SlideShare uma empresa Scribd logo
1




ESCARIFICADORES




   Setembro de 2011
INTRODUÇÃO
• A utilização da mecanização no preparo do solo,
 visa proporcionar um ambiente adequado para o
 crescimento e desenvolvimento das plantas,
 permitindo produção econômica e evitando a
 degradação do solo;

• A escolha de determinado sistema de preparo
 deve levar em consideração as respostas da
 cultura e do solo;
• O preparo do solo compreende um conjunto de
 técnicas que, quando usadas racionalmente,
 podem permitir uma alta produtividade das
 culturas a baixo custo;
• O preparo periódico do solo é dividido em três
 fases:
 Primária: a mobilização       por   inversão   de
 camadas.
Secundária: a mobilização      por deslocamento
 lateral-horizontal.
Corretivo: a mobilização por   desagregação sub-
 superficial e mobilização       por revolvimento
 rotativo.
• O escarificador é um implemento agrícola que se
 apresenta, como opção para o agricultor, dentro
 da ótica do manejo conservacionista, trazendo,
 como vantagens, o fato de que mobiliza o solo
 sem revolvê-lo, promovendo a incorporação de
 menos de 1/3 do material existente na superfície
 (Ortiz-Cañavate & Hernanz, 1989)
DEFINIÇÃO
• São implementos usados para quebrar o adensamento
 superficial do solo;

• Se trata de um equipamento de preparo do solo cujas
 ferramentas de trabalho são dentes montados sobre
 braços flexíveis ou rígidos.
UTILIZAÇÃO
• Atualmente tem sido difundido o seu uso para o
 preparo de solo em substituição do sistema
 convencional;

• São também muito usados na reforma de
  pastagens     onde     há    necessidade    de
  descompactar o solo superficialmente devido ao
  pisoteio excessivo provocado pelos animais.
CARACTERÍSTICAS
• Existem dois tipos de hastes, flexíveis e rígidas,
 diferenciando-se basicamente em que os primeiras
 trabalham a profundidades de no máximo 22 cm a
 velocidade pode chegar até 10 km/h, enquanto que
 as hastes rígidas trabalham a 25-35 cm de
 profundidade e a velocidade podendo chegar até 6
 km/h.
Escarificadores
• As hastes flexíveis:




                                     Haste flexíveis com sistema de
                                                desarme

  Haste flexíveis em forma de arco
                circular.
• As hastes rígidas:




    Haste rígida, com dentes robusto e fortemente fixados ao
    chassi.
• Tipos de escarificadores:
Modelos de hastes e ponteiras de escarificador.
Molas do                       Pistão
          disco recorte                  hidráulico   Sistema de
                                                      desarme –
Regulagem                                               fusível.
longitudinal

                                                                       Rolo
                                                                   destorroador




 Aclopamento
      BT
           Disco de corte de
                                          Ponteiras      Hastes
               resíduos
                             Roda de controle de
                          profundidade e transporte
REGULAGEM
A profundidade regula-se utilizando rodas de apoio
ou SLH (Sistema de Levante Hidráulico).
EFEITO SOBRE O SOLO
• Os escarificadores fragmentam o solo com
 formação de grandes fissuras e terra fina, sem
 inversão do solo.
• Quando um dente rompe o solo trabalhando a
 uma profundidade p, a área afetada, assim como
 a resistência oferecida são funções das variáveis
 mecânicas do solo.
VANTAGEM
• A sua utilização quebra a compactação do solo, que
 ocorre pela utilização   dos outros implementos
 mecanizados. O solo      fica menos pulverizado,
 diminuindo    bastante     a    possibilidade     do
 desenvolvimento     de      processos      erosivos.
• Este implemento permite o trabalho em locais
 com solo totalmente seco e como não movimenta
 a terra lateralmente, esta não se acumula nos
 terraços, como ocorre no preparo do solo com
 arados mecanizados.
• Reduz os danos na plantadora durante o plantio
 devido as melhores condições na estrutura do solo
 proporcionado pela escarificação;

• Reduz o esforço da tração da plantadora, pois
 encontra um solo mais macio no momento do plantio;

• Melhora a retenção de água no solo;


• Com uso periódicos causa liberação de nutrientes no
 solo.
• Sua velocidade é praticamente o dobro do arado,
 tornando-se possível uma área duas vezes
 maior, no mesmo tempo. Desta forma, obtemos
 uma grande economia de combustível e de
 tempo de trabalho, o que diminui, também, o
 custo da mão-de-obra.

• Possui sistema de desarme automático (o
 mesmo     sistema    do    consagrado  Arado
 Subsolador Automático - ASA), permitindo um
 maior rendimento diário, por não utilizar o
 sistema de pinos de segurança.
DESVANTAGEM
• Menos adequado para o combate das plantas
 invasoras, se compararmos à eficiência da grade
 pesado ou do arado.

• Em  áreas novas, por exemplo, nas quais
 encontramos muitas raízes, rochas e tocos, o
 escarificador não consegue fazer o trabalho dos
 outros                            implementos.
• Tem   a desvantagem        de   não   manter   a
 uniformidade de corte.

• Seu uso intensivo pode acarretar a compactação
 na profundidade do corte.
BIBLIOGRÁFICAS
• ORTIZ-CAÑAVATE, J.; HERNANS, J.L. Técnica
 de la mecanizacion agraria. 3 ed. Madrid,
 Mundi-Prensa, 1989. 641p.

• BALASTREIRE. L. A. Máquinas agrícolas São
 Paulo.: Manole, 1987. 310p.

• BERNACKI, H. ; HAMAN, J.; KANAFOJKI, C.Z.
 Agricultural machines, theory and construction.
 Washington: U.S. Department of Agriculture and
 the National Science Foundation, 1972. 451p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

08.3 preparo periodico - grades
08.3  preparo periodico - grades08.3  preparo periodico - grades
08.3 preparo periodico - grades
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Apostila implementos preparo de solo
Apostila implementos preparo de soloApostila implementos preparo de solo
Apostila implementos preparo de solo
Luiz Oliveira
 
Aula sobre classificações de aptidão de uso das terras, preparada para o Curs...
Aula sobre classificações de aptidão de uso das terras, preparada para o Curs...Aula sobre classificações de aptidão de uso das terras, preparada para o Curs...
Aula sobre classificações de aptidão de uso das terras, preparada para o Curs...
Elvio Giasson
 
07 oficina rural
07   oficina rural07   oficina rural
07 oficina rural
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
2 introducao ao estudo dos tratores agricolas
2 introducao ao estudo dos tratores agricolas2 introducao ao estudo dos tratores agricolas
2 introducao ao estudo dos tratores agricolas
USP / ESALQ
 
Agricultura de Precisão na distribuição de corretivos e fertilizantes
Agricultura de Precisão na distribuição de corretivos e fertilizantes Agricultura de Precisão na distribuição de corretivos e fertilizantes
Agricultura de Precisão na distribuição de corretivos e fertilizantes
Giovanna Martins
 
Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do solo
Willian Passos
 
Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de Aplicação
Geagra UFG
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
Geagra UFG
 
cana-de-açúcar
cana-de-açúcarcana-de-açúcar
cana-de-açúcar
Djair Felix
 
Conservação dos solos aula 08 capacidade de uso das terras
Conservação dos solos aula 08 capacidade de uso das terrasConservação dos solos aula 08 capacidade de uso das terras
Conservação dos solos aula 08 capacidade de uso das terras
Ladislau Reis
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
AM Placas Ltda. Placas
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
MateusGonalves85
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
Geagra UFG
 
Aplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolasAplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolas
Marcos Ferreira
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
Geagra UFG
 
Aula 1 tratores agrícolas
Aula 1   tratores agrícolasAula 1   tratores agrícolas
Aula 1 tratores agrícolas
Paski333
 
6 o plantio da cana
6 o plantio da cana6 o plantio da cana
6 o plantio da cana
Cristóvão Lopes
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

08.3 preparo periodico - grades
08.3  preparo periodico - grades08.3  preparo periodico - grades
08.3 preparo periodico - grades
 
Apostila implementos preparo de solo
Apostila implementos preparo de soloApostila implementos preparo de solo
Apostila implementos preparo de solo
 
Aula sobre classificações de aptidão de uso das terras, preparada para o Curs...
Aula sobre classificações de aptidão de uso das terras, preparada para o Curs...Aula sobre classificações de aptidão de uso das terras, preparada para o Curs...
Aula sobre classificações de aptidão de uso das terras, preparada para o Curs...
 
07 oficina rural
07   oficina rural07   oficina rural
07 oficina rural
 
2 introducao ao estudo dos tratores agricolas
2 introducao ao estudo dos tratores agricolas2 introducao ao estudo dos tratores agricolas
2 introducao ao estudo dos tratores agricolas
 
Agricultura de Precisão na distribuição de corretivos e fertilizantes
Agricultura de Precisão na distribuição de corretivos e fertilizantes Agricultura de Precisão na distribuição de corretivos e fertilizantes
Agricultura de Precisão na distribuição de corretivos e fertilizantes
 
Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do solo
 
Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de Aplicação
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
 
cana-de-açúcar
cana-de-açúcarcana-de-açúcar
cana-de-açúcar
 
Conservação dos solos aula 08 capacidade de uso das terras
Conservação dos solos aula 08 capacidade de uso das terrasConservação dos solos aula 08 capacidade de uso das terras
Conservação dos solos aula 08 capacidade de uso das terras
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Aplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolasAplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolas
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Aula 1 tratores agrícolas
Aula 1   tratores agrícolasAula 1   tratores agrícolas
Aula 1 tratores agrícolas
 
6 o plantio da cana
6 o plantio da cana6 o plantio da cana
6 o plantio da cana
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.
 

Destaque

Aula de arados: disco e aieveca
Aula de arados: disco e aievecaAula de arados: disco e aieveca
Aula de arados: disco e aieveca
brenohsouza
 
Aula 18 equipamentos para escavação e compactação e transporte v
Aula 18 equipamentos para  escavação e compactação e transporte vAula 18 equipamentos para  escavação e compactação e transporte v
Aula 18 equipamentos para escavação e compactação e transporte v
Homero Alves de Lima
 
Apostila de máquinas e mecanização agricola
Apostila de máquinas e mecanização agricolaApostila de máquinas e mecanização agricola
Apostila de máquinas e mecanização agricola
FACULDADE SÃO FRANCISCO DE BARREIRAS - FASB
 
1.histórico e importância
1.histórico e importância1.histórico e importância
Ementa sassinar
Ementa sassinarEmenta sassinar
Ementa sassinar
Anabela Branco
 
Couve
CouveCouve
Couve
keylogg
 
Cultivo da Couve
Cultivo da CouveCultivo da Couve
Cultivo da Couve
Ana Cristina
 
Apostila projeto geometrico_2010
Apostila projeto geometrico_2010Apostila projeto geometrico_2010
Apostila projeto geometrico_2010
Ariovaldo Torres
 
219015406 lista ex4-terraplenagem[1] (1)
219015406 lista ex4-terraplenagem[1] (1)219015406 lista ex4-terraplenagem[1] (1)
219015406 lista ex4-terraplenagem[1] (1)
Daniele S Castro
 
MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA (sistemas complementares e sistemas de alimentação)
MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA (sistemas complementares e sistemas de alimentação)MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA (sistemas complementares e sistemas de alimentação)
MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA (sistemas complementares e sistemas de alimentação)
daniellopes889
 
Tração animal: Equinos e muares
Tração animal: Equinos e muaresTração animal: Equinos e muares
Tração animal: Equinos e muares
Priscila de Oliveira
 
Relatório final de topografia
Relatório final de topografiaRelatório final de topografia
Relatório final de topografia
Nuno Almeida
 
3.caracteristicas dos tipos_de_agricultura_fil_eminimizer_
3.caracteristicas dos tipos_de_agricultura_fil_eminimizer_3.caracteristicas dos tipos_de_agricultura_fil_eminimizer_
3.caracteristicas dos tipos_de_agricultura_fil_eminimizer_
Gonçalo Simões
 
Aula 2 terraplenagem
Aula 2   terraplenagemAula 2   terraplenagem
2 tipos de agricultura
2 tipos de agricultura2 tipos de agricultura
2 tipos de agricultura
Nicolas Albarracin Bohorquez
 
O espaço agrário mundial
O espaço agrário mundialO espaço agrário mundial
O espaço agrário mundial
Artur Lara
 
O espaço agrario mundial
O espaço agrario mundialO espaço agrario mundial
O espaço agrario mundial
Artur Lara
 
Execicio Projeto Terraplenagem
Execicio Projeto TerraplenagemExecicio Projeto Terraplenagem
Execicio Projeto Terraplenagem
Eduardo Andreoli
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
Julián Pulido
 
Apostila estradas de rodagem i
Apostila estradas de rodagem iApostila estradas de rodagem i

Destaque (20)

Aula de arados: disco e aieveca
Aula de arados: disco e aievecaAula de arados: disco e aieveca
Aula de arados: disco e aieveca
 
Aula 18 equipamentos para escavação e compactação e transporte v
Aula 18 equipamentos para  escavação e compactação e transporte vAula 18 equipamentos para  escavação e compactação e transporte v
Aula 18 equipamentos para escavação e compactação e transporte v
 
Apostila de máquinas e mecanização agricola
Apostila de máquinas e mecanização agricolaApostila de máquinas e mecanização agricola
Apostila de máquinas e mecanização agricola
 
1.histórico e importância
1.histórico e importância1.histórico e importância
1.histórico e importância
 
Ementa sassinar
Ementa sassinarEmenta sassinar
Ementa sassinar
 
Couve
CouveCouve
Couve
 
Cultivo da Couve
Cultivo da CouveCultivo da Couve
Cultivo da Couve
 
Apostila projeto geometrico_2010
Apostila projeto geometrico_2010Apostila projeto geometrico_2010
Apostila projeto geometrico_2010
 
219015406 lista ex4-terraplenagem[1] (1)
219015406 lista ex4-terraplenagem[1] (1)219015406 lista ex4-terraplenagem[1] (1)
219015406 lista ex4-terraplenagem[1] (1)
 
MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA (sistemas complementares e sistemas de alimentação)
MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA (sistemas complementares e sistemas de alimentação)MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA (sistemas complementares e sistemas de alimentação)
MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA (sistemas complementares e sistemas de alimentação)
 
Tração animal: Equinos e muares
Tração animal: Equinos e muaresTração animal: Equinos e muares
Tração animal: Equinos e muares
 
Relatório final de topografia
Relatório final de topografiaRelatório final de topografia
Relatório final de topografia
 
3.caracteristicas dos tipos_de_agricultura_fil_eminimizer_
3.caracteristicas dos tipos_de_agricultura_fil_eminimizer_3.caracteristicas dos tipos_de_agricultura_fil_eminimizer_
3.caracteristicas dos tipos_de_agricultura_fil_eminimizer_
 
Aula 2 terraplenagem
Aula 2   terraplenagemAula 2   terraplenagem
Aula 2 terraplenagem
 
2 tipos de agricultura
2 tipos de agricultura2 tipos de agricultura
2 tipos de agricultura
 
O espaço agrário mundial
O espaço agrário mundialO espaço agrário mundial
O espaço agrário mundial
 
O espaço agrario mundial
O espaço agrario mundialO espaço agrario mundial
O espaço agrario mundial
 
Execicio Projeto Terraplenagem
Execicio Projeto TerraplenagemExecicio Projeto Terraplenagem
Execicio Projeto Terraplenagem
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
 
Apostila estradas de rodagem i
Apostila estradas de rodagem iApostila estradas de rodagem i
Apostila estradas de rodagem i
 

Semelhante a Escarificadores

Apostila implementos-preparo-de-sol
Apostila implementos-preparo-de-solApostila implementos-preparo-de-sol
Apostila implementos-preparo-de-sol
Cleiton Domingos
 
Slides de aula sobre sistemas de preparo do solo
Slides de aula sobre sistemas de preparo do soloSlides de aula sobre sistemas de preparo do solo
Slides de aula sobre sistemas de preparo do solo
SaulodeOliveiraLima
 
Alua3 2017[1]
Alua3 2017[1]Alua3 2017[1]
Britador de rolos
Britador de rolosBritador de rolos
Britador de rolos
Jonas Alves
 
Traução cimentos
Traução cimentosTraução cimentos
Traução cimentos
Heron Soares
 
localizada
localizadalocalizada
alua3 2017.pptx
alua3 2017.pptxalua3 2017.pptx
alua3 2017.pptx
Adalmiro1
 
localizada
localizadalocalizada
localizada
localizadalocalizada
Métodos de lavra
Métodos de lavraMétodos de lavra
Métodos de lavra
Cristyan Ribeiro
 
III conservacao
III conservacaoIII conservacao
Arado de Aiveca
Arado de AivecaArado de Aiveca
Plantio mecanizado 1
Plantio mecanizado 1Plantio mecanizado 1
Plantio mecanizado 1
Izabela Martelozzo Pegorer
 
Máquinas e métodos de desmatamento
Máquinas e métodos de desmatamentoMáquinas e métodos de desmatamento
Máquinas e métodos de desmatamento
Eugênio Viana
 
Trabalho construção civil II
Trabalho construção civil IITrabalho construção civil II
Trabalho construção civil II
nandioka
 
32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento
Luiz Antonio de Jesus Araujo
 
32 irrigacao por_gotejamento
32 irrigacao por_gotejamento32 irrigacao por_gotejamento
32 irrigacao por_gotejamento
Sídio Marcos O. Nascimento
 
Linha de Produtos Marchesan_rev03
Linha de Produtos Marchesan_rev03Linha de Produtos Marchesan_rev03
Equipamentos industriais
Equipamentos industriaisEquipamentos industriais
Equipamentos industriais
JCHEEngenhariaLevant
 
Apostila gradagem
Apostila gradagemApostila gradagem
Apostila gradagem
claudioagroecologia
 

Semelhante a Escarificadores (20)

Apostila implementos-preparo-de-sol
Apostila implementos-preparo-de-solApostila implementos-preparo-de-sol
Apostila implementos-preparo-de-sol
 
Slides de aula sobre sistemas de preparo do solo
Slides de aula sobre sistemas de preparo do soloSlides de aula sobre sistemas de preparo do solo
Slides de aula sobre sistemas de preparo do solo
 
Alua3 2017[1]
Alua3 2017[1]Alua3 2017[1]
Alua3 2017[1]
 
Britador de rolos
Britador de rolosBritador de rolos
Britador de rolos
 
Traução cimentos
Traução cimentosTraução cimentos
Traução cimentos
 
localizada
localizadalocalizada
localizada
 
alua3 2017.pptx
alua3 2017.pptxalua3 2017.pptx
alua3 2017.pptx
 
localizada
localizadalocalizada
localizada
 
localizada
localizadalocalizada
localizada
 
Métodos de lavra
Métodos de lavraMétodos de lavra
Métodos de lavra
 
III conservacao
III conservacaoIII conservacao
III conservacao
 
Arado de Aiveca
Arado de AivecaArado de Aiveca
Arado de Aiveca
 
Plantio mecanizado 1
Plantio mecanizado 1Plantio mecanizado 1
Plantio mecanizado 1
 
Máquinas e métodos de desmatamento
Máquinas e métodos de desmatamentoMáquinas e métodos de desmatamento
Máquinas e métodos de desmatamento
 
Trabalho construção civil II
Trabalho construção civil IITrabalho construção civil II
Trabalho construção civil II
 
32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento
 
32 irrigacao por_gotejamento
32 irrigacao por_gotejamento32 irrigacao por_gotejamento
32 irrigacao por_gotejamento
 
Linha de Produtos Marchesan_rev03
Linha de Produtos Marchesan_rev03Linha de Produtos Marchesan_rev03
Linha de Produtos Marchesan_rev03
 
Equipamentos industriais
Equipamentos industriaisEquipamentos industriais
Equipamentos industriais
 
Apostila gradagem
Apostila gradagemApostila gradagem
Apostila gradagem
 

Escarificadores

  • 1. 1 ESCARIFICADORES Setembro de 2011
  • 2. INTRODUÇÃO • A utilização da mecanização no preparo do solo, visa proporcionar um ambiente adequado para o crescimento e desenvolvimento das plantas, permitindo produção econômica e evitando a degradação do solo; • A escolha de determinado sistema de preparo deve levar em consideração as respostas da cultura e do solo;
  • 3. • O preparo do solo compreende um conjunto de técnicas que, quando usadas racionalmente, podem permitir uma alta produtividade das culturas a baixo custo;
  • 4. • O preparo periódico do solo é dividido em três fases:  Primária: a mobilização por inversão de camadas. Secundária: a mobilização por deslocamento lateral-horizontal. Corretivo: a mobilização por desagregação sub- superficial e mobilização por revolvimento rotativo.
  • 5. • O escarificador é um implemento agrícola que se apresenta, como opção para o agricultor, dentro da ótica do manejo conservacionista, trazendo, como vantagens, o fato de que mobiliza o solo sem revolvê-lo, promovendo a incorporação de menos de 1/3 do material existente na superfície (Ortiz-Cañavate & Hernanz, 1989)
  • 6. DEFINIÇÃO • São implementos usados para quebrar o adensamento superficial do solo; • Se trata de um equipamento de preparo do solo cujas ferramentas de trabalho são dentes montados sobre braços flexíveis ou rígidos.
  • 7. UTILIZAÇÃO • Atualmente tem sido difundido o seu uso para o preparo de solo em substituição do sistema convencional; • São também muito usados na reforma de pastagens onde há necessidade de descompactar o solo superficialmente devido ao pisoteio excessivo provocado pelos animais.
  • 8. CARACTERÍSTICAS • Existem dois tipos de hastes, flexíveis e rígidas, diferenciando-se basicamente em que os primeiras trabalham a profundidades de no máximo 22 cm a velocidade pode chegar até 10 km/h, enquanto que as hastes rígidas trabalham a 25-35 cm de profundidade e a velocidade podendo chegar até 6 km/h.
  • 10. • As hastes flexíveis: Haste flexíveis com sistema de desarme Haste flexíveis em forma de arco circular.
  • 11. • As hastes rígidas: Haste rígida, com dentes robusto e fortemente fixados ao chassi.
  • 12. • Tipos de escarificadores:
  • 13. Modelos de hastes e ponteiras de escarificador.
  • 14. Molas do Pistão disco recorte hidráulico Sistema de desarme – Regulagem fusível. longitudinal Rolo destorroador Aclopamento BT Disco de corte de Ponteiras Hastes resíduos Roda de controle de profundidade e transporte
  • 15. REGULAGEM A profundidade regula-se utilizando rodas de apoio ou SLH (Sistema de Levante Hidráulico).
  • 16. EFEITO SOBRE O SOLO • Os escarificadores fragmentam o solo com formação de grandes fissuras e terra fina, sem inversão do solo.
  • 17. • Quando um dente rompe o solo trabalhando a uma profundidade p, a área afetada, assim como a resistência oferecida são funções das variáveis mecânicas do solo.
  • 18. VANTAGEM • A sua utilização quebra a compactação do solo, que ocorre pela utilização dos outros implementos mecanizados. O solo fica menos pulverizado, diminuindo bastante a possibilidade do desenvolvimento de processos erosivos.
  • 19. • Este implemento permite o trabalho em locais com solo totalmente seco e como não movimenta a terra lateralmente, esta não se acumula nos terraços, como ocorre no preparo do solo com arados mecanizados.
  • 20. • Reduz os danos na plantadora durante o plantio devido as melhores condições na estrutura do solo proporcionado pela escarificação; • Reduz o esforço da tração da plantadora, pois encontra um solo mais macio no momento do plantio; • Melhora a retenção de água no solo; • Com uso periódicos causa liberação de nutrientes no solo.
  • 21. • Sua velocidade é praticamente o dobro do arado, tornando-se possível uma área duas vezes maior, no mesmo tempo. Desta forma, obtemos uma grande economia de combustível e de tempo de trabalho, o que diminui, também, o custo da mão-de-obra. • Possui sistema de desarme automático (o mesmo sistema do consagrado Arado Subsolador Automático - ASA), permitindo um maior rendimento diário, por não utilizar o sistema de pinos de segurança.
  • 22. DESVANTAGEM • Menos adequado para o combate das plantas invasoras, se compararmos à eficiência da grade pesado ou do arado. • Em áreas novas, por exemplo, nas quais encontramos muitas raízes, rochas e tocos, o escarificador não consegue fazer o trabalho dos outros implementos.
  • 23. • Tem a desvantagem de não manter a uniformidade de corte. • Seu uso intensivo pode acarretar a compactação na profundidade do corte.
  • 24. BIBLIOGRÁFICAS • ORTIZ-CAÑAVATE, J.; HERNANS, J.L. Técnica de la mecanizacion agraria. 3 ed. Madrid, Mundi-Prensa, 1989. 641p. • BALASTREIRE. L. A. Máquinas agrícolas São Paulo.: Manole, 1987. 310p. • BERNACKI, H. ; HAMAN, J.; KANAFOJKI, C.Z. Agricultural machines, theory and construction. Washington: U.S. Department of Agriculture and the National Science Foundation, 1972. 451p.