SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
As Cartas Pastorais 1 Timóteo 2 Timóteo Tito Por João Paulo Veloso twitter.com/veloso_JP alegriaesantidade.blogspot.com
Introdução As cartas a Timóteo e a Tito são chamadas “Pastorais” desde o século XVIII. O título é perfeitamente justificado porque são endereçadas a pastores das Igrejas, amigos e colaboradores de Paulo,  e porque  contém conselhos  e deveres de caráter pastoral dos dirigentes de comunidades. As “Pastorais”, além de fornecer um interessante panorama de organização das comunidades, apresentam, também, uma preciosa documentação da catequese primitiva. A grande preocupação dessas cartas é “conservar e transmitir fielmente o ‘depósito da fé’”.
Problema da autenticidade Paulina O problema surgiu no século XIX com a crítica racionalista. Em 1804, J. E. C. Schmidt negou a autenticidade de Primeira Timóteo. Aos poucos a negação atingiu também as outras duas cartas que foram atribuídas a um falsário do século II, o qual teria usado o nome de Paulo para combater o gnosticismo e dar crédito à doutrina do episcopado monárquico na Igreja. Outros autores, menos radicais, atribuíram as cartas a um discípulo de Paulo ou a São Policarpo de Esmirna ou a um membro do seu clero.
Objeções e respostas Vocabulário diferente das outras cartas Resposta: Nem o estilo, nem o vocabulário são decisivos para negar a autoria paulina, sobretudo se tomarmos em consideração a participação ativa dos secretários (Rm 16,22) que não eram simples copistas. Também, o estilo e o vocabulário são normalmente condicionados pelo argumento tratado, pelo estado de espírito do autor e pelos destinatários diretos dos escritos. Paulo, nas Pastorais, usa um tom familiar e simples porque se dirige, como pai, a filhos responsáveis por comunidades.
Objeções e respostas A doutrina: é mais normativa-jurídica. Insiste-se na fidelidade à “verdade”. A fé é vista como um conjunto de verdades a qual se deve crer, e não como adesão à pessoa de Cristo. Resposta: Sem dúvida, a doutrina das pastorais é muito mais pobre e ao tipo prático-normativo. Mas, isso depende do objetivo que o autor quer alcançar e das circunstâncias históricas em que escreve.
Objeções e respostas Os erros combatidos seria o gnosticismo na forma que assumiu no século II. Resposta: Os erros combatidos nas Pastorais, não se apresentam como um sistema doutrinal bem definido como o gnosticismo do século II. Talvez se tratasse do início da gnose ou de alguma tendência gnóstica do próprio judaísmo (Tt 1,14 fala de fábulas judaicas). Note-se, também, que enquanto o gnosticismo de Marcião e Valentino rejeitava o Antigo Testamento em bloco, as Pastorais o supervalorizam.
Objeções e respostas A organização eclesiástica seria muito desenvolvida. Prevalece a Igreja das estruturas no lugar da Igreja Carismática. Já aparecem bem delineados os membros de uma hierarquia interna na Igreja (epíscopos, presbíteros, diáconos. Resposta: Dizer que não existe nenhum interesse pela hierarquia nos escritos do Novo Testamento anteriores às Pastorais é um juízo falso, pois nota-se certos graus de hierarquia em algumas comunidades: os Atos dos Apóstolos falam de “epíscopos e presbíteros”;  “epíscopos e diáconos” em Fl 1,1; são mencionados os chefes de Igrejas em 1Ts 5,12; 1Cor 16,16; Rm12,8. As Pastorais apresentam, apenas, uma maior preocupação pela organização das comunidades, daí a maior insistência nesses termos.
Objeções e respostas Nas Pastorais, ainda há muita confusão: presbíteros e epíscopos são, praticamente, sinônimos; Tito Timóteo não são bispos residenciais, mas itinerantes à disposição do único chefe de todas as comunidades. As notícias pessoais de Paulo não se enquadram no que sabemos do Apóstolo sobretudo através dos Atos. Resposta: Certamente os dados biográficos e cronológicos das Pastorais não se enquadram na vida de Paulo até o ano de 63. É certo, também, que o autor dos Atos dos Apóstolos não tencionava fazer uma biografia de Paulo. Seu objetivo era outro (At 1,8). Nem sempre Atos e Paulo coincidem, e nestes casos sempre devemos dar mais razão aos escritos paulinos.
Timóteo
Timóteo Era originário da cidade de Listra na Licaônia. Seu pai era grego e sua mãe judia (At 16,1). Não se fala nada sobre seu pai, talvez já morto quando conheceu Paulo. Foi educado por sua mãe Eunice e por sua avó Lóide que lhe transmitiram a fé judaica e o conhecimento da Lei de Moisés (2Tm 3,15). Mas por ser filho de pai gentio não foi circuncidado ao oitavo dia. Provavelmente conheceu Paulo por ocasião da segunda viagem missionária.
Timóteo Tornou-se conhecido da comunidade cristã e gozava de grande estima. Foi durante a segunda viagem missionária, ao passar novamente por Listra que Paulo batizou-o e o tomou como seu colaborador. E para facilitar seu contato com os judeus, Paulo fez com que Timóteo fosse circuncidado (At 16,1). Desde então, tornou-se o colaborador fiel do Apóstolo. Esteve com Paulo no momento em que foram escritas as cartas: 1-2 Tessalonicenses (1Ts 1,1; 2Ts 1,1); 2 Coríntios (2Cor 1,1); Romanos (Rm 16,21); Filipenses (Fl 1,1); Colossenses (Cl 1,1) e Filemon (Fm 1). Acompanha Paulo na Macedônia (At 17,14-15); a Corinto (At 18,5) e a Éfeso (At 19,22). Desempenhou várias tarefas de confiança de Paulo e muitas vezes difíceis (1Ts 3,1-2.5-6; 1Cor 4,17; 15,10; Fl 2,19-24; Rm 16,21).
Timóteo Timóteo tinha uma saúde delicada (1Tm 5,23) e um caráter tímido e indeciso (1Cor 4,17; 16,10-11; 1Tm 4,12) talvez reflexo de sua educação familiar e da personalidade de Paulo com quem conviveu. Não sabemos quando recebeu a imposição das mãos (1Tm 4,14; 2Tm 1,6). A primeira carta a ele destinada apresenta-o como responsável da Igreja de Éfeso. Paulo escreve para encorajá-lo e alertá-lo contra os falsos doutores (1,3-20; 4,1-5; 6,3-10). Esteve, provavelmente, com Paulo na época de seu martírio. Depois deve ter retornado a Éfeso onde, segundo a tradição, morreu mártir no ano de 97.
Tito
Tito Tudo o que sabemos de Tito provém dos poucos dados fornecidos pelas cartas paulinas. Não é mencionado nos Atos dos Apóstolos. Era filho de pais gregos (Gl 2,3). Foi convertido ao cristianismo pelo próprio Paulo (Tt 1,4; 1Tm 1,2; 2Tm 1,2) que o chama de “filho”. Não foi circuncidado, como Timóteo. Sua conversão deve ter ocorrido na primeira viagem missionária, pois no final dessa foi com Paulo e Barnabé à Jerusalém para a assembléia em 49/50 (Gl 2,1-5; At 15,2). Acompanhou Paulo a Éfeso durante a terceira viagem missionária. Dali foi enviado por Paulo para Corinto (2Cor 2,12ss; 7,6ss; 12,18) e mais tarde, outra vez para organizar a coleta em Corinto e nas Igrejas da Acaia (2Cor 8,6.23; At 20,4; Rm 15,26). Foi provavelmente ele que levou a perdida “Carta em lágrimas” até Corinto.
Tito Após a libertação da sua primeira prisão romana, Paulo o encarregou do governo da Igreja de Creta (Tt 1,5). Depois foi encontrar-se com Paulo em Nicópolis no Épiro, sendo substituído em Creta por Artemas e Tíquico (Tt 3,12). Não sabemos se de Nicópolis ou de Roma, Paulo enviou-o para evangelizar a Dalmácia (2Tm 4,10) onde seu culto é muito difundido ainda hoje. Tito parece ter sido um homem forte, de intuito rápido e ótimo organizador. É provável que após a morte de Paulo, tenha voltado para Creta. Segundo uma antiga tradição, Tito morreu em Creta com 93 anos de idade.
Pontos de destaque das cartas
1 Tm 1,4 As “genealogias intermináveis” não são as encontradas em Gn, Nm e Cr, mas sim as toledot apócrifas. Quando se entra no mundo de tais especulações, brotam controvérsias opostas ao plano ou administração de Deus.
1 Tm 1,9b-11 A “sã doutrina” é especialidade dessas cartas. Apresenta uma lista de quatorze categorias, muito semelhante à doutrina estóica corrente. Na linguagem da época, qualificava-se de “sã” uma doutrina razoável, plausível; bem distante da loucura da cruz que pregava Paulo (1Cor 1). No entanto, essa “sã doutrina” deve ajustar-se ao evangelho, e não o contrário.
1 Tm 1,20 “Entregar a Satanás” equivale a excomungar temporariamente para provocar a emenda.
1 Tm 2,1-15 É significativo que conceda o primeiro lugar às reuniões de oração, talvez por considerá-las centro da vida comunitária. Por isso, é mais notável que nenhuma das cartas mencione a eucaristia.  A instrução parece dominada pelo desejo de corrigir abusos internos e externos. O tom é de autoridade.
1 Tm 3,1-12 Encontramos aqui duas categorias que possuem a autoridade e exercem a administração na comunidade: os bispos e os diáconos. Originalmente o primeiro significa vigilante, o segundo, servente. Dos bispos fala no singular, dos diáconos, no plural.
2 Tm, 1-2 Ao passar da primeira para a segunda carta, escutamos um tom diferente: mais pessoal nas recordações, mais cordial nos conselhos e avisos.
2 Tm 1,10 O termo parusia, tradicional no corpo paulino, é substituído por epifania para indicar a volta do Senhor.
2 Tm 3,14-17 Este é um dos textos em que a Escritura atesta sobre si mesma; o outro é 2 Pd 1,1-21.
Tt 1,1-4 Para uma carta muito breve, uma saudação muito longa.
Tt 1,16 É a fé sem obras, que Tiago condena (2,17-26). A preocupação de Paulo era antes de tudo a salvação pela fé, independente das obras da lei; a preocupação da nova geração cristã são as obras que brotam da fé.
Tt 2,11-14 Primeira síntese doutrinal da carta. Um dos títulos clássicos de Yhwh no AT é hanun (clemente), que outorga seu favor, que concede graça. Agora a “graça” ou favor de Deus se manifestou na encarnação para a salvação de todos, na morte de Cristo como “resgate”, no anúncio da parusia, que funda a esperança e será “manifestação da glória”. Assim as duas “epifanias” delimitam o arco inteiro da salvação.
Tt 3,4-7 Segunda síntese doutrinal, com algo de hino. Da “bondade” de Deus falam vários salmos (25,7; 27,13; 31,20; 145,7); mas Deus já revelou sua bondade a Moisés (Ex 33,19). Agora essa bondade se manifestou definitivamente em Cristo.  O “amor ao homem” (philanthropia) é atributo divino único no NT.
Bibliografia CNBB. Bíblia Sagrada: tradução da CNBB. Brasília: Edições CNBB, 2008. 7ª ed. PERONDI, Ildo. Cartas Paulinas. Diocese de Apucarana. Trabalho não publicado. SCHÖKEL, Luís Alonso. Bíblia do Peregrino: Novo Testamento. São Paulo: Paulus, 2000. alegriaesantidade.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

38 1 e 2 timoteo=
38   1 e 2 timoteo=38   1 e 2 timoteo=
38 1 e 2 timoteo=
PIB Penha
 
Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Apresentação 2 Coríntios - Teologia Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Rodrigo F Menegatti
 

Mais procurados (20)

Tito - Introdução
Tito - IntroduçãoTito - Introdução
Tito - Introdução
 
Panorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - ColossensesPanorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - Colossenses
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
 
38 1 e 2 timoteo=
38   1 e 2 timoteo=38   1 e 2 timoteo=
38 1 e 2 timoteo=
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
 
Aula 16 - Gálatas
Aula 16 - GálatasAula 16 - Gálatas
Aula 16 - Gálatas
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
 
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
 
Batismo em aguas
Batismo em aguasBatismo em aguas
Batismo em aguas
 
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus CristoLição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo
Lição 11 - A Ressurreição de Jesus Cristo
 
CARTA AOS GÁLATAS
CARTA AOS GÁLATASCARTA AOS GÁLATAS
CARTA AOS GÁLATAS
 
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
 
Carta de tiago
Carta de tiagoCarta de tiago
Carta de tiago
 
Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Apresentação 2 Coríntios - Teologia Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Apresentação 2 Coríntios - Teologia
 
A Epistola aos Romanos
A Epistola aos RomanosA Epistola aos Romanos
A Epistola aos Romanos
 
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêuticahermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
 
Panorama do NT - 1Timóteo
Panorama do NT - 1TimóteoPanorama do NT - 1Timóteo
Panorama do NT - 1Timóteo
 
BEMA - O Tribunal de Cristo
BEMA - O Tribunal de CristoBEMA - O Tribunal de Cristo
BEMA - O Tribunal de Cristo
 
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraPentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
 
Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1
 

Destaque

Um Jovem De Vida Exemplar
Um Jovem De Vida ExemplarUm Jovem De Vida Exemplar
Um Jovem De Vida Exemplar
Paulistana
 
Cartas paulinas
Cartas paulinasCartas paulinas
Cartas paulinas
varp86
 
Sê o exemplo
Sê o exemploSê o exemplo
Sê o exemplo
ADPC109
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
valmarques
 

Destaque (20)

Timoteo
TimoteoTimoteo
Timoteo
 
Epistola a tito revisao
Epistola a tito revisaoEpistola a tito revisao
Epistola a tito revisao
 
As Cartas de Paulo
As Cartas de PauloAs Cartas de Paulo
As Cartas de Paulo
 
Lições para a vida timóteo
Lições para a vida   timóteoLições para a vida   timóteo
Lições para a vida timóteo
 
Estudo em i timóteo
Estudo em i timóteoEstudo em i timóteo
Estudo em i timóteo
 
Cartas paulinas
Cartas paulinasCartas paulinas
Cartas paulinas
 
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
 
comentario biblico-1 timóteo (moody)
comentario biblico-1 timóteo (moody)comentario biblico-1 timóteo (moody)
comentario biblico-1 timóteo (moody)
 
Timoteo
TimoteoTimoteo
Timoteo
 
4º Aula de Epístolas Paulinas I
4º Aula de Epístolas Paulinas I4º Aula de Epístolas Paulinas I
4º Aula de Epístolas Paulinas I
 
Cartas Gerais
Cartas GeraisCartas Gerais
Cartas Gerais
 
2a. versão mensagem a igreja local e a liderança
2a. versão mensagem a igreja local e a liderança2a. versão mensagem a igreja local e a liderança
2a. versão mensagem a igreja local e a liderança
 
Um Jovem De Vida Exemplar
Um Jovem De Vida ExemplarUm Jovem De Vida Exemplar
Um Jovem De Vida Exemplar
 
Missão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espíritaMissão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espírita
 
A missão de jesus cristo
A missão de jesus cristoA missão de jesus cristo
A missão de jesus cristo
 
Cartas paulinas
Cartas paulinasCartas paulinas
Cartas paulinas
 
Sê o exemplo
Sê o exemploSê o exemplo
Sê o exemplo
 
Como ser-um-jovem-segundo-o-coração-de-deus
Como ser-um-jovem-segundo-o-coração-de-deusComo ser-um-jovem-segundo-o-coração-de-deus
Como ser-um-jovem-segundo-o-coração-de-deus
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
 

Semelhante a As cartas pastorais

Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Uma Mensagem à Igreja Local e à LiderançaUma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Antonio Fernandes
 
Lição 01 - Uma mensagem à igreja local e à liderança
Lição 01 -  Uma mensagem à igreja local e à liderançaLição 01 -  Uma mensagem à igreja local e à liderança
Lição 01 - Uma mensagem à igreja local e à liderança
Regio Davis
 
39 tito e filemom
39 tito e filemom39 tito e filemom
39 tito e filemom
PIB Penha
 
ESCOLA BIBLICA DOMINICAL AULA 1 FILIPENSES.ppt
ESCOLA BIBLICA DOMINICAL AULA 1 FILIPENSES.pptESCOLA BIBLICA DOMINICAL AULA 1 FILIPENSES.ppt
ESCOLA BIBLICA DOMINICAL AULA 1 FILIPENSES.ppt
varjaomelo
 
Comentário Filipenses - moody. (Auxilio para as Aulas EBD. 3º Trimestre-2013.
Comentário Filipenses - moody. (Auxilio para as Aulas EBD. 3º Trimestre-2013.Comentário Filipenses - moody. (Auxilio para as Aulas EBD. 3º Trimestre-2013.
Comentário Filipenses - moody. (Auxilio para as Aulas EBD. 3º Trimestre-2013.
Abdias Barreto
 

Semelhante a As cartas pastorais (20)

Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Uma Mensagem à Igreja Local e à LiderançaUma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
 
Lição 01 - Uma mensagem à igreja local e à liderança
Lição 01 -  Uma mensagem à igreja local e à liderançaLição 01 -  Uma mensagem à igreja local e à liderança
Lição 01 - Uma mensagem à igreja local e à liderança
 
Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )
Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )
Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )
 
Panorama do nt 3
Panorama do nt 3Panorama do nt 3
Panorama do nt 3
 
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
comentario biblico-1 tessalonicenses (moody)
 
39 tito e filemom
39 tito e filemom39 tito e filemom
39 tito e filemom
 
014 timoteo 1º
014 timoteo 1º014 timoteo 1º
014 timoteo 1º
 
SLIDE JOVENS EBDS LIÇÃO 01 - 3 TRI 2023.pptx
SLIDE JOVENS EBDS LIÇÃO 01 - 3 TRI 2023.pptxSLIDE JOVENS EBDS LIÇÃO 01 - 3 TRI 2023.pptx
SLIDE JOVENS EBDS LIÇÃO 01 - 3 TRI 2023.pptx
 
AS CARTAS DE PAULO.pdf
AS CARTAS DE PAULO.pdfAS CARTAS DE PAULO.pdf
AS CARTAS DE PAULO.pdf
 
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
 
Panorama do nt 2
Panorama do nt 2Panorama do nt 2
Panorama do nt 2
 
ESCOLA BIBLICA DOMINICAL AULA 1 FILIPENSES.ppt
ESCOLA BIBLICA DOMINICAL AULA 1 FILIPENSES.pptESCOLA BIBLICA DOMINICAL AULA 1 FILIPENSES.ppt
ESCOLA BIBLICA DOMINICAL AULA 1 FILIPENSES.ppt
 
Aula nº 1 introdução
Aula nº 1   introduçãoAula nº 1   introdução
Aula nº 1 introdução
 
SLIDES - EBD - Lição 13 - [Jovens] - Organizar a igreja em Creta - 3 Trimestr...
SLIDES - EBD - Lição 13 - [Jovens] - Organizar a igreja em Creta - 3 Trimestr...SLIDES - EBD - Lição 13 - [Jovens] - Organizar a igreja em Creta - 3 Trimestr...
SLIDES - EBD - Lição 13 - [Jovens] - Organizar a igreja em Creta - 3 Trimestr...
 
Comentário Filipenses - moody. (Auxilio para as Aulas EBD. 3º Trimestre-2013.
Comentário Filipenses - moody. (Auxilio para as Aulas EBD. 3º Trimestre-2013.Comentário Filipenses - moody. (Auxilio para as Aulas EBD. 3º Trimestre-2013.
Comentário Filipenses - moody. (Auxilio para as Aulas EBD. 3º Trimestre-2013.
 
016 tito
016 tito016 tito
016 tito
 
2015 3 TRI LIÇÃO 1 - Uma mensagem à igreja local e à liderança
2015 3 TRI LIÇÃO 1 - Uma mensagem à igreja local e à liderança2015 3 TRI LIÇÃO 1 - Uma mensagem à igreja local e à liderança
2015 3 TRI LIÇÃO 1 - Uma mensagem à igreja local e à liderança
 
15-aula-Paulo-IPJG-2010.doc
15-aula-Paulo-IPJG-2010.doc15-aula-Paulo-IPJG-2010.doc
15-aula-Paulo-IPJG-2010.doc
 
Filipenses (moody)
Filipenses (moody)Filipenses (moody)
Filipenses (moody)
 
Lição 7 (3° 15) Eu Sei Em Quem Tenho Crido
Lição 7 (3° 15) Eu Sei Em Quem Tenho CridoLição 7 (3° 15) Eu Sei Em Quem Tenho Crido
Lição 7 (3° 15) Eu Sei Em Quem Tenho Crido
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 

As cartas pastorais

  • 1. As Cartas Pastorais 1 Timóteo 2 Timóteo Tito Por João Paulo Veloso twitter.com/veloso_JP alegriaesantidade.blogspot.com
  • 2. Introdução As cartas a Timóteo e a Tito são chamadas “Pastorais” desde o século XVIII. O título é perfeitamente justificado porque são endereçadas a pastores das Igrejas, amigos e colaboradores de Paulo, e porque contém conselhos e deveres de caráter pastoral dos dirigentes de comunidades. As “Pastorais”, além de fornecer um interessante panorama de organização das comunidades, apresentam, também, uma preciosa documentação da catequese primitiva. A grande preocupação dessas cartas é “conservar e transmitir fielmente o ‘depósito da fé’”.
  • 3. Problema da autenticidade Paulina O problema surgiu no século XIX com a crítica racionalista. Em 1804, J. E. C. Schmidt negou a autenticidade de Primeira Timóteo. Aos poucos a negação atingiu também as outras duas cartas que foram atribuídas a um falsário do século II, o qual teria usado o nome de Paulo para combater o gnosticismo e dar crédito à doutrina do episcopado monárquico na Igreja. Outros autores, menos radicais, atribuíram as cartas a um discípulo de Paulo ou a São Policarpo de Esmirna ou a um membro do seu clero.
  • 4. Objeções e respostas Vocabulário diferente das outras cartas Resposta: Nem o estilo, nem o vocabulário são decisivos para negar a autoria paulina, sobretudo se tomarmos em consideração a participação ativa dos secretários (Rm 16,22) que não eram simples copistas. Também, o estilo e o vocabulário são normalmente condicionados pelo argumento tratado, pelo estado de espírito do autor e pelos destinatários diretos dos escritos. Paulo, nas Pastorais, usa um tom familiar e simples porque se dirige, como pai, a filhos responsáveis por comunidades.
  • 5. Objeções e respostas A doutrina: é mais normativa-jurídica. Insiste-se na fidelidade à “verdade”. A fé é vista como um conjunto de verdades a qual se deve crer, e não como adesão à pessoa de Cristo. Resposta: Sem dúvida, a doutrina das pastorais é muito mais pobre e ao tipo prático-normativo. Mas, isso depende do objetivo que o autor quer alcançar e das circunstâncias históricas em que escreve.
  • 6. Objeções e respostas Os erros combatidos seria o gnosticismo na forma que assumiu no século II. Resposta: Os erros combatidos nas Pastorais, não se apresentam como um sistema doutrinal bem definido como o gnosticismo do século II. Talvez se tratasse do início da gnose ou de alguma tendência gnóstica do próprio judaísmo (Tt 1,14 fala de fábulas judaicas). Note-se, também, que enquanto o gnosticismo de Marcião e Valentino rejeitava o Antigo Testamento em bloco, as Pastorais o supervalorizam.
  • 7. Objeções e respostas A organização eclesiástica seria muito desenvolvida. Prevalece a Igreja das estruturas no lugar da Igreja Carismática. Já aparecem bem delineados os membros de uma hierarquia interna na Igreja (epíscopos, presbíteros, diáconos. Resposta: Dizer que não existe nenhum interesse pela hierarquia nos escritos do Novo Testamento anteriores às Pastorais é um juízo falso, pois nota-se certos graus de hierarquia em algumas comunidades: os Atos dos Apóstolos falam de “epíscopos e presbíteros”; “epíscopos e diáconos” em Fl 1,1; são mencionados os chefes de Igrejas em 1Ts 5,12; 1Cor 16,16; Rm12,8. As Pastorais apresentam, apenas, uma maior preocupação pela organização das comunidades, daí a maior insistência nesses termos.
  • 8. Objeções e respostas Nas Pastorais, ainda há muita confusão: presbíteros e epíscopos são, praticamente, sinônimos; Tito Timóteo não são bispos residenciais, mas itinerantes à disposição do único chefe de todas as comunidades. As notícias pessoais de Paulo não se enquadram no que sabemos do Apóstolo sobretudo através dos Atos. Resposta: Certamente os dados biográficos e cronológicos das Pastorais não se enquadram na vida de Paulo até o ano de 63. É certo, também, que o autor dos Atos dos Apóstolos não tencionava fazer uma biografia de Paulo. Seu objetivo era outro (At 1,8). Nem sempre Atos e Paulo coincidem, e nestes casos sempre devemos dar mais razão aos escritos paulinos.
  • 10. Timóteo Era originário da cidade de Listra na Licaônia. Seu pai era grego e sua mãe judia (At 16,1). Não se fala nada sobre seu pai, talvez já morto quando conheceu Paulo. Foi educado por sua mãe Eunice e por sua avó Lóide que lhe transmitiram a fé judaica e o conhecimento da Lei de Moisés (2Tm 3,15). Mas por ser filho de pai gentio não foi circuncidado ao oitavo dia. Provavelmente conheceu Paulo por ocasião da segunda viagem missionária.
  • 11. Timóteo Tornou-se conhecido da comunidade cristã e gozava de grande estima. Foi durante a segunda viagem missionária, ao passar novamente por Listra que Paulo batizou-o e o tomou como seu colaborador. E para facilitar seu contato com os judeus, Paulo fez com que Timóteo fosse circuncidado (At 16,1). Desde então, tornou-se o colaborador fiel do Apóstolo. Esteve com Paulo no momento em que foram escritas as cartas: 1-2 Tessalonicenses (1Ts 1,1; 2Ts 1,1); 2 Coríntios (2Cor 1,1); Romanos (Rm 16,21); Filipenses (Fl 1,1); Colossenses (Cl 1,1) e Filemon (Fm 1). Acompanha Paulo na Macedônia (At 17,14-15); a Corinto (At 18,5) e a Éfeso (At 19,22). Desempenhou várias tarefas de confiança de Paulo e muitas vezes difíceis (1Ts 3,1-2.5-6; 1Cor 4,17; 15,10; Fl 2,19-24; Rm 16,21).
  • 12. Timóteo Timóteo tinha uma saúde delicada (1Tm 5,23) e um caráter tímido e indeciso (1Cor 4,17; 16,10-11; 1Tm 4,12) talvez reflexo de sua educação familiar e da personalidade de Paulo com quem conviveu. Não sabemos quando recebeu a imposição das mãos (1Tm 4,14; 2Tm 1,6). A primeira carta a ele destinada apresenta-o como responsável da Igreja de Éfeso. Paulo escreve para encorajá-lo e alertá-lo contra os falsos doutores (1,3-20; 4,1-5; 6,3-10). Esteve, provavelmente, com Paulo na época de seu martírio. Depois deve ter retornado a Éfeso onde, segundo a tradição, morreu mártir no ano de 97.
  • 13. Tito
  • 14. Tito Tudo o que sabemos de Tito provém dos poucos dados fornecidos pelas cartas paulinas. Não é mencionado nos Atos dos Apóstolos. Era filho de pais gregos (Gl 2,3). Foi convertido ao cristianismo pelo próprio Paulo (Tt 1,4; 1Tm 1,2; 2Tm 1,2) que o chama de “filho”. Não foi circuncidado, como Timóteo. Sua conversão deve ter ocorrido na primeira viagem missionária, pois no final dessa foi com Paulo e Barnabé à Jerusalém para a assembléia em 49/50 (Gl 2,1-5; At 15,2). Acompanhou Paulo a Éfeso durante a terceira viagem missionária. Dali foi enviado por Paulo para Corinto (2Cor 2,12ss; 7,6ss; 12,18) e mais tarde, outra vez para organizar a coleta em Corinto e nas Igrejas da Acaia (2Cor 8,6.23; At 20,4; Rm 15,26). Foi provavelmente ele que levou a perdida “Carta em lágrimas” até Corinto.
  • 15. Tito Após a libertação da sua primeira prisão romana, Paulo o encarregou do governo da Igreja de Creta (Tt 1,5). Depois foi encontrar-se com Paulo em Nicópolis no Épiro, sendo substituído em Creta por Artemas e Tíquico (Tt 3,12). Não sabemos se de Nicópolis ou de Roma, Paulo enviou-o para evangelizar a Dalmácia (2Tm 4,10) onde seu culto é muito difundido ainda hoje. Tito parece ter sido um homem forte, de intuito rápido e ótimo organizador. É provável que após a morte de Paulo, tenha voltado para Creta. Segundo uma antiga tradição, Tito morreu em Creta com 93 anos de idade.
  • 16. Pontos de destaque das cartas
  • 17. 1 Tm 1,4 As “genealogias intermináveis” não são as encontradas em Gn, Nm e Cr, mas sim as toledot apócrifas. Quando se entra no mundo de tais especulações, brotam controvérsias opostas ao plano ou administração de Deus.
  • 18. 1 Tm 1,9b-11 A “sã doutrina” é especialidade dessas cartas. Apresenta uma lista de quatorze categorias, muito semelhante à doutrina estóica corrente. Na linguagem da época, qualificava-se de “sã” uma doutrina razoável, plausível; bem distante da loucura da cruz que pregava Paulo (1Cor 1). No entanto, essa “sã doutrina” deve ajustar-se ao evangelho, e não o contrário.
  • 19. 1 Tm 1,20 “Entregar a Satanás” equivale a excomungar temporariamente para provocar a emenda.
  • 20. 1 Tm 2,1-15 É significativo que conceda o primeiro lugar às reuniões de oração, talvez por considerá-las centro da vida comunitária. Por isso, é mais notável que nenhuma das cartas mencione a eucaristia. A instrução parece dominada pelo desejo de corrigir abusos internos e externos. O tom é de autoridade.
  • 21. 1 Tm 3,1-12 Encontramos aqui duas categorias que possuem a autoridade e exercem a administração na comunidade: os bispos e os diáconos. Originalmente o primeiro significa vigilante, o segundo, servente. Dos bispos fala no singular, dos diáconos, no plural.
  • 22. 2 Tm, 1-2 Ao passar da primeira para a segunda carta, escutamos um tom diferente: mais pessoal nas recordações, mais cordial nos conselhos e avisos.
  • 23. 2 Tm 1,10 O termo parusia, tradicional no corpo paulino, é substituído por epifania para indicar a volta do Senhor.
  • 24. 2 Tm 3,14-17 Este é um dos textos em que a Escritura atesta sobre si mesma; o outro é 2 Pd 1,1-21.
  • 25. Tt 1,1-4 Para uma carta muito breve, uma saudação muito longa.
  • 26. Tt 1,16 É a fé sem obras, que Tiago condena (2,17-26). A preocupação de Paulo era antes de tudo a salvação pela fé, independente das obras da lei; a preocupação da nova geração cristã são as obras que brotam da fé.
  • 27. Tt 2,11-14 Primeira síntese doutrinal da carta. Um dos títulos clássicos de Yhwh no AT é hanun (clemente), que outorga seu favor, que concede graça. Agora a “graça” ou favor de Deus se manifestou na encarnação para a salvação de todos, na morte de Cristo como “resgate”, no anúncio da parusia, que funda a esperança e será “manifestação da glória”. Assim as duas “epifanias” delimitam o arco inteiro da salvação.
  • 28. Tt 3,4-7 Segunda síntese doutrinal, com algo de hino. Da “bondade” de Deus falam vários salmos (25,7; 27,13; 31,20; 145,7); mas Deus já revelou sua bondade a Moisés (Ex 33,19). Agora essa bondade se manifestou definitivamente em Cristo. O “amor ao homem” (philanthropia) é atributo divino único no NT.
  • 29. Bibliografia CNBB. Bíblia Sagrada: tradução da CNBB. Brasília: Edições CNBB, 2008. 7ª ed. PERONDI, Ildo. Cartas Paulinas. Diocese de Apucarana. Trabalho não publicado. SCHÖKEL, Luís Alonso. Bíblia do Peregrino: Novo Testamento. São Paulo: Paulus, 2000. alegriaesantidade.blogspot.com