o corpo humano em metades esquerda e direita. Passa por vários pontos anatómicos entre os quais nariz, umbigo, centro de gravidade e sínfise púbica e cai num espaço livre entre calcanhares. A partir do plano medial, qualquer plano paralelo à esquerda ou à direita - do medial - é considerado "plano sagital" O corte sagital também pode ser chamado de corte vertical. Interpenetra o corte coronário, como uma flecha que trespassa o corpo. O corte sagital é denominado assim devido à saggita (que significa seta) do crânio fetal. É representado pelos espaços suturais medianos de direção anteroposterior • Plano coronal: ou plano frontal é um dos tipos de planos anatômicos, dividindo o corpo com cortes verticais e perpendiculares ao plano mediano. Assim é possível definir a parte ventral/anterior (frente) da parte dorsal/posterior (costas). É usado para dividir diversos órgãos e para indicar a direção do ponto de vista de uma imagem (por exemplo, um plano frontal pode ser feito no hipotálamo para indicar qual parte fica em direção ao rosto, rostral, e qual fica em direção a nuca, caudal.) • Plano biauricular: plano frontal (coronal) mediano que passa pelos poros acústicos externos dividindo a cabeça nas partes anterior e posterior. •Plano infra-orbitomeatal: Também conhecido como plano horizontal alemão, plano antropológico, ou plano de Frankfurt. É um plano horizontal perpendicular aos planos frontal (coronal) e sagital, que vai da borda inferior das órbitas ao teto dos poros acústicos externos, dividindo a cabeça em partes superior e inferior. •Plano orbitomeatal ou plano meatorbitária: Também denominado plano horizontal americano, é um plano que vai dos poros acústicos externos às bordas externas das órbitas. Forma um ângulo aproximado de 12º com o plano infra-orbitomeatal (plano horizontal alemão
  • 14. Introdução anatômicas ao estudo do crânio - considerações Introdução anatômicas ao estudo do crânio – considerações O crânio ósseo envolve o cérebro e é dividido em 8 ossos. A base do crânio é a região mais complexa, e apresenta problemas especiais para o tecnólogo, particularmente na demonstração dos ossos temporais. Os oito ossos cranianos são: 1. Frontal 2. Parietal direito 3. Parietal esquerdo 4. Occipital 5. Temporal direito 6. Temporal esquerdo 7. Esfenoide 8. Etmoide Anatomia do crânio - vista frontal. 13
  • 15. Articulações O osso frontal articula-se com quatro ossos cranianos: parietais direito e esquerdo, esfenoide e etmoide. Cada osso parietal articula-se com cinco ossos cranianos: o frontal, o occipital, o temporal, o esfenoide e o parietal oposto. Cada osso temporal articula-se com três ossos cranianos: um parietal, o occipital e o esfenoide. Devido à sua localização central, o esfenoide articula-se com todos os sete outros ossos cranianos. O etmoide articula-se com dois ossos cranianos: o frontal e o esfenoide. O occipital se articula com seis ossos: dois parietais, dois temporais, o esfenoide e o atlas. A Sela Turca em uma posição lateral, tem aparência similar à uma sela (montaria de cavalo) *
  • 16. 15
  • 17. Crânio: Articulações – Suturas A sutura coronal: separa o osso frontal dos dois parietais. A sutura sagital: separa os dois ossos parietais na linha média. A sutura lambdoide: separa os dois parietais do osso occipital. A sutura escamosa: é formada pela junção inferior de cada osso parietal com o respectivo osso temporal. Cada terminação da sutura sagital é identificada como um ponto ou área com um nome específico. A terminação anterior da sutura sagital é chamada bregma, e a posterior é chamada de lambdoide. Suturas do crânio 16
  • 18. Crânio Infantil A ossificação dos ossos cranianos está incompleta ao nascimento. As suturas são espaços cobertos por membranas que se preenchem logo após o nascimento. Existem certas regiões onde as suturas se encontram são mais lentas em sua ossificação, e elas são denominadas fontanelas. As próprias suturas cranianas geralmente não se fecham por completo antes dos 12 ou 13 anos, e algumas podem não se fechar completamente até a idade adulta. Fontanelas Na fase precoce da vida, o bregma e o lambda são orifícios cobertos por membrana ou "pontos moles”, denominados fontanelas (FIG. 5) anterior e posterior em uma criança pequena. Suturas cranianas infantis e fontanelas Suturas cranianas infantis - vista lateral. 17
  • 19. 18
  • 20. 19
  • 21. 20
  • 22. CRÂNIO PA Paciente Decúbito ventral, braços para cima com as mãos na altura da cabeça. Pode ser realizado em Ortostático . Apoiar (a fronte) e o nariz do paciente na mesa ou estativa .Flexionar o pescoço para alinhar a LOM perpendicularmente ao filme. Alinhar o plano mediossagital perpendicularmente ao filme para evitar rotação e inclinação da cabeça. RC:O raio central é perpendicular ao RI (paralelo à LOM) e é centralizado para sair na glabela. DFR mínima − 102 cm Tamanho do RI − 24 × 30 cm, longitudinal panorâmico. Grade(Buck) Analógico − alcance de 70 a 80 kV Sistemas digitais − alcance de 80 a 85 Kv identificação lado direito Respiração Prender a respiração durante a exposição. Anatomia Demonstrada Osso frontal, crista galli, canais auditivos internos, seios frontal e etmoidal anterior, cristas petrosas, asas maior e menor do esfenoide e dorso da sela.
  • 23. CRÂNIO AP Paciente em ortostática ou decúbito dorsal Inicia-se apoiando a região occipital contra o tampo da mesa. Os braços devem estar ao lado do corpo. Abaixar o queixo, trazendo a linha orbitomeatal (LOM) perpendicular ao filme. Alinhar o plano mediossagital perpendicular à mesa, evitando a rotação e/ou inclinação da cabeça RC:O raio central é perpendicular ao RI (paralelo à LOM) e é centralizado para entrar na glabela. DFR mínima − 102 cm Tamanho do RI − 24 × 30 cm, longitudinal panorâmico. Grade(Buck) Analógico − alcance de 70 a 80 kV Sistemas digitais − alcance de 80 a 85 Kv identificação lado direito Respiração Prender a respiração durante a exposição. Anatomia Demonstrada Visualização : Osso Frontal e Calota craniana
  • 24. CRANIO PERFIL Paciente em ortostática ou decúbito ventral. Colocar a cabeça em uma posição lateral verdadeira com o lado de interesse mais próximo do chassi (RI), Conferir se o paciente não esta rodado ,verificando se a Glabela e a protuberância occipital estão na mesma distancia da mesa de exame ou estativa .Ajustar o queixo para trazer a LIOM perpendicular à borda frontal do chassi Para visualizar o lado direito coloque o braço esquerdo a frente do rosto, abaixar o braço direito junto ao corpo e vice versa. RC: perpendicular, entrando 5 cm acima do MAE (meato acústico interno ),saindo no centro do chassi. Fatores técnicos DFR mínima − 102 cm Tamanho do RI − 24 × 30 cm, transversalmente Grade(Buck) Analógico − alcance de 60 a 70 kV Sistemas digitais − alcance de 70 a 80 Kv identificação lado direito Respiração Prender a respiração durante a exposição Obs: Instruir o paciente a interromper a respiração na hora do disparo. Anatomia Demonstrada Todo o crânio visualizado e ossos parietais do crânio sobrepostos. Toda a sela túrcica, incluindo os processos clinoide anterior e posterior e o dorso da sela, também está
  • 25. INCIDENCIA POSTEROANTERIOR AXIAL: SERIES CRANIAIS MÉTODO DE HAAS Remover todos os objetos metálicos ou de plástico da cabeça e do pescoço do paciente. Realizar a radiografia com o paciente na posição ereta ou prona. • Apoiar o nariz do paciente e testar contra a superfície da mesa/dispositivo de imagem. • Flexionar o pescoço, trazendo a LOM perpendicular ao RI. • Alinhe o PSM ao RC e à linha média da grade ou mesa/superfície do dispositivo de imagem. • Certifique-se da ausência de rotação ou inclinação (PSM perpendicular ao RI). • RC: Angular o RC a 25° cefálicos para a LOM. • Centralizar para o PSM para passar pelo nível do MAE e sair aproximadamente 4 cm superior ao násio. • Centralizar RI ao RC projetado. Fatores técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 24 × 30 cm, longitudinal • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 80 a 85 kV Respiração Prender a respiração durante a exposição. Anatomia Demonstrada • Osso occipital, pirâmides petrosas e forame magno são demonstrados, com o dorso da sela e o processos clinóides posteriores visualizados na sombra do forame magno.
  • 26. INCIDENCIA PARA PROCESSO ESTILÓIDE DO TENPORAL 20º Paciente em DD com o PMS perpendicular na LCM, PVO(Plano vertical do ouvido) paralelo ao plano da mesa. RC: Angulado 20º Podálico , entrando na Glabela . • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 18 × 24 ou 24x30 cm, longitudinalmente • grade • Analógico − alcance de 60 a 70 kV • Sistemas digitais − alcance de 70 a 80 Kv Identificaçao do lado direito Obs: Instruir o paciente a interromper e respiração no disparo do raio x. OBJETIVO: Avaliar, radiograficamente, a prevalência de alterações morfológicas do processo estiloide em pacientes com desordens temporomanibulares
  • 27. INCIDENCIA ANTEROPOSTERIOR AXIAL:METODO DE TOWNE 30º/37º Paciente em DD com os membros superiores estendidos ao longo do corpo, • Apoiar o crânio posterior do paciente na mesa/superfície. • Comprimir o queixo(abaixar o queixo), trazendo a LOM perpendicular ao RI, caso o paciente não seja capaz de flexionar o pescoço a esse ponto, alinhar a LIOM perpendicularmente ao RI adicionar um suporte radio transparente sob a cabeça, caso necessário • Alinhar o plano sagital médio (PSM) perpendicular à linha média da grade ou mesa/superfície do dispositivo de imagem vertical para impedir a rotação ou inclinação da cabeça. •RC: Angular o RC entre 30° caudais em relação a LOM, ou a 37° caudais em relação a LIOM caudais. centralizar RC no plano sagital médio 6 cm acima da glabela, para atravessar o forame magno ao nível da base do crânio. • Centralizar o RI ao RC. Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 24x30 cm, longitudinalmente • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV Respiração Prender a respiração durante a exposição Estruturas Visualizadas : Osso occipital, pirâmides petrosas e forame magno com o dorso da sela turca e clinóides posteriores.
  • 28. Paciente em DD com os membros superiores estendidos ao longo do corpo, com o PMS perpendicular sobre a LCM RC:angulado 35º caudal em relação à LOM, entrando no frontoparietal (ou 6 cm acima da glabela) e saindo no occipital. Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 24x30 cm, longitudinalmente • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV identificação lado direito Obs: Instruir o pcte a interromper a respiração na hora do disparo de raio x. * Esta Incidencia, é usada como complemento do crânio, evidenciando o occipital, a base do crânio, o dorso da sela turca, os côndilos mandibulares e arcos zigomático. CRÂNIO WORM'S (35°) 29
  • 29. Paciente em DD com os membros superiores estendidos ao longo do corpo, com o PMS perpendicular sobre a LCM, RC: angulado 40º caudal em relação à LOM, entrando no frontoparietal (ou 6 cm acima da glabela) e saindo no occipital. Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 24x30 cm, longitudinalmente • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV Identificação do lado direito .Colimar a Area de interesse Instruir o pcte a interromper a respiração na hora do disparo de raio x. São vizualizados:o dorso da sela turca, osso occipital, pirâmides petrosas, forame magno e clinóides CRÂNIO ALSTCHULL (40°) 30
  • 30. CRÂNIO BRETTON (45°) Paciente em DD com os membros superiores estendidos ao longo do corpo, com o PMS perpendicular sobre a LCM ,Comprimir o queixo(abaixar o queixo), trazendo a LOM perpendicular ao RI. RC: com ângulo de 45º caudal, orientado 6 cm acima da glabela, saindo no forame magno. Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 24x30 cm, longitudinalmente • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV Respiração Prender a respiração durante a exposição Identificação do lado direito Estudo da base do Cranio ,dorso da sela turca, côndilos mandibulares e arcos zigomático
  • 31. 32
  • 32. INCIDENCIA AXIAL AP: DE SELA TURCA 30º/37º Paciente em DD apoiar aparte posterior do crânio sobre a superfície da mesa flexionar o pescoço de modo que a LIOM fique perpendicular ao RI, alinhar o plano mediossagital de modo que fique perpendicular a linha media da grade ou da superfície da mesa RC: Angular o RC a 37°no sentido caudal se o dorso da sela e os processos clinóides posteriores forem as principais áreas de interesse Angular o RC a 30° no sentido caudal se os clinóides anteriores forem as principais áreas de interesse Centralizar o RC 4 cm acima do arco superciliar(o RC sairá pelo forame magno) • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 18 × 24 ou 24x30 cm, longitudinalmente • grade • Analógico − alcance de 60 a 70 kV • Sistemas digitais − alcance de 70 a 80 kV • identificação lado direito • Respiração Prender a respiração durante a exposição. ESTRUTURAS MOSTRADAS: Dorso da sela, processos clinóides anteriores e posteriores(dependendo do ângulo do RC) forame magno, cristas petrosas e do osso occipital.
  • 33. Paciente em DD, PMS , com o pescoço flexionado formando a linha Orbitomeatal ( LOM), perpendicular a LCM, conferir se não há rotação da cabeça . RC: angulado 35º caudal, entrando no frontal e saindo na base do occipital,podendo usar cone de mastoide. Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 24x30 cm, longitudinalmente • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV . Identificação do lado direito OBs:instruir o pcte a interromper a respiração na hora do disparo de raio x. Estruturas Mostradas: Dorso da sela, processos clinóides anteriores e posteriores (dependendo da angulação do RC), forame magno,cristas petrosas e osso occipital. DORSO DE SELA TÚRCICA AP =WORM’S (clinóides anteriores – 35°) 33
  • 34. SELA TURCICA PERFIL Paciente com a cabeça em uma posição lateral verdadeira; posicionar o paciente obliquamente conforme necessário para dar-lhe conforto. Alinhar a linha interpupilar perpendicularmente à mesa/superfície do Bucky. Alinhar o plano mediossagital paralelamente à mesa/superfície do Bucky. Situar a linha infra-orbitomeatal perpendicularmente à borda anterior da mesa. Raio Central Alinhar o RC perpendicularmente ao filme. Colocar o RC 2cm superior ao meato acústico externo (MAE). Centralizar o receptor de imagem (filme) com o RC Fatores técnicos DFR mínima − 102 cm Tamanho do RI − 18x24 ou 24 × 30 cm, transversalmente ou longitudinal podendo usar cone. Grade(Buck) Analógico − alcance de 60 a 70 kV Sistemas digitais − alcance de 70 a 80 Kv . Identificação do lado direito OBs: instruir o paciente a interromper a respiração na hora do disparo de raio x. Estruturas Mostradas: Sela turca, processos clinóides anteriores e posteriores, dorso da sela e clivus
  • 35. CRANIO AXIAL SUBMENTO VERTICE OU HIRTZ EM DECUBITO DORSAL POSICIONAMENTO :Paciente em DD, com o pescoço em hiperextensão e o vértice do crânio apoiado contra o chassi, mantendo a LIOM paralela ao filme e perpendicular ao raio central, verificar se não tem rotação da cabeça RC: angulado em sentido cefálico de acordo com a extensão da cabeça do paciente incendido entre os ângulos da mandíbulas , 2 cm anterior ao nível do MAE Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI −24 × 30 cm, longitudinal • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 80 a 85 kV Obs: Instruir o paciente a interromper a respiração na hora do disparo de raio x Anatomia Demonstrada • Forame oval e espinhoso, mandíbula, seios esfenoidais e etmoidais posteriores, processos mastoideos, cristas petrosas, palato duro, forame magno e osso occipital.
  • 36. CRÂNIO AXIAL SUBMENTOVÉRTICE / HIRTZ EM ORTOSTASE Posicionamento do paciente : em ortostatico ou sentado, com o pescoço em hiperextenção e o vertice do cranio apoiado no bucky vertical ate a LIOM esteja paralela ao chassi . Conferir se não há rotação da cabeça. RC:incindindo perpendicular entre os angulos da mandibulas e 2 cm anterior ao nivel do Mae e no centro do chassi. Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI −24 × 30 cm, transversalmente • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 80 a 85 kV Identificação lado direito Obs:Instruir o pcte a interromper a respiração na hora do disparo de raio x. Estruturas visualizadas: Mandibula, seio esfeinoidal , celulas etmoidais, processo mastoide, cristas petrosas , palato duro forame magno osso occipta OBS:Logo após a realização desta incidência, o paciente deve ser conduzido cuidadosamente a uma posição confortável. 26
  • 37. Paciente em DV com o mento o mais estendido possível, PMS perpendicular sobre a LCM, PVO(plano vertical do ouvido) o mais perpendicular possível . RC: Paralelo ao PVO,2 cm adiante do memo entrando no bregma e saindo no mento (4 cm atrás do mento). Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI −24 × 30 cm, longitudinal • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 80 a 85 kV identificação lado direito Obs:Instruir o pcte a interromper a respiração na hora do disparo de raio x. Estruturas visualizadas: Mandibula, seio esfeinoidal , celulas etmoidais, processo mastoide, cristas petrosas , palato duro forame magno osso occiptal OBS:Logo após a realização desta incidência, o paciente deve ser conduzido cuidadosamente a uma posição confortável. CRÂNIO AXIAL HIRTZ VÉRTICE/SUBMENTO 27
  • 38. 02-Introdução ao estudo da face - considerações anatômicas Fornecer os conceitos, técnicas e posicionamentos para a aplicação em exames radiológicos da Face. Introdução ao estudo da face – considerações anatômicas Encontramos quatorze ossos que dá o formato à face. As cavidades das órbitas, nariz e boca são em grande parte constituídas pelos ossos da face. Apenas dois são ossos únicos. Os doze restantes consistem em seis pares de ossos, com ossos semelhantes de cada lado da face. Ossos da Face: 2 Maxilas, ou ossos maxilares. 2 Zigoma, ou ossos zigomáticos. 2 Ossos lacrimais. 2 Ossos nasais. 2 Conchas nasais inferiores. 2 Ossos palatinos. 1 Vômer (não são visíveis em desenhos externos do esqueleto). 1 Mandíbula (maxilar inferior). 37
  • 39. Maxila O primeiro par de ossos faciais a ser estudado são as duas maxilas, ou ossos maxilares, que são os maiores ossos imóveis da face. Todos os outros ossos da área facial superior estão intimamente associados com as duas maxilas. Os ossos maxilares, direito e esquerdo, são solidamente unidos na linha média abaixo do septo nasal. Cada maxila auxilia na formação de três cavidades da face: (1) a boca, (2) a cavidade nasal e (3) uma órbita. Cada maxila se articula com dois ossos cranianos - o frontal e o etmoide e com sete ossos faciais: 1. Um zigomático 2. Um lacrimal 3. Um nasal 4. Um palatino 5. Uma concha nasal inferior 6. O vômer 7. A maxila oposta 38
  • 40. Ossos zigomáticos Um zigoma, ou osso zigomático (FIG. 5), está localizado lateralmente ao processo zigomático de cada maxila. Formam a proeminência da bochecha e constituem a porção inferior externa de cada órbita. Projetando-se posteriormente do osso zigomático encontra-se um processo delgado que se conecta com o processo zigomático do osso temporal para formar o arco zigomático. FIGURA 5. Osso Zigomático. Palato Duro Os dois processos palatinos formam a porção anterior do teto da boca, chamada de palato duro ou ósseo (FIG. 4). São unidos solidamente na linha média para formar uma articulação sinartrodial, ou imóvel. FIGURA 4. Palato Duro. 39
  • 41. Ossos lacrimal e nasal (FIG. 6 e 7) São os ossos mais finos e mais frágeis em todo o corpo. Os dois ossos lacrimais, pequenos e muito delicados, repousam anteriormente no lado medial de cada órbita, imediatamente posteriores ao processo frontal da maxila. Estão intimamente associados com os ductos lacrimais. FIGURA 6 e 7. Ossos nasal e lacrimal - vista lateral. Ossos Nasais (FIG. 8) Os dois ossos nasais fundidos formam a ponte do nariz, e são de tamanho um pouco variável. A maior parte do nariz é constituída de cartilagem. Os ossos nasais repousam imediatamente anterior e superiormente ao processo frontal das maxilas e logo inferiormente ao osso frontal. FIGURA 8. Ossos nasal e lacrimal - vista frontal. 40
  • 42. Conchas Nasais Inferiores Direita e Esquerda Dentro da cavidade nasal, encontram-se dois ossos faciais delgados e curvos, chamados de conchas nasais inferiores (FIG. 9). Projetam-se das paredes laterais da cavidade nasal em cada lado e se estendem medialmente. Há três pares de conchas nasais. Os pares superiores e médio são partes do osso etmoide, enquanto o par inferior são ossos faciais separados Osso – Vômer O osso ímpar vômer, é um osso delgado, de forma triangular, que forma a parte ínfero-posterior do septo nasal (FIG. 10). Suas superfícies são marcadas por pequenas depressões para vasos sanguíneos, semelhantes a sulcos, uma fonte de sangramento nasal nos traumas da área nasal. Um desvio do septo nasal descreve a condição clínica em que o septo nasal é desviado ou deslocado lateralmente a partir da linha média do nariz. Esse desvio geralmente ocorre no local da junção entre a cartilagem septal e o vômer. Um desvio grave pode bloquear inteiramente a passagem de ar, tornando impossível a respiração através do nariz. FIGURA 10. Septo nasal ósseo e vômer. FIGURA 9. Conchas nasais 41
  • 43. Mandíbula O último e maior dos ossos faciais é a mandíbula (FIG. 9). É o único osso móvel do crânio adulto. Origina-se de dois ossos separados. Vista Frontal: O aspecto anterior da mandíbula do adulto é mais bem visualizado em uma vista frontal. O corpo é formado a partir de cada metade lateral e se une na linha média anterior. Essa união é chamada de sínfise da mandíbula, ou sínfise do mento. A área triangular plana abaixo da sínfise que se projeta para a frente como o queixo é chamada de mento, ou protuberância mentoniana. O centro da protuberância mentoniana é descrito como o ponto mentoniano. O ponto mentoniano é um ponto específico do queixo, enquanto o mento é a área inteira. Localizados em cada metade do corpo da mandíbula encontram-se os forames mentonianos. Esses forames servem como passagens para nervos e vasos sanguíneos. 42
  • 44. Vista Lateral: O ângulo (gônio) da mandíbula divide cada metade da mandíbula em duas partes principais. A área anterior ao ângulo é chamada de corpo da mandíbula, enquanto a área superior a cada ângulo é chamada de ramo (FIG. 9). Como a mandíbula é um osso ímpar, o corpo na realidade se estende do ângulo esquerdo ao ângulo direito. Os dentes inferiores encontram-se enraizados na mandíbula; logo, um processo alveolar, ou crista, se estende ao longo de toda a porção superior do corpo da mandíbula. Ramos: A porção superior de cada ramo termina em uma incisura em forma de U denominada incisura mandibular. Em cada extremidade da incisura mandibular encontra- se um processo. O processo na extremidade anterior da incisura mandibular é chamado de processo coronóide, e não se articula com outros ossos e não pode ser palpado facilmente porque se encontra logo abaixo do arco zigomático. Serve como um sítio para fixação muscular. 43
  • 45. 44 Cilindro para Mastóide Ou Cone de Mastoide: adaptável a todos os colimadores de raios x convencionais existentes, são utilizados para realização de exames colimados proporcionando assim maior nitidez nos resultados. Cilindro fabricado em aço cromado, com base em aço inoxidável revestido com chumbo, adaptável à qualquer equipamento de Raio- X.
  • 47. 45 INCIDÊNCIA AXIAL AP 35º/42º: ATM - Método de Towne Modificado Posição do Paciente Tire todo metal, plástico e outros objetos removíveis da cabeça. Posicione em decúbito dorsal PMSperpedincular a LCM. Raio Central Angule o RC 35° caudalmente a partir da linha orbitomeatal ou 42° a partir da LlOM. Dirija o RC para passar 2,5 cm anteriormente ao nível das ATM, 5 cm anteriormente aos MAE. Centre o RI para o RC projetado. Fatores Técnicos Tamanho do filme - 18 x 24ou 24x30 cm, sentido transversal DFoFi mínima de 100 cm. Respiração Prender a respiração durante a exposição. Patologia Demonstrada Fraturas e relação/amplitude de movimento alterada entre o côndilo e a fossa TM ( Observação relacionada a comparações entre boca aberta e fechada.) Estruturas Mostradas: Processos condilóides da mandíbula e fossas temporomandibulares.
  • 48. INCIDENCIA AXIAL AP ATM METODO DE TAWNE MODIFICADO Posição do Paciente Tire todo metal, plástico e outros objetos removíveis da cabeça. Posicione em decúbito dorsal PMSperpedincular a LCM. Raio Central Angule o RC 35° caudalmente a partir da linha orbitomeatal ou 42° a partir da LlOM. Dirija o RC para passar 2,5 cm anteriormente ao nível das ATM, 5 cm anteriormente aos MAE. Centre o RI para o RC projetado. Fatores Técnicos Tamanho do filme - 18 x 24ou 24x30 cm, sentido transversal DFoFi mínima de 100 cm. Respiração Prender a respiração durante a exposição. Patologia Demonstrada Fraturas e relação/amplitude de movimento alterada entre o côndilo e a fossa TM ( Observação relacionada a comparações entre boca aberta e fechada.) Estruturas Mostradas: Processos condilóides da mandíbula e fossas temporomandibulares.
  • 49. INCIDENCIA LATERAL OBLIQUA: DE ATM METODO DE LAW MODIFICADO Posição do Paciente A posição do paciente é de pé ou em decúbito ventral em nadador (de pé é preferível, se a condição do paciente o permitir). Repouse o aspecto lateral da cabeça contra a superfície da mesa/Bucky vertical, com o lado de interesse mais próximo ao filme. Posição da Parte Mova o corpo do paciente em uma direção oblíqua, conforme o necessário para o conforto do paciente. Evite a inclinação mantendo a linha interpupilar perpendicular ao filme. Alinhe a linha infra-orbitomeatal perpendicular à borda frontal do filme. (plano mediossagital da cabeça sendo rodado 15° a partir do plano do filme). Raio Central Angule o RC 15º caudal mente, centrado para 4 cm acima da face superior do MAE para passar através da face inferior da ATMentre o filme para o RC projetado. Fatores Técnicos Fatores técnicos DFR mínima − 102 cm Tamanho do RI − 18x24 ou 24 × 30 cm, transversalmente ou longitudinal podendo usar cone. Grade(Buck) Analógico − alcance de 60 a 70 kV Sistemas digitais − alcance de 70 a 80 Kv Respiração Prender a respiração durante a exposição. Estruturas Mostradas: A articulação temporomanibulares mais próxima do filme é visível. A imagem com a boca fechada mostra o côndilo dentro da fossa mandibular; o côndilo se move para a margem anterior da fossa mandibular na posição com a boca aberta
  • 50. 47 INCIDÊNCIA AXIAL LATERAL: ATM – Método de Schüller Posição do Paciente Posicione o paciente de pé ou em decúbito ventral em nadador. Repouse o aspecto lateral da cabeça contra a superfície da mesa/ Bucky vertical, com o lado de interesse mais próximo ao filme. Posição da Parte Ajuste a cabeça para uma posição lateral verdadeira e mova o corpo do paciente em uma direção oblíqua, conforme o necessário para o conforto do paciente. Alinhe a linha interpu pilar perpendicular ao filme. Alinhe o plano mediossagital paralelo à superfície da mesa/Bucky. Posicione a linha infra- orbitomeatal perpendicular à borda frontal do filme. Raio Central Angule o RC 25 a 30° caudal mente, centrado para 1,3 cm anteriormente e 5 cm superiormente à face superior do MAE. Centre o filme para a ATM projetada. Fatores Técnicos Tamanho do filme - 18 x 24 ou 24x30 cm, sentido longitudinal DFoFi mínima de 100 cm. Respiração Prender a respiração durante a exposição. Estruturas Mostradas: A ATMmais próxima do filme é visível. A imagem de boca fechada mostra o côndilo dentro da fossa mandibular; o côndilo se move para a margem anterior da fossa na posição de boca aberta.
  • 51. CAVUM PERFIL Paciente sempre que possível em ortostático e em perfil absoluto do crânio, PMS paralelo a mesa ou estativa, PVO perpendicular 5 cm atrás da LCE ou LCM, perpendicular a mesa. RC: perpendicular, entrando na região da adenoide( gônio ) chassi: 18x24 longitudinal panorâmico podendo usar o cilindro de extensão identificação lado direito Estruturas visualizadas: A imagem de boca fechada mostra o côndilo dentro da fossa mandibular , boca aberta o côndilo se move para a margem anterior da fossa . Critérios de Avaliação: Visualiza-se a face em perfil com passagem de ar pela região nasofaringe e (se possível) nenhuma passagem de ar pela boca. O perfil verdadeiro é evidenciado pela sobreposição dos ramos mandibulares e da sela túrcica
  • 52. ROTINA DE SEIOS DA FACE • INCIDÊNCIAS BÁSICAS DE SEIOS DA FACE: PAEM FRONTO- NASO, PA EM PARIETO-ACANTIAL E PERFIL. • Nessa rotina investiga-se processos inflamatórios como a sinusite, osteomielite secundária, além de pólipos de seios paranasais 49
  • 53. 50 INCIDÊNCIA PARIETOACANTIAL: SEIOS DA FACE (Método de Waters) Indicações Clínicas • Condições inflamatórias (sinusite, osteomielite secundária). • Pólipos ou cistos nos seios paranasais. Posição da Parte • Estender pescoço, apoiando o queixo contra a mesa/superfície vertical do dispositivo de imagem. • Ajustar a cabeça até que a LMM esteja perpendicular ao plano do RI. A LOM forma um ângulo de 37° com a superfície da mesa/dispositivo de imagem. • Posicionar o PSM perpendicularmente à linha média da superfície da grade ou mesa/dispositivo de imagem, evitando rotação ou inclinação da cabeça. (Um meio de verificar a rotação é palpar os processos mastoideos de cada lado e as margens orbitais laterais com o polegar e os dedos para garantir que as linhas estejam equidistantes do topo da mesa.) RC • Alinhar o RC perpendicularmente ao RI, para sair no acanto. • Centralizar o RI ao RC. Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 18 × 24 cm ou 24 × 30 cm, longitudinalmente • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV Respiração Suspender a respiração. Anatomia Demonstrada Os seios maxilares com o lado inferior visualizado livre da sobreposição de processos alveolares e cristas petrosas, a margem orbital inferior e uma perspectiva oblíqua dos seios frontais.
  • 54. INCIDENCIA PARIETOACANTIAL TRANSORAL:SEIOS MÉTODO DE WATERS BOCA ABERTA Indicações clinicas • Condições inflamatórias (sinusite, osteomielite secundária) • Pólipos ou cistos nos seios. Posição da parte • Estender o pescoço, colocando o queixo e o nariz contra a mesa/superfície do dispositivo de imagem. • Ajustar a cabeça até a LOM formar um ângulo de 37° com RI. (A LMM fica perpendicular com a boca fechada.) • Posicionar PSM perpendicularmente à linha média da grade ou mesa/superfície do dispositivo de imagem e garantir a ausência de rotação ou inclinação. • Instruir o paciente para abrir a boca, orientando-o a “soltar o queixo sem mover a cabeça”(a LMM já não fica perpendicular.) • Centralizar o RI ao RC e ao acanto. RC Alinhar o RC horizontalmente, perpendicularmente ao RI. • Centralizar o RC, para sair no acanto. Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 18 × 24 ou 24x30 cm, longitudinalmente • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV Respiração Suspender a respiração. Anatomia Demonstrada • Os seios maxilares com o lado inferior visualizado, livre de sobreposição dos processos alveolares e cristas petrosas, a margem inferior orbital, uma perspectiva oblíqua dos seios frontais, e os seios esfenoidais, visualizados através da boca aberta.
  • 55. 51 INCIDÊNCIA PA ORTOSTATICO: SEIOS PARA NASAIS (Método de Caldwell) Indicações Clínicas • Condições inflamatórias (sinusite, osteomielite secundária). • Pólipos ou cistos nos seios. Posição da Parte Paciente em ortostático fazendo uma leve flexão em relação a coluna cervical, encostando a ponta do nariz contra o buck da estativa e o fronto(testa) próximo a estativa. o queixo, colocando a LIOM perpendicular ao filme. Alinhe o plano mediossagital perpendicular à linha média da grade ou superfície da mesa/Bucky. Assegure-se de que não haja rotação ou inclinação da cabeça. Raio Central • Alinhe o RC horizontalmente, paralelo ao assoalho. • Centralizar o RC para sair no násio. Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 18 × 24 ou 24x 30 cm, longitudinalmente • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV Respiração Prender a respiração. Anatomia Demonstrada • Seios frontais projetados acima da sutura frontonasal são demonstrados. • Células aéreas etmoidais anteriores são visualizadas lateralmente a cada osso nasal, logo abaixo dos seios frontais.
  • 56. POSIÇAO LATERAL- DIREITA OU ESQUERDA:SEIOS DA FACE 52 Posição do Paciente: Tirar todos os objetos de metal, plástico e outros removíveis da cabeça. Paciente em posição ortostática (ver Observações). Posição da Parte Posicionar o lado lateral da cabeça contra a mesa / Bucky vertical, como lado de interesse mais perto do filme. Ajustar a cabeça em uma posição lateral verdadeira, movendo o corpo em uma direção oblíqua conforme necessário para o conforto do paciente (plano mediossagital paralelo ao filme). (Alinhar a linha interpupilar perpendicularmente ao filme que não há inclinação). Ajustar o queixo para alinhar LlOM perpendicular à margem anterior do filme. Raio Central Alinhar um RC horizontal perpendicular ao filme. Centralizar o RC para um ponto médio entre o ângulo do olho e o MAE. Centralizar o filme em relação ao RC Fatores Técnicos Tamanho do filme - 18 x 24 OU 24X30 cm, em sentido longitudinal. DFoFi mínima de 100 cm. Respiração Prender a respiração. Estruturas Mostradas: Seios esfenóides, frontais superpostos, células etmoidais e seios maxilares, sela turca e teto orbital
  • 57. Paciente Decúbito ventral, braços para cima com as mãos na altura da cabeça. Apoiar (a fronte) e o nariz do paciente contra a mesa. Flexionar o pescoço para alinhar a LOM perpendicularmente ao filme.Alinhar o plano mediossagital perpendicularmente ao filme para evitar rotação e/ou inclinação da cabeça. RC:perpendicular, entrando no occipital e saindo no násion. CHASSI: 18 x 24 transversal panorâmico com bucky.identificação lado direito DFF:1 metro, COLIMAR AAREA DE INTERESSE INSTRUIR O PACIENTE E PARAR DE RESPIRAR Esse estudo tem como objetivo avaliar anormalidades ósseas da órbita e do forame óptico. Critérios de Avaliação: Visualiza-se a borda orbital inferior, maxilas, septo nasal, ossos zigomáticos e arcos zigomáticos. ÓRBITAS FRENTE (PA) 53
  • 58. (METODO DE RHESE) 54 Posição do Paciente Tire todo metal, plástico e outros objetos removíveis da cabeça. A posição do paciente é de pé ou em decúbito dorsal. Posição da Parte Como uma referência inicial, posicione o queixo, a bochecha e o nariz do paciente contra a superfície da mesa/Bucky vertical (veja Observações). Ajuste a cabeça conforme necessário, de maneira que o plano mediossagital forme um ângulo de 53° com o filme. (Um indicador de ângulo deve ser utilizado para obter um ângulo de 53° preciso a partir de uma posição lateral). Posicione a linha acantiomeatal perpendicular ao plano do filme. Raio Central Alinhe o RC perpendicular ao filme, centrado na órbita voltada para baixo Fatores Técnicos Tamanho do filme - 18 x 24 cm, na longitudinal Dfofi mínima de 100 cm. Respiração Prender a respiração durante a exposição. Estruturas Mostradas: Secção transversal de cada canal óptico e uma visão não distorcida do forame óptico.
  • 59. Paciente na posição de nadador ou em perfil ortostática, com o lado traumatizado, mas próximo da LCM ou LCE. PVO perpendicular a mesa. RC:perpendicular na vertical ou horizontal, entrando na comissura da pálpebra não radiografada e saindo na órbita mais próxima ao chassis acima do CAE. CHASSI: 18x24 longitudinal com bucky.identificação lado direito. DFF: 1 m, Colimar a area de interesse Instruir o pcte a parar de respirar Estruturas visualizadas: osso faciais sobrepostos, teto das orbitas,sela turca , zigoma e mandibula perfil . ÓRBITAS PERFIL .55
  • 60. NARIZ SUPEROINFERIOR TANGENCIAL(AXIAL):OSSOA NASAIS O paciente deve estar sentado ereto em uma cadeira na ponta da mesa ou em posição prona sobre a mesa. Estender e apoiar o queixo no RI. Colocar um apoio inclinado sob o RI, tal como demonstrado, para que o RI esteja perpendicular à LGA. Alinhar o PSM perpendicularmente ao raio central e à linha média do RI. Centralizar o RC ao násio e angular, como necessário para garantir que esteja paralelo à LGA. (O RC deve apenas encostar na glabela e nos dentes frontais anteriores superiores.) DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 18 × 24 cm, transversalmente • sem grade • Analógico − alcance de 50 a 60 kV • Sistemas digitais − alcance de 60 a 70 Kv Respiração Prender a respiração durante a exposição Anatomia Demonstrada • Incidência tangencial dos ossos nasais médios e distais (com pouca sobreposição da glabela ou da crista alveolar) e tecidos moles nasais. Cristas petrosas inferiores aos seios maxilares.
  • 61. OSSOS PRORPIO DA FACE Paciente na posição de nadador ou em perfil ortostática, com o lado de interesse mais próximo ao chassi .Conferir se o paciente não esta com a cabeça obliquada e se a LIOM esta perpendicular ao filme . RC: perpendicular na vertical ou horizontal, entrando no násion. CHASSI:18x24 dividido transversal ou 13x18 longitudinal panorâmico com ou sem bucky. Identificação lado direito DFF:1 m, Colimar a área de interesse ,Instruir o Paciente a parar de respirar. Estrutura visualizada: osso nasal e espinha nasal anterior
  • 62. 58 INCIDÊNCIA PARA ARCO ZIGOMÁTICO Paciente em decúbito dorsal, suas costas ficarão apoiada sobre o travesseiro de modo que a sua cabeça obrigatóriamente fique fletida para trás em hiperextensão, solicitar ainda que o paciente eleve o queixo até que a LIOM fique o mais paralelo possível ao filme, o chassi está apoiado em um suporte, ficando em uma posição de aproximadamente 45°. Raio Central: angular o raio no sentido cranial. Entrando entre os ângulos da mandibula DFF- 1m chassi 18x24 ou 24x30 transversal ,sem buck , identificação lado direito apoio para as costas do paciente (travesseiro por ex.) apoio para o chassi (travesseiro ou lençóis por ex.) Esta incidência radiografica tem por finalidade demonstrar os arcos zigomáticos e o osso temporal. Instruir o paciente e parar de respirar
  • 63. 59 OBLÍQUA DO ARCO ZIGOMÁTICO Está incidência estuda separadamente cada arco zigomático. Para realizar esta incidência o paciente poderá ficar em ortostático, decúbito dorsal, ou até mesmo sentado. Isso vai depender das condições do aparelho e principalmente do paciente. Centralizar o PMS (Plano médio sagital) sobre a LCM ou LCE e hiperestender o pescoço elevando o queixo até que a linha orbitomeatal fique paralela ao filme girar a cabeça 15º para o lado de interesse. RC : perpendicular a Linha infra orbitomeatal, incidindo no meio do osso zigomático. Obs: Solicitar ao paciente que prenda a respiração durante a exposição. Chassi : 18 x24 longitudinal , com Buck , identificação lado direito . DFoFil- 1m
  • 64. INCIDENCIA POSTEROANTERIOR PA RC PERPENDICULAR (0º)OU POSTEROANTERIOR (PA AXIAL):MANDIBULA Posição da Parte • Apoiar a testa e o nariz do paciente na mesa/superfície do dispositivo de imagem vertical. • Comprimir o queixo, trazendo a LOM perpendicularmente ao RI • Alinhar o PSM perpendicularmente à linha média da grade, ou mesa/superfície do dispositivo de imagem (garantindo que não haja rotação ou inclinação da cabeça). • Centralizar RI projetado ao RC (na junção dos lábios). • RC PA: Alinhar o RC perpendicularmente ao RI, centralizado para sair na junção dos lábios. Para pacientes com traumatismo podendo fazer em PA prona, essa posição é mais bem executada como supina. • Opcional PA axial: Angular ao raio central de 20° a 25° cefálicos, centrado para sair no acanto. Suspender a respiração durante a exposição. Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 18 × 24 ou 24x30 cm, longitudinalmente • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV Anatomia Demonstrada • PA: Ramos mandibulares e porção lateral do corpo são visíveis. • Opcional PA axial: Região da ATM e as cabeças mandibulares são visíveis através de processos mastoides; processos condiloides são bem visualizados (ligeiramente alongados).
  • 65. Paciente em DD ou Ortostatico corpo fazendo um ângulo de 45 graus sobre a LCM ficando em obliqua AP. Fará uma hiperextensão da região da cervical de modo que a mandíbula fique posicionada em Obliqua AP. RC: angulado 25° cranial, entrando no corpo da mandíbula e saindo no centro do chassis. CHASSI:18x24 transversal panorâmico com bucky.DFF:1 m, com Bucky, identificação lado direito . Estruturas Mostradas: Ramos, processos condilares e coronoides, corpo e mento da mandibula mais proximo do receptor de imagem. MANDÍBULA OBLÍQUAAP Paciente
  • 66. INCIDENCIA AXIAL EM AP :MASTOIDE MÉTODO DE TAWNE 30° OU 37° Paciente em DD com os membros superiores estendidos ao longo do corpo, com o PMS perpendicular sobre a LCM, com o pescoço flexionado ou (deprimir o queixo) trazendo a LOM ou a LlOM perpendicular ao filme e a mesa. Conferir se não há rotação da cabeça. RC:Angular o RC 30° caudalmente à LOM ou 37° à LlOM. Centralizar o RC ao plano mediossagital, em um nível 6 cm acima da glabela, para passar através do nível dos MAE. Centralizar o RI ao RC projetado Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 24 × 30 cm, longitudinal • grade(bucky.) • Analógico − alcance de 60 a 70 kV • Sistemas digitais − alcance de 70 a 80 kV Respiração: Interromper a respiração durante a exposição. Estruturas Mostradas: Dorso da sela e clinóides posteriores no forame magno, pirâmides petrosas bilaterais, células aéreas mastóides e labirinto ósseo. Observação: Se o paciente é incapaz de deprimir o queixo suficientemente para trazer a LOM perpendicular ao filme, a LlOM pode ser colocada perpendicular e o ângulo do RC aumentado 37° caudal mente. Isso mantém o ângulo de 30° entre a LOM e o RC e mostra as mesmas relações anatômicas.
  • 67. INCIDENCIA AXIAL LATERAL OBLIQUA :MASTOIDE METODO DE LAW MODIFICADO Posição do Paciente Tirar todos os metais, plásticos e outros objetos removíveis da cabeça. Posicionar o paciente ereto ou pronado. Prenda cada aurícula à frente para evitar sobreposição do mastoide Posição da Parte Colocar a face lateral da cabeça contra a superfície da mesa/Bucky vertical, com o lado de interesse mais perto do filme; para o conforto do paciente é necessário que o corpo fique oblíquo. Alinhar o plano mediossagital com a superfície da mesa/Bucky vertical. A partir da posição lateral, rodar a face 15° em relação ao filme. Previna-se contra inclinação mantendo a linha interpupilar perpendicular à superfície da mesa/Bucky vertical. Ajustar o queixo para trazer a LIOM perpendicular à margem anterior do filme. Raio Central Angular o RC 15° caudal. Centralizar o RC para sair na ponta do mastoide inferior e para entrar 2,5 cm posterior e superior ao MAE superior. Centralizar o filme para o RC projetado. Fatores Técnicos Tamanho do filme - 18 x 24 OU 24X30 cm, em sentido longitudinal DFoFi mínima de 100 cm. Respiração Interromper a respiração durante a exposição. Estruturas Mostradas: Perspectiva lateral das células aéreas mastóides e labirintos ósseos mais próximos do filme.
  • 68. OBLIQUA AXIOLATERAL DE MASTOIDE OU METODO DE STENVERS Posição da Parte: Paciente em decúbito ventral(pronado)nadador invertido Ajustar o queixo para trazer a LlOM perpendicular ao filme. Rodar a cabeça 45° com o lado de interesse para baixo. Alinhar a região inferior do mastóide ao RC e para a linha central do filme. RC: Angular o RC 12° cranialmente, centralizado para entrar cerca de 7 a 10 cm (3 a 4 polegadas) posterior e 1,25 cm (1/2 polegada) inferior ao MAE do lado de cima, para sair pelo processo mastóide do lado de baixo. Centralizar o RI ao RC projetado. Fatores Técnicos • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 24× 30 cm, longitudinal • Grade • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 75 a 85 kV Respiração: Interromper a respiração durante a exposição. Critérios Radiográficos Estruturas Mostradas: Pirâmide petrosa em perfil, o labirinto ósseo, a cavidade timpânica, o canal auditivo interno e as células aéreas mastóides (com a ponta mastóide) evidenciados no osso occipital no lado examinado.
  • 69. OBLIQUA AXIOLATERAL DE MASTOIDE OU METODO DE ARCELIN OU (STENVERS INVERTIDO) Posicionamento: paciente em DD, com a cabeça rodada 45º, sendo que o lado voltado para cima é o que será demonstrado RC: angulado 10º caudal, entrando 2 cm posterior ao MAE que está voltado para cima. • DFR mínima − 102 cm • Tamanho do RI − 18 × 24 OU 24X30 cm, sentido longitudinal • Grade(BUCK) • Analógico − alcance de 70 a 80 kV • Sistemas digitais − alcance de 75 a 80 kV identificação lado direito poderá utilizar o cone da mastoide Respiração Prender a respiração durante a exposição Estruturas Mostradas: Visualiza o lado inferior da porção petrosa, Incluindo uma visão de topo das células aéreas da mastoide e estruturas do labirinto ósseo.
  • 71. BIBLIOGRAFIAS: BALLINGER, Philip W., FAERS, Frank. Pocket Guide to Radiography, 5ª Ed. Elsevier Health Sciences, 2003. BONTRAGER, Kenneth L Tratado de Técnica Radiológica e Base Anatômica. Guanabara Koogan. 4ª Ed. 1999. BONTRAGER, Kenneth L. Tratado de Técnica Radiológica e Base Anatômica. 5ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003. BONTRAGER, Kenneth L. e LAMPIGNANO, J. P.,Tratado de Posicionamento Radiográfico e Anatomia Associada. 8ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014. NOVELLINE, R. A. Fundamentos de Radiologia de Squire. Artmed. 5ª ed. 1999. BISOLI JÚNIOR, Antônio – Técnicas Radiográficas Ed. Rubio – 2006. WEBGRAFIA http://www.radioinmama.com.br/cranio.html http://www.lucianosantarita.pro.br/Imaginologia.html http://www.ebah.com.br/ http://radiologiaraiosx.blogspot.com http://novomundoradiologico.blogspot.com.br/ http://store.bcltechnologies.com http://www.radioinmama.com.br/cotovelo.htm FONTES 66