SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Eletroneuromiografia
Paracatu – MG
2017
Curso de Graduação em Fisioterapia
4° Período
Prof.ª Esp. Sheila Pimentel
Um método de diagnóstico e
prognóstico das lesões
do sistema nervoso
ENMG
Eletroneuromiografia
• Carolina Hashimoto
• Isadora Clara
• Leticia Prates
• Liliane Santos
• Mikaelly Ferreira
• Rubia Cristina
• Welisson Porto
03/10/2017 Eletroneuromiografia 2
Introdução
Eletroneuromiografia (ENMG) é um
procedimento que avalia a função do sistema
nervoso periférico e muscular através do
registro das respostas elétricas geradas por
estes sistemas, às quais são detectadas
graficamente por um equipamento denominado
eletroneuromiógrafo. As lesões destes sistemas
determinam doenças neuromusculares que
representam um grupo extenso de afecções que
comprometem a unidade motora.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 3
O Exame
Durante a realização do exame de
eletroneuromiografia o aparelho utilizado é o
eletromiógrafo, ele que irá detectar as trocas
elétricas que ocorrem no nível celular durante a
transmissão nervosa e a contração muscular. (PINTO,
2010).
03/10/2017 Eletroneuromiografia 4
O Exame
• O exame eletroneuromiografia é
constituído por duas etapas
interdependentes, que são a
eletroneurografia, que é a
neurocondução e eletromiografia, que é
avaliação muscular. Essas duas etapas se
complementam e por isso sempre
devem ser realizadas, independente se
a patologia suspeita é uma neuropatia
ou uma miopatia, pois se necessita
sempre da informação de ambas para
se chegar ao diagnóstico.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 5
O Exame
• A história clinica contribui muito para o
diagnostico diferencial enquanto o
exame físico fornece informações
cruciais para a topografia das lesões.
Portanto, antes de realizar o exame é
necessário fazer uma rápida anamnese
para se conhecer a queixa real do
paciente, a história da doença atual,
historia pregressa, etc.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 6
O Exame
• A presença de marcapasso cardíaco não
é contraindicação para o exame, mas irá
exigir cuidados especiais durante a
colocação dos eletrodos, deve-se evitar
colocar em locais próximos ao
marcapasso.
• Para que seja feita uma interpretação
correta da eletroneuromiografia é
aquela na qual se faz um resumo das
anormalidades neurofisiológicas em
relação a sua distribuição anatômica e
transforma esses achados em uma
impressão clinica que atenda o médico
solicitante, mesmo que em desacordo
com a sua indicação. (PINTO, 2010).
03/10/2017 Eletroneuromiografia 7
O Exame
O RELACIONAMENTO MÉDICO/PACIENTE
• Quando submetidos a exames é normal
que o paciente já apresente
preocupações e tensões devido à
algum problema que possa estar
passando e devido ao incomodo que irá
sentir durante a eletroneuromiografia.
Por isso é muito importante que o
paciente seja tratado com carinho e
respeito evitando um sofrimento ainda
maior.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 8
O equipamento • Eletromiógrafo
• O eletromiógrafo é um aparelho que registra sinais
bioelétricos através do uso de eletrodos de captação
que são inseridos no corpo com intuito de identificar
fenômenos bioelétricos que acontecem a nível celular,
que serão convertidos em sinais elétricos e depois de
ocorrer amplificações são registrados e enviados para
o dispositivo adequado.
• Quando os eletrodos de captação forem posicionados
no paciente, os sinais registrados por eles são
enviados para pré-amplificadores e amplificadores,
que irão tornar a sua amplitude maior para que seja
possível o reconhecimento na tela do aparelho.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 9
O equipamento
Os filtros de alta e de baixa frequência
• São usados para elevar ou abaixar a
frequência de captação do
equipamento. Através dos limites dos
filtros podemos saber se o
eletromiógrafo pode ou não produzir
potenciais audíveis e visuais e o
examinador pode alterar a calibração
dos filtros quando for conveniente.
• No filtro de baixa, a frequência pode ser
entre 1 e 200 Hz e no filtro de alta entre
100 Hz e 10 kHz.
Figura1: Eletromiografia de superfície com dois
canais, demonstrando um tremor de 6 Hz com
ativação síncrona entre agonistas e antagonistas,
característica de um tremor essencial.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 10
O equipamento
• CALIBRADORES
Através dos calibradores é possível alterar a intensidade, frequência e tempo em que os
estímulos serão colocados em cima do nervo.
• O MARCADOR DE LATÊNCIA
Latência é o tempo que os nervos levam para direcionar os pulsos elétricos a partir do
ponto de estimulação até a captação. É medida em milissegundos.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 11
O equipamento
• O SISTEMA DE ÁUDIO
Quanto ao áudio, não é
necessária muita sofisticação,
devendo tão somente possibilitar a
identificação e diferenciação dos
inúmeros tipos de potenciais.
• REGISTRADORES
Os registradores possibilitam que
o médico identifique os registros
dos traçados
eletroneuromiográficos. É um
microcomputador, sendo possível
guardar os dados do exame em
sua memória e editar e imprimir os
traçados. A depender do
equipamento, as informações
poderão ser enviadas por meio da
internet.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 12
O examinador
Para ter um conhecimento e domínio sobre as
técnicas de eletroneuromiografia, necessita
que o médico tenha um conhecimento da
medicina interna geral e uma boa formação
clínica com conhecimentos nas áreas de
neurologia, ortopedia, reumatologia e
endocrinologia e também que ele entenda
sobre biofísica, anatomia humana e fisiologia.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 13
O examinador
Uma das causas mais frequentes de erro no
diagnóstico da eletroneuromiografia é o
examinador não ter o conhecimento da
anatomia, quando ele não se tem
conhecimento da anatomia e necessita buscar
diariamente informações em atlas de anatomia
e esquemas, isso faz com que ele perca o
tempo necessário para obter um diagnóstico
correto e não tenha a capacidade de obter um
raciocínio concluso sobre os resultados obtidos
no exame. (PINTO, 2010).
03/10/2017 Eletroneuromiografia 14
Bases fundamentais da
ENMG
De acordo com o estudo muscular da
ENMG, os íons mais importantes são íons
sódio, cloro, cálcio, potássio e magnésio. Os
íons estão distribuídos entre os
compartimentos intra e extracelulares em
quantidades distintas, havendo
predominância de potássio e magnésio no
interior e de sódio, cloro e cálcio no exterior.
Está diferença iônica entre os dois meios
depende da variação da pressão, de um
equilíbrio eletroquímico e da variação de
concentração, tudo isto de uma certa forma é
controlado pela membrana celular, é através
dela que os íons passam de um lado para o
outro. Por causa da existência de íons dentro
e fora da célula cria uma diferença de
potencial entre os dois meios, criando assim,
uma tendência iônica de passar de um lado
para o outro.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 15
Bases fundamentais da
ENMG
O que difere de uma membrana celular
para a outra são as diferentes proteínas
especificas que estão associadas as
mesmas de uma forma ou outra. Em geral,
as camadas lipídicas da membrana são
similares em todo tipo de célula. Como os
lipídios das membranas são fluidos, as
proteínas intrínsecas estão livres para se
movimentarem por difusão de um ponto
para outro, em alguns casos, no entanto,
estas proteínas estão fortemente unidas
por subestruturas. Com uma parte externa
hidrofílica e uma parte interna altamente
hidrofóbica as membranas celulares são
semipermeáveis.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 16
Propagação do Impulso
Nervoso
• A propagação do impulso nervoso coincide com as
mudanças súbitas na permeabilidade da membrana do
axônio para os íons sódio e potássio.
• Na região eletricamente alterada, na direção de
propagação do impulso nervoso, abrem-se canais na
membrana para permitir que os íons sódio penetrem no
axônio.
• Nas fibras mielínicas, a condução se faz de forma
especial. Essas fibras tem a membrana revestida de
mielina, que é produzida pelas “Células de Schwann”,
que as envolvem. O processo de mielinização ocorre na
última fase do desenvolvimento fetal e no primeiro ano
após o nascimento.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 17
Propagação do Impulso
Nervoso
A perda da mielina afeta diretamente a condução
nervosa e retarda ou impossibilita a condução dos
impulsos ao longo da membrana axonal.
Existem três tipos básicos de anormalidades
encontradas nos estudos de condução motora, quando
a estimulação é próxima ao local da lesão. Pode haver:
• Diminuição da amplitude do potencial de ação;
• Aumento da latência com amplitude relativamente
normal;
• Ausência de resposta.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 18
Potencial de
repouso,
potencial de ação
e repolarização
celular.
Em uma célula em repouso, os íons estão em equilíbrio
e os íons cálcio se encontram ligados às proteínas
canais, impedindo assim a passagem do sódio para
dentro da célula. (PINTO, 2006).
Nas fibras musculares ou nervosas dos mamíferos o
potencial de repouso se encontra em média por volta de
-90 a -85 milivolts (mV). (PINTO, 2006).
É possível que as alterações dos potenciais, que se
caracterizam por descargas repetidas e que aparecem
após a inserção do eletrodo de agulha no músculo
durante a eletromiografia, sejam na realidade uma
medida de acomodação das membranas das células
através das quais se insere o eletrodo. (PINTO, 2006).
03/10/2017 Eletroneuromiografia 19
Resultados
Observando o laudo podemos saber se o exame foi
bem feito, ou se está incompleto. Apesar do “lay-out”
do mesmo poder variar de laboratório para laboratório
para laboratório, ele deve conter sempre as seguintes
partes: identificação; descrição técnica da avaliação
muscular; descrição técnica das provas de
neurocondução; comentários acerca dos achados;
conclusão final e em caráter opcional poderão ser ou
não anexados gráficos e/ou fotografias dos achados.
Portanto, através do laudo sabemos quais foram os
nervos e os músculos examinados e quais foram os
testes realizados, o que nos diz até que ponto o
exame foi amplo ou limitado. (PINTO, 2010).
03/10/2017 Eletroneuromiografia 20
Resultados
O laudo deve ser dividido em duas fases: uma etapa
técnica inicial e uma etapa de comentários, com a
interpretação e as conclusões. A parte técnica se
destina principalmente a outros possíveis
examinadores e serve também de parâmetro para
reavaliações futuras. Ela deve conter as informações
e os resultados detalhados dos testes da
neurocondução e da avaliação muscular. Na parte de
comentários deve-se fazer um resumo das
anormalidades neurofisiológicas contidas na parte
técnica, correlacionando-as com a distribuição
anatômica. Estes achados devem ser traduzidos para
uma impressão clínica que tenha sentido para o
médico solicitante, mesmo quando está em
desacordo com a sua indicação. (PINTO, 2010).
03/10/2017 Eletroneuromiografia 21
Conclusão
No presente trabalho abordamos o tema eletroneuromiografia é um exame que avalia a função do sistema
nervoso periférico e muscular através do registro das respostas elétricas geradas por estes sistemas, esse
exame também possibilita investigar a existência de patologias que comprometem a unidade motora e seus
elementos.
O exame eletroneuromiografia é composto por duas etapas interdependentes, que são a neurocondução e a
avaliação muscular. Essas duas etapas se complementam e por isso sempre devem ser realizadas,
independente se a patologia suspeita é uma neuropatia ou uma miopatia, fortalecendo o diagnóstico da
doença.
A eletroneuromiografia (ENMG) só poderá ser realizada pelo médico especializado. Para ter conhecimento e
domínio sobre as técnicas de eletroneuromiografia, necessita que o médico tenha um conhecimento da
medicina interna geral e uma boa formação clínica.
A propagação do impulso é importante para entender sobre a os mecanismos da membrana celular e o
potencial de ação. O resultado do exame deve conter as seguintes informações: identificação sobre o
paciente, descrição técnica da avaliação muscular e das provas de neurocondução, comentários sobre o que
foi achado no exame e resultado final obtido.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 22
Referências
• PINTO, Luiz Carlos; PINTO, Vera Lucia Rocha.
Eletroneuromiografia clínica: princípios básicos.
In: LIANZA, Sergio. Medicina de reabilitação.
4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2015. Cap. 3, p. 26-35.
• PINTO, Luiz Carlos. Neurofisiologia clínica:
princípios básicos e aplicações. São Paulo:
Atheneu, 2006.
• PINTO, Luiz Carlos. Neurofisiologia clínica:
princípios básicos e aplicações. 2. ed. São
Paulo: Atheneu, 2010.
03/10/2017 Eletroneuromiografia 23
Eletroneuromiografia
Paracatu – MG
2017
Curso de Graduação em Fisioterapia
Boa Noite!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à semiologia
Introdução à semiologiaIntrodução à semiologia
Introdução à semiologia
Lucimar Campos
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
FUAD HAZIME
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Herbert Santana
 

Mais procurados (20)

Fisiologia animal
Fisiologia animalFisiologia animal
Fisiologia animal
 
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologiaAula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
 
Posicionamentos e transferências
Posicionamentos e transferênciasPosicionamentos e transferências
Posicionamentos e transferências
 
Tônus muscular
Tônus muscularTônus muscular
Tônus muscular
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Semiologia da Dor
Semiologia da DorSemiologia da Dor
Semiologia da Dor
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENS
 
Introdução à semiologia
Introdução à semiologiaIntrodução à semiologia
Introdução à semiologia
 
O cortex cerebral
 O cortex cerebral O cortex cerebral
O cortex cerebral
 
Avaliacao de força
Avaliacao  de forçaAvaliacao  de força
Avaliacao de força
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
 
Aula de flexibilidade
Aula de flexibilidadeAula de flexibilidade
Aula de flexibilidade
 
Introdução à Fisiologia - Fisiologia
Introdução à Fisiologia - FisiologiaIntrodução à Fisiologia - Fisiologia
Introdução à Fisiologia - Fisiologia
 
Sensibilidade 14
Sensibilidade 14Sensibilidade 14
Sensibilidade 14
 
Sinapses
SinapsesSinapses
Sinapses
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
 
Introdução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia HumanaIntrodução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia Humana
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 

Destaque (6)

Cid 10 resumido
Cid 10 resumidoCid 10 resumido
Cid 10 resumido
 
ELetromiografia como instrumento de avaliação e o Biofeedback como readequaçã...
ELetromiografia como instrumento de avaliação e o Biofeedback como readequaçã...ELetromiografia como instrumento de avaliação e o Biofeedback como readequaçã...
ELetromiografia como instrumento de avaliação e o Biofeedback como readequaçã...
 
Esclerodermia
EsclerodermiaEsclerodermia
Esclerodermia
 
Eletroneuromiografia
EletroneuromiografiaEletroneuromiografia
Eletroneuromiografia
 
Esclerodermia
EsclerodermiaEsclerodermia
Esclerodermia
 
Esclerodermia - Clínica Médica
Esclerodermia - Clínica MédicaEsclerodermia - Clínica Médica
Esclerodermia - Clínica Médica
 

Semelhante a Eletroneuromiografia (ENMG)

Medicina Nuclear
Medicina NuclearMedicina Nuclear
Medicina Nuclear
lilitha
 
RM Protocolo Crânio.pdfi muito bom esse material estudem
RM Protocolo Crânio.pdfi muito bom esse material estudemRM Protocolo Crânio.pdfi muito bom esse material estudem
RM Protocolo Crânio.pdfi muito bom esse material estudem
LuizBritoBatista
 
Bg25 regulação nos seres vivos
Bg25   regulação nos seres vivosBg25   regulação nos seres vivos
Bg25 regulação nos seres vivos
Nuno Correia
 
Bg25 regulação nos seres vivos
Bg25   regulação nos seres vivosBg25   regulação nos seres vivos
Bg25 regulação nos seres vivos
Nuno Correia
 
Sindrome do túnel do carpo 01
Sindrome do túnel do carpo 01Sindrome do túnel do carpo 01
Sindrome do túnel do carpo 01
adrianomedico
 

Semelhante a Eletroneuromiografia (ENMG) (20)

Slides correção
Slides correçãoSlides correção
Slides correção
 
Medicina Nuclear
Medicina NuclearMedicina Nuclear
Medicina Nuclear
 
Defesa Dissertação Fambrini
Defesa Dissertação FambriniDefesa Dissertação Fambrini
Defesa Dissertação Fambrini
 
Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdfConceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
 
dst
dstdst
dst
 
Ressonância magnética Nuclear
Ressonância magnética NuclearRessonância magnética Nuclear
Ressonância magnética Nuclear
 
Atualização em Esclerose Lateral Amiotrófica
Atualização em Esclerose Lateral AmiotróficaAtualização em Esclerose Lateral Amiotrófica
Atualização em Esclerose Lateral Amiotrófica
 
SEMINARIO BIOFISICA final.pptx
SEMINARIO BIOFISICA final.pptxSEMINARIO BIOFISICA final.pptx
SEMINARIO BIOFISICA final.pptx
 
Microscopia
MicroscopiaMicroscopia
Microscopia
 
RM Protocolo Crânio.pdfi muito bom esse material estudem
RM Protocolo Crânio.pdfi muito bom esse material estudemRM Protocolo Crânio.pdfi muito bom esse material estudem
RM Protocolo Crânio.pdfi muito bom esse material estudem
 
Doencas mitocondriais
Doencas mitocondriaisDoencas mitocondriais
Doencas mitocondriais
 
Bg25 regulação nos seres vivos
Bg25   regulação nos seres vivosBg25   regulação nos seres vivos
Bg25 regulação nos seres vivos
 
Bg25 regulação nos seres vivos
Bg25   regulação nos seres vivosBg25   regulação nos seres vivos
Bg25 regulação nos seres vivos
 
Sindrome do túnel do carpo 01
Sindrome do túnel do carpo 01Sindrome do túnel do carpo 01
Sindrome do túnel do carpo 01
 
Aula 11 - Biofísica.pdf
Aula 11 - Biofísica.pdfAula 11 - Biofísica.pdf
Aula 11 - Biofísica.pdf
 
Multifocal Motor Neuropathy with conduction Block
Multifocal Motor Neuropathy with conduction BlockMultifocal Motor Neuropathy with conduction Block
Multifocal Motor Neuropathy with conduction Block
 
Bioeletricidade como alvo terapêutico - Danusa Menegaz, Ph.D
Bioeletricidade como alvo terapêutico - Danusa Menegaz, Ph.DBioeletricidade como alvo terapêutico - Danusa Menegaz, Ph.D
Bioeletricidade como alvo terapêutico - Danusa Menegaz, Ph.D
 
Trabalho de Radiologia
 Trabalho de Radiologia  Trabalho de Radiologia
Trabalho de Radiologia
 
A neurorreligação como a cura na psicoterapia
A neurorreligação como a cura na psicoterapiaA neurorreligação como a cura na psicoterapia
A neurorreligação como a cura na psicoterapia
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
 

Mais de Welisson Porto

Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e GeriátricasPrimeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Welisson Porto
 
Massoterapia - Técnicas de Shantala e Shiatsu
Massoterapia -  Técnicas de Shantala e Shiatsu Massoterapia -  Técnicas de Shantala e Shiatsu
Massoterapia - Técnicas de Shantala e Shiatsu
Welisson Porto
 

Mais de Welisson Porto (17)

Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Distrofia Muscular
Distrofia MuscularDistrofia Muscular
Distrofia Muscular
 
Doação de Órgãos
Doação de ÓrgãosDoação de Órgãos
Doação de Órgãos
 
Síndrome dos Ovários Policísticos
Síndrome dos Ovários PolicísticosSíndrome dos Ovários Policísticos
Síndrome dos Ovários Policísticos
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da Radiação
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Fisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato FuncionalFisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato Funcional
 
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e GeriátricasPrimeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
Primeiros Socorros - Emergências Pediátricas e Geriátricas
 
Massoterapia - Técnicas de Shantala e Shiatsu
Massoterapia -  Técnicas de Shantala e Shiatsu Massoterapia -  Técnicas de Shantala e Shiatsu
Massoterapia - Técnicas de Shantala e Shiatsu
 
Obesidade na Adolescência
Obesidade na AdolescênciaObesidade na Adolescência
Obesidade na Adolescência
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
 
Meningite Bacteriana
Meningite BacterianaMeningite Bacteriana
Meningite Bacteriana
 
Refluxo Gastroesofágico
Refluxo GastroesofágicoRefluxo Gastroesofágico
Refluxo Gastroesofágico
 
Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do Joelho
 
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloAlteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do Cotovelo
 
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das TecnologiasTranstornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
Transtornos Musculoesqueléticos Causados Pelo uso Abusivo das Tecnologias
 
Parto Humanizado
Parto HumanizadoParto Humanizado
Parto Humanizado
 

Eletroneuromiografia (ENMG)

  • 1. Eletroneuromiografia Paracatu – MG 2017 Curso de Graduação em Fisioterapia 4° Período Prof.ª Esp. Sheila Pimentel
  • 2. Um método de diagnóstico e prognóstico das lesões do sistema nervoso ENMG Eletroneuromiografia • Carolina Hashimoto • Isadora Clara • Leticia Prates • Liliane Santos • Mikaelly Ferreira • Rubia Cristina • Welisson Porto 03/10/2017 Eletroneuromiografia 2
  • 3. Introdução Eletroneuromiografia (ENMG) é um procedimento que avalia a função do sistema nervoso periférico e muscular através do registro das respostas elétricas geradas por estes sistemas, às quais são detectadas graficamente por um equipamento denominado eletroneuromiógrafo. As lesões destes sistemas determinam doenças neuromusculares que representam um grupo extenso de afecções que comprometem a unidade motora. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 3
  • 4. O Exame Durante a realização do exame de eletroneuromiografia o aparelho utilizado é o eletromiógrafo, ele que irá detectar as trocas elétricas que ocorrem no nível celular durante a transmissão nervosa e a contração muscular. (PINTO, 2010). 03/10/2017 Eletroneuromiografia 4
  • 5. O Exame • O exame eletroneuromiografia é constituído por duas etapas interdependentes, que são a eletroneurografia, que é a neurocondução e eletromiografia, que é avaliação muscular. Essas duas etapas se complementam e por isso sempre devem ser realizadas, independente se a patologia suspeita é uma neuropatia ou uma miopatia, pois se necessita sempre da informação de ambas para se chegar ao diagnóstico. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 5
  • 6. O Exame • A história clinica contribui muito para o diagnostico diferencial enquanto o exame físico fornece informações cruciais para a topografia das lesões. Portanto, antes de realizar o exame é necessário fazer uma rápida anamnese para se conhecer a queixa real do paciente, a história da doença atual, historia pregressa, etc. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 6
  • 7. O Exame • A presença de marcapasso cardíaco não é contraindicação para o exame, mas irá exigir cuidados especiais durante a colocação dos eletrodos, deve-se evitar colocar em locais próximos ao marcapasso. • Para que seja feita uma interpretação correta da eletroneuromiografia é aquela na qual se faz um resumo das anormalidades neurofisiológicas em relação a sua distribuição anatômica e transforma esses achados em uma impressão clinica que atenda o médico solicitante, mesmo que em desacordo com a sua indicação. (PINTO, 2010). 03/10/2017 Eletroneuromiografia 7
  • 8. O Exame O RELACIONAMENTO MÉDICO/PACIENTE • Quando submetidos a exames é normal que o paciente já apresente preocupações e tensões devido à algum problema que possa estar passando e devido ao incomodo que irá sentir durante a eletroneuromiografia. Por isso é muito importante que o paciente seja tratado com carinho e respeito evitando um sofrimento ainda maior. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 8
  • 9. O equipamento • Eletromiógrafo • O eletromiógrafo é um aparelho que registra sinais bioelétricos através do uso de eletrodos de captação que são inseridos no corpo com intuito de identificar fenômenos bioelétricos que acontecem a nível celular, que serão convertidos em sinais elétricos e depois de ocorrer amplificações são registrados e enviados para o dispositivo adequado. • Quando os eletrodos de captação forem posicionados no paciente, os sinais registrados por eles são enviados para pré-amplificadores e amplificadores, que irão tornar a sua amplitude maior para que seja possível o reconhecimento na tela do aparelho. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 9
  • 10. O equipamento Os filtros de alta e de baixa frequência • São usados para elevar ou abaixar a frequência de captação do equipamento. Através dos limites dos filtros podemos saber se o eletromiógrafo pode ou não produzir potenciais audíveis e visuais e o examinador pode alterar a calibração dos filtros quando for conveniente. • No filtro de baixa, a frequência pode ser entre 1 e 200 Hz e no filtro de alta entre 100 Hz e 10 kHz. Figura1: Eletromiografia de superfície com dois canais, demonstrando um tremor de 6 Hz com ativação síncrona entre agonistas e antagonistas, característica de um tremor essencial. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 10
  • 11. O equipamento • CALIBRADORES Através dos calibradores é possível alterar a intensidade, frequência e tempo em que os estímulos serão colocados em cima do nervo. • O MARCADOR DE LATÊNCIA Latência é o tempo que os nervos levam para direcionar os pulsos elétricos a partir do ponto de estimulação até a captação. É medida em milissegundos. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 11
  • 12. O equipamento • O SISTEMA DE ÁUDIO Quanto ao áudio, não é necessária muita sofisticação, devendo tão somente possibilitar a identificação e diferenciação dos inúmeros tipos de potenciais. • REGISTRADORES Os registradores possibilitam que o médico identifique os registros dos traçados eletroneuromiográficos. É um microcomputador, sendo possível guardar os dados do exame em sua memória e editar e imprimir os traçados. A depender do equipamento, as informações poderão ser enviadas por meio da internet. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 12
  • 13. O examinador Para ter um conhecimento e domínio sobre as técnicas de eletroneuromiografia, necessita que o médico tenha um conhecimento da medicina interna geral e uma boa formação clínica com conhecimentos nas áreas de neurologia, ortopedia, reumatologia e endocrinologia e também que ele entenda sobre biofísica, anatomia humana e fisiologia. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 13
  • 14. O examinador Uma das causas mais frequentes de erro no diagnóstico da eletroneuromiografia é o examinador não ter o conhecimento da anatomia, quando ele não se tem conhecimento da anatomia e necessita buscar diariamente informações em atlas de anatomia e esquemas, isso faz com que ele perca o tempo necessário para obter um diagnóstico correto e não tenha a capacidade de obter um raciocínio concluso sobre os resultados obtidos no exame. (PINTO, 2010). 03/10/2017 Eletroneuromiografia 14
  • 15. Bases fundamentais da ENMG De acordo com o estudo muscular da ENMG, os íons mais importantes são íons sódio, cloro, cálcio, potássio e magnésio. Os íons estão distribuídos entre os compartimentos intra e extracelulares em quantidades distintas, havendo predominância de potássio e magnésio no interior e de sódio, cloro e cálcio no exterior. Está diferença iônica entre os dois meios depende da variação da pressão, de um equilíbrio eletroquímico e da variação de concentração, tudo isto de uma certa forma é controlado pela membrana celular, é através dela que os íons passam de um lado para o outro. Por causa da existência de íons dentro e fora da célula cria uma diferença de potencial entre os dois meios, criando assim, uma tendência iônica de passar de um lado para o outro. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 15
  • 16. Bases fundamentais da ENMG O que difere de uma membrana celular para a outra são as diferentes proteínas especificas que estão associadas as mesmas de uma forma ou outra. Em geral, as camadas lipídicas da membrana são similares em todo tipo de célula. Como os lipídios das membranas são fluidos, as proteínas intrínsecas estão livres para se movimentarem por difusão de um ponto para outro, em alguns casos, no entanto, estas proteínas estão fortemente unidas por subestruturas. Com uma parte externa hidrofílica e uma parte interna altamente hidrofóbica as membranas celulares são semipermeáveis. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 16
  • 17. Propagação do Impulso Nervoso • A propagação do impulso nervoso coincide com as mudanças súbitas na permeabilidade da membrana do axônio para os íons sódio e potássio. • Na região eletricamente alterada, na direção de propagação do impulso nervoso, abrem-se canais na membrana para permitir que os íons sódio penetrem no axônio. • Nas fibras mielínicas, a condução se faz de forma especial. Essas fibras tem a membrana revestida de mielina, que é produzida pelas “Células de Schwann”, que as envolvem. O processo de mielinização ocorre na última fase do desenvolvimento fetal e no primeiro ano após o nascimento. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 17
  • 18. Propagação do Impulso Nervoso A perda da mielina afeta diretamente a condução nervosa e retarda ou impossibilita a condução dos impulsos ao longo da membrana axonal. Existem três tipos básicos de anormalidades encontradas nos estudos de condução motora, quando a estimulação é próxima ao local da lesão. Pode haver: • Diminuição da amplitude do potencial de ação; • Aumento da latência com amplitude relativamente normal; • Ausência de resposta. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 18
  • 19. Potencial de repouso, potencial de ação e repolarização celular. Em uma célula em repouso, os íons estão em equilíbrio e os íons cálcio se encontram ligados às proteínas canais, impedindo assim a passagem do sódio para dentro da célula. (PINTO, 2006). Nas fibras musculares ou nervosas dos mamíferos o potencial de repouso se encontra em média por volta de -90 a -85 milivolts (mV). (PINTO, 2006). É possível que as alterações dos potenciais, que se caracterizam por descargas repetidas e que aparecem após a inserção do eletrodo de agulha no músculo durante a eletromiografia, sejam na realidade uma medida de acomodação das membranas das células através das quais se insere o eletrodo. (PINTO, 2006). 03/10/2017 Eletroneuromiografia 19
  • 20. Resultados Observando o laudo podemos saber se o exame foi bem feito, ou se está incompleto. Apesar do “lay-out” do mesmo poder variar de laboratório para laboratório para laboratório, ele deve conter sempre as seguintes partes: identificação; descrição técnica da avaliação muscular; descrição técnica das provas de neurocondução; comentários acerca dos achados; conclusão final e em caráter opcional poderão ser ou não anexados gráficos e/ou fotografias dos achados. Portanto, através do laudo sabemos quais foram os nervos e os músculos examinados e quais foram os testes realizados, o que nos diz até que ponto o exame foi amplo ou limitado. (PINTO, 2010). 03/10/2017 Eletroneuromiografia 20
  • 21. Resultados O laudo deve ser dividido em duas fases: uma etapa técnica inicial e uma etapa de comentários, com a interpretação e as conclusões. A parte técnica se destina principalmente a outros possíveis examinadores e serve também de parâmetro para reavaliações futuras. Ela deve conter as informações e os resultados detalhados dos testes da neurocondução e da avaliação muscular. Na parte de comentários deve-se fazer um resumo das anormalidades neurofisiológicas contidas na parte técnica, correlacionando-as com a distribuição anatômica. Estes achados devem ser traduzidos para uma impressão clínica que tenha sentido para o médico solicitante, mesmo quando está em desacordo com a sua indicação. (PINTO, 2010). 03/10/2017 Eletroneuromiografia 21
  • 22. Conclusão No presente trabalho abordamos o tema eletroneuromiografia é um exame que avalia a função do sistema nervoso periférico e muscular através do registro das respostas elétricas geradas por estes sistemas, esse exame também possibilita investigar a existência de patologias que comprometem a unidade motora e seus elementos. O exame eletroneuromiografia é composto por duas etapas interdependentes, que são a neurocondução e a avaliação muscular. Essas duas etapas se complementam e por isso sempre devem ser realizadas, independente se a patologia suspeita é uma neuropatia ou uma miopatia, fortalecendo o diagnóstico da doença. A eletroneuromiografia (ENMG) só poderá ser realizada pelo médico especializado. Para ter conhecimento e domínio sobre as técnicas de eletroneuromiografia, necessita que o médico tenha um conhecimento da medicina interna geral e uma boa formação clínica. A propagação do impulso é importante para entender sobre a os mecanismos da membrana celular e o potencial de ação. O resultado do exame deve conter as seguintes informações: identificação sobre o paciente, descrição técnica da avaliação muscular e das provas de neurocondução, comentários sobre o que foi achado no exame e resultado final obtido. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 22
  • 23. Referências • PINTO, Luiz Carlos; PINTO, Vera Lucia Rocha. Eletroneuromiografia clínica: princípios básicos. In: LIANZA, Sergio. Medicina de reabilitação. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015. Cap. 3, p. 26-35. • PINTO, Luiz Carlos. Neurofisiologia clínica: princípios básicos e aplicações. São Paulo: Atheneu, 2006. • PINTO, Luiz Carlos. Neurofisiologia clínica: princípios básicos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2010. 03/10/2017 Eletroneuromiografia 23
  • 24. Eletroneuromiografia Paracatu – MG 2017 Curso de Graduação em Fisioterapia Boa Noite!