A felicidade nao e deste mundo.

2.249 visualizações

Publicada em

Trabalho desenvolvido em conjunto com Rita, Clodomil, Jesse James e Ligia para seminario de estudos do Centro espirita Ivon Costa, Belém - PA. A felicidade pelos sábios da antiguidade, por Paulo de Tarso e a visão da doutrina espirita sobre como alcançar a verdadeira felicidade.

Publicada em: Espiritual
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.249
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
60
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A felicidade nao e deste mundo.

  1. 1. 1
  2. 2. FELICIDADE Emannuel, F.C.Xavier. Livro : Servidores no Além Sábios existem que asseveram não ser a felicidade deste mundo, mas isso não quer dizer que a felicidade não seja do homem. E sabendo nós outros que há diversos tipos de contentamento na Terra, não podemos ignorar que há um júbilo cristão, do qual não será lícito esquecer em tempo algum. A alegria da mente ignorante que se mergulhou nos despenhadeiros do crime, reside na execução do mal, ao passo que a satisfação do homem esclarecido, jaz no dever bem desempenhado, no coração enobrecido e na reta consciência. Não olvidemos que se o Reino do Senhor ainda não é deste mundo, nossa alma pode, desde agora, ingressar nesse Divino Reino e aí encontrar a aventura sem mácula do amor vitorioso sob a inspiração do Celeste Amigo. A felicidade do discípulo de Jesus brilha em toda parte, introduzindo-nos à Benção Maior. É a benção de auxiliar. A construção da simpatia fraterna. A oportunidade de sofrer pela própria santificação. O ensejo de aprender para progredir na Eternidade. A riqueza do trabalho. A alegria de servir, não só com o dinheiro farto ou com a autoridade respeitável na Terra, mas também com o sorriso de entendimento, com o pão da boa vontade ou com o agasalho ao doente e à criança. A felicidade, portanto, se ainda não é deste mundo, já pode residir no espírito que realmente a procura na alegria de dar de si mesmo, de sacrificar-se pelo bem comum e de auxiliar a todos, quando Jesus soube, amando e servindo, subir do madeiro sanguinolento aos esplendores da Eterna Ressurreição. 2
  3. 3. 3
  4. 4. A felicidade não é deste mundo? • • • • Não sou feliz! A felicidade não foi feita para mim! Talvez você ache que já tem toda felicidade que quer. A felicidade existe? O que é felicidade para você? De que depende a felicidade? Posses materiais? Saúde? Juventude? • Como ser feliz num mundo com tantos sofrimentos e injustiças? • Qual a utilidade do sofrimento para ser feliz? Por que uns sofrem mais do que outros? Por que uns nascem na opulência e outros na miséria? Por que para uns nada dá certo, enquanto para outros tudo parece sorrir? ( E.S.E. cap 5. item 3 ) 4
  5. 5. O que é felicidade ? FELICIDADE segundo o Dicionário Aurélio: • [Do latim felicitate.] • Felicidade : S. f. • 1. Qualidade ou estado de feliz; ventura, contentamento, • 2. Bom êxito; êxito, sucesso, • 3. Boa fortuna; dita, sorte. 5
  6. 6. A felicidade pelos sábios da antiguidade • SÓCRATES ( 470 – 399 a.C. ) • Ensinava em locais públicos, nada escreveu e seus pensamentos chegaram até nós através de escritos dos seus discípulos, principalmente Platão. • Considerado o pai da ciência moral estabeleceu as regras da virtude, vivenciando-as. • Dizia: A felicidade não é o Ter ou o não Ter, a verdadeira felicidade é o Ser, sendo indispensável : o pensamento reto, conduta correta e palavras saudáveis. • Pioneiro das ideias cristãs e espíritas. “ O grande segredo para a plenitude é muito simples, compartilhar. “ 6
  7. 7. A felicidade pelos sábios da antiguidade • DIÓGENES ( 413 – 323 a.C. ) • Cognominado o cínico pela forma como vivia. • Dizia que o homem deveria viver de acordo com a própria consciência e total desprezo pelas convenções humanas e sociais. • Seus seguidores desvirtuaram em uma reação contra as regras da vida e proclamaram uma liberdade excessiva que degenerou-se em libertinagem. • Desdenhava os bens transitórios. A felicidade é o não Ter. 7
  8. 8. A felicidade pelos sábios da antiguidade • EPICURO ( 341 – 269 a.C. ) • A sabedoria seria a chave da felicidade. • As sensações e desejos materiais deveriam ceder lugar às emoções de ordem superior. • Posteriormente este ideal sofreu profunda transformação valorizando o gozo, a posse, o prazer sensual. • Surgiu a máxima: possuir para gozar, ter para sobreviver. “ Não deves corromper o bem presente com o desejo daquilo que não tens. “ 8
  9. 9. A felicidade pelos sábios da antiguidade • ZENÃO DE CÍCIO ( 340 – 264 a.C. ) • Valorizava o encontro com o eu, dizia: “O homem são seus valores íntimos.” • Felicidade x dor. Todos sofrem, necessidade de uma postura superior frente ao sofrimento. • Seria necessário banir da vida as expressões de afetividade e emotividade pois causavam apego e produziam sofrimento. • Não conseguiu oferecer a segurança básica para a felicidade, por tornar o homem inautêntico, insensível ao amor, à beleza, ao sofrimento. “ A felicidade é o bem fruir da vida. “ 9
  10. 10. A felicidade por Paulo de Tarso “Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho.” — Paulo. (FILIPENSES, capítulo 4, versículo 11) • A vida simples, condição da felicidade relativa na Terra, foi esquecida pela generalidade dos homens. • O homem incoerente não procura saber se possui o menos para a vida eterna, porque está sempre ansioso pelo mais nas possibilidades transitórias. • Paulo de Tarso, o apóstolo chamado por Jesus para a disseminação da verdade divina, entre os homens, foi obrigado a aprender a contentar-se com o que possuía, penetrando o caminho de disciplinas acerbas. (Fonte Viva - Xavier.F.C. - Emmanuel) “Tendo, porém sustento e com o que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes” I TIM 6:8 10
  11. 11. Felicidade através do conhecimento Doutrinário Espírita Pode o homem gozar de completa felicidade na Terra? “Não, por isso que a vida lhe foi dada como prova ou expiação. Dele, porém, depende a suavização de seus males e o ser tão feliz quanto possível na Terra.” (L.E. q. 920) 11
  12. 12. Como ser feliz num mundo cheio de violência, de injustiças e com tanto sofrimento? “ É para a vossa correção que sofreis. Deus vos trata como filhos. Qual é, com efeito, o filho cujo pai não corrige?” ( Hb 12: 5-7 ) •As dores que chegam aos corações, em luta e redenção, não são punitivas, são técnicas de educação utilizadas pelo Pai Amoroso convocando o filho rebelde à edificação interior, à reparação dos próprios erros. ( Desperte e seja feliz. Joanna de Ângelis ) •O sofrimento é transitório, por ser efeito do desequilíbrio da energia que, direcionada para o bem e para o amor nos leva a plenitude, a saúde integral reservada à todos. ( Plenitude – Joanna de Ângelis. Cap. XIV ) 12
  13. 13. A felicidade é ausência de sofrimento? “ De maneira nenhuma. A ausência de sofrimento não quer dizer que o indivíduo seja saudável e feliz. Apenas o sofrimento não está incorporado na sua pauta. A felicidade não pode ser bloqueada por uma doença, por um insucesso, porque seria muito monótona. Uma vida horizontal é uma vida insossa. A felicidade, portanto, está nessa sinuosidade da vida, nos altos e baixos, momentos de pique e de alegria, momentos de severidade e de preocupação. O que seria a felicidade? Seria a média aritmética daqueles momentos elevados e daqueles momentos menos bons.” (Divaldo Responde - 2) 13
  14. 14. De que depende a felicidade? Aspectos físicos, emocionais, mentais ou materiais ? • Não é feliz o homem em possuir ou deixar de possuir, mas pela forma como possui ou como encara a falta da posse. • Jesus situou no “amar ao próximo como a si mesmo” a pedra fundamental da felicidade, condicionando a existência humana ao supremo esforço do labor no bem. • A felicidade é o bem que alguém proporciona a seu próximo. (Estudos Espiritas. Joanna de Ângelis. Cap. 17 Felicidade) 14
  15. 15. Efeito da felicidade no corpo • Dopamina envolvida no controle dos movimentos, aprendizado, humor, emoções, cognição, sono e memória. • Mal de Parkinson e Esquizofrenia. • Serotonina controle da liberação de alguns hormônios e a regulação do sono e do apetite. O “ecstasy e o LSD” mimetizam alguns efeitos da serotonina. O ecstasy promove liberação maciça de serotonina e posterior depleção. • Deprimidos tem níveis baixos de serotonina. • Banana, tomate, chocolate e vinhos são ricos em triptofano, precursor • da serotonina. A endorfina atividade física e orgasmo, relaxa e da prazer, euforia e bem-estar. (wikipedia) • Neurotransmissores específicos, quais a dopamina e a serotonina, são portadores dos fatores que proporcionam felicidade à criatura humana, cabendo ao Espírito aprender a canalizar as emoções para que se expressem como alegria de viver, harmonia pessoal, equilíbrio... (Joanna de Ângelis /Divaldo Franco – ILUMINAÇÃO INTERIOR, cap. 15) 15
  16. 16. • Ínsitos no Espírito, os deslizes morais e os débitos espirituais transferem-se para o corpo, estabelecendo os códigos do ressarcimento através das aflições que, bem direcionadas, modificam a estrutura interna da psique, alterando, em longo prazo, a constituição neuronial. • Em face da ocorrência, nada impede o ser de modificar a conduta emocional, estabelecendo metas de prazer e de ventura que podem ser conseguidas mediante a alteração da óptica em torno dos valores existenciais. • Todos estão na Terra para adquirir felicidade, jornadeando no rumo da plenitude que é a meta futura. (Joanna de Ângelis/Divaldo Franco – ILUMINAÇÃO INTERIOR, cap. 15) 16
  17. 17. “Mestre, qual é o maior mandamento da lei?.” Ele respondeu: “ Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu espírito. Esse é o maior e o primeiro mandamento. O segundo é semelhante a esse: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.” (Mt 22:36-40) 17
  18. 18. “ Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai, senão por mim.” ( Jo 14:6 ) 18
  19. 19. POEMA DA GRATIDÃO ( Amélia Rodrigues – Divaldo Franco ) Desde agora, contribuamos com os espíritos nobres oferecendo o que temos de melhor. Que seja uma gota d'água na ardência do deserto. Um gesto de simpatia, um sorriso de bondade, uma palavra de estímulo. Que seja a nossa cota mínima, porém, significativa para a grande sinfonia. E ao invés de deixarmos nos arrebatar pelo desencanto ou pela amargura, Pelo desequilíbrio ou pela vulgaridade. Acompanhemos as dádivas com que o Senhor nos enriquece a vida. Valorizando-a para podermos dizer. Ó Senhor, Enquanto a loucura toma conta da massa, E lá fora o desespero campeia sem tua paz, Deixa-nos dizer-te o quanto amamos a vida, Que para nós é bela e consentida, 19
  20. 20. Muito obrigado Senhor, Por tudo que me destes, por tudo que me dás, Pelo ar, pelo pão, pela paz, Muito obrigado pela beleza que meus olhos veem no altar da natureza, Olhos que fitam o céu, a terra e o mar, Que acompanham a ave ligeira, que voa fagueira pelo céu de anil. Que se detém na terra verde salpicada de flores em tonalidades mil. Muito obrigado Senhor, Por que eu posso ver o meu amor. Mas diante da minha visão, Pelos cegos, eu formulo uma oração. Por que eu sei, que depois desta vida, Na outra vida, eles também enxergarão. 20
  21. 21. Muito obrigado pelos ouvidos meus, Que me foram dados por DEUS, Ouvidos que ouvem o tamborilar da chuva no telheiro, A melodia do vento nos ramos do olmeiro. As lágrimas que choram os olhos do mundo inteiro. Ouvidos que ouvem a música do povo, que desce do morro, Na praça a cantar a melodia dos imortais, Que se ouve uma vez e não se esquece nunca mais. A voz melodiosa que agora melancólica do boiadeiro E a dor que geme, que chora, no coração do mundo inteiro. Pela minha faculdade de ouvir, Pelos surdos eu te quero pedir. Por que eu sei, que depois desta prova, Na vida nova, eles também escutarão. 21
  22. 22. Obrigado pela minha voz, pela sua voz, pela voz que ensina, que alfabetiza, que legisla, Que canteia uma canção e que o teu nome profere com deliciosa emoção. Diante da minha melodia eu quero rogar pelos que sofrem de afazia, Eles não cantam de noite, não falam de dia, Oro por eles, por que eu sei, Que depois desta dor, no teu reino de amor, Eles cantarão. Obrigado pelas minhas mãos, Que aram, que semeiam, que agasalham, Mãos de ternura que libertam da amargura, Mãos que apertam mãos, mãos dos adeuses, Que limpam feridas, que enxugam suores e lágrimas das vidas. Mãos de sinfonia, mãos de psicografia, mãos de cirurgia, mãos de poesias, Pelas mãos que atendem a velhice, a dor, o desamor, Pelas mãos que nos seios embalam o corpo de um filho alheio, sem receio. 22
  23. 23. Pelos pés, que me levam a andar sem reclamar Muito obrigado Senhor. Por que eu posso caminhar, Diante do meu corpo perfeito eu te quero louvar. Por que eu vejo na Terra aleijados, amputados, marcados, paralisados, Que se não podem movimentar. Eu oro por eles, Por que eu sei que depois desta expiação, Na outra reencarnação, eles também caminharão. 23
  24. 24. Muito obrigado por fim, Pelo meu lar. É tão maravilhoso ter um lar. Não é importante se este lar é uma mansão, Se está numa favela, se é uma tapera, um ninho, um grabato de dor, um bangalô, uma casa no caminho ou seja lá o que for. Mas que dentro dele exista a figura do amor, De mãe ou de pai, de mulher ou de marido, de filho, de irmão. A presença de um amigo, de alguém que me dê a mão, Pelo menos a companhia de um cão. Por que é muito triste viver na solidão, Mas se a ninguém tiver para me amar, Nem um teto para me agasalhar, Nem uma cama para me deitar, Nem ai reclamarei, Pelo contrário eu cantarei. Aleluia! Eu direi. Obrigado Senhor por que eu nasci. Obrigado Senhor eu creio em Ti! Pelo Teu amor, Aleluia! Muito obrigado, Senhor. 24

×