SlideShare uma empresa Scribd logo
Elaboração de projetos
para editais empresariais
          e públicos

 http://www.slideshare.net/micfre12
Serviços Criando

                                        Desenvolvimento institucional
                                        Técnica Jurídica
                     Terceiro Setor     Gestão
                                        Marketing e Comunicação
                                        Planejamento estratégico
Consultoria


                                           Responsabilidade Social
                       Empresas
                                           Desenvolvimento Sustentável



Palestras, Cursos e Oficinas          Assessoria para implementação de
                                      PMRS
Feeling / Intuição



Exercício:
O taco e bola custam R$
1,10.

O taco custa R$ 1 a
mais que a bola.

Valor do taco?
Valor da bola?
Não dependa da
 intuição
Para Daniel Kahneman, Nobel de
Economia, é um grande risco
tomar decisões usando a área
preguiçosa e irracional do
cérebro. A mente é comandada
por 2 sistemas (rápido e lento)
CAPTAÇÃO DE RECURSOS
             Características da Atividade



  Atividade planejada e complexa
envolve marketing, comunicação,
relações públicas, elaboração de
projetos, questões jurídicas e de
natureza ética

  Objetivo: geração de diferentes
recursos (financeiros, materiais e
humanos)

  Apoio à finalidade principal da
organização (meio para que a
entidade cumpra sua missão)
OS SETORES DA SOCIEDADE

Agentes          Fins        Setor

Privados        Privados   Mercado

Públicos        Públicos    Estado

Privados        Públicos    3º Setor

Públicos        Privados   Corrupção


                                Fonte: Fernandes, 1998
QUEM É QUEM? PESSOA JURÍDICA, TÍTULO OU
               DENOMINAÇÃO?



  Associações        Instituições     OSCIP


  Fundações
                                       UPF
                     Institutos

  Sociedades
                                    Filantrópicas
                       ONG
 Organizações
  Religiosas
                                        OS
                     Entidades
Partidos Políticos
TIPOS DE RECURSOS
RECURSOS



Humanos

Voluntários (conselheiros,
diretores e corpo de
voluntariado), parceiros,
doadores de serviços,
funcionários, etc.
RECURSOS

Financeiros
Dinheiro
RECURSOS




Materiais

Materiais de usos
gerais, veículos,
materiais de
construção,
computadores,
alimentos, etc.
TIPOS DE CAMPANHAS


  Campanha Anual

  Campanha Capital

  Campanhas Para Projetos
CAMPANHA ANUAL


 Desempenho anual da
organização e seus programas
   Despesas operacionais
(funcionários, aluguel, telefone,
comunicação, materiais de uso
geral, etc.)
   É mais difícil captar para essa
finalidade
CAMPANHA ANUAL

  Normalmente são utilizados
projetos de doação do tipo
“adote”
   As fontes de recursos mais
utilizadas são:
   – indivíduos, eventos,
   convênios com governo
CAMPANHA CAPITAL

  Campanha de grande porte
   Pontual
   Objetiva investimentos em
ativos fixos:
    – Construção
    – Reforma
    – Ampliação de edifício
    – Pesquisa
    – Fundos patrimoniais,
    etc.
CAMPANHAS PARA PROJETOS



           Projeto

        “Projeto é um
  empreendimento planejado
que consiste num conjunto de
atividades inter-relacionadas e
  coordenadas, com o fim de
alcançar objetivos específicos
dentro dos limites de tempo e
     de orçamento dados”.
CAMPANHAS PARA PROJETOS


 São pontuais, com começo,
meio e fim; concretizado o
projeto, encerra-se a
campanha

  Objetivam o
desenvolvimento e a
realização de um projeto
específico
CAMPANHAS PARA PROJETOS

  Expedições, edição de livros,
shows, produção de discos,
produções teatrais, participação
em paraolimpíada, recuperação
de águas, reflorestamento, etc.
VANTAGENS DA ELABORAÇÃO DE
           PROJETOS




Aumento das possibilidades de
  financiamento

• Financiadores compreendem melhor:

   – Onde a organização quer chegar

   – Como chegar

   – Quem vai trabalhar

   – Quanto custa tudo

   – Qual o impacto social            19
ROTEIRO

1.    Apresentação Institucional
2.    Identificação do Projeto – Resumo
3.    Cenário
4.    Justificativa do Projeto: (O porquê.)
5.    Público Alvo (quem? – perfil das
      pessoas atendidas)
6.    Objetivos (o quê?)
7.    Quadro de Metas
8.    Metodologia (como?)
9.    Estratégias
10.   Indicadores e avaliação
11.   Cronograma
12.   Equipe
13.   Orçamento
FONTES DE FINANCIAMENTO /
       RECURSOS
PRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS /
                    FINANCIAMENTO / ESTRATÉGIAS

      Iniciativa                                                    EVENTOS
       privada                            Governos


                                Federal              Estadual               PROJETOS
Empresas       Indivíduos
 Institutos corprativos         Municipal         Internacional

                                                                     PARCERIAS
                          Organizações
                           Religiosas
                                                                         Projetos de
                                                                      Geração de Renda

        Fundações                           Fontes                Venda       Endowment
                                         Institucionais
                                                                     Prestação de serviços

        Pela causa           Comunitárias       Fundos     Ongs       MRC      Alugueis

Empresariais       Familiares      Agências Internacionais                Mantenedores
FONTES DE RECURSOS



Essencial

  Diversificação das fontes de recursos

    — Legitimidade social

    — Diminuição do risco
FONTES DE RECURSOS
DISTINÇÃO IMPORTANTE PARA O
               CAPTADOR DE RECURSOS




     FILANTROPIA                  INVESTIMENTO SOCIAL
  Ação social externa de                  PRIVADO
 uma organização, tendo             Repasse voluntário de
como beneficiária principal   X     recursos privados de
a comunidade e/ou outras               forma planejada,
      organizações                 monitorada e sistemática
                                    para projetos sociais,
                                   ambientais e culturais de
                                      interesse público
PROSPECÇÃO DE INVESTIDORES
   Investimento Social Privado


     Realizado por empresas,
   fundações e “institutos” de origem
   empresarial ou instituídos por
   indivíduos
     Tem natureza distinta do
   marketing, promoção de vendas,
   patrocínios, políticas e benefícios
   de RH que objetivam interesses da
   empresa
PROSPECÇÃO DE
     INVESTIDORES
Investimento Social Privado


ISPs ESCOLHEM UM FOCO DE
ATUAÇÃO
  Evitam colaborar com projetos
de forma casuística e pontual
   Consideram que a falta de foco
dificulta a avaliação dos
resultados e diminui o impacto
  Ou seja, recomendam focar em
um tema ou causa
PROSPECÇÃO DE
     INVESTIDORES
Investimento Social Privado
 ISPs AVALIAM A
 SUSTENTABILIDADE DA
 INICIATIVA
   Equilíbrio e continuidade
   Definir orçamento e a
 periodicidade em que o
 investimento social irá ocorrer
   Garantir a gestão adequada
 dos recursos
   Ter lideranças envolvidas na
 ação de investimento social é
 também uma estratégia de
 sustentabilidade.
FUNDAÇÕES


       Vantagens                 Instrumentos Necessários

  Dão credibilidade                profissionais capacitados
                                 para elaborar projetos
  Somas substanciais (uma
parcela ou três anos)             Projetos diferenciados e
                                 multiplicadores
  Auxílio no desenho de
indicadores                        Geração de renda
  Possuem missão clara –           Pesquisa sobre as formas de
facilidade de identificação      acesso
  Falam a “mesma língua”           Controle de resultados
FUNDAÇÕES



  Processo de solicitação de
recursos padronizado (a maioria,
nacional ou internacional)

  No Brasil, a maior referência é o
GIFE (Grupo de Institutos,
Fundações e Empresas)
NO MUNDO
EDITAIS
DICAS PARA SOLICITAÇÃO

Uma proposta bem sucedida
  Possibilita verificar se o investimento resultará num impacto de
longo prazo (sustentabilidade)
  Aponta o problema, os objetivos, metas e meios de avaliação para
enfrentá-lo
  Comprova que a entidade tem capacidade, conta com líderes
capazes e comprometidos
  Apresenta maneiras inovadoras e consistentes para resolver
problemas
  Estar em sintonia com as prioridades da organização investidora
INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO
                  Características

  Os investidores sociais privados
estão preocupados com os resultados
obtidos, as transformações geradas e
a cumplicidade da comunidade para
com o desenvolvimento da ação
  Existe forte preocupação com o
monitoramento dos projetos e a
avaliação de resultados
EDITAIS

Investidores passam a ser definido não apenas
com base em vínculos ou interesses de
relacionamento da alta gestão. A seleção dos
projetos passa pelo crivo de especialistas que
levam em consideração a capacidade do
proponente em planejar, executar e avaliar o
projeto, agregando valor positivo à marca das
empresas ao mesmo tempo em que atendem
aos anseios da sociedade.
EDITAIS
      Características

   Buscam a democratização
da captação de recursos para
iniciativas socioambientais.
  Sinaliza a seriedade do
investimento
  Seleção pública, igualitária
e com regras bem definidas
EDITAIS
      Características
  Investidores com políticas
de responsabilidade social e
investimento cultural
definidas, direcionando
recursos para causas e
regiões geográficas
específicas.
  Doação pura e simples x
projeto definindo metas e
avaliando resultados.
EDITAIS

      Dicas

1) Planeje e elabore todo o projeto ANTES do preenchimento do edital,
   tenha um caso bem escrito: valores a captar e necessidades sociais
EDITAIS

      Dicas




2) Esteja em dia com as obrigações fiscais, trabalhistas e estatutárias
EDITAIS

       Dicas

3) Verifique o objetivo do edital e as áreas de investimento
   socioambiental (atividades, áreas de atuação, etc.) – Muita
   pesquisa sobre a empresa, instituto ou fundação
EDITAIS

Dicas

4) Verifique que tipo de organização pode ou não pode
participar, se há necessidade de contrapartidas
EDITAIS

Dicas

5) O desconhecimento
   das instruções do
   edital ou o não
   entendimento
   dificilmente poderão
   ser aceitos como
   razões para justificar
   quaisquer erros ou
   divergências
EDITAIS

     Dicas


6) Fique atento
para a possibilidade
de eventuais
aditamentos ou
esclarecimentos a
respeito do edital
EDITAIS

   Dicas

7) Verifique a forma correta de inscrição do projeto (via internet,
correio, etc.) além da data de início e término
EDITAIS

Dicas


                  8) Confira se existem
                  formulários próprios,
                  veja também se o
                  número de caracteres
                  está definido
EDITAIS

Dicas




9) Veja se o edital exige que documentos sejam anexados, tais
como estatutos, atas, certidões, etc.
EDITAIS

Dicas

10) Observe com quem ficaram os eventuais direitos autorais
   relacionados ao projeto (relatórios, vídeos, imagens, músicas,
   etc.)
EDITAIS

     Dicas




11) Veja se existe alguma comissão ou mecanismo para a
resolução de casos omissos
EDITAIS

Dicas

12) Certifique-se do
valor máximo de
investimento
socioambiental constante
do edital (veja os
recursos disponíveis, os
critérios e formas de
desembolso)
EDITAIS

Dicas

13) Não esqueça de verificar se existe algum modelo a ser
    adotado para cronograma físico-financeiro
EDITAIS

    Dicas




14) Observe as etapas e critérios de avaliação e seleção dos
    projetos, inclusive quanto à possibilidade de eventuais recursos
EDITAIS

Dicas



                  15) Veja os meios
                  e prazos para a
                  divulgação dos
                  resultados
EDITAIS

    Dicas




16) Analise as
contrapartidas exigidas
pelo investidor social
EDITAIS

Dicas

17) Verifique a maneira pela qual a implementação dos projetos
será acompanhada pelo investidor social
EDITAIS

     Dicas


18) Conheça
detalhadamente o
procedimento para
prestação de contas
EDITAIS

Dicas
19) Verifique os projetos contemplados nos anos anteriores por
quem propõe o edital analisando se a sua causa está incluída nas
prioridades da organização selecionada
EDITAIS

Dicas
               Os investidores sociais
            privados            estão
            preocupados      com     a
            causa, mas também com
            os resultados obtidos, as
            transformações geradas
            e a cumplicidade da
            comunidade para com o
            desenvolvimento da ação
                     Existe      forte
            preocupação     com      o
            monitoramento         dos
            projetos e a avaliação de
            resultados
ORÇAMENTO E CRONOGRAMA
ORÇAMENTO INSTITUCIONAL

Conceito



Orçamento são planos de uma organização em termos
financeiros que funciona como uma declaração de
metas para o período seguinte   (um ano ou mais).
ORÇAMENTO DA CAMPANHA /
       PROJETO



    Dimensionamento dos
  recursos a captar
     Demonstrar acuidade e
  transparência
    Criar planilhas para
  examinar simulações em
  condições diferentes
    Previsão de resultados
ORÇAMENTO
INSTITUCIONAL /
   PROJETO


Dois momentos:
 — Previsão das
 despesas e receitas (do
 ano seguinte, da
 inauguração, do evento)
 — Acompanhamento
 das despesas e
 comparação com o
 orçado
ORÇAMENTO
INSTITUCIONAL /
   PROJETO


   Furo x Desvio
    Criar planilhas para
 simulações em condições
 diferentes
   Informar o que será feito,
 caso o montante total
 necessário não puder ser
 captado
ORÇAMENTO (MODELO DETALHADO)
                                                      M.OBRA em MATERIAL em
                 DESCRIÇÃO                   QTDE.
                                                          R$        R$
DEMOLIÇÃO                                                15.000,00    3.810,00
PAREDES                                      300 M³       2.500,00      650,00
PISOS                                        340 M²       4.500,00      780,00
RETIRADA DO FORRO EXISTENTE                  340 M²       3.500,00    1.080,00
RETIRADA DO PISO DO PATEO                    370 M²       4.500,00    1.300,00
DIVERSOS/ALVENARIA                                       35.232,00   18.725,00
EXECUÇÃO DE UM CONTRAPISO NO SALÃO           340 M²       5.100,00    3.400,00
EXECUÇÃO DEUM CONTRAPISO PISO NO DEPÓSITO    40 M²          600,00      400,00
EXECUÇÃO DE UM COMPLEMENTO DE ESCADA         VB           2.500,00    1.000,00
ABERTURA DE RASGOS NA ALVENARIA P/ELETRICA   VB           2.000,00
ARREAMATES DE TUBULAÇÃO DE ELÉTRICA          VB           2.400,00    1.000,00
IMPERMEABILIZAÇÃO DO PISO DO PATEO           370 M²      15.996,00
ARREMATES DE MASSA DAS PAREDES               VB           1.440,00      800,00
EXECUÇÃO DE PISO ESTAMPADO DO PATEO          370 M²       5.196,00   12.125,00
AR CONDICIONADO                                          40.000,00   55.000,00
RETIRADA DA TUBULAÇÃO EXISTENTE              VB           5.000,00
INSTALAÇÃO DE TUBULAÇÃO E DUTOS              VB          15.000,00
INSTALAÇÃO DAS MAQUINAS E PAINÉIS            10 PÇ       15.000,00
INSTALAÇÃO DE GRELHAS E DIFUZORES            VB           5.000,00   55.000,00
ACABAMENTO DE PAREDES E TETO                             22.300,00    2.700,00
FORRO DE GESSO                               150 M²       5.250,00
JUNTAS DE DILATAÇÃO                          150 ML       2.250,00
DIVISÓRIAS                                   100 M²       7.000,00
                                             200 M²
PINTURA DAS PORTAS E PAREDES                 8 PÇ         2.500,00    1.200,00
CONSERTOS ,ARREMATES E ABERTURA DE BURACOS   VB           1.500,00
TRATAMENTO DE CONCRETO                       250 M²       3.800,00    1.500,00
ORÇAMENTO (MODELO RESUMIDO)

                                  M.OBRA em MATERIAL em
             DESCRIÇÃO
                                     R$         R$
                                                                TOTAL           %
F     PISO                           14.632,00     25.751,00       40.383,00   6,4%
      DEMOLIÇÃO + ACABEMENTO DE
A/D   PAREDES                        37.300,00      6.510,00       43.810,00   6,9%
B     DIVERSOS/ALVENARIA             35.232,00     18.725,00       53.957,00   8,5%
E     ELÉTRICA E HIDRÁULICA          29.650,00     31.000,00       60.650,00   9,6%
      PORTAS E DIVISÓRIAS
G     ACÚSTICAS                      11.100,00     57.440,00       68.540,00   10,9%
C     AR CONDICIONADO                40.000,00     55.000,00       95.000,00   15,0%
 I    CADEIRAS DO AUDITÓRIO                -      108.000,00      108.000,00   17,1%
H     EQUIPAMENTOS DIVERSOS          20.000,00    141.000,00      161.000,00   25,5%
      TOTAIS                       187.914,00    443.426,00    631.340,00      100,0%
ORÇAMENTO (MODELO RESUMIDO) TOTAL 631 MIL



               Porcentagem por tipo de serviço


                                        6%
                 25%                                  7%
                                                                    9%




                                                                         10%

              17%
                                                              11%
                                15%


PISO                      DEMOLIÇÃO + ACABEMENTO DE PAREDES          DIVERSOS/ALVENARIA

ELÉTRICA E HIDRÁULICA     PORTAS E DIVISÓRIAS ACÚSTICAS              AR CONDICIONADO

CADEIRAS DO AUDITÓRIO     EQUIPAMENTOS DIVERSOS
CRONOGRAMA - Físico
                     CRONOGRAMA INICIAL                              Set           Out         Nov
                     Ação                           Responsável    4 11 18 25 2   9 16 23 30 6 13 20 27
Definições gerais
 Identidade do Hospital - escolher um nome               Dir
 Captar / contratar parceiro de identidade visual     Dir e DI
 Consolidar e iniciar a disseminação da Missão e
                                                      Dir e DI
 Visão p/ público interno
 Reuniões do DI                                DI / CR e Dir
 Definição dos valores a captar, metas e
                                                 CR e Dir
 prioridades
 Consolidar justificativas e quantificação dos
                                                    CR
 valores e benefícios
Comunicação de apoio a captação de recursos
 Orçar e Implementação do site                       a contratar
 Elaboração de peça de captação impressa para
                                                     a contratar
 pessoas físicas e jurídicas
 Vídeo Institucional                                     Dir
                                                                            68
 Coordenação dos elementos terceirizados                 DI
CRONOGRAMA Físico - Financeiro
HOJE 1/10/2006
1                  - Salão - Orçamento         631.340        8.005           3.575            41.357              10.000              54.618          157.485




                                                                                          25
                                                                                               26
                                                                                                    27
                                                                                                         28
                                                                                                              29
                                                                                                                   30
                                                                                                                        31
                                                                                                                             32
                                                                                                                                  33
                                                                                                                                       34
                                                                                                                                            35
                                                                                                                                                 36
                                                                                                                                                      37
                                                                                                                                                           38
                                                                                                                                                                39
                                                                                                                                                                     40
                                                      1




                                                          1
                                                              2
                                                                  3
                                                                      4
                                                                          5
                                                                              6
                                                                                  7
                                                                                      8
C
                                            SEM QTD
D                        TAREFA
                                             INI    SEM
                                                          jan-06          fev-06           jul-06             ago-06              set-06              out-06
T
                                              1       4   # # # #
          DEMOLIÇÃO DAS PAREDES, PISOS,
8   1                                          VALOR          6.180
           TUBULAÇÕES E PALCO ANTIGO            6.180
                                              4       2               # #
8   2            INSTALAÇÃO DE HIDRANTE        VALOR          1.825           1.825
                                                3.650
                                             3     3
8   3   EXECUÇÃO DA NOVA CABINE DE SOM        VALOR

                                             7       2                            # #
8   4       RETIRADA PARCIAL DO FORRO         VALOR                           1.750
                                               1.750
                                             25      2                                    # #
           QUEBRA DO PISO DO PATIO E DA
8   5                                         VALOR                                             5.800
                    CANTINA                    5.800
                                             26      2                                         # #
9   6            ARREMATES DAS PAREDES        VALOR                                             2.240
                                               2.240
                                             27      2                                              # #
        IMPERMEABILIZAÇÃO E EXECUÇÃO DO
8   7                                         VALOR                                            33.317
           NOVO PISO DA PATIO E CANTINA       33.317
                                             29      4                                                        # # # #
             ELABORAÇÃO DE PROJETOS
8   8                                         VALOR                                                                10.000
          (ARQUITETURA, SOM, ILUMINAÇÃO)      10.000
                                             33      3                                                                            # # #
        DEMOLIÇÃO E RETIRADA DO FORRO E
8   9                                         VALOR                                                                                        5.080
           PISO DE MADEIRA EXISTENTE           5.080
                                             34      1                                                                                 #
8 10         RETIRADA DOS DUTOS DE AR         VALOR                                                                                        4.000
                                               4.000
                                             35      5                                                                                      # # # # #
          INSTALAÇÃO DAS TUBULAÇÕES DE
8 11                                          VALOR                                                                                        6.360            9.540
              ELÉTRICA , SOM, LOGICA          15.900
                                             37      4                                                                                                # # # #
8 12       FIAÇÃO ELÉTRICA , SOM , LOGICA     VALOR                                                                                                        10.000
                                              10.000
Captação de Recursos
               Questionamentos do financiador


Se você estivesse avaliando fazer uma doação para um projeto social,
que perguntas você faria a si mesmo ou aos responsáveis pelo projeto?
Captação de Recursos
 Questionamentos de um
       financiador
Consciente ou
inconscientemente, os
doadores fazem os seguintes
questionamentos:

  Qual o objetivo desse
projeto? Isso é possível?

  Quais são os serviços
oferecidos? Qual a qualidade
desses serviços? Qual o
impacto desse trabalho na vida
das pessoas?

  Qual a estrutura do projeto
ou organização?
Captação de Recursos
Questionamentos de um
      financiador

 Os financiadores fazem os
 seguintes questionamentos:

   Quem são as pessoas que
 estão à frente desse projeto?
 Essas pessoas têm
 capacidade para oferecer o
 que propõe?

    Quais são os planos para
 o futuro do proponente?
 Como eu me enxergo, como
 doador, nesses planos?

   A idéia é sustentável?
Modelo Trevo
(Antonio Luiz de Paula e Silva)
Modelo Trevo
    Um Gestor de
projetos sociais deve
  lidar com quatro
“campos essenciais”
   e suas relações
Modelo Trevo




               Sociedade
                            Público Alvo:
                           quem são, como
                             vivem, quais
                               são seus
                           problemas, qual
                              o contexto
                                 social
Modelo Trevo




              Serviços



Ações, Atividades,
eventos,
metodologia
Modelo Trevo




               Prédio, carros, dinheiro,
               equipamentos, material
  Recursos
               didático, infra-estrutura,
               etc.
Justificativa do Projeto: (O porquê.)
a) Descreva as características sociais, culturais, econômicas e políticas do
público-alvo com o qual o projeto irá trabalhar.

b) Descreva as ações que pretende desenvolver e como poderão
transformar a situação, enumere as alterações esperadas, incluindo tanto
mudanças qualitativas como quantitativas.

c) Enumere qualidades ou características da realidade local e das pessoas
atendidas que poderão contribuir para que as ações planejadas alcancem
os resultados esperados, melhorando a qualidade de vida das pessoas
atendidas.
Justificativa do Projeto: (O porquê.)

Dica:
  Texto descritivo em 1ª pessoa do plural (nós –
associação)      ou   3ª   pessoa    (ela/ele   –
instituto/fundação);
 Deve conter informações de rodapé das fontes: os
dados estatísticos da localidade, público alvo, dados
sobre o desafio;
  A proposta deve ser objetiva e referencial de como
articular-se institucionalmente e agir no desafio,
cumprindo a missão.
Modelo Trevo

                               — Função Primária
                               — Define a direção, o
                               rumo, o foco, o papel
                               do proponente
      Direcionamento           — Buscar equilíbrio
                               entre as necessidades
                               sociais e objetivos
Serviços           Sociedade   — Motivo das doações
Modelo Trevo

É preciso ter equilíbrio
entre:
— Talentos e materiais
                                                Pessoas
— conhecimentos e infra-
estrutura




                                  Capacidade
Não adianta ter somente
boas intenções...




                                               Recursos
Modelo Trevo
             — Talentos e capacidades
             — Voluntários e profissionais
             —Potenciais e conflitos

   Pessoas
Modelo Trevo

       de                        — Capacitação

   lida     Pessoas
                                 — Pessoas nos lugares
 ua                              adequados
Q                                — Processos bem
                                 desenhados
                                 — Sintonia da equipe
 Serviços
Modelo Trevo
                                             M
— Engajamento
                                              ot
                                                iv
— Comprometimento                  Pessoas        aç
com a causa                                         ão


                                             Sociedade
Modelo Trevo

Serviços prestados
— Eficiência
— Qualidade
— Quantidade

Adequação entre os
recursos que tem e os
serviços que presta        Serviços
                        Vi
                          ab




                                       Recursos
                            ili
                               da
                                  de
Modelo Trevo

                    — Diversificar as Fontes de
                    recursos
                    — Transparência
                    — Doação: reconhecimento
                    social



             Sociedade




                        e
                      ad
                    id
Recursos
                   m
                ti
             gi
           Le
Modelo Trevo


                               A arte e desafio do gestor é
            Pessoas            manter as relações
                               equilibradas e harmoniosas


                                      Direcionamento
            Grupo
Serviços
            Gestor
                        Sociedade       Capacidade
                                        Qualidade
                                        Motivação
           Recursos                    Viabilidad
                                       e
                                       Legitimidade
Equipe
   Com funções,
   competências,
   atribuições específicas,
   formação;
   horas de atuação.
AVALIAÇÃO, ACOMPANHAMENTO
  e PRESTAÇÃO DE CONTAS
A avaliação serve para
dentro e para fora:

• para dentro como parte
do planejamento
estratégico, para revisar
os métodos e objetivos

• para fora para atrair e
manter investidores,
promover os projetos.

•Focar um só dos lados
(fora ou dentro) é
desperdiçar energias.
Objetivo Específico:
Escrever o seu objetivo com o método
SMART:

Específica
Mensurável
Atingível
Relevante
Temporal a
Objetivo geral :
Objetivos específicos   Metas                      Indicadores    Meios de verificação




                                                                 93
MONITORAMENTO



 Coordenação geral da
 campanha

 Acompanhamento do
 painel de controle e
 elaboração de
 relatórios

 Acompanhamento dos
 resultados utilizando
 indicadores
AGRADECIMENTOS e FIDELIZAÇÃO




Chave do êxito em todas
as etapas de
desenvolvimento de uma
relação
Base para a construção
de relações sólidas
Nunca é demais
agradecer
PROSPECÇÃO DE EDITAIS

criação do banco de dados

 Onde armazenar informações?
   – Pastas ou fichas; Palm Top, Excel, MOOV, salesforce, e-
   tapestry
  Importante: atualização constante
PROSPECÇÃO DE EDITAIS

  criação do banco de dados

Quero incentivar - http://queroincentivar.com.br
ABCR – www.captacao.org
Gife – www.gife.org.br
Brasilia.org – www.brasilia.org
Patrolink – www.patrolink.com.br
APF - www.apf.org.br
NO MUNDO

– http://foundationcenter.org/

– http://fundsforngos.org

– http://caleidoscop.org

– http://www.lacdonors.org

– http://grants.org

– http://www.iadb.org

–http://wingsweb.org

–http://ec.europa.eu/europeaid
PROSPECÇÃO DE EDITAIS

criação do banco de dados
O PROFISSIONAL DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS
ÁREA DE DESENVOLVIMENTO
      INSTITUCIONAL




                  Opção para um mercado
                competitivo
                  Marketing e comunicação
                  Captação de recursos
                  elaboração de projetos
                   Monitoramento e
                fidelização
ORGANIZAÇÃO COM PROFISSIONAL INTERNO


 Parte do DI
  Remunerado e/ou Voluntário
(Conselho)
 Planejamento, atuação externa e
monitoramento
CAPTADOR DE RECURSOS COMO CONSULTOR


  Novos ares
   Trabalho conjunto com a equipe
interna
  Visão externa
  Facilitador de transições e
ampliações
  Coordenador de campanhas
específicas
ÉTICA NA CAPTAÇÃO DE RECURSOS



Códigos de ética mundiais

  Princípios fundamentais para a tarefa
de captar recursos:
www.captadores.org


    – Legalidade
    – Transparência
    – Eficiência
    – Confidencialidade
ÉTICA NA CAPTAÇÃO DE RECURSOS



Temas Polêmicos

 Remuneração pré-estabelecida

 Confidencialidade dos doadores
Uma pessoa
  comprometida



 faz tudo com atenção aos
 detalhes. Ela presta
 atenção em tudo que faz,
 no detalhe do detalhe;
“ Um sonho que se
  sonha só,
    é só um sonho que
  se sonha só, mas
  sonho que se sonha
  junto é realidade “
Raul Seixas
OBRIGADO
http://www.slideshare.net/micfre12

                       www.criando.net
                       11 – 982-083-790
                        11 – 2307-4495
                      michel@criando.net
Bibliografia

  CRUZ, Célia e ESTRAVIZ, Marcelo. Captação de Diferentes Recursos
para Organizações Sem Fins Lucrativos. Editora Global.
  NORIEGA, Maria Elena e MURRAY, Milton. Apoio Financeiro: Como
Conseguir. Editora TextoNovo.
  KELLEY, Daniel Q. Dinheiro para sua Causa. Editora TextoNovo, 1994.
  CICONTE, Barbara K. e JACOB, Jeanne Gerda. Fund Raising Basics: A
Complete Guide. Aspen Publication, 1997.
  AZEVEDO, Tasso Rezende. Buscando recursos para seus projetos.
TextoNovo1998.
  PAULA E SILVA, Antonio Luiz de Utilizando o planejamento estratégico
como ferramenta de aprendizagem – Efitora Global e Instituto Fonte, 2001
   DRUCKER, Peter. Administração de organizações sem fins lucrativos:
principios e práticas – Editora Pioneira.
  HUDSON, Mike. Administrando organizações do terceiro setor: o
desafio de administrar sem receita – Makron Books.
 LANDIM, Leilah; BERES, Neide. As organizações sem fins lucrativos no
Brasil: ocupação, despesas e recursos – Nau Editora
Bibliografia

 PEREIRA, Custódio. Captação de recursos, Fund Raising – Ed.
Mackenzie.
 EDLES, L. Peter. Fundraising - Hands-on Tactics for NonProfit Groups.
McGraw-Hill, Inc.
 NANUS, Burt. Liderança para o Terceiro Setor: Estratégias de sucesso
para organizações sem fins lucrativos, São Paulo, 2000
 CESNIK, Fábio de Sá. Guia do Incentivo à Cultura
 BARBOSA, Maria Nazaré Lins e OLIVEIRA, Carolina Felippe. Manual de
ONGs, Guia Prático de Orientação Jurídica, 2001
  WEIL, Pierre TOMPAKOW, Roland – O corpo fala – ed vozes
  FUNDAÇÃO ABRINQ, Incentivos Fiscais Em Benefício de criança e
Adolescente. www.fundabrinq.org.br
  CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SÃO PAULO,
Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente www.crcsp.org.br
  GUIA DO FUNDO PRÓ-INFÂNCIA DE PORTO ALEGRE
Bibliografia


FERRAREZI, Elisabete. OSCIP passo a passo – AED – Agência de
Educação para o desenvolvimento.
SENAC (SP) / FUNDAÇÃO ABRINQ, Guia de Gestão: para quem
dirige entidades sociais
Freund, Tomas A Relação Entre Voluntários e Profissionais Numa
Organização do Terceiro Setor: Existe Um Duplo Comando?,
Revista Integração/ FGV,São Paulo, 2006,
http://integracao.fgvsp.br/ano9/10/index.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Captação de Recursos - parte 2
Aula de Captação de Recursos - parte 2Aula de Captação de Recursos - parte 2
Aula de Captação de Recursos - parte 2
Flavia Amorim
 
Curs captaçao, apostila p&b
Curs captaçao, apostila p&bCurs captaçao, apostila p&b
Curs captaçao, apostila p&b
Antonio Carlos Rocha
 
Fontes de Financimento 2 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 2 - Minom PinhoFontes de Financimento 2 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 2 - Minom Pinho
Cultura e Mercado
 
Como montar uma ONG
Como montar uma ONGComo montar uma ONG
Como montar uma ONG
Michel Freller
 
Cananeia 1112 sha1
Cananeia 1112 sha1Cananeia 1112 sha1
Cananeia 1112 sha1
Michel Freller
 
Aula de Captação de Recursos - parte 1
Aula de Captação de Recursos - parte 1Aula de Captação de Recursos - parte 1
Aula de Captação de Recursos - parte 1
Flavia Amorim
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Prof. Leonardo Rocha
 
3 S Jr Publica Captacao
3 S Jr Publica   Captacao3 S Jr Publica   Captacao
3 S Jr Publica Captacao
Marcelo Estraviz
 
Festival 2016 - Como a transparência na gestão possibilita ampliar a captação...
Festival 2016 - Como a transparência na gestão possibilita ampliar a captação...Festival 2016 - Como a transparência na gestão possibilita ampliar a captação...
Festival 2016 - Como a transparência na gestão possibilita ampliar a captação...
ABCR
 
Como elaborar projetos para editais empresariais e públicos | 2014
Como elaborar projetos para editais empresariais e públicos | 2014Como elaborar projetos para editais empresariais e públicos | 2014
Como elaborar projetos para editais empresariais e públicos | 2014
Michel Freller
 
PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...
PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...
PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...
PFC Internacional
 
Plano de captação de recursos
Plano de captação de recursosPlano de captação de recursos
Plano de captação de recursos
Rodrigo Alvarez
 
Editais im 0215_aula1_sha
Editais im 0215_aula1_shaEditais im 0215_aula1_sha
Editais im 0215_aula1_sha
Michel Freller
 
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e PúblicosElaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos
Michel Freller
 
Captação de recursos GESC - CeA, Roche, FISESP_0815
Captação de recursos GESC - CeA, Roche, FISESP_0815Captação de recursos GESC - CeA, Roche, FISESP_0815
Captação de recursos GESC - CeA, Roche, FISESP_0815
Michel Freller
 
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014
Michel Freller
 
Captação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SP
Captação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SPCaptação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SP
Captação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SP
Jonathan Prateat
 
Captação plano generico 301008
Captação plano generico 301008Captação plano generico 301008
Captação plano generico 301008
Michel Freller
 
Festival 2019 - Transparência como instrumento para captação
Festival 2019 - Transparência como instrumento para captaçãoFestival 2019 - Transparência como instrumento para captação
Festival 2019 - Transparência como instrumento para captação
ABCR
 
Editais im 0215_aula_2_sha
Editais im 0215_aula_2_shaEditais im 0215_aula_2_sha
Editais im 0215_aula_2_sha
Michel Freller
 

Mais procurados (20)

Aula de Captação de Recursos - parte 2
Aula de Captação de Recursos - parte 2Aula de Captação de Recursos - parte 2
Aula de Captação de Recursos - parte 2
 
Curs captaçao, apostila p&b
Curs captaçao, apostila p&bCurs captaçao, apostila p&b
Curs captaçao, apostila p&b
 
Fontes de Financimento 2 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 2 - Minom PinhoFontes de Financimento 2 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 2 - Minom Pinho
 
Como montar uma ONG
Como montar uma ONGComo montar uma ONG
Como montar uma ONG
 
Cananeia 1112 sha1
Cananeia 1112 sha1Cananeia 1112 sha1
Cananeia 1112 sha1
 
Aula de Captação de Recursos - parte 1
Aula de Captação de Recursos - parte 1Aula de Captação de Recursos - parte 1
Aula de Captação de Recursos - parte 1
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
 
3 S Jr Publica Captacao
3 S Jr Publica   Captacao3 S Jr Publica   Captacao
3 S Jr Publica Captacao
 
Festival 2016 - Como a transparência na gestão possibilita ampliar a captação...
Festival 2016 - Como a transparência na gestão possibilita ampliar a captação...Festival 2016 - Como a transparência na gestão possibilita ampliar a captação...
Festival 2016 - Como a transparência na gestão possibilita ampliar a captação...
 
Como elaborar projetos para editais empresariais e públicos | 2014
Como elaborar projetos para editais empresariais e públicos | 2014Como elaborar projetos para editais empresariais e públicos | 2014
Como elaborar projetos para editais empresariais e públicos | 2014
 
PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...
PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...
PAULO FRANÇA - Palestra sobre "Captação de Recursos para Projetos" na Assembl...
 
Plano de captação de recursos
Plano de captação de recursosPlano de captação de recursos
Plano de captação de recursos
 
Editais im 0215_aula1_sha
Editais im 0215_aula1_shaEditais im 0215_aula1_sha
Editais im 0215_aula1_sha
 
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e PúblicosElaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos
 
Captação de recursos GESC - CeA, Roche, FISESP_0815
Captação de recursos GESC - CeA, Roche, FISESP_0815Captação de recursos GESC - CeA, Roche, FISESP_0815
Captação de recursos GESC - CeA, Roche, FISESP_0815
 
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014
Elaboração de Projetos para Editais Empresariais e Públicos - 2014
 
Captação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SP
Captação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SPCaptação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SP
Captação de Recursos para o Terceiro Setor - OAB - SP
 
Captação plano generico 301008
Captação plano generico 301008Captação plano generico 301008
Captação plano generico 301008
 
Festival 2019 - Transparência como instrumento para captação
Festival 2019 - Transparência como instrumento para captaçãoFestival 2019 - Transparência como instrumento para captação
Festival 2019 - Transparência como instrumento para captação
 
Editais im 0215_aula_2_sha
Editais im 0215_aula_2_shaEditais im 0215_aula_2_sha
Editais im 0215_aula_2_sha
 

Semelhante a Editais 1112 shareb

Captação salesianos 1012
Captação salesianos 1012Captação salesianos 1012
Captação salesianos 1012
Michel Freller
 
Grandes campanhas 0612 a
Grandes campanhas 0612 aGrandes campanhas 0612 a
Grandes campanhas 0612 a
Michel Freller
 
Negocios impacto 1212 sha
Negocios impacto 1212 shaNegocios impacto 1212 sha
Negocios impacto 1212 sha
Michel Freller
 
Geração dialogos 0212
Geração dialogos 0212Geração dialogos 0212
Geração dialogos 0212
Michel Freller
 
Mrc0412 virtual
Mrc0412 virtualMrc0412 virtual
Mrc0412 virtual
flac2011
 
Mrc0412 virtual
Mrc0412 virtualMrc0412 virtual
Mrc0412 virtual
Michel Freller
 
Negocios impacto 1212 share
Negocios impacto 1212 shareNegocios impacto 1212 share
Negocios impacto 1212 share
Michel Freller
 
Curs captaçao ongs
Curs captaçao ongsCurs captaçao ongs
Curs captaçao ongs
Antonio Carlos Rocha
 
Aula editais 0515 sha
Aula editais 0515 shaAula editais 0515 sha
Aula editais 0515 sha
Michel Freller
 
Dialogando fisica 0112
Dialogando fisica 0112Dialogando fisica 0112
Dialogando fisica 0112
Michel Freller
 
Marketing relacionado à causa (michel freller)
Marketing relacionado à causa (michel freller)Marketing relacionado à causa (michel freller)
Marketing relacionado à causa (michel freller)
FLAC - Festival Latino Americano de Captação de Recursos 2012
 
Introdução a Captação de Recursos
Introdução a Captação de RecursosIntrodução a Captação de Recursos
Introdução a Captação de Recursos
Squadra Assessoria e Consultoria
 
7 etapas para um mrc de sucesso flac 2011
7 etapas para um mrc de sucesso   flac 20117 etapas para um mrc de sucesso   flac 2011
7 etapas para um mrc de sucesso flac 2011
flac2011
 
2014 Programa de Capacitação Online Palestra 1
2014 Programa de Capacitação Online Palestra 12014 Programa de Capacitação Online Palestra 1
2014 Programa de Capacitação Online Palestra 1
ABCR
 
Michel freller planejamento
Michel freller planejamentoMichel freller planejamento
Michel freller planejamento
SECONCI-RIO
 
Exit magazine 28 jan_dec2012_dianova
Exit magazine 28 jan_dec2012_dianovaExit magazine 28 jan_dec2012_dianova
Exit magazine 28 jan_dec2012_dianova
Dianova
 
Voluntariado Corporativo - Dialogus Consultoria
Voluntariado Corporativo - Dialogus ConsultoriaVoluntariado Corporativo - Dialogus Consultoria
Voluntariado Corporativo - Dialogus Consultoria
Dialogus Consultoria
 
Laboratório de Financiamento Coletivo - Mobiliza & Kickante
Laboratório de Financiamento Coletivo - Mobiliza & KickanteLaboratório de Financiamento Coletivo - Mobiliza & Kickante
Laboratório de Financiamento Coletivo - Mobiliza & Kickante
Kickante
 
Mobilização de Recursos, por Instituto Fonte e Fundação Abrinq
Mobilização de Recursos, por Instituto Fonte e Fundação AbrinqMobilização de Recursos, por Instituto Fonte e Fundação Abrinq
Mobilização de Recursos, por Instituto Fonte e Fundação Abrinq
Fundação Abrinq
 
Aula 2 - Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 9
Aula 2 - Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 9Aula 2 - Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 9
Aula 2 - Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 9
Cultura e Mercado
 

Semelhante a Editais 1112 shareb (20)

Captação salesianos 1012
Captação salesianos 1012Captação salesianos 1012
Captação salesianos 1012
 
Grandes campanhas 0612 a
Grandes campanhas 0612 aGrandes campanhas 0612 a
Grandes campanhas 0612 a
 
Negocios impacto 1212 sha
Negocios impacto 1212 shaNegocios impacto 1212 sha
Negocios impacto 1212 sha
 
Geração dialogos 0212
Geração dialogos 0212Geração dialogos 0212
Geração dialogos 0212
 
Mrc0412 virtual
Mrc0412 virtualMrc0412 virtual
Mrc0412 virtual
 
Mrc0412 virtual
Mrc0412 virtualMrc0412 virtual
Mrc0412 virtual
 
Negocios impacto 1212 share
Negocios impacto 1212 shareNegocios impacto 1212 share
Negocios impacto 1212 share
 
Curs captaçao ongs
Curs captaçao ongsCurs captaçao ongs
Curs captaçao ongs
 
Aula editais 0515 sha
Aula editais 0515 shaAula editais 0515 sha
Aula editais 0515 sha
 
Dialogando fisica 0112
Dialogando fisica 0112Dialogando fisica 0112
Dialogando fisica 0112
 
Marketing relacionado à causa (michel freller)
Marketing relacionado à causa (michel freller)Marketing relacionado à causa (michel freller)
Marketing relacionado à causa (michel freller)
 
Introdução a Captação de Recursos
Introdução a Captação de RecursosIntrodução a Captação de Recursos
Introdução a Captação de Recursos
 
7 etapas para um mrc de sucesso flac 2011
7 etapas para um mrc de sucesso   flac 20117 etapas para um mrc de sucesso   flac 2011
7 etapas para um mrc de sucesso flac 2011
 
2014 Programa de Capacitação Online Palestra 1
2014 Programa de Capacitação Online Palestra 12014 Programa de Capacitação Online Palestra 1
2014 Programa de Capacitação Online Palestra 1
 
Michel freller planejamento
Michel freller planejamentoMichel freller planejamento
Michel freller planejamento
 
Exit magazine 28 jan_dec2012_dianova
Exit magazine 28 jan_dec2012_dianovaExit magazine 28 jan_dec2012_dianova
Exit magazine 28 jan_dec2012_dianova
 
Voluntariado Corporativo - Dialogus Consultoria
Voluntariado Corporativo - Dialogus ConsultoriaVoluntariado Corporativo - Dialogus Consultoria
Voluntariado Corporativo - Dialogus Consultoria
 
Laboratório de Financiamento Coletivo - Mobiliza & Kickante
Laboratório de Financiamento Coletivo - Mobiliza & KickanteLaboratório de Financiamento Coletivo - Mobiliza & Kickante
Laboratório de Financiamento Coletivo - Mobiliza & Kickante
 
Mobilização de Recursos, por Instituto Fonte e Fundação Abrinq
Mobilização de Recursos, por Instituto Fonte e Fundação AbrinqMobilização de Recursos, por Instituto Fonte e Fundação Abrinq
Mobilização de Recursos, por Instituto Fonte e Fundação Abrinq
 
Aula 2 - Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 9
Aula 2 - Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 9Aula 2 - Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 9
Aula 2 - Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 9
 

Mais de Michel Freller

INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos - UPF ou OSCI...
INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos  - UPF ou OSCI...INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos  - UPF ou OSCI...
INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos - UPF ou OSCI...
Michel Freller
 
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel frellerLivro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Michel Freller
 
Manual+juntos.com.vc+2016
Manual+juntos.com.vc+2016Manual+juntos.com.vc+2016
Manual+juntos.com.vc+2016
Michel Freller
 
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel frellerLivro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Michel Freller
 
Incentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel Freller
Incentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel FrellerIncentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel Freller
Incentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel Freller
Michel Freller
 
Estrategias imp final_1015
Estrategias imp final_1015Estrategias imp final_1015
Estrategias imp final_1015
Michel Freller
 
Maraba Captação e marco regulatório _ sha
Maraba Captação e marco regulatório _ shaMaraba Captação e marco regulatório _ sha
Maraba Captação e marco regulatório _ sha
Michel Freller
 
Ferramentas de Planejamento e Gestão para ONGs
Ferramentas de Planejamento e Gestão para ONGsFerramentas de Planejamento e Gestão para ONGs
Ferramentas de Planejamento e Gestão para ONGs
Michel Freller
 
Incentivos fiscais 0915 cult
Incentivos fiscais 0915 cultIncentivos fiscais 0915 cult
Incentivos fiscais 0915 cult
Michel Freller
 
Empresas 0715 sha
Empresas 0715 shaEmpresas 0715 sha
Empresas 0715 sha
Michel Freller
 
Dialogos da filantropia 040715 sha
Dialogos da filantropia 040715 shaDialogos da filantropia 040715 sha
Dialogos da filantropia 040715 sha
Michel Freller
 
4estratgias0315 sha
4estratgias0315 sha4estratgias0315 sha
4estratgias0315 sha
Michel Freller
 
Masterclass cultura michel&suellen
Masterclass cultura michel&suellenMasterclass cultura michel&suellen
Masterclass cultura michel&suellen
Michel Freller
 
Tese elisa accountability
Tese elisa accountabilityTese elisa accountability
Tese elisa accountability
Michel Freller
 
Empresas e marketing relação
Empresas e marketing relaçãoEmpresas e marketing relação
Empresas e marketing relação
Michel Freller
 
4 estratégias 0315
4 estratégias 03154 estratégias 0315
4 estratégias 0315
Michel Freller
 
Editais im 0215_aula_3_sha
Editais im 0215_aula_3_shaEditais im 0215_aula_3_sha
Editais im 0215_aula_3_sha
Michel Freller
 
100 Fontes Internacionais de Recursos
100 Fontes Internacionais de Recursos100 Fontes Internacionais de Recursos
100 Fontes Internacionais de Recursos
Michel Freller
 
Economia criativa e Captação de recursos na área cultural
Economia criativa e Captação de recursos na área cultural Economia criativa e Captação de recursos na área cultural
Economia criativa e Captação de recursos na área cultural
Michel Freller
 
Como prestar contas para Projetos Incentivados
Como prestar contas para Projetos IncentivadosComo prestar contas para Projetos Incentivados
Como prestar contas para Projetos Incentivados
Michel Freller
 

Mais de Michel Freller (20)

INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos - UPF ou OSCI...
INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos  - UPF ou OSCI...INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos  - UPF ou OSCI...
INCENTIVOS FISCAIS - Doação para entidades sem fins lucrativos - UPF ou OSCI...
 
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel frellerLivro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
 
Manual+juntos.com.vc+2016
Manual+juntos.com.vc+2016Manual+juntos.com.vc+2016
Manual+juntos.com.vc+2016
 
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel frellerLivro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
 
Incentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel Freller
Incentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel FrellerIncentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel Freller
Incentivos Fiscais Federais para a Captação de Recursos, por Michel Freller
 
Estrategias imp final_1015
Estrategias imp final_1015Estrategias imp final_1015
Estrategias imp final_1015
 
Maraba Captação e marco regulatório _ sha
Maraba Captação e marco regulatório _ shaMaraba Captação e marco regulatório _ sha
Maraba Captação e marco regulatório _ sha
 
Ferramentas de Planejamento e Gestão para ONGs
Ferramentas de Planejamento e Gestão para ONGsFerramentas de Planejamento e Gestão para ONGs
Ferramentas de Planejamento e Gestão para ONGs
 
Incentivos fiscais 0915 cult
Incentivos fiscais 0915 cultIncentivos fiscais 0915 cult
Incentivos fiscais 0915 cult
 
Empresas 0715 sha
Empresas 0715 shaEmpresas 0715 sha
Empresas 0715 sha
 
Dialogos da filantropia 040715 sha
Dialogos da filantropia 040715 shaDialogos da filantropia 040715 sha
Dialogos da filantropia 040715 sha
 
4estratgias0315 sha
4estratgias0315 sha4estratgias0315 sha
4estratgias0315 sha
 
Masterclass cultura michel&suellen
Masterclass cultura michel&suellenMasterclass cultura michel&suellen
Masterclass cultura michel&suellen
 
Tese elisa accountability
Tese elisa accountabilityTese elisa accountability
Tese elisa accountability
 
Empresas e marketing relação
Empresas e marketing relaçãoEmpresas e marketing relação
Empresas e marketing relação
 
4 estratégias 0315
4 estratégias 03154 estratégias 0315
4 estratégias 0315
 
Editais im 0215_aula_3_sha
Editais im 0215_aula_3_shaEditais im 0215_aula_3_sha
Editais im 0215_aula_3_sha
 
100 Fontes Internacionais de Recursos
100 Fontes Internacionais de Recursos100 Fontes Internacionais de Recursos
100 Fontes Internacionais de Recursos
 
Economia criativa e Captação de recursos na área cultural
Economia criativa e Captação de recursos na área cultural Economia criativa e Captação de recursos na área cultural
Economia criativa e Captação de recursos na área cultural
 
Como prestar contas para Projetos Incentivados
Como prestar contas para Projetos IncentivadosComo prestar contas para Projetos Incentivados
Como prestar contas para Projetos Incentivados
 

Editais 1112 shareb

  • 1. Elaboração de projetos para editais empresariais e públicos http://www.slideshare.net/micfre12
  • 2. Serviços Criando Desenvolvimento institucional Técnica Jurídica Terceiro Setor Gestão Marketing e Comunicação Planejamento estratégico Consultoria Responsabilidade Social Empresas Desenvolvimento Sustentável Palestras, Cursos e Oficinas Assessoria para implementação de PMRS
  • 3. Feeling / Intuição Exercício: O taco e bola custam R$ 1,10. O taco custa R$ 1 a mais que a bola. Valor do taco? Valor da bola?
  • 4. Não dependa da intuição Para Daniel Kahneman, Nobel de Economia, é um grande risco tomar decisões usando a área preguiçosa e irracional do cérebro. A mente é comandada por 2 sistemas (rápido e lento)
  • 5. CAPTAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa envolve marketing, comunicação, relações públicas, elaboração de projetos, questões jurídicas e de natureza ética Objetivo: geração de diferentes recursos (financeiros, materiais e humanos) Apoio à finalidade principal da organização (meio para que a entidade cumpra sua missão)
  • 6. OS SETORES DA SOCIEDADE Agentes Fins Setor Privados Privados Mercado Públicos Públicos Estado Privados Públicos 3º Setor Públicos Privados Corrupção Fonte: Fernandes, 1998
  • 7. QUEM É QUEM? PESSOA JURÍDICA, TÍTULO OU DENOMINAÇÃO? Associações Instituições OSCIP Fundações UPF Institutos Sociedades Filantrópicas ONG Organizações Religiosas OS Entidades Partidos Políticos
  • 9. RECURSOS Humanos Voluntários (conselheiros, diretores e corpo de voluntariado), parceiros, doadores de serviços, funcionários, etc.
  • 11. RECURSOS Materiais Materiais de usos gerais, veículos, materiais de construção, computadores, alimentos, etc.
  • 12. TIPOS DE CAMPANHAS Campanha Anual Campanha Capital Campanhas Para Projetos
  • 13. CAMPANHA ANUAL Desempenho anual da organização e seus programas Despesas operacionais (funcionários, aluguel, telefone, comunicação, materiais de uso geral, etc.) É mais difícil captar para essa finalidade
  • 14. CAMPANHA ANUAL Normalmente são utilizados projetos de doação do tipo “adote” As fontes de recursos mais utilizadas são: – indivíduos, eventos, convênios com governo
  • 15. CAMPANHA CAPITAL Campanha de grande porte Pontual Objetiva investimentos em ativos fixos: – Construção – Reforma – Ampliação de edifício – Pesquisa – Fundos patrimoniais, etc.
  • 16. CAMPANHAS PARA PROJETOS Projeto “Projeto é um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades inter-relacionadas e coordenadas, com o fim de alcançar objetivos específicos dentro dos limites de tempo e de orçamento dados”.
  • 17. CAMPANHAS PARA PROJETOS São pontuais, com começo, meio e fim; concretizado o projeto, encerra-se a campanha Objetivam o desenvolvimento e a realização de um projeto específico
  • 18. CAMPANHAS PARA PROJETOS Expedições, edição de livros, shows, produção de discos, produções teatrais, participação em paraolimpíada, recuperação de águas, reflorestamento, etc.
  • 19. VANTAGENS DA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Aumento das possibilidades de financiamento • Financiadores compreendem melhor: – Onde a organização quer chegar – Como chegar – Quem vai trabalhar – Quanto custa tudo – Qual o impacto social 19
  • 20. ROTEIRO 1. Apresentação Institucional 2. Identificação do Projeto – Resumo 3. Cenário 4. Justificativa do Projeto: (O porquê.) 5. Público Alvo (quem? – perfil das pessoas atendidas) 6. Objetivos (o quê?) 7. Quadro de Metas 8. Metodologia (como?) 9. Estratégias 10. Indicadores e avaliação 11. Cronograma 12. Equipe 13. Orçamento
  • 22. PRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS / FINANCIAMENTO / ESTRATÉGIAS Iniciativa EVENTOS privada Governos Federal Estadual PROJETOS Empresas Indivíduos Institutos corprativos Municipal Internacional PARCERIAS Organizações Religiosas Projetos de Geração de Renda Fundações Fontes Venda Endowment Institucionais Prestação de serviços Pela causa Comunitárias Fundos Ongs MRC Alugueis Empresariais Familiares Agências Internacionais Mantenedores
  • 23. FONTES DE RECURSOS Essencial Diversificação das fontes de recursos — Legitimidade social — Diminuição do risco
  • 25. DISTINÇÃO IMPORTANTE PARA O CAPTADOR DE RECURSOS FILANTROPIA INVESTIMENTO SOCIAL Ação social externa de PRIVADO uma organização, tendo Repasse voluntário de como beneficiária principal X recursos privados de a comunidade e/ou outras forma planejada, organizações monitorada e sistemática para projetos sociais, ambientais e culturais de interesse público
  • 26. PROSPECÇÃO DE INVESTIDORES Investimento Social Privado Realizado por empresas, fundações e “institutos” de origem empresarial ou instituídos por indivíduos Tem natureza distinta do marketing, promoção de vendas, patrocínios, políticas e benefícios de RH que objetivam interesses da empresa
  • 27. PROSPECÇÃO DE INVESTIDORES Investimento Social Privado ISPs ESCOLHEM UM FOCO DE ATUAÇÃO Evitam colaborar com projetos de forma casuística e pontual Consideram que a falta de foco dificulta a avaliação dos resultados e diminui o impacto Ou seja, recomendam focar em um tema ou causa
  • 28. PROSPECÇÃO DE INVESTIDORES Investimento Social Privado ISPs AVALIAM A SUSTENTABILIDADE DA INICIATIVA Equilíbrio e continuidade Definir orçamento e a periodicidade em que o investimento social irá ocorrer Garantir a gestão adequada dos recursos Ter lideranças envolvidas na ação de investimento social é também uma estratégia de sustentabilidade.
  • 29.
  • 30.
  • 31. FUNDAÇÕES Vantagens Instrumentos Necessários Dão credibilidade profissionais capacitados para elaborar projetos Somas substanciais (uma parcela ou três anos) Projetos diferenciados e multiplicadores Auxílio no desenho de indicadores Geração de renda Possuem missão clara – Pesquisa sobre as formas de facilidade de identificação acesso Falam a “mesma língua” Controle de resultados
  • 32. FUNDAÇÕES Processo de solicitação de recursos padronizado (a maioria, nacional ou internacional) No Brasil, a maior referência é o GIFE (Grupo de Institutos, Fundações e Empresas)
  • 35. DICAS PARA SOLICITAÇÃO Uma proposta bem sucedida Possibilita verificar se o investimento resultará num impacto de longo prazo (sustentabilidade) Aponta o problema, os objetivos, metas e meios de avaliação para enfrentá-lo Comprova que a entidade tem capacidade, conta com líderes capazes e comprometidos Apresenta maneiras inovadoras e consistentes para resolver problemas Estar em sintonia com as prioridades da organização investidora
  • 36. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO Características Os investidores sociais privados estão preocupados com os resultados obtidos, as transformações geradas e a cumplicidade da comunidade para com o desenvolvimento da ação Existe forte preocupação com o monitoramento dos projetos e a avaliação de resultados
  • 37. EDITAIS Investidores passam a ser definido não apenas com base em vínculos ou interesses de relacionamento da alta gestão. A seleção dos projetos passa pelo crivo de especialistas que levam em consideração a capacidade do proponente em planejar, executar e avaliar o projeto, agregando valor positivo à marca das empresas ao mesmo tempo em que atendem aos anseios da sociedade.
  • 38. EDITAIS Características Buscam a democratização da captação de recursos para iniciativas socioambientais. Sinaliza a seriedade do investimento Seleção pública, igualitária e com regras bem definidas
  • 39. EDITAIS Características Investidores com políticas de responsabilidade social e investimento cultural definidas, direcionando recursos para causas e regiões geográficas específicas. Doação pura e simples x projeto definindo metas e avaliando resultados.
  • 40. EDITAIS Dicas 1) Planeje e elabore todo o projeto ANTES do preenchimento do edital, tenha um caso bem escrito: valores a captar e necessidades sociais
  • 41. EDITAIS Dicas 2) Esteja em dia com as obrigações fiscais, trabalhistas e estatutárias
  • 42. EDITAIS Dicas 3) Verifique o objetivo do edital e as áreas de investimento socioambiental (atividades, áreas de atuação, etc.) – Muita pesquisa sobre a empresa, instituto ou fundação
  • 43. EDITAIS Dicas 4) Verifique que tipo de organização pode ou não pode participar, se há necessidade de contrapartidas
  • 44. EDITAIS Dicas 5) O desconhecimento das instruções do edital ou o não entendimento dificilmente poderão ser aceitos como razões para justificar quaisquer erros ou divergências
  • 45. EDITAIS Dicas 6) Fique atento para a possibilidade de eventuais aditamentos ou esclarecimentos a respeito do edital
  • 46. EDITAIS Dicas 7) Verifique a forma correta de inscrição do projeto (via internet, correio, etc.) além da data de início e término
  • 47. EDITAIS Dicas 8) Confira se existem formulários próprios, veja também se o número de caracteres está definido
  • 48. EDITAIS Dicas 9) Veja se o edital exige que documentos sejam anexados, tais como estatutos, atas, certidões, etc.
  • 49. EDITAIS Dicas 10) Observe com quem ficaram os eventuais direitos autorais relacionados ao projeto (relatórios, vídeos, imagens, músicas, etc.)
  • 50. EDITAIS Dicas 11) Veja se existe alguma comissão ou mecanismo para a resolução de casos omissos
  • 51. EDITAIS Dicas 12) Certifique-se do valor máximo de investimento socioambiental constante do edital (veja os recursos disponíveis, os critérios e formas de desembolso)
  • 52. EDITAIS Dicas 13) Não esqueça de verificar se existe algum modelo a ser adotado para cronograma físico-financeiro
  • 53. EDITAIS Dicas 14) Observe as etapas e critérios de avaliação e seleção dos projetos, inclusive quanto à possibilidade de eventuais recursos
  • 54. EDITAIS Dicas 15) Veja os meios e prazos para a divulgação dos resultados
  • 55. EDITAIS Dicas 16) Analise as contrapartidas exigidas pelo investidor social
  • 56. EDITAIS Dicas 17) Verifique a maneira pela qual a implementação dos projetos será acompanhada pelo investidor social
  • 57. EDITAIS Dicas 18) Conheça detalhadamente o procedimento para prestação de contas
  • 58. EDITAIS Dicas 19) Verifique os projetos contemplados nos anos anteriores por quem propõe o edital analisando se a sua causa está incluída nas prioridades da organização selecionada
  • 59. EDITAIS Dicas Os investidores sociais privados estão preocupados com a causa, mas também com os resultados obtidos, as transformações geradas e a cumplicidade da comunidade para com o desenvolvimento da ação Existe forte preocupação com o monitoramento dos projetos e a avaliação de resultados
  • 61. ORÇAMENTO INSTITUCIONAL Conceito Orçamento são planos de uma organização em termos financeiros que funciona como uma declaração de metas para o período seguinte (um ano ou mais).
  • 62. ORÇAMENTO DA CAMPANHA / PROJETO Dimensionamento dos recursos a captar Demonstrar acuidade e transparência Criar planilhas para examinar simulações em condições diferentes Previsão de resultados
  • 63. ORÇAMENTO INSTITUCIONAL / PROJETO Dois momentos: — Previsão das despesas e receitas (do ano seguinte, da inauguração, do evento) — Acompanhamento das despesas e comparação com o orçado
  • 64. ORÇAMENTO INSTITUCIONAL / PROJETO Furo x Desvio Criar planilhas para simulações em condições diferentes Informar o que será feito, caso o montante total necessário não puder ser captado
  • 65. ORÇAMENTO (MODELO DETALHADO) M.OBRA em MATERIAL em DESCRIÇÃO QTDE. R$ R$ DEMOLIÇÃO 15.000,00 3.810,00 PAREDES 300 M³ 2.500,00 650,00 PISOS 340 M² 4.500,00 780,00 RETIRADA DO FORRO EXISTENTE 340 M² 3.500,00 1.080,00 RETIRADA DO PISO DO PATEO 370 M² 4.500,00 1.300,00 DIVERSOS/ALVENARIA 35.232,00 18.725,00 EXECUÇÃO DE UM CONTRAPISO NO SALÃO 340 M² 5.100,00 3.400,00 EXECUÇÃO DEUM CONTRAPISO PISO NO DEPÓSITO 40 M² 600,00 400,00 EXECUÇÃO DE UM COMPLEMENTO DE ESCADA VB 2.500,00 1.000,00 ABERTURA DE RASGOS NA ALVENARIA P/ELETRICA VB 2.000,00 ARREAMATES DE TUBULAÇÃO DE ELÉTRICA VB 2.400,00 1.000,00 IMPERMEABILIZAÇÃO DO PISO DO PATEO 370 M² 15.996,00 ARREMATES DE MASSA DAS PAREDES VB 1.440,00 800,00 EXECUÇÃO DE PISO ESTAMPADO DO PATEO 370 M² 5.196,00 12.125,00 AR CONDICIONADO 40.000,00 55.000,00 RETIRADA DA TUBULAÇÃO EXISTENTE VB 5.000,00 INSTALAÇÃO DE TUBULAÇÃO E DUTOS VB 15.000,00 INSTALAÇÃO DAS MAQUINAS E PAINÉIS 10 PÇ 15.000,00 INSTALAÇÃO DE GRELHAS E DIFUZORES VB 5.000,00 55.000,00 ACABAMENTO DE PAREDES E TETO 22.300,00 2.700,00 FORRO DE GESSO 150 M² 5.250,00 JUNTAS DE DILATAÇÃO 150 ML 2.250,00 DIVISÓRIAS 100 M² 7.000,00 200 M² PINTURA DAS PORTAS E PAREDES 8 PÇ 2.500,00 1.200,00 CONSERTOS ,ARREMATES E ABERTURA DE BURACOS VB 1.500,00 TRATAMENTO DE CONCRETO 250 M² 3.800,00 1.500,00
  • 66. ORÇAMENTO (MODELO RESUMIDO) M.OBRA em MATERIAL em DESCRIÇÃO R$ R$ TOTAL % F PISO 14.632,00 25.751,00 40.383,00 6,4% DEMOLIÇÃO + ACABEMENTO DE A/D PAREDES 37.300,00 6.510,00 43.810,00 6,9% B DIVERSOS/ALVENARIA 35.232,00 18.725,00 53.957,00 8,5% E ELÉTRICA E HIDRÁULICA 29.650,00 31.000,00 60.650,00 9,6% PORTAS E DIVISÓRIAS G ACÚSTICAS 11.100,00 57.440,00 68.540,00 10,9% C AR CONDICIONADO 40.000,00 55.000,00 95.000,00 15,0% I CADEIRAS DO AUDITÓRIO - 108.000,00 108.000,00 17,1% H EQUIPAMENTOS DIVERSOS 20.000,00 141.000,00 161.000,00 25,5% TOTAIS 187.914,00 443.426,00 631.340,00 100,0%
  • 67. ORÇAMENTO (MODELO RESUMIDO) TOTAL 631 MIL Porcentagem por tipo de serviço 6% 25% 7% 9% 10% 17% 11% 15% PISO DEMOLIÇÃO + ACABEMENTO DE PAREDES DIVERSOS/ALVENARIA ELÉTRICA E HIDRÁULICA PORTAS E DIVISÓRIAS ACÚSTICAS AR CONDICIONADO CADEIRAS DO AUDITÓRIO EQUIPAMENTOS DIVERSOS
  • 68. CRONOGRAMA - Físico CRONOGRAMA INICIAL Set Out Nov Ação Responsável 4 11 18 25 2 9 16 23 30 6 13 20 27 Definições gerais Identidade do Hospital - escolher um nome Dir Captar / contratar parceiro de identidade visual Dir e DI Consolidar e iniciar a disseminação da Missão e Dir e DI Visão p/ público interno Reuniões do DI DI / CR e Dir Definição dos valores a captar, metas e CR e Dir prioridades Consolidar justificativas e quantificação dos CR valores e benefícios Comunicação de apoio a captação de recursos Orçar e Implementação do site a contratar Elaboração de peça de captação impressa para a contratar pessoas físicas e jurídicas Vídeo Institucional Dir 68 Coordenação dos elementos terceirizados DI
  • 69. CRONOGRAMA Físico - Financeiro HOJE 1/10/2006 1 - Salão - Orçamento 631.340 8.005 3.575 41.357 10.000 54.618 157.485 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 1 1 2 3 4 5 6 7 8 C SEM QTD D TAREFA INI SEM jan-06 fev-06 jul-06 ago-06 set-06 out-06 T 1 4 # # # # DEMOLIÇÃO DAS PAREDES, PISOS, 8 1 VALOR 6.180 TUBULAÇÕES E PALCO ANTIGO 6.180 4 2 # # 8 2 INSTALAÇÃO DE HIDRANTE VALOR 1.825 1.825 3.650 3 3 8 3 EXECUÇÃO DA NOVA CABINE DE SOM VALOR 7 2 # # 8 4 RETIRADA PARCIAL DO FORRO VALOR 1.750 1.750 25 2 # # QUEBRA DO PISO DO PATIO E DA 8 5 VALOR 5.800 CANTINA 5.800 26 2 # # 9 6 ARREMATES DAS PAREDES VALOR 2.240 2.240 27 2 # # IMPERMEABILIZAÇÃO E EXECUÇÃO DO 8 7 VALOR 33.317 NOVO PISO DA PATIO E CANTINA 33.317 29 4 # # # # ELABORAÇÃO DE PROJETOS 8 8 VALOR 10.000 (ARQUITETURA, SOM, ILUMINAÇÃO) 10.000 33 3 # # # DEMOLIÇÃO E RETIRADA DO FORRO E 8 9 VALOR 5.080 PISO DE MADEIRA EXISTENTE 5.080 34 1 # 8 10 RETIRADA DOS DUTOS DE AR VALOR 4.000 4.000 35 5 # # # # # INSTALAÇÃO DAS TUBULAÇÕES DE 8 11 VALOR 6.360 9.540 ELÉTRICA , SOM, LOGICA 15.900 37 4 # # # # 8 12 FIAÇÃO ELÉTRICA , SOM , LOGICA VALOR 10.000 10.000
  • 70. Captação de Recursos Questionamentos do financiador Se você estivesse avaliando fazer uma doação para um projeto social, que perguntas você faria a si mesmo ou aos responsáveis pelo projeto?
  • 71. Captação de Recursos Questionamentos de um financiador Consciente ou inconscientemente, os doadores fazem os seguintes questionamentos: Qual o objetivo desse projeto? Isso é possível? Quais são os serviços oferecidos? Qual a qualidade desses serviços? Qual o impacto desse trabalho na vida das pessoas? Qual a estrutura do projeto ou organização?
  • 72. Captação de Recursos Questionamentos de um financiador Os financiadores fazem os seguintes questionamentos: Quem são as pessoas que estão à frente desse projeto? Essas pessoas têm capacidade para oferecer o que propõe? Quais são os planos para o futuro do proponente? Como eu me enxergo, como doador, nesses planos? A idéia é sustentável?
  • 73. Modelo Trevo (Antonio Luiz de Paula e Silva)
  • 74. Modelo Trevo Um Gestor de projetos sociais deve lidar com quatro “campos essenciais” e suas relações
  • 75. Modelo Trevo Sociedade Público Alvo: quem são, como vivem, quais são seus problemas, qual o contexto social
  • 76. Modelo Trevo Serviços Ações, Atividades, eventos, metodologia
  • 77. Modelo Trevo Prédio, carros, dinheiro, equipamentos, material Recursos didático, infra-estrutura, etc.
  • 78. Justificativa do Projeto: (O porquê.) a) Descreva as características sociais, culturais, econômicas e políticas do público-alvo com o qual o projeto irá trabalhar. b) Descreva as ações que pretende desenvolver e como poderão transformar a situação, enumere as alterações esperadas, incluindo tanto mudanças qualitativas como quantitativas. c) Enumere qualidades ou características da realidade local e das pessoas atendidas que poderão contribuir para que as ações planejadas alcancem os resultados esperados, melhorando a qualidade de vida das pessoas atendidas.
  • 79. Justificativa do Projeto: (O porquê.) Dica:  Texto descritivo em 1ª pessoa do plural (nós – associação) ou 3ª pessoa (ela/ele – instituto/fundação);  Deve conter informações de rodapé das fontes: os dados estatísticos da localidade, público alvo, dados sobre o desafio;  A proposta deve ser objetiva e referencial de como articular-se institucionalmente e agir no desafio, cumprindo a missão.
  • 80. Modelo Trevo — Função Primária — Define a direção, o rumo, o foco, o papel do proponente Direcionamento — Buscar equilíbrio entre as necessidades sociais e objetivos Serviços Sociedade — Motivo das doações
  • 81. Modelo Trevo É preciso ter equilíbrio entre: — Talentos e materiais Pessoas — conhecimentos e infra- estrutura Capacidade Não adianta ter somente boas intenções... Recursos
  • 82. Modelo Trevo — Talentos e capacidades — Voluntários e profissionais —Potenciais e conflitos Pessoas
  • 83. Modelo Trevo de — Capacitação lida Pessoas — Pessoas nos lugares ua adequados Q — Processos bem desenhados — Sintonia da equipe Serviços
  • 84. Modelo Trevo M — Engajamento ot iv — Comprometimento Pessoas aç com a causa ão Sociedade
  • 85. Modelo Trevo Serviços prestados — Eficiência — Qualidade — Quantidade Adequação entre os recursos que tem e os serviços que presta Serviços Vi ab Recursos ili da de
  • 86. Modelo Trevo — Diversificar as Fontes de recursos — Transparência — Doação: reconhecimento social Sociedade e ad id Recursos m ti gi Le
  • 87. Modelo Trevo A arte e desafio do gestor é Pessoas manter as relações equilibradas e harmoniosas Direcionamento Grupo Serviços Gestor Sociedade Capacidade Qualidade Motivação Recursos Viabilidad e Legitimidade
  • 88. Equipe  Com funções,  competências,  atribuições específicas,  formação;  horas de atuação.
  • 89. AVALIAÇÃO, ACOMPANHAMENTO e PRESTAÇÃO DE CONTAS
  • 90. A avaliação serve para dentro e para fora: • para dentro como parte do planejamento estratégico, para revisar os métodos e objetivos • para fora para atrair e manter investidores, promover os projetos. •Focar um só dos lados (fora ou dentro) é desperdiçar energias.
  • 91.
  • 92. Objetivo Específico: Escrever o seu objetivo com o método SMART: Específica Mensurável Atingível Relevante Temporal a
  • 93. Objetivo geral : Objetivos específicos Metas Indicadores Meios de verificação 93
  • 94. MONITORAMENTO Coordenação geral da campanha Acompanhamento do painel de controle e elaboração de relatórios Acompanhamento dos resultados utilizando indicadores
  • 95. AGRADECIMENTOS e FIDELIZAÇÃO Chave do êxito em todas as etapas de desenvolvimento de uma relação Base para a construção de relações sólidas Nunca é demais agradecer
  • 96. PROSPECÇÃO DE EDITAIS criação do banco de dados Onde armazenar informações? – Pastas ou fichas; Palm Top, Excel, MOOV, salesforce, e- tapestry Importante: atualização constante
  • 97. PROSPECÇÃO DE EDITAIS criação do banco de dados Quero incentivar - http://queroincentivar.com.br ABCR – www.captacao.org Gife – www.gife.org.br Brasilia.org – www.brasilia.org Patrolink – www.patrolink.com.br APF - www.apf.org.br
  • 98. NO MUNDO – http://foundationcenter.org/ – http://fundsforngos.org – http://caleidoscop.org – http://www.lacdonors.org – http://grants.org – http://www.iadb.org –http://wingsweb.org –http://ec.europa.eu/europeaid
  • 99.
  • 100. PROSPECÇÃO DE EDITAIS criação do banco de dados
  • 101. O PROFISSIONAL DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS
  • 102. ÁREA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Opção para um mercado competitivo Marketing e comunicação Captação de recursos elaboração de projetos Monitoramento e fidelização
  • 103. ORGANIZAÇÃO COM PROFISSIONAL INTERNO Parte do DI Remunerado e/ou Voluntário (Conselho) Planejamento, atuação externa e monitoramento
  • 104. CAPTADOR DE RECURSOS COMO CONSULTOR Novos ares Trabalho conjunto com a equipe interna Visão externa Facilitador de transições e ampliações Coordenador de campanhas específicas
  • 105. ÉTICA NA CAPTAÇÃO DE RECURSOS Códigos de ética mundiais Princípios fundamentais para a tarefa de captar recursos: www.captadores.org – Legalidade – Transparência – Eficiência – Confidencialidade
  • 106. ÉTICA NA CAPTAÇÃO DE RECURSOS Temas Polêmicos Remuneração pré-estabelecida Confidencialidade dos doadores
  • 107. Uma pessoa comprometida faz tudo com atenção aos detalhes. Ela presta atenção em tudo que faz, no detalhe do detalhe;
  • 108. “ Um sonho que se sonha só, é só um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto é realidade “ Raul Seixas
  • 109. OBRIGADO http://www.slideshare.net/micfre12 www.criando.net 11 – 982-083-790 11 – 2307-4495 michel@criando.net
  • 110. Bibliografia CRUZ, Célia e ESTRAVIZ, Marcelo. Captação de Diferentes Recursos para Organizações Sem Fins Lucrativos. Editora Global. NORIEGA, Maria Elena e MURRAY, Milton. Apoio Financeiro: Como Conseguir. Editora TextoNovo. KELLEY, Daniel Q. Dinheiro para sua Causa. Editora TextoNovo, 1994. CICONTE, Barbara K. e JACOB, Jeanne Gerda. Fund Raising Basics: A Complete Guide. Aspen Publication, 1997. AZEVEDO, Tasso Rezende. Buscando recursos para seus projetos. TextoNovo1998. PAULA E SILVA, Antonio Luiz de Utilizando o planejamento estratégico como ferramenta de aprendizagem – Efitora Global e Instituto Fonte, 2001 DRUCKER, Peter. Administração de organizações sem fins lucrativos: principios e práticas – Editora Pioneira. HUDSON, Mike. Administrando organizações do terceiro setor: o desafio de administrar sem receita – Makron Books. LANDIM, Leilah; BERES, Neide. As organizações sem fins lucrativos no Brasil: ocupação, despesas e recursos – Nau Editora
  • 111. Bibliografia PEREIRA, Custódio. Captação de recursos, Fund Raising – Ed. Mackenzie. EDLES, L. Peter. Fundraising - Hands-on Tactics for NonProfit Groups. McGraw-Hill, Inc. NANUS, Burt. Liderança para o Terceiro Setor: Estratégias de sucesso para organizações sem fins lucrativos, São Paulo, 2000 CESNIK, Fábio de Sá. Guia do Incentivo à Cultura BARBOSA, Maria Nazaré Lins e OLIVEIRA, Carolina Felippe. Manual de ONGs, Guia Prático de Orientação Jurídica, 2001 WEIL, Pierre TOMPAKOW, Roland – O corpo fala – ed vozes FUNDAÇÃO ABRINQ, Incentivos Fiscais Em Benefício de criança e Adolescente. www.fundabrinq.org.br CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SÃO PAULO, Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente www.crcsp.org.br GUIA DO FUNDO PRÓ-INFÂNCIA DE PORTO ALEGRE
  • 112. Bibliografia FERRAREZI, Elisabete. OSCIP passo a passo – AED – Agência de Educação para o desenvolvimento. SENAC (SP) / FUNDAÇÃO ABRINQ, Guia de Gestão: para quem dirige entidades sociais Freund, Tomas A Relação Entre Voluntários e Profissionais Numa Organização do Terceiro Setor: Existe Um Duplo Comando?, Revista Integração/ FGV,São Paulo, 2006, http://integracao.fgvsp.br/ano9/10/index.htm