SlideShare uma empresa Scribd logo
GEOGRAFIA
PROFESSORA SUELY TAKAHASHI
DIT
A DIT (Divisão Internacional do
Trabalho) é a distribuição da produção
econômico-industrial internacional.
Considerando que é impossível que um
único país seja potencialmente produtor de
todas as mercadorias, dividem-se os campos
de especialização produtiva pelas diversas
partes da Terra.
A Divisão Internacional do Trabalho
consiste na especialização produtiva dos
países e das regiões na intensificação das
trocas.
No fim do século XV, o capital estava
na distribuição e circulação das
mercadorias entre as metrópoles e suas
colônias. As diversas regiões do mundo
passaram a desenvolver funções diferentes,
pois cada uma passou a especializar-se no
fornecimento de matéria-prima, metais
preciosos, produtos manufaturados etc.
Dessa maneira, a metrópole exportava
manufaturas e as colônias produziam
matéria-prima e exportavam para a
metrópole.
A DIT passou por algumas fases,
essas obedeceram à dinâmica econômica e
política do período histórico em que elas
existiram.
Primeira DIT
Durante o final do século XV e ao longo
do século XVI, período de início das grandes
navegações e de expansão da civilização
europeia pelo mundo, o capitalismo
encontrava-se em sua fase inicial, chamada de
capitalismo comercial. Esse período era
caracterizado pela manufatura (produção
manual) a partir da extração de matérias-
primas e pelo acúmulo de minérios e metais
preciosos por parte das nações (metalismo).
Os locais colonizados pelos países
europeus exerciam a função de produzir, a
partir da exploração de seus recursos
naturais, os metais preciosos e as matérias-
primas utilizados pelas metrópoles. Um
exemplo é o do Brasil, em que Portugal
extraía o Pau-Brasil para a produção de
vários tipos de produtos.
Capitalismo Comercial
Segunda DIT
Durante o século XVI – mas
principalmente a partir do século XVII – essa
divisão do trabalho sofreu algumas poucas e
sensíveis alterações. Com a Primeira e a
Segunda Revolução Industrial, as colônias e os
países subdesenvolvidos passaram a fornecer
também produtos agrícolas, assim como vários
tipos de minerais e especiarias.
Nesse período, por exemplo, o Brasil
se viu marcado pela monocultura da cana-
de-açúcar (século XVI) e exploração de
ouro (século XVII).
Capitalismo Industrial
Terceira DIT ou “Nova DIT”
A partir do século XX, com a Revolução
Técnico-Científica-Informacional e a
consolidação do Capitalismo Financeiro, temos
a expansão das grandes multinacionais pelo
mundo. Isso acarretou na mudança da Divisão
Internacional do Trabalho, que passou a ser
conhecida também por Nova DIT.
Nesse período, os países
subdesenvolvidos também realizaram os seus
processos tardios de industrialização. Só que,
diferentemente da industrialização dos países
desenvolvidos, essa aconteceu a partir da
abertura do mercado financeiro desses países
e pela instalação de
empresas
Multinacionais ou
Globais, oriundas,
quase sempre, de
países
desenvolvidos.
Assistiu-se também a uma segmentação
do mercado produtivo. Para buscar isenções
de impostos e rápido acesso a matérias-primas
nos países subdesenvolvidos, as
multinacionais distribuíram o seu processo
produtivo por todo o globo terrestre.
Um carro, por exemplo, tem o seu motor
produzido no México, os para-choques na
Argentina, o Chassi na Coreia do Sul e a
montagem realizada no Brasil.
Com isso, surgiu a denominação de
“indústrias maquiladoras”, pois não havia
produção de nenhum material nelas, mas
apenas a montagem oriunda da produção de
peças de diversos setores do mundo.
É importante ressaltar que a produção
industrial continua sendo realizada
majoritariamente pelos países desenvolvidos,
ou com o capital oriundo desses países.
Apenas o local da produção é que mudou, mas
todo o capital dessas empresas retorna aos
seus países de origem.
Essa migração das multinacionais se
deve pela busca de mão de obra abundante
nos países pobres e por maiores
oportunidades de explorarem os recursos
naturais.
Modelos de produção
No início do século XX duas formas de
organização de produção industrial
provocaram mudanças significativas no
ambiente fabril: o taylorismo e o fordismo.
Esses dois sistemas visavam à
racionalização extrema da produção e,
consequentemente, à maximização da
produção e do lucro.
Taylorismo -
sistemas técnicos que
objetivam a otimização do
emprego da mão-de-obra
de modo a aumentar a
racionalização do
movimento e evitar a
ociosidade e a
morosidade operária. Frederick Winslow Taylor
Fordismo - um
processo industrial onde há
produção em série, linhas de
montagens, cada operário
realiza uma tarefa
específica, produção em
massa. As fábricas
ocupavam grandes áreas
que exigiam um complexo
sistema de controle. Henri Ford
O Fordismo e o Taylorismo foram
muito aplicados desde o início do século XX
até aproximadamente a década de 1970. A
partir daí o Toyotismo começa a ganhar
espaço nos modelos de produção industrial.
Toyotismo – também um processo
industrial, agora regulado por tarefas diárias,
utilização de pequeno estoque, altos índices de
terceirização.
Taiichi Ohno
O espaço industrial é
descentralizado, as
peças são entregues
diariamente e o
controle sobre todo
processo é mais
dinâmico e simplificado.
Referências
SLIDESHARE. Disponivel em:
<http://www.slideshare.net/recoba27/diviso-
internacional-do-trabalho>. Acesso em: 15/11/13.
BRASILESCOLA. Disponivel em:
<http://www.brasilescola.com/geografia/divisao-
internacional-trabalho-dit.htm>. Acesso em:
15/11/13.
ALEXANDRE. Disponivel em:
<http://wwwblogdoprofalexandre.blogspot.com.br/20
12/07/modelos-de-producao-fordismo-
taylorismo.html>. Acesso em: 15/11/13.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PROCESSO DE URBANIZAÇÃO
PROCESSO DE URBANIZAÇÃOPROCESSO DE URBANIZAÇÃO
PROCESSO DE URBANIZAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaço
Luciano Pessanha
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Abner de Paula
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
Professor
 
Paisagem
PaisagemPaisagem
Os fluxos migratórios
Os fluxos migratóriosOs fluxos migratórios
Os fluxos migratórios
Jane Mary Lima Castro
 
Introdução A Geografia
Introdução A GeografiaIntrodução A Geografia
Introdução A Geografia
Luciano Pessanha
 
Campo e cidade
Campo e cidadeCampo e cidade
Campo e cidade
Abner de Paula
 
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
Christie Freitas
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Regionalização
RegionalizaçãoRegionalização
Regionalização
Prof. Francesco Torres
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Cristina Gouveia
 
Do meio natural ao meio técnico científico informacional
Do meio natural ao meio técnico científico informacionalDo meio natural ao meio técnico científico informacional
Do meio natural ao meio técnico científico informacional
Cadernizando
 
Agricultura mundial
Agricultura mundialAgricultura mundial
Agricultura mundial
Thamires Bragança
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
Prof.Paulo/geografia
 
Localização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasilLocalização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasil
guiodrumond
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
André Luiz Marques
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
edsonluz
 
Urbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópolesUrbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópoles
Professor
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolítica
edsonluz
 

Mais procurados (20)

PROCESSO DE URBANIZAÇÃO
PROCESSO DE URBANIZAÇÃOPROCESSO DE URBANIZAÇÃO
PROCESSO DE URBANIZAÇÃO
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaço
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
 
Paisagem
PaisagemPaisagem
Paisagem
 
Os fluxos migratórios
Os fluxos migratóriosOs fluxos migratórios
Os fluxos migratórios
 
Introdução A Geografia
Introdução A GeografiaIntrodução A Geografia
Introdução A Geografia
 
Campo e cidade
Campo e cidadeCampo e cidade
Campo e cidade
 
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Regionalização
RegionalizaçãoRegionalização
Regionalização
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Do meio natural ao meio técnico científico informacional
Do meio natural ao meio técnico científico informacionalDo meio natural ao meio técnico científico informacional
Do meio natural ao meio técnico científico informacional
 
Agricultura mundial
Agricultura mundialAgricultura mundial
Agricultura mundial
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Localização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasilLocalização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasil
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
 
Urbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópolesUrbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópoles
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolítica
 

Destaque

Divisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalhoDivisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalho
recoba27
 
Dit classica e nova dit (Divisão Internacional do Trabalho)
Dit classica e nova dit (Divisão Internacional do Trabalho)Dit classica e nova dit (Divisão Internacional do Trabalho)
Dit classica e nova dit (Divisão Internacional do Trabalho)
Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais
 
DIT
DITDIT
Divisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalhoDivisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalho
Artur Lara
 
As 10 maiores empresas multinacionais do mundo
As 10 maiores empresas multinacionais do mundoAs 10 maiores empresas multinacionais do mundo
As 10 maiores empresas multinacionais do mundo
Marcos Felipe
 
Dit & tecnopólos aula
Dit & tecnopólos aulaDit & tecnopólos aula
Dit & tecnopólos aula
Ana Paula Alves
 
6 ano cap. 8
6 ano cap. 86 ano cap. 8
6 ano cap. 8
Camila Brito
 
África
ÁfricaÁfrica
África
Camila Brito
 
6ano.historia.Aula01.anglo
6ano.historia.Aula01.anglo6ano.historia.Aula01.anglo
6ano.historia.Aula01.anglo
Camila Brito
 
America do sul.revisão.
America do sul.revisão.America do sul.revisão.
America do sul.revisão.
Camila Brito
 
História.01
História.01História.01
História.01
Camila Brito
 
Atualidades 1 º semestre
Atualidades 1 º semestreAtualidades 1 º semestre
Atualidades 1 º semestre
Camila Brito
 
Atualidades Vestibular 2015.
Atualidades Vestibular 2015.Atualidades Vestibular 2015.
Atualidades Vestibular 2015.
Camila Brito
 
Reforma e contra reforma.
Reforma e contra reforma.Reforma e contra reforma.
Reforma e contra reforma.
Camila Brito
 
Vida humana e religiosa.anglo.primeiras civilizações.
Vida humana e religiosa.anglo.primeiras civilizações.Vida humana e religiosa.anglo.primeiras civilizações.
Vida humana e religiosa.anglo.primeiras civilizações.
Camila Brito
 
Egito.
Egito.Egito.
Egito.
Camila Brito
 
Povos nativos da América.
Povos nativos da América.Povos nativos da América.
Povos nativos da América.
Camila Brito
 
A Implatação Da República
A Implatação Da RepúblicaA Implatação Da República
A Implatação Da República
rosabraba
 
Africa
Africa Africa
Africa
Camila Brito
 
África e o vestibular.
África e o vestibular.África e o vestibular.
África e o vestibular.
Camila Brito
 

Destaque (20)

Divisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalhoDivisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalho
 
Dit classica e nova dit (Divisão Internacional do Trabalho)
Dit classica e nova dit (Divisão Internacional do Trabalho)Dit classica e nova dit (Divisão Internacional do Trabalho)
Dit classica e nova dit (Divisão Internacional do Trabalho)
 
DIT
DITDIT
DIT
 
Divisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalhoDivisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalho
 
As 10 maiores empresas multinacionais do mundo
As 10 maiores empresas multinacionais do mundoAs 10 maiores empresas multinacionais do mundo
As 10 maiores empresas multinacionais do mundo
 
Dit & tecnopólos aula
Dit & tecnopólos aulaDit & tecnopólos aula
Dit & tecnopólos aula
 
6 ano cap. 8
6 ano cap. 86 ano cap. 8
6 ano cap. 8
 
África
ÁfricaÁfrica
África
 
6ano.historia.Aula01.anglo
6ano.historia.Aula01.anglo6ano.historia.Aula01.anglo
6ano.historia.Aula01.anglo
 
America do sul.revisão.
America do sul.revisão.America do sul.revisão.
America do sul.revisão.
 
História.01
História.01História.01
História.01
 
Atualidades 1 º semestre
Atualidades 1 º semestreAtualidades 1 º semestre
Atualidades 1 º semestre
 
Atualidades Vestibular 2015.
Atualidades Vestibular 2015.Atualidades Vestibular 2015.
Atualidades Vestibular 2015.
 
Reforma e contra reforma.
Reforma e contra reforma.Reforma e contra reforma.
Reforma e contra reforma.
 
Vida humana e religiosa.anglo.primeiras civilizações.
Vida humana e religiosa.anglo.primeiras civilizações.Vida humana e religiosa.anglo.primeiras civilizações.
Vida humana e religiosa.anglo.primeiras civilizações.
 
Egito.
Egito.Egito.
Egito.
 
Povos nativos da América.
Povos nativos da América.Povos nativos da América.
Povos nativos da América.
 
A Implatação Da República
A Implatação Da RepúblicaA Implatação Da República
A Implatação Da República
 
Africa
Africa Africa
Africa
 
África e o vestibular.
África e o vestibular.África e o vestibular.
África e o vestibular.
 

Semelhante a Dit divisão internacional do trabalho.

Dit
DitDit
Modo de produção capitalista e dit
Modo de produção capitalista e ditModo de produção capitalista e dit
Modo de produção capitalista e dit
Luan Mesquita
 
Revolução Industrial e o Espaço Geografico
Revolução Industrial e o Espaço GeograficoRevolução Industrial e o Espaço Geografico
Revolução Industrial e o Espaço Geografico
Gabriel Siqueira
 
Os modos de produção capitalista e socialista
Os modos de produção capitalista e socialistaOs modos de produção capitalista e socialista
Os modos de produção capitalista e socialista
Colégio Nova Geração COC
 
O capitalismo e a construção do espaço geografico
O capitalismo e a construção do espaço geograficoO capitalismo e a construção do espaço geografico
O capitalismo e a construção do espaço geografico
flornomandacaru
 
7º ano aula 05 Industrialização Brasileira (2).pptx
7º ano aula 05 Industrialização Brasileira (2).pptx7º ano aula 05 Industrialização Brasileira (2).pptx
7º ano aula 05 Industrialização Brasileira (2).pptx
MoissProfGeo
 
Industria no Brasil 7 ano fundamental.pptx
Industria no  Brasil 7 ano fundamental.pptxIndustria no  Brasil 7 ano fundamental.pptx
Industria no Brasil 7 ano fundamental.pptx
anacardoso258774
 
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Rodrigo Teixeira
 
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritadaAtividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
Elisângela Martins Rodrigues
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Ana Carolina Martins
 
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.docA INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
AlfredoFilho18
 
Industrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.pptIndustrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.ppt
Igor da Silva
 
O capitalismo e a dit
O capitalismo e a ditO capitalismo e a dit
O capitalismo e a dit
Ivo Marcelo Felchak
 
3 ano apostila completa 2015 aula 01 e 02
3 ano apostila completa 2015   aula 01 e 023 ano apostila completa 2015   aula 01 e 02
3 ano apostila completa 2015 aula 01 e 02
Francisco Oliveira
 
Texto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismo
Texto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismoTexto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismo
Texto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismo
echechurry
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundial
karolpoa
 
Revisão capítulos 1 e 2
Revisão capítulos 1 e 2Revisão capítulos 1 e 2
Revisão capítulos 1 e 2
edudeoliv
 
Umanovaordemeconomicamundial
UmanovaordemeconomicamundialUmanovaordemeconomicamundial
Umanovaordemeconomicamundial
Lena Nabais
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º VaA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
ProfMario De Mori
 
Material complementar capitalismoxsocialismo
Material complementar capitalismoxsocialismoMaterial complementar capitalismoxsocialismo
Material complementar capitalismoxsocialismo
LUIS ABREU
 

Semelhante a Dit divisão internacional do trabalho. (20)

Dit
DitDit
Dit
 
Modo de produção capitalista e dit
Modo de produção capitalista e ditModo de produção capitalista e dit
Modo de produção capitalista e dit
 
Revolução Industrial e o Espaço Geografico
Revolução Industrial e o Espaço GeograficoRevolução Industrial e o Espaço Geografico
Revolução Industrial e o Espaço Geografico
 
Os modos de produção capitalista e socialista
Os modos de produção capitalista e socialistaOs modos de produção capitalista e socialista
Os modos de produção capitalista e socialista
 
O capitalismo e a construção do espaço geografico
O capitalismo e a construção do espaço geograficoO capitalismo e a construção do espaço geografico
O capitalismo e a construção do espaço geografico
 
7º ano aula 05 Industrialização Brasileira (2).pptx
7º ano aula 05 Industrialização Brasileira (2).pptx7º ano aula 05 Industrialização Brasileira (2).pptx
7º ano aula 05 Industrialização Brasileira (2).pptx
 
Industria no Brasil 7 ano fundamental.pptx
Industria no  Brasil 7 ano fundamental.pptxIndustria no  Brasil 7 ano fundamental.pptx
Industria no Brasil 7 ano fundamental.pptx
 
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
 
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritadaAtividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.docA INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
 
Industrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.pptIndustrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.ppt
 
O capitalismo e a dit
O capitalismo e a ditO capitalismo e a dit
O capitalismo e a dit
 
3 ano apostila completa 2015 aula 01 e 02
3 ano apostila completa 2015   aula 01 e 023 ano apostila completa 2015   aula 01 e 02
3 ano apostila completa 2015 aula 01 e 02
 
Texto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismo
Texto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismoTexto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismo
Texto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismo
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundial
 
Revisão capítulos 1 e 2
Revisão capítulos 1 e 2Revisão capítulos 1 e 2
Revisão capítulos 1 e 2
 
Umanovaordemeconomicamundial
UmanovaordemeconomicamundialUmanovaordemeconomicamundial
Umanovaordemeconomicamundial
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º VaA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
 
Material complementar capitalismoxsocialismo
Material complementar capitalismoxsocialismoMaterial complementar capitalismoxsocialismo
Material complementar capitalismoxsocialismo
 

Mais de Camila Brito

Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
Camila Brito
 
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
Camila Brito
 
Kahoot presentation (1)
Kahoot presentation (1)Kahoot presentation (1)
Kahoot presentation (1)
Camila Brito
 
Exemplo de Curriculo para professor.
Exemplo de Curriculo para professor.Exemplo de Curriculo para professor.
Exemplo de Curriculo para professor.
Camila Brito
 
Flipped classroom online
Flipped classroom onlineFlipped classroom online
Flipped classroom online
Camila Brito
 
Innovation for Learning - Griffith College
Innovation for Learning - Griffith CollegeInnovation for Learning - Griffith College
Innovation for Learning - Griffith College
Camila Brito
 
Aula Filosofia Contemporânea.
Aula Filosofia Contemporânea.Aula Filosofia Contemporânea.
Aula Filosofia Contemporânea.
Camila Brito
 
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
Camila Brito
 
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
Camila Brito
 
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
Camila Brito
 
Guia de estudos 9ano
Guia de estudos 9ano Guia de estudos 9ano
Guia de estudos 9ano
Camila Brito
 
Guia de estudos 8 ano
Guia de estudos 8 ano Guia de estudos 8 ano
Guia de estudos 8 ano
Camila Brito
 
Geologia geral e do Brasil
Geologia geral e do BrasilGeologia geral e do Brasil
Geologia geral e do Brasil
Camila Brito
 
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
Camila Brito
 
Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Conhecimento platônico
Conhecimento platônico
Camila Brito
 
Filosofia resumo
Filosofia resumoFilosofia resumo
Filosofia resumo
Camila Brito
 
Aula
Aula Aula
Geopolítica da América Latina .
Geopolítica da América Latina .Geopolítica da América Latina .
Geopolítica da América Latina .
Camila Brito
 
Guia de estudo para prova oficial 7ano
Guia de estudo para prova oficial 7anoGuia de estudo para prova oficial 7ano
Guia de estudo para prova oficial 7ano
Camila Brito
 
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
Camila Brito
 

Mais de Camila Brito (20)

Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
 
Kahoot presentation (1)
Kahoot presentation (1)Kahoot presentation (1)
Kahoot presentation (1)
 
Exemplo de Curriculo para professor.
Exemplo de Curriculo para professor.Exemplo de Curriculo para professor.
Exemplo de Curriculo para professor.
 
Flipped classroom online
Flipped classroom onlineFlipped classroom online
Flipped classroom online
 
Innovation for Learning - Griffith College
Innovation for Learning - Griffith CollegeInnovation for Learning - Griffith College
Innovation for Learning - Griffith College
 
Aula Filosofia Contemporânea.
Aula Filosofia Contemporânea.Aula Filosofia Contemporânea.
Aula Filosofia Contemporânea.
 
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
 
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
 
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
 
Guia de estudos 9ano
Guia de estudos 9ano Guia de estudos 9ano
Guia de estudos 9ano
 
Guia de estudos 8 ano
Guia de estudos 8 ano Guia de estudos 8 ano
Guia de estudos 8 ano
 
Geologia geral e do Brasil
Geologia geral e do BrasilGeologia geral e do Brasil
Geologia geral e do Brasil
 
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
 
Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Conhecimento platônico
Conhecimento platônico
 
Filosofia resumo
Filosofia resumoFilosofia resumo
Filosofia resumo
 
Aula
Aula Aula
Aula
 
Geopolítica da América Latina .
Geopolítica da América Latina .Geopolítica da América Latina .
Geopolítica da América Latina .
 
Guia de estudo para prova oficial 7ano
Guia de estudo para prova oficial 7anoGuia de estudo para prova oficial 7ano
Guia de estudo para prova oficial 7ano
 
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
 

Último

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

Dit divisão internacional do trabalho.

  • 2. DIT A DIT (Divisão Internacional do Trabalho) é a distribuição da produção econômico-industrial internacional. Considerando que é impossível que um único país seja potencialmente produtor de todas as mercadorias, dividem-se os campos de especialização produtiva pelas diversas partes da Terra.
  • 3. A Divisão Internacional do Trabalho consiste na especialização produtiva dos países e das regiões na intensificação das trocas.
  • 4. No fim do século XV, o capital estava na distribuição e circulação das mercadorias entre as metrópoles e suas colônias. As diversas regiões do mundo passaram a desenvolver funções diferentes, pois cada uma passou a especializar-se no fornecimento de matéria-prima, metais preciosos, produtos manufaturados etc. Dessa maneira, a metrópole exportava manufaturas e as colônias produziam matéria-prima e exportavam para a metrópole.
  • 5. A DIT passou por algumas fases, essas obedeceram à dinâmica econômica e política do período histórico em que elas existiram.
  • 6. Primeira DIT Durante o final do século XV e ao longo do século XVI, período de início das grandes navegações e de expansão da civilização europeia pelo mundo, o capitalismo encontrava-se em sua fase inicial, chamada de capitalismo comercial. Esse período era caracterizado pela manufatura (produção manual) a partir da extração de matérias- primas e pelo acúmulo de minérios e metais preciosos por parte das nações (metalismo).
  • 7. Os locais colonizados pelos países europeus exerciam a função de produzir, a partir da exploração de seus recursos naturais, os metais preciosos e as matérias- primas utilizados pelas metrópoles. Um exemplo é o do Brasil, em que Portugal extraía o Pau-Brasil para a produção de vários tipos de produtos.
  • 9. Segunda DIT Durante o século XVI – mas principalmente a partir do século XVII – essa divisão do trabalho sofreu algumas poucas e sensíveis alterações. Com a Primeira e a Segunda Revolução Industrial, as colônias e os países subdesenvolvidos passaram a fornecer também produtos agrícolas, assim como vários tipos de minerais e especiarias.
  • 10. Nesse período, por exemplo, o Brasil se viu marcado pela monocultura da cana- de-açúcar (século XVI) e exploração de ouro (século XVII).
  • 12. Terceira DIT ou “Nova DIT” A partir do século XX, com a Revolução Técnico-Científica-Informacional e a consolidação do Capitalismo Financeiro, temos a expansão das grandes multinacionais pelo mundo. Isso acarretou na mudança da Divisão Internacional do Trabalho, que passou a ser conhecida também por Nova DIT.
  • 13.
  • 14. Nesse período, os países subdesenvolvidos também realizaram os seus processos tardios de industrialização. Só que, diferentemente da industrialização dos países desenvolvidos, essa aconteceu a partir da abertura do mercado financeiro desses países e pela instalação de empresas Multinacionais ou Globais, oriundas, quase sempre, de países desenvolvidos.
  • 15. Assistiu-se também a uma segmentação do mercado produtivo. Para buscar isenções de impostos e rápido acesso a matérias-primas nos países subdesenvolvidos, as multinacionais distribuíram o seu processo produtivo por todo o globo terrestre.
  • 16. Um carro, por exemplo, tem o seu motor produzido no México, os para-choques na Argentina, o Chassi na Coreia do Sul e a montagem realizada no Brasil. Com isso, surgiu a denominação de “indústrias maquiladoras”, pois não havia produção de nenhum material nelas, mas apenas a montagem oriunda da produção de peças de diversos setores do mundo.
  • 17. É importante ressaltar que a produção industrial continua sendo realizada majoritariamente pelos países desenvolvidos, ou com o capital oriundo desses países. Apenas o local da produção é que mudou, mas todo o capital dessas empresas retorna aos seus países de origem. Essa migração das multinacionais se deve pela busca de mão de obra abundante nos países pobres e por maiores oportunidades de explorarem os recursos naturais.
  • 18. Modelos de produção No início do século XX duas formas de organização de produção industrial provocaram mudanças significativas no ambiente fabril: o taylorismo e o fordismo. Esses dois sistemas visavam à racionalização extrema da produção e, consequentemente, à maximização da produção e do lucro.
  • 19. Taylorismo - sistemas técnicos que objetivam a otimização do emprego da mão-de-obra de modo a aumentar a racionalização do movimento e evitar a ociosidade e a morosidade operária. Frederick Winslow Taylor
  • 20. Fordismo - um processo industrial onde há produção em série, linhas de montagens, cada operário realiza uma tarefa específica, produção em massa. As fábricas ocupavam grandes áreas que exigiam um complexo sistema de controle. Henri Ford
  • 21.
  • 22. O Fordismo e o Taylorismo foram muito aplicados desde o início do século XX até aproximadamente a década de 1970. A partir daí o Toyotismo começa a ganhar espaço nos modelos de produção industrial.
  • 23. Toyotismo – também um processo industrial, agora regulado por tarefas diárias, utilização de pequeno estoque, altos índices de terceirização. Taiichi Ohno O espaço industrial é descentralizado, as peças são entregues diariamente e o controle sobre todo processo é mais dinâmico e simplificado.
  • 24. Referências SLIDESHARE. Disponivel em: <http://www.slideshare.net/recoba27/diviso- internacional-do-trabalho>. Acesso em: 15/11/13. BRASILESCOLA. Disponivel em: <http://www.brasilescola.com/geografia/divisao- internacional-trabalho-dit.htm>. Acesso em: 15/11/13. ALEXANDRE. Disponivel em: <http://wwwblogdoprofalexandre.blogspot.com.br/20 12/07/modelos-de-producao-fordismo- taylorismo.html>. Acesso em: 15/11/13.