SlideShare uma empresa Scribd logo
PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA/ES
SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE
NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE
2. ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIONÃO REMUNERADO
Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente
de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de educandos
que estejam frequentando o ensino regular em instituições de educação
superior, de educação profissional, de ensino médio, da educação especial
e dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional da
educação de jovens e adultos.
Estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja
carga horária e requisito para aprovação e obtenção de diploma.
O estágio obrigatório será realizado sem a concessão de bolsa-estágio,
permitida a concessão de auxílio transporte, sendo indispensável a
contratação de seguro contra acidentes pessoais.
1. PROCEDIMENTO DE CREDENCIAMENTO PARA PROMOÇÃO DE
ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NÃO REMUNERADO.
A Secretaria Municipal de Administração (SEMAD e o órgão responsável pelo
credenciamento de Instituições de ensino técnico e ensino superior para o
estágio curricular obrigatório não remunerado, mediante a celebração de
termo de Credenciamento com o Município de Vila Velha).
Este edital e seus anexos estão disponíveis no site da Prefeitura de Vila
Velha (PMVV), https://www.vilavelha.es.gov.br/, no link LICITAÇÕES.
2
O credenciamento das instituições não estabelece obrigação do Município
de Vila Velha de realizar contrato ou solicitar serviços, constituindo apenas
ao interessado o caráter de credenciado no banco municipal de especialistas
de pessoas jurídicas da PMVV, apto a prestar serviços mediante demanda e
Termo de Credenciamento devidamente autorizado.
A qualquer tempo qualquer instituição que atender aos critérios mínimos
estabelecidos neste termo poderão se credenciar por meio de chamamento
público já existente, encaminhando os documentos necessários para a
Prefeitura Municipal de Vila Velha, Secretaria Municipal de Administração –
Gerência de Compras, localizado à Avenida Santa Leopoldina, nº 840 -
Itaparica – Vila Velha/ES – CEP: 29.102-915Tel. (27) 3149-7523.
1.1 DOS DOCUMENTOS PARA CREDENCIAMENTO.
Os interessados em participar deste chamamento deverão entregar a
seguinte documentação:
Habilitação Jurídica:
a) Registro comercial, no caso de empresa individual;
b) Ato Constitutivo, Estatuto ou Contrato Social em vigor, acompanhado
das alterações ou da consolidação respectiva que demonstra a atual
composição social da empresa, devidamente arquivado, em se tratando de
sociedades empresariais e, quando for o caso, ata de eleição dos gestores;
c) Inscrição do Ato Constitutivo, no caso de sociedades civis, acompanhada
de prova da diretoria em exercício;
d) Decreto de autorização, em se tratando de empresa ou sociedade
estrangeira em funcionamento no país, e ato de registro de autorização
3
para funcionamento expedido pelo órgão competente, quando a atividade
assim o exigir;
f) cédula de identidade do sócio ou representante, conforme o caso,
devidamente autenticada em cartório ou por servidor público da
CPL/SEMAD;
g) caso a empresa se faça representar por terceiros, deverá apresentar
instrumento procuratório para a prática de todos os atos inerentes ao
certame;
Relativa à Regularidade Fiscal:
I – Prova de regularidade fiscal com a Fazenda Federal;
II - Prova de regularidade fiscal com a Fazenda Estadual:
III – prova de regularidade fiscal com a Fazenda Municipal;
IV – Prova de regularidade com o FGTS;
VI - Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas - CNDT;
VII - prova de inscrição no CNPJ
2. FORMALIZAÇÃO DA INTEGRAÇÃO ENSINO E SERVIÇO ENTRE A
SMS E AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO PARA ESTÁGIO OBRIGATÓRIO
Para a formalização da integração entre a SMS e as Instituições de Ensino
para o desenvolvimento das práticas curriculares obrigatórias atinentes aos
níveis de ensino Técnico, de Graduação e Pós-graduação, é obrigatório a
assinatura do TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA entre a Secretaria
Municipal de Saúde e Instituição de Ensino.
4
A tramitação de expediente administrativo para o firmamento de
Cooperação Técnica com a SMS se inicia com a formalização de interesse
de parte das Instituições de Ensino utilizando documento padrão de
Requerimento de Autorização para Estágio Obrigatório e Plano de Trabalho.
Estes documentos serão retirados da página oficial da Educação
Permanente em Saúde, no site da PMVV.
Caso interesse da Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA), o requerimento
será encaminhado para o Comissão Gestora Local.
Caso a Instituição de ensino receba aprovação da Comissão supracitada,
então esta Instituição de Ensino será convocada pela Comissão Executiva
para discussão do TERMO DE CONTRAPARTIDA.
A contrapartida deverá especialmente estararticulada com as demandas de
desenvolvimento dos trabalhadores, construída a partir dos princípios da
Educação Permanente.
O Plano de Contrapartida deverá apresentar elementos que demonstrem a
corresponsabilidade da instituição de ensino pela saúde da população e pela
educação permanente dos trabalhadores naquele território. Poderão
também estar articuladas com as necessidades de pesquisas e
desenvolvimento de novas tecnologias para o SUS.
Uma vez aprovado o Plano de Contrapartida pela Comissão Executiva
COAPES, O Termo de Cooperação Técnica será submetido à apreciação do
Setor Jurídico da SEMSA para posterior assinatura entre as partes.
Importante salientar que o Termo de Cooperação técnica e termo de
compromisso não podem se reduzir a uma mera função Burocrática, mas
que as partes reflitam sobre a intencionalidade do contrato pedagógico
firmados entre as instituições formadoras e os serviços de saúde.
3. INÍCIO ÀS ATIVIDADES DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO
5
A anuência para o ingresso do aluno para o campo de estágio será feito pelo
Núcleo de Educação Permanente com envio da cópia do PLANO DE
ATIVIDADES E TERMO DE COMPROMISSO assinado entre as partes e
encaminhado para o campo de prática.
O Plano de Atividades será um instrumento singularmente elaborado para
orientar as ações de cada cenário de prática onde estudantes estiverem
inseridos.
A organização do Plano de Atividades se dará de acordo com cada senário
de prática e seu detalhamento vai depender da capacidade do serviço e da
instituição de ensino.
Deverá ser detalhada no plano, cada atividade, trazendo informações,
sobre objetivos de aprendizagem dos estudantes no serviço e como será
essa integração no processo de trabalho da unidade, cursos envolvidos,
número de alunos, número de preceptores dentre outros.
O Plano de Atividades é um documento sistematizado, porém dinâmico
levando em consideração as mudanças que possam ocorrer na realidade do
território e da equipe exigindo um diálogo permanente.
Os pontos norteadores da inserção metodológica dos estudantes no
território irão orientar os planos de atividade podendo ser um discussão
junto ao Comitê Gestor Local (CGL).
Os Planos de Atividades devem partir de uma construção coletiva do
gerente e trabalhadores daquele serviço onde deverão ser considerados
protagonistas na discussão, reconhecendo como a presença dos estudantes
em seu espaço de trabalho contribui para a qualificação do cuidado. Os
usuários poderão ser representados pelos Conselhos Locais de Saúde.
A DECLARAÇÃO DE SITUAÇÃO VACINAL é um documento emitido pela
Instituição comprovando a situação vacinal atualizada de acordo com o
6
calendário de vacinação do programa Nacional de Imunização (PNI) para as
atividades de Ensino e Serviço.
A Instituição de Ensino deverá designar um profissional de saúde da própria
Instituição para realizar a triagem dos cartões de vacina e assinar pelos
dados comprovados.
4. AVALIAÇÃO SEMESTRAL DAS ATIVIDADES REALIZADAS NO
CAMPO DE PRÁTICA.
Ao final de cada semestre as equipes de saúde em conjunto com a IES
deverão discutir e validar um RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO daquele período.
O objetivo deste relatório é buscar cada vez mais a qualificação das
atividades de ensino e serviço daquele território.
Os pontos norteadores da avaliação serão as potências e dificuldades
encontradas assim como os indicadores de saúde daquele território e como
a (s) IES naquele espaço pode (m) contribuir para que esses indicadores
sejam qualificados e as metas da unidade atingidas.
Avaliar a corresponsabilidade de todos os profissionais do serviço pelo
processo de formação daqueles estudantes, a função docente na articulação
com os discentes, a interação da preceptoria no SUS com os estudantes e
com os professores e se as entregas pactuadas pela Instituição de Ensino
para aquele território foram realizadas.
O relatório será em modelo padronizado, encaminhado para o Núcleo de
Educação Permanente (NUEPE) onde será discutido no Comitê Gestor Local.
7
Como forma de receber o feedback dos alunos sobre o campo de prática,
os grupos preencheram o Questionário: PERCEPÇÃO DO ALUNO NO CAMPO
DE PRÁTICA.
Este questionário será preenchido por cada grupo de alunos e encaminhado
para o NUEPE, juntamente com o Relatório de Avaliação para discussão no
Comitê Gestor Local do COAPES.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Prefeitura de Balneário Camboriú/SC - Edital 003.2015
Prefeitura de Balneário Camboriú/SC - Edital 003.2015Prefeitura de Balneário Camboriú/SC - Edital 003.2015
Prefeitura de Balneário Camboriú/SC - Edital 003.2015
Luciano T. Lima
 
038 2011-poder executivo escola de sucesso versão ii encaminhado em 13 de out...
038 2011-poder executivo escola de sucesso versão ii encaminhado em 13 de out...038 2011-poder executivo escola de sucesso versão ii encaminhado em 13 de out...
038 2011-poder executivo escola de sucesso versão ii encaminhado em 13 de out...
Olivânio Remígio
 
Legisla+º+úo sobre cria+º+úo do comit+¬ gestor
Legisla+º+úo sobre cria+º+úo do comit+¬ gestorLegisla+º+úo sobre cria+º+úo do comit+¬ gestor
Legisla+º+úo sobre cria+º+úo do comit+¬ gestor
Wanderson Borges
 
PDDE AÇÕES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DO PROGRAMA - Prof. Noe Assunção
PDDE AÇÕES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DO PROGRAMA - Prof. Noe AssunçãoPDDE AÇÕES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DO PROGRAMA - Prof. Noe Assunção
PDDE AÇÕES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DO PROGRAMA - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Remuneracao do magisterio
Remuneracao do magisterioRemuneracao do magisterio
Remuneracao do magisterio
Roseli Aparecida Tavares
 
UPE 2018 - Manual SSA 1
UPE 2018 - Manual SSA 1UPE 2018 - Manual SSA 1
UPE 2018 - Manual SSA 1
Isaquel Silva
 
UPE 2018 - Manual SSA 2
UPE 2018 - Manual SSA 2UPE 2018 - Manual SSA 2
UPE 2018 - Manual SSA 2
Isaquel Silva
 
Relatório de monitoramento pme
Relatório de monitoramento pmeRelatório de monitoramento pme
Relatório de monitoramento pme
Jonas Araújo
 
Edital de Seleção - PEPST 2015
Edital de Seleção - PEPST 2015Edital de Seleção - PEPST 2015
Edital de Seleção - PEPST 2015
COEP2
 
Edital versao final - destaque - alterações
Edital   versao final - destaque - alteraçõesEdital   versao final - destaque - alterações
Edital versao final - destaque - alterações
semecti
 
UPE 2018 - Manual SSA 3
UPE 2018 - Manual SSA 3UPE 2018 - Manual SSA 3
UPE 2018 - Manual SSA 3
Isaquel Silva
 
Var www_municipios_arquivos_clientes_edicoes_2013_04_22927003991
 Var www_municipios_arquivos_clientes_edicoes_2013_04_22927003991 Var www_municipios_arquivos_clientes_edicoes_2013_04_22927003991
Var www_municipios_arquivos_clientes_edicoes_2013_04_22927003991
edsantoslocutor
 
038 2011-poder executivo escola nota 10
038 2011-poder executivo escola nota 10038 2011-poder executivo escola nota 10
038 2011-poder executivo escola nota 10
Olivânio Remígio
 
A regulamentação da lei do aprendiz ibef
A regulamentação da lei do aprendiz  ibefA regulamentação da lei do aprendiz  ibef
A regulamentação da lei do aprendiz ibef
William Rocha
 
RelatóRio Dos Cem Dias da SME de Jucás
RelatóRio Dos Cem Dias da SME de JucásRelatóRio Dos Cem Dias da SME de Jucás
RelatóRio Dos Cem Dias da SME de Jucás
João Gomes
 
Lei do estagiário
Lei do estagiárioLei do estagiário
Lei do estagiário
Portal_Ecaderno
 
Minuta de portaria chamada 12.11.2014
Minuta de portaria chamada 12.11.2014Minuta de portaria chamada 12.11.2014
Minuta de portaria chamada 12.11.2014
Aluizio123
 
Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.
Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.
Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.
Waender Soares
 
Edital professor estado de pernambuco 2015
Edital professor estado de pernambuco 2015Edital professor estado de pernambuco 2015
Edital professor estado de pernambuco 2015
Nando Tavares
 
Pauta de reivindicações 2014 - Sind-UTE MG
Pauta de reivindicações 2014 - Sind-UTE MGPauta de reivindicações 2014 - Sind-UTE MG
Pauta de reivindicações 2014 - Sind-UTE MG
SinduteTO
 

Mais procurados (20)

Prefeitura de Balneário Camboriú/SC - Edital 003.2015
Prefeitura de Balneário Camboriú/SC - Edital 003.2015Prefeitura de Balneário Camboriú/SC - Edital 003.2015
Prefeitura de Balneário Camboriú/SC - Edital 003.2015
 
038 2011-poder executivo escola de sucesso versão ii encaminhado em 13 de out...
038 2011-poder executivo escola de sucesso versão ii encaminhado em 13 de out...038 2011-poder executivo escola de sucesso versão ii encaminhado em 13 de out...
038 2011-poder executivo escola de sucesso versão ii encaminhado em 13 de out...
 
Legisla+º+úo sobre cria+º+úo do comit+¬ gestor
Legisla+º+úo sobre cria+º+úo do comit+¬ gestorLegisla+º+úo sobre cria+º+úo do comit+¬ gestor
Legisla+º+úo sobre cria+º+úo do comit+¬ gestor
 
PDDE AÇÕES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DO PROGRAMA - Prof. Noe Assunção
PDDE AÇÕES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DO PROGRAMA - Prof. Noe AssunçãoPDDE AÇÕES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DO PROGRAMA - Prof. Noe Assunção
PDDE AÇÕES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DO PROGRAMA - Prof. Noe Assunção
 
Remuneracao do magisterio
Remuneracao do magisterioRemuneracao do magisterio
Remuneracao do magisterio
 
UPE 2018 - Manual SSA 1
UPE 2018 - Manual SSA 1UPE 2018 - Manual SSA 1
UPE 2018 - Manual SSA 1
 
UPE 2018 - Manual SSA 2
UPE 2018 - Manual SSA 2UPE 2018 - Manual SSA 2
UPE 2018 - Manual SSA 2
 
Relatório de monitoramento pme
Relatório de monitoramento pmeRelatório de monitoramento pme
Relatório de monitoramento pme
 
Edital de Seleção - PEPST 2015
Edital de Seleção - PEPST 2015Edital de Seleção - PEPST 2015
Edital de Seleção - PEPST 2015
 
Edital versao final - destaque - alterações
Edital   versao final - destaque - alteraçõesEdital   versao final - destaque - alterações
Edital versao final - destaque - alterações
 
UPE 2018 - Manual SSA 3
UPE 2018 - Manual SSA 3UPE 2018 - Manual SSA 3
UPE 2018 - Manual SSA 3
 
Var www_municipios_arquivos_clientes_edicoes_2013_04_22927003991
 Var www_municipios_arquivos_clientes_edicoes_2013_04_22927003991 Var www_municipios_arquivos_clientes_edicoes_2013_04_22927003991
Var www_municipios_arquivos_clientes_edicoes_2013_04_22927003991
 
038 2011-poder executivo escola nota 10
038 2011-poder executivo escola nota 10038 2011-poder executivo escola nota 10
038 2011-poder executivo escola nota 10
 
A regulamentação da lei do aprendiz ibef
A regulamentação da lei do aprendiz  ibefA regulamentação da lei do aprendiz  ibef
A regulamentação da lei do aprendiz ibef
 
RelatóRio Dos Cem Dias da SME de Jucás
RelatóRio Dos Cem Dias da SME de JucásRelatóRio Dos Cem Dias da SME de Jucás
RelatóRio Dos Cem Dias da SME de Jucás
 
Lei do estagiário
Lei do estagiárioLei do estagiário
Lei do estagiário
 
Minuta de portaria chamada 12.11.2014
Minuta de portaria chamada 12.11.2014Minuta de portaria chamada 12.11.2014
Minuta de portaria chamada 12.11.2014
 
Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.
Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.
Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.
 
Edital professor estado de pernambuco 2015
Edital professor estado de pernambuco 2015Edital professor estado de pernambuco 2015
Edital professor estado de pernambuco 2015
 
Pauta de reivindicações 2014 - Sind-UTE MG
Pauta de reivindicações 2014 - Sind-UTE MGPauta de reivindicações 2014 - Sind-UTE MG
Pauta de reivindicações 2014 - Sind-UTE MG
 

Semelhante a estagio curricular obrigatorio nao remunerado

00621 009728
00621 00972800621 009728
Como Tirar proveito
Como Tirar proveitoComo Tirar proveito
Ulife Carreiras - Direito.pptx
Ulife Carreiras - Direito.pptxUlife Carreiras - Direito.pptx
Ulife Carreiras - Direito.pptx
MicroKenTI
 
20110902 manualgestorsupervisor
20110902 manualgestorsupervisor20110902 manualgestorsupervisor
20110902 manualgestorsupervisor
Priscylla Morais Felippe
 
Manual%20do%20 estágio%20 versão%20final%202010[1]
Manual%20do%20 estágio%20 versão%20final%202010[1]Manual%20do%20 estágio%20 versão%20final%202010[1]
Manual%20do%20 estágio%20 versão%20final%202010[1]
Marta Durão Nunes
 
Tce obrigatorio aedu_sem_remuneracao_estagio_(22)
Tce obrigatorio aedu_sem_remuneracao_estagio_(22)Tce obrigatorio aedu_sem_remuneracao_estagio_(22)
Tce obrigatorio aedu_sem_remuneracao_estagio_(22)
Deborah Kash
 
Cps
CpsCps
Eixo Financeiro na Administração e gestão.pdf
Eixo Financeiro na Administração e gestão.pdfEixo Financeiro na Administração e gestão.pdf
Eixo Financeiro na Administração e gestão.pdf
TatianaMilito1
 
1658845711229 (1).pdf
1658845711229 (1).pdf1658845711229 (1).pdf
1658845711229 (1).pdf
ssuserdf3f48
 
Perguntas de pde
Perguntas de pdePerguntas de pde
Perguntas de pde
Jo Angel
 
Procedimentos para estágio EAD
Procedimentos para estágio EADProcedimentos para estágio EAD
Procedimentos para estágio EAD
celaotur
 
Http _www.moodle.uneb.br_file.php_file=_417_nova_lei_do_estagio_2008
Http  _www.moodle.uneb.br_file.php_file=_417_nova_lei_do_estagio_2008Http  _www.moodle.uneb.br_file.php_file=_417_nova_lei_do_estagio_2008
Http _www.moodle.uneb.br_file.php_file=_417_nova_lei_do_estagio_2008
familiaestagio
 
2. Financiamento da Educação.
2. Financiamento da Educação.2. Financiamento da Educação.
2. Financiamento da Educação.
Sandra Luccas
 
Termo estagio
Termo estagioTermo estagio
Termo estagio
animaminima
 
Nova Lei Estagio
Nova Lei EstagioNova Lei Estagio
Nova Lei Estagio
Acquanews
 
SEMANA DE PREPARAÇÃO - 1º DIA (1).pdf
SEMANA DE PREPARAÇÃO - 1º DIA (1).pdfSEMANA DE PREPARAÇÃO - 1º DIA (1).pdf
SEMANA DE PREPARAÇÃO - 1º DIA (1).pdf
DalkerPinnheiro
 
Slide formação conselhos
Slide formação conselhosSlide formação conselhos
Slide formação conselhos
Wendel Matos
 
Lei11788
Lei11788Lei11788
Lei11788
Joas Rodrigues
 
Abertura ano letivo despacho organizacao ano1516
Abertura ano letivo despacho organizacao ano1516Abertura ano letivo despacho organizacao ano1516
Abertura ano letivo despacho organizacao ano1516
jrpontinha
 
Despacho normativo 10 a-2015 organz ano let 15-16
Despacho normativo 10 a-2015 organz ano let 15-16Despacho normativo 10 a-2015 organz ano let 15-16
Despacho normativo 10 a-2015 organz ano let 15-16
antfra61
 

Semelhante a estagio curricular obrigatorio nao remunerado (20)

00621 009728
00621 00972800621 009728
00621 009728
 
Como Tirar proveito
Como Tirar proveitoComo Tirar proveito
Como Tirar proveito
 
Ulife Carreiras - Direito.pptx
Ulife Carreiras - Direito.pptxUlife Carreiras - Direito.pptx
Ulife Carreiras - Direito.pptx
 
20110902 manualgestorsupervisor
20110902 manualgestorsupervisor20110902 manualgestorsupervisor
20110902 manualgestorsupervisor
 
Manual%20do%20 estágio%20 versão%20final%202010[1]
Manual%20do%20 estágio%20 versão%20final%202010[1]Manual%20do%20 estágio%20 versão%20final%202010[1]
Manual%20do%20 estágio%20 versão%20final%202010[1]
 
Tce obrigatorio aedu_sem_remuneracao_estagio_(22)
Tce obrigatorio aedu_sem_remuneracao_estagio_(22)Tce obrigatorio aedu_sem_remuneracao_estagio_(22)
Tce obrigatorio aedu_sem_remuneracao_estagio_(22)
 
Cps
CpsCps
Cps
 
Eixo Financeiro na Administração e gestão.pdf
Eixo Financeiro na Administração e gestão.pdfEixo Financeiro na Administração e gestão.pdf
Eixo Financeiro na Administração e gestão.pdf
 
1658845711229 (1).pdf
1658845711229 (1).pdf1658845711229 (1).pdf
1658845711229 (1).pdf
 
Perguntas de pde
Perguntas de pdePerguntas de pde
Perguntas de pde
 
Procedimentos para estágio EAD
Procedimentos para estágio EADProcedimentos para estágio EAD
Procedimentos para estágio EAD
 
Http _www.moodle.uneb.br_file.php_file=_417_nova_lei_do_estagio_2008
Http  _www.moodle.uneb.br_file.php_file=_417_nova_lei_do_estagio_2008Http  _www.moodle.uneb.br_file.php_file=_417_nova_lei_do_estagio_2008
Http _www.moodle.uneb.br_file.php_file=_417_nova_lei_do_estagio_2008
 
2. Financiamento da Educação.
2. Financiamento da Educação.2. Financiamento da Educação.
2. Financiamento da Educação.
 
Termo estagio
Termo estagioTermo estagio
Termo estagio
 
Nova Lei Estagio
Nova Lei EstagioNova Lei Estagio
Nova Lei Estagio
 
SEMANA DE PREPARAÇÃO - 1º DIA (1).pdf
SEMANA DE PREPARAÇÃO - 1º DIA (1).pdfSEMANA DE PREPARAÇÃO - 1º DIA (1).pdf
SEMANA DE PREPARAÇÃO - 1º DIA (1).pdf
 
Slide formação conselhos
Slide formação conselhosSlide formação conselhos
Slide formação conselhos
 
Lei11788
Lei11788Lei11788
Lei11788
 
Abertura ano letivo despacho organizacao ano1516
Abertura ano letivo despacho organizacao ano1516Abertura ano letivo despacho organizacao ano1516
Abertura ano letivo despacho organizacao ano1516
 
Despacho normativo 10 a-2015 organz ano let 15-16
Despacho normativo 10 a-2015 organz ano let 15-16Despacho normativo 10 a-2015 organz ano let 15-16
Despacho normativo 10 a-2015 organz ano let 15-16
 

Mais de Alexandre Araujo

resumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdf
resumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdfresumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdf
resumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdf
Alexandre Araujo
 
321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx
321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx
321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx
Alexandre Araujo
 
Desmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdf
Desmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdfDesmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdf
Desmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdf
Alexandre Araujo
 
Anamnese musicoterápica integralidades
Anamnese musicoterápica   integralidadesAnamnese musicoterápica   integralidades
Anamnese musicoterápica integralidades
Alexandre Araujo
 
Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)
Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)
Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)
Alexandre Araujo
 
pink-floyd-anthology-book-pdf
 pink-floyd-anthology-book-pdf pink-floyd-anthology-book-pdf
pink-floyd-anthology-book-pdf
Alexandre Araujo
 
apostila-de-musicalizacao-infantil
 apostila-de-musicalizacao-infantil apostila-de-musicalizacao-infantil
apostila-de-musicalizacao-infantil
Alexandre Araujo
 
Figuras de som
Figuras de somFiguras de som
Figuras de som
Alexandre Araujo
 
Múltiplos espaços
Múltiplos espaços Múltiplos espaços
Múltiplos espaços
Alexandre Araujo
 
Idéias para pensarmos a formação de professores de música
Idéias para pensarmos a formação de professores de música Idéias para pensarmos a formação de professores de música
Idéias para pensarmos a formação de professores de música
Alexandre Araujo
 
Música , a realidade nas escolas e política de formação
Música , a realidade nas escolas e política de formação Música , a realidade nas escolas e política de formação
Música , a realidade nas escolas e política de formação
Alexandre Araujo
 
Os primeiros programas de atendime
Os primeiros programas de atendimeOs primeiros programas de atendime
Os primeiros programas de atendime
Alexandre Araujo
 
Pellegrini 7-cordas
Pellegrini 7-cordasPellegrini 7-cordas
Pellegrini 7-cordas
Alexandre Araujo
 
Se a escola de violões é a melhor do mundo
Se a escola de violões é a melhor do mundoSe a escola de violões é a melhor do mundo
Se a escola de violões é a melhor do mundo
Alexandre Araujo
 
561 elton john - sorry seems to be the hardest word
561   elton john - sorry seems to be the hardest word561   elton john - sorry seems to be the hardest word
561 elton john - sorry seems to be the hardest wordAlexandre Araujo
 
Morris ginsberg
Morris ginsbergMorris ginsberg
Morris ginsberg
Alexandre Araujo
 
1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática
1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática
1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática
Alexandre Araujo
 
2707139 luis althusser
2707139 luis althusser2707139 luis althusser
2707139 luis althusser
Alexandre Araujo
 

Mais de Alexandre Araujo (18)

resumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdf
resumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdfresumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdf
resumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdf
 
321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx
321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx
321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx
 
Desmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdf
Desmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdfDesmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdf
Desmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdf
 
Anamnese musicoterápica integralidades
Anamnese musicoterápica   integralidadesAnamnese musicoterápica   integralidades
Anamnese musicoterápica integralidades
 
Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)
Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)
Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)
 
pink-floyd-anthology-book-pdf
 pink-floyd-anthology-book-pdf pink-floyd-anthology-book-pdf
pink-floyd-anthology-book-pdf
 
apostila-de-musicalizacao-infantil
 apostila-de-musicalizacao-infantil apostila-de-musicalizacao-infantil
apostila-de-musicalizacao-infantil
 
Figuras de som
Figuras de somFiguras de som
Figuras de som
 
Múltiplos espaços
Múltiplos espaços Múltiplos espaços
Múltiplos espaços
 
Idéias para pensarmos a formação de professores de música
Idéias para pensarmos a formação de professores de música Idéias para pensarmos a formação de professores de música
Idéias para pensarmos a formação de professores de música
 
Música , a realidade nas escolas e política de formação
Música , a realidade nas escolas e política de formação Música , a realidade nas escolas e política de formação
Música , a realidade nas escolas e política de formação
 
Os primeiros programas de atendime
Os primeiros programas de atendimeOs primeiros programas de atendime
Os primeiros programas de atendime
 
Pellegrini 7-cordas
Pellegrini 7-cordasPellegrini 7-cordas
Pellegrini 7-cordas
 
Se a escola de violões é a melhor do mundo
Se a escola de violões é a melhor do mundoSe a escola de violões é a melhor do mundo
Se a escola de violões é a melhor do mundo
 
561 elton john - sorry seems to be the hardest word
561   elton john - sorry seems to be the hardest word561   elton john - sorry seems to be the hardest word
561 elton john - sorry seems to be the hardest word
 
Morris ginsberg
Morris ginsbergMorris ginsberg
Morris ginsberg
 
1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática
1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática
1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática
 
2707139 luis althusser
2707139 luis althusser2707139 luis althusser
2707139 luis althusser
 

Último

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 

Último (20)

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 

estagio curricular obrigatorio nao remunerado

  • 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA/ES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE 2. ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIONÃO REMUNERADO Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de educandos que estejam frequentando o ensino regular em instituições de educação superior, de educação profissional, de ensino médio, da educação especial e dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional da educação de jovens e adultos. Estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária e requisito para aprovação e obtenção de diploma. O estágio obrigatório será realizado sem a concessão de bolsa-estágio, permitida a concessão de auxílio transporte, sendo indispensável a contratação de seguro contra acidentes pessoais. 1. PROCEDIMENTO DE CREDENCIAMENTO PARA PROMOÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NÃO REMUNERADO. A Secretaria Municipal de Administração (SEMAD e o órgão responsável pelo credenciamento de Instituições de ensino técnico e ensino superior para o estágio curricular obrigatório não remunerado, mediante a celebração de termo de Credenciamento com o Município de Vila Velha). Este edital e seus anexos estão disponíveis no site da Prefeitura de Vila Velha (PMVV), https://www.vilavelha.es.gov.br/, no link LICITAÇÕES.
  • 2. 2 O credenciamento das instituições não estabelece obrigação do Município de Vila Velha de realizar contrato ou solicitar serviços, constituindo apenas ao interessado o caráter de credenciado no banco municipal de especialistas de pessoas jurídicas da PMVV, apto a prestar serviços mediante demanda e Termo de Credenciamento devidamente autorizado. A qualquer tempo qualquer instituição que atender aos critérios mínimos estabelecidos neste termo poderão se credenciar por meio de chamamento público já existente, encaminhando os documentos necessários para a Prefeitura Municipal de Vila Velha, Secretaria Municipal de Administração – Gerência de Compras, localizado à Avenida Santa Leopoldina, nº 840 - Itaparica – Vila Velha/ES – CEP: 29.102-915Tel. (27) 3149-7523. 1.1 DOS DOCUMENTOS PARA CREDENCIAMENTO. Os interessados em participar deste chamamento deverão entregar a seguinte documentação: Habilitação Jurídica: a) Registro comercial, no caso de empresa individual; b) Ato Constitutivo, Estatuto ou Contrato Social em vigor, acompanhado das alterações ou da consolidação respectiva que demonstra a atual composição social da empresa, devidamente arquivado, em se tratando de sociedades empresariais e, quando for o caso, ata de eleição dos gestores; c) Inscrição do Ato Constitutivo, no caso de sociedades civis, acompanhada de prova da diretoria em exercício; d) Decreto de autorização, em se tratando de empresa ou sociedade estrangeira em funcionamento no país, e ato de registro de autorização
  • 3. 3 para funcionamento expedido pelo órgão competente, quando a atividade assim o exigir; f) cédula de identidade do sócio ou representante, conforme o caso, devidamente autenticada em cartório ou por servidor público da CPL/SEMAD; g) caso a empresa se faça representar por terceiros, deverá apresentar instrumento procuratório para a prática de todos os atos inerentes ao certame; Relativa à Regularidade Fiscal: I – Prova de regularidade fiscal com a Fazenda Federal; II - Prova de regularidade fiscal com a Fazenda Estadual: III – prova de regularidade fiscal com a Fazenda Municipal; IV – Prova de regularidade com o FGTS; VI - Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas - CNDT; VII - prova de inscrição no CNPJ 2. FORMALIZAÇÃO DA INTEGRAÇÃO ENSINO E SERVIÇO ENTRE A SMS E AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO PARA ESTÁGIO OBRIGATÓRIO Para a formalização da integração entre a SMS e as Instituições de Ensino para o desenvolvimento das práticas curriculares obrigatórias atinentes aos níveis de ensino Técnico, de Graduação e Pós-graduação, é obrigatório a assinatura do TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA entre a Secretaria Municipal de Saúde e Instituição de Ensino.
  • 4. 4 A tramitação de expediente administrativo para o firmamento de Cooperação Técnica com a SMS se inicia com a formalização de interesse de parte das Instituições de Ensino utilizando documento padrão de Requerimento de Autorização para Estágio Obrigatório e Plano de Trabalho. Estes documentos serão retirados da página oficial da Educação Permanente em Saúde, no site da PMVV. Caso interesse da Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA), o requerimento será encaminhado para o Comissão Gestora Local. Caso a Instituição de ensino receba aprovação da Comissão supracitada, então esta Instituição de Ensino será convocada pela Comissão Executiva para discussão do TERMO DE CONTRAPARTIDA. A contrapartida deverá especialmente estararticulada com as demandas de desenvolvimento dos trabalhadores, construída a partir dos princípios da Educação Permanente. O Plano de Contrapartida deverá apresentar elementos que demonstrem a corresponsabilidade da instituição de ensino pela saúde da população e pela educação permanente dos trabalhadores naquele território. Poderão também estar articuladas com as necessidades de pesquisas e desenvolvimento de novas tecnologias para o SUS. Uma vez aprovado o Plano de Contrapartida pela Comissão Executiva COAPES, O Termo de Cooperação Técnica será submetido à apreciação do Setor Jurídico da SEMSA para posterior assinatura entre as partes. Importante salientar que o Termo de Cooperação técnica e termo de compromisso não podem se reduzir a uma mera função Burocrática, mas que as partes reflitam sobre a intencionalidade do contrato pedagógico firmados entre as instituições formadoras e os serviços de saúde. 3. INÍCIO ÀS ATIVIDADES DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO
  • 5. 5 A anuência para o ingresso do aluno para o campo de estágio será feito pelo Núcleo de Educação Permanente com envio da cópia do PLANO DE ATIVIDADES E TERMO DE COMPROMISSO assinado entre as partes e encaminhado para o campo de prática. O Plano de Atividades será um instrumento singularmente elaborado para orientar as ações de cada cenário de prática onde estudantes estiverem inseridos. A organização do Plano de Atividades se dará de acordo com cada senário de prática e seu detalhamento vai depender da capacidade do serviço e da instituição de ensino. Deverá ser detalhada no plano, cada atividade, trazendo informações, sobre objetivos de aprendizagem dos estudantes no serviço e como será essa integração no processo de trabalho da unidade, cursos envolvidos, número de alunos, número de preceptores dentre outros. O Plano de Atividades é um documento sistematizado, porém dinâmico levando em consideração as mudanças que possam ocorrer na realidade do território e da equipe exigindo um diálogo permanente. Os pontos norteadores da inserção metodológica dos estudantes no território irão orientar os planos de atividade podendo ser um discussão junto ao Comitê Gestor Local (CGL). Os Planos de Atividades devem partir de uma construção coletiva do gerente e trabalhadores daquele serviço onde deverão ser considerados protagonistas na discussão, reconhecendo como a presença dos estudantes em seu espaço de trabalho contribui para a qualificação do cuidado. Os usuários poderão ser representados pelos Conselhos Locais de Saúde. A DECLARAÇÃO DE SITUAÇÃO VACINAL é um documento emitido pela Instituição comprovando a situação vacinal atualizada de acordo com o
  • 6. 6 calendário de vacinação do programa Nacional de Imunização (PNI) para as atividades de Ensino e Serviço. A Instituição de Ensino deverá designar um profissional de saúde da própria Instituição para realizar a triagem dos cartões de vacina e assinar pelos dados comprovados. 4. AVALIAÇÃO SEMESTRAL DAS ATIVIDADES REALIZADAS NO CAMPO DE PRÁTICA. Ao final de cada semestre as equipes de saúde em conjunto com a IES deverão discutir e validar um RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO daquele período. O objetivo deste relatório é buscar cada vez mais a qualificação das atividades de ensino e serviço daquele território. Os pontos norteadores da avaliação serão as potências e dificuldades encontradas assim como os indicadores de saúde daquele território e como a (s) IES naquele espaço pode (m) contribuir para que esses indicadores sejam qualificados e as metas da unidade atingidas. Avaliar a corresponsabilidade de todos os profissionais do serviço pelo processo de formação daqueles estudantes, a função docente na articulação com os discentes, a interação da preceptoria no SUS com os estudantes e com os professores e se as entregas pactuadas pela Instituição de Ensino para aquele território foram realizadas. O relatório será em modelo padronizado, encaminhado para o Núcleo de Educação Permanente (NUEPE) onde será discutido no Comitê Gestor Local.
  • 7. 7 Como forma de receber o feedback dos alunos sobre o campo de prática, os grupos preencheram o Questionário: PERCEPÇÃO DO ALUNO NO CAMPO DE PRÁTICA. Este questionário será preenchido por cada grupo de alunos e encaminhado para o NUEPE, juntamente com o Relatório de Avaliação para discussão no Comitê Gestor Local do COAPES.