SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA DO TEATRO
           A arte Dramática é a
              capacidade de
          representar a vida do
          espírito Humano, em
           público e em forma
                 artística.

              (Stanislavski )
História da arte dramática
                             
     É tão antiga como a história dos homens na terra.

 Pré-História
  Os homens já faziam teatro (rituais do homem primitivo):
       Festejos com danças guerreiras
       Imitação da realidade envolvente
       Desejo de atrair a boa vontade dos deuses

Ex.: Rituais de caça.
Pinturas rupestres do Levante III   Representação de caça (Rio Grande do Norte)
 Civilização Grega

 O teatro surgiu como expressão literária

  Teatro (do grego theatron) significava o local de onde
se viam as representações

 Nasceu dos ditirambos
(composição lírica em honra
de Dionísio), na região da
Ática, no século VI a. C., com
Téspis, natural de Corinto
Teatro grego, em Epidauro
 O actor dialogava com o coro
   e recitava os ditirambos
  O actor , sempre homem,
    usava máscaras
  Havia a presença do coro
 Surgiram composições sobre heróis míticos da
história da Grécia (tragédia)
  Apareceram composições sobre factos quotidianos
de carácter satírico (comédia).
  No século V a. C.. o teatro adquiriu tal importância
que era subsidiado pelos ricos e visto por toda a
comunidade
Antígona de Sófocles
  (representação)
Máscaras
 antigas
 Civilização Romana

   O teatro alcançou um destaque considerável na
 cultura (era muito apreciado)
   Foram criadas e representadas
  tragédias e comédias
   Após a queda do Império dos
  Césares, o teatro entrou num
  período de “silêncio”.


 Atenção: Nunca adquiriu tanta
                                     Mosaico representando
grandiosidade como o teatro grego        teatro romano
Teatro Romano em Verona
Teatro Romano, em Antalya, Turquia
 Idade Média

                     Em Portugal

                     Representavam-se cenas da
                    Bíblia e Vidas de Santos
                     Representações litúrgicas do
                    Natal e da Páscoa (mistérios,
                    milagres e moralidades)
                      Objectivos: Ensinar o povo e
                    levá-lo à meditação
                      Locais: igrejas ou catedrais e
                    praças ou adros
Músicos medievais
         Representavam-se
episódios quotidianos de
carácter cómico
  O bobo da corte
criticava,       declamava,
dançava,             tocava,
entretendo o rei e a corte.
  Objectivo: Divertir o
público     presente     nos
serões
  Locais: palácios dos
reis    e    dos    grandes
senhores
                               Bobo da corte
 Renascimento

 Em Portugal

 Herdou o teatro clássico da Antiguidade
 Surgiram tragédias como a Castro de António
Ferreira.
 Herdou o teatro tradicional
da Idade Média (tipicamente
português)
  Emergiram peças de
carácter religioso (autos),
burguês e popular (farsas) e
palaciano (comédias e
tragicomédias), escritas por Gil
Vicente e representadas na
corte (D. Manuel e D. João III)
                                   Representação do Auto da Índia, em
  Apareceram os “pátios”          Almada, perante a rainha D. Leonor,
(teatros públicos), aos quais                  em 1519.

afluíam todas as camadas da
sociedade
 Nos séculos seguintes,
chegou de Itália o teatro do tipo
“Commedia dell’Arte”
            
  Tinha um palco e tablado
  Baseava-se na vida do povo
  Inspirava-se no povo
  Privilegiava uma acção
baseada no improviso e no ágil
agir dos actores
  Feito por profissionais do
ofício, significando arte,
habilidade e técnica
Eram tratados assuntos diversificados
 O gosto pelo teatro generalizou-se
 Os recursos técnicos e a mudança de cenários
 foram aperfeiçoados
 Surgiram muitas companhias ambulantes, que
 percorriam várias regiões
 Barroco

 O teatro atingiu uma robustez
e um requinte exagerados
 O palco foi complexificado
e ampliado
 Os cenários e o guarda–roupa
eram requintadamente elaborados

 Em Portugal

  O teatro estava “apagada, perdeu praticamente a
sua feição nacional (só havia representação de
comédias espanholas)
Representação do Doente Imaginário de Moliére
 Romantismo

    Em Portugal

   O teatro ganhou uma nova vida
   Os teatros eram frequentados
  pela alta sociedade lisboeta
   Surgiu a ópera e o ballet                 Almeida Garrett
                                             de Augusto Gomes

 Almeida Garrett criou o Teatro Nacional D. Maria II e o
Conservatório de Teatro, incentivou a produção teatral
nacional, criou e escreveu o drama romântico.
 Almeida Garrett criou:
 Teatro Nacional D. Maria II;
 Conservatório de Teatro

Almeida Garrett incentivou:
 A produção teatral nacional
 (criou e escreveu o drama
 romântico).
O Teatro Nacional
                                                       abriu as suas
                                                       portas a 13 de Abril
                                                       de 1846, durante
                                                       as comemorações
                                                       do 27 aniversário
                                                       de D. Maria II,
                                                       passando por isso
                                                       a exibir o seu nome
                                                       na designação
                                                       oficial.

  Noite de Estreia no Teatro Nacional D. Maria II
Apresentação do drama histórico em cinco actos O
Magriço e os Doze de Inglaterra, original de Jacinto
    Aguiar de Loureiro, na actual Sala Garrett
Teatro Nacional D. Maria II
 Século XX

 Em Portugal

  O teatro foi aperfeiçoado até ao requinte:
* complexificou-se o seu interior, muito ligado:
    - ao som
    - à luz
    - ao cenário
    - ao guarda-roupa
    - aos adereços
* Aumentou a criatividade
* Engrandeceu-se a presença de valores e de símbolos
 Dramaturgos portugueses:
       * Alfredo Cortês
       * Raul Brandão
        * Miguel Torga
    * Bernardo Santareno
    * José Cardoso Pires
  * Luís de Sttau Monteiro
Representação de Felizmente Há Luar, de
    Luís de Stau Monteiro, pelo TEP        Representação de Bernardo Bernarda,
                                          de Bernardo Santareno, peça que inclui
                                            textos de O Duelo, A Anunciação, O
                                           Pecado de João Agonia, A Promessa,
                                          António Marinheiro, O Lugre, O Judeu, O
                                          Bailarino, O Punho, Português, Escritor,
                                              45 Anos de Idade e A Confissão.
As alterações sentidas na literatura dramática ao longo
  dos tempos são necessárias para que o teatro seja hoje
        um espectáculo, que engloba todas as artes.




                                            Cena da peça
                                         Jesus Cristo Superstar




No espectáculo teatral congregam-se, num espaço e num
     tempo próprios, um complexo de relações e uma
             interacção de natureza pública.
Representação de Avalanche
                                           Representação de Jesus Cristo Superstar




Representação de A Lisboa do Grande Terramoto   Representação de Dança da Morte
No teatro existe um encontro entre os
          actores e o público.




Teatro Nacional de São Carlos   Auditório Municipal de Castelo de Paiva
O teatro de hoje é o que representa o Homem!




Hamlet




               O Senhor Valéry

                                 Sonata de Outono

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
Júnior Maciel
 
As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da arte
dpport
 
Música
MúsicaMúsica
Música
Sandraferraz
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
Meire Falco
 
Dança
DançaDança
Avaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafiteAvaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafite
Casiris Crescencio
 
Teatro - definição, história e reflexões
Teatro - definição, história e reflexõesTeatro - definição, história e reflexões
Teatro - definição, história e reflexões
Rosalina Simão Nunes
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
Ana Paula Silva
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
Rebeca Neiva
 
Grafite slide
Grafite slideGrafite slide
Grafite slide
cafumilena
 
GV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do TeatroGV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do Teatro
Susana Sobrenome
 
A Dança e seus elementos
A Dança e seus elementosA Dança e seus elementos
A Dança e seus elementos
Luan Lucena
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Michele Pó
 
A origem do teatro
A origem do teatroA origem do teatro
A origem do teatro
Valdir Medeiros Jr.
 
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasArte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Junior Onildo
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Arte Educadora
 
História da música 1
História da música 1História da música 1
História da música 1
Deborah Oliver
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
Bárbara Fonseca
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
Jaiza Nobre
 

Mais procurados (20)

Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
 
As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da arte
 
Música
MúsicaMúsica
Música
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
 
Dança
DançaDança
Dança
 
Avaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafiteAvaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafite
 
Teatro - definição, história e reflexões
Teatro - definição, história e reflexõesTeatro - definição, história e reflexões
Teatro - definição, história e reflexões
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
 
Grafite slide
Grafite slideGrafite slide
Grafite slide
 
GV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do TeatroGV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do Teatro
 
A Dança e seus elementos
A Dança e seus elementosA Dança e seus elementos
A Dança e seus elementos
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
A origem do teatro
A origem do teatroA origem do teatro
A origem do teatro
 
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasArte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
História da música 1
História da música 1História da música 1
História da música 1
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
 

Destaque

Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
Andrea Dressler
 
Teatro Grego
Teatro GregoTeatro Grego
Teatro Grego
Stefania Giglio
 
Teatro de Arena
Teatro de ArenaTeatro de Arena
Teatro de Arena
PaulaGilRuiz
 
Geografia Urbana
Geografia UrbanaGeografia Urbana
Geografia Urbana
Kenedy dos Santos
 
Teatro e [1]..
Teatro e [1]..Teatro e [1]..
Teatro e [1]..
Romero Almeida
 
Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013
Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013 Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013
Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013
Lismara de Oliveira
 
Teatro na escola
Teatro na escolaTeatro na escola
Teatro na escola
Silmara Oliveira
 
O Teatro Na GréCia
O Teatro Na GréCiaO Teatro Na GréCia
O Teatro Na GréCia
Sílvia Mendonça
 
Básico do Teatro
Básico do TeatroBásico do Teatro
Básico do Teatro
Andinhogr
 
Conteúdo 3 elementos da linguagem cênica
Conteúdo 3   elementos da linguagem cênicaConteúdo 3   elementos da linguagem cênica
Conteúdo 3 elementos da linguagem cênica
Silvana Chaves
 
Fhl sintese-exp12
Fhl sintese-exp12Fhl sintese-exp12
Fhl sintese-exp12
Experiências Português
 
MemorialdoConvento_intertextualid_exp12
MemorialdoConvento_intertextualid_exp12MemorialdoConvento_intertextualid_exp12
MemorialdoConvento_intertextualid_exp12
Experiências Português
 
Exp12 fp-ortonimo-pp-PortoEd
Exp12 fp-ortonimo-pp-PortoEdExp12 fp-ortonimo-pp-PortoEd
Exp12 fp-ortonimo-pp-PortoEd
Experiências Português
 
Fhl notas-exp12
Fhl notas-exp12Fhl notas-exp12
Fhl notas-exp12
Experiências Português
 
IECJ - Cap. 12 - Água - importância e formas de uso
IECJ - Cap. 12 - Água - importância e formas de usoIECJ - Cap. 12 - Água - importância e formas de uso
IECJ - Cap. 12 - Água - importância e formas de uso
profrodrigoribeiro
 
Saramago_linguagem-estilo_exp12
Saramago_linguagem-estilo_exp12Saramago_linguagem-estilo_exp12
Saramago_linguagem-estilo_exp12
Experiências Português
 
Msg mar portugues-exp12
Msg mar portugues-exp12Msg mar portugues-exp12
Msg mar portugues-exp12
Experiências Português
 
Não sei quantas almas tenho
Não sei quantas almas tenhoNão sei quantas almas tenho
Não sei quantas almas tenho
Experiências Português
 
MemorialdoConvento_género_exp12
MemorialdoConvento_género_exp12MemorialdoConvento_género_exp12
MemorialdoConvento_género_exp12
Experiências Português
 
MemorialdoConvento_narrador_exp12
MemorialdoConvento_narrador_exp12MemorialdoConvento_narrador_exp12
MemorialdoConvento_narrador_exp12
Experiências Português
 

Destaque (20)

Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
 
Teatro Grego
Teatro GregoTeatro Grego
Teatro Grego
 
Teatro de Arena
Teatro de ArenaTeatro de Arena
Teatro de Arena
 
Geografia Urbana
Geografia UrbanaGeografia Urbana
Geografia Urbana
 
Teatro e [1]..
Teatro e [1]..Teatro e [1]..
Teatro e [1]..
 
Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013
Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013 Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013
Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013
 
Teatro na escola
Teatro na escolaTeatro na escola
Teatro na escola
 
O Teatro Na GréCia
O Teatro Na GréCiaO Teatro Na GréCia
O Teatro Na GréCia
 
Básico do Teatro
Básico do TeatroBásico do Teatro
Básico do Teatro
 
Conteúdo 3 elementos da linguagem cênica
Conteúdo 3   elementos da linguagem cênicaConteúdo 3   elementos da linguagem cênica
Conteúdo 3 elementos da linguagem cênica
 
Fhl sintese-exp12
Fhl sintese-exp12Fhl sintese-exp12
Fhl sintese-exp12
 
MemorialdoConvento_intertextualid_exp12
MemorialdoConvento_intertextualid_exp12MemorialdoConvento_intertextualid_exp12
MemorialdoConvento_intertextualid_exp12
 
Exp12 fp-ortonimo-pp-PortoEd
Exp12 fp-ortonimo-pp-PortoEdExp12 fp-ortonimo-pp-PortoEd
Exp12 fp-ortonimo-pp-PortoEd
 
Fhl notas-exp12
Fhl notas-exp12Fhl notas-exp12
Fhl notas-exp12
 
IECJ - Cap. 12 - Água - importância e formas de uso
IECJ - Cap. 12 - Água - importância e formas de usoIECJ - Cap. 12 - Água - importância e formas de uso
IECJ - Cap. 12 - Água - importância e formas de uso
 
Saramago_linguagem-estilo_exp12
Saramago_linguagem-estilo_exp12Saramago_linguagem-estilo_exp12
Saramago_linguagem-estilo_exp12
 
Msg mar portugues-exp12
Msg mar portugues-exp12Msg mar portugues-exp12
Msg mar portugues-exp12
 
Não sei quantas almas tenho
Não sei quantas almas tenhoNão sei quantas almas tenho
Não sei quantas almas tenho
 
MemorialdoConvento_género_exp12
MemorialdoConvento_género_exp12MemorialdoConvento_género_exp12
MemorialdoConvento_género_exp12
 
MemorialdoConvento_narrador_exp12
MemorialdoConvento_narrador_exp12MemorialdoConvento_narrador_exp12
MemorialdoConvento_narrador_exp12
 

Semelhante a História do Teatro

histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdfhistriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
WeslleyDias8
 
Cor na teatro
Cor na teatroCor na teatro
Evolucao teatro - 9ano
Evolucao teatro - 9anoEvolucao teatro - 9ano
Evolucao teatro - 9ano
Sofia Melo
 
Historia do Teatro-PaginaSeguinte11
Historia do Teatro-PaginaSeguinte11Historia do Teatro-PaginaSeguinte11
Historia do Teatro-PaginaSeguinte11
Experiências Português
 
Arte teatro conceito, história, etc
Arte teatro   conceito, história, etcArte teatro   conceito, história, etc
Arte teatro conceito, história, etc
Natália Matos
 
6982397 Origem E Evol Do Teatro
6982397  Origem E  Evol  Do  Teatro6982397  Origem E  Evol  Do  Teatro
6982397 Origem E Evol Do Teatro
Ricardo Araujo
 
Teatro origem e evolução
Teatro  origem e evoluçãoTeatro  origem e evolução
Teatro origem e evolução
josivaldopassos
 
C:\Fakepath\O Teatro PortuguêS – Gil Vicente2
C:\Fakepath\O  Teatro PortuguêS – Gil Vicente2C:\Fakepath\O  Teatro PortuguêS – Gil Vicente2
C:\Fakepath\O Teatro PortuguêS – Gil Vicente2
Eneida da Rosa
 
C:\Fakepath\O Teatro PortuguêS – Gil Vicente2
C:\Fakepath\O  Teatro PortuguêS – Gil Vicente2C:\Fakepath\O  Teatro PortuguêS – Gil Vicente2
C:\Fakepath\O Teatro PortuguêS – Gil Vicente2
Eneida da Rosa
 
Gêneros dramáticos
Gêneros dramáticosGêneros dramáticos
Gêneros dramáticos
Aline Raposo
 
Um homem sem medo não morre 2011
Um homem sem medo não morre 2011Um homem sem medo não morre 2011
Um homem sem medo não morre 2011
Maria Franco
 
Renascimento shakespeare e o teatro elisabetano
Renascimento shakespeare e o teatro elisabetanoRenascimento shakespeare e o teatro elisabetano
Renascimento shakespeare e o teatro elisabetano
Isabella Silva
 
Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Prova de arte 6ano 3b pronta 1Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Prova de arte 6ano 3b pronta 1Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Atividades Diversas Cláudia
 
Teatro
TeatroTeatro
Breve História do Teatro
Breve História do TeatroBreve História do Teatro
Breve História do Teatro
e- Arquivo
 
2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro
O Ciclista
 
EvoluçãO Do Teatro Ao Longo Da HistóRia Da
EvoluçãO Do Teatro Ao Longo Da HistóRia DaEvoluçãO Do Teatro Ao Longo Da HistóRia Da
EvoluçãO Do Teatro Ao Longo Da HistóRia Da
mega
 
Breve História do Teatro
Breve História do TeatroBreve História do Teatro
Breve História do Teatro
e- Arquivo
 
Teatro contemporâneo
Teatro contemporâneoTeatro contemporâneo
Teatro contemporâneo
Daniele Fragoso
 

Semelhante a História do Teatro (20)

histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdfhistriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
 
Cor na teatro
Cor na teatroCor na teatro
Cor na teatro
 
Evolucao teatro - 9ano
Evolucao teatro - 9anoEvolucao teatro - 9ano
Evolucao teatro - 9ano
 
Historia do Teatro-PaginaSeguinte11
Historia do Teatro-PaginaSeguinte11Historia do Teatro-PaginaSeguinte11
Historia do Teatro-PaginaSeguinte11
 
Arte teatro conceito, história, etc
Arte teatro   conceito, história, etcArte teatro   conceito, história, etc
Arte teatro conceito, história, etc
 
6982397 Origem E Evol Do Teatro
6982397  Origem E  Evol  Do  Teatro6982397  Origem E  Evol  Do  Teatro
6982397 Origem E Evol Do Teatro
 
Teatro origem e evolução
Teatro  origem e evoluçãoTeatro  origem e evolução
Teatro origem e evolução
 
C:\Fakepath\O Teatro PortuguêS – Gil Vicente2
C:\Fakepath\O  Teatro PortuguêS – Gil Vicente2C:\Fakepath\O  Teatro PortuguêS – Gil Vicente2
C:\Fakepath\O Teatro PortuguêS – Gil Vicente2
 
C:\Fakepath\O Teatro PortuguêS – Gil Vicente2
C:\Fakepath\O  Teatro PortuguêS – Gil Vicente2C:\Fakepath\O  Teatro PortuguêS – Gil Vicente2
C:\Fakepath\O Teatro PortuguêS – Gil Vicente2
 
Gêneros dramáticos
Gêneros dramáticosGêneros dramáticos
Gêneros dramáticos
 
Um homem sem medo não morre 2011
Um homem sem medo não morre 2011Um homem sem medo não morre 2011
Um homem sem medo não morre 2011
 
Renascimento shakespeare e o teatro elisabetano
Renascimento shakespeare e o teatro elisabetanoRenascimento shakespeare e o teatro elisabetano
Renascimento shakespeare e o teatro elisabetano
 
Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Prova de arte 6ano 3b pronta 1Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Prova de arte 6ano 3b pronta 1
 
Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Prova de arte 6ano 3b pronta 1Prova de arte 6ano 3b pronta 1
Prova de arte 6ano 3b pronta 1
 
Teatro
TeatroTeatro
Teatro
 
Breve História do Teatro
Breve História do TeatroBreve História do Teatro
Breve História do Teatro
 
2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro
 
EvoluçãO Do Teatro Ao Longo Da HistóRia Da
EvoluçãO Do Teatro Ao Longo Da HistóRia DaEvoluçãO Do Teatro Ao Longo Da HistóRia Da
EvoluçãO Do Teatro Ao Longo Da HistóRia Da
 
Breve História do Teatro
Breve História do TeatroBreve História do Teatro
Breve História do Teatro
 
Teatro contemporâneo
Teatro contemporâneoTeatro contemporâneo
Teatro contemporâneo
 

Mais de Experiências Português

Acolhimento Urgente
Acolhimento UrgenteAcolhimento Urgente
Acolhimento Urgente
Experiências Português
 
Ol geral+reflexões-ct12
Ol geral+reflexões-ct12Ol geral+reflexões-ct12
Ol geral+reflexões-ct12
Experiências Português
 
FPOH-CT12
FPOH-CT12FPOH-CT12
A caeiro mestre-op12
A caeiro mestre-op12A caeiro mestre-op12
A caeiro mestre-op12
Experiências Português
 
Saramago_pontuacao_exp12
Saramago_pontuacao_exp12Saramago_pontuacao_exp12
Saramago_pontuacao_exp12
Experiências Português
 
Memorialdo Convento_espaçosocial_exp12
Memorialdo Convento_espaçosocial_exp12Memorialdo Convento_espaçosocial_exp12
Memorialdo Convento_espaçosocial_exp12
Experiências Português
 
MemorialdoConvento_ tempo_exp12
MemorialdoConvento_ tempo_exp12MemorialdoConvento_ tempo_exp12
MemorialdoConvento_ tempo_exp12
Experiências Português
 
Msg concecao messianica-exp12
Msg concecao messianica-exp12Msg concecao messianica-exp12
Msg concecao messianica-exp12
Experiências Português
 
Mensagem-RaizEd
Mensagem-RaizEdMensagem-RaizEd
Mensagem-RaizEd
Experiências Português
 
Ricardo Reis-Exp12
Ricardo Reis-Exp12Ricardo Reis-Exp12
Ricardo Reis-Exp12
Experiências Português
 
Alberto Caeiro- Exp12
Alberto Caeiro- Exp12Alberto Caeiro- Exp12
Alberto Caeiro- Exp12
Experiências Português
 
Sensacionismo-OdeTriunfal-Exp12
Sensacionismo-OdeTriunfal-Exp12Sensacionismo-OdeTriunfal-Exp12
Sensacionismo-OdeTriunfal-Exp12
Experiências Português
 
A linguagem na Ode Triunfal-Exp12
A linguagem na Ode Triunfal-Exp12A linguagem na Ode Triunfal-Exp12
A linguagem na Ode Triunfal-Exp12
Experiências Português
 
Alvaro de Campos-Exp12
Alvaro de Campos-Exp12Alvaro de Campos-Exp12
Alvaro de Campos-Exp12
Experiências Português
 

Mais de Experiências Português (14)

Acolhimento Urgente
Acolhimento UrgenteAcolhimento Urgente
Acolhimento Urgente
 
Ol geral+reflexões-ct12
Ol geral+reflexões-ct12Ol geral+reflexões-ct12
Ol geral+reflexões-ct12
 
FPOH-CT12
FPOH-CT12FPOH-CT12
FPOH-CT12
 
A caeiro mestre-op12
A caeiro mestre-op12A caeiro mestre-op12
A caeiro mestre-op12
 
Saramago_pontuacao_exp12
Saramago_pontuacao_exp12Saramago_pontuacao_exp12
Saramago_pontuacao_exp12
 
Memorialdo Convento_espaçosocial_exp12
Memorialdo Convento_espaçosocial_exp12Memorialdo Convento_espaçosocial_exp12
Memorialdo Convento_espaçosocial_exp12
 
MemorialdoConvento_ tempo_exp12
MemorialdoConvento_ tempo_exp12MemorialdoConvento_ tempo_exp12
MemorialdoConvento_ tempo_exp12
 
Msg concecao messianica-exp12
Msg concecao messianica-exp12Msg concecao messianica-exp12
Msg concecao messianica-exp12
 
Mensagem-RaizEd
Mensagem-RaizEdMensagem-RaizEd
Mensagem-RaizEd
 
Ricardo Reis-Exp12
Ricardo Reis-Exp12Ricardo Reis-Exp12
Ricardo Reis-Exp12
 
Alberto Caeiro- Exp12
Alberto Caeiro- Exp12Alberto Caeiro- Exp12
Alberto Caeiro- Exp12
 
Sensacionismo-OdeTriunfal-Exp12
Sensacionismo-OdeTriunfal-Exp12Sensacionismo-OdeTriunfal-Exp12
Sensacionismo-OdeTriunfal-Exp12
 
A linguagem na Ode Triunfal-Exp12
A linguagem na Ode Triunfal-Exp12A linguagem na Ode Triunfal-Exp12
A linguagem na Ode Triunfal-Exp12
 
Alvaro de Campos-Exp12
Alvaro de Campos-Exp12Alvaro de Campos-Exp12
Alvaro de Campos-Exp12
 

Último

Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 

Último (20)

Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 

História do Teatro

  • 1. HISTÓRIA DO TEATRO A arte Dramática é a capacidade de representar a vida do espírito Humano, em público e em forma artística. (Stanislavski )
  • 2. História da arte dramática  É tão antiga como a história dos homens na terra.  Pré-História Os homens já faziam teatro (rituais do homem primitivo):  Festejos com danças guerreiras  Imitação da realidade envolvente  Desejo de atrair a boa vontade dos deuses Ex.: Rituais de caça.
  • 3. Pinturas rupestres do Levante III Representação de caça (Rio Grande do Norte)
  • 4.  Civilização Grega  O teatro surgiu como expressão literária  Teatro (do grego theatron) significava o local de onde se viam as representações  Nasceu dos ditirambos (composição lírica em honra de Dionísio), na região da Ática, no século VI a. C., com Téspis, natural de Corinto
  • 5. Teatro grego, em Epidauro
  • 6.  O actor dialogava com o coro e recitava os ditirambos  O actor , sempre homem, usava máscaras  Havia a presença do coro  Surgiram composições sobre heróis míticos da história da Grécia (tragédia)  Apareceram composições sobre factos quotidianos de carácter satírico (comédia).  No século V a. C.. o teatro adquiriu tal importância que era subsidiado pelos ricos e visto por toda a comunidade
  • 7. Antígona de Sófocles (representação)
  • 9.  Civilização Romana  O teatro alcançou um destaque considerável na cultura (era muito apreciado)  Foram criadas e representadas tragédias e comédias  Após a queda do Império dos Césares, o teatro entrou num período de “silêncio”. Atenção: Nunca adquiriu tanta Mosaico representando grandiosidade como o teatro grego teatro romano
  • 11. Teatro Romano, em Antalya, Turquia
  • 12.  Idade Média  Em Portugal  Representavam-se cenas da Bíblia e Vidas de Santos  Representações litúrgicas do Natal e da Páscoa (mistérios, milagres e moralidades)  Objectivos: Ensinar o povo e levá-lo à meditação  Locais: igrejas ou catedrais e praças ou adros Músicos medievais
  • 13. Representavam-se episódios quotidianos de carácter cómico  O bobo da corte criticava, declamava, dançava, tocava, entretendo o rei e a corte.  Objectivo: Divertir o público presente nos serões  Locais: palácios dos reis e dos grandes senhores Bobo da corte
  • 14.  Renascimento  Em Portugal  Herdou o teatro clássico da Antiguidade  Surgiram tragédias como a Castro de António Ferreira.
  • 15.  Herdou o teatro tradicional da Idade Média (tipicamente português)  Emergiram peças de carácter religioso (autos), burguês e popular (farsas) e palaciano (comédias e tragicomédias), escritas por Gil Vicente e representadas na corte (D. Manuel e D. João III) Representação do Auto da Índia, em  Apareceram os “pátios” Almada, perante a rainha D. Leonor, (teatros públicos), aos quais em 1519. afluíam todas as camadas da sociedade
  • 16.  Nos séculos seguintes, chegou de Itália o teatro do tipo “Commedia dell’Arte”   Tinha um palco e tablado  Baseava-se na vida do povo  Inspirava-se no povo  Privilegiava uma acção baseada no improviso e no ágil agir dos actores  Feito por profissionais do ofício, significando arte, habilidade e técnica
  • 17. Eram tratados assuntos diversificados  O gosto pelo teatro generalizou-se  Os recursos técnicos e a mudança de cenários foram aperfeiçoados  Surgiram muitas companhias ambulantes, que percorriam várias regiões
  • 18.  Barroco  O teatro atingiu uma robustez e um requinte exagerados  O palco foi complexificado e ampliado  Os cenários e o guarda–roupa eram requintadamente elaborados  Em Portugal  O teatro estava “apagada, perdeu praticamente a sua feição nacional (só havia representação de comédias espanholas)
  • 19. Representação do Doente Imaginário de Moliére
  • 20.  Romantismo  Em Portugal  O teatro ganhou uma nova vida  Os teatros eram frequentados pela alta sociedade lisboeta  Surgiu a ópera e o ballet Almeida Garrett de Augusto Gomes  Almeida Garrett criou o Teatro Nacional D. Maria II e o Conservatório de Teatro, incentivou a produção teatral nacional, criou e escreveu o drama romântico.
  • 21.  Almeida Garrett criou: Teatro Nacional D. Maria II; Conservatório de Teatro Almeida Garrett incentivou: A produção teatral nacional (criou e escreveu o drama romântico).
  • 22. O Teatro Nacional abriu as suas portas a 13 de Abril de 1846, durante as comemorações do 27 aniversário de D. Maria II, passando por isso a exibir o seu nome na designação oficial. Noite de Estreia no Teatro Nacional D. Maria II Apresentação do drama histórico em cinco actos O Magriço e os Doze de Inglaterra, original de Jacinto Aguiar de Loureiro, na actual Sala Garrett
  • 23. Teatro Nacional D. Maria II
  • 24.  Século XX  Em Portugal  O teatro foi aperfeiçoado até ao requinte: * complexificou-se o seu interior, muito ligado: - ao som - à luz - ao cenário - ao guarda-roupa - aos adereços * Aumentou a criatividade * Engrandeceu-se a presença de valores e de símbolos
  • 25.  Dramaturgos portugueses: * Alfredo Cortês * Raul Brandão * Miguel Torga * Bernardo Santareno * José Cardoso Pires * Luís de Sttau Monteiro
  • 26. Representação de Felizmente Há Luar, de Luís de Stau Monteiro, pelo TEP Representação de Bernardo Bernarda, de Bernardo Santareno, peça que inclui textos de O Duelo, A Anunciação, O Pecado de João Agonia, A Promessa, António Marinheiro, O Lugre, O Judeu, O Bailarino, O Punho, Português, Escritor, 45 Anos de Idade e A Confissão.
  • 27. As alterações sentidas na literatura dramática ao longo dos tempos são necessárias para que o teatro seja hoje um espectáculo, que engloba todas as artes. Cena da peça Jesus Cristo Superstar No espectáculo teatral congregam-se, num espaço e num tempo próprios, um complexo de relações e uma interacção de natureza pública.
  • 28. Representação de Avalanche Representação de Jesus Cristo Superstar Representação de A Lisboa do Grande Terramoto Representação de Dança da Morte
  • 29. No teatro existe um encontro entre os actores e o público. Teatro Nacional de São Carlos Auditório Municipal de Castelo de Paiva
  • 30. O teatro de hoje é o que representa o Homem! Hamlet O Senhor Valéry Sonata de Outono