SlideShare uma empresa Scribd logo
Reunião com Diretores e Diretoras
Diretoria de Ensino Sul 2
16/07/2020
“Inclusão é sair da escola dos diferentes
e promover a escola das diferenças”
(Maria Tereza Mantoan)
Objetivos:
• Construção de uma Escola mais Inclusiva à luz das Legislações:
Marcos Históricos e Normativos
Atendimento Educacional Especializado
Resolução CNE/CEB nº 4, de 2 de Outubro de 2009
Resolução SE 68, de 12 de dezembro de 2017
Instrução CGEB, de 14 de janeiro de 2015
Algumas impressões sobre o
Atendimento Educacional Especializado
e Ensino Regular
SALA DE RECURSOS ATUALMENTE:
• Referência na Classe Especial;
• Professora trabalha isoladamente;
• Falta de existência de um Ensino Colaborativo;
• Elaboração e execução do PAI considera apenas as colocações do AEE;
• Falta de alinhamento no Atendimento Educacional Especializado.
ENSINO REGULAR ATUALMENTE:
• Falta planejamento e elaboração das atividades dos alunos público-alvo da Educação Especial;
• Falta de registro das Adaptações Curriculares, conforme Instrução CGEB de 2015.
Marcos Históricos e Normativos
1854 – Imperial Instituto dos Meninos Cegos, atual Instituto Benjamin Constant – IBC
1857 – Instituto dos Surdos Mudos, atual Instituto Nacional da Educação dos Surdos – INES
1926 – Instituto Pestalozzi, instituição especializada no atendimento às pessoas com deficiência mental intelectual*
1954 – Fundada a primeira Associação de Pais e Amigos Excepcionais – APAE
1954 – Criado o primeiro atendimento educacional especializado às pessoas com superdotação na Sociedade Pestalozzi
1961 – O atendimento educacional às pessoas com deficiência passa a ser fundamentado pela LDB nº 4.024/61
1973 – É criado no MEC, o Centro Nacional de Educação Especial – CENESP, ainda sob a égide integracionista e configurada
por campanhas assistenciais e ações isoladas do Estado
1988 – Constituição Federal – Art. 205 define a educação como direito de todos; Art. 206, inciso I, estabelece a igualdade
de condições de acesso e permanência na escola; Art. 208 garante como dever do Estado, a oferta do atendimento
educacional especializado, preferencialmente na rede de ensino.
Marcos Históricos e Normativos
Década de 90 – Passam a influenciar a formulação das políticas públicas da educação inclusiva:
• Estatuto da Criança e do Adolescente – Lei nº 8.069/90 (Art. 55)
• Declaração Mundial de Educação para Todos
• Declaração de Salamanca
• Política Nacional de Educação Especial, orientando o processo de “integração instrucional” que condiciona o acesso às
classes comuns do ensino regular àqueles que “possuem condições de acompanhar e desenvolver as atividades
curriculares...”
• Convenção da Guatemala
• LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei nº 9.394/96
• 1999 – O Decreto nº 3.298 que regulamenta a Lei nº 7853/89, que define a educação especial como uma modalidade
transversal a todos os níveis e modalidades de ensino, enfatizando a atuação complementar da educação especial ao
ensino regular.
Marcos Históricos e Normativos
2002 – A Lei nº 10.436/02 reconhece a Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação e expressão, determinando que sejam
garantidas formas institucionalizadas de apoiar seu uso e difusão
2002 – A Portaria nº 2.678/02 aprova diretriz e normas para o uso, o ensino, a produção e a difusão do Sistema Braille em todas as modalidades de
ensino
2003 – O MEC cria o Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade, visando transformar os sistemas de ensino em sistemas educacionais
inclusivos, que promove um amplo processo de formação de gestores e educadores nos municípios brasileiros para a garantia do direito de acesso
de todos à escolarização, a organização do atendimento educacional especializado e a promoção da acessibilidade.
2004 – O Ministério Público Federal divulga o documento O Acesso de Alunos com Deficiência às Escolas e Classes Comuns da Rede Regular, com o
objetivo de disseminar os conceitos e diretrizes mundiais para a inclusão, reafirmando o direito e os benefícios da escolarização de alunos com e
sem deficiência nas turmas comuns do ensino regular.
2006 – A Secretaria Especial dos Direitos Humanos, o Ministério da Educação, o Ministério da Justiça e a UNESCO lançam o Plano Nacional de
Educação em Direitos Humanos que objetiva, dentre as suas ações, fomentar, no currículo da educação básica, as temáticas relativas às pessoas
com deficiência e desenvolver ações afirmativas que possibilitem inclusão, acesso e permanência na educação superior.
Marcos Históricos e Normativos
2007 – no contexto com o Plano de Aceleração do Crescimento - PAC, é lançado o Plano de Desenvolvimento da Educação –
PDE, reafirmado pela Agenda Social de Inclusão das Pessoas com Deficiência, tendo como eixos a acessibilidade arquitetônica
dos prédios escolares, a implantação de salas de recursos e a formação docente para o atendimento educacional especializado.
No documento Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas, publicado pelo Ministério da Educação,
é reafirmada a visão sistêmica da educação que busca superar a oposição entre educação regular e educação especial.
O Decreto nº 6.094/2007 estabelece dentre as diretrizes do Compromisso Todos pela Educação, a garantia do acesso e
permanência no ensino regular e o atendimento às necessidades educacionais especiais dos alunos, fortalecendo a inclusão
educacional nas escolas públicas.
Atendimento Educacional Especializado
Qual a finalidade?
O atendimento educacional especializado identifica, elabora e organiza recursos pedagógicos e de
acessibilidade que eliminem as barreiras para a plena participação dos alunos na sociedade e desenvolvimento
de sua aprendizagem.
As atividades desenvolvidas no atendimento educacional especializado diferenciam-se daquelas
realizadas na sala de aula comum, não sendo substitutivas à escolarização. Esse atendimento complementa
e/ou suplementa a formação dos alunos com vistas à autonomia e independência na escola e fora dela.
O atendimento educacional especializado disponibiliza programas de enriquecimento curricular, o
ensino de linguagens e códigos específicos de comunicação e sinalização, ajudas técnicas e tecnologia assistiva,
dentre outros. Ao longo de todo processo de escolarização, esse atendimento deve estar articulado com a
proposta pedagógica do ensino comum.
Atendimento Educacional Especializado
Resolução CNE/CEB nº 4, de 2 de Outubro de 2009
Artigo 2º – O AEE tem como função complementar ou suplementar a formação do aluno por meio da disponibilização
de serviços, recursos de acessibilidade e estratégias que eliminem as barreiras para sua plena participação na
sociedade e desenvolvimento de sua aprendizagem.
Parágrafo único – Para fins destas Diretrizes, consideram-se recursos de acessibilidade na educação aqueles que
asseguram condições de acesso ao currículo dos alunos com deficiência ou mobilidade reduzida, promovendo a
utilização dos materiais didáticos e pedagógicos, dos espaços, dos mobiliários e equipamentos, dos sistemas de
comunicação e informação, dos transportes e dos demais serviços.
Artigo 3º – A Educação Especial se realiza em todos os níveis, etapas e modalidades de ensino, tendo o AEE como
parte integrante do processo educacional.
Atendimento Educacional Especializado
Resolução CNE/CEB nº 4, de 2 de Outubro de 2009
Artigo 9º – A elaboração e a execução do plano de AEE são de competência dos professores que atuam na sala de recursos multifuncionais ou
centros de AEE, em articulação com os demais professores do ensino regular, com a participação das famílias e em interface com os demais
serviços setoriais da saúde, da assistência social, entre outros necessários ao atendimento.
Artigo 10 – O projeto pedagógico da escola de ensino regular deve institucionalizar a oferta do AEE prevendo na sua organização:
I – sala de recursos multifuncionais: espaço físico, mobiliário, materiais didáticos, recursos pedagógicos e de acessibilidade e equipamentos
específicos;
II – matrícula no AEE de alunos matriculados no ensino regular da própria escola ou de outra escola;
III – cronograma de atendimento aos alunos;
IV – plano do AEE: identificação das necessidades educacionais específicas dos alunos, definição dos recursos necessários e das atividades a
serem desenvolvidas;
V – professores para o exercício da docência do AEE;
VI – outros profissionais da educação: tradutor e intérprete de Língua Brasileira de Sinais, guia-intérprete e outros que atuem no apoio,
principalmente às atividades de alimentação, higiene e locomoção;
VII – redes de apoio no âmbito da atuação profissional, da formação, do desenvolvimento da pesquisa, do acesso a recursos, serviços e
equipamentos, entre outros que maximizem o AEE.
RESOLUÇÃO SE 68, de 12-12-2017 (ATUAL)
Art. 1º - Consideram-se, para efeito do que dispõe apresente resolução:
VIII - Avaliação Pedagógica - avaliação realizada por professor especializado com o
objetivo de identificar os recursos e apoios necessários.
Art. 2º - Fica assegurado aos alunos público-alvo da Educação Especial o direito à
matrícula em classe ou turmas do Ensino Fundamental ou Médio, de qualquer
modalidade de ensino.
Art. 3º - São considerados público-alvo da Educação Especial, para efeito do que se dispõe
a presente resolução, os alunos com:
I – Deficiência;
II – Transtorno do Espectro Autista;
III – Altas Habilidades ou Superdotação.
§ 1º Aos alunos público-alvo da Educação Especial, devidamente matriculados na rede de
ensino, será assegurado Atendimento Educacional Especializado – AEE, a ser ofertado em
salas de recursos dessa rede de ensino, inclusive na modalidade itinerante..., que
ofereçam esse atendimento, exclusivamente, no contraturno da frequência do aluno nas
classes comuns do ensino regular.
§ 2º Todos os profissionais da escola estarão no atendimento aos alunos público-alvo da
Educação Especial, com o objetivo de reduzir ou eliminar barreiras, proporcionando o
apoio necessário a todos eles.
RESOLUÇÃO SE 61, de 11-11-2014 (ANTIGA)
Art. 1º - São considerados, para fins do disposto nesta resolução, como público-alvo
da Educação Especial, nas unidades escolares da rede estadual de ensino, os alunos
que apresentem:
I – Deficiência;
II – Transtornos Globais do Desenvolvimento – TGD;
III – Altas Habilidades ou Superdotação.
Art. 2º - Fica assegurado a todos os alunos, público-alvo da Educação Especial, o
direito à matrícula em classe ou turmas do Ensino Fundamental, ou Médio, de
qualquer modalidade de ensino.
§ 1º - Aos alunos, público-alvo da Educação Especial, já matriculados na rede
estadual de ensino, será assegurado o Atendimento Pedagógico Especializado – APE,
com condições de acesso e apoio à aprendizagem, bem como à sua continuidade.
§ 2º - Os alunos, a que se refere parágrafo 1º deste artigo, serão encaminhados para
o Atendimento Educacional Especializado – APE adequado a suas deficiências, ou
transtornos globais do desenvolvimento, ou, ainda, às altas
habilidades/superdotação, após avaliação pedagógica, a ser disciplinada em
regulamento específico.
Atendimento Educacional Especializado
Resolução SE 68, de 12 de dezembro de 2017
Atendimento Educacional Especializado
Resolução SE 68, de 12 de dezembro de 2017
Artigo 15 - O Professor Especializado, no exercício das atividades a que se referem o parágrafo 1º do artigo 14 desta resolução, quanto ao
Atendimento Educacional Especializado -AEE, atuará cumprindo a totalidade de 10 (dez) aulas, para cada turma, sendo 8 (oito) aulas, para fins
de acompanhamento dos alunos na Sala de Recursos, e 2 (duas) aulas para observação e/ou ao acompanhamento de alunos em suas aulas
regulares.
Artigo 16 - A observação e/ou o acompanhamento dos alunos no horário regular de aula, conforme disposto no artigo 15, ocorrerá de acordo
com a seguinte ordem de prioridade:
I - Pelo próprio Professor Especializado que já atende o(s)aluno(s) na Sala de Recursos ou Itinerância;
II - Por outro Professor Especializado na área da área da deficiência, do transtorno do espectro autista, das altas habilidades ou superdotação
que já atua na escola na qual o(s) aluno(s) está(ão) matriculado(s) sempre que comprovada a impossibilidade de atendimento ao disposto no
inciso I deste artigo;
III - Por Professor Especializado que atua na modalidade itinerante em escola diversa da que o(s) aluno(s) está(ão) matriculado(s) sempre que
comprovada a impossibilidade de atendimento ao disposto nos incisos I e II deste artigo.
Parágrafo único - Na ausência de docente para atuar na conformidade das hipóteses previstas nos incisos I a III deste artigo, o atendimento
poderá ser feito por professores de instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos, desde que ocorra na classe
comum do ensino regularem que os alunos estejam matriculados.
Atendimento Educacional Especializado
Resolução SE 68, de 12 de dezembro de 2017
Artigo 17 - Compete ao Professor Especializado:
I - participar da elaboração da proposta pedagógica da escola;
II - realizar a avaliação pedagógica inicial dos alunos público-alvo da Educação Especial, dimensionando a natureza e o tipo de atendimento indicado,
além do tempo necessário à sua viabilização;
III - orientar e acompanhar a aprendizagem dos alunos das classes/aulas regulares;
IV - elaborar relatório descritivo da avaliação pedagógica;
V - elaborar e desenvolver o Plano de Atendimento Individualizado dos alunos público-alvo da Educação Especial, em parceria com suas famílias e demais
professores;
VI- participar dos Conselhos de Classe/Ciclo/Ano/Série/Termo e das aulas de trabalho pedagógico coletivo - ATPC;
VII - oferecer apoio técnico-pedagógico ao professor da classe do ensino regular, indicando os recursos pedagógicos e de acessibilidade, bem como
estratégias metodológicas;
VIII - manter atualizados os registros de todos os atendimentos efetuados, conforme instruções estabelecidas para cada área destinada ao público alvo
da Educação Especial;
IX - orientar os pais ou responsáveis pelos alunos, bem como a comunidade, quanto aos procedimentos educacionais e encaminhamentos sociais,
culturais, laborais e de saúde;
X - participar das demais atividades pedagógicas programadas pela escola;
XI - orientar funcionários, alunos e professores da escola para a promoção da cultura educacional inclusiva.
Ação Judicial
Atendimento em Escola Especial
Descrição do aluno: Aluno com Transtorno do Espectro Autista, 7 anos, não apresenta comunicação verbal, demonstra suas
necessidades por meio de gestos indicativos, possui dependência total para as atividades de vida diária (banho, vestimenta,
higiene bucal e uso de fraldas), possui alteração na marcha e motricidade fina, além das dificuldades de realizar trajetos.
Decisão: Indeferido
Justificativa: Consideradas as suas limitações, a possibilidade de convivência com crianças normais é fundamental para
estimulá-lo a desenvolver essas habilidades. Não tem como substituir a diversidade e cultura escolar. Se a criança tem
dificuldade de sociabilizar e desde cedo tiramos essa oportunidade de estar em um meio social, vamos condenar essa
pessoa a ter uma vida adulta mais dependente ainda. Apesar dos desafios da inclusão, a experiência registrada por
especialistas, e também aquela colhida nas diversas execuções em trâmite nesta vara, demonstram que, vencidos os
primeiros obstáculos, o convívio da criança com autismo com outras crianças da mesma idade em escola regular estimulam
o desenvolvimento das habilidades desejáveis para uma vida mais independente.
Providência: Profissional habilitado para as atividades pedagógicas.
PÚBLICO-ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
RESOLUÇÃO
SE
68,
DE
12-12-2017
ATENDIMENTO NA SALA DE RECURSOS – RELAÇÃO DE CID
DEFICIÊNCIA INTELECTUAL
F70 – Deficiência Intelectual Leve
F71 – Deficiência Intelectual Moderada
F72 – Deficiência Grave
F73 – Deficiência Intelectual Profunda
F79 – Deficiência Intelectual Não Específica
Q99.2 – Síndrome do X Frágil
Q90.0 – Síndrome de Down
Q91.0 – Síndrome de Edwards e Síndrome de Patau
Q87.1 – Síndrome Prader Willi
Q 93.8 – Síndrome de Williams
Q99.8 – Síndrome de Pallister Killian
Q 86.0 – Síndrome de Alcoólico Fetal
TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
F84.0 – Autismo Infantil
F84.1 – Autismo Atípico
F84.2 – Síndrome de Rett
F84.3 – Outro Transtorno Desintegrativo da Infância
F84.4 – Transtorno com Hipercinesia Associada a
Retardo Mental e a Movimentos Estereotipados
F84.5 – Síndrome de Asperger
F84.8 – Outros Transtornos Invasivos do
Desenvolvimento
F84.9 – Transtornos Globais Não Especificados do
Desenvolvimento
DEFICIÊNCIA VISUAL
H54 – Cegueira e visão subnormal
H54.0 – Cegueira ambos os olhos
H54.1 – Cegueira em um olho e visão subnormal
em outro
H54.2 – Visão subnormal de ambos os olhos
H54.3 – Perda não qualificada da visão em
ambos os olhos
H54.4 – Cegueira em um olho
H54.5 – Visão subnormal em um olho
H54.6 – Perda não qualificada da visão em um
olho
H54.7 – Perda não especificada da visão
DEFICIÊNCIA AUDITIVA
H90 – Perda de audição bilateral devida a
transtorno de condução
H90.1 – Perda de audição unilateral por
transtorno de condução, sem restrição de
audição contralateral
H90.2 – Perda não especificada de audição
devida a transtorno de condução surdez de
condução SOE
H90.3 – Perda de audição bilateral
neurossensorial
H90.4 – Perda de audição unilateral
neurossensorial, sem restrição de audição
contralateral
H90.5 – Perda de audição neurossensorial não
especificada
H90.6 – Perda de audição bilateral mista, de
condução e neurossensorial
H90.7 – Perda de audição unilateral mista, de
condução e neurossensorial, sem restrição de
audição contralateral
H90.8 – Perda de audição mista, de condução e
neurossensorial, não especifica
DEFICIÊNCIA FÍSICA
G80 – Paralisia Cerebral
G80.0 – Paralisia Cerebral Quadriplágica
Espástica
G80.1 – Paralisia Cerebral Diplégica Espástica
G80.2 – Paralisia Cerebral Hemiplégica Espástica
G80.3 – Paralisia Cerebral Discinética
G80.4 – Paralisia Cerebral Atáxica
G80.8 – Outras formas de Paralisia Cerebral
G80.9 – Paralisia Cerebral não Especificada
PÚBLICO-ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
RESOLUÇÃO
SE
68,
DE
12-12-2017
NÃO ATENDER NA SALA DE RECURSOS – RELAÇÃO DE CID
TRANSTORNO DO DESENVOLVIMENTO PSICOLÓGICO E
TRANSTORNO ESPECÍFICO DA APRENDIZAGEM
F80 – Transtorno específico do desenvolvimento da fala
e linguagem
F81 – Transtorno específico do desenvolvimento das
habilidades escolares
F81.0 – Transtorno específico da leitura
F81.1 – Transtorno específico de soletrar
F81.2 – Transtorno específico de habilidades aritméticas
F81.3 – Transtorno misto das habilidade escolares
F81.8 – Outros transtornos do desenvolvimento das
habilidades escolares
F81.9 – Transtorno específico do desenvolvimento das
habilidades escolares não especificados
F83.0 – Transtornos específicos mistos do
desenvolvimento
F88 – Transtorno do desenvolvimento psicológico
F90.2 – Transtorno de déficit de atenção / hiperatividade
TRANSTORNO EMOCIONAL E DE COMPORTAMENTO
F90 – Transtornos hipercinéticos
F91 – Transtorno de conduta
F91.3 – Transtorno desafiador de oposição
F20.0 - Esquizofrenia
INSTRUÇÃO CGEB, DE 14 DE JANEIRO DE 2015
Dispõe sobre à escolarização de alunos com Deficiência e Transtorno do Espectro Autista (TEA) da Rede Estadual de ensino de que trata a
Resolução SE nº 61 /2014
DEFICIÊNCIA AUDITIVA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL DEFICIÊNCIA VISUAL *DEFICIÊNCIA FÍSICA
TRANSTORNO DO ESPECTRO
AUTISTA - TEA
Anexo I – Dados Individuais do
Aluno com Surdez
Anexo II – Avaliação Funcional
Anexo III – Plano de
Atendimento Individualizado
Anexo I – Avaliação Pedagógica
Inicial
Anexo II – Plano de Atendimento
Individualizado
Anexo III – Registro de
Adaptação Curricular
Anexo I – Avaliação Pedagógica
Inicial
Anexo II – Avaliação Funcional
Anexo III – Plano de
Atendimento Individualizado
Anexo I – Avaliação Pedagógica
Anexo II – Plano de Atendimento
Individualizado
Anexo III – Autorização para
Profissional de Apoio
Anexo I – Avaliação Pedagógica
Inicial
Anexo II – Plano de Atendimento
Individualizado
Anexo III – Ficha de
Acompanhamento e/ou Registro
de Adaptação Curricular
Resolução SE nº 68/2017
ADAPTAÇÕES DE ACESSO AO CURRÍCULO: A adaptação de acesso ao currículo trabalhado na classe comum implica no planejamento das ações pedagógicas dos
docentes. Entende-se por adaptação do acesso ao currículo a utilização de tecnologia assistiva, material ampliado ou Braille, interlocutor de LIBRAS e outros
recursos pedagógicos para alunos com Deficiência Física, Deficiência Auditiva e Deficiência Visual.
ADAPTAÇÕES CURRICULARES: a adaptação do currículo regular implica no planejamento das ações pedagógicas dos docentes, de forma a possibilitar variações no
objetivo, no conteúdo, na metodologia, nas atividades, na avaliação e na temporalidade do processo de aprendizagem dos alunos com Deficiência Intelectual e
Transtorno do Espectro Autista – TEA. (Realizada pelo(a) professor(a) do Ensino Regular mesmo que o aluno não esteja matriculado na Sala de Recursos)
ADAPTAÇÕES CURRICULARES DE ACESSO AO CURRÍCULO: são modificações ou provisão de recursos espaciais, materiais, pessoais ou de comunicação que
auxiliarão no desenvolvimento global dos alunos com Transtorno do Espectro Autista – TEA.
INSTRUÇÃO CGEB, DE 14 DE JANEIRO DE 2015
Dispõe sobre a escolarização de alunos com Deficiência e Transtorno do Espectro Autista (TEA) da Rede Estadual de ensino de
que trata a Resolução SE nº 61 /2014
AVALIAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL
Para estabelecer parâmetros de Atendimento *Pedagógico
Especializado - APE aos alunos público-alvo da Educação Especial
faz-se necessário que um professor especializado realize a
avaliação inicial, conforme Anexos da Instrução, a ser realizada
no ato da matrícula do aluno na Sala de Recursos, com
reavaliação ao final de cada ano letivo.
*Educacional
Resolução SE nº 68/2017
INFORMAÇÕES DA AVALIAÇÃO:
I. Dados Gerais
II. Intervenção, interação afetiva, social e familiar
III. Avaliação pelo professor especializado
8. Habilidades Acadêmicas – Trabalho Colaborativo, parceria entre
professores(as) do Ensino Regular e do Atendimento Educacional
Especializado.
IV. Comprometimento nas habilidades do comportamento
adaptativo
V. Observação do(a) professor(a) especializado(a) e condutas
a serem seguidas
VI. Profissionais que assinam a Avaliação Pedagógica
 Professor(a) especializado(a)
 Professor(a) coordenador(a)
 Diretor(a)
 PCNP de Educação Especial
 Supervisora de Educação Especial
INSTRUÇÃO CGEB, DE 14 DE JANEIRO DE 2015
Dispõe sobre a escolarização de alunos com Deficiência e Transtorno do Espectro Autista (TEA) da Rede Estadual de ensino de
que trata a Resolução SE nº 61 /2014
ANEXO II
PLANO DE ATENDIMENTO INDIVIDUALIZADO – PAI
Após a realização da avaliação inicial, deverá ser elaborado o
Plano de Atendimento Individualizado (PAI), conforme Anexo II
desta Instrução.
O PAI representa um instrumento para definição de metas e
estratégias para atendimento dos alunos, a partir do processo
inicial de avaliação e deve nortear as ações de acesso e de
habilidades na Sala de Recursos, apontando o trabalho a ser
desenvolvido com o aluno, a partir de suas potencialidades e
necessidades.
Resolução SE nº 68/2017
INSTRUÇÃO CGEB, DE 14 DE JANEIRO DE 2015
Dispõe sobre a escolarização de alunos com Deficiência e Transtorno do Espectro Autista (TEA) da Rede Estadual de ensino de
que trata a Resolução SE nº 61 /2014
REGISTRO DA ADAPTAÇÃO CURRICULAR
Anos Iniciais
Resolução SE nº 68/2017
INSTRUÇÃO CGEB, DE 14 DE JANEIRO DE 2015
Dispõe sobre a escolarização de alunos com Deficiência e Transtorno do Espectro Autista (TEA) da Rede Estadual de ensino de
que trata a Resolução SE nº 61 /2014
REGISTRO DA ADAPTAÇÃO CURRICULAR
Anos Finais e Ensino Médio
Resolução SE nº 68/2017
“O objetivo da educação inclusiva não é
tornar todas as crianças iguais, e sim
respeitar e valorizar as diferenças”
Andrea Ramal
Referências Bibliográficas
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva.
Brasília: 2008. Disponível para download em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf>. Acesso em: 30 de junho de
2020.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Operacionais da Educação Especial para o Atendimento
Educacional Especializado na Educação Básica. Brasília: 2008. Disponível para download em:
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=428-diretrizes-publicacao&Itemid=30192>. Acesso em: 02
de julho de 2020.
BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução Nº 4. de 2 de outubro de 2009.
Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Diário Oficial
da União, Brasília, 5 de outubro de 2009. Disponível para download em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf >. Acesso em:
02 de julho de 2020.
BRASIL. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. UNESCO,
Jomtiem/Tailândia, 1990. Disponível no site: https://www.unicef.org/brazil/declaracao-mundial-sobre-educacao-para-todos-conferencia-de-
jomtien-1990>. Acesso em: 08 de julho de 2020.
SÃO PAULO. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. CAPE Centro de Apoio Pedagógico. Instrução CGEB, de 14 de janeiro de 2015.
Dispõe sobre a escolarização de alunos com Deficiência e Transtorno do Espectro Autista. Disponível para download em:
http://cape.edunet.sp.gov.br/cape_arquivos/instrucoes_estadual.asp>. Acesso em: 08 de julho de 2020.
SÃO PAULO. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Resolução SE 68, de 12 de dezembro de 2017. Dispõe sobre o atendimento
educacional especializado aos alunos, público-alvo da Educação Especial, na rede estadual de ensino. Disponível para download em:
http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/detresol.asp?strAto=201712120068>. Acesso em: 13 de julho de 2020.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

inclusão escolar
inclusão escolarinclusão escolar
inclusão escolar
Ulisses Vakirtzis
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Instituto Consciência GO
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Priscila Gomes
 
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação Especial
Vera Zacharias
 
Conselho de classe para que
Conselho de classe para queConselho de classe para que
Plano nacional de educação
Plano nacional de educaçãoPlano nacional de educação
Plano nacional de educação
Marcelo Assis
 
Reuniao sme-fevereiro-aee
Reuniao sme-fevereiro-aeeReuniao sme-fevereiro-aee
Reuniao sme-fevereiro-aee
Rosemary Batista
 
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Manim Edições
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
Rosangela Moreira
 
A organização Escola
A organização EscolaA organização Escola
A organização Escola
viviprof
 
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
Instituto Consciência GO
 
Bases legais educação inclusiva
Bases legais educação inclusivaBases legais educação inclusiva
Bases legais educação inclusiva
Helena Libardi
 
Aula 2 gestão educacional
Aula 2 gestão educacionalAula 2 gestão educacional
Aula 2 gestão educacional
Fernando Palácios
 
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli BorgesReunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
pdescola
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
Edilene Sampaio
 
Formação Pela Escola , Curso PTE - Atividade Final
Formação Pela Escola , Curso PTE - Atividade FinalFormação Pela Escola , Curso PTE - Atividade Final
Formação Pela Escola , Curso PTE - Atividade Final
Jose Arnaldo Silva
 
Sala de Recursos Multifuncionais
Sala de Recursos MultifuncionaisSala de Recursos Multifuncionais
Sala de Recursos Multifuncionais
Instituto Consciência GO
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
Cassia Dias
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
packarde2709
 

Mais procurados (20)

inclusão escolar
inclusão escolarinclusão escolar
inclusão escolar
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação Especial
 
Conselho de classe para que
Conselho de classe para queConselho de classe para que
Conselho de classe para que
 
Plano nacional de educação
Plano nacional de educaçãoPlano nacional de educação
Plano nacional de educação
 
Reuniao sme-fevereiro-aee
Reuniao sme-fevereiro-aeeReuniao sme-fevereiro-aee
Reuniao sme-fevereiro-aee
 
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
 
A organização Escola
A organização EscolaA organização Escola
A organização Escola
 
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
 
Bases legais educação inclusiva
Bases legais educação inclusivaBases legais educação inclusiva
Bases legais educação inclusiva
 
Aula 2 gestão educacional
Aula 2 gestão educacionalAula 2 gestão educacional
Aula 2 gestão educacional
 
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli BorgesReunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
Formação Pela Escola , Curso PTE - Atividade Final
Formação Pela Escola , Curso PTE - Atividade FinalFormação Pela Escola , Curso PTE - Atividade Final
Formação Pela Escola , Curso PTE - Atividade Final
 
Sala de Recursos Multifuncionais
Sala de Recursos MultifuncionaisSala de Recursos Multifuncionais
Sala de Recursos Multifuncionais
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Gestão escolar
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
 

Semelhante a Educação Especial.pptx

Educação especial
Educação especialEducação especial
Educação especial
Luciene Oliveira
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
Liberty Ensino
 
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionaisManual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
Classe Especial SZ Inclusão
 
Documento orientador do programa implantação de salas de recursos
Documento orientador do programa implantação de salas de recursosDocumento orientador do programa implantação de salas de recursos
Documento orientador do programa implantação de salas de recursos
Carlos Junior
 
Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais
Instituto Consciência GO
 
pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.
pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.
pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.
Ana Karina
 
Doc orientador multifuncionais
Doc orientador multifuncionaisDoc orientador multifuncionais
Doc orientador multifuncionais
eurenicedosreis
 
Doc orientador sala multifuncionais
Doc orientador sala multifuncionaisDoc orientador sala multifuncionais
Doc orientador sala multifuncionais
Taise Presotto
 
diretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
diretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxdiretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
diretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
IedaGoethe
 
Convenção e Política Pública
Convenção e Política PúblicaConvenção e Política Pública
Convenção e Política Pública
Instituto Consciência GO
 
Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil
Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil
Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil
cefaidreguaianases
 
Resolução AEE
Resolução AEEResolução AEE
Resolução AEE
ivesmaria
 
4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto
4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto
4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto
eurenicedosreis
 
4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto
4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto
4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto
DebsAEE
 
Resolucao cne ceb_n_04_2009_texto
Resolucao cne ceb_n_04_2009_textoResolucao cne ceb_n_04_2009_texto
Resolucao cne ceb_n_04_2009_texto
martamello
 
Marcos legais
Marcos legaisMarcos legais
Marcos legais
karin
 
Salas de recursos[1]
Salas de recursos[1]Salas de recursos[1]
Salas de recursos[1]
Instituto Consciência GO
 
Direito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverde
Direito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverdeDireito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverde
Direito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverde
Tânia Sampaio
 
Resolução 2 01
Resolução 2 01Resolução 2 01
Resolução 2 01
asustecnologia
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
ceciliaconserva
 

Semelhante a Educação Especial.pptx (20)

Educação especial
Educação especialEducação especial
Educação especial
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionaisManual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
 
Documento orientador do programa implantação de salas de recursos
Documento orientador do programa implantação de salas de recursosDocumento orientador do programa implantação de salas de recursos
Documento orientador do programa implantação de salas de recursos
 
Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais
 
pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.
pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.
pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.
 
Doc orientador multifuncionais
Doc orientador multifuncionaisDoc orientador multifuncionais
Doc orientador multifuncionais
 
Doc orientador sala multifuncionais
Doc orientador sala multifuncionaisDoc orientador sala multifuncionais
Doc orientador sala multifuncionais
 
diretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
diretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxdiretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
diretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
Convenção e Política Pública
Convenção e Política PúblicaConvenção e Política Pública
Convenção e Política Pública
 
Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil
Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil
Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil
 
Resolução AEE
Resolução AEEResolução AEE
Resolução AEE
 
4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto
4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto
4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto
 
4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto
4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto
4a s aee_ead_2013_resolucao_cne_ceb_n_04_2009_texto
 
Resolucao cne ceb_n_04_2009_texto
Resolucao cne ceb_n_04_2009_textoResolucao cne ceb_n_04_2009_texto
Resolucao cne ceb_n_04_2009_texto
 
Marcos legais
Marcos legaisMarcos legais
Marcos legais
 
Salas de recursos[1]
Salas de recursos[1]Salas de recursos[1]
Salas de recursos[1]
 
Direito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverde
Direito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverdeDireito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverde
Direito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverde
 
Resolução 2 01
Resolução 2 01Resolução 2 01
Resolução 2 01
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
 

Último

Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 

Educação Especial.pptx

  • 1. Reunião com Diretores e Diretoras Diretoria de Ensino Sul 2 16/07/2020 “Inclusão é sair da escola dos diferentes e promover a escola das diferenças” (Maria Tereza Mantoan)
  • 2. Objetivos: • Construção de uma Escola mais Inclusiva à luz das Legislações: Marcos Históricos e Normativos Atendimento Educacional Especializado Resolução CNE/CEB nº 4, de 2 de Outubro de 2009 Resolução SE 68, de 12 de dezembro de 2017 Instrução CGEB, de 14 de janeiro de 2015
  • 3. Algumas impressões sobre o Atendimento Educacional Especializado e Ensino Regular SALA DE RECURSOS ATUALMENTE: • Referência na Classe Especial; • Professora trabalha isoladamente; • Falta de existência de um Ensino Colaborativo; • Elaboração e execução do PAI considera apenas as colocações do AEE; • Falta de alinhamento no Atendimento Educacional Especializado. ENSINO REGULAR ATUALMENTE: • Falta planejamento e elaboração das atividades dos alunos público-alvo da Educação Especial; • Falta de registro das Adaptações Curriculares, conforme Instrução CGEB de 2015.
  • 4. Marcos Históricos e Normativos 1854 – Imperial Instituto dos Meninos Cegos, atual Instituto Benjamin Constant – IBC 1857 – Instituto dos Surdos Mudos, atual Instituto Nacional da Educação dos Surdos – INES 1926 – Instituto Pestalozzi, instituição especializada no atendimento às pessoas com deficiência mental intelectual* 1954 – Fundada a primeira Associação de Pais e Amigos Excepcionais – APAE 1954 – Criado o primeiro atendimento educacional especializado às pessoas com superdotação na Sociedade Pestalozzi 1961 – O atendimento educacional às pessoas com deficiência passa a ser fundamentado pela LDB nº 4.024/61 1973 – É criado no MEC, o Centro Nacional de Educação Especial – CENESP, ainda sob a égide integracionista e configurada por campanhas assistenciais e ações isoladas do Estado 1988 – Constituição Federal – Art. 205 define a educação como direito de todos; Art. 206, inciso I, estabelece a igualdade de condições de acesso e permanência na escola; Art. 208 garante como dever do Estado, a oferta do atendimento educacional especializado, preferencialmente na rede de ensino.
  • 5. Marcos Históricos e Normativos Década de 90 – Passam a influenciar a formulação das políticas públicas da educação inclusiva: • Estatuto da Criança e do Adolescente – Lei nº 8.069/90 (Art. 55) • Declaração Mundial de Educação para Todos • Declaração de Salamanca • Política Nacional de Educação Especial, orientando o processo de “integração instrucional” que condiciona o acesso às classes comuns do ensino regular àqueles que “possuem condições de acompanhar e desenvolver as atividades curriculares...” • Convenção da Guatemala • LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei nº 9.394/96 • 1999 – O Decreto nº 3.298 que regulamenta a Lei nº 7853/89, que define a educação especial como uma modalidade transversal a todos os níveis e modalidades de ensino, enfatizando a atuação complementar da educação especial ao ensino regular.
  • 6. Marcos Históricos e Normativos 2002 – A Lei nº 10.436/02 reconhece a Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação e expressão, determinando que sejam garantidas formas institucionalizadas de apoiar seu uso e difusão 2002 – A Portaria nº 2.678/02 aprova diretriz e normas para o uso, o ensino, a produção e a difusão do Sistema Braille em todas as modalidades de ensino 2003 – O MEC cria o Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade, visando transformar os sistemas de ensino em sistemas educacionais inclusivos, que promove um amplo processo de formação de gestores e educadores nos municípios brasileiros para a garantia do direito de acesso de todos à escolarização, a organização do atendimento educacional especializado e a promoção da acessibilidade. 2004 – O Ministério Público Federal divulga o documento O Acesso de Alunos com Deficiência às Escolas e Classes Comuns da Rede Regular, com o objetivo de disseminar os conceitos e diretrizes mundiais para a inclusão, reafirmando o direito e os benefícios da escolarização de alunos com e sem deficiência nas turmas comuns do ensino regular. 2006 – A Secretaria Especial dos Direitos Humanos, o Ministério da Educação, o Ministério da Justiça e a UNESCO lançam o Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos que objetiva, dentre as suas ações, fomentar, no currículo da educação básica, as temáticas relativas às pessoas com deficiência e desenvolver ações afirmativas que possibilitem inclusão, acesso e permanência na educação superior.
  • 7. Marcos Históricos e Normativos 2007 – no contexto com o Plano de Aceleração do Crescimento - PAC, é lançado o Plano de Desenvolvimento da Educação – PDE, reafirmado pela Agenda Social de Inclusão das Pessoas com Deficiência, tendo como eixos a acessibilidade arquitetônica dos prédios escolares, a implantação de salas de recursos e a formação docente para o atendimento educacional especializado. No documento Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas, publicado pelo Ministério da Educação, é reafirmada a visão sistêmica da educação que busca superar a oposição entre educação regular e educação especial. O Decreto nº 6.094/2007 estabelece dentre as diretrizes do Compromisso Todos pela Educação, a garantia do acesso e permanência no ensino regular e o atendimento às necessidades educacionais especiais dos alunos, fortalecendo a inclusão educacional nas escolas públicas.
  • 8. Atendimento Educacional Especializado Qual a finalidade? O atendimento educacional especializado identifica, elabora e organiza recursos pedagógicos e de acessibilidade que eliminem as barreiras para a plena participação dos alunos na sociedade e desenvolvimento de sua aprendizagem. As atividades desenvolvidas no atendimento educacional especializado diferenciam-se daquelas realizadas na sala de aula comum, não sendo substitutivas à escolarização. Esse atendimento complementa e/ou suplementa a formação dos alunos com vistas à autonomia e independência na escola e fora dela. O atendimento educacional especializado disponibiliza programas de enriquecimento curricular, o ensino de linguagens e códigos específicos de comunicação e sinalização, ajudas técnicas e tecnologia assistiva, dentre outros. Ao longo de todo processo de escolarização, esse atendimento deve estar articulado com a proposta pedagógica do ensino comum.
  • 9. Atendimento Educacional Especializado Resolução CNE/CEB nº 4, de 2 de Outubro de 2009 Artigo 2º – O AEE tem como função complementar ou suplementar a formação do aluno por meio da disponibilização de serviços, recursos de acessibilidade e estratégias que eliminem as barreiras para sua plena participação na sociedade e desenvolvimento de sua aprendizagem. Parágrafo único – Para fins destas Diretrizes, consideram-se recursos de acessibilidade na educação aqueles que asseguram condições de acesso ao currículo dos alunos com deficiência ou mobilidade reduzida, promovendo a utilização dos materiais didáticos e pedagógicos, dos espaços, dos mobiliários e equipamentos, dos sistemas de comunicação e informação, dos transportes e dos demais serviços. Artigo 3º – A Educação Especial se realiza em todos os níveis, etapas e modalidades de ensino, tendo o AEE como parte integrante do processo educacional.
  • 10. Atendimento Educacional Especializado Resolução CNE/CEB nº 4, de 2 de Outubro de 2009 Artigo 9º – A elaboração e a execução do plano de AEE são de competência dos professores que atuam na sala de recursos multifuncionais ou centros de AEE, em articulação com os demais professores do ensino regular, com a participação das famílias e em interface com os demais serviços setoriais da saúde, da assistência social, entre outros necessários ao atendimento. Artigo 10 – O projeto pedagógico da escola de ensino regular deve institucionalizar a oferta do AEE prevendo na sua organização: I – sala de recursos multifuncionais: espaço físico, mobiliário, materiais didáticos, recursos pedagógicos e de acessibilidade e equipamentos específicos; II – matrícula no AEE de alunos matriculados no ensino regular da própria escola ou de outra escola; III – cronograma de atendimento aos alunos; IV – plano do AEE: identificação das necessidades educacionais específicas dos alunos, definição dos recursos necessários e das atividades a serem desenvolvidas; V – professores para o exercício da docência do AEE; VI – outros profissionais da educação: tradutor e intérprete de Língua Brasileira de Sinais, guia-intérprete e outros que atuem no apoio, principalmente às atividades de alimentação, higiene e locomoção; VII – redes de apoio no âmbito da atuação profissional, da formação, do desenvolvimento da pesquisa, do acesso a recursos, serviços e equipamentos, entre outros que maximizem o AEE.
  • 11. RESOLUÇÃO SE 68, de 12-12-2017 (ATUAL) Art. 1º - Consideram-se, para efeito do que dispõe apresente resolução: VIII - Avaliação Pedagógica - avaliação realizada por professor especializado com o objetivo de identificar os recursos e apoios necessários. Art. 2º - Fica assegurado aos alunos público-alvo da Educação Especial o direito à matrícula em classe ou turmas do Ensino Fundamental ou Médio, de qualquer modalidade de ensino. Art. 3º - São considerados público-alvo da Educação Especial, para efeito do que se dispõe a presente resolução, os alunos com: I – Deficiência; II – Transtorno do Espectro Autista; III – Altas Habilidades ou Superdotação. § 1º Aos alunos público-alvo da Educação Especial, devidamente matriculados na rede de ensino, será assegurado Atendimento Educacional Especializado – AEE, a ser ofertado em salas de recursos dessa rede de ensino, inclusive na modalidade itinerante..., que ofereçam esse atendimento, exclusivamente, no contraturno da frequência do aluno nas classes comuns do ensino regular. § 2º Todos os profissionais da escola estarão no atendimento aos alunos público-alvo da Educação Especial, com o objetivo de reduzir ou eliminar barreiras, proporcionando o apoio necessário a todos eles. RESOLUÇÃO SE 61, de 11-11-2014 (ANTIGA) Art. 1º - São considerados, para fins do disposto nesta resolução, como público-alvo da Educação Especial, nas unidades escolares da rede estadual de ensino, os alunos que apresentem: I – Deficiência; II – Transtornos Globais do Desenvolvimento – TGD; III – Altas Habilidades ou Superdotação. Art. 2º - Fica assegurado a todos os alunos, público-alvo da Educação Especial, o direito à matrícula em classe ou turmas do Ensino Fundamental, ou Médio, de qualquer modalidade de ensino. § 1º - Aos alunos, público-alvo da Educação Especial, já matriculados na rede estadual de ensino, será assegurado o Atendimento Pedagógico Especializado – APE, com condições de acesso e apoio à aprendizagem, bem como à sua continuidade. § 2º - Os alunos, a que se refere parágrafo 1º deste artigo, serão encaminhados para o Atendimento Educacional Especializado – APE adequado a suas deficiências, ou transtornos globais do desenvolvimento, ou, ainda, às altas habilidades/superdotação, após avaliação pedagógica, a ser disciplinada em regulamento específico. Atendimento Educacional Especializado Resolução SE 68, de 12 de dezembro de 2017
  • 12. Atendimento Educacional Especializado Resolução SE 68, de 12 de dezembro de 2017 Artigo 15 - O Professor Especializado, no exercício das atividades a que se referem o parágrafo 1º do artigo 14 desta resolução, quanto ao Atendimento Educacional Especializado -AEE, atuará cumprindo a totalidade de 10 (dez) aulas, para cada turma, sendo 8 (oito) aulas, para fins de acompanhamento dos alunos na Sala de Recursos, e 2 (duas) aulas para observação e/ou ao acompanhamento de alunos em suas aulas regulares. Artigo 16 - A observação e/ou o acompanhamento dos alunos no horário regular de aula, conforme disposto no artigo 15, ocorrerá de acordo com a seguinte ordem de prioridade: I - Pelo próprio Professor Especializado que já atende o(s)aluno(s) na Sala de Recursos ou Itinerância; II - Por outro Professor Especializado na área da área da deficiência, do transtorno do espectro autista, das altas habilidades ou superdotação que já atua na escola na qual o(s) aluno(s) está(ão) matriculado(s) sempre que comprovada a impossibilidade de atendimento ao disposto no inciso I deste artigo; III - Por Professor Especializado que atua na modalidade itinerante em escola diversa da que o(s) aluno(s) está(ão) matriculado(s) sempre que comprovada a impossibilidade de atendimento ao disposto nos incisos I e II deste artigo. Parágrafo único - Na ausência de docente para atuar na conformidade das hipóteses previstas nos incisos I a III deste artigo, o atendimento poderá ser feito por professores de instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos, desde que ocorra na classe comum do ensino regularem que os alunos estejam matriculados.
  • 13. Atendimento Educacional Especializado Resolução SE 68, de 12 de dezembro de 2017 Artigo 17 - Compete ao Professor Especializado: I - participar da elaboração da proposta pedagógica da escola; II - realizar a avaliação pedagógica inicial dos alunos público-alvo da Educação Especial, dimensionando a natureza e o tipo de atendimento indicado, além do tempo necessário à sua viabilização; III - orientar e acompanhar a aprendizagem dos alunos das classes/aulas regulares; IV - elaborar relatório descritivo da avaliação pedagógica; V - elaborar e desenvolver o Plano de Atendimento Individualizado dos alunos público-alvo da Educação Especial, em parceria com suas famílias e demais professores; VI- participar dos Conselhos de Classe/Ciclo/Ano/Série/Termo e das aulas de trabalho pedagógico coletivo - ATPC; VII - oferecer apoio técnico-pedagógico ao professor da classe do ensino regular, indicando os recursos pedagógicos e de acessibilidade, bem como estratégias metodológicas; VIII - manter atualizados os registros de todos os atendimentos efetuados, conforme instruções estabelecidas para cada área destinada ao público alvo da Educação Especial; IX - orientar os pais ou responsáveis pelos alunos, bem como a comunidade, quanto aos procedimentos educacionais e encaminhamentos sociais, culturais, laborais e de saúde; X - participar das demais atividades pedagógicas programadas pela escola; XI - orientar funcionários, alunos e professores da escola para a promoção da cultura educacional inclusiva.
  • 14. Ação Judicial Atendimento em Escola Especial Descrição do aluno: Aluno com Transtorno do Espectro Autista, 7 anos, não apresenta comunicação verbal, demonstra suas necessidades por meio de gestos indicativos, possui dependência total para as atividades de vida diária (banho, vestimenta, higiene bucal e uso de fraldas), possui alteração na marcha e motricidade fina, além das dificuldades de realizar trajetos. Decisão: Indeferido Justificativa: Consideradas as suas limitações, a possibilidade de convivência com crianças normais é fundamental para estimulá-lo a desenvolver essas habilidades. Não tem como substituir a diversidade e cultura escolar. Se a criança tem dificuldade de sociabilizar e desde cedo tiramos essa oportunidade de estar em um meio social, vamos condenar essa pessoa a ter uma vida adulta mais dependente ainda. Apesar dos desafios da inclusão, a experiência registrada por especialistas, e também aquela colhida nas diversas execuções em trâmite nesta vara, demonstram que, vencidos os primeiros obstáculos, o convívio da criança com autismo com outras crianças da mesma idade em escola regular estimulam o desenvolvimento das habilidades desejáveis para uma vida mais independente. Providência: Profissional habilitado para as atividades pedagógicas.
  • 15. PÚBLICO-ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO SE 68, DE 12-12-2017 ATENDIMENTO NA SALA DE RECURSOS – RELAÇÃO DE CID DEFICIÊNCIA INTELECTUAL F70 – Deficiência Intelectual Leve F71 – Deficiência Intelectual Moderada F72 – Deficiência Grave F73 – Deficiência Intelectual Profunda F79 – Deficiência Intelectual Não Específica Q99.2 – Síndrome do X Frágil Q90.0 – Síndrome de Down Q91.0 – Síndrome de Edwards e Síndrome de Patau Q87.1 – Síndrome Prader Willi Q 93.8 – Síndrome de Williams Q99.8 – Síndrome de Pallister Killian Q 86.0 – Síndrome de Alcoólico Fetal TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA F84.0 – Autismo Infantil F84.1 – Autismo Atípico F84.2 – Síndrome de Rett F84.3 – Outro Transtorno Desintegrativo da Infância F84.4 – Transtorno com Hipercinesia Associada a Retardo Mental e a Movimentos Estereotipados F84.5 – Síndrome de Asperger F84.8 – Outros Transtornos Invasivos do Desenvolvimento F84.9 – Transtornos Globais Não Especificados do Desenvolvimento DEFICIÊNCIA VISUAL H54 – Cegueira e visão subnormal H54.0 – Cegueira ambos os olhos H54.1 – Cegueira em um olho e visão subnormal em outro H54.2 – Visão subnormal de ambos os olhos H54.3 – Perda não qualificada da visão em ambos os olhos H54.4 – Cegueira em um olho H54.5 – Visão subnormal em um olho H54.6 – Perda não qualificada da visão em um olho H54.7 – Perda não especificada da visão DEFICIÊNCIA AUDITIVA H90 – Perda de audição bilateral devida a transtorno de condução H90.1 – Perda de audição unilateral por transtorno de condução, sem restrição de audição contralateral H90.2 – Perda não especificada de audição devida a transtorno de condução surdez de condução SOE H90.3 – Perda de audição bilateral neurossensorial H90.4 – Perda de audição unilateral neurossensorial, sem restrição de audição contralateral H90.5 – Perda de audição neurossensorial não especificada H90.6 – Perda de audição bilateral mista, de condução e neurossensorial H90.7 – Perda de audição unilateral mista, de condução e neurossensorial, sem restrição de audição contralateral H90.8 – Perda de audição mista, de condução e neurossensorial, não especifica DEFICIÊNCIA FÍSICA G80 – Paralisia Cerebral G80.0 – Paralisia Cerebral Quadriplágica Espástica G80.1 – Paralisia Cerebral Diplégica Espástica G80.2 – Paralisia Cerebral Hemiplégica Espástica G80.3 – Paralisia Cerebral Discinética G80.4 – Paralisia Cerebral Atáxica G80.8 – Outras formas de Paralisia Cerebral G80.9 – Paralisia Cerebral não Especificada
  • 16. PÚBLICO-ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO SE 68, DE 12-12-2017 NÃO ATENDER NA SALA DE RECURSOS – RELAÇÃO DE CID TRANSTORNO DO DESENVOLVIMENTO PSICOLÓGICO E TRANSTORNO ESPECÍFICO DA APRENDIZAGEM F80 – Transtorno específico do desenvolvimento da fala e linguagem F81 – Transtorno específico do desenvolvimento das habilidades escolares F81.0 – Transtorno específico da leitura F81.1 – Transtorno específico de soletrar F81.2 – Transtorno específico de habilidades aritméticas F81.3 – Transtorno misto das habilidade escolares F81.8 – Outros transtornos do desenvolvimento das habilidades escolares F81.9 – Transtorno específico do desenvolvimento das habilidades escolares não especificados F83.0 – Transtornos específicos mistos do desenvolvimento F88 – Transtorno do desenvolvimento psicológico F90.2 – Transtorno de déficit de atenção / hiperatividade TRANSTORNO EMOCIONAL E DE COMPORTAMENTO F90 – Transtornos hipercinéticos F91 – Transtorno de conduta F91.3 – Transtorno desafiador de oposição F20.0 - Esquizofrenia
  • 17. INSTRUÇÃO CGEB, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre à escolarização de alunos com Deficiência e Transtorno do Espectro Autista (TEA) da Rede Estadual de ensino de que trata a Resolução SE nº 61 /2014 DEFICIÊNCIA AUDITIVA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL DEFICIÊNCIA VISUAL *DEFICIÊNCIA FÍSICA TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA - TEA Anexo I – Dados Individuais do Aluno com Surdez Anexo II – Avaliação Funcional Anexo III – Plano de Atendimento Individualizado Anexo I – Avaliação Pedagógica Inicial Anexo II – Plano de Atendimento Individualizado Anexo III – Registro de Adaptação Curricular Anexo I – Avaliação Pedagógica Inicial Anexo II – Avaliação Funcional Anexo III – Plano de Atendimento Individualizado Anexo I – Avaliação Pedagógica Anexo II – Plano de Atendimento Individualizado Anexo III – Autorização para Profissional de Apoio Anexo I – Avaliação Pedagógica Inicial Anexo II – Plano de Atendimento Individualizado Anexo III – Ficha de Acompanhamento e/ou Registro de Adaptação Curricular Resolução SE nº 68/2017 ADAPTAÇÕES DE ACESSO AO CURRÍCULO: A adaptação de acesso ao currículo trabalhado na classe comum implica no planejamento das ações pedagógicas dos docentes. Entende-se por adaptação do acesso ao currículo a utilização de tecnologia assistiva, material ampliado ou Braille, interlocutor de LIBRAS e outros recursos pedagógicos para alunos com Deficiência Física, Deficiência Auditiva e Deficiência Visual. ADAPTAÇÕES CURRICULARES: a adaptação do currículo regular implica no planejamento das ações pedagógicas dos docentes, de forma a possibilitar variações no objetivo, no conteúdo, na metodologia, nas atividades, na avaliação e na temporalidade do processo de aprendizagem dos alunos com Deficiência Intelectual e Transtorno do Espectro Autista – TEA. (Realizada pelo(a) professor(a) do Ensino Regular mesmo que o aluno não esteja matriculado na Sala de Recursos) ADAPTAÇÕES CURRICULARES DE ACESSO AO CURRÍCULO: são modificações ou provisão de recursos espaciais, materiais, pessoais ou de comunicação que auxiliarão no desenvolvimento global dos alunos com Transtorno do Espectro Autista – TEA.
  • 18. INSTRUÇÃO CGEB, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre a escolarização de alunos com Deficiência e Transtorno do Espectro Autista (TEA) da Rede Estadual de ensino de que trata a Resolução SE nº 61 /2014 AVALIAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL Para estabelecer parâmetros de Atendimento *Pedagógico Especializado - APE aos alunos público-alvo da Educação Especial faz-se necessário que um professor especializado realize a avaliação inicial, conforme Anexos da Instrução, a ser realizada no ato da matrícula do aluno na Sala de Recursos, com reavaliação ao final de cada ano letivo. *Educacional Resolução SE nº 68/2017 INFORMAÇÕES DA AVALIAÇÃO: I. Dados Gerais II. Intervenção, interação afetiva, social e familiar III. Avaliação pelo professor especializado 8. Habilidades Acadêmicas – Trabalho Colaborativo, parceria entre professores(as) do Ensino Regular e do Atendimento Educacional Especializado. IV. Comprometimento nas habilidades do comportamento adaptativo V. Observação do(a) professor(a) especializado(a) e condutas a serem seguidas VI. Profissionais que assinam a Avaliação Pedagógica  Professor(a) especializado(a)  Professor(a) coordenador(a)  Diretor(a)  PCNP de Educação Especial  Supervisora de Educação Especial
  • 19. INSTRUÇÃO CGEB, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre a escolarização de alunos com Deficiência e Transtorno do Espectro Autista (TEA) da Rede Estadual de ensino de que trata a Resolução SE nº 61 /2014 ANEXO II PLANO DE ATENDIMENTO INDIVIDUALIZADO – PAI Após a realização da avaliação inicial, deverá ser elaborado o Plano de Atendimento Individualizado (PAI), conforme Anexo II desta Instrução. O PAI representa um instrumento para definição de metas e estratégias para atendimento dos alunos, a partir do processo inicial de avaliação e deve nortear as ações de acesso e de habilidades na Sala de Recursos, apontando o trabalho a ser desenvolvido com o aluno, a partir de suas potencialidades e necessidades. Resolução SE nº 68/2017
  • 20. INSTRUÇÃO CGEB, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre a escolarização de alunos com Deficiência e Transtorno do Espectro Autista (TEA) da Rede Estadual de ensino de que trata a Resolução SE nº 61 /2014 REGISTRO DA ADAPTAÇÃO CURRICULAR Anos Iniciais Resolução SE nº 68/2017
  • 21. INSTRUÇÃO CGEB, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre a escolarização de alunos com Deficiência e Transtorno do Espectro Autista (TEA) da Rede Estadual de ensino de que trata a Resolução SE nº 61 /2014 REGISTRO DA ADAPTAÇÃO CURRICULAR Anos Finais e Ensino Médio Resolução SE nº 68/2017
  • 22. “O objetivo da educação inclusiva não é tornar todas as crianças iguais, e sim respeitar e valorizar as diferenças” Andrea Ramal
  • 23. Referências Bibliográficas BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: 2008. Disponível para download em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf>. Acesso em: 30 de junho de 2020. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Operacionais da Educação Especial para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica. Brasília: 2008. Disponível para download em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=428-diretrizes-publicacao&Itemid=30192>. Acesso em: 02 de julho de 2020. BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução Nº 4. de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de outubro de 2009. Disponível para download em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf >. Acesso em: 02 de julho de 2020. BRASIL. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. UNESCO, Jomtiem/Tailândia, 1990. Disponível no site: https://www.unicef.org/brazil/declaracao-mundial-sobre-educacao-para-todos-conferencia-de- jomtien-1990>. Acesso em: 08 de julho de 2020. SÃO PAULO. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. CAPE Centro de Apoio Pedagógico. Instrução CGEB, de 14 de janeiro de 2015. Dispõe sobre a escolarização de alunos com Deficiência e Transtorno do Espectro Autista. Disponível para download em: http://cape.edunet.sp.gov.br/cape_arquivos/instrucoes_estadual.asp>. Acesso em: 08 de julho de 2020. SÃO PAULO. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Resolução SE 68, de 12 de dezembro de 2017. Dispõe sobre o atendimento educacional especializado aos alunos, público-alvo da Educação Especial, na rede estadual de ensino. Disponível para download em: http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/detresol.asp?strAto=201712120068>. Acesso em: 13 de julho de 2020.