SlideShare uma empresa Scribd logo
Cartas Pastorais :
Juntamente com as duas cartas a Timóteo esta epístola é
classificada desta forma pois foram endereçadas a
companheiros próximos de Paulo que tinham
responsabilidades de direção e divulgação do evangelho
em outros locais.
Objetivo :
•Fornecer a instruções para ordenar as igrejas na ilha de
Creta,
•Traçar diretivas para a conduta das comunidades
cretenses que eram formadas por pessoas muito rebeldes.
2
Quem era Tito
Grego, incircunciso, esteve com Paulo em Jerusalém
quando os apóstolos e anciães concluíram não ser
necessária aos cristãos gentios a circuncisão e a não
observância de todos os requisitos contidos na Lei de
Moisés.
Companheiro de Paulo em sua segunda viagem a
Jerusalém, serviu como emissário a Corinto.
Paulo se refere a Tito como:
•meu verdadeiro filho na fé.( Tt 1:4 )
•Irmão em Cristo. ( II Co 2:13 )
•Companheiro e cooperador ( II Co 8:23 )
3
Creta :
Maior ilha ao sul da Grécia, situada no mar Egeu.
GRÉCIA
ATENAS
CORINTO
4
Autenticidade da epístola :
Alguns fatores levam ao questionamento a respeito da
autenticidade desta epístola:
•Estilo da carta é burocrático e não mais apaixonado e
entusiasta.
•O modo de resolver problemas mudou.
•Paulo somente condena o falso ensinamento sem
argumentar persuasivamente contra ele.
5
A redação dos textos definitivos:
“ ... Os cristãos mais destacados trocam, entre si, cartas de
alto valor doutrinário para as diversas igrejas.... Não há
vantagem nas longas discussões quanto à autenticidade de
uma carta de Inácio de Antioquia ou de Paulo de Tarso,
quando o raciocínio absoluto não possui elementos para a
prova concludente e necessária. A opinião geral rodopiará
em torno do crítico mais eminente... Todavia, a autoridade
literária não poderá apresentar a equação matemática do
assunto. É que, portas a dentro do coração, só a essência
deve prevalecer para as almas e, em se tratando das
conquistas sublimadas da fé, a intuição tem de marchar à
frente da razão, preludiando generosos e definitivos
conhecimentos.”
A Caminho da Luz. Emmanuel.
Cap. XIV . A Edificação Cristã.
6
Pontos principais da epístola:
1 ) Instruções para a organização da Igreja.
2 ) Vícios dos cretenses.
3 ) O discípulo do Cristo deve exemplificar.
4 ) Deveres dos fiéis.
7
1 ) Instruções para a organização da Igreja.
•Escolha de anciães em cada cidade que deveriam ser
irrepreensíveis, casados uma só vez, com filhos fiéis sem
má conduta ou insubordinação.
•Não pode ser arrogante, nem colérico, nem intemperante,
nem violento, nem cobiçoso.
•Deve ser hospitaleiro, amigo do bem, prudente, justo,
piedoso, firmemente apegado à doutrina da fé tal como foi
ensinada, para poder exortar segundo a sã doutrina e
rebater os que a contradizem.
Intemperante – quem não é sóbrio nem moderado.
Exortar – animar, encorajar, aconselhar.
8
O Homem de Bem:
“O verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de
justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza...
Deposita fé em Deus, na sua Bondade, na sua Justiça e na
sua Sabedoria... É bom, humano e benevolente para com
todos... Toma por guia a caridade... Não alimenta ódio,
nem rancor, nem desejo de vingança... É indulgente para
as fraquezas alheias...Não se envaidece de suas
riquezas... nem de suas vantagens pessoais... Usa de sua
autoridade para lhes levantar o moral e não para os
esmagar com o seu orgulho...”
O Evangelho Segundo o Espiritismo.
Cap. XVII – Sede Perfeitos
Item 3 – O Homem de Bem
9
2 ) Vícios dos cretenses.
Paulo relata alguns dos “vícios morais” dos cretenses,
comentando que: “ há muitos insubmissos, charlatães e
sedutores, principalmente entre os da circuncisão e que era
necessário tapar-lhes a boca pois estavam ensinando o
que não convém. Um dentre eles, “o profeta” deles disse:
“Os cretenses são sempre mentirosos, feras selvagens,
glutões preguiçosos.” Essa expressão reflete a verdade.
Portanto, repreende-os severamente, para que se
mantenham sãs na fé. Para os puros todas as coisas são
puras. Para os corruptos e descrentes nada é puro: até
a sua mente e consciência são corrompidas.” (Tt 1:10-15)
10
• “Os cretenses são sempre mentirosos, feras
selvagens, glutões preguiçosos.” Tit 1:10:12.
• Também, entre os cretenses, eram comuns a mentira, a
glutonaria e a preguiça, e, pelo visto, alguns dos cristãos
refletiam essas características ruins. Por esse motivo,
Tito tinha de repreendê-los com severidade e mostrar-
lhes o que se exigia dos cristãos, quer jovens, quer
idosos, varões ou mulheres, escravos ou livres.
Pessoalmente, tinham de ser exemplo de obras
excelentes e mostrar incorruptibilidade no ensino.
• “No estudo da perfeição, comecemos por vigiar a
nós mesmos, corrigindo-nos em tudo
aquilo que nos desagrada nos semelhantes."
Emmanuel (por Chico Xavier)
pensador.uol.com.br
11
Para os puros todas as coisas são puras. Para os corruptos e
descrentes nada é puro: até a sua mente e consciência são
corrompidas. (Tt 1:10-15)
Guardemos o cuidado:
“ O homem enxerga sempre através da visão interior... Pelo que sente,
examina os sentimentos alheios. Na conduta dos outros, supõe
encontrar os meios e fins das ações que lhe são peculiares. Daí o
imperativo da grande vigilância para que a nossa consciência não se
contamine pelo mal...Quando a treva se estende, na intimidade de
nossa vida, deploráveis alterações nos atingem os pensamentos.
Virtudes nessas circunstâncias, jamais são vistas. Os males contudo,
sobram sempre....Guardemos cuidado toda vez que formos visitados
pela inveja, pelo ciúme, pela suspeita ou pela maledicência. Casos
intrincados existem nos quais o silêncio é o remédio bendito e eficaz,
porque sem dúvida, cada espinho observa o caminho ou o caminheiro,
segundo a visão clara ou escura de que dispõe.”
Fonte Viva – 34 - Emmanuel
12
3 ) O discípulo do Cristo deve exemplificar.
Paulo relaciona instruções relativas aos fiéis.
•Aos mais idosos para serem sóbrios, graves, prudentes,
fortes na fé, na caridade, na paciência. Tit 2:2
•As mulheres de mais idade, sérias, não caluniadoras,
mestras em bons conselhos, ensinar as mais jovens a
amarem seus maridos e filhos, serem moderadas, boas
donas de casa, sujeitas a seu marido para que a palavra de
Deus não seja blasfemada. Tit 2:3-5
•Os jovens sejam moderados, modelo de boas obras,
linguagem sã para que o adversário seja confundido não
tendo a dizer de nós mal algum. Tit 2:6-8
•Servos serem submissos a seus senhores e atentos em
agradar-lhes evitando reclamar deles e demonstrar fidelidade
para que por todos seja respeitada a doutrina de Deus. Tit 2: 9-
10
13
“ Através da linguagem, o homem ajuda-se ou se desajuda. Ainda
mesmo que o nosso íntimo permaneça nevoado de problemas, não
é aconselhável que a nossa palavra se faça turva ou
desequilibrada para os outros... A palavra é canal do "eu"... Cada
vez que arrojamos para fora de nós o vocabulário que nos é
próprio, emitimos forças que destroem ou edificam, que ferem ou
balsamizam. Linguagem, a nosso entender, se constitui de três
elementos essenciais: expressão, maneira e voz. Se não
aclaramos a frase, se não apuramos o modo e se não educamos a
voz, de acordo com as situações, somos suscetíveis de perder as
nossas melhores oportunidades de melhoria, entendimento e
elevação... Nem linguagem doce demais, nem amarga em
excesso. Nem branda em demasia, afugentando a confiança, nem
áspera ou contundente, quebrando a simpatia, mas sim
"linguagem sã e irrepreensível para que o adversário se
envergonhe, não tendo nenhum mal que dizer de nós.“
43 – LINGUAGEM - FONTE VIVA - EMMANUEL
14
4 ) Deveres dos fiéis.
•“ Admoesta-os a que sejam submissos aos magistrados e
às autoridades, sejam obedientes, estejam prontos para
qualquer obra boa, não falem mal dos outros, sejam
pacíficos, afáveis e saibam dar provas de toda mansidão
para com todos os homens. Porque também nós outrora
éramos insensatos, rebeldes, transviados, escravos de
paixões de toda espécie, vivendo na malícia e na inveja,
detestáveis, odiando-nos uns aos outros.” Tit 3:1-3
Admoestar – repreender de forma branda, aconselhar, exortar, advertir.
15
Entendamos servindo
“... Na Terra, não respiramos num domicílio de anjos...
Quem ensina com sinceridade, naturalmente aprendeu as
lições, atravessando obstáculos duros... , é inegável que
para educarmos a outrem, necessitamos de imenso
cabedal de paciência e entendimento. Paulo, incisivo e
enérgico, não desconhecia semelhante realidade.
Escrevendo a Tito, lembra as próprias incompreensões de
outra época para justificar a serenidade que nos deve
caracterizar a ação, a serviço do Evangelho Redentor.
Jamais atingiremos nossos objetivos, torturando chagas,
indicando cicatrizes, comentando defeitos ou atirando
espinhos à face alheia. Compreensão e respeito devem
preceder-nos a tarefa em qualquer parte...”
PÃO NOSSO – 179 – Emmanuel
16
"Conjuguemos, assim,
conselho e ação, palavra
e conduta, na mesma
onda de serviço
renovador,
compreendendo, por fim,
que o bem que nos falta
nem sempre é o bem que
ainda não desfrutamos,
mas sim o bem dos
outros que, em nosso
próprio benefício, nos
cabe fazer.”
Emmanuel (por Chico Xavier)
17
Bibliografia:
•Bíblia Sagrada. Ed. Ave Maria. 173ª edição. Edição Claretiana – 2006
– 2006. pág. 1524-1526.
•Estudo Aprofundado da Doutrina espírita – FEB. Religião à luz do
Espiritismo I. pág. 203 – 204.
•Xavier, Francisco Cândido. Fonte Viva – Emmanuel. FEB – 2006, cap.
34 ( Guardemos o cuidado ) e 43 ( Linguagem ).
•Xavier, Francisco Cândido, A Caminho da Luz – FEB – 18ª edição –
1991. cap. XIV pág. 125.
•Xavier, Francisco Cândido, Pão Nosso – FEB – cap. 179
( Entendamos servindo ).
•O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. XVII – Sede Perfeitos. Item
3 – O Homem de Bem
•Wikipedia – imagem Creta.
•www.bibliotecabiblica.blogspot.com.br - Augusto Bello de Souza Filho
Bacharel em Teologia
•www.pensador.uol.com.br
18

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
yosseph2013
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
Moisés Sampaio
 
Perspectivas escatológicas no Antigo Testamento
Perspectivas escatológicas no Antigo TestamentoPerspectivas escatológicas no Antigo Testamento
Perspectivas escatológicas no Antigo Testamento
Jean Francesco
 
BEMA - O Tribunal de Cristo
BEMA - O Tribunal de CristoBEMA - O Tribunal de Cristo
BEMA - O Tribunal de Cristo
Daniel de Carvalho Luz
 
As bem aventuranças
As bem aventuranças As bem aventuranças
As bem aventuranças
Izabel Cristina Fonseca
 
8. tribunal de cristo
8. tribunal de cristo8. tribunal de cristo
8. tribunal de cristo
Moisés Sampaio
 
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
ASD Remanescentes
 
O Cânone Das Escrituras
O Cânone Das EscriturasO Cânone Das Escrituras
O Cânone Das Escrituras
DimensaoCatolica
 
Exposição 01 = A Mensagem de Gálatas
Exposição 01 = A Mensagem de GálatasExposição 01 = A Mensagem de Gálatas
Exposição 01 = A Mensagem de Gálatas
Helio De Oliveira Silva
 
38 1 e 2 timoteo=
38   1 e 2 timoteo=38   1 e 2 timoteo=
38 1 e 2 timoteo=
PIB Penha
 
O Grande Julgamento
O Grande JulgamentoO Grande Julgamento
O Grande Julgamento
Daniel de Carvalho Luz
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
Cinco pontos do calvinismo
Cinco pontos do calvinismoCinco pontos do calvinismo
Cinco pontos do calvinismo
Luiz Guilherme Guimarães Coelho
 
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de DeusLição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Éder Tomé
 
Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da Carne
Márcio Martins
 
Culto e Liturgia
Culto e LiturgiaCulto e Liturgia
A doutrina da Salvação
A doutrina da Salvação A doutrina da Salvação
A doutrina da Salvação
Geversom Sousa
 
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoLição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Éder Tomé
 
O Tabernáculo
O TabernáculoO Tabernáculo
O Tabernáculo
Alberto Simonton
 
Efésios - Lição 01
Efésios - Lição 01Efésios - Lição 01
Efésios - Lição 01
Eid Marques
 

Mais procurados (20)

O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 
Perspectivas escatológicas no Antigo Testamento
Perspectivas escatológicas no Antigo TestamentoPerspectivas escatológicas no Antigo Testamento
Perspectivas escatológicas no Antigo Testamento
 
BEMA - O Tribunal de Cristo
BEMA - O Tribunal de CristoBEMA - O Tribunal de Cristo
BEMA - O Tribunal de Cristo
 
As bem aventuranças
As bem aventuranças As bem aventuranças
As bem aventuranças
 
8. tribunal de cristo
8. tribunal de cristo8. tribunal de cristo
8. tribunal de cristo
 
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
 
O Cânone Das Escrituras
O Cânone Das EscriturasO Cânone Das Escrituras
O Cânone Das Escrituras
 
Exposição 01 = A Mensagem de Gálatas
Exposição 01 = A Mensagem de GálatasExposição 01 = A Mensagem de Gálatas
Exposição 01 = A Mensagem de Gálatas
 
38 1 e 2 timoteo=
38   1 e 2 timoteo=38   1 e 2 timoteo=
38 1 e 2 timoteo=
 
O Grande Julgamento
O Grande JulgamentoO Grande Julgamento
O Grande Julgamento
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
Cinco pontos do calvinismo
Cinco pontos do calvinismoCinco pontos do calvinismo
Cinco pontos do calvinismo
 
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de DeusLição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
 
Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da Carne
 
Culto e Liturgia
Culto e LiturgiaCulto e Liturgia
Culto e Liturgia
 
A doutrina da Salvação
A doutrina da Salvação A doutrina da Salvação
A doutrina da Salvação
 
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoLição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
 
O Tabernáculo
O TabernáculoO Tabernáculo
O Tabernáculo
 
Efésios - Lição 01
Efésios - Lição 01Efésios - Lição 01
Efésios - Lição 01
 

Destaque

As cartas pastorais
As cartas pastoraisAs cartas pastorais
As cartas pastorais
guest1671d3
 
Tito - Introdução
Tito - IntroduçãoTito - Introdução
Tito - Introdução
Daniel Junior
 
Carta a tito
Carta a titoCarta a tito
Carta a tito
museomg
 
Timoteo
TimoteoTimoteo
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Uma Igreja Para Recordar
Uma Igreja Para RecordarUma Igreja Para Recordar
Uma Igreja Para Recordar
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Espiritismo e estudos bíblicos rei davi final
Espiritismo e estudos bíblicos rei davi finalEspiritismo e estudos bíblicos rei davi final
Espiritismo e estudos bíblicos rei davi final
LUCAS CANAVARRO
 
Missão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espíritaMissão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espírita
Larissa Martins
 
A missão de jesus cristo
A missão de jesus cristoA missão de jesus cristo
A missão de jesus cristo
Emanuel Costa
 
8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃOLIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 
016 tito
016 tito016 tito
Jesus
JesusJesus
Jesus
Lisete B.
 
A mensagem de 1 timoteo e tito john-stott
A mensagem de 1 timoteo e tito   john-stottA mensagem de 1 timoteo e tito   john-stott
A mensagem de 1 timoteo e tito john-stott
soarescastrodf
 
O caminho para o pai
O caminho para o paiO caminho para o pai
O caminho para o pai
carlos freire
 
Aula 19 Os milagres segundo o espiritismo - parte A
Aula 19   Os milagres segundo o espiritismo - parte AAula 19   Os milagres segundo o espiritismo - parte A
Aula 19 Os milagres segundo o espiritismo - parte A
victorrobertoreiss
 
Paulo exemplo de transformação moral
Paulo exemplo de transformação moralPaulo exemplo de transformação moral
Paulo exemplo de transformação moral
LUCAS CANAVARRO
 
AS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMO
AS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMOAS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMO
AS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
Os milagres e as predições
Os milagres e as prediçõesOs milagres e as predições
Os milagres e as predições
Dalila Melo
 
Lições para a vida timóteo
Lições para a vida   timóteoLições para a vida   timóteo
Lições para a vida timóteo
Eloi Lago
 

Destaque (20)

As cartas pastorais
As cartas pastoraisAs cartas pastorais
As cartas pastorais
 
Tito - Introdução
Tito - IntroduçãoTito - Introdução
Tito - Introdução
 
Carta a tito
Carta a titoCarta a tito
Carta a tito
 
Timoteo
TimoteoTimoteo
Timoteo
 
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
 
Uma Igreja Para Recordar
Uma Igreja Para RecordarUma Igreja Para Recordar
Uma Igreja Para Recordar
 
Espiritismo e estudos bíblicos rei davi final
Espiritismo e estudos bíblicos rei davi finalEspiritismo e estudos bíblicos rei davi final
Espiritismo e estudos bíblicos rei davi final
 
Missão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espíritaMissão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espírita
 
A missão de jesus cristo
A missão de jesus cristoA missão de jesus cristo
A missão de jesus cristo
 
8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos
 
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃOLIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
 
016 tito
016 tito016 tito
016 tito
 
Jesus
JesusJesus
Jesus
 
A mensagem de 1 timoteo e tito john-stott
A mensagem de 1 timoteo e tito   john-stottA mensagem de 1 timoteo e tito   john-stott
A mensagem de 1 timoteo e tito john-stott
 
O caminho para o pai
O caminho para o paiO caminho para o pai
O caminho para o pai
 
Aula 19 Os milagres segundo o espiritismo - parte A
Aula 19   Os milagres segundo o espiritismo - parte AAula 19   Os milagres segundo o espiritismo - parte A
Aula 19 Os milagres segundo o espiritismo - parte A
 
Paulo exemplo de transformação moral
Paulo exemplo de transformação moralPaulo exemplo de transformação moral
Paulo exemplo de transformação moral
 
AS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMO
AS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMOAS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMO
AS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMO
 
Os milagres e as predições
Os milagres e as prediçõesOs milagres e as predições
Os milagres e as predições
 
Lições para a vida timóteo
Lições para a vida   timóteoLições para a vida   timóteo
Lições para a vida timóteo
 

Semelhante a Epistola a tito revisao

Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...
Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...
Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...
6º Conselho Espírita de Unificação
 
Exortações Gerais - Lição 12 - 3°Trimestre de 2015
Exortações Gerais - Lição 12 - 3°Trimestre de 2015Exortações Gerais - Lição 12 - 3°Trimestre de 2015
Exortações Gerais - Lição 12 - 3°Trimestre de 2015
Pr. Andre Luiz
 
Fraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E EcumenismoFraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E Ecumenismo
Grupo Espírita Cristão
 
Curso visitação fraterna
Curso visitação fraternaCurso visitação fraterna
Curso visitação fraterna
Movimento da Fraternidade
 
I corintios cap 13
I corintios cap 13I corintios cap 13
I corintios cap 13
Andreia Quesada
 
Não se envergonhar apresentação
Não se envergonhar  apresentaçãoNão se envergonhar  apresentação
Não se envergonhar apresentação
Izabel Cristina Fonseca
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
PatiSousa1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos IssoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Ricardo Azevedo
 
Espiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestreEspiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestre
Claudio Macedo
 
Slides apologética o que é e qual suas funções
Slides   apologética o que é e qual suas funçõesSlides   apologética o que é e qual suas funções
Slides apologética o que é e qual suas funções
Abdias Barreto
 
Moral cristã e caridade
Moral cristã e caridadeMoral cristã e caridade
Moral cristã e caridade
Marcel Jefferson Gonçalves
 
Palestra pao nosso 64 melhor sofrer no bem
Palestra pao nosso 64   melhor sofrer no bem Palestra pao nosso 64   melhor sofrer no bem
Palestra pao nosso 64 melhor sofrer no bem
Tiburcio Santos
 
2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx
Joel Silva
 
3º trimestre 2015 lição 05 adultos
3º trimestre 2015 lição 05 adultos3º trimestre 2015 lição 05 adultos
3º trimestre 2015 lição 05 adultos
Joel Silva
 
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
Joel Silva
 
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Leonardo Pereira
 
Jornal do Espiritismo Edição Maio/Junho
Jornal do Espiritismo Edição Maio/JunhoJornal do Espiritismo Edição Maio/Junho
Jornal do Espiritismo Edição Maio/Junho
AEAK São José do Rio Preto
 
O verdadeiro Cristão
O verdadeiro CristãoO verdadeiro Cristão
O verdadeiro Cristão
Renato Arabe Saraiva
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
Jose Luiz Maio
 
D 14 Caridade e o Centro Espírita
D 14   Caridade e o Centro EspíritaD 14   Caridade e o Centro Espírita
D 14 Caridade e o Centro Espírita
JPS Junior
 

Semelhante a Epistola a tito revisao (20)

Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...
Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...
Jornal A Voz Espírita - Edição Comemorativa ao II Encontro de CSE de Magé e G...
 
Exortações Gerais - Lição 12 - 3°Trimestre de 2015
Exortações Gerais - Lição 12 - 3°Trimestre de 2015Exortações Gerais - Lição 12 - 3°Trimestre de 2015
Exortações Gerais - Lição 12 - 3°Trimestre de 2015
 
Fraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E EcumenismoFraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E Ecumenismo
 
Curso visitação fraterna
Curso visitação fraternaCurso visitação fraterna
Curso visitação fraterna
 
I corintios cap 13
I corintios cap 13I corintios cap 13
I corintios cap 13
 
Não se envergonhar apresentação
Não se envergonhar  apresentaçãoNão se envergonhar  apresentação
Não se envergonhar apresentação
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos IssoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
 
Espiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestreEspiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestre
 
Slides apologética o que é e qual suas funções
Slides   apologética o que é e qual suas funçõesSlides   apologética o que é e qual suas funções
Slides apologética o que é e qual suas funções
 
Moral cristã e caridade
Moral cristã e caridadeMoral cristã e caridade
Moral cristã e caridade
 
Palestra pao nosso 64 melhor sofrer no bem
Palestra pao nosso 64   melhor sofrer no bem Palestra pao nosso 64   melhor sofrer no bem
Palestra pao nosso 64 melhor sofrer no bem
 
2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx
 
3º trimestre 2015 lição 05 adultos
3º trimestre 2015 lição 05 adultos3º trimestre 2015 lição 05 adultos
3º trimestre 2015 lição 05 adultos
 
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
 
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
 
Jornal do Espiritismo Edição Maio/Junho
Jornal do Espiritismo Edição Maio/JunhoJornal do Espiritismo Edição Maio/Junho
Jornal do Espiritismo Edição Maio/Junho
 
O verdadeiro Cristão
O verdadeiro CristãoO verdadeiro Cristão
O verdadeiro Cristão
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
 
D 14 Caridade e o Centro Espírita
D 14   Caridade e o Centro EspíritaD 14   Caridade e o Centro Espírita
D 14 Caridade e o Centro Espírita
 

Mais de LUCAS CANAVARRO

Espiritismo e estudos bíblicos rei salomão final
Espiritismo e estudos bíblicos rei salomão finalEspiritismo e estudos bíblicos rei salomão final
Espiritismo e estudos bíblicos rei salomão final
LUCAS CANAVARRO
 
Espiritismo e estudos bíblicos rei saul final
Espiritismo e estudos bíblicos rei saul finalEspiritismo e estudos bíblicos rei saul final
Espiritismo e estudos bíblicos rei saul final
LUCAS CANAVARRO
 
Espiritismo e estudos bíblicos juizes final
Espiritismo e estudos bíblicos juizes finalEspiritismo e estudos bíblicos juizes final
Espiritismo e estudos bíblicos juizes final
LUCAS CANAVARRO
 
Perdão o alicerce da paz jan 2015
Perdão   o alicerce da paz jan 2015Perdão   o alicerce da paz jan 2015
Perdão o alicerce da paz jan 2015
LUCAS CANAVARRO
 
Heresias - visão espírita
Heresias - visão espíritaHeresias - visão espírita
Heresias - visão espírita
LUCAS CANAVARRO
 
As cruzadas set final
As cruzadas set finalAs cruzadas set final
As cruzadas set final
LUCAS CANAVARRO
 
APOCALIPSE DE JOÃO PARTE 1, trabalho de estudo desenvolvido no Centro Espirit...
APOCALIPSE DE JOÃO PARTE 1, trabalho de estudo desenvolvido no Centro Espirit...APOCALIPSE DE JOÃO PARTE 1, trabalho de estudo desenvolvido no Centro Espirit...
APOCALIPSE DE JOÃO PARTE 1, trabalho de estudo desenvolvido no Centro Espirit...
LUCAS CANAVARRO
 
A felicidade nao e deste mundo.
A felicidade nao e deste mundo.A felicidade nao e deste mundo.
A felicidade nao e deste mundo.
LUCAS CANAVARRO
 
Atos dos Apostolos
Atos dos ApostolosAtos dos Apostolos
Atos dos Apostolos
LUCAS CANAVARRO
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolos Atos dos apostolos
Atos dos apostolos
LUCAS CANAVARRO
 
Epistola a filemon
Epistola a filemonEpistola a filemon
Epistola a filemon
LUCAS CANAVARRO
 
Terceira viagem Paulo apresentaçao
Terceira viagem Paulo apresentaçaoTerceira viagem Paulo apresentaçao
Terceira viagem Paulo apresentaçao
LUCAS CANAVARRO
 

Mais de LUCAS CANAVARRO (12)

Espiritismo e estudos bíblicos rei salomão final
Espiritismo e estudos bíblicos rei salomão finalEspiritismo e estudos bíblicos rei salomão final
Espiritismo e estudos bíblicos rei salomão final
 
Espiritismo e estudos bíblicos rei saul final
Espiritismo e estudos bíblicos rei saul finalEspiritismo e estudos bíblicos rei saul final
Espiritismo e estudos bíblicos rei saul final
 
Espiritismo e estudos bíblicos juizes final
Espiritismo e estudos bíblicos juizes finalEspiritismo e estudos bíblicos juizes final
Espiritismo e estudos bíblicos juizes final
 
Perdão o alicerce da paz jan 2015
Perdão   o alicerce da paz jan 2015Perdão   o alicerce da paz jan 2015
Perdão o alicerce da paz jan 2015
 
Heresias - visão espírita
Heresias - visão espíritaHeresias - visão espírita
Heresias - visão espírita
 
As cruzadas set final
As cruzadas set finalAs cruzadas set final
As cruzadas set final
 
APOCALIPSE DE JOÃO PARTE 1, trabalho de estudo desenvolvido no Centro Espirit...
APOCALIPSE DE JOÃO PARTE 1, trabalho de estudo desenvolvido no Centro Espirit...APOCALIPSE DE JOÃO PARTE 1, trabalho de estudo desenvolvido no Centro Espirit...
APOCALIPSE DE JOÃO PARTE 1, trabalho de estudo desenvolvido no Centro Espirit...
 
A felicidade nao e deste mundo.
A felicidade nao e deste mundo.A felicidade nao e deste mundo.
A felicidade nao e deste mundo.
 
Atos dos Apostolos
Atos dos ApostolosAtos dos Apostolos
Atos dos Apostolos
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolos Atos dos apostolos
Atos dos apostolos
 
Epistola a filemon
Epistola a filemonEpistola a filemon
Epistola a filemon
 
Terceira viagem Paulo apresentaçao
Terceira viagem Paulo apresentaçaoTerceira viagem Paulo apresentaçao
Terceira viagem Paulo apresentaçao
 

Último

Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 

Último (16)

Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 

Epistola a tito revisao

  • 1.
  • 2. Cartas Pastorais : Juntamente com as duas cartas a Timóteo esta epístola é classificada desta forma pois foram endereçadas a companheiros próximos de Paulo que tinham responsabilidades de direção e divulgação do evangelho em outros locais. Objetivo : •Fornecer a instruções para ordenar as igrejas na ilha de Creta, •Traçar diretivas para a conduta das comunidades cretenses que eram formadas por pessoas muito rebeldes. 2
  • 3. Quem era Tito Grego, incircunciso, esteve com Paulo em Jerusalém quando os apóstolos e anciães concluíram não ser necessária aos cristãos gentios a circuncisão e a não observância de todos os requisitos contidos na Lei de Moisés. Companheiro de Paulo em sua segunda viagem a Jerusalém, serviu como emissário a Corinto. Paulo se refere a Tito como: •meu verdadeiro filho na fé.( Tt 1:4 ) •Irmão em Cristo. ( II Co 2:13 ) •Companheiro e cooperador ( II Co 8:23 ) 3
  • 4. Creta : Maior ilha ao sul da Grécia, situada no mar Egeu. GRÉCIA ATENAS CORINTO 4
  • 5. Autenticidade da epístola : Alguns fatores levam ao questionamento a respeito da autenticidade desta epístola: •Estilo da carta é burocrático e não mais apaixonado e entusiasta. •O modo de resolver problemas mudou. •Paulo somente condena o falso ensinamento sem argumentar persuasivamente contra ele. 5
  • 6. A redação dos textos definitivos: “ ... Os cristãos mais destacados trocam, entre si, cartas de alto valor doutrinário para as diversas igrejas.... Não há vantagem nas longas discussões quanto à autenticidade de uma carta de Inácio de Antioquia ou de Paulo de Tarso, quando o raciocínio absoluto não possui elementos para a prova concludente e necessária. A opinião geral rodopiará em torno do crítico mais eminente... Todavia, a autoridade literária não poderá apresentar a equação matemática do assunto. É que, portas a dentro do coração, só a essência deve prevalecer para as almas e, em se tratando das conquistas sublimadas da fé, a intuição tem de marchar à frente da razão, preludiando generosos e definitivos conhecimentos.” A Caminho da Luz. Emmanuel. Cap. XIV . A Edificação Cristã. 6
  • 7. Pontos principais da epístola: 1 ) Instruções para a organização da Igreja. 2 ) Vícios dos cretenses. 3 ) O discípulo do Cristo deve exemplificar. 4 ) Deveres dos fiéis. 7
  • 8. 1 ) Instruções para a organização da Igreja. •Escolha de anciães em cada cidade que deveriam ser irrepreensíveis, casados uma só vez, com filhos fiéis sem má conduta ou insubordinação. •Não pode ser arrogante, nem colérico, nem intemperante, nem violento, nem cobiçoso. •Deve ser hospitaleiro, amigo do bem, prudente, justo, piedoso, firmemente apegado à doutrina da fé tal como foi ensinada, para poder exortar segundo a sã doutrina e rebater os que a contradizem. Intemperante – quem não é sóbrio nem moderado. Exortar – animar, encorajar, aconselhar. 8
  • 9. O Homem de Bem: “O verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza... Deposita fé em Deus, na sua Bondade, na sua Justiça e na sua Sabedoria... É bom, humano e benevolente para com todos... Toma por guia a caridade... Não alimenta ódio, nem rancor, nem desejo de vingança... É indulgente para as fraquezas alheias...Não se envaidece de suas riquezas... nem de suas vantagens pessoais... Usa de sua autoridade para lhes levantar o moral e não para os esmagar com o seu orgulho...” O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. XVII – Sede Perfeitos Item 3 – O Homem de Bem 9
  • 10. 2 ) Vícios dos cretenses. Paulo relata alguns dos “vícios morais” dos cretenses, comentando que: “ há muitos insubmissos, charlatães e sedutores, principalmente entre os da circuncisão e que era necessário tapar-lhes a boca pois estavam ensinando o que não convém. Um dentre eles, “o profeta” deles disse: “Os cretenses são sempre mentirosos, feras selvagens, glutões preguiçosos.” Essa expressão reflete a verdade. Portanto, repreende-os severamente, para que se mantenham sãs na fé. Para os puros todas as coisas são puras. Para os corruptos e descrentes nada é puro: até a sua mente e consciência são corrompidas.” (Tt 1:10-15) 10
  • 11. • “Os cretenses são sempre mentirosos, feras selvagens, glutões preguiçosos.” Tit 1:10:12. • Também, entre os cretenses, eram comuns a mentira, a glutonaria e a preguiça, e, pelo visto, alguns dos cristãos refletiam essas características ruins. Por esse motivo, Tito tinha de repreendê-los com severidade e mostrar- lhes o que se exigia dos cristãos, quer jovens, quer idosos, varões ou mulheres, escravos ou livres. Pessoalmente, tinham de ser exemplo de obras excelentes e mostrar incorruptibilidade no ensino. • “No estudo da perfeição, comecemos por vigiar a nós mesmos, corrigindo-nos em tudo aquilo que nos desagrada nos semelhantes." Emmanuel (por Chico Xavier) pensador.uol.com.br 11
  • 12. Para os puros todas as coisas são puras. Para os corruptos e descrentes nada é puro: até a sua mente e consciência são corrompidas. (Tt 1:10-15) Guardemos o cuidado: “ O homem enxerga sempre através da visão interior... Pelo que sente, examina os sentimentos alheios. Na conduta dos outros, supõe encontrar os meios e fins das ações que lhe são peculiares. Daí o imperativo da grande vigilância para que a nossa consciência não se contamine pelo mal...Quando a treva se estende, na intimidade de nossa vida, deploráveis alterações nos atingem os pensamentos. Virtudes nessas circunstâncias, jamais são vistas. Os males contudo, sobram sempre....Guardemos cuidado toda vez que formos visitados pela inveja, pelo ciúme, pela suspeita ou pela maledicência. Casos intrincados existem nos quais o silêncio é o remédio bendito e eficaz, porque sem dúvida, cada espinho observa o caminho ou o caminheiro, segundo a visão clara ou escura de que dispõe.” Fonte Viva – 34 - Emmanuel 12
  • 13. 3 ) O discípulo do Cristo deve exemplificar. Paulo relaciona instruções relativas aos fiéis. •Aos mais idosos para serem sóbrios, graves, prudentes, fortes na fé, na caridade, na paciência. Tit 2:2 •As mulheres de mais idade, sérias, não caluniadoras, mestras em bons conselhos, ensinar as mais jovens a amarem seus maridos e filhos, serem moderadas, boas donas de casa, sujeitas a seu marido para que a palavra de Deus não seja blasfemada. Tit 2:3-5 •Os jovens sejam moderados, modelo de boas obras, linguagem sã para que o adversário seja confundido não tendo a dizer de nós mal algum. Tit 2:6-8 •Servos serem submissos a seus senhores e atentos em agradar-lhes evitando reclamar deles e demonstrar fidelidade para que por todos seja respeitada a doutrina de Deus. Tit 2: 9- 10 13
  • 14. “ Através da linguagem, o homem ajuda-se ou se desajuda. Ainda mesmo que o nosso íntimo permaneça nevoado de problemas, não é aconselhável que a nossa palavra se faça turva ou desequilibrada para os outros... A palavra é canal do "eu"... Cada vez que arrojamos para fora de nós o vocabulário que nos é próprio, emitimos forças que destroem ou edificam, que ferem ou balsamizam. Linguagem, a nosso entender, se constitui de três elementos essenciais: expressão, maneira e voz. Se não aclaramos a frase, se não apuramos o modo e se não educamos a voz, de acordo com as situações, somos suscetíveis de perder as nossas melhores oportunidades de melhoria, entendimento e elevação... Nem linguagem doce demais, nem amarga em excesso. Nem branda em demasia, afugentando a confiança, nem áspera ou contundente, quebrando a simpatia, mas sim "linguagem sã e irrepreensível para que o adversário se envergonhe, não tendo nenhum mal que dizer de nós.“ 43 – LINGUAGEM - FONTE VIVA - EMMANUEL 14
  • 15. 4 ) Deveres dos fiéis. •“ Admoesta-os a que sejam submissos aos magistrados e às autoridades, sejam obedientes, estejam prontos para qualquer obra boa, não falem mal dos outros, sejam pacíficos, afáveis e saibam dar provas de toda mansidão para com todos os homens. Porque também nós outrora éramos insensatos, rebeldes, transviados, escravos de paixões de toda espécie, vivendo na malícia e na inveja, detestáveis, odiando-nos uns aos outros.” Tit 3:1-3 Admoestar – repreender de forma branda, aconselhar, exortar, advertir. 15
  • 16. Entendamos servindo “... Na Terra, não respiramos num domicílio de anjos... Quem ensina com sinceridade, naturalmente aprendeu as lições, atravessando obstáculos duros... , é inegável que para educarmos a outrem, necessitamos de imenso cabedal de paciência e entendimento. Paulo, incisivo e enérgico, não desconhecia semelhante realidade. Escrevendo a Tito, lembra as próprias incompreensões de outra época para justificar a serenidade que nos deve caracterizar a ação, a serviço do Evangelho Redentor. Jamais atingiremos nossos objetivos, torturando chagas, indicando cicatrizes, comentando defeitos ou atirando espinhos à face alheia. Compreensão e respeito devem preceder-nos a tarefa em qualquer parte...” PÃO NOSSO – 179 – Emmanuel 16
  • 17. "Conjuguemos, assim, conselho e ação, palavra e conduta, na mesma onda de serviço renovador, compreendendo, por fim, que o bem que nos falta nem sempre é o bem que ainda não desfrutamos, mas sim o bem dos outros que, em nosso próprio benefício, nos cabe fazer.” Emmanuel (por Chico Xavier) 17
  • 18. Bibliografia: •Bíblia Sagrada. Ed. Ave Maria. 173ª edição. Edição Claretiana – 2006 – 2006. pág. 1524-1526. •Estudo Aprofundado da Doutrina espírita – FEB. Religião à luz do Espiritismo I. pág. 203 – 204. •Xavier, Francisco Cândido. Fonte Viva – Emmanuel. FEB – 2006, cap. 34 ( Guardemos o cuidado ) e 43 ( Linguagem ). •Xavier, Francisco Cândido, A Caminho da Luz – FEB – 18ª edição – 1991. cap. XIV pág. 125. •Xavier, Francisco Cândido, Pão Nosso – FEB – cap. 179 ( Entendamos servindo ). •O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. XVII – Sede Perfeitos. Item 3 – O Homem de Bem •Wikipedia – imagem Creta. •www.bibliotecabiblica.blogspot.com.br - Augusto Bello de Souza Filho Bacharel em Teologia •www.pensador.uol.com.br 18