SlideShare uma empresa Scribd logo
Apresentações Multimédia e Powerpoint Trabalho elaborado por: Maria Anabela Mesquita de Oliveira Rodrigues Paulo Jorge Rebelo Tenreiro da Cruz
A CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA
A História da Civilização Egípcia é muito interessante, situando-se cronologicamente entre 3300 a 525 a.C.  Esta civilização tem fascinado os historiadores pelos seus aspectos invulgares, quer na economia, política, sociedade e cultura. Os monumentos bem conservados e os documentos escritos que  deixaram, permitem-nos ter um bom conhecimento deste povo.
Consulta Interactiva ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O EGIPTO ANTIGO Localização Rio Nilo Economia Sociedade Faraó Arte Escrita Ciências Bibliografia Religião
LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA
O EGIPTO ACTUAL
O EGIPTO ANTIGO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O RIO NILO
O NILO O Nilo é o maior rio do Mundo, com um curso de 6 700 Km, desde a sua Nascente no Lago Vitória, e orienta-se de sul para Norte desaguando no Mediterrâneo.
A IMPORTÂNCIA DO RIO NILO ,[object Object]
O NILO O ano dos Antigos Egípcios tinha 365 dias, repartidos por 3 estações: A  Akhet  era a estação das inundações, em que, durante quatro meses, os campos absorvem a água e o lodo fértil que os cobre no período das enchentes.
O NILO Durante a  Peret , os camponeses cultivavam o trigo e a cevada, que servem para preparar o pão e a cerveja, assim como o linho, para fazer os tecidos.
O NILO Finalmente, na  Chemu , decorriam as colheitas. A importância do Nilo era tão grande para os egípcios que o Nilo era considerado um Deus.
A ECONOMIA
AGRICULTURA No início, as margens do Nilo, eram terras muito pantanosas. Para as tornar cultiváveis, foi necessário fazer obras de drenagem, bem como de regularização e distribuição das águas, através da construção de diques e canais.  O Chaduf ou Cegonha é um aparelho muito utilizado pelos egípcios e que permite retirar a água do Nilo para os canais de irrigação.
O COMÉRCIO Apresentação e Registo do Gado
O ARTESANATO A Ourivesaria A maior parte dos trabalhos artesanais são executados por homens livres. Os proprietários das grandes terras procuravam ter ao seu serviço trabalhadores de quase todas as profissões: cervejeiros, padeiros, carpinteiros, sapateiros, fundidores, oleiros, marceneiros,etc. Construção de um muro de um templo
O ARTESANATO As fiandeiras conseguem manusear dois fusos ao mesmo tempo. As tecedeiras dispõem de um tear rudimentar colocado horizontalmente. Este gigantesco molde destina-se a fazer uma porta de um templo. Os fundidores introduzem o metal em fusão ( cobre)
A CAÇA E A PESCA A caça ao Hipopótamo
A PECUÁRIA O Egipto era um grande criador de Gado. Para evitar o roubo dos animais os proprietários marcavam o seu gado. A passagem pelo rio Nilo era feita com grande dificuldade principalmente pelo perigo de crocodilos.
QUADRO SÍNTESE Exportavam artesanato e excedentes agrícolas e Importavam cedro, ouro e cobre Ourivesaria Tecelagem  Cestaria Vidro  Construção Naval Bovino Caprino  Asinino Trigo Centeio Cevada Linho Papiro Uvas Legumes Comércio Artesanato Pecuária Agricultura
A SOCIEDADE
A SOCIEDADE ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A SOCIEDADE EGÍPCIA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PIRÂMIDE HIERÁRQUICA
OS PRIVILEGIADOS ,[object Object],[object Object],[object Object]
OS NÃO PRIVILEGIADOS Os Camponeses e os Escravos levavam uma vida muito difícil.
O FARAÓ
O FARAÓ : UM DEUS NA TERRA  ,[object Object],[object Object]
O FARAÓ : UM DEUS NA TERRA ,[object Object]
OS PODERES DO FARAÓ ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O PALÁCIO DO FARAÓ
O Faraó comanda as suas tropas. Repara na coroa de guerra ( Kheprech )
Depois de uma vitória procede-se à contagem dos inimigos mortos cortando-se a mão direita dos cadáveres. Repara na importante função dos escribas.
RELIGIÃO
A RELIGIÃO ,[object Object],[object Object],[object Object]
PRINCIPAIS DEUSES EGÍPCIOS Ámon-Rá  Deus-sol. Era venerado em todo o Egipto. Osíris Deus das Terras e das Sementeiras. É perante ele que os mortos se apresentam na esperança de vida eterna. Ísis Protectora das crianças e da fecundidade. Mulher de Osíris Anúbis Deus dos mortos e rei dos embalsamadores
PRINCIPAIS DEUSES EGÍPCIOS Hórus Filho de Osíris e Ísis. Deus da sorte e da ressurreição Hathor Deusa da música, da alegria e do amor Bes Protege os egípcios na sua vida quotidiana. Tot Deus da sabedoria e da escrita
A VIDA ETERNA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A PREPARAÇÃO DO CORPO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A PREPARAÇÃO DO CORPO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A PREPARAÇÃO DO CORPO 5. O CORTEJO No dia do funeral, um cortejo de parentes e criados, carregando os bens do morto, vai desde sua casa até à oficina do embalsamador. Aí juntam-se ao sacerdote e às carpideiras. A múmia está agora dentro do seu caixão, em cima de um trenó, e atrás vem o vaso canópico, que contém os orgãos internos.
A PREPARAÇÃO DO CORPO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE ACONTECIA AOS MAIS POBRES? Os pobres são enterrados num buraco na areia e cobertos por uma esteira. O corpo do defunto é deitado de lado, como se estivesse a dormir. O local é depois protegido por grandes pedras, para evitar que os chacais desenterrem o corpo, perturbando o seu sono eterno.
O JULGAMENTO DE OSÍRIS A alma do morto irá ser julgada. Anúbis conduz a alma ao local do Julgamento, presidido por Osíris. O coração do morto é colocado numa balança, em comparação com uma pena de Avestruz. Ele teve uma vida exemplar e, por isso, o coração foi mais leve e a sua recompensa é uma vida eterna cheia de paz. Amit, monstro do Nilo, devora os mortos cujo coração pese mais do que a pena de avestruz por terem sido maus em vida.
A ARTE
AS GRANDES CONSTRUÇÕES ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
AS PIRÂMIDES ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PIRÂMIDES ,[object Object],[object Object],[object Object]
PIRÂMIDES ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Na ausência de qualquer máquina elevatória, a construção das pirâmides exigia muita mão-de-obra, constituída principalmente por camponeses que a cheia deixava desocupados.
O INTERIOR DAS PIRÂMIDES
AS MASTABAS Os ricos mandavam construir grandes túmulos feitos com tijolos secos ao sol, as mastabas. O corpo é colocado num compartimento subterrâneo, no fundo de um poço.
OS HIPOGEUS São grandes monumentos funerários cavados na rocha. São grandes conjuntos de salas e corredores cheios de pinturas. A câmara funerária, onde se encontra o sarcófago situa-se no final do conjunto subterrâneo.
AS ESCULTURAS As esculturas eram utilizadas como base decorativa no interior e exterior das construções. As estátuas maiores, eram feitas em pedra de vários tipos, desde o granito ao mármore.
A PINTURA A representação da figura humana obedecia à lei da frontalidade. Assim, a cabeça e os pés eram representados de perfil e os olhos e tronco de frente, com os ombros rigorosamente iguais. O tamanho das figuras representadas correspondia à sua importância social. Por isso, o faraó era sempre representado com dimensões maiores que qualquer outra personagem.
A ESCRITA EGÍPCIA
A ESCRITA A escrita egípcia é uma das mais antigas do mundo. Inicialmente era uma representação pictográfica (os símbolos representavam objectos), depois passou a hieroglífica (os sinais correspondem a ideias), mais desenvolvida por sacerdotes e escribas. Surgiu também a escrita demótica, mais simples e popular.
A  ESCRITA ,[object Object],[object Object]
O MEU NOME EM EGÍPCIO ,[object Object]
O PAPIRO Os papiros cresciam nos densos bosques das margens do Nilo e no delta Retirava-se-lhes o caule para cortar em pequenas lâminas de tamanho idêntico. As laminazinhas embebidas na água eram justapostas e depois recebiam uma segunda camada de pequenas lâminas.
O PAPIRO As duas espessuras sobrepostas eram em seguida batidas com um maço para que se interpenetrassem. Por último, a superfície era alisada. Depois de secar obtinha-se uma folha castanho-clara. As folhas eram depois coladas, esticadas para se obterem rolos utilizáveis horizontal ou verticalmente.
AS CIÊNCIAS
AS CIÊNCIAS Quanto à Geometria e à Matemática, sabe-se que usavam a subtracção e a adição, realizavam a multiplicação a partir da soma, conheciam a raiz quadrada e as fracções. Tinham medidas de comprimento, de peso, volume e superfície. Calcularam a área do círculo.
AS CIÊNCIAS ,[object Object],[object Object]
BIBLIOGRAFIA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Civilização Egípcia
Civilização EgípciaCivilização Egípcia
Civilização Egípcia
Jorge Almeida
 
Povoamento da américa
Povoamento da américaPovoamento da américa
Povoamento da américa
Zé Knust
 
Paleolítico e Neolítico
Paleolítico e NeolíticoPaleolítico e Neolítico
Paleolítico e Neolítico
Carlos Vieira
 
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º AnoEgito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Leticia Ribeiro
 
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptxFENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
Elisa Maria Gomide
 
A vida do homem no neolítico
A vida do homem no neolíticoA vida do homem no neolítico
A vida do homem no neolítico
amgmrodrigues
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
joana71
 
Egípcios
 Egípcios Egípcios
Egípcios
fespiritacrista
 
America pré-colombiana
America pré-colombianaAmerica pré-colombiana
America pré-colombiana
Edenilson Morais
 
A evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º anoA evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º ano
Fábio Paiva
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Nefer19
 
O povo-hebreu
O povo-hebreuO povo-hebreu
O povo-hebreu
Fabiana Tonsis
 
26 - Renascimento
26 - Renascimento26 - Renascimento
26 - Renascimento
Carla Freitas
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Daniel Alves Bronstrup
 
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoRoma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Munis Pedro
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
Douglas Barraqui
 
Formação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais ModernosFormação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais Modernos
Murilo Benevides
 
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedadeEgito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Carlos Pinheiro
 
Civilização Maia
Civilização MaiaCivilização Maia
Civilização Maia
eiprofessor
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Vera Duarte
 

Mais procurados (20)

Civilização Egípcia
Civilização EgípciaCivilização Egípcia
Civilização Egípcia
 
Povoamento da américa
Povoamento da américaPovoamento da américa
Povoamento da américa
 
Paleolítico e Neolítico
Paleolítico e NeolíticoPaleolítico e Neolítico
Paleolítico e Neolítico
 
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º AnoEgito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
 
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptxFENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
 
A vida do homem no neolítico
A vida do homem no neolíticoA vida do homem no neolítico
A vida do homem no neolítico
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Egípcios
 Egípcios Egípcios
Egípcios
 
America pré-colombiana
America pré-colombianaAmerica pré-colombiana
America pré-colombiana
 
A evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º anoA evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º ano
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
 
O povo-hebreu
O povo-hebreuO povo-hebreu
O povo-hebreu
 
26 - Renascimento
26 - Renascimento26 - Renascimento
26 - Renascimento
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoRoma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Formação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais ModernosFormação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais Modernos
 
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedadeEgito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
 
Civilização Maia
Civilização MaiaCivilização Maia
Civilização Maia
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 

Semelhante a O Egipto

Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
Isabel Aguiar
 
O Egito Antigo
O  Egito AntigoO  Egito Antigo
O Egito Antigo
Paullinho Oliveira
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Isabel Aguiar
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Jeferson Gevigier
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
O EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGOO EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGO
Antonio Marcos
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01
luzia Camilo lopes
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Alex J. Eger
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
professor ivan
 
Povos antigos da africa
Povos antigos da africaPovos antigos da africa
Povos antigos da africa
Fernando Moreira
 
Egito antigo2016
Egito antigo2016Egito antigo2016
Egito antigo2016
luzia Camilo lopes
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
Escolacsm
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
Escolacsm
 
Egipto
EgiptoEgipto
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Anderson Torres
 
A civilizaçao egípcia
A civilizaçao egípciaA civilizaçao egípcia
A civilizaçao egípcia
zetodje
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
souzaematos2014
 

Semelhante a O Egipto (20)

Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
 
O Egito Antigo
O  Egito AntigoO  Egito Antigo
O Egito Antigo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
O EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGOO EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGO
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Povos antigos da africa
Povos antigos da africaPovos antigos da africa
Povos antigos da africa
 
Egito antigo2016
Egito antigo2016Egito antigo2016
Egito antigo2016
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
Egipto
EgiptoEgipto
Egipto
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
A civilizaçao egípcia
A civilizaçao egípciaA civilizaçao egípcia
A civilizaçao egípcia
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 

O Egipto

  • 1. Apresentações Multimédia e Powerpoint Trabalho elaborado por: Maria Anabela Mesquita de Oliveira Rodrigues Paulo Jorge Rebelo Tenreiro da Cruz
  • 3. A História da Civilização Egípcia é muito interessante, situando-se cronologicamente entre 3300 a 525 a.C. Esta civilização tem fascinado os historiadores pelos seus aspectos invulgares, quer na economia, política, sociedade e cultura. Os monumentos bem conservados e os documentos escritos que deixaram, permitem-nos ter um bom conhecimento deste povo.
  • 4.
  • 5. O EGIPTO ANTIGO Localização Rio Nilo Economia Sociedade Faraó Arte Escrita Ciências Bibliografia Religião
  • 8.
  • 10. O NILO O Nilo é o maior rio do Mundo, com um curso de 6 700 Km, desde a sua Nascente no Lago Vitória, e orienta-se de sul para Norte desaguando no Mediterrâneo.
  • 11.
  • 12. O NILO O ano dos Antigos Egípcios tinha 365 dias, repartidos por 3 estações: A Akhet era a estação das inundações, em que, durante quatro meses, os campos absorvem a água e o lodo fértil que os cobre no período das enchentes.
  • 13. O NILO Durante a Peret , os camponeses cultivavam o trigo e a cevada, que servem para preparar o pão e a cerveja, assim como o linho, para fazer os tecidos.
  • 14. O NILO Finalmente, na Chemu , decorriam as colheitas. A importância do Nilo era tão grande para os egípcios que o Nilo era considerado um Deus.
  • 16. AGRICULTURA No início, as margens do Nilo, eram terras muito pantanosas. Para as tornar cultiváveis, foi necessário fazer obras de drenagem, bem como de regularização e distribuição das águas, através da construção de diques e canais. O Chaduf ou Cegonha é um aparelho muito utilizado pelos egípcios e que permite retirar a água do Nilo para os canais de irrigação.
  • 17. O COMÉRCIO Apresentação e Registo do Gado
  • 18. O ARTESANATO A Ourivesaria A maior parte dos trabalhos artesanais são executados por homens livres. Os proprietários das grandes terras procuravam ter ao seu serviço trabalhadores de quase todas as profissões: cervejeiros, padeiros, carpinteiros, sapateiros, fundidores, oleiros, marceneiros,etc. Construção de um muro de um templo
  • 19. O ARTESANATO As fiandeiras conseguem manusear dois fusos ao mesmo tempo. As tecedeiras dispõem de um tear rudimentar colocado horizontalmente. Este gigantesco molde destina-se a fazer uma porta de um templo. Os fundidores introduzem o metal em fusão ( cobre)
  • 20. A CAÇA E A PESCA A caça ao Hipopótamo
  • 21. A PECUÁRIA O Egipto era um grande criador de Gado. Para evitar o roubo dos animais os proprietários marcavam o seu gado. A passagem pelo rio Nilo era feita com grande dificuldade principalmente pelo perigo de crocodilos.
  • 22. QUADRO SÍNTESE Exportavam artesanato e excedentes agrícolas e Importavam cedro, ouro e cobre Ourivesaria Tecelagem Cestaria Vidro Construção Naval Bovino Caprino Asinino Trigo Centeio Cevada Linho Papiro Uvas Legumes Comércio Artesanato Pecuária Agricultura
  • 24.
  • 25.
  • 27.
  • 28. OS NÃO PRIVILEGIADOS Os Camponeses e os Escravos levavam uma vida muito difícil.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. O PALÁCIO DO FARAÓ
  • 34. O Faraó comanda as suas tropas. Repara na coroa de guerra ( Kheprech )
  • 35. Depois de uma vitória procede-se à contagem dos inimigos mortos cortando-se a mão direita dos cadáveres. Repara na importante função dos escribas.
  • 37.
  • 38. PRINCIPAIS DEUSES EGÍPCIOS Ámon-Rá Deus-sol. Era venerado em todo o Egipto. Osíris Deus das Terras e das Sementeiras. É perante ele que os mortos se apresentam na esperança de vida eterna. Ísis Protectora das crianças e da fecundidade. Mulher de Osíris Anúbis Deus dos mortos e rei dos embalsamadores
  • 39. PRINCIPAIS DEUSES EGÍPCIOS Hórus Filho de Osíris e Ísis. Deus da sorte e da ressurreição Hathor Deusa da música, da alegria e do amor Bes Protege os egípcios na sua vida quotidiana. Tot Deus da sabedoria e da escrita
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43. A PREPARAÇÃO DO CORPO 5. O CORTEJO No dia do funeral, um cortejo de parentes e criados, carregando os bens do morto, vai desde sua casa até à oficina do embalsamador. Aí juntam-se ao sacerdote e às carpideiras. A múmia está agora dentro do seu caixão, em cima de um trenó, e atrás vem o vaso canópico, que contém os orgãos internos.
  • 44.
  • 45. O QUE ACONTECIA AOS MAIS POBRES? Os pobres são enterrados num buraco na areia e cobertos por uma esteira. O corpo do defunto é deitado de lado, como se estivesse a dormir. O local é depois protegido por grandes pedras, para evitar que os chacais desenterrem o corpo, perturbando o seu sono eterno.
  • 46. O JULGAMENTO DE OSÍRIS A alma do morto irá ser julgada. Anúbis conduz a alma ao local do Julgamento, presidido por Osíris. O coração do morto é colocado numa balança, em comparação com uma pena de Avestruz. Ele teve uma vida exemplar e, por isso, o coração foi mais leve e a sua recompensa é uma vida eterna cheia de paz. Amit, monstro do Nilo, devora os mortos cujo coração pese mais do que a pena de avestruz por terem sido maus em vida.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52. Na ausência de qualquer máquina elevatória, a construção das pirâmides exigia muita mão-de-obra, constituída principalmente por camponeses que a cheia deixava desocupados.
  • 53. O INTERIOR DAS PIRÂMIDES
  • 54. AS MASTABAS Os ricos mandavam construir grandes túmulos feitos com tijolos secos ao sol, as mastabas. O corpo é colocado num compartimento subterrâneo, no fundo de um poço.
  • 55. OS HIPOGEUS São grandes monumentos funerários cavados na rocha. São grandes conjuntos de salas e corredores cheios de pinturas. A câmara funerária, onde se encontra o sarcófago situa-se no final do conjunto subterrâneo.
  • 56. AS ESCULTURAS As esculturas eram utilizadas como base decorativa no interior e exterior das construções. As estátuas maiores, eram feitas em pedra de vários tipos, desde o granito ao mármore.
  • 57. A PINTURA A representação da figura humana obedecia à lei da frontalidade. Assim, a cabeça e os pés eram representados de perfil e os olhos e tronco de frente, com os ombros rigorosamente iguais. O tamanho das figuras representadas correspondia à sua importância social. Por isso, o faraó era sempre representado com dimensões maiores que qualquer outra personagem.
  • 59. A ESCRITA A escrita egípcia é uma das mais antigas do mundo. Inicialmente era uma representação pictográfica (os símbolos representavam objectos), depois passou a hieroglífica (os sinais correspondem a ideias), mais desenvolvida por sacerdotes e escribas. Surgiu também a escrita demótica, mais simples e popular.
  • 60.
  • 61.
  • 62. O PAPIRO Os papiros cresciam nos densos bosques das margens do Nilo e no delta Retirava-se-lhes o caule para cortar em pequenas lâminas de tamanho idêntico. As laminazinhas embebidas na água eram justapostas e depois recebiam uma segunda camada de pequenas lâminas.
  • 63. O PAPIRO As duas espessuras sobrepostas eram em seguida batidas com um maço para que se interpenetrassem. Por último, a superfície era alisada. Depois de secar obtinha-se uma folha castanho-clara. As folhas eram depois coladas, esticadas para se obterem rolos utilizáveis horizontal ou verticalmente.
  • 65. AS CIÊNCIAS Quanto à Geometria e à Matemática, sabe-se que usavam a subtracção e a adição, realizavam a multiplicação a partir da soma, conheciam a raiz quadrada e as fracções. Tinham medidas de comprimento, de peso, volume e superfície. Calcularam a área do círculo.
  • 66.
  • 67.