SlideShare uma empresa Scribd logo
Louis Althusser




L o u i s A lt h u s s e r
     Louis Althusser nasceu em Birmandreis, Argélia, em 1918. Em 1939, teve
êxito no extremamente competitivo exame de admissão para a prestigiosa École
Normale Supérieure (Escola Normal Superior, ens) em Paris. Entretanto, o serviço
militar impediu-o de ingressar de imediato na vida acadêmica: a convocação para
lutar na Segunda Guerra Mundial adiou seus estudos para mais tarde. Capturado
em Vanees, em 1940, Althusser passou os cinco anos seguintes aprisionado em
campos de concentração alemães. Depois da guerra, estabeleceu três ligações
que seriam cruciais por quase toda a sua vida. Primeiramente, retornou à École
Normale Supérieure, onde acabou sendo aprovado no agrégation*1e onde daria
aulas até 1980. Em segundo lugar, conheceu Hélène Rytman, companheira com
quem manteve um relacionamento duradouro, ainda que difícil e turbulento, até
a morte dela, em circunstâncias trágicas. Por fim, após romper com o catolicismo,
filiou-se ao Partido Comunista Francês (pcf), ao qual continuaria vinculado até
o fim da vida – ainda que com algum desconforto.
     Althusser apareceu com ímpeto no cenário intelectual em 1965, com a
publicação de For Marx (A favor de Marx), rapidamente seguida de Reading
Capital (Ler O Capital). Nesses textos, criticava com veemência o que considerava
ser a ossificação dogmática da teoria marxista sob a ortodoxia stalinista, que
reduzira a determinação social a forças produtivas, tomando, portanto, a forma
de um economismo ou economicismo. Da mesma maneira, Althusser polemizou
ferozmente com as leituras hegelianas de Marx. Os marxistas ocidentais haviam
se apoiado pesadamente em Hegel, e a desestalinização dos partidos comunistas
marxistas também encorajara uma aproximação. A releitura crítica da obra
de Marx levou Althusser a uma nova periodização, na qual localizava um
“corte” entre um Marx da juventude, “ideológico”, e um Marx “científico” da
maturidade. Althusser afirmava que a mudança na direção de uma abordagem
científica exigira que Marx abandonasse Hegel, bem como a antropologia
filosófica e o humanismo que davam sustentação a seus textos anteriores a 1845.
Assim, defender uma leitura hegeliana de Marx era precisamente afastar-se das
realizações mais importantes de Marx, das quais a principal era a concepção de
uma sociedade como uma totalidade complexamente determinada.
     Althusser argumentava que seu retorno a Marx tinha como justificativa a
intenção de diferenciar os marxismos, o autêntico do ideológico. Esse retorno,
contudo, não era a recuperação de algo que outrora se conhecia e agora fora


*	 Nota do Tradutor (N. T.): O agrégation é um sistema de admissão, por concurso, de professores em
   liceus e faculdades na França, e que efetiva o acadêmico funcionário público do ensino.



                                                13
50 Grandes sociólogos contemporâneos




esquecido. Marx, de acordo com Althusser, abrira um “novo continente” de
conhecimento científico, e foi uma tarefa dos livros de Althusser explorar e
mapear o potencial teoricamente contido nesses domínios. Curiosamente,
tal descoberta do Marx autêntico exigiu três fontes intelectuais marxistas: a
epistemologia histórica, a filosofia espinosana e a psicanálise lacaniana.
     Da epistemologia histórica – e, mais especificamente, da obra de Gaston
Bachelard –, Althusser se apropriou da noção de “corte”. Isso significa, em
primeiro lugar, que a ciência não é uma extensão do cotidiano, mas rompe com a
experiência cotidiana por meio da construção de estruturas conceituais e teóricas,
por sua vez “materializadas” em ferramentas, instrumentos e experimentos. Para
Althusser, isso era o que estava por trás do contraste entre ciência e ideologia. Esta
última é um know-how (experiência, técnica, prática) que reproduz o cotidiano
como senso comum, numa tentativa de estabilizar relações antagônicas, tais
como aquela entre capital e trabalho.
     O segundo sentido de corte historiciza o primeiro. Para Bachelard, uma
palavra não é um conceito científico. O que atribui significado científico a
um vocábulo particular é sua relação com outros conceitos. Cada conceito
está embutido numa rede de conceitos que Althusser definiu como uma
“problemática”. Althusser identificou em Marx um corte epistemológico iniciado
em 1845 e que evoluiria para uma nova problemática depois de 1857. Uma vez
que diferentes problemáticas podiam compartilhar palavras, era necessário,
nos termos de Lacan, realizar “leituras sintomáticas”, com o intuito de extrair a
“inconsciência” teórica do texto que estruturava os tipos de questões apresentadas
e limitava a gama de conceitos e respostas possíveis. A palavra “espaço” não tem,
na física newtoniana, o mesmo significado que tem na teoria da relatividade. O
significado nesta última não se funda na primeira; rompe com ela.
     A leitura sintomática que Althusser fez de Marx identificou uma problemática
que rompia com o humanismo e o hegelianismo. O humanismo, a crença de que
os indivíduos, enquanto tais, são os agentes da história, era incompatível com o
anti-humanismo teórico da investigação científica das relações sociais encontrada
no Marx posterior. Associado ao humanismo estava o historicismo, ou a noção
de que a história é a realização de uma essência humana, como a criatividade,
o amor ou a liberdade. O historicismo apresenta a história como um processo
linear rumo a um objetivo. É uma teleologia, na qual se considera que a “essência”
determina todas as facetas da vida social, o que Althusser chamava de “totalidade
expressiva”. Afirmava que “tal e tal elemento (econômico, político, legal, literário,
religioso etc., em Hegel) = a essência interior do todo”.
     Em Ler o Capital, Althusser afirmava ter descoberto que o trabalho teórico
deveria ser visto como um tipo de produção, uma prática por meio da qual materiais
brutos (por exemplo, “fatos”, documentos, experiência, ideologias) são influen-


                                         14
Louis Althusser




ciados por uma estrutura teórica que, de maneira coerente, os processa e
organiza. Essa transformação prática do que chamou de “Generalidade i” pela
ação da “Generalidade ii” produz o conhecimento científico, que chamou de
“Generalidade iii”. Portanto, o trabalho teórico-conceitual, rompendo com a
ideologia, é a chave fundamental da produção do conhecimento científico. Em traba-
lhos posteriores, Althusser criticaria o caráter excessivamente teórico dessa visão.
     Apoiando-se nas idéias de Marx, Mao e Lenin, mas especialmente na
filosofia materialista de Spinoza, Althusser afirmou que o conceito marxista de
modo de produção tornou possível uma problemática na qual as sociedades
poderiam ser conceitualizadas como totalidades contraditórias e complexamente
organizadas, em que cada elemento é “superdeterminado” ou já tendo sempre
recebido a influência de uma variedade de outros elementos. As diferentes regiões
(econômicas, políticas, ideológicas) de uma sociedade são, sempre e a um só
tempo, determinantes e determinadas por outras. Não há uma contradição apenas,
mas uma pluralidade de contradições, que se amalgamam ou são deslocadas.
Não se trata de uma estrutura unitária, mas de uma estrutura de estruturas.
Para Althusser, o que estava em jogo não era uma causalidade expressiva, mas
estrutural. Ele defendia o argumento de que o nível econômico ou a região de
relações de produção é sempre determinante, em última instância. Contudo, fez
ressalvas a seu próprio raciocínio, afirmando que, em certos modos de produção,
outras regiões podem ser dominantes. Assim, no feudalismo, o dominante é o
nível político. Todavia, “do primeiro ao último momento, a hora solitária da
‘última instância’ nunca chega”. Em outras palavras, a região econômica estrutura
um campo de determinação mútua no qual outras regiões são relativamente
autônomas. A formação social é uma totalidade descentralizada. Não existe causa
primária ou última; existe uma “causa ausente”, ou, na linguagem de Spinoza, “os
efeitos não são externos à estrutura... a estrutura é imanente em seus efeitos”.
     Apesar de suas difíceis relações com o estruturalismo, o althussearianismo é
frequentemente referido como “marxismo estrutural”. O pensamento de Althusser
sacudiu o marxismo e eletrizou o debate teórico. Em fins da década de 1970,
entretanto, já tinha perdido grande parte de sua carga explosiva, decorrente de
uma concatenação de eventos: uma guinada visceral da intelectualidade acadêmica
francesa contra o marxismo, uma mudança dos horizontes políticos, bem como
importantes problemas teóricos intrínsecos à própria posição de Althusser,
reconhecidos por ele próprio em mais de um texto de autocrítica posterior.
     O legado de Althusser é imenso. Além dos limites de seu círculo ime-
diato – incluindo Etienne Balibar, Pierre Machery, Nicos Poulantzas e Michel Pe-
chau, para nomear apenas alguns –, seus textos foram decisivos para acadêmicos
como Göran Therborn, Terry Eagleton, Erik Olin Wright e Stephen Resnick e Ri-
chard Wolf. Mais tarde, a ênfase de Althusser no conhecimento enquanto prática
produtiva foi retomada e desenvolvida por Roy Bhaskar como a base do realismo


                                        15
50 Grandes sociólogos contemporâneos




crítico. Sua obra sobre a ideologia – esboçada em A favor de Marx no ensaio
“Idéologie et appareils idéologiques d’état” (“Ideologia e aparelhos ideológicos
de Estado”) – teve larga influência, delineando a função dos “aparelhos ideoló-
gicos estatais” (tais como a Igreja, a família, a educação) e sua contribuição para
a reprodução das relações sociais de exploração. É outra área em que Althusser,
de maneira inovadora, fia-se na psicanálise lacaniana para explorar a ideologia
como prática material que constitui os indivíduos enquanto sujeitos. A definição
de Althusser para o conceito de ideologia – “representação da relação imaginária
de indivíduos com suas reais condições de existência” – mostrou-se extremamente
fértil. A tentativa althusseriana de desenvolver um materialismo não reducionista
continua sendo um programa de pesquisas vital. Ademais, Althusser deu uma
importante contribuição ao materialismo imanentista espinosano contemporâ-
neo, associado, entre outros, a Gilles Deleuze, Etienne Balibar e Antonio Negri.
      Althusser sofria de psicose maníaco-depressiva. Foi submetido a uma miríade
de tratamentos, mas nenhum parecia capaz de evitar os colapsos periódicos, as
severas crises de depressão e os sucessivos períodos de internação. Tragicamente,
em novembro de 1980, durante um surto psicótico, ele assassinou a esposa,
Hélène. A justiça francesa considerou Althusser inimputável, e ele foi declarado
incapaz e inocentado em 1981. Foi o fim de sua carreira acadêmica. No fim das
contas, Althusser não foi preso, mas sim internado num hospital psiquiátrico,
onde permaneceu até 1983. Depois de solto, mudou-se para o norte de Paris e
viveu relativamente recluso, trabalhando em sua autobiografia, até morrer, de
ataque cardíaco, em 22 de outubro de 1990, aos 72 anos.
      Em 1992, a autobiografia de Althusser foi publicada, postumamente. Ele
afirmou que, silenciado pela ausência de julgamento pelo homicídio de Hélène,
o texto permitia a ele “intervir pessoalmente e publicamente para oferecer meu
próprio testemunho”. Mais que um testemunho ou uma biografia, o volume é,
nas palavras de Gregory Elliot, acima de tudo uma “reescrita de uma vida sob
o prisma de seu naufrágio”. Se a “traumabiografia” esconde mais do que revela,
outros textos, também de publicação póstuma, lançam luz sobre importantes
aspectos do projeto intelectual e político de Althusser. Em escritos como “Le
courant souterrain du matérialisme de la rencontre” (“A corrente subterrânea do
materialismo do encontro”) e “Machiavel et nous” (“Maquiavel e nós”), Althusser
tentou traçar e esboçar um “materialismo do encontro”, um “materialismo
aleatório”. Em outras palavras, propôs a questão de como podemos usar o
conhecimento teórico de modo a contribuir para a emergência de algo novo
(por exemplo, uma sociedade mais justa), sem que isso fosse visto como um
evento pré-ordenado, o produto de voluntarismo ou um fenômeno inteiramente
fortuito. Esse foi, em termos mais amplos, o desafio lançado por Althusser à
teoria marxista e ao pensamento social: talvez seja também o nosso.


                                        16
Roland Barthes




Veja     ta m b é m
Neste livro: Manuel Castells, Ernesto Laclau, Claude Lévi-Strauss.
Em 50 sociólogos fundamentais: Karl Marx.

Para     ler    Louis Althusser
Em português
A favor de Marx. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.
Ler O Capital. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.
O futuro dura muito tempo. Seguido de Os fatos: autobiografias. São Paulo: Companhia das
      Letras, 1992.

Em inglês
For Marx. 1962-5. London: Allen Lane, 1969.
Reading Capital. 1965-8. Com Etienne Balibar. London: New Left Books, 1970.
Lenin & Philosophy and Other Essays. London: New Left Books, 1971.
Essays in Self-Criticism. 1974. London: New Left Books, 1976.
The Future Lasts a Long Time. London:Vintage 1994.
Machiavelli and Us. London:Verso, 1999.

Para     saber mais
Ted Benton. The Rise and Fall of Structural Marxism. London: Macmillan, 1984.
Roy Bhaskar. Reclaiming Reality. London:Verso, 1989.
Alex Callinicos. Althusser’s Marxism. London: Pluto Press, 1976.
Gregory Elliot, ed. Althusser: A Critical Reader. Oxford: Blackwell, 1994.
Gregory Elliot. Althusser:The Detour of Theory. London:Verso, 1987.
José López. Society and Its Metaphors. London: Continuum, 2003.
Warren Montag. Louis Althusser. London: Palgrave, 2002.
J. Read. The Micro-Politics of Capital. New York: SUNY, 2003.




                                              17

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revisao comte durkheimweber
Revisao comte durkheimweberRevisao comte durkheimweber
Revisao comte durkheimweber
joao paulo
 
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
GabrielaMansur
 
Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentação
amorimanamaria
 
Michel foucault por uma vida nao facista
Michel foucault   por uma vida nao facistaMichel foucault   por uma vida nao facista
Michel foucault por uma vida nao facista
fatimalaranjeira
 
Pensadores da sociologia alêrocha
Pensadores da sociologia alêrochaPensadores da sociologia alêrocha
Pensadores da sociologia alêrocha
breckenfeld
 
Tópicos capítulo 6
Tópicos capítulo 6  Tópicos capítulo 6
Tópicos capítulo 6
Sandra Pereira
 
Trabalho de filosofia e educação.jaspers
Trabalho de filosofia e educação.jaspersTrabalho de filosofia e educação.jaspers
Trabalho de filosofia e educação.jaspers
Jas-1970
 
Weber a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Weber   a Ética Protestante e o Espírito do CapitalismoWeber   a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Weber a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Lucio Braga
 
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo AvelinoErrico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
BlackBlocRJ
 
Ideologia e adorno
Ideologia e adornoIdeologia e adorno
Ideologia e adorno
Patricia Á Carvalho
 
Fichamento analítico do livro cultura e democrácia de Marilena Chauí
Fichamento analítico do livro cultura e democrácia de Marilena ChauíFichamento analítico do livro cultura e democrácia de Marilena Chauí
Fichamento analítico do livro cultura e democrácia de Marilena Chauí
Marcus Leal
 
4 weber e a educacao
4   weber e a educacao4   weber e a educacao
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Atrigo. sociologia1 original
Atrigo. sociologia1 originalAtrigo. sociologia1 original
Atrigo. sociologia1 original
Gil Salles
 
LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...
LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...
LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...
André Santos Luigi
 
Crítica à filosofia do direito de hegel
Crítica à filosofia do direito de hegelCrítica à filosofia do direito de hegel
Crítica à filosofia do direito de hegel
vania morales sierra
 
Os classicos da_sociologia_marx
Os classicos da_sociologia_marxOs classicos da_sociologia_marx
Os classicos da_sociologia_marx
Faculdade Salesiana
 
O corpo-na-teoria-antropologica
O corpo-na-teoria-antropologicaO corpo-na-teoria-antropologica
O corpo-na-teoria-antropologica
pedroarts
 
Dialética e idealismo
Dialética e idealismoDialética e idealismo
Dialética e idealismo
Colégio Tiradentes III
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 

Mais procurados (20)

Revisao comte durkheimweber
Revisao comte durkheimweberRevisao comte durkheimweber
Revisao comte durkheimweber
 
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
Há uma concepção utópica no pensamento marxista (revisado maio 2012)
 
Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentação
 
Michel foucault por uma vida nao facista
Michel foucault   por uma vida nao facistaMichel foucault   por uma vida nao facista
Michel foucault por uma vida nao facista
 
Pensadores da sociologia alêrocha
Pensadores da sociologia alêrochaPensadores da sociologia alêrocha
Pensadores da sociologia alêrocha
 
Tópicos capítulo 6
Tópicos capítulo 6  Tópicos capítulo 6
Tópicos capítulo 6
 
Trabalho de filosofia e educação.jaspers
Trabalho de filosofia e educação.jaspersTrabalho de filosofia e educação.jaspers
Trabalho de filosofia e educação.jaspers
 
Weber a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Weber   a Ética Protestante e o Espírito do CapitalismoWeber   a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Weber a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
 
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo AvelinoErrico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
 
Ideologia e adorno
Ideologia e adornoIdeologia e adorno
Ideologia e adorno
 
Fichamento analítico do livro cultura e democrácia de Marilena Chauí
Fichamento analítico do livro cultura e democrácia de Marilena ChauíFichamento analítico do livro cultura e democrácia de Marilena Chauí
Fichamento analítico do livro cultura e democrácia de Marilena Chauí
 
4 weber e a educacao
4   weber e a educacao4   weber e a educacao
4 weber e a educacao
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
 
Atrigo. sociologia1 original
Atrigo. sociologia1 originalAtrigo. sociologia1 original
Atrigo. sociologia1 original
 
LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...
LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...
LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...
 
Crítica à filosofia do direito de hegel
Crítica à filosofia do direito de hegelCrítica à filosofia do direito de hegel
Crítica à filosofia do direito de hegel
 
Os classicos da_sociologia_marx
Os classicos da_sociologia_marxOs classicos da_sociologia_marx
Os classicos da_sociologia_marx
 
O corpo-na-teoria-antropologica
O corpo-na-teoria-antropologicaO corpo-na-teoria-antropologica
O corpo-na-teoria-antropologica
 
Dialética e idealismo
Dialética e idealismoDialética e idealismo
Dialética e idealismo
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 

Semelhante a 2707139 luis althusser

ALTHUSSER.pptx
ALTHUSSER.pptxALTHUSSER.pptx
ALTHUSSER.pptx
jorgeeduardo34579
 
Herbert Marcuse e a Teoria Crítica
Herbert Marcuse e a Teoria CríticaHerbert Marcuse e a Teoria Crítica
Herbert Marcuse e a Teoria Crítica
Karol Souza
 
Apostila sociologia geral
Apostila sociologia geralApostila sociologia geral
Apostila sociologia geral
J Nilo Sayd
 
AlthusserPecheux.pdf
AlthusserPecheux.pdfAlthusserPecheux.pdf
AlthusserPecheux.pdf
CleilsonFernandes1
 
Ontologia
OntologiaOntologia
Ontologia
Açaí Marajó
 
Max weber textos selecionados (os economistas)
Max weber   textos selecionados (os economistas)Max weber   textos selecionados (os economistas)
Max weber textos selecionados (os economistas)
cosmonina
 
Max weber textos selecionados (os economistas)
Max weber   textos selecionados (os economistas)Max weber   textos selecionados (os economistas)
Max weber textos selecionados (os economistas)
Lorraine Piovani
 
Weber, max. textos selecionados (os economistas)
Weber, max. textos selecionados (os economistas)Weber, max. textos selecionados (os economistas)
Weber, max. textos selecionados (os economistas)
Januário Esteves
 
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Rogerio Silva
 
Daniel colson nietzsche e o anarquismo
Daniel colson nietzsche e o anarquismoDaniel colson nietzsche e o anarquismo
Daniel colson nietzsche e o anarquismo
moratonoise
 
Viana, nildo foucault, os intelectuais e o poder
Viana, nildo   foucault, os intelectuais e o poderViana, nildo   foucault, os intelectuais e o poder
Viana, nildo foucault, os intelectuais e o poder
RenatoGomesVieira1
 
Filosofia trabalho 32mp
Filosofia trabalho 32mpFilosofia trabalho 32mp
Filosofia trabalho 32mp
Alexandre Misturini
 
Sociologia da Educação. Durkheim,Marx & weber -Prof.Altair Aguilar.
 Sociologia da Educação. Durkheim,Marx & weber -Prof.Altair Aguilar. Sociologia da Educação. Durkheim,Marx & weber -Prof.Altair Aguilar.
Sociologia da Educação. Durkheim,Marx & weber -Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
Materialismo Histórico.pptx
Materialismo Histórico.pptxMaterialismo Histórico.pptx
Materialismo Histórico.pptx
savio1996
 
1 o-marxismo-e-a-sociologia-da-educac3a7c3a3o
1   o-marxismo-e-a-sociologia-da-educac3a7c3a3o1   o-marxismo-e-a-sociologia-da-educac3a7c3a3o
1 o-marxismo-e-a-sociologia-da-educac3a7c3a3o
Universidade do Estado da Bahia - UNEB
 
Escola do annales surgimento da escola dos analles e o seu programa
Escola do annales   surgimento da escola dos analles e o seu programaEscola do annales   surgimento da escola dos analles e o seu programa
Escola do annales surgimento da escola dos analles e o seu programa
Helio Smoly
 
Teoria da comunicação Unidade IV
Teoria da comunicação Unidade IVTeoria da comunicação Unidade IV
Teoria da comunicação Unidade IV
Harutchy
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Jessica Amaral
 
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado WeberianoMax Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Luiz1123
 
6. apostila de sociologia
6. apostila de sociologia6. apostila de sociologia
6. apostila de sociologia
Noel Anderley Dos Santos
 

Semelhante a 2707139 luis althusser (20)

ALTHUSSER.pptx
ALTHUSSER.pptxALTHUSSER.pptx
ALTHUSSER.pptx
 
Herbert Marcuse e a Teoria Crítica
Herbert Marcuse e a Teoria CríticaHerbert Marcuse e a Teoria Crítica
Herbert Marcuse e a Teoria Crítica
 
Apostila sociologia geral
Apostila sociologia geralApostila sociologia geral
Apostila sociologia geral
 
AlthusserPecheux.pdf
AlthusserPecheux.pdfAlthusserPecheux.pdf
AlthusserPecheux.pdf
 
Ontologia
OntologiaOntologia
Ontologia
 
Max weber textos selecionados (os economistas)
Max weber   textos selecionados (os economistas)Max weber   textos selecionados (os economistas)
Max weber textos selecionados (os economistas)
 
Max weber textos selecionados (os economistas)
Max weber   textos selecionados (os economistas)Max weber   textos selecionados (os economistas)
Max weber textos selecionados (os economistas)
 
Weber, max. textos selecionados (os economistas)
Weber, max. textos selecionados (os economistas)Weber, max. textos selecionados (os economistas)
Weber, max. textos selecionados (os economistas)
 
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
 
Daniel colson nietzsche e o anarquismo
Daniel colson nietzsche e o anarquismoDaniel colson nietzsche e o anarquismo
Daniel colson nietzsche e o anarquismo
 
Viana, nildo foucault, os intelectuais e o poder
Viana, nildo   foucault, os intelectuais e o poderViana, nildo   foucault, os intelectuais e o poder
Viana, nildo foucault, os intelectuais e o poder
 
Filosofia trabalho 32mp
Filosofia trabalho 32mpFilosofia trabalho 32mp
Filosofia trabalho 32mp
 
Sociologia da Educação. Durkheim,Marx & weber -Prof.Altair Aguilar.
 Sociologia da Educação. Durkheim,Marx & weber -Prof.Altair Aguilar. Sociologia da Educação. Durkheim,Marx & weber -Prof.Altair Aguilar.
Sociologia da Educação. Durkheim,Marx & weber -Prof.Altair Aguilar.
 
Materialismo Histórico.pptx
Materialismo Histórico.pptxMaterialismo Histórico.pptx
Materialismo Histórico.pptx
 
1 o-marxismo-e-a-sociologia-da-educac3a7c3a3o
1   o-marxismo-e-a-sociologia-da-educac3a7c3a3o1   o-marxismo-e-a-sociologia-da-educac3a7c3a3o
1 o-marxismo-e-a-sociologia-da-educac3a7c3a3o
 
Escola do annales surgimento da escola dos analles e o seu programa
Escola do annales   surgimento da escola dos analles e o seu programaEscola do annales   surgimento da escola dos analles e o seu programa
Escola do annales surgimento da escola dos analles e o seu programa
 
Teoria da comunicação Unidade IV
Teoria da comunicação Unidade IVTeoria da comunicação Unidade IV
Teoria da comunicação Unidade IV
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
 
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado WeberianoMax Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
 
6. apostila de sociologia
6. apostila de sociologia6. apostila de sociologia
6. apostila de sociologia
 

Mais de Alexandre Araujo

resumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdf
resumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdfresumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdf
resumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdf
Alexandre Araujo
 
321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx
321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx
321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx
Alexandre Araujo
 
Desmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdf
Desmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdfDesmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdf
Desmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdf
Alexandre Araujo
 
Anamnese musicoterápica integralidades
Anamnese musicoterápica   integralidadesAnamnese musicoterápica   integralidades
Anamnese musicoterápica integralidades
Alexandre Araujo
 
estagio curricular obrigatorio nao remunerado
 estagio curricular obrigatorio nao remunerado estagio curricular obrigatorio nao remunerado
estagio curricular obrigatorio nao remunerado
Alexandre Araujo
 
Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)
Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)
Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)
Alexandre Araujo
 
pink-floyd-anthology-book-pdf
 pink-floyd-anthology-book-pdf pink-floyd-anthology-book-pdf
pink-floyd-anthology-book-pdf
Alexandre Araujo
 
apostila-de-musicalizacao-infantil
 apostila-de-musicalizacao-infantil apostila-de-musicalizacao-infantil
apostila-de-musicalizacao-infantil
Alexandre Araujo
 
Figuras de som
Figuras de somFiguras de som
Figuras de som
Alexandre Araujo
 
Múltiplos espaços
Múltiplos espaços Múltiplos espaços
Múltiplos espaços
Alexandre Araujo
 
Idéias para pensarmos a formação de professores de música
Idéias para pensarmos a formação de professores de música Idéias para pensarmos a formação de professores de música
Idéias para pensarmos a formação de professores de música
Alexandre Araujo
 
Música , a realidade nas escolas e política de formação
Música , a realidade nas escolas e política de formação Música , a realidade nas escolas e política de formação
Música , a realidade nas escolas e política de formação
Alexandre Araujo
 
Os primeiros programas de atendime
Os primeiros programas de atendimeOs primeiros programas de atendime
Os primeiros programas de atendime
Alexandre Araujo
 
Pellegrini 7-cordas
Pellegrini 7-cordasPellegrini 7-cordas
Pellegrini 7-cordas
Alexandre Araujo
 
Se a escola de violões é a melhor do mundo
Se a escola de violões é a melhor do mundoSe a escola de violões é a melhor do mundo
Se a escola de violões é a melhor do mundo
Alexandre Araujo
 
561 elton john - sorry seems to be the hardest word
561   elton john - sorry seems to be the hardest word561   elton john - sorry seems to be the hardest word
561 elton john - sorry seems to be the hardest wordAlexandre Araujo
 
Morris ginsberg
Morris ginsbergMorris ginsberg
Morris ginsberg
Alexandre Araujo
 
1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática
1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática
1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática
Alexandre Araujo
 

Mais de Alexandre Araujo (18)

resumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdf
resumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdfresumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdf
resumo-samba-e-identidade-nacional-magno-bissoli-siqueira.pdf
 
321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx
321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx
321908848-A-Teoria-Espiral-de-Swanwick.docx
 
Desmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdf
Desmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdfDesmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdf
Desmistificando a elaboração de slides acadêmicos - o passo a passo.pdf
 
Anamnese musicoterápica integralidades
Anamnese musicoterápica   integralidadesAnamnese musicoterápica   integralidades
Anamnese musicoterápica integralidades
 
estagio curricular obrigatorio nao remunerado
 estagio curricular obrigatorio nao remunerado estagio curricular obrigatorio nao remunerado
estagio curricular obrigatorio nao remunerado
 
Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)
Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)
Dialnet musicoterapia e-saudemental-5161379 (1)
 
pink-floyd-anthology-book-pdf
 pink-floyd-anthology-book-pdf pink-floyd-anthology-book-pdf
pink-floyd-anthology-book-pdf
 
apostila-de-musicalizacao-infantil
 apostila-de-musicalizacao-infantil apostila-de-musicalizacao-infantil
apostila-de-musicalizacao-infantil
 
Figuras de som
Figuras de somFiguras de som
Figuras de som
 
Múltiplos espaços
Múltiplos espaços Múltiplos espaços
Múltiplos espaços
 
Idéias para pensarmos a formação de professores de música
Idéias para pensarmos a formação de professores de música Idéias para pensarmos a formação de professores de música
Idéias para pensarmos a formação de professores de música
 
Música , a realidade nas escolas e política de formação
Música , a realidade nas escolas e política de formação Música , a realidade nas escolas e política de formação
Música , a realidade nas escolas e política de formação
 
Os primeiros programas de atendime
Os primeiros programas de atendimeOs primeiros programas de atendime
Os primeiros programas de atendime
 
Pellegrini 7-cordas
Pellegrini 7-cordasPellegrini 7-cordas
Pellegrini 7-cordas
 
Se a escola de violões é a melhor do mundo
Se a escola de violões é a melhor do mundoSe a escola de violões é a melhor do mundo
Se a escola de violões é a melhor do mundo
 
561 elton john - sorry seems to be the hardest word
561   elton john - sorry seems to be the hardest word561   elton john - sorry seems to be the hardest word
561 elton john - sorry seems to be the hardest word
 
Morris ginsberg
Morris ginsbergMorris ginsberg
Morris ginsberg
 
1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática
1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática
1988 musicoterapia e saúde mental uma experimentação rizomática
 

2707139 luis althusser

  • 1. Louis Althusser L o u i s A lt h u s s e r Louis Althusser nasceu em Birmandreis, Argélia, em 1918. Em 1939, teve êxito no extremamente competitivo exame de admissão para a prestigiosa École Normale Supérieure (Escola Normal Superior, ens) em Paris. Entretanto, o serviço militar impediu-o de ingressar de imediato na vida acadêmica: a convocação para lutar na Segunda Guerra Mundial adiou seus estudos para mais tarde. Capturado em Vanees, em 1940, Althusser passou os cinco anos seguintes aprisionado em campos de concentração alemães. Depois da guerra, estabeleceu três ligações que seriam cruciais por quase toda a sua vida. Primeiramente, retornou à École Normale Supérieure, onde acabou sendo aprovado no agrégation*1e onde daria aulas até 1980. Em segundo lugar, conheceu Hélène Rytman, companheira com quem manteve um relacionamento duradouro, ainda que difícil e turbulento, até a morte dela, em circunstâncias trágicas. Por fim, após romper com o catolicismo, filiou-se ao Partido Comunista Francês (pcf), ao qual continuaria vinculado até o fim da vida – ainda que com algum desconforto. Althusser apareceu com ímpeto no cenário intelectual em 1965, com a publicação de For Marx (A favor de Marx), rapidamente seguida de Reading Capital (Ler O Capital). Nesses textos, criticava com veemência o que considerava ser a ossificação dogmática da teoria marxista sob a ortodoxia stalinista, que reduzira a determinação social a forças produtivas, tomando, portanto, a forma de um economismo ou economicismo. Da mesma maneira, Althusser polemizou ferozmente com as leituras hegelianas de Marx. Os marxistas ocidentais haviam se apoiado pesadamente em Hegel, e a desestalinização dos partidos comunistas marxistas também encorajara uma aproximação. A releitura crítica da obra de Marx levou Althusser a uma nova periodização, na qual localizava um “corte” entre um Marx da juventude, “ideológico”, e um Marx “científico” da maturidade. Althusser afirmava que a mudança na direção de uma abordagem científica exigira que Marx abandonasse Hegel, bem como a antropologia filosófica e o humanismo que davam sustentação a seus textos anteriores a 1845. Assim, defender uma leitura hegeliana de Marx era precisamente afastar-se das realizações mais importantes de Marx, das quais a principal era a concepção de uma sociedade como uma totalidade complexamente determinada. Althusser argumentava que seu retorno a Marx tinha como justificativa a intenção de diferenciar os marxismos, o autêntico do ideológico. Esse retorno, contudo, não era a recuperação de algo que outrora se conhecia e agora fora * Nota do Tradutor (N. T.): O agrégation é um sistema de admissão, por concurso, de professores em liceus e faculdades na França, e que efetiva o acadêmico funcionário público do ensino. 13
  • 2. 50 Grandes sociólogos contemporâneos esquecido. Marx, de acordo com Althusser, abrira um “novo continente” de conhecimento científico, e foi uma tarefa dos livros de Althusser explorar e mapear o potencial teoricamente contido nesses domínios. Curiosamente, tal descoberta do Marx autêntico exigiu três fontes intelectuais marxistas: a epistemologia histórica, a filosofia espinosana e a psicanálise lacaniana. Da epistemologia histórica – e, mais especificamente, da obra de Gaston Bachelard –, Althusser se apropriou da noção de “corte”. Isso significa, em primeiro lugar, que a ciência não é uma extensão do cotidiano, mas rompe com a experiência cotidiana por meio da construção de estruturas conceituais e teóricas, por sua vez “materializadas” em ferramentas, instrumentos e experimentos. Para Althusser, isso era o que estava por trás do contraste entre ciência e ideologia. Esta última é um know-how (experiência, técnica, prática) que reproduz o cotidiano como senso comum, numa tentativa de estabilizar relações antagônicas, tais como aquela entre capital e trabalho. O segundo sentido de corte historiciza o primeiro. Para Bachelard, uma palavra não é um conceito científico. O que atribui significado científico a um vocábulo particular é sua relação com outros conceitos. Cada conceito está embutido numa rede de conceitos que Althusser definiu como uma “problemática”. Althusser identificou em Marx um corte epistemológico iniciado em 1845 e que evoluiria para uma nova problemática depois de 1857. Uma vez que diferentes problemáticas podiam compartilhar palavras, era necessário, nos termos de Lacan, realizar “leituras sintomáticas”, com o intuito de extrair a “inconsciência” teórica do texto que estruturava os tipos de questões apresentadas e limitava a gama de conceitos e respostas possíveis. A palavra “espaço” não tem, na física newtoniana, o mesmo significado que tem na teoria da relatividade. O significado nesta última não se funda na primeira; rompe com ela. A leitura sintomática que Althusser fez de Marx identificou uma problemática que rompia com o humanismo e o hegelianismo. O humanismo, a crença de que os indivíduos, enquanto tais, são os agentes da história, era incompatível com o anti-humanismo teórico da investigação científica das relações sociais encontrada no Marx posterior. Associado ao humanismo estava o historicismo, ou a noção de que a história é a realização de uma essência humana, como a criatividade, o amor ou a liberdade. O historicismo apresenta a história como um processo linear rumo a um objetivo. É uma teleologia, na qual se considera que a “essência” determina todas as facetas da vida social, o que Althusser chamava de “totalidade expressiva”. Afirmava que “tal e tal elemento (econômico, político, legal, literário, religioso etc., em Hegel) = a essência interior do todo”. Em Ler o Capital, Althusser afirmava ter descoberto que o trabalho teórico deveria ser visto como um tipo de produção, uma prática por meio da qual materiais brutos (por exemplo, “fatos”, documentos, experiência, ideologias) são influen- 14
  • 3. Louis Althusser ciados por uma estrutura teórica que, de maneira coerente, os processa e organiza. Essa transformação prática do que chamou de “Generalidade i” pela ação da “Generalidade ii” produz o conhecimento científico, que chamou de “Generalidade iii”. Portanto, o trabalho teórico-conceitual, rompendo com a ideologia, é a chave fundamental da produção do conhecimento científico. Em traba- lhos posteriores, Althusser criticaria o caráter excessivamente teórico dessa visão. Apoiando-se nas idéias de Marx, Mao e Lenin, mas especialmente na filosofia materialista de Spinoza, Althusser afirmou que o conceito marxista de modo de produção tornou possível uma problemática na qual as sociedades poderiam ser conceitualizadas como totalidades contraditórias e complexamente organizadas, em que cada elemento é “superdeterminado” ou já tendo sempre recebido a influência de uma variedade de outros elementos. As diferentes regiões (econômicas, políticas, ideológicas) de uma sociedade são, sempre e a um só tempo, determinantes e determinadas por outras. Não há uma contradição apenas, mas uma pluralidade de contradições, que se amalgamam ou são deslocadas. Não se trata de uma estrutura unitária, mas de uma estrutura de estruturas. Para Althusser, o que estava em jogo não era uma causalidade expressiva, mas estrutural. Ele defendia o argumento de que o nível econômico ou a região de relações de produção é sempre determinante, em última instância. Contudo, fez ressalvas a seu próprio raciocínio, afirmando que, em certos modos de produção, outras regiões podem ser dominantes. Assim, no feudalismo, o dominante é o nível político. Todavia, “do primeiro ao último momento, a hora solitária da ‘última instância’ nunca chega”. Em outras palavras, a região econômica estrutura um campo de determinação mútua no qual outras regiões são relativamente autônomas. A formação social é uma totalidade descentralizada. Não existe causa primária ou última; existe uma “causa ausente”, ou, na linguagem de Spinoza, “os efeitos não são externos à estrutura... a estrutura é imanente em seus efeitos”. Apesar de suas difíceis relações com o estruturalismo, o althussearianismo é frequentemente referido como “marxismo estrutural”. O pensamento de Althusser sacudiu o marxismo e eletrizou o debate teórico. Em fins da década de 1970, entretanto, já tinha perdido grande parte de sua carga explosiva, decorrente de uma concatenação de eventos: uma guinada visceral da intelectualidade acadêmica francesa contra o marxismo, uma mudança dos horizontes políticos, bem como importantes problemas teóricos intrínsecos à própria posição de Althusser, reconhecidos por ele próprio em mais de um texto de autocrítica posterior. O legado de Althusser é imenso. Além dos limites de seu círculo ime- diato – incluindo Etienne Balibar, Pierre Machery, Nicos Poulantzas e Michel Pe- chau, para nomear apenas alguns –, seus textos foram decisivos para acadêmicos como Göran Therborn, Terry Eagleton, Erik Olin Wright e Stephen Resnick e Ri- chard Wolf. Mais tarde, a ênfase de Althusser no conhecimento enquanto prática produtiva foi retomada e desenvolvida por Roy Bhaskar como a base do realismo 15
  • 4. 50 Grandes sociólogos contemporâneos crítico. Sua obra sobre a ideologia – esboçada em A favor de Marx no ensaio “Idéologie et appareils idéologiques d’état” (“Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado”) – teve larga influência, delineando a função dos “aparelhos ideoló- gicos estatais” (tais como a Igreja, a família, a educação) e sua contribuição para a reprodução das relações sociais de exploração. É outra área em que Althusser, de maneira inovadora, fia-se na psicanálise lacaniana para explorar a ideologia como prática material que constitui os indivíduos enquanto sujeitos. A definição de Althusser para o conceito de ideologia – “representação da relação imaginária de indivíduos com suas reais condições de existência” – mostrou-se extremamente fértil. A tentativa althusseriana de desenvolver um materialismo não reducionista continua sendo um programa de pesquisas vital. Ademais, Althusser deu uma importante contribuição ao materialismo imanentista espinosano contemporâ- neo, associado, entre outros, a Gilles Deleuze, Etienne Balibar e Antonio Negri. Althusser sofria de psicose maníaco-depressiva. Foi submetido a uma miríade de tratamentos, mas nenhum parecia capaz de evitar os colapsos periódicos, as severas crises de depressão e os sucessivos períodos de internação. Tragicamente, em novembro de 1980, durante um surto psicótico, ele assassinou a esposa, Hélène. A justiça francesa considerou Althusser inimputável, e ele foi declarado incapaz e inocentado em 1981. Foi o fim de sua carreira acadêmica. No fim das contas, Althusser não foi preso, mas sim internado num hospital psiquiátrico, onde permaneceu até 1983. Depois de solto, mudou-se para o norte de Paris e viveu relativamente recluso, trabalhando em sua autobiografia, até morrer, de ataque cardíaco, em 22 de outubro de 1990, aos 72 anos. Em 1992, a autobiografia de Althusser foi publicada, postumamente. Ele afirmou que, silenciado pela ausência de julgamento pelo homicídio de Hélène, o texto permitia a ele “intervir pessoalmente e publicamente para oferecer meu próprio testemunho”. Mais que um testemunho ou uma biografia, o volume é, nas palavras de Gregory Elliot, acima de tudo uma “reescrita de uma vida sob o prisma de seu naufrágio”. Se a “traumabiografia” esconde mais do que revela, outros textos, também de publicação póstuma, lançam luz sobre importantes aspectos do projeto intelectual e político de Althusser. Em escritos como “Le courant souterrain du matérialisme de la rencontre” (“A corrente subterrânea do materialismo do encontro”) e “Machiavel et nous” (“Maquiavel e nós”), Althusser tentou traçar e esboçar um “materialismo do encontro”, um “materialismo aleatório”. Em outras palavras, propôs a questão de como podemos usar o conhecimento teórico de modo a contribuir para a emergência de algo novo (por exemplo, uma sociedade mais justa), sem que isso fosse visto como um evento pré-ordenado, o produto de voluntarismo ou um fenômeno inteiramente fortuito. Esse foi, em termos mais amplos, o desafio lançado por Althusser à teoria marxista e ao pensamento social: talvez seja também o nosso. 16
  • 5. Roland Barthes Veja ta m b é m Neste livro: Manuel Castells, Ernesto Laclau, Claude Lévi-Strauss. Em 50 sociólogos fundamentais: Karl Marx. Para ler Louis Althusser Em português A favor de Marx. Rio de Janeiro: Zahar, 1979. Ler O Capital. Rio de Janeiro: Zahar, 1975. O futuro dura muito tempo. Seguido de Os fatos: autobiografias. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. Em inglês For Marx. 1962-5. London: Allen Lane, 1969. Reading Capital. 1965-8. Com Etienne Balibar. London: New Left Books, 1970. Lenin & Philosophy and Other Essays. London: New Left Books, 1971. Essays in Self-Criticism. 1974. London: New Left Books, 1976. The Future Lasts a Long Time. London:Vintage 1994. Machiavelli and Us. London:Verso, 1999. Para saber mais Ted Benton. The Rise and Fall of Structural Marxism. London: Macmillan, 1984. Roy Bhaskar. Reclaiming Reality. London:Verso, 1989. Alex Callinicos. Althusser’s Marxism. London: Pluto Press, 1976. Gregory Elliot, ed. Althusser: A Critical Reader. Oxford: Blackwell, 1994. Gregory Elliot. Althusser:The Detour of Theory. London:Verso, 1987. José López. Society and Its Metaphors. London: Continuum, 2003. Warren Montag. Louis Althusser. London: Palgrave, 2002. J. Read. The Micro-Politics of Capital. New York: SUNY, 2003. 17